OBRAS SOCIAIS E FÉ NO NORTE IMPERIAL: O TRABALHO MISSIONÁRIO DO PADRE IBIAPINA Danielle Ventura Bandeira de Lima *

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBRAS SOCIAIS E FÉ NO NORTE IMPERIAL: O TRABALHO MISSIONÁRIO DO PADRE IBIAPINA Danielle Ventura Bandeira de Lima * danihistoriadora@yahoo.com."

Transcrição

1 OBRAS SOCIAIS E FÉ NO NORTE IMPERIAL: O TRABALHO MISSIONÁRIO DO PADRE IBIAPINA Danielle Ventura Bandeira de Lima * Introdução O trabalho missionário de Padre Ibiapina se deu entre os anos de 1856 a 1883 e representou uma maneira de buscar a melhoria da situação das províncias da Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará e Alagoas através da construção de uma infra-estrutura que permitisse que as pessoas desfrutassem das mesmas e, concomitantemente, colaborassem para que ela existisse. Contudo, nem sempre o missionário conseguiu peregrinar por essas regiões incentivando pessoas, as orientando pessoalmente e buscando recursos em momentos críticos como o da seca de 1877, isso por que, em 1876, ele foi acometido por uma paralisia nas pernas e precisou se fixar em uma de suas casas de caridade, que no caso, sua escolhida foi Santa Fé, localizada no atual município de Arara- PB. Dessa maneira, em momentos de seca, Ibiapina se apoiou na colaboração dos chamados beatos, merecendo destaque a figura do Irmão Ignácio, que tinham o papel de pedir esmolas nos mais variados lugares, além de buscar o apoio financeiro do bispo e de orientar por cartas as Irmãs de Caridade a fim de que essas perseverassem nas instituições e cumprissem o que estava estabelecido no seu Estatuto e Máximas Morais. Sendo assim, nesse artigo analisaremos brevemente o contexto da época que Ibiapina atuou, as suas principais obras estabelecidas e, por fim, enfocaremos as principais dificuldades enfrentadas nesse período dando ênfase a seca, tendo em vista que esta foi um mal que afligiu toda a população carente, destacando a casa de caridade como obra social de grande importância durante esse período. A trajetória missionária de Ibiapina e as dificuldades da época * Graduada em História pela Universidade Federal da Paraíba; mesma instituição onde está cursando o Mestrado em Ciências das Religiões.

2 A preocupação de Ibiapina em investir na salubridade por onde ele passou, através da construção de cemitérios, hospitais, e de açudes, é compreensível perante a dura realidade encontrada no norte do país nesse período, devido à existência de surtos de doenças epidêmicas como a febre amarela, a cólera e a varíola que se proliferavam pelo país cujo orçamento destinado para sua erradicação era minúsculo. Com relação aos Cemitérios construídos pelo religioso, tinham como função diminuir as epidemias, já que os escombros quase sempre eram portadores de mais doenças. Essa obra quase sempre esteve localizada nas imediações das capelas, como em Soledade - PB (1856), Alagoa Grande PB (1863) e Caldas - CE (1870), devido ao significado religioso que elas representavam, já que sob o pensamento cristão há uma constante busca pelo céu. Outra obra social de cunho essencial para a população eram os açudes, entre os quais podemos destacar aqueles construídos em Angicos - RN (1863), Santa Fé - PB (1864) e Santa Luzia- PB (1875), uma vez que muitas delas conviveram até mesmo com a escassez total de água principalmente em tempos de crise como a seca de Os hospitais, por sua vez, foram extremamente significativos também por causa do grande número de epidemias que se alastraram nesse período. Esses geralmente funcionaram no interior das Casas de Caridade como os de Açu e Areia, já que foram as próprias Irmãs de Caridade que, além de exercerem atividades nas casas de caridade junto às órfãs, estiveram dispostas a cuidar dos doentes. Sendo assim, a contribuição dos leigos na obra missionária do Padre Ibiapina, foi essencial para que ele conseguisse realizá-la, pois existia a necessidade da presença de construtores de hospitais, açudes, igrejas e casas de caridade, bem como de pessoas dispostas a administrá-las e conduzi-las. (ARAÚJO, 1996) O zelo da população pelo seu projeto missionário é perceptível quando o missionário foi acusado de mentor do Movimento Quebra quilos, (revolta que explodiu ao ser executado do sistema métrico que foi criado em 1872 em que a população esteve abalada com a ausência de melhoria de condições de vida), já que ao ser enviado o mandato de prisão grande número de camponeses foi até a Casa de Caridade Santa Fé, para impedir que prendessem o Padre Ibiapina: O povo cercou o apóstolo que debalde pedia que voltassem todos a seus lares e roçados. Muita gente ficou dia e noite aos pés dos muros da Caridade, sob o abrigo de pequenas casas e de árvores. De armas nas habitações e no colégio, somente as cruzes. Camponeses, fora, quando muito empunhavam foices, que o Padre só aconselham foi o trabalho e a virtude, batia a arrogância e o cangaço. (MARIZ, 1980, p.146)

3 A carência de recursos básicos da população e a comoção mediante as suas pregações foram fortes motivos que levaram essas pessoas a apoiarem sua obra e a admirarem o seu trabalho. Pois, uma das poucas instituições que recebiam o auxílio financeiro do Estado, era a Santa Casa de Misericórdia (instituição constituída por hospital, Igreja, cemitérios públicos e edifícios subjacentes que acolhiam alguns órfãos que, após um tempo, eram abandonados a própria sorte) e cujas verbas enviadas através da Comissão de Socorros Públicos não conseguiram suprir suas necessidades. A ausência de salubridade pública foi tão pouco combatida pelo Estado que, segundo Comblin (1993), os escombros nessa época ficavam expostos fazendo com que um maior número de doenças se proliferasse, acarretando em maiores prejuízos para a população mais pobre. Fundada em 1862 e iniciando o trabalho do religioso na Paraíba, a casa de caridade - hospital em Areia teve um papel fundamental na luta contra os males das doenças epidêmicas, chegando a ser alvo de elogios pelo Presidente da Província da Paraíba Araújo e Lima, no ano de 1863 que, mesmo reconhecendo a colaboração do missionário na diminuição da cólera, não contribuiu em nada com a manutenção dessa instituição. Entre todas as preocupações do Brasil a maior de todas certamente foi a Seca, sendo mencionada até mesmo no discurso do Imperador em 1 de julho de 1877 como o pior dos problemas do país, onde, apesar de afirmar que as epidemias tiveram uma considerável queda e de colocar que esta vinha sendo combatida mediante o auxílio da Comissão de Socorros Públicos e iniciativas particulares. Esse sofrimento da sociedade foi sentido também nas casas de caridade, devido à impossibilidade de seu líder em se locomover e conseguir pessoalmente as verbas necessárias para seu sustento. Sendo a solução por ele encontrada o envio, através de seu beato Ignácio, de uma carta relatando a situação das casas apelando para versículos bíblicos que tinham como intuito comover as pessoas que dela tomassem conhecimento, como podemos observar em um de seus trechos: [...] É o padre Ibiapina que vos pede uma esmola pelo amor de Deus. Lembrai-vos cristãos: a esmola apaga o pecado e faz achar misericórdia na presença de Deus no dia do juízo. Quando Deus julgar o mundo, dirá para os da direita: vinde, bendito de meu eterno Pai! Vinde receber o prêmio da glória que vos está preparada pois estive com fome e me deste de comer, estive com sede e me deste de beber [...]. (CARTA do Padre Ibiapina em 2 de novembro de 1877) Um mês depois de enviar essa carta, Ibiapina fez uma descrição dramática de como estava Santa Fé, relatando sobre a escassez dos alimentos e da água e reforçando que as órfãs que lá se encontravam eram, em sua maioria, menores de sete anos e colocando ainda que, diariamente,

4 retirantes procuravam suas casas, nus e sem subsídios básicos para sobreviver, conforme é narrado pelo Beato Antônio Modesto no ano de sua morte. Essa situação condiz com o relato da comissão de socorros públicos ao descrever ao Presidente da Província da Paraíba José Rodrigues Pereira Júnior sobre a Villa de Teixeira no ano de 1879 em que, segundo este, a fome chegou a tal ponto que até mesmo cachorros eram disputados como alimentos para os mais pobres. Além disso, nesse relatório afirma-se que essa situação de maneira nenhuma afetou a elite local alertando para os desvios de verbas e lamentando o grande número de emigrações de pessoas pobres que iam buscar melhores condições de vida. Reclamando ainda da impossibilidade de construção de Sangradouro por parte da Comissão mediante a pequena quantidade de verbas a ela direcionada. Nesse ano ficam evidentes as necessidades da população através da Veneranda responsável pela Casa de Caridade em Cabaçeiras que, pedindo recursos ao Presidente da Província, mostra que as dezoito senhoras que nela residiam não conseguiam suprir as necessidades das trinta e oito órfãs. Vale destacar, que esta conseguiu os recursos solicitados, mas em uma ínfima quantidade, pois em pouco tempo reivindicou novamente o envio de recursos que durassem no mínimo quatro meses. Enfim, o estado calamitoso nesse período é explicitado em narrativas de pessoas que vivenciaram de perto esse período e que buscaram o apoio de autoridades como os presidentes das províncias, líderes religiosos ou, até mesmo, da própria população apelando para o sentimento de partilha cristã. As casas de caridade como foco da missão de Ibiapina Apesar de todas as obras assistencialistas do religioso terem um caráter essencial para a população, as casas de caridade podem ser consideradas como as suas principais, pois mesmo diante de sua paralisia nas pernas ele continuou se comunicando através de cartas com as superioras das respectivas casas e enviando verbas através de seus beatos. Isso fica perceptível em um discurso de sua época que afirma que: Padre Ibiapina viu a órfã sem pai e sem mãe, exposta a todos os perigos e misérias da vida, e seu coração contristou-se. Viu o homem acabrunhado sob o duplo mal de enfermidade e da fome, e sua alma conturbou-se. Mas Deus havia dito Diliges proximum tuum sicut teipsum. Com tais palavras nos lábios e a fé no coração, o virtuoso missionário, encontrando eco ao íntimo da alma dos fiéis, fundou esta Santa Casa para asilo e proteção das órfãs e

5 dos enfermos desvalidos da fortuna. (DOMINGO JÚNIOR, José Pinto Braga Apud ALENCAR, 1863, p 82) Nessa instituição ele propagava lições de conduta cujo foco era a obediência a sua vontade, o silêncio, o trabalho e a penitência através das Máximas Morais, que continham aconselhamentos direcionados as Irmãs de Caridade, do Estatuto que ditava o regimento e das cartas dirigidas às Irmãs quando julgava necessário. Esse modelo educativo estava em sintonia com o de sua época, pois, durante o século XIX, apesar do surgimento de decretos de criação de escolas normais a partir da lei geral de ensino de 1827 e do Ato Adicional de 1834, que buscou regulamentar as atividades dos magistrados, esses tinham incutido em seu pensamento que era mais importante ordenar e controlar que propriamente instruir. Além disso, o curso feminino nas escolas normais brasileiras, apesar de serem mencionados como criados na Bahia em 1836 e em São Paulo em 1846, não foram implantados. No Rio de Janeiro, por sua vez, teve-se uma tentativa frustrada de colocar o estudo masculino e feminino em dias alternados. Portanto, por um longo período o ensino dirigido ao público feminino ficou a cargo de instituições religiosas ou escolas particulares leigas. (VILLELLA, 2003). Para manter a rigidez almejada pelo missionário, o apoio de mulheres simples das localidades em que atuava, ou de moças ricas que resolveram colaborar com o seu Projeto Missionário, seguindo um rigoroso Estatuto e observando as instruções fornecidas pelas Máximas Morais, foram primordiais para que essas funcionassem. As atividades exercidas dentro de suas instituições iam desde as mais simples como os serviços domésticos e atendimento a pessoas estrangeiras que adentravam as casas em busca de conselhos, como também há atividades cujo grau de confiança era maior, como as exercidas pelas Superioras e Irmãs Zeladoras, principais responsáveis por manter a ordem em suas instituições. (COMBLIN, 1993). Vale destacar que todas essas funções compunham o universo educativo e tinham papéis fundamentais, já que, tal como a escola, ela deveria ser entendida como um conjunto de hierarquias, normas e códigos, não podendo limitar o processo educativo ao simples ato de ensinar as primeiras letras (JALLES, 2005). A responsabilidade da Superiora, todavia, era intensa, conforme pode ser constatada através dos artigos 11, 12 e 14 do Estatuto das Casas de Caridade, pois tinha como função fazer com que todas as repartições funcionassem regularmente, observando, principalmente, o adiantamento da doutrina cristã, a fim de mensalmente construir um mapa declamando o trabalho na casa ao Inspetor Geral, o adiantamento da Escola e repreendendo as Irmãs desobedientes.

6 A Irmã Zeladora, por sua vez, conforme consta no Regime Interno do mesmo Estatuto, era designada pela Irmã de Caridade como responsável pela conduta das órfãs, punindo-as, caso desobedecessem às regras estabelecidas. Cauteloso ao escolher as pessoas de sua confiança, conforme consta nos artigos 5, 6, 7 e 8, Ibiapina admitia que as mulheres que lá estiveram pudessem dedicar parcial ou integralmente seu tempo em suas instituições, mas só após cinco anos demonstrando obediência aos seus serviços e total dedicação, era concedido o direito de serem denominadas de Irmãs de Caridade. Conseguir obedecer tais regras, porém, não era simples, pois o cumprimento de uma rotina árdua que ia das quatro horas e trinta minutos da manhã até a noite, obedecendo grande número de atividades que vão desde oração, trabalho ou estudo silenciosamente e sem questionamentos, sob o constante toque da campa que indicava qual era a atividade a ser realizada naquele momento, exigia uma dedicação profunda e um estado de constante vigilância. O preconceito contra a mulher, a disciplina e controle tão presentes no pensamento dos educadores de todo o país, guiados quase sempre pelo método lancasteriano, foi fruto de uma mentalidade da época que buscou formar as pessoas de acordo com seus interesses particulares, para Foucault: [...] a disciplina não pode se identificar nem com um aparelho: ela é um tipo de poder, uma modalidade para exercê-lo, que comporta todo um conjunto de instrumentos, de técnicas, de procedimentos, de níveis de aplicação, de alvos, ela é uma física ou uma anatomia do poder, uma tecnologia (FOUCAULT, 2001, p.127). Os princípios cristãos, existente nas instituições ibiapianas, coexistiam nas instituições laicas e eram agregados ao ensino das primeiras letras, como forma de doutrinar as pessoas e, sobretudo, de conformar a população com a situação vivenciada, impedindo possíveis questionamentos. O exemplo mariano, para a educação das órfãs e também das mulheres da caridade, era essencial para ele, devido a sua obediência a vontade divina e o silêncio que ela guardava, já que era desejo do religioso manter total controle sobre a instituição. (NOGUEIRA, 1888) Tal pensamento se assemelha ao agostiniano, uma vez que primava pela disciplina e obediência. Nessa instituição, tal como na medievalidade, não havia espaço para indagações e liberdade, pois se prevalecia a disciplina externa e o zelo pela obediência inquestionável, próprios da educação tradicional cristã. (MANACORDA, 1989) O castigo, portanto, existente nas instituições como um todo, inclusive nas do missionário, foram considerados como meios essenciais para conseguir conter os ímpetos tidos como rebeldes

7 por não se adaptarem a rotina escolar. Para a elite, o acesso à educação garantido aos pobres não poderia ser considerado como um meio de diminuir as desigualdades, mas de fazer com que o povo não se desviasse do caminho traçado por ela. (FILHO, 2003) Além disso, as preocupações com o casamento e com a educação religiosa das mulheres eram fortemente presentes no pensamento de quase todas as instituições brasileiras e também nas Casas de Caridade. Contudo, uma técnica não tão desenvolvida para as mulheres nesse período e desempenhada por Ibiapina foi a busca em fazer com que as moças aprendessem atividades manuais ou de gênero industrial para que quando se cassassem pudessem colaborar com seus maridos no sustento de suas famílias. Vale destacar que essas atividades industriais eram constantemente incentivadas ao público masculino no ensino laico em busca de mão de obra especializada como podemos constatar no Colégio dos Educandos Artífices criado na Paraíba em 1865, contando, diferentemente das Instituições do Missionário, com o apoio do Estado e padecendo com a falta de estrutura, predominando-se, além disso, a descriminação contra os filhos dos ex-escravos. A consagração a Deus de todas as atividades diárias pode ser constatada também no pensamento de Clemente de Alexandria, que, considerado um dos primeiros educadores, afirma que o mestre tem a função de encaminhar para as virtudes da vida. (MANACORDA, 1989). O trabalho diário nessa instituição era tão valorizado pelo missionário que, em suas Máximas Morais, ele o colocou como um tipo de oração, destacando dois tipos de orações: um é levantando o pensamento ou dirigindo a palavra a Deus, e o outro é trabalhando por amor de Deus, em desempenho do dever do próprio estado. (IBIAPINA apud COMBLIN, 1984). Essa idéia de trabalho como melhor remédio para driblar a ociosidade trazida por Ibiapina esteve igualmente presente na Ordem de São Bento, que, além de trazer este pensamento para os religiosos, também se utilizava de um Inspetor para fiscalizar se esses estavam seguindo seus preceitos, contudo a presença masculina era predominante. Não podemos nos esquecer que essa busca pelo trabalho também foi fruto de uma época que visava formar mão de obra barata e que descriminava os filhos de ex-escravos conforme podemos constatar através do Relatório de Província em 1872, quando alguns jovens filhos de ex-escravos foram expulsos sob a alegação de mau comportamento e readmitidos em seguida sendo incorporados no quadro de funcionários impedindo que esses jovens fossem além do que se acreditava que era necessário para pessoas pobres, cujo destino nessa mentalidade escravocrata era trabalhar ganhando pouco ou nada.

8 Sendo assim, essas casas de caridade foram obras sociais de suma importância para o Padre Ibiapina e nelas podem ser transparecidas a situação da época por ele vivenciada, se assemelhando em diversos aspectos a instituições religiosas e de cunho laico. Considerações finais Ao analisarmos a situação da província da Paraíba durante os anos de , bem como a atuação de Ibiapina por todo norte do país percebemos como a população carente se apegou as suas missões e resolveu colaborar com elas, já que se sentiam reconfortados com suas palavras e com sua busca por construir obras que atendessem as suas necessidades. As casas de caridade tiveram um papel fundamental no cotidiano dessas pessoas e o modelo educativo implantado no interior das mesmas era tão forte que atraia para si até mesmo pessoas ricas dos locais, já que fazia parte da sociedade, a mentalidade de que a mulher sendo rico ou pobre deveria se preparar para o casamento. Entretanto, tais casas de caridade sofreram, juntamente com as demais instituições criadas pelo sacerdote, os efeitos da seca e o descaso do Governo, pois as pessoas que haviam sido alimentadas com essas mensagens de esperanças tiveram que conviver, conforme é relatado no relatório da comissão de socorros públicos na Vila Teixeira, com os freqüentes desvios de verbas, situação esta que pouco afligia aos mais ricos. Enfim, a temática aqui exposta permite que façamos uma breve reflexão sobre o papel missionário do Padre Ibiapina no Norte do país nesse período, sem deixar de reconhecermos que esta não está longe de nossa realidade, pois reflete o sofrimento ainda hoje enfrentado por grande parte da população mediante os desvios de dinheiro e ausência de infra-estrutura de muitos locais do Brasil. Referências ARAÚJO, Francisco Sadoc. Padre Ibiapina: peregrino da caridade. São Paulo: Paulinas, ALENCAR, Pe Carlos Augusto Peixoto de. Itinerário da Primeira Visita do Sr Dom Luis Antônio dos Santos ao Norte do Bispado no ano de Ceará Arquivo Santa Fé. CARTA da Irmã de Caridade Maria Ibiapina ao presidente da província José Rodrigues Pereira em 16 de dezembro de Arquivo Público da Paraíba. CARTA da Irmã de Caridade Maria Ibiapina ao presidente da província José Rodrigues Pereira em 4 de março de Arquivo Público da Paraíba.

9 CARTA do Padre Ibiapina enviada através do Irmão Ignácio em 2 de novembro de Arquivo Santa Fé. CARTA do Padre Ibiapina enviada através do Irmão Ignácio em dezembro de Arquivo Santa Fé. O CEARENSE, Fortaleza edição de , p 1. Arquivo Santa Fé. COMBLIM, José. Padre Ibiapina. São Paulo: Paulinas, Instruções espirituais do Padre Ibiapina. São Paulo: Ed Paulinas FALLA do Imperador na décima sexta reunião da legislatura em 1 de julho de Arquivo Público da Paraíba. FILHO, Luciano Mendes de Farias. Instrução Elementar no século XIX. In: LOPES, Elina Marta (org.) et. all. 500 anos de escola no Brasil. São Paulo: Autêntica FOULCAULT, Michael. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, JALES, Carlos Alberto. Para que serve uma teoria em educação? in: SALLES, Vilmária Fernandes Sales. et. all. Psicologia na educação: um referencial para professores. João Pessoa: UFPB, 2005 MANACORDA, Mário A. História da Educação: da antiguidade aos nossos dias, São Paulo: Cortez, MANUSCRITO do Beato Antônio Modesto de Maria Ibiapina em maio de 1883 narrando sobre a morte de Ibiapina. (Arquivo Santa Fé) MARIZ, Celso. Ibiapina, Um apóstolo do Nordeste. 2ª Ed. João Pessoa. Ed Universitária /UFPB, NOGUEIRA, Paulino - O Padre Ibiapina - in Revista do Instituto do Ceará, Ano II, 3 Trimestre de 1888, Tomo II, p 174. OFÍCIO do diretor do Colégio dos Educandos Artífices Antonio de Souza Gouveia dirigido ao presidente da Província da Paraíba Frederico Almeida e Albuquerque em 3 de abril de 1872 encontrado no Arquivo Público da Paraíba. Arquivo Público da Paraíba. OFÍCIO do diretor do Colégio dos Educandos Artífices Antonio de Souza Gouveia dirigido ao presidente da Província da Paraíba Frederico Almeida e Albuquerque em 20 de abril de 1872 encontrado no Arquivo Público da Paraíba. Arquivo Público da Paraíba RELATÓRIO do Presidente da Província Araújo e Lima em Arquivo Público da Paraíba RELATÓRIO da Comissão de Serviços público sobre a Villa de Teixeira ao Presidente de Província José Rodrigues Pereira Júnior em 15 de outubro de 1879 VILLELLA, Heloísa de O. O mestre escola e a professora. In: LOPES, Elina Marta (org.) et. all. 500 anos de escola no Brasil. São Paulo: Autêntica

POBREZA E FÉ NO BREJO PARAIBANO: O trabalho missionário do Padre Ibiapina Danielle Ventura Bandeira de Lima

POBREZA E FÉ NO BREJO PARAIBANO: O trabalho missionário do Padre Ibiapina Danielle Ventura Bandeira de Lima POBREZA E FÉ NO BREJO PARAIBANO: O trabalho missionário do Padre Ibiapina Danielle Ventura Bandeira de Lima danihistoriadora@yahoo.com.br Mestranda em Ciências das Religiões- UFPB Palavras Chaves: Religião,

Leia mais

ENTRE ORAÇÕES E DISCIPLINAMENTOS: A EDUCAÇÃO MARIANA NAS CASAS DE CARIDADE DO PE. IBIAPINA

ENTRE ORAÇÕES E DISCIPLINAMENTOS: A EDUCAÇÃO MARIANA NAS CASAS DE CARIDADE DO PE. IBIAPINA 1 ENTRE ORAÇÕES E DISCIPLINAMENTOS: A EDUCAÇÃO MARIANA NAS CASAS DE CARIDADE DO PE. IBIAPINA Danielle Ventura Bandeira de Lima PUC-GO daniellyventura@hotmail.com Justificativa A abordagem voltada para

Leia mais

As CASAS DE CARIDADE E A EDUCAÇÃO FEMININA: UM PROJETO DE PADRE IBIAPINA PARA O SERTÃO NORDESTINO

As CASAS DE CARIDADE E A EDUCAÇÃO FEMININA: UM PROJETO DE PADRE IBIAPINA PARA O SERTÃO NORDESTINO As CASAS DE CARIDADE E A EDUCAÇÃO FEMININA: UM PROJETO DE PADRE IBIAPINA PARA O SERTÃO NORDESTINO Natália Oliveira de Lima Universidade Estadual da Paraíba natalialiima@hotmail.com Introdução O presente

Leia mais

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA Antes da Solene celebração, entregar a lembrança do centenário No Final terá um momento de envio onde cada pessoa reassumirá a missão. O sinal deste momento será a colocação

Leia mais

MARATONA SCALABRINIANA - 2013. QUESTÕES PARA o 1º. Ano A e B - EF

MARATONA SCALABRINIANA - 2013. QUESTÕES PARA o 1º. Ano A e B - EF MARATONA SCALABRINIANA - 2013 QUESTÕES PARA o 1º. Ano A e B - EF 1. Qual a data de nascimento de Scalabrini e em qual país ele nasceu? Resposta: Scalabrini nasceu no dia 08 de Julho do ano 1839, na Itália.

Leia mais

PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL. PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro

PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL. PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro PRIMÓRDIOS DA ENFERMAGEM NO BRASIL No Brasil, a organização da enfermagem iniciou-se no período colonial, quando os cuidados

Leia mais

3º EIXO Dízimo TOTAL DIOCESE 943 579 61,3%

3º EIXO Dízimo TOTAL DIOCESE 943 579 61,3% 3º EIXO Dízimo Paróquia/Questionários Distribuídos Devolvidos % Devolv. Miguel Calmon 67 27 40 Piritiba 45 06 13 Tapiramutá 30 19 63 Mundo Novo 20 12 60 Jequitibá 14 10 71 Totais zonal 2 176 74 42% Andaraí

Leia mais

MENSAGEM À FAMÍLIA MARIANISTA

MENSAGEM À FAMÍLIA MARIANISTA JORNADA DE ORAÇÃO 2010 MENSAGEM À FAMÍLIA MARIANISTA Apresentação do santuário de NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO (Padroeira do Haiti) Porto Príncipe, República do Haiti Jornada Mundial de Oração 10

Leia mais

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana 93 ISSN - 1517-7807 9!BLF@FB:VWOOUWoYdZh outubro 2013 Que a saúde se difunda sobre a terra Escatologia e Exercícios Espirituais Pedro Arrupe, homem de Deus 1

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo.

1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. 1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. Ao contribuir com o dízimo, saímos de nós mesmos e reconhecemos que pertencemos tanto à comunidade divina quanto à humana. Um deles, vendo-se

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

JANEIRO Escola para formadores

JANEIRO Escola para formadores JANEIRO Escola para formadores De 02 a 28, as Irmãs da casa de formação, tiveram a oportunidade de participar da escola para formadores. A mesma é promovida pela Associação Transcender, com sede em São

Leia mais

Vivendo a Liturgia - ano A / outubro 2011

Vivendo a Liturgia - ano A / outubro 2011 Vivendo a Liturgia - ano A / outubro 2011 27ºDOMINGO DO TEMPO COMUM (02/10/11) Parábola dos Vinhateiros Poderia ser feito um mural específico para esta celebração com uma das frases: Construir a Igreja

Leia mais

Sumário Rosário de Nossa Senhora

Sumário Rosário de Nossa Senhora Sumário PRECES DIÁRIAS DO CRISTÃO... 13 1. Sinal da Cruz... 13 2. Pai-Nosso... 14 3. Ave-Maria... 15 4. Glória ao Pai... 16 5. Creio... 16 6. Invocação ao Espírito Santo... 17 7. Bênção contra a Tristeza...

Leia mais

6. Pergunta de Transição: Quem é o meu próximo? 7. Frase de Transição: Quando usamos de misericórdia estamos agindo para a salvação.

6. Pergunta de Transição: Quem é o meu próximo? 7. Frase de Transição: Quando usamos de misericórdia estamos agindo para a salvação. 1 SERMÃO EXPOSITIVO TITULO: UM MINISTÉRIO DE COMPAIXÃO Lucas 10:25-37. INTRODUÇÃO 1. Saudações: Saúdo a todos os irmãos e amigos desta igreja com a paz do Senhor Jesus e a certeza na esperança de sua breve

Leia mais

Comunicacoes ~ Modernidade, Instituicoes e Historiografia Religiosa no Brasil ~

Comunicacoes ~ Modernidade, Instituicoes e Historiografia Religiosa no Brasil ~ Comunicacoes ~ Modernidade, Instituicoes e Historiografia Religiosa no Brasil ~ O COMPORTAMENTO DAS CEB S NO MARANHÃO NO PERÍODO DE DITADURA MILITAR Camila da Silva Portela Graduanda em História pela UFMA

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

Educação de Filhos de 0 a 5 anos. Edilson Soares Ribeiro Cláudia Emília Ribeiro 31/03/2013

Educação de Filhos de 0 a 5 anos. Edilson Soares Ribeiro Cláudia Emília Ribeiro 31/03/2013 Educação de Filhos de 0 a 5 anos Edilson Soares Ribeiro Cláudia Emília Ribeiro 31/03/2013 Bom dia! Aula 4 Nosso Objetivos Educando Filhos segundo a Vontade de Deus Desenvolvimento da criança Influências

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

Colégio Marista São José-Tijuca. Reunião de Pais 1ª Eucaristia 18 de novembro de 2015

Colégio Marista São José-Tijuca. Reunião de Pais 1ª Eucaristia 18 de novembro de 2015 Colégio Marista São José-Tijuca Reunião de Pais 1ª Eucaristia 18 de novembro de 2015 A EUCARISTIA: ONDE COMEÇA? A Eucaristia: presença viva de Jesus Cristo ressuscitado. Sacramento da unidade, restaurador

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

JOVENS COM UMA MISSÃO JOCUM ARACAJU PROJETO INTERCESSÃO INTERCESSORES E GRUPOS DE INTERCESSÃO

JOVENS COM UMA MISSÃO JOCUM ARACAJU PROJETO INTERCESSÃO INTERCESSORES E GRUPOS DE INTERCESSÃO JOVENS COM UMA MISSÃO JOCUM ARACAJU PROJETO INTERCESSÃO INTERCESSORES E GRUPOS DE INTERCESSÃO Miss. Gustavo Lima Silva (Beréu) & Wanessa S. B. Santos Silva (Brasil) Recife, 2010. SUMÁRIO INTRODUÇÃO...

Leia mais

O Movimento de Jesus

O Movimento de Jesus O Movimento de Jesus Tudo começou na Galiléia Quando Jesus começou a percorrer a Palestina, indo das aldeias às cidades, anunciando a Boa Nova do Evangelho, o povo trabalhador ia atrás dele. A fama de

Leia mais

Maria Maria Maria Maria

Maria Maria Maria Maria 1 Ave, Maria! 2 Introdução Poucas vezes, Maria é citada nas Escrituras Sagradas. Na verdade, são apenas 17 passagens, algumas relativas aos mesmos fatos, distribuídas nos quatro Evangelhos, e uma passagem

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 34/2012

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 34/2012 PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 34/2012 Dispõe sobre a outorga de Salva de Prata em homenagem aos Salesianos pelo extraordinário trabalho social desenvolvido na área da educação. A CÂMARA MUNICIPAL DE

Leia mais

Lição 9 Completar com Alegria

Lição 9 Completar com Alegria Lição 9 Completar com Alegria A igreja estava cheia. Era a época da colheita. Todos tinham trazido algo das suas hortas, para repartir com os outros. Havia muita alegria enquanto as pessoas cantavam louvores

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

Num domingo de agosto de 1617 aconteceu um fato que marcará toda a vida dele.

Num domingo de agosto de 1617 aconteceu um fato que marcará toda a vida dele. Réflexion Reflexão Riflessione Reflection Rozważanie 7 Sylvie Larminat, AIC França Tradução : P. Lauro Palú, CM - Província do Rio de Janeiro O Serviço dos Pobres São Vicente de Paulo e Santa Luísa de

Leia mais

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ EBD DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ OLÁ!!! Sou seu Professor e amigo Você está começando,hoje, uma ETAPA muito importante para o seu CRESCIMENTO ESPIRITUAL e para sua

Leia mais

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS 1 TEXTO BÍBLICO - Lucas 6,12-19 (Fazer uma Oração ao Espírito Santo, ler o texto bíblico, fazer um momento de meditação, refletindo sobre os três verbos do texto

Leia mais

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica OBLATOS ORIONITAS linhas de vida espiritual e apostólica Motivos inspiradores da oblação orionita laical O "carisma" que o Senhor concede a um fundador, é um dom para o bem de toda a Igreja. O carisma

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre Caridade e partilha Vivemos em nossa arquidiocese o Ano da Caridade. Neste tempo, dentro daquilo que programou o Plano de Pastoral, somos chamados a nos organizar melhor em nossos trabalhos de caridade

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE Introdução A CF deste ano convida-nos a nos abrirmos para irmos ao encontro dos outros. A conversão a que somos chamados implica

Leia mais

Durante todos esses anos o estudo e reflexão da Bíblia nas comunidades foram e são a força geradora na luta.

Durante todos esses anos o estudo e reflexão da Bíblia nas comunidades foram e são a força geradora na luta. Eu, Irmã Rita Rodrigues Pessoa, religiosa do Sagrado Coração de Maria há 57 anos, sou nordestina da Paraíba - Brasil. Há 30 anos trabalho no semi-areado sertão da Bahia nas cidades de Pindobaçu e Filadélfia-

Leia mais

Florence Nightingale: obras, ensinamentos e contribuições Séc XIX

Florence Nightingale: obras, ensinamentos e contribuições Séc XIX UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE BACHARELADO EM ENFERMAGEM HISTÓRIA E TEORIAS DA ENFERMAGEM Prof. Eurípedes Gil de França Aula 6 Enfermagem Moderna Florence Nightingale: obras, ensinamentos e

Leia mais

RELATOS DO AMOR QUE CURA

RELATOS DO AMOR QUE CURA RELATOS DO AMOR QUE CURA S582r Silberfarb, Benomy Relatos do amor que cura / Benomy Silberfarb. Novo Hamburgo : Sinopsys, 2015. 128p. ISBN 978-85-64468-37-5 1. Espiritualidade. I. Título. Catalogação na

Leia mais

Todos Batizados em um Espírito

Todos Batizados em um Espírito 1 Todos Batizados em um Espírito Leandro Antonio de Lima Podemos ver os ensinos normativos a respeito do batismo com o Espírito Santo nos escritos do apóstolo Paulo, pois em muitas passagens ele trata

Leia mais

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO Disponível em: www.seminariomaiordebrasilia.com.br Acesso em 13/03/2014 A palavra Quaresma surge no século IV e tem um significado profundo e simbólico para os cristãos

Leia mais

Pão e vinho: páscoa com sabor divino! O sabor da obediência.

Pão e vinho: páscoa com sabor divino! O sabor da obediência. Introdução: muitos diálogos na Bíblia nos chamam a atenção. Principalmente, os que envolvem Jesus. Eles invariavelmente, nos ensinam lições, fazem exortações, nos alertam contra perigos, e até nos permitem

Leia mais

NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER. Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos

NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER. Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos Servos de Maria e ficou conhecido como o protetor contra o câncer.

Leia mais

Madre Assunta Marchetti e a missão scalabriniana

Madre Assunta Marchetti e a missão scalabriniana Madre Assunta Marchetti e a missão scalabriniana MADRE ASSUNTA Exalou o perfume de Deus. Foi uma presença de amor. Doou sua vida aos órfãos e irmãos em necessidade. Um exemplo a seguir. Uma vida de santidade.

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC 1. ESPAC O QUE É? A ESPAC é uma Instituição da Arquidiocese de Fortaleza, criada em 1970, que oferece uma formação sistemática aos Agentes de Pastoral Catequética e

Leia mais

SILÊNCIO E PENITÊNCIA NAS CASAS DE CARIDADE: O PAPEL EDUCADOR DO PADRE IBIAPINA

SILÊNCIO E PENITÊNCIA NAS CASAS DE CARIDADE: O PAPEL EDUCADOR DO PADRE IBIAPINA Introdução SILÊNCIO E PENITÊNCIA NAS CASAS DE CARIDADE: O PAPEL EDUCADOR DO PADRE IBIAPINA Danielle Ventura Bandeira de Lima Carlos André Macedo Cavalcanti ** Ao nos voltarmos para a educação fornecida

Leia mais

Instituição Beneficente A Luz Divina Grupo da Fraternidade CONDUTA DOS MÉDIUNS 07 / 08 / 2015

Instituição Beneficente A Luz Divina Grupo da Fraternidade CONDUTA DOS MÉDIUNS 07 / 08 / 2015 Instituição Beneficente A Luz Divina Grupo da Fraternidade CONDUTA DOS MÉDIUNS 07 / 08 / 2015 Durante os meus estudos, fiquei me perguntando, o que trazer de muito especial para compartilhar com os irmãos,

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

Vigília Jubilar. Vigília do dia 17 para 18. Abrir às 21 horas do dia 17/10 e encerrar às 6h da manhã do dia 18/10.

Vigília Jubilar. Vigília do dia 17 para 18. Abrir às 21 horas do dia 17/10 e encerrar às 6h da manhã do dia 18/10. Vigília Jubilar Vigília do dia 17 para 18. Abrir às 21 horas do dia 17/10 e encerrar às 6h da manhã do dia 18/10. Material: Uma Bíblia Vela da missão Velas para todas as pessoas ou pedir que cada pessoa

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

MULHER CRISTÃ EM AÇÃO

MULHER CRISTÃ EM AÇÃO MULHER CRISTÃ EM AÇÃO Moças Jovens senhoras A organização Mulher Cristã em Ação(MCA) destina-se a todas as mulheres, membro da igreja ou não, sem considerar idade ou estado civil Meia Idade Terceira Idade

Leia mais

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS Infância/Adolescencia MISSÃO MISSÃO. Palavra muito usada entre nós É encargo, incumbência Missão é todo apostolado da Igreja. Tudo o que a Igreja faz e qualquer campo.

Leia mais

Victor André João de Deus

Victor André João de Deus Victor André João de Deus Historia Marcellin Champagnat, aportuguesado para Marcelino Champagnat (20 de maio de 1789, Marlhes - 6 de junho de 1840, Notre Dame de l'hermitage) foi um presbítero da Sociedade

Leia mais

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro?

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro? ...as religiões? Sim, eu creio que sim, pois não importa a qual religião pertença. O importante é apoiar a que tem e saber levá-la. Todas conduzem a Deus. Eu tenho minha religião e você tem a sua, e assim

Leia mais

Esperança e Consolação

Esperança e Consolação Esperança e Consolação MARCELO ANDRÉ CLETO 29.04.2015 Esperança Definições (dicionário Aurélio) 1 Disposição do espírito que induz a esperar que uma coisa se há de realizar ou suceder. 2 Expectativa. 3

Leia mais

Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros

Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros DEUS SE REVELA ATRAVÉS DOS OUTROS Ser Marista com os outros: Experimentar caminhos de vida marista comunitariamente INTRODUÇÃO

Leia mais

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre o Indivíduo 2/9

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre o Indivíduo 2/9 Os Legados da Reforma Protestante Sobre o Indivíduo 2/9 Criado por Pedro Siena Neto em 03/2015 O legado da reforma sobre o indivíduo o trabalho a comunidade a intervenção divina a educação a economia o

Leia mais

BREVE HISTÓRICO DA PARÓQUIA SÃO JOÃO BATISTA - TAUAPE

BREVE HISTÓRICO DA PARÓQUIA SÃO JOÃO BATISTA - TAUAPE BREVE HISTÓRICO DA PARÓQUIA SÃO JOÃO BATISTA - TAUAPE A Paróquia de São João Batista do Tauape foi criada por sua Excia. Revma. Dom Antônio, de Almeida Lustosa, na época Arcebispo de Fortaleza, pelo decreto

Leia mais

TRABALHO VOLUNTÁRIO VISITA AO LAR DA TERCEIRA IDADE DONA VILMA

TRABALHO VOLUNTÁRIO VISITA AO LAR DA TERCEIRA IDADE DONA VILMA 140 TRABALHO VOLUNTÁRIO VISITA AO LAR DA TERCEIRA IDADE DONA VILMA Lucas Moreira Professor Almiro Ferreira RESUMO Através deste trabalho será desenvolvido o conceito de responsabilidade social, onde para

Leia mais

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus CAPÍTULO 2 O Propósito Eterno de Deus Já falamos em novo nascimento e uma vida com Cristo. Mas, a menos que vejamos o objetivo que Deus tem em vista, nunca entenderemos claramente o porque de tudo isso.

Leia mais

Celebrando o ANIVERSÁRIO da CONGREGAÇÃO das Irmãs Missionárias de São Carlos Borromeo Scalabrinianas

Celebrando o ANIVERSÁRIO da CONGREGAÇÃO das Irmãs Missionárias de São Carlos Borromeo Scalabrinianas Celebrando o ANIVERSÁRIO da CONGREGAÇÃO das Irmãs Missionárias de São Carlos Borromeo Scalabrinianas Data da Fundação: 25 DE OUTUBRO (1895-2010) 115 ANOS SÃO CARLOS Foi escolhido por João Batista Scalabrini

Leia mais

Irmã Dulce Dados retirados de

Irmã Dulce Dados retirados de <http://www.irmadulce.org.br> Irmã Dulce Dados retirados de Irmã Dulce 1914-1992 DADOS BIOGRÁFICOS 1914 26 de maio - Nasce Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes,, no bairro do Barbalho, cidade de Salvador,

Leia mais

Lição 01 O propósito eterno de Deus

Lição 01 O propósito eterno de Deus Lição 01 O propósito eterno de Deus LEITURA BÍBLICA Romanos 8:28,29 Gênesis 1:27,28 Efésios 1:4,5 e 11 VERDADE CENTRAL Deus tem um propósito original e eterno para minha vida! OBJETIVO DA LIÇÃO Que eu

Leia mais

Mudando o mundo Uma vida de cada vez... domingo, 13 de outubro de 13

Mudando o mundo Uma vida de cada vez... domingo, 13 de outubro de 13 Mudando o mundo Uma vida de cada vez... HISTÓRIA HISTÓRIA A agência foi organizada em Novembro de 1956, sendo originalmente denominada de Seventh-day Adventist Welfare Service SAWS (Serviço Assistencial

Leia mais

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927)

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) Pereira, Tatiana Aparecida Universidade Federal de Juiz de Fora tatianapereira_2009@yahoo.com.br

Leia mais

DOMINGO VII DA PÁSCOA. Vésperas I

DOMINGO VII DA PÁSCOA. Vésperas I DOMINGO VII DA PÁSCOA (Onde a solenidade da Ascensão não é transferida para este Domingo). Semana III do Saltério Hi n o. Vésperas I Sa l m o d i a Salmos e cântico do Domingo III. Ant. 1 Elevado ao mais

Leia mais

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Carta Pastoral dirigida às igrejas da diocese de Rotemburgo-Estugarda na Quaresma Pascal de 2015 Bispo Sr. Dr.

Leia mais

NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA

NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA Introdução: A devoção à Sagrada Família alcançou grande popularidade no século XVII, propagando-se rapidamente não só na Europa, mas também nos países da América. A festa, instituída

Leia mais

A doação no Novo Testamento sustentação às viúvas. seus maridos. Embora estas mulheres de fato necessitem de suporte fraterno dos

A doação no Novo Testamento sustentação às viúvas. seus maridos. Embora estas mulheres de fato necessitem de suporte fraterno dos VIÚVAS E ÓRFÃOS A doação no Novo Testamento sustentação às viúvas Outra área onde a sustentação no Novo Testamento foi direcionada foi para as viúvas verdadeiras. As viúvas na Bíblia são aquelas mulheres

Leia mais

Centenário da Imigração Japonesa:

Centenário da Imigração Japonesa: Centenário da Imigração Japonesa: 2008 PODE SER O ANO DA BEATIFICAÇÃO DE MONS. NAKAMURA Álvares Machado, uma cidade batizada com o nome de Brejão em 1916, recebeu seus primeiros habitantes. Eram autênticos

Leia mais

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Edição oficial do CICLUMIG Flor do Céu De acordo com revisão feita pelo Sr. Luiz Mendes do Nascimento, zelador do hinário. www.mestreirineu.org 1 01 - DIVINO PAI

Leia mais

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos No Antigo Testamento são citadas algumas cartas, como no 2ºMacabeus, capi.1º. Mas é no Novo Testamento que muitas cartas foram conservadas como parte integrante da revelação de Deus. No Novo Testamento

Leia mais

O líder influenciador

O líder influenciador A lei da influência O líder influenciador "Inflenciar é exercer ação psicológica, domínio ou ascendências sobre alguém ou alguma coisa, tem como resultado transformações físicas ou intelectuais". Liderança

Leia mais

OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO ORAÇÃO A SÃO JERÔNIMO. Pai nosso que estais nos céus. Santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino

OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO ORAÇÃO A SÃO JERÔNIMO. Pai nosso que estais nos céus. Santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO Pai nosso que estais nos céus Santificado seja o vosso nome Venha a nós o vosso reino Seja feita a vossa vontade Assim na Terra como no Céu O pão nosso de cada dia nos dai hoje

Leia mais

8º Capítulo. Petros Os Dons Pilares 1ª Parte

8º Capítulo. Petros Os Dons Pilares 1ª Parte 8º Capítulo Petros Os Dons Pilares 1ª Parte O texto de I Co 12:7-11 fala sobre os dons espirituais, aqui chamados de carismáticos; O texto de Ef 4:11 fala sobre os dons ministeriais, aqui chamados de dons

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais

É 14.16), 2016: 1 AGENDA ACADÊMICA

É 14.16), 2016: 1 AGENDA ACADÊMICA Com o Seminário Regional Nordeste, 60 anos depois: mudanças e permanências, realizado de 27 a 29 de maio deste ano, em Natal, a Arquidiocese natalense, o Observatório Social do Nordeste e seus parceiros

Leia mais

AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4.

AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4. AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4.1-42 INTRODUÇÃO A narrativa da Mulher Samaritana se desenvolve

Leia mais

Material: Uma copia do fundo para escrever a cartinha pra mamãe (quebragelo) Uma copia do cartão para cada criança.

Material: Uma copia do fundo para escrever a cartinha pra mamãe (quebragelo) Uma copia do cartão para cada criança. Radicais Kids Ministério Boa Semente Igreja em células Célula Especial : Dia Das mães Honrando a Mamãe! Principio da lição: Ensinar as crianças a honrar as suas mães. Base bíblica: Ef. 6:1-2 Texto chave:

Leia mais

DIRECTÓRIO GERAL DA CATEQUESE - SDCIA/ISCRA -2 Oração inicial Cântico - O Espírito do Senhor está sobre mim; Ele me enviou para anunciar aos pobres o Evangelho do Reino! Textos - Mc.16,15; Mt.28,19-20;

Leia mais

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER INTRODUÇÃO: Qualquer que seja meu objetivo, ler é a atividade básica do aprendizado. Alguém já disse: Quem sabe ler, pode aprender qualquer coisa. Se quisermos estudar a Bíblia,

Leia mais

D. Virgílio Antunes no Centro Social do Senhor da Serra. Bispo de Coimbra na bênção oficial da Residência Cristo Redentor

D. Virgílio Antunes no Centro Social do Senhor da Serra. Bispo de Coimbra na bênção oficial da Residência Cristo Redentor D. Virgílio Antunes no Centro Social do Senhor da Serra Bispo de Coimbra na bênção oficial da Residência Cristo Redentor O bispo da diocese de Coimbra, D. Virgílio Antunes, procedeu à bênção oficial da

Leia mais

SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL

SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL 1 Ivocação ao Espirito Santo (oração ou canto) 2- Súplica inicial. (Em 2 coros: H- homens; M- mulheres) H - Procuramos para a Igreja/ cristãos

Leia mais

HOMILIA: A CARIDADE PASTORAL A SERVIÇO DO POVO DE DEUS (1 Pd 5,1-4; Sl 22; Mc 10, 41-45) Amados irmãos e irmãs na graça do Batismo!

HOMILIA: A CARIDADE PASTORAL A SERVIÇO DO POVO DE DEUS (1 Pd 5,1-4; Sl 22; Mc 10, 41-45) Amados irmãos e irmãs na graça do Batismo! HOMILIA: A CARIDADE PASTORAL A SERVIÇO DO POVO DE DEUS (1 Pd 5,1-4; Sl 22; Mc 10, 41-45) Amados irmãos e irmãs na graça do Batismo! A vida e o ministério do padre é um serviço. Configurado a Jesus, que

Leia mais

Núcleo Fé & Cultura PUC-SP. A encíclica. Caritas in veritate. de Bento XVI

Núcleo Fé & Cultura PUC-SP. A encíclica. Caritas in veritate. de Bento XVI Núcleo Fé & Cultura PUC-SP A encíclica Caritas in veritate de Bento XVI Núcleo Fé & Cultura PUC-SP O amor verdadeiro como princípio para a justiça social e o desenvolvimento integral Quando olhamos a nossa

Leia mais

Dia a dia. com o Evangelho 2016. Texto e comentário Ano C São Lucas

Dia a dia. com o Evangelho 2016. Texto e comentário Ano C São Lucas 7 8 9 Dia a dia 10 com o Evangelho 2016 11 12 Texto e comentário Ano C São Lucas 13 14 15 16 17 18 19 20 21 Direção editorial: Claudiano Avelino dos Santos Assistente editorial: Jacqueline Mendes Fontes

Leia mais

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal Personal Commitment Guide Guia de Compromisso Pessoal Nome da Igreja ou Evento Nome do Conselheiro Telefone 1. Salvação >Você já atingiu um estágio na vida em que você tem a certeza da vida eterna e que

Leia mais

Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL

Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL 1 Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL 04/03/2001 N Jo 9 1 Jesus ia caminhando quando viu um homem que tinha nascido cego. 2 Os seus discípulos perguntaram:

Leia mais

1. EMERGÊNCIA DE ALGUMAS ESCOLAS CONFESSIONAIS NA PARAÍBA DO NORTE DOS SECULOS XIX e XX.

1. EMERGÊNCIA DE ALGUMAS ESCOLAS CONFESSIONAIS NA PARAÍBA DO NORTE DOS SECULOS XIX e XX. ENTRE PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES: O DIOCESANO PIO X E A EMERGÊNCIA DE ESCOLAS CONFESSIONAIS ENTRE OS SECULOS XIX E XX. Orientador¹ JOSÉ EUDES FERREIRA DA SILVA, UEPB, eudes.story@hotmail.com² ANA PAULA

Leia mais

Lição 8 Trabalhar com Líderes

Lição 8 Trabalhar com Líderes Lição 8 Trabalhar com Líderes Já havia mais de um ano que o António se tornara membro da sua igreja. Ele tinha aprendido tanto! Começou a pensar nos líderes da igreja que o tinham ajudado. Pensava naqueles

Leia mais

O PROBLEMA DO ALUNO IMIGRANTE: ESCOLA, CULTURA, INCLUSÃO

O PROBLEMA DO ALUNO IMIGRANTE: ESCOLA, CULTURA, INCLUSÃO O PROBLEMA DO ALUNO IMIGRANTE: ESCOLA, CULTURA, INCLUSÃO Marinaldo de Almeida Cunha 1 - PUCSP Grupo de Trabalho - Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo O presente

Leia mais

OS SACRAMENTOS. O que é um Sacramento?

OS SACRAMENTOS. O que é um Sacramento? OS SACRAMENTOS Os sacramentos da nova lei foram instituídos por Cristo e são sete, a saber: o Batismo, a Crisma ou Confirmação, a Eucaristia, a Penitência, a Unção dos Enfermos, a Ordem e o Matrimônio.

Leia mais

Demonstração de Maturidade

Demonstração de Maturidade Demonstração de Maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO 2 Reis 4.12-17 12 - Então disse ao seu servo Geazi: Chama esta sunamita. E chamando-a ele, ela se pôs diante dele. 13 - Porque ele tinha falado a Geazi:

Leia mais