MANUAL DE TRANSFUSÃO HOSPITALAR E COMPLICAÇÃO TRANSFUSIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE TRANSFUSÃO HOSPITALAR E COMPLICAÇÃO TRANSFUSIONAL"

Transcrição

1 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SESA CENTRO DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA DO PARANÁ HEMEPAR MANUAL DE TRANSFUSÃO HOSPITALAR E COMPLICAÇÃO TRANSFUSIONAL Curitiba

2 ÍNDICE Página 1 Hemocomponentes, Indicações e Dose Transfusão em Pediatria Solicitação de Sangue Encaminhamento do Pedido de Sangue ao Hemepar Encaminhamento do Sangue ao Hospital Transfusão Armazenamento e Prazo de Validade de Hemocomponentes no Hospital Devolução de Hemocomponentes ao Hemepar Reações Transfusionais Preenchimento da Ficha de Investigação de Incidentes Transfusionais (FIIT) Livro de Registros Em caso de dúvidas Protocolos em anexo Fluxograma

3 1- HEMOCOMPONENTES, INDICAÇÕES E DOSE 1.1 Sangue total: A cada doação são coletados 450 (± 50) ml de sangue total. Cada coleta pode ser desdobrada em: * 1 unidade de Concentrado de Hemácias. * 1 unidade de Concentrado de Plaquetas. * 1 unidade de Plasma. * 1 unidade de Crioprecipitado. Assim são beneficiados, potencialmente, pelo menos quatro pacientes. 1.2 Concentrado de hemácias (CH): são os eritrócitos que permanecem na bolsa, após a centrifugação e o plasma extraído para uma bolsa-satélite. Os concentrados de hemácias devem ter hematócrito entre 50% a 80%, conforme a substância preservadora. Sobrevida conforme solução preservativa: 21 dias (CPD) 35 dias (CPDA-1) a 42 dias (SAG-Manitol). Volume aproximado: 280 ml ± 50 ml. Indicação criteriosa e individual: Fator determinante é o estado hemodinâmico do paciente. Aumento da massa eritrocitária em anemias sintomáticas (ver Tabela 1 Classificação de Baskett). Situações especiais (evitar transfusão): * Anemia por perda sangüínea crônica, responde bem ao ferro (oral ou parenteral). * Anemia por Insuficiência Renal Crônica, responde à eritropoetina. * Anemia Hemolítica Constitucional (Doença Falciforme, Talassemias etc), não valorizar somente os valores de Hb e Ht. * Anemia Hemolítica Auto Imune em geral não se encontra CH compatível e todo sangue transfundido será hemolisado. Indicado imunossupressão (corticoterapia) imediata. Transfusão somente em risco de vida, com CH filtrados e fracionados. Solicitar acompanhamento de um médico Hematologista/Hemoterapeuta. Dose: 1 unidade eleva a Hb em 1g/dL (adulto de 70 kg). Todos os componentes eritrocitários devem ser armazenados à temperatura de 4 ± 2 ºC. Tabela 1 - Classificação de Baskett (1990) baseada na perda sangüínea aguda Classe I Classe II Classe III Classe IV Perda sangüínea Porcentagem (%) do volume Pressão Arterial: Sistólica Diastólica < Inalterada Inalterada Normal Elevada Baixa Baixa > 40 Muito baixa Indetectável Pulso (Batimentos/ minutos) Leve taquicardia > 120 Enchimento capilar Normal Lento (> 2s) Lento (> 2s) Indetectável Freqüência Respiratória (ipm) > Taquipnéia (>20) Taquipnéia (>20) Fluxo urinário (ml/h) > Extremidades Normais Pálidas Pálidas Pálidas e frias Estado mental Alerta Ansioso, agressivo Ansioso, agressivo, sonolento Sonolento, confuso, inconsciente 3

4 OBSERVAÇÃO: Pacientes renais crônicos, talassêmicos e falciformes, que poderão entrar em esquema de transfusão crônica e de vir a desenvolver anticorpos antieritrocitários, devem ser fenotipados preferencialmente antes da primeira transfusão e então receber apenas receber concentrados de hemácias fenotipados. 1.3 Concentrado de hemácias lavadas: são os eritrócitos obtidos após a retirada do plasma e de cerca de 80% dos leucócitos. É utilizado quando há necessidade de prevenir reações a proteínas plasmáticas. 1.4 Concentrado de hemácias filtradas (CHF): são os eritrócitos obtidos após a retirada de aproximadamente 99,9% dos leucócitos, com a utilização de filtros de leucorredução. É utilizado quando há necessidade de prevenir reações a componentes leucocitários. Pode ser indicado após 2 episódio de Reação Transfusional Febril Não Hemolítica (RTFNH) para diminuir a possibilidade de aloimunização a antígenos leucocitários e do sistema HLA e na profilaxia da contaminação por CMV em imunossuprimidos CMVnegativos. 1.5 Concentrado de hemácias irradiadas: para reduzir o risco de Doença Enxerto Contra Hospedeiro (DECH) deve-se irradiar os hemocomponentes celulares que se destinam a: Transfusão intra-uterina. Exosanguíneo-transfusão, obrigatoriamente, quando houver transfusão intrauterina prévia. Recém-nascidos prematuros (inferior a 28 semanas) e/ou de baixo peso (1.200g). Portadores de imunodeficiências congênitas graves. Pós transplante de medula óssea autólogo ou alogênico. Pós transplante com células de cordão umbilical. Pacientes tratados com análogos da purina, fludarabina, cladribine, deoxicoformicina. Receptor de transplante de coração ou pulmão. Portadores de linfomas, leucemia mielóide aguda e anemia aplástica em uso de imunossupressor. Quando o receptor for parente de primeiro grau com o doador. 1.6 Plasma fresco (PF): é o plasma separado de uma unidade de sangue total por centrifugação e totalmente congelado até 8 horas depois da coleta, o qual mantém preservados os fatores de coagulação, inclusive os lábeis, além de outras proteínas plasmáticas. Indicações: * Deficiências dos fatores de coagulação, congênita ou adquirida (quando não se tem produto industrializado). * Hemorragias por Doenças Hepáticas. * Sangramento intenso pelo uso de anticoagulante oral (dicumarínicos warfarin). * Coagulação Intravascular Disseminada (CID). * Púrpura Trombocitopênica Trombótica (P.T.T.) e Síndrome Hemolítico Urêmica. Dose: 10 a 20 ml/kg /dia. 4

5 OBSERVAÇÕES: É contraindicado para expansão da volemia, reposição de albumina, suporte nutricional e tratamento de imunodeficiências. É proibido, pelo Ministério da Saúde, a utilização regular de Plasma em pacientes Hemofílicos, pois atualmente existem hemoderivados específicos para estes. 1.7 Concentrado de plaquetas (CP): O concentrado de plaquetas é uma suspensão de plaquetas em plasma, preparado mediante dupla centrifugação de uma unidade de sangue total. O CP unitário obtido a partir do sangue total contém aproximadamente 5,5 X plaquetas em ml de plasma. Já as unidades obtidas por aférese contêm, pelo menos, 3,0 x 10¹¹ plaquetas em ml de plasma (correspondente a 6-8 U de CP unitários). Indicações: - Transfusão profilática: * Quando não há sangramento. * Plaquetas < u/mL. * Plaquetas < u/mL associado à infecção, coagulopatia ou indicação de procedimento invasivo. Em RN devido ao risco de sangramento SNC. - Indicação absoluta: * Leucemias Agudas, particularmente a LMA-M3. - Transfusão terapêutica: * Plaquetopenia (independente do valor) com sangramento. - Situações especiais: * Transfusão de CP Rh positivo em paciente Rh negativo (meninas e mulheres em idade fértil), recomenda-se fazer imunoglobulina anti D. * Dengue hemorrágica - CP somente diante de hemorragia SNC. Contra-indicações: * Púrpura Trombocitopênica Trombótica (P.T.T.), * Síndrome Hemolítica Urêmica, * Síndrome Hellp (H = hemólise, EL = enzimas hepáticas elevadas, LP = baixa contagem de plaquetas), * Púrpura Pós transfusional, * Púrpura Trombocitopênica Imunológica (P.T.I.). Dose: 1 unidade para cada 7 a 10 kg de peso do paciente. 1.8 Concentrado de plaquetas lavadas: é o concentrado de plaquetas obtido através da retirada do plasma. É utilizado quando há necessidade de prevenir reações a proteínas plasmáticas. 1.9 Concentrado de plaquetas filtradas: é o concentrado de plaquetas das quais foram retirados, por filtração, mais de 99,9% dos leucócitos originalmente presentes nos componentes Concentrado de plaquetas irradiadas: seguem as mesmas indicações para concentrado de hemácias irradiados, além de receptor de concentrado de plaquetas HLA compatíveis. 5

6 1.11 Crioprecipitado: é a parte insolúvel do plasma, obtido através do método de congelamento rápido, descongelamento e centrifugação do plasma. É rico em fator VIII:c (atividade pró-coagulante), Fator VIII:Vwf (Fator von Willebrand), Fibrinogênio, Fator XIII e Fibronectina. Indicações: * Hipofibrinogenemia congênita ou adquirida (<100 mg/dl) * Disfibrinogenemia * Deficiência de Fator VIII, * Transfusões maciças, * Coagulação intravascular disseminada (CID) * Deficiências congênitas (Doença de von Willebrand na falta do fator específico). Dose: cada unidade aumentará o fibrinogênio em 5-10 mg/dl em um adulto médio, na ausência de grandes sangramentos ou de consumo excessivo de fibrinogênio. Cuidados especiais: * Deve-se ter cuidado na administração de grandes quantidades de crioprecipitado, devendo-se monitorar os níveis de fibrinogênio (do paciente), devido ao risco de tromboembolismo. * Atualmente existem produtos industrializados específicos para a deficiência de Fator VIII (Hemofilia A) e F VIII:vW(D.von Willebrand) 1.12 Aférese: procedimento para obtenção de hemocomponentes específicos através de processo automatizado, onde ocorre a separação dos componentes sanguíneos, selecionando-se o componente solicitado e devolvendo-se o restante ao doador. O processo é realizado em equipamento específico com kits estéreis e descartáveis. 2- TRANSFUSÃO EM PEDIATRIA Recém-nascido (RN): até 28 dias de vida RN pré-termo (RNPT): nascido até o último dia da 37 a semana de gestação 2.1 Sangue total (ST) Reconstituído pela combinação de uma unidade de CH com uma unidade compatível de PFC. Indicações: Exosanguíneo transfusão para doença hemolítica do feto e do recémnascido e hiperbilirrubenemia com risco de kernicterus. Dose: Duas trocas de volemia removem cerca de 85% das hemácias e 25-45% da bilirrubina sérica. RN a termo: 2 x 85 ml/kg (160 ml/kg) e RNPT: 2 x 100 ml/kg (200 ml/kg). 2.2 Concentrado de Hemácias (CH) Para os pacientes com mais de 4 meses de vida as orientações para transfusão de hemácias seguem as mesmas diretrizes para os adultos e devem se basear em sinais e sintomas e não somente em exames laboratoriais. * Para RN só utilizar hemocomponentes coletados há menos de 5 (cinco) dias. * RN < g de peso deve-se utilizar hemoderivados leucorreduzidos ou não reagentes para CMV (irradiados). 6

7 2.2.1 Indicações de transfusão de CH em pacientes < 4 meses de idade A. Hb < 7g/dL com baixa contagem de reticulócitos e sintomas de anemia (taquicardia, taquipnéia, paciente sugando mal ). B. Hb < 10g/dL e o paciente: Com <35% de O 2 em capacete (hood). Com catéter de O 2 nasal. Sob Pressão Aérea Positiva Contínua (CPAP) / Ventilação Controlada Intermitente (VMI) com ventilação mecânica com P média <6cm H 2 O. Apnéia significativa ou bradicardia (>6 episódios em 12 horas ou 2 episódios em 24 horas, necessitando ventilação por máscara ou bolsa, em uso de doses terapêuticas de metilxantinas). Taquicardia significativa ou taquipnéia (FC > 180 batimentos/min por 24h. FR > 80 irpm por 24h). Ganho reduzido de peso (ganho < 10g/dia por 4 dias, recebendo 100kcal/kg/dia. C. Hb < 12 g/dl e o paciente: Sob capacete (hood) de O 2 >35%. Com CPAP/VMI com P média 6 a 8 cm H 2 O. D. Hb < 15 g/dl e o paciente: Sob oxigenação de membrana extracorpórea. Com cardiopatia congênita cianótica Indicações de transfusão de CH em pacientes > 4 meses de idade A. Perda sanguínea aguda 15% da volemia total. B. Hb < 8g/dL com sintomas de anemia. C. Anemia pré-operatória significativa sem outras terapêuticas corretivas disponíveis. D. Hb < 13 g/dl e paciente com: Doença pulmonar grave. Oxigenação de membrana extra corpórea (ECMO). Dose: 10 a 15 ml/kg de peso. Tempo habitual de administração de 2 horas, não devendo exceder 4 horas de infusão. 2.3 Concentrado de Plaquetas (CP) A contagem de plaquetas do RN é a mesma da criança e do adulto. O RN a termo dificilmente sangra se plaquetas > 20 x 10 9 /L, já o RNPT necessita de um parâmetro mais alto, especialmente nos primeiros dias de vida, quando é maior o risco de hemorragia periventricular. Em geral o número de plaquetas de 50 x 10 9 /L é considerado hemostático, a menos que o paciente apresente alguma doença de base Indicação de transfusão de plaquetas em pacientes > 4 meses A. Manter a contagem de plaquetas /mm³ para sangramentos em SNC ou preparo de cirurgia de SNC. B. Manter a contagem de plaquetas /mm³ se sangramento ativo ou se for submetido a grande cirurgia. C. Transfusões profiláticas para pacientes com plaquetas < /mm³ Indicação de transfusão de plaquetas no RN A. Contagem de plaquetas < /mm³ com falha de produção. 7

8 B. Contagem de plaquetas < /mm³. C. Contagem de plaquetas < /mm³ em RNPT doente: Com sangramento ativo. Submetidos a procedimentos invasivos e com falha de produção Indicação de transfusão de plaquetas em crianças A. Contagem de plaquetas entre e /mm 3 com falha de produção. B. Contagem de plaquetas <30.000/mm 3 em RN com falha de produção. C. Contagem de plaquetas <50.000/mm 3 em RNPT estáveis: Com sangramento ativo. Submetidos a procedimentos invasivos e com falta de produção. D. Contagem de plaquetas < /mm 3 em RNPT doentes: Com sangramento ativo. Submetidos a procedimentos invasivos e com CIVD Indicação de transfusão de plaquetas em pacientes com contagens plaquetárias normais A. Sangramento ativo em associação com defeito qualitativo das plaquetas. B. Sangramento excessivo e inexplicável em paciente a ser submetido ao bypass cardiopulmonar. C. Paciente em ECMO: Com plaquetas < / mm 3 x 10 9 /L. Com alta contagem de plaquetas e sangrando Seleção de Concentrado de Plaquetas A. Compatibilidade ABO/RhD: sempre que possível as plaquetas devem ser ABO e RhD idênticas ao receptor. O uso de plaquetas ABO incompatíveis é aceitável para as crianças maiores de 2 anos. Já as menores devem receber plaquetas ABO compatíveis sempre que possível, devido à sua pequena volemia. Plaquetas do grupo O devem ser evitadas tanto quanto possível. B. Leucorredução: as indicações específicas do uso de plaquetas desleucocitadas em Pediatria seguem os mesmos critérios estabelecidos para hemácias. C. Irradiação: plaquetas transfundidas in utero para tratar trombocitopenia aloimune e transfusões de plaquetas, após o nascimento, em pacientes que receberam transfusões intra-uterinas devem ser irradiadas. Entretanto, não é necessário irradiar plaquetas para prematuros ou RN a termo, a menos que elas sejam de doador aparentado de 1 ou 2 grau ou RN de peso inferior a 1200g. 2.4 Plasma Fresco Congelado (PFC) Indicações A. Terapia de reposição em pacientes com sangramento ou que serão submetidos a procedimento invasivo. B. Quando fatores específicos da coagulação não são disponíveis, incluindo, mas não limitando a antitrombina III, deficiência de proteína C, ou S, FII, FV, FX e FXI. C. Tempo de Protrombina (PT) e/ou Tempo de Tromboplastina Parcial (TTPA) = 1,5x o valor do controle para a idade em pacientes com sangramento ou que serão submetidos a procedimento invasivo. D. Durante plasmaférese terapêutica, quando há indicação de PFC. 8

9 E. Reversão do warfarin em situações de emergência, tais como antes de procedimentos invasivos com sangramento ativo Dose e administração A dose inicial de 10 15mL/kg promove um aumento de 15 a 20% dos níveis de fatores da coagulação sob condições favoráveis de recuperação. 2.5 Crioprecipitado Indicações A. Hipofibrinogenemia e disfibrinogenemia com sangramento ativo ou na realização de procedimentos invasivos. B. Deficiência de FXIII com sangramento ou em procedimentos invasivos na indisponibilidade do concentrado de FXIII. C. Doença de von Willebrand com sangramento ativo ou antes de procedimento invasivo apenas se vasopressina é contra-indicada e se o concentrado de FvW não é disponível Dose e modo de administração A. Em pacientes menores de 2 anos, uma única dose de crioprecipitado, como dose padrão, é suficiente para atingir o efeito hemostático. B. A dose habitual é de 1 a 2 unidades/10kg de peso. Esta aumenta o fibrinogênio de aproximadamente 60 a 100mg/dL. Deve ser administrado em até 4 horas. 3- SOLICITAÇÃO DE SANGUE Toda transfusão de sangue ou componentes deverá ser prescrita por um médico, e deve ser registrada no prontuário médico do paciente. É obrigatório que fique registrado no prontuário, os números de origem dos hemocomponentes transfundidos, com a data e o horário em que a transfusão foi realizada, bem como os sinais vitais do paciente. 3.1 Preenchimento da Requisição de Transfusão O médico responsável pela transfusão deverá preencher todos os campos destinados às informações referentes ao Hospital e ao paciente, em 02 (duas) vias, as quais deverão ser enviadas com a amostra ao Hemepar, que reterá a 1ª via e devolverá a 2ª via ao hospital, juntamente com os hemocomponentes. Campo Informações do Paciente: Preencher com o nome completo do paciente, nome da mãe, município de origem, peso, sexo, data de nascimento, hospital, n.º do registro/ prontuário, localização (enfermaria e leito) do paciente no hospital, categoria de internação (SUS/PARTICULAR/CONVÊNIO) e n.º AIH. 9

10 Campo Solicitação do Hospital: Informar as quantidades do(s) hemocomponente(s) solicitado(s) em número de unidades ou mililitros. Campo Hospital Informações: Preencher com o diagnóstico do paciente, indicação clínica, ABO/Rh(D), resultado dos exames: VG ou Hb, contagem de plaquetas e tipo de transfusão (programada, não urgente, urgente ou de extrema urgência), se o paciente já recebeu transfusão anterior, data da transfusão, assinatura do médico (COM CARIMBO), data da solicitação e hora. 3.2 Coleta da amostra de sangue do paciente Identificação da amostra Identificar um tubo de heparina sódica de 6 ml (tampa azul escuro ou verde - fornecido pelo Hemepar) com etiqueta fornecida pelo Hemepar contendo as seguintes informações: - Nome completo do paciente - Data de nascimento - Nome do hospital - Data da coleta - Número do registro do paciente no hospital. - Nome do funcionário que realizou a coleta. 10

11 Modelo da etiqueta para tubo de coleta (fornecida pelo Hemepar): Paciente: Data nascimento: / / Hospital: Data da coleta: / / N Registro Paciente: Funcionário: Coleta da amostra Coletar 6 ml de sangue em tubo de heparina sódica (tampa azul escuro ou verde). OBSERVAÇÕES: O Banco de Sangue poderá solicitar nova amostra de sangue para exames complementares, se necessário. Não serão aceitas amostras de sangue enviadas em seringa. Amostras com identificação ilegível ou incompleta serão recusadas. Sempre que houver necessidade de uma nova transfusão de sangue após 24 horas da primeira transfusão, enviar nova amostra de sangue do paciente. Jamais encaminhar amostra de sangue coletada com EDTA. O não cumprimento das instruções para coleta de amostra poderá interferir nos resultados dos testes pré-transfusionais. 3.3 Coleta de amostra para atendimento pediátrico (crianças): Identificação da amostra de sangue Identificar um tubo de heparina sódica de 6 ml (tampa azul escuro ou verde - fornecido pelo Hemepar), contendo as seguintes informações: - Nome completo do paciente (criança) - Data de nascimento - Nome do hospital - Data da coleta - Número do registro do paciente no hospital - Nome do funcionário que realizou a coleta Coleta da Amostra Coletar no mínimo 2 ml de sangue. 3.4 Coleta da amostra para atendimento de recém-nascido (RN) No caso de crianças até 4 meses de idade sempre coletar amostra de sangue da criança e da mãe, seguindo estas orientações: Identificação da amostra da mãe Identificar tubo de heparina sódica de 6 ml (tampa azul escuro ou verde, fornecido pelo Hemepar), contendo as seguintes informações: - Nome completo da mãe do recém-nascido. - Nome do hospital 11

12 - Data da coleta - Nome do funcionário que realizou a coleta Coleta da amostra da Mãe Coletar 6 ml de sangue em tubo de heparina sódica (tampa azul escuro ou verde) Identificação da amostra da criança (RN) Identificar um tubo de heparina sódica (tampa azul escuro ou verde - fornecido pelo Hemepar), contendo as seguintes informações: - Nome completo do paciente (criança) - Data de nascimento - Nome do hospital - Data da coleta - Número do registro do paciente no hospital - Nome do funcionário que realizou a coleta Coleta da amostra da Criança (RN) Coletar no mínimo 2 ml de sangue. Observações: Na impossibilidade de localizar a mãe para a coleta de amostra de sangue da mesma, o médico responsável pelo paciente deverá entrar em contato com o Bioquímico do Setor de Estoque do Hemepar. Neste caso, o médico deverá assinar o documento de Ciência e Autorização do Médico Solicitante (conforme protocolo no verso da RT). Anotar sempre o peso da criança na Requisição de Transfusão. Nas unidades pediátricas o sangue será enviado em equipo pediátrico para permitir o micro gotejamento. 4- ENCAMINHAMENTO DO PEDIDO DE SANGUE AO HEMEPAR É de responsabilidade do Hospital encaminhar ao Hemepar - Divisão de Produção, a amostra de sangue do paciente e RT, acondicionada em caixa térmica de poliuretano, devidamente fechada, sob os cuidados de um funcionário do Hospital. No ato do recebimento da RT e amostra de sangue pelo Hemepar, os dados serão conferidos. Qualquer irregularidade deverá ser corrigida pelo hospital. Jamais encaminhar a amostra de sangue diretamente sobre o gelo. Proteger com papelão. 5- ENCAMINHAMENTO DO SANGUE AO HOSPITAL É, também, de responsabilidade do hospital transportar o hemocomponente liberado pelo Hemepar, em caixa térmica de poliuretano, fechada, sob os cuidados de um funcionário do hospital. O transporte do Hemepar até o hospital deverá ser feito no menor tempo possível. PROCEDIMENTOS PARA TRANSPORTE DE SANGUE E HEMOCOMPONENTES 12

13 Selecionar a caixa transportadora e quantidade de substância resfriadora compatível com a quantidade de bolsas a serem transportadas; (figura 1) Colocar a metade da substância resfriadora no fundo da caixa e no caso de transporte de ST (Sangue Total) ou CH (Concentrado de Hemácias) cobrir com camada isolante; Acondicionar as bolsas e o termômetro com o sensor em contato com as mesmas; No caso de ST ou CH cobrir com outra camada isolante; Colocar o restante da substância resfriadora; Preencher o protocolo de Controle de Temperatura no Transporte aos Hospitais; Fechar a caixa. Observações O gelo reutilizável (gelox) deverá estar completamente congelado; Os termômetros devem ser armazenados em temperatura semelhante à de transporte, ou seja, para transportar CP (Concentrado de Plaquetas) deverão estar armazenados entre 20 e 24 C e para transportar CH deverão estar entre 2 e 6 C; O termômetro deverá ser zerado antes de fechar a caixa. OBS: O funcionário do Hospital deverá confirmar o recebimento dos hemocomponentes, assinando no campo da RT específico para este fim, e anotar data e hora do recebimento. 13

14 14

15 6 TRANSFUSÃO 6.1 Registros O hospital deverá registrar a transfusão das bolsas em livro próprio para este fim onde deve constar data, n.º de ordem, nome completo do paciente, n.º de registro no hospital (prontuário), tipagem ABO e RH do paciente, hemocomponente liberado, n.º de SUS e volume. Este livro deve ser registrado na Vigilância Sanitária. O hospital deverá registrar no prontuário os números e a origem dos hemocomponentes transfundidos, bem como a data e horário em que a transfusão foi liberada: Hemocomponente: Data: N.º SUS de doação: Hora PA P T Início Final Responsável pela instalação Legenda: PA = Pressão arterial P = Pulso T = Temperatura O preenchimento do Boletim Mensal de Transfusão Sangüínea (BMTS) é de responsabilidade do Hospital, bem como o seu envio ao Serviço de Vigilância Sanitária de acordo com o cronograma preestabelecido. Para realizar este procedimento o hospital deverá entrar em contato com o Serviço de Vigilância Sanitária Municipal. 6.2 Materiais utilizados para o procedimento transfusional Scalp 21,23 (criança), 19 (adulto) Equipo de transfusão com filtro (poros entre 170 e 260 micra), estéril, apirogênico, e descartável. Para transfusão de CH e PF deve ser trocado a cada bolsa. Para transfusão de CP pode-se utilizar um equipo a cada 6 CP. Garrote Álcool etílico a 70% Bolas de algodão Esparadrapo Suporte para bolsa de sangue Talas para imobilização do braço se necessário 6.3 Cuidados ao iniciar a transfusão 1) As transfusões deverão ser realizadas por médico ou profissional de saúde legalmente habilitado para tal, isto é, só podem ser realizadas em local que haja pelo menos um médico presente, que possa intervir em casos de reações ou complicações. 2) Conferir os dados da bolsa do hemocomponente, que é acompanhada de um Cartão de Identificação do Receptor preso à bolsa de sangue, o qual deverá ser mantido até o final da transfusão. 3) Certificar-se de que a bolsa em questão destina-se realmente ao paciente e que todas as informações estão em conformidade. Imediatamente antes da transfusão, deve-se verificar com especial atenção a identidade do receptor, 15

16 perguntando-lhe (ou a seu acompanhante) o seu nome completo. Se não for possível, conferir com a identificação no bracelete. A identificação do receptor que consta da bolsa deve ser conferida com a identificação do paciente. Anotar na prescrição: conferido e instalado. 4) Em caso de discrepância, não iniciar a transfusão e contatar imediatamente com o Hemepar. 5) Em centros cirúrgicos, berçários e UTI neonatais deve haver pulseiras ou braceletes identificando os pacientes, de modo a minimizar as chances de troca de sangue. 6) Verificar se a bolsa a ser transfundida encontra-se em temperatura ambiente antes de instalar a transfusão. Recomenda-se que o hemocomponente permaneça entre 20º C e 24ºC, por 30 minutos antes da transfusão. As demais bolsas deverão ficar armazenadas em refrigerador (+2ºC a + 6ºC) até que sejam utilizadas, exceto concentrado de plaquetas, que deverão permanecer entre 20 e 24 C. 7) Cuidar para não violar a bolsa e sua identificação. O sistema deverá permanecer íntegro até o término da transfusão. 8) É terminantemente proibida a adição de quaisquer substâncias ou medicamentos ao concentrado de hemácias (CH) ou outro hemocomponente, ou sua infusão concomitante pela mesma linha que a do sangue. 9) Conservar o Cartão de Identificação do Receptor afixado na bolsa até o final da transfusão, em seguida, arquivá-lo no prontuário do paciente. 10) Verificar os dados vitais antes de iniciar o processo de transfusão. Se estes foram verificados há mais de 30 minutos, verificar novamente e registrar no prontuário. 11) Puncionar um acesso venoso com scalp 19 ou 21, controlar o gotejamento prescrito pelo médico e permanecer junto ao paciente durante os primeiros 15 minutos. Observá-lo durante todo o período da transfusão. Se o paciente já recebeu transfusão de algum hemocomponente e tiver história de qualquer tipo de reação, observá-lo com maior rigor. 12) Preferir, sempre que possível, transfundir no período diurno. 13) Atentar para sinais de Reação Transfusional. Em caso positivo adotar as condutas do ítem ) Assinar e carimbar o término da evolução transfusional. Anotar dados vitais do paciente. 15) Colar etiqueta referente ao hemocomponente no prontuário do paciente. 16) Concluída a transfusão, recolher a bolsa e descartar em lixo hospitalar. 6.4 Tempo máximo para transfusão Hemocomponente Uma bolsa de Concentrado de Hemácias ou Plasma Fresco Crioprecipitado (Crio) Concentrado de Plaquetas (CP) Tempo de Transfusão Máximo de 4 horas Até 30 minutos, independente do n.º de unidades Até 2 horas, independente do n.º de unidades O tempo máximo de transfusão é de 04 (quatro) horas, para evitar contaminação bacteriana. Após esse período, suspender a transfusão, comunicar o médico, anotar no prontuário a quantidade transfundida e desprezar a bolsa. Para não ocorrer perda de hemocomponente por tempo excedente, acompanhar o gotejamento rigorosamente. 16

17 Homogeneizar manualmente, com delicadeza, em períodos alternados a bolsa de Concentrado de Hemácias, que está sendo transfundida, pois durante a transfusão o gotejamento tende a diminuir gradativamente devido ao depósito das hemácias na saída do equipo. 6.5 Transfusão em casos de emergência Emergência absoluta. Na absoluta impossibilidade de coletar amostra do paciente para testes prétransfusionais, o médico responsável pela transfusão deverá encaminhar a Requisição de Transfusão ao banco de sangue acompanhado de um Termo de Responsabilidade (de próprio punho) para informar que se trata de situação de risco de vida para o paciente. Este Termo de Responsabilidade poderá ser escrito na própria RT, no campo Observação. Deverão constar assinatura e o carimbo do médico solicitante. Necessidade de Transfusão Urgente. O médico responsável pela transfusão deverá encaminhar RT e amostra de sangue do paciente ao Hemepar; podendo através de contato telefônico reforçar a liberação do sangue com urgência. 6.6 Transfusões de caráter especial AUTOTRANSFUSÃO ou TRANSFUSÃO AUTÓLOGA é aquela em que a bolsa de sangue coletada é dirigida ao próprio doador-paciente. O médico deverá preencher uma RT, citando no campo Observação : AUTOTRANSFUSÃO. A enfermagem encaminhará a RT junto com uma amostra de sangue do paciente, colhido como de rotina. O Hemepar realizará todos os testes pré-transfusionais de rotina. Em caso de Auto-transfusão com sorologia positiva: O hemocomponente será liberado com a CIÊNCIA DE AUTOTRANSFUSÃO- SOROLOGIA REAGENTE (conforme modelo anexo), que será previamente encaminhado (duas vias) para ser assinado pelo médico solicitante e devolução de uma via ao Hemepar. A outra via deverá ser arquivada no prontuário do paciente TRANSFUSÃO DOMICILIAR Quando existir uma contra indicação formal ao translado do paciente a uma instituição assistencial, a transfusão poderá ser realizada em domicílio, desde que seja encaminhada RT e o termo de responsabilidade de transfusão domiciliar (em anexo). É obrigatória a presença de um médico durante todo o transcurso do ato transfusional SANGRIA Para pacientes internados nos hospitais da rede pública ou privada, o hospital deve se responsabilizar pela aquisição das bolsas, pelo procedimento e descarte das bolsas em lixo infectante. 7 - ARMAZENAMENTO E PRAZO DE VALIDADE DE HEMOCOMPONENTES NO HOSPITAL 17

18 HEMOCOMPONENTES CONDIÇÕES E TEMPERATURA DE ARMAZENAMENTO Concentrado de Hemácias (CH) +2 a +6º C, podendo ficar até 24 horas em refrigerador, com temperatura controlada, no hospital Concentrado de Plaquetas (CP) +20 a +24ºC até 2 horas Plasma Fresco (PF) Descongelado 6 horas a T.A. e até 24 horas em refrigerador Plasma Fresco (PF) congelado -20º C ou inferior, podendo ficar até 24 horas em freezer, com temperatura controlada, no hospital Crioprecipitado (Crio) Descongelado USO IMEDIATO Concentrado de Hemácias +2 a +6º C, podendo ficar até 24 horas em FILTRADAS/LAVADAS (CHF / refrigerador, com temperatura controlada, no CHL) hospital Em temperatura ambiente: 4 horas Fracionamento Pediátrico +2 a +6º C, podendo ficar até 24 horas em refrigerador, com temperatura controlada, no hospital Em equipo pediátrico: 4 horas após o fracionamento Em temperatura ambiente: 4 horas OBSERVAÇÕES As temperaturas dos refrigeradores deverão ser medidas e registradas a cada 4 horas, rigorosamente. Qualquer falha ou irregularidade, entrar em contato com a Divisão de Produção do Hemepar. Os diferentes prazos de validade dos hemocomponentes armazenados no hospital e no Hemepar se devem aos equipamentos próprios para armazenamento de sangue existentes neste. 8 - DEVOLUÇÃO DE HEMOCOMPONENTES AO HEMEPAR Os hemocomponentes não utilizados deverão ser devolvidos ao Hemepar em 24 horas acompanhados do Cartão de Identificação do Receptor, informando o motivo da devolução, podendo este prazo ser prorrogado em caso de comunicação por parte do hospital, dependendo da condição do paciente. Para isso o hospital deverá manter geladeira para uso exclusivo do sangue, a qual deverá ter temperatura controlada através de termômetro e mapa de registro de temperatura com leitura a intervalos preestabelecidos (4 em 4 horas). As seguintes orientações deverão ser observadas no acondicionamento do sangue para o transporte: Concentrado de Hemácias (CH), Plasma Fresco (PF) descongelado e crioprecipitado (CRIO) descongelado Colocar gelo reciclável (tipo Gelox ) no fundo da caixa e isolar as bolsas com papelão. Nunca transportar as bolsas de CH em contato direto com o gelo. 18

19 Concentrado de Plaquetas (CP) Colocar as bolsas de plaquetas na caixa sem Gelox, observando-se a manutenção da temperatura entre C, exceto em dias muitos quentes, quando pode-se colocar uma unidade pequena de Gelox, isolando muito bem as bolsas com papelão. OBSERVAÇÕES: Utilizar aproximadamente 0,5 kg de gelo reciclável (1 gelox médio) para cada 2 bolsas de CH e/ou de PF descongelado. CP : No verão utilizar uma unidade pequena de gelox para até 15 bolsas de CP (isolados por papelão). 9 - REAÇÕES TRANSFUSIONAIS 9.1 Definição A reação transfusional é toda e qualquer intercorrência que ocorra como conseqüência da transfusão sangüínea, durante ou após a sua administração. 9.2 Classificação As reações transfusionais podem ser classificadas em imediatas (até 24 horas da transfusão) ou tardias (após 24 horas da transfusão), imunológicas e não-imunológicas, conforme apresentado na Tabela 2. TABELA 2: Principais reações transfusionais IMEDIATA TARDIA IMUNE Reação febril não-hemolítica (RFNH) Reação hemolítica aguda (RHA) Reação alérgica (leve, moderada, grave) TRALI (injúria pulmonar relacionada à transfusão) IMUNE Aloimunização eritrocitária Aloimunização HLA Reação enxerto x hospedeiro Púrpura pós transfusional Imunomodulação NÃO-IMUNE Sobrecarga volêmica Contaminação bacteriana Hipotensão por inibidor da ECA Hemólise não-imune Hipocalcemia Embolia aérea Hipotermia NÃO-IMUNE Hemossiderose Doenças infecciosas 9.3 Sinais e sintomas A ocorrência destas reações pode associar-se a um ou mais dos seguintes sinais e sintomas como: a) Febre com ou sem calafrios (definida como elevação de 1 C na temperatura corpórea), associada à transfusão. b) Calafrios com ou sem febre. c) Dor no local da infusão, torácica ou abdominal. 19

20 d) Alterações agudas na pressão arterial, tanto hipertensão como hipotensão. e) Alterações respiratórias como: dispnéia, taquipnéia, hipóxia, sibilos. f) Alterações cutâneas como: prurido, urticária, edema localizado ou generalizado g) Náusea, com ou sem vômitos. A ocorrência de choque em combinação com febre, tremores, hipotensão e/ou falência cardíaca de alto débito sugere contaminação bacteriana, podendo também acompanhar o quadro de hemólise aguda. A falência circulatória, sem febre e/ou calafrios, pode ser o dado mais importante de anafilaxia. A alteração na coloração da urina pode ser o primeiro sinal de hemólise no paciente anestesiado. 9.4 Conduta Clínica Qualquer anormalidade havida com o paciente que possa ser atribuída à transfusão do hemocomponente fornecido, deverá ser comunicada imediatamente ao Hemepar, para fins de investigação e preenchimento da ficha de notificação de Complicação Transfusional, conforme estabelecida na RDC 153, de 14/06/2004 da Anvisa/MS. O médico, a enfermeira e/ou o técnico/auxiliar de enfermagem que instalou a transfusão, são os responsáveis pelo reconhecimento dos sinais e sintomas decorrentes de complicações transfusionais e pela imediata comunicação à Divisão de Produção do Hemepar. QUANDO HOUVER SUSPEITA DE COMPLICAÇÃO TRANSFUSIONAL, as seguintes ações deverão ser desencadeadas junto ao leito do paciente: 1. Interromper imediatamente a transfusão. 2. Manter acesso venosos com salina a 0,9% 3. Verificar sinais vitais e observar o estado cardiorrespiratório. 4. Examinar cuidadosamente todas as etiquetas, rótulos e registros, conferindo novamente os dados do paciente com os dados da unidade de sangue ou componente em uso. 5. Avaliar se ocorreu a reação e classificá-la, a fim de adequar a conduta específica. 6. Avaliar a possibilidade de reação hemolítica, TRALI, anafilaxia e sepse relacionada à transfusão, situações nas quais são necessárias condutas de urgência. 7. Coletar amostra pós transfusional (com heparina) e encaminhar imediatamente (junto com item 9) ao Hemepar. 8. Preencher Relatório de Complicação Transfusional (modelo anexo). 9. Encaminhar imediatamente ao Hemepar a bolsa contendo o restante do hemocomponente, mesmo que vazia com a etiqueta de identificação da bolsa afixada na mesma, e com o equipo de transfusão, dentro de caixa térmica e o Relatório de Complicação Transfusional, tomando o cuidado de não contaminar o produto quando desta manipulação. Novos testes serão realizados no Hemocentro. 10. Na entrega da amostra pós- transfusional, do protocolo e hemocomponente, será fornecido pelo Hemepar, um Kit contendo 2 frascos para hemocultura do paciente, sendo um para pesquisa de bactérias não aeróbias (tampa dourada) e outro para bactérias aeróbias (tampa azul). 11. A inoculação da amostra de sangue do paciente nos 2 frascos de hemocultura deve ser realizada e encaminhada imediatamente ao Hemepar, seguindo as instruções contidas no item

21 12. O hospital receberá, em nome do Diretor Clínico, o resultado dos exames realizados nas amostras de sangue pré e pós transfusionais do paciente, bem como das hemoculturas. Os resultados deverão ser avaliados pelo médico assistente e em seguida transcritos no prontuário do paciente e no Livro de Registro de Complicações Transfusionais, bem como o parecer do médico. NOTA: As amostras devem ser colhidas preferencialmente de outro acesso que não aquele utilizado para a transfusão. TABELA 3: Resumo das reações transfusionais imediatas Reação Sinais/Sintomas Incidência Conduta Laboratorial Conduta Clínica Prevenção RHA Febre, Tremores, Calafrios, Hipotensão, Taquicardia, Dor (tórax, local da infusão, abdome, flancos), Hemoglobinúria, I. Renal e CID 1: : Enviar amostra para o Banco de Sangue; repetir testes imunohematológicos, cultura do componente e do receptor Hidratação (manter diurese 100ml/h). Cuidados de terapia intensiva. Seguir rigorosamente todas as normas preconizadas desde a coleta até a transfusão. RFNH RA Leve ou moderada Grave (Anáfilática) TRALI Sobrecarga volêmica Contaminação Bacteriana Febre ( 1 C), Calafrios, Tremores Prurido, Urticária, Eritema, Pápulas, Tosse, Rouquidão, Dispnéia, Sibilos, Náuseas e vômitos, Hipotensão e choque Prurido, Urticária, Eritema, Pápulas, Rouquidão, Tosse, Broncoespasmo, Hipotensão e Choque Qualquer insufiociência respiratória aguda relacionada à transfusão (até 6 horas após). Febre Dispnéia, cianose, Taquicardia, Hipertensão, Edema Pulmonar Tremores intensos Calafrios Febre alta Choque Variável 0,5 1% Afastar hemólise e contaminação bacteriana. Enviar amostras para o Banco de Sangue; repetir testes imunohematológicos, cultura da bolsa e receptor Antipiréticos no caso de calafrios intensos. Meperidina 1 3% Não se aplica A maioria das reações é benigna e pode cessar sem tratamento. Antihistamínicos. 1: : : transfusões Dosar Anticorpo anti- IgA Afastra sobrecarga de volume, RHA e contaminação bacteriana. RX tórax Ecocardiograma Pesquisa de Ac antileucocitário doador e/ou receptor Instituir cuidados de terapia intensiva (epinefrina, antihistamínicos, corticosteróide) Suporte respiratório <1% RX Tórax Suporte de O2 e diuréticos Variável 1: : Afastar hemólise Cultura do componente e do receptor Instituir cuidados de terapia intensiva. Antibiótico de amplo espectro. Pré-medicação com antipiréticos. Produtos desleucocitados para casos recorrentes. Nada até prémedicar com antihistamínicos. Se RA leve pode reinstalar o componente. Compunentes celulares lavados ou deficientes em IgA. Não há unanimidade. Evitar uso de plasma feminino e relacionado. Aliquotar o hemocomponente Diurético prévio. Seguir rigorosamente todas as normas preconizadas desde a coleta até a transfusão. 21

22 Hipotensão por inibidor da ECA Henólise Não-Imune Hipocalcemia Embolia Aérea Hipotermia Hipotensão, rubor. Ausência de febre, calafrios ou tremores. Oligossintomática. Atenção à presença de hemoglobinúria e hemoglobinemia Parestesia, tetania, arritmia Dispnéia e cianose súbita, dor, tosse, hipotensão, arritmia cardíaca Desconforto, calafrios, queda da temperatura, arritmia cardíaca e sangramento por alteração da hemostasia Desconhecida Não se aplica Suspender o inibidor. Terapia de suporte se necessário. Desconhecida Desconhecida Inspeção visual do plasma e urina do paciente. TAD negativo Dosar cálcio iônico ECG com aumento de intervalo QT Terapia de suporte se necessário. Infusão lenta de cálcio com monitorização periódica dos níveis séricos Rara Não se aplica Deitar o paciente em decúbito lateral esquerdo, com as pernas acima do tronco e da cabeça Desconhecida Não se aplica Diminuir o tempo de infusão Aquecimento dos glóbulos vermelhos e/ou plasma. Terapia conforme as intercorrências Utilizar componente filtrado no laboratório. Investigar o uso de ECA Seguri rigorosamente todas as normas preconizadas da coleta à transfusão. Monitorização dos níveis de cálcio em quem recebe transfusão maciça. Não utilizar infusão sob pressão se sistema aberto. Aquecer o hemocomponente (GV ou PF) se previsto acima de 15ml/kg/hora por mais de 30 min. RHA: Reação hemolítica aguda; RFNH: Reação febril não-hemolítica; RA: Reação alérgica; TRALI: Transfusion Related Lung Injury (Lesão aguda pulmonar relacionada à transfusão, ou edema pulmonar agudo não-cardiogênico) 10 - PRENCHIMENTO DA NOTIFICAÇÃO DE REAÇÃO TRANSFUSIONAL ATENÇÃO: A Notificação de Reação Transfusional deve ficar disponível a todos os funcionários, em local de fácil acesso e conhecimento de todos Notificação Preencher nome do hospital, data de notificação e tipo de incidente, se imediato ou tardio Identificação 1. Paciente: preencher nome completo do paciente, sem abreviações e sem omitir nomes/sobrenomes 2. Data de nascimento 3. Número de prontuário 4. CPF 5. Sexo 6. Diagnóstico: preencher conforme consta na Requisição de Transfusão (RT). OBS: Conferir os dados do Cartão do receptor preso à bolsa, com os dados do paciente História Transfusional Preencher com a indicação da transfusão, se há transfusões anteriores e história de incidentes transfusionais prévios. 22

23 10.4 Hemocomponentes relacionáveis com a notificação 1. Hemocomponente: especificar qual o hemocomponente causador da complicação transfusional: (CH, PF, CP, CHF, Crio...) 2. Número de doação: copiar o número de doação que se encontra no canto superior esquerdo da etiqueta de código de barras. 3. Número do SUS: copiar o número do SUS, que se encontra no canto inferior direito da etiqueta de código de barras. 4. Marca e lote da bolsa: informação a ser registrada no Hemocentro 5. Preencher a data e hora de ocorrência do incidente transfusional 6. Sinais vitais: P.A.: anotar a pressão máxima e mínima, verificada logo após a retirada da bolsa do hemocomponente. Temperatura: anotar o valor da temperatura axilar, verificada após a retirada da bolsa do hemocomponente. Pulso e respiração Manifestações clínicas/laboratoriais do incidente transfusional Anotar com um x as manifestações apresentadas pelo paciente: CALAFRIOS NÁUSEAS DOR LOMBAR CHOQUE FEBRE CIANOSE CIVD DISPNÉIA EDEMA AGUDO DE PULMÃO (TRALI) HIPERTENSÃO OUTROS ESPECIFICAR: HEMOGLOBINÚRIA ICTERÍCIA URTICÁRIA VÔMITOS TAQUICARDIA 10.6 Identificação do responsável pelas informações Preencher com o nome do responsável pelo preenchimento do protocolo, assinatura e carimbo Conduta clínica adotada Anote neste espaço, os procedimentos realizados: suspensão da transfusão, medicação e outros. Neste campo é necessário preencher o nome do médico responsável pela conduta clínica adotada, assinatura e carimbo Encaminhar ao Hemepar, a hemocultura do paciente pós reação transfusional Anotar o nome do paciente, hospital e hora da coleta a etiqueta do frasco onde tem o desenho de uma cama de leito, nos 2 frascos. Se utilizar etiqueta de identificação do hospital, NÃO colá-la sobre o código de barrra dos frascos Tirar a tampa (lacre) dos dois frascos e fazer a desinfecção da borracha com álcool a 70% Realizar a antissepsia das mãos e usar luvas de procedimentos Realizar a antissepsia do local de punção com álcool 70% por 30 segundos Não tocar o local de punção após a antissepsia Preferencialmente não coletar amostra através de cateter instalado Coletar 16 a 20 ml de sangue e transferir de 5 a 7 ml, primeiro para o frasco anaeróbico (tampa amarela) (Objetivo: evitar a entrada de ar no frasco anaeróbico) Depois transferir de 8 a 10 ml restantes para o frasco aeróbico (tampa azul) Homogeneizar os frascos, mantendo-os em temperatura ambiente. Não colocar em estufa, nem em geladeira Não retirar as etiquetas dos frascos de hemocultura. 23

24 Encaminhar imediatamente ao HEMEPAR (Divisão de Produção aos cuidados do farmacêutico Bioquímico de plantão e/ou Controle de Qualidade de Hemocomponentes) Encaminhar para o Hemepar a bolsa do hemocomponente causador da Complicação Transfusional e uma amostra de sangue do paciente, colhido com heparina, pós- reação transfusional, juntamente com o protocolo preenchido No HEMEPAR: verificar se os dados do Cartão de Identificação estão concordantes com os dados da bolsa e do paciente, e realizar os seguintes testes: EXAMES IMUNOHEMATOLÓGICOS AMOSTRA PACIENTE Pré-transfusional ABO/Rh PESQUISA DE ANTICORPOS IRREGULARES ANTICORPO(S) IDENTIFICADO(S) PROVA DE COMPATIBILIDADE AUTO-CONTROLE COOMBS DIRETO ELUATO ANTICORPO(S) IDENTIFICADO(S) NO ELUATO EXAMES IMUNOHEMATOLÓGICOS AMOSTRA BOLSA Pré-transfusional ABO/Rh TESTE DE HEMÓLISE: positivo negativo inconclusivo não realizou ignorado Pós-transfusional Pós-transfusional HEMOCULTURA AMOSTRA PACIENTE CRESCIMENTO BACTERIANO: positivo negativo inconclusivo não realizou ignorado MICROORGANISMO(S) ISOLADO(S): AMOSTRA BOLSA CRESCIMENTO BACTERIANO: positivo negativo inconclusivo não realizou ignorado MICROORGANISMO(S) ISOLADO(S): INSPEÇÃO VISUAL DA BOLSA: NORMAL ANORMAL NÃO REALIZADA/DISPONÍVEL TIPO DE ANORMALIDADE: A hemocultura da bolsa deverá ser realizada independente do tipo de reação apresentada pelo paciente. A bolsa do hemocomponente deverá ser devolvida em condições para realizar este exame, isto é, deve estar corretamente fechada, para não haver contaminação externa. Nos casos em que a bolsa é devolvida pingando, ou se for verificado que houve contaminação do meio externo, a cultura não será realizada. Após a liberação de todos os resultados, o Hemepar deverá notificar o hospital dos resultados obtidos Recebimento da Complicação Transfusional no Hemepar - Realização dos testes O funcionário que receber o hemocomponente e a Ficha de Investigação de Incidentes Transfusionais deve conferir os dados, condições da bolsa, colocar seu nome no campo Recebimento da Reação Transfusional no Hemepar; Funcionário, com assinatura e carimbo, data e horário. O funcionário que realizar os testes deverá anotar seu nome, data, hora da realização dos mesmos, e resultados encontrados. O mesmo ocorre para os resultados de hemocultura. O médico hematologista fará avaliação dos resultados e definirá a conduta a ser adotada nas próximas transfusões. 24

25 Em seguida, o Hemepar encaminhará ao Diretor Clínico do hospital, uma carta juntamente com o resultado dos testes realizados e conclusões, a qual deverá ser transcrita pela Enfermagem, no Livro de Registro de Reações Transfusionais e arquivado no prontuário do paciente Dados do Livro de Registro de Complicação Transfusional 1. Data da Complicação 2. Horário do início da transfusão 3. Nome do paciente 4. Nome do médico 5. Número do prontuário 6. Identificação da bolsa : iniciais do doador, n de doação, n SUS, ABO, Rh, PAI, validade, tipo de hemocomponente. 7. Aspecto visual da bolsa (ver hemólise, coágulo, integridade) 8. Sinais e sintomas observados 9. Nome do responsável pelo reconhecimento dos sinais e sintomas 10. Procedimentos adotados: relatar seqüência histórica 11. Resultados dos exames realizados: Na amostra de sangue pré-transfusional do paciente Na amostra de sangue pós-transfusional do paciente Na bolsa do hemocomponente 12. Parecer do médico LIVROS DE REGISTROS As Agências Transfusionais que realizam os testes pré-transfusionais, estocam, e transfundem hemocomponentes deverão possuir um Livro de Registro de Entrada de Hemocomponentes, um Livro de Registro de Liberação de Sangue e um Livro de Registro de Complicações Transfusionais. As Agências Transfusionais que somente transfundem, deverão possuir Livro de Registro de Liberação de Sangue (modelo em anexo) e um Livro de Registro de Complicações Transfusionais EM CASOS DE DÚVIDAS Contatar o Hemepar Travessa João Prosdócimo, 145 Fone: (041) Divisão de Produção - Farmacêuticos de plantão 24 horas, sábados, domingos e feriados. 13 PROTOCOLOS EM ANEXO Modelo da Requisição de Transfusão. 25

26 26

27 27

28 13.2. Protocolo para Auto-Transfusão com sorologia reagente. ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ SESA SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DE SISTEMAS DE SAÚDE SGS CENTRO DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA DO PARANÁ - HEMEPAR CIÊNCIA DE AUTOTRANSFUSÃO SOROLOGIA REAGENTE INICIAIS / Rev. 00 Pág. / Ao Dr. Hospital: Informamos que o paciente: N.º prontuário, foi submetido à auto-doação no Hemepar para cirurgia. Dentre os exames sorológicos realizados, apresentou sorologia reagente para, não contra-indicando a utilização do hemocomponente para uso exclusivo ao paciente. Em momento oportuno recomendamos a marcação de uma consulta no Ambulatório de Sorologia do HEMEPAR através do telefone: , para que tais exames sejam repetidos. Curitiba, de de... Paulo Roberto Hatschbach Diretor do Hemepar 28

29 13.3. Termo de Responsabilidade Transfusão Domiciliar ESTADO ESTADO DO PARANÁ PARANÁ SECRETARIA SECRETARIA DE ESTADO DE ESTADO DA DA SAÚDE SAÚDE DO DO PARANÁ PARANÁ SESA SESA SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DE GESTÃO DE SISTEMAS DE SISTEMAS DE DE SAÚDE SAÚDE SGS SGS CENTRO CENTRO DE DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA E HEMOTERAPIA DO PARANÁ DO PARANÁ - HEMEPAR - HEMEPAR TERMO TERMO DE DE RESPONSABILIDADE TRANSFUSÃO DOMICILIAR INICIAIS / Rev. 00 Pág. / Eu, DR. (a): CRM: responsabilizo-me pela retirada, transporte e instalação domiciliar do(s) hemocomponente(s): Hemocomponente N.º doação N.º SUS RT n.º a ser(em) instalado(s) no(a) paciente. Responsabilizo-me também pelas demais intercorrências que possam haver durante e após o procedimento transfusional. Estou ciente que para transfusão em domicílio é necessário a presença contínua do médico responsável, de materiais e medicamentos disponíveis para atendimento de situação de emergência decorrentes do ato transfusional, conforme Normas do Ministério da Saúde. Curitiba, de de Assinatura / Carimbo do Médico solicitante 29

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA Parte I: Múltipla Escolha 01 Quanto à classificação do grupo

Leia mais

Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria

Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria Adriana Barretto de Mello hemoba@hemoba.ba.gov.br Todo sangue é fracionado em componentes Vantagens Uma doação pode ajudar vários pacientes Para manter as propriedades

Leia mais

Cuidados e indicações atuais

Cuidados e indicações atuais Hemotransfusão em Pediatria Cuidados e indicações atuais Priscila Cezarino Rodrigues Pediatra Hematologista e Hemoterapeuta Fundação Hemominas Grupo de Hematologia Pediátrica do HC UFMG Belo Horizonte

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL INSTALAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA TRANSFUSÃO E REAÇÕES ADVERSAS

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL INSTALAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA TRANSFUSÃO E REAÇÕES ADVERSAS Pagina 1 de 20 1. OBJETIVO Assegurar todo o procedimento de transfusão sanguínea. 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador de Imunohematologia (

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HEMOVIGILÂNCIA Responsáveis: Enfª Cledes Moreira Enfª Danielli S. Barbosa Enfª Luciana Paiva VAMOS TRABALHAR HOJE Os cuidados na instalação de sangue e hemocomponentes.

Leia mais

Cartilha Transfusional

Cartilha Transfusional Cartilha Transfusional I. Introdução: Esta cartilha tem como objetivo sensibilizar os médicos e demais funcionários do H.M.G quanto ao uso racional do sangue. Como todos sabem não há substituto para o

Leia mais

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA PREMISSAS A transfusão sanguínea é uma terapêutica

Leia mais

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Segurança do Sangue Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Escolha dos Doadores Voluntários Baixa prevalência de doenças Doadores de repetição

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. XV Jornada Interiorana de Hematologia e Hemoterapia II Encontro Interiorano de Enfermagem em Hemoterapia e Hemovigilância TESTES PRÉ

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Christiane da Silva Costa Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian SISTEMA HEMATOLÓGICO ATUAÇÃO DE ENFERMAGEM NO PROCESSO DE DOAÇÃO E TRANSFUSÃO SANGUÍNEA SEMINÁRIO ALUNOS DO 4º SEMESTRE

Leia mais

VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea

VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea Transfusão de Hemocomponentes Especiais Belo Horizonte Abril 2015 Ricardo Olivo Hemocentro Regional de Uberaba Hemocomponentes Especiais São hemocomponentes

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor. Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão. Enfermeira Claudete Carmen Girotto Sartori

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor. Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão. Enfermeira Claudete Carmen Girotto Sartori Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão Enfermeira Claudete Carmen Girotto Sartori Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão. O processo transfusional contempla

Leia mais

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia 1 1 - REQUISIÇÃO DE HEMOCOMPONENTES A enfermagem deve checar se a requisição de transfusão (MA5-036) foi preenchida corretamente, em duas ou mais vias, com os seguintes itens: - Nome completo do paciente

Leia mais

Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional

Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional www.anvisa.gov.br Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional II Encontro Goiano de Gerenciamento de Risco 1 a 3 de outubro de 2012 Termos e Palavras-chave Hemoterapia Uso Racional do sangue

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA Versão: 06 Código: STROEM 02 Paginação: 1 de 36 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Aprovado e liberado por:

Leia mais

TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE EM PEDIATRIA UNIHEMO CLÍNICA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA LTDA

TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE EM PEDIATRIA UNIHEMO CLÍNICA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA LTDA TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE EM PEDIATRIA UNIHEMO CLÍNICA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA LTDA MAIO 2009 COMITÊ TRANSFUSIONAL MULTIDISCIPLINAR Dr. Aminadab Francisco de Sousa Enfª Rosimélia Ferreira Dr. Manoel

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Atividades avaliadas Nível

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO PROCESSAMENTO Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Recursos Humanos Nível Sim Não NA 1.1. RH qualificado/capacitado

Leia mais

Hemocomponentes. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com

Hemocomponentes. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com Hemocomponentes Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com Banco de sangue Hemocomponentes: Produtos gerados nos serviços de hemoterapia a partir do sangue total por meio de centrifugação,

Leia mais

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão Foto: Marcelo Rosa 8h30 8h40-9h 9h-9h50 9h50-10h 10h-10h20 Entrega do material Abertura Conferência: A doação de sangue na América Latina 10h20-10h50 10h50-11h 11h-12h30 11h-11h20 11h20-11h40 11h40-12h

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE: CUIDADOS EM HEMOTRANSFUSÃO

SEGURANÇA DO PACIENTE: CUIDADOS EM HEMOTRANSFUSÃO SEGURANÇA DO PACIENTE: CUIDADOS EM HEMOTRANSFUSÃO Dda ENF LEOMAR ALBINI Ms ENF MIRELA PEZZINI VERAN Comitê Transfusional/ Hemovigilância HC UFPR Transfusão Ciclo do sangue Candidato à Doação DOADOR AMOSTRAS

Leia mais

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA Rotina da Agência Transfusional Mara Martins Bióloga HCI / INCA O ato transfusional é um delicado processo na assistência a saúde. No INCA são realizadas cirurgias de grande porte e também grande número

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora Texto Introdutório TESTES IMUNO-HEMATOLÓGICOS E TRANSFUSÃO EM ANEMIA HEMOLÍTICA AUTO-IMUNE A FRIO Margarida de Oliveira Pinho. Bióloga, Responsável pelo Laboratório de Imunohematologia

Leia mais

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Instalação e administração de concentrado de hemácias, plaquetas ou plasma fresco congelado. FINALIDADE Estabelecer a rotina para instalação e controle da transfusão de hemocomponentes

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO Pagina 1 de 30 1. OBJETIVO Assegurar o procedimento de liberação e transfusão sangüínea. 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador de Imunohematologia

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1

Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1 Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1 Protocolo Transfusional do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) Módulo: Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo. 1 Edição,

Leia mais

CLINICA MÉDICA TERAPÊUTICA COM SANGUE E COMPONENTES ANEMIA NEUTROPENIAS TROMBOCITOPENIAS HEMATOLOGIA 2003-2004 TROMBOCITOPENIAS TROMBOCITOPATIAS

CLINICA MÉDICA TERAPÊUTICA COM SANGUE E COMPONENTES ANEMIA NEUTROPENIAS TROMBOCITOPENIAS HEMATOLOGIA 2003-2004 TROMBOCITOPENIAS TROMBOCITOPATIAS CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA TERAPÊUTICA COM SANGUE E COMPONENTES 2003-2004 ANEMIAS TROMBOCITOPENIAS TROMBOCITOPATIAS ANEMIA NEUTROPENIAS FERRO VITAMINA B12 ÁCIDO FÓLICO COAGULOPATIAS CONGÉNITAS COAGULOPATIAS

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES Pagina 1 de 17 1. OBJETIVO Atender com eficácia as solicitações realizadas pelo corpo clínico dos hospitais. 2. APLICAÇÃO Receptores (pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos antígenos eritrocitários, julgue os itens a seguir. 41 No fenótipo McLeod, a presença da proteína Kx leva à produção de glóbulos vermelhos acantocíticos e à anemia hemolítica. 42 Indivíduos

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/6 SUMÁRIO 1.OBJETIVO: Fazer a reposição de sangue e/ou componentes sanguíneos conforme a necessidade terapêutica dos pacientes. 2.APLICAÇÃO: Aos pacientes internados e ambulatoriais com prescrição

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014 UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014 Edital n o 044/2014 Especialidade: TÉCNICO EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA 258 INSTRUÇÕES AO

Leia mais

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado;

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado; Republicada no D.O. de 22/8/01 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVISA, aprovado pelo Decreto

Leia mais

(nome da Unidade de Saúde), com sede na

(nome da Unidade de Saúde), com sede na TERMO DE COMPROMISSO que entre si celebram o Estado do Rio de Janeiro, por meio da Secretaria de Estado de Saúde, neste ato representada pela Dra. Simone Silva da Silveira, Diretora Geral do Instituto

Leia mais

MÓDULO II- Referenciado

MÓDULO II- Referenciado MÓDULO - Referenciado CAPTAÇÃO, RECEPÇÃO/REGSTRO, TRAGEM CLÍNCA E COLETA 1. Captação de Doadores 1.1. Recursos Humanos Nível Sim Não 1.1.1. Pessoal qualificado/capacitado. (RDC 34/, Art. 19) 1.1.2. Supervisão

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM HOSPITAL DE CLÍNICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM. O Papel do Enfermeiro em Hemoterapia

SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM HOSPITAL DE CLÍNICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM. O Papel do Enfermeiro em Hemoterapia SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM HOSPITAL DE CLÍNICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM O Papel do Enfermeiro em Hemoterapia CONDUTAS DE ENFERMAGEM NA TRANSFUSÃO DE SANGUE Enf.ª Luciana Paiva Enf.ª Ms.

Leia mais

AGÊNCIA TRANSFUSIONAL - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MULLER

AGÊNCIA TRANSFUSIONAL - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MULLER PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO: TRANSFUSÃO EM NEONATOS E CRIANÇAS ATÉ 4 MESES DE IDADE Versão: 05 Código: APTRN/4M 05 paginação: 1 de 12 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração:

Leia mais

Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes

Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes Keicia Moreira Pinto Instituto Nacional do Câncer Hospital do Câncer I Serviço de Hemoterapia Setor de Fracionamento e Expedição de Hemocomponentes

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011 Assunto: Autotransfusão intra-operatória. 1. Do fato Solicitado parecer por enfermeira sobre a atuação dos profissionais de Enfermagem na autotransfusão intra-operatória.

Leia mais

INSPEÇÃO SANITÁRIA EM SERVIÇO DE HEMOTERAPIA CICLO DO SANGUE. Captação, Recepção/Registro, Triagem Clínica e Coleta

INSPEÇÃO SANITÁRIA EM SERVIÇO DE HEMOTERAPIA CICLO DO SANGUE. Captação, Recepção/Registro, Triagem Clínica e Coleta INSPEÇÃO SANITÁRIA EM SERVIÇO DE HEMOTERAPIA CICLO DO SANGUE Captação, Recepção/Registro, Triagem Clínica e Coleta DEFINIÇÃO DE CICLO DO SANGUE ART. 2º RDC N 34, DE 11 DE JUNHO DE 2014 Captação e seleção

Leia mais

2 Conservação do sangue e hemocomponentes

2 Conservação do sangue e hemocomponentes 2 Conservação do sangue e hemocomponentes Alguns problemas de saúde hematológicos ou hemodinâmicos podem ser tratados utilizando produtos hemoterápicos, como por exemplo, problemas ligados à coagulação,

Leia mais

Curso Básico de inspeção em Serviços de Hemoterapia Vitória Espirito Santo 13 a 17 de outubro de 2014

Curso Básico de inspeção em Serviços de Hemoterapia Vitória Espirito Santo 13 a 17 de outubro de 2014 Curso Básico de inspeção em Serviços de Hemoterapia Vitória Espirito Santo 13 a 17 de outubro de 2014 Gerência de Processamento e Distribuição de Hemocomponentes Fundação Hemocentro de Brasília Processamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Qualificação do Ato Transfusional. Caderno de Exercícios

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Qualificação do Ato Transfusional. Caderno de Exercícios MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Qualificação do Ato Transfusional Caderno de Exercícios Brasília DF 2014 MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Qualificação

Leia mais

Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade.

Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade. Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade. Auditoria em Hemoterapia Experiências vivenciadas BREVE HISTÓRICO TRANSFUSÃO SANGUÍNEA HEMOCOMPONENTES HEMODERIVADOS TRANSFUSÃO

Leia mais

FMB MANUAL DE TRANSFUSÃ PARA ENFERMAGEM

FMB MANUAL DE TRANSFUSÃ PARA ENFERMAGEM HC FMB MANUAL DE TRANSFUSÃ PARA ENFERMAGEM Patrícia Carvalho Garcia Pedro Bonequini Júnior Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu Botucatu 2015 Agência Transfusional Tel.: (14) 3811-6041

Leia mais

Testes pré-transfusionais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

Testes pré-transfusionais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Testes pré-transfusionais Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Imunohematologia Antígenos eritrocitários Importância do estudo dos antígenos Incompatibilidades transfusionais

Leia mais

APLICAÇÃO DE COMPONENTES DO SANGUE

APLICAÇÃO DE COMPONENTES DO SANGUE Universidade Federal do Rio de Janeiro HOSPITAL UNIVERSITÁRIO APLICAÇÃO DE COMPONENTES DO SANGUE PRESCRIÇÃO, INSTALAÇÃO, MONITORAMENTO E HEMOVIGILÂNCIA Comitê Transfusional Novembro/2011 DOAR SANGUE DAR

Leia mais

Projeto coordenado por Denise Costa Dias

Projeto coordenado por Denise Costa Dias A hemoterapia moderna baseia-se no uso seletivos dos componentes do sangue. A utilização correta dos diversos hemocomponentes, associados a um maior controle de qualidade nas diversas etapas desde a coleta

Leia mais

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Residência Pediátrica 2015;5(1):14-20. RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA ARTIGO DE REVISÃO Transfusão de hemocomponentes em crianças: o quê, quando e como usar? Blood transfusion in children: what, when and how prescribe

Leia mais

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA DENGUE NA GRAVIDEZ Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É doença febril aguda, de etiologia viral, de disseminação urbana, transmitida pela

Leia mais

Temporalidade dos Documentos (Para Aprovação)

Temporalidade dos Documentos (Para Aprovação) Temporalidade dos s (Para Aprovação) Pág. 001 / 028 80 HU (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO) C.Custo: 30600 DIVISÃO DE HEMOCENTRO (HEMO) 1 ORDENAMENTO LEGAL Subfunção: 2 LEGISLAÇÃO Normas e Instruções (78) Leis

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO

BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO Jaciane Vargas de Freitas Silva Enfermeira RT Serviço de Enfermagem do Ambulatório do HBH Fundação Hemominas BOA PRÁTICA TRANSFUSIONAL Aplicação

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: hemocomponentes; transfusão; plaquetas; comitê transfusional

PALAVRAS-CHAVE: hemocomponentes; transfusão; plaquetas; comitê transfusional PARECER CRM/MS N 009/2014 Processo consulta CRM MS nº 07/2014 Interessado: Fundação Serviços de Saúde do Estado de Mato Grosso do Sul Parecerista: Luís Henrique Mascarenhas Moreira Assunto: Solicita parecer

Leia mais

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico ANTI HUMANO Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante:

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSO. Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: POP 01. Técnico de. Organizar a Sala de Vacinas. Diariamente UAPS

GERENCIAMENTO DE PROCESSO. Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: POP 01. Técnico de. Organizar a Sala de Vacinas. Diariamente UAPS GERENCIAMENTO DE PROCESSO Pagina:01 Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: O QUE Organizar a Sala de Vacinas RESULTADO DO PROCESSO Melhoria na qualidade de execução de Executar imunização Imunização na Diariamente

Leia mais

INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014

INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014 INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014 Imuno-Hematologia Conceito: é o estudo relacionado com imunologia de grupos sanguíneos presentes nas hemácias, e imunologia de plaquetas e leucócitos. É

Leia mais

A amostra e a requisição transfusional: o primeiro passo antes de inicar os testes imunohematológicos de uma rotina transfusional...

A amostra e a requisição transfusional: o primeiro passo antes de inicar os testes imunohematológicos de uma rotina transfusional... HEMOCENTRO DE CAMPINAS Serviço de Transfusão do Laboratório de Compatibilidade 2010 A amostra e a requisição transfusional: o primeiro passo antes de inicar os testes imunohematológicos de uma rotina transfusional...

Leia mais

Aféreses Transfusionais Uso de Plaquetas de Doadores Múltiplos ou de Plaquetas por Aféreses

Aféreses Transfusionais Uso de Plaquetas de Doadores Múltiplos ou de Plaquetas por Aféreses Aféreses Transfusionais Uso de Plaquetas de Doadores Múltiplos ou de Plaquetas por Aféreses Maria Odila Jacob de Assis Moura Centro de Hematologia de São Paulo odila@chsp.org.br Unidades transfundidas

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

Disfunção plaquetária em situações especiais

Disfunção plaquetária em situações especiais Disfunção plaquetária em situações especiais Fernanda Andrade Orsi Médica Hematologista do Serviço de Hemostasia do Hemocentro de Campinas - UNICAMP Atividade plaquetária Exposição do colágeno subendotelial

Leia mais

MANUAL PARA USO RACIONAL DO SANGUE

MANUAL PARA USO RACIONAL DO SANGUE CENTRO DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA DO CEARÁ HEMOCE MANUAL PARA USO RACIONAL DO SANGUE Comitê Transfusional - 2014 - FL 1 de 42 INTRODUÇÃO A transfusão é uma terapêutica de suporte importante para a prática

Leia mais

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante: Azida de Sódio 0,1 % Responsável

Leia mais

Hemocomponentes. Guia para o uso de. MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Especializada

Hemocomponentes. Guia para o uso de. MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Especializada MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Especializada Guia para o uso de Hemocomponentes Série A. Normas e Manuais Técnicos Brasília DF 2009 2009 Ministério da Saúde.

Leia mais

Instruções para coleta de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Doação Não-Aparentada

Instruções para coleta de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Doação Não-Aparentada Instruções para coleta de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Doação Não-Aparentada Objetivo: Orientar o procedimento para a coleta de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário SCUP. Clientela: Profissionais

Leia mais

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS HEMORRÁGICAS SINAIS SINAIS DE DE ALERTA ALERTA SINAIS SINAIS DE DE CHOQUE CHOQUE

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

MANUAL DE TRANSFUSÃO SANGUÍNEA

MANUAL DE TRANSFUSÃO SANGUÍNEA Código: MT.HEMO.001 Data: 10/06/2011 Versão: 1 Página: 1 de 16 MANUAL DE TRANSFUSÃO SANGUÍNEA Código: MT.HEMO.001 Data: 10/06/2011 Versão: 1 Página: 2 de 16 DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO: I. Considerações

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO. História familiar: coagulopatias (hemofilia A e B), PTI.

DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO. História familiar: coagulopatias (hemofilia A e B), PTI. DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO Podem resultar de alterações no mecanismo hemostático como integridade dos vasos sanguíneos, plaquetas e fatores de coagulação. DIAGNÓSTICO CLÍNICO Baseia-se na

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011 ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011 PROJETO: Curso Técnico em Hemoterapia DOCENTE DE CONCENTRAÇÃO Atribuições: ministrar aulas teóricas Habilitação

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Guia para o uso de. Hemocomponentes

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Guia para o uso de. Hemocomponentes MINISTÉRIO DA SAÚDE Guia para o uso de Hemocomponentes Brasília - DF 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Especializada Guia para o uso de Hemocomponentes 1 a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES Elisandro Luis Lima Saldanha Orientadora: Profª Themis Dovera Porto Alegre

Leia mais

HEMOTERAPIA. 7ª edição

HEMOTERAPIA. 7ª edição MANUAL DE HEMOTERAPIA 2 0 1 1 7ª edição M A N U A L D E HEMOTERAPIA 2 0 1 1 7ª edição Prof. Dr. Manoel João Batista Castello Girão Diretor Presidente da COLSAN Prof. Dr. Luc Louis Maurice Weckx Diretor

Leia mais

Guia de Práticas Transfusionais em Neonatologia e Pediatria

Guia de Práticas Transfusionais em Neonatologia e Pediatria 1 Protocolo Transfusional do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) Módulo: Prática Transfusional em Neonatologia e Pediatria 1 Edição, 2013 Comitê Transfusional 2 PRÁTICA TRANSFUSIONAL EM NEONATOLOGIA E

Leia mais

Boletim Informativo 1 e 2-2010

Boletim Informativo 1 e 2-2010 PPEETT IMAGEEM I DIAGNÓSSTTI ICOSS VEETTEERRI INÁRRI IOSS UUM ÓTTI IIMO 22001100 Em nosso primeiro boletim desejamos a todos nossos colegas um ano de 2010 muito bom e com muito sucesso. Bom trabalho a

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Área de Ciências da Saúde Curso de Graduação em Farmácia. Renata Guollo

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Área de Ciências da Saúde Curso de Graduação em Farmácia. Renata Guollo UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Área de Ciências da Saúde Curso de Graduação em Farmácia Renata Guollo ESTUDO DAS TRANSFUSÕES DE SANGUE REALIZADAS PELO HOSPITAL UNIMED DE CHAPECÓ SC, NO ANO

Leia mais

MEDICINA TRANSFUSIONAL DANIEL MERCANTE

MEDICINA TRANSFUSIONAL DANIEL MERCANTE MEDICINA TRANSFUSIONAL DANIEL MERCANTE MEDICINA TRANSFUSIONAL ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO SANGUE E DA MEDULA ÓSSEA ANTÍGENOS E ANTICORPOS DE CÉLULAS SANGUÍNEAS HISTÓRICO, ORGANIZAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE

Leia mais

Tiragem: 50.000 exemplares. Impresso no Brasil

Tiragem: 50.000 exemplares. Impresso no Brasil Fundação Centro de Hematologia e Hemoterapia de Minas Gerais. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que seja citada a fonte e não seja para venda ou

Leia mais

Leucorredução em Plaquetas (20 min) Dr José Francisco Comenalli Marques Jr

Leucorredução em Plaquetas (20 min) Dr José Francisco Comenalli Marques Jr Leucorredução em Plaquetas (20 min) Dr José Francisco Comenalli Marques Jr abril.2015 PROGRAMAÇÃO Definições / Modalidades Princípio Físico Premissas Legislação Limitações Posição da ABHH para Leucorredução

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL. SANGRIA TERAPÊUTICA Pagina 1 de 32

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL. SANGRIA TERAPÊUTICA Pagina 1 de 32 SANGRIA TERAPÊUTICA Pagina 1 de 32 1. OBJETIVO Assegurar todo o procedimento de sangria terapêutica 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes com indicação médica para este procedimento). 3. RESPONSABILIDADES

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES. Doar sangue engorda ou faz emagrecer? Ao doar sangue você não engorda nem emagrece.

DÚVIDAS FREQUENTES. Doar sangue engorda ou faz emagrecer? Ao doar sangue você não engorda nem emagrece. DÚVIDAS FREQUENTES Existe regulamento sobre doações de sangue? Sim. Todas as unidades coletoras seguem extensa regulamentação da Anvisa e pode ser encontrada no site: www.saude.gov.br Doar sangue engorda

Leia mais

Indicações transfusionais dos principais hemocomponentes e indicações do Transplante de Medula Óssea (TMO)

Indicações transfusionais dos principais hemocomponentes e indicações do Transplante de Medula Óssea (TMO) Indicações transfusionais dos principais hemocomponentes e indicações do Transplante de Medula Óssea (TMO) Damiana Maria Ferdinandi 1 Otávio Henrique Ferdinandi 2 Resumo Os benefícios oferecidos através

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

Excipientes: albumina humana, cloreto de sódio, cloridrato de arginina, citrato de sódio.

Excipientes: albumina humana, cloreto de sódio, cloridrato de arginina, citrato de sódio. Haemocomplettan P fibrinogênio APRESENTAÇÃO Haemocomplettan P 1g: embalagem contendo 1 frasco-ampola com 1 g de pó liofilizado para solução injetável e infusão. VIA INTRAVENOSA USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

HCT (desejado) HCT (inicial) X Volemia (*) HCT do CH(**) - (HCT inicial + HCT desejado)

HCT (desejado) HCT (inicial) X Volemia (*) HCT do CH(**) - (HCT inicial + HCT desejado) INDICAÇÕES TRANSFUSIONAIS NAS DOENÇAS HEMATOLÓGICAS 1 DOENÇA FALCIFORME Deve-se transfundir sangue desleucocitado profilaticamente. Nestes pacientes, não se deve transfundir hemácias com traço falcêmico

Leia mais

PERFIL DAS HEMOTRANSFUSÕES REALIZADAS PELA AGÊNCIA TRANSFUSIONAL DE UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE LIMEIRA/SP GLAUCIA ALINE DIBBERN DOS SANTOS

PERFIL DAS HEMOTRANSFUSÕES REALIZADAS PELA AGÊNCIA TRANSFUSIONAL DE UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE LIMEIRA/SP GLAUCIA ALINE DIBBERN DOS SANTOS PERFIL DAS HEMOTRANSFUSÕES REALIZADAS PELA AGÊNCIA TRANSFUSIONAL DE UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE LIMEIRA/SP GLAUCIA ALINE DIBBERN DOS SANTOS LIMEIRA/SP 215 RESUMO O estudo teve como objetivo descrever

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL HEMOCENTRO DE BELO HORIZONTE 2015 TRANFUSÃO SANGUÍNEA BREVE RELATO Atualmente a transfusão de sangue é parte importante da assistência à saúde. A terapia transfusional

Leia mais

Segurança do Paciente e Vigipos

Segurança do Paciente e Vigipos 14º Encontro Nacional da Rede Sentinela Fórum Internacional de Gestão de Risco e Segurança do Paciente 8 a 10 de outubro de 2013 Segurança do Paciente e Vigipos Geni Neumann N. de Lima Camara Unidade de

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO MODULO IV PROCESSAMENTO DE HEMOCOMPONENTES

ROTEIRO DE INSPEÇÃO MODULO IV PROCESSAMENTO DE HEMOCOMPONENTES CURSO CAPACITAÇÃO EM INSPEÇÃO SANITÁRIA EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA ROTEIRO DE INSPEÇÃO MODULO IV PROCESSAMENTO DE HEMOCOMPONENTES Christiane da Silva Costa Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. HEMOCOMPONENTES: POR QUE IRRADIAR? Franklin José Candido Santos Hematologista-HemoterapêutaHemoterapêuta do HEMOCE e ICC Indicação: Prevenção

Leia mais

REAÇÃO ALÉRGICA AO CONTRASTE IODADO

REAÇÃO ALÉRGICA AO CONTRASTE IODADO 1 de 7 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial RN, IA 1 Objetivo: Identificar, qualificar e principalmente evitar qualquer tipo

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES

NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES S ESTADO DE SANTA CATARINA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES Assunto:

Leia mais

ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM LABORATÓRIO / HEMOTERAPIA

ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM LABORATÓRIO / HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM LABORATÓRIO / HEMOTERAPIA 258

Leia mais