Biopirataria no Brasil e a proteção interna e externa através da legislação.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Biopirataria no Brasil e a proteção interna e externa através da legislação."

Transcrição

1 Biopirataria no Brasil e a proteção interna e externa através da legislação. Carina Elguy da Silva RESUMO O patrimônio genético brasileiro apresenta-se como uma alavanca econômica em potencial. Nesse sentido os recursos genéticos potenciais mais importantes seriam os medicinais, entre outros que poderiam criar novas atividades econômicas no país. O que deixa claro que nosso patrimônio genético interessa a países e indústrias mundiais nos mais variados ramos comerciais, por exemplo, indústria farmacêutica, alimentícia e têxtil. A inexistência de uma legislação específica definindo acordos internacionais envolvendo a proteção, comércio, troca de germoplasmas facilita a existência de caçadores de gens ou biopiratas. Torna-se necessário então, a definição de proteção, patenteamento, comercialização e troca de material genético. Sendo indispensável à proteção da biodiversidade e do conhecimento tradicional das comunidades. Palavras-chave: Biopirataria; TRIPS (Trade Related Intelectual Property Rights) ou ADIPCS (Aspectos sobre os Direitos de Propriedade Intelectual Relacionado com o Comércio); CDB (Convenção sobre a Diversidade Biológica)

2 1. Introdução Biodiversidade é o termo que biólogos contemporâneos encontraram para definir com maior ênfase a enorme quantidade de espécies animais e vegetais existentes no planeta.1 A biodiversidade trouxe ao cotidiano político, nacional e internacional, questões até então pouco analisadas e consideradas muitas vezes como secundárias; passando a ter uma importância incontornável que só tende a crescer. A maior parte dos recursos genéticos e às milhares de espécies animais e vegetais existentes no planeta se encontram em países do hemisfério sul e as principais indústrias farmacêuticas, de engenharia genética e biotecnologia, nos países do hemisfério norte. Países como o Brasil, a Colômbia, Costa Rica e Madagascar possuem um patrimônio genético tão rico que os meios especializados falam em megabiodiversidade. Aproximadamente, 20% de toda a biodiversidade existente atualmente no mundo se encontram no Brasil. Muitos produtos extraídos de material contrabandeado, aprimorado pelas tecnologias, foram patenteados por laboratórios estrangeiros. Estatísticas do IBGE dizem que nosso país já perdeu centenas de milhões de dólares com registros no exterior de novas patentes baseadas em espécies vegetais da Amazônia2 por não dispormos de mecanismos eficientes de defesa do nosso patrimônio genético. De forma muito fácil qualquer pessoa entra em nosso território, exporta, mapeia e registra patentes com base nos recursos coletados livremente. A biopirataria atinge a vários países. Com um maior destaque para o Brasil por sua grande biodiversidade, mais especificadamente na Amazônia e no Pantanal. A Amazônia Legal Brasileira abrange uma área de Km². Compreendendo os estados de Rondônia, Acre, Amapá, Amazonas, Roraima, Pará, Tocantins e grande parte do Maranhão e Mato Grosso. Esta imensa área, de grande importância geopolítica, engloba a maior parte da bacia amazônica e faz fronteira com sete países sul-americanos. Agregando, assim a maior floresta tropical úmida do mundo. Em sua biodiversidade, além de um incomensurável potencial potamográfico, lá se localizam os maiores banco genético e a mais vasta província mineralógica planetária. Por essas razões a Amazônia há muito tempo desperta a cobiça de muitos. A partir do fim do século XVI, franceses, holandeses e ingleses incursionaram pelo baixo Amazonas, com intuito de exploração, de comércio e de fixação na área. Já no século XX em 1902, o Presidente Theodore Roosevelt, desejoso de participar da vertiginosa industrialização da borracha, incentiva o desenvolvimento de um consórcio internacional, o Bolivian Syndicate of New York, para a ocupação do Acre, região em litígio entre Brasil e Bolívia, contrariando interesses dos dois países. A criação, em 1927, da Fordlândia, às margens do rio Tapajós e posteriormente em Belterra (próximo a Santarém PA), bem revela o interesse norte-americano pela borracha do Brasil, tão importante para o esforço de guerra dos aliados, por ocasião da II Guerra Mundial, tornando-se memorável o trabalho dos Soldados da Borracha. Convém relembrar que, desde sempre, pairou sobre esse rico e imenso território brasileiro, a cobiça de estrangeiros, hoje potencializada pela globalização e fim da biopolaridade e, máxime, pela excepcional posição geográfica e conhecimento científico de que se dispõe sobre o seu incomensurável potencial hídrico, mineralógico e diversidade biológica. Podemos ver ao longo da história que muito material genético de nosso país foi retirado. Houveram diversas saídas. Em 1746 saiu o cacau levado do Estado da Bahia para o continente Africano, tornando-se este importante produtor de seus derivados.

3 Em 1860 Richard Spruce, botânico inglês foi o encarregado de proceder à coleta de mudas de cinchona, de cujas cascas ocorre a extração do quinino, esta substância foi levada para o Sudeste asiático. A Indonésia tornou-se um dos maiores produtores de quinino. Henry Wickham em 1876 realizou a transferência de sementes de seringueiras da região de Santarém. O Brasil só foi o grande produtor de látex durante o período de crescimento das mesmas na Ásia, após perdendo para estes que se tornaram os maiores produtores de borracha. Na atualidade as transferências de material genético são comuns. Já é comum a presença da ipecuanha, planta nativa em Rondônia, de cujas raízes se extraí o princípio ativo ementina, sendo cultivada no Himalaia; a casanha-do-pará em Cingapura, Malásia, Sri Lanka e Trinidad e Tobago. Entre outros temos também já patenteados fora do país como o açaí (utilizado na indústria alimentícia) em que desde março de 2001, o próprio nome da planta Açaí se tornou marca registrada na União Européia.3 Outros casos são o do cupuaçu (utilizado na indústria alimentícia) e que é exportado para vários países. 4 O da andiroba (utilizado na indústria farmacêutica) como exemplo positivo forma parte do elenco de plantas medicinais sendo estudados pela Central de Medicamentos (CEME) do Brasil.5 2. Biopirataria e Bioprospecção A grande biodiversidade ou diversidade biológica brasileira (abrangência de todas as espécies de plantas, animais, microorganismos e dos ecossistemas dos quais são partes; grau de variedade da natureza, incluíndo número e freqüência de ecossistemas, espécies ou gens, num dado espaço)6, torna o país um alvo mundial da biopirataria. Biopirataria é a apropriação indevida de espécies vivas da flora e da fauna e da sabedoria popular sobre suas utilizações com o objetivo de se realizar estudos, reprodução em laboratório e comercialização, sem remuneração nem benefícios para o país ou a população dos quais são detentores das espécies ou das informações.7 Com isso, podemos dizer que existem formas de biopirataria: Da Fauna: extração de genoma, tráfico de animais. Da Flora: envio para o exterior de princípios ativos de plantas de origem brasileira. Da Cultura: retirada de conhecimentos da população local, de indígenas sobre determinada planta ou animal. Podemos então dizer que a biopirataria não é apenas o contrabando de diversas formas de vida da flora e fauna, mas principalmente, a apropriação e monopolização dos conhecimentos das populações tradicionais no que se refere ao uso dos recursos naturais. Ainda existe o fato de que estas populações estão perdendo o controle sobre esses recursos. Situação esta que como vimos não é novidade na Amazônia. A exploração da biodiversidade em questão pode ser feita de forma controlada e consciente transformando-se assim em proteção ao meio ambiente. Porém, a sua exploração vem ocorrendo com o uso indiscriminado da biodiversidade e resultando no empobrecimento dos recursos genéticos. Ocasionando dessa forma o aumento das espécies em extinção. Contudo, o que se torna certo, apesar dos fatos, é que é imprescindível que se inicie a bioprospecção da biota brasileira. A conservação da natureza deixará de ser vista como um obstáculo para o desenvolvimento e passará a ser o sustentáculo de um novo paradigma, que associa o uso sustentável dos recursos naturais com a melhoria da qualidade de vida da humanidade. A questão, portanto, não é se devemos ou não estimular a bioprospecção, mas sim em que condições devem fazê-lo.

4 3. O Conhecimento Tradicional aliado a Bioprospecção Com os novos avanços na área de biotecnologia, possuir ou ter acesso à biodiversidade tornou-se algo estratégico, alvo de constantes disputas e debates. O acesso ao conhecimento tradicional associado seria a obtenção de informação sobre conhecimento ou prática individual ou coletiva, associada ao patrimônio genético, de comunidade indígena ou de comunidade local, para fins de pesquisa científica, desenvolvimento tecnológico ou bioprospecção, visando sua aplicação industrial ou de outra natureza 8 E bioprospecção seria a atividade exploratória que visa identificar componente do patrimônio genético e informação sobre conhecimento tradicional associado, com potencial de uso comercial9. A própria riqueza e variedade de nossa biodiversidade pode significar uma nova procura: encontrar na grande quantidade de material genético àquele que pode gerar um produto inovador, por isso a importância de tais conhecimentos tradicionais aliados ao patrimônio genético e a própria bioprospecção. A utilização do conhecimento das comunidades tradicionais (povos indígenas, seringueiros, agricultores, ribeirinhos, etc) sobre recursos naturais pode ser o ponto de partida para pesquisas que podem levar ao patenteamento de produtos e processos de obtenção de novas tecnologias. Os recursos biológicos, muitas vezes presentes em terras indígenas, são coletados por pesquisadores ou laboratórios, que passam a estudar o potencial farmacológico de determinada planta ou veneno de animal, baseando-se no uso tradicional que se faz deles. Hoje já se reconhece o saber tradicional associado aos recursos biológicos e a possibilidade de repartição de possíveis benefícios advindos do seu uso comercial ou industrial e o Estado reconhece o direito das comunidades indígenas entre outras de decidirem sobre o uso de seus conhecimentos tradicionais associados ao patrimônio genético do país, ou seja, o consentimento prévio das comunidades para o acesso aos recursos situados em suas terras. 4. A Legislação Brasileira e o Meio Ambiente A legislação portuguesa já protegia o equilíbrio ecológico. As Ordenações Afonsinas, no Livro V, Título LVIII, proibiam o corte deliberado de árvores frutíferas; o Livro V, Título LXXXIII, das Ordenações Manuelinas vedava a caça de perdizes, lebres. Com a proclamação da Independência do Brasil em 1822, surgiu nova ordem jurídica com a Constituição de Com a promulgação do Código Penal de 1830, nos artigos 178 e 257 puniam crimes ambientais. Na década de 30 do século passado surge o Decreto 24645, de 10/07/1934, coibindo maus tratos aos animais; e o Código Florestal, instituído pelo Decreto 23793, de 23/01/ 1934, que contava com diversos dispositivos de natureza penal. Na década de 40 o Código Penal em vigor, em sua Parte Especial, por exemplo, art.165, que trata do dano em coisa de valor artístico, arqueológico ou histórico. Já na década de 60 surge o Código Florestal (lei 4771, de 18/09/1965), a Lei de Proteção à Fauna (nº 5197, de 03/01/1967) e o chamado Código de Pesca (decreto-lei 221, de 28/02/1967). Após na década de 80 a Lei de Política Nacional do Meio Ambiente (nº 6938, de 31/08/1981); e a própria Constituição Federal de 05/10/1988 em seu art. 225 protegem o meio ambiente. Com a Constituição Federal de 1988 fica estabelecido que a União detém competência privativa e concorrente para legislar sobre o meio ambiente. Entende-se como privativo o que é exclusivo, peculiar, particular. Apesar da competência privativa da

5 União cabe aos Estados e aos Municípios o dever de zelar pela proteção ao meio ambiente. Como competência material da União temos a atribuição à esfera de poder o direito de fiscalizar e impor sanções em caso de descumprimento da lei. Com base na Constituição Federal de 1988 em seu artigo 216 temos estipulado uma proteção ao patrimônio cultural brasileiro e no artigo 225 o dever do Poder Público e da coletividade de preservar e defender o meio ambiente. Protegendo assim, o direito a um meio ambiente saudável e equilibrado, prestigiando um direito humano de terceira geração.10 A Constituição Federal erigiu o meio ambiente como bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, (art. 225). Determinou, ainda, incumbir ao Poder Público preservar a diversidade e a integridade do patrimônio genético do País e fiscalizar as entidades dedicadas à pesquisa e manipulação de material genético (art. 225, II, CF). De igual forma, impõe o estudo prévio de impacto ambiental - EIA para instalação de obra ou atividade potencialmente causadora de significativa degradação do meio ambiente (art. 225, IV, CF). Também incumbe ao Estado promover e incentivar o desenvolvimento científico, pesquisa e capacitação tecnológicas, tendo em vista o bem público e o progresso das ciências, bem como o desenvolvimento do sistema produtivo nacional (art. 218, 1 o e 2 o, CF). Diante de dois valores aparentemente antagônicos, a proteção ao meio ambiente e desenvolvimento tecnológico e econômico é que a legislação brasileira e as convenções internacionais fazem menção ao desenvolvimento sustentável, assim entendida a compatibilização entre os bens juridicamente tutelados. O art. 225 da Constituição Federal não deixa margem à interpretação de sua abrangência em que todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado. Então, esse direito pode ser em princípio, defendido por todos. Isso quer dizer por qualquer cidadão ou pessoa sujeito de direitos, como as crianças ou mesmo os que ainda vão nascer em razão de que esse direito difuso se estende às gerações futuras. Ainda sobre o art. 225 da Constituição Federal vale ressaltar que este exige, na forma da lei, estudo prévio de impacto ambienta, para instalação de qualquer obra ou atividade potencialmente causadora de significativa degradação do meio ambiente. O referido Estudo de Impacto Ambiental é de suma importância para a execução do princípio da precaução, de modo a tornar possível no mundo real a previsão de possíveis danos ambientais.11 Enfatizando assim, a importância do princípio da precaução como regra fundamental de proteção ambiental no direito nacional e internacional. Prevenir a degradação do meio ambiente no plano nacional e internacional é uma concepção que passou a ser aceita no mundo jurídico, especialmente, nas últimas três décadas. A preocupação com a higiene urbana, um certo controle sobre as florestas e a caça já datam de séculos. Inovou-se no tratamento jurídico dessas questões, procurandose interligá-las e sistematizá-las. Demorou-se muito para procurar-se evitar a poluição, e a transformação do mundo natural fazia-se sem atentar-se aos resultados. O que iria acontecer ou o que poderia acontecer para a natureza não se queria cogitar, pois se acreditava que a natureza desse país imenso se arranjaria por si mesma. No final do século XX, novas formas de atividades, que podem desequilibrar definitivamente o já precário equilíbrio da vida no planeta, são ainda fomentadas: como o uso de pesticidas, a exploração desenfreada da diversidade biológica. Com a Lei de Política Nacional do Meio Ambiente, no Brasil (Lei n o de 31 de agosto de 1981) inseriu como objetivos dessa política pública - compatibilizar o desenvolvimento econômico-social com a preservação da qualidade do meio ambiente e do equilíbrio ecológico e a preservação dos recursos ambientais, com vistas à sua utilização

6 racional e disponibilidade permanente (art. 4 o, I e VI). Entre os instrumentos da política nacional do meio ambiente colocou-se a avaliação dos impactos ambientais (art. 9 o, III). A prevenção passa a ter fundamento no direito positivo, pela primeira vez na América Latina. Incontestável passou a ser a obrigação de prevenir ou evitar o dano ambiental, quando o mesmo pudesse ser detectado antecipadamente.12 O princípio da precaução vorsorgeprinzip está presente no direito alemão desde os anos 70, ao lado do princípio da cooperação e do princípio poluidor-pagador. A implementação do princípio da precaução não tem por finalidade imobilizar as atividades humanas. Visa a durabilidade da qualidade de vida das gerações humanas e a continuidade da natureza existente no planeta. Devendo ser visualizado em relação ao direito ao meio ambiente das gerações futuras. Por sua vez o art. 225, II do 1º e 4º da Constituição Federal se tornou regulamentado pela Medida Provisória /01 que também regulamenta os arts. 1 o, 8 o, alínea j, 10, alínea c, 15 e 16, alíneas 3 e 4 da Convenção sobre a Diversidade Biológica dispondo sobre o acesso ao patrimônio genético, a proteção e o acesso ao conhecimento tradicional associado, a repartição de benefícios e o acesso à tecnologia e a transferência de tecnologia para sua conservação e utilização. Sendo que esta Medida Provisória em seu artigo 1º dispõe sobre os bens, direitos e obrigações relativos ao acesso a componentes do patrimônio genético existentes no território nacional, o acesso ao conhecimento tradicional associado ao patrimônio genético e a repartição justa e eqüitativa dos mesmos. Também trata do acesso à tecnologia e transferência de tecnologia para a conservação e a utilização da diversidade biológica. Quanto ao acesso aos componentes do patrimônio genético para fins de pesquisa científica, desenvolvimento tecnológico ou bioprospecção a sua utilização deve-se dar de forma que não acarrete em prejuízo dos direitos de propriedade material ou imaterial que incidam sobre o componente do patrimônio genético acessado ou sobre o local de sua ocorrência. A liberação para a utilização dos mesmos se dará através de autorização da União e fiscalização da mesma. Já relativo ao conhecimento tradicional associado ao patrimônio genético a Medida Provisória em seu art. 8º, 2º diz que este é parte integrante do patrimônio cultural brasileiro. Formando parte assim, do art. 216 da Constituição Federal de O Problema da Biopirataria O patrimônio genético de países como o Brasil é de suma importância para o desenvolvimento de novos medicamentos e tecnologias para a humanidade e serve para os detentores desse patrimônio como uma alavanca econômica em potencial. Sendo assim, com base no patrimônio genético e seu uso sustentável poderia haver a criação de novas atividades econômicas no país. A inexistência de uma legislação nacional específica definindo acordos internacionais envolvendo a troca de germoplasmas facilita a ocorrência da biopirataria. Torna-se necessário então, a definição, proteção da biodiversidade e patenteamento de material genético. Então: Qual seria a melhor forma de se legislar a proteção de nossa biodiversidade de forma que evitasse a biopirataria e o patenteamento de material genético fora do país? O Direito Internacional do Meio Ambiente teve sua primeira manifestação em Paris, em 19 de março de 1902, com a convenção para proteger aves úteis à agricultura. A Conferência de Estocolmo, em 1972, foi o grande divisor de águas. Contendo 26 princípios, ela veio acompanhada de um plano de ação composto de 190 resoluções. As nações passaram a compreender que nenhum esforço, isoladamente, seria capaz de solucionar

7 os problemas ambientais, como alteração do clima global, destruição da camada de ozônio ou empobrecimento dos recursos genéticos do planeta. Sendo assim, temos como princípios internacionais do Direito Ambiental: a) É dever de todos os Estados proteger o meio ambiente. b) Princípio do intercâmbio de informações e da consulta prévia ou da cooperação (ex: entre um governo que se propõe a elaborar trabalhos de efeitos ambientais e os que repartem os recursos naturais que possam vir a ser afetados).13 c) Princípio da precaução: que importa no dever do governo de prevenir atos nocivos ao meio ambiente. Inspirado na recomendação nº 70, de Estocolmo. Entre outros princípios, como o do aproveitamento equitativo o e do poluidor-pagador.14 Este princípio pode ser visto como um orientador de qualquer política contemporânea do meio ambiente. Significa que deve ser dada prioridade à medida que evitem o nascimento de atentados ao meio ambiente, ou seja, o atuar humano com efeitos imediatos ou em longo prazo no meio ambiente devem ser consideradas de forma antecipada, reduzindo ou eliminando as causas susceptíveis de alterarem a qualidade do ambiente. Dentro do Direito internacional Público também se trabalha com o conceito de segurança ambiental. A segurança ambiental é aqui entendida como a proteção do meio ambiente em longo prazo.15 A ONU utiliza amplamente o conceito neste sentido e fala da segurança das espécies ou da atmosfera. 6. Histórico de Convenções e Tratados anteriores ao TRIPS O conceito de propriedade intelectual não é recente, acompanhou sempre a criatividade humana. O que evoluiu com o tempo foi à defesa comercial. A legislação sobre patentes industriais surgiu na Inglaterra, em 1623, com o impulso da industrialização, e foi adotada em 1790 pelos Estados Unidos. Em 1883, todos os países presentes à Convenção Internacional de Paris, inclusive o Brasil, firmaram um importante tratado multilateral sobre propriedade industrial, que ficou conhecido como a Convenção de Paris. Nesse tratado, os direitos de propriedade industrial, especificamente, começaram a ter uma proteção mais efetiva: a Convenção de Paris sistematizou as normas de proteção de marcas, patentes, desenhos industriais etc. Seu texto tem sido revisto e atualizado de tempos em tempos 1900 em Bruxelas, 1911 em Washington, 1925 em Haia, 1934 em Londres, 1958 em Lisboa e 1967 em Estocolmo. Em 1886, foi criada a Convenção de Berna, considerada como a principal convenção transnacional especificamente voltada para os direitos autorais, impondo normas mínimas para os países signatários. A proteção dos direitos autorais é automática em todos os países-membros. Seu texto tem sido também atualizado e revisado: 1896 em Paris, 1908 em Berlim, 1914 em Berna, 1928 em Roma, 1948 em Bruxelas, 1967 em Estocolmo, 1971 e 1977 em Paris. 7. O Acordo TRIPS (ADIPCS) O TRIPS (Trade Related Intellectual Property Rights) é um acordo internacional que faz parte do tratado geral que criou a OMC e que concluiu a chamada Rodada do Uruguai do GATT (Acordo Geral de Tarifas e Comércio). O tratado que criou a OMC diz respeito aos aspectos gerais do relacionamento comercial entre os países. O TRIPS trata especificamente da parte relativa aos direitos de propriedade intelectual.16 Embora contenha ainda algumas falhas, sua assinatura marcou um momento realmente histórico, pois 127 países concordam em ter um nível mínimo de proteção da propriedade intelectual.

8 A OMC tem o encargo de administrar duas categorias de Acordos: os Acordos Multilaterais e os Plurilaterais. O TRIPS ou ADIPCS faz parte dos acordos multilaterais da OMC. São os acordos e instrumentos jurídicos conexos incluídos nos anexos 1, 2 e 3 que formam parte do Acordo Constitutivo da OMC e são vinculantes para todos os membros. Os TRIPS estão no anexo 1C (Acordo sobre os Aspectos dos Direitos de Propriedade Intelectual Relacionados com o Comércio TRIPS). O Acordo sobre os TRIPS trata da proteção internacional de direitos de propriedade intelectual. Este Acordo respeita as convenções e tratados já existentes ao dispor, expressamente, que seu objetivo não é diminuir as obrigações dos seus Membros que sejam signatários das Convenções de Paris, de Berna, de Roma e do Tratado de Washington. Os TRIPS visam preencher as lacunas dos tratados anteriores. O Acordo estabelece um nível de proteção comum que deve ser respeitado por todos, deixando, porém, os Membros completamente livres para decidirem qual a forma mais adequada a ser adotada no âmbito interno, desde que não seja inconsistente com o próprio Acordo. Uma das características fundamentais do Acordo sobre os ADPICS é que converte a proteção dos direitos de propriedade intelectual como parte integrante do sistema multilateral de comércio que representa a OMC. Os ADIPCS são classificados como um dos pilares da OMC. Segundo os TRIPS em relação às patentes qualquer invenção nova, independentemente do setor tecnológico em que se encontre, pode ser patenteada, seja ele um processo, seja um produto, mas desde que envolva um processo inventivo que possa ser utilizado industrialmente.17 Os direitos de propriedade intelectual podem definir-se como aqueles que se conferem as pessoas sobre as criações de sua mente.18 Estes se subdividem em: direitos autorais e direitos de propriedade industrial. No que tange aos direitos autorais encaixase a proteção dos conhecimentos das comunidades tradicionais. Por exemplo, tribos indígenas que tenham o conhecimento sobre a utilização de alguma planta como remédio. Nos direitos de propriedade industrial encaixa-se toda e qualquer descoberta que tenha origem na fauna ou na flora e que possa gerar tecnologia ou invenção. Por exemplo, a criação de um produto farmacêutico que tenha sido extraído de alguma planta. Então, propriedade intelectual é o direito que qualquer cidadão, empresa ou instituição tem sobre tudo o que resultar de sua inteligência ou criatividade. Esse direito é protegido através de diversos instrumentos jurídicos que, cada um a sua maneira, servem para proteger os seus titulares ou proprietários contra o uso não-autorizado de sua legitima criação, talento ou inteligência, por terceiros. Já a propriedade industrial é um dos tipos de propriedade intelectual. Abrange a proteção de atividades, produtos, idéias ou símbolos que estejam relacionados a um processo industrial ou comercial.19 É o caso das patentes. De um modo geral os direitos à propriedade intelectual são reconhecidos em todo o mundo. Entretanto, com níveis de proteção bem variáveis. Na realidade, esse reconhecimento evoluiu muito a partir da assinatura do Acordo sobre os TRIPS, em Marrakesh, no ano de Os países que assinam o TRIPS obrigam-se a reescrever suas leis nacionais para adaptá-las ás normas internacionais pactuadas nesse acordo,20 que abrange patentes, produtos farmacêuticos etc. Está previsto no TRIPS um prazo de implementação que pode chegar, em certos casos, há 20 anos. Parece excessivo, mas pelo menos podemos ter hoje a certeza de que até 2014 todos os países signatários terão que adotar esse nível mínimo de proteção.

9 Segundo os TRIPS, um Membro poderá recusar-se a patentear uma invenção em função de três fatores: a) Proteção da ordem pública e da moralidade; b) Proteção da vida ou da saúde humana, animal ou vegetal; c) Proteção do meio ambiente.21 Também podem os países recusar-se a conceder patentes de invenções relacionadas com: a) Diagnósticos, métodos cirúrgicos e terapêuticos utilizados no tratamento humano ou animal; b) Animais, plantas, exceto microorganismos e processos biológicos destinados à produção de animais e plantas (salvo processos não biológicos e Microbiológicos). 22 Entretanto, poderão ser concedidas patentes às variedades de animais e plantas23 através de patentes ou de um método eficaz sui generis. O titular de patentes de um produto tem o direito de impedir que terceiros, sem sua autorização: a) Usem, b) Ofereçam à venda, c) Vendam, ou d) Importem tal produto O ADIPCS Relacionado às Plantas e Animais O art (b) do Acordo Trips trata da patenteabilidade de plantas e animais e a proteção do conhecimento tradicional e do folclore. Em virtude do art (b) do Acordo Trips os membros podem decidir que não se concederão patentes em seus países para determinados tipos de invenções vegetais e animais. Em concreto o acordo permite excluir da patenteabilidade as plantas e os animais exceto os microorganismos e os procedimentos essencialmente biológicos para a produção de plantas e animais, que não sejam procedimentos não biológicos ou microbiológicos. Artigo 27: 1. Sem prejuízo do disposto nos parágrafos 2 e 3, as patentes poderão ser obtidas por todas as invenções, sejam de produtos ou de procedimentos, em todos os campos da tecnologia, sempre que sejam novas, entranhem uma atividade inventiva e sejam suscetíveis de aplicação industrial. Sem prejuízo do disposto no parágrafo 4 do artigo 65, no parágrafo 8 do artigo 70 e no parágrafo 3 do presente artigo, as patentes poderão se obter e os direitos de patente se poderão gozar sem discriminação pelo lugar da invenção, o campo da tecnologia e o fato de que os produtos sejam importados ou produzidos no país. 2. Os Membros poderão excluir da patenteabilidade as invenções cuja exploração comercial em seu território deva se impedir necessariamente para proteger a ordem pública ou a moralidade, inclusive para proteger a saúde ou a vida das pessoas e dos animais ou para preservar os vegetais, ou para evitar danos graves ao meio ambiente, sempre que essa exclusão não se faça meramente porque a exploração esteja proibida por sua legislação. 3. Os Membros poderão excluir por si mesmo de patenteabilidade: a) Os métodos de diagnósticos, terapêuticos e cirúrgicos para o tratamento de pessoas ou animais; b) As plantas e os animais exceto os microorganismos, e os procedimentos essencialmente biológicos para a produção de plantas ou animais, que não sejam procedimentos não biológicos ou microbiológicos. No entanto, os Membros outorgarão proteção a todas as obtenções vegetais mediante patentes, mediante um sistema eficaz sui generis ou mediante uma combinação destes com aqueles. As disposições do presente apartado serão objetos de exame quatro anos depois da entrada em vigor do Acordo sobre a OMC.25

10 A questão que está por trás da revisão do art (b) dos TRIPS é a discussão sobre a compatibilidade entre o Acordo Trips e a Convenção de Biodiversidade.26 Os EUA, que assinou, mas não ratificou a Convenção de Biodiversidade, acha que Trips e CDB não são compatíveis, pois tratam de assuntos diferentes. Já o Brasil e a União Européia afirmam que é possível harmonizar estes dois fóruns de discussão, mas defendem duas maneiras diferentes para que isso seja feito. Enquanto para a União Européia a revisão do Acordo deve ser apenas uma adequação de linguagem, para o Brasil o artigo 27 3 (b) deve ser reescrito incorporando os dispositivos da CDB CDB Convenção sobre Diversidade Biológica (1992) A Convenção sobre Conservação e Uso Sustentável da Diversidade Biológica assinada durante a Rio - 92 e ratificada pelo Congresso Brasileiro, em 1994 foi uma das mais polêmicas, por expor os muitos e divergentes interesses entre os países industrializados e os países ricos em patrimônio genético e diversidade biológica. Entende-se aqui o uso sustentável ou desenvolvimento sustentável como aquele que não sacrifica seu próprio cenário, aquele que não compromete suas próprias condições de durabilidade28. A Convenção sobre Diversidade Biológica dispõe sobre o acesso ao patrimônio genético, a proteção e o acesso ao conhecimento tradicional associado à repartição de benefícios e o acesso à tecnologia para a sua conservação, utilização e uso sustentável dos mesmos. E está calcada nos deveres de precaução e de cooperação internacional. Uma discussão interessante sobre a Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento e a Convenção sobre a Diversidade Biológica é se estas seriam soft laws29, ou seja, diretrizes de comportamento, uma declaração de princípios sem o poder de vincular ou obrigar qualquer país ao seu cumprimento. Tanto a Declaração do Rio quanto a CDB estabelecem princípios a serem seguidos pelos países signatários para alcançar as metas previstas para a proteção do meio ambiente e para o desenvolvimento sustentável do planeta. A convenção sobre a Diversidade Biológica lista princípios de cooperação entre Estados e povos, tendo a finalidade de estabelecer as bases para o direito internacional ao desenvolvimento sustentado. Muitas de suas regras projetam princípios do direito costumeiro internacional, outras refletem princípios emergentes no direito internacional e, ainda, outras prevêem orientações a serem incorporadas nos sistemas normativos internos e internacionais. A Declaração do Rio e a própria Convenção sobre Diversidade Biológica são importantes referências para se avaliar os futuros desdobramentos do direito internacional ao prover as bases para a definição do desenvolvimento sustentável e sua aplicação no plano do direito interno. Tratando-se especificamente sobre o princípio da precaução devidamente incorporado na Convenção sobre Diversidade Biológica, este faz parte do direito costumeiro internacional, sendo, portanto, uma regra de jus cogens que se incorpora automaticamente ao direito interno.30 Sendo assim, a Convenção da Diversidade Biológica, é um tratado internacional, assinado, ratificado pelo Brasil e incorporado no direito interno e expressamente acolhe o princípio da precaução como meio de proteção da variedade biológica no planeta. Até a assinatura da Convenção sobre a Diversidade Biológica (CDB), em 1992, o acesso aos recursos genéticos era livre, pois a biodiversidade era considerada um patrimônio da humanidade. Com a CDB, os países signatários passaram a ter direitos sobre seus recursos biológicos e o dever de zelar pela sua conservação e utilização sustentável. Passaram a ter a obrigação de regulamentar o acesso à sua biodiversidade,

11 garantindo a repartição justa e eqüitativa dos benefícios oriundos do uso desses recursos e/ou de produtos derivados destes. Os signatários se comprometeram também a respeitar o conhecimento das comunidades tradicionais e/ou indígenas, garantindo-lhes o retorno derivado da sua exploração comercial. Sobre sua aplicabilidade ainda muito restrita o Ministério do Meio Ambiente em conjunto com ONG s e fundações de proteção ao meio ambiente. Vêm realizando reuniões e simpósios para a discussão sobre a biodiversidade e qual seria a melhor forma de aplicação desta convenção. Já se chega a algumas conclusões a respeito do assunto. Como por exemplo: a) Assegurar a participação e colaboração técnica, científica, social e cultural das comunidades locais, povos indígenas, organizações não-governamentais, universidades e outras instituições no processo de elaboração e implementação de programas de conservação e utilização dos recursos da diversidade biológica e no estabelecimento de prioridades para a sua conservação; b) Assegurar a participação dos diferentes níveis de governo (federal, estadual, municipal) no planejamento e implementação das políticas e ações de utilização da biodiversidade; c) Apoiar o desenvolvimento de um código de conduta sobre biotecnologia, garantindo a segurança contra a introdução imprópria de organismos estranhos ao meio ambiente; d) Apoiar a realização de reformas nas políticas setoriais e regionais de utilização dos recursos da diversidade genética, coerentes com a sua conservação; e) Apoiar a criação de incentivos para que cientistas nacionais desenvolvam pesquisas nesta área do conhecimento, que atendam aos interesses das comunidades locais, dentro de um enfoque de pesquisa participativa; f) Apoiar a inclusão da valoração dos recursos da diversidade biológica como item nas negociações internacionais, assegurando benefícios econômicos aos países detentores destes recursos; g) Assegurar que os resultados financeiros obtidos a partir de transações comerciais de recursos genéticos sejam distribuídos de forma justa às comunidades envolvidas nas regiões de origem destes recursos, bem como às unidades de conservação e áreas protegidas de biodiversidade; h) Assegurar que os recursos genéticos de utilização na agricultura, desenvolvidos pelos pequenos produtores, sejam considerados como parte da biodiversidade, de forma a garantir as mesmas condições de uso, conservação e benefícios sociais que incidem sobre os demais recursos da diversidade biológica; i) Assegurar que os países em desenvolvimento não participem de acordos internacionais relacionados ao estabelecimento de patentes de seres vivos, por contrariarem os preceitos éticos e por favorecerem interesses econômicos dos países detentores da biotecnologia.31 Possíveis Resoluções para a Biopirataria: a) Regulamentar o acesso aos recursos genéticos e proteger os direitos das comunidades tradicionais sobre os conhecimentos da fauna e da flora brasileira ou de sua região. b) Aplicar mutuamente o TRIPS (Trade Related Aspects Intelectual Propert Rights) ou ADPIC (Aspectos sobre os Direitos de Propriedade Intelectual Relacionados ao Comércio) e a CDB (Convenção sobre a Diversidade Biológica) com mudanças na legislação nacional.

12 10. Resolução através da aplicação mútua do Acordo TRIPS e a CDB O processo de exame do art. 27 3(b) dos ADPICS começou em 1999, tratando strictu sensu da patenteabilidade das invenções incluindo o material biológico (invenções biotecnológicas), a proteção das obtenções vegetais e as possíveis exclusões de patenteabilidade. Na reunião do conselho dos ADPICS celebrada em 21 de março de 2000, o presidente do conselho chegou a conclusão de que o conselho deveria proceder de maneira mais organizada, sistemática e produtiva, centrando-se no seguinte: a) A vinculação entre as disposições do art.27 3(b) e o desenvolvimento; b) Questões técnicas relativas à proteção mediante patente em conformidade com o 3(b) do art. 27 dos TRIPS; c) Questões técnicas relativas às obtenções vegetais; d) Questões técnicas relativas a patenteabilidade de formas de vida; e) A relação com a conservação e a utilização do material genético; f) A relação com os conceitos de conhecimentos tradicionais e de direitos do agricultor.32 O Brasil apresenta uma posição bastante interessante e avançada com relação à revisão do artigo 27 3 B do TRIPS. Em que se deve buscar incorporar os dispositivos da CDB no TRIPS para garantir a criação de um arcabouço jurídico internacional que permita a valorização do conhecimento tradicional associado, a repartição de benefícios e o consentimento prévio das comunidades. Com o documento (IP/C/W/403) Bolivia, Brasil, Cuba, Equador, Índia, Peru, República Dominicana, Tailândia e Venezuela desenvolvem a propostas do consentimento fundamentado prévio, ou seja, o consentimento anterior sobre a divulgação da fonte dos recursos biológicos e dos conhecimentos tradicionais. O termo consentimento fundamentado prévio se utiliza na Convenção sobre a Diversidade Biológica para a exploração desses recursos e conhecimentos, assim como a distribuição equitativa dos benefícios. Este grupo de países, do qual o Brasil faz parte, deseja que o Acordo sobre os TRIPS se modifique para fazer que essa divulgação seja obrigatória. 33 Já a União Européia com o documento (IP/C/W/383) incluem uma proposta para examinar o requisito de que os solicitantes de patentes divulguem a origem do material genético; e as conseqüências jurídicas de não respeitar esse requisito deveriam situar-se fora do âmbito do direito de patentes. 34 No 2º e 5º do art. 16 da CDB se reconhece à necessidade de atuar de maneira coerente com a proteção adequada e eficaz dos direitos de propriedade intelectual e se coloca aos membros a garantia que estes direitos apóiem a CDB. O texto da CDB relativo à propriedade intelectual estabelece um delicado equilíbrio entre a necessidade de se aplicar à proteção da propriedade intelectual e a de garantir que os direitos de propriedade intelectual facilitem a conservação e a utilização sustentável da biodiversidade e os princípios de acesso e distribuição de benefícios entre os detentores de conhecimentos práticos sobre a utilização da biodiversidade. É claro, que o TRIPS, por sua vez, não se remete aos princípios da CDB no que concerne ao acesso aos recursos genéticos e a distribuição dos benefícios derivados de sua utilização, por terem naturezas diferentes. Isto não significa, no entanto, que o TRIPS vá contra a CDB, pois tratam de assuntos diferentes. O TRIPS como já foi dito tratam dos direitos de propriedade intelectual já a CDB trata da preservação da diversidade biológica. Nada nos TRIPS se opõe a distribuição de benefícios derivados da proteção da propriedade intelectual sobre invenções que incorporam recursos genéticos ou a proteção dos conhecimentos tradicionais. Ao mesmo tempo, é certo que o acordo não prevê instrumentos

13 diretos para estabelecer um vínculo entre a proteção da propriedade intelectual e o cumprimento dos princípios da CDB.35 A CDB e o TRIPS não estão em conflito em uma perspectiva jurídica. Têm objetivos diferentes e não se ocupam da mesma matéria. Não existe nada nas disposições de um ou de outro acordo que impeça a um país signatário da CDB e membro da OMC logo dos TRIPS de cumprir as obrigações que lhe incumbem em virtude destes acordos. Por exemplo, a CDB não proíbe que se faça patente de invenções que utilizam material genético. Os TRIPS não impedem aos signatários da CDB que exerçam seu direito de regulamentar o acesso à seus recursos genéticos, exigir o seu consentimento fundamentado prévio ou a compartilhar os benefícios derivados de sua utilização. Ao não haver incompatibilidade jurídica entre os acordos em questão, não pode haver problema com aplicação de ambos. Apesar das diferenças quanto o âmbito de aplicação dos instrumentos em questão, existe realmente uma interação considerável entre os direitos a que se refere os TRIPS e a matéria da CDB. A aplicação do TRIPS pode utilizar-se em apoio dos objetivos da CDB, como a participação justa e eqüitativa dos benefícios que derivam da utilização dos recursos genéticos. A propriedade intelectual pode ser um instrumento adequado para a aplicação da CDB. Os direitos de propriedade intelectual podem estimular a utilização de recursos genéticos fomentando a inovação biotecnológica. Esses direitos geram benefícios financeiros devido à exploração comercial. De maneira, que sempre que se respeite o direito internacional, em particular a CDB, a legislação nacional e os acordos contratuais em matéria de acesso e de participação nos benefícios, há margem para que os interesses de provedores e usuários, através da utilização dos direitos de propriedade intelectual, em que estes contribuem para a criação de benefícios derivados da utilização de recursos genéticos, retorne em forma de rendimentos financeiros ou de acesso à tecnologia pertinente. Portanto, em nível nacional existe a possibilidade de se aplicar simultaneamente a CDB e os TRIPS. A nova lei de propriedade industrial, Lei nº 9279/96, já segue o Acordo sobre o TRIPS ratificado em 1994 pelo Brasil. Para uma aplicação desta lei de forma a procurar evitar a biopirataria seria necessária uma nova alteração na mesma, encaixando princípios da CDB no relativo a recursos genéticos e a utilização de conhecimentos tradicionais. No que tange ao TRIPS nada impede que suas normas sejam revisadas e alteradas para que fiquem de acordo com a Convenção de Diversidade Biológica. 11. Conclusão Podemos analisar que a biopirataria confunde-se com a própria história do povo amazônico ou até com a história do Brasil. Apesar de ser um assunto ainda sem legislação específica, possui uma grande importância e uma necessária proteção. É visível que os riscos da biopirataria estão relacionados diretamente com a proteção da fauna e da flora brasileira, a economia e o patenteamento de princípios ativos. Para a proteção da fauna e da flora não precisamos ser ufanistas nem deixarmos tudo sem cuidados que precisam ser tomados, não se deve buscar o desenvolvimento à custa do sacrifício ambiental, até por que ele assim não será durável; mas é injusto e tendencioso pretender que a preservação ambiental opere como um entrave ao desenvolvimento das nações pobres ou das que ainda não o alcançaram por inteiro36. É necessário sim investimento na proteção e geração de renda para os povos diretamente atingidos, criar mecanismos de esclarecimento e iniciarmos a bioprospecção. Não podemos nos fechar barrando qualquer forma de tecnologia ou desenvolvimento.

14 É claro que precisamos em conjunto de uma educação ambiental para formar cidadãos que participem da tomada de decisões tanto políticas quanto de grupos étnicos. Portanto, a tomada de consciência sobre o real valor da biodiversidade mundial é através da ampla mobilização da sociedade, da comunidade científica internacional e dos setores organizados constituindo na principal forma de combater a biopirataria. A possível solução passa através da utilização da legislação já existente no país como, por exemplo, a Medida Provisória /01 e aplicando o ADIPCS em conjunto com a Convenção sobre a Diversidade Biológica. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: ANDRADE. Sérgio. O Mercosul e o Meio Ambiente.Tuiuti: Ciência e Cultura. nº 12, novembro BARBOSA. Daniel Gustavo gay; GONZALEZ, Carlos Alberto. Derecho Ambiental: conceptos, principios y legislación. Córdoba: Editora Alverone, BAPTISTA. Luiz Olavo; RODAS. João Grandino; SOARES. Guido Fernando Silva. Normas de direito Internacional. Vol.I. Tomo III. São Paulo: Editora LTR, CAMPELLO. Edna. A Amazônia em Números. Atlas Geográfico IBGE. Rio de Janeiro: Editora IBGE, COSTA. Ligia Maura. OMC Manual Prático da Rodada Uruguai. São Paulo: editora Saraiva, FIORILLO. Celso Pacheco; RODRIGUES. Marcelo Abelha. Direito Ambiental e Patrimônio Genético. Belo Horizonte: Editora Del Rey, FREITAS. Vladimir Passos de. A Constituição Federal e a Efetividade das Normas Ambientais. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, GRAF. Ana Cláudia Bento. Direito, Estado e Economia Globalizada: as patentes de biotecnologia e o risco da privatização da biodiversidade. Revista de direito da UFPR. Curitiba: Editora UFPR, LE PRESTE. Philippe. Ecopolítica Internacional. Tradução: Jacob Gorender. São Paulo: Editora SENAC, MACH DE OLIVEIRA. Ubirajara. A Proteção Jurídica das Invenções de medicamentos e de Gêneros Alimentícios. Porto Alegre: Editora Síntese, MELLO. Celso D. Albuquerque. Direito Internacional Público Tratados e Convenções. Rio de Janeiro: Editora Renovar, ODUM. Eugene P. Fundamentos de Ecologia. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, PIMENTEL. Luiz Otávio. Normas Jurídicas do Comércio Mundial: propriedade intelectual. Scientia Iuris. Londrina: Universidade Estadual de Londrina, Projeto Curumim do Laboratório Schering do Brasil. São Paulo: Editora Umbigo do Mundo, REIGOTA. Marcos. A Questão Ambiental na América Latina. Revista Trevisan. nº 142, REIGOTA. Marcos. Quanto vale a biodiversidade? Revista Trevisan, 134, REZEK. José Francisco. Direito Internacional Público: curso elementar. São Paulo: Editora Saraiva SANTOS. Álvaro. História Biológica do Brasil. Rio de Janeiro: Editora Saraiva, 1999.

15 SILVEIRA. Newton. A Propriedade Intelectual e a Nova Lei de Propriedade Industrial. São Paulo: Editora Saraiva, TESDE. Maurício. Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico. Revista Trevisan, nº 134, WAINER. Ann Helen. Legislação Ambiental do Brasil. Rio de janeiro: Editora Forense, REFERÊNCIAS DE SITES: BIOPIRATARIA E PROPRIEDADE. Jornal do Meio Ambiente. Disponível em: Acesso em: 23/05/08; COMENTÁRIOS RIO 92. Ministério do Meio Ambiente. Disponível em: Acesso em: 23/ 05/08; CONSELHO FEDERAL DE BIOLOGIA. Disponível em: Acesso em: 25/ 06/07; CONVENIOS SOBRE LA PROPRIEDADE INTELECTUAL INCORPORADOS POR REFERENCIA AO ACUERDO SOBRE LOS ADPICS. Organização Mundial do Comércio. Genebra Suíça. Disponível em: Acesso em: 12/04/08; DECISIÓN SOBRE COMERCIO Y MEDIO AMBIENTE. Fundo Mundial para a Natureza. Disponível em: Acesso em: 25/06/08; DOCUMENTO IP/C/W/383. Organização Mundial do Comércio. Disponível em: Acesso em: 12/04/08; DOCUMENTO IP/C/W/403. Organização Mundial do Comércio. Disponível em: Acesso em: 12/04/08; FRUTAS DA AMAZÔNIA. INPI Instituto nacional de propriedade Intelectual. Disponível em: Acesso em: 25/06/08; LA ORGANIZACIÓN MUNDIAL DEL COMERCIO A PARTIR DEL GATT. Organização Mundial do Comércio. Genebra Suíça. Disponível em: Acesso em: 12/04/08; PROBEM. Ministério da Ciência e Tecnologia. Disponível em: Acesso em: 22/03/08; REUNIÃO DO CONSELHO DE COMÉRCIO E MEIO AMBIENTE. Organização Mundial do Comércio. Genebra Suiça. Disponível em: Acesso em: 12/04/08; TRIPS / CDB. IUCN The World Conservation Union. Disponível em: Acesso em: 14 /05 /08; TRIPS. Organização Mundial do Comércio. Genebra Suiça. Disponível em: Acesso em: 12/04/08.

16 (Footnotes) 1 SANTOS, Álvaro. História Biológica do Brasil. 3 ed. Rio de janeiro: Editora Saraiva, p. 2 CAMPELLO. Edna. A Amazônia em Números. ATLAS GEOGRÁFICO IBGE, Rio de Janeiro: Editora Ibge, p. 3 Frutas da Amazônia INPI Instituto Nacional de propriedade Intelectual. Disponível em: 4 Frutas da Amazônia INPI Op. cit. 5 Frutas da Amazônia INPI Op. cit. 6 Projeto Curumim do Laboratório Schering do Brasil. 1 ed. São Paulo: Editora Umbigo do mundo, Projeto Curumim. Op. cit. 8 BRASIL. Medida Provisória de 23 de agosto de 2001, art.7º, V. 9 Medida Provisória /01, art.7º, VII. Op. cit. 10 REZEK, José Francisco. Direito Internacional Público: curso elementar. 9 ed. São Paulo: Editora Saraiva, p. 11 GRAF. Ana Cláudia bento. Direito, Estado e Economia Globalizada: as patentes de biotecnologia e o risco da privatização da biodiversidade. Revista de direito da UFPR. V. 34 Curitiba: Editora UFPR, p. 133/ Freitas. Vladimir Passos de. A Constituição Federal e a Efetividade das Normas Ambientais. 2 ed. São Paulo: Editora RT, p. 13 LE PRESTE. Philippe. Ecopolítica Internacional. Tradução: Jacob GORENDER. 1 ED. São Paulo: Editora SENAC, p. 14 DECISIÓN SOBRE COMERCIO Y MEDIO AMBIENTE, Fundo Mundial para a Natureza. Disponível em: 15 LE PRESTE. Philippe. Op. cit. 16 COSTA. Ligia Maura. OMC Manual Prático da Rodada Uruguai. 2 ed. São paulo: Editora Saraiva, p. 25/ PIMENTEL. Luiz Otávio. Normas Jurídicas do Comércio Mundial: propriedade intelectual. Scientia Iuris. Londrina: Universidade Estadual de Londrina, p. 223/ SILVEIRA. Newton. A Propriedade Intelectual e a Nova Lei de Propriedade Industrial. São Paulo: Editora Saraiva, p. 19 SILVEIRA. Newton. Op.cit. 20 TRIPS, Organização Mundial do Comércio. Genebra Suiça. Disponível em: 21 TRIPS. Op. cit. 22 TRIPS. Op. cit. 23 MACH DE OLIVEIRA. Ubirajara. A Proteção Jurídica das Invenções de Medicamentos e de Gêneros Alimentícios. 1 ed. Porto Alegre: Editora Síntese, p. 53/78: informa que a possibilidade de se patentear variedades de plantas já é um assunto consensual nos países europeus, nos EUA e no Japão. 24 TRIPS. Op.cit. 25 TRIPS. Op. cit. 26 REUNIÃO DO CONSELHO DE COMÈRCIO E MEIO AMBIENTE. Organização Mundial do Comércio. Genebra Suiça. Disponível em: 27 DOCUMENTO IP/C/W/403. Organização Mundial do comércio. Disponível em: 28 REZEK, J. F. Op. cit. 29 REUNIÃO DO CONSELHO DE COMÉRCIO E MEIO AMBIENTE. Op. cit. 30 LE PRESTE. Philippe. Op. cit. 31 COMENTÁRIOS RIO 92. Ministério do Meio Ambiente. Disponível em: 32 REUNIÃO DO CONSELHO DE COMÉRCIO E MEIO AMBIENTE. Op.cit. 33 Documento IP/C/W/403. Op. cit. 34 Documento IP/C/W/383, Organização Mundial do Comércio. Disponível em: 35 TRIPS / CDB. IUCN The World Conservation Union. Disponível em: 36 REZEK, J. F. Op. cit.

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios;

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; CTA na indústria e instituições de pesquisa; Propriedade industrial e

Leia mais

Proteção Jurídica do Conhecimento Tradicional Associado à Biodiversidade. Harmonização dos artigos 8ª (j) da CDB e 27.

Proteção Jurídica do Conhecimento Tradicional Associado à Biodiversidade. Harmonização dos artigos 8ª (j) da CDB e 27. Proteção Jurídica do Conhecimento Tradicional Associado à Biodiversidade Harmonização dos artigos 8ª (j) da CDB e 27.3(b) do TRIPS Importância do uso da biodiversidade, principalmente na indústria farmacêutica.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.813, DE 22 DE JUNHO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências.

Leia mais

Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios

Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS

Leia mais

Sobre a propriedade intelectual e produção de cultivares

Sobre a propriedade intelectual e produção de cultivares Sobre a propriedade intelectual e produção de cultivares 29/04/2009 Reginaldo Minaré O Acordo Relativo aos Aspectos do Direito da Propriedade Intelectual Relacionados com o Comércio ADPIC, mais conhecido

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Págiina 1 de 5 Ano III nº 116 - Semana de 26 de março a 1 de abril de 2007 Assessoria de Comunicação Opinião Biotecnologia Controle Biológico Recursos Genéticos Segurança Biológica Eventos Visitas Expediente

Leia mais

A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA

A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA Almeida S. S. (1) ; Pereira, M. C. B. (1) savio_eco@hotmail.com (1) Universidade Federal de Pernambuco UFPE, Recife PE, Brasil.

Leia mais

DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL

DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL Gilsomar Silva Barbalho Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor,

Leia mais

1) Regime internacional de acesso a recursos genéticos e repartição justa e eqüitativa dos benefícios derivados do uso da biodiversidade

1) Regime internacional de acesso a recursos genéticos e repartição justa e eqüitativa dos benefícios derivados do uso da biodiversidade Apresentação no curso sobre acesso aos recursos genéticos e aos conhecimentos tradicionais associados: aspectos jurídicos, técnicos e experiências concretas Juliana Santilli 1) Regime internacional de

Leia mais

Paula Hebling Dutra 1 Mário Ferreira Presser 2

Paula Hebling Dutra 1 Mário Ferreira Presser 2 PROPRIEDADE INTELECTUAL E BIODIVERSIDADE: AVANÇOS NAS NEGOCIAÇÕES DENTRO DO PARÁGRAFO 19 DA DECLARAÇÃO DE DOHA Paula Hebling Dutra 1 Mário Ferreira Presser 2 Oacordo TRIPS é o acordo que regula os direitos

Leia mais

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Semana de Produção e Consumo Sustentável Mauricio Pellegrino de Souza FIEMG Convenção de Viena 1969 Direito dos Tratados

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO N o 20, DE 29 DE JUNHO DE 2006 Estabelece procedimentos para remessa de amostra de componente do patrimônio genético existente

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL 1. NOMENCLATURA DA DISCIPLINA JURÍDICA Direito ambiental, direito do meio ambiente, direito do desenvolvimento sustentável, direito verde, direito ecológico, direito de

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS TEMA Acesso e Repartição de Benefícios RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS

Leia mais

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III Direito Ambiental Prof. Fabrício Ferreira Aula III 1 Direito Internacional NOÇÕES PRELIMINARES CONCEITO: É o conjunto de normas jurídicas que regulam as relações mútuas dos Estados e, subsidiariamente,

Leia mais

A Governança Global da Propriedade Intelectual e os Recursos Biológicos

A Governança Global da Propriedade Intelectual e os Recursos Biológicos A Governança Global da Propriedade Intelectual e os Recursos Biológicos André de Mello e Souza Diretoria de Estudos e Relações Econômicas e Políticas Internacionais (DINTE) Instituto de Pesquisa Econômica

Leia mais

O CONFLITO ENTRE AS NORMAS DE REPARTIÇÃO DE BENEFÍCIOS DO ACESSO AOS RECURSOS GENÉTICOS E O SISTEMA INTERNACIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL.

O CONFLITO ENTRE AS NORMAS DE REPARTIÇÃO DE BENEFÍCIOS DO ACESSO AOS RECURSOS GENÉTICOS E O SISTEMA INTERNACIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL. O CONFLITO ENTRE AS NORMAS DE REPARTIÇÃO DE BENEFÍCIOS DO ACESSO AOS RECURSOS GENÉTICOS E O SISTEMA INTERNACIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL. Airton Guilherme Berger Filho 1 Resumo: O presente artigo aborda

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Propriedade Intelectual O que é/para que serve? Renata Reis Grupo de Trabalho sobre Propriedade Intelectual GTPI/ABIA/REBRIP

Propriedade Intelectual O que é/para que serve? Renata Reis Grupo de Trabalho sobre Propriedade Intelectual GTPI/ABIA/REBRIP Propriedade Intelectual O que é/para que serve? Renata Reis Grupo de Trabalho sobre Propriedade Intelectual GTPI/ABIA/REBRIP Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre as criações

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

Legislação nacional e internacional

Legislação nacional e internacional Legislação nacional e internacional CDB Convenção sobre Diversidade Biológica A CDB foi estabelecida durante a ECO -92, no Rio de Janeiro, em junho de 1992. Esse tratado das Nações Unidas é um dos mais

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO N o 25, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2005 Estabelece procedimentos para a remessa de amostra de componente do patrimônio genético

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

EDIÇAo REVISADA E AMPLIADA. Software. Cubivares Nome Empresarial. Manole STF00091281

EDIÇAo REVISADA E AMPLIADA. Software. Cubivares Nome Empresarial. Manole STF00091281 4ª EDIÇAo REVISADA E AMPLIADA Software Cubivares Nome Empresarial ~ Manole STF00091281 SUMÁRIO Apresentação....................IX CAPiTULO I - NOÇÕES GERAIS 1. O homem e o instrumento........ 1 2. O sentimento

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS Tradução sob a responsabilidade da Cátedra UNESCO de Bioética da UnB por solicitação da Sociedade Brasileira de Bioética SBB Tradução: Mauro Machado

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 19, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 19, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 19, DE 2012 Biodiversidade Conservação e Uso Sustentável Carmen Rachel Scavazzini Marcondes Faria O principal instrumento jurídico internacional para a conservação e o uso sustentável

Leia mais

Resolução 158/Reitoria/Univates Lajeado, 23 de novembro de 2011

Resolução 158/Reitoria/Univates Lajeado, 23 de novembro de 2011 Resolução 158/Reitoria/Univates Lajeado, 23 de novembro de 2011 Estabelece a Política Institucional de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia do Centro Universitário UNIVATES O Reitor do

Leia mais

genético e, em seu lugar, propõe um mecanismo binário, que diferencia entre o acesso por empresas nacionais e estrangeiras.

genético e, em seu lugar, propõe um mecanismo binário, que diferencia entre o acesso por empresas nacionais e estrangeiras. NOTA PÚBLICA CONJUNTA MUSEU GOELDI / INSTITUTO MAMIRAUÁ / INPA PROJETO DE LEI DE ACESSO À BIODIVERSIDADE, PATRIMÔNIO GENÉTICO E PROPRIEDADE INTELECTUAL Em face às recentes discussões concernentes ao processo

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1.

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1. COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1.901/99) Dá nova redação ao caput do artigo 32 da Lei nº 9.605, de

Leia mais

ULTÍMAS NOVIDADES EM BIODIVERSIDADE NO BRASIL

ULTÍMAS NOVIDADES EM BIODIVERSIDADE NO BRASIL ULTÍMAS NOVIDADES EM BIODIVERSIDADE NO BRASIL Rana Gosain O Brasil detém aproximadamente 23% dos recursos biológicos do planeta - território fértil para abuso e exploração de valores biotecnológicos. Rana

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS A Conferência Geral, Lembrando que o Preâmbulo da Carta da Unesco refere-se a os princípios democráticos de dignidade, igualdade e respeito

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS TEXTO DA DUBDH DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS Tradução e revisão final sob a responsabilidade da Cátedra UNESCO de Bioética

Leia mais

Portaria n. 88, de 22/07/2015

Portaria n. 88, de 22/07/2015 Portaria n. 88, de 22/07/2015 O Ministério Público Federal, pelos Procuradores da República signatários, no cumprimento de suas atribuições constitucionais conferidas pelo art. 129 da Constituição Federal

Leia mais

Audiência Pública para debater o PL 4961/2005

Audiência Pública para debater o PL 4961/2005 Audiência Pública para debater o PL 4961/2005 Leonor Magalhães Galvão Co-Coordenadora da Comissão de Estudos de Biotecnologia da Associação Brasileira da Propriedade Intelectual Câmara dos Deputados Comissão

Leia mais

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde Região Norte P1 4 Bimestre Geografia 7 ano manhã e tarde A Região Norte é a maior região brasileira em área. Apresenta população relativamente pequena, é a região com a menor densidade demográfica. Um

Leia mais

IT 179 Saneamento Básico

IT 179 Saneamento Básico 2. AÇÕES GOVERNAMENTAIS E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A Organização das Nações Unidas (ONU), formada por quase todos os países do mundo, realiza reuniões para discutir sobre temas importantes para a humanidade

Leia mais

DIVERSIDADE BIOLÓGICA QUESTÕES CONTROVERTIDAS NA PROTEÇÃO DO CONHECIMENTO TRADICIONAL

DIVERSIDADE BIOLÓGICA QUESTÕES CONTROVERTIDAS NA PROTEÇÃO DO CONHECIMENTO TRADICIONAL DIVERSIDADE BIOLÓGICA QUESTÕES CONTROVERTIDAS NA PROTEÇÃO DO CONHECIMENTO TRADICIONAL ELA WIECKO V. DE CASTILHO A 6ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF, preocupada com a vulnerabilidade do conhecimento

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Direito Ambiental Internacional e Interno: Aspectos de sua Evolução Publicado na Gazeta Mercantil em 12 de dezembro de 2002 Paulo de Bessa Antunes Advogado Dannemann Siemsen Meio

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

O TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA

O TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA O TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA As Repúblicas da Bolívia, do Brasil, da Colômbia, do Equador, da Guiana, do Peru, do Suriname e da Venezuela, CONSCIENTES da importância que para cada uma das Partes têm

Leia mais

Declaração da Conferência de ONU no Ambiente Humano, Estocolmo, 5-16 de junho de 1972. (tradução livre)

Declaração da Conferência de ONU no Ambiente Humano, Estocolmo, 5-16 de junho de 1972. (tradução livre) Declaração da Conferência de ONU no Ambiente Humano, Estocolmo, 5-16 de junho de 1972 (tradução livre) A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, reunida em Estocolmo de 5 a 16 de junho

Leia mais

DO CRITÉRIO DA AUTORIDADE COMPETENTE NA AVERBAÇÃO DA RESERVA LEGAL

DO CRITÉRIO DA AUTORIDADE COMPETENTE NA AVERBAÇÃO DA RESERVA LEGAL DO CRITÉRIO DA AUTORIDADE COMPETENTE NA AVERBAÇÃO DA RESERVA LEGAL RODRIGO ANDREOTTI MUSETTI I-) INTRODUÇAO. A exploração de florestas de domínio privado (não sujeitas ao regime de utilização limitada

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004 Estabelece procedimentos para o transporte de amostra de componente do patrimônio genético existente

Leia mais

Relatório PIBIC Aluno: Guilherme de França Teixeira Prof. Orientadora: Andrea Ribeiro Hoffmann. Meio Ambiente no Mercosul

Relatório PIBIC Aluno: Guilherme de França Teixeira Prof. Orientadora: Andrea Ribeiro Hoffmann. Meio Ambiente no Mercosul Relatório PIBIC Aluno: Guilherme de França Teixeira Prof. Orientadora: Andrea Ribeiro Hoffmann Meio Ambiente no Mercosul 1 Introdução e Objetivos O Mercado Comum do Cone Sul foi criado em 1992 com a ratificação

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte I - Revisão de Conceitos

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte I - Revisão de Conceitos REDAÇÃO DE PATENTES Parte I - Revisão de Conceitos Maria Fernanda Paresqui Corrêa 1 Juliana Manasfi Figueiredo 2 Pesquisadoras em Propriedade Industrial 1 DIALP - Divisão de Alimentos, Plantas e Correlatos

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras adotada em 12 de novembro de 1997 pela Conferência Geral da UNESCO

Leia mais

Institui, no âmbito do Programa de Pesquisa em Biodiversidade - PPBio, a Política de Dados.

Institui, no âmbito do Programa de Pesquisa em Biodiversidade - PPBio, a Política de Dados. PORTARIA Nº 693, DE 20 DE AGOSTO DE 2009 Institui, no âmbito do Programa de Pesquisa em Biodiversidade - PPBio, a Política de Dados. O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA E TENOLOGIA, no uso de suas atribuições

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

Resolução nº 02-07 CONSUNI

Resolução nº 02-07 CONSUNI Resolução nº 02-07 CONSUNI O Conselho Universitário da Universidade de Caxias do Sul UCS, no uso das suas atribuições estatutárias e regimentais, e considerando a Portaria n. º 170, de 15 de maio de 1998,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA N o 2.186-16, DE 23 DE AGOSTO DE 2001. Regulamenta o inciso II do 1 o e o 4 o do art. 225 da Constituição, os arts.

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Propriedade Intelectual e Patentes

Propriedade Intelectual e Patentes Propriedade Intelectual e Patentes Ernani Souza Jr. Redator de Patentes NUPITEC - CDT/UnB Patentes http://www.forbes.com/sites/timworstall/2013/02/10/apples-winning-the-samsung-patent-battles-and-losing-the-war/

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE,

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE, LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 Autoriza o Poder Executivo a criar a Administração Estadual do Meio Ambiente, sob a forma de autarquia estadual, e dá outras providências. O GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues INTRODUÇÃO O desenvolvimento da sociedade De forma desordenada e sem planejamento Níveis crescentes de poluição

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

ACORDOS INTERNACIONAIS SOBRE PROPRIEDADE INTELECTUAL E SUA INTERNALIZAÇÃO NO ORDENAMENTO JÚRICO BRASILEIRO

ACORDOS INTERNACIONAIS SOBRE PROPRIEDADE INTELECTUAL E SUA INTERNALIZAÇÃO NO ORDENAMENTO JÚRICO BRASILEIRO ACORDOS INTERNACIONAIS SOBRE PROPRIEDADE INTELECTUAL E SUA INTERNALIZAÇÃO NO ORDENAMENTO JÚRICO BRASILEIRO Isabella Petini de Oliveira 1 Nivaldo dos Santos 2 PALAVRAS-CHAVE: Propriedade Intelectual; Tratados

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Legislação Federal LEI N 7.804, de 18 de julho de 1989 Altera a Lei n 6.938 de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual O que é a Propriedade Intelectual A Propriedade Intelectual é o mecanismo que visa proteger a propriedade sobre o conhecimento, fruto da inteligência e do talento humano. Divide-se tradicionalmente em

Leia mais

NOTA DE TRABALHO OS ADPIC E A SAÚDE PÚBLICA REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA

NOTA DE TRABALHO OS ADPIC E A SAÚDE PÚBLICA REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO DO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA OS ADPIC E A NOTA DE TRABALHO GENEBRA 5 DE JANEIRO DE 2012 O acesso aos medicamentos é

Leia mais

DECRETO Nº 4.085, DE 15 DE JANEIRO DE 2002

DECRETO Nº 4.085, DE 15 DE JANEIRO DE 2002 DECRETO Nº 4.085, DE 15 DE JANEIRO DE 2002 O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição,

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial:

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial: PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV 1. História e conceito do Direito Industrial: - Como referência ao direito industrial encontramos o uso da expressão marca e patente. Este ramo do direito teve início na Inglaterra

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

Ética: compromisso social e novos desafios. Propriedade intelectual e bioética. Cintia Moreira Gonçalves 1

Ética: compromisso social e novos desafios. Propriedade intelectual e bioética. Cintia Moreira Gonçalves 1 Ética: compromisso social e novos desafios Propriedade intelectual e bioética Cintia Moreira Gonçalves 1 A propriedade intelectual e a propriedade industrial estão previstas e protegidas no ordenamento

Leia mais

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra Greenpeace/Daniel Beltra www.desmatamentozero.org.br Chega de desmatamento no Brasil As florestas são fundamentais para assegurar o equilíbrio do clima, a conservação da biodiversidade e o sustento de

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual Nota: O estudo deste módulo requer cerca de 02 horas. Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual O que é Propriedade Intelectual? Você provavelmente sabe a resposta desta questão. Sabemos que o inventor

Leia mais

TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO

TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO 1. O comércio internacional deve ser conduzido de forma a melhorar o bem estar social, respeitando a necessidade de promover

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.272, DE 25 DE AGOSTO DE 2010. Regulamenta a Lei n o 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de

Leia mais

Projeto de Regulamento de Propriedade Intelectual

Projeto de Regulamento de Propriedade Intelectual Projeto de Regulamento de Propriedade Intelectual Preâmbulo O Instituto Politécnico de Viana do Castelo, doravante designado IPVC, considera que a proteção e valorização dos direitos intangíveis resultado

Leia mais

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003.

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. 1 L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Proteção Ambiental, a elaboração, implementação e controle da Política Ambiental do Município de Coqueiro

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I:

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I: Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Unidade I: 0 Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Introdução A disciplina Direito Ambiental tem como objetivo propiciar ao corpo discente uma análise sobre

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde 14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde O licenciamento ambiental e o licenciamento urbanístico no Projeto de Lei nº 3.057/2000 Lei de responsabilidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.747, DE 5 DE JUNHO DE 2012 Institui a Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas PNGATI,

Leia mais

A biodiversidade e as comunidades tradicionais

A biodiversidade e as comunidades tradicionais A biodiversidade e as comunidades tradicionais Os duzentos e cinqüenta povos indígenas com que partilhamos o Brasil são o testemunho de que nossa sociodiversidade nada fica a dever à nossa biodiversidade,

Leia mais

Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental. 1. Evolução do movimento ambientalista. Décadas de 60 e 70. Década de 80.

Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental. 1. Evolução do movimento ambientalista. Décadas de 60 e 70. Década de 80. Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental 1. Evolução do movimento ambientalista Durante os últimos 30 anos tem se tornado crescente a preocupação da sociedade com a subsistência, mais precisamente

Leia mais

Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável

Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável A educação é de importância crítica para promover o desenvolvimento sustentável. Por conseguinte, é essencial mobilizar os

Leia mais

Indústria das Ciências Vegetais Guia de Propriedade Intelectual

Indústria das Ciências Vegetais Guia de Propriedade Intelectual Indústria das Ciências Vegetais Índice 1. Objetivo 2. O que é Propriedade Intelectual? 3. Propriedade Intelectual Visão Geral 4. A influência do TRIPS 5. Patentes 6. Segredos Comerciais 7. Proteção de

Leia mais

Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social

Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social III Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social Muito fizemos entre uma conferência e outra... 2 Não, não tenho caminho novo. O

Leia mais

05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE

05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE D I R E T O R I A D E S A Ú D E 05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE Em 05 de Junho, é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente e nesse ano o foco está voltado para as Mudanças Climáticas com o tema

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: (com adaptações).

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: <www.planalto.gov.br> (com adaptações). Texto para os itens de 1 a 15 A Constituição Federal, em seu artigo 5.º, que trata dos direitos e deveres individuais e coletivos, estabelece o direito à proteção das criações intelectuais. No inciso XXVII,

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS TEMA Uso dos recursos genéticos RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais