A LEITURA EXISTENCIAL DA PSICANÁLISE EM O SER E O NADA DE JEAN-PAUL SARTRE 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A LEITURA EXISTENCIAL DA PSICANÁLISE EM O SER E O NADA DE JEAN-PAUL SARTRE 1"

Transcrição

1 A LEITURA EXISTENCIAL DA PSICANÁLISE EM O SER E O NADA DE JEAN-PAUL SARTRE 1 Pierre Mignac de Lira, (graduado em Filosofia pela UFPE). Orientador: Prof. Dr. Vincenzo di Matteo (Programa de pós-graduação da UFPE) Resumo: Neste trabalho pretendemos expor as críticas de Sartre dirigidas a Freud, encontradas no segundo capítulo da primeira parte do seu livro O Ser e o Nada. Em seguida faremos uma breve análise dessas críticas e as suas articulações com a filosofia existencial de Sartre. Palavras-chave: Inconsciente, Má-fé, Psicanálise. P ara os filósofos de orientação fenomenológica, foi difícil tolerar dois aspectos do freudismo: o primeiro deles caracterizava uma filosofia implícita que parecia retirar da consciência os poderes que, em seguida, atribuía multiplicados a um inconsciente astucioso e maligno. E o segundo, exibia uma linguagem que tentava explicar os fenômenos psíquicos completamente embebida em um marcado e indevido positivismo. 2 Dentre os que se defrontaram com essa problemática no séc. XX destacamos a figura de Sartre, que se considerava não um falso amigo da psicanálise, e sim um companheiro de viagem crítico. 3 Na sua obra principal O Ser e o Nada o filósofo francês, a partir de uma descrição fenomenológica da realidade, nos transporta através de longas cadeias argumentativas a uma concepção ontológica do homem, do mundo e das possíveis relações que daí surgem. É também nesta obra que Sartre desfere críticas à estrutura do sujeito freudiano e, ao contrário do que se possa imaginar, não fica apenas com uma postura desconstrutivista, ele limpa, depura a psicanálise, que ele chama de empírica, dos elementos que não confirmam com a sua análise existencial e a aproxima da sua concepção de homem. Neste trabalho não pretendemos traçar uma história das relações de Sartre com a psicanálise, rastreando textos e entrevistas com ela relacionados, mas ater-se única ou pelo menos principalmente à obra de Sartre O ser e o Nada, considerando que as teses 1 O trabalho é resultado de um ano de pesquisas do PIBIC com o apoio do CNPq e sob orientação do Professor Doutor Vincenzo di Matteo. 2 MATTEO, V. Di. Sartre a psicanálise existencial. In: (Org.). Ressonâncias freudianas na filosofia do séc. XX. Recife: Mestrado em Filosofia da UFPE, p PONTALIS, J.-B. Freud posto em imagens. In: Perder de vista. Rio de Janeiro: Zahar, p.154.

2 LIRA, Pierre Mignac de com relação à psicanálise, nela contidas, não se alteraram substancialmente no decorrer dos anos. No primeiro momento trataremos das críticas feitas a Freud, mais especificamente, e por serem as principais, as que se encontram no segundo capítulo da primeira parte da referida obra. Em seguida, tentaremos avaliar como elas se articulam com a filosofia existencial de Sartre. Má-fé e mentira A exposição da crítica feita por Sartre à psicanálise freudiana deve, em primeiro lugar, partir da elucidação de um conceito crucial de sua filosofia: a má-fé. Na sua fundamentação ontológica da realidade o filósofo francês chega ao ponto de afirmar que o homem é o ser pelo qual a negação (o nada) vem ao mundo. E não é apenas isso: É também o ser que pode tomar atitudes negativas com relação a si. 4 Mas tal afirmação nos leva a uma indagação: que deve ser o homem em seu ser para que lhe seja possível negar-se? A clarificação de tal questão deve ser respondida a partir de uma conduta essencial à realidade humana; uma atitude em que a consciência volta a sua negação para si em vez dirigi-la para fora. Esta é a má-fé. Sartre afirma que a má-fé pode ser comparada à mentira, desde que façamos uma distinção entre simplesmente mentir e mentir a si mesmo. Na mentira, o mentiroso está completamente a par da verdade que esconde. Não se mente sobre o que se ignora; não se mente quando se difunde um erro do qual se é vítima; não se mente quando se está equivocado. 5 O mentiroso pretende simplesmente enganar e não tenta, com isso, dissimular essa intenção ou mascarar a translucidez da consciência. Nesse sentido, não está sendo posta em jogo a intra-estrutura da consciência que é pura transcendência; todas as negações que constituem a mentira recaem sobre os objetos. Ela é o fenômeno natural do mit-sein, parte do reconhecimento da minha existência, da do outro, minha existência para o outro e a existência do outro para mim. É através dela que a consciência afirma existir como oculta para o outro, toma proveito de dualidade ontológica do eu e do eu do outro. Em outras palavras, para haver mentira é necessária a presença daquele que engana e a do enganado. Fica instaurada a dualidade enganadorenganado. 4 SARTRE, J-P. O Ser e o Nada. 13ª ed. Petrópolis: Vozes, p Idem. p. 93

3 A LEITURA EXISTENCIAL DA PSICANÁLISE EM O SER E O NADA DE JEAN-PAUL SARTRE Mas sendo a má-fé um mentir a si mesmo, fica negada a dualidade ontológica a que tínhamos nos referido. Na má-fé eu escondo a verdade de mim, não há dualidade enganador-enganado, nela está implícita a unidade de uma consciência. Não se trata de um estado, não nos infectamos com ela; não vem de fora da realidade humana, a própria consciência se afeta da má-fé. Há um projeto de má-fé e uma intenção primordial, isto é, aquele a quem se mente e aquele que mente é uma só e mesma pessoa. Nas palavras de Sartre Enquanto enganador, devo saber a verdade que é-me disfarçada enquanto enganado. 6 Ou melhor, essa verdade para que seja ocultada por mim com o maior cuidado, deve ser muito bem conhecida por mim. Para que haja uma melhor compreensão do fenômeno da má-fé, vamos a um exemplo bastante elucidativo. Vejamos esse garçom. Tem gestos vivos e marcados, um tanto precisos demais, um pouco rápido demais, e se inclina com presteza algo excessiva. Sua voz e seus olhos exprimem interesse talvez demasiado solícito pelo pedido do freguês. Afinal volta-se, tentando imitar o rigor inflexível de sabe-se lá que autômato. 7 Toda a sua conduta parece uma brincadeira, ele assume a presteza e a rapidez inexorável das coisas. Ele brinca de ser garçom; brinca com a sua condição para realizála, tentando se aprisionar naquilo que é. Mas o problema é que o garçom não pode ser garçom de imediato e por dentro como esse tinteiro é tinteiro, ou esse livro é livro. A sua condição de sujeito remete a transcendência, a possibilidades abstratas; ao sujeito que deve ser, mas não é. Só posso ser esse ser-garçom por representação. Por mais que cumpra as funções de garçom só posso ser garçom de forma neutralizada, como um ator interpreta Hamlet... 8 Mas o que tento realizar é o ser em-si do garçom, como se não fosse de minha escolha me levantar às cinco horas da manhã ou ficar deitado, correndo o risco de ser demitido do emprego. Eu sou garçom não a maneira do em-si e sim sendo o que não sou, sendo aquele que transcende de ponta a ponta e ser em-si que pretendo ser. Sou uma divina ausência que por toda parte escapa ao ser. 6 Idem. p Idem. p Idem. p

4 LIRA, Pierre Mignac de Isso se dá pelo modo de ser da consciência que é o para-si; pura transcendência, o oposto do em-si. Sendo este o ser (pura positividade) fechado em si mesmo, o para-si se manifesta como o outro que não o em-si, como o nada que possui uma ânsia pelo ser, como uma manifestação que é pura relação com este ser-em-si. Por isso a consciência se faz, seu ser é intencional, voltado para fora, é consciência de ser. A má-fé se manifesta quando esta condição humana se desdobra para assumir uma segunda natureza, quando o garçom quer se tornar coisa-garçom. Nas palavras de J. F. Povoas: Na má-fé, o homem recusa sua liberdade, deixa de ser razão para ser paixão. Ele é agora, apenas uma mentira. 9 Mas surge aí uma pergunta: aquele que se afeta de má-fé, deve ter a consciência de sua má-fé? Não. A auto-mentira, simples e deliberada, retrocede e desmorona ante a consciência de estar mentindo a si mesmo. Não é um auto-engano como definiu Danto 10 deixando de lado a dinâmica ontológica da consciência. A má-fé é um fenômeno evanescente, possui uma forma autônoma e duradoura; pode ser o aspecto normal da vida de um grande número de pessoas. Pode-se viver na má-fé. 11 Dificilmente poderemos rechaçá-la ou compreendê-la como um todo. Mas há tentativas de escapar a essa dificuldade, uma delas é o recurso ao inconsciente que faz a Psicanálise. Má-fé e Psicanálise Segundo Sartre, ao usar a hipótese de uma censura concebida como linha de demarcação, a psicanálise instaura no seio da consciência a dualidade enganadorenganado. O instinto representa a realidade, ele simplesmente é, como este livro ou esta cadeira, isto é, ao modo do ser em-si, ao modo do objeto. Suas manifestações nos chegam através de simbolizações conscientes que devem ser consideradas como fatos psíquicos reais sonhos, fobias, etc. assim como as palavras e as atitudes do mentiroso que chegam até nós. Diante desses fenômenos o sujeito deve interpretá-los como quem interpreta as condutas do enganador. A verdade surgiria quando o enganado conseguisse vincular essas atitudes à situação em que se acha o enganador. Ao psicanalista cabe a tarefa de extrair desses atos simbólicos uma verdade e relacionálas à situação histórica do paciente. 9 PÓVOAS, J. F. Má fé(negação interna) Disponível em : 10 DANTO, A. C. As Idéias de Sartre. São Paulo: Cultrix, p SARTRE. Op. Cit., p.107.

5 A LEITURA EXISTENCIAL DA PSICANÁLISE EM O SER E O NADA DE JEAN-PAUL SARTRE Para o filósofo de O Ser e o Nada, a massa psíquica foi cindida em duas quando o pai da psicanálise fez a distinção entre Id e Eu. Sou, mas não sou o Id. Não tenho acesso privilegiado com relação ao meu psiquismo não consciente. 12 Na medida em que constato os meus fenômenos psíquicos, sou meus próprios fenômenos. Eu sou este impulso de roubar este livro, ilumino-o e me determino, em sua função, a cometer esse roubo. Mas na medida em que o recebo passivamente e conjeturo hipóteses sobre sua origem, eu não sou esses fatos, isto é, no instante que o interpreto como um impulso imediato determinado pela falta do livro ; quando o afirmo como um processo de autopunição, vinculado a um complexo de Édipo, estou dizendo que existe uma verdade do impulso ao roubo alcançável por hipóteses mais ou menos prováveis. Os critérios usados para saber se essa verdade foi alcançada serão dois: o número de fatos psíquicos conscientes que posso explicar e o êxito da cura psicanalítica. Para isso é necessário um mediador entre os rebentos inconscientes e a vida consciente: o psicanalista. Nesse caso, é o outro que executa a síntese entre a tese inconsciente e a antítese consciente. Portanto, a psicanálise substitui a noção de má-fé pela idéia de uma mentira sem mentiroso. Coloco-me em relação a mim mesmo na situação do outro; ela troca a dualidade do enganador-enganado pela dualidade do Id e do Eu e introduz, em minha subjetividade, a estrutura intersubjetiva do mit-sein. Resistência e censura Todavia, o Id não pode ser apenas representado como coisa em relação à hipótese do psicanalista, porque a coisa é indiferente às conjecturas que se faz sobre ela, mas o Id, ao contrário, é tocado por essas conjecturas. A maior prova disso são as resistências que surgem no decorrer do tratamento psicanalítico, quando a análise começa a se aproximar da suposta verdade. Contudo, surge uma pergunta: que parte do paciente pode resistir assim? O Eu não poderia suspeitar que o psicanalista se aproxima do seu alvo, pois ele quer desvendar tanto quanto o médico o sentido de suas próprias reações. No máximo ele pode medir e apreciar o grau de probabilidade das conjeturas emitidas. Para o psicanalista as resistências são surdas e profundas, vêm de longe, têm raízes na própria coisa que se quer elucidar Idem. p Idem. p. 98..

6 LIRA, Pierre Mignac de Essas resistências, tampouco emanam do complexo que se quer desvendar; enquanto tal, ele é mais um colaborador, pois recorre a astúcias frente à censura e tende a expressar-se na consciência clara. Se a censura capta as perguntas e as revelações do analista como mais ou menos próximas daquilo que ela almeja reprimir, então ela sabe o que reprime. Ela age com discernimento e sabe o que deve reprimir ou não. Em outras palavras, para Sartre a censura escolhe aquilo que deve ser ou não ser reprimido; a prova disso é que ela libera impulsos sexuais lícitos e permite que necessidades básicas do indivíduo expressem-se na consciência como fome, sede, sono, etc. E mais: como explicar que a censura relaxa sua vigilância e pode ser enganada pelos disfarces do instinto? Mas não basta que distinga as tendências malignas; é necessário, além disso, que as apreenda como algo que deve ser reprimido, o que subtende, ao menos um representação da atividade. 14 Para Sartre, é impossível que a censura possa discernir impulsos reprimíveis sem ter consciência de discerni-los, pois segundo ele, todo saber é consciência de saber. Essas operações pressupõem que a consciência seja consciente (de) 15 si mesma. Isso significa que a censura é de má-fé. Ao estabelecer entre o inconsciente e a consciência uma consciência autônoma, a psicanálise age de má-fé. Segundo o nosso filósofo, ao determinar uma trindade no psiquismo (Ego, Id, Superego) a teoria freudiana construiu apenas uma nova termologia sem o menor sentido. Para Sartre, a teoria psicanalítica não consegue sequer dar conta da unidade do fenômeno como um todo e estabelecer conexões compreensíveis entre diferentes momentos do psiquismo. Como a tendência reprimida pode disfarça-se, já que não contém: 1º a consciência de ser reprimida; 2 º a consciência de ter sido rechaçada por ser o que é; 3 um projeto de disfarce? 16 Para que houvesse a possibilidade de se camuflar e se deixa representar na consciência clara sob a forma de representações simbólicas, aquilo que esta sendo censurado deve ter a consciência desta censura. Ao rejeitar a unidade consciente do psiquismo, Freud viu-se obrigado a subentender por toda parte uma unidade mágica dos fenômenos internos do psiquismo, sobrepujando obstáculos à distância tal como aquela crença primitiva de que a pessoa enfeitiçada estaria unida à figura de cera talhada a sua imagem. Dizendo melhor, nem esse vodu psicanalítico suprimiria a coexistência de estruturas contraditórias e ao mesmo tempo 14 Idem. Ibidem 15 Como o próprio Sartre nota, o uso do parêntese se faz necessário para diferenciar esse (de) de um problema concernente a teoria do conhecimento. 16 Idem. p. 99.

7 A LEITURA EXISTENCIAL DA PSICANÁLISE EM O SER E O NADA DE JEAN-PAUL SARTRE complementares. Para Sartre hipostasiou-se e coisificou-se a má-fé sem evitá-la. É evidente que a partir dessas afirmações, o nosso filósofo está convencido de que a natureza da neurose é consciente. Um esboço crítico Pois bem, que relevância todas essas críticas têm para a obra freudiana? É necessário reconhecer que só um espírito atento poderia encontrar problemas internos na estrutura da teoria psicanalítica do sujeito, como o faz Sartre. Mas o mestre francês cai em um erro metodológico. É sabido que a obra freudiana não possui uma unidade com a qual possamos lidar de forma aleatória. Assim como as Meditações de Descartes e a Fenomenologia do Espírito de Hegel os textos de Freud devem ser lidos como um continuo processo de transformação e evolução interna. Descartes sempre advertiu que era mal entendido pelos seus adversários quando estes não respeitavam aquilo que ele chamou de ordem das razões. A leitura da Fenomenologia deve ser feita à luz do princípio ativo de Hegel e tendo em mente o movimento interno que é inerente à obra. O mesmo se dá com Freud. Durante toda a sua vida, o pai da psicanálise reformulou várias vezes a sua teoria; desde o primeiro escrito até o último encontramos uma ciência em constante processo de auto-correção. Não apontando diretamente para um, ou mais textos de Freud, Sartre nos deixa num beco sem saída, pois não sabemos qual o momento da obra de Freud que ele está a criticar. Contudo, podem ainda nos objetar que pelo arcabouço conceitual usado por Sartre Id, Ego, Superego ele refere-se mais propriamente a segunda tópica freudiana. É verdade, não há como negar. Mas mesmo após reconstruir a estrutura psíquica com uma segunda tópica que fundamentalmente não mudou até o seu último escrito, Freud reformula, nessa mesma tópica, pelo menos umas três teorias da pulsão diferentes. Visto desta forma, não podemos empreender uma análise crítica mais aguda pelo menos nesse momento da leitura sartriana da psicanálise, pois o nosso filósofo não aponta para o Freud que ele está criticando. A crítica sartriana no seu projeto existencial Feita essa exposição reflexiva das criticas dirigidas a Freud, devemos agora pensá-las à luz do projeto fundamental da filosofia exposta na volumosa obra O Ser e o Nada. Que.

8 LIRA, Pierre Mignac de importância elas têm para o pensamento sartriano, e para o entendimento do comportamento humano? Como nota muito bem Bornheim, 17 a ontologia de Sartre não pretende e nem consegue disfarçar uma inelutável compulsão a transformação do homem. Há em toda obra O Ser e o Nada, uma presença indiscutível do problema moral, que também está arraigada no conceito da má-fé. Este possui um conteúdo moral implícito de difícil dissolução. O que o mestre francês quer é uma moral da responsabilidade que ponha o homem no centro das suas atitudes, que lhe diga que ele, e somente ele, é o responsável pelo seu ser e pelas suas escolhas. Ora, a psicanálise retiraria do homem toda e qualquer possibilidade de uma ação livre e autônoma. Segundo Rubens Queiroz Cobra: Aqueles que usam o inconsciente como desculpa do comportamento acreditam que os nossos instintos, nossas inclinações e nossos complexos constituem uma realidade que simplesmente é; que não é nem verdadeira nem falsa em si mesma, mas simplesmente real. 18 E o que é pior, o postulado do psiquismo freudiano não resolve nem muito menos promove as bases de uma possível dissolução do problema da má-fé. Muito pelo contrário, nas palavras de Burdzinski: Dessa forma, a psicanálise consegue apenas complexificar e ampliar o problema [...] desde o início promovido pela má-fé. Com isto, a solução psicanalítica revela-se antes como uma pseudo-solução; sua proposta teórica conduz a uma instância a censura na qual o problema da má-fé se repõe e a explicação a cerca de sua natureza deve ser reiniciada. 19 Para Sartre, a hipótese do inconsciente comete um profundo equívoco ontológico: ela introduz na dimensão do para-si uma opacidade que cabe unicamente ao em-si. Sartre entende que a teoria psicanalítica é insuficiente para dar conta da má-fé e, conseqüentemente, por o homem no centro de suas ações. 17 BORNHEIM, G. Sartre. 3ª ed. São Paulo: Perspectiva p COBRA, R. Q. Sartre nega o inconsciente freudiano. Disponível em : 19 BURDZINSKI, Júlio César. Má fé e autenticidade. Rio Grande do Sul: Unijuí, p. 40.

9 A LEITURA EXISTENCIAL DA PSICANÁLISE EM O SER E O NADA DE JEAN-PAUL SARTRE CONCLUSÃO Interpretar os rebentos do inconsciente como quem interpreta as palavras de um mentiroso é instaurar, no seio da consciência uma dualidade que é própria do fenômeno da mentira: a dualidade do enganador e do enganado. A censura, sendo a barreira e ao mesmo tempo o elo entre os fenômenos conscientes (sonhos, neuroses, etc.), deve ter consciência daquilo que esta reprimindo, pois do contrário, se reprimisse todos os instintos do inconsciente de forma aleatória, os instintos lícitos não chegariam ao que ele chama de consciência limpa. Não sentiríamos, por exemplo, fome, sede, etc.. Aquilo que se censura, só o pode ser, se estamos a par dos problemas que esses instintos podem nos causar. E mais: aquilo que é censurado, para poder burlar a censura e se apresentar como fenômeno consciente, deve saber que vai ser censurado. Portanto, todos esses fenômenos possuem um aspecto consciente e podem ser resolvidos no nível da consciência. Como dissemos, mesmo não fazendo referência direta a que momento da psicanálise Sartre critica, ele entende que esta não consegue, naquilo que lhe é fundamental (a cisão do psiquismo em inconsciente e consciente), dar conta do fenômeno da má-fé. E o que é pior: essas questões, esboçando uma falha interna na teoria psicanalítica, complexificam ainda mais o problema da má-fé; portanto, a teoria psicanalítica desabaria no nada por se mostrar insuficiente na explicação do fenômeno da negação interna. Encontrando problemas na estruturação teórica da metapsicologia freudiana, o nosso filósofo acredita ter descoberto na psicanálise uma conduta de má-fé. Há na filosofia sartriana um projeto implícito baseado numa ontologia da liberdade; um projeto de transformação do homem. Esta transformação, que é moral, não é apenas um rebento da sua filosofia, mas sim uma necessidade na qual toda ela converge. O inconsciente freudiano retira do homem aquilo que lhe é fundamental: a sua liberdade de escolha. Portanto, se quisermos uma moral da libertação e da salvação é necessário dar ao homem a responsabilidade por seus atos e não estabelecer como desculpa para os seus comportamentos de má-fé uma dimensão subterrânea que subsiste sob a esfera consciente. 20 Referências Bibliográficas: SARTRE, J-P. O Ser e o Nada. 13ª ed. Petrópolis: Vozes, BORNHEIM, G. Sartre. 3ª ed. São Paulo: Perspectiva, Idem. p. 38..

10 LIRA, Pierre Mignac de BURDZINSKI, Júlio César. Má fé e autenticidade. Rio Grande do Sul: Unijuí, COBRA, Rubens Queiroz. Má-fé; Psicanálise existencial. Disponível em: <http://www.cobra.pages.nom.br/fcp-sartre.html#psicanálise> Acesso em: 06/04/2006 DANTO, A. C. As Idéias de Sartre. São Paulo: Cultrix, MATTEO, V. Di. Sartre a psicanálise existencial. In: (Org.). Ressonâncias freudianas na filosofia do séc. XX. Recife: Mestrado em Filosofia da UFPE, PONTALIS, J.-B. Freud posto em imagens. In: Perder de vista. Rio de Janeiro: Zahar, PÓVOAS, J. F. Má fé(negação interna) Disponível em : <http://www.cefetesp.br/edu/eso/filosofia/mefepsicanalisecsc.html > Acesso em: 06/04/2006

O Ser na Psicanálise Existencial

O Ser na Psicanálise Existencial O Ser na Psicanálise Existencial Paulo Roberto de Oliveira Resumo: Pretendemos abordar a questão do ser, pois, entendemos que a reflexão sobre o humanismo ou pós-humanismo passa por uma análise ontológica.

Leia mais

REICH E A ECONOMIA SEXUAL

REICH E A ECONOMIA SEXUAL 1 REICH E A ECONOMIA SEXUAL José Henrique Volpi Freud havia postulado que o sintoma neurótico é resultado da repressão de um trauma sexual ocorrido na infância. Mas não conseguia explicar o porque tal

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos).

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). A sistematização antropológica que segue corresponde à perspectiva apresentada

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia Carlos Gustavo Monteiro Cherri Mestrando em Filosofia pela UFSCar gucherri@yahoo.com.br

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes

A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes Juliana Abuzaglo Elias Martins Doutoranda em Filosofia pela UFRJ

Leia mais

Disciplina de Psicologia B 12 o Ano Turma A

Disciplina de Psicologia B 12 o Ano Turma A Disciplina de Psicologia B 12 o Ano Turma A Resolução da Ficha Formativa de Trabalho de Grupo nº1 1 Desde a antiguidade que a psicologia era entendida, morfologicamente, como no estudo da alma e da mente,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Rede7 Mestrado em Ensino do Inglês e Francês no Ensino Básico ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO: DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Teorias Psicodinâmicas A Psicanálise de Sigmund Freud A perspectiva de

Leia mais

Psicanálise: técnica para discernir e descobrir os processos psíquicos.

Psicanálise: técnica para discernir e descobrir os processos psíquicos. O conhecimento da psicanálise para o administrador, pode estar facilitando a compreensão das reações e comportamentos das pessoas com quem ele vai estar lidando no seu dia-dia. Temas discutidos nesta aula:

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE Maria Fernanda Guita Murad Pensando a responsabilidade do analista em psicanálise, pretendemos, neste trabalho, analisar

Leia mais

Negar é no fundo querer recalcar

Negar é no fundo querer recalcar Negar é no fundo querer recalcar Jorge A. Pimenta Filho Introdução A Negativa 1 artigo de Freud escrito em 1925 se refere à metapsicologia e também à técnica psicanalítica. (FREUD, 1976). A primeira indicação

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

ÁGORA Revista Eletrônica ISSN 1809 4589 Página 54-58

ÁGORA Revista Eletrônica ISSN 1809 4589 Página 54-58 ABORDAGEM FENOMENOLÓGICO-HERMENÊUTICAS Henriqueta Alves da Silva 1 RESUMO O presente artigo elege a abordagem fenomenológico-hermenêutica como um dos métodos mais importantes para a elaboração de pesquisas

Leia mais

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito Autor: Felipe Nunes de Lima Bacharel em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Integrante do Núcleo de Pesquisa: Psicanálise, Discurso e Laço

Leia mais

FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA

FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Adriano José da Silva, Patrícia Hetti Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Licenciatura em geografia adriano_hist@hotmail.com.

Leia mais

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO Iraquitan de Oliveira Caminha 1 O objetivo desse estudo é analisar a experiência de tocar e de ver, considerando a pulsão de domínio, concebida por Freud, e a motricidade

Leia mais

SARTRE E O EXISTENCIALISMO

SARTRE E O EXISTENCIALISMO SARTRE E O EXISTENCIALISMO Ilda Helena Marques (COFIL-FUNREI) Orientador: Alberto Tibaji (DELAC-FUNREI) Resumo: No livro o que é o existencialismo, João da Penha diz, de maneira explícita, que a repercussão

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap.

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap. GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS 3º Encontro - 31 de agosto 2015 No começo era o amor (Cap.I) No primeiro capítulo do Livro 8, Lacan (1960-1961) inicia com

Leia mais

Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1]

Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1] Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1] Teresa Pinheiro [2] Este trabalho é um desdobramento da nossa participação na pesquisa clínico-teórica, Patologias narcísicas

Leia mais

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste HEIDEGGER: A REDUÇÃO FENOMENOLÓGICA E A PERGUNTA PELO SER 269 - Caderno de texto IV Congresso de Fenomenologia da Região Cenro-Oeste. Resumo: Maria Clara CESCATO - UFPB, Campus IV cescato@voila.fr Eixo

Leia mais

AFORISMOS DE JACQUES LACAN

AFORISMOS DE JACQUES LACAN AFORISMOS DE JACQUES LACAN Marco Antonio Coutinho Jorge (org.) O texto de Lacan, assim como o de Swedenborg, segundo Borges, é daqueles que expõe tudo com autoridade, com uma tranqüila autoridade. Ciente,

Leia mais

Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade

Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade Teresa Pinheiro Regina Herzog Resumo: A presente reflexão se

Leia mais

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas 9 1. PSICANÁLISE DE CRIANÇAS 1.1 Freud: uma criança é abordada Embora a pesquisa original de Freud tenha se desenvolvido a partir da análise de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à

Leia mais

As vicissitudes da repetição

As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição Breno Ferreira Pena Resumo O objetivo deste trabalho é explorar o conceito de repetição em psicanálise. Para tanto, o autor faz uma investigação

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

DE ONDE VEM A RESISTENCIA? 1

DE ONDE VEM A RESISTENCIA? 1 DE ONDE VEM A RESISTENCIA? 1 Maria Lia Avelar da Fonte 2 A terra da verdade é uma ilha, rodeada por um oceano largo e tormentoso, a região da ilusão; onde muitos nevoeiros, muitos icebergs, parecem ao

Leia mais

A dissecção da personalidade psíquica

A dissecção da personalidade psíquica A dissecção da personalidade psíquica Comentários sobre A dissecção da personalidade psíquica (Conferência número XXXI das Novas Conferências Introdutórias à Psicanálise, volume XXII das Obras Completas

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

De onde vem a resistencia? 1

De onde vem a resistencia? 1 De onde vem a resistencia? 1 Maria Lia Avelar da Fonte 2 1 Trabalho apresentado na Jornada Freud-lacaniana. 2 M dica, psicanalista membro de Intersecção Psicanalítica do Brasil. De onde vem a resistência?

Leia mais

Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br]

Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br] FONTE: CRP-RJ DEZEMBRO DE 2006 Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br] Como funciona a terapia junguiana? A Análise junguiana está dentro da

Leia mais

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Ano III Número 08 OUT-DEZ ISSN: 2178-2008 A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Gustavo Javier Castro Silva 1 Para Pierre Bourdieu, a sociologia tem uma vocação para criticar todos

Leia mais

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica Laureci Nunes A fantasia fundamental, aspecto central da vida psíquica, orienta a clínica

Leia mais

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins 2. Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins As considerações iniciais deste capítulo dizem respeito à faculdade do juízo, elemento sem o qual não é possível entender o fundamento

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

O sonho e a psicanálise freudiana

O sonho e a psicanálise freudiana O sonho e a psicanálise freudiana Giovana Rodrigues da Silva 1 Resumo: O presente estudo aborda a psicanálise freudiana acerca dos sonhos, iniciada em 1890, aproximadamente. Para Freud, a essência do sonho

Leia mais

Negativo: espaço, tempo e história [1] espaço delimitado por um tempo e um momento que faz notação histórica

Negativo: espaço, tempo e história [1] espaço delimitado por um tempo e um momento que faz notação histórica Negativo: espaço, tempo e história [1] Marcela Toledo França de Almeida [2] Universidade de Brasília UnB O sujeito se funda pela ausência do que um dia fez marca em seu corpo, espaço delimitado por um

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

Prova Escrita de Filosofia

Prova Escrita de Filosofia Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 714/Época Especial 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas Título: Adolescência, violência e responsabilidade Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas discussões nos meios de comunicação. O estudo teórico deste tema vem sendo recebido

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Fabio Thá Psicólogo, psicanalista, doutor em estudos linguísticos pela UFPR, coordenador do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

Alguns comentários sobre o Conceito de Inconsciente na Psicanálise (1912) Sigmund Freud

Alguns comentários sobre o Conceito de Inconsciente na Psicanálise (1912) Sigmund Freud Alguns comentários sobre o Conceito de Inconsciente na Psicanálise (1912) Sigmund Freud Quero expor, em poucas palavras e do modo mais claro possível, que sentido deve ser atribuído, no campo da psicanálise,

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico.

CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico. CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico. Rafael Augusto De Conti 1. Pensar no progresso da ciência, nos conduz, necessariamente,

Leia mais

A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO RESUMO

A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO RESUMO A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO Fany Patrícia Fabiano Peixoto Orientadora: Eugenia Cordeiro Curvêlo RESUMO O termo psicossomática esclarece a organização

Leia mais

Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica

Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica Carlos Henrique Kessler Foi com muita satisfação que recebi o convite para colaborar com este Informativo, abordando o tema Clínica-escola de psicologia: ética

Leia mais

O apelo contemporâneo por laços narcísicos

O apelo contemporâneo por laços narcísicos O apelo contemporâneo por laços narcísicos Ângela Buciano do Rosário Psicóloga, Doutoranda em Psicologia PUC-MG. Bolsista da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais - FAPEMIG. Mestre em

Leia mais

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131 Resenha 131 132 LÉVY, André. Ciências clínicas e organizações sociais. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. 224p. Lançado por ocasião do VIII Colóquio Internacional de Psicossociologia e Sociologia Clínica,

Leia mais

O NASCIMENTO DAS CIÊNCIAS HUMANAS

O NASCIMENTO DAS CIÊNCIAS HUMANAS O NASCIMENTO DAS CIÊNCIAS HUMANAS Aranha, M. L. de A. &, M. H. P. (1986). Filosofando: introdução à filosofia. São Paulo: Moderna (185-194). 1. Introdução Ciências humanas: Surgimento no final do séc.

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015 Alunos dorminhocos 5 de Janeiro de 2015 Resumo Objetivos principais da aula de hoje: entender a necessidade de se explorar um problema para chegar a uma solução; criar o hábito (ou pelo menos entender

Leia mais

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO Andréa Lima do Vale Caminha A temática do Perdão tem nos atraído nos últimos tempos e para atender a nossa inquietação, fomos investigar esse tema no

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD

ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD Eloy San Carlo Maximo Sampaio- IP-USP Psicólogo, mestrando em Psicologia Clínica IP- USP, Bolsista FAPESP 2011/2013

Leia mais

A FAMÍLIA, SEGUNDO A ANÁLISE PSICO-ORGÂNICA

A FAMÍLIA, SEGUNDO A ANÁLISE PSICO-ORGÂNICA A FAMÍLIA, SEGUNDO A ANÁLISE PSICO-ORGÂNICA Delfina Pimenta Professora de Graduação e de Pós-Graduação em Psicomotricidade, Psicóloga, Psicomotricista e Psicoterapeuta Corporal formada pela EFAPO/CEBRAFAPO

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN Precursor SMUTS 1926 EVOLUÇÃO E HOLISMO HOLISMO - GREGO HOLOS TOTAL COMPLETO - UNIFICAÇÃO Descartes séc. XVII Divisão do indivíduo em duas entidades separadas, mas inter-relacionadas:

Leia mais

A LUZ E O CEGO - EVGEN BAVCAR

A LUZ E O CEGO - EVGEN BAVCAR A LUZ E O CEGO - EVGEN BAVCAR Quero sublimar a relação entre o verbo e a imagem para iniciar uma reflexão mais particularizada. De início, é preciso constatar que não se pode separar essa parceria que

Leia mais

Entrevista com Pierre Fédida

Entrevista com Pierre Fédida Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., IV, 1, 168-174 Entrevista com Pierre Fédida (Concedida a Paulo Roberto Ceccarelli em Paris, no dia 27 de julho de 2000) 168 Há algum tempo o Sr. tem utilizado a expressão

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

A ARTE E O IMAGINAR: Um dispositivo para a recriação da realidade

A ARTE E O IMAGINAR: Um dispositivo para a recriação da realidade A ARTE E O IMAGINAR: Um dispositivo para a recriação da realidade Ana Paula Pimentel 1 (paulinha_pimentel@yahoo.com.br) Andreia dos Santos Silva² (psiuerj@yahoo.com.br) Ademir Pacelli Ferreira³ (ademirpacelli@uol.com.br)

Leia mais

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência.

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência. QUESTÃO 01 Em Platão, as questões metafísicas mais importantes e a possibilidade de serem solucionadas estão vinculadas aos grandes problemas da geração, da corrupção e do ser das coisas. Para Platão,

Leia mais

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento Diagnóstico: um sintoma? Larissa de Figueiredo Rolemberg Mendonça e Manoel Tosta Berlinck (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP) O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal

Leia mais

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Aline Trindade A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Introdução Existem várias maneiras e formas de se dizer sobre a felicidade. De quando você nasce até cerca dos dois anos de idade, essa

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Caminhando Com as Estrelas

Caminhando Com as Estrelas Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Com Alessandra França e Jaqueline Salles Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Aula 1 Com Alessandra França Temas: O Reino dos Céus

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991. RESENHA AGOSTINHO, Márcio Roberto Mestre em Ciências da Religião MACKENZIE SÃO PAULO/SP BRASIL Coordenador do Curso de Psicologia - FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: casteloagostinho@yahoo.com.br 1. Indentidade

Leia mais

161 FILOSOFIA Prova escrita

161 FILOSOFIA Prova escrita 161 FILOSOFIA Prova escrita PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Duração: 120 min Ano: 2014 1ª fase - Junho 10º/11º anos Grupo I Selecione a alternativa correta: 1. Uma não ação é algo que A. Nos acontece.

Leia mais

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA Por Homero Alves Schlichting Doutorando no PPGE UFSM homero.a.s@gmail.com Quando falares, procura que tuas palavras sejam melhores que teus silêncios. (Provérbio da cultura

Leia mais

A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER A KANT: DESMASCARANDO A FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL

A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER A KANT: DESMASCARANDO A FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER A KANT: DESMASCARANDO A FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL Naillê de Moraes Garcia * RESUMO: Este artigo pretende fazer uma análise da crítica de Schopenhauer a fundamentação da moral kantiana.

Leia mais

O Real e o Virtual na Contemporaneidade 1

O Real e o Virtual na Contemporaneidade 1 O Real e o Virtual na Contemporaneidade 1 Eliane Nogueira 2 Comecemos este debate pelo seu aspecto trágico: lembro de um rapaz que se suicida com a ajuda da internet, cujo analista pede em entrevista para

Leia mais

Encontre o poder escondido na sua verdade! Encontre a sua Sombra e transforme-a no caminho para os seus sonhos.

Encontre o poder escondido na sua verdade! Encontre a sua Sombra e transforme-a no caminho para os seus sonhos. Encontre o poder escondido na sua verdade! Encontre a sua Sombra e transforme-a no caminho para os seus sonhos. Imagine que existe uma parte em cada ser humano esperando ser descoberta e que tem o poder

Leia mais

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS 1 PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS Sandra Mara Volpi 1856: Nasce Sigmund Freud, onde hoje localiza-se a Tchecoslováquia, em uma família de origem judaica em que

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010. Trabalho para Mesa-redonda

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010. Trabalho para Mesa-redonda IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010 Trabalho para Mesa-redonda TÍTULO: Amor e ódio na neurose obsessiva: a questão do domínio

Leia mais

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Sartre: razão e dialética

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Sartre: razão e dialética Sartre: razão e dialética Vinícius dos Santos Doutorado UFSCar Bolsista FAPESP Em 1960, Sartre publica o primeiro tomo de sua Crítica da razão dialética. O objetivo destacado da obra era conciliar o marxismo,

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Terapia Analítica. Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17)

Terapia Analítica. Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17) Terapia Analítica Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17) A sugestão. O caráter transitório de seus efeitos lembra os efeitos igualmente

Leia mais

De uma prática. Samyra Assad 1

De uma prática. Samyra Assad 1 1 De uma prática Samyra Assad 1 INTRODUÇÃO Em primeiro lugar, recebi, há cerca de três anos atrás, e não sem surpresa, um convite para trabalhar no CRP- 04, sob a égide do tema de sua gestão: Cuidar da

Leia mais

Jacques Lacan, La Chose Freudienne

Jacques Lacan, La Chose Freudienne N O T A S Jacques Lacan, La Chose Freudienne JACQUES LABERGE Tivemos ocasião de apresentar nesta revista obras de Françoise Dolto e de Maud Mannoni. Como o nome de vários lacanianos são e serão comuns

Leia mais

Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado

Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado distinto por cada pessoa. o conhecimento do mundo se obtém

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

161 FILOSOFIA Prova escrita

161 FILOSOFIA Prova escrita 161 FILOSOFIA Prova escrita PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Duração: 90 min Ano: 2013 1ª fase - Junho 10º/11º anos Grupo I Selecione a alternativa correta: 1. A diferença entre ação e acontecimento

Leia mais

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz A Sublimação e a Clínica em Lacan Eliane Mendlowicz O conceito de sublimação aparece na obra freudiana em 1897, nas cartas a Fliess (manuscrito L), quando Freud se perguntando sobre a histérica, descobre

Leia mais