AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE FLORES CORTADAS DE CHUVA- DE-OURO APÓS ARMAZENAMENTO EM CÂMARA FRIA A BAIXA TEMPERATURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE FLORES CORTADAS DE CHUVA- DE-OURO APÓS ARMAZENAMENTO EM CÂMARA FRIA A BAIXA TEMPERATURA"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE FLORES CORTADAS DE CHUVA- DE-OURO APÓS ARMAZENAMENTO EM CÂMARA FRIA A BAIXA TEMPERATURA CASTRO 1, S. G. F.; CORTEZ 2, L. A. B. Departamento de Pré-processamento de Produtos Agropecuários, FEAGRI UNICAMP CEP Campinas SP tel.: (019) fax: (019) endereço eletrônico: RESUMO A magnitude das perdas pós-colheita de flores no Brasil é de no mínimo 30%. A importância do perfeito manejo das condições que determinam a manutenção da qualidade e redução de perdas de produtos perecíveis, como as flores, envolve o rápido resfriamento, transporte refrigerado, armazenagem e manuseio adequado. A refrigeração retarda a ação dos agentes deteriorantes, assim como reduz a níveis compatíveis a velocidade do processo de maturação. Sendo que, o intervalo de tempo decorrido entre a colheita e a redução da temperatura ao nível adequado a conservação é inversamente proporcional a manutenção da qualidade. Portanto, a refrigeração auxilia na economia de energia pela redução de perdas pós-colheita. Armazenou-se em uma câmara fria, flores cortadas de chuva-de-ouro (Oncidium flexuosum Sims) por um período de tempo de 10 dias a uma temperatura de 8 ± 1 0 C com 90 a 95% de umidade relativa. Um sistema de aquisição de dados foi instalado para registrar dados de cinco termopares posicionados em diferentes locais da câmara fria. O programa utilizado para receber e tratar os dados foi o AqDADOS. O resfriamento teve o propósito de manter a qualidade do produto, e estender a vida de vaso. A análise da variação da qualidade em função do tempo de armazenamento demonstrou que flores armazenadas até seis dias nas condições especificadas permaneceram com a mesma qualidade inicial. Após este período o produto perde sua qualidade para a comercialização. Neste experimento, o processo de resfriamento do Oncidium flexuosum Sims verificouse um bom método para estender a vida de vaso das flores e possivelmente regular o abastecimento do produto no mercado. ABSTRACT The magnitude of the losses of flowers postharvest in Brazil is at least of 30%. The importance of the adequate handling conditions that determine the preservation of the quality and reduces the losses of perishable products, such as flowers, involves fast cooling, refrigerated transport, and proper storage. The refrigeration delays the action of the decay agents; as well as reduces the compatible levels the speed of the maturation process. Also, the 1 Aluna do mestrado na área de Tecnologia Pós-Colheita da Faculdade de Engenharia Agrícola, UNICAMP. Endereço eletrônico: 2 Professor Livre Docente do departamento de Construções Rurais da Faculdade de Engenharia Agrícola, UNICAMP. Endereço eletrônico:

2 time lag between harvest and the reduction of the temperature to the required conservation level is inversely proportional to the maintenance of the quality of flowers. Therefore, refrigeration helps saving energy by the reduction of postharvest losses. Once stored in a cold chamber, cut Goldenshowers flowers (Oncidium flexuosum Sims) can be stored for a period of time of 10 days at a temperature between 8 ± 1 0 C with 90 to 95% of relative humidity. A data acquisition system was installed recording data from five thermocouples positioned in different locations in the cold chamber. AqDADOS was the software utilized to receive and treat the data. The cooling system had the purpose of maintaining the product quality, and to extend its shelf life. The analysis of the variation of the quality as a function of the storage time demonstrated that flowers stored up to six days in the specified conditions had remained with the same initial quality. After this period the product loses its quality for commercialization purposes. In this experiment, the cooling process of Oncidium flexuosum Sims verified to a good method to extend the flower s shelf life and possibly regulate the product supply to the market. INTRODUÇÃO A produção de flores e plantas ornamentais no Brasil teve início por volta da década de 30, quando imigrantes japoneses se estabeleceram nos arredores da cidade de São Paulo e deram início a uma pequena produção comercial, voltada para consumidores da grande São Paulo. Um novo impulso foi dado somente em meados da década de 60, quando imigrantes holandeses trouxeram novas técnicas de produção para a região de Holambra. Até então, as flores disponíveis no mercado eram somente rosas, gladíolos, cravos e algumas variedades de crisântemos (PINTO,1997). O mercado brasileiro de flores, no último triênio, apresentou crescimento de 23% ao ano, passando de US$ 700 milhões em 1995, valor no varejo, para um valor estimado em US$ 1,3 bilhão em 1998 (KIYUNA, 1998). Da produção nacional, apenas cerca de 2 a 5% destinam-se à exportação. Entre os produtos exportados, destacam-se flores tropicais, rosas, flores secas, gladíolos, bulbos, mudas de cordilines e dracenas, folhagens, sementes de palmeiras, mudas de orquídeas, de gerânios e de crisântemos. A floricultura brasileira concentra-se principalmente nas regiões Sul e Sudeste, que representam 18% do território nacional. O Estado de São Paulo é o principal produtor do país. Avalia-se que haja cerca de 1500 viveiros no estado, responsáveis por 70% da produção nacional de flores e plantas ornamentais. A floricultura paulista gera, aproximadamente, 28,5 mil empregos: 45% na produção, 7% na distribuição, 44% no comércio e 4% na indústria de apoio. Na produção, a área média em cultivo nas propriedades em torno da capital é de 3 ha, empregando quatro pessoas por hectare. A mão-de-obra familiar (10%) atesta o forte caráter empresarial da floricultura paulista (KÄMPF, 1997). Apesar da floricultura exibir uma presença expressiva no panorama econômico agrícola, o setor enfrenta ainda diversos entraves ao seu crescimento. A magnitude das perdas pós-colheita de flores no Brasil até o consumo final do produto, é de no mínimo 30%. Como reflexo de tal fato, tem-se a importância da tecnologia pós-colheita, considerando-se o perfeito manejo das condições que determinam a manutenção da qualidade e redução de perdas de produtos perecíveis, como as flores. O manejo correto engloba processos específicos como, o rápido resfriamento, transporte refrigerado, armazenagem e manuseio adequado (ARRUDA et al, 1996). Este trabalho teve por objetivo avaliar a qualidade de flores de Oncidium flexuosum após um período de armazenamento a baixa temperatura em câmara frigorífica, adequando uma técnica póscolheita, e avaliando a vida de vaso após o armazenamento. Caracterizando fisicamente e definindo sinais de senescência que permitiram a elaboração de um critério de notas para avaliações de manutenção da qualidade da espécie em estudo. Determinando também a longevidade total, a durabilidade comercial, e a média de dias em que as inflorescências permanecem com qualidade máxima. Com o prolongamento da durabilidade comercial das flores, objetiva-se uma possível regulação da oferta desta orquídea cortada no mercado. MATERIAL E MÉTODOS MATERIAL VEGETAL: Inflorescências de Oncidium flexuosum Sims foram coletadas em duas épocas diferentes em junho de mil novecentos e noventa e oito, e dezembro de mil novecentos e noventa e nove, no município de Guararema em São Paulo. O ponto de colheita das hastes foi de 1/3 do volume total de flores abertas, 1/3 em desenvolvimento e o último terço em estágio de botão. Entretanto, a maior parte possível dos botões, estavam maturos fisiologicamente para abrirem posteriormente em vaso. As flores foram colhidas pela manhã e transportadas em caixas de papelão para o laboratório da Faculdade de Engenharia Agrícola em Campinas.

3 No laboratório as hastes florais sofreram padronização no seu comprimento, sendo este novo corte realizado sob água a temperatura ambiente para reidratação, por 10 a 15 minutos, e logo em seguindo-se tratamento com solução preservativa. industrialmente e posteriormente trazidos ao local e montados. As dimensões são as seguintes: internas de 2,95 x 3,93 x 2,85m de altura externas de 3,15 x 4,13 x 2,95m de altura Desta forma, a capacidade total é de 33m 3. A câmara é composta pelos seguintes equipamentos; painel de controle, iluminação, evaporador, tubulações e a unidade condensadora composta pelo condensador e compressor. Figura 1 Oncidium flexuosum Sims TRATAMENTO QUÍMICO: Foram testados três tipos de soluções preservativas. Duas a base de 8-hidroxiquinolina, e outra de ácido cítrico. Uma das formulações sendo de uso comercial. As soluções foram mantidas com ph entre 3,5 e 4,5 e preparadas com água destilada. As bases das hastes foram mergulhadas em solução por 12 horas, e posteriormente embaladas. EMBALAGENS: As flores depois de tratadas quimicamente foram reunidas em maços com seis hastes cada. Na base de cada maço foi colocado espuma floral ou algodão sintético, e um saco plástico preso por fita aderente, com o objetivo de reter a solução preservativa na base. Os maços receberam ainda um envoltório de polietileno de 60 micra perfurado, para a proteção dos maços. Dentro de cada caixa de papelão, utilizada como embalagem final, foram colocados dois maços em sentidos contrários, de modo a evitar injúrias. Figura 2 Embalagem para as flores SISTEMA DE ARMAZENAGEM: Câmara fria: Foi utilizada uma câmara de refrigeração para a armazenagem a frio, regulada para manter a temperatura a 8 ± 1 C. A câmara fria instalada é do tipo préfabricada, onde as paredes e os tetos são elaborados O sistema de refrigeração garante a manutenção da temperatura de conservação dos produtos dentro dos limites preestabelecidos nos dados operacionais, sendo esta manutenção dependente do correto procedimento do carregamento do produto. O sistema é composto de unidade condensadora, unidade evaporadora e quadro de comando único. A unidade evaporadora é do tipo compacta e instalada no teto da câmara, sempre que possível o mais afastado da porta. O evaporador do compartimento com temperatura menor que 2 o C é equipado com resistências elétricas de aquecimento para efetuar o degelo. Os equipamentos de frigorificação utilizados foram; evaporador da marca McQuay, modelo FBA 190RT e unidade condensadora da mesma marca, modelo HSAD A225. O evaporador é o da marca Mcquay, modelo FBA 190RT, possuindo 4 ventiladores. A unidade condensadora (compressor hermético e condensador a ar) é da marca Mcquay, modelo HSAD 225A. Foi construído um suporte metálico para que a unidade condensadora. Este suporte foi colocado no lado externo do laboratório e fixado entre a laje superior e a parede. Foram utilizadas parafusos com buchas de aço para maior segurança, uma vez que o conjunto pesa aproximadamente 100kg. O Painel de Controle da Câmara Fria instalada é o da marca EveryControl, modelo EC130. Este possui controle e regulagem de todos os parâmetros necessários ao correto funcionamento do equipamento de frigorificação, tais como: temperaturas máxima e mínima, delta de temperatura para início de funcionamento do sistema, tempo de degelo do evaporador, periodicidade de degelo, funcionamento ou não do sistema de ventilação do evaporador quando em degelo, tempo de espera para reentrada em operação após falta de luz, entre outros. A iluminação é à prova de vapor com lâmpada incandescentes de 60W dentro de

4 luminárias tipo tartaruga, e o interruptor com sinaleiro luminoso. As flores embaladas foram armazenadas por um período de dez dias, e a cada dois dias retirou-se amostras de cada lote que foram pesadas e avaliadas comparativamente com a carta Munsell de cores. Logo em seguida os maços foram dispostos em vasos contendo água destilada para se determinar a vida de vaso após o armazenamento. Figura 3 Câmara fria Figura 5 Disposição do experimento Umidificação: A umidade foi registrada durante o experimento ficou mantida entre 90 e 95%. A temperatura no interior da câmara, assim como no interior das embalagens e do produto, foi monitorada através de um sistema de aquisição de dados por computador. O programa de aquisição foi ajustado para leitura das temperaturas em intervalos determinados de 20 minutos. O sistema automático é composto por: um microcomputador compatível, contendo uma placa de condicionamento de sinais analógicos PCX-0802 e um conversor de sinais CAD-12/32, canais de aquisição termopares tipo T e termopares bulbo úmido para monitorar a umidade relativa; software AQDADOS para transformar os sinais de mv em graus Celsius (tomando-se como referência a temperatura da junta fria medida pela CAD 12/32). Figura 4 Sistema de aquisição de dados A umidade foi monitorada com o auxílio de um psicrômetro. DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL: Cada caixa foi considerada a unidade experimental. Esta unidade era composta por dois maços de flores dispostos de forma oposta. Cada maço continha seis hastes presas e embaladas com polietileno microperfurado. Na base das hastes foi colocado um substrato para reter a umidade. O ensaio teve cinco tratamentos, sendo dois sem refrigeração e três com refrigeração. Cada tratamento teve quatro repetições. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO : Determinação da durabilidade das flores em dias no vaso. Para esta avaliação alguns parâmetros foram desenvolvidos como a atribuição de notas, que auxiliaram no descarte de material. A análise comparativa realizada por três pessoas previamente treinadas. A escala a adotada variou de 0 a 5 para padrões de; coloração, enrolamento do labelo e turgescência de pétalas, inclinação da haste; A atribuição de notas foi feita de acordo com os seguintes parâmetros: 4: sem enrolamento, túrgida, coloração original, haste normal 3: sem enrolamento, túrgida, coloração original, haste levemente inclinada 2: sem enrolamento, leve perda de turgescência, leve esmaecimento de cor, haste levemente inclinada 1: sem enrolamento, evidente perda de turgescência, evidente perda de cor, haste inclinada 0:enrolamento de pétalas, grave perda de turgescência, perda total de cor, queda de pétalas Registro das variações de temperatura e umidade. Figura 6 Escala comparativa para atribuição de notas MÉTODO ESTATÍSTICO: Para a análise de variância dos dados foi utilizado o software Splus 4.5. A análise da variância fornece dados que permitem que fatores ou combinações exercem influência significativa nos parâmetros estudados ao

5 nível de 5% de significância, através do Teste de Fisher LSD. A análise estatística comparou a durabilidade da vida de vaso dos diferentes tratamentos, amostrados a cada dois dias, ao longo do tempo. Verificou-se qual o maior período de tempo de armazenamento a baixa temperatura em que as flores mantenham uma qualidade aceitável para comercialização, através da determinação do nível de significância para cada variável resposta estudada. RESULTADOS Através da análise da variância dos dados os tratamentos armazenados em câmara fria até seis dias não apresentaram diferença significativa. Vida de vaso (dias) AVALIAÇÃO DA DURABILIDADE DAS AMOSTRAS DE 'CHUVA-DE-OURO' Tempo das amostras (dias) C Ta alg C TAC alg C TAC fen C T8Hq alg C T8Hq fen SC Ta fen SC TAC fen SC T8Hq fen Figura 7 Gráfico da durabilidade em dias nos diferentes tratamentos Armazenamento, flores, Oncidium, orquídea, refrigeração, solução preservativa. AGRADECIMENTOS Ao CNPq e Capes pela concessão da bolsa de mestrado. À Faculdade de Engenharia Agrícola UNICAMP, pela disponibilização de material necessário, dependências e auxílio financeiro. Ao produtor Paulo Akama membro da associação dos produtores de flores da região Dutra, pela disponibilização de material vegetal. REFERÊNCIAS [4] ARRUDA, S.T.; OLIVETTI, M. P. A. & CASTRO, C. E. F. Diagnóstico da Floricultura do Estado de São Paulo. Revista Brasileira de Horticultura Ornamental. Campinas, SP, v.2, n.2, p.1-18, [3] KÄMPF, A. N. A Floricultura Brasileira em Números. Revista Brasileira de Horticultura Ornamental. Campinas, v.3, n.1, p.1-7, [2] KIYUNA, I. Flores. Prognóstico Agrícola. São Paulo, v.2, p , [1] PINTO, J. B. Tecnologia pós-colheita: armazenamento de rosas cultivar Vegas. Campinas, f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola) - Faculdade de Engenharia Agrícola, UNICAMP, CONCLUSÃO Verificou-se que o maior período de tempo de armazenamento a baixa temperatura em que as flores mantenham uma qualidade aceitável para comercialização, é de seis dias sob a temperatura de 8 ± 1 0 C e com umidade entre 90 e 95%. Após este período a qualidade das flores armazenadas em câmara fria já não possuem mais valor para comercialização. O armazenamento das flores em câmara fria, demonstrou ser uma alternativa para estender a vida de vaso do produto com qualidade, e diminuir perdas pós-colheita, pois a vida útil das flores sem aplicação de tecnologia pós-colheita se limita a 4 dias. PALAVRAS CHAVES:

Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da

Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da Costa e Vivian Loges Introdução Um dos critérios para

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE

CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE R. M. Torres Faculdade de Agronomia e Engenharia Floresta - FAEF A. C. S.

Leia mais

Atmosfera Modificada em Armazenamento Refrigerado de Rosas

Atmosfera Modificada em Armazenamento Refrigerado de Rosas Atmosfera Modificada em Armazenamento Refrigerado de Rosas Gláucia M. Dias (1) ; Lucas O. G. Santos (1) ; Patrícia Cia (1) ; José M. M. Sigrist () ; Silvio L. Honório (3) (1) IAC Instituto Agronômico de

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

HORTICULTURA: FRUTICULTURA OLERICULTURA FLORICULTURA. Parte da horticultura que estuda. o cultivo de flores e de plantas ornamentais

HORTICULTURA: FRUTICULTURA OLERICULTURA FLORICULTURA. Parte da horticultura que estuda. o cultivo de flores e de plantas ornamentais FLORICULTURA FRUTICULTURA OLERICULTURA FLORICULTURA HORTICULTURA: Parte da horticultura que estuda o cultivo de flores e de plantas ornamentais CARACTERIZA-SE: POR SER ATIVIDADE AGRÍCOLA DE EXPLORAÇÃO

Leia mais

RESFRIAMENTO RÁPIDO COM AR FORÇADO PARA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE ALFACE CRESPA.

RESFRIAMENTO RÁPIDO COM AR FORÇADO PARA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE ALFACE CRESPA. RESFRIAMENTO RÁPIDO COM AR FORÇADO PARA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE ALFACE CRESPA. Silvia Antoniali e Luís Augusto Barbosa Cortez Departamento de Construções Rurais, Faculdade de Engenharia Agrícola -

Leia mais

Homologado pelos fabricantes de equipamentos

Homologado pelos fabricantes de equipamentos Homologado pelos fabricantes de equipamentos Confiabilidade e durabilidade são indispensáveis. A suspensão de uma sessão de radioterapia ou a perda de hélio em uma ressonância magnética precisam ser evitadas

Leia mais

Ar Condicionado Central VRF Ar de Confiança

Ar Condicionado Central VRF Ar de Confiança Impression TM Ar Condicionado Central VRF Ar de Confiança Impression Ar condicionado Central VRF Perfil do Produto A linha de produtos Impression é um novo conceito de condicionador de ar inteligente VRF

Leia mais

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento 87 Felipe Carlos Spneski Sperotto 1, Fernando João Bispo Brandão 1, Magnun Antonio Penariol

Leia mais

MAKING MODERN LIVING POSSIBLE. Controlador AK-SC255 REFRIGERATION & AIR CONDITIONING DIVISION

MAKING MODERN LIVING POSSIBLE. Controlador AK-SC255 REFRIGERATION & AIR CONDITIONING DIVISION MAKING MODERN LIVING POSSIBLE Controlador AK-SC255 REFRIGERATION & AIR CONDITIONING DIVISION Controle além do limite. Um único controlador pode gerenciar refrigeração, ar condicionado, luzes e muito mais.

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PONTO DE COLHEITA EM ABOBRINHAS SANDY EDER JÚLIO DE JESUS 1 ; ALINE PRUDENTE MARQUES 2 ; POLIANA GASPAR TOSATO 2 RESUMO Um dos fatores que contribui para a extensão da vida útil dos produtos hortícolas

Leia mais

8º Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC 2014 12 a 14 de agosto de 2014 Campinas, São Paulo

8º Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC 2014 12 a 14 de agosto de 2014 Campinas, São Paulo Atmosfera Controlada para Rosas com o uso de Flowboard Portátil Lucas de Oliveira G. dos Santos ¹; José Maria M. Sigrist 2 ; Patrícia Cia 3 ; Gláucia Mores Dias 4 Nº 14149 RESUMO No país existem poucos

Leia mais

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS Teor de Umidade dos Grãos TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS O teor de umidade dos grãos representa a quantidade de água por unidade de massa do grão úmido ou seco. Pode ser expresso pela relação entre a quantidade

Leia mais

AR CONDICIONADO. Componentes

AR CONDICIONADO. Componentes AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO Basicamente, a exemplo do que ocorre com um refrigerador (geladeira), a finalidade do ar condicionado é extrair o calor de uma fonte quente, transferindo-o para uma fonte

Leia mais

VALIDAÇÃO DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO DE CÂMARAS DE ESTOCAGEM QUANTO À TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA

VALIDAÇÃO DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO DE CÂMARAS DE ESTOCAGEM QUANTO À TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA VALIDAÇÃO DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO DE CÂMARAS DE ESTOCAGEM QUANTO À TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA JULIANA S. ZANINI 1, VALÉRIA D. A. ANJOS 2, LUCIANO ARMILIATO 3, ERNESTO QUAST 4 N o 10229 Resumo Neste

Leia mais

Refrigerador Frost Free

Refrigerador Frost Free GUIA RÁPIDO Comece por aqui Se você quer tirar o máximo proveito da tecnologia contida neste produto, leia o Guia Rápido por completo. Refrigerador Frost Free Frost Free Seu refrigerador usa o sistema

Leia mais

Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença

Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença Produzidos com os melhores componentes disponíveis no mundo e projetados com foco em economia de energia e facilidade de operação e manutenção,

Leia mais

CONTROLADOR MICROPROCESSADO DE DOIS ESTÁGIOS AHC-40 PARA CONTROLE DE UMIDADE RELATIVA DO AR E TEMPERATURA AHC-40 CONTROLS GENUINAMENTE BRASILEIRA

CONTROLADOR MICROPROCESSADO DE DOIS ESTÁGIOS AHC-40 PARA CONTROLE DE UMIDADE RELATIVA DO AR E TEMPERATURA AHC-40 CONTROLS GENUINAMENTE BRASILEIRA CONTROLADOR MICROPROCESSADO DE DOIS ESTÁGIOS AHC-40 PARA CONTROLE DE UMIDADE RELATIVA DO AR E TEMPERATURA AHC-40 R CONTROLS GENUINAMENTE BRASILEIRA 1. APRESENTAÇÃO 5. Levante lentamente a ponta da mangueira

Leia mais

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS DOMINGOS SÁRVIO MAGALHÃES VALENTE 1 CRISTIANO MÁRCIO ALVES DE SOUZA 2 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ 3 RESUMO - Um programa computacional para simular

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS ANÁLISE DA EFICIÊNCIA TÉRMICA DE ISOLAMENTOS EM AQUECIMENTO E RESFRIAMENTO

Leia mais

CURSO EMBALAGENS DE A a V EDIÇÃO NORDESTE. Recife/2013 Accacio Rodrigues

CURSO EMBALAGENS DE A a V EDIÇÃO NORDESTE. Recife/2013 Accacio Rodrigues CURSO EMBALAGENS DE A a V EDIÇÃO NORDESTE Recife/2013 Accacio Rodrigues Formado em Direito, pós graduado em Tributos e Gestão comercial pela Escola de ensino superior Esamc. Há 6 anos trabalha na Empresa

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

L.Becker et al. TERUEL. B.J.; CORTEZ, L.A.B.; NEVES FILHO, L.C. Contêiner refrigerado: uma alternativa para a conservação pós-colheita de alface tipo americano. Horticultura Brasileira, Brasília. v. 18,

Leia mais

Autores. Abstract. 18 a 20 de outubro de 2000 Vila Velha Palace Hotel Ponta Grossa Paraná

Autores. Abstract. 18 a 20 de outubro de 2000 Vila Velha Palace Hotel Ponta Grossa Paraná SISTEMA COMPUTADORIZADO PARA O MONITORAMENTO DE FATORES AMBIENTAIS E CONTROLE DA QUALIDADE DA SOLUÇÃO NUTRITIVA NO CULTIVO HIDROPÔNICO EM CASAS DE VEGETAÇÃO Autores Pedro Paulo da Cunha Machado Email:

Leia mais

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração. Granulação

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração. Granulação PT Customers. The core of our innovation Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação Tecnologias Piovan para Refrigeração: Chillers com compressores scroll

Leia mais

Comparação entre Telhado Verde e Convencional nas Temperaturas Internas de Ambientes

Comparação entre Telhado Verde e Convencional nas Temperaturas Internas de Ambientes Comparação entre Telhado Verde e Convencional nas Temperaturas Internas de Ambientes Douglas Vaciliev Vacilikio 1 ; Luciano Fleischfresser 2 1 Aluno de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Tecnológica

Leia mais

Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura. Umidade do ar. Francisco Edinaldo Pinto Mousinho

Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura. Umidade do ar. Francisco Edinaldo Pinto Mousinho Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura Umidade do ar Francisco Edinaldo Pinto Mousinho Teresina, março-2010 Umidade do ar A água é a única substância que ocorre nas três

Leia mais

DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água

DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água A água aquecida que retorna do processo ingressa no DryCooler e ao sair é recolhida em um reservatório, sendo bombeada de volta ao processo já na temperatura

Leia mais

RollerForks. A nova revolução da logística: Movimentação sem paletes!

RollerForks. A nova revolução da logística: Movimentação sem paletes! RollerForks A nova revolução da logística: Movimentação sem paletes! RollerForks Os paletes revolucionaram a logística, ao unitizar as cargas e reduzir custos drasticamente. Agora, uma nova revolução tem

Leia mais

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Março 2011

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Março 2011 CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Março 2011 2010: BALANÇO DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA Antonio Hélio Junqueira

Leia mais

Instalação dos Forros Suspensos Armstrong

Instalação dos Forros Suspensos Armstrong Instalação dos Forros Suspensos Armstrong Instalação de forros suspensos Armstrong O sistema de forro modular de fibra mineral Armstrong é funcional, atrativo e proporciona fácil acesso ao plenum. Este

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 2139

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 2139 Página 2139 QUIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) ARMAZENADAS 1 Givanildo Zildo da Silva¹; Joel Martins Braga Júnior¹; Riselane de Alcântara Bruno¹; Cibele dos Santos Ferrari¹;

Leia mais

AC 3.1/0308. Adega Climatizada Manual de Instruções

AC 3.1/0308. Adega Climatizada Manual de Instruções AC 3.1/0308 Adega Climatizada Manual de Instruções ISO9001: 2000 GARANTIA - CONDIÇÕES GERAIS A Tocave assegura ao comprador/usuário deste aparelho garantia contra defeitos de fabricação, pelo prazo de

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO M A N U A L B A T E R I A C H U M B O - Á C I D A S E L A D A MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BATERIAS CHUMBO-ÁCIDAS SELADAS COM RECOMBINAÇÃO DE GÁS POWERSAFE VF ÍNDICE 1.0 INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA

Leia mais

Compressores de Ar de Parafusos Rotativos Lubrificados

Compressores de Ar de Parafusos Rotativos Lubrificados Compressores de Ar de Parafusos Rotativos Lubrificados Séries-R 55-75 kw/75-100 hp Compressores Rotativos 3 Um Novo Nível de Confiabilidade, Eficiência e Produtividade Os compressores de ar de parafuso

Leia mais

Efeitos da Aeração Resfriada na Qualidade Fisiológica de Sementes de Soja (Glycine max (L.) Merrill)

Efeitos da Aeração Resfriada na Qualidade Fisiológica de Sementes de Soja (Glycine max (L.) Merrill) Efeitos da Aeração Resfriada na Qualidade Fisiológica de Sementes de Soja (Glycine max (L.) Merrill) 84 Zirvaldo Zenid Virgolino, Osvaldo Resende 1, Douglas Nascimento Gonçalves 1, Kaique Alves Ferreira

Leia mais

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Alexsandro O. da Silva, Paulo R. Isler, Joselina S. Correia

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com Descritivo de produto Fornecedor www.velp.com Unidade de Destilação Kjeldahl UDK129 Destilador básico para destilações Kjeldahl DESCRIÇÃO A unidade de destilação UDK129 foi projetada para atender diversas

Leia mais

Armazenagem temporária Investimento em eficiência

Armazenagem temporária Investimento em eficiência Armazenagem temporária Investimento em eficiência Por que utilizar a armazenagem temporária? Características e Benefícios A melhor relação Custo-Benefício O de armazenagem temporária de grãos Temp Stor

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções 2 ATENÇÃO Leia o Manual de Operação com atenção, para que o relógio opere de forma adequada e eficiente por um longo período de tempo. O relógio de ponto deve ser instalado em um ambiente

Leia mais

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 S DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 1 - Curso de Simulação de Edificações com o EnergyPlus (Edição 1) 8 e 9 de março 15 e 16 de março 5 e 6 de abril 19 e 20 de abril 2 - Curso de Psicrometria

Leia mais

ESPAÇAMENTO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*)

ESPAÇAMENTO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*) ESPAÇAMENTO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*) HÉLIO JOSÉ SCARANARI Engenheiro-agrônomo, Divisão de Agronomia, Instituto Agronômico RESUMO Quatro distâncias entre as mudas na mesma cova foram estudadas, com

Leia mais

O SISTEMA SF DE FÔRMAS

O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF Fôrmas: A SF Fôrmas utiliza o sistema construtivo de paredes de concreto desde a década de 1970, quando trouxe para o Brasil as primeiras fôrmas de alumínio. O SISTEMA

Leia mais

Manuseio Mínimo. Apoio. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Manuseio Mínimo. Apoio. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Manuseio Mínimo Apoio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento BARRACÃO DO PRODUTOR FEIRAS SUPERMERCADOS SACOLÕES QUITANDAS ALIMENTAÇÃO ESCOLAR RESTAURANTES CEAGESP - CENTRO DE QUALIDADE EM

Leia mais

Ar Condicionado. Linha Mini Split. Linha Completa para o Conforto Térmico. piso teto

Ar Condicionado. Linha Mini Split. Linha Completa para o Conforto Térmico. piso teto Ar Condicionado Linha Mini Split VOCÊ CRIA O AMBIENTE, NÓS CRIAMOS O CLIMA. CASSETE piso teto Linha Completa para o Conforto Térmico Cassete Apresentação Os aparelhos Cassete são discretos tanto por seu

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

Compressores a parafuso

Compressores a parafuso Construídos para toda a vida Compressores a parafuso Série CSD Capacidade: 5.50 a 16.10 m³/min Pressão: 7.5 a 13 bar Compressor de parafusos rotativos Máxima Eficiência e Confiabilidade Há anos os clientes

Leia mais

CONDICIONADOR DE AR. Aluno: Igor Soares Campos Orientador: Sergio Leal Braga

CONDICIONADOR DE AR. Aluno: Igor Soares Campos Orientador: Sergio Leal Braga CONDICIONADOR DE AR Aluno: Igor Soares Campos Orientador: Sergio Leal Braga Introdução A industria automotíva esta sempre tentando inovar e tentar fazer carros mais economicos, resistentes e confortáveis.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES WWW.ELGIN.COM.BR UMIDIFICADOR DE AR FGUA-03AZ-0 SAC: 0800 7035446 GDE. SÃO PAULO (11) 3383-5555

MANUAL DE INSTRUÇÕES WWW.ELGIN.COM.BR UMIDIFICADOR DE AR FGUA-03AZ-0 SAC: 0800 7035446 GDE. SÃO PAULO (11) 3383-5555 WWW.ELGIN.COM.BR MANUAL DE INSTRUÇÕES UMIDIFICADOR DE AR FGUA-03AZ-0 Atenção: antes de usar o produto leia cuidadosamente as instruções deste manual. SAC: 0800 7035446 GDE. SÃO PAULO (11) 3383-5555 VANTAGENS

Leia mais

Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração

Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração A Sucral Iniciou suas atividades em 1968 e foi uma das empresas pioneiras no desenvolvimento do setor sucroenergético não só do país como também no exterior. Nos

Leia mais

Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado.

Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado. Aquecedor central Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado. Planeje seu uso e habitue-se a ligá-lo apenas o tempo necessário para que você

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE V SEMINÁRIO BRASILEIRO DA BATATA 21 DE OUTUBRO 2010 UBERLÂNDIA - MG SAMIRA OMAR MOHAMAD EL TASSA FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO ASPECTOS GERAIS DA LICITAÇÃO

EDITAL DE LICITAÇÃO ASPECTOS GERAIS DA LICITAÇÃO EDITAL DE LICITAÇÃO Modalidade: Carta Convite Número: 001/2015 Data de abertura da Licitação: 19/06/2015 Data de abertura das propostas: 06/07/2015 Horário: 09 (nove) horas e 30 (trinta) minutos ASPECTOS

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA ESTAÇÃO DE SOLDA SMD MODELO DK-960D

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA ESTAÇÃO DE SOLDA SMD MODELO DK-960D DEKEL MANUAL DE INSTRUÇÕES DA ESTAÇÃO DE SOLDA SMD MODELO DK-960D Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER.

É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER. É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER. Na verdade você corre o risco de molhar o medidor e causar Curto-circuito.

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 13. TELHADO

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 13. TELHADO DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 13. TELHADO Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP TELHADO A cobertura de uma casa constitui-se de um telhado ou de uma laje. Neste capítulo, mostraremos

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO UMIDIFICADOR DE POLIPROPILENO MORIYA

INSTRUÇÕES DE USO UMIDIFICADOR DE POLIPROPILENO MORIYA INSTRUÇÕES DE USO UMIDIFICADOR DE POLIPROPILENO MORIYA APRESENTAÇÃO Os Umidificadores - Moriya foram concebidos e fabricados sob conceitos internacionais de qualidade e tecnologia. E estão disponíveis

Leia mais

SOLUÇÕES DE CURADO PARA CONCRETO

SOLUÇÕES DE CURADO PARA CONCRETO SOLUÇÕES DE CURADO PARA CONCRETO PANORAMA DOS SISTEMAS Resultados Imediatos à vista Qualidade e melhor apresentação no seu Produto final Redução de Florescentes na superfície dos Concreto Resistências

Leia mais

Controladores de temperatura

Controladores de temperatura Controladores de temperatura - Aplicações Controls A/S - Assegura eficiência no controle dos sistemas de aquecimento, refrigeração e ventilação. Clorius Controls: solução para o controle de temperatura

Leia mais

FENÔMENOS DE TRANSPORTE 2 CONDICIONAMENTO DE AR E PSICOMETRIA

FENÔMENOS DE TRANSPORTE 2 CONDICIONAMENTO DE AR E PSICOMETRIA FENÔMENOS DE TRANSPORTE 2 CONDICIONAMENTO DE AR E PSICOMETRIA DEFINIÇÃO "Ar condicionado é um processo de tratamento de ar, que visa controlar simultaneamente a temperatura, a umidade, a pureza e a distribuição

Leia mais

Longevidade pós-colheita de flores de Oncidium varicosum (Orchidaceae) Post-harvest longevity of Oncidium varicosum (Orchidaceae) flowers

Longevidade pós-colheita de flores de Oncidium varicosum (Orchidaceae) Post-harvest longevity of Oncidium varicosum (Orchidaceae) flowers Longevidade pós-colheita de flores de Oncidium varicosum (Orchidaceae) Post-harvest longevity of Oncidium varicosum (Orchidaceae) flowers Fábio Alcovér Hastenreiter 1 ; José Geraldo Zaparoli Vieira 2 ;

Leia mais

SPLIT HI WALL NOVO. Conforto, economia para o bolso e design clean Sua vida merece mais

SPLIT HI WALL NOVO. Conforto, economia para o bolso e design clean Sua vida merece mais SPLIT HI WALL INVERTER R-410A NOVO Conforto, economia para o bolso e design clean Sua vida merece mais SPLIT HI WALL INVERTER R-410A NOVO Conforto e economia em sua casa O Split Hi Wall Inverter da Hitachi

Leia mais

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL MS TAC 4000 REV.02 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE TRATAMENTO PARA REUSO....

Leia mais

Acessórios para Drywall

Acessórios para Drywall Acessórios para Drywall 1 Painéis de Gesso Sheetrock UltraLight Inovação Até 30% mais leve que as chapas disponíveis no mercado; Combina formulações existentes e processos com novas tecnologias patenteadas.

Leia mais

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO 35 4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO Em uma instalação de ar condicionado quando o circuito de refrigeração estiver desligado, teremos uma instalação de ventilação simples, onde são controlados

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

"A vantagem do alumínio"

A vantagem do alumínio "A vantagem do alumínio" Comparativo entre os Evaporadores para Amônia fabricados com tubos de alumínio e os Evaporadores fabricados com tubos de aço galvanizado Os evaporadores usados em sistemas de amônia

Leia mais

ATENÇÃO. www.poscolheita.com.br. juarez@ufv.br ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO:

ATENÇÃO. www.poscolheita.com.br. juarez@ufv.br ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO: ATENÇÃO ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO: www.poscolheita.com.br juarez@ufv.br CAFEICULTURA DE MONTANHA & CAFÉ COM QUALIDADE Tecnologias

Leia mais

Termostatos Digitais para Fancoil Série T6000

Termostatos Digitais para Fancoil Série T6000 Instruções de Instalações Data de Publicação Série T2000 1º de Julho de 2003 Termostatos Digitais para Fancoil Série T6000 Aplicação IMPORTANTE: Utilize o Termostato Digital para Fancoils da Série T6000

Leia mais

ESTUDOS DAS CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO DE SOJA EM SILOS CILÍNDRICOS: ANÁLISE DE PERIGO DE PERDA POR QUEIMA 1

ESTUDOS DAS CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO DE SOJA EM SILOS CILÍNDRICOS: ANÁLISE DE PERIGO DE PERDA POR QUEIMA 1 ESTUDOS DAS CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO DE SOJA EM SILOS CILÍNDRICOS: ANÁLISE DE PERIGO DE PERDA POR QUEIMA 1 Gabriela Ottoni Zimmermann 2 ; Rafael Carlos Eloy Dias 3 INTRODUÇÃO A produção brasileira de

Leia mais

Refrigerador CRM35 / CRM38 / CRM43

Refrigerador CRM35 / CRM38 / CRM43 Como funciona seu produto Comece por aqui. Se você quer tirar o máximo proveito da tecnologia contida neste produto, leia o Guia Rápido por completo. Refrigerador CRM35 / CRM38 / CRM43 Frost Free Seu refrigerador

Leia mais

CEMIG DISTRIBUIÇÃO. Autores. Alex Antonio Costa Carlos Miguel Trevisan Noal Eustáquio do Nascimento Amorim Jorge Pereira de Souza Renato Claro Martins

CEMIG DISTRIBUIÇÃO. Autores. Alex Antonio Costa Carlos Miguel Trevisan Noal Eustáquio do Nascimento Amorim Jorge Pereira de Souza Renato Claro Martins A INTEGRAÇÃO DO SESMT COM A ENGENHARIA CIVIL NA ADEQUAÇÃO DAS INSTALAÇÕES VISANDO REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES DE CONSERVAÇÃO E LIMPEZA EXECUTADAS EM DIFERENÇA DE NÍVEL Autores Alex Antonio Costa Carlos Miguel

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA ESTAÇÃO DE SOLDA SMD ANALÓGICA CONJUGADA FERRO + AR QUENTE MODELO DK2850

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA ESTAÇÃO DE SOLDA SMD ANALÓGICA CONJUGADA FERRO + AR QUENTE MODELO DK2850 DEKEL MANUAL DE INSTRUÇÕES DA ESTAÇÃO DE SOLDA SMD ANALÓGICA CONJUGADA FERRO + AR QUENTE MODELO DK2850 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE

Leia mais

Professora Orientadora - Instituto Federal Catarinense - Campus Rio do Sul, e-mail: karlafunf@ifcriodosul.edu.br

Professora Orientadora - Instituto Federal Catarinense - Campus Rio do Sul, e-mail: karlafunf@ifcriodosul.edu.br TELHADO VERDE E A INFLUÊNCIA NO CONFORTO TÉRMICO EM UMA EDIFICAÇÃO DE MADEIRA NO IFC CAMPUS RIO DO SUL Karla Fünfgelt 1 ; Alexandra Goede de Souza 2 ; Eduardo Augusto Tonet 3 ; Samuel Fachini 4. 1 Professora

Leia mais

Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos

Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos 1.0 Apresentação Este Relatório Preliminar apresenta uma sugestão de processos de medição dos resultados da aplicação

Leia mais

Manual Descritivo para Construção do ASBC

Manual Descritivo para Construção do ASBC Manual descritivo para construção do ASBC 1 Felipe Marques Santos Manual Descritivo para Construção do ASBC (Aquecedor Solar de Baixo Custo) Coordenador: Prof. Dr. Rogério Gomes de Oliveira 2 Manual descritivo

Leia mais

Próxima geração! Compromisso com o futuro. Com os data loggers profissionais Testo, uma nova era começa para você! Logger série testo 174

Próxima geração! Compromisso com o futuro. Com os data loggers profissionais Testo, uma nova era começa para você! Logger série testo 174 Compromisso com o futuro Próxima geração! Com os data loggers profissionais Testo, uma nova era começa para você! Logger série testo 174 Logger série testo 175 Logger série testo 176 A nova geração de

Leia mais

A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET.

A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET. A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET. Previero, Conceição Aparecida, CEULP/ULBRA, conceicaopreviero@gmail.com, Moraes, Eriel Dantas

Leia mais

Concreto - determinação da consistência pelo abatimento do tronco de cone

Concreto - determinação da consistência pelo abatimento do tronco de cone MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO DO INSTITUTO DE PESQUISAS RODOVIÁRIAS - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra, km 163 - Centro

Leia mais

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação?

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Nota técnica Principais fatores a se considerar ao selecionar uma codificadora a laser A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Equipamento Fluidos Treinamento

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

Treinamento em transformadores- Programa 1

Treinamento em transformadores- Programa 1 Treinamento em transformadores- Programa 1 Módulo 1: Núcleo Caminho de passagem da energia magnética Perdas a vazio Corrente de excitação Nível de ruído Descargas parciais Gás-cromatografia Chapas de M4

Leia mais

BARRACÃO CEAGESP DO PRODUTOR

BARRACÃO CEAGESP DO PRODUTOR BARRACÃO CEAGESP DO PRODUTOR BARRACÃO DO PRODUTOR FEIRAS SUPERMERCADOS SACOLÕES QUITANDAS ALIMENTAÇÃO ESCOLAR RESTAURANTES CIRCULAR TÉCNICA CEAGESP - CQH Nº 14 - JUNHO 2006 EU SEI PRODUZIR SÓ NÃO SEI COMERCIALIZAR!

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES

MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES As chapas de policarbonato alveolares, possuem em um dos lados, tratamento contra o ataque dos raios ultravioletas,

Leia mais

Experimentos. Indústria Química. Dicas e Truques para Pesagem. Experiência com as leis da ciência natural "ao vivo" - fácil aprendizagem

Experimentos. Indústria Química. Dicas e Truques para Pesagem. Experiência com as leis da ciência natural ao vivo - fácil aprendizagem Indústria Química Experimentos Pesagem Catálogo de Ajuda Dicas e Truques para Pesagem Experiência com as leis da ciência natural "ao vivo" - fácil aprendizagem Caro Leitor Primeiramente, obrigado pelo

Leia mais

FLORICULTURA NO ESTADO DE SÃO PAULO: NOVAS FRONTEIRAS FLORICULTURE IN THE STATE OF SÃO PAULO: NEW BORDERS

FLORICULTURA NO ESTADO DE SÃO PAULO: NOVAS FRONTEIRAS FLORICULTURE IN THE STATE OF SÃO PAULO: NEW BORDERS FLORICULTURA NO ESTADO DE SÃO PAULO: NOVAS FRONTEIRAS Vera Lúcia Francisco dos Santos 1 Ikuyo Kiyuna 2 Resumo: O objetivo deste trabalho foi analisar os dados provenientes do levantamento realizado entre

Leia mais

A melhor marca. O melhor desempenho.

A melhor marca. O melhor desempenho. A melhor marca. O melhor desempenho. A Mcquay, marca com a mais completa linha de equipamentos para refrigeração comercial e industrial do Brasil, apresenta seu mais novo lançamento: o Evaporador de ar

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com Descritivo de produto Fornecedor www.velp.com Unidade de Destilação Kjeldahl UDK169 Sistema com amostrador automático para destilações Kjeldahl com titulador colorimétrico DESCRIÇÃO A unidade de destilação

Leia mais

PROJETO INFORMACIONAL APLICADO NO PROJETO DA COBERTURA DE UM TANQUE GRANELEIRO DE COLHEITADEIRA

PROJETO INFORMACIONAL APLICADO NO PROJETO DA COBERTURA DE UM TANQUE GRANELEIRO DE COLHEITADEIRA PROJETO INFORMACIONAL APLICADO NO PROJETO DA COBERTURA DE UM TANQUE GRANELEIRO DE COLHEITADEIRA Cleber Augusto Pedó (FAHOR) cp000647@fahor.com.br Gelson da Cruz Esteves (FAHOR) ge000649@fahor.com.br Fabiano

Leia mais

Sistema de Forros Trevo Drywall

Sistema de Forros Trevo Drywall Nome da Empresa Endereço Tel/Fax (88) 3571-6019 Site E-mail DADOS DO FABRICANTE Trevo Industrial de Acartonados S/A. Av.Josias Inojosa de Oliveira 5000 - Distrito Industrial do Cariri Juazeiro do Norte

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

Boletim Técnico Agosto / 2011

Boletim Técnico Agosto / 2011 Página 01/08 TÍTULO: INFORMATIVO DO NOVO CONTROLE REMOTO COM FIO PARA UNIDADES SPLITÃO 2 ESTÁGIOS SUMÁRIO Esta publicação visa informar o novo controle remoto com fio para as Unidades da Linha Splitão

Leia mais

A Engenharia Civil e as Construções Sustentáveis

A Engenharia Civil e as Construções Sustentáveis Engenharia A Engenharia Civil e as Construções Sustentáveis A construção sustentável é um novo conceito que está surgindo dentro da engenharia civil. A construção sustentável além de tornar a obra ecológica,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO LOGÍSTICO DIRETORIA DE ABASTECIMENTO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Item 01 CONTAINER DEPÓSITO TIPO A -20 pés Aquisição de container montado para utilização como

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

SPOTS SUPERLED DE EMBUTIR

SPOTS SUPERLED DE EMBUTIR www.alumbra.com.br SAC 0800-193130 SPOTS SUPERLED DE EMBUTIR SOLUÇÕES FEITAS PARA VOCÊ SOLUÇÕES FEITAS PARA VOCÊ VERSATILIDADE AO SEU DISPOR SPOT E SUPERLED AGORA EM UM PRODUTO ÚNICO E DE MUITO BOM GOSTO

Leia mais

Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno

Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno A Saturno é uma empresa com mais de 60 anos de experiência na fabricação de tintas e vernizes para diversos segmentos da comunicação visual e decoração

Leia mais

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Limites da Primeira Lei No estudo da termodinâmica básica vimos que a energia deve ser conservar e que a Primeira Lei enuncia essa conservação. Porém, o cumprimento

Leia mais