Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1. Aula 6 SENAC TI Fernando Costa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1. Aula 6 SENAC TI Fernando Costa"

Transcrição

1 Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1 Aula 6 SENAC TI Fernando Costa

2 Agenda Objetivo Início (boot) do sistema (/var/log/messages, dmesg, BIOS, bootloader, kernel, init) Objetivo Alternar runlevels, desligar e reiniciar o sistema (/etc/inittab, shutdown, init, /etc/init.d, telinit) Objetivo Instalar o gerenciador de inicialização (/boot/grub/menu.lst, grub-install, MBR, superblock, /etc/lilo.conf, lilo) Objetivo Configurar e recorrer a arquivos de log (syslog.conf, syslogd, klogd, logger)

3 Agenda Objetivo Início (boot) do sistema /var/log/messages dmesg, BIOS, bootloader, kernel, init

4 Syslogd /var/log/messages

5 dmesg

6 Ciclo de vida do sistema: Ligamento & Desligamento Power on Power off Boot Kernel Init OS Init RUN! Shut down

7 Terminologia de boot Loader: Programa que move bits do disco (comumente) para memória e transfere o controle da CPU para os bits carregados na memória (executado). Bootloader / Bootstrap: Programa que carrega o primeiro programa (o kernel). Boot PROM / PROM Monitor / BIOS: Código persistente de já está carregado ao ligar o computador. Boot Manager: Programa que você escolheu como primeiro programa a ser carregado.

8 LILO: LInux LOader Um boot manager versátil que suporta: Seleção do Kernel do Linux. Seleção dos parâmetros do kernel durante o Boot. Bootar kernel não-linux (ex: Windows). Uma variedade de configurações. Características: Armazenado na MBR ou na partição marcada para boot. Tem conhecimento da estrutura do sistema de arquivo Criar um setor que mapeia arquivos (mapeia blocos) para localizar o kernel. /sbin/lilo map installer. /etc/lilo.conf é o arquivo de configuração do lilo.

9 Exemplo do lilo.conf boot=/dev/hda map=/boot/map install=/boot/boot.b prompt timeout=50 default=linux image=/boot/vmlinuz label=linux initrd=/boot/initrd img read-only root=/dev/hda1

10 LILO x GRUB LILO Roda o LILO para modificar o mini-bootloader na MBR Não pode ler o sistema de arquivo sozinho GRUB Loader multi-estágio Pode ler o sistema de arquivo sozinho

11 Processo Init (1) Questão de prova: Qual é o PID do processo INIT?

12 init Quando o kernel inicia (é carregado na memória, começou a rodar, e está iniciando todos os drivers de dispositivos e estruturas de dados e tal), termina a sua parte do processo de boot ao iniciar um programa em nível de usuário, init. Assim, o init é sempre o primeiro processo (o seu número do processo é sempre 1). O kernel procura init em alguns locais que têm sido historicamente utilizado por ele, mas o local adequado para ele (em um sistema Linux) é /sbin/init. Se o kernel não consegue encontrar init, ele tenta executar /bin/sh, e se isso também falhar, a inicialização do sistema vai falhar. Quando o init é iniciado, ele termina o processo de boot, fazendo uma série de tarefas administrativas, tais como verificação de disco, limpeza de / tmp, começando diversos serviços, e iniciar um getty para cada terminal e console virtual, onde os usuários devem ser capazes de logar.

13 Hierarquia de processos *nix [0] /etc/inittab init [1] Daemon e.g. httpd Login shell Filho Filho Filho Neto Neto

14 pstree Kernel threads, não são processos reais Fork de processos para conexões de rede

15 Sequencia de inicialização Power-on Boot loader LILO Load Kernel Create init process hardware Linux rc.sysinit runlevel 0-6 rc.local Ready Initialisation Scripts

16 Arquivos de inicialização Como são iniciados os serviços? /etc/rc.local Inicialização dos runlevels processo init e o arquivo /etc/inittab Níveis do init no linux: # Default runlevel. The runlevels used are: # 0 - halt (Do NOT set initdefault to this) # 1 - Single user mode # 2 - Multiuser, without NFS (The same as 3, if you do not have networking) # 3 - Full multiuser mode # 4 - unused # 5 - X11 # 6 - reboot (Do NOT set initdefault to this)

17 Scripts de inicialização /etc/inittab informa ao init onde os scripts estão /etc/init.d diretórios dos script /etc/rc*.d link para o diretórios dos scripts

18 Arquivos de inicialização Endetendendo o /etc/inittab Nome : runlevel : Ação : Processo id:5:initdefault: # System initialization. si::sysinit:/etc/rc.d/rc.sysinit l0:0:wait:/etc/rc.d/rc 0 l1:1:wait:/etc/rc.d/rc 1 l2:2:wait:/etc/rc.d/rc 2 l3:3:wait:/etc/rc.d/rc 3 l4:4:wait:/etc/rc.d/rc 4 l5:5:wait:/etc/rc.d/rc 5 l6:6:wait:/etc/rc.d/rc 6

19 Algumas ações do inittab Ação Boot Bootwait Ctrlaltdel Initdefault Off Once Powerfail Powerokwait Respawn Sysinit Wait Descrição Executa quando o sistema boota Aguarda o Init carregar Configura o nível padrão do runlevel Desabilita a linha Para todos os runlevels especificados Quando o init receber o sinal SIGPWR SIGPWR e /etc/powerstatus estão ok Reinicia o processo quando ele for terminado Antes de qualquer boot Esperar todos runlevels carregarem

20 Inicialização do Linux rc.sysinit script /etc/rc.d/rc.sysinit uma lista de tarefas básicas incluindo: Configura a rede Configura o host name Verifica o sistema de arquivos / Verifica a quota do sistema de arquivo / Monta os outros sistemas de arquivos fazendo a verificação e reparação Habilita o Swap (Subsistema de memória virtual) Verifica e carrega os módulos (drivers) (veja o /var/log/messages)

21 Linux Run Levels O Linux define 7 run levels Cada run level define uma lista de programas/comandos que serão iniciados ou parados. Este comandos estão no diretório /etc/init.d E os diretórios dos níveis de runlevel (rc0.d, rc2.d rc6.d) contém links para os diretórios de inicialização Os comandos possuem o prefíxo S ou K e são numerados de 00 a 99 S é um prefixo para os processos que serão iniciados (started) S10network K é um prefixo para os processos que serão parados/mortos (killed) K70syslog Os número determinam a ordem que os comandos serão executados, do menor para o maior

22 Shutdown shutdown permite... Aos usuários o recebimento de um aviso Que os arquivos sejam sincronizados com o disco evitando quebras Marcar o sistema de arquivos como finalizado/desmontado ( liberando o disco de um verificação na inicialização) O acesso ao comando é restrito (está localizado no /sbin) exemploshutdown -h now h = halt r = reboot

23 Internet Daemon O Daemon inetd iniciar no momento do boot A configuração dele é feita no arquivo /etc/inetd.conf Nome, Tipo, Protocolo, wait-status, uid, Servidor, Argumentos # ftp stream tcp6 nowait root /usr/sbin/tcpd in.ftpd telnet stream tcp6 nowait root /usr/sbin/tcpd in.telnetd # # Mail is a useful thing... pop3 stream tcp nowait root /etc/mail/popper popper -s imap stream tcp nowait root /etc/mail/imapd imapd

24

25 Internet Daemon Quando modificamos o inetd.conf Para disabilitar um serviço Adicionamos # no início da linha Enviamos um sinal de hang-up para o processo inetd kill HUP [processid] Habilitar um serviço Mudar uma pasta Mudar os argumentos

26 Extensão do Internet Daemon Daemon xinetd Arquivo de configuração /etc/xinetd.conf e o diretório /etc/xinetd.d Atributo/valor par Disable = yes/no

27 Agendamento de tarefas - cron Muitos aspéctos da administração de um sistema necessitam de algumas rotinas básicas Rotatividade de históricos (log rotate) Criação de arquivos de ajuda Verificação de espaço em disco Verificação de permissão Lembrar destas tarefas é um ação muito difícil O Linux provê um mecanismo de agendamento chamado de cron ou anacron. O cron tem duas partes Daemon - crond Tabela de ações /etc/crontab

28 Cron O agendador crond Daemon é iniciado no momento do boot O daemon acorda a cada minuto para verificar a tabela de ações/atividades Se tiver alguma atividade -> ele executa Se não --> ele volta depois de dormir por 1 min A tabela Cron é uma lista de tempos e comandos. O formato dela é: minuto hora dia mês dia_da_semana comando

29 Crontab Os comandos podem ser agendados por: minuto (0 59) hora ( 0 a 23) dia do mês (1-31) mês ( 1 a 12) Dia da semana (0=Domingo 6 = Sábado, ou use mon, tues, wed) Exemplo 01 * * * * commnd2 # todas as horas no primeiro minutos * 1 * * * commnd2 # diariamente todaily at 1 am 04 1 * * * commands # Roda todo 4º minuto da 1ª hora do dia * Todos os meses

30 Cron Sistemas baseados no Redhat Linux usam a tabela de cron em diretórios especiais: /etc/cron.hourly /etc/cron.daily Contém o logrotate, makewhatis, slocate, tmpwatch /etc/cron.weekly /etc/cron.monthly Você pode adicionar um comando no diretório apropriado mas lembrese que ele tem que ser executável e rodará automaticamente!

31 Comandos da crontab crontab Replace ^C exit crontab l Lista crontab e Edita crontab l > cronfile crontab cronfile cron.allow cron.deny

32 Usos comuns para o CRON Limpeza o sistema de arquivos Rotatividade dos logs Backups

33 Conceitos avançados de boot Disco RAM inicial (initrd) dois estágios para flexibilidade (utilizados nos live-cds): Monta primeiro a ram com o / Executa o LinuxRC para fazer uma configuração adicional. Finalmente monta o / real e continua Veja a documentação initrd.txt para mais detalhes. Depois veja o man initrd. Boot de rede (Net booting): Remote root (Diskless-root-HOWTO). Diskless boot (Diskless-HOWTO).

34 Inicialização do sistema Visão geral do processo de boot de um PC Quando um PC é ligado, a BIOS (Basic Input- Output System) roda primeiro, seguida pelo boot loader e finalmente pelo rotina de inicialização do sistema operacional.

35 Inicialização do sistema o BIOS Quando a energia é inicialmente aplicada ao computador este aciona o pino RESET do processador. Isso faz o processador ler endereço de memória 0xFFFFFFF0 e começar a executar do código deste endereço. Este endereço é mapeado para o Read-Only Memory (ROM) que contém a BIOS. O BIOS deve consultar o hardware e criar um ambiente capaz de inicializar o sistema operacional. As funcionalidades de BIOS podem ser dividida em três áreas: Power On Self Test (POST), a instalação e inicialização. A última ação da BIOS é para executar a 19ª interrupção, que carrega o primeiro setor do primeiro dispositivo de inicialização. Uma vez que esta é a localização do boot loader, a execução do controle de transferências da 19ª interrupção para o boot loader.

36 Inicialização do sistema O Boot Loader Uma vez que o BIOS carrega o primeiro setor do dispositivo de boot para a RAM, o Loader inicia a execução. No caso de um disco rígido, este primeiro setor é conhecido como o Master Boot Record (MBR). O MBR contém a tabela de partição descrevendo as partições definidas no disco rígido. Ele também poder conter um programa, o bootloader, que carrega o primeiro setor da partição marcada como ativa para a RAM e executa. O tamanho da MBR é limitada a um sector em disco ou 512 bytes, uma vez que está localizado no primeiro setor do disco no cilindro 0, cabeça 0, setor 1. Normalmente, bootloaders são altamente integrados com o sistema operacional que suportam. Essa integração reduz as operações que um gerenciador de boot deve executar, tornando possível possuir só 512 bytes. Quando mais funcionalidade é necessária, um loader multi-estágio pode ser utilizado. Um loader multi-estágio oferece mais funções e flexibilidade de trabalho em torno da limitação do tamanho de 512 bytes. Não se tratava de um único programa que carrega o sistema operacional diretamente, gestores de boot multi-estágio dividem sua funcionalidade em uma série de pequenos programas que cada cargam sucessivamente uns aos outros.

37 Inicialização do Sistema Inicialização do Sistema Operacional Quando o bootloader é carregado, uma imagem do S.O. é carregada na memória e o controle da CPU é transferido para o S.O. Um grande aspécto da inicialização é o estabelecimento do gerenciamento da memória virtual. Tarefas adicionais incluem a inicialização de drivers de dispositivos e a criação da tabela de interrupções - Interrupt Descriptor Table (IDT). Outra tarefa da inicialização é estabelecer suporte a outros tipos de sistema e montar o sistema de arquivos /

38 Inicialização do Sistema Inicialização do Sistema Operacional O processo de inicialização deve, explicitamente, trazer para si todas as tarefas realizadas por uma chamada de fork(). 0 processo deve ser capaz de se auto-gerir o seu contexto próprio processo. Uma vez que este contexto foi criado, o sistema tem a capacidade de suspender e retomar a execução do Processo e subprocesso(fork). Processo 1, comumente referido como o processo de inicialização, é o primeiro processo, é um fork do processo 0.

39 Inicialização do Sistema

40 Inicialização do Sistema

41 Inicialização do Sistema

42 Inicialização do Sistema

43 Inicialização do Sistema O Kernel inicia o / em modo somente leitura(read only ro) e roda o processo init E o resultado disso é: Um sistema em R.O. Processo init O próximo passo da inicialização é carregar o ambiente do usuário baseado na configuração do arquivo /etc/inittab

44 Agenda Objetivo Início (boot) do sistema (/var/log/messages, dmesg, BIOS, bootloader, kernel, init) Objetivo Alternar runlevels, desligar e reiniciar o sistema (/etc/inittab, shutdown, init, /etc/init.d, telinit) Objetivo Instalar o gerenciador de inicialização (/boot/grub/menu.lst, grub-install, MBR, superblock, /etc/lilo.conf, lilo) Objetivo Configurar e recorrer a arquivos de log (syslog.conf, syslogd, klogd, logger)

45 Fernando Costa

Gerenciamento de Boot

Gerenciamento de Boot - Gerenciamento de Boot é um meio de você configurar e trabalhar com diversos sistemas operacionais instalados. - Gerenciador de Boot é um pequeno software instalado no Master Boot Record (MBR) nas trilhas

Leia mais

Gerenciamento do Processo de Inicialização do Linux

Gerenciamento do Processo de Inicialização do Linux Gerenciamento do Processo de Inicialização do Linux Material desenvolvido por Rafael Fernando Diorio Última revisão em 04/08/2013 www.diorio.com.br rafael@diorio.com.br Tópicos Inicialização do sistema

Leia mais

Sistemas Embarcados. Filesystem Hierarchy Standard (FHS) Root filesystem. Aula 06

Sistemas Embarcados. Filesystem Hierarchy Standard (FHS) Root filesystem. Aula 06 Introdução Sistemas Embarcados Root File System Linux (kernel) é apenas uma parte de um sistema embarcado Preciso executa a inicialização do sistema e de aplicações Necessário montar o sistema de arquivos

Leia mais

838 - Linux - administração. Administração avançada do Linux

838 - Linux - administração. Administração avançada do Linux 838 - Linux - administração Administração avançada do Linux Processo INIT O processo init é o primeiro processo iniciado no Linux, após o carregamento do kernel do sistema. Quando é disparado, o init continua

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais Professor: Cristiano Mariotti procrismar@globo.com

Disciplina: Sistemas Operacionais Professor: Cristiano Mariotti procrismar@globo.com Disciplina: Sistemas Operacionais Professor: Cristiano Mariotti procrismar@globo.com Equivalente a inicializar um computador ; Durante o bootstrapping, o kernel é carregado na memória principal e começa

Leia mais

O processo init. O processo init

O processo init. O processo init 7 O processo init O processo init é o primeiro programa executado pelo kernel de qualquer sistema operacional Linux/Unix na sua inicialização. Neste capítulo serão mostradas as diferenças de inicialização

Leia mais

Sistemas de Inicialização. Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas

Sistemas de Inicialização. Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas RUNLEVEL NÍVEIS DE EXECUÇÃO 15/08/11 1 Profº André Luiz 15/08/11 2 Profº André Luiz Durante o boot o Linux executa diversos processos em uma ordem

Leia mais

Introdução ao Linux. Kernel Boot loaders: lilo e grub. Arranque do sistema. José Pedro Oliveira (jpo@di.uminho.pt)

Introdução ao Linux. Kernel Boot loaders: lilo e grub. Arranque do sistema. José Pedro Oliveira (jpo@di.uminho.pt) (jpo@di.uminho.pt) Grupo de Sistemas Distribuídos Departamento de Informática Escola de Engenharia Universidade do Minho Sistemas Operativos 2005-2006 1 2 3 4 1 2 3 4 1 BIOS 2 Loader 3 4 Init 5 kernel

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistema de Inicialização BOOT 15/10/09 08:58 PM Prof. André Luiz 1 Sistema de Boot POST e BIOS Responsáveis pela inicialização do Hardware. Após realizar os testes iniciais (POST)

Leia mais

Kernel Linux. Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903. Representação artística do núcleo Linux

Kernel Linux. Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903. Representação artística do núcleo Linux Kernel Linux Representação artística do núcleo Linux Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903 Índice Introdução...2 O que é o Kernel...3 Como surgiu...4 Para que serve...5 Versões...6 Versões

Leia mais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Computação e Sistemas - DECSI Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Vicente Amorim vicente.amorim.ufop@gmail.com Sumário

Leia mais

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3 Cesar Kállas - cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 3 Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3 O HD tem espaço livre não particionado...3

Leia mais

Administração de Sistemas Orlando Sousa Aula 8 Tarefas e detalhes da Pós-instalação do Linux Resolução de problemas da instalação Ficheiros que permitem verificar a instalação e outros problemas: /root/install.log

Leia mais

Mini curso de GNU/Linux

Mini curso de GNU/Linux Rudson Ribeiro Alves Mestre em Física (Semi Condutores) Usuário Unix de 1991 1998 Usuário Slackware deste 1994 Professor da UVV deste 1998 Mini curso de GNU/Linux Noções básicas sobre GNU/Linux Plataforma

Leia mais

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record)

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record). Master Boot Record Primeiro setor de um HD (disco rígido) Dividido em duas áreas: Boot loader

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Módulo 2 - GERÊNCIA DE MEMÓRIA A memória é um recurso importante que deve ser gerenciado com cuidado. Para isso a maioria dos computadores tem uma hierarquização de memória, como visto na disciplina

Leia mais

Revisão LPI101. Tópicos e Objetivos. - 1.102 Instalação e Gerenciamento de Pacotes do Linux. - 1.104 Dispositivos, Sistemas de Arquivos Linux e o FHS

Revisão LPI101. Tópicos e Objetivos. - 1.102 Instalação e Gerenciamento de Pacotes do Linux. - 1.104 Dispositivos, Sistemas de Arquivos Linux e o FHS Tópicos e Objetivos - 1.101 Hardware e Arquitetura - - 1.103 Comandos GNU e Unix - 1.104 Dispositivos, Sistemas de Arquivos Linux e o FHS - 1.1.10 Sistema Xwindow 65 Questões em 90 minutos = 1m24s por

Leia mais

Administração de Sistemas GNU/Linux

Administração de Sistemas GNU/Linux Administração de Sistemas GNU/Linux Sistema de Inicialização do Linux e os Runlevels GRACO - Gestores da Rede Acadêmica de Computação Instrutor: Ibirisol Fontes Ferreira Monitor:

Leia mais

Gerenciamento de Processos

Gerenciamento de Processos - Um Processo é um Programa em Execução com todos os recursos necessários para este fim. - Cada Processo, quando em execução, enxergar como sendo possuidor de todos os recursos do sistema. - O Linux é

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Prof. André Yoshimi Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Apresentação Carga horária: 2 horas-aula/semana 2/11 Objetivos Possibilitar ao aluno: Entendimento

Leia mais

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 Comandos para manipulação de diretório 1. ls Lista os arquivos de um diretório. 2. cd Entra em um diretório. Você precisa ter a permissão de execução para entrar no diretório.

Leia mais

Onde vai o Quê em um Sistema Linux?! 1

Onde vai o Quê em um Sistema Linux?! 1 Onde vai o Quê em um Sistema Linux?! 1 Onde vai o Quê em um sistema Linux?! Um sistema Linux típico tem uma grande quantidade de arquivos, dos mais variados tipos, organizados em uma estrutura de árvore

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Sistema Operacional Conteúdo retirado do livro Sistemas Operacionais Marcos Aurélio Pchek Laureano Diogo Roberto Olsen

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Computadores. Super Servidor (Xinetd) Professor: Alexssandro Cardoso Antunes

Tópicos Especiais em Redes de Computadores. Super Servidor (Xinetd) Professor: Alexssandro Cardoso Antunes Tópicos Especiais em Redes de Computadores Super Servidor (Xinetd) Professor: Alexssandro Cardoso Antunes Roteiro Objetivos Instalação (projeto) Definições e Características Vantagens Possíveis Desconfortos

Leia mais

Capacitação Vix Linux. Marcos Alessandro By: Jacson RC Silva

Capacitação Vix Linux. Marcos Alessandro <marcos@doctum.edu.br> By: Jacson RC Silva <jacsonrcsilva@gmail.com> Capacitação Vix Linux Marcos Alessandro By: Jacson RC Silva GRUB The GRand Unified Bootloader Gestor de Inicialização GRUB O que é Primeiro programa ao

Leia mais

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Autor: Alexandre F. Ultrago E-mail: ultrago@hotmail.com 1 Infraestrutura da rede Instalação Ativando o usuário root Instalação do Webmin Acessando o Webmin

Leia mais

Sistemas Embarcados. Tarefas básicas de um bootloader. Configurações genéricas de boot. Aula 05

Sistemas Embarcados. Tarefas básicas de um bootloader. Configurações genéricas de boot. Aula 05 Introdução Sistemas Embarcados Bootloaders Bootloader é um componente fundamental Faz a inicialização do hardware e carrega o sistema operacional Difere entre sistemas embarcados e desktops Ainda que sejam

Leia mais

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação 1 ROM-BIOS ROM-BIOS Basic Input/Output System (Sistema Básico de Entrada/Saída). O termo é incorretamente conhecido como: Basic Integrated Operating

Leia mais

Como é o Funcionamento do LTSP

Como é o Funcionamento do LTSP Instalação e configuração do LTSP 5 no Ubuntu 11.04 Funcionamento do LTSP e Instalação do Servidor Como é o Funcionamento do LTSP O primeiro requisito para que o LSTP funcione bem é ter uma rede de boa

Leia mais

Recuperando o GRUB após instalação do Windows

Recuperando o GRUB após instalação do Windows Recuperando o GRUB após instalação do Windows PET Engenharia de Computação - http://www.inf.ufes.br/~pet 1 Instruções iniciais Para efetuar as configurações a seguir talvez precisaremos executar comandos

Leia mais

IX Técnicas Básicas para Trabalhar com Redes ( ifconfig, route ) Apêndice C Gerenciando distribuições baseadas em Red Hat

IX Técnicas Básicas para Trabalhar com Redes ( ifconfig, route ) Apêndice C Gerenciando distribuições baseadas em Red Hat I Por que Administrar? II Gerenciando Usuários III Entendendo o Diretório /etc IV Trabalhando com o LILO V Fazendo Backups VI Recompilando e Adaptando o Kernel VII Agendando Processos crontab & at VIII

Leia mais

LINUX. Da Teoria à Prática. Antonio Carlos Feitosa Costa (antonio@cbpf.br) CDI - Informática 1

LINUX. Da Teoria à Prática. Antonio Carlos Feitosa Costa (antonio@cbpf.br) CDI - Informática 1 LINUX Da Teoria à Prática Antonio Carlos Feitosa Costa (antonio@cbpf.br) CDI - Informática 1 Prefácio Há alguns anos, a mentalidade dos usuários de computador se resumia apenas em ligá-lo e usar alguns

Leia mais

LINX POSTOS AUTOSYSTEM

LINX POSTOS AUTOSYSTEM LINX POSTOS AUTOSYSTEM Manual Serviços e Agendamento Sumário 1 SERVIÇOS NO LINX POSTOS AUTOSYSTEM...3 2 CRIAR SERVIÇO...3 2.1 Agendamento de Tarefas Windows...5 2.2 Criar Serviço e Agendar Tarefas no Ubuntu-LINUX...6

Leia mais

Compilação de Programas a partir do código-fonte:

Compilação de Programas a partir do código-fonte: Compilação de Programas a partir do código-fonte: Descompactação do pacote com: # tar xvzf pacote.tar.gz (zipado) ou # tar xvjf pacote.tar.bz (bzipado) legenda: x: extrai (todo.tar é um saco de arquivos

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Pfsense Introdução e Instalação

Gerenciamento de Redes de Computadores. Pfsense Introdução e Instalação Pfsense Introdução e Instalação Introdução A utilização de um firewall em uma rede de computadores possui o objetivo básico de proteção relacionado a entrada e saída de dados. Introdução O pfsense é um

Leia mais

Gerenciamento de Processos

Gerenciamento de Processos - Um Processo é um Programa em Execução com todos os recursos necessários para este fim. - Cada Processo, quando em execução, enxergar como sendo possuidor de todos os recursos do sistema. - O Linux é

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Entrada e Saída Drivers e s Norton Trevisan Roman Marcelo Morandini Jó Ueyama Apostila baseada nos trabalhos de Kalinka Castelo Branco, Antônio Carlos Sementille, Luciana A. F. Martimiano

Leia mais

Administração de Redes I Linux Prof: Frederico Madeira Lista de Exercícios 3

Administração de Redes I Linux Prof: Frederico Madeira <fred@madeira.eng.br> Lista de Exercícios 3 Administração de Redes I Linux Prof: Frederico Madeira Lista de Exercícios 3 1. Qual dos seguintes comandos linux não inclui a capacidade de listar o PID das aplicações que estão

Leia mais

Breve introdução a Agendamento de Tarefas Uma abordagem prática (aka crash course on Periodic Jobs :))

Breve introdução a Agendamento de Tarefas Uma abordagem prática (aka crash course on Periodic Jobs :)) Breve introdução a Agendamento de Tarefas Uma abordagem prática (aka crash course on Periodic Jobs :)) Prof. Rossano Pablo Pinto Novembro/2012 - v0.1 Abril/2013 - v0.2 (em construção) Prof. Rossano Pablo

Leia mais

Planejamento e Implantação de Servidores

Planejamento e Implantação de Servidores Planejamento e Implantação de Servidores Professor Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Aula 01 - Servidores Abordagem geral Teoria e práticas Servidores Linux Comandos Linux 2 Bibliografias da apoio

Leia mais

Lista de exercícios - P2

Lista de exercícios - P2 Lista de exercícios - P2 1 - Sabemos que o arquivo /etc/inittab possui algumas linhas que definem eventos capturados pelo sistema de inicialização. Pensando em um servidor de produção, estável e que não

Leia mais

APOSTILA GNU LINUX MÓDULO-II

APOSTILA GNU LINUX MÓDULO-II 1 2 Apostila Gnu-Linux Módulo-II 3 ESTA OBRA PODE SER REPRODUZIDA E DISTRIBUÍDA PARCIAL OU INTEGRALMENTE DESDE QUE CITADA A FONTE. MATERIAL COPYLEFT - VENDA PROIBIDA Todo material desenvolvido pela Coordenadoria

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO LINUX ESSENTIALS Presencial (40h) - À distância (48h) Conhecendo um Novo Mundo Introdução ao GNU/Linux Distribuições GNU/Linux Linux Inside: Instalação Desktop Debian e CentOS Primeiros

Leia mais

Automação e Registo de Actividades (cron e syslog)

Automação e Registo de Actividades (cron e syslog) Automação e Registo de Actividades (cron e syslog) Nuno Alexandre Magalhães Pereira 1 de Novembro de 2005 1 Automação Tarefas como, por exemplo, apagar ficheiros temporários, efectuar backups, renovar

Leia mais

Acesso Re sso R moto

Acesso Re sso R moto Acesso Remoto Introdução Em um ambiente de rede, é sempre importante salientar o uso de ferramentas que possam facilitar procedimentos de manutenção, gerenciamento e execução de procedimentos em uma determinada

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

Aula 27 - Agendamento de Tarefas (CRONTAB)

Aula 27 - Agendamento de Tarefas (CRONTAB) Aula 27 - Agendamento de Tarefas (CRONTAB) Juliana Camilo Inácio Instituto Federal de Santa Catarina Campus São José juliana.camilo@ifsc.edu.br 14 de Outubro de 2013 Juliana (IFSC) Aula 27 - Agendamento

Leia mais

Construindo um Linux Parte 1 - Disk Boot Objetivo: Entender que o Linux é como um LEGO (Pode ser montado).

Construindo um Linux Parte 1 - Disk Boot Objetivo: Entender que o Linux é como um LEGO (Pode ser montado). Construindo um Linux Parte 1 - Disk Boot Objetivo: Entender que o Linux é como um LEGO (Pode ser montado). Os disquetes Linux são úteis em diversas situações, tais como: Testes de um novo kernel; Recuperação

Leia mais

Google File System. Danilo Silva Marshall Érika R. C. de Almeida

Google File System. Danilo Silva Marshall Érika R. C. de Almeida Google File System Danilo Silva Marshall Érika R. C. de Almeida Tópicos abordados Sistemas de arquivos Sistemas de arquivos distribuídos Google File System Gmail File System Linux Windows Gspace Referências

Leia mais

Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Recursos, Redes e Samba Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo III Módulo III

Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Recursos, Redes e Samba Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo III Módulo III 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Recursos, Redes e Samba 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

Mini curso de GNU/Linux

Mini curso de GNU/Linux Rudson Ribeiro Alves Mestre em Física (Semi Condutores) Usuário Unix de 1991 1998 Usuário Slackware deste 1994 Professor da UVV deste 1998 Mini curso de GNU/Linux Noções básicas sobre GNU/Linux Plataforma

Leia mais

Fuctura Tecnologia Rua Nicarágua, 159 Espinheiro (81) 3221.9116 / 3088.0992 www.fuctura.com.br

Fuctura Tecnologia Rua Nicarágua, 159 Espinheiro (81) 3221.9116 / 3088.0992 www.fuctura.com.br Topic 105: Kernel 1.105.1 Gerenciando módulos do Kernel Descrição: Um administrador deve ter a habilidade de gerenciar e obter informações de módulos do Kernel. /lib/modules/kernel-version/modules.dep

Leia mais

Administração de Sistemas Operacionais

Administração de Sistemas Operacionais Diretoria de Educação e Tecnologia da Informação Análise e Desenvolvimento de Sistemas INSTITUTO FEDERAL RIO GRANDE DO NORTE Administração de Sistemas Operacionais ESTRATÉGIA DE PARTICIONAMENTO Prof. Bruno

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1]

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Introdução O Agente Aranda para sistemas Linux se encarrega de coletar as seguintes informações em cada uma das estações de trabalho

Leia mais

7 Processos. 7.1 Introdução

7 Processos. 7.1 Introdução 1 7 Processos 7.1 Introdução O conceito de processo é a base para a implementação de um sistema multiprogramável. O processador é projetado apenas para executar instruções, não se importando com qual programa

Leia mais

>>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard. === Sistemas de arquivos e Partições

>>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard. === Sistemas de arquivos e Partições >>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard === Sistemas de arquivos e Partições >>> FHS - Filesystem Hierarchy Standard >Padrão de organização de pastas e arquivos em Sistemas Unix-Like >organizar

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 2.1 CONCEITO DE BIT O computador só pode identificar a informação através de sua elementar e restrita capacidade de distinguir entre dois estados: 0

Leia mais

Sistema de Arquivos do Windows

Sistema de Arquivos do Windows Registro mestre de inicialização (MBR) A trilha zero do HD, onde ficam guardadas as informações sobre o(s) sistema(s) operacionais instalados. Onde começa o processo de inicialização do Sistema Operacional.

Leia mais

Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA

Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA #20 Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA VITEC Versão 1.0 Agosto/2007 1 Revisões Versão Data Descrição 1.0.0 03/08/2007 Elaboração do Manual. Página 2 de 18 Índice 1 REVISÕES... 2 2 PRÉ-REQUISITOS...

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Arquitetura de Sistemas Operacionais Francis Berenger Machado / Luiz Paulo Maia Processo Profº Antonio Carlos dos S. Souza Estrutura do Processo Contexto de Software Contexto de Hardware Programa Espaço

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Gerenciamento de Memória no Linux O Linux é um sistema operacional com memória virtual paginada, isto quer dizer que

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

Faculdades Senac Pelotas

Faculdades Senac Pelotas Faculdades Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Introdução a informática Alunos Daniel Ferreira, Ícaro T. Vieira, Licurgo Nunes Atividade 4 Tipos de Arquivos Sumário 1 Tipos

Leia mais

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção Sistemas de Arquivos Funções de um SO Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção 2 Sistemas Operacionais Necessidade de Armazenamento Grandes quantidades

Leia mais

Linux: Administração de Sistemas

Linux: Administração de Sistemas Linux: Administração de Sistemas Lars Wirzenius Joanna Oja Stephen Stafford Gleydson Mazioli da Silva Federico Lupi Fernando Miguel de Alava Soto Tradução Para o Português Paulo Aukar Fernando Miguel de

Leia mais

MANDRIVA CONECTIVA LINUX - ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS E REDES

MANDRIVA CONECTIVA LINUX - ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS E REDES www.lanuniversity.com.br MANDRIVA CONECTIVA LINUX - ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS E REDES Preparatório para certificações Mandriva Systems Administrator, Mandriva Network Administrator, e exames do LPI Nível

Leia mais

Administração de Sistemas Informáticos I

Administração de Sistemas Informáticos I ISEP 1 TEMA Administração do subsistema de rede; Serviços Internet daemon TEÓRICA-PRÁTICA 1. Serviços Internet Daemon Na pasta /etc/rc.d, existe a configuração dos diversos runlevels da máquina. Aos daemons

Leia mais

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior Unix: Sistema de Arquivos Geraldo Braz Junior 2 Arquivos Um arquivo é visto pelo SO apenas como uma seqüência de bytes: nenhuma distinção é feita entre arquivos ASCII, binários, etc.; Muitos programas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Jó Ueyama Apresentação baseada nos slides da Profa. Dra. Kalinka Castelo Branco, do Prof. Dr. Antônio Carlos Sementille, da Profa. Dra. Luciana A. F. Martimiano e nas transparências

Leia mais

Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos

Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos Conteúdo Programático Login e Logout Iniciando e Desligando o Sistema Tipos de arquivo Texto Binário Arquivos e Diretório Manipulação de

Leia mais

Aula 4 Comandos Básicos Linux. Prof.: Roberto Franciscatto

Aula 4 Comandos Básicos Linux. Prof.: Roberto Franciscatto Sistemas Operacionais Aula 4 Comandos Básicos Linux Prof.: Roberto Franciscatto Prompt Ao iniciar o GNU/Linux, a primeira tarefa a ser executada é o login no sistema, o qual deve ser feito respondendo

Leia mais

Módulos...2 Shell...3

Módulos...2 Shell...3 Cesar Kállas cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 2 O Kernel...2 Módulos...2 Shell...3 Scripts...3 Bourne Shell sh...3 Bourne-Again Shell bash...3 Korn Shell

Leia mais

Android Core. Felipe Silveira felipesilveira.com.br. Aula 2

Android Core. Felipe Silveira felipesilveira.com.br. Aula 2 Android Core Felipe Silveira felipesilveira.com.br Aula 2 Inicialização Inicialização Boot ROM Boot Loader Kernel Init Zygote System Server Boot ROM Boot ROM A. O código de ROM de inicialização irá detectar

Leia mais

Implementando e gerenciando dispositivos de hardware

Implementando e gerenciando dispositivos de hardware 3 Implementando e gerenciando dispositivos de hardware Uma boa parte das questões do exame está concentrada nessa área. Saber implementar e, principalmente, solucionar problemas relacionados a dispositivos

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Arquivos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Conceituação de arquivos Implementação do sistemas de arquivo Introdução Sistema de

Leia mais

Construindo um Linux Parte 2 Disk Root Objetivo: Entender que o Linux é como um LEGO (Pode ser montado). Prof. Claudio Silva

Construindo um Linux Parte 2 Disk Root Objetivo: Entender que o Linux é como um LEGO (Pode ser montado). Prof. Claudio Silva Construindo um Linux Parte 2 Disk Root Objetivo: Entender que o Linux é como um LEGO (Pode ser montado). Disk Root Este disquete conterá o interpretador de comandos bash, juntamente com alguns dispositivos

Leia mais

Administração de Redes Linux. Unidade 1 - LINUX

Administração de Redes Linux. Unidade 1 - LINUX Administração de Redes Linux Unidade 1 - LINUX Breve Histórico O Linux é um sistema operacional moderno e gratuito, baseado nos padrões UNIX. Desenvolvido inicialmente em 1991 como um KERNEL PEQUENO E

Leia mais

Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server

Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server Autor: Eder S. G. - edersg@vm.uff.br Versão: 1.2 Data: 21/11/2012 Última atualização: 07/03/2013 Observação: Máquina real: Sistema operacional

Leia mais

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação.

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. 1.Todo software livre deve ser desenvolvido para uso por pessoa física em ambiente com sistema

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts)

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) Gerência de Redes de Computadores 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) UFCG / DSC / JPS * 05 GERÊNCIA DE HOSPEDEIROS 1 TIPOS DE HOSPEDEIROS DOIS TIPOS DE HOSPEDEIROS o Servidores o Estações Clientes HÁ GRANDE

Leia mais

O novo xerife da inicialização

O novo xerife da inicialização O novo xerife da inicialização ANÁLISE Boot com UEFI ANÁLISE O novo xerife da inicialização A especificação do boot UEFI oferece novas capacidades e novas dores de cabeça também se o usuário não estiver

Leia mais

Aloque 1024 MB de RAM para a VM. Crie um novo disco virtual. Figura 03. Figura 04.

Aloque 1024 MB de RAM para a VM. Crie um novo disco virtual. Figura 03. Figura 04. Aloque 1024 MB de RAM para a VM. Figura 03. Crie um novo disco virtual. Figura 04. 2 Escolha o formato de disco padrão do Virtual Box, VDI. Figura 05. Escolha o disco rígido Dinamicamente Alocado. Figura

Leia mais

INSTALAÇÃO DO SUSE LINUX ENT. DESKTOP 10

INSTALAÇÃO DO SUSE LINUX ENT. DESKTOP 10 Duração: 02:45 min INSTALAÇÃO DO SUSE LINUX ENT. DESKTOP 10 1. Inicializar o Virtual PC 2007 e criar uma máquina virtual. a. Salvar em C:\Laboratorio b. O nome da máquina virtual será: Linux_Suse_Seunome.vmc

Leia mais

Admistração de Redes de Computadores (ARC)

Admistração de Redes de Computadores (ARC) Admistração de Redes de Computadores (ARC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José Prof. Glauco Cardozo glauco.cardozo@ifsc.edu.br ,'*'F"&P'QKDRS'@

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

LSOF - LiSt Open Files

LSOF - LiSt Open Files LSOF - LiSt Open Files Descrição Como o nome indica, LSOF lida com arquivos abertos em um sistema UNIX. Um arquivo aberto pode ser um arquivo comum, um diretório, uma biblioteca, um stream, ou um soquete

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 3 Software Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br SO - Prof. Edilberto Silva Barramento Sistemas Operacionais Interliga os dispositivos de E/S (I/O), memória principal

Leia mais

SAD Gestor Gerenciador de Backup

SAD Gestor Gerenciador de Backup SAD Gestor Gerenciador de Backup treinamento@worksoft.inf.br SAD Gestor Gerenciador de Backup SAD Gerenciador de Backup Esse aplicativo foi desenvolvido para realizar cópias compactadas de bancos de dados

Leia mais

HOW TO. Instalação do Firewall 6.1 Software

HOW TO. Instalação do Firewall 6.1 Software Introdução HOW TO Página: 1 de 14 Para fazer a migração/instalação do 6.1 Software, é necessária a instalação do Sistema Operacional Linux Fedora Core 8. Explicaremos passo a passo como formatar a máquina,

Leia mais

Laboratório de Sistemas Operacionais

Laboratório de Sistemas Operacionais Laboratório de Sistemas Operacionais Módulo 1 Gerência de Memória e de Processos Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Comandos para gerenciamento de processos: top, htop, ps, kill,

Leia mais

Tutorial Kurumin GNU/Linux 6.0 1/20

Tutorial Kurumin GNU/Linux 6.0 1/20 Tutorial Kurumin GNU/Linux 6.0 1/20 Tutorial para particionamento, instalação do Kurumin GNU/Linux 6.0 e configuração de boot loader. Tutorial Kurumin GNU/Linux 6.0 2/20 Introdução... 3 Requisitos... 4

Leia mais

Instalando o Debian em modo texto

Instalando o Debian em modo texto Instalando o Debian em modo texto Por ser composto por um número absurdamente grande de pacotes, baixar os CDs de instalação do Debian é uma tarefa ingrata. Você pode ver uma lista dos mirrors disponíveis

Leia mais

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Objetivo: Instalar e configurar o sistema operacional Linux CentOS e efetuar suas configurações iniciais. 1- Abra o Virtuabox e clique em novo, e configure conforme

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Professores autores Vicente Pires Lustosa Neto Roberta De Souza Coelho Aula 11 - Gerenciamento de memória Apresentação Na última aula, aprendemos mais sobre os processos e como gerenciá-los.

Leia mais

Sumário. Parte I - Linux básico... 19. 1 O início de tudo... 21. 2 Visão geral do Linux... 27. 3 Comandos básicos... 37

Sumário. Parte I - Linux básico... 19. 1 O início de tudo... 21. 2 Visão geral do Linux... 27. 3 Comandos básicos... 37 Sumário O autor... 6 Aviso importante!...15 Prefácio... 17 Parte I - Linux básico... 19 1 O início de tudo... 21 O Unix... 21 O Linux... 23 2 Visão geral do Linux... 27 O Linux como sistema operacional

Leia mais