A TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO E A PRATICA DA OBRA KOLPING. (Pe. Paulo Link)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO E A PRATICA DA OBRA KOLPING. (Pe. Paulo Link)"

Transcrição

1 A TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO E A PRATICA DA OBRA KOLPING (Pe. Paulo Link) A fé cristã não se limita ao intimo dos corações, mas é celebrada também na comunidade. Quero, sobretudo, ir para as ruas, para a agitação da vida, para o mundo tal como é. A fé deseja sempre transformar-se em práxis. Sob a denominação de Teologia da Libertação (TL) vem-se desenvolvendo nesses últimos tempos na América Latina um processo que mostra como a fé cristã, durante séculos restritos á vida interior e ao ambiente das igrejas, pode provocar a mudança de situações sociais extremamente injustas. Esse processo é por uns festejados como a fé do povo simples, a qual finalmente se tornou eficaz, ao passo que outros a temem como distorção do Cristianismo ou o Marxismo dos pobres. Desde o início dos anos 70, a Obra Kolping, que surgiu na Europa no começo da era da industrialização, criada pelo sacerdote católico e educador popular Adolfo Kolping, empenha-se em emprestar a sua contribuição para a solução dos grandes problemas sociais determinados principalmente pela situação Norte-Sul. Os sujeitos das atividades são grupos locais que se organizam em base regional e nacional. E óbvio que iniciativas de auto-ajuda, que se desenvolvem dessa maneira, só podem apresentar-se em sintonia e colaboração com as forças que levam à promoção e libertação do povo. Tentaremos, nas páginas que seguem, explicar como foi que surgiu a Teologia da Libertação, o que contém de positivo, o que apresenta de discutível e qual a posição que se deve tomar. A fé não pode ser reduzida a um sentimento, nem a uma mera celebração. Sem obra, a fé é morta (Tiago). A fé deve tornar-se prática de transformação do que e a Teologia da Libertação quer provocar situações dramáticas exigem soluções urgentes (Paulo VI). 1. COMO SURGIU A TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO PRIMEIRO: A TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO (TL) E UMA NOVA FORMA DE TEOLOGIA Teologia é a tentativa sempre renovada de pensar os mistérios da fé e de transmiti-los ao homem sedento de felicidade e salvação. O seu ponto de partida é a fé vivida no dia-a-dia. Sua alma é a oração. Seu corpo é a pesquisa.

2 Seu sentido permanente é o serviço na fé para que esta se traduza plenamente na vida do homem, seja vivida na comunidade e penetre em todos os domínios da vida. Ela só é possível sempre como obra parcial. Cada época tem a sua ênfase própria. Na antiguidade a Teologia refletiu principalmente sobre Deus em si. Na Idade Média preocupava-se em saber como se pode obter a graça de Deus. Na Idade Moderna concentrou-se no homem indagando se a revelação de Deus serve ou não a sua liberdade. O século XX é o século da Igreja e no Concilio Vaticano II os cristãos discutiram sobre o que podem e devem fazer como Igreja em um mundo agitado, desenvolvendo-se vertiginosamente, carregado de conflitos e enlouquecido. SEGUNDO: A TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO DETERMINADA PELOS SINAIS DOS TEMPOS Sinais dos tempos: são fatos e acontecimentos que nunca existiram, que chamam a nossa atenção, que nos fascinam, que nos agridem e provocam uma tomada de posição. Sinais dos tempos: em primeiro plano são progressos arrebatadores e escândalos espantosos. Progressos que extasiam a humanidade. Por exemplo, a viagem do homem a lua e a exploração da energia do átomo. Escândalos que chocam profundamente o homem: basta lembrar as guerras que o nosso século teve que presenciar, as calamidades de fome que ameaçam povos inteiros. Sinais dos tempos: em segundo plano são as revoluções que ocorreram em determinados tempos e lugares e que depois se espalharam e continuam ainda se espalhando irresistivelmente por toda a humanidade com as suas promessas desmedidas e com as suas desilusões ainda mais desmedidas. Assim a revolução industrial inglesa promete o homem novo e a libertação da humanidade da miséria material mediante o uso do dinheiro, da técnica e das maquinas. A Revolução Francesa ou política promete o homem novo e a libertação da humanidade do altar, do trono, do além, de Deus, quando o homem tomar consciência da fonte mais profunda de sua felicidade, a liberdade. A Revolução Russa ou social, promete o homem novo e a libertação da humanidade das diferenças de classe e das injustiças sociais, quando sob uma rigorosa aplicação do princípio ordenador da igualdade a sociedade estiver totalmente organizada.

3 No mundo europeu as revoluções propagam-se em um espaço de tempo de 150 anos. Mas no caso da América Latina, inundaram-na em pouquíssimo tempo como um rio impetuoso. Bem poucos foram os beneficiados pelas bênçãos da prosperidade material do capitalismo, dos direitos humanos do liberalismo e da justiça do socialismo. A grande massa vive na marginalização, mas apesar de toda a frustração sente um profundo anseio de libertação e de nova humanidade. Sinais dos tempos: em um nível mais profundo são os fatos do Antigo e do Novo Testamento que se encontram igualmente presentes e em ação. As vitórias e desastres de Israel, a morte e a ressurreição do "Último Homem" Jesus de Nazaré. São esses os sinais dos tempos e o sinal do tempo. Indicam a profunda realidade da fé: o homem que anseia pelo Absoluto e por Deus que se relaciona com o homem. Sinais dos tempos para os cristãos não é tanto a sociologia, mas antes sim, um acontecimento de fé. "Sabeis muito bem distinguir os aspectos do céu, mas não sois capazes de 'reconhecer os sinais dos tempos" Mt 16,3. Teologia da Libertação é a confrontação dos sinais dos tempos com o Sinal do Tempo. TERCEIRO: TEOLOGIA DA LIBERTACAO E A IMPACIENCIA DIANTE DA EXTREMA MISERIA SOCIAL TRANSFORMADA EM TEOLOGIA O que está em jogo é a solução da questão social tanto da velha questão social referente às relações entre capital e trabalho como o a nova questão social que se preocupa com a justiça e a igualdade de oportunidades dentro da sociedade; tanto a pequena questão social que se refere a uma grande questão social que hoje assume proporções mundiais, ou seja a problemática Norte-Sul, as relações entre os países industrializados super ricos e os países subdesenvolvidos, não raro totalmente arruinados. A questão social é tão antiga quanto a humanidade. No entanto, tornou-se particularmente aguda a partir da era da industrialização. Na América Latina durante os últimos vinte anos tornou-se simplesmente "gritante". O relatório do Banco Mundial de 1983 sobre o desenvolvimento mundial indica, por exemplo, que a classe alta do Brasil (20% da população) detém 66% de toda a renda. A campanha da fraternidade de 1985 "pão quem tem fome" lembra que dos 130 milhões de brasileiros, 80 milhões são subnutridos. Diariamente morrem neste país

4 1000 crianças, a maioria de fome. Em 1983, os salários subiram 142%, enquanto um dos alimentos básicos, o feijão teve uma elevação de 500 % Nesse contexto escrevem Leonardo e Clodovis Boff: "o novo nesta Teologia não resulta dela mesma, mas... da tremenda problemática histórica com que se defronta em nome da fé da Igreja: com a situação de pobreza e opressão e com a coexistência ética e cristãos de novas fôrmas de organização social". Segundo estes autores, ela não é nada mais que "o grito articulado dos pobres a partir da fé". A TL é uma forma de pensamento cristão... em uma época revolucionária (Gollwitzer) 2. O QUE E POSITIVO? Primeiro: A Teologia da Libertação torna consciente com veemência profética uma situação que no mundo moderno com excessiva facilidade e não sem interesse é relegada ao esquecimento. E a sorte do SUB-HOMEM que clama ao céu, do irmão pobre da terra que vive a margem embaixo, que soma milhões, para os quais não há lugar na mesa da humanidade. E o homem sem nome; - sem força e sem saúde; - sem pão, sem roupa e sem moradia; -sem-trabalho; - sem segurança - sem relacionamentos sociais; - sem terra, sem direito e sem crédito; - sem sentido, sem ânimo-e sem esperança; E este homem e não tanto o homem que não crê que constitui o objeto da preocupação da TL. A TL toma o partido dele. O empenho primeiro ato decisivo. A reflexão sobre ele e o empenho em seu favor é o segundo ato. Esta é a TL. Segundo: Graças a TL a fé vai para as ruas, para o meio do povo, para a discussão pública. O objeto da Igreja é a salvação definitiva do homem. Mas essa deve ser transmitida ao homem concreto. O homem concreto é ele mesmo e as suas circunstâncias. As circunstâncias são processos, situações e estruturas econômicas, sociais, culturais, políticas. A fé não pode ficar indiferente a elas. E diferente alguém nascer de baixo de uma ponte ou em uma casa bem mobiliada. A Igreja tem o dever de

5 "anunciar a libertação de milhões de seres humanos... de ajudar para que essa libertação se torne realidade." (e "ocorra em plenitude) (EN 30). Terceiro: Graças à TL, na América Latina uma oposição desnorteada e não raro agressiva se confronta permanentemente com a exigência de um mínimo de direitos e deveres humanos. Em situações de conflito e reconhecida a autoridade da Igreja. Bispos e padres foram chamados na fase de conflitos das greves do ABC de são Paulo. As suas palavras foram ouvidas, as suas orações foram acompanhadas e a sua influência foi aceita. A Igreja coloca-se decididamente do lado do povo. Os governos latinoamericanos deveriam sentir-se felizes em ter tal oposição. Que diferença entre a influência da fé entre o Irã e o Brasil. 3. O QUE E DISCUTIVEL Primeiro: E discutível a tendência a apresentar uma visão unilateral e excessivamente negativa da realidade. A realidade é de antemão limitada ao aspecto econômico, social e político e na análise que parte dos fenômenos e indaga as causas mais profundas "não resta Pedra sobre pedra". A sociedade não esta corrompida só na sua periferia, mas em toda a sua substância pela exploração desumana dos pobres pelos ricos, pela injustiça institucionalizada, o pecado social, o egoísmo. Ora, os cristãos não devem ser otimistas ingênuos e que só vêem coisas positivas, mas tampouco, em nenhum ma hipótese devem ser sombrios, pessimistas que se julgam cercados de tropas por todos os lados. Eles devem ser homens que, dotados de uma consciência críticoconstrutivo, primeiramente descobrem os valores e depois, mostram com toda a clareza os problemas. Segundo: E discutível a tendência de não destacar suficientemente a originalidade da fé cristã. A Teologia da Libertação trabalha segundo o método "ver - julgar - agir" Ver: Trata-se da compreensão da realidade, utilizando-se para isto principalmente as ciências sociais (intervenção sócio-analítica) Julgar: A realidade assim vista é julgada à luz da fé (intervenção hermenêutica) Agir: Da confrontação entre a fé e a realidade seguem-se as conseqüências: opções, ações, táticas e estratégias (intervenção pastoral). Nesse processo a fé cristã é simplesmente considerada como existente. Trata-se de uma descoberta, ou da

6 descoberta simplesmente de que essa fé se realizou na vivência de acontecimentos históricos concretos em Israel e em torno de Jesus de Nazaré, Cristo aparece como figura única, extraordinária e acima de tudo, como caminho, verdade e vida: "Nunca vimos coisa semelhante", isto, quer dizer esta "unicidade" é suficientemente pressuposta. Esse fato deveria ser novamente destacado por cada Teologia. Mas, ao contrário disso,cristo e seu projeto, o Reino, é excessivamente restrito a certas situações de conflito. Só se dá importância àqueles fatos salvificos que são importantes para a prática concreta da libertação. Pecado pessoal, graça, conversão, penitência e salvação, céu, essas dimensões todas não são negadas, mas não recebem peso igual. A boa, genuína Teologia da Libertação alimentou-se profundamente nas fontes da Bíblia e dos Sacramentos. Proclama a palavra de Deus como força libertadora e orientadora. Na Liturgia celebra a festa da vitória sobre o pecado e sobre a morte. Como expressão da palavra e da presta serviços que têm por projeto a transformação do homem e da sociedade segundo a nova vida que se manifestou em Cristo. O centro da evangelização libertadora é a concepção do homem que, como imagem e semelhança de Deus é chamado a ser senhor, irmão e filho. Senhor que deve dominar as coisas e sistemas. Irmão que vê no próximo uma criatura e dádiva de Deus, que agradece que se torna generoso e começa a servir segundo a lei do receber e do compartilhar. Filho que se deixa surpreender pela vida, que de Deus espera não apenas alguma, coisa, mas tudo, e o adora. Se o homem viver como filho, irmão e senhor, haverá libertação. Libertação da escravidão, do pecado e da morte. Libertação para a participação na vida em todas as suas dimensões e finalmente comunhão com o próximo e com Deus. Libertação, participação e comunhão são as grandes etapas da evangelização libertadora. Terceiro: E discutível a tendência a colocar toda a esperança na práxis - Ver é importante, julgar é mais importante, mas o mais importante de tudo é o agir, sobretudo o agir político. Não se nega a ação de Cristo, mas não lhe é dado seu valor decisivo supremo. O sofrimento e a Cruz de Cristo válida para todos os tempos e para toda a eternidade, esse ato salvífico supremo, único e definitivo em muitas liturgias não é tão celebrado quanto a práxis dos cristãos engajados pelos pobres. Entretanto, foi a ação dele e não a nossa que trouxe a salvação.

7 E verdade que a fé sem obras é morta. Mas as obras sem fé, que não se entendem como expressão da forca de Cristo, facilmente podem vir a transformar-se em orgulho. O que e festejado e exaltado até as alturas do céu não é, o silencioso, o cotidiano, o serviço do amor, nem o trabalho de formação realizado dia apos dia, nem os grupos de auto-ajuda que se baseia no seu próprio trabalho mas a práxis política que interfere com autoridades e instituições; com, empresas multinacionais e com o sistema capitalista. Pessoas que sempre precisam de ser carregadas, os totalmente pobres, que não são capazes de informar-se, de formar-se e nem de organizar-se, e que, portanto, não representam nenhum potencial histórico, são vistas como corpos estranhos à margem da grande estrada da historia. Como na prática da libertação as soluções radicais não ocorrem imediatamente, a luta pela justiça e pela liberdade não raro se reduz a meros discursos de tipo contestatório. Esta práxis torna-se então um fator de frustração e de bloqueio. Melhor seria então a montagem de um processo com etapas, metas parciais, passos pequenos, médios e grandes. 4. QUE POSIÇÃO TOMAR Primeiro: Procurar dialogar e aprender O Concilio Vaticano II pediu que os Cristãos, ao tratar com pessoas de opiniões e convicções diferentes, se abstivessem das controvérsias e procurassem o diálogo. A controvérsia só enxerga o lado negativo do adversário para diminuí-lo. O diálogo, ao contrário, vê o lado positivo do próximo para ajudar a eleva-lo no espírito de Cristo. Teologia da Libertação que parte dos fatos bíblicos da salvação que "santifica" o Senhor na oração e na liturgia, anunciando através da palavra e dele dando testemunho nos atos, Teologia da Libertação que se coloca ao lado dos milhões de sub-homens, Teologia da Libertação que através de um silencioso serviço diaconal, através de sonoros clamores proféticos, através da persuasão e da pressão trabalha na construção de uma sociedade nova é uma bênção tão grande para a Igreja e para o mundo e um bem tão grande que precisa ser conservado, desenvolvido e comunicado a todo o mundo. Um homem como Adolfo Kolping, se vivesse hoje, com toda a certeza compartilharia as preocupações da Teologia da Libertação. Adolf Kolping em sua época procurou dar uma contribuição parara solução do problema social. Dedicou se à renovação religioso-moral, à ajuda mutua dos indivíduos. A sua preocupação era a

8 transformação social através da transformação do homem, mas também a criação e a renovação de estruturas sem as quais dificilmente o homem pode transformar-se. Em 16 anos reuniu sócios em 418 associações. O Papa João Paulo II chama-o de "exemplo para a Igreja de hoje". O Cardeal Arns de são Paulo, Brasil, caracteriza-o como "Homem do Terceiro Mundo". A Obra Kolping que conta atualmente com 300 grupos e membros em cinco países da América Latina, atinge cerca de pessoas através de cursos e programas que, desde as suas origens segue a opção pelos pobres e pelos jovens, deve permanecer em constante diálogo com a TL sadia, biblicamente fundamentada e orientada segundo a realidade plena, por estar sempre lembrada da situação dos pobres de Deus, deve aguçar o olhar para as condições de natureza social e política, deve aprender a dimensão política e trazer contribuições autênticas para o bem comum. Uma família Kolping local que vive de conformidade com os programas "religião, trabalho, tempo livre, família sociedade" é comunidade eclesial de base, é democracia local. Coordenadas em federações regionais e nacionais podem conseguir mais que movimentos populares totalmente desorganizados. Finalmente quando na nova e grande questão social se trata de justiça e igualdade entre grupos, classes e países, uma federação social católica como a Obra Kolping pode apresentar sinais de uma solidariedade efetiva. Segundo: Fazer aquilo que a TL propõe O ponto crucial que choca na TL é o convite para colocar-se do outro lado, de ver o mundo através dos olhos do pobre, assumir as suas esperanças e idéias. Aliás, segundo o próprio Cristo, e a Bíblia empresta a esse fato uma ênfase muito clara, o mundo melhora não quando os maus se voltam para os bons, o que e praticamente impossível, mas quando os bons procuram os maus, o que é possível. Mas esse imperativo é como um espinho na carne. E norma geral crista dirigir-se para onde alguma coisa está sendo desprezada, marginalizada, enfim considerada como um mal. E na sociedade de hoje este é o sub-homem que simplesmente não pode ser excluído do nosso pensar, sentir, falar e agir, se quisermos ser cristãos. Trata-se de sua libertação real, efetiva e atual. E evidente que o compromisso da libertação é uma questão realmente prática e que não pode ser deixada para outros e para um futuro remoto. E doloroso constatar que em um continente em que se fala muito, mas se age pouco, a tarefa inadiável da libertação dos pobres em tantos casos é relegada ao campo

9 do academicismo. Tanto mais são de admirar os inúmeros bispos, os padres, religiosos, leigos que muitas vezes não possuem o predicado da TL, mas na prática do dia-a-dia libertam este e aquele indivíduo, este e aquele grupo da dura sorte da marginalização Terceiro: Reforçar a solidariedade O que na América Latina é chamado de "Libertação" nos países europeus em geral é chamado de "Ajuda para o Desenvolvimento". Os dois processos precisam de ser mais sintonizados. Não se pode resolver a questão com a posição radical do "tudo ou nada". Há muita necessidade de aprendermos a nos conhecermos mutuamente. Principalmente, precisamos muito caminhar juntos. A libertação real, efetiva e atual do homem que vive marginalizado só é possível em um processo. Impõe-se uma estratégia em que pequenos passos levem a passos médios e esses por sua vez aos grandes passos da transformação. Os pequenos passos são todas as medidas de assistência e ajuda, especialmente para as pessoas necessitadas, bem como iniciativas educacionais desde cursos ate escolas, desde a informação até a formação que exigem participação. Como passo médio, podemos considerar a auto-organização no sentido da formação de associações acima da base. Os grandes passos da transformação ocorrem principalmente na dimensão social e política São dados basicamente pelos sindicatos e partidos constituídos de baixo para cima. Mas a eliminação ou modificação das causas da miséria só alcançará êxito se todos colaborarem e se forem adotadas as medidas necessárias. A política ê a busca da realização do bem comum. E facilmente compreensível que em um país de contrastes como é o Brasil o processo de formação da vontade política não siga caminhos tranqüilos. Fazem sentir-se também posições extremas e essas precisam ser evitadas. Deve ser repelido o Marxismo, qualquer que seja a forma como se apresente. Deve ser rejeitado enquanto considera a situação existente como totalmente insolúvel e irreformável, enquanto prega a substituição total do presente modelo sócio-político do Capitalismo não incluindo a luta de classes e a revolução para fazer nascer como a Fênix das cinzas, uma sociedade nova, formada pelo puro socialismo. O seu "pathos" da totalidade, juntamente com um moralismo que do ímpeto messiânico de indivíduos radicalmente convertidos espera um mundo totalmente novo, geralmente leva a um fanatismo crescente, à frustração, ao autoisolamento e não à formação de uma maioria mais ampla. Grupos que só trabalham

10 ideologicamente, que buscam o acesso ao poder através da polêmica, do protesto e da contestação, não alcançam a dimensão política. Não mobilizam, bloqueiam. No fundo são reacionários por que paralisam os processos e não os deixam avançar. Igualmente rejeitável é o sistema de Segurança Nacional que no "status quo" das condições existentes vê a única perspectiva do futuro. Os defensores dessa i déia não são contra a participação do povo. Mas demasiada freqüência a falta de seriedade com que são com introduzidos e instalados certos programas em si bons, nos campos da alimentação, da alfabetização, da promoção de pequenos empreendimentos autônomos, etc. denunciam os verdadeiros interesses daquilo que aparentemente fariam pelo povo. A falsidade do seu "pathos" muitas vezes ligado a um certo "integralismo" que para fortalecer as suas próprias posições, prega a renovação religiosa e moral, está cada vez mais desmoralizado no seio da população. Os grupos mantenedores do sistema são hiper-sensíveis à subversão, mas extremamente negligentes no combate à corrupção. A esta estão abertas todas as portas, criando obstáculos e desestímulo ao invés de ajuda para um povo que deseja erguer-se. Perspectiva. Em decorrência da industrialização extremamente rápida, países como o Brasil caracterizam-se por colossais transformações. O seu maior problema é a antiga e a nova, a pequena e a grande questão social. A sua solução não pode provir das posições ideológicas do capitalismo e do socialismo. Impõe-se um novo sentido da realidade que, entre luta de classes e status quo se engaje na transformação como ampla reestruturação em todos os planos, nos dividindo as pessoas, grupos e partidos mas muitas vezes contra toda esperança, unindoos. O que a situação de hoje requer é a conjugação da eficiência técnica com a autoorganização do povo. Trata-se de desenvolver uma nova alternativa, sem polêmica, contra as instituições existentes que, em última análise, são responsáveis pelos contrastes da humanidade, mas usando o material existente já purificado que pode contribuir para a solidez da casa em construção. Diálogo, solidariedade e parceria na formulação da concepção e da ação, estas é que de verão ser as novas armas. Esta nova visão das coisas, este novo método, esta nova ação por. um mundo novo e diferente poderia ser chamada de "novo realismo social". Não se pretende criar um paraíso na terra que, caso se realizasse, não contaria mais com as intervenções inesperadas de Deus e com a liberdade criadora do homem. O que se proclama é a necessidade de tirar do caminho toda e qualquer situação caótica que represente um protesto contra o Deus Criador e um rebaixamento e distorção da dignidade humana.

11 Trata-se da conservação, restauraçã9 ou criação de um mínimo de estruturas ordenadas que permitam a auto-realização, auto-determinação de pessoas, grupos e sociedades.

12

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica A unidade na fé a caminho da missão Nossa Visão Manifestar a unidade da igreja por meio do testemunho visível

Leia mais

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS Pe. Nilton César Boni, cmf NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS EDITORA AVE-MARIA Apresentação Aos membros da família cristã podem aplicar-se de modo particular as palavras com que Cristo promete a sua

Leia mais

BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO

BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO O que é uma pessoa cristã? É a pessoa que acredita que o Deus vivo é revelado em e por meio de Jesus Cristo, que aceita Jesus Cristo como Senhor e Salvador, que

Leia mais

Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz

Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz Cardeal Sebastião Leme Grito por justiça Dom Helder Câmara Não deixe morrer o profetismo Dom Luciano Mendes de Almeida Não esqueçam

Leia mais

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A evangelização nos dá a alegria do encontro com a Boa Nova da Ressurreição de Cristo. A maioria das pessoas procura angustiada a razão de sua vida

Leia mais

Papa Bento XVI visita o Brasil

Papa Bento XVI visita o Brasil Papa Bento XVI visita o Brasil Análise Segurança Fernando Maia 23 de maio de 2007 Papa Bento XVI visita o Brasil Análise Segurança Fernando Maia 23 de maio de 2007 No período de 09 a 13 de maio, o Papa

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDO 1 NOVA VIDA O presente curso ajudará você a descobrir fatos da Palavra de Deus, fatos os quais você precisa para viver a vida em toda a sua plenitude. Por este estudo

Leia mais

20ª Hora Santa Missionária

20ª Hora Santa Missionária 20ª Hora Santa Missionária Tema: Missão é Servir Lema: Quem quiser ser o primeiro seja servo de todos Preparação do ambiente: cartaz do Mês missionário, Bíblia e fitas nas cores dos continentes, cruz e

Leia mais

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida.

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida. LITURGIA DA PALAVRA A Palavra de Deus proclamada e celebrada - na Missa - nas Celebrações dos Sacramentos (Batismo, Crisma, Matrimônio...) A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa

Leia mais

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO Disponível em: www.seminariomaiordebrasilia.com.br Acesso em 13/03/2014 A palavra Quaresma surge no século IV e tem um significado profundo e simbólico para os cristãos

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DISCIPLINA: UNIDADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS PLANIFICAÇÃO ANUAL - ANO LETIVO: 2015-2016 1 A PESSOA HUMANA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA

Leia mais

DIRECTÓRIO GERAL DA CATEQUESE - SDCIA/ISCRA -2 Oração inicial Cântico - O Espírito do Senhor está sobre mim; Ele me enviou para anunciar aos pobres o Evangelho do Reino! Textos - Mc.16,15; Mt.28,19-20;

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EMRC 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EMRC 9.º ANO DE EMRC 9.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno, no final do 9.º ano, deve atingir as metas abaixo indicadas, nos seguintes domínios: Religião e Experiência Religiosa Compreender o que são

Leia mais

Por ocasião da Marcha para Jesus, o deputado Wasny de Roure. (PT-DF) pronuncia o seguinte discurso: No próximo dia 11 de

Por ocasião da Marcha para Jesus, o deputado Wasny de Roure. (PT-DF) pronuncia o seguinte discurso: No próximo dia 11 de 1 06.06.05 Por ocasião da Marcha para Jesus, o deputado Wasny de Roure (PT-DF) pronuncia o seguinte discurso: No próximo dia 11 de junho teremos mais uma Marcha para Jesus em Brasília, evento que acontece

Leia mais

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Igreja Nova Apostólica Internacional Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Depois de, na última edição, termos abordado os aspetos inclusivos e exclusivos no Antigo e no Novo Testamento,

Leia mais

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia.

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia. EUCARISTIA GESTO DO AMOR DE DEUS Fazer memória é recordar fatos passados que animam o tempo presente em rumo a um futuro melhor. O povo de Deus sempre procurou recordar os grandes fatos do passado para

Leia mais

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA Estudo 104 CNBB ASPECTOS GERAIS DO DOCUMENTO PERSPECTIVAS PASTORAIS TEXTOS BASES DESAFIOS FUNÇÕES DA PARÓQUIA PERSPECTIVA TEOLÓGICA MÍSTICA DO DOCUMENTO PERSPECTIVA

Leia mais

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Uma breve meditação sobre Mudança de Estruturas O objetivo desta meditação é redescobrir a dimensão espiritual contida na metodologia de mudança

Leia mais

assim ela poderá estar a serviço de uma ação solidária e libertadora do povo latino-americano.

assim ela poderá estar a serviço de uma ação solidária e libertadora do povo latino-americano. Conclusão Geral Para que a Igreja possa cumprir sua missão solidária e libertadora na AL, terá que estar em contínuo processo de conversão e sintonizada com os sinais dos tempos. Somente assim poderá se

Leia mais

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Deus nos alerta pela profecia de Oséias de que o Povo dele se perde por falta de conhecimento. Cf. Os 4,6 1ª Tm 4,14 Porque meu povo se perde

Leia mais

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO -

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - INTRODUÇÃO O Colégio Episcopal da Igreja Metodista, no uso de suas atribuições (Cânones, Art. 63, item XVII)

Leia mais

"Maria!"! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist!

Maria!! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist! CartadePentecostes2015 AbadeGeralOCist "Maria" Carissimos, vos escrevo repensando na Semana Santa que passei em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, hóspede dos Franciscanos. Colhi esta ocasião para

Leia mais

Apostila Fundamentos. Batismo nas Águas. batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19

Apostila Fundamentos. Batismo nas Águas. batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19 Apostila Fundamentos Batismo nas Águas batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19 B a t i s m o n a s Á g u a s P á g i n a 2 Batismo nas Águas Este é outro passo que está

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

www.projeto-timoteo.org 2ª edição Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Apostila do Aluno

www.projeto-timoteo.org 2ª edição Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Apostila do Aluno Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo 1 Apostila do Aluno Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Dr. John Barry Dyer Equipe Pedagógica Marivete Zanoni Kunz Tereza

Leia mais

Diocese de Amparo - SP

Diocese de Amparo - SP Formação sobre o documento da V Conferência do Episcopado da América Latina e do Caribe Diocese de Amparo - SP INTRODUÇÃO De 13 a 31 de maio de 2007, celebrou-se em Aparecida, Brasil, a V Conferência Geral

Leia mais

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO?

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? A palavra Concílio significa assembleia reunida por convocação e, na Igreja, um concílio sempre teve como objetivo discutir, definir e deliberar sobre questões de

Leia mais

A transmissão da fé na Família. Reunião de Pais. Família

A transmissão da fé na Família. Reunião de Pais. Família A transmissão da fé na Família Reunião de Pais Família Plano Pastoral Arquidiocesano Um triénio dedicado à Família Passar de uma pastoral sobre a Família para uma pastoral para a Família e com a Família

Leia mais

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana 93 ISSN - 1517-7807 9!BLF@FB:VWOOUWoYdZh outubro 2013 Que a saúde se difunda sobre a terra Escatologia e Exercícios Espirituais Pedro Arrupe, homem de Deus 1

Leia mais

O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai. Objetivos 12/4/2012. Identidade e relevância da cristologia. Cláudio Ribeiro

O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai. Objetivos 12/4/2012. Identidade e relevância da cristologia. Cláudio Ribeiro O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai Cláudio Ribeiro Objetivos Avaliar a doutrina de Trindade suas raízes, premissas fundamentais, ênfases e mudanças no contexto global da história da Igreja e as

Leia mais

Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII

Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII Quando, porém, chegou a plenitude do tempo, enviou Deus o seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a Lei,

Leia mais

Igreja Batista Itacuruçá ESTAÇÃ ÇÃO DO EVANGELISMO

Igreja Batista Itacuruçá ESTAÇÃ ÇÃO DO EVANGELISMO Igreja Batista Itacuruçá ESTAÇÃ ÇÃO DO EVANGELISMO ORIENTAÇÕES GERAIS Bem-vindos à nova estação dos GFs: a estação do evangelismo! Nesta estação queremos enfatizar pontos sobre nosso testemunho de vida

Leia mais

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro?

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro? ...as religiões? Sim, eu creio que sim, pois não importa a qual religião pertença. O importante é apoiar a que tem e saber levá-la. Todas conduzem a Deus. Eu tenho minha religião e você tem a sua, e assim

Leia mais

CNBB Doc. 47: Educação, Igreja e Sociedade parágrafos 54 a 98 1 (índice remissivo e chave de leitura)

CNBB Doc. 47: Educação, Igreja e Sociedade parágrafos 54 a 98 1 (índice remissivo e chave de leitura) PBCM COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO RIO DE JANEIRO RJ CNBB Doc. 47: Educação, Igreja e Sociedade parágrafos 54 a 98 1 (índice remissivo e chave de leitura) II PARTE: VISÃO CRISTÃ DA EDUCAÇÃO NA PERSPECTIVA

Leia mais

Plano Pedagógico do Catecismo 6

Plano Pedagógico do Catecismo 6 Plano Pedagógico do Catecismo 6 Cat Objetivos Experiência Humana Palavra Expressão de Fé Compromisso PLANIFICAÇÃO de ATIVIDADES BLOCO I JESUS, O FILHO DE DEUS QUE VEIO AO NOSSO ENCONTRO 1 Ligar a temática

Leia mais

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre Caridade e partilha Vivemos em nossa arquidiocese o Ano da Caridade. Neste tempo, dentro daquilo que programou o Plano de Pastoral, somos chamados a nos organizar melhor em nossos trabalhos de caridade

Leia mais

Carta Pastoral 2013-2014

Carta Pastoral 2013-2014 Carta Pastoral 2013-2014 O Sínodo Diocesano. Em Comunhão para a Missão: participar e testemunhar Estamos no momento decisivo do Sínodo da nossa diocese de Viseu. Pela sua importância, para o presente e

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS Infância/Adolescencia MISSÃO MISSÃO. Palavra muito usada entre nós É encargo, incumbência Missão é todo apostolado da Igreja. Tudo o que a Igreja faz e qualquer campo.

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Elementos da Vida da Pequena Comunidade

Elementos da Vida da Pequena Comunidade Raquel Oliveira Matos - Brasil A Igreja, em sua natureza mais profunda, é comunhão. Nosso Deus, que é Comunidade de amor, nos pede entrarmos nessa sintonia com Ele e com os irmãos. É essa a identidade

Leia mais

STOTT, John R. W. Batismo e plenitude do Espírito Santo. São Paulo: Vida Nova, 1966.

STOTT, John R. W. Batismo e plenitude do Espírito Santo. São Paulo: Vida Nova, 1966. Azusa Revista de Estudos Pentecostais 1 STOTT, John R. W. Batismo e plenitude do Espírito Santo. São Paulo: Vida Nova, 1966. Josias Novak 1 1 A promessa do Espírito Em sua exposição Stott afirma que a

Leia mais

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto. Mateus 4, 1-11 Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.». Este caminho de 40 dias de jejum, de oração, de solidariedade, vai colocar-te

Leia mais

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Carta Pastoral dirigida às igrejas da diocese de Rotemburgo-Estugarda na Quaresma Pascal de 2015 Bispo Sr. Dr.

Leia mais

Roteiros Homiliéticos 20º Domingo do Tempo Comum Solenidade da Assunção

Roteiros Homiliéticos 20º Domingo do Tempo Comum Solenidade da Assunção Roteiros Homiliéticos 20º Domingo do Tempo Comum Solenidade da Assunção I. INTRODUÇÃO GERAL Em 1950, o papa Pio XII proclamou o dogma da Assunção de Nossa Senhora ao céu. Um dogma é um marco referencial

Leia mais

+ Orani João Tempesta, O. Cist. Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ

+ Orani João Tempesta, O. Cist. Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ AMAI-VOS Domingo passado, ao celebrar o tema da misericórdia, tive a oportunidade de estar com milhares de pessoas tanto na Catedral Metropolitana como no anúncio e instalação do Santuário da Misericórdia,

Leia mais

Pobreza e o desenvolvimento

Pobreza e o desenvolvimento Seção A1 Pobreza e o desenvol Descrição Esta seção fará uma introdução geral da pobreza e do desenvol. É provável que todos os participantes já usem estes termos, mas eles podem interpretá-los de maneiras

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

Lembrança da Primeira Comunhão

Lembrança da Primeira Comunhão Lembrança da Primeira Comunhão Jesus, dai-nos sempre deste pão Meu nome:... Catequista:... Recebi a Primeira Comunhão em:... de... de... Local:... Pelas mãos do padre... 1 Lembrança da Primeira Comunhão

Leia mais

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC 1. ESPAC O QUE É? A ESPAC é uma Instituição da Arquidiocese de Fortaleza, criada em 1970, que oferece uma formação sistemática aos Agentes de Pastoral Catequética e

Leia mais

A Experiência do Novo Nascimento

A Experiência do Novo Nascimento Pr. Patrick Robert Briney Mission Boulevard Baptist Church A Experiência do Novo Nascimento A Série das Verdades do Evangelho (caderno 6) The Born Again Experience Tradução Pr. Anastácio Pereira de Sousa

Leia mais

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa Celebrar os 50 anos da abertura do Concílio no Ano da Fé 1. Na Carta apostólica A Porta da Fé, assim se exprime

Leia mais

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga SUMÁRIO Introdução... 11 A história da Igreja e sua problemática... 17 A. Alguns pressupostos e indicações básicos antes de começar o caminho... 17 Trata-se de um ramo da ciência histórica ou da ciência

Leia mais

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas José Eduardo Borges de Pinho Ecumenismo: Situação e perspectivas U n i v e r s i d a d e C a t ó l i c a E d i t o r a L I S B O A 2 0 1 1 Índice Introdução 11 Capítulo Um O que é o ecumenismo? 15 Sentido

Leia mais

PARA ONDE CAMINHA A IGREJA BRASILEIRA?

PARA ONDE CAMINHA A IGREJA BRASILEIRA? PARA ONDE CAMINHA A IGREJA BRASILEIRA? Franklin Ferreira CONCEITUAÇÕES Fundamentalismo evangélico: literalismo bíblico, dispensacionalismo, cismático, rejeição do diálogo acadêmico. Liberalismo teológico:

Leia mais

CATEQUESE COMO INICIAÇÃO À EUCARISTIA

CATEQUESE COMO INICIAÇÃO À EUCARISTIA CATEQUESE COMO INICIAÇÃO À EUCARISTIA PE. GREGÓRIO LUTZ Certamente o título deste artigo não causa estranheza à grande maioria dos leitores da Revista de Liturgia. Mas mesmo assim me parece conveniente

Leia mais

MARIA, ESTRELA E MÃE DA NOVA EVANGELIZAÇÃO

MARIA, ESTRELA E MÃE DA NOVA EVANGELIZAÇÃO MARIA, ESTRELA E MÃE DA NOVA EVANGELIZAÇÃO anuncie a Boa Nova não só com palavras, mas, sobretudo, com uma vida transfigurada pela presença de Deus (EG 259). O tema da nova evangelização aparece com freqüência

Leia mais

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica OBLATOS ORIONITAS linhas de vida espiritual e apostólica Motivos inspiradores da oblação orionita laical O "carisma" que o Senhor concede a um fundador, é um dom para o bem de toda a Igreja. O carisma

Leia mais

Sola Scriptura Somos diferentes?

Sola Scriptura Somos diferentes? Sola Scriptura Somos diferentes? Introdução: 3 pilares da Reforma Protestante: sola Scriptura, sola fide, sola gratia Mesmo em forma de afirmação, cada pilar também é negação. Por exemplo, a expressão,

Leia mais

PAPEL DA LIDERANÇA NA IGREJA

PAPEL DA LIDERANÇA NA IGREJA PAPEL DA LIDERANÇA NA IGREJA Em qualquer organização social existe a necessidade de um líder ou de uma equipe de liderança. A Igreja, não diferente das demais organizações, surgiu a partir de um líder.

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

EVANGELHO Mt 22,1-14 «.Na verdade, muitos são os chamados, mas poucos os escolhidos.».

EVANGELHO Mt 22,1-14 «.Na verdade, muitos são os chamados, mas poucos os escolhidos.». «.Na verdade, muitos são os chamados, mas poucos os escolhidos.». Ambiente: Continuamos em Jerusalém, nos dias que antecedem a Páscoa. Os dirigentes religiosos judeus aumentam a pressão sobre Jesus. Instalados

Leia mais

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA Nestes últimos anos tem-se falado em Catequese Renovada e muitos pontos positivos contribuíram para que ela assim fosse chamada. Percebemos que algumas propostas

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

Ano Letivo 2011/2012 2º Ciclo 5º Ano

Ano Letivo 2011/2012 2º Ciclo 5º Ano AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Anual EMRC Ano Letivo 2011/2012 2º Ciclo 5º Ano Tema Conteúdos Competências Específicas Avaliação Lectiva 1 Viver Juntos Mudança de ano

Leia mais

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO Reflexão Estamos preparando o Jubileu dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida e 160 anos da declaração do Dogma da Imaculada Conceição

Leia mais

1.º Período. Tema Conteúdos N.º Aulas previstas

1.º Período. Tema Conteúdos N.º Aulas previstas P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L 2015-16 DEPARTAMENTO CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS GRUPO DISCIPLINAR DE EMR 5º Ano 1.º Período Unidade Letiva 1: Viver juntos - A mudança, uma constante na vida O que é que

Leia mais

A Apostolicidade da Fé

A Apostolicidade da Fé EMBARGO ATÉ ÀS 18H30M DO DIA 10 DE MARÇO DE 2013 A Apostolicidade da Fé Catequese do 4º Domingo da Quaresma Sé Patriarcal, 10 de Março de 2013 1. A fé da Igreja recebemo-la dos Apóstolos de Jesus. A eles

Leia mais

Naquela ocasião Jesus disse: "Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos

Naquela ocasião Jesus disse: Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos As coisas encobertas pertencem ao Senhor, ao nosso Deus, mas as reveladas pertencem a nós e aos nossos filhos para sempre, para que sigamos todas as palavras desta lei. Deuteronômio 29.29 Naquela ocasião

Leia mais

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial sentimento de ocupar a tribuna para tecermos comentários

Leia mais

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu.

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu. O Pão da Vida Na solenidade de Corpus Christi, queremos recordar que os atos redentores de Cristo, que culminam na sua morte e ressurreição, atualizam-se na Eucaristia, celebrada pelo Povo de Deus e presidida

Leia mais

DIACONIA I. Aula nº 4

DIACONIA I. Aula nº 4 DIACONIA I Prof. Dr. Nelson Célio de Mesquita Rocha Aula nº 4 A dimensão prática da Diaconia A prática diaconal é tão antiga quanto a Igreja. 1 Na comunidade dos apóstolos, o compartilhar dos bens fez

Leia mais

CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014

CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014 CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014 NO CAMINHO DO DISCIPULADO MISSIONÁRIO, A EXPERIÊNCIA DO ENCONCONTRO: TU ÉS O MESSIAS, O FILHO DO DEUS VIVO INTRODUÇÃO Queridos/as Catequistas! Com nossos cumprimentos

Leia mais

134 Vídeos do Padre Paulo Ricardo. Clique em um dos links abaixo:

134 Vídeos do Padre Paulo Ricardo. Clique em um dos links abaixo: 134 Vídeos do Padre Paulo Ricardo Clique em um dos links abaixo: Marxismo Cultural e Revolução Cultural - Primeira Aula http://www.youtube.com/watch?v=fji7cugwzvw Marxismo Cultural e Revolução Cultural

Leia mais

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS 1 TEXTO BÍBLICO - Lucas 6,12-19 (Fazer uma Oração ao Espírito Santo, ler o texto bíblico, fazer um momento de meditação, refletindo sobre os três verbos do texto

Leia mais

Atibaia, outubro de 2014. Pe. Leomar A. Brustolin

Atibaia, outubro de 2014. Pe. Leomar A. Brustolin Atibaia, outubro de 2014. Pe. Leomar A. Brustolin Personalização e centramento no indivíduo (rejeita-se a uniformidade e padronização) Afirmação das diferenças: mulheres, negros, indígenas, homossexuais,

Leia mais

Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida. Permanece conosco

Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida. Permanece conosco Notícias de Família Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida 06 JUNHO 2014 Permanece conosco Vivemos dias de graça, verdadeiro Kairós com a Celebração

Leia mais

Escola da Bíblia Rua Rio Azul, 200, Boa Viagem CEP: 51.030-050 Recife PE

Escola da Bíblia Rua Rio Azul, 200, Boa Viagem CEP: 51.030-050 Recife PE AS GRANDES DOUTRINAS DA BÍBLIA LIÇÃO 07 O QUE A BÍBLIA DIZ A RESPEITO DA SALVAÇÃO INTRODUÇÃO Chegamos ao que pode ser o tópico mais importante desta série: a salvação. Uma pessoa pode estar equivocada

Leia mais

MISSÃO PAÍS. Manual da Missão País

MISSÃO PAÍS. Manual da Missão País MISSÃO PAÍS Manual da Missão País Introdução Nos dias de hoje, quando ouvimos falar de missão, pensamos logo em acções de voluntariado em países subdesenvolvidos onde é preciso todo o tipo de ajuda para

Leia mais

OBJETIVO GERAL DA AÇÃO EVANGELIZADORA DA ARQUIDIOCESE DE FORTALEZA

OBJETIVO GERAL DA AÇÃO EVANGELIZADORA DA ARQUIDIOCESE DE FORTALEZA OBJETIVO GERAL DA AÇÃO EVANGELIZADORA DA ARQUIDIOCESE DE FORTALEZA EVANGELIZAR A TODOS PARA CONSTRUIR COMUNIDADES QUE REAFIRMEM SUA ADESÃO À PESSOA E À MISSÃO DE JESUS CRISTO LIBERTADOR, NA SUA PAIXÃO

Leia mais

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE José Carlos Pezini Luis Alexandre Ribeiro Branco O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE Uma Espiritualidade Cristocêntrica 1 Revisão: Bruna Perrella Brito 2 Prefácio Introdução 1 Índice O Que é Espiritualidade

Leia mais

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...!

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! Quem procura acha. Módulo 2 Etapa 3 Nem sempre acha o

Leia mais

PROGRAMA 03 TEXTO BASE DA CF 2015 (JULGAR)

PROGRAMA 03 TEXTO BASE DA CF 2015 (JULGAR) Viva a Palavra PROGRAMA 03 TEXTO BASE DA CF 2015 (JULGAR) PROGRAMA 03 TEXTO BASE DA CF 2015 (JULGAR) 1º Bloco Nosso programa especial continua voltado ao texto básico da Campanha da Fraternidade 2015.

Leia mais

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão A vida litúrgica começa muito cedo. Os Sacramentos são conhecidos como encontros pessoais com Cristo. Também são vistos como sinais da salvação.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 065-PROEC/UNICENTRO, DE 25 DE ABRIL DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 065-PROEC/UNICENTRO, DE 25 DE ABRIL DE 2011. RESOLUÇÃO Nº 065-PROEC/UNICENTRO, DE 25 DE ABRIL DE 2011. Aprova a continuidade do Projeto de Extensão Escola de Teologia para leigos Nossa Senhora das Graças, na modalidade de Curso de Extensão, na categoria

Leia mais

Os Mandamentos da Igreja

Os Mandamentos da Igreja Os Mandamentos da Igreja Por Marcelo Rodolfo da Costa Os mandamentos da Igreja situam-se na linha de uma vida moral ligada à vida litúrgica e que dela se alimenta CIC 2041 Os Mandamentos da Igreja tem

Leia mais

nossa liberdade. Uma certa resistência da teologia em reconhecer esta realidade levou a muitos, sobretudo aqueles mais influenciados pela cultura

nossa liberdade. Uma certa resistência da teologia em reconhecer esta realidade levou a muitos, sobretudo aqueles mais influenciados pela cultura Conclusão Jesus Cristo é a nossa salvação. Esta é uma verdade fundamental do cristianismo. No primeiro capítulo vimos que o ser humano possui um desejo intrínseco de autorrealização, mas por outro lado,

Leia mais

Plano de salvação e História de salvação

Plano de salvação e História de salvação Igreja Nova Apostólica Internacional Plano de salvação e História de salvação O artigo que se segue aborda a questão de como a salvação de Deus se evidencia na realidade histórica. A origem do pensamento

Leia mais

Jesus viu e se encheu de compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor!

Jesus viu e se encheu de compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor! 16º DOMINGO DO TEMPO COMUM - 19 de julho de 2015 Jesus viu e se encheu de compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor! Leituras: Jeremias 23, 1-6; Salmo 22 (23), 1-3a.3b-4.5.6 (R/1.6a); Efésios 2, 13-18;

Leia mais

CAMPANHA PARA A EVANGELIZAÇÃO - 2014

CAMPANHA PARA A EVANGELIZAÇÃO - 2014 CAMPANHA PARA A EVANGELIZAÇÃO - 2014 Texto referencial INTRODUÇÃO 1 A Igreja no Brasil realiza a Campanha para a Evangelização deste ano de 2014 com o lema Cristo é nossa paz (cf. Ef 2,14). O tempo do

Leia mais

O Movimento de Jesus

O Movimento de Jesus O Movimento de Jesus Tudo começou na Galiléia Quando Jesus começou a percorrer a Palestina, indo das aldeias às cidades, anunciando a Boa Nova do Evangelho, o povo trabalhador ia atrás dele. A fama de

Leia mais

DOMINGO XXIII DO TEMPO COMUM ANO B LEITURAS

DOMINGO XXIII DO TEMPO COMUM ANO B LEITURAS Ministério dos leitores PREPARAR PARA PROCLAMAR Os fiéis, de acordo com o Livro dos Atos dos Apóstolos, quando se reúnem dominicalmente, no dia do Senhor têm como finalidade primeira escutar a Palavra

Leia mais

Saiamos pois, a Ele, fora do arraial... Ademir Ifanger

Saiamos pois, a Ele, fora do arraial... Ademir Ifanger Saiamos pois, a Ele, fora do arraial... Introdução Almejamos uma nova compreensão da espiritualidade, que nos impulsione a realizar o projeto integral de Deus, expressando assim genuína adoração (Jo 4.23-24).

Leia mais

A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria

A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria Ano Novo 2013 Carta Pastoral do Bispo D. Paulo Otsuka Yoshinao Diocese de Kyoto A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria Fiquem sempre alegres no Senhor! Fl.4,4. O maior presente do cristianismo é

Leia mais