FABRÍCIO MEIRA DE OLIVEIRA AS APROPRIAÇÕES DAOBRA DE GABRIEL SOARES DE SOUZA NO DISCURSO DE GILBERTO FREYRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FABRÍCIO MEIRA DE OLIVEIRA AS APROPRIAÇÕES DAOBRA DE GABRIEL SOARES DE SOUZA NO DISCURSO DE GILBERTO FREYRE"

Transcrição

1 1 FABRÍCIO MEIRA DE OLIVEIRA AS APROPRIAÇÕES DAOBRA DE GABRIEL SOARES DE SOUZA NO DISCURSO DE GILBERTO FREYRE Monografia apresentada para concluir a disciplina de Estágio Supervisionado em Pesquisa Histórica, sob orientação do Professor Doutor Magnus Pereira da Universidade Federal do Paraná - setor de ciências Humanas Letras e Artes- Departamento de História - Curso de Bacharelado e Licenciatura em História. CURITIBA 2010

2 2 Resumo Este estudo monográfico tem como objeto a recepção da obra Tratado Descritivo do Brasil em 1587 de autoria de Gabriel Soares de Souza, e a construção do discurso historiográfico brasileiro da década de 30 do século XX, tomando como referência a obra Casa-Grande e Senzala, escrita em 1933 por Gilberto Freyre. A monografia divide-se em duas partes. Na primeira, identifica-se Gabriel Soares de Souza focalizando-se o contexto no qual sua obra se insere. Em seguida o estudo se dirige para a história do livro até sua organização por Varnhagem no século XIX, além do próprio teor de Tratado Descritivo do Brasil. Finalizando a primeira parte é feita uma breve revisão bibliográfica enfatizando o fato de que a obra de Gabriel Soares de Souza tem sido apropriada por inúmeros historiadores, porém, quase sempre com a finalidade de reiterar as idéias dos historiadores sem que haja intenção de verificar qual é a parte construída por Gabriel Soares. Finalizando a primeira parte é refeita uma revisão bibliográfica. Na segunda parte, o estudo se dirige exclusivamente á recepção de Gabriel Soares de Souza em Casa-grande e Senzala. Verificando de que forma de que forma Freyre se apropria de Tratado Descritivo do Brasil em Palavras chave: Gabriel Soares de Souza, Gilberto Freyre, recepção.

3 3 Introdução O presente trabalho tem por objeto a recepção da obra Tratado Descritivo do Brasil em 1587, de autoria de Gabriel Soares de Souza, e a sua influência na construção do discurso historiográfico brasileiro das décadas de 30 do século XX, através de autores representativos do período. No caso Gilberto Freyre e a obra que o consagrou nesta mesma época Casa-Grande e Senzala de Os autores e obras abordados na revisão bibliográfica deste estudo o foram em ordem cronológica: Varnhagen, pela organização e comentário da obra Tratado Descritivo do Brasil em 1587, no ano de Gilberto Freyre com Casa-Grande e Senzala, obra publicada em 1936; Sérgio Buarque de Holanda e seu ensaio Raízes do Brasil, publicado em 1936; Florestan Fernandes com o livro Organização Social dos Tupinambás, cuja primeira edição é do ano de 1946; e John Manuel Monteiro, como representante de uma historiografia mais recente. A escolha dos autores e das obras não foi arbitrária. Ela deve-se ao grau de influência que estes exerceram sobre a maior parte das produções de natureza historiográfica, sociológica e antropológica escritas no século XX, chegando aos dias atuais. Neste sentido, outros autores e obras de reconhecido valor, tais como: Caio Prado Júnior ou Serafim Leite poderiam ser elencados, contudo, por não citar diretamente a fonte primária em questão, ou ainda, por fazer uso exíguo da mesma, não poderiam ser utilizadas para responder as principais perguntas deste trabalho: as possíveis divergências de visão, sobre um mesmo passado. Em essência, o que se busca é verificar o grau de importância da obra de Gabriel Soares de Souza no discurso historiográfico Brasileiro, através das leituras e discursos de Gilberto Freyre. Ou melhor, de que forma o discurso historiográfico do século XX se apropria do discurso produzido nos XVI, para reconstruir a gênese de uma suposta "brasilidade". Neste sentido há de se estabelecer uma "via de mão dupla", comparando o que foi escrito por Gabriel Soares com aquilo que foi apropriado pelos que o interpretaram. Este procedimento se faz necessário por compreender que o autor e seus intérpretes, falam de

4 4 diferentes contextos históricos, com interesses que são pertinentes unicamente ao seu próprio tempo. Não se busca evidentemente, com isso, estabelecer qual dos discursos é o mais verdadeiro, o da historiografia do século XX ou a do século XVI, visto que "o conhecimento histórico é historicamente produzido" e que a história, enquanto conhecimento, é uma construção - uma representação da realidade - e não o real em si próprio, tal como é, ou foi algum dia.

5 5 Capítulo 1 Notas biográficas de Gabriel Soares de Souza. A biografia de Gabriel Soares de Souza é cheia de lacunas. Sabe-se que era português de nascimento, possivelmente da cidade de Lisboa, onde habitavam suas duas irmãs viúvas. Por volta de 1567 (ou 1570?), acompanhando Francisco Barreto a Monomotapa, Soares resolve parar na Bahia (Cidade de São Salvador da Bahia de Todos os Santos, também denominada genericamente como Bahia até meados do século XX. O termo Bahia também podia ser aplicado a todo o entorno da Bahia de Todos os Santos e regiões próximas, o denominado Recôncavo Baiano. Portanto, a região citada em textos antigos, nem sempre corresponde à divisão política e administrativa, por vezes denominada de Capitania da Bahia ou que nos tempos do Brasil Império respondia pelo nome de Província da Bahia e em tempos republicanos pelo nome de Estado da Bahia. Apesar de ser constantemente citado por Soares o termo "Cidade do Salvador", seu uso não foi sempre o mais corrente ao longo do tempo, muitas vezes referências à Bahia, podem estar relacionadas na verdade à cidade de Salvador, especificamente. Parte do que é descrito por Gabriel Soares como Bahia, há muito já está inserido no sítio urbano da Cidade de Salvador. Estabelecido nesta região, Gabriel Soares fez fortuna tornando-se senhor de um grande engenho nas proximidades do Rio Jequiriçá. Por ocasião da morte de seu irmão João Coelho de Souza, que havia percorrido os sertões por três anos e descoberto metaes preciosos, Gabriel Soares recebeu por intermédio de um portador de confiança, o itinerário da expedição de seu irmão. De posse deste valioso documento, Gabriel Soares embarca em direção à Península por volta do mês de agosto de 1584, com o intuito de conseguir concessões régias e privilégios que lhes pudessem ser úteis para viabilizar sua empreitada pelos sertões com o aval da Coroa. Em 1587, publica a obra Tratada Descritivo do Brasil, dedicando-a a Dom Cristóvão de Moura - homem de estado - cuja influência poderia ser de grande valia para a obtenção de concessões. Os trâmites foram demorados e o autor permanece na Península até receber o despacho positivo em dezembro de Em sete de abril do mesmo ano, já na condição de

6 6 capitão-mor e governador da conquista e descobrimento do Rio de São Francisco", Soares de Souza parte de Lisboa em direção as terras do Brasil a bordo da Urca flamenga Grifo Dourado, conduzindo um total de trezentos e sessenta homens entre os quais quatro carmelitas. O projeto" de Gabriel Soares sofre os primeiros infortúnios antes mesmo de chegar à terra firme. Por volta do mês de junho, a embarcação veio a naufragar na altura da foz do Rio Vaza Barris, região que havia sido recentemente colonizada por Cristóvão de Barros. A maior parte da tripulação conseguiu salvar-se. Depois deste acidente, Gabriel Soares retorna à Bahia (cidade) onde recebe o auxílio de Dom Francisco de Souza. Após estar refeito da tragédia que se abateu sobre ele, Soares de Souza volta para suas terras para buscar provisões de carne e farinha para continuar a expedição. A malograda expedição de Gabriel Soares teve início subindo o Rio Paraguaçu, pela margem direita. Fundou um arraial denominado de João Amaro, pois tinha ordens para fundar povoações a cada cinqüenta léguas. No percurso até o dito arraial, muitos dos que o acompanhavam adoeceram assim com muitos animais foram perdidos devido ao ataque de morcegos. Passadas mais cinqüenta léguas, Soares de Souza resolve fundar um segundo arraial, contudo o cansaço e a doença o venceram quando muitos já esmoreciam. Pouco tempo depois veio a falecer nesta mesma localidade. Sobre a obra. O primeiro exemplar de Tratado Descritivo do Brasil em 1587 de que se tem notícia teria sido entregue em Madri a Cristóvão Moura, a quem o livro é dedicado. A data da dedicatória é de 1 de março de O que se faz presumir que seja a datação mais aceitável da obra, pois os originais manuscritos foram perdidos e não se sabe ao certo se esta foi apresentada em versão impressa ou manuscrita. Se não houver erros cronológicos quanto à biografia do autor, que é cheia de lacunas, podem-se levantar algumas hipóteses através da análise do trecho que se segue 1 : Espantar serem estes descendentes dos franceses alvos e louros, pois que saem a seus avós; mas é de 1 SOUZA, Gabriel Soares. de. Tratado Descritivo do Brasil EM edição São Paulo - Recife - Porto Alegre - Rio de janeiro: Companhia Editora Nacional, 1938, p.331.

7 7 maravilhar trazerem do sertão, entre outros tupinambás, um menino de idade de dez anos para doze, no ano de 1586, que era tão alvo, que de o ser muito não podia olhar para a claridade. Hipótese 1 - Que a obra tenha sido escrita pelo menos em parte na Europa, pois o autor narra um acontecimento ocorrido em 1586, quando, de acordo com as notas biográficas, ele deveria estar na Europa desde Hipótese 2 - Que o autor tenha continuado a produzir o texto depois de 1584, valendo-se do testemunho de terceiros e de notícias, que poderiam ter sido trazidas por viajantes que regressavam do Brasil ou ainda por intermédio de cartas particulares, visto que a aparição do pequeno índio branco (provavelmente albino) se deu em terras que pertenciam ao próprio Gabriel Soares. Hipótese 3 - Que o autor, sendo um Senhor de engenho e com negócios a serem cuidados, tenha voltado ao Brasil antes de 1591 (segundo sua biografia nesta época Gabriel Soares estaria no Reino, neste mesmo ano ele teria recebido o seu despacho) onde continua a escrever a obra. Através da leitura do trecho fica evidenciado que o autor não concluiu a obra nos dezessete anos em que morou no Brasil, ou seja, antes de 1584, época de sua partida para a Europa. Ao que tudo indica a intencionalidade maior do livro, está diretamente relacionada aos interesses privados de seu autor, que parece querer recomendar-se a El Rey, para receber concessões de exploração, assim com as prerrogativas oficiais. O livro é um esforço do autor em se apresentar como um homem valoroso, conhecedor da realidade do Brasil e apto para protagonizar o papel do conquistador das terras e riquezas do interior do Brasil. Sobre a formação cultural do autor, não existem informações, apenas pequenas pistas dos seus hábitos de leitura e daquilo que poderia tê-lo inspirado a escrever, ou ainda lhe servido de fonte escrita. O próprio autor cita "os Livros da índia" 2 e ao também a leitura relativa à Jurisprudência, o que fica claro através da citação e análise do Regimento de Tomé de Souza. Livros da Índia Gabriel Soares de Souza, não especifica em nenhum momento qualquer título de obra. É constante em sua obra a referência aos tais Livros da índias. 3 SOUZA, op. cit.p. 73..

8 8 Quem quiser saber quem foi Francisco Pereira Coutinho, leia os livros da Índia, e sabe-lo-á; e verão seu grande valor e heróicos feitos, dignos de diferente descanso do que teve na conquista do Brasil. Livros da Índia. 4 A vila de Olinda é a cabeça da capitania de Pernambuco, a qual povoou Duarte Coelho, que foi um fidalgo, de cujo esforço e cavalaria escusaremos tratar aqui em particular, por não escurecer muito que dele dizem os livros da Índia. Regimento de Tomé de Souza. 5 Sua Alteza em efeito esta determinação tão acertada, mandou fazer prestes uma armada e provê-la de todo o necessário para esta empresa, na qual mandou embarcar Tomé de Sousa do seu conselho e o elegeu para edificar esta nova cidade, de que o fez capitão e governador-geral de todo o Estado do Brasil; ao qual deu grande alçada e poderes em seu regimento, com que quebrou as doações aos capitães proprietários, por terem demasiada alçada, assim no crime como no cível; de que eles se agravaram à Sua Alteza, que no caso os não proveu, entendendo convir a si e a seu serviço. Em relação ao conteúdo da obra comparado-a aos discursos de modernidade produzidos pelos historiadores sobre o século XVI, podem-se tirar algumas conclusões. Entre elas, podemos citar a construção generalizante de "Renascimento", que coloca como questão a retomada do legado Greco-Romano, como espécie de guia do homem moderno, ou como propõe o historiador Luís Carlos Barreto 6, a recuperação de um passado que serviria como modelo a ser superado e não simplesmente imitado. Em Tratado Descritivo do Brasil, Gabriel Soares em nenhum momento cita Gregos ou Romanos. Algumas menções contidas na obra se referem aos Romanos, mas são observações que não pertencem a Gabriel Soares de Souza, nem ao século XVI, mas sim, ao século XIX e a Varnhagen seu comentador, ao compará-lo a Plínio. Também não há referência a figuras mitológicas ou entidades pagãs da antiguidade, como ocorre nos Lusíadas de Luiz Vaz de Camões, obra esta que cronologicamente não está muito distante da época em que se foi escrito o Tratado Descritivo do Brasil. Ao se comparar, dentro do possível, as duas obras, ambas produto do mesmo século e dentro de um mesmo contexto histórico de expansão ultramarina portuguesa, podemos observar dois estilos completamente diferentes de escrever. Enquanto a obra de Camões é construída em versos, com uma linguagem elaborada e cheia de requintes estilísticos, a obra de Soares embora 4 5 SOUZA, op. cit.p. p.57. SOUZA, op. cit. pp BARRETO, Luís Filipe. Descobrimentos e Renascimento; formas de ser e pensar nos séculos XV e XVI. Lisboa: Imprensa Nacional, 1983.

9 9 abrangente, é sintética e marcada por uma prosa quase lacônica, que a assemelha a toda uma gama de mareantes e náufragos que deixaram relatos e diários, desde á época de Cristóvão Colombo, o que nos faz suspeitar sobre o seu grau instrução formal. Camões é apropriado e enaltecido pela cultura portuguesa enquanto Soares foi relegado ao desprezo e condenado ao esquecimento em Portugal. Quase não é lembrado pelos estudiosos portugueses, mesmo em momento mais atual. Um exemplo disto é o trabalho de Antônio da Rosa Mendes - A vida Intelectual -, que chega mesmo a citar O Soldado Prático, de Diogo Couto (com suas lamúrias). Este autor analisa toda sorte de produção, mas parece desconhecer seu conterrâneo (Gabriel Soares). Neste sentido, a obra de Soares é apropriada pelos estudiosos de "literatura brasileira" e em parte pelos historiadores do Brasil, que apesar de terem ao menos consultado a obra, raramente se propõem a analisá-la ou criticála (com exceção notória de Varnhagen e John Manuel Monteiro.), preferindo utilizá-la apenas para recortá-la nos trechos em que podem servir de ponto de apoio para o seu discurso, como podemos observar em Sérgio Buarque de Hollanda em seu Raízes do Brasil. Contudo, boa parte do que é narrado no Tratado Descritivo do Brasil em 1587 é reproduzido em boa parte das obras, sem que haja menção ao autor, como se parte do seu discurso já tivesse virado lugar-comum, um conhecimento sabido e indiscutível que dispensa maiores análises o comentários. Boa parte do material didático produzido no Brasil, sobre o século XVI, parece repetir o conteúdo da narrativa de Gabriel Soares de Souza apenas com a utilização de outras palavras. A obra do historiador paranaense Rocha Pombo 7, não repete exatamente o conteúdo de Soares, mas se assemelha em sua organização e foco de preocupações. A abordagem de Rocha Pombo é semelhante à de Gabriel Soares, guardadas a distância secular entre os dois autores, ambos escrevem como filósofos naturalistas", que procuram demonstrar uma descrição da realidade dentro de um sistema único envolvendo toda a complexidade da natureza perceptível. Só que neste sentido, Soares é mais filósofo do que historiador, enquanto o segundo é mais historiador do que filósofo. Muitos autores desde Heródoto, costumam inserir a História dentro de um contexto geográfico, contudo estes dois autores transcendem em muito os demais, talvez por já possuírem uma visão geográfica não do século XVI, XIX, ou início do XX, mas uma 7 POMBO, Rocha. História do Brazil.Porto Alegre: Globo, 1935.v.1

10 10 visão mais complexa que os aproxima da geografia em sua multifacetada abordagem contemporânea, que novamente aproxima a Geografia da Filosofia. O olhar de Gabriel Soares sobre a realidade é o olhar do empirismo, semelhante a outras descrições produzidas durante o ciclo de expansionismo ibérico como a obra do jesuíta José de Acosta História Natural e Moral das Índias. 8. O autor parece estar movido por uma ânsia de conhecer e desvendar a natureza e procura conhece-la e descrevê-la em seus aspectos mineral, vegetal e animal. Apesar da análise minuciosa, não se encontra na obra nenhum indício que sugira um esboço do que mais tarde seria denominado de classificação taxonômica. As explicações dadas por Soares parecem satisfazer as necessidades do homem do século XVI, quando as macro-unidades eram descritas, mas não precisavam ser comparadas. Algo mais ou menos semelhante a: Esta é uma rã, e aquela é outra rã. A primeira rã tem este aspecto e a segunda rã tem outro aspecto, mas ambas são rãs do mesmo jeito. Por vezes se preocupando com relações de causa e efeito, por vezes se rendendo às superstições ou recorrendo a explicações providencialistas. Usos e apropriações da obra dentro do Plano de Construção e Legitimação na esfera do Estado. A obra Tratado Descritivo do Brasil em 1587 não teve grande repercussão no século XVI. Embora já se tenha notícia da circulação dela em Portugal, no ano de 1599, a obra foi citada por Pedro Mariz. Segundo Varnhagen, no século XVII a obra foi copiada e em parte usada nos trabalhos de Frei Henrique de Salvador e de Frei Henrique de Jaboatão. Varnhagen também cita cópia e aproveitamento da obra em Simão de Vasconcelos. A primeira edição completa só veio a ser impressa em 1825 pela Academia Real das Ciências de Lisboa. Em 1851, saiu a primeira edição brasileira, organizada e comentada por F.Adolfo Varnhagen. A edição mais famosa é a de 1938, réplica da de Varnhagen, reproduzida em encadernação de luxo por uma grande editora. 8 VARNHAGEN, Francisco Adolfo. de. Additamento. In: SOUZA, Gabriel Soares. de. Tratado Descritivo do Brasil EM edição São Paulo - Recife - Porto Alegre - Rio de janeiro: Companhia Editora Nacional, 1938, p. XXXV.

11 11 Não podemos deixar passarem despercebidas determinadas coincidências entre as datas das edições com determinados momentos históricos específicos. Em 1825, o Estado Português havia sido expulso definitivamente da América por intermédio das guerras de Independência do Brasil, Bahia (1823), Pará e por último da Cisplatina em 1824, o que vem a tornar práticas, as palavras contidas na declaração de Independência, atribuída ao infante português filho de Dom João VI, que desde 1822 se declarava Imperador do Brasil. Esta situação ainda não era plenamente aceita e reconhecida pelo Estado Português, que ainda possuía esperanças de restaurar a unidade do seu antigo Império, visto que, aquilo que já esboçava a conformação de dois Estados soberanos diferentes, estava sob o domínio de uma mesma casa monárquica. O filho do velho Dom João, que se arrogava como paladino da Independência do Brasil, era na realidade o herdeiro da própria Coroa Portuguesa. Na edição portuguesa de 1825, ainda se pode notar determinadas notas que de forma alguma poderiam pertencer ao original. A edição portuguesa intitula a obra -: NOTICIA DO BRAZIL, DESCRIPÇÃO VERDADEIRA DA COSTA DAQUELLE ESTADO QUE PERTENCE A COROA DO REINO DE PORTUGAL, SITIO DA BAHIA DE TODOS OS SANTOS. - o que entra em contradição com o que é escrito pelo autor no século XVI. Gabriel Soares fala em terras marítimas da coroa de Portugal e Castela. O que demonstra que a Coroa portuguesa ainda não havia reconhecido plenamente a independência do Brasil por época da publicação, além do evidente anacronismo (provavelmente proposital), visto que na época em que Gabriel Soares dedica sua obra a Dom Cristóvão de Moura, em 1 de março de 1587, ele escreve em Madri e não em Lisboa. E por esta época, não havia exatamente uma Coroa Portuguesa, conforme está escrito na publicação portuguesa de Gabriel Soares fala de terras marítimas da coroa de Portugal e Castela 9, e a historiografia brasileira irá se referir mais tarde a este período utilizando o termo União Ibérica. Dentro deste contexto é plenamente plausível que Portugal buscasse evidenciar e resgatar os seus laços históricos com o Brasil, resgatando a obra esquecida (por mais de dois séculos) de um colono português, fiel súdito de EL Rey, que se toma de paixões pelo 9 SOUZA, op. cit. p.352.

12 12 Brasil e não pensa em subtrair a fortuna aqui adquirida para o Reino. A história de um português também dá testemunho de outros bons" portugueses que procederam da mesma forma. Simulando a idéia de um só povo português (Soares não faz menção a brasileiros, mas sim há portugueses, cristãos e súditos - novamente A fé, a lei e o rei.), uma só religião e um só Império separado apenas pelo mar. A edição comentada e organizada por Varnhagen em 1851, está em um contexto diferente, pois na época de sua publicação a Independência já era um fato estabelecido e inquestionável. Desta vez a apropriação de Gabriel Soares de Souza será feita por brasileiros e para brasileiros, a exemplo do que já havia ocorrido na mesma época com obras e relatos que reproduziam o passado "Nacional", e interpretava o Brasil segundo uma construção intelectual, que criava uma nova história oficial, sob os auspícios dos nascentes Institutos Históricos (Nacionais) patrocinados e politicamente organizados segundo os interesses do Poder Moderador. O resgate e revisão da obra estão relacionados aos interesses do próprio Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), ou seja, à necessidade de construção e legitimação do Estado Nacional Brasileiro, à procura das raízes que pudessem ser interpretadas como legitimamente brasileiras. Ou ainda, segundo as palavras de Manoel Luís Salgado Guimarães traçar a gênese da nacionalidade brasileira 10. A busca pela construção de uma identidade nacional, explica a recorrência aos temas e fontes do século XVI. Os Índios, por exemplo, tema bastante trabalhado em Tratado Descritivo do Brasil em 1587 era um tema recorrente na produção intelectual e artística brasileira. No período em que esteve em voga no Brasil, a estética do Romantismo, mais particularmente, através da corrente indianista. Existia por parte dos literatos a crença de estar realizando um suposto resgate" das origens da brasilidade. Contudo, o resultado produzido pela literatura indianista, foi um discurso de exaltação marcado pela construção de um passado idealizado. Torna-se profícuo, contudo, salientar que no século XIX, não havia uma unanimidade sobre a maneira pela se deveria abordar a temática indígena. Existia uma diferença de visão substancial entre os discursos produzidos pela literatura e pela história. 10 GUIMARÃES, Manoel Luís Salgado Guimarães. Nação e Civilização nos Trópicos: O Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e o Projeto de uma História Nacional. In Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n.1,1988,p.7

13 13 Conforme afirma Manoel Guimarães: Será, portanto, em torno da temática indígena que no interior do IHGB, e também fora dele, travarse-á um acirrado debate em que literatura, de um lado, e história do outro, argumentarão sobre a viabilidade da nacionalidade brasileira estar representada pelo indígena. Enquanto Varnhagen, em carta dirigida ao imperador com data de 18 de julho de 1852 a propósito do indianismo de Gonçalves Dias o adverte para não deixar para mais tarde a solução de uma questão importante acerca da qual convém muito ao país e ao trono que a opinião se não extravie, com idéias que acabam por ser subversivas, a literatura veicula a imagem do indígena como portador da brasilidade. 11 A edição de 1938 coincide exatamente com o golpe que dá origem ao Estado Novo, inserido dentro de um contexto Nacionalista, que busca novamente a reconstrução da nova identidade Nacional sob novos parâmetros, que congregue e harmonize os diferentes componentes étnicos e as distintas formas de cultura nacional de uma forma unitária e totalizante. A obra de Gabriel Soares sugere uma pretensa solidariedade entre índios, negro e brancos, o que viria mais tarde a formar a identidade cultural brasileira. Este mesmo discurso do Estado Novo se fazia necessário também, para demonstrar a existência de um povo amalgamado étnica e historicamente que tinha por costume absorver o elemento "adventício" (note as mestiçagens narradas por Gabriel em relação aos Franceses que aqui ficaram) que vinha a se somar ao processo de construção histórica da Pátria. Pátria, cuja cultura e unicidade já vinham sendo consolidadas através dos séculos, e que naquele momento estava sob o risco de ter suas características fundamentais desconfiguradas pelas vagas de imigrantes europeus que chegavam ao país ameaçando desfigurar sua unidade lingüística. Na visão do Estado Novo, os imigrantes deveriam ser absorvidos culturalmente, para a criação de uma Pátria homogênea. Nesta década, também voltam à cena discursos históricos desprezados anteriormente, como a obra de Manoel Bonfim, que, contra a corrente de pensamento de seu próprio tempo, insistia em enxergar uma consciência de brasilidade desde os primórdios da história do Brasil. O Estado Novo precisava de obras históricas que endossassem o seu discurso. Veja o que afirmou Soares sobre a composição étnico/ racial do efetivo humano que poderia ser supostamente mobilizado na defesa da Terra contra o

14 14 ataque de corsários ou outros elementos adventícios: 12 se não levarem a cidade do primeiro encontro, não a entram depois, porque pode ser socorrida por mar e por terra de muita gente portuguesa até a quantia de dois mil homens, de entre os quais podem sair dez mil escravos de peleja a saber: quatro mil pretos da Guiné, e seis mil índios da terra, mui bons flecheiros, que juntos com a gente da cidade Varnhagen, ao comentar a obra de Gabriel Soares, chama a atenção para a relação de 1:2:3 na composição racial das forças defensoras da Bahia no século XVI. Ele faz uso do termo "índios civilizados" para designar estes seis mil índios da Terra que Gabriel Soares afirma estarem disponíveis para a defesa da Cidade da Bahia em caso de ataque corsário. A narrativa de Gabriel Soares fornece uma evidência de rápida aculturação do elemento indígena, assim como atesta a efetividade e a importância do elemento indígena na gênese da sociedade colonial. Assim como sugere alguma harmonia dos indígenas com demais elementos étnicos adventícios. Sendo eles guerreiros e em número três vezes maior o elemento dominante, ainda assim não se rebelam. O que faz Gabriel Soares supor uma possível solidariedade guerreira entre o elemento dominador e seus subordinados, configurando o que seria uma aparente "democracia racial". Coexistência de mentalidades conflitantes no Homem do Século XVI. O inventário de Gabriel Soares de Souza foi feito antes do seu embarque de retorno rumo à Europa. A data do documento é de 10 de agosto de 1584, portanto, três anos antes de a data de conclusão da obra conforme, afirma Varnhagen, depois de examinar diversas cópias manuscritas. A datação estabelecida por Varnahagen contraria a datação estabelecida na edição portuguesa. Uma das primeiras impressões que ficam é que Gabriel Soares de Souza tem consciência plena da transitoriedade da vida e de que o futuro tem por ofício ser incerto", o que não o impede de fazer planos para a vida em sua realidade telúrica assim como para o destino de sua alma. No imaginário deste homem português do século XVI, a vida terreal, o 11 GUIMARÃES, Manoel Luís Salgado Guimarães. Nação e Civilização nos Trópicos: O Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e o Projeto de uma História Nacional. In Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n.1,1988,p SOUZA, op. cit. p.140.

15 15 presente, as preocupações cotidianas, as realizações materiais e os planos para um futuro próximo dividem espaço com a religiosidade e os planos para um futuro eterno. Ou seja, o futuro que só oferece duas alternativas: a salvação ou a danação eterna. A realidade palpável da vida e a crença na vida eterna formam um quadro onde estes dois planos existenciais coabitam de maneira relativamente harmônica em um mesmo intelecto, que procura pautar sua conduta de acordo com a própria ética cristã de seu tempo. A obra Tratada Descritivo do Brasil em 1587, de sua autoria forma um contraste antagônico com o teor do testamento por ele deixado. Se a obra em sua maior parte contém atributos de modernidade percebem-se algumas permanências do imaginário medieval, demonstrando que as rupturas fazem parte de um lento devir e que só se configuram plenamente na longa duração. Esta constatação só pode ser feita a partir do nosso próprio presente, pois não fazem parte da consciência deste homem do século XVI, onde medievalidade e a modernidade são formas de pensar que se superpõem e se entrelaçam no mesmo superego, hora pendendo para o "racionalismo" dos modernos, hora se rendendo as superstições medievais e as explicações de natureza providencialista de tudo aquilo que o seu intelecto não pode desvendar e compreender. Embora este hábito mental ainda sobreviva no aparente cepticismo do homem contemporâneo, mesmo que sob a forma de incongruência racional, este mesmo hábito é mais evidente e menos problemático para este homem de fins do Século XVI que assiste e encarna o aparente confronto destas duas cosmologias conflitantes. Ele não está imune às mudanças do próprio tempo e nem às permanências do legado de épocas passadas. É como se o pensar e o sentir estivessem em épocas históricas distintas, o consciente voltado para as perspectivas do presente e o inconsciente ainda carregado de medos, imagens e concepções herdados do passado, mas que ainda encontram eco nos vários aspectos da realidade e da consciência epocal. 13 Enquanto o humanismo, o racionalismo e o antropocentrismo já são elementos constitutivos da nova mentalidade Ocidental a velha cosmologia medieval ainda está presente e atuante na própria estrutura de poder secular e temporal que se confundem nas 13 Em BARRETO, Luís Filipe. Descobrimentos e Renascimento; formas de ser e pensar nos séculos XV e XVI. Lisboa: Imprensa Nacional, 1983.p Esta é uma condensação da interpretação do historiador Luís Filipe Barreto a respeito do homem português entre o fim do medievo e os primórdios da modernidade, nesta obra Barreto analisa a existência simultânea de duas formas de interpretar o mundo. De um lado a permanência de uma mentalidade medieval, e de outro, o nascimento do pensamento moderno português, atrelado de maneira indissociável ao Renascimento e às Grandes Navegações.

16 16 monarquias peninsulares. Estas são as forças que buscam dar uma nova ordenação ao mundo, baseados na "releitura" e na readaptação da teologia medieval, que insistem em uma concepção de mundo baseado em dogmas e explicações providencialistas. Este "refluxo" histórico estava presente e atuante na Península e no Novo Mundo, nos tempos de Gabriel Soares de Souza. Contudo, estas mesmas forças atuam com redobrado ânimo no panorama americano do século XVI, tecendo e moldando a face ocidental do Novo Mundo que não está imune à influência Jesuítica e o seu ideal de evangelização como forma de salvação da alma do elemento gentio e como forma de preparação para civilizá-lo, torná-lo apto para ser inserido como força de trabalho na nova dinâmica assumida pela economia dentro do contexto que mais tarde seria denominado de mercantilismo. A Inquisição atua um como um instrumento de repressão e vigilância dos hábitos e idéias dos fiéis e dos recém conversos, sendo ela própria uma reedição maquiada dos instrumentos de opressão que operaram no quadro medieval. Este conjunto de fatores atua de maneira decisiva e simultânea sobre o pensamento do homem comum, que primeiro veio para colonizar as terras do Brasil e dar início ao longo processo de construção do que viria a ser mais tarde o Brasil, país soberano dentro do contexto de Estado Nacional. Daqui em diante, irei tentar extrair alguns trechos do testamento e da obra de Gabriel Soares de Souza que possam ser úteis para interpretar o pensamento do homem comum e realidade histórica do homem comum do século XVI, dentro do contexto Ibérico. Se possível, demonstrar a singularidade deste tipo específico de homem moderno e como ele se diferencia e se aproxima da mentalidade dos demais tipos de homens europeus e modernos que através de generalização é denominado de "O Homem Ocidental". Através da leitura deste trecho, pode-se notar que o autor é um observador atento e de sensibilidade aguçada. Contudo, não parece ser o único, ele cita mareantes e filósofos que também estão estiveram atentos aos mistérios que se manifestam na natureza e que tentam desvendá-la buscando uma relação de causa e efeito para os fenômenos naturais. Ou seja, o racionalismo deve ser o instrumento utilizado para interpretar a realidade SOUZA, op. Cit.p.133.

17 17 Em todo o tempo do ano, quando chove, fazem os céus da Bahia as mais formosas mostras de nuvens de mil cores e grande resplendor, que se nunca viram noutra parte, o que causa grande admiração. E há-se de notar que nesta comarca da Bahia, em rompendo a luz da manhã, nasce com ela juntamente o sol, assim no inverno como no verão. E em se recolhendo o sol à tarde, escurece juntamente o dia e cerra-se a noite; a que matemáticos dêem razões suficientes que satisfaçam a quem quiser saber este segredo, porque os mareantes e filósofos que a esta terra foram, nem outros homens de bom juízo não têm atinado até agora com a causa porque isso assim seja. Quando confrontamos a passagem anterior com a que se segue, podemos verificar uma mudança drástica no modo de interpretar a realidade, o racionalismo cede lugar ao providencialismo e Gabriel Soares interpreta a natureza como um homem medieval, admitindo uma interferência de planos, como se Deus, estivesse a punir e exortar os homens através de sinais, como várias vezes é possível ler nas nos livros do Velho Testamento, notadamente nos livros que compõem o Pentateuco. 15 Como não há ouro sem fezes, nem tudo é a vontade dos homens, ordenou Deus que entre tantas coisas proveitosas para o serviço dele, como fez na Bahia, houvesse algumas imundícias que os enfadassem muito, para que não cuidassem que estavam em outro paraíso terreal, de que diremos daqui por diante, começando no capítulo que se segue das lagartas. O aparente "racionalismo" da narrativa de Soares de Souza cede lugar à superstição. De certa forma podemos dizer que este homem do Século XVI, que raciocina como um "homem moderno" parece "sentir" como um homem medieval. Como se o seu consciente estivesse vivendo de acordo com o seu próprio tempo histórico enquanto o seu inconsciente lhe trai a razão o que pode evidenciar como os medos e superstições ainda constituem uma permanência do imaginário medieval que interfere no julgamento e no aparente" ceticismo do homem do Século XVI. Se Gabriel Soares dá crédito aos testemunhos, é por possuir referências semelhantes em seu legado cultural. Afinal, desde a antiguidade, figuras mitológicas como as sereias habitam no imaginário do que mais tarde se tornaria o homem ocidental". Observe a narrativa de Gabriel Soares de Souza sobre os Homens Marinhos, ou ainda, Hipupiara de acordo com os indígenas. 16 Não há dúvida senão que se encontram na Bahia e nos recôncavos dela muitos homens marinhos, a que os índios chamam pela sua língua upupiara, os quais andam pelo rio de água doce pelo tempo do verão, onde fazem muito dano aos índios pescadores e mariscadores que andam em jangada, onde os SOUZA, op. cit. p SOUZA, op. cit. p. 277.

18 18 tomam, e aos que andam pela borda da água, metidos nela; a uns e outros apanham, e metem-nos debaixo da água, onde os afogam; os quais saem à terra com a maré vazia afogados e mordidos na boca, narizes e na sua natura; e dizem outros índios pescadores que viram tomar estes mortos que viram sobre água uma cabeça de homem lançar um braço fora dela e levar o morto; e os que isso viram se recolheram fugindo à terra assombrados, do que ficaram tão atemorizados que não quiseram tornar a pescar daí a muitos dias; o que também aconteceu a alguns negros de Guiné; os quais fantasmas ou homens marinhos mataram por vezes cinco índios meus; e já aconteceu tomar um monstro destes dois índios pescadores de uma jangada e levarem um, e salvar-se outro tão assombrado que esteve para morrer; e alguns morrem disto. E um mestre-de-açúcar do meu engenho afirmou que olhando da janela do engenho que está sobre o rio, e que gritavam umas negras, uma noite, que estavam lavando umas fôrmas de açúcar, viu um vulto maior que um homem à borda da água, mas que se lançou logo nela; ao qual mestre-de-açúcar as negras disseram que aquele fantasma vinha para pegar nelas, e que aquele era o homem marinho, as quais estiveram assombradas muitos dias; e destes acontecimentos acontecem muitos no verão, que no inverno não falta nunca nenhum negro." Relatos de aberrações" marinhas são encontrados com facilidade nos diários de Cristóvão Colombo, que, quase cem anos antes de Gabriel Soares, também parece dar crédito a narrativa dos indígenas da América Central". Outro cronista dos Quinhentos, Pero de Magalhães Gândavo, também faz alusão a estes que seriam "homens marinhos". Em seu comentário Varnhagen escolhe esta passagem de Dante "Che solto 1'acqua ha gente che sospira, E fanno pullular quesfacqua al summo." 17 Para demonstrar o quanto é antiga na Europa a existência da idéia de aberrações marinhas, também fala do Padre João Daniel que em seu livro Tesouro das Amazonas também parece dar crédito à idéia. 18 Sérgio Buarque de Hollanda no século XX, também fez alusão a este mesmo tema em seu ensaio Raízes do Brasil. Contudo, estes homens marinhos citados por Soares fazem parte do imaginário indígena. Segundo Varnhagen, os homens marinhos seriam chamados de Hipupiara pelos indígenas. Os indígenas assim como outros povos também possuíam superstições. Contudo é de se notar que estas superstições narradas por Gabriel Soares de Souza parecem não ter deixado resquícios no imaginário popular, assim como nenhuma das lendas e mitos indígenas que fazem parte do acervo folclórico brasileiro por nós conhecido, se encontram 17 VARNHAGEN, Francisco Adolfo. de. Comentários. In: SOUZA, Gabriel Soares. de. Tratado Descritivo do Brasil EM edição São Paulo - Recife - Porto Alegre - Rio de janeiro: Companhia Editora Nacional, 1938, p VARNHAGEN, Francisco Adolfo. de. Comentários. In: SOUZA, Gabriel Soares. de. Tratado Descritivo do Brasil EM edição São Paulo - Recife - Porto Alegre - Rio de janeiro: Companhia Editora Nacional, 1938, p.379.

19 19 na narrativa de Gabriel Soares de Souza. O que de certa forma nos induz a pensar, que mitos como o da caipora, sejam construções mais recentes, posteriores ao contato entre índios e portugueses. Abaixo, seguem dois recortes. Ao primeiro, que fala sobre o bugio diabo 19, o autor não parece dar muita importância, mas, ao segundo relato que fala sobre a jibóia 20, o autor parece dar mais crédito, talvez por ter sido confirmado por um português, ou ainda segundo as palavras de Gabriel Soares de Souza: " homem de verdade". O bugio diabo. Há nos matos da Bahia outros bugios, a que os índios chamam saíanhangá, que quer dizer "bugio diabo", que são muito grandes, e não andam senão de noite; são da feição dos outros, e criam em côncavos de árvores; mantêm-se de frutas silvestres e o gentio tem agouro neles, e como os ouvem gritar, dizem que há de morrer algum. A jibóia Agora cabe aqui dizermos que cobras são estas do Brasil, de que tanto se fala em Portugal e com razão, porque tantas e tão estranhas, não se sabe onde as haja. Comecemos logo a dizer das cobras a que os índios chamam jibóia, das quais há muitas de cincoenta e sessenta palmos de comprido, e daqui para baixo. Estas andam nos rios e lagoas, onde tomam muitos porcos da água, que comem; e dormem em terra, onde tomam muitos porcos, veados e outra muita caça, o que engolem sem mastigar, nem espedaçar; e não há dúvida senão que engolem uma anta inteira, e um índio; o que fazem porque não têm dentes, e entre os queixos lhes moem os ossos para os poderem engolir. E para matar uma anta ou um índio, ou qualquer caça, cingem-se com ela muito bem, e como têm segura a presa, buscam-lhe o sesso com a ponta do rabo, por onde o metem até que matam o que têm abarcado; e como têm morta a caça, moem-na entre os queixos para a poder melhor engolir. E como têm a anta, ou outra coisa grande que não podem digerir, empanturram de maneira que não podem andar. E como se sentem pesadas lançam-se ao sol como mortas, até que lhes apodrece a barriga, e o que têm nela; do que dá o faro logo a uns pássaros que se chamam urubus, e dão sobre elas comendo-lhes a barriga com o que têm dentro, e tudo o mais, por estar podre; e não lhes deixam senão o espinhaço, que está pegado na cabeça e na ponta do rabo, e é muito duro; e como isto fica limpo da carne toda, vão-se os pássaros; e torna-lhes a crescer a carne nova, até ficar a cobra em sua perfeição; e assim como lhes vai crescendo a carne, começam a bulir com o rabo, e tornam a reviver, ficando como dantes; o que se tem por verdade, por se ter tomado disto muitas informações dos índios e dos línguas que andam por entre eles no sertão, os quais afirmam assim. E um Jorge Lopes, almoxarife da capitania de S. Vicente, grande língua, e homem de verdade, afirmava que indo para uma aldeia do gentio no sertão, achara uma cobra destas no caminho, que tinha liado três índios para os matar, os quais livrara deste perigo ferindo a cobra com a espada por junto da cabeça e do rabo, com o que ficou sem força para os apertar, e que os largara; e que acabando de matar esta cobra, ele lhe achara dentro quatro porcos, a qual tinha mais de sessenta palmos de comprido; e junto do curral de Garcia de Ávila, na Bahia, andavam duas cobras que lhe matavam e comiam as vacas, o qual afirmou que adiante dele lhe saíra um dia uma, que remeteu a um touro, e que lho levou para dentro de uma lagoa; a que acudiu um grande lebréu, ao qual a cobra arremeteu e engoliu logo; e não pôde levar o touro para baixo pelo impedimento que lhe tinha feito o lebréu; o qual touro saiu acima da água depois de afogado; e afirmou que neste mesmo lugar mataram seus vaqueiros outra cobra que tinha noventa e três palmos, e pesava mais de oito arrobas; e eu vi uma pele de uma cobra destas que tinha quatro palmos de largo. Estas cobras têm as peles cheias de escamas verdes, amarelas e azuis, SOUZA, op. cit. p SOUZA, op. cit. pp

20 20 das quais tiram logo uma arroba de banha da barriga, cuja carne os índios têm em muita estima, e os mamelucos, por acharem-na muito saborosa. Brasil ou América Portuguesa? Em toda a obra de Soares, não existem referências às palavras: colônia, Brasil Colônia ou Brasil Colonial, nem tão pouco é utilizado o termo América, ou América Portuguesa. O que prova que todos estes termos são produtos de construções historiográficas escritas a partir de um determinado presente para descrever o próprio presente, ou um determinado período do passado. Muitas vezes, talvez para diferenciar os contextos de Brasil Estado Nacional Soberano de seu contexto anterior de subalternidade na hierarquia de relações do Império ultramarino Português ou ainda para não endossar a idéia de linearidade de um "passado nacional" construído a partir do descobrimento ou achamento do Brasil por Pedro Álvares Cabral em 1500, ou a partir de 1549 com a fundação da cidade de Salvador por Tomé de Souza, como é da preferência de alguns. O uso do Topônimo América Portuguesa ao invés de Brasil é de uso recorrente na historiografia do século XX. Ainda no século XVIII, a intelectualidade portuguesa e lusobrasileira já usava preferencialmente o topônimo América Portuguesa. Porém, para efeito deste estudo, a construção retórica de sonoridade pomposa deve ceder lugar ao que está contido nas fontes de época. Neste ponto é mais seguro dar fé ao palavreado simplório de Gabriel Soares de Souza para analisar o Brasil do Século XVI. Veja quais as palavras ele utiliza repetidas vezes para se referir à terra 21 : e com a força da gente da terra se poderão apoderar e fortificar de maneira que não haja poder humano com que se possam tirar do Brasil estes inimigos, de onde podem fazer grandes danos a seu salvo em todas as terras marítimas da coroa de Portugal e Castela, cujo fundamento é mostrar as grandes qualidades do Estado do Brasil, Corre esta corda dos tapuias toda esta terra do Brasil pelas cabeceiras do outro gentio Como a tenção com que nos ocupamos nestas lembranças foi para mostrar bem o muito que há que dizer da Bahia de Todos os Santos, cabeça do Estado do Brasil, mas são-no de todas as outras nações do gentio do Brasil, e entre todas elas lhes chamam taburas. No princípio da povoação do Brasil vieram alguns homens a perder os pés, e outros a encherem-se de boubas, o que não acontece agora, porque todos os sabem tirar, e não se descuidam tanto de si, 21 SOUZA, op. cit. pp

21 21 como faziam os primeiros povoadores. A Fé a Lei e o Rei são os atributos de civilização que regem a Ocidentalidade no contexto Ibérico do Século XVI. Sem Fé, sem Lei nem Rei, segundo as palavras de Gabriel Soares 22. Ainda que os tupinambás se dividiram em bandos, e se inimizaram uns com outros, todos falam uma língua que é quase geral pela costa do Brasil, e todos têm uns costumes em seu modo de viver e gentilidades; os quais não adoram nenhuma coisa, nem têm nenhum conhecimento da verdade, nem sabem mais que há morrer e viver; e qualquer coisa que lhes digam, se lhes mete na cabeça, e são mais bárbaros que quantas criaturas Deus criou. Têm muita graça quando falam, mormente as mulheres; são mui compendiosas na forma da linguagem, e muito copiosos no seu orar; mas faltamlhes três letras das do ABC, que são F, L, R grande ou dobrado, coisa muito para se notar; porque, se não têm F, é porque não têm fé em nenhuma coisa que adorem; nem os nascidos entre os cristãos e doutrinados pelos padres da Companhia têm fé em Deus Nosso Senhor, nem têm verdade, nem lealdade a nenhuma pessoa que lhes faça bem. E se não têm L na sua pronunciação, é porque não têm lei alguma que guardar, nem preceitos para se governarem; e cada um faz lei a seu modo, e ao som da sua vontade; sem haver entre eles leis com que se governem, nem têm leis uns com os outros. E se não têm esta letra R na sua pronunciação, é porque não têm rei que os reja, e a quem obedeçam, nem obedecem a ninguém, nem ao pai o filho, nem o filho ao pai, e cada um vive ao som da sua vontade; para dize-zerem Francisco dizem Pancico, para dizerem Lourenço dizem Rorenço, para dizerem Rodrigo dizem Rodigo; e por este modo pronunciam todos os vocábulos em que entram essas três letras. A tentativa de compreender o grande universo lingüístico e cultural dos indígenas tinha como objetivo tornar esta nova realidade cognoscível para o ponto de vista ocidental. A partir daí se estabeleceram comparações tomando a cultura ocidental como parâmetro, onde o conquistador buscava as semelhanças e a s diferenças com a sua realidade conhecida. Também por desconhecimento de causa, foram produzidas generalizações que se não reproduziam fidedignamente a realidade das populações nativas, ao menos atendia de imediato a demanda mínima de conhecimento para que se estabelecessem estratégias de domínio sobre as populações nativas. Uma comparação notória e de natureza lingüística embasa uma argumentação que legitima e justifica a dominação portuguesa, através do uso de recurso de retórica e sob o pretexto de civilizar e cristianizar a barbárie, impondo uma Lei e um Rei, segundo a concepção européia destes mesmos conceitos. Afinal, apesar da ausência das consoantes L e R, em nenhum momento, pode-se afirmar que tais estruturas não existissem nas sociedades indígenas, apenas se manifestavam sob outros aspectos, que não podiam ou não 22 SOUZA, op. cit. p.302.

22 22 eram propositalmente compreendidos pelos dominadores. A ausência de leis escritas não necessariamente indica a ausência de m código comum de moral e costumes reconhecível que reja e normatize a vida em sociedade, fornecendo os parâmetros de certo e errado, do aceitável e do intolerável. A ausência de um Rei, cujos poderes e atribuições não reproduziam o quadro das monarquias européias não implica em ausência total de autoridade, ou que os indivíduos pudessem fazer valer sua vontade pessoal acima dos direitos e prerrogativas da comunidade na qual se insere. O mesmo pode ser dito em relação à Fé, a ausência da consoante F ou de uma instituição que se se assemelha à Igreja, não significam ausência de religiosidade. Mais uma vez, os ditames da cultura ocidental servem como base de comparação. Desta vez, no entanto, o discurso de dominação utiliza como premissa não somente apenas a civilização, mas a salvação da alma. Esta mesma afirmação "Sem Fé, sem Lei nem Rei" ao mesmo tempo em que constitui uma argumentação frágil da parte de Gabriel Soares, é ao mesmo tempo uma prova de o quanto a história é seletiva e o quanto a reconstituição dos fatos históricos é produto da escolha dos historiadores. Muito injustamente o livro de Gabriel Soares, só passou a ter repercussão a partir do século XIX, e ainda assim é muitas vezes ignorado. Quase todos os historiadores que utilizaram o Tratado Descritivo do Brasil em 1587 como fonte do século XVI, aproveitaram a narrativa não naquilo que ela possui de melhor, mas naquilo ela possui de pior - a retórica mal elaborada -, mas que serve para legitimar o domínio português, cristão e da própria Coroa. O historiador John Manuel Monteiro (brasileiro), analista contemporâneo, interpreta a conclusão de Gabriel Soares como sendo uma "dificuldade em identificar instituições que fossem comparáveis às da civilização européia", o que nos faz enxergar a fase embrionária do pensamento eurocêntrico já no século XVI, a partir do advento das grandes navegações, onde o historiador Jaquues Revell (europeu) enxerga uma primeira tentativa de "globalização" 23. Ao Examinar a afirmativa com as lentes do século XXI, ela nos fornece não somente uma leitura dos discursos de dominação produzidos no século XVI e depois apropriados e consolidados pela historiografia luso-brasileira posterior, mas uma pista 23 Esta foi a opinião emitida por Jaquees Revel em uma palestra realizada para estudantes de História da UFPR, durante sua visita ao Brasil em 2008.

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era?

A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era? A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Era Colonial Era Nacional Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era? Evolução Política Evolução Econômica Essas eras apresentam

Leia mais

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano História/15 7º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 7ºhis303r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano 3º trimestre Aluno(a), Seguem os conteúdos trabalhados no 3º trimestre. Como base neles você deverá

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

(A) Regionalismo (caráter da literatura que se baseia em costumes e tradições regionais).

(A) Regionalismo (caráter da literatura que se baseia em costumes e tradições regionais). ENEM 2002 Comer com as mãos era um hábito comum na Europa, no século XVI. A técnica empregada pelo índio no Brasil e por um português de Portugal era, aliás, a mesma: apanhavam o alimento com três dedos

Leia mais

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Os estudos sobre a África e as culturas africanas têm ganhado espaço nas últimas décadas. No Brasil esse estudo começou, basicamente, com Nina Rodrigues em

Leia mais

Aula 7 A COLONIZAÇÃO DE SERGIPE: HISTÓRIAS... Antônio Lindvaldo Sousa

Aula 7 A COLONIZAÇÃO DE SERGIPE: HISTÓRIAS... Antônio Lindvaldo Sousa Aula 7 A COLONIZAÇÃO DE SERGIPE: HISTÓRIAS... META Demonstrar como o processo historiográfico é um exercício de aplicação do historiador, pois as informações não chegam ao seu conhecimento por acaso. OBJETIVOS

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO MÉDIO Conteúdos da 1ª Série 1º/2º Bimestre 2014 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Yann/Lamarão Data: / /2014 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara História Resultado

Leia mais

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna CENTRO CULTURAL DE BELÉM PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015 Segunda Parte Época Moderna Nuno Gonçalo Monteiro Instituto de Ciências Sociais Universidade de Lisboa Quarta Sessão

Leia mais

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA Rosemary Maria do Amaral 1 RESUMO: Antes mesmo de sua descoberta nas minas, alguns caminhos começaram

Leia mais

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80 6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º Valor: 80 1. A invasão holandesa no Nordeste brasileiro, ao longo do século XVII, está relacionada com a exploração de um produto trazido para o Brasil pelos portugueses. Que

Leia mais

Terra Papagalli é uma obra ficcional dos escritores brasileiros de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta, publicada pela primeira vez em 1997

Terra Papagalli é uma obra ficcional dos escritores brasileiros de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta, publicada pela primeira vez em 1997 1 Terra Papagalli é uma obra ficcional dos escritores brasileiros de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta, publicada pela primeira vez em 1997 pela Editora Objetiva. Misturando fatos históricos

Leia mais

1º ano CULTURA, DIVERSIDADE E SER HUMANO TRABALHO, CONSUMO E LUTAS POR DIREITOS

1º ano CULTURA, DIVERSIDADE E SER HUMANO TRABALHO, CONSUMO E LUTAS POR DIREITOS 1º ano Estudo da História Estudo da História O Brasil antes dos portugueses América antes de Colombo Povos indígenas do Brasil A colonização portuguesa A colonização europeia na América Latina Introdução:

Leia mais

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME Toda família tem um nome, este nome é o identificador de que família pertence esta pessoa, o qual nos aqui no Brasil chamamos de Sobrenome. Então este nome além de identificar

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA A nível mundial, o primeiro papel moeda surgiu na China, no séc. VII, na dinastia Tang, para facilitar aos comerciantes o transporte de grandes quantidades de moeda de metal,

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

A defesa militar da Amazônia. Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação

A defesa militar da Amazônia. Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação A defesa militar da Amazônia Celso Castro e Adriana Barreto de Souza Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação independente? A pergunta, contraditória em seus próprios termos,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI.

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. BORTOLI, Bruno de (PIC/UEM) MARQUIOTO, Juliana Dias (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

EDUCAÇÃO JESUÍTICA RESUMO

EDUCAÇÃO JESUÍTICA RESUMO EDUCAÇÃO JESUÍTICA KARLA FERREIRA DOS SANTOS Profª. Maria Auxiliadora Freitas Pimenta de Araújo Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Licenciatura em Pedagogia (PED0545) HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache

Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache CAPÍTULO I Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache Aos dezessete dias do mês de junho de 1527 partiu do porto de San Lúcar de Barrameda 1 o governador Pánfilo de Narváez, 2 com poder e mandato de Vossa

Leia mais

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa.

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa. Vera, Use a seguinte legenda: Amarelo: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.info.lncc.br/wrmkkk/tratados.html Rosa: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.webhistoria.com.br

Leia mais

AS GRANDE NAVEGAÇÕES. Professora de História Maria José

AS GRANDE NAVEGAÇÕES. Professora de História Maria José AS GRANDE NAVEGAÇÕES Professora de História Maria José O desconhecido dá medo:os navegantes temiam ser devorados por monstros marinhos MAR TENEBROSO O COMÉRCIO COM O ORIENTE No século XV, os comerciantes

Leia mais

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Este ponto é aqui. É a nossa casa. Somos nós, numa imagem tirada a partir de 6 mil milhões de quilómetros da Terra pela sonda Voyager

Leia mais

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus CAPÍTULO 2 O Propósito Eterno de Deus Já falamos em novo nascimento e uma vida com Cristo. Mas, a menos que vejamos o objetivo que Deus tem em vista, nunca entenderemos claramente o porque de tudo isso.

Leia mais

Brasil - Colônia e Império 1500-1889

Brasil - Colônia e Império 1500-1889 Brasil - Colônia e Império 1500-1889 Texto adaptado do livro "História do Brazil", de Rocha Pombo, publicado em 1919 pela Editora "Weiszflog Irmãos" Atualização e adaptação: Paulo Victorino José Francisco

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras O descobrimento de novas terras e riquezas (o pau-brasil) estimulou a cobiça de várias nações européias que iniciavam as suas aventuras

Leia mais

CURSO: HISTÓRIA PRIMEIRO PERÍODO. Área de Ciências Humanas Sociais e Aplicadas. DISCIPLINA: Metodologia Científica (on-line)

CURSO: HISTÓRIA PRIMEIRO PERÍODO. Área de Ciências Humanas Sociais e Aplicadas. DISCIPLINA: Metodologia Científica (on-line) CURSO: HISTÓRIA PRIMEIRO PERÍODO DISCIPLINA: Metodologia Científica (on-line) (Modalidade a Distância NEAD) 104032 04 01 80h O Conhecimento Científico e os Métodos Científicos. Epistemologia. Métodos Científicos:

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Ivana Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

O Evangelho Segundo o Espiritismo e o Novo Testamento. Debate em 14/04/2012 www.gede.net.br

O Evangelho Segundo o Espiritismo e o Novo Testamento. Debate em 14/04/2012 www.gede.net.br O Evangelho Segundo o Espiritismo e o Novo Testamento Debate em 14/04/2012 www.gede.net.br Objetivo: Analisar as diferenças e semelhanças entre o NT e o ESE. Pontos a debater: 1) Definições; 2) Avaliação

Leia mais

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário Habilidades: Conhecer o trabalho missionário jesuítico na figura de seu principal mentor: Padre José de Anchieta Revisão 1º Período

Leia mais

Trajetória Histórica da Enfermagem Brasileira Séc. XVI

Trajetória Histórica da Enfermagem Brasileira Séc. XVI BACHARELADO EM ENFERMAGEM HISTÓRIA E TEORIAS DA ENFERMAGEM Prof. Eurípedes Gil de França Aula 8 A Enfermagem no Brasil Trajetória Histórica da Enfermagem Brasileira Séc. XVI REFORMA PROTESTANTE Martinho

Leia mais

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro CONSIDERAÇÕES FINAIS A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro de Andrade foi uma mulher bastante conhecida na sociedade brasileira, pelo menos entre a imprensa e

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

Cronistas do Descobrimento

Cronistas do Descobrimento Cronistas do Descobrimento O Brasil do século XVI é uma terra recém descoberta e, como tal, não tem ainda condições de produzir uma literatura própria. Os primeiros escritos foram feitos por estrangeiros

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado.

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. 1 Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. Neste sentido a Carta aos Hebreus é uma releitura da lei,

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o trecho da carta de Pero Vaz de Caminha, escrivão da armada de Pedro Álvares Cabral, escrita em maio de 1500 para o rei português

Leia mais

GABARITO. Sobre o cálculo da nota

GABARITO. Sobre o cálculo da nota GABARITO Prezado estudante este gabarito tem o intuito de delinear as respostas de sua prova e principalmente servir como guia para seu estudo. Entendemos que a prova da Famema é, normalmente, uma prova

Leia mais

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL 1. Analise os quesitos a seguir e assinale, nos itens I e II, a única opção correta: (1,0 ponto) I. Observe a tirinha do Hagar e o texto de Alberto Caeiro: Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode

Leia mais

Expansão do território brasileiro

Expansão do território brasileiro Expansão do território brasileiro O território brasileiro é resultado de diferentes movimentos expansionistas que ocorreram no Período Colonial, Imperial e Republicano. Esse processo ocorreu através de

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS.

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 21-jun-2015 - TEMA: A FÉ Assunto: INTERFERÊNCIAS NO PROCESSO DA SALVAÇÃO Texto fundamental: JOÃO CAP. 9 EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. COMENTAR OS

Leia mais

2 COMO E QUANDO SURGIU GUARATIBA?

2 COMO E QUANDO SURGIU GUARATIBA? 2 COMO E QUANDO SURGIU GUARATIBA? Em 1555 os franceses entraram na Baía de Guanabara e se ocuparam de algumas ilhas no intuito de ali fundar o que eles chamavam de França Antarctica. Em 1560, pela primeira

Leia mais

Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do

Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do Estado nacional brasileiro e conflitos na Província de São Paulo (1822-1845). São Paulo: Alameda, 2012. 292 p. Fernanda Sposito Luana Soncini 1 A

Leia mais

1. Por que o Brasil? Por que o Nordeste?

1. Por que o Brasil? Por que o Nordeste? 1. Por que o Brasil? Por que o Nordeste? Na escolha do Brasil como alvo do ataque empresado pela wic pesou uma variedade de motivos. A América portuguesa constituiria o elo frágil do sistema imperial castelhano,

Leia mais

Unidade I ANTROPOLOGIA E CULTURA. Prof. Bruno César dos Santos

Unidade I ANTROPOLOGIA E CULTURA. Prof. Bruno César dos Santos Unidade I ANTROPOLOGIA E CULTURA BRASILEIRA Prof. Bruno César dos Santos Objetivos 1. compreender a linguagem e a metodologia específica no que diz respeito à relação entre antropologia e cultura; 2. analisar

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS A CHEGADA DOS PORTUGUESES A AMÉRICA E AS VIAGENS MARÍTIMAS Projeto apresentado e desenvolvido

Leia mais

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Na orientação dessa semana faremos questões objetivas sobre filosofia política. II. Questões sobre Filosofia Política 1. Foi na Grécia de Homero que

Leia mais

Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e, como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos; e Ele passou a ensiná-los dizendo... Mateus 5.

Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e, como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos; e Ele passou a ensiná-los dizendo... Mateus 5. Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e, como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos; e Ele passou a ensiná-los dizendo... Mateus 5.1-2 E na minha nação excedia em judaísmo a muitos da minha

Leia mais

O Brasil holandês http://www.youtube.com/watch?v=lnvwtxkch7q Imagem: Autor Desconhecido / http://educacao.uol.com.br/biografias/domingos-fernandescalabar.jhtm DOMINGOS CALABAR Domingos Fernandes

Leia mais

PETER BURKE E SEU CONCEITO DE TRADUÇÃO CULTURAL. Luiz Felipe Urbieta Rego

PETER BURKE E SEU CONCEITO DE TRADUÇÃO CULTURAL. Luiz Felipe Urbieta Rego PETER BURKE E SEU CONCEITO DE TRADUÇÃO CULTURAL Luiz Felipe Urbieta Rego (PUC-RJ) A Tradução Cultural consiste em uma obra organizada e escrita por Peter Burke focada em um elemento muito trabalhado no

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 8 o ano Unidade 1

Sugestões de avaliação. História 8 o ano Unidade 1 Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 1 5 Nome: Data: Unidade 1 1. Leia o texto e, em seguida, responda às questões. Suas plantações são pequenas, não passando de algumas roças localizadas próximas

Leia mais

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO Vós ouviste o que vos disse: Vou e retorno a vós. Se me amásseis, ficaríeis alegres por eu ir para o Pai, porque o Pai é maior do que eu. João

Leia mais

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho Guilherme Argenta Souza Ceres Helena Ziegler Bevilaqua UFSM A obra Chapeuzinho Vermelho é um clássico da literatura universal, apreciada por

Leia mais

SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DA FAMÍLIA GOYOS

SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DA FAMÍLIA GOYOS SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DA FAMÍLIA GOYOS Por Durval de Noronha Goyos Jr. O Instituto Português de Heráldica e a Universidade Lusíada de Lisboa reeditaram o Livro de linhagens de Portugal, em 2014, numa

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Elabore um texto utilizando as palavras do quadro. rei burguesia senhor feudal leis centralização política moeda feudos 2.

Leia mais

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón www.sisac.org.br "No capítulo 7 da epístola aos Romanos, encontramos o grito desesperado de um homem que não conseguia viver à altura dos princípios que conhecia.

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

CURSO À DISTÂNCIA DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA Currículo nº 01

CURSO À DISTÂNCIA DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA Currículo nº 01 CURSO À DISTÂNCIA DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA Turno: INTEGRAL Currículo nº 01 Autorizado pela Resolução CEPE n.º 226, DE 16.12.08. Para completar o currículo pleno do curso superior de graduação à distância

Leia mais

DEDICATÓRIA. Dedico esta obra a todos os leitores de Uma. Incrível História Euro-Americana no período em

DEDICATÓRIA. Dedico esta obra a todos os leitores de Uma. Incrível História Euro-Americana no período em DEDICATÓRIA Dedico esta obra a todos os leitores de Uma Incrível História Euro-Americana no período em que esta foi postada no blog Dexaketo, tornando-a o folhetim mais lido na história do blog até meados

Leia mais

Guia de exploração pedagógico-didático dos PowerPoint (amostra)

Guia de exploração pedagógico-didático dos PowerPoint (amostra) Guia de exploração pedagógico-didático dos PowerPoint (amostra) Apresentamos um conjunto de 8 PowerPoint que abordam todos os conteúdos programáticos e das Metas Curriculares do 8.º ano. Estes obedecem

Leia mais

Igreja Pentecostal da Bíblia

Igreja Pentecostal da Bíblia Igreja Pentecostal da Bíblia 2014 O Ano de Josué ** Fidelidade Josué cap. 24 ** Pastoreio # 014 Direção Nacional Retorno: Antes do pastoreio #014 é hora de ouvir: Motive os envolvidos no pastoreio a relatar

Leia mais

CATÁLOGO. APRESENTAÇÕES: IMAGEMS: Coruja:

CATÁLOGO. APRESENTAÇÕES: IMAGEMS: Coruja: CATÁLOGO ÁREA: Introdução à Filosofia. TEMA: Por que a Coruja é o símbolo da Filosofia? HISTÓRIA DA FILOSOFIA: Antiga, moderna e contemporânea. INTERDISCIPLINARIDADE: Artes DURAÇÃO: 1 aula de 50 AUTORIA:

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História e Geografia de Portugal 6º Ano de Escolaridade Prova 05 / 2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 90 minutos.

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

Assim como revelado ao Mensageiro de Deus, Marshall Vian Summers em 14 de abril de 2011 em Boulder, Colorado, E.U.A.

Assim como revelado ao Mensageiro de Deus, Marshall Vian Summers em 14 de abril de 2011 em Boulder, Colorado, E.U.A. A Voz da Revelação Assim como revelado ao Mensageiro de Deus, Marshall Vian Summers em 14 de abril de 2011 em Boulder, Colorado, E.U.A. Hoje nós falaremos sobre a Voz da Revelação. A Voz que você está

Leia mais

PESQUISA: A PRIMEIRA EDUCAÇÃO NO BRASIL: GÊNESE E FUNDAMENTOS.

PESQUISA: A PRIMEIRA EDUCAÇÃO NO BRASIL: GÊNESE E FUNDAMENTOS. 1 PESQUISA: A PRIMEIRA EDUCAÇÃO NO BRASIL: GÊNESE E FUNDAMENTOS. Autora: SANDRA BOTELHO CHAVES Núcleo : História e Filosofia da Educação - Mestranda: Orientador: Profº Drº José Maria de Paiva A presente

Leia mais

Superioridade ibérica nos mares

Superioridade ibérica nos mares 2.ª metade do século XVI Superioridade ibérica nos mares PORTUGAL Entre 1580 e 1620 ESPANHA Império Português do oriente entra em crise devido a Escassez de gentes e capitais Grande extensão dos domínios

Leia mais

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A 10º Ano Ano Lectivo - 2012/2013 (sujeita a reajustamentos) Prof. ª Irene Lopes 1º PERÍODO MÓDULO 0 ESTUDAR E APRENDER HISTÓRIA MÓDULO 1 RAÍZES MEDITERRÂNICADA CIVILIZAÇÃO

Leia mais

EDITAL 01/2012DH 2011.2 SELEÇÃO PARA MONITOR DE ENSINO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA

EDITAL 01/2012DH 2011.2 SELEÇÃO PARA MONITOR DE ENSINO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA EDITAL 01/2012DH 2011.2 SELEÇÃO PARA MONITOR DE ENSINO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA A Direção do Departamento de História, no uso de suas atribuições, conferidas pela resolução CONSEPE 04/2001, torna público

Leia mais

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar 1º Período UNIDADE 1 A aventura de navegar Produtos valiosos Navegar em busca de riquezas Viagens espanholas Viagens portuguesas Ampliação O dia a dia dos marinheiros Conhecer as primeiras especiarias

Leia mais

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir!

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir! Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 2 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Relações Raciais no Brasil Características históricas para compreender

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

LIÇÃO 5 INTERPRETAÇÃO 2ª PARTE INTRODUÇÃO

LIÇÃO 5 INTERPRETAÇÃO 2ª PARTE INTRODUÇÃO 29 LIÇÃO 5 INTERPRETAÇÃO 2ª PARTE INTRODUÇÃO No capítulo anterior falamos sobre as regras de interpretação e a necessidade de conhecermos o contexto de uma passagem e também da importância das palavras.

Leia mais

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i LUÍS CARLOS SANTOS luis.santos@ese.ips.pt Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal 1- Agostinho da Silva, um adepto da Educação

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA Por Neila Cristina N. Ramos Embora vivamos num país em que se tente transmitir uma imagem de igualdade e harmonia

Leia mais

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17)

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) Tivemos esta manhã a alegria de testemunhar vários baptismos bíblicos. Existem outras coisas e outras cerimónias às quais se dá o nome de baptismo. Existe até uma seita,

Leia mais

2011 ano Profético das Portas Abertas

2011 ano Profético das Portas Abertas 2011 ano Profético das Portas Abertas Porta Aberta da Oportunidade I Samuel 17:26 - Davi falou com alguns outros que estavam ali, para confirmar se era verdade o que diziam. "O que ganhará o homem que

Leia mais

Sociedade das Ciências Antigas. O que é um Iniciado? por Papus

Sociedade das Ciências Antigas. O que é um Iniciado? por Papus Sociedade das Ciências Antigas O que é um Iniciado? por Papus Publicação feita na revista L'Initiation nº 4, de 1973. Uma das causas mais reiteradas da obscuridade aparente dos estudos das Ciências Ocultas

Leia mais

Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM

Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM De visita à Biblioteca do Professor José Mattoso: o que não sabemos e devemos saber Judite A. Gonçalves de Freitas FCHS-UFP Mértola- 16. Março.

Leia mais

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática GEOGRAFIA, ECONOMIA E POLÍTICA Terreno montanhoso Comércio marítimo Cidades-estado

Leia mais

BARROCO O que foi? O barroco foi uma manifestação que caracterizava-se pelo movimento, dramatismo e exagero. Uma época de conflitos espirituais e religiosos, o estilo barroco traduz a tentativa angustiante

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

*Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século

*Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século *Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século XX; * É quando surge uma literatura social, através de

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

Outras Editoras. Castela - Cristo Rei - Oratório - Peixoto Neto - Permanência - Katechesis

Outras Editoras. Castela - Cristo Rei - Oratório - Peixoto Neto - Permanência - Katechesis Outras Editoras Castela - Cristo Rei - Oratório - Peixoto Neto - Permanência - Katechesis As 3 Vias e as Três Conversões O grande teólogo dominicano, falecido em 1964, nos expõe as diversas fases da vida

Leia mais

Os pontos principais e a resolução das questões formam um roteiro a ser seguido.

Os pontos principais e a resolução das questões formam um roteiro a ser seguido. Orientação de Estudos Os pontos principais e a resolução das questões formam um roteiro a ser seguido. Porém, a leitura do livro texto é indispensável para compreensão e fixação do conteúdo. 3EM - Antiguidade

Leia mais