Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) 1"

Transcrição

1 Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) 1 Rev. Hermisten Maia Pereira da Costa Introdução: Uma das declarações básicas dos Reformadores foi a respeito da suficiência da fé (Sola Fides) para a nossa justificação. A sua compreensão é que a nossa justificação é inteiramente pela graça de Deus através da fé, sem a necessidade de o- bras. Estudemos este assunto: 1. A Universalidade do Pecado: A Palavra de Deus nos fala de forma contundente que todos, sem exceção, pecaram, distanciando-se de Deus, estando perdidos, necessitando, portanto, de salvação. Esta é a convicção de Paulo:... todos pecaram e carecem da glória de Deus (Rm 3.23). A) PECADO COMO ALGO NIVELADOR: O pecado é o grande nivelador de toda a humanidade: todos pecaram; todos estão no mesmo nível; 2 não há lugar para arrogância ou supostas boas obras justificadoras (Rm ). 3 Se todos pecaram, isso significa que nós também pecamos; se todos precisam de salvação, significa que nós também precisamos. Pecado não é algo peculiar a uns poucos, senão que permeia o mundo inteiro. 4 Na Oração do Senhor temos um indicativo de como o pecado é comum a todos os homens. O fato de Jesus ensinar a todas as pessoas a fazerem esta oração demonstra a universalidade do pecado; e para repetir esta oração se requer um sentido de pecado. 5 A Escritura nos fala que todos pecaram (Rm 3.23) e que o pecado nos fez cativos (Jo 8.34; Rm 6.20; ), habitando em nós (Rm 7.17,20), 7 mantendo-nos sob o seu 1 Aula ministrada na Escola Dominical para as Classes de Homens, Senhoras e Jovens da Primeira I.P. de São Bernardo do Campo, São Paulo, em 21/10/07. 2 Ver: Francis Schaeffer, A Obra Consumada de Cristo, São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2003, p Ora, sabemos que tudo o que a lei diz, aos que vivem na lei o diz para que se cale toda boca, e todo o mundo seja culpável perante Deus, visto que ninguém será justificado diante dele por obras da lei, em razão de que pela lei vem o pleno conhecimento do pecado (Rm ). 4 João Calvino, Efésios, São Paulo: Paracletos, 1998, (Ef 2.2), p W. Barclay, El Padrenuestro, Buenos Aires: La Aurora/ABAP, 1985, p Em verdade, em verdade vos digo: todo o que comete pecado é escravo do pecado (Jo 8.34). Porque, quando éreis escravos do pecado, estáveis isentos em relação à justiça (Rm 6.20). Mas

2 Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) Rev. Hermisten 3/4/2008 3:11 2 domínio. Enfatizando este domínio do pecado sobre nós antes do novo nascimento, escreve:... Sou carnal, vendido à escravidão do pecado (Rm 7.14). A expressão vendido à escravidão, é uma tradução interpretativa de pipra/skw u(po\ ( pipráskõ hypó ), que significa ser vendido, estando por isso, sob o domínio do seu senhor. 8 Portanto, negar a nossa condição de pecadores, é negar a própria Palavra de Deus, que diz: Se dissermos que não temos cometido pecado, fazemo-lo mentiroso e a sua palavra não está em nós (1Jo 1.10). Não ser consciente de pecado algum é o pior pecado de todos. 9 B) A GRAVIDADE DO PECADO: É natural que os homens se inclinem prazerosamente para os ensinamentos que falam de suas virtudes e capacidade. 10 O homem é hábil em buscar uma capa e subterfúgio para seu pecado. 11 Ou, quem sabe, podemos nutrir até alguma noção sobre pecado, contudo, tendemos a pensar que isso é coisa praticada por pessoas ignorantes, deste modo, o conhecimento, por si só, nos liberta desta prática, supomos. Portanto, falar de pecado é algo que não encontra tão facilmente ouvidos prazerosos ou mesmo atentos. Daí, uma tendência comum é a tentativa de suavizar esta doutrina, mudando nomes, perspectivas ou simplesmente silenciado a respeito. Dentro de uma perspectiva mais, diria filosófica, tenta-se driblar a real questão através da amenização da realidade com a apresentação do perdão, como se a noção de perdão, por si só, trouxesse alívio, enquanto que a proclamação da realidade do pecado assustasse as pessoas, as afastassem da mensagem do E- vangelho. Pois bem, talvez isso seja assim no campo especulativo onde o pecado e o perdão são apenas conceitos vagos sobre os quais reflito através de uma análise fenomenológica, não me importando com a sua essência e fundamentação teológica. Deste modo, o que importa é a percepção subjetiva do conceito, não a veracidade e implicações dos fatos. Neste sentido, recordo-me a declaração de Erasmo de Roterdã ( ): "Por certo são numerosos e fortes os argumentos contra a instituição da confissão pelo próprio Senhor. Mas como negar a segurança em que se encontra aquele que se confessou a um padre qualificado?". 12 vejo, nos meus membros, outra lei que, guerreando contra a lei da minha mente, me faz prisioneiro da lei do pecado que está nos meus membros (Rm 7.23). 7 Neste caso, quem faz isto já não sou eu, mas o pecado que habita em mim. (...) Mas, se eu faço o que não quero, já não sou eu quem o faz, e sim o pecado que habita em mim (Rm 7.17,20). 8 É digno de nota que a palavra pipra/skw somente aqui é mencionada no sentido espiritual. Nas outras oito vezes em que ela ocorre no Novo Testamento (Mt 13.46; 18.25; 26.9; Mc 14.5; Jo 12.5; At 2.45; 4.34; 5.4), tem sempre o sentido de venda de algo material. 9 W. Barclay, El Padrenuestro, p Cf. João Calvino, As Institutas, II João Calvino, O Livro dos Salmos, São Paulo: Parakletos, 2003, Vol. 3, (Sl 105.6), p Erasmo, Opera Omnia, Leyde, 1704, v, col , Apud Jean Delumeau, A Confissão e o Perdão: As Dificuldades da Confissão nos Séculos XIII a XVIII, São Paulo: Companhia das Letras, 1991, p. 37. Em outro lugar, também indagou: Por que se dar ao trabalho de confessar seus pecados a outro ser humano apenas pelo fato de ser um sacerdote, quando pode confessá-los direta-

3 Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) Rev. Hermisten 3/4/2008 3:11 3 Por isso, entendemos que somente pela graça, através da Palavra, podemos ter uma clara consciência de nossa pecaminosidade ativa e concreta e de sua afronta a Deus. 13 Ter consciência do pecado significa reconhecer o quão urgentemente precisamos de perdão. O Evangelho só se torna subjetivamente necessário enquanto que na realidade ele é urgentemente necessário quando as pessoas percebem, por Deus, a sua necessidade. Enquanto isso não acontecer, ele soará sempre como algo descartável. Quando tratamos deste tema, devemos ter em mente que a questão primeira não é a quantidade ou intensidade de nossos pecados, mas, o fato de que pecamos e, diferentemente da compreensão de determinados pensadores humanistas, inclusive cristãos 14 ; a gravidade do pecado está no ponto de que todo pecado é primeiramente contra Deus, o eternamente santo, 15 que não tolera o mal (Hc 2.13). O que intensifica ainda mais a complexidade de nossa rebelião é o fato de rejeitarmos o Seu infinito amor plenificado em Jesus Cristo. 16 Schaeffer ( ) coloca a questão nestes termos: mente a Deus? (Apud Alister E. McGrath, Teologia, sistemática, histórica e filosófica: uma introdução à teologia cristã, São Paulo: Shedd Publicações, 2005, p. 84). 13 É mister graça e iluminação espiritual para crermos que nossos pecados são um problema sério aos olhos de Deus, conforme a Bíblia nos diz. Precisamos orar para que Deus nos torne humildes e dispostos a aprender, quando estudamos esse tema (J.I. Packer, Vocábulos de Deus, São José dos Campos, SP.: Fiel, 1994, p. 63. Ver também p. 70s). 14 Dentro desta perspectiva limitante do sentido do pecado, incluímos, entre outros, Cecil Osborne, que seguindo o pensamento de Erich Fromm ( ) [ Pecado não se dirige primariamente contra Deus, mas contra nós mesmos (Erich Fromm, Psicanálise e Religião, 2ª ed. Rio de Janeiro: Livro Ibero-Americano, Ltda., 1962, p. 105). Do mesmo modo, ver a obra de Fromm, Análise do Homem, São Paulo: Círculo do Livro, (s.d.), 218p], escreveu: Pecado é essencialmente um erro contra si mesmo ou contra outro ser humano (Cecil Osborne, A Arte de Compreender-se a Si Mesmo, Rio de Janeiro: JUERP., 1977, p. 139). Do mesmo modo, esse conceito tem sido amplamente difundido por um discípulo de Norman Vincent Peale, Dr. Robert Schuller, que enfatiza: o pecado é uma ofensa psicológica a si mesmo (Vejam-se as pertinentes críticas a esta posição em: John MacArthur Jr., Sociedade sem Pecado, São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2002, p. 78ss). 15 "O pecado envolve uma certa responsabilidade, por um lado, responsabilidade esta surgida da santidade de Deus, e, por outro lado, da seriedade do pecado como oposição à- quela santidade" (John Murray, Redenção: Consumada e Aplicada, São Paulo: Editora Cultura Cristã, 1993, p. 29). Jamais compreenderemos o que o pecado realmente é, enquanto não a- prendermos a pensar nele em termos de nosso relacionamento com Deus (J.I. Packer, Vocábulos de Deus, p. 64). 16 O incrédulo despreza o amor de Deus. Se este amor fosse pequeno, seria um pecado pequeno ignorá-lo. Se é grande, é grande pecado rejeitá-lo. Mas o fato é que este amor é infinito. Isso faz da rejeição deste amor um pecado de proporções infinitas (R.B. Kuiper, E- vangelização Teocêntrica, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 1976, p. 19). Como o amor de Deus é infinito, desprezar esse amor é pecado de proporções infinitas No entanto, é o que fazem aqueles que, por sua descrença, rejeitam o Filho de Deus, dom do Seu amor. (...) Rejeitar este amor é incorrer no banimento eterno da presença de Deus. Responder com fé e amor é herdar a vida eterna. Nada pode ser mais urgente do que a escolha de uma destas atitudes" (R.B. Kuiper, Evangelização Teocêntrica, p. 72).

4 Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) Rev. Hermisten 3/4/2008 3:11 4 Nós pecamos deliberadamente contra o santo de Deus; é por isso que a nossa situação é desesperadora. [...] O problema não está na quantidade de pecados que praticamos, mas em quem ofendemos. Nós pecamos contra um Deus infinitamente santo, que realmente existe. E, a partir do momento em que pecamos contra um Deus infinitamente santo, que realmente existe, nosso pecado é infinito. 17 O problema é que o pecado não nos deixa perceber as suas conseqüências; estamos totalmente alienados de Deus. 2. A Justificação: Jesus Cristo é o único que cumpriu perfeitamente a justiça divina. Portanto, somente nele podemos e de fato somos declarados justos. A graça nos justifica na justiça de Cristo. Não existe justificação sem a pessoa e obra de Cristo (Rm 3.24; Tt 3.7). 18 A justiça que nos justifica, portanto, não deve ser separada da pessoa de Cristo. Ela não consiste de um dom material ou espiritual que Cristo nos concede fora de Si mesmo, ou que nós podemos aceitar e receber sem que aceitemos e recebamos a pessoa de Cristo. Não há possibilidade de se desfrutar dos benefícios de Cristo sem que haja comunhão com a pessoa de Cristo e a comunhão com Cristo invariavelmente traz consigo os benefícios de Cristo. Para ser aceito diante de Deus, para ser livre de toda culpa e punição e para desfrutar da glória de Deus e da vida eterna, nós temos que ter Cristo, não algo dele, mas o próprio Cristo. 19 A justificação é o fundamento judicial da santificação; 20 aqui há uma mudança na nossa condição legal. Na justificação Deus nos declara justos, perdoando todos os nossos pecados, os quais foram pagos definitivamente por Cristo; por isso, já não há nenhuma condenação sobre nós; estamos em paz com Deus amparados pela justiça de Cristo (Vejam-se: Rm 5.1; 8.1,31-33). Na justificação Deus declara que já não há mais culpa em nós; aqui de fato passamos a ter vida; 21 mudamos da situação de um condenado que aguardava tristemente a terrível sentença condenatória para a condição de filho de Deus, na expectativa da sua majestosa herança (Rm ). 22 É importante enfatizar que na justificação Deus não declara que o ímpio é santo; ele declara que, não 17 Francis Schaeffer, A Obra Consumada de Cristo, p Ver: Michael Horton, União com Cristo. In: Michael Horton, org., Cristo o Senhor: A Reforma e o Senhorio da Salvação, São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2000, p ; Charles Hodge, Teologia Sistemática, p Herman Bavinck, Teologia Sistemática, São Paulo: Hagnos Editora, 2001, p Veja-se: L. Berkhof, Teologia Sistemática, Campinas, SP.: Luz para o Caminho, 1990, p Veja-se: George Whitefield, Cristo: Sabedoria, Justiça, Santificação, Redenção, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, (s.d.), p Vd. J.I. Packer, O Conhecimento de Deus, São Paulo: Mundo Cristão, 1980, p. 121.

5 Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) Rev. Hermisten 3/4/2008 3:11 5 obstante sua pecaminosidade e indignidade pessoal, ele é aceito como justo com base no que Cristo fez por ele. 23 A justificação ocorre fora de nós, não produz nenhuma transformação espiritual em nosso ser; no entanto, é uma vocação incondicional à santificação, conforme a vontade de Deus. 24 A justificação nos livra da condenação do pecado. 3. A Fé Salvadora: Fé salvadora é um dom da graça de Deus, através do qual somos habilitados a receber a Jesus Cristo como nosso único e suficiente Salvador e, a crer em todas as promessas do Deus Triúno, conforme estão registradas nas Escrituras. Esta é a genuína fé cristã. Ela está enraizada no coração que foi regenerado por Deus. A fé salvadora é obra de Deus e é direcionada para Deus, através de Cristo (Hb 12.2; 1Jo 5.1-5). 25 Contudo, devemos observar que nós não somos salvos pela fé, mas sim por Cristo Jesus através da fé. O Catecismo Menor de Westminster (1647) na questão 86, assim define: Fé em Jesus Cristo é uma graça salvadora, pela qual o recebemos e confiamos só nele para a salvação, como ele nos é oferecido no Evangelho. Vejamos agora, algumas de suas características: A) ORIGINA-SE NO PRÓPRIO DEUS: A fé salvadora é produto da graça de Deus que age através da Sua Palavra registrada na Bíblia (At 3.16; 18.27; Rm 10.17; Ef 2.8; 6.23; Fp 1.29; Hb 12.2; Tg 1.18; 1Pe 1.23). É através da Palavra que Deus nos gerou espiritualmente, tornando-nos Seus filhos. 23 Charles Hodge, Teologia Sistemática, p É certamente verdade que somos justificados em Cristo Tão-somente pela misericórdia divina, mas é igualmente verdade e correto que todos quantos são justificados são chamados pelo Senhor para que vivam uma vida digna de sua vocação. Portanto, que os crentes aprendam abraçá-lo, não somente para a justificação, mas também para a santificação, assim como ele se nos deu para ambos os propósitos, para que não venham a mutilá-lo com uma fé igualmente mutilada [J. Calvino, Exposição de Romanos, São Paulo: Paracletos, 1987, (Rm 8.13), p. 274]. Ver também: João Calvino, Efésios, (Ef 2.10), p Olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus... (Hb 12.2). Todo aquele que crê que Jesus é o Cristo é nascido de Deus; e todo aquele que ama ao que o gerou também ama ao que dele é nascido. 2 Nisto conhecemos que amamos os filhos de Deus: quando amamos a Deus e praticamos os seus mandamentos. 3 Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamentos; ora, os seus mandamentos não são penosos, 4 porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé. 5 Quem é o que vence o mundo, senão a- quele que crê ser Jesus o Filho de Deus? (1Jo 5.1-5).

6 Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) Rev. Hermisten 3/4/2008 3:11 6 A fé salvadora exige conhecimento da Palavra de Deus. A fé é uma relação de confiança; como acreditar em alguém que não conhecemos? A fé consiste no conhecimento do Pai e do Filho pelo testemunho do Espírito (Jo 17.3/Jo 15.26; ). A fé não consiste na ignorância, senão no conhecimento; e este conhecimento há de ser não somente de Deus, senão também de Sua divina vontade. 26 É impossível crer e nos relacionar pessoalmente com um Deus desconhecido. B) É DIRECIONADA PARA DEUS E À SUA PALAVRA: 1) DEUS PAI ATRAVÉS DO FILHO: Biblicamente falando, a fé salvadora é uma fé Teológica e, esta é Cristocêntrica. A teocentricidade da fé é cristocêntrica. Crer no Pai é o mesmo que crer no Filho (Jo 5.24; 12.44; 14.1; Mc 11.22; At 20.21; Rm 3.22, 26; 4.24; Gl 2.20; 1Pe 1.21; 1Jo 3.23). Sem Jesus Cristo o Pai continua inacessível a nós (Lc 10.22; Jo 8.12; 14.6; 1Tm 2.5; 6.16). Uma fé supostamente depositada no Pai sem a aceitação do Filho como Senhor e Salvador, não é a genuína fé bíblica: É impossível ter a Deus como Pai sem o Filho como irmão primogênito (Rm 8.29). 27 O objetivo final de nossa fé é Deus mesmo; mas vemos a Sua glória através de Cristo, o qual é o caminho divinamente designado para revelar a glória de Deus. 28 2) TODA A PALAVRA: O evangelho da vossa salvação é para ser crido (Ef 1.13). Por isso, a pregação cristã nada mais é do que a proclamação do Evangelho; o Poder de Deus para a salvação (Rm 1.16). A pregação (...) é o instrumento divino para a salvação das pessoas. 29 Sem a Palavra, Jesus se constitui no caminho desconhecido para o Pai (Jo /Jo 14.6) J. Calvino, As Institutas, III Por meio da fé, Cristo nos é comunicado, através de quem chegamos a Deus, e através de quem usufruímos os benefícios da adoção [João Calvino, Efésios, (Ef 1.8), p. 30]. 28 John Owen, A Glória de Cristo, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 1989, p Ph. J. Spener, Mudança para o Futuro: Pia Desideria, Curitiba, PR./São Bernardo do Campo, SP.: Encontrão Editora/Instituto Ecumênico de Pós-Graduação em Ciências da Religião, 1996, p Não há outro guia para a verdade, senão a Bíblia, na medida em que o Espírito nos ajuda a entendê-la (William Guthrie, As Raízes de Uma Fé Autêntica, São Paulo: PES., 1994, p. 14).

7 Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) Rev. Hermisten 3/4/2008 3:11 7 A Palavra de Deus reclama a nossa fé (Vd. Mc 1.15; Jo ; ; At 4.4; Rm 10.8,14,17; Ef 1.13; 1Tm 1.15; 4.9). 32 O que Deus revelou e prometeu é para ser crido (Rm 4.20). O que qualifica a genuína fé, não é simplesmente o ato de crer ou, a sua intensidade; mas sim, o seu foco: Jesus Cristo é o conteúdo, o substantivo da Promessa; por isso, crer no Evangelho, significa crer em Jesus Cristo (Mc 1.15/Rm 15.20; At 16.31). 33 Jesus Cristo conforme O conhecemos no Evangelho é a Palavra Final de Deus: Nele conhecemos o que Deus quer que saibamos e o que deseja que sejamos nesta vida. Todavia, se Deus não abrir o entendimento dos homens, eles jamais crerão, como nós também jamais teríamos crido um dia; por isso, a proclamação do Evangelho deve vir acompanhada da oração. 3) APÓIA-SE NO PODER E FIDELIDADE DE DEUS: O fundamento da fé é o Deus fiel: Aquele que a gerou e a sustenta (1Co 2.4,5; Hb 11.11; 1Pe 1.21). 34 A nossa fé encontra o seu amparo na veracidade e fidelidade de Deus. A fidelidade de Deus se revela nas Suas promessas, como expressão de Sua fidelidade a Si mesmo. "A fé verdadeira é aquela que ouve a Palavra de Deus e descansa em Sua promessa" 35 (Vejam-se: Rm 10.8,14,15,17; 1Co ; Cl 1.23; Hb 4.2). As Escrituras nos desafiam a confiar em Deus, depositando no Deus soberano toda a nossa ansiedade. É importante que tenhamos sempre diante de nós a certeza de que o poder de Deus é algo concreto e real em nossa vida diária, no nosso sustento e preservação. Essa compreensão de fé deve guiar a nossa perspectiva da realidade e, consequentemente a nossa atuação no mundo. Calvino observa que as Não penseis que eu vos acusarei perante o Pai; quem vos acusa é Moisés, em quem tendes firmado a vossa confiança. 46 Porque, se, de fato, crêsseis em Moisés, também creríeis em mim; porquanto ele escreveu a meu respeito. 47 Se, porém, não credes nos seus escritos, como crereis nas minhas palavras? (Jo ). Não rogo somente por estes, mas também por aqueles que vierem a crer em mim, por intermédio da sua palavra (Jo 17.20). 32 Vd. J. Calvino, As Institutas, III A fé que nos traz à salvação é questão de querer a Cristo, ser levado a Ele, apoiar-se e ter confiança nele (William Guthrie, As Raízes de Uma Fé Autêntica, p. 26) A minha palavra e a minha pregação não consistiram em linguagem persuasiva de sabedoria, mas em demonstração do Espírito e de poder, 5 para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria humana, e sim no poder de Deus (1Co 2.4-5). Pela fé, também, a própria Sara recebeu poder para ser mãe, não obstante o avançado de sua idade, pois teve por fiel aquele que lhe havia feito a promessa (Hb 11.11). Que, por meio dele (Jesus Cristo), tendes fé em Deus, o qual o ressuscitou dentre os mortos e lhe deu glória, de sorte que a vossa fé e esperança estejam em Deus (1Pe 1.21). 35 J. Calvino, Exposição de Hebreus,(Hb 11.11), p Vejam-se também, Ibidem, (Hb 10.23), p. 270; João Calvino, Gálatas, São Paulo: Paracletos, 1998, (Gl 2.2), p. 49. A fé é um conhecimento firme e certo da vontade de Deus concernente a nós, fundamentado sobre a verdade da promessa gratuita feita em Jesus Cristo, revelada ao nosso entendimento e selada em nosso coração pelo Espírito Santo (J. Calvino, As Institutas, III.2.7). (Calvino explica detalhadamente esta definição a partir do Livro III, capítulo 2, seção 14ss). Ver: Juan Calvino, Sermones Sobre La Obra Salvadora de Cristo, Jenison, Michigan: T.E.L.L. 1988, Sermon nº 13, p. 156.

8 Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) Rev. Hermisten 3/4/2008 3:11 8 pessoas erram clamorosamente na interpretação da Escritura, deixando inteiramente suspensa a aplicação de tudo quanto se diz acerca do poder de Deus e em não descansar certas de que ele será também seu Pai, uma vez que fazem parte de seu rebanho e são partícipes de sua adoção Graça, Fé e Justificação: Graça pode ser definida como um favor imerecido, manifestado livre e continuamente por Deus aos pecadores que se encontravam num estado de depravação e miséria espirituais, merecendo o justo castigo pelos seus pecados 37 (Rm 4.4/Rm 11.6; Ef 2.8,9). 38 Calvino, diz que a graça é um antídoto contra a corrupção de nossa natureza. 39 Em outro lugar: O acesso à salvação a ninguém é vetado, por mais graves e ultrajantes sejam seus pecados. 40 A nossa salvação é decorrente do Pacto da Graça, através do qual Deus confiou o Seu povo ao Seu Filho para que Este viesse entregar a Sua vida por ele. Cristo deu a Sua vida em favor de todos aqueles que o Pai Lhe confiara na eternidade 41 (Is 42.6/2Tm 1.9; Jo 6.39; ,6-26). Assim, todos os homens judeus e gentios tanto no Antigo como no Novo Testamento fo- 36 João Calvino, O Livro dos Salmos, São Paulo: Paracletos, 1999, Vol. 2, (Sl 46.7), p Vejam-se outras definições em: A.W. Pink, Os Atributos de Deus, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 1985, p. 69; Idem., Deus é Soberano, São Paulo: Fiel, 1977, p. 24; A. Booth, Somente pela Graça, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 1986, p. 31; João Calvino, Exposição de Romanos, (Rm 5.15), p. 193; R.P. Shedd, Andai Nele, São Paulo: ABU., 1979, p. 15; W. Hendriksen, 1 y 2 Timoteo/Tito, Grand Rapids, Michigan: S.L.C., 1979, (Tt 2.11), p. 419; L. Berkhof, Teologia Sistemática, p. 74; W. Barclay, El Pensamiento de San Pablo, Buenos Aires: La Aurora, 1978, p. 154; L. Boettner, Predestinación, Grand Rapids, Michigan: S.L.C., [s.d.], p. 258; D.M. Lloyd- Jones, Por que Prosperam os Ímpios, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 1983, p. 103; J.I. Packer, O Conhecimento de Deus, p. 120; Tom Wells, Fé: Dom de Deus, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 1985, p. 101; Samuel Falcão, Predestinação, São Paulo: Casa E- ditora Presbiteriana, 1981, p ; James Moffatt, Grace in the New Testament, New York: Ray Long & Richard R. Smith. Ind., 1932, p. 5; Wayne A. Grudem, Teologia Sistemática, p. 146, 147; John Gill, A Complete Body of Doctrinal and Practical Divinity, The Collected Writings of: John Gill, [CD- ROM], (Albany, OR: Ages Software, 2000), I.13. p Ora, ao que trabalha, o salário não é considerado como favor, e sim como dívida (Rm 4.4). E, se é pela graça, já não é pelas obras; do contrário, a graça já não é graça (Rm 11.6). Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie (Ef 2.8,9). 39 João Calvino, Romanos, 2ª ed. São Paulo: Parakletos, 2001, (Rm 3.4), p João Calvino, As Pastorais, São Paulo: Paracletos, 1998, (1Tm 1.15), p Veja-se: John Gill, A Complete Body of Doctrinal and Practical Divinity, Arkansas: The Baptist Standard Bearer, 1989 (Reprinted), I.13. p. 83. [John Gill, A Complete Body of Doctrinal and Practical Divinity, The Collected Writings of: John Gill, [CD-ROM], (Albany, OR: Ages Software, 2000), I.13]. 42 Eu, o SENHOR, te chamei em justiça, tomar-te-ei pela mão, e te guardarei, e te farei mediador da aliança com o povo e luz para os gentios (Is 42.6). Que nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a sua própria determinação e graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos eternos (2Tm 1.9). E a vontade de quem me enviou é esta: que nenhum eu perca de todos os que me deu; pelo contrário, eu o ressuscitarei no último dia (Jo 6.39).

9 Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) Rev. Hermisten 3/4/2008 3:11 9 ram salvos pela graça. Assim declara o Apóstolo Paulo: Mas cremos que fomos salvos pela graça do Senhor Jesus, como também aqueles o foram (At 15.11). Mérito e graça são conceitos que se excluem: E, se é pela graça, já não é pelas obras; do contrário, a graça já não é graça (Rm 11.6). A graça divina e o mérito das obras humanas são tão opostos entre si que, se estabelecermos um, destruiremos o outro, conclui Calvino ( ). 43 De fato, a graça tem sempre como pressuposto a indignidade daquele que a recebe. 44 A graça brilha nas trevas do pecado; desta forma, a idéia de merecimento está totalmente excluída da salvação por graça (Ef 2.8,9; 2Tm 1.9). 45 Não há mérito humano na fé. A Palavra de Deus nos ensina que a nossa salvação é por Deus, porque é Ele Quem faz tudo; 46 por isso, o homem não pode criar a graça, antes, ela lhe é outorgada, devendo ser recebida sem torná-la vã em sua vida (2Co 6.1; 8.1/1Co 15.10). Uma manifestação mais intensa da graça de Deus para conosco eqüivale um maior peso de culpa sobre nós, se porventura viermos a desprezá-la. 47 A graça de Deus abre o nosso coração, fazendo-nos ver a necessidade da salvação, passando a desejá-la ardentemente desde então; 48 a graça de Deus promove a paz em nosso coração através da nossa reconciliação com Deus (Rm 5.1; 2Co /Rm 1.7; 1Co 1.3; 2Co 1.2). Em paz com Deus, somos agenciadores desta paz a- través da proclamação do Evangelho (Sl 34.14; Mt 5.9; Rm 12.18; 2Co 13.11; Hb 12.14/2Co 5.20) e, também, através de nossa conduta. Agora vivemos na esfera do Reino da graça, estando sob a graça, num estado de graça, numa nova posição em Cristo (Rm 5.2; 6.14; Ef 1.20; 2.6; Cl 1.13). A Escritura nos ensina que somos declarados justos pela justiça de Cristo. Conforme vimos, a justificação nos transfere de uma condição de condenado para a de herdeiro de Deus (Jo 3.18; At 13.39; Rm 3.28,30; 5.1; Gl 2.16; 3.24/Rm 8.1,7). Na regeneração recebemos um coração novo, com uma santa disposição; na justifica- 43 J. Calvino, Exposição de Romanos, (Rm 11.6), p Veja-se: A. Booth, Somente pela Graça, p Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de o- bras, para que ninguém se glorie (Ef 2.8,9). Que nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a sua própria determinação e graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos eternos (2Tm 1.9). 46 "... Em sua inteireza a nossa salvação procede do Senhor. É sua realização. Ele mesmo a- presenta Sua noiva a Si mesmo porque ninguém mais pode fazê-lo, ninguém mais é competente para fazê-lo. Somente Ele pode fazê-lo. Ele fez tudo por nós, do princípio ao fim, e concluirá a obra apresentando-nos a Si mesmo com toda esta glória aqui descrita" [D.M. L- loyd-jones, Vida No Espírito: No Casamento, no Lar e no Trabalho, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 1991, (Ef 5.27) p. 137]. Do mesmo modo acentua Murray: A salvação é do Senhor, tanto em sua aplicação como em sua concepção e realização (John Murray, Redenção: Consumada e Aplicada, p. 98). Vejam-se, R.B. Kuiper, El Cuerpo Glorioso de Cristo, Michigan: SLC., 1985, p. 169ss; 177ss.; C.H. Spurgeon, Sermões Sobre a Salvação, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 1992, p. 12ss. 47 João Calvino, Gálatas, São Paulo: Paracletos, 1998, (Gl 4.9), p A graça de Deus não só salva o homem: também mostra ao homem sua necessidade de ser salvo e introduz em seu coração o desejo de salvação (W. Barclay, El Pensamiento de San Pablo, Buenos Aires: La Aurora, 1978, p. 164).

10 Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) Rev. Hermisten 3/4/2008 3:11 10 ção Deus nos declara justos, perdoando todos os nossos pecados em Cristo. Já não há nenhuma condenação sobre nós; fomos reconciliados com Deus; estamos em paz com Deus respaldados pela justiça de Cristo (Vd. Rm 5.1; 8.1,31-33). O preço de nossa justificação, para nós gratuita, foi o sangue de Cristo Jesus. A nossa justificação é pela graça mediante a fé (Gl 3.11; Fp 3.9; Tt 3.4-7). "...A fé é o instrumento pelo qual o pecador recebe e aplica a si tanto Cristo como sua justiça". 49 A alegria espiritual é o resultado da nossa comunhão com Deus (Rm 5.1; 1Pe 1.6-9). 50 A alegria do Espírito é inseparável da fé, afirmou corretamente Calvino. 51 Aplicações Finais: 1) O pecado é universal: todos pecaram. O pecado nos aliena de Deus fazendonos caminhar em sentido oposto à Sua vontade. 2) A graça de Deus se manifesta em Cristo, Aquele que levou sobre Si os nossos pecados. Se Deus perdoasse o pecado sem contudo ministrar sua justiça, deixaria de ser Deus. A maravilha deste plano é que Deus, ao colocar os nossos pecados sobre Cristo e ao tratar deles punindo-os em Cristo, pode perdoar-nos e ainda ser justo. Ele puniu o pecado, não o esqueceu, não o ignorou. 52 3)A verdadeira fé é aquela que ouve a Palavra de Deus e descansa perseverantemente nas Suas promessas. 4) A fé salvadora é a boa obra do Espírito Santo em nós, baseando-se nos feitos do Pai e do Filho: A fé é resultado do ministério da Trindade em favor do Seu Povo. 5) É pela graça, mediante a fé, que tomamos posse da justiça de Cristo através da qual podemos dizer que já não há nenhuma condenação para nós: estamos em Cristo Jesus; portanto, em paz com Deus. Romanos 5.1-2: Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo; 2 por intermédio de quem obtivemos igualmente acesso, pela fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus. Romanos : Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores. 9 Logo, muito mais agora, sendo justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira. 10 Porque, se nós, quando inimigos, fomos reconciliados com Deus mediante a morte do seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida; 49 Catecismo Maior de Westminster, Pergunta Quanto à desconfiança puritana do excesso de alegria, Vd. J.I. Packer, Entre os Gigantes de Deus: uma Visão Puritana da Vida Cristã, São José dos Campos, SP.: Fiel, 1996, p João Calvino, O Livro dos Salmos, São Paulo: Paracletos, 1999, Vol. 2, (Sl ), p D.M Lloyd-Jones, Salvos desde a Eternidade, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 2005 (Certeza Espiritual: Vol. 1), p. 53.

11 Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) Rev. Hermisten 3/4/2008 3: e não apenas isto, mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, por intermédio de quem recebemos, agora, a reconciliação. Romanos 8.1-4: Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus. 2 Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte. 3 Porquanto o que fora impossível à lei, no que estava enferma pela carne, isso fez Deus enviando o seu próprio Filho em semelhança de carne pecaminosa e no tocante ao pecado; e, com efeito, condenou Deus, na carne, o pecado, 4 a fim de que o preceito da lei se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito. Romanos : 31 Que diremos, pois, à vista destas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? 32 Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas? 33 Quem intentará acusação contra os eleitos de Deus? É Deus quem os justifica. 34 Quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu ou, antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus e também intercede por nós. São Paulo, 20 de outubro de Rev. Hermisten Maia Pereira da Costa

O Espírito Santo e a Santificação 1

O Espírito Santo e a Santificação 1 O Espírito Santo e a Santificação 1 Quem tem uma visão superficial da salvação deprecia a doutrina da santificação John F. MacArthur, Jr., Cómo Enfrentar a Satanas, Barcelona: CLIE., 1994, p. 95. Introdução:

Leia mais

CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO

CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO ETERNIDADE DEUS PAI LOGUS ESPIRITO SANTO A TRINDADE 1Jo.5.7 LOGUS QUER DIZER PALAVRA OU VERBO SE REFERE AO FILHO NA ETERNIDADE I - SUA PRÉ-EXISTÊNCIA 1 - SUA EXISTÊNCIA

Leia mais

Igreja Batista Fundamental Taguatinga/DF. Aula 5 - Justiça e Justificação

Igreja Batista Fundamental Taguatinga/DF. Aula 5 - Justiça e Justificação Domingo, 29/03/2009 Autor: Fábio Ramos A Recapitulação Igreja Batista Fundamental Taguatinga/DF Aula 5 - Justiça e Justificação 1 Visão Geral I) somos servos que servem evangelizando II) perdidos estão

Leia mais

A Justificação em Paulo e Tiago George Knight III

A Justificação em Paulo e Tiago George Knight III 1 A Justificação em Paulo e Tiago George Knight III Nas cartas do apóstolo Paulo, a doutrina da justificação é o maravilhoso ensino bíblico de que Deus nos aceita como justos em Cristo e perdoa nossos

Leia mais

A VOZ DA RESSURREIÇÃO

A VOZ DA RESSURREIÇÃO A VOZ DA RESSURREIÇÃO 24 A VOZ DA RESSURREIÇÃO Sexta-feira, 20 de dezembro de 2013 Cali, Colômbia Para maiores informações poderá visitar o Site: www.opoderdapalavrapura.com Ou através do e-mail: contato@opoderdapalavrapura.com

Leia mais

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus CAPÍTULO 2 O Propósito Eterno de Deus Já falamos em novo nascimento e uma vida com Cristo. Mas, a menos que vejamos o objetivo que Deus tem em vista, nunca entenderemos claramente o porque de tudo isso.

Leia mais

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus 1ª Carta de João A Palavra da Vida 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e o que as nossas mãos apalparam da Palavra da Vida 2 vida esta que

Leia mais

Escola da Bíblia Rua Rio Azul, 200, Boa Viagem CEP: 51.030-050 Recife PE

Escola da Bíblia Rua Rio Azul, 200, Boa Viagem CEP: 51.030-050 Recife PE AS GRANDES DOUTRINAS DA BÍBLIA LIÇÃO 07 O QUE A BÍBLIA DIZ A RESPEITO DA SALVAÇÃO INTRODUÇÃO Chegamos ao que pode ser o tópico mais importante desta série: a salvação. Uma pessoa pode estar equivocada

Leia mais

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e I João 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam, a respeito do Verbo da vida 2 (pois a vida foi manifestada, e nós

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos

YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos 4.12) Quando você se arrepende dos seus pecados e crê

Leia mais

No entanto, por mais dedicado, íntegro e capacitado que um líder ou pastor seja, jamais chegará, se quer, aos pés do Senhor Jesus.

No entanto, por mais dedicado, íntegro e capacitado que um líder ou pastor seja, jamais chegará, se quer, aos pés do Senhor Jesus. A sociedade, em todas as nações, encontra-se doente. A maioria das pessoas tem a alma enferma. Nesses últimos dias, o que tem acontecido no Sebastião Norões, tem nos mostrado que até as crianças estão

Leia mais

Livro de Jó Soberania e Graça de Deus Perguntas de Deus, Respostas de Jó & Perguntas de Jó, Respostas de Jesus Cristo

Livro de Jó Soberania e Graça de Deus Perguntas de Deus, Respostas de Jó & Perguntas de Jó, Respostas de Jesus Cristo Livro de Jó Soberania e Graça de Deus Perguntas de Deus, Respostas de Jó & Perguntas de Jó, Respostas de Jesus Cristo 1 A Confrontação de Deus (38:1-42:6) Finalmente os repetidos pedidos de Jó para ser

Leia mais

No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!

No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! SÉRIE: QUEM É JESUS? Jesus é o Cordeiro de Deus Data: / 09 / 2010 - Semana 4. No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! 1 / 7 1)

Leia mais

BATISMO COM ESPÍRITO SANTO

BATISMO COM ESPÍRITO SANTO 1 BATISMO COM ESPÍRITO SANTO 1 Cantai de júbilo a Deus, força nossa; celebrai o Deus de Jacó.2 Salmodiai e fazei soar o tamboril, a suave harpa com o saltério.3 Tocai a trombeta na Festa da Lua Nova, na

Leia mais

ALICERCES DE NOSSA FÉ

ALICERCES DE NOSSA FÉ ALICERCES DE NOSSA FÉ E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. Jo 8.32 Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida.. Jo 14.6 Para a liberdade foi que Cristo nos libertou. Permanecei, pois, firmes

Leia mais

O Espírito e as Bênçãos Escatológicas do Agora : O Selo e o Penhor do Espírito 1

O Espírito e as Bênçãos Escatológicas do Agora : O Selo e o Penhor do Espírito 1 O Espírito e as Bênçãos Escatológicas do Agora : O Selo e o Penhor do Espírito 1 Introdução: Em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho (eu)agge/lion) da vossa salvação,

Leia mais

O Discipulado e a Vida da Igreja

O Discipulado e a Vida da Igreja Série Estudos Bíblicos Nº 2 O Discipulado e a Vida da Igreja Um Estudo Bíblico Essencial ao Crescimento e Maturidade Cristã Ademir Ifanger E s t u d o s B í b l i c o s P á g i n a 2 Índice Estudo Bíblico

Leia mais

CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO. APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07

CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO. APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07 CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07 A trindade sempre existiu, mas se apresenta com maior clareza com vinda de Cristo e a redação do Novo Testamento. Por exemplo,

Leia mais

E CONHECEREIS A VERDADE, E A VERDADE VOS LIBERTARÁ

E CONHECEREIS A VERDADE, E A VERDADE VOS LIBERTARÁ ADIVINHOS: O que a Bíblia diz sobre eles? Lv 19. 31; Dt 18. 10; Is 8. 19-20; At 16.16-19 CASAMENTO: Posso casar com uma pessoa desigual na fé? II Co 6. 14 18 CARNE DE PORCO: È proibido comer ou não? Col

Leia mais

O chamado de Jesus ao discipulado

O chamado de Jesus ao discipulado Lição 3 12 a 19 de janeiro O chamado de Jesus ao discipulado Sábado à tarde Ano Bíblico: Gn 37 39 VERSO PARA MEMORIZAR: "Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não

Leia mais

O que é o batismo nas águas? Por que o fazemos? Como deve ser ministrado, quando e para quem?

O que é o batismo nas águas? Por que o fazemos? Como deve ser ministrado, quando e para quem? O Batismo nas Águas O que é o batismo nas águas? Por que o fazemos? Como deve ser ministrado, quando e para quem? É UMA ORDENANÇA DE JESUS O batismo é uma ordenança clara de Jesus para todo aquele que

Leia mais

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal Personal Commitment Guide Guia de Compromisso Pessoal Nome da Igreja ou Evento Nome do Conselheiro Telefone 1. Salvação >Você já atingiu um estágio na vida em que você tem a certeza da vida eterna e que

Leia mais

Muitos descrentes ao observarem a obra da cruz em sua visão natural pensam que tal gesto praticado por Jesus parece ser de derrota e não de vitória.

Muitos descrentes ao observarem a obra da cruz em sua visão natural pensam que tal gesto praticado por Jesus parece ser de derrota e não de vitória. 1 A OBRA DA CRUZ Mas longe esteja de mim gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu, para o mundo. Gálatas 6.14 OBJETIVO. Este sermão tem

Leia mais

Dicionário da Bíblia de Easton

Dicionário da Bíblia de Easton 1 Dicionário da Bíblia de Easton Por M.G. Easton M.A., D.D. Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto / felipe@monergismo.com A lista abaixo não é uma tradução completa do Dicionário da Bíblia de Easton.

Leia mais

Consolidação para o Discipulado - 1

Consolidação para o Discipulado - 1 Consolidação para o Discipulado - 1 Fortalecendo o novo convertido na Palavra de Deus Rev. Edson Cortasio Sardinha Consolidador/a: Vida consolidada: 1ª Lição: O Amor de Deus O amor de Deus está presente

Leia mais

O Discipulado e a Vida da Igreja

O Discipulado e a Vida da Igreja Série Estudo Bíblico Nº 06 O Discipulado e a Vida da Igreja Um Estudo Bíblico Sobre Adoração e Louvor Ademir Ifanger E s t u d o s B í b l i c o s P á g i n a 2 Índice Introdução... 03 1. Definindo Adoração

Leia mais

Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras)

Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras) Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras) Mostre o "Homem em Pecado" separado de Deus Esta luz (aponte para o lado direito) representa

Leia mais

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ EBD DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ OLÁ!!! Sou seu Professor e amigo Você está começando,hoje, uma ETAPA muito importante para o seu CRESCIMENTO ESPIRITUAL e para sua

Leia mais

A SINGULARIDADE DE CRISTO Artigo para a Resvista Defesa da Fe (Cpi)

A SINGULARIDADE DE CRISTO Artigo para a Resvista Defesa da Fe (Cpi) 1 A SINGULARIDADE DE CRISTO Artigo para a Resvista Defesa da Fe (Cpi) Introdução Albert Einstein, segundo Charles Misner, achou que os pregadores que tinha ouvido, blasfemavam. Einstein achou que não tinham

Leia mais

DECLARAÇÃO DE FÉ 27/06/15 PLANO DE SALVAÇÃO

DECLARAÇÃO DE FÉ 27/06/15 PLANO DE SALVAÇÃO DECLARAÇÃO DE FÉ Pr Josemeire Ribeiro CRM PR 2015 O que é credo? É o que eu creio. PLANO DE SALVAÇÃO QUEDA REDENÇÃO RESTAURAÇÃO Declaração de Fé da IEQ foi compilada por sua fundadora Aimeé Semple McPherson,

Leia mais

SEMANA 1 DIA 1 4 5 SEMANA 1 DIA 1. Leitura Bíblica

SEMANA 1 DIA 1 4 5 SEMANA 1 DIA 1. Leitura Bíblica SEMANA 1 DIA 1 4 DIA 1 At Responderam eles: Crê no Senhor Jesus, e serás 16:31 salvo Jo Mas a todos quantos O receberam, deu-lhes a 1:12-13 autoridade para se tornarem filhos de Deus: aos que creem no

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

PREFÁCIO DA SÉRIE. estar centrado na Bíblia; glorificar a Cristo; ter aplicação relevante; ser lido com facilidade.

PREFÁCIO DA SÉRIE. estar centrado na Bíblia; glorificar a Cristo; ter aplicação relevante; ser lido com facilidade. PREFÁCIO DA SÉRIE Cada volume da série A Palavra de Deus para Você o transporta ao âmago de um livro da Bíblia e aplica as verdades nele contidas ao seu coração. Os objetivos principais de cada título

Leia mais

Lição Um. Um Novo Princípio. O Poder Transformador de Cristo

Lição Um. Um Novo Princípio. O Poder Transformador de Cristo Livro 1 página 4 Lição Um Um Novo Princípio O Poder Transformador de Cristo Da Palavra de Deus: Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo

Leia mais

Quão perfeito é perfeito? Pode o cristão ser perfeito? Edward Heppenstall

Quão perfeito é perfeito? Pode o cristão ser perfeito? Edward Heppenstall Quão perfeito é perfeito? Pode o cristão ser perfeito? Edward Heppenstall Estar em uma posição/condição correta para com Deus é a coisa mais importante da vida. Acima de tudo que fazemos, de tudo que temos,

Leia mais

O Propósito Eterno de Deus é Executado no Tempo

O Propósito Eterno de Deus é Executado no Tempo 1 O Propósito Eterno de Deus é Executado no Tempo W. E. Best Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto 1 O propósito de Deus na eternidade e suas realizações no tempo são da mesma extensão. Por conseguinte,

Leia mais

O significado de um viver santo

O significado de um viver santo O significado de um viver santo TEXTO BÍBLICO BÁSICO Efésios 4.4-3 4 - E vos revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade. 5 - Por isso deixai a mentira, e falai

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DA MÚSICA DA NOSSA IGREJA

UMA AVALIAÇÃO DA MÚSICA DA NOSSA IGREJA UMA AVALIAÇÃO DA MÚSICA DA NOSSA IGREJA Aula 8 Objetivo: Capacitar o aluno para avaliar toda música (os hinos, cânticos espirituais, solos, cânticos para o coral, etc.) que cantamos e ouvimos. Segunda

Leia mais

Tipos de cristãos que amadurecem

Tipos de cristãos que amadurecem Tipos de cristãos que amadurecem TEXTO BÍBLICO BÁSICO Romanos 12.1-5 1 Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que

Leia mais

A Diferença entre DEUS e seu FILHO

A Diferença entre DEUS e seu FILHO A Diferença entre DEUS e seu FILHO João 4.22 Vós adorais o que não sabeis; nós adoramos o que sabemos porque a salvação vem dos judeus. Mateus 15.9 Mas, em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos

Leia mais

Predestinação. Aula 15/06/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira

Predestinação. Aula 15/06/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira Aula 15/06/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira S S O homem é pecador Romanos 3:9-18 S Pecadores merecem a morte Genesis 2:17, Romanos 6:23 S Portanto, se é para Deus ser justo e dar somente o que

Leia mais

COMO VIVER COM DEUS? COMO VIVER COM DEUS? EXTRA, EXTRA! As Más Notícias: EXTRA, EXTRA! Mitos. homem com seu Criador

COMO VIVER COM DEUS? COMO VIVER COM DEUS? EXTRA, EXTRA! As Más Notícias: EXTRA, EXTRA! Mitos. homem com seu Criador COMO VIVER COM DEUS? Mitos e Verdades sobre o Relacionamento do Homem com seu Criador COMO VIVER COM DEUS? Mitos e Verdades sobre o Relacionamento do Homem com seu Criador Professor: Vlademir Hernandes

Leia mais

Livre arbítrio, eleição, predestinação: dá para conciliar?

Livre arbítrio, eleição, predestinação: dá para conciliar? Livre arbítrio, eleição, predestinação: dá para conciliar? O livre arbítrio tem sido definido como a capacidade que o homem tem de escolher entre o bem e o mal, entre o certo e o errado, e é óbvio, a de

Leia mais

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO DO CONCEITO PARA PRATICA E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos

Leia mais

ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO

ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO 1 ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO LIÇÃO Nº 01 DIA 16/06/2014 INTRODUÇÃO: Vamos começar uma nova série de estudos em nossas células. Esta será uma série muito interessante

Leia mais

Jesus revela-nos que Deus é. Pai. Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008

Jesus revela-nos que Deus é. Pai. Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008 Jesus revela-nos que Deus é Pai Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008 Quem inventou Deus? Desde sempre que os homens acreditaram na existência de forças muito poderosas

Leia mais

O Senhor fará brilhar sobre nós a sua luz. (Lucas 1.78 NTLH)

O Senhor fará brilhar sobre nós a sua luz. (Lucas 1.78 NTLH) Tema Geral Enfoque 2013: A Igreja comunica a Vida! Cristo para todos! Capacitando (Jesus o sol nascente) O Senhor fará brilhar sobre nós a sua luz. (Lucas 1.78 NTLH) Klaus Kuchenbecker INTRODUÇÃO Louvado

Leia mais

QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA. II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA

QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA. II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA At 9.31 A igreja, na verdade, tinha paz por toda Judéia, Galiléia e Samaria, edificando-se

Leia mais

DESENVOLVENDO MEMBROS MADUROS

DESENVOLVENDO MEMBROS MADUROS DESENVOLVENDO MEMBROS MADUROS Movendo Pessoas da Congregação para os Comprometidos para que não mais sejamos como meninos Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo.

Leia mais

Saiamos pois, a Ele, fora do arraial... Ademir Ifanger

Saiamos pois, a Ele, fora do arraial... Ademir Ifanger Saiamos pois, a Ele, fora do arraial... Introdução Almejamos uma nova compreensão da espiritualidade, que nos impulsione a realizar o projeto integral de Deus, expressando assim genuína adoração (Jo 4.23-24).

Leia mais

Plano Para a vida e a Missão da Igreja

Plano Para a vida e a Missão da Igreja Plano Para a vida e a Missão da Igreja O "Plano para a Vida e a Missão da Igreja" é continuação dos Planos Quadrienais de 1973 e 1978 e conseqüência direta da consulta nacional de 1981 sobre a Vida e a

Leia mais

2º Aquele que não pratica (não pratica a Lei), mas crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é

2º Aquele que não pratica (não pratica a Lei), mas crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é Muitos, ao ouvirem que o cristão não precisa praticar as obras da Lei, como: guarda do sábado, sacrifício de jejum, uso do véu, devolução de dízimo, etc., logo fazem a seguinte pergunta: A Lei de Deus

Leia mais

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER INTRODUÇÃO: Qualquer que seja meu objetivo, ler é a atividade básica do aprendizado. Alguém já disse: Quem sabe ler, pode aprender qualquer coisa. Se quisermos estudar a Bíblia,

Leia mais

Decorando a Palavra de Deus

Decorando a Palavra de Deus Livro 1 página 73 Lição Dez Decorando a Palavra de Deus A Palavra de Deus (a Bíblia) é muito importante na vida do crente. Ela é uma fonte inesgotável de conhecimento, força e inspiração. Já aprendemos

Leia mais

SOM DO LIVRO QUE TRÁS ATÉ SI O LIVRO MAIS LIDO EM TODO O. Estamos agora no capítulo 20 de livro de Deuteronómio.

SOM DO LIVRO QUE TRÁS ATÉ SI O LIVRO MAIS LIDO EM TODO O. Estamos agora no capítulo 20 de livro de Deuteronómio. REFERÊNCIA: Deuteronómio 20-21:21 Data de Gravação: 05.05.04 hora: 12:18h PRODUTOR: Paulo Chaveiro Locução: Paulo Chaveiro OLÁ! CARO AMIGO/ EU SOU PAULO CHAVEIRO E ESTE É O PROGRAMA O SOM DO LIVRO QUE

Leia mais

O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia. (Prov. 28:13)

O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia. (Prov. 28:13) CONFISSÃO E ARREPENDIMENTO O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia. (Prov. 28:13) A consequência natural do arrependimento é a confissão.

Leia mais

O significado salvífico da morte de Jesus

O significado salvífico da morte de Jesus Igreja Nova Apostólica Internacional O significado salvífico da morte de Jesus 2.ª parte Depois da interpretação da morte de Jesus, na Epístola Aos Hebreus, seguem-se explanações sobre o que Jesus representa

Leia mais

O tempo é chegado", dizia ele. "O Reino de Deus está próximo. Arrependam-se e creiam nas boas novas!" (Mc 1:15).

O tempo é chegado, dizia ele. O Reino de Deus está próximo. Arrependam-se e creiam nas boas novas! (Mc 1:15). O tempo é chegado", dizia ele. "O Reino de Deus está próximo. Arrependam-se e creiam nas boas novas!" (Mc 1:15). Filosofia humanista: Pensamentos positivos e maravilhosos acerca de si mesmos. Dá grande

Leia mais

TRÊS ESTILOS DE VIDA

TRÊS ESTILOS DE VIDA TRÊS ESTILOS DE VIDA 1 Co 2:14 Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. 15 Porém o homem

Leia mais

9 Princípios Bíblicos

9 Princípios Bíblicos 9 Princípios Bíblicos...E promessas em áreas básicas no aconselhamento de jovens por Ken Collins ABUSO FÍSICO E PESSOAL APARÊNCIA Deus pode consolar e fortalecer Sl 86 Deus dá maior valor à beleza interior

Leia mais

A cruz e a ressurreição de Jesus: perdão na família

A cruz e a ressurreição de Jesus: perdão na família Lição 1 A cruz e a ressurreição de Jesus: perdão na família Princípio de construção A base de transformação e de restauração da família é o perdão da cruz e o poder da ressurreição de Cristo. Objetivos

Leia mais

Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11)

Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11) Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11) Mensagem 1 A metáfora do Caminho Introdução: A impressão que tenho é que Jesus escreveu isto para os nossos dias. Embora

Leia mais

UM NOVO ANO, UMA NOVA CHANCE

UM NOVO ANO, UMA NOVA CHANCE ESTUDOS Fevereiro/14-2ª SEMANA CÉLULA FAMILIAR UM NOVO ANO, UMA NOVA CHANCE Texto Bíblico: João 8:3-11 Tem um dito popular que diz que errar é humano. Normalmente nos lembramos desse dito, e gostamos de

Leia mais

Série A armadura de Deus Estudo 1

Série A armadura de Deus Estudo 1 Estudo 1 Esta série, com 9 estudos, traz inicialmente 5 estudos sobre as armas espirituais e depois mais 4 estudos sobre a armadura de Deus. Tema: As armas espirituais O Nome de Jesus Cristo Texto Base:

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

QUEM É JESUS. Paschoal Piragine Jr 1 31/08/2015

QUEM É JESUS. Paschoal Piragine Jr 1 31/08/2015 1 QUEM É JESUS Jo 1 26 Respondeu João: Eu batizo com água, mas entre vocês está alguém que vocês não conhecem. 27 Ele é aquele que vem depois de mim, e não sou digno de desamarrar as correias de suas sandálias

Leia mais

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Pr Joaquim Costa Junior 1. Sabendo quem somos em Cristo, para refletir a Sua glória.

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Pr Joaquim Costa Junior 1. Sabendo quem somos em Cristo, para refletir a Sua glória. Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Pr Joaquim Costa Junior 1 Sabendo quem somos em Cristo, para refletir a Sua glória. 1Pe 2:9 Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação

Leia mais

fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus.

fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus. ACESSO A DEUS Texto Base: Rm 5.2 =... pôr intermédio de quem obtivemos igualmente acesso, pela fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus. Introdução: Ter acesso

Leia mais

DOMINGO VII DA PÁSCOA. Vésperas I

DOMINGO VII DA PÁSCOA. Vésperas I DOMINGO VII DA PÁSCOA (Onde a solenidade da Ascensão não é transferida para este Domingo). Semana III do Saltério Hi n o. Vésperas I Sa l m o d i a Salmos e cântico do Domingo III. Ant. 1 Elevado ao mais

Leia mais

A Experiência do Novo Nascimento

A Experiência do Novo Nascimento Pr. Patrick Robert Briney Mission Boulevard Baptist Church A Experiência do Novo Nascimento A Série das Verdades do Evangelho (caderno 6) The Born Again Experience Tradução Pr. Anastácio Pereira de Sousa

Leia mais

Educador Cristão: identidade, carisma e vocação. Por Igor Miguel

Educador Cristão: identidade, carisma e vocação. Por Igor Miguel Educador Cristão: identidade, carisma e vocação Por Igor Miguel Fundamento da Identidade Fundamento da Identidade Vida Cristocêntrica e Teorreferente Porque eu, mediante a própria lei, morri para a lei,

Leia mais

ELABORAÇÃO UMA LITURGIA. Adoração e Louvor Aula 10

ELABORAÇÃO UMA LITURGIA. Adoração e Louvor Aula 10 ELABORAÇÃO UMA LITURGIA Adoração e Louvor Aula 10 Os cânticos e hinos devem ser previamente escolhidos conforme o tema do culto, a mensagem e o momento litúrgico. Exemplo Prático: Liturgia do dia 01-12-2013

Leia mais

ANO B. DOMINGO II DA PÁSCOA ou da Divina Misericórdia. (Outras intenções: adultos e crianças baptizados nesta Páscoa...).

ANO B. DOMINGO II DA PÁSCOA ou da Divina Misericórdia. (Outras intenções: adultos e crianças baptizados nesta Páscoa...). 122 ANO B DOMINGO II DA PÁSCOA ou da Divina Misericórdia (Se estiverem presentes adultos que tenham sido baptizados na última Páscoa, as intenções da oração dos fiéis poderão hoje ser propostas por eles).

Leia mais

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado.

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. 1 Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. Neste sentido a Carta aos Hebreus é uma releitura da lei,

Leia mais

4. A IMPORTÂNCIA DE SER BATIZADO

4. A IMPORTÂNCIA DE SER BATIZADO 4. A IMPORTÂNCIA DE SER BATIZADO O batismo nas águas é um dos passos importantes nos primeiros princípios da doutrina de Cristo. Ele não é apenas uma forma ou cerimônia sem sentido, mas uma experiência

Leia mais

BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO

BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO O que é uma pessoa cristã? É a pessoa que acredita que o Deus vivo é revelado em e por meio de Jesus Cristo, que aceita Jesus Cristo como Senhor e Salvador, que

Leia mais

SANTIFICADO SEJA TEU NOME : SANTIDADE DE DEUS & SANTIDADE DO HO- MEM. COSTA, Hermisten Maia Pereira da (Universidade Presbiteriana Mackenzie)

SANTIFICADO SEJA TEU NOME : SANTIDADE DE DEUS & SANTIDADE DO HO- MEM. COSTA, Hermisten Maia Pereira da (Universidade Presbiteriana Mackenzie) SANTIFICADO SEJA TEU NOME : SANTIDADE DE DEUS & SANTIDADE DO HO- MEM. COSTA, Hermisten Maia Pereira da (Universidade Presbiteriana Mackenzie) Introdução: A idéia bíblica de santo e santidade é de se separação.

Leia mais

MINISTÉRIO PESSOAL (1) TEXTO BASE 1PEDRO 4:10-11. Rev. Helio Sales Rios Igreja Presbiteriana do Jardim Brasil Estudo Bíblico Quartas-Feiras

MINISTÉRIO PESSOAL (1) TEXTO BASE 1PEDRO 4:10-11. Rev. Helio Sales Rios Igreja Presbiteriana do Jardim Brasil Estudo Bíblico Quartas-Feiras MINISTÉRIO PESSOAL (1) TEXTO BASE 1PEDRO 4:10-11 Rev. Helio Sales Rios Igreja Presbiteriana do Jardim Brasil Estudo Bíblico Quartas-Feiras INTRODUÇÃO O grande problema que a igreja enfrenta hoje, para

Leia mais

No entanto, devemos evitar tratar destas coisas como se fossem separadas. O homem deve ser visto como um ser completo, um todo indivisível.

No entanto, devemos evitar tratar destas coisas como se fossem separadas. O homem deve ser visto como um ser completo, um todo indivisível. 1 Aula 02 A CRIAÇÃO DO HOMEM À IMAGEM E SEMELHANÇA DE DEUS Depois de haver feito as outras criaturas, Deus criou o homem, macho e fêmea, com almas racionais e imortais, e dotou-as de inteligência, retidão

Leia mais

SEMANA 4 ESBOÇO 56 57 SEMANA 4 ESBOÇO. ESBOÇO A restauração da vida de altar e de tenda

SEMANA 4 ESBOÇO 56 57 SEMANA 4 ESBOÇO. ESBOÇO A restauração da vida de altar e de tenda SEMANA 4 ESBOÇO 56 57 SEMANA 4 ESBOÇO Dia 1 Dia 2 Dia 3 ESBOÇO A restauração da vida de altar e de tenda Leitura bíblica: At 7:2; Rm 4:12; Hb 11:8-10; Gn 12:1-4, 7-8; 13:3-4, 18 I. Como crentes em Cristo,

Leia mais

Lição Oito. Amando aos Outros. (Desenvolvendo um Estilo Compassivo de Vida)

Lição Oito. Amando aos Outros. (Desenvolvendo um Estilo Compassivo de Vida) Livrinho 2 Pàgina 60 Lição Oito Amando aos Outros (Desenvolvendo um Estilo Compassivo de Vida) O amor fica ao centro real do Cristianismo. Ele resume numa só palavra a própria essência da fé cristã. Foi

Leia mais

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé.

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé. 1 Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9 Introdução: Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre. Não se deixem levar pelos diversos ensinos estranhos. É bom que o nosso coração seja

Leia mais

É necessário olharmos mais meticulosamente para o restabelecimento dessa nação à luz das profecias.

É necessário olharmos mais meticulosamente para o restabelecimento dessa nação à luz das profecias. Apesar dos surpreendentes e espantosos acontecimentos experimentados nestes dias, o maior de todos os sinais do fim dos tempos - e, contudo, o menos enfatizado - é o retorno do povo judeu à Terra Prometida

Leia mais

FEB EADE - Livro III - Módulo II Roteiro 2 A autoridade de Jesus

FEB EADE - Livro III - Módulo II Roteiro 2 A autoridade de Jesus OBJETIVOS 1) Analisar em que se resume a autoridade do Cristo. 2) Esclarecer como o Espiritismo explica essa autoridade. IDEIAS PRINCIPAIS 1) Sob a autoridade moral do Cristo, somos guiados na busca pela

Leia mais

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDO 1 NOVA VIDA O presente curso ajudará você a descobrir fatos da Palavra de Deus, fatos os quais você precisa para viver a vida em toda a sua plenitude. Por este estudo

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

Curso Bíblico. Discipulado de Integração. Discipulado de Integração

Curso Bíblico. Discipulado de Integração. Discipulado de Integração Curso Bíblico Discipulado de Integração Curso Bíblico Gratuito Para Novos Discípulos de Jesus Cristo Quando aceitamos o evangelho, cremos em Jesus Cristo como nosso Salvador e Senhor, temos o nascimento

Leia mais

DISCIPULADO PARA OS NOVOS CONVERTIDOS

DISCIPULADO PARA OS NOVOS CONVERTIDOS O novo nascimento é o início da vida com Deus. A nova vida recebida de Deus precisa ser desenvolvida. Recebemos a salvação pela graça de Deus. A vida cristã também só pode ser vivida pela graça de Deus.

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESTUDO 4 Palavra Viva RELEMBRANDO SANTIFICAÇÃO Nossos três grandes inimigos: O MUNDO A CARNE O D IABO 'Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque

Leia mais

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus.

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus. EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3 LEMBRETE IMPORTANTE: As palavras da bíblia, são somente as frases em preto Alguns comentários explicativos são colocados entre os versículos, em vermelho. Mas é apenas com o intuito

Leia mais

JESUS CRISTO É O FILHO DE DEUS

JESUS CRISTO É O FILHO DE DEUS JESUS CRISTO É O FILHO DE DEUS SOBRE ESTA REVELAÇÃO EDIFICAREI A MINHA IGREJA Mateus 16: 13 E, chegando Jesus às partes de Cesaréia de Filipe, interrogou os seus discípulos, dizendo: Quem dizem os homens

Leia mais

BAPTISMO DAS CRIANÇAS (Sem Missa)

BAPTISMO DAS CRIANÇAS (Sem Missa) BAPTISMO DAS CRIANÇAS (Sem Missa) Cântico de Entrada SAUDAÇÃO E MONIÇÃO INICIAL DIÁLOGO COM OS PAIS E PADRINHOS Que nome escolhestes para o vosso filho? Pais: (dizem o nome do filho). Que pedis à Igreja

Leia mais

V Domingo Tempo Comum - ANO A

V Domingo Tempo Comum - ANO A 1 Ambiente: Continuamos no contexto do sermão da montanha (Mt 5-7). Jesus está no cimo de um monte, a apresentar a nova Lei que deve reger a caminhada do novo Povo de Deus na história (já vimos, no passado

Leia mais

O"que"fazer"quando"o"coração"se"desespera?"

Oquefazerquandoocoraçãosedesespera? O"que"fazer"quando"o"coração"se"desespera?" O"que"fazer"quando"o"coração"se"desespera?" O"que"fazer"quando"o"coração"se"desespera?" mas"aqueles"que" esperam"no"senhor" renovam"as"suas"forças." Voam"alto"como"águias;"

Leia mais

O alcance do documento

O alcance do documento A fim de ganhar aceitação ainda maior que o primeiro ECT ("Evangelicals and Catholics Together: The Christian Mission in the Third Millenium", "Evangélicos e Católicos Juntos: A Missão Cristã no Terceiro

Leia mais

Esperança em um mundo mal Obadias 1-21. Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos.

Esperança em um mundo mal Obadias 1-21. Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos. Esperança em um mundo mal Obadias 1-21 Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos. Introdução Obadias É o livro mais curto do Antigo Testamento. Quase nada se sabe sobre o autor.

Leia mais

Igreja Batista Renovada de Boituva www.igrejabatista.boituvasp.com.br

Igreja Batista Renovada de Boituva www.igrejabatista.boituvasp.com.br 34 Lição 5 A Quem deve ser batizado? Antes de subir ao céu, o Senhor Jesus Cristo ordenou aos seus discípulos: E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o Evangelho a toda a criatura. Quem crê e for batizado

Leia mais

Amor o fruto da maturidade

Amor o fruto da maturidade Amor o fruto da maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO I Coríntios 13.1-10 1 - Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. 2

Leia mais