Editorial. Expediente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Editorial. Expediente"

Transcrição

1

2 2 Enfoque Contábil - julho 2013

3 Editorial Marcio Minoru Garcia Takeuchi Presidente do SICORP Com muita satisfação apresentamos como matéria de capa desta edição do VI Encontro das Empresas de Serviços Contábeis de Piracicaba, Bauru e Ribeirão Preto, realizado em Piracicaba, dia 21 de junho. Em decorrência da disposição de tantos empresários contábeis (cerca de 400) em aprender e compartilhar as experiências desse grande evento, percebemos a força a categoria. É em eventos como esse que temos a oportunidade de encontramos uma maneira mais segura para trilhar no mundo complexo das obrigações tributárias, trabalhistas, contábeis, entre outros que o profissional contabilista precisa resolver no dia-a-dia. Agradecemos a calorosa recepção proporcionada pelas entidades contábeis de Piracicaba, sempre muito calorosa. Lembrar a mensagem do diretor da Regional do Sescon em Piracicaba, Edmir Bernardino Valente, que discorreu sobre a satisfação em sediar o evento e ainda das dificuldades apresentadas à classe contábil na atual estrutura tributária e fiscal do país. Na pessoa do diretor da Regional do Sescon em Ribeirão Preto, José Marcelo Corrêa, congratulo a todos os contabilistas de nossa região, que prestigiaram e contribuíram para o sucesso do evento. Ressalto também, que em breve Ribeirão Preto poderá ganhar, mais um representante no CRC-SP, vez que no dia 22 de junho, o diretor da Casa do Contabilista, José Augusto Picão foi eleito em assembleia do Grupo do Interior para integrar a chapa de situação no cargo de conselheiro na próxima eleição do CRC SP. Vamos torcer para que seja eleito! Um grande abraço e boa leitura a todos! Expediente Casa do Contabilista Av. Capitão Salomão, 280/290 Campos Elíseos CEP Ribeirão Preto - SP Tel / Fax: (16) Ramais: AESCON RP - 21 SICORP - 22 Dep. de Comunicação - 24 SICORP Presidente: Marcio Minoru Garcia Takeuchi 1º vice-presidente: Luciana de Fátima Granados 2º vice-presidente: José Pires Roberto 1º tesoureiro: Roberto Corsi 2º tesoureiro: Leonildo Trombela 1º secretário: Francisco José Senno 2º secretário: Luiz Mauro de Oliveira Diretores Administrativos: André Maurício Souza de Oliveira e Nei Antônio de Castro AESCON RP Presidente: Luiz Cláudio Gaona Granados 1ª vice-presidente: Rose Lemes Marques da Silva 2º vice-presidente: José Marcelo Corrêa 1ª secretária: Denise Luna 2º secretário: Francisco José Senno 3ª secretária: Shirley Nocente Gabriel 1º tesoureiro: Fernando Ramalheiro 2º tesoureiro: Roberto Corsi. Diretores Administrativos: Nei Antônio de Castro, David Edson Stamato e Paulo de Angelis Sacomani CENTRO DE ESTUDOS - Coordenação Geral: José Augusto Picão Coordenação Técnica: André Maurício Souza Oliveira, Moisés Souza Andrade e Nei Antônio de Castro Delegacia do CRC SP em Ribeirão Preto Rua General Osório, 362 8º andar, conjunto 804/805 Telefone: (16) Delegado Regional: Walter Assis da Cunha SESCON-SP Diretor da Regional de Ribeirão Preto: José Marcelo Corrêa Telefone: (16) Enfoque Contábil Informativo mensal Tiragem: exemplares Jornalista responsável: Viviane Pironelli Mtb /SP Impressão: Ribergráfica Diagramação: ABS Mídia - As matérias assinadas são de responsabilidade de seus autores

4 Novidade Registros de marcas e patentes agora podem ser financiados por meio do Cartão BNDES O BNDES Banco Nacional do Desenvolvimento credenciou a Vilage Marcas e Patentes como o primeiro Agente da Propriedade Industrial Marcas e Patentes aprovado para atuar com recebimentos via cartão BNDES. A partir de agora o empresário pode escolher o financiamento mais adequado ao seu negócio, usando o cartão BNDES. Os serviços disponíveis atualmente para pagamento com o cartão BNDES são: Registro de Marcas, Registro de Patentes, Desenho Industrial e Registro de Software. O cartão BNDES poderá ser utilizado apenas para o pagamento dos serviços acima relacionados para proteção de registros no Brasil e conduzidos junto ao INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial), limitando-se o valor financiado ao teto de R$ ,00 (Trinta mil reais), parcelado de 3 a 48 meses, conforme as regras de pagamento do cartão. Cartão BNDES Exclusivo para micro, pequenas e médias empresas, o Cartão BNDES é um limite de crédito pré-aprovado de até R$ 1 milhão por banco emissor (Banco do Brasil, Banrisul, Bradesco, Caixa e Itaú) que financia a aquisição de bens e serviços cadastrados em seu portal de operações. Além da taxa de juros atrativa 0,86% neste mês de junho, com prestações fixas, os prazos de pagamento vão de 3 a 48 meses. As operações são isentas de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e não há cobrança de anuidade. Apenas os prestadores de serviço de registro de patente credenciados pelo INPI e cadastrados como fornecedores no portal de operações do Cartão BN- DES podem prestar o serviço de registro aos empresários inovadores. Essa medida facilita o acesso de micro, pequenas e médias empresas a serviços essenciais para protegerem suas inovações, fruto de parceria entre o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e o INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial). Consulte os escritórios regionais da Vilage para mais informações: ou Para requerer o cartão BNDES acesse o site: https://www.cartaobndes.gov.br/cartaobndes/paginascartao/comprador. asp?acao=solsc O valor máximo é de R$ ,00 4 Enfoque Contábil - julho 2013

5 Artigo Ressarcimento do ICMS da Substituição Tributária Percebendo que os Contribuintes começaram a ficar insatisfeitos com o Modelo de Regime adotado para os produtos com grande giro e, uma vez que a discrepância do preço de venda entre redes de Supermercados e Padarias era grande e o valor da Pauta Fiscal atribuído a estes produtos ficava muito superior ao valor efetivo da venda nas grandes redes, o Estado de São Paulo através do DEAT 288/96 regulamentou pela primeira vez o ressarcimento do ICMS retido à maior em virtude da ST. No ano seguinte, aplicando algumas correções de regras, criando a média ponderada móvel para efeito do controle do Estoque e estipulando novos layouts foi publicado o DEAT 15/97, que foi a segunda regulamentação para a recuperação do Imposto. Depois de 2 anos trabalhando sobre o ressarcimento, os problemas levantados e apurados e visando uma harmonização para todos os contribuintes, foi Publicada a Portaria CAT 17/99, que, apesar de mais complexa, é mais eficiente e funcional e permeia até os dias atuais o ressarcimento da ST. Não mais, desde Dezembro de 2008, para o valor retido à maior, mas sim para as saídas interestaduais, exportações, saídas com isenção ou não-incidência e fatos geradores não realizados com as mercadorias sujeitas ao regime da Substituição Tributária. A CAT 17/99 possui quatro obrigações acessórias que devem ser cumpridas, sendo: Modelo 3 Controle de Estoque das Mercadorias Relatório no qual são informadas todas as movimentações de entradas e saídas que movimentam o estoque do contribuinte, suas quantidades e valores de bases de cálculo. Talvez esta seja a maior dificuldade dos contribuintes ao tentar gerar ou conferir o relatório, pois procuram informações constantes das notas de saída, que não são apontadas no relatório. Outra dificuldade, claro, é o cálculo da média ponderada móvel da base de retenção do estoque e todas as particularidades envolvidas em cada tipo de operação que alimentam, ou não este cálculo. Modelo 1 Saldo a ser Ressarcido Relatório Resumo com o valor do crédito total, por alíquota, a ser ressarcido ao contribuinte. É importante salientar que no Modelo 3 não existe um valor de ressarcimento para os produtos e por isso não é possível somar os valores para imputar no Modelo 1, que deve ser calculado separadamente. Capa do Arquivo Magnético Total das linhas para cada registro informado no Arquivo Magnético. Arquivo Magnético Com formato específico determinado pela portaria CAT 63/09 que contém todas as informações exigidas pela Portaria e é fundamental para que o Fiscal possa analisar e conferir os resultados entregues no Modelo 1. Depois de observadas e atendidas todas as obrigações acessórias, o contribuinte tem duas possibilidades, utilizar o valor apurado direto em sua conta gráfica, com lançamento na GIA sob o título de Outros Créditos CAT 17/99, ou, em caso de saldo credor, apresentação da documentação ao Posto Fiscal responsável para compra de mercadorias, ou solicitação de crédito em conta corrente. A TECNAL possui o Sistema RIST, que faz o cálculo do ressarcimento e emite todas as obrigações acessórias para o Pedido junto ao Posto Fiscal, ou guarda para posterior fiscalização. Só em 2013 já são mais de R$ ,00 ( Trinta Milhões de Reais ) recuperados e homologados para os nossos quase 300 Clientes. Elso Pini Diretor Comercial da Tecnal A Portaria CAT 17/99, que, apesar de mais complexa, é mais eficiente e funcional e permeia até os dias atuais o ressarcimento da ST Existe, também, a possibilidade de solicitação de Regimes Especiais para a compensação dos créditos, seja para pagamento das Guias de Recolhimento nas Compras Interestaduais ( Artigo 426-A do RICMS SP), seja para pedido imediato dos valores para aquisição de mercadorias sem a necessidade de prévia validação do arquivo, chamado de Fast Track. Lembrando que independente do uso do regime, as obrigações acessórias são obrigatórias. É fundamental entender que para as saídas interestaduais e fatos geradores não realizados, cuja aquisição foi feita de outra Unidade da Federação, o Estado de São Paulo não devolve na totalidade o valor pago anteriormente e, a partir de Janeiro de 2013, com a Resolução 13/2012, essa parte aumentou ainda mais, mas esse assunto fica para a próxima edição. Enfoque Contábil - julho

6 Programa Aprendiz Festa junina dos Aprendizes O I Arraiá dos Aprendizes foi um sucesso. Coordenado pelas colaboradoras Marcela Trombela Bastos e Ana Elisa Reste, com apoio dos professores e diretores das entidades contábeis, o evento aconteceu na Casa do Contabilista, na tarde de 29 de junho. A ideia foi promover a integração das oito turmas do curso de Rotinas Administrativas, que a AESCON-RP oferece como parte do conteúdo no Programa de Aprendizagem. Cerca de 100 pessoas participaram, entre elas, diretores e presidentes da AESCON-RP e do SICORP e o vereador Rodrigo Simões. Ana Elisa, Júlia Passaglia, Marcela e Marco Eduardo Faria Luiz Cláudio, Lara Gomes e Rodrigo Simões Marcela Silva e professor Júnior 6 Enfoque Contábil - julho 2013

7 Contabilista, incentive a contratação Desde setembro de 2009 a Casa do Contabilista mantém um programa de aprendizagem que incentiva a inclusão de jovens no mercado de trabalho. Mais que mostrar obrigatoriedade da lei, a ação existe para promover a inclusão social dos estudantes, oferecendo oportunidade. Todas as etapas da contratação (do preenchimento do cadastro nas escolas ao processo seletivo e acompanhamento periódico de desempenho) são coordenadas pela *Casa do Contabilista. O Programa Aprendiz visa amparar as empresas em virtude da obrigatoriedade da contratação determinada pela Lei /2000. Estabelecimentos de qualquer natureza que tenham pelo menos sete empregados são obrigados a contratar, de acordo com percentual fixado entre 5%, no mínimo, e 15%, no máximo. É destinado a jovens com faixa etária entre 14 e 24 anos incompletos, que estejam cursando no mínimo a 8ª série do Ensino Fundamental, ou nível Técnico e Superior. Os jovens podem desenvolver atividades práticas de 30 horas semanais. Os benefícios para quem contrata são pagamento de salário mínimo/hora, FGTS 2%, isenção de multa rescisória e aviso prévio, dedução no imposto de renda e a capacitação, treinamento na área Contábil, Administrativa e Comercial. A ação é devidamente registrada junto ao Ministério do Trabalho e Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, por meio da AESCON-RP (Associação das Empresas de Serviços Formação Contábeis de Ribeirão Preto e Região). A Associação disponibiliza aos adolescentes uma formação contínua através dos cursos ministrados por dois anos, no qual são trabalhados assuntos de elevada importância para o desenvolvimento do perfil profissional dos estudantes, tais como: Atendimento ao Cliente, Apresentação Pessoal, Ética Profissional, Telemarketing, Vendas, Contabilidade, Departamento Pessoal, e Escrituração Fiscal. Informe-se (16) ramal 23 Final de semestre A coordenação do programa de aprendizagem entregou, de 1º a 4 de julho, os certificados de participação no Programa Aprendiz I Semestre 2013, para 180 alunos. O presidente da AESCON-RP participou da solenidade de entrega, que aconteceu no auditório Antônio Carlos Copeddê, na Casa do Contabilista. Parabéns a todos! Enfoque Contábil - julho

8 Centro de Estudos Programa Especial de Parcelamento do ICMS é tema de palestra Discriminação de tributos em documentos fiscais também foi tema do evento Jamol Anderson Ferreira de Mello No C.E. de 26 de junho, o advogado Jamol Anderson Ferreira de Mello, sócio do escritório Hernandez e Ferreira Advogados Associados, ministrou uma palestra sobre a prorrogação de prazo do Programa Especial de Parcelamento (PEP) do ICMS e as alterações no mesmo parcelamento, conferidas pelo Decreto Estadual n.º /2013. Também foram objeto de discussão os aspectos jurídicos da Lei n.º /2012, que prevê a discriminação de tributos em documentos fiscais, em uma mesa de debates que contou com a participação do presidente do SICORP, Marcio Minoru e do coordenador geral do Centro de Estudos, José Augusto Picão. PEP - A prorrogação de prazo para adesão ao PEP, que foi concedida na última semana de junho pelo governo do Estado de São Paulo, gerou muita repercussão. Segundo o palestrante, o contribuinte que tiver crédito acumulado vai poder utilizá- -los para compensação dos débitos reconhecidos e incluídos no PEP do ICMS. Jamol disse ainda que o parcelamento é uma alternativa para o equacionamento de débitos de ICMS de contribuintes, mas que cada caso precisa ser analisado cuidadosamente, já que algumas vezes a discussão por meio de defesas administrativas ou ações judiciais continua sendo a melhor opção. Já no dia 3 de julho a palestra no Centro de Estudos foi ALÍQUOTA UNIFICADA DE 4% DE ICMS - RESO- LUÇÃO SF 13/ (Com as novas alterações do Convênio ICMS 38/2013 e Portaria CAT 64/2013) e aplicabilidade a partir de 1º de agosto de O palestrante foi o contabilista, professor e coordenador do C.E, José Augusto Picão. A prorrogação de prazo para adesão ao PEP foi concedida na última semana de junho gerou muita repercussão Fique atento às próximas atividades do Centro de Estudos 10/07 - Palestra em parceria com o SESCON-SP: Retificadores e Informações do FGTS Disponibilizadas aos Empregadores e Trabalhadores 17/07- Palestra em parceria com o SESCON-SP: Tributos Indiretos - Repercussão no Preço e Restituição 24/07 - Palestra do CRC SP (Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo): Retenção na Fonte de Tributos Federais - Atualização Informações pelo (16) Enfoque Contábil - julho 2013

9 Parceria Entidades Contábeis participam de evento sobre Planejamento Tributário e Sucessão nas Empresas Familiares Luiz Cláudio Granados, Gustavo Marchetto e Claudio Ricardo Neri Ferreira participam de debate durante o encontro A Casa do Contabilista, através do presidente da AESCON-RP, Luiz Cláudio Granados, participou ativamente de um evento sobre a importância do Planejamento na sucessão de empresas familiares, no dia 27 de junho. O advogado e sócio do escritório Marchetto Advogados Associados com sede em São Joaquim da Barra e filial em Ribeirão Preto, Gustavo Marchetto, foi quem ministrou o tema. O evento teve a realização do Sincovarp (Sindicato do Comércio Varejista de Ribeirão Preto) e aconteceu no salão nobre da entidade, com a participação de cerca de 60 pessoas. O encontro foi uma parceria do Sindicato com o escritório Marchetto Advogados Associados e com a Conaud Consultoria e Auditoria, com apoios da ACIRP, da Casa do Contabilista, da Exclusiva Brasil e do Sebrae-SP. A comunicação foi da Núcleo da Notícia Comunicação Corporativa. Nossa ideia é a de promover constantemente eventos como esse e com os mais variados temas da área jurídica comenta Marchetto. Programação O primeiro painel foi ministrado pelo advogado. O segundo foi apresentado pelo contabilista Claudio Ricardo Neri Ferreira da Conaud Consultoria e Auditoria que abordou importantes aspectos tributários e contábeis relacionados ao contexto. Luiz Claudio Granados, participou da mesa de debates e atendeu às perguntas do público. Enfoque Contábil - julho

10 Capa Texto e fotos: Sescon Regional Piracicaba sedia encontro regional do SESCON-SP Mais de 400 empresários, profissionais e estudantes do segmento contábil participaram no dia 21 de junho do VI Encontro das Empresas de Serviços Contábeis de Piracicaba, Bauru e Ribeirão Preto. O evento aconteceu em Piracicaba, no Teatro Municipal Erotídes de Campos. Durante a solenidade de abertura do Encontro, promovida pelo presidente do SES- CON-SP, Sérgio Approbato Machado Júnior, falou do momento ímpar vivido pela categoria contábil, ressaltando que os empresários e profissionais devem estar preparados para os constantes desafios impostos à atividade. A cada dia sociedade e governo vêm reconhecendo a Contabilidade como peça-chave para o desenvolvimento dos negócios e do País. Mas, para fazer jus a este papel, precisamos nos aprimorar continuamente e buscar a excelência na prestação de serviços, frisou o líder setorial. Falando também em nome dos diretores Regionais em Bauru e Ribeirão Preto, Christiano Cesar Martinello e José Marcelo Corrêa, o diretor do Sindicato em Piracicaba, Edmir Bernardino Valente, discorreu sobre a satisfação em sediar o evento e ainda das dificuldades apresentadas à classe contábil na atual estrutura tributária e fiscal do País. Muitas vezes nosso trabalho é travado por conceitos incompletos e Hermenegildo Vendemiatti - presidente do Sincop; Christiano Martinello, diretor do Sescon-SP Regional Bauru ; Luis Fernando Nóbrega presidente do CRC SP; José Antonio de Godoy - Secretário Municipal de Governo de Piracicaba; Sérgio Approbato Machado Júnior - Presidente do SESCON-SP e da AESCON-SP; Pedro Luiz da Cruz vereador de Piracicaba; Edmir Bernardino Valente, diretor do SESCON-SP Regional Piracicaba; José Marcelo Corrêa, diretor do SESCON-SP Regional Ribeirão Preto; Luiz Antonio Arthuso - Delegado da Receita Federal do Brasil em Piracicaba complexidades, mas temos superado este cenário e auxiliado no desenvolvimento das empresas, disse. Diante das inúmeras manifestações de cidadãos por todo o País, o presidente do CRC SP, Luiz Fernando Nóbrega, propôs uma reflexão sobre o papel do contabilista. Não podemos parar, pois os impactos serão devastadores para as empresas e o Brasil, mas devemos sim nos mobilizar e exigir melhorias, fazer valer o nosso valor. Representando o presidente da Câmara Municipal de Piracicaba, João Manoel dos Santos, o vereador Pedro Luiz da Cruz ressaltou a relevância dos profissionais da área. Nós podemos colocar o País na rota do desenvolvimento. Já o secretário municipal de Governo, José de Godoy, em nome do prefeito Gabriel Ferrato, deu boas-vindas as todos e agradeceu a parceria da classe contábil com o governo. Participaram ainda da mesa solene do evento os diretores Regionais do SES- CON-SP em Bauru e em Ribeirão Preto, Christiano Cesar Martinello e José Marcelo Corrêa, o presidente do Sindicato dos Contabilistas de Piracicaba, Hermenegildo Vendemiatti, e o delegado da Receita Federal do Brasil na cidade, Luiz Antonio Acuso. A palestra de abertura foi de Sérgio Approbato Machado Júnior: Contabilista: um profissional plural. Em seguida, o mestre em Contabilidade e reitor da UNISESCON, Universidade Corporativa do SESCON-SP, Sergio Alexandre de Souza, destacou os principais aspectos das Normais Internacionais da Contabilidade na palestra ITG Um modelo contábil para Micro Empresas e Empresas de Pequeno Porte. Na parte da tarde, os diretores do SES- CON-SP Marcelo Voigt Bianchi e Marcio Massao Shimomoto comandam o painel: Gestão de Processos, Pessoas e Tecnologia: O Caminho da Produtividade. Logo após, a CIA TE ATO de teatro encerra as atividades de forma descontraída, com uma palestra teatral. 10 Enfoque Contábil - julho 2013

11 Coluna da Regional Palavra do Diretor José Marcelo Corrêa Diretor do SESCON-SP Regional em Ribeirão Preto Palestra sobre tributos Enfoque Contábil - julho 2013 A Sub-Regional em Franca promoveu no dia 26 de junho a palestra sobre Tributos na Nota Fiscal Discriminação (Lei /12), com o palestrante José Augusto Picão e contou com a participação de cerca de 40 pessoas entre empresários contábeis e colaboradores. 11

12 A UNISESCON, NA BUSCA PERMANENTE DO APRIMORAMENTO DOS CONHECIMENTOS, PREPAROU PACOTES DE CURSOS COM VALORES ESPECIAIS PARA VOCÊ E A SUA EMPRESA. APROVEITE AGORA ESTA OPORTUNIDADE ÚNICA E INSCREVA-SE NOS CURSOS DE SUA PREFERÊNCIA. GARANTA-SE JÁ EM UM DOS CURSOS DA REGIONAL RIBEIRÃO PRETO: 09/08 CRUZAMENTO DE INFORMAÇÕES DA RECEITA FEDERAL - CONTÁBIL X DIPJ X DACON X DCTF X DIRF X DCOMP /08 COMO EVITAR ERROS FISCAIS DE ICMS E IPI /09 PRÁTICAS CONTÁBEIS TRIBUTÁRIAS /11 ANÁLISE DE BALANÇO PARA CONTROLE GERENCIAL TABELA* CURSOS DE 8H ASSOCIADO SESCON-SP E AESCON-SP ASSOCIADO SESCON-SP OU AESCON-SP R$133,00 R$232,75 PACOTES ESPECIAIS:. 02 CURSOS: 10% DE DESCONTO NO VALOR FINAL DA COMPRA. 03 CURSOS: 20% DE DESCONTO NO VALOR FINAL DA COMPRA. 04 CURSOS: 30% DE DESCONTO NO VALOR FINAL DA COMPRA. 05 CURSOS OU MAIS: 40% DE DESCONTO NO VALOR FINAL DA COMPRA ESTUDANTE FILIADO PARTICULAR R$249,37 R$282,62 R$332,50 MAIS INFORMAÇÕES ACESSE: OU PELO TELEFONE *A tabela de valores é exclusiva para os cursos realizados em nossas regionais. Não é válido para os cursos realizados na sede. Os descontos oferecidos nos pacotes não são cumulativos. Av. Capitão Salomão, 280/290. Campos Elíseos Ribeirão Preto. SP. CEP Tel Notícia Alunos de Ribeirão Preto conhecem seu futuro órgão de registro A distância não desanimou os estudantes de Ciências Contábeis do Uniseb (Centro Universitário do Sistema Educacional Brasileiro), que vieram de Ribeirão Preto para conhecer a sede do CRC SP, em São Paulo, em 19 de junho. A professora Alessandra Silva Santana, coordenadora do curso, acompanhou a visita. Os conselheiros Alexandre Juniti Kita, Jairo Balderrama Pinto e Vitória Lopes da Silva receberam os visitantes, e apresentaram o Espaço Cultural CRC SP e o Centro de Memória da Contabilidade Paulista Professor Joaquim Monteiro de Carvalho. No auditório, os alunos assistiram à palestra Empreendedorismo: Incluindo o Profissional da Contabilidade como Gestor, apresentada pela psicóloga Márcia Regina Banov. Eles também participaram da simulação de um Tribunal de Ética com a análise de casos práticos de conduta no exercício profissional. 12 Enfoque Contábil - julho 2013

13 Notícia CAS aprova dedução do IR para pagamento de aluguel residencial e prestação de casa As despesas com aluguel ou financiamento da casa própria de até R$ 20 mil por ano, relativas a imóvel residencial único, ocupado pelo próprio contribuinte, poderão ser deduzidas do Imposto de Renda (IR). Projeto de lei com esse objetivo, de autoria da senadora Lúcia Vânia (PSDB-GO), foi aprovado pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS) no dia 10 de julho. A matéria segue para exame da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), em decisão terminativa. Atualmente, a lei do Imposto de Renda das pessoas físicas (Lei 9.250/1995) não permite deduzir despesas com aluguel. O abatimento é previsto no Projeto de Lei do Senado (PLS) 316/2007, que tramita em conjunto com o PLS 317/2008, do ex-senador Expedito Júnior (PR-RO). A matéria já foi aprovada pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), onde recebeu emenda para incluir o financiamento habitacional e determinar que o benefício só pode ser usufruído para quem tem apenas um imóvel e o utiliza para morar. Na avaliação da senadora Lúcia Vânia, a proposta vai minorar o problema de carência na área habitacional, que se soma à má distribuição de renda no país. A senadora também ressalta que a medida deverá contribuir ainda para combater a sonegação de imposto no setor imobiliário. Para ela, o aumento na arrecadação poderá ser suficiente para compensar a renúncia de receita em decorrência da proposta. Em seu parecer pela aprovação da matéria na CAS, o senador José Agripino (DEM-RN) ressaltou que o texto aprovado pela CCJ favorece o cidadão de menor renda e evita a prática de fraudes ou de desvio da finalidade da medida. Para o senador, a proposta vai contribuir para que o brasileiro possa construir patrimônio e fugir do aluguel. Fonte: Agência Brasil Jucesp adota novo critério de análise A Secretaria Geral da Junta Comercial do Estado de São Paulo, fazendo uso do que permite o artigo 26 e 27 do regulamento da JUCESP, aprovado pelo Decreto /2013, em razão de Ordem de Serviço nº 15, de 10 de maio de 2013, altera o seu critério de análise, fazendo com que os seus servidores passem a avaliar as assinaturas dos sócios quotistas que estejam saindo da sociedade, comparando com as assinaturas apostas em contrato e alterações anteriores já arquivados. Segundo Gustavo Camargo, Bacharel em Direito e sócio da Gustavo Camargo Assessoria, o critério a ser adotado conforme a medida acima mencionada tem como objetivo proteger os sócios de eventuais fraudes, colaborando até mesmo com o Poder Judiciário, uma vez que evitaria demandas envolvendo falsificações de assinaturas nas alterações contratuais. Embora a medida possa ser eficaz, sugerimos, ainda, que se faça o reconhecimento de firma dos sócios que se retiram no caso de alteração do quadro social. O para mais informações é hotmail.com Enfoque Contábil - julho

14 Formação A 23ª Convenção dos Profissionais da Contabilidade do Estado de São Paulo será realizada de 18 a 20 de agosto de 2013, no Palácio das Convenções do Parque Anhembi. Trata-se do maior evento da área contábil no estado de São Paulo. O lema desta edição, Contabilidade: ciência estratégica a serviço da sociedade, está alinhado com o trabalho das entidades organizadoras: contribuir para o desenvolvimento do País e para uma sociedade mais justa e igualitária. Prezando sempre pela qualidade, a grade de programação foi elaborada de modo a contemplar os temas mais atuais e relevantes para os profissionais. Nesta edição, a Contabilidade Pública De 18 a 20 de agosto Falta pouco para a 23ª Convecon está em destaque. Os maiores especialistas sobre o assunto irão abordar temas como planos de contas, reconhecimento de bens públicos, o processo de convergência às normas internacionais para a área pública, as demonstrações contábeis sob a ótica dessas novas normas, entre outros. A grade inclui também atividades organizadas pelas Comissões CRC SP Jovem, CRC SP Social e CRC SP Mulher. Além das palestras, a 23ª Convecon oferece aos convencionais uma feira de negócios cheia de oportunidades. Diversos expositores estarão reunidos no mesmo espaço, oferecendo aos Profissionais da Contabilidade as mais modernas e inovadoras ferramentas para facilitar e agilizar o trabalho no dia a dia. As inscrições seguem abertas pelo site do evento Para participar, Profissionais da Contabilidade, professores e profissionais de outras áreas investem R$ 425,00. Para estudantes da área contábil e acompanhantes, o investimento será de R$ 200,00. Caso o estudante de Ciências Contábeis já possua registro como Técnico em Contabilidade no CRC SP, ele deverá se inscrever como profissional. Os Profissionais da Contabilidade que devem realizar a Educação Profissional Continuada não podem perder este evento, que contará pontos para o Programa. Artigo Reuniões de trabalho: Como torná-las produtivas e motivadoras O comunicado de reunião pode ser recebido pela equipe com ansiedade, curiosidade, alegria ou mesmo indiferença. As reações ao convite dependem do quanto esta prática é habitual na empresa, do clima em que estes encontros costumam acontecer e dos resultados geralmente produzidos. É parte da cultura organizacional as práticas de comunicação e de tomada de decisão. Uma reunião pode ter como objetivo: informar, pesquisar, deliberar, comemorar ou mesmo promover o encontro dos profissionais. O importante é que a finalidade fique clara, que o modo como ela é conduzida esteja adequado ao objetivo e número de pessoas presentes, que a hora de início e término seja antecipadamente divulgada para que os participantes possam se programar e que, se possível, a pauta, ou ao menos o objetivo geral, também seja de conhecimento de todos. A depender da finalidade, o encontro pode ter um protocolo estruturado ou a condução ser mais espontânea e informal. O coordenador tende a ser mais eficaz se tiver um roteiro previsto e ao mesmo tempo estiver sensível às questões emergentes do grupo, saber o que abordar na hora, e como, e que temas deixar para tratar em outra oportunidade. De preferência, combinar no início como será a participação, ou seja, se a exposição será no início e perguntas e discussões ao final, por exemplo, ou se cada tema será discutido por todos ao longo da reunião. Adultos têm necessidade de saber o que virá pela frente. Quando as pessoas entendem a proposta da reunião e sabem, cada uma, qual será o papel a desempenhar na ocasião, podem se comprometer com os objetivos e tornar suas expectativas mais realistas. Quando os temas são pertinentes aos presentes e a possibilidade de contribuição individual é, de alguma forma, não só possível como estimulada, sobem a motivação e as chances de alcançar os benefícios previstos. Aos responsáveis pela condução dos trabalhos cabe a exposição dos temas, mas também o exercício da escuta. Dar espaço à participação e abrir mão do controle exclusivo da apresentação é uma demonstração de confiança em si, nos outros e na situação em questão. Só permite o encontro e a participação de indivíduos, inevitavelmente diferentes, aquele que acredita que a comunicação clara, o relacionamento franco e a sinergia gerada pelo processo conjunto são ingredientes essenciais ao sucesso dos negócios. Em culturas assim, floresce o aprendizado, a coesão e a melhoria contínua. Regina Barreto Coach, consultora de desenvolvimento humano e organizacional e sócia da Maxi Gente & Gestão O coordenador tende a ser mais eficaz se tiver um roteiro previsto e ao mesmo tempo estiver sensível às questões emergentes do grupo 14 Enfoque Contábil - julho 2013

15 Avanço Sobrevivência das empresas atinge 76% no Brasil Segundo estudo do Sebrae, pequenos negócios superam dificuldades do início da atividade e conseguem se manter no mercado Alessandra Pires A cada cem empresas criadas no Brasil, 76 sobrevivem aos dois primeiros anos de vida. É o que demonstra o estudo Sobrevivência das Empresas, divulgado em 10 de julho pelo Sebrae. Essa taxa, em crescimento nos últimos anos, mostra uma melhor capacidade das micro e pequenas empresas para superar dificuldades nos primeiros dois anos do negócio. Nesse período inicial, a empresa ainda não é conhecida no mercado, não possui carteira de clientes e, muitas vezes, os empreendedores ainda têm pouca experiência em gestão. A taxa de sobrevivência é muito alta e se deve principalmente a três fatores: legislação favorável, aumento da escolaridade e mercado fortalecido, analisa o presidente do Sebrae, Luiz Barretto. O Supersimples que reduz impostos e unifica os tributos em um só boleto deu tratamento diferenciado e melhores condições aos pequenos negócios. A escolaridade aumentou no Brasil como um todo e também beneficiou as empresas, porque um empreendedor mais preparado se planeja melhor. E, por fim, a força do mercado interno, com mais de cem milhões de consumidores, impulsiona os pequenos negócios, destaca Barretto. Segundo estudo do Sebrae, a região com maior número de empresas que vencem a barreira dos dois anos de vida é a Sudeste, onde também se concentra a maior quantidade de pequenos negócios. Nessa região, o índice de sobrevivência atingiu 78%. Em seguida está o Sul do país, com taxa de 75,3%, depois o Centro Oeste (74%), Nordeste (71,3%) e Norte (68,9%). Empreender sempre envolve risco, por isso é natural ter um percentual de empresas que não avançam. Mas qualquer taxa acima de 70% já é considerada bastante positiva, inclusive como parâmetro internacional, avalia o presidente do Sebrae. Tomando como referência o estudo de sobrevivência das empresas feito pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) junto a 15 países, a taxa mais alta é da Eslovênia, com 78%. Ao atingir 76%, o Brasil supera países como o Canadá (74%), Áustria (71%), Espanha (69%), Itália (68%), Portugal (51%) e Holan- Enfoque Contábil - julho 2013 da (50%), entre outros. O estudo da OCDE é o que mais se assemelha ao do Sebrae, no entanto considera ativa a empresa que tem ao menos um funcionário. Já o censo feito pelo Sebrae considera ativa a empresa que está em dia com a declaração fiscal junto à Receita Federal. Preparar a entrada no mundo dos negócios é o primeiro passo para ter sucesso com uma empresa. De acordo com o Sebrae, elaborar um plano de negócios, avaliar sua capacidade financeira e não misturar as contas pessoais com as da empresa são algumas das principais dicas. Em todo o Brasil, o Sebrae oferece consultorias, treinamentos, palestras, seminários, eventos, publicações, entre outros serviços, muitos deles gratuitos. O atendimento pode ser feito presencialmente em um dos mais 700 pontos de atendimento no país ou ainda pela internet(www. sebrae.com.br) ou pelo telefone ( ). Camila Sampaio - Sebrae Veja dez dicas para a sobrevivência da empresa: 1) Planeje-se sempre; 2) Respeite sua capacidade financeira; 3) Não misture as finanças da empresa com as pessoais; 4) Fique de olho na concorrência; 5) Prospecte novos fornecedores; 6) Tenha controle do seu estoque; 7) Marketing não se resume a anúncio, invista em outras estratégias; 8) Inove, mesmo que seja um produto/ serviço de sucesso; 9) Invista sempre na formação empresarial; 10) Seja fiel aos seus valores e ao do seu negócio. 15

16 Notícias O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) criou novas regras para uniformizar a análise de processos de reconhecimento ou revisão de pedidos de benefícios previdenciários com indícios de irregularidades, como fraude. As medidas estão na Instrução Normativa do INSS nº 68, publicada na edição de ontem do Diário Oficial da União. Se o responsável pelo suposto dano não for identificado pela Agência da Previdência Social (APS), cópia digital da apuração deverá ser encaminhada para a Polícia Federal, que assumirá a investigação. No caso de identificação, após análise do processo no qual se constatou o indício, será expedida notificação com a descrição da irregularidade detectada, devidamente A Câmara de Comércio Exterior (Camex) voltou a reduzir o Imposto de Importação de uma série de bens de capital para 2%, segundo resolução publicada ontem no Diário Oficial da União. A medida é similar a outras publicadas pela Camex desde o ano passado, em meio a esforços do governo para melhorar a competitividade e o investimento da indústria. A câmara reduziu o imposto de 11 bens de informática e telecomunicações. A resolução, que foi publicada em 26 de junho e é válida até o final de 2014, inclui bens de capital novos como alguns tipos de motores marítimos a diesel, por exemplo. Balança Comercial A balança comercial brasileira registrou um superávit US$ 1,294 bilhão na terceira semana de junho. Segundo dados divulgados ontem pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), no período, as exportações somaram US$ 6,050 bilhões e as importações, US$ 4,756 bilhões. Com o resultado semanal até anteontem, a balança acumula um superávit de US$ 1,649 bilhão no mês, com exportações de US$ 16,127 bilhões e importações de US$ 14,478 bilhões. No ano, no entanto, o saldo comercial continua negativo, agora em US$ 3,745 bilhões. As exportações somam US$ 109,416 bilhões no acumulado do ano até a terceira semana de junho e as importações, US$ 113,161 bilhões. INSS divulga novas regras para análise de benefícios fundamentada, com o montante passível de devolução, para que se possa apresentar, no prazo legal, a defesa. Essa notificação deve ser entregue com aviso de recebimento (ainda que por terceiros próximos). Nesse caso, o prazo para defesa é contado a partir do dia seguinte. Se o interessado não for encontrado, será publicada a notificação em edital. O prazo para apresentação de defesa, nesse caso, será contado a partir do primeiro dia útil após o período de 15 dias da data da publicação do edital. Concluídas as apurações, se houver indício de fraude, o processo será encaminhado à Procuradoria Federal Especializada junto ao INSS para análise e, se for o caso, Governo reduz imposto de importação de bens de capital O volume do comércio mundial subiu em abril após dois meses seguidos de declínio, em um reflexo de crescimento modesto no crescimento econômico global. Em seu relatório mensal, o Escritório para Análise de Política Econômica da Holanda, também conhecido como CPB, afirmou que os volumes comerciais avançaram 1,4% em abril. O ritmo de crescimento do comércio A Câmara de Comércio Exterior voltou a reduzir o Imposto de Importação de uma série de bens de capital para 2% elaboração de notícia-crime. Quando não se tratar de fraude, o levantamento dos valores recebidos indevidamente será efetuado, retroagindo cinco anos, contados da data de início do procedimento de apuração, incluindo, ainda, os valores recebidos a partir dessa data, que serão atualizados até a data da constituição do crédito. Na hipótese de interposição de recurso administrativo, o prazo prescricional fica suspenso até o julgamento do recurso. No caso da junta médica do INSS concluir pela existência de capacidade laborativa, o benefício será suspenso, o beneficiário será notificado e poderá apresentar recurso. Fonte: Portal Fenacon mundial sugere que a zona do euro continuou a ser a parte mais fraca da economia global, impedindo a retomada mais rápida da atividade. As exportações dos 17 países que usam o euro caíram 1,0%, enquanto as importações recuaram 0,3%. As exportações dos EUA subiram 2%, enquanto as importações da maior economia do mundo aumentaram 3,5%. Fonte: Fenacon 16 Enfoque Contábil - julho 2013

17 Representatividade Câmara aprova projeto que beneficiará a saúde do município Prefeita Dárcy Vera promulga a Lei Projeto de autoria do vereador Rodrigo Simões (PP), que cria o Programa Municipal de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde, foi aprovado pela Câmara Municipal de Ribeirão Preto e promulgado pela prefeita Dárcy Vera no último dia 14 de junho. O programa atende a Portaria 971, de 3 de maio de 2006, do Ministério da Saúde, e tem como objetivo promover a implantação de políticas e diretrizes para as áreas de Acupuntura, Fitoterapia, Plantas Medicinais, Antroposofia, Práticas Corporais, Homeopatia e Florais de Bach, incluindo as práticas que possam a vir a ser incorporadas pela Política Estadual da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. A verba para manutenção do Programa será captada através do SUS. Em se tratando de política municipal já implantada, temos exemplo da mesma já instituída em municípios como: São Paulo (Capital), Campinas (SP), Fortaleza (CE), Natal (RN), Goiânia (GO), Manaus (AM), Sergipe (SE), Uberlândia (MG), entre outros. É importante citar um exemplo divulgado na Revista de Saúde da Família, editada pelo Ministério da Saúde, ano IV de maio de 2008, em sua página 22 descreve Dentre os dados fornecidos pela SMS de Campinas, um chama a atenção acerca do trabalho com a Acupuntura: desde que a população teve acesso à nova técnica, houve a expressiva diminuição de mais de 74 mil anti-inflamatórios receitados na cidade, somente nos primeiros oito meses da implantação. Um projeto que beneficiará plenamente a saúde do município. Vereador Rodrigo Simões participa do lançamento da Campanha Bombeiro Sangue Bom Enfoque Contábil - julho 2013 A solenidade aconteceu no dia 1º. de julho no RibeirãoShopping e contou com a presença de várias autoridades e convidados. A Campanha Bombeiro Sangue Bom teve inicio em 2004 com 277 doadores compostos em sua maioria por Bombeiros em sua hora de folga apenas na cidade de São Paulo. Em 2005 a campanha foi estendida para todo o Estado e evoluiu para quase doações no mês de julho. O 9º Grupamento de Bombeiros no ano de 2012 alcançou doadores conquistando o honroso primeiro lugar em números de doadores no Estado de São Paulo. Este ano em Ribeirão Preto e Região, a Campanha Bombeiro Sangue Bom estará sendo realizada do dia 01 a 31 de Julho, e tem como meta aumentar a quantidade de doadores em relação ao ano passado, conscientizando e estimulando as pessoas da importância à doação de sangue, de forma periódica, através de ações junto às empresas que possuam Projetos Sociais afins, além de atividades e eventos que estejam em consonância com a Campanha, tendo como exemplo a realização da Corrida de Rua 6 milhas Bombeiros. Participarão da Campanha como Postos Coletores em Ribeirão Preto os Hemocentros da USP e Hospital São Lucas. O 9º Grupamento de Bombeiros através dos esforços conjuntos das Prefeituras locais, empresas e entidades amigas e com preocupações sociais, estará envidando todos os esforços para manter e aumentar os estoques de sangue dos Hemocentros e assim salvar várias vidas... afinal a vida é pra ser vivida e doada... 17

18 Ofício da CVM orienta sobre a auditoria de Demonstrações Financeiras de FIDCS O documento foi editado com o objetivo de apontar a existência de ameaça à independência nos trabalhos de Auditoria O Ofício-circular CVM/SNC/SIN nº 2/2013, divulgado em 11 de junho de 2013, versa sobre o conflito de interesses entre a prestação de serviços de Auditoria das demonstrações financeiras de FIDCs (Fundos de Investimento em Direitos Creditórios e Fundos de Investimento em Direitos Creditórios Não Padronizados) e de verificação de lastro dos direitos creditórios. O documento foi editado pela SNC (Superintendência de Normas Contábeis e de Auditoria) e SIN (Superintendência de Relações com Investidores Institucionais), ambas da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), com o objetivo de apontar a existência de ameaça à independência nos trabalhos de Auditoria das demonstrações de FIDC. De acordo com o texto, os Auditores Independentes são orientados a realizarem apenas um dos serviços: a Auditoria das demonstrações financeiras do FIDC ou a verificação do lastro. Os prazos para cada um devem ser mantidos: até 1º de fevereiro de 2014 ou imediatamente, caso o FIDC venha a realizar oferta pública de cotas registrada ou dispensada de registro na CVM. Os trabalhos de Auditoria devem ser realizados de acordo com as determinações da Norma Brasileira de Contabilidade NBC PA 290 Independência Trabalhos de Auditoria e Revisão. Caso haja falta de independência do Auditor contratado, o trabalho de Auditoria será considerado sem efeito para o atendimento da lei e das normas da CVM. Nessas situações, os administradores de FIDCs serão responsabilizados e poderão sofrer sanções legais. REVISTA GESTOR CONTÁBIL Editada bimestralmente, a revista Gestor Contábil é mais uma fonte de informação voltada para o Profissional da Contabilidade. Abordando assuntos da área contábil, a publicação é enviada pelos Correios a todos os profissionais registrados e em dia com o CRC SP. 18 Enfoque Contábil - julho 2013

19 Artigo Não existe tributação do Fundo de Comércio por ausência de base de cálculo Especificamente é a demonstração de resultado do exercício em que se obtém o lucro inicial. Esta recomendação pode trazer subsídios para o ajuste nas impurezas do lucro, resultado de eventuais ajustes das demonstrações contábeis para efeito de balanço especial com o foco de fundo empresarial, isto porque faz necessário um diagnostico na qualidade do lucro e suas implicâncias com as contas patrimoniais. O reconhecimento do fundo de comérciomnão cria a figura da disponibilidade de lucro e nem a do creditamento do lucro, pois significa apenas o reconhecimento de um potencial de excesso de lucro futuro ainda não realizado, e não existindo a sua realização econômica ou financeira, logo não se pode cogitar a incidência de imposto ou contribuição sobre o lucro, proventos ou renda. Não existindo renda ou lucro, não existe a tributação, por ausência de base de cálculo, também por ferir o principio da capacidade do contribuinte de comércio a cunha fiscal no seu regis- Antônio Luiz Simões Flório Economista-CORECOM n.º Contador- CRC-1SP073137/0-9 tro contabilístico. É importante frisar que a continuidade do negócio é uma premissa com um grau de abstração e carece de meditações vinculantes à fonte do direito contabilístico relativo ao fundo de comercio. Para a categoria fontes do Direito Contábil têm-se o seguinte sentido e alcance: são todos os fenômenos sociais, ou manifestação que tem a acepção de compreender e manter dentro de certos limites as regras jurídicas contábeis. Logo, o Direito Contábil nasce dos fatos que dão vida ao direito das células sociais, pelos negócios jurídicos perfeitos e pela exteriorização da vontade das partes, logo, vale o principio da pacta sunt servanda. A fonte do direito é, assim, modo de expressão dos pactos criados pela vontade das pessoas, portanto, temos a fascinante autonomia privada que está dedicada pela necessária obdiencia aos princípios de boa-fé e da função social do contrato. Dai nasce á importância das interferências do poder judiciário que tem o intuito de assegurar o equilíbrio nos negócios jurídicos bem como garantir os direitos fundamentais dos cidadãos, entre eles o direito à propriedade, e s supremacia dos interesses coletivos sobre os individuais. Representatividade A classe contábil pode comemorar: José Augusto Picão, contabilista, empresário e coordenador do Centro de Estudos da Casa do Contabilista foi eleito em assembleia do Grupo do Interior para integrar a chapa de situação no cargo de conselheiro na próxima eleição do CRC SP (Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo). A indicação de José Augusto aconteceu mediante votação em Assembleia do Grupo do Interior realizada no dia 22 de junho, em Piracicaba SP. O mandato de conselheiro é de quatro anos, podendo ser renovado. A indicação de Picão como candidato ocorreu por meio do SICORP (Sindicato dos Contabilistas de Ribeirão Preto e Região) com apoio da AESCON-RP (Associação das Empresas de Serviços Contábeis de Ribeirão Preto e Região) e da Regional do SESCON-SP (Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas no Estado de São Paulo). Enfoque Contábil - julho 2013 Ribeirão Preto poderá ter novo Conselheiro no CRC SP 19

20 Saúde Médico dá dicas de como evitar complicações de saúde no inverno Quando o inverno se inicia, não traz somente o frio. Algumas doenças ficam mais frequentes nesta estação do ano, entre elas: resfriado, gripe, sinusite, bronquite, pneumonia e asma. As mudanças bruscas de temperatura desestabilizam o sistema imunológico deixando principalmente o organismo dos menores mais frágeis e susceptíveis a essas doenças. A prevenção de maneira geral é muito importante para evitar complicações mais sérias. Dr. Orlando Barreto Neto, gerente médico responsável pelo Núcleo de Gestão e Promoção em Saúde da São Francisco, Saúde Plena, sugere algumas ações simples que podem fazer a diferença neste inverno: Mantenha o ambiente limpo e arejado; Beba bastante líquido; Consuma alimentos ricos em vitamina C, como limão, laranja e acerola; Faça exercícios físicos regularmente para aumentar a capacidade respiratória; Mantenha as roupas de cama, especialmente cobertas e edredons limpos e livres dos Ácaros, o principal inimigo dos alérgicos no inverno; Quando possível, coloque as roupas para secar ao sol; Evite lugares fechados, pouco arejados e com muitas pessoas; Lave as mãos com frequência; Evite fumar e conviver com fumantes; Evite banhos com água muito quente, que provocam o ressecamento da pele; Use sempre o protetor solar, mesmo no inverno os raios UVA estão presentes e podem danificar a pele; Não esqueça o protetor labial, ele ajuda a prevenir as temidas rachaduras; No caso das mulheres, o batom e o gloss também ajudam a prevenir as rachaduras, podem ser usados junto com o protetor labial ou mesmo sozinhos; As mãos, pés e cotovelos, são os locais que precisam de mais cuidados. Os pés ficam sempre escondidos em sapatos e meias. Já as mãos e os cotovelos ficam esbranquiçados e ressecados, devemos sempre hidratá-los. Notícia Larissa Meira/Sebrae Esqueça os tempos de inflação alta e insegurança econômica, quando trabalhar em uma empresa com carteira assinada era praticamente a única alternativa considerada segura para a maioria da população brasileira. O perfil da economia mudou e, atualmente, quase 44% dos brasileiros sonham em ter o próprio negócio, frente aos 25% que almejam seguir carreira como empregado em uma empresa. Os dados constam na pesquisa Global Entrepreneurship Monitor 2012 (GEM), realizada pelo Sebrae em parceria com o Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade (IBQP). O Brasil vive a plena expansão do mercado interno e a ascensão da classe média, que desponta com grande poder de consumo e também empreende em setores diversos. Nos últimos dez anos, as mudanças na legislação também favoreceram o ambiente empreendedor no país, analisa o presidente do Sebrae, Luiz Barretto. Ele cita como exemplos o surgimento da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, do Supersimples que reduz em média 40% da carga tributária dos pequenos Sonho de 44% dos brasileiros é abrir um negócio negócios e a criação do Microempreendedor Individual, que permite a formalização de negócios que faturam até R$ 60 mil por ano. O brasileiro está mais escolarizado e passou a abrir empresa por identificar uma demanda de negócio. É muito diferente do cenário há alguns anos, quando a pessoa abria empresa ao ficar desempregada e não encontrar outra alternativa, completa. Atualmente, quase 70% dos empreendedores abrem um negócio por oportunidade. Em 2002, o índice dos que empreendiam motivados pela identificação de uma chance no mercado empresarial era de 42,4%. O dinamismo da economia brasileira nos últimos dez anos, com o aquecimento do mercado de trabalho e a melhora do grau de escolaridade dos brasileiros, passaram a promover o empreendedorismo como uma alternativa de ocupação e renda aos brasileiros em todas as regiões do país. O empreendedorismo hoje tem mais qualidade porque cresce justamente em um momento em que o nível de emprego está bastante alto, completa Barretto. O levantamento comprova a evolução da atividade empreendedora no país. Em 2002, 20,9% da população estava envolvida na criação ou administração de um negócio. Dez anos depois, o índice saltou para 30,2% da população adulta, entre 18 e 64 anos. O crescimento de 44% na taxa de empreendedorismo é compatível com o dinamismo da economia brasileira no período, quando o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu em média cerca de 4%. Para 88% dos brasileiros adultos, o início de novo negócio é uma boa opção de carreira. A GEM também constata que entre os brasileiros mais escolarizados é maior a proporção de empresários por oportunidade. No grupo dos empreendedores com pós-graduação completa, por exemplo, 87% dos empresários em fase inicial abriram o negócio após constatar uma oportunidade de mercado. Nas mãos de mulheres e jovens Homens e mulheres dividem o comando dos novos negócios brasileiros aqueles com até 3,5 anos de atividade. De acordo com a pesquisa, 49,6% dos que iniciam a carreira empresarial são do sexo feminino. 20 Enfoque Contábil - julho 2013

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

BALANÇO DE ABERTURA www.scesgo.com.br Otávio Martins de Oliveira Júnior Diretor Assuntos Técnicos e Jurídicos Goiânia - Goiás - 21/08/2013

BALANÇO DE ABERTURA www.scesgo.com.br Otávio Martins de Oliveira Júnior Diretor Assuntos Técnicos e Jurídicos Goiânia - Goiás - 21/08/2013 SINDICATO DOS CONTABILISTAS ESTADO GOIÁS CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE DE GOIÁS CONVÊNIO CRC-GO / SCESGO BALANÇO DE ABERTURA www.scesgo.com.br Otávio Martins de Oliveira Júnior Diretor Assuntos Técnicos

Leia mais

Projeto SPED de A a Z

Projeto SPED de A a Z Consultoria e Treinamentos Apresentam: Projeto SPED de A a Z SPED Decreto nº 6.022 22/01/07 Instituir o Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) Promover a integração dos fiscos; Racionalizar e uniformizar

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) é uma entidade privada, sem fins lucrativos, criada em 1972. Desvinculado da administração pública

Leia mais

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atividades Sujeitas ao Regime. Julho 2010. Apoio: Elaborado por:

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atividades Sujeitas ao Regime. Julho 2010. Apoio: Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS IR? COFINS?? INSS? PIS SUMÁRIO 1 Introdução 3 2 Planejamento 5 3 Simples Nacional com a inclusão de novas categorias desde 01-2015 8 4 Lucro

Leia mais

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE RIO CLARO AUTOR(ES):

Leia mais

1 Informações diversas Câmara aprova ampliação de parcelamento do Refis da crise O plenário da Câmara aprovou na noite desta quarta-feira (21) a medida provisória que amplia o parcelamento de débitos tributários,

Leia mais

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br COMPRA certa Treinamento para o profissional de compras www.contento.com.br 503117 Tributação e seus impactos na rentabilidade editorial Calculando a rentabilidade Gerir uma farmácia requer conhecimentos

Leia mais

SINTEGRA + DPI + LIVROS FISCAIS EM PAPEL + OUTROS

SINTEGRA + DPI + LIVROS FISCAIS EM PAPEL + OUTROS SINTEGRA + DPI + LIVROS FISCAIS EM PAPEL + OUTROS Coordenação do SPED FISCAL Página 1 de 38 ÍNDICE Apresentação...4 Agradecimentos...6 O que é Escrituração Fiscal Digital (EFD)?...7 Quem está obrigado

Leia mais

República Federativa do Brasil Estado do Ceará Município de Juazeiro do Norte Poder Executivo

República Federativa do Brasil Estado do Ceará Município de Juazeiro do Norte Poder Executivo DECRETO N.º 501, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta a instituição do gerenciamento eletrônico do ISSQN- Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, a escrituração econômico-fiscal e a emissão de documento

Leia mais

SPED - EFD - Escrituração Fiscal Digital

SPED - EFD - Escrituração Fiscal Digital Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Mudança do Simples deve ser enviada ao Congresso

Mudança do Simples deve ser enviada ao Congresso Mudança do Simples deve ser enviada ao Congresso O governo deverá enviar, em junho, ao Congresso a proposta que amplia o teto de faturamento das empresas que podem se enquadrar no Simples Nacional. O texto

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014.

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. Regulamenta a Lei nº 1.775, de 10 de junho de 2014, dispondo sobre o modelo, requisitos, emissão e cancelamento da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e, institui

Leia mais

TRIBUTOS EM OBRAS. 24 e 25 de Fevereiro de 2010 Pergamon Hotel São Paulo / SP 24 DE FEVEREIRO CONFERÊNCIA CONFERÊNCIA

TRIBUTOS EM OBRAS. 24 e 25 de Fevereiro de 2010 Pergamon Hotel São Paulo / SP 24 DE FEVEREIRO CONFERÊNCIA CONFERÊNCIA Conferência Evite a Bitributação e Planeje a Redução Legal da Carga Tributária Através do Tratamento Adequado dos TRIBUTOS EM OBRAS Considere as Responsabilidades Tributárias dos Envolvidos em uma Obra

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 REGULAMENTO PARA ARRECADAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA O FUNDO DE UNIVERSALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

EI, VOCÊ AÍ! Passo a passo para as declarações de renda do MEI - Microempreendedor Individual 2014

EI, VOCÊ AÍ! Passo a passo para as declarações de renda do MEI - Microempreendedor Individual 2014 EI, VOCÊ AÍ! Regularize a situação da sua empresa com as dicas do Sebrae-SP e aproveite todos os benefícios da formalização. Passo a passo para as declarações de renda do MEI - Microempreendedor Individual

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

PRINCIPAIS DIFICULDADES PARA A APLICAÇÃO DO SPED CONTÁBIL E FISCAL 1

PRINCIPAIS DIFICULDADES PARA A APLICAÇÃO DO SPED CONTÁBIL E FISCAL 1 PRINCIPAIS DIFICULDADES PARA A APLICAÇÃO DO SPED CONTÁBIL E FISCAL 1 FERNANDES, Alexandre Roberto Villanova 2 ; KIRINUS, Josiane Boeira 3 1 Trabalho de Pesquisa _URCAMP 2 Curso de Ciências Contábeis da

Leia mais

DECRETO Nº 11.560 D E C R E T A:

DECRETO Nº 11.560 D E C R E T A: DECRETO Nº 11.560 Estabelece normas para o tratamento diferenciado e favorecido às Microempresas, Empresas de Pequeno Porte e Empreendedor Individual nos termos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro

Leia mais

seu dinheiro Consórcio ou financiamento? #103 Saiba qual é a melhor opção na hora de comprar um automóvel

seu dinheiro Consórcio ou financiamento? #103 Saiba qual é a melhor opção na hora de comprar um automóvel #103 seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais Saiba qual é a melhor opção na hora de comprar um automóvel Consórcio ou financiamento? Poupança com ganho real Investimento volta a superar a inflação

Leia mais

NOTAS FISCAL PAULISTA

NOTAS FISCAL PAULISTA NOTAS FISCAL PAULISTA 1. O que é Nota Fiscal Paulista? É um projeto de estimulo à cidadania fiscal no Estado de São Paulo, que tem por objetivo estimular os consumidores a exigirem a entrega do documento

Leia mais

Ministro apresenta programa Bem Mais Simples Brasil para deputados de comissão que discute novo Código Comercial

Ministro apresenta programa Bem Mais Simples Brasil para deputados de comissão que discute novo Código Comercial Ministro apresenta programa Bem Mais Simples Brasil para deputados de comissão que discute novo Código Comercial O ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa (SMPE), Guilherme Afif Domingos, apresentou

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA 1 REGULAMENTA O FUNDO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DE ALTO BELA VISTA GERAINVEST, REVOGA DECRETO 1883 E DA OUTRAS PROVIDENCIAS O Prefeito Municipal de Alto Bela Vista, Estado de Santa Catarina, no uso

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA *Lei Complementar 374/2009: LEI COMPLEMENTAR Nº 374, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. REGULAMENTA O TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS, ÀS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E AOS MICROEMPRESÁRIOS

Leia mais

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE Fevereiro/2009 SUMÁRIO 1. Medidas já Adotadas 2. Novas Medidas 2 Medidas já adotadas Prorrogação para 31/12/09 do prazo de 60 dias fora o mês para

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal SPED Contábil e Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal SPED. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

AUDITORIA ELETRÔNICA EM ARQUIVOS FISCAIS E CONTÁBEIS

AUDITORIA ELETRÔNICA EM ARQUIVOS FISCAIS E CONTÁBEIS VOCÊ JÁ TEM POUCO TEMPO. UTILIZE ESSE TEMPO PARA RESOLVER OUTROS PROBLEMAS. ACHAR E SOLUCIONAR OS PROBLEMAS TRIBUTÁRIOS E NO SPED FAZ PARTE DAS NOSSAS ESPECIALIDADES. AUDITORIA ELETRÔNICA EM ARQUIVOS FISCAIS

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital (EFD) Regras Gerais. 1. Introdução. 2. Definição

Escrituração Fiscal Digital (EFD) Regras Gerais. 1. Introdução. 2. Definição SUMÁRIO 1. Introdução 2. Definição 3. Contribuintes Obrigados à EFD 3.1. Contribuintes optantes pelo SIMPLES Nacional ou Microempreendedor Individual (MEI) 4. Livros Fiscais 5. Contribuintes Obrigados

Leia mais

Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados

Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados Fonte: Dr. Richard Dotoli (sócio do setor tributário na SCA Rio de Janeiro) MEDIDA DO CONFAZ Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados 01.05.2013 A ação requer que indústrias importadoras

Leia mais

EDITAL PARA EXPOSIÇÃO DE OPORTUNIDADES NA FEIRA DO EMPREENDEDOR DO RIO DE JANEIRO Edição 2015 I DA CONVOCAÇÃO

EDITAL PARA EXPOSIÇÃO DE OPORTUNIDADES NA FEIRA DO EMPREENDEDOR DO RIO DE JANEIRO Edição 2015 I DA CONVOCAÇÃO I DA CONVOCAÇÃO SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO Sebrae/RJ, entidade associativa de direito privado, sem fins econômicos, torna público que promoverá seleção de expositores para

Leia mais

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 651/14 promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE Projetando o nosso futuro

MENSAGEM DO PRESIDENTE Projetando o nosso futuro 2015 MENSAGEM DO PRESIDENTE Projetando o nosso futuro É com grande satisfação que apresentamos a Previsão Orçamentária para o exercício de 2015 do Sindicato dos Corretores de Seguros no Estado de São Paulo

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Automático Fundo de Investimento Curto Prazo e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras Demonstrações financeiras e 2013 Índice

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital EFD ICMS/IPI. Dulcineia L. D. Santos

Escrituração Fiscal Digital EFD ICMS/IPI. Dulcineia L. D. Santos Escrituração Fiscal Digital EFD ICMS/IPI Dulcineia L. D. Santos Sistema Público de Escrituração Digital SPED Decreto n. 6.022, de 22/01/2007. Objetivos do SPED: unificar as atividades de recepção, validação,

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA Equipe Portal de Contabilidade Para encerrar as atividades de uma empresa, é preciso realizar vários procedimentos legais, contábeis e tributários, além de, é claro,

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 22/12/2015 ATENÇÃO 1 Declaração de Imunidade Tributária Municipal deve ser enviada até 31.12.2015 Nos termos da Instrução Normativa nº 07/2015 da Secretaria

Leia mais

EFD PIS COFINS Teoria e Prática

EFD PIS COFINS Teoria e Prática EFD PIS COFINS Teoria e Prática É uma solução tecnológica que oficializa os arquivos digitais das escriturações fiscal e contábil dos sistemas empresariais dentro de um formato digital específico e padronizado.

Leia mais

ASSUNTOS DIVERSOS FÉRIAS COLETIVAS

ASSUNTOS DIVERSOS FÉRIAS COLETIVAS BOLETIM INFORMATIVO DUARTE BENETTI CONTABILIDADE ANO XXIX Nº 122 Dezembro / 2013 Assuntos Diversos...1 Fiscal... 2 Pessoal... 3 Social... 4 Feriado e Agenda Obrigações...5 Mensagem...6 ASSUNTOS DIVERSOS

Leia mais

RESUMO ESPANDIDO QUALITATIVO NOTA FISCAL ELETRÔNICA: MUDANÇAS E REPERCUSSÕES PARA EMPRESAS E ÓRGÃOS FISCALIZADORES

RESUMO ESPANDIDO QUALITATIVO NOTA FISCAL ELETRÔNICA: MUDANÇAS E REPERCUSSÕES PARA EMPRESAS E ÓRGÃOS FISCALIZADORES RESUMO ESPANDIDO QUALITATIVO NOTA FISCAL ELETRÔNICA: MUDANÇAS E REPERCUSSÕES PARA EMPRESAS E ÓRGÃOS FISCALIZADORES Anilton ROCHA SILVA, Carina VIAL DE CANUTO, Carolina CLIVIAN PEREIRA XAVIER, Débora LORAINE

Leia mais

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice I. Acesso ao Cadastro... 2 II. Seleção de Filtros... 3 III. Cadastro...

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

Manual de orientação Versão II APRESENTAÇÃO

Manual de orientação Versão II APRESENTAÇÃO Documento de Utilização de Benefício Fiscal APRESENTAÇÃO Prezado Contribuinte, Instituído pela Resolução SEFAZ nº 180 de 05 de dezembro de 2008, o DUB-ICMS (Documento de Utilização de Benefício) é uma

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS Joel Queiroz 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA Associação voluntária de pessoas para satisfação de necessidades econômicas,

Leia mais

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência.

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência. Especial IRPF 2011 Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Bradesco Vida e Previdência - Março de 2011 Chegou a hora de declarar o IRPF2011 Fique atento! Não descuide do

Leia mais

Configuração de Acumuladores

Configuração de Acumuladores Configuração de Acumuladores Os acumuladores são cadastro usados pelo Módulo Domínio Sistemas Fiscal para permitir a totalização dos valores lançados nos movimentos de entradas, saídas, serviços, outras

Leia mais

Boletim Mensal - Novembro/2015

Boletim Mensal - Novembro/2015 Boletim Mensal - Novembro/2015 Fiscal Contábil RH Notícias Calendário Obrigações Fiscal Fisco irá cruzar informações de bancos com o Imposto de Renda e apertar contribuinte. A partir de janeiro de 2016,

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança

Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança Bernard Appy maio de 2015 Sistema tributário brasileiro Características desejáveis Características desejáveis de um sistema tributário

Leia mais

AUDITORIA FISCO-CONTÁBIL DAS DEMONSTRAÇÕES ELETRÔNICAS COMPLIANCE FISCAL ELETRÔNICO

AUDITORIA FISCO-CONTÁBIL DAS DEMONSTRAÇÕES ELETRÔNICAS COMPLIANCE FISCAL ELETRÔNICO AUDITORIA FISCO-CONTÁBIL DAS DEMONSTRAÇÕES ELETRÔNICAS COMPLIANCE FISCAL ELETRÔNICO Nossos serviços de auditoria das Obrigações Eletrônicas utilizam ferramentas que permitem auditar os arquivos enviados

Leia mais

Aeconômica que nosso país

Aeconômica que nosso país 2 Informativo Sescon - Ano V - n 9 - Setembro 2015 A palavra do Presidente Caro leitor, instabilidade política e Aeconômica que nosso país atravessa neste ano, tem c a u s a d o p r e o c u p a ç õ e s,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015 Institui programa de concessão de créditos da União no âmbito do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física, denominado Nota Fiscal Brasileira, com o objetivo de incentivar

Leia mais

SIAGRI SISTEMAS Esclarecimentos SPED Contábil

SIAGRI SISTEMAS Esclarecimentos SPED Contábil SIAGRI SISTEMAS Esclarecimentos SPED Contábil O que é SPED? Sistema Público de Escrituração Digital É um projeto de âmbito NACIONAL sendo gerenciado pela RECEITA FEDERAL, tem como objetivo a uniformização

Leia mais

e CNPJ Benefícios do e-cnpj

e CNPJ Benefícios do e-cnpj São Paulo, Julho de 2009 e CNPJ O e-cnpj é um documento eletrônico em forma de certificado digital, que garante a autenticidade e a integridade na comunicação entre pessoas jurídicas e a Receita Federal

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de maio de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de maio de 2013 e 2012 Bradesco Private Fundo de Investimento em CNPJ nº 06.190.203/0001-74 (Administrado pela BEM - Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.) KPDS 65521 Conteúdo Bradesco Private Fundo de Investimento

Leia mais

ICMS Perícia em processo envolvendo substituição tributária. Recife, agosto de 2008 Eduardo Amoim.

ICMS Perícia em processo envolvendo substituição tributária. Recife, agosto de 2008 Eduardo Amoim. ICMS Perícia em processo envolvendo substituição tributária Recife, agosto de 2008 Eduardo Amoim. OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA OBRIGATORIEDADE DE CUMPRIR A EXIGÊNCIA DE NATUREZA TRIBUTÁRIA PRINCIPAL - Obrigação

Leia mais

Manual De Sped Fiscal E Sped Pis / Cofins

Manual De Sped Fiscal E Sped Pis / Cofins Manual De Sped Fiscal E Sped Pis / Cofins 29/05/2012 1 O Sped fiscal e Pis/Confins é uma arquivo gerado através do sistema da SD Informática, onde este arquivo contem todos os dados de entrada e saída

Leia mais

CURSO ESCRITÓRIO CONTÁBIL MODELO. Próxima turma com inicio em Março de 2012

CURSO ESCRITÓRIO CONTÁBIL MODELO. Próxima turma com inicio em Março de 2012 CURSO ESCRITÓRIO CONTÁBIL MODELO Próxima turma com inicio em Março de 2012 Conteúdo Programático: Abertura e Encerramento de Empresas: Decisão quanto a forma jurídica; Empresa Individual; Sociedade Empresária

Leia mais

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Em que se constitui o ICMS ANTECIPADO ESPECIAL? R= Em valor correspondente à diferença entre a alíquota interna e a

Leia mais

Professor José Sérgio Fernandes de Mattos

Professor José Sérgio Fernandes de Mattos Professor Apresentação: 1. Instituído pelo Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007, o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal

Leia mais

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A TRIBUTÁRIO 16/11/2015 ICMS - Regulamentação do Programa Especial de Parcelamento do Estado de São Paulo PEP Reduções Com base na autorização do Convênio ICMS 117/2015, de 07 de outubro de 2015, no último

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica. LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS CARTILHA EM PERGUNTAS E RESPOSTAS PARTE III Orlando Spinetti Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica. LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS CARTILHA EM PERGUNTAS E RESPOSTAS PARTE III Orlando Spinetti Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS CARTILHA EM PERGUNTAS E RESPOSTAS PARTE III Orlando Spinetti Advogado O escopo deste Trabalho Técnico é trazer, de forma didática,

Leia mais

Neste bip. EFD Contribuições. Você sabia? Prazo final para entrega dos arquivos ECD e FCONT. edição 22 Junho de 2012

Neste bip. EFD Contribuições. Você sabia? Prazo final para entrega dos arquivos ECD e FCONT. edição 22 Junho de 2012 Neste bip EFD Contribuições... 1 Prazo final para entrega dos arquivos ECD e FCONT... 1 Configuração da Demonstração do Fluxo de Caixa... Configuração do Plano de Contas de acordo com a Lei 11.638/07...

Leia mais

TREINAMENTO E ATUALIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DAS ÁREAS CONTÁBIL E FISCAL

TREINAMENTO E ATUALIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DAS ÁREAS CONTÁBIL E FISCAL Empresarial TERCEIRIZAÇÃO CONTÁBIL Com o aumento dos custos operacionais e estruturais em geral, um dos segmentos que mais tem evoluído em matéria de terceirizações é o da contabilidade. Terceirizar é,

Leia mais

EI, você aí! Passo a passo para as declarações de renda do Empreendedor Individual

EI, você aí! Passo a passo para as declarações de renda do Empreendedor Individual EI, você aí! Passo a passo para as declarações de renda do Empreendedor Individual SEBRAE-SP Conselho Deliberativo Presidente: Alencar Burti (ACSP) ACSP Associação Comercial de São Paulo ANPEI Associação

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Empresas em geral Microempresas

Leia mais

HSBC INSTITUIDOR FUNDO MÚLTIPLO. Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev

HSBC INSTITUIDOR FUNDO MÚLTIPLO. Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev HSBC INSTITUIDOR FUNDO MÚLTIPLO Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev,

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica

Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica Engº Francisco Antônio Ramos de Oliveira Gerente de Negócios faro@cpfl.com.br 14 9148 5978 São Paulo, 16 de junho de

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA nº 07/2014

CHAMADA PÚBLICA nº 07/2014 1 CHAMADA PÚBLICA nº 07/2014 Projeto de Qualificação de Credenciados de Serviços de Consultoria e Instrutoria do SEBRAE/RS Porto Alegre 2014 2 PREÂMBULO O SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA MONTAR SUA MICRO OU PEQUENA EMPRESA

INSTRUÇÕES PARA MONTAR SUA MICRO OU PEQUENA EMPRESA INSTRUÇÕES PARA MONTAR SUA MICRO OU PEQUENA EMPRESA SUMÁRIO Primeira Parte - Como Registrar sua Empresa Segunda Parte - O Novo Estatuto da Micro e Pequena Empresa PRIMEIRA PARTE COMO REGISTRAR SUA EMPRESA

Leia mais

PESQUISA DE PREÇOS E SERVIÇOS PRATICADOS PELAS ORGANIZAÇÕES CONTÁBEIS DO ESTADO DE SÃO PAULO JULHO 2010

PESQUISA DE PREÇOS E SERVIÇOS PRATICADOS PELAS ORGANIZAÇÕES CONTÁBEIS DO ESTADO DE SÃO PAULO JULHO 2010 PESQUISA DE PREÇOS E SERVIÇOS PRATICADOS PELAS ORGANIZAÇÕES CONTÁBEIS DO ESTADO DE SÃO PAULO JULHO 2010 Pesquisa de Preços e Serviços praticados pelas Organizações Contábeis do Estado de São Paulo A B

Leia mais

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Uma agenda tributária para o Brasil Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Sumário Introdução Problemas do sistema tributário brasileiro Sugestões de aperfeiçoamento 2 Sumário Introdução

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS Palestra Imposto de Renda: "entenda as novas regras para os profissionais da Odontologia" Abril/2015 Palestra Imposto de Renda 2015 A Receita Federal do Brasil RFB para o exercício

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA ICMS

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA ICMS Manual Explicativo José Roberto Rosa Por delegação da Constituição, a Lei complementar 87/96 define : SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA EM OPERAÇÕES / PRESTAÇÕES Antecedentes

Leia mais

Incentivo Fiscal Imposto de Renda sobre Pessoa Física IMPOSTO DE RENDA

Incentivo Fiscal Imposto de Renda sobre Pessoa Física IMPOSTO DE RENDA Incentivo Fiscal Imposto de Renda sobre Pessoa Física IMPOSTO DE RENDA O Imposto de Renda sobre Pessoa Física - IRPF é um tributo federal obrigatório a todos os trabalhadores brasileiros que obtiveram

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES DO PVCC

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES DO PVCC ESTADO: GOIÁS COORDENADOR: HENRIQUE RICARDO BATISTA PERÍODO DO RELATÓRIO: Ano de 20 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES DO PVCC ATIVIDADE DATA N o DE HORAS LOCAL (Município) OBJETIVO N o PART RESULTADO/

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR PROGRAMA DE MUNICIPALIZAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR É com satisfação que a Fundação Procon/SP apresenta o novo Programa de Municipalização que tem como objetivo fortalecer o Sistema Estadual

Leia mais

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005).

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005). A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas na Construção Civil Relatório de Pesquisa Equipe Técnica Prof. Dr. Fernando Garcia Profa. Ms. Ana Maria Castelo Profa.Dra. Maria Antonieta Del Tedesco Lins Avenida

Leia mais

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil.

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Indústria É assim que e Comércio a gente segue Exterior em frente. Introdução Atualmente, muitos

Leia mais

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social Florianópolis - SC 27 de outubro de 2014 A INFORMALIDADE NO BRASIL A INFORMALIDADE Pesquisa ECINF IBGE Pertencem ao setor

Leia mais

O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização

O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização Prof. Francisco F da Cunha 1 A substituição tributária do ICMS está atualmente prevista no Artigo 150, da Constituição Federal de 1988, que

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº512, DE 2010 NOTA DESCRITIVA

MEDIDA PROVISÓRIA Nº512, DE 2010 NOTA DESCRITIVA MEDIDA PROVISÓRIA Nº512, DE 2010 NOTA DESCRITIVA DEZEMBRO/2010 Nota Descritiva 2 SUMÁRIO I - MEDIDA PROVISÓRIA Nº 512, DE 2010...3 II EMENDAS PARLAMENTARES...4 III JUSTIFICATIVA DA MEDIDA PROVISÓRIA...6

Leia mais

PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS

PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS 1) FUNDAMENTO LEGAL: Objetivando expressar nosso Parecer Técnico sobre a legislação que fundamenta o programa de incentivo fiscal (Programa de Apoio à Inclusão e

Leia mais

também é chamada de e tem como objetivo principal analisar se todas as obrigações tributárias estão sendo seguidas corretamente em uma empresa.

também é chamada de e tem como objetivo principal analisar se todas as obrigações tributárias estão sendo seguidas corretamente em uma empresa. A também é chamada de e tem como objetivo principal analisar se todas as obrigações tributárias estão sendo seguidas corretamente em uma empresa. É responsável pelo controle e bom andamento dos procedimentos

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO

INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO Prof. Nicolau Afonso Barth, Dr. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Assessoria de Projetos Cooperados / Assessoria de Assuntos Estudantis ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO: Lei

Leia mais

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte.

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte. SPED O Sistema Público de Escrituração Digital, mais conhecido como Sped, trata de um projeto/obrigação acessória instituído no ano de 2007, através do Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007. É um

Leia mais