1. Noção de algoritmo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Noção de algoritmo"

Transcrição

1 1. Noção de algoritmo Em português, a palavra algoritmo quer dizer operação ou processo de cálculo, entre outras definições possíveis (Dicionário Brasileiro de Língua Portuguesa, Mirador Internacional, Ed. 1977). Outra definição de algoritmo pode ser dada como a especificação da sequência ordenada de passos que deve ser seguida para a realização de uma tarefa, garantindo a sua repetibilidade. O algoritmo não é a solução do problema, mas sim o meio de obtê-la. Surgem então algumas questões: - Como se obterá a solução? R: Ela poderá ser obtida por meio de um método previamente conhecido, composto de operações que, conjuntamente, levam ao fim desejado a partir do estado observado. - Quem obterá a solução? R: Para nós, diremos que a solução será obtida por um computador uma ferramenta capaz de executar diversas vezes e muito rapidamente algumas tarefas bem definidas. O nosso objectivo não é fazer com que o computador trabalhe eternamente sobre um problema, talvez até insolúvel em virtude do algoritmo proposto; queremos que a solução seja obtida ou então que sejamos avisados pela máquina de que o problema é insolúvel. Assim, um algoritmo deve ter um número finito de operações executáveis, num determinado período de tempo, e que consiga detectar a viabilidade de resolver o problema proposto. Podemos então definir algoritmo da seguinte forma: um algoritmo é uma sequência ordenada e finita de operações bem definidas e eficazes que, quando executadas por um computador termina sempre num determinado período de tempo e que produz uma solução ou que indica que a solução não pode ser obtida. Pela definição anterior podemos constatar que há uma primeira instrução e uma última instrução, ou seja, um algoritmo tem um princípio e um fim. Ao contrário do que se possa pensar, o conceito de algoritmo não foi criado para satisfazer as necessidades da computação. Pelo contrário, a programação de computadores é apenas um dos campos de aplicação dos algoritmos. Na verdade, há inúmeros casos que podem exemplificar o uso (involuntário ou não) de algoritmos para a padronização do exercício de tarefas rotineiras

2 Devemos sempre ponderar se todos os algoritmos propostos para a solução de um dado problema são igualmente desejáveis. Quase sempre existe mais do que uma maneira de resolver um problema, e essa escolha é nossa. Qual será então a melhor das escolhas? Dados dois ou mais algoritmos para resolver o mesmo problema, é sensato escolher aquele que obtém uma solução no menor tempo possível e que utiliza o menor espaço para a representação dos dados do problema. Voltando ao contexto computacional, daqui em diante a atenção deste trabalho estará voltada para a automação de tarefas utilizando computadores. A automação é um processo em que a tarefa deixa de ser desempenhada pelo homem e passa a ser realizada por máquinas. Para que a automação de uma tarefa seja bem sucedida é necessário que a máquina que passará a realizá-la seja capaz de desempenhar cada uma das etapas constituintes do processo a ser automatizado com eficiência, de modo a garantir a repetibilidade do mesmo. Assim, deve ser especificado com clareza e exactidão o que deve ser realizado em cada uma das fases do processo a ser automatizado, bem como a sequência em que estas fases devem ser realizadas. Para que um computador possa desempenhar uma tarefa é necessário que esta seja detalhada passo a passo, numa forma compreensível pela máquina, utilizando aquilo que se chama de programa. Neste sentido, um programa de computador não é mais do que um algoritmo escrito numa forma compreensível pelo computador, ou seja, um algoritmo que diz ao computador os passos específicos e a ordem pela qual devem ser executados. Assim, um algoritmo deve ter robustez, ou seja, um algoritmo deve contemplar todas as facetas possíveis do problema que queremos resolver. Ao elaborar um algoritmo não devemos deixar que nenhum detalhe provoque um mau funcionamento do mesmo. Se conseguirmos construir um algoritmo robusto, qualquer mudança no problema será controlada pelo algoritmo, ou seja, o algoritmo deve ser flexível para mudanças. Um algoritmo deve ser correcto, ou seja, deve dar uma solução para o problema e deve cumprir todos os requisitos propostos nos objectivos. Um algoritmo deve ser eficiente, isto é, deve conseguir chegar aos objectivos propostos utilizando a menor quantidade de recursos possíveis, ou seja, minimizando o uso da memória, de passos e de esforço humano

3 Diz-se que um algoritmo é eficaz quando atinge o objectivo principal, ou seja, a análise da resolução do problema realiza-se prioritariamente. Pode dar-se o caso que exista um algoritmo eficaz mas não eficiente, na medida do possível devemos tentar obter estes dois conceitos conjuntamente. Para conseguir resolver qualquer problema devem-se ter em atenção os seguintes passos: - Análise do problema neste ponto define-se o problema, compreende-se e analisa-se com todo o detalhe. - Desenho do algoritmo neste ponto deve-se elaborar um algoritmo que reflicta passo a passo a resolução do problema

4 2. Representação de algoritmos Existem diversas formas de representação de algoritmos, mas não há um consenso em relação à melhor delas. O critério utilizado para classificar hierarquicamente estas formas está directamente ligado ao nível de detalhe ou, inversamente, ao grau de abstracção oferecido. Algumas das formas de representação de algoritmos tratam os problemas apenas ao nível lógico, abstraindo-se de detalhes de implementação muitas vezes relacionados com uma linguagem de programação específica. Por outro lado, existem formas de representação de algoritmos que possuem uma maior riqueza de detalhes que muitas vezes acabam por obscurecer a ideia principal, o algoritmo, dificultando o seu entendimento. Das formas de representação de algoritmos mais conhecidas destacamos: - a narrativa descritiva ou descrição narrativa; - o fluxograma convencional; - o pseudocódigo, também conhecido como linguagem estruturada ou portugol Narrativa descritiva Nesta forma de representação os algoritmos são expressos directamente em linguagem natural. Vejamos os seguintes exemplos: - Receita de bolo: Misture os ingredientes Unte a forma com manteiga Despeje a mistura numa forma Se houver coco ralado então despeje sobre a mistura Leve a forma ao forno Enquanto não corar deixe a forma no forno Retire do forno Deixe arrefecer - Tomar banho: Entrar na casa de banho e tirar a roupa Abrir a torneira do chuveiro Entrar na água Ensaboar-se Fechar a torneira - 4 -

5 Sair da água Enxugar-se Vestir-se - Cálculo da média de um aluno: Obter as notas da primeira e da segunda provas Calcular a média aritmética entre as duas Se a média for maior ou igual que 9,5, o aluno foi aprovado, senão foi reprovado No entanto, na prática, esta representação é pouco usada porque o uso da linguagem natural dá muitas vezes oportunidade a más interpretações, ambiguidades e imprecisões Fluxograma convencional Um fluxograma é uma representação gráfica de algoritmos onde diferentes formas geométricas implicam distintas acções (instruções, comandos). Tal propriedade facilita o entendimento das ideias contidas nos algoritmos. Esta forma de representação de algoritmos é intermédia à descrição narrativa e ao pseudocódigo, pois é menos imprecisa que a primeira e, no entanto, não se preocupa com detalhes de implementação do programa, como, por exemplo, o tipo de variáveis utilizadas. Há vários padrões que definem as formas geométricas das figuras e que devem ser usados para representar cada um dos diversos tipos de instruções; contudo, nenhum deles sobressai em relação aos demais no que diz respeito à aceitação por parte dos usuários. Nos fluxogramas convencionais existe uma preocupação com os detalhes de nível físico da implementação do algoritmo. Por exemplo, diferentes figuras geométricas são adoptadas para representar operações de saída de dados realizadas em diferentes dispositivos, como uma fita magnética ou um monitor de vídeo. Segue-se uma lista das principais formas geométricas usadas nos fluxogramas. = Início e final do fluxograma = Indica o sentido do fluxo de dados e conecta os símbolos existentes ou = Operação de entrada de dados = Informações recebidas ou fornecidas de ou por um computador - 5 -

6 = Operação de saída de dados em impressora = Saída de dados em vídeo = Informações exibidas por dispositivos visuais, vídeo ou monitor = Utiliza-se para indicar cálculos (algoritmos) a efectuar, atribuições de valores = Bloco de decisão Em geral, um fluxograma resume-se a um único símbolo inicial, por onde começa a execução do algoritmo, e um ou mais símbolos finais, que são pontos onde a execução do algoritmo acaba. Partindo do símbolo inicial, há sempre um único caminho orientado para ser seguido, que representa a única sequência de execução das instruções. Excepções a esta regra são os símbolos finais, dos quais não sai nenhum fluxo, e os símbolos de decisão, dos quais pode haver saída de mais do que um caminho de saída (normalmente dois caminhos), que representam uma bifurcação no fluxo. Segue-se a representação do algoritmo do cálculo da média de um aluno sob a forma de um fluxograma convencional..v. 9,5-6 -

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO 1 - CONCEITO DE ALGORITMO A automação é o processo em que uma tarefa deixa de ser desempenhada pelo homem e passa a ser realizada por máquinas, sejam estas dispositivos mecânicos,

Leia mais

Metodologias de Programação

Metodologias de Programação Metodologias de Programação Bloco 1 José Paulo 1 Formador José António Paulo E-mail: questoes@netcabo.pt Telemóvel: 96 347 80 25 Objectivos Iniciar o desenvolvimento de raciocínios algorítmicos Linguagem

Leia mais

Algoritmo e Pseudo-código

Algoritmo e Pseudo-código Departamento de Sistemas de Computação Universidade de São Paulo Algoritmo e Pseudo-código Responsável Prof. Seiji Isotani (sisotani@icmc.usp.br) Objetivos do Curso Desenvolver o Pensamento Computacional

Leia mais

INF1005: Programação I. Algoritmos e Pseudocódigo

INF1005: Programação I. Algoritmos e Pseudocódigo INF1005: Programação I Algoritmos e Pseudocódigo Tópicos Principais Definição de Algoritmo Exemplos Básicos Formas de representação Condicionais Exemplos com Condicionais Repetições Exemplos com Repetições

Leia mais

Linguagens de Programação:

Linguagens de Programação: Capítulo I : Noções Gerais 11 Linguagens de Programação: Como comunicar com o computador? Linguagem Máquina: Conjunto básico de instruções, em código binário, características de cada computador, correspondentes

Leia mais

Algoritmos e Programação : Conceitos e estruturas básicas. Hudson Victoria Diniz

Algoritmos e Programação : Conceitos e estruturas básicas. Hudson Victoria Diniz Algoritmos e Programação : Conceitos e estruturas básicas Hudson Victoria Diniz Relembrando... Um algoritmo é formalmente uma seqüência finita de passos que levam a execução de uma tarefa. Podemos pensar

Leia mais

No final, terá noções fundamentais do paradigma orientado a objetos.

No final, terá noções fundamentais do paradigma orientado a objetos. CURSO: TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS DISCIPLINA: ALGORITMOS Matriz Curricular Criação: 009_ Atualização: 05_ Carga Horária: 80 H/A EMENTA: Definição de algoritmo e programa. Ferramentas de desenvolvimento

Leia mais

Algoritmos. Prof. Jonatas Bastos

Algoritmos. Prof. Jonatas Bastos Algoritmos Prof. Jonatas Bastos 1 Algoritmo Definições p p p p p p Algoritmo é uma sequência finita de passos que levam a execução de uma tarefa. Que levam a resolução de determinado problema. Podemos

Leia mais

Ivanovitch Medeiros Dantas da Silva. Natal, 01 de setembro de 2011

Ivanovitch Medeiros Dantas da Silva. Natal, 01 de setembro de 2011 Ivanovitch Medeiros Dantas da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação DCA0800 - Algoritmos e Lógica de Programação Natal, 01 de setembro de

Leia mais

Estruturas de Repetição

Estruturas de Repetição Estruturas de Repetição Lista de Exercícios - 04 Algoritmos e Linguagens de Programação Professor: Edwar Saliba Júnior Estruturas de Repetição O que são e para que servem? São comandos que são utilizados

Leia mais

Aula 01 Introdução Custo de um algoritmo, Funções de complexidad e Recursão

Aula 01 Introdução Custo de um algoritmo, Funções de complexidad e Recursão MC3305 Algoritmos e Estruturas de Dados II Aula 01 Introdução Custo de um algoritmo, Funções de complexidad e Recursão Prof. Jesús P. Mena-Chalco jesus.mena@ufabc.edu.br 2Q-2015 1 Custo de um algoritmo

Leia mais

OBSERVAÇÕES: EXERCÍCIOS

OBSERVAÇÕES: EXERCÍCIOS OBSERVAÇÕES: 1. Esta lista de exercícios poderá ser resolvida individualmente ou em grupos de 2 pessoas. 2. A lista possui 25 exercícios, destes você deve responder os 5 primeiros exercícios e os outros

Leia mais

Proporcionar a modelagem de sistemas utilizando todos os conceitos da orientação a objeto;

Proporcionar a modelagem de sistemas utilizando todos os conceitos da orientação a objeto; Módulo 7 UML Na disciplina de Estrutura de Sistemas de Informação, fizemos uma rápida passagem sobre a UML onde falamos da sua importância na modelagem dos sistemas de informação. Neste capítulo, nos aprofundaremos

Leia mais

Unidade 10 Análise combinatória. Introdução Princípio Fundamental da contagem Fatorial

Unidade 10 Análise combinatória. Introdução Princípio Fundamental da contagem Fatorial Unidade 10 Análise combinatória Introdução Princípio Fundamental da contagem Fatorial Introdução A escolha do presente que você deseja ganhar em seu aniversário, a decisão de uma grande empresa quando

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à disciplina de: Aplicações Informáticas B. 1. Introdução. Ensino Secundário. Ano letivo de 2011/12

Informação-Prova de Equivalência à disciplina de: Aplicações Informáticas B. 1. Introdução. Ensino Secundário. Ano letivo de 2011/12 Informação-Prova de Equivalência à disciplina de: Aplicações Informáticas B Ensino Secundário Ano letivo de 2011/12 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame

Leia mais

Teoria dos Grafos. Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada. antunes@ibilce.unesp.br, socorro@ibilce.unesp.

Teoria dos Grafos. Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada. antunes@ibilce.unesp.br, socorro@ibilce.unesp. Teoria dos Grafos Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada antunes@ibilce.unesp.br, socorro@ibilce.unesp.br Grafos e Algoritmos Preparado a partir do texto: Rangel, Socorro.

Leia mais

Programação de Computadores I Estruturas de Repetição PROFESSORA CINTIA CAETANO

Programação de Computadores I Estruturas de Repetição PROFESSORA CINTIA CAETANO Programação de Computadores I Estruturas de Repetição PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução Existem situações onde é necessário repetir um determinado trecho de um programa um certo número de vezes. Assim,

Leia mais

Ciclo com Contador : instrução for. for de variável := expressão to. expressão do instrução

Ciclo com Contador : instrução for. for de variável := expressão to. expressão do instrução Métodos de Programação I 2. 27 Ciclo com Contador : instrução for identificador downto for de variável := expressão to expressão do instrução UMA INSTRUÇÃO (SIMPLES OU COMPOSTA) Neste caso o ciclo é repetido

Leia mais

UNIPAC Araguari FACAE - Faculdade de Ciências Administrativas e Exatas SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIPAC Araguari FACAE - Faculdade de Ciências Administrativas e Exatas SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIPAC Araguari FACAE - Faculdade de Ciências Administrativas e Exatas SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SAD Sistemas de Apoio à Decisão 2011/02 Aula Cinco crishamawaki@yahoo.com.br Modelos de decisão Sistemas de

Leia mais

Nº horas ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO

Nº horas ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO ANO: 10.º Curso Profissional Técnico de Informática de Gestão Disciplina: Linguagens de Programação ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/13 Módulo 1 Algoritmia 1 - Introdução à Lógica de Programação Lógica Sequência

Leia mais

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo A UA UL LA Frações e números decimais Introdução Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos de um bolo se dividirmos esse bolo em cinco partes iguais e tomarmos

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de programação em linguagem C. Exercícios: Structs

Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de programação em linguagem C. Exercícios: Structs Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de programação em linguagem C Exercícios: Structs 1. Utilizando estrutura, fazer um programa em C que permita

Leia mais

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo A UA UL LA Frações e números decimais Introdução Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos de um bolo se dividirmos esse bolo em cinco partes iguais e tomarmos

Leia mais

Microcontroladores e Microprocessadores. Conversão de Bases Prof. Samuel Cavalcante

Microcontroladores e Microprocessadores. Conversão de Bases Prof. Samuel Cavalcante Microcontroladores e Microprocessadores Conversão de Bases Prof. Samuel Cavalcante Conteúdo Conversão de Qualquer base para Decimal Decimal para Binário Hexadecimal para binário Componentes básicos de

Leia mais

Melhorias de Processos segundo o PDCA Parte IV

Melhorias de Processos segundo o PDCA Parte IV Melhorias de Processos segundo o PDCA Parte IV por José Luis S Messias, em qualidadebrasil.com.br Introdução Em prosseguimento aos artigos escritos sobre PDCA, escrevo hoje sobre a terceira fase da etapa

Leia mais

Manual do Processo de Planejamento da UFSC. Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC

Manual do Processo de Planejamento da UFSC. Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC Manual do Processo de Planejamento da UFSC 2010 Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC Apresentação Este documento descreve o processo de planejamento que vem sendo implantado na Universidade Federal

Leia mais

Comandos de Desvio 1

Comandos de Desvio 1 Programação de Computadores I UFOP DECOM 2014 1 Aula prática 3 Comandos de Desvio 1 Sumário Resumo Nesta aula você irá resolver problemas que requerem uma decisão com base em um teste, ou condição. Para

Leia mais

Introdução à Algoritmos. Aula 11

Introdução à Algoritmos. Aula 11 Introdução à Algoritmos Aula 11 Um programa de computador é um produto resultante da atividade intelectual. Essa atividade depende de um treinamento prévio em abstração e modelagem de problemas, bem como

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Engenharia de Software Análise Estruturada Sergio Petersen 22/4/2012 Sumário 1. Técnicas de Análise 3 2. Principais Autores 3 3. Análise

Leia mais

6 CONCEPÇÃO BÁSICA DO SISTEMA DE APOIO À DECISÃO

6 CONCEPÇÃO BÁSICA DO SISTEMA DE APOIO À DECISÃO 78 6 CONCEPÇÃO BÁSICA DO SISTEMA DE APOIO À DECISÃO Neste capítulo serão apresentados: o sistema proposto, o procedimento de solução para utilização do sistema e a interface gráfica, onde é ilustrada a

Leia mais

Normas para a elaboração de um relatório. para a disciplina de projecto integrado. 3.º ano 2.º semestre. Abril de 2004

Normas para a elaboração de um relatório. para a disciplina de projecto integrado. 3.º ano 2.º semestre. Abril de 2004 Normas para a elaboração de um relatório para a disciplina de projecto integrado 3.º ano 2.º semestre Abril de 2004 Instituto Superior de Tecnologias Avançadas Índice Introdução...3 O que é um relatório...3

Leia mais

Engenharia Econômica

Engenharia Econômica UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE NÚCLEO DE TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL Engenharia Econômica Aula I Professora Jocilene Otilia da Costa, Dra Conteúdo Juros Simples Juros

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura e Organização de Computadores

Fundamentos de Arquitetura e Organização de Computadores Fundamentos de Arquitetura e Organização de Computadores Dois conceitos fundamentais no estudo dos sistemas de computação são o de Arquitetura e Organização de computadores. O termo arquitetura refere-se

Leia mais

Análise de algoritmos. Parte II

Análise de algoritmos. Parte II Análise de algoritmos Parte II 1 Análise de algoritmos Existem basicamente 2 formas de estimar o tempo de execução de programas e decidir quais são os melhores Empírica ou teoricamente É desejável e possível

Leia mais

ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO TEÓRICA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR

ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO TEÓRICA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO TEÓRICA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR 2 EMENTA Conceito de algoritmo. Lógica de programação e programação estruturada. Linguagem de definição de algoritmos.

Leia mais

Circuitos Aritméticos

Circuitos Aritméticos Circuitos Aritméticos Semi-Somador Quando queremos proceder à realização de uma soma em binário, utilizamos várias somas de dois bits para poderemos chegar ao resultado final da operação. Podemos, então,

Leia mais

Figura 8: modelo de Von Neumann

Figura 8: modelo de Von Neumann 3. ORGANIZAÇÃO DE SISTEMA DE COMPUTADORES Olá, caro aluno! Neste capítulo vamos ver como são organizados os componentes que formam um sistema computacional. O conceito é histórico, mas é aplicado até os

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos Orientação a Objetos 1. Manipulando Atributos Podemos alterar ou acessar os valores guardados nos atributos de um objeto se tivermos a referência a esse objeto. Os atributos são acessados pelo nome. No

Leia mais

O Sistema de Computação

O Sistema de Computação Departamento de Ciência da Computação - UFF O Sistema de Computação Profa. Débora Christina Muchaluat Saade debora@midiacom.uff.br O Sistema de Computação Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes

Leia mais

Introdução a Programação Aula 01

Introdução a Programação Aula 01 Introdução a Programação Aula 01 Prof. Bruno Crestani Calegaro Curso de Sistemas de Informação ELC1064 Lógica e Algoritmo 1 O que é um computador? Máquina programável genérica Constituído por: Processador

Leia mais

Escola Secundária c/3º CEB José Macedo Fragateiro. Curso Profissional de Nível Secundário. Componente Técnica. Disciplina de

Escola Secundária c/3º CEB José Macedo Fragateiro. Curso Profissional de Nível Secundário. Componente Técnica. Disciplina de Escola Secundária c/3º CE José Macedo Fragateiro Curso Profissional de Nível Secundário Componente Técnica Disciplina de Sistemas Digitais e Arquitectura de Computadores 2009/2010 Módulo 2: Álgebra e Lógica

Leia mais

Ferramenta 8: Fluxograma

Ferramenta 8: Fluxograma ferramentas apresentadas 1. Brainstorming 2. Estratificação 3. Folha de Verificação 4. Diagrama de Pareto 5. Gráfico sequencial / carta de tendência 6. Diagrama de causa e feito 7. Diagrama de Dispersão

Leia mais

Agenda. O que é Testar? Por que testar? Quando testar? Processo de teste Níveis de teste Tipos de teste Classificação dos testes.

Agenda. O que é Testar? Por que testar? Quando testar? Processo de teste Níveis de teste Tipos de teste Classificação dos testes. Agenda O que é Testar? Conceitos Por que testar? Quando testar? Custo do defeito Processo de teste Níveis de teste Tipos de teste Classificação dos testes Entendendo o que é TESTAR Testar é analisar um

Leia mais

Modelos Matemáticose Classificaçãode Robôs

Modelos Matemáticose Classificaçãode Robôs Modelos Matemáticose Classificaçãode Robôs Curso Engenharia de Controle e Automação Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/unipac.html alexvbh@gmail.com 1 Agenda Introdução Modelos Matemáticos de Robôs

Leia mais

Interpretações de Qualidade de Software. Interpretações de Qualidade de Software. Aspectos Importantes das Definições de Qualidade

Interpretações de Qualidade de Software. Interpretações de Qualidade de Software. Aspectos Importantes das Definições de Qualidade terpretações de de é um termo que pode ter diferentes interpretações e para se estudar a qualidade de software de maneira efetiva é necessário, inicialmente, obter um consenso em relação à definição de

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Curso, ora criado, será oferecido no turno noturno, com 10 semestres de duração e com 50 vagas iniciais.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Curso, ora criado, será oferecido no turno noturno, com 10 semestres de duração e com 50 vagas iniciais. RESOLUÇÃO CONSEPE 27/2001 CRIA E IMPLANTA O CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO, NO CCT, DO CÂMPUS DE CAMPINAS. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Processo de Desenvolvimento de Software Programação Orientada a Objetos Prof. Francisco de Assis S. Santos, Dr. São José, 2015. Processo de Desenvolvimento de Software O desenvolvimento de software é uma

Leia mais

Semana 7 Resolução de Sistemas Lineares

Semana 7 Resolução de Sistemas Lineares 1 CÁLCULO NUMÉRICO Semana 7 Resolução de Sistemas Lineares Professor Luciano Nóbrega UNIDADE 1 2 INTRODUÇÃO Considere o problema de determinar as componentes horizontais e verticais das forças que atuam

Leia mais

O cilindro deitado. Eduardo Colli

O cilindro deitado. Eduardo Colli O cilindro deitado Eduardo Colli São poucas as chamadas funções elementares : potências e raízes, exponenciais, logaritmos, funções trigonométricas e suas inversas, funções trigonométricas hiperbólicas

Leia mais

Glossário de Aprendizagem Motora

Glossário de Aprendizagem Motora Glossário de Aprendizagem Motora Prof. Dr. Luciano Basso Lacom_EEFE 1. Ação: a descrição da ação é feita com base na intenção e no objetivo que se pretende alcançar. Ela é identificada pela meta à qual

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 8.º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL 1. Representação, comparação e ordenação. Representar números racionais

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Apresentado por: Ricardo Quintão

Arquitetura TCP/IP. Apresentado por: Ricardo Quintão Arquitetura TCP/IP Apresentado por: Ricardo Quintão Roteiro Conexões Inter-redes Serviço Universal Rede Virtual (inter-rede ou internet) Protocolos para ligação inter-redes (TCP/IP) Divisão em camadas

Leia mais

Arquitectura interna de um computador

Arquitectura interna de um computador Arquitectura interna de um computador Trabalho elaborado por: Carla Ventura e Sandra Jacinto 1 Descrição de uma tarefa Fases de execução de uma tarefa Unidades de execução de uma tarefa Computador como

Leia mais

Qualidade de Produto. Maria Cláudia F. P. Emer

Qualidade de Produto. Maria Cláudia F. P. Emer Qualidade de Produto Maria Cláudia F. P. Emer Introdução Qualidade diretamente ligada ao produto final Controle de qualidade Adequação do produto nas fases finais no processo de produção Software Atividades

Leia mais

Modelos de Ciclo de Vida de Software

Modelos de Ciclo de Vida de Software Análise 1 Modelos de Ciclo de Vida de Software Um ciclo de vida do software é um período aproximado do desenvolvimento de software, com capacidade de entrega específica e marcos dentro de cada fase. Um

Leia mais

Entrada e Saída Transmissão Serial e Paralela

Entrada e Saída Transmissão Serial e Paralela Infra-Estrutura de Hardware Entrada e Saída Transmissão Serial e Paralela Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Introdução Transmissões Serial (síncrona e assíncrona) e Paralela

Leia mais

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana Tema 01 Apresentação do PEA. Fundamentos

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SISTEMA DE DETECÇÃO VEICULAR OVERHEAD

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SISTEMA DE DETECÇÃO VEICULAR OVERHEAD ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SISTEMA DE DETECÇÃO VEICULAR OVERHEAD SUMÁRIO 1. SISTEMA DE DETECÇÃO OVERHEAD... 2 2. PROCEDIMENTO DE TESTE DE SISTEMA DE DETECÇÃO OVERHEAD PARA O SISTEMA SCOOT... 3 3. DOCUMENTAÇÃO...

Leia mais

CAP. II RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES NÃO LINEARES

CAP. II RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES NÃO LINEARES CAP. II RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES NÃO LINEARES Vamos estudar alguns métodos numéricos para resolver: Equações algébricas (polinómios) não lineares; Equações transcendentais equações que envolvem funções

Leia mais

Teste de Funções por Cobertura do Grafo de Fluxo de Controle

Teste de Funções por Cobertura do Grafo de Fluxo de Controle Teste de Funções por Cobertura do Grafo de Fluxo de Controle Programação II Universidade de Lisboa Faculdade de Ciências Departamento de Informática Licenciatura em Tecnologias da Informação Vasco Thudichum

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO QUANTITATIVO

RACIOCÍNIO LÓGICO QUANTITATIVO RACIOCÍNIO LÓGICO QUANTITATIVO AULA 1 ESTUDO DA LÓGICA O estudo da lógica é o estudo dos métodos e princípios usados para distinguir o raciocínio correto do incorreto. A lógica tem sido freqüentemente

Leia mais

Engenharia de Software. Ciclos de Vida do Software. 1. Sistemas

Engenharia de Software. Ciclos de Vida do Software. 1. Sistemas Engenharia de Software Profa. Dra. Lúcia Filgueiras Profa. Dra. Selma S. S. Melnikoff Ciclos de Vida do Software 1. Sistemas 2. Crise do software 3. Caracterização do software 4. Ciclos de vida do software

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 5 Sistemas Biométricos 1. Sistema Biométrico Típico Qualquer que seja a característica

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL CENTRO DE ENGENHARIA DA MOBILIDADE

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL CENTRO DE ENGENHARIA DA MOBILIDADE CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA Fatoração Equação do 1º Grau Equação do 2º Grau Aula 02: Fatoração Fatorar é transformar uma soma em um produto. Fator comum: Agrupamentos: Fatoração Quadrado Perfeito Fatoração

Leia mais

Lógica de Programação. Profas. Simone Campos Camargo e Janete Ferreira Biazotto

Lógica de Programação. Profas. Simone Campos Camargo e Janete Ferreira Biazotto Lógica de Programação Profas. Simone Campos Camargo e Janete Ferreira Biazotto O curso Técnico em Informática É o profissional que desenvolve e opera sistemas, aplicações, interfaces gráficas; monta estruturas

Leia mais

Erros e Incertezas. Rafael Alves Batista Instituto de Física Gleb Wataghin Universidade Estadual de Campinas (Dated: 10 de Julho de 2011.

Erros e Incertezas. Rafael Alves Batista Instituto de Física Gleb Wataghin Universidade Estadual de Campinas (Dated: 10 de Julho de 2011. Rafael Alves Batista Instituto de Física Gleb Wataghin Universidade Estadual de Campinas (Dated: 10 de Julho de 2011.) I. INTRODUÇÃO Quando se faz um experimento, deseja-se comparar o resultado obtido

Leia mais

ANEXO 3 GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES

ANEXO 3 GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES ANEXO 3 GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES 1 OBJETIVO O objetivo do Gerenciamento de Modificações consiste em prover um procedimento ordenado e sistemático de análise dos possíveis riscos introduzidos por modificações,

Leia mais

Introdução. Qualidade de Produto. Introdução. Introdução ISO/IEC 9126. Normas

Introdução. Qualidade de Produto. Introdução. Introdução ISO/IEC 9126. Normas Qualidade de Produto Maria Cláudia F.P. Emer Introdução z Qualidade diretamente ligada ao produto final z Controle de qualidade Adequação do produto nas fases finais no processo de produção z Software

Leia mais

Tipos de problemas de programação inteira (PI) Programação Inteira. Abordagem para solução de problemas de PI. Programação inteira

Tipos de problemas de programação inteira (PI) Programação Inteira. Abordagem para solução de problemas de PI. Programação inteira Tipos de problemas de programação inteira (PI) Programação Inteira Pesquisa Operacional I Flávio Fogliatto Puros - todas as variáveis de decisão são inteiras Mistos - algumas variáveis de decisão são inteiras

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada Aula 1 Introdução Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Departamento de Ciências Exatas e Naturais Universidade Federal Rural do Semi-Árido Introdução Informática informação aplicada; Pressupõe

Leia mais

LINHAS MESTRAS; FASES; DISCIPLINAS; PRINCÍPIOS E MELHORES PRÁTICAS.

LINHAS MESTRAS; FASES; DISCIPLINAS; PRINCÍPIOS E MELHORES PRÁTICAS. INTRODUÇÃO O processo de engenharia de software define quem faz o quê, quando e como para atingir um determinado objetivo. Neste trabalho, iremos dissertar sobre o Rational Unified Process, ou RUP, que

Leia mais

Plano de Ensino PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA - CCE0292

Plano de Ensino PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA - CCE0292 Plano de Ensino PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA - CCE0292 Título PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA Código da disciplina SIA CCE0292 16 Número de semanas de aula 4 Número

Leia mais

Montadores e Compiladores

Montadores e Compiladores Montadores e Compiladores Prof. Idevar Gonçalves de Souza Júnior Conteúdo Programático Resumido Revisão da Arquitetura de Computadores Introdução a Teoria das Linguagens Compilação e Interpretação Análise

Leia mais

- Campus Salto. Disciplina: Sistemas de Arquivos Docente: Fernando Santorsula E-mail: fernandohs@ifsp.edu.br

- Campus Salto. Disciplina: Sistemas de Arquivos Docente: Fernando Santorsula E-mail: fernandohs@ifsp.edu.br Disciplina: Sistemas de Arquivos Docente: Fernando Santorsula E-mail: fernandohs@ifsp.edu.br Sistemas de Arquivos- Parte 2 Pontos importantes de um sistema de arquivos Vários problemas importantes devem

Leia mais

BANCO DE DADOS. Professor: André Dutton

BANCO DE DADOS. Professor: André Dutton BANCO DE DADOS Professor: André Dutton BASES TECNOLÓGICAS Conceito de bases de dados. Modelos conceituais de informações. Modelos de dados: relacional, de redes e hierárquicos. Introdução à teoria relacional:

Leia mais

Notas de aula de Lógica para Ciência da Computação. Aula 11, 2012/2

Notas de aula de Lógica para Ciência da Computação. Aula 11, 2012/2 Notas de aula de Lógica para Ciência da Computação Aula 11, 2012/2 Renata de Freitas e Petrucio Viana Departamento de Análise, IME UFF 21 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Ineficiência das tabelas de verdade

Leia mais

Algoritmos APRENDENDO A PROGRAMAR COM C#

Algoritmos APRENDENDO A PROGRAMAR COM C# Algoritmos APRENDENDO A PROGRAMAR COM C# Alô Mundo AULA 01 Conhecendo o ambiente O objetivo principal desse programa não é mostrar a mensagem Alo Mundo. O objetivo é apresentar o ambiente de desenvolvimento

Leia mais

Matemática - Módulo 1

Matemática - Módulo 1 1. Considerações iniciais Matemática - Módulo 1 TEORIA DOS CONJUNTOS O capítulo que se inicia trata de um assunto que, via-de-regra, é abordado em um plano secundário dentro dos temas que norteiam o ensino

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPTO. DE ENG. DE PRODUÇÃO E SISTEMAS 1 REDES PERT-CPM

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPTO. DE ENG. DE PRODUÇÃO E SISTEMAS 1 REDES PERT-CPM 1 REDES PERT-CPM UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPTO. DE ENG. DE PRODUÇÃO E SISTEMAS Durante a Revolução Industrial do século passado, um considerável aumento

Leia mais

Usando potências de 10

Usando potências de 10 Usando potências de 10 A UUL AL A Nesta aula, vamos ver que todo número positivo pode ser escrito como uma potência de base 10. Por exemplo, vamos aprender que o número 15 pode ser escrito como 10 1,176.

Leia mais

Orientações gerais. Apresentação

Orientações gerais. Apresentação Apresentação O professor no Ensino Fundamental anos iniciais é um profissional polivalente e portanto seu campo de atuação é amplo. Seu dever é aproximar o aluno das quatro áreas do conhecimento: Linguagem

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MANUTENÇÃO DOSADOR MICRO-ESFERA E MOTOR DE PASSO

MANUAL DE OPERAÇÃO MANUTENÇÃO DOSADOR MICRO-ESFERA E MOTOR DE PASSO MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DOSADOR MICRO-ESFERA E MOTOR DE PASSO MODELO: N O DE SÉRIE: FABRICAÇÃO: / / 1 INTRODUÇÃO É com grande satisfação que a INEAL ALIMENTADORES LTDA coloca mais um equipamento

Leia mais

Até o momento, vimos que a estrutura de um computador segue uma seqüência: ENTRADA => PROCESSAMENTO => SAÍDA

Até o momento, vimos que a estrutura de um computador segue uma seqüência: ENTRADA => PROCESSAMENTO => SAÍDA Curso de Sistemas de Informação Disciplina: Algoritmos 1º e 2º Períodos Turmas 216071A, 216071B e 216062 Notas de Aula Aulas 07, 08 e 09. Professor: Edkallenn Aula 07 Variáveis Talvez o conceito de variável

Leia mais

Introdução à Programação. Funções e Procedimentos. Prof. José Honorato F. Nunes honoratonunes@gmail.com

Introdução à Programação. Funções e Procedimentos. Prof. José Honorato F. Nunes honoratonunes@gmail.com Introdução à Programação Funções e Procedimentos Prof. José Honorato F. Nunes honoratonunes@gmail.com RESUMO DA AULA SUB-ROTINAS: Procedimentos Funções Escopo de variáveis Parâmetros Prof. José Honorato

Leia mais

Exercícios de Fixação Aulas 05 e 06

Exercícios de Fixação Aulas 05 e 06 Disciplina: TCC-0.0 Prog. de Computadores III Professor: Leandro Augusto Frata Fernandes Turma: E- Data: / / Exercícios de Fixação Aulas 0 e 0. Construa um algoritmo (pseudocódigo e fluxograma) que determine

Leia mais

Programação de Computadores I. Linguagem C Função

Programação de Computadores I. Linguagem C Função Linguagem C Função Prof. Edwar Saliba Júnior Fevereiro de 2011 Unidade 07 Função 1 Conceitos As técnicas de programação dizem que, sempre que possível, evite códigos extensos, separando o mesmo em funções,

Leia mais

Definição de determinantes de primeira e segunda ordens. Seja A uma matriz quadrada. Representa-se o determinante de A por det(a) ou A.

Definição de determinantes de primeira e segunda ordens. Seja A uma matriz quadrada. Representa-se o determinante de A por det(a) ou A. Determinantes A cada matriz quadrada de números reais, pode associar-se um número real, que se designa por determinante da matriz Definição de determinantes de primeira e segunda ordens Seja A uma matriz

Leia mais

MODELO DE DADOS RASTER OU VECTORIAL NO DESENVOLVIMENTO DE UM SIG

MODELO DE DADOS RASTER OU VECTORIAL NO DESENVOLVIMENTO DE UM SIG Mestrado em C&SIG CIÊNCIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA MODELO DE DADOS RASTER OU VECTORIAL NO DESENVOLVIMENTO DE UM SIG Lisboa, Abril, 2003 Aplicação ao sector das Sondagens Geológicas do Instituto

Leia mais

Dicas de como contornar a crise (e até sair dela)

Dicas de como contornar a crise (e até sair dela) Dicas de como contornar a crise (e até sair dela) Em tempos de crise, economia é essencial. Todas as empresas buscam uma redução enorme dos seus custos e despesas. Também fazem uma análise criteriosa dos

Leia mais

COMPUTAÇÃO. O estudante deve ser capaz de apontar algumas vantagens dentre as seguintes, quanto à modalidade EaD:

COMPUTAÇÃO. O estudante deve ser capaz de apontar algumas vantagens dentre as seguintes, quanto à modalidade EaD: COMPUTAÇÃO QUESTÃO DISCURSIVA 1 O estudante deve ser capaz de apontar algumas vantagens dentre as seguintes, quanto à modalidade EaD: (i) flexibilidade de horário e de local, pois o aluno estabelece o

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA PLANIFICAÇÃO ANUAL Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 11º ANO Ano Letivo 2014 / 2015 PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO

Leia mais

Anterior Sumário Próximo MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS

Anterior Sumário Próximo MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS Anterior Sumário Próximo MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS Clicando em, o usuário é conduzido para uma tela onde os conteúdos estão separados por blocos, que são acessados a medida que clicamos em cada

Leia mais

5. ESTRUTURA DE CONTROLE TOMADA DE DECISÕES

5. ESTRUTURA DE CONTROLE TOMADA DE DECISÕES 5. ESTRUTURA DE CONTROLE TOMADA DE DECISÕES...2 5.1 SELEÇÃO OU ALTERNATIVA SIMPLE...2 5.2 SELEÇÃO OU ALTERNATIVA COMPOSTA...2 5.3 SELEÇÃO OU ALTERNATIVA SE S ANINHADOS OU ENCADEADOS...3 5.4 ESTRUTURAS

Leia mais

Avaliação e Desempenho Aula 1 - Simulação

Avaliação e Desempenho Aula 1 - Simulação Avaliação e Desempenho Aula 1 - Simulação Introdução à simulação Geração de números aleatórios Lei dos grandes números Geração de variáveis aleatórias O Ciclo de Modelagem Sistema real Criação do Modelo

Leia mais

Glossário Versão 1.0 Desenvolvimento do Sistema de Gestão de Documentos Doc Manager Histórico de Revisão

Glossário Versão 1.0 Desenvolvimento do Sistema de Gestão de Documentos Doc Manager Histórico de Revisão Glossário Versão 1.0 Desenvolvimento do Sistema de Gestão de Documentos Doc Manager Cliente: São José Agroindustrial Representante do cliente: Paulo José de Souza Histórico de Revisão 1 Data Versão Descrição

Leia mais

O PENSAMENTO ALGÉBRICO

O PENSAMENTO ALGÉBRICO NOME: ANO: 8º ENSINO: FUNDAMENTAL TURMA: DATA: / / PROF(ª): GREGORIO TOMAS GONZAGA LÓGICA E MATEMÁTICA - APOSTILA (2º BIMESTRE) IMPORTANTE 1 Organize-se, guardando cada lista de exercícios que receber

Leia mais

Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário

Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário INFORMAÇÃO EXAME DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B 2016 12º ANO DE ESCOLARIDADE (DECRETO-LEI N.º 139/ 2012, DE 5 DE JULHO) Prova 163 Escrita e Prática

Leia mais

Gerenciamento de Integração. Prof. Anderson Valadares

Gerenciamento de Integração. Prof. Anderson Valadares Gerenciamento de Integração Prof. Anderson Valadares 1. Conceito A área de conhecimento em gerenciamento de integração do projeto inclui processos e as atividades necessárias para identificar, definir,

Leia mais

Métodos Formais. Agenda. Relações Binárias Relações e Banco de Dados Operações nas Relações Resumo Relações Funções. Relações e Funções

Métodos Formais. Agenda. Relações Binárias Relações e Banco de Dados Operações nas Relações Resumo Relações Funções. Relações e Funções Métodos Formais Relações e Funções por Mauro Silva Agenda Relações Binárias Relações e Banco de Dados Operações nas Relações Resumo Relações Funções MF - Relações e Funções 2 1 Relações Binárias Definição

Leia mais

Prof. MSc. David Roza José 1/26

Prof. MSc. David Roza José 1/26 1/26 Sistemas Lineares Objetivos: Entender a notação matricial; Identificar matrizes: identidade, diagonal, simétrica, triangular e tridiagonal; Como multiplicar matrizes e verificar quando esta multiplicação

Leia mais