Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) 1"

Transcrição

1 Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) 1 Rev. Hermisten Maia Pereira da Costa Introdução: Uma das declarações básicas dos Reformadores foi a respeito da suficiência da fé (Sola Fides) para a nossa justificação. A sua compreensão é que a nossa justificação é inteiramente pela graça de Deus através da fé, sem a necessidade de o- bras. Estudemos este assunto: 1. A Universalidade do Pecado: A Palavra de Deus nos fala de forma contundente que todos, sem exceção, pecaram, distanciando-se de Deus, estando perdidos, necessitando, portanto, de salvação. Esta é a convicção de Paulo:... todos pecaram e carecem da glória de Deus (Rm 3.23). A) PECADO COMO ALGO NIVELADOR: O pecado é o grande nivelador de toda a humanidade: todos pecaram; todos estão no mesmo nível; 2 não há lugar para arrogância ou supostas boas obras justificadoras (Rm ). 3 Se todos pecaram, isso significa que nós também pecamos; se todos precisam de salvação, significa que nós também precisamos. Pecado não é algo peculiar a uns poucos, senão que permeia o mundo inteiro. 4 Na Oração do Senhor temos um indicativo de como o pecado é comum a todos os homens. O fato de Jesus ensinar a todas as pessoas a fazerem esta oração demonstra a universalidade do pecado; e para repetir esta oração se requer um sentido de pecado. 5 A Escritura nos fala que todos pecaram (Rm 3.23) e que o pecado nos fez cativos (Jo 8.34; Rm 6.20; ), habitando em nós (Rm 7.17,20), 7 mantendo-nos sob o seu 1 Aula ministrada na Escola Dominical para as Classes de Homens, Senhoras e Jovens da Primeira I.P. de São Bernardo do Campo, São Paulo, em 21/10/07. 2 Ver: Francis Schaeffer, A Obra Consumada de Cristo, São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2003, p Ora, sabemos que tudo o que a lei diz, aos que vivem na lei o diz para que se cale toda boca, e todo o mundo seja culpável perante Deus, visto que ninguém será justificado diante dele por obras da lei, em razão de que pela lei vem o pleno conhecimento do pecado (Rm ). 4 João Calvino, Efésios, São Paulo: Paracletos, 1998, (Ef 2.2), p W. Barclay, El Padrenuestro, Buenos Aires: La Aurora/ABAP, 1985, p Em verdade, em verdade vos digo: todo o que comete pecado é escravo do pecado (Jo 8.34). Porque, quando éreis escravos do pecado, estáveis isentos em relação à justiça (Rm 6.20). Mas

2 Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) Rev. Hermisten 3/4/2008 3:11 2 domínio. Enfatizando este domínio do pecado sobre nós antes do novo nascimento, escreve:... Sou carnal, vendido à escravidão do pecado (Rm 7.14). A expressão vendido à escravidão, é uma tradução interpretativa de pipra/skw u(po\ ( pipráskõ hypó ), que significa ser vendido, estando por isso, sob o domínio do seu senhor. 8 Portanto, negar a nossa condição de pecadores, é negar a própria Palavra de Deus, que diz: Se dissermos que não temos cometido pecado, fazemo-lo mentiroso e a sua palavra não está em nós (1Jo 1.10). Não ser consciente de pecado algum é o pior pecado de todos. 9 B) A GRAVIDADE DO PECADO: É natural que os homens se inclinem prazerosamente para os ensinamentos que falam de suas virtudes e capacidade. 10 O homem é hábil em buscar uma capa e subterfúgio para seu pecado. 11 Ou, quem sabe, podemos nutrir até alguma noção sobre pecado, contudo, tendemos a pensar que isso é coisa praticada por pessoas ignorantes, deste modo, o conhecimento, por si só, nos liberta desta prática, supomos. Portanto, falar de pecado é algo que não encontra tão facilmente ouvidos prazerosos ou mesmo atentos. Daí, uma tendência comum é a tentativa de suavizar esta doutrina, mudando nomes, perspectivas ou simplesmente silenciado a respeito. Dentro de uma perspectiva mais, diria filosófica, tenta-se driblar a real questão através da amenização da realidade com a apresentação do perdão, como se a noção de perdão, por si só, trouxesse alívio, enquanto que a proclamação da realidade do pecado assustasse as pessoas, as afastassem da mensagem do E- vangelho. Pois bem, talvez isso seja assim no campo especulativo onde o pecado e o perdão são apenas conceitos vagos sobre os quais reflito através de uma análise fenomenológica, não me importando com a sua essência e fundamentação teológica. Deste modo, o que importa é a percepção subjetiva do conceito, não a veracidade e implicações dos fatos. Neste sentido, recordo-me a declaração de Erasmo de Roterdã ( ): "Por certo são numerosos e fortes os argumentos contra a instituição da confissão pelo próprio Senhor. Mas como negar a segurança em que se encontra aquele que se confessou a um padre qualificado?". 12 vejo, nos meus membros, outra lei que, guerreando contra a lei da minha mente, me faz prisioneiro da lei do pecado que está nos meus membros (Rm 7.23). 7 Neste caso, quem faz isto já não sou eu, mas o pecado que habita em mim. (...) Mas, se eu faço o que não quero, já não sou eu quem o faz, e sim o pecado que habita em mim (Rm 7.17,20). 8 É digno de nota que a palavra pipra/skw somente aqui é mencionada no sentido espiritual. Nas outras oito vezes em que ela ocorre no Novo Testamento (Mt 13.46; 18.25; 26.9; Mc 14.5; Jo 12.5; At 2.45; 4.34; 5.4), tem sempre o sentido de venda de algo material. 9 W. Barclay, El Padrenuestro, p Cf. João Calvino, As Institutas, II João Calvino, O Livro dos Salmos, São Paulo: Parakletos, 2003, Vol. 3, (Sl 105.6), p Erasmo, Opera Omnia, Leyde, 1704, v, col , Apud Jean Delumeau, A Confissão e o Perdão: As Dificuldades da Confissão nos Séculos XIII a XVIII, São Paulo: Companhia das Letras, 1991, p. 37. Em outro lugar, também indagou: Por que se dar ao trabalho de confessar seus pecados a outro ser humano apenas pelo fato de ser um sacerdote, quando pode confessá-los direta-

3 Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) Rev. Hermisten 3/4/2008 3:11 3 Por isso, entendemos que somente pela graça, através da Palavra, podemos ter uma clara consciência de nossa pecaminosidade ativa e concreta e de sua afronta a Deus. 13 Ter consciência do pecado significa reconhecer o quão urgentemente precisamos de perdão. O Evangelho só se torna subjetivamente necessário enquanto que na realidade ele é urgentemente necessário quando as pessoas percebem, por Deus, a sua necessidade. Enquanto isso não acontecer, ele soará sempre como algo descartável. Quando tratamos deste tema, devemos ter em mente que a questão primeira não é a quantidade ou intensidade de nossos pecados, mas, o fato de que pecamos e, diferentemente da compreensão de determinados pensadores humanistas, inclusive cristãos 14 ; a gravidade do pecado está no ponto de que todo pecado é primeiramente contra Deus, o eternamente santo, 15 que não tolera o mal (Hc 2.13). O que intensifica ainda mais a complexidade de nossa rebelião é o fato de rejeitarmos o Seu infinito amor plenificado em Jesus Cristo. 16 Schaeffer ( ) coloca a questão nestes termos: mente a Deus? (Apud Alister E. McGrath, Teologia, sistemática, histórica e filosófica: uma introdução à teologia cristã, São Paulo: Shedd Publicações, 2005, p. 84). 13 É mister graça e iluminação espiritual para crermos que nossos pecados são um problema sério aos olhos de Deus, conforme a Bíblia nos diz. Precisamos orar para que Deus nos torne humildes e dispostos a aprender, quando estudamos esse tema (J.I. Packer, Vocábulos de Deus, São José dos Campos, SP.: Fiel, 1994, p. 63. Ver também p. 70s). 14 Dentro desta perspectiva limitante do sentido do pecado, incluímos, entre outros, Cecil Osborne, que seguindo o pensamento de Erich Fromm ( ) [ Pecado não se dirige primariamente contra Deus, mas contra nós mesmos (Erich Fromm, Psicanálise e Religião, 2ª ed. Rio de Janeiro: Livro Ibero-Americano, Ltda., 1962, p. 105). Do mesmo modo, ver a obra de Fromm, Análise do Homem, São Paulo: Círculo do Livro, (s.d.), 218p], escreveu: Pecado é essencialmente um erro contra si mesmo ou contra outro ser humano (Cecil Osborne, A Arte de Compreender-se a Si Mesmo, Rio de Janeiro: JUERP., 1977, p. 139). Do mesmo modo, esse conceito tem sido amplamente difundido por um discípulo de Norman Vincent Peale, Dr. Robert Schuller, que enfatiza: o pecado é uma ofensa psicológica a si mesmo (Vejam-se as pertinentes críticas a esta posição em: John MacArthur Jr., Sociedade sem Pecado, São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2002, p. 78ss). 15 "O pecado envolve uma certa responsabilidade, por um lado, responsabilidade esta surgida da santidade de Deus, e, por outro lado, da seriedade do pecado como oposição à- quela santidade" (John Murray, Redenção: Consumada e Aplicada, São Paulo: Editora Cultura Cristã, 1993, p. 29). Jamais compreenderemos o que o pecado realmente é, enquanto não a- prendermos a pensar nele em termos de nosso relacionamento com Deus (J.I. Packer, Vocábulos de Deus, p. 64). 16 O incrédulo despreza o amor de Deus. Se este amor fosse pequeno, seria um pecado pequeno ignorá-lo. Se é grande, é grande pecado rejeitá-lo. Mas o fato é que este amor é infinito. Isso faz da rejeição deste amor um pecado de proporções infinitas (R.B. Kuiper, E- vangelização Teocêntrica, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 1976, p. 19). Como o amor de Deus é infinito, desprezar esse amor é pecado de proporções infinitas No entanto, é o que fazem aqueles que, por sua descrença, rejeitam o Filho de Deus, dom do Seu amor. (...) Rejeitar este amor é incorrer no banimento eterno da presença de Deus. Responder com fé e amor é herdar a vida eterna. Nada pode ser mais urgente do que a escolha de uma destas atitudes" (R.B. Kuiper, Evangelização Teocêntrica, p. 72).

4 Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) Rev. Hermisten 3/4/2008 3:11 4 Nós pecamos deliberadamente contra o santo de Deus; é por isso que a nossa situação é desesperadora. [...] O problema não está na quantidade de pecados que praticamos, mas em quem ofendemos. Nós pecamos contra um Deus infinitamente santo, que realmente existe. E, a partir do momento em que pecamos contra um Deus infinitamente santo, que realmente existe, nosso pecado é infinito. 17 O problema é que o pecado não nos deixa perceber as suas conseqüências; estamos totalmente alienados de Deus. 2. A Justificação: Jesus Cristo é o único que cumpriu perfeitamente a justiça divina. Portanto, somente nele podemos e de fato somos declarados justos. A graça nos justifica na justiça de Cristo. Não existe justificação sem a pessoa e obra de Cristo (Rm 3.24; Tt 3.7). 18 A justiça que nos justifica, portanto, não deve ser separada da pessoa de Cristo. Ela não consiste de um dom material ou espiritual que Cristo nos concede fora de Si mesmo, ou que nós podemos aceitar e receber sem que aceitemos e recebamos a pessoa de Cristo. Não há possibilidade de se desfrutar dos benefícios de Cristo sem que haja comunhão com a pessoa de Cristo e a comunhão com Cristo invariavelmente traz consigo os benefícios de Cristo. Para ser aceito diante de Deus, para ser livre de toda culpa e punição e para desfrutar da glória de Deus e da vida eterna, nós temos que ter Cristo, não algo dele, mas o próprio Cristo. 19 A justificação é o fundamento judicial da santificação; 20 aqui há uma mudança na nossa condição legal. Na justificação Deus nos declara justos, perdoando todos os nossos pecados, os quais foram pagos definitivamente por Cristo; por isso, já não há nenhuma condenação sobre nós; estamos em paz com Deus amparados pela justiça de Cristo (Vejam-se: Rm 5.1; 8.1,31-33). Na justificação Deus declara que já não há mais culpa em nós; aqui de fato passamos a ter vida; 21 mudamos da situação de um condenado que aguardava tristemente a terrível sentença condenatória para a condição de filho de Deus, na expectativa da sua majestosa herança (Rm ). 22 É importante enfatizar que na justificação Deus não declara que o ímpio é santo; ele declara que, não 17 Francis Schaeffer, A Obra Consumada de Cristo, p Ver: Michael Horton, União com Cristo. In: Michael Horton, org., Cristo o Senhor: A Reforma e o Senhorio da Salvação, São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2000, p ; Charles Hodge, Teologia Sistemática, p Herman Bavinck, Teologia Sistemática, São Paulo: Hagnos Editora, 2001, p Veja-se: L. Berkhof, Teologia Sistemática, Campinas, SP.: Luz para o Caminho, 1990, p Veja-se: George Whitefield, Cristo: Sabedoria, Justiça, Santificação, Redenção, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, (s.d.), p Vd. J.I. Packer, O Conhecimento de Deus, São Paulo: Mundo Cristão, 1980, p. 121.

5 Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) Rev. Hermisten 3/4/2008 3:11 5 obstante sua pecaminosidade e indignidade pessoal, ele é aceito como justo com base no que Cristo fez por ele. 23 A justificação ocorre fora de nós, não produz nenhuma transformação espiritual em nosso ser; no entanto, é uma vocação incondicional à santificação, conforme a vontade de Deus. 24 A justificação nos livra da condenação do pecado. 3. A Fé Salvadora: Fé salvadora é um dom da graça de Deus, através do qual somos habilitados a receber a Jesus Cristo como nosso único e suficiente Salvador e, a crer em todas as promessas do Deus Triúno, conforme estão registradas nas Escrituras. Esta é a genuína fé cristã. Ela está enraizada no coração que foi regenerado por Deus. A fé salvadora é obra de Deus e é direcionada para Deus, através de Cristo (Hb 12.2; 1Jo 5.1-5). 25 Contudo, devemos observar que nós não somos salvos pela fé, mas sim por Cristo Jesus através da fé. O Catecismo Menor de Westminster (1647) na questão 86, assim define: Fé em Jesus Cristo é uma graça salvadora, pela qual o recebemos e confiamos só nele para a salvação, como ele nos é oferecido no Evangelho. Vejamos agora, algumas de suas características: A) ORIGINA-SE NO PRÓPRIO DEUS: A fé salvadora é produto da graça de Deus que age através da Sua Palavra registrada na Bíblia (At 3.16; 18.27; Rm 10.17; Ef 2.8; 6.23; Fp 1.29; Hb 12.2; Tg 1.18; 1Pe 1.23). É através da Palavra que Deus nos gerou espiritualmente, tornando-nos Seus filhos. 23 Charles Hodge, Teologia Sistemática, p É certamente verdade que somos justificados em Cristo Tão-somente pela misericórdia divina, mas é igualmente verdade e correto que todos quantos são justificados são chamados pelo Senhor para que vivam uma vida digna de sua vocação. Portanto, que os crentes aprendam abraçá-lo, não somente para a justificação, mas também para a santificação, assim como ele se nos deu para ambos os propósitos, para que não venham a mutilá-lo com uma fé igualmente mutilada [J. Calvino, Exposição de Romanos, São Paulo: Paracletos, 1987, (Rm 8.13), p. 274]. Ver também: João Calvino, Efésios, (Ef 2.10), p Olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus... (Hb 12.2). Todo aquele que crê que Jesus é o Cristo é nascido de Deus; e todo aquele que ama ao que o gerou também ama ao que dele é nascido. 2 Nisto conhecemos que amamos os filhos de Deus: quando amamos a Deus e praticamos os seus mandamentos. 3 Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamentos; ora, os seus mandamentos não são penosos, 4 porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé. 5 Quem é o que vence o mundo, senão a- quele que crê ser Jesus o Filho de Deus? (1Jo 5.1-5).

6 Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) Rev. Hermisten 3/4/2008 3:11 6 A fé salvadora exige conhecimento da Palavra de Deus. A fé é uma relação de confiança; como acreditar em alguém que não conhecemos? A fé consiste no conhecimento do Pai e do Filho pelo testemunho do Espírito (Jo 17.3/Jo 15.26; ). A fé não consiste na ignorância, senão no conhecimento; e este conhecimento há de ser não somente de Deus, senão também de Sua divina vontade. 26 É impossível crer e nos relacionar pessoalmente com um Deus desconhecido. B) É DIRECIONADA PARA DEUS E À SUA PALAVRA: 1) DEUS PAI ATRAVÉS DO FILHO: Biblicamente falando, a fé salvadora é uma fé Teológica e, esta é Cristocêntrica. A teocentricidade da fé é cristocêntrica. Crer no Pai é o mesmo que crer no Filho (Jo 5.24; 12.44; 14.1; Mc 11.22; At 20.21; Rm 3.22, 26; 4.24; Gl 2.20; 1Pe 1.21; 1Jo 3.23). Sem Jesus Cristo o Pai continua inacessível a nós (Lc 10.22; Jo 8.12; 14.6; 1Tm 2.5; 6.16). Uma fé supostamente depositada no Pai sem a aceitação do Filho como Senhor e Salvador, não é a genuína fé bíblica: É impossível ter a Deus como Pai sem o Filho como irmão primogênito (Rm 8.29). 27 O objetivo final de nossa fé é Deus mesmo; mas vemos a Sua glória através de Cristo, o qual é o caminho divinamente designado para revelar a glória de Deus. 28 2) TODA A PALAVRA: O evangelho da vossa salvação é para ser crido (Ef 1.13). Por isso, a pregação cristã nada mais é do que a proclamação do Evangelho; o Poder de Deus para a salvação (Rm 1.16). A pregação (...) é o instrumento divino para a salvação das pessoas. 29 Sem a Palavra, Jesus se constitui no caminho desconhecido para o Pai (Jo /Jo 14.6) J. Calvino, As Institutas, III Por meio da fé, Cristo nos é comunicado, através de quem chegamos a Deus, e através de quem usufruímos os benefícios da adoção [João Calvino, Efésios, (Ef 1.8), p. 30]. 28 John Owen, A Glória de Cristo, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 1989, p Ph. J. Spener, Mudança para o Futuro: Pia Desideria, Curitiba, PR./São Bernardo do Campo, SP.: Encontrão Editora/Instituto Ecumênico de Pós-Graduação em Ciências da Religião, 1996, p Não há outro guia para a verdade, senão a Bíblia, na medida em que o Espírito nos ajuda a entendê-la (William Guthrie, As Raízes de Uma Fé Autêntica, São Paulo: PES., 1994, p. 14).

7 Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) Rev. Hermisten 3/4/2008 3:11 7 A Palavra de Deus reclama a nossa fé (Vd. Mc 1.15; Jo ; ; At 4.4; Rm 10.8,14,17; Ef 1.13; 1Tm 1.15; 4.9). 32 O que Deus revelou e prometeu é para ser crido (Rm 4.20). O que qualifica a genuína fé, não é simplesmente o ato de crer ou, a sua intensidade; mas sim, o seu foco: Jesus Cristo é o conteúdo, o substantivo da Promessa; por isso, crer no Evangelho, significa crer em Jesus Cristo (Mc 1.15/Rm 15.20; At 16.31). 33 Jesus Cristo conforme O conhecemos no Evangelho é a Palavra Final de Deus: Nele conhecemos o que Deus quer que saibamos e o que deseja que sejamos nesta vida. Todavia, se Deus não abrir o entendimento dos homens, eles jamais crerão, como nós também jamais teríamos crido um dia; por isso, a proclamação do Evangelho deve vir acompanhada da oração. 3) APÓIA-SE NO PODER E FIDELIDADE DE DEUS: O fundamento da fé é o Deus fiel: Aquele que a gerou e a sustenta (1Co 2.4,5; Hb 11.11; 1Pe 1.21). 34 A nossa fé encontra o seu amparo na veracidade e fidelidade de Deus. A fidelidade de Deus se revela nas Suas promessas, como expressão de Sua fidelidade a Si mesmo. "A fé verdadeira é aquela que ouve a Palavra de Deus e descansa em Sua promessa" 35 (Vejam-se: Rm 10.8,14,15,17; 1Co ; Cl 1.23; Hb 4.2). As Escrituras nos desafiam a confiar em Deus, depositando no Deus soberano toda a nossa ansiedade. É importante que tenhamos sempre diante de nós a certeza de que o poder de Deus é algo concreto e real em nossa vida diária, no nosso sustento e preservação. Essa compreensão de fé deve guiar a nossa perspectiva da realidade e, consequentemente a nossa atuação no mundo. Calvino observa que as Não penseis que eu vos acusarei perante o Pai; quem vos acusa é Moisés, em quem tendes firmado a vossa confiança. 46 Porque, se, de fato, crêsseis em Moisés, também creríeis em mim; porquanto ele escreveu a meu respeito. 47 Se, porém, não credes nos seus escritos, como crereis nas minhas palavras? (Jo ). Não rogo somente por estes, mas também por aqueles que vierem a crer em mim, por intermédio da sua palavra (Jo 17.20). 32 Vd. J. Calvino, As Institutas, III A fé que nos traz à salvação é questão de querer a Cristo, ser levado a Ele, apoiar-se e ter confiança nele (William Guthrie, As Raízes de Uma Fé Autêntica, p. 26) A minha palavra e a minha pregação não consistiram em linguagem persuasiva de sabedoria, mas em demonstração do Espírito e de poder, 5 para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria humana, e sim no poder de Deus (1Co 2.4-5). Pela fé, também, a própria Sara recebeu poder para ser mãe, não obstante o avançado de sua idade, pois teve por fiel aquele que lhe havia feito a promessa (Hb 11.11). Que, por meio dele (Jesus Cristo), tendes fé em Deus, o qual o ressuscitou dentre os mortos e lhe deu glória, de sorte que a vossa fé e esperança estejam em Deus (1Pe 1.21). 35 J. Calvino, Exposição de Hebreus,(Hb 11.11), p Vejam-se também, Ibidem, (Hb 10.23), p. 270; João Calvino, Gálatas, São Paulo: Paracletos, 1998, (Gl 2.2), p. 49. A fé é um conhecimento firme e certo da vontade de Deus concernente a nós, fundamentado sobre a verdade da promessa gratuita feita em Jesus Cristo, revelada ao nosso entendimento e selada em nosso coração pelo Espírito Santo (J. Calvino, As Institutas, III.2.7). (Calvino explica detalhadamente esta definição a partir do Livro III, capítulo 2, seção 14ss). Ver: Juan Calvino, Sermones Sobre La Obra Salvadora de Cristo, Jenison, Michigan: T.E.L.L. 1988, Sermon nº 13, p. 156.

8 Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) Rev. Hermisten 3/4/2008 3:11 8 pessoas erram clamorosamente na interpretação da Escritura, deixando inteiramente suspensa a aplicação de tudo quanto se diz acerca do poder de Deus e em não descansar certas de que ele será também seu Pai, uma vez que fazem parte de seu rebanho e são partícipes de sua adoção Graça, Fé e Justificação: Graça pode ser definida como um favor imerecido, manifestado livre e continuamente por Deus aos pecadores que se encontravam num estado de depravação e miséria espirituais, merecendo o justo castigo pelos seus pecados 37 (Rm 4.4/Rm 11.6; Ef 2.8,9). 38 Calvino, diz que a graça é um antídoto contra a corrupção de nossa natureza. 39 Em outro lugar: O acesso à salvação a ninguém é vetado, por mais graves e ultrajantes sejam seus pecados. 40 A nossa salvação é decorrente do Pacto da Graça, através do qual Deus confiou o Seu povo ao Seu Filho para que Este viesse entregar a Sua vida por ele. Cristo deu a Sua vida em favor de todos aqueles que o Pai Lhe confiara na eternidade 41 (Is 42.6/2Tm 1.9; Jo 6.39; ,6-26). Assim, todos os homens judeus e gentios tanto no Antigo como no Novo Testamento fo- 36 João Calvino, O Livro dos Salmos, São Paulo: Paracletos, 1999, Vol. 2, (Sl 46.7), p Vejam-se outras definições em: A.W. Pink, Os Atributos de Deus, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 1985, p. 69; Idem., Deus é Soberano, São Paulo: Fiel, 1977, p. 24; A. Booth, Somente pela Graça, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 1986, p. 31; João Calvino, Exposição de Romanos, (Rm 5.15), p. 193; R.P. Shedd, Andai Nele, São Paulo: ABU., 1979, p. 15; W. Hendriksen, 1 y 2 Timoteo/Tito, Grand Rapids, Michigan: S.L.C., 1979, (Tt 2.11), p. 419; L. Berkhof, Teologia Sistemática, p. 74; W. Barclay, El Pensamiento de San Pablo, Buenos Aires: La Aurora, 1978, p. 154; L. Boettner, Predestinación, Grand Rapids, Michigan: S.L.C., [s.d.], p. 258; D.M. Lloyd- Jones, Por que Prosperam os Ímpios, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 1983, p. 103; J.I. Packer, O Conhecimento de Deus, p. 120; Tom Wells, Fé: Dom de Deus, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 1985, p. 101; Samuel Falcão, Predestinação, São Paulo: Casa E- ditora Presbiteriana, 1981, p ; James Moffatt, Grace in the New Testament, New York: Ray Long & Richard R. Smith. Ind., 1932, p. 5; Wayne A. Grudem, Teologia Sistemática, p. 146, 147; John Gill, A Complete Body of Doctrinal and Practical Divinity, The Collected Writings of: John Gill, [CD- ROM], (Albany, OR: Ages Software, 2000), I.13. p Ora, ao que trabalha, o salário não é considerado como favor, e sim como dívida (Rm 4.4). E, se é pela graça, já não é pelas obras; do contrário, a graça já não é graça (Rm 11.6). Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie (Ef 2.8,9). 39 João Calvino, Romanos, 2ª ed. São Paulo: Parakletos, 2001, (Rm 3.4), p João Calvino, As Pastorais, São Paulo: Paracletos, 1998, (1Tm 1.15), p Veja-se: John Gill, A Complete Body of Doctrinal and Practical Divinity, Arkansas: The Baptist Standard Bearer, 1989 (Reprinted), I.13. p. 83. [John Gill, A Complete Body of Doctrinal and Practical Divinity, The Collected Writings of: John Gill, [CD-ROM], (Albany, OR: Ages Software, 2000), I.13]. 42 Eu, o SENHOR, te chamei em justiça, tomar-te-ei pela mão, e te guardarei, e te farei mediador da aliança com o povo e luz para os gentios (Is 42.6). Que nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a sua própria determinação e graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos eternos (2Tm 1.9). E a vontade de quem me enviou é esta: que nenhum eu perca de todos os que me deu; pelo contrário, eu o ressuscitarei no último dia (Jo 6.39).

9 Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) Rev. Hermisten 3/4/2008 3:11 9 ram salvos pela graça. Assim declara o Apóstolo Paulo: Mas cremos que fomos salvos pela graça do Senhor Jesus, como também aqueles o foram (At 15.11). Mérito e graça são conceitos que se excluem: E, se é pela graça, já não é pelas obras; do contrário, a graça já não é graça (Rm 11.6). A graça divina e o mérito das obras humanas são tão opostos entre si que, se estabelecermos um, destruiremos o outro, conclui Calvino ( ). 43 De fato, a graça tem sempre como pressuposto a indignidade daquele que a recebe. 44 A graça brilha nas trevas do pecado; desta forma, a idéia de merecimento está totalmente excluída da salvação por graça (Ef 2.8,9; 2Tm 1.9). 45 Não há mérito humano na fé. A Palavra de Deus nos ensina que a nossa salvação é por Deus, porque é Ele Quem faz tudo; 46 por isso, o homem não pode criar a graça, antes, ela lhe é outorgada, devendo ser recebida sem torná-la vã em sua vida (2Co 6.1; 8.1/1Co 15.10). Uma manifestação mais intensa da graça de Deus para conosco eqüivale um maior peso de culpa sobre nós, se porventura viermos a desprezá-la. 47 A graça de Deus abre o nosso coração, fazendo-nos ver a necessidade da salvação, passando a desejá-la ardentemente desde então; 48 a graça de Deus promove a paz em nosso coração através da nossa reconciliação com Deus (Rm 5.1; 2Co /Rm 1.7; 1Co 1.3; 2Co 1.2). Em paz com Deus, somos agenciadores desta paz a- través da proclamação do Evangelho (Sl 34.14; Mt 5.9; Rm 12.18; 2Co 13.11; Hb 12.14/2Co 5.20) e, também, através de nossa conduta. Agora vivemos na esfera do Reino da graça, estando sob a graça, num estado de graça, numa nova posição em Cristo (Rm 5.2; 6.14; Ef 1.20; 2.6; Cl 1.13). A Escritura nos ensina que somos declarados justos pela justiça de Cristo. Conforme vimos, a justificação nos transfere de uma condição de condenado para a de herdeiro de Deus (Jo 3.18; At 13.39; Rm 3.28,30; 5.1; Gl 2.16; 3.24/Rm 8.1,7). Na regeneração recebemos um coração novo, com uma santa disposição; na justifica- 43 J. Calvino, Exposição de Romanos, (Rm 11.6), p Veja-se: A. Booth, Somente pela Graça, p Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de o- bras, para que ninguém se glorie (Ef 2.8,9). Que nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a sua própria determinação e graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos eternos (2Tm 1.9). 46 "... Em sua inteireza a nossa salvação procede do Senhor. É sua realização. Ele mesmo a- presenta Sua noiva a Si mesmo porque ninguém mais pode fazê-lo, ninguém mais é competente para fazê-lo. Somente Ele pode fazê-lo. Ele fez tudo por nós, do princípio ao fim, e concluirá a obra apresentando-nos a Si mesmo com toda esta glória aqui descrita" [D.M. L- loyd-jones, Vida No Espírito: No Casamento, no Lar e no Trabalho, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 1991, (Ef 5.27) p. 137]. Do mesmo modo acentua Murray: A salvação é do Senhor, tanto em sua aplicação como em sua concepção e realização (John Murray, Redenção: Consumada e Aplicada, p. 98). Vejam-se, R.B. Kuiper, El Cuerpo Glorioso de Cristo, Michigan: SLC., 1985, p. 169ss; 177ss.; C.H. Spurgeon, Sermões Sobre a Salvação, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 1992, p. 12ss. 47 João Calvino, Gálatas, São Paulo: Paracletos, 1998, (Gl 4.9), p A graça de Deus não só salva o homem: também mostra ao homem sua necessidade de ser salvo e introduz em seu coração o desejo de salvação (W. Barclay, El Pensamiento de San Pablo, Buenos Aires: La Aurora, 1978, p. 164).

10 Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) Rev. Hermisten 3/4/2008 3:11 10 ção Deus nos declara justos, perdoando todos os nossos pecados em Cristo. Já não há nenhuma condenação sobre nós; fomos reconciliados com Deus; estamos em paz com Deus respaldados pela justiça de Cristo (Vd. Rm 5.1; 8.1,31-33). O preço de nossa justificação, para nós gratuita, foi o sangue de Cristo Jesus. A nossa justificação é pela graça mediante a fé (Gl 3.11; Fp 3.9; Tt 3.4-7). "...A fé é o instrumento pelo qual o pecador recebe e aplica a si tanto Cristo como sua justiça". 49 A alegria espiritual é o resultado da nossa comunhão com Deus (Rm 5.1; 1Pe 1.6-9). 50 A alegria do Espírito é inseparável da fé, afirmou corretamente Calvino. 51 Aplicações Finais: 1) O pecado é universal: todos pecaram. O pecado nos aliena de Deus fazendonos caminhar em sentido oposto à Sua vontade. 2) A graça de Deus se manifesta em Cristo, Aquele que levou sobre Si os nossos pecados. Se Deus perdoasse o pecado sem contudo ministrar sua justiça, deixaria de ser Deus. A maravilha deste plano é que Deus, ao colocar os nossos pecados sobre Cristo e ao tratar deles punindo-os em Cristo, pode perdoar-nos e ainda ser justo. Ele puniu o pecado, não o esqueceu, não o ignorou. 52 3)A verdadeira fé é aquela que ouve a Palavra de Deus e descansa perseverantemente nas Suas promessas. 4) A fé salvadora é a boa obra do Espírito Santo em nós, baseando-se nos feitos do Pai e do Filho: A fé é resultado do ministério da Trindade em favor do Seu Povo. 5) É pela graça, mediante a fé, que tomamos posse da justiça de Cristo através da qual podemos dizer que já não há nenhuma condenação para nós: estamos em Cristo Jesus; portanto, em paz com Deus. Romanos 5.1-2: Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo; 2 por intermédio de quem obtivemos igualmente acesso, pela fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus. Romanos : Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores. 9 Logo, muito mais agora, sendo justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira. 10 Porque, se nós, quando inimigos, fomos reconciliados com Deus mediante a morte do seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida; 49 Catecismo Maior de Westminster, Pergunta Quanto à desconfiança puritana do excesso de alegria, Vd. J.I. Packer, Entre os Gigantes de Deus: uma Visão Puritana da Vida Cristã, São José dos Campos, SP.: Fiel, 1996, p João Calvino, O Livro dos Salmos, São Paulo: Paracletos, 1999, Vol. 2, (Sl ), p D.M Lloyd-Jones, Salvos desde a Eternidade, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 2005 (Certeza Espiritual: Vol. 1), p. 53.

11 Justificados, pois, mediante a fé... (Rm 5.1) Rev. Hermisten 3/4/2008 3: e não apenas isto, mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, por intermédio de quem recebemos, agora, a reconciliação. Romanos 8.1-4: Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus. 2 Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte. 3 Porquanto o que fora impossível à lei, no que estava enferma pela carne, isso fez Deus enviando o seu próprio Filho em semelhança de carne pecaminosa e no tocante ao pecado; e, com efeito, condenou Deus, na carne, o pecado, 4 a fim de que o preceito da lei se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito. Romanos : 31 Que diremos, pois, à vista destas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? 32 Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas? 33 Quem intentará acusação contra os eleitos de Deus? É Deus quem os justifica. 34 Quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu ou, antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus e também intercede por nós. São Paulo, 20 de outubro de Rev. Hermisten Maia Pereira da Costa

O Que é a Graça? Roger L. Smalling

O Que é a Graça? Roger L. Smalling 1 O Que é a Graça? Roger L. Smalling Porquanto a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens... Tito 2:11. Posto que a graça traz salvação, é crucial compreender o que a graça significa. Se

Leia mais

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha.

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha. O Plano da Salvação Contribuição de Pr. Oswaldo F Gomes 11 de outubro de 2009 Como o pecado entrou no mundo e atingiu toda a raça humana? [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo

Leia mais

Curso Bíblico. Lição 5. Restituição & Perdão

Curso Bíblico. Lição 5. Restituição & Perdão Curso Bíblico Lição 5 Curso Bíblico Para Novos Discípulos de Jesus Cristo Devemos a ndar de tal forma que sejamos dignos de ser chamados discípulos de Jesus. Restituição & Perdão No Antigo Testamento,

Leia mais

FÉ SALVAÇÃO BAPTISMO - COMUNHÃO - CEIA ORAÇÃO - MEDITAÇÃO

FÉ SALVAÇÃO BAPTISMO - COMUNHÃO - CEIA ORAÇÃO - MEDITAÇÃO FÉ SALVAÇÃO BAPTISMO - COMUNHÃO - CEIA ORAÇÃO - MEDITAÇÃO Samuel Pereira 2005 CAPITULO II SALVAÇÃO Fundamentos base para uma vida cristã 1 O QUE É A SALVAÇÃO? Eis a palavra cujo significado para muitos

Leia mais

Lição 10. Como entender a realidade da morte? Texto Bíblico: 1Coríntios 15.20-28; 43-58

Lição 10. Como entender a realidade da morte? Texto Bíblico: 1Coríntios 15.20-28; 43-58 Lição 10 Como entender a realidade da morte? Texto Bíblico: 1Coríntios 15.20-28; 43-58 Introdução: O Apóstolo Paulo estava trabalhando algumas discrepâncias doutrinárias na Igreja de Corinto e, especificamente,

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE TEOLOGIA SISTEMATICA (PERGUNTAS E RESPOSTAS)

QUESTIONÁRIO DE TEOLOGIA SISTEMATICA (PERGUNTAS E RESPOSTAS) QUESTIONÁRIO DE TEOLOGIA SISTEMATICA (PERGUNTAS E RESPOSTAS) 1. O que é Revelação segundo a Bíblia? Revelação segundo a Bíblia é trazer a luz aquilo que estava oculto, no que se refere ao programa de Deus

Leia mais

Lição 07 A COMUNIDADE DO REI

Lição 07 A COMUNIDADE DO REI Lição 07 A COMUNIDADE DO REI OBJETIVO: Apresentar ao estudante, o ensino bíblico sobre a relação entre a Igreja e o Reino de Deus, para que, como súdito desse reino testemunhe com ousadia e sirva em amor.

Leia mais

GRAÇA E FÉ por Rev. Fernando Almeida

GRAÇA E FÉ por Rev. Fernando Almeida 1 GRAÇA E FÉ por Rev. Fernando Almeida Introdução Muitos de nós ouvimos, com certa freqüência, pregadores que ao fazerem apelo, dizem coisas do tipo: dê uma chance para Jesus ou ainda deixe Jesus entrar

Leia mais

O QUE ACONTECE COM OS BEBÊS QUE MORREM? A G L Ó R I A D A T E O L O G I A R E F O R M A D A

O QUE ACONTECE COM OS BEBÊS QUE MORREM? A G L Ó R I A D A T E O L O G I A R E F O R M A D A O QUE ACONTECE COM OS BEBÊS QUE MORREM? A G L Ó R I A D A T E O L O G I A R E F O R M A D A Mera Curiosidade? Este assunto é fundamental para a nossa fé. Está muito longe de ser uma mera curiosidade. Batismo

Leia mais

Perdão Marca de Maturidade

Perdão Marca de Maturidade Perdão Marca de Maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO Mateus 18.15-22 15 - Ora, se teu irmão pecar contra ti, vai, e repreende-o entre ti e ele só; se te ouvir, ganhaste a teu irmão; 16 - Mas, se não te ouvir,

Leia mais

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus 1ª Carta de João A Palavra da Vida 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e o que as nossas mãos apalparam da Palavra da Vida 2 vida esta que

Leia mais

HISTÓRIA DA IGREJA. Prof. GUILHERME WOOD. APOSTILA NO SITE: http://www.ibcu.org.br/apostilas/historiaigreja.pdf

HISTÓRIA DA IGREJA. Prof. GUILHERME WOOD. APOSTILA NO SITE: http://www.ibcu.org.br/apostilas/historiaigreja.pdf HISTÓRIA DA IGREJA Prof. GUILHERME WOOD APOSTILA NO SITE: http://www.ibcu.org.br/apostilas/historiaigreja.pdf Reforma Protestante - Antinomismo Acusação contra Lutero Lutero x Johann Schneider (João (

Leia mais

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e I João 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam, a respeito do Verbo da vida 2 (pois a vida foi manifestada, e nós

Leia mais

Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.

Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. PRIMEIRA LEI ESPIRITUAL: O AMOR DE DEUS TEXTO: João 3:16 Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Jo 3:16 1 Qual

Leia mais

Ademir Ifanger A COMUNIDADE VIVENDO EM DISCIPULADO

Ademir Ifanger A COMUNIDADE VIVENDO EM DISCIPULADO Ademir Ifanger A COMUNIDADE VIVENDO EM DISCIPULADO 2 C o m u n i d a d e V i v e n d o e m d i s c i p u l a d o A COMUNIDADE VIVENDO EM DISCIPULADO A d e m i r I f a n g e r 3 Índice I. Espiritualidade

Leia mais

Estudos no Evangelho de João (1)

Estudos no Evangelho de João (1) Estudos no Evangelho de João (1) EU LHES TENHO DADO A TUA PALAVRA... (Jo 17.1-26) [14] Rev. Hermisten Maia Pereira da Costa INTRODUÇÃO: A mensagem de Cristo consistiu num testemunho fidedigno e eloqüente

Leia mais

Perfil da Igreja que possui maturidade

Perfil da Igreja que possui maturidade Perfil da Igreja que possui maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO Atos 2.7-45 7 - E, ouvindo eles isto, compungiram-se em seu coração, e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, homens irmãos?

Leia mais

BATISMO E SANTA CEIA

BATISMO E SANTA CEIA BATISMO E SANTA CEIA INTRODUÇÃO (Seria interessante que neste dia houvesse a celebração de uma cerimônia batismal, ou então uma santa ceia...) O cristianismo é uma religião de poder! E o apóstolo S. Paulo

Leia mais

LIÇÃO 1 - COMEÇANDO A VIDA CRISTÃ

LIÇÃO 1 - COMEÇANDO A VIDA CRISTÃ 2015 MDA REDE JOVEM Tornar-se um cristão espiritualmente maduro é a ação de maior valor que podemos fazer por nós mesmos. LIÇÃO 1 - COMEÇANDO A VIDA CRISTÃ Jesus foi maior evangelista que o mundo já viu.

Leia mais

O SENHOR JESUS CRISTO

O SENHOR JESUS CRISTO O SENHOR JESUS CRISTO I. SUA EXISTÊNCIA A) Provada pelo Antigo Testamento: (Mq 5.2; Is 9:6 Pai da Eternidade ) B) Provada pelo Novo Testamento: 1) João 1.1, em comparação com o versículo 14. 2) Jo 8.58

Leia mais

CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO

CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO ETERNIDADE DEUS PAI LOGUS ESPIRITO SANTO A TRINDADE 1Jo.5.7 LOGUS QUER DIZER PALAVRA OU VERBO SE REFERE AO FILHO NA ETERNIDADE I - SUA PRÉ-EXISTÊNCIA 1 - SUA EXISTÊNCIA

Leia mais

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus CAPÍTULO 2 O Propósito Eterno de Deus Já falamos em novo nascimento e uma vida com Cristo. Mas, a menos que vejamos o objetivo que Deus tem em vista, nunca entenderemos claramente o porque de tudo isso.

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

HAMARTIOLOGIA A DOUTRINA DO PECADO

HAMARTIOLOGIA A DOUTRINA DO PECADO Pr. Jorge Luiz Silva Vieira P á g i n a 1 A origem do pecado: HAMARTIOLOGIA A DOUTRINA DO PECADO Deus não pode pecar Ele é Santo (I Pe 1.16; I Jo 1.5) e não pode ser tentado pelo mal e a ninguém tenta

Leia mais

O Espírito Santo e a Santificação 1

O Espírito Santo e a Santificação 1 O Espírito Santo e a Santificação 1 Quem tem uma visão superficial da salvação deprecia a doutrina da santificação John F. MacArthur, Jr., Cómo Enfrentar a Satanas, Barcelona: CLIE., 1994, p. 95. Introdução:

Leia mais

FALANDO AOS DISCÍPULOS

FALANDO AOS DISCÍPULOS Religião ou Evangelho do Reino? B O L E T I M M E N S A L - A N O X I - N º 1 3 1 - D E Z E M B R O / 2 0 1 2 FALANDO AOS DISCÍPULOS Existem várias religiões, mas um só evangelho. A religião é obra do

Leia mais

LIÇÃO 6 A LEI, A CARNE E O ESPÍRITO

LIÇÃO 6 A LEI, A CARNE E O ESPÍRITO PORTAL ESCOLA DOMINICAL SEGUNDO TRIMESTRE DE 2016 ADULTOS MARAVILHOSA GRAÇA O evangelho de Jesus Cristo revelado na carta aos Romanos COMENTARISTA: JOSÉ GONÇALVES COMENTÁRIO: PR. JOSAPHAT BATISTA SOARES

Leia mais

AD Campinas- SP. Lição 2

AD Campinas- SP. Lição 2 TEXTO ÁUREO Escola Bíblica Dominical AD Campinas- SP Lição 2 12 de Abril de 2009 A Superioridade da Mensagem da Cruz "Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos,

Leia mais

Compartilhando a Sua Fé

Compartilhando a Sua Fé Livrinho 2 Pàgina 4 Lição Um Compartilhando a Sua Fé O Propósito desta Lição Agora que você descobriu a alegria de pecados perdoados e de uma nova vida em Cristo, sem dúvida quer que os seus familiares

Leia mais

SOBERANIA DE DEUS E A RESPONSABILIDADE HUMANA NA EVANGELIZAÇÃO

SOBERANIA DE DEUS E A RESPONSABILIDADE HUMANA NA EVANGELIZAÇÃO SOBERANIA DE DEUS E A RESPONSABILIDADE HUMANA NA EVANGELIZAÇÃO E disse-lhes (Jesus): "Vão pelo mundo todo e preguem o Evangelho a todas as pessoas. Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer

Leia mais

EPÍSTOLA DE PAULO AOS GÁLATAS

EPÍSTOLA DE PAULO AOS GÁLATAS Aula 02 EPÍSTOLA DE PAULO AOS GÁLATAS Para a liberdade foi que Cristo nos libertou. Permanecei, pois, firmes e não vos submetais, de novo, a jugo de escravidão (Gl 5:1). A Epístola aos Gálatas foi escrita

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

A VIDA COM DEUS. Batismo nas Águas

A VIDA COM DEUS. Batismo nas Águas A VIDA COM DEUS Batismo nas Águas Comunidade Evangélica Um Novo Tempo Deus é Fiel Presb. Marcos P. Gomes Igreja Zona Norte São Paulo 2014 1 INTRODUÇÃO A elaboração desta apostila tem como objetivo principal

Leia mais

Olá amigo estamos iniciando mais um programa da série Através da Bíblia. Você sabe que

Olá amigo estamos iniciando mais um programa da série Através da Bíblia. Você sabe que Olá amigo estamos iniciando mais um programa da série Através da Bíblia. Você sabe que este programa tem por objetivo estudar a Palavra de Deus, comentando detalhadamente os 1 seus diversos textos, no

Leia mais

24. Creio no Filho único de Deus. O Senhor 441-455. Texto 441-455 PRIMEIRA PARTE SEGUNDA SEÇÃO CAPÍTULO II: CREIO EM JESUS CRISTO, FILHO ÚNICO DE DEUS

24. Creio no Filho único de Deus. O Senhor 441-455. Texto 441-455 PRIMEIRA PARTE SEGUNDA SEÇÃO CAPÍTULO II: CREIO EM JESUS CRISTO, FILHO ÚNICO DE DEUS 24. Creio no Filho único de Deus. O Senhor 441-455 INTRODUÇÃO O comportamento, a mensagem, a pessoa de Jesus e toda a sua história, especialmente a o mistério pascal não podem ser explicados nem corretamente

Leia mais

- Deus nos manda perdoar como Ele em Cristo nos perdoou. Ef 4.32

- Deus nos manda perdoar como Ele em Cristo nos perdoou. Ef 4.32 Aula 5 e 6 A Importância do Perdão no Casamento? Objetivo da aula: Levar o aluno a compreendeer a força llibertadora e restauradora que o perdão oferece e de que forma buscar e conceder o perdão influencia

Leia mais

2015 O ANO DO DISCIPULADO

2015 O ANO DO DISCIPULADO IGREJA DE CRISTO NO BRASIL MINISTÉRIO ICRV 2015 O ANO DO DISCIPULADO NOSSA FUNDAÇÃO A Igreja de Cristo no Brasil foi fundada em 13 de dezembro de 1932, na cidade de Mossoró RN. Como organização denominacional,

Leia mais

Escola da Bíblia Rua Rio Azul, 200, Boa Viagem CEP: 51.030-050 Recife PE

Escola da Bíblia Rua Rio Azul, 200, Boa Viagem CEP: 51.030-050 Recife PE AS GRANDES DOUTRINAS DA BÍBLIA LIÇÃO 07 O QUE A BÍBLIA DIZ A RESPEITO DA SALVAÇÃO INTRODUÇÃO Chegamos ao que pode ser o tópico mais importante desta série: a salvação. Uma pessoa pode estar equivocada

Leia mais

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17)

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) Tivemos esta manhã a alegria de testemunhar vários baptismos bíblicos. Existem outras coisas e outras cerimónias às quais se dá o nome de baptismo. Existe até uma seita,

Leia mais

AD Campinas- SP. Lição 5

AD Campinas- SP. Lição 5 Escola Bíblica Dominical AD Campinas- SP Lição 5 03 de Maio de 2009 A Imoralidade em Corinto TEXTO ÁUREO "Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo e no vosso espírito,

Leia mais

Escola Bíblica Dominical COMPREENDENDO BATALHA ESPIRITUAL

Escola Bíblica Dominical COMPREENDENDO BATALHA ESPIRITUAL Escola Bíblica Dominical COMPREENDENDO BATALHA ESPIRITUAL Introdução Há um movimento dentro das Igrejas evangélicas de forte influência que ficou conhecido como: MOVIMENTO DE BATALHA ESPIRITUAL Características

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação

A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação 1 LIÇÃO 1 A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação que Deus tem Se revelado ao homem. Deus revela-se também através da Palavra Escrita, a Bíblia

Leia mais

A Unidade da Igreja A UNIDADE DA IGREJA

A Unidade da Igreja A UNIDADE DA IGREJA A UNIDADE DA IGREJA 187 17 A Unidade da Igreja T.B. Larimore, um pregador do evangelho cujo espírito cristão era notado por todos que o conheceram, explicava a unidade familiar da igreja de Cristo com

Leia mais

A Justificação em Paulo e Tiago George Knight III

A Justificação em Paulo e Tiago George Knight III 1 A Justificação em Paulo e Tiago George Knight III Nas cartas do apóstolo Paulo, a doutrina da justificação é o maravilhoso ensino bíblico de que Deus nos aceita como justos em Cristo e perdoa nossos

Leia mais

Igreja Batista Fundamental Taguatinga/DF. Aula 5 - Justiça e Justificação

Igreja Batista Fundamental Taguatinga/DF. Aula 5 - Justiça e Justificação Domingo, 29/03/2009 Autor: Fábio Ramos A Recapitulação Igreja Batista Fundamental Taguatinga/DF Aula 5 - Justiça e Justificação 1 Visão Geral I) somos servos que servem evangelizando II) perdidos estão

Leia mais

ANO DA FÉ A PAIXÃO, MORTE E RESSURREIÇÃO DE CRISTO

ANO DA FÉ A PAIXÃO, MORTE E RESSURREIÇÃO DE CRISTO ANO DA FÉ A PAIXÃO, MORTE E RESSURREIÇÃO DE CRISTO A morte de Cristo é ao mesmo tempo o sacrifício pascal, que realiza a redenção definitiva dos homens pelo "Cordeiro que tira o pecado do mundo" (Jo 1,29),

Leia mais

O ÚNICO REFÚGIO ETERNO. Quarta-feira, 17de abril de 2013. Buenos Aires, Argentina.

O ÚNICO REFÚGIO ETERNO. Quarta-feira, 17de abril de 2013. Buenos Aires, Argentina. Quarta-feira, 17de abril de 2013. Buenos Aires, Argentina. NOTA AO LEITOR Nossa intenção é fazer uma transcrição fiel e exata desta Mensagem, tal como foi pregada. Portanto, qualquer erro neste livreto

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS - FONTE ESTUDOS BÍBLICOS 2015

PERGUNTAS & RESPOSTAS - FONTE ESTUDOS BÍBLICOS 2015 PERGUNTAS & RESPOSTAS - FONTE ESTUDOS BÍBLICOS 2015 1) A Cruz era um instrumento de execução. Para os romanos, que tipo de pessoa era executado na cruz? E para os judeus? Resposta: Os romanos a usavam

Leia mais

JESUS, DEUS FILHO, É A 2a PESSOA DA TRINDADE

JESUS, DEUS FILHO, É A 2a PESSOA DA TRINDADE JESUS, DEUS FILHO, É A 2a PESSOA DA TRINDADE JESUS CRISTO: DEUS EM FORMA DE HOMEM A DIVINDADE DE CRISTO O Filho de Deus: A Pessoa e a Obra de Jesus Cristo Jesus Cristo, que é eternamente a segunda pessoa

Leia mais

A VOZ DA RESSURREIÇÃO

A VOZ DA RESSURREIÇÃO A VOZ DA RESSURREIÇÃO 24 A VOZ DA RESSURREIÇÃO Sexta-feira, 20 de dezembro de 2013 Cali, Colômbia Para maiores informações poderá visitar o Site: www.opoderdapalavrapura.com Ou através do e-mail: contato@opoderdapalavrapura.com

Leia mais

3ª LIÇÃO - AS 4 LEIS ESPIRITUAIS

3ª LIÇÃO - AS 4 LEIS ESPIRITUAIS 0 3ª LIÇÃO - AS 4 LEIS ESPIRITUAIS Este material tem sido usado em quase todo mundo e traduzido em diversas línguas por ter sido comprovado por sua eficácia por todos que o usam. Muitos são os seus benefícios,

Leia mais

Mortificando a carne, Para refletir a gloria de Deus

Mortificando a carne, Para refletir a gloria de Deus Mortificando a carne, Para refletir a gloria de Deus Romanos 8:13 Pois se vocês viverem de acordo com a carne, morrerão; mas, se pelo Espírito fizerem morrer os atos do corpo, viverão, Introdução: Cremos

Leia mais

Um Catecismo Batista Livre

Um Catecismo Batista Livre Um Catecismo Batista Livre Paul V. Harrison* A palavra mais comum no Novo Testamento traduzida como ensinar é a palavra grega didasko, do qual se deriva a palavra didática. Outra palavra grega traduzida

Leia mais

Epidemias Globais. Aula 25/10/2015 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira

Epidemias Globais. Aula 25/10/2015 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira Epidemias Globais Aula 25/10/2015 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira Conceituação O que é Endemia? Epidemia? Pandemia? Endemia: surto de doença que ocorre em apenas um determinado local ou região (febre

Leia mais

O Que é o Batismo com o Espírito Santo Deivinson Bignon

O Que é o Batismo com o Espírito Santo Deivinson Bignon O Que é o Batismo com o Espírito Santo Deivinson Bignon Todos os direitos reservados 2007 2 O Que é o Batismo com o Espírito Santo INTRODUÇÃO Eis um assunto muito polêmico no meio evangélico! Alguns profetas

Leia mais

Perguntas para Testar a Compreensão de 1 João

Perguntas para Testar a Compreensão de 1 João 1:1-4 1:5-7 1:8-10 Perguntas para Testar a Compreensão de 1 João P1 vs 1-3: O que eles ouviram, viram e tocaram? R: Jesus. P2 vs 3-4: Por que a carta foi escrita? R: Para que os leitores se juntassem ao

Leia mais

O MANDAMENTO DA CARIDADE Santo Tomás de Aquino

O MANDAMENTO DA CARIDADE Santo Tomás de Aquino O MANDAMENTO DA CARIDADE Santo Tomás de Aquino (Conferências sobre os dez mandamentos, proêmio.) 1. Introdução. Três coisas são necessárias à salvação do homem, a saber: a ciência do que se há de crer,

Leia mais

O CRISTÃO E A IDENTIDADE DOUTRINÁRIA. Uma introdução do curso

O CRISTÃO E A IDENTIDADE DOUTRINÁRIA. Uma introdução do curso O CRISTÃO E A IDENTIDADE DOUTRINÁRIA Sugestões bibliográficas: Uma introdução do curso BAVINCK, Herman. Dogmática Reformada. Vol 1-4. BERKHOF, Louis. Teologia Sistemática. 791pp. O Catecismo Maior de Westminster.

Leia mais

UM NOVO JEITO DE ORAR!

UM NOVO JEITO DE ORAR! Semana 13 a 18 de Julho célula@pibnet.com.br Momento 1-30 min- Quebra-Gelo e Lanche. Líder: nesse momento de chegada das pessoas priorize servir o lanche e ter um momento de descontração. Momento 2 - NOVA

Leia mais

O povo da graça: um estudo em Efésios # 34 Perseverando com graça - Efésios 6.18-24

O povo da graça: um estudo em Efésios # 34 Perseverando com graça - Efésios 6.18-24 Perseverando com graça Efésios 6.18-24 O povo da graça: um estudo em Efésios # 34 18 Orem no Espírito em todas as ocasiões, com toda oração e súplica; tendo isso em mente, estejam atentos e perseverem

Leia mais

O rei Davi e o seu palácio

O rei Davi e o seu palácio O rei Davi e o seu palácio 2 Sm 11:1-5 Estes versículos registram um terrível e assustador período na vida do rei Davi que poderia ter sido evitado, se o mesmo não escolhesse desprezar suas responsabilidades

Leia mais

APRESENTAÇÃO PREFÁCIO. à Bíblia do Pregador

APRESENTAÇÃO PREFÁCIO. à Bíblia do Pregador Curitiba, PR Barueri, SP APRESENTAÇÃO Por meio dessa amostra de A Bíblia do Pregador, você poderá ter uma ideia dos valiosos recursos contidos nessa obra desenvolvida especialmente para auxiliar na preparação

Leia mais

Mensagem de Nossa Senhora Rainha da Paz nº 2.060, de 04/06/2002, em Anguera/BA (terça-feira)

Mensagem de Nossa Senhora Rainha da Paz nº 2.060, de 04/06/2002, em Anguera/BA (terça-feira) Mensagem de Nossa Senhora Rainha da Paz nº 2.060, de 04/06/2002, em Anguera/BA (terça-feira) Queridos filhos, afastai-vos de todo mal e voltai-vos ao Senhor que vos espera com alegria. Limpai vossos corações

Leia mais

Comunidade Vida em Família Ministério de Intercessão Curso de Intercessão I.

Comunidade Vida em Família Ministério de Intercessão Curso de Intercessão I. Comunidade Vida em Família Ministério de Intercessão Curso de Intercessão I. Introdução. Na Carta aos Efésios 6.18, podemos perceber que há diversos tipos de oração, instruindo-nos o Espírito Santo que

Leia mais

POR AMOR AOS ESCOLHIDOS. William Soto Santiago Domingo, 12 de Junho de 2016 Venezuela. Solicite Literaturas Gratuitamente:

POR AMOR AOS ESCOLHIDOS. William Soto Santiago Domingo, 12 de Junho de 2016 Venezuela. Solicite Literaturas Gratuitamente: 20 POR AMOR AOS ESCOLHIDOS Solicite Literaturas Gratuitamente: William Soto Santiago Domingo, 12 de Junho de 2016 Venezuela CENTRO DE DIVULGAÇÃO DO EVANGELHO DO REINO cder@mgconecta.com.br centroder@hotmail.com

Leia mais

Mais do que Vencedores ou Mais do que Vencidos. Missionário Pastor Danny Hawkins

Mais do que Vencedores ou Mais do que Vencidos. Missionário Pastor Danny Hawkins Mais do que Vencedores ou Mais do que Vencidos. Missionário Pastor Danny Hawkins Mas, em todas estas coisas somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou. Romanos 8:37 Todos os dias nós temos

Leia mais

Centralidade da obra de Jesus Cristo

Centralidade da obra de Jesus Cristo Centralidade da obra de Jesus Cristo MÓDULO 3 3ª AULA AULA 3 MÓDULO 3 SALVAÇÃO EM CRISTO Jesus no Centro Por que deve ficar claro isso? Dá para evangelizar sem falar de Jesus? É possível partir de outro

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal Personal Commitment Guide Guia de Compromisso Pessoal Nome da Igreja ou Evento Nome do Conselheiro Telefone 1. Salvação >Você já atingiu um estágio na vida em que você tem a certeza da vida eterna e que

Leia mais

O que é o batismo nas águas? Por que o fazemos? Como deve ser ministrado, quando e para quem?

O que é o batismo nas águas? Por que o fazemos? Como deve ser ministrado, quando e para quem? O Batismo nas Águas O que é o batismo nas águas? Por que o fazemos? Como deve ser ministrado, quando e para quem? É UMA ORDENANÇA DE JESUS O batismo é uma ordenança clara de Jesus para todo aquele que

Leia mais

Verdade. A vida eterna está em Jesus Cristo

Verdade. A vida eterna está em Jesus Cristo Verdade 3 A vida eterna está em Jesus Cristo Primeiro Dia A chegada da morte Remédios, exames, hospitais, aparelhos sofisticados, equipamentos de segurança e proteção visam preservar e proteger a vida.

Leia mais

cerj G uia orientador de meditação bíblica diária Epístola aos Romanos (42-43) Dia 29: Dia 30: Leitura de Romanos 9, 10 e 11 em diferentes versões.

cerj G uia orientador de meditação bíblica diária Epístola aos Romanos (42-43) Dia 29: Dia 30: Leitura de Romanos 9, 10 e 11 em diferentes versões. Pág. 1 Dia 29: Leitura de Romanos 9, 10 e 11 em diferentes versões. Digo a verdade em Cristo, não minto, testemunhando comigo, no Espírito Santo, a minha própria consciência: tenho grande tristeza e incessante

Leia mais

KJV King James Bible Study Correspondence Course An Outreach of Highway Evangelistic Ministries 5311 Windridge lane ~ Lockhart, Florida 32810 ~ USA

KJV King James Bible Study Correspondence Course An Outreach of Highway Evangelistic Ministries 5311 Windridge lane ~ Lockhart, Florida 32810 ~ USA 1 Lição 0 Já nasceu de novo? (volte para a página 5) Perguntaram a John Wesley porque razão ele pregava várias vezes, acerca de devem nascer de novo. Ele respondeu, porque vocês devem nascer de novo! Já

Leia mais

Igreja Pentecostal da Bíblia

Igreja Pentecostal da Bíblia Igreja Pentecostal da Bíblia 2014 O Ano de Josué ** Fidelidade Josué cap. 24 ** Pastoreio # 014 Direção Nacional Retorno: Antes do pastoreio #014 é hora de ouvir: Motive os envolvidos no pastoreio a relatar

Leia mais

Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras)

Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras) Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras) Mostre o "Homem em Pecado" separado de Deus Esta luz (aponte para o lado direito) representa

Leia mais

Serie: Nova Identidade PERCEPÇÕES DO CRISTO. 6º ESTUDO. Apostila 6 Percepções de Cristo

Serie: Nova Identidade PERCEPÇÕES DO CRISTO. 6º ESTUDO. Apostila 6 Percepções de Cristo Apostila 6 Percepções de Cristo Introdução: Houve algo de comum entre esses cristãos do século I, do Norte da Turquia e nós hoje. Mesmo não o tendo visto, vocês o amam; e apesar de não o verem agora, creem

Leia mais

POR QUE É DIFÍCIL CRER? Pr. Bullón. www.sisac.org.br

POR QUE É DIFÍCIL CRER? Pr. Bullón. www.sisac.org.br POR QUE É DIFÍCIL CRER? Pr. Bullón www.sisac.org.br "O texto bíblico escolhido está em Efésios 2:8-10: "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não de obras,

Leia mais

Muitos descrentes ao observarem a obra da cruz em sua visão natural pensam que tal gesto praticado por Jesus parece ser de derrota e não de vitória.

Muitos descrentes ao observarem a obra da cruz em sua visão natural pensam que tal gesto praticado por Jesus parece ser de derrota e não de vitória. 1 A OBRA DA CRUZ Mas longe esteja de mim gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu, para o mundo. Gálatas 6.14 OBJETIVO. Este sermão tem

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA I. E. S.O.S JESUS

ESCOLA BÍBLICA I. E. S.O.S JESUS Data: 03/03/08 COMO A MORTE ENTROU NO MUNDO PECADO Significa errar o alvo, rebelião, desobediência. etc. HERMENEUTICA A arte de interpretar o sentido das palavras em leis, textos, Romanos, 5 : 12 12 Portanto,

Leia mais

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 Mantendo-vos, portanto, firmes, tendo cingido os vossos rins com a verdade, vestindo a couraça da justiça e calçando os pés

Leia mais

No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!

No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! SÉRIE: QUEM É JESUS? Jesus é o Cordeiro de Deus Data: / 09 / 2010 - Semana 4. No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! 1 / 7 1)

Leia mais

A ressurreição do corpo

A ressurreição do corpo A ressurreição do corpo [ ESTUDO 5 ] O resultado principal da segunda vinda de Cristo, do ponto de vista da escatologia individual, é a ressurreição. Essa é a base da esperança do crente diante da morte.

Leia mais

O SENHOR É A NOSSA BANDEIRA. William Soto Santiago Sábado, 28 de Fevereiro de 2015 Vila Hermosa -Tabasco México

O SENHOR É A NOSSA BANDEIRA. William Soto Santiago Sábado, 28 de Fevereiro de 2015 Vila Hermosa -Tabasco México O SENHOR É A NOSSA BANDEIRA William Soto Santiago Sábado, 28 de Fevereiro de 2015 Vila Hermosa -Tabasco México Reverendo William Soto Santiago, Ph. D. CENTRO DE DIVULGAÇÃO DO EVANGELHO DO REINO http://www.cder.com.br

Leia mais

Instrumento para integração e entendimento da Palavra de Deus à aqueles que estão num processo de conversão e início de discipulado.

Instrumento para integração e entendimento da Palavra de Deus à aqueles que estão num processo de conversão e início de discipulado. Instrumento para integração e entendimento da Palavra de Deus à aqueles que estão num processo de conversão e início de discipulado. RA - Bíblia Revista e Atualizada NTLH Nova Tradução na Linguagem de

Leia mais

Série: Nova Identidade NASCIDOS PARA CRESCER 10º ESTUDO. Apostila 10 Nascidos para Crescer

Série: Nova Identidade NASCIDOS PARA CRESCER 10º ESTUDO. Apostila 10 Nascidos para Crescer Apostila 10 Nascidos para Crescer Introdução: Ao longo de todo o primeiro capítulo de 1Pedro, Pedro falou das razões porque devemos ter segurança nos tempos de crise, e o que devemos fazer nestas circunstâncias.

Leia mais

Cristo e Este Crucificado (Mensagem entregue pelo irmão Stephen Kaung em Richmond- Virginia-USA no dia 11 de março de 2007)

Cristo e Este Crucificado (Mensagem entregue pelo irmão Stephen Kaung em Richmond- Virginia-USA no dia 11 de março de 2007) Cristo e Este Crucificado (Mensagem entregue pelo irmão Stephen Kaung em Richmond- Virginia-USA no dia 11 de março de 2007) Poderiam abri em primeira aos Coríntios capítulo 2, vamos ler todo o capítulo.

Leia mais

chei os do Espírito Santo. Assim,

chei os do Espírito Santo. Assim, A Promessa do Pai Texto Base: At 1.4 = E, estando com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, que (disse ele) de mim ouvistes.... a promessa do

Leia mais

CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO. APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07

CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO. APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07 CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07 A trindade sempre existiu, mas se apresenta com maior clareza com vinda de Cristo e a redação do Novo Testamento. Por exemplo,

Leia mais

Leituras: Ex 34, 4b-6.8-9; 2 Cor 13, 11-13; Jo 3, 16 18

Leituras: Ex 34, 4b-6.8-9; 2 Cor 13, 11-13; Jo 3, 16 18 // De acordo com o calendário litúrgico, neste domingo (19), comemoramos a festa da Santíssima Trindade. Dom Emanuele Bargellini - Prior do Mosteiro da Transfiguração (Mogi das Cruzes - São Paulo), doutor

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

EVANGELISMO CRIATIVO Pr. Carlos Alberto. Leitura do Contexto Observar a realidade. Qualidade Total Eficiência do produto apresentado

EVANGELISMO CRIATIVO Pr. Carlos Alberto. Leitura do Contexto Observar a realidade. Qualidade Total Eficiência do produto apresentado EVANGELISMO CRIATIVO Pr. Carlos Alberto Leitura do Contexto Observar a realidade Qualidade Total Eficiência do produto apresentado Relacionamentos Capacidade de fazer amizades Conservando Resultados Discipulado

Leia mais

Pecado e Perdão. "Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor.

Pecado e Perdão. Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor. Publicado na Quarta-feira, 23 de Agosto de 2006 Este artigo foi lido 573 vezes em nosso site O Poder da Fé Pecado e Perdão "Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna,

Leia mais

O Sacramento da Confissão, Penitência ou Reconciliação

O Sacramento da Confissão, Penitência ou Reconciliação O Sacramento da Confissão, Penitência ou Reconciliação O SACRAMENTO que apaga os pecados, como já vimos, é o Batismo. Assim como também já vimos que, mesmo após o Batismo, continuamos a experimentar as

Leia mais

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ EBD DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ OLÁ!!! Sou seu Professor e amigo Você está começando,hoje, uma ETAPA muito importante para o seu CRESCIMENTO ESPIRITUAL e para sua

Leia mais

YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos

YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos 4.12) Quando você se arrepende dos seus pecados e crê

Leia mais

No entanto, por mais dedicado, íntegro e capacitado que um líder ou pastor seja, jamais chegará, se quer, aos pés do Senhor Jesus.

No entanto, por mais dedicado, íntegro e capacitado que um líder ou pastor seja, jamais chegará, se quer, aos pés do Senhor Jesus. A sociedade, em todas as nações, encontra-se doente. A maioria das pessoas tem a alma enferma. Nesses últimos dias, o que tem acontecido no Sebastião Norões, tem nos mostrado que até as crianças estão

Leia mais

O SER DE DEUS E A TRINDADE

O SER DE DEUS E A TRINDADE O SER DE DEUS E A TRINDADE INTRODUÇÃO 1. O que é a disciplina? É o estudo sobre a Pessoa de Deus como é revelada na Bíblia e na Revelação Geral. 2. Importância: - Conhecer quem é Deus é fundamental para

Leia mais

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Shedd, Russell P. Disciplina na igreja / Russell P. Shedd. 2. ed. São Paulo: Vida Nova, 2013. ISBN 978-85-275-0542-0

Leia mais

TITO. Introdução Esboço Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 INTRODUÇÃO

TITO. Introdução Esboço Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 INTRODUÇÃO TITO Introdução Esboço Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 INTRODUÇÃO O tema desta epístola é parecido com o de todas as Pastorais, enfatizando a conexão da doutrina, confiada aos homens fiéis, com a santidade

Leia mais