RELATÓRIO DE INTELIGÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE INTELIGÊNCIA"

Transcrição

1 1

2 RESUMO EXECUTIVO A produção de grãos é importante segmento do agronegócio brasileiro devido ao seu papel estratégico nas exportações e no fornecimento de alimentos para a população e para a alimentação animal. As cadeias produtivas de grãos como soja, milho, algodão constituem a base do setor agroindustrial devido ao entrelaçamento que realiza com outras cadeias a montante e a jusante. Embora tenham ocorrido expressivos aumentos de produção e produtividade na agricultura, segmentos que o sucedem não acompanharam a evolução no mesmo ritmo. O segmento do armazenamento e escoamento das safras agrícolas encontra-se atualmente na condição de gargalo, constituindo-se obstáculo para a continuidade do crescimento das safras. Os gargalos se inscrevem na capacidade de armazenagem aquém das necessidades, na inadequação das unidades existentes, na localização inadequada dos armazéns e silos, muitas vezes distantes dos locais de produção. Embora a capacidade estática de armazenamento tenha sido crescente e o sistema granel represente parte importante na capacidade total, ainda existe lacuna entre o volume de produção e capacidade existente. Torna-se importante investimentos no segmento dada sua importância estratégica na viabilização do crescimento da produção e da competitividade do agronegócio brasileiro no mercado mundial. 2

3 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 4 PRODUÇÃO DE GRÃOS NO BRASIL... 5 Participação regional na produção de grãos... 7 ETAPAS DA PRODUÇÃO DE GRÃOS Processo de escoamento e armazenamento ESTRUTURA DE ARMAZENAGEM NO BRASIL Capacidade estática de armazenamento Localização regional da capacidade de armazenamento Perdas da produção de grãos ESTRUTURA PRODUTIVA X ARMAZENAMENTO E ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS E AÇÕES RECOMENDADAS FONTES

4 INTRODUÇÃO O agronegócio brasileiro tem se destacado no cenário mundial devido ao seu potencial competitivo e as possibilidades de incremento da produção agrícola e pecuária. Sobressaem-se nesses aspectos o aumento da produtividade e a disponibilidade de fronteiras agrícolas ainda existentes no país. Além disso, o papel do Brasil na produção agrícola salienta-se visto as projeções de crescimento da população mundial, pois a demanda por alimentos correlaciona-se positivamente com a elevação do número de habitantes. Soma-se ao fato, a melhoria de renda de países em desenvolvimento devido à amplitude da elasticidade-renda por alimentos em tais regiões, incluindo-se aí o mercado interno brasileiro. Estima-se que o aumento da demanda por produtos oriundos da agricultura e da pecuária, intensificará o fluxo do comércio interno e do comércio internacional. Ao mesmo tempo, a globalização e o acesso às informações tornarão o mercado cada vez mais exigente quanto a qualidade e as questões ligadas à segurança alimentar, sanidade vegetal e animal. O Brasil destaca-se como um dos principais produtores e exportadores de soja, suco de laranja, fumo, açúcar, café, algodão, entre outros. Produtos voltados para o mercado interno também têm importante peso na economia brasileira a exemplo do milho, feijão e arroz. O desempenho produtivo do agronegócio brasileiro tem despertado a atenção também para outros aspectos menos cômodos, tampouco importantes. Os olhares se voltam para pontos críticos, em especial a logística. Problemas logísticos fazem parte de discussões cotidianas devidos aos gargalos enfrentados. O congestionamento nas estradas, nos portos, pátios de recepção de mercadorias, longas filas de caminhões em períodos de pós-safras, tem sido constante no noticiário brasileiro e mesmo internacional. Se, por um lado, safras recordes trazem conforto para a economia brasileira, por outro, a preocupação com os preços e as deficiências de armazenamento e escoamento as acompanham. Na logística do agronegócio de grãos, o armazenamento e escoamento são pontos cruciais devido ao papel estratégico de apoio entre a produção e a comercialização. São importantes etapas do processo de produção realizadas após a colheita (pós-colheita). 4

5 Quando conduzidas de forma inadequada acarretam perdas, comprometendo esforços realizados nas fases anteriores. Até o início do processo de abertura econômica em finais da década de 1980, no Brasil, a atividade de armazenagem foi considerada uma atividade complementar ou secundária por não agregar valor aos produtos. De maneira geral, os produtores brasileiros concentraram esforços na produção em razão das políticas implantadas para o setor. Mas, em se tratando de grãos, a armazenagem pode vir a ser importante vantagem competitiva. Os sucessivos aumentos de produção brasileira de grãos não foram acompanhados de investimentos no pós-colheita incorrendo em significativas perdas. As insuficiências e as dificuldades no armazenamento e no escoamento de produtos agrícolas têm se exacerbado na medida em que a produção se deslocou para regiões que não possuem infraestrutura adequada ao mesmo tempo em que o fluxo de comércio tem se intensificado. Em última instância, a falta de investimentos no escoamento e armazenamento pode inviabilizar o crescimento produtivo do setor. Afeta-se, dessa forma, todo o processo de movimentação de safras, desde a colheita, o transporte até o consumo final. A avaliação da atual situação no armazenamento e escoamento de produtos agrícolas torna-se essencial para o direcionamento de investimentos nos segmentos, de modo a otimizar os recursos empregados pelos agricultores, pelo poder público e pelas empresas. A manutenção do papel do agronegócio para a economia brasileira e o lugar de destaque que vem ocupado depende da perfeita sincronia entre os diversos elos das cadeias produtiva, destacando-se o gargalo que ora se apresenta. PRODUÇÃO DE GRÃOS NO BRASIL Os principais grãos produzidos no Brasil são: algodão, amendoim, arroz, feijão, girassol, mamona, milho, soja e sorgo, além das culturas de inverno como a aveia, canola, centeio, cevada, trigo e triticale. Na composição do agronegócio brasileiro, o complexo soja constitui uma das mais importantes pautas das exportações brasileiras. 5

6 O milho, por sua vez, além de aparecer como item da cesta de alimentos do brasileiro, compõe parte essencial da alimentação de aves e suínos - importantes produtos para as exportações brasileiras. O Brasil é o primeiro exportador mundial de carnes de frango. A alimentação pode representar 70% do custo de produção dessa categoria de aves. Portanto, a competitividade está alicerçada no desempenho produtivo do milho, assim como, da estrutura que forma seu preço no mercado interno e externo. Além da soja e do milho, outros grãos como o feijão, arroz e o trigo constituem a base da alimentação da população brasileira. O correto manejo dos produtos desde seu cultivo até o consumidor final, certamente, favorecerá a qualidade, quantidade e o preço final. A estimativa de produção de grãos para a safra brasileira de 2011/12 é de toneladas de grãos (excluída a produção de algodão em pluma), segundo levantamento realizado pela CONAB (2012b). Para a safra 2012/13, a previsão indica variação positiva de produção de 7,2%, conforme demonstra a Tabela 1. Produto Safra (toneladas) 2011/ /2013 Caroço de algodão 3.029, ,00 Amendoim 294,7 267,7 Arroz , ,80 Feijão 2.898, ,50 Girassol 116,20 93,40 Mamona 24,80 80,50 Milho , ,90 Soja , ,00 Sorgo 2.182, ,80 Cereais de inverno 6.614, ,50 6

7 Total , ,10 Tabela 1: Brasil - Produção estimada para a safra de grãos 2011/2012 e 2012/2013 Fonte: Elaborado pela autora com dados da CONAB (2012b). As culturas de soja e de milho representam aproximadamente 84% da produção total de grãos. O principal cereal de inverno é o trigo. A produção nacional de trigo é complementada pelas importações para suprir a demanda interna assim como a de arroz. Participação regional na produção de grãos Conforme os indicadores apresentados pela CONAB (2012b), o principal produtor de grãos no Brasil é o estado do Mato Grosso, seguido do Paraná, do Rio Grande do Sul e Goiás, nessa ordem de importância, conforme se observa no Gráfico 1. % 3,3 12,59 7,13 3,82 24,32 BA MT MS GO 19,05 6,76 MG SP 4,48 7,33 11,21 PR SC RS Outros Gráfico 1: Brasil Distribuição Percentual da Produção de Grãos para as Estimativas de Safra 2012/2013 Fonte: Elaborado pela autora com dados da CONAB (2012b). 7

8 Em conjunto, esses estados são responsáveis por praticamente 70% da produção brasileira de grãos. Destacando-se a participação relativa dos estados por produto, observa-se o milho tem sua maior produção na região Sul (Gráfico 2) % / / / /11 Previsão (1) 0 Gráfico 2: Participação Relativa (%) das Regiões Brasileiras na produção de Milho 1980/ /11. Fonte: Elaborado pela autora, com dados da CONAB (2012b). A produção do milho ocorre em todo o território nacional e nos vários estratos de tamanho de propriedade que compõe o país. Existe grande oscilação da produtividade entre as regiões. Nas regiões Sul e Centro-Oeste, a produtividade alcança níveis semelhantes aos de países como os Estados Unidos e Canadá, ao passo que em áreas do Nordeste brasileiro esses níveis são muito baixos, vinculados geralmente à produção para autoconsumo. Destina-se essencialmente ao mercado interno e serve de base para a alimentação humana e para a ração animal. Trata-se de importante insumo para a alimentação de aves e suínos. 8

9 Verifica-se que, no período selecionado, houve redução da participação relativa das regiões Sul e Sudeste, principais produtores até os anos 2000 concomitante ao aumento de participação da região Centro-Oeste. A soja, por sua vez, é produzida principalmente nas regiões Centro-Oeste e Sul, nessa ordem de importância atualmente % 1980/ / / /11 Previsão (1) 10 0 Gráfico 3: Participação Relativa (%) das Regiões Brasileiras na produção de Soja 1980/ /11. Fonte: Elaborado pela autora com dados da CONAB (2012b). Até a década de 1990, as regiões Sul e Centro-Oeste concorriam pela liderança da produção de soja no país. Já nesse período, o Centro-Oeste brasileiro, principalmente o estado de Mato Grosso, desponta como o principal produtor de soja do país, embora a participação da região Sul ainda permaneça importante (Gráfico 3),, de acordo com dados apresentados pela CONAB (2012b). Torna-se importante ressaltar que a característica que diferencia as duas regiões, Sul e Centro-Oeste, é o tamanho dos estabelecimentos produtores do grão. Em pesquisa realizada, Zanon et al. (2010) concluíram que o tamanho médio das propriedades que produziram soja é diferente conforme a região. Na região Sul do Brasil, os estabelecimentos rurais produtores de soja apresentaram tamanho médio inferior à metade do verificado no país. No Centro-Oeste, o tamanho é de cerca seis vezes superior 9

10 à média nacional e mais de 14 vezes o tamanho médio das propriedades do Sul (Tabela 2). Região Número de estabelecimentos agropecuários Área colhida (ha) Tamanho médio dos estabelecimentos (ha) Brasil ,45 Sul ,92 Centro-Oeste ,05 Tabela 2: Produção de Soja: Brasil, Sul e Centro-Oeste 2006 Fonte: Zanon et al. (2010). O algodão é produzido no Centro-Oeste, principalmente, com participação significativa do Nordeste (Gráfico 4). A produção de algodão em pluma destina-se ao mercado externo. O caroço do algodão é utilizado para ração animal. Outros subprodutos do algodão também são gerados como o línter / / / /11 Previsão (1) 0 Gráfico 4: Participação Relativa (%) das Regiões Brasileiras na produção de Algodão 1980/ /11. Fonte: Elaborado pela autora com dados da CONAB (2012b). 10

11 Analisando-se os dados publicados pela CONAB (2012b), verificam-se dois movimentos na produção de algodão no período considerado. O primeiro diz respeito à redução da participação relativa da região Sul e Sudeste em diferentes momentos. Enquanto a queda foi gradativa para a região Sudeste, no Sul a acentuada diminuição ocorreu na década de O segundo movimento relaciona-se com o aumento da participação da região Centro-Oeste já na década de 1990 e da recuperação da parcela de produção da região Nordeste no último período (2010/11), conforme pode ser observado no Gráfico 4. Até finais da década de 1980, o estado do Paraná era o principal estado produtor da fibra no país. Mas, a liberalização do mercado brasileiro foi iniciada nesse período. O algodão foi o produto agrícola escolhido para desencadear o processo de abertura comercial do país. Promoveu-se, então, drástica redução de suas alíquotas de importação (MASSUDA, 2003). O algodão produzido no Paraná e na região Sudeste (São Paulo e Minas Gerais) não suportou a concorrência em razão do sistema de produção vigente baseado em pequenas propriedades e na aplicação de técnicas convencionais. Isso explica a migração da produção para a região Centro-Oeste, sob outras bases técnicas e explorada em grandes estabelecimentos. Tal condição abriu a possibilidade de competitividade no mercado internacional. Atualmente, o Centro-Oeste brasileiro constitui o principal produtor do país, mas com participação significativa do Nordeste brasileiro. No que se refere ao feijão, base alimentar da população brasileira, a produção encontrase relativamente bem distribuída no Brasil em termos geográficos. Originária principalmente de pequenas propriedades familiares, representa uma cultura pouco tecnificada. As regiões Nordeste, Sudeste e Sul são responsáveis por parcelas semelhantes da produção, apesar das oscilações apresentadas no período (Gráfico 5) 11

12 % 1980/ / / /11 Previsão (1) Gráfico 5: Participação Relativa (%) das Regiões Brasileiras na produção de Feijão 1980/ /11. Fonte: Elaborado pela autora com dados da CONAB (2012b). O arroz, juntamente com o feijão, constituem o ingrediente básico do cotidiano alimentar do brasileiro. Sua produção concentra-se na região Sul do Brasil cuja participação aumentou no período em detrimento das demais regiões. No início da década de 1980, a participação relativa do Centro-Oeste e Sudeste era significativa (Gráfico 6). Atualmente, o principal produtor é o estado do Rio Grande do Sul. 12

13 / / / /11 Previsão (1) 0 Gráfico 6: Participação Relativa (%) das Regiões Brasileiras na produção de Arroz 1980/ /11. Fonte: Elaborado pela autora com dados da CONAB (2012b). Importante componente da cesta básica de brasileiros, o trigo é produzido na região Sul (Gráfico 7), especificamente nos estados do Rio Grande do Sul e Paraná / / / /11 Previsão (1) NORDESTE CENTRO-OESTE SUDESTE SUL Gráfico 7: Participação Relativa (%) das Regiões Brasileiras na produção de Trigo 1980/ /11. Fonte: Elaborado pela autora com dados da CONAB (2012b). 13

14 As importações desse produto superam o volume produzido. O trigo produzido no Brasil não possui boa qualidade comparada ao importado. Por isso, é usado misturado ao trigo adquirido no exterior. ETAPAS DA PRODUÇÃO DE GRÃOS As etapas de produção de grãos ocorrem de maneira similar embora possam apresentar particularidades dependendo do produto, conforme demonstra a Figura 1. Figura 1: Fluxograma das etapas de produção e pré-processamento de milho. Fonte: Pimentel e Fonseca, A Figura 1 demonstra as etapas de produção e pré-processamento de milho. Após o cultivo realiza-se a colheita e o grão ainda pode apresentar umidade. Inicia-se, então, a fase de pré-processamento. Recebe-se o produto na unidade armazenadora e o produto úmido segue para as operações de pré-limpeza, secagem e limpeza para a retirada de 14

15 impurezas e umidade. Em seguida, os produtos passam para a armazenagem ou para processamento nas indústrias, para o consumo ou para produção de ração animal. Caso o produto já tenha passado pelo processo de secagem no campo, elimina-se a etapa de secagem, indo diretamente para a limpeza e armazenagem. O produto seco também pode seguir para a armazenagem se não houver possibilidade de se passar pela limpeza. Contudo, a limpeza pode contribuir para a manutenção da qualidade, evitando o ataque de insetos e pragas. Se a infestação já tiver origem no campo, os grãos devem ser submetidos a tratamento. Processo de escoamento e armazenamento O objetivo central da armazenagem é de manter a qualidade do produto que recebe, evitar perdas e estocar o excedente. Além disso, o armazenamento de grãos por parte de governos permite a fixação de preços mínimos e coordenar fomento à produção de produtos que considere importantes para a segurança alimentar e impulsionar políticas agrícolas, como incentivos à produção de determinadas culturas. Caso a produção ocorra em zonas distantes das áreas de consumo, o armazenamento em locais estratégicos facilita o fluxo dos grãos. A armazenagem de grãos pode ser realizada das seguintes formas (AZEVEDO et al., 2008): a) A granel - Na armazenagem a granel, os grãos são guardadas sem embalagem em silos de concreto, de metais ou de alvenaria. Normalmente, possuem forma cilíndrica. Os silos mais modernos possuem sistemas de aeração. b) Convencional - Na armazenagem convencional, os grãos são acondicionados em sacos e depositados em galpões ou armazéns. Geralmente, foram construídos para outras finalidades e adaptados para abrigar grãos, não possuindo as condições ideais para a função. Até o início da década de 1970, quando se iniciou a chamada modernização da agricultura brasileira, o café e culturas para consumo mo mercado interno mantinham-se como produtos agrícolas de maior relevância do setor primário. O café ainda representava o principal produto de exportação brasileira. Essas culturas perderam importância, e a ênfase foi dada para os produtos de uso intensivo em capital como a soja. A rede de armazenamento no Brasil concentrava-se na faixa litorânea e consistia em conservação em sacarias. A armazenagem a granel foi sendo introduzida no país concomitantemente à expansão da soja e do milho. 15

16 ESTRUTURA DE ARMAZENAGEM NO BRASIL Em 1990, foi criada a Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), órgão oficial responsável pelo armazenamento e abastecimento de produtos agropecuários no país. O órgão está vinculado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Entre suas competências cabe-lhe a execução das políticas públicas referentes ao armazenamento da produção agropecuária, coordenação de políticas oficiais de formação, armazenagem, remoção escoamento de estoques reguladores e estratégicos de produtos agropecuários. Encarrega-se também da execução das políticas públicas federais no abastecimento e regulação da oferta de produtos agropecuários no mercado interno, além de outras competências que lhe são atribuídas (CONAB, 2012). No Brasil, os principais grãos armazenados são soja, algodão, milho, trigo, feijão e arroz, sendo os dois primeiros produtos voltados para o mercado externo e os demais, para o mercado interno. Estudos realizados por Nogueira Júnior (2011), Morceli (2012), revelam a situação crônica de déficit da capacidade de armazenamento no país, situados em limites quase sempre inferiores à produção, conforme se observa no Gráfico 8. Verifica-se, no entanto, aumento gradativo da capacidade. Gráfico 8: Brasil - Evolução da Capacidade de Armazenamento e da Produção de Grãos Fonte: Nogueira Junior e Tsunechiro (2011). 16

17 Capacidade estática de armazenamento Entende-se por capacidade estática de armazenagem a quantidade de grãos que cabe dentro de uma unidade armazenadora, de uma só vez, conforme afirma Azevedo et al. (2008). A partir do Decreto nº 3.385, de 03 de julho de 2001, a CONAB passou a recadastrar as unidades armazenadoras no país. O decreto obrigou as empresas jurídicas que prestam serviços a terceiros a prestar informações relativas ao Cadastro Nacional de Unidades Armazenadoras. A partir de 2006, a CONAB institucionalizou que produtos agrícolas beneficiados por qualquer instrumento de comercialização do governo federal devem ser depositados em unidades cadastradas em seus sistema (DECKERS, 2006). Portanto, o incremento da capacidade de armazenagem nos anos posteriores também devem ser vinculados à medida. No Brasil, apesar da maior capacidade se concentrar no sistema de armazenamento a granel, ainda é expressivo o volume de produção que utiliza o sistema convencional (Gráfico 9). No entanto, considerando que em 1995 a estocagem em armazéns convencionais era de 50% conforme dados levantados por Deckers (2006), podemos considerar a modernização do segmento no Brasil. 17

18 17% Granel Convencional 83% Gráfico 9: Brasil Distribuição da capacidade estática de armazenagem segundo os sistemas de armazenagem no Brasil - % Fonte: Elaborado pela autora com dados da CONAB (2012c). Além dos sistemas de armazenagem, é importante observar a localização das unidades. Região/Estado Convencional Granel Total Q Capac. (t) Q Capac. (t) Q Capac. (t) NORTE NORDESTE CENTRO OESTE SUDESTE SUL BRASIL

19 Tabela 3: Capacidade Estática de Armazenagem Cadastrada 2012 Fonte: Elaborado pela autora com dados da CONAB (2012c). Em termos absolutos, no sistema convencional, o número de unidades de armazenamento no Sul do país supera as demais regiões. Mas, em termos de capacidade é superado pela região Sudeste, indicando que as unidades do Sul são menores, em média (Tabela 3). Seguindo o mesmo comportamento, no sistema a granel, a quantidade de unidades de armazenamento da região Sul é a maior do país, representando mais que o dobro do número de unidades existentes no Centro-Oeste brasileiro. No entanto, a diferença da capacidade de armazenamento entre as duas regiões é pouco significativa se observarmos a quantidade de unidades. O fato aponta para a mesma situação verificada no armazenamento convencional. Indica que as unidades instaladas na região Sul são de menor porte, em média. A situação descrita se vincula à existência de pequenas e médias propriedades rurais no Sul do Brasil. Justifica parcialmente o número de unidades de armazenagem superior às demais regiões brasileiras. Verifica-se que a quantidade total de unidades armazenadoras do Sul representa número maior do que todas as unidades das demais regiões somadas. No que se refere à capacidade de armazenamento, a posição da região Sul não se altera, pois representa a maior capacidade disponível no país. Contudo, é necessário observar que a capacidade de armazenagem está próxima da existente na região Centro-Oeste. As diferenças no porte das unidades armazenadoras evidenciam-se na medida em que se mensura a capacidade média de armazenamento das regionais (Tabela 4). Regiões/Sistemas Convencional Granel Capacidade média Capacidade média Norte 3.272, ,1 Nordeste 2.919, ,7 Centro-Oeste 4.404, ,7 Sudeste 4.812, ,6 Sul 2.959, ,9 Brasil 3722, ,5 Tabela 4: Capacidade Estática Média de Armazenagem Cadastrada por Região 2012 Fonte: Elaborado pela autora com dados da CONAB (2012c). 19

20 No tocante à capacidade de armazenamento convencional, o Nordeste e o Sul apresentam médias semelhantes, inferiores à media nacional. Nessa modalidade, a região Sudeste possui a maior capacidade média de armazenagem. Quanto ao armazenamento a granel, a maioria das regiões apresenta média superior à brasileira, exceto o Sul. As atuais estimativas e previsões de produção de grãos apontam ainda para a insuficiência da capacidade de armazenagem no país. Representa um déficit de 21% se considerarmos a previsão para a safra de 2012/13 que pode chegar a toneladas para uma capacidade de armazenagem de toneladas. (CONAB 2012a,b). A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO, sigla em inglês) recomenda que a capacidade de armazenagem se situe em um patamar superior a 20% da produção (apud GALLARDO et al., 2009, MORCELI, 2012).. Como visto anteriormente, há no Brasil predomínio da capacidade estática de armazenagem a granel. Mas, se analisarmos a questão pela ótica do número de unidades, nota-se divergência (Gráfico 10). 38% 62% Granel Convencional Gráfico10: Distribuição % do número de unidades de armazenamento segundo o sistema no Brasil Fonte: Elaborado pela autora com dados da CONAB (2012c). 20

21 A participação do número de unidades de sistema convencional atinge 38%, número ainda expressivo se considerada a capacidade de armazenamento anteriormente indicada (17%). Localização regional da capacidade de armazenamento A localização das unidades de armazenagem é importante fator estratégico na logística de escoamento da produção. O transporte de longa distância dos produtos pode levar a perdas para todos os agentes envolvidos no sistema. Por ser uma variável considerável de peso no estudo da estrutura de armazenagem e escoamento da produção, a localização das unidades armazenadoras torna-se estratégica devido ao desencadeamento que acarreta nas operações pós-colheita até o consumidor final. Além disso, a análise do tipo de sistema existentes nos locais também fornece indicativos da adequação à produção. Assim, se a produção se concentra em determinadas regiões, é necessário que esta conte com estrutura para a armazenagem dos grãos e seu conveniente escoamento. Nesse sentido, a julgar pelo volume de produção, a capacidade de armazenamento segue o fluxo produtivo em termos quantitativos regionais. 21

22 Convencional % Granel % Norte Nordeste Centro Oeste Sudeste Sul Granel % Convencional % Gráfico 11: Capacidade estática de armazenagem segundo os sistemas de armazenagem por regiões do Brasil Fonte: Elaborado pela autora com dados da CONAB (2012c) Observa-se o predomínio do sistema de armazenagem a granel nas regiões Centro-Oeste e Sul, tradicionais produtoras de soja e milho e elevados níveis de produtividade. A distinção entre as duas regiões está no tamanho das propriedades, uma vez que o Centro-Oeste concentra as grandes unidades produtivas. Como comentado anteriormente, a região Sul preserva as pequenas e médias propriedades, mas as cooperativas agroindustriais exercem papel preponderante na comercialização e conservação de grãos. Por outro lado, a região Sudeste apresenta a maior participação do sistema convencional, seguida pela região Norte (Gráfico 11). A análise da localização regional das unidades armazenadoras reforça-se pela sua disposição espacial. No Brasil, somente 13% da capacidade de armazenagem encontra- 22

23 se nas propriedades rurais. Somando-se à área portuária, praticamente a metade das armazenadoras se encontra na área urbana (Gráfico 12) 36,49% 6,24% 13,63% 43,64% Portuária Urbana Fazenda Rural Gráfico 12: Brasil: Localização da capacidade estática de armazenagem - % Fonte: Morceli, 2012 O governo federal criou linhas de crédito de financiamento com o Moderinfra em 2001 e o Pronaf Mais Alimentos em 2008 para a construção a, adequação e manutenção de unidades destinadas à armazenagem, visando aumentar, em cinco anos, a capacidade nas propriedades rurais de 15% para 30%. A atual estrutura reflete as restrições de armazenamento nas propriedades rurais produtoras em razão de políticas adotadas anteriormente. Isso define a característica da armazenagem de grãos no Brasil baseadas no meio urbano. Em território brasileiro, a sequência do processo de armazenagem tem sua base nos terminais e intermediários coletores (armazéns e cooperativas, principalmente) situados no meio urbano que acolhe a produção rural. Nos países onde a armazenagem ocorre nas fazendas a ordem se diferencia. A produção flui do meio rural para os terminais. 23

24 Comparativamente aos grandes produtores mundiais de grãos, a competitividade brasileira na produção de grãos é comprometida pela baixa presença de armazenamento nas propriedades rurais. Países como a Argentina, Estados Unidos e países da Europa, tradicionais produtores de grãos, possuem capacidade de armazenamento nas propriedades rurais em nível superior à brasileira. Conforme d Arce (2012), em países como a França, a Argentina e os Estados Unidos, a armazenagem nas propriedades rurais representam 30% a 60%. Deckers (2006) ressalta que esse percentual em países como a Argentina, Austrália, Canadá, Estados Unidos e Europa atinge 40%, 35%, 85%, 65% e 50%, respectivamente. Quanto ao número de unidades de armazenamento no que se referea localização, confirma-se a característica acima vista de predomínio na zona urbana (Gráfico 13). No entanto, o número de unidades armazenadoras na zona rural supera aquelas situadas na zona urbana Convencional Granel Total Fazenda Rural Urbano Portuário Total Gráfico 13: Brasil: Localização das unidades de armazenamento 2012 Fonte: Elaborado pela autora com dados de Morceli (2012). Perdas da produção de grãos 24

25 As perdas na agricultura podem ocorrer na colheita e após a colheita. Na colheita, as perdas originam-se na falta de regulagem, ajuste e manutenção de colheitadeiras, frotas obsoletas, falta de operadores capacitados, velocidade das máquinas e por problemas climáticos. As perdas após a colheita podem acontecer no transporte e na armazenagem. A inadequação das instalações de armazenagem, a falta de qualificação de mão-de-obra que opera os secadores são os principais responsáveis pela perda física e da qualidade dos grãos. As perdas físicas resultam em queda do peso dos estoques devido ao ataque de insetos e da umidade dos grãos (IBGE, 2004). As maiores perdas ocorrem no transporte de longo percurso, visto que 67% das cargas brasileiras são realizadas por rodovias. Estudo de viabilidade econômica mostra que o modal rodoviário é adequado para percuros inferiores a 300 km; o modal ferroviário, para distância entre 300 km a 500 km; e o fluvial para distâncias superiores a 50 km (IBGE, 2004). Silva, Campos e Silveira (2003) constaram que o escoamento da produção agrícola brasileira apresenta a seguinte composição: 63% rodoviária, 22% rodoviária, 12% cabotagem e 3% hidroviária. Os dados da Tabela 5 permitem ter ideia da dimensão de perdas ocorridas na pré e póscolheita de soja e trigo. As maiores perdas ocorrem na etapa pós-colheita. As perdas na pré-colheita podem ter ligação com problemas climáticos, o trigo em especial, explicando os elevados índices nas safras de 2000 e No pós-colheita as perdas vinculam-se ao transporte e ao armazenamento. Ano/Produto Pré-colheita Pós-colheita* Soja Trigo Soja Trigo ,13 10,86 7,30 16, ,78 0,94 7,40 21, ,30 0,83 7,40 19,60 25

26 2000 3,89 32,20 6,70 29, ,99 3,21 6,00 15, ,68 18,38 6,50 16, ,32-6,70 8,10 Tabela 5: Brasil: Perdas de soja e trigo na pré e pós-colheita Fonte de dados brutos: Elaborado pela autora com dados do IBGE (2004). *Cálculo realizado com base na O IBGE (2004) ressalta a dificuldade na obtenção de dados para o cálculo das perdas pós-colheita. As dimensões territoriais e a falta de levantamentos sistemáticos impedem dados mais precisos sobre as reais perdas. Mas, destaca que é de consenso que há perdas substanciais de grãos durante o transporte e no armazenamento. No transporte rodoviário, o prejuízo com o derrame de grãos chega a 10 milhões de sacas perdidas por safra. Nesse modal de transporte, as longas distâncias percorridas e o excesso de carga respondem por quebras da ordem de 5% a 10%. Durante a armazenagem as perdas podem chegar a 10%. De acordo com os dados apresentados, as perdas pós-colheita de soja situaram-se em patamares de 6% a 7,4% da produção. Com relação ao trigo, os elevados índices podem ser justificados pelos problemas que podem atingi-lo durante seu ciclo de desenvolvimento. Em suas áreas de produção, problemas climáticos podem afetar o rendimento produtivo assim como a qualidade do grão. Em 2000, a quebra pós-colheita alcançou praticamente um terço da produção. A soja produto de maior relevância econômica do agronegócio brasileiro. Com relação às perdas pós-colheita, as estimativas apontam por elevados índices por conta das más condições das estradas brasileiras, principal modal de transporte de produtos no país, acondicionamento inadequado nas carretas dos caminhões, além dos problemas de armazenamento que ocasionam perdas de natureza qualitativa e quantitativa. Os índices de perdas pós-colheita representam volumes que podem atingir 3,5 milhões de toneladas referentes ao ano de

27 ESTRUTURA PRODUTIVA X ARMAZENAMENTO E ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO O sistema de escoamento de safras passa pelo transporte e pela armazenagem dos produtos agrícolas. As duas fases estão interconectadas pela dependência e de extrema importância para a manutenção da qualidade de grãos. Um sistema de escoamento de safras frágil e inadequado provoca uma série de danos para a sociedade. O produtor não recebe os melhores preços devido à necessidade de venda da produção logo após a colheita. O período pós-colheita de safras provoca grande oferta que, por atuação do mecanismo de oferta e demanda no mercado, força os preços para baixo. Por outro lado, o armazenamento inadequado significa queda da qualidade em razão do ataque de fungos, insetos, roedores e ácaros. Além disso, o manejo de secagem inapropriado pode levar a excesso de umidade dos grãos, induzindo o aparecimento de elementos indesejados e à queda de qualidade. Sucessivos erros de manejo aumentam e potencializam os efeitos que redundam em perdas. Nogueira Junior e Tsuneschiro (2011) denominam de vazio logístico a falta e a inadequação de locais de armazenagem em algumas regiões. Observam que no estado de São Paulo, devido o declínio da cafeicultura, muitos silos e armazéns foram deslocados para os grãos, mas nem sempre adequados para esse fim. O acelerado ritmo de deslocamento da produção de grãos para o Centro-Oeste brasileiro não seguido pela construção de infraestrutura equivalente provocou o vazio logístico. Não é incomum, a veiculação de notícias em que os próprios produtores tomam para si a responsabilidade de manutenção de estradas e mesmo de sua construção para suprir as necessidades de escoamento. Nas medidas tomadas pela CONAB quanto à obrigação das jurídicas em prestar informações relativas ao Cadastro Nacional de Unidades Armazenadoras em 2001 e, em 2006, a institucionalização de que produtos agrícolas beneficiados por qualquer instrumento de comercialização do governo federal devem ser depositados em unidades cadastradas em seus sistema para cadastramento de silos e armazéns, revelaram a situação do segmento no Brasil. Muitas unidades sofreram impedimento conforme indica o Cadastro da CONAB. 27

28 As unidades armazenadoras com veto não atendem ao padrão de exigências do órgão para manutenção dos grãos. Segundo Nogueira Junior e Tsuneschiro (2011), os critérios de certificação de unidades armazenadoras foram considerados muito rigorosos, levando a revisão destes e a ampliação de prazo para a vigência das determinações. Aquelas consideradas aptas são credenciadas sem impedimento, mas representam apenas pequena parcela conforma se constata na Tabela 6. Região/Situação cadastral Credenciado sem impedimento (apta) Norte 3,14 Nordeste 2,98 Centro-Oeste 3,58 Sudeste 3,97 Sul 5,78 Tabela 6: Capacidade estática de armazenagem apta por regiões % Fonte: Elaborado pela autora com dados da CONAB (2012c). São considerados inaptos: Cadastro Efetivado com impedimento, Cadastro Efetivado sem impedimento Credenciado com impedimento, SICAF - impedido e Cadastro Efetivado, SICAF - impedido e Credenciado, Descredenciado (CONAB,2012c). CONSIDERAÇÕES FINAIS E AÇÕES RECOMENDADAS Os fatores críticos do segmento analisado no Brasil situam-se na desproporção do ritmo de crescimento entre produção e capacidade de armazenagem existente, além da inadequação das instalações existentes. Isso decorre da própria evolução histórica de substituição de culturas e políticas agrícolas estabelecidas. O papel secundário outrora desempenhado pela armazenagem passou a ser considerado importante diante da necessidade de se sustentar a competitividade no mercado nacional 28

29 e internacional. Assinala-se também a questão da qualidade crescente exigida pelo mercado. Diferentemente dos principais produtores de grãos no mundo, a estrutura de armazenamento no Brasil está baseada no meio urbano, sendo pouco significativa a participação de unidades nas fazendas. Uma estrutura baseada nas propriedades rurais é desejável, favorecendo o controle de ordem produtiva, econômico/financeira por parte do produtor assim como da qualidade dos produtos. Diante do contexto, o produtor brasileiro é levado a vender sua colheita em período desfavorável de preços ocasionando todos os problemas de congestionamentos para o escoamento até os portos, pontos de armazenagem intermediárias ou finais. Junta-se ao problema, o fato de a matriz de transportes no Brasil basear-se em rodovias, sistema esse herdado da política de desenvolvimento econômico do Plano de Metas ( ). Essa modalidade não é a mais adequada para um país de dimensões continentais como o Brasil, elevando os custos de movimentação de mercadorias e ocasionando atrasos nas cargas/descargas nos portos, silos e armazéns além de sérios congestionamentos em um sistema viário deficitário. Os médios e pequenos produtores são responsáveis por grande parte da produção de grãos. Muitas vezes, por questão cultural e de políticas agrícolas outrora implantadas, os pequenos produtores têm dificuldades em realizar o correto manejo das culturas. Associados ao processo de armazenamento inadequado ocorrem perdas na qualidade, na quantidade e também nos valores nutricionais, afetando outras cadeias produtivas que utilizam os grãos como a avicultura e a suinocultura. Em última instância, pode prejudicar a saúde humana devido à utilização de grãos na alimentação. Para os pequenos produtores, o acesso às condições de financiamento para a construção de estruturas de armazenagem mostra-se custoso devido às condições financeiras em que a maioria se encontra. Os elevados investimentos que exigem a construção de silos dificultam a modernização desse elo da cadeia produtiva. Entretanto, são estes os que mais se beneficiariam pela posse de sistemas de armazenagem na propriedade, pois representam vantagens na venda dos grãos em épocas de sua conveniência, redução de custos de transporte, obtenção de grãos de qualidade superior uma vez capacitado para o manejo correto. Ou seja, contribui para sua autonomia como produtor. Via de regra, o 29

30 armazenamento na propriedade ameniza o problema de sazonalidade racionalizando os efeitos da oferta e demanda e as especulações consequentes. O armazenamento representa uma etapa complexa, principalmente para os pequenos produtores devidos ao montante de investimentos necessários e aos aspectos técnicos nele envolvidos. Além dos aspectos de mercado e técnicos, é importante ressaltar a necessidade de educação do produtor que por vezes desconhece ou não possui meios para seguir as boas práticas de manejo nessa etapa da produção. Por outro lado, a análise da capacidade dinâmica de armazenamento pode se constituir importante ferramenta para alocação de investimentos, pois as safras de algumas culturas que ocorrem mais de uma vez por ciclo e parte da produção/estoque são comercializadas. A expansão da produção de grãos no Brasil, o potencial ainda existente de aumento da produtividade e aproveitamento de áreas fronteiriças de cultivo indica a necessidade de investimentos em toda a rede logística, em especial na armazenagem e transportes. FONTES AZEVEDO, Loianny, Faria, OLIVEIRA, T. P. de, PORTO, A. G., SILVA, F. S da. A Capacidade Estática de Armazenamento de Grãos no Brasil. XXVIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Rio de Janeiro, Disponível em:<http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2008_tn_stp_069_492_11589.pdf>.a cesso em: 12 nov CONAB - Companhia Nacional de Abastecimento. A Conab. Competências. Conab. 2012a. Disponível em: <http://www.conab.gov.br/conteudos.php?a=1066&t=1>. Acesso em:09 nov CONAB - Companhia Nacional de Abastecimento. Indicadores da Agropecuária. 2012b Brasília: Conab. Out/2012, Ano XXI, nº 10. CONAB - Companhia Nacional de Abastecimento. Capacidade Estática de Armazéns. Conab. 2012c. Disponível em:<http://www.conab.gov.br/detalhe.php?a=1077&t=2>. Acesso em: 12 nov D ARCE, Marisa A. B. Regitano. Pós colheita e armazenamento de grãos. Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição. ESALQ/USP Disponível em:<http://www.esalq.usp.br/departamentos/lan/pdf/armazenamentodegraos.pdf Acesso em 12/11/2012>. Acesso em: 12 nov

31 DECKERS, Denise. Situação de Armazenagem no Brasil Conab. Brasília: Conab Disponível em:<http://www.conab.gov.br/olalacms/uploads/arquivos/713c763e53bbfc388225a7fcc 52eb6ae..pdf>. Acesso em: 12 nov GALLARDO, A. P. ; STUPELLO, B. ; GOLDBERG, D. J. K. ; CARDOSO, J. S. L. ; PINTO, M. M. O.. Avaliação da capacidade da infra estrutura de armazenagem para os granéis agrícolas produzidos no Centro-Oeste brasileiro. In: XXI Congresso Panamericano de Engenharia Naval, 2009, Montevideo. <Anais do Congresso, Disponível em Gallardo_Alfonso.pdf>. Acesso em:12 nov IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Indicadores Agropecuários Rio de Janeiro: IBGE MASSUDA, E. M.. A indústria têxtil brasileira sob o impacto da abertura econômica Acta Scientiarum. Human and Social Sciences. Maringá: UEM, v. 28, n.1, p , MASSUDA, E. M. Inovação tecnológica na indústria têxtil de algodão: Os casos das fiações nas cooperativas no Noroeste do Paraná Tese (Doutorado na Universidade de São Paulo USP/FFLCH), ZANON, R. S., SAES, M. S. M., CORRAR, L. J., MACEDO, M. A. Produção de soja no Brasil: principais determinantes do tamanho das propriedades. 48º Congresso SOBER. Campo Grande: jul Disponível em: <http://www.sober.org.br/palestra/15/38.pdf>. Acesso em: 12 nov Equipe de Inteligência Competitiva da Knowtec 31

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA Adriano Mallet adrianomallet@agrocult.com.br ARMAZENAMENTO NA FAZENDA O Brasil reconhece que a armazenagem na cadeia do Agronegócio é um dos principais itens da logística de escoamento da safra e fator

Leia mais

ARMAZENAGEM EM NÍVEL DE FAZENDAS

ARMAZENAGEM EM NÍVEL DE FAZENDAS ARMAZENAGEM EM NÍVEL DE FAZENDAS Adilio Flauzino de Lacerda Filho 1 Foi instalado em 30/01/2003, o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional CONSEA, o qual tem caráter consultivo e assessora

Leia mais

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Infra-estrutura como fator chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Ieda Kanashiro Makiya Rogério Carlos Traballi UNIP BRASIL: 10º PIB mundial (FMI, 2005) x PIB per capita abaixo

Leia mais

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011 IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011 O SISTEMA LOGÍSTICO DO MILHO EM UM ARMAZÉM GRANELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ: UM ESTUDO DE CASO Luiz

Leia mais

O SULCO COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. PRIMAVERA 2013. JohnDeere.com.br

O SULCO COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. PRIMAVERA 2013. JohnDeere.com.br 10 - Precisão na pecuária 14 - Trigo com tecnologia 18 - Turistas no pomar 10 14 18 PRIMAVERA 2013 O SULCO JohnDeere.com.br COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. capa 1 2 RICARDO

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

Índices de perdas do plantio à pré-colheita dos principais grãos cultivados no País 1996-2002 Introdução

Índices de perdas do plantio à pré-colheita dos principais grãos cultivados no País 1996-2002 Introdução Índices de perdas do plantio à pré-colheita dos principais grãos cultivados no País 1996-2002 Introdução O presente estudo trata da construção de um modelo de quantificação das perdas de grãos do plantio

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012 ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA Brasília outubro de 2012 Agricultura e Armazenagem Produzir até 2050, de forma sustentável e ordenada, + 1 bilhão de toneladas de grãos e + 200 milhões de toneladas de carne,

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

1 Lavouras 160.000.000 +11,6 % Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2010 Produção (t) 60.000.

1 Lavouras 160.000.000 +11,6 % Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2010 Produção (t) 60.000. 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas A décima segunda estimativa da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas, indica uma produção da ordem de 149,5 milhões de toneladas,

Leia mais

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015)

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Gráfico 1 Evolução da produção de grãos (Em milhões de toneladas) A produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas cresceu, em

Leia mais

Avaliação da Capacidade Estática de armazenagem de grãos no Brasil. Evaluation of Static Capacity of Storage of Grains in Brazil

Avaliação da Capacidade Estática de armazenagem de grãos no Brasil. Evaluation of Static Capacity of Storage of Grains in Brazil Avaliação da Capacidade Estática de armazenagem de grãos no Brasil Evaluation of Static Capacity of Storage of Grains in Brazil Aline Dias Ferreira de Jesus* Marta Cristina Marjotta-Maistro** Caetano Brugnaro***

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

A CAPACIDADE ESTÁTICA DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS NO BRASIL

A CAPACIDADE ESTÁTICA DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS NO BRASIL A CAPACIDADE ESTÁTICA DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS NO BRASIL Loianny Faria Azevedo (UNEMAT) loianny@hotmail.cm Thamy Pinheiro de Oliveira (UNEMAT) thamy_ly@yahoo.com.br Alexandre Gonçalves Porto (UNEMAT)

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Nº1 - Julho 2013. 1. Introdução

Nº1 - Julho 2013. 1. Introdução Nº1 - Julho 2013 1. Introdução A característica sazonalidade da atividade agrícola traz consigo a necessidade do armazenamento da produção. A armazenagem dos produtos agrícolas permite a distribuição do

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

Modelos de Desenvolvimento Agropecuário do Cerrado Brasileiro. Paulo César Nogueira Assessor da Secretaria de Relações Internacionais Embrapa

Modelos de Desenvolvimento Agropecuário do Cerrado Brasileiro. Paulo César Nogueira Assessor da Secretaria de Relações Internacionais Embrapa Modelos de Desenvolvimento Agropecuário do Cerrado Brasileiro Paulo César Nogueira Assessor da Secretaria de Relações Internacionais Embrapa BRASIL SAFRA--------------CRESCIMENTO DE 50% NOS ÚLTIMOS 10

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA INTRODUÇÃO 1. COMPLEXO AGROINDUSTRIAL CAI 2. AGROINDÚSTRIA

INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA INTRODUÇÃO 1. COMPLEXO AGROINDUSTRIAL CAI 2. AGROINDÚSTRIA INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA ÁREA INDUSTRIAL MAIO/2009 Nº 11 INTRODUÇÃO Neste informe são apresentados alguns dados sobre os desembolsos do BNDES para a agroindústria no ano de 2008. 1. COMPLEXO

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação de Unidades Armazenadoras

Sistema Nacional de Certificação de Unidades Armazenadoras Sistema Nacional de Certificação de Unidades Armazenadoras MARINGÁ-PR 13/10/2014 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Objetivo da Certificação de Unidade Armazenadoras Fortalecimento da

Leia mais

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 212, em relação à produção obtida em 211 A quinta avaliação da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas

Leia mais

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Francisco Sérgio Turra Presidente Executivo Soja no Mundo Mil toneladas Evolução da produção de soja por país (mil toneladas) 100 75 50 Brasil - 84 EUA - 82

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (VBP) AGROPECUÁRIO Julho/2015 R$ milhões VBP PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS LAVOURAS

Leia mais

O CENÁRIO DA ARMAZENAGEM NO BRASIL

O CENÁRIO DA ARMAZENAGEM NO BRASIL O CENÁRIO DA ARMAZENAGEM NO BRASIL QUELI S. FERNANDES 1, VAGNER ROSALEM 2. 1. Universidade Federal de Goiás E-mail: quelisilverio@hotmail.com 2. Universidade Federal de Goiás E-mail: vagner@hotmail.com

Leia mais

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA 1 Outubro 2009 ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA Fernando Raphael Ferro de Lima * INTRODUÇÃO Este trabalho busca compreender como se modificaram, no período recente, os fluxos internos

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

POLÍTICA de GARANTIA de PREÇOS MÍNIMOS - PGPM

POLÍTICA de GARANTIA de PREÇOS MÍNIMOS - PGPM Diretoria de Política Agrícola e Informações - Dipai Superintendencia de Gestão da Oferta - Sugof POLÍTICA de GARANTIA de PREÇOS MÍNIMOS - PGPM Por: Carlos Eduardo Tavares Maio de 2012 RAZÃO DA POLÍTICA

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 5 2. METODOLOGIA 6

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 5 2. METODOLOGIA 6 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 5 2. METODOLOGIA 6 3. ESTIMATIVA DA ÁREA PLANTADA 6 4. ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO 7 5. INFLUÊNCIAS CLIMÁTICAS 8 6. AVALIAÇÃO DAS CULTURAS 9 6.1 Algodão 9 6.2 Arroz 10 6.3 - Canola 11

Leia mais

PA02 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais.

PA02 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais. PA2 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais. Abacaxi 8 7 6 5 4 3 2 1 199 1995 2 25 21 A produção nacional de abacaxi que vinha crescendo até 22 sofreu uma inflexão, voltou a subir

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento POLITICA de GARANTIA de PREÇOS MINIMOS

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento POLITICA de GARANTIA de PREÇOS MINIMOS POLITICA de GARANTIA de PREÇOS MINIMOS 04 de maio de 2009 RAZÃO DA POLÍTICA AGRÍCOLA CARACTERÍSTICA DA PRODUÇÃO Concentrada no tempo Consumo ao longo do ano Perecibilidade Baixo valor agregado Alta dispersão

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Entenda o IC AGRO. Sobre o Índice de Confiança do Agronegócio (IC Agro)

Entenda o IC AGRO. Sobre o Índice de Confiança do Agronegócio (IC Agro) Metodologia Entenda o IC AGRO O Índice de Confiança do Agronegócio (IC Agro) apresenta informações sobre a percepção econômica do Brasil e do agronegócio por produtores agropecuários, cooperativas e indústrias

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS Fortalecimento e ampliação das políticas públicas O Plano Safra da Agricultura Familiar 2009/2010 fortalece

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

Logística e infraestrutura: entendendo e superando os desafios e as barreiras.

Logística e infraestrutura: entendendo e superando os desafios e as barreiras. Logística e infraestrutura: entendendo e superando os desafios e as barreiras. Câncer Por que o Brasil tem vocação agrícola? Capricórnio Zona quente ou Intertropical Quatro fatores são fundamentais para

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Política Econômica CMN 29.07.2009 Votos Agrícolas Brasília-DF, 29 de julho de 2009. RESUMO DOS VOTOS DA ÁREA AGRÍCOLA REUNIÃO DO CMN JULHO 2009 1 ESTABELECE NOVO PRAZO

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. Milho BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E ÁREA PLANTADA

AGROINDÚSTRIA. Milho BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E ÁREA PLANTADA AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO Milho O milho é, hoje, a segunda maior cultura no mundo, perdendo apenas para o trigo. A produção do milho

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO Página 1927 VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ Gerson Henrique da Silva 1 ; Maura Seiko Tsutsui Esperancini 2 ; Cármem Ozana de Melo 3 ; Osmar de Carvalho Bueno 4 1Unioeste Francisco Beltrão-PR,

Leia mais

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná A FAEP tem solicitado ao governo federal que libere os recursos anunciados de R$ 5,6 bilhões na Política de Garantia de Preços Mínimos

Leia mais

AS CIDADES DO AGRONEGÓCIO NO SUL DE MINAS: A CONSTITUIÇÃO DE MUZAMBINHO COMO UMA CIDADE FUNCIONAL À PRODUÇÃO CAFEEIRA.

AS CIDADES DO AGRONEGÓCIO NO SUL DE MINAS: A CONSTITUIÇÃO DE MUZAMBINHO COMO UMA CIDADE FUNCIONAL À PRODUÇÃO CAFEEIRA. AS CIDADES DO AGRONEGÓCIO NO SUL DE MINAS: A CONSTITUIÇÃO DE MUZAMBINHO COMO UMA CIDADE FUNCIONAL À PRODUÇÃO CAFEEIRA. Larissa Chiulli Guida lalaguida@yahoo.com.br Discente do curso de Geografia - Unifal-MG

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

SUMÁRIO. Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 1

SUMÁRIO. Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 2 3. ESTIMATIVA DA ÁREA PLANTADA 3 4. ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO 4 5. AVALIAÇÃO DAS CULTURAS 6 6. ESTIMATIVAS DE ÁREA, PRODUÇÃO E PRODUTIVIDADE 13 7. BALANÇO DE OFERTA

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES - 2011

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES - 2011 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES - 2011 Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 747 CEP 80.510-040 Curitiba PR - Fone (41) 3221-7504 Internet: http://www.claspar.pr.gov.br e.mail: claspar@claspar.pr.gov.br APRESENTAÇÃO

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt

Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt gilson.bittencourt@fazenda.gov.br 1 Ações de apoio à Produção Agrícola Safra 2008/2009 Lançamento do Plano de Safra da Agricultura Empresarial com

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada Análise setorial Agropecuária A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Vivian Fürstenau** Economista da FEE Introdução Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira

Leia mais

Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio. Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras

Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio. Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras Prospecção do conhecimento Defina agronegócio Cite, conforme seu conhecimento e

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

ARM AZENAGEM DE GRÃOS EM SANTA CATARINA

ARM AZENAGEM DE GRÃOS EM SANTA CATARINA BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO EXTREMO SUL AGÊNCIA DE FLORIANÓPOLIS - SANTA CATARINA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO ARMAZENAGEM DE GRÃOS EM SANTA CATARINA DEZEMBRO/2004 BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

SUSTENTABILIDADE DA SOJA BRASILEIRA NO MERCADO INTERNACIONAL: GESTÃO DE TRADE OFF

SUSTENTABILIDADE DA SOJA BRASILEIRA NO MERCADO INTERNACIONAL: GESTÃO DE TRADE OFF ISSN 1984-9354 SUSTENTABILIDADE DA SOJA BRASILEIRA NO MERCADO INTERNACIONAL: GESTÃO DE TRADE OFF Isabela Ferreira Rosa (FCA-UNICAMP) Ieda Kanashiro Makiya (FCA-UNICAMP) Resumo O presente trabalho tem por

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ Carteira de Agronegócios Projetos Propostos Teresina, PI novembro 2013 SUMÁRIO Características atuais dos principais setores de agronegócio piauiense

Leia mais

INDICAÇÃO N o, DE 2015

INDICAÇÃO N o, DE 2015 55ª Legislatura 1ª Sessão Legislativa Ordinária INDICAÇÃO N o, DE 2015 Sugere a criação de um programa de irrigação nas regiões afetadas por estiagens, em estados brasileiros. Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

Leia mais

PESQUISA DE ESTOQUES MANUAL DE INSTRUÇÕES (PRELIMINAR) DIRETORIA DE PESQUISAS COORDENAÇÃO DE AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE AGRICULTURA

PESQUISA DE ESTOQUES MANUAL DE INSTRUÇÕES (PRELIMINAR) DIRETORIA DE PESQUISAS COORDENAÇÃO DE AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE AGRICULTURA DIRETORIA DE PESQUISAS COORDENAÇÃO DE AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE AGRICULTURA PESQUISA DE ESTOQUES PRIMEIRO SEMESTRE - 2011 MANUAL DE INSTRUÇÕES (PRELIMINAR) 1. CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DA PESQUISA 1.1 - OBJETIVO

Leia mais

CAPACIDADE DINÂMICA DE ARMAZENGEM DE GRÃOS A GRANEL NA MESORREGIÃO DE ITAPETININGA-SP

CAPACIDADE DINÂMICA DE ARMAZENGEM DE GRÃOS A GRANEL NA MESORREGIÃO DE ITAPETININGA-SP CAPACIDADE DINÂMICA DE ARMAZENGEM DE GRÃOS A GRANEL NA MESORREGIÃO DE ITAPETININGA-SP WANDERLEY DE OLIVEIRA¹; ALINE REGINA PIEDADE 2, RICARDO SERRA BORSATTO 2 ; EVA FAGUNDES WEBER 2 ¹ Tecnólogo em Agronegócio.

Leia mais

SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL: balanço e próximos passos

SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL: balanço e próximos passos SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL: balanço e próximos passos ÍNDICE Balanço Processo de consulta pública para alteração na Portaria 60/2012 Próximos passos BALANÇO - Brasil 43 UPBs detentoras do Selo Combustível

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo?

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? 14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? ALAN BOJANIC Ph.D. REPRESENTANTE DA FAO NO BRASIL ALIMENTAR O MUNDO EM 2050 As novas

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. julho de 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. julho de 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola julho de 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Setembro de 2012 A política agrícola anunciada para a agricultura empresarial se caracterizou por assegurar o necessário apoio ao produtor rural.

Leia mais

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Mesa Redonda III Aquecimento global e impactos sobre o seguro agrícola Palestra: Aquecimento global e possíveis impactos econômicos sobre a agricultura

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais