Sistemas Operacionais. Sistemas Operacionais de Dispositivos Ubíquos. Windows CE. Arquitetura do Windows CE. Funcionalidades do S.O.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas Operacionais. Sistemas Operacionais de Dispositivos Ubíquos. Windows CE. Arquitetura do Windows CE. Funcionalidades do S.O."

Transcrição

1 Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais de Dispositivos Ubíquos Determina a funcionalidade b ásica de cada dispositivo de computação ubíqua Provavelmente não haverá Monopólio equivalente ao da MS/Intel (faixa de uso muito ampla e hardware muito restrito) Chips ARM, MIPS, Motorola, SH3/4, Transmeta SOs Palm OS, EPOC, W/CE (Consumer Electronics), Java Card, W/Smart Card, QXN, VxWorks etc. Duas tendências observadas: Palm OS e W/CE tornam-se mais similares (integram funcionalidade de telefonia) Linux embarcado ou BeOS no suporte a aplicações multimídia em dispositivos domésticos Windows CE Não é um S.O. de prateleira (cada fabricante de dispositivo precisa configurar o W/CE para a plataforma de processador específica de seu dispositivo) Normalmente o SO é entregue em ROM (em contraste com os SOs baseados em disco, orientados a desktop, como o Linux ou BeOS) Sistema monousuário W/CE oferecido em blocos modulares Permite a criação de um sistema apenas com as partes essenciais (economiza espaço precioso) Tamanho do SO é mantido consistente com o tamanho do dispositivo (computador de mão inclui mais funcionalidade em sua versão do W/CE do que um telefone inteligente) Diferencia-se totalmente do Palm OS que foi projetado exclusivamente e altamente otimizado para uma classe alvo de dispositivos W/CE Arquitetura do Windows CE Shells Internet Explorer Conectividade Remota Interfaces de Programação e de comunicação Núcleo GWE Armazena Objeto TCP/IP IrDA Serial Funcionalidades do S.O. W/CE Núcleo do SO W/CE: Gerenciamento de Processos e Threads Gerenciamento de memória Escalonamento de tarefas Tratamento de interrupção GWE Gerente de Gráficos/Janelas/Eventos Armazenagem de Objetos persistente do W/CE Inclui arquivos, registros e uma base de dados Interfaces de comunicação Infravermelho via IrDA, TCP/IP e drivers seriais W/CE - Gerenciamento de Processos e Threads Suporta 32 processos simultaneamente Suporta número ilimitado de threads (depende de memória física disponível) Threads Usadas para monitorar eventos assíncronos (interrupção de hardware, atividades do usuário) Cada thread possui uma fila de mensagens (postadas por outras threads, processos ou recursos do sistema) que são tratadas. Ex.: Núcleo envia mensagem WM_HIBERNATE (indica memória baixa ação: liberar memória imediatamente) Sincronização de Threads Coordenação de dados compartilhados => através de seções criticas, mutex e eventos (em vez de polling que desperdiça bateria) Prioridades de Threads 8 níveis (do ocioso ao tempo critico) Não podem mudar (exceto quando thread de baixa prioridade retém recurso que thread de alta prioridade precisa) 1

2 W/CE - Gerenciamento de Processos e Threads Interrupções Usadas para notificar o S.O. sobre eventos externos Tratamento em dois passos: 1. Um Roteador de Serviços de Interrupção (ISR) mapeia a requisição da interrupção para um Thread de Serviço de Interrupção (IST) passando o ID do thread para o núcleo 2. O núcleo envia mensagem para o IST que inicia o tratamento da interrupção Processamento separado do roteamento da interrupção => tempo de chamadas ao sistema é previsível e independente do estado atual do sistema (aplicações respondem a interrupções externas dentro de uma latência especificada) W/CE atende requisitos de um S.O. de tempo real => aplicações de tempo-crítico (comutação de telefonia, controle de processos de fabricação, sistemas automotivos de navegação etc) W/CE - Gerenciamento de Não diferencia, conceitualmente, entre os vários tipos de armazenagem cartões de memória flash, driversde disco, ROM, RAM são todos tratados da mesma forma Recursos de memória são acessados via API WIN32 virtual protegida (protege uma aplicação de outra) Suporta até 32MB por processo disponível é dividida em dois blocos: de programa de armazenagem de Programa Alocada e gerenciada como memória virtual - alocada para pilha e heap de aplicações em execução Pilha, heap e aplicações (que não do sistema) em RAM S.O. e aplicações embutidas (Pocket Word) armazenadas e executadas diretamente da ROM (execução no lugar economiza tempo de carregamento) W/CE - Gerenciamento de de Armazenagem Inclui os dados persistentes (normalmente armazenado em disco rígido) Parte da memória volátil é referida como armazenagem de objetos (que retém registros do sistema, diretórios, todas as aplicações e dados do usuário) tamanho maximo de 16MB Fora da área de armazenagem de objetos, bases de dados e sistemas de arquivos podem ser instalados (em RAM, ROM ou dispositivos externos) Cada sistema de arquivos pode ser dividido em múltiplos volumes (representados como pastas do diretório raiz dos sistemas de arquivos) Dados podem ser salvos em objetos arquivos ou bases de dados Arquivos são automaticamento comprimidos Suporta Heap especial para o Sistema de Arquivos, registros e armazenagem de objetos (até 256MB) com serviço de transação para assegurar integridade dos dados Mecanismos de Acesso à memória suportados paginada com uso de cache e sem uso de cache não paginada com uso de cache e sem uso de cache W/CE - Gerenciamento de Virtual Até 4GB via MMU Tabela de páginas mantida pelo hardware Mapa de Virtual Reservado para o Sistema (espaço modo kernel) compartilhada Vaga 32 Processo 32 : : Vaga 2 Processo 2 Vaga 1 Processo 1 Vaga 0 Processo atual FFFF FFFF Mapa de do Processo Espaço Virtual Livre (Heaps, Pilhas, Biblioteca de carga dinâmica) Heap Pilha Dados Estáticos Imagem Executável 64KB reservado W/CE Interface do Usuário ilar à família MS/W Suporta menus, caixas de diálogo, ícones, som, vídeo, reconhecimento de escrita a mão Toda aplicação tem que ter pelo menos uma janela (mesmo que esta não possa ser mostrada - todas as mensagens que uma aplicação envia ou recebe são passadas pela fila de mensagens do thread da janela correspondente) Janela => ponto de entrada de cada aplicação (laço que trata mensagens, como eventos do usuário que são despachados para a rotina de aplicação apropriada) GWE Subsistema de Gráficos, Janelas e Eventos APIs de programação da interface Inclui funções de gerenciamento de energia e troca de mensagens Unicode é o formato de texto nativo (2 bytes por caractere) W/CE Segurança Suporta biblioteca criptográfica (CAPI) => armazena informação segura na memória Assinatura com chave pública para autenticação de aplicações Uso de cartão inteligente para segurança de dados sensíveis (dados de até 64KB em cartão acesso mais lento(eeprom x RAM) Comunicação e Rede Suporta comunicação serial SLIP e PPP (via cabo e infravermelho) Conexões de Rede (protocolos da Internet e de troca de arquivos) API WinInet (HTTP e FTP) API WinSock (sockets que suportam TCP/IP) API IrSock suporte a comunicação infravermelha (via IrDA Infrared Data Association) RAS Remote Access Servicesuporta upload/download de arquivos (via PPP para conectar no servidor) API Telephony suporta comunicação via modem para um hospedeiro remoto (só chama não recebe chamadas) 2

3 W/CE Periféricos e Drivers Driversnecessários: bateria, tela, porta serial, InfraVermelho, painel de toque Tipos de driversno W/CE: Nativos drivers de baixo nível que usam características embutidas de um dispositivo (fonte ou teclado), ligados com o núcleo e residentes em ROM Interface de fluxo de dados (serial) carregados como DLLs dedicadas Baseados na especificação da Interface de Driver de Rede (NDIS) protocolos podem ser implementados independentes dos drivers de hardware USB para conectar periféricos Outros tipos de drivers podem ser instalados (impressora, modem) Driversnativos são integrados na configuração do W/CE pelo fabricante do dispositivo Integração com o Hardware do Dispositivo W/CE Shells Núcleo Camada de Abstraç ão do Hardware Internet Explorer Aplicaçõ es Drivers Nativos Hardware OEM *Original Equipment Manufacturers Conectividade Remota Interfaces de Programação e de comunicaçã o GWE Armazena Objeto Drivers de Fluxos de I/F TCP/IP IrDA Serial Fabricante de dispositivo (OEM)* Symbian EPOC Criado pela Psion (agora mantido pela Symbian fundada pela Psio, Motorola, Panasonic, Ericsson e Nokia em 1998) EPOC v.5 - disponível para NEC V30H (16 bits) e ARM/StrongARM (32 bits) Sistema de tempo-real multi-tarefa (baixa latência no tratamento de interrupção e chaveamento de contexto de tarefas) =>ideal para responder ao usuário e receber dados do ar ao mesmo tempo preemptivo (escalonador orientado a prioridade) mono-usuário escrito em C++ Suporta e troca de mensagens, sincronização de dados (entre dispositivo e PC) e linguagem Java Diferentes tipos de plataforma: Crystal comunicadores com teclado pequeno Quartz pequenos comunicadores Pearl fones móveis inteligentes VGA completo Suporte para bluetooth e WAP SO EPOC Arquitetura do EPOC Base de Dados Servidor de Janela Servidor de Arquivos GUI - EIKON Middleware Impressão Armazena stream Base Drivers de Dispositivos Biblioteca padrão Núcleo Arquitetura do EPOC Base - Contém sistema de execução e núcleo com dois componentes: F32 - fornece carregador de bootstrap, acesso e monitoramento de sistemas de arquivo E32 fornece escalonador, interrupção de relógio, gerenciamento de driversdo dispositivo e gerenciamento de memória (conceito de MMU para separar os espaços de endereço para cada aplicação, além de ferramentas para checagem de erros de acesso fora da memória, desalocação de memória, verificação e limpeza de pilha e heap) Middleware Suporte a aplicação (SGBD, armazenamento de fluxos de caracteres, impressão, servidor de janelas, etc) GUI EIKON Suporta separação entre função da interface e apresentação da interface => importante quando tamanhos de tela e funcionalidades de dispositivos mudam muito EIKON estrutura para GUIs que é parte do SDK do EPOC (oferece elementos de interface gráfica padrão: botões diálogos, e menus; trata a entrada de dados e de comandos) Symbian EPOC Linguagens de Programação C++, Java e OPL (baseada no Basic) Ferramentas necessárias SDK do Symbian C++ (emulador para windows, GNU C++ personalizado, documentação, tutorial etc) MS Visual C++ (emulador EPOC para windows roda sobre o Visual C++) Cada aplicação no EPOC tem ID único para identificação de arquivo e associação faixa 0x a 0x0fffffff reservada para propósito de desenvolvimento e teste Antes da aplicação ser liberada, um ID único tem que ser solicitado a Symbian 3

4 Ciclo de Desenvolvimento do EPOC PC Compilar para o EPOC Programa Final Editar Compilar para o PC Executar Depurar Dispositivo EPOC Palm OS Desenvolvido pela Palm Inc. (apesar de proprietário, domina 70% do mercado de dispositivos de mão) Razões para o sucesso projetado especificamente para PDAs Fácil de usar Número limitado de características altamente otimizadas => uso de pouca memória e de UCP => vida mais longa de bateria Novas versões suportam comunicação bluetooth, 64K cores => PDAs multimídia integrados a fones móveis Disponíveis da Palm, Sony, IBM, HandSpring e outras Interface do Usuário Formulários Controles Fontes Diálogos Menus Desenhos Botões Palm OS Arquitetura do Palm OS Gerenciamento de Banco de Dados Espaço de execução Espaço do Sistema Globais Gerenciamento do Sistema Microkernel Eventos Cadeia de caracteres Texto internacional Data/hora Alarmes Som Comunicação TCP/IP Serial IrDA Palm OS Gerenciamento de Para manter o S.O. pequeno e rápido, o Palm OS não separa as aplicações umas das outras Problemas de estabilidade => se uma aplicação cai, o sistema todo cai Problemas de segurança => cada aplicação pode ler e alterar dados de outras aplicações têm que ser extremamente bem construídas e testadas Palm OS Gerenciamento de Toda a memória de um Palm reside em cartões de memória (um cartão e uma unidade lógica de RAM, ROM ou ambas) Cada cartão de memória tem um espaço de endereço maximo teórico de 256MB! e dividida em: Heap dinâmico Heap de armazenamento Heaps gerenciados separadamente Espaço deixado para a aplicação e muito pequeno (<36KB) Manter memória da aplicação a menor possível Evitar geração de estruturas grandes de pilhas Evitar uso de variáveis globais e copias de base de dados na memória dinâmica Heap dinâmico é análogo à memória de programa do W/CE Heap de Armazenamento Alocação dinâmica do Sistema Alocação dinâmica da aplicação Pilha da Aplicação Globais da Aplicação Heap Dinâmico (64 KB) Palm OS Gerenciamento de Heap de Armazenamento Retém dados permanentes (base de dados, arquivos fonte da aplicação não sofre reset) Protegida contra escrita (acessada apenas através do gerente de memória) Acesso rápido de leitura e lento de escrita Integridade garantida através de suporte a transações Sistema operacional e aplicações embutidas => ROM Gerente de memória aloca (em pedaços de 64KB), desaloca, muda o tamanho e impede o acesso a pedaços da memória (podem estar na memória dinâmica ou de armazenamento) Palm OS não usa sistema de arquivo Armazenamento estruturado em base de dados Cada base de dados possui múltiplos registros Base de dados gerenciada por gerenciador de base de dados 4

5 RAM Dinâmica Alocação Dinâmica Variáveis Globais Pilha Blocos Realocáveis Impedidos Blocos Realocáveis Blocos não Realocáveis RAM de Armazenamento Base de Dados Nome da Base de Dados Versão Num Modificação Info de aplicação Info de Ordenação Tipo/criador Num de registros ID Registro Atributo Registro ID Registro Atributo Registro Arquitetura da do Palm SO Palm OS Orientado a Eventos Apenas uma aplicação roda por vez Não suporta threads Invocação de aplicações uma aplicação de busca pode invocar outras aplicações para que elas façam, por ex., uma consulta em suas bases de dado controle volta para a aplicação que chamou Palm OS é orientado a eventos que são tratados por tratadores de eventos Tipos de eventos Ações do usuário quando interfaceando com a aplicação Notificações do sistema (alarme de tempo) Específicos da aplicação (solicitação de busca Programadores devem evitar código que faça processamento enquanto espera por um evento (intervalo de teste x teste contínuo - polling) Palm OS - Desenvolvimento de Linguagens de programação disponíveis: C, C++ e Java Dois pacotes para desenvolvimento de aplicações: SDK (APIs para desenvolver aplicações, funções de interface do usuário, gerenciamento do sistema e comunicação) CDK Conduit Development Kit suporta a implementação de conduites Para troca e sincronização de dados entre uma aplicação de mesa e uma aplicação que roda no dispositivo Suporte para programação CodeWarrior da Metrowerk Compilador GNU C para Palm OS Cada aplicação tem que ter um ID único (creator ID) obtido da Palm QNX Neutrino Suporta MIPS, PowerPC e x86 em set-top-boxes, dispositivos automotivos esforços para usa-lo em dispositivos de mão Suporte ao gerenciamento de energia Interface gráfica adequada (Photon) Sistema de tempo-real mono-usuário Microkernel (12KB) envolto por uma coleção de processo opcionais (gerentes de recursos) que oferecem compatibilidade com o POSIX e UNIX QNX varia de um SO embarcado baseado em ROM ate SO completo com suporte de rede (dependendo dos recursos que são incluídos em tempo de execução) Adota Modelo de Processo Universal (arquitetura baseada em microkernel) Permite a separação dos processos em diferentes espaços de endereço (processos do usuário e processos de gerente de recursos) => sistema altamente confiável e estável Arquitetura do QNX Neutrino Photon Sistemas de Arquivo QNX Neutrino Gerenciadores de E/S MicroKernel Driversde Dispositivo Driversde Rede Outros Drivers Gráficos QNX Neutrino Serviços do Microkernel IPC Comunicação Inter-Processo Baseado em troca de mensagens Permite atribuição de prioridades Escalonamento de processos Comunicação em rede de baixo nível Despacho de interrupção Gerenciamento de memória Separa espaços de endereço das aplicações Proteção de memória para aplicações e serviços do sistema que executam em threads diferentes Desenvolvimento de software para o QNX C é a linguagem preferencial GNU C++ ou Watcom C++ PhAB para criar protótipos rápidos 5

6 BeOS Suporta multi-usuário (em Set-top-boxes, caixas multimídia etc) S.O. altamente otimizado para aplicações multimídia Arquitetura baseada no modelo de multi-processador simétrico (permite que cada processador execute partes do S.O. dando a cada processador acesso total a todos os recursos) Suporta memória virtual e multi-tarefa preemptiva Suporta multithread Chaveamento rápido entre centenas de pequenas tarefas Tarefas podem ser colocadas rapidamente em múltiplos processadores e realocadas de acordo com a carga do processador do sistema Gerenciamento de Suporta memória virtual Suporta proteção de memória entre as aplicações Sistema de Arquivo Suporta sistema de arquivo de 64 bits (acesso a até 18bilhões de GB) x 32 bits (acesso até 4GB) Desenvolvimento de Software para o BeOS Conformidade com POSIX => reuso de código Rica biblioteca de suporte MM (gráficos 2D/3D, OpenGL, MPEG, WAV, etc) Suporte a C e C++ (Intel e PowerPC) Linux Embarcado Linux enxuto com suporte especial para dispositivos ubíquos Arquitetura microkernel (serviços e características podem ser compiladas no kernel ou carregadas como módulos dinamicamente ligados em tempo de execução) Suporte multiusuario Sistema multitarefa, preemptivo, com escalonadores de tempo-real opcionais Suporte básico para múltiplos processadores Tamanho do kernel pode variar de 200KB a vários MB (critica ao linux para dispositivos ubíquos: necessita de memória em tempo de execução de 2 a 8 MB) Gerenciamento de Proteção de memória entre aplicações virtual (com paginação) Interface do usuário Versões enxutas do X-Window Versões para processadores MIPS, ARM, Motorola e Intel Chips Suportados Estrutura do SO Proteção Tamanho do S.O. Segurança Multitarefa Exs. Dispos. Palm Motorola Dragon Ball Camadas Não Minúsculo Nenhuma Não PDAs EPOC NEC, ARM Camadas Pequeno Baixa Fones Móveis W/CE X86, SH3/4, ARM, PowerPC, MIPS Modular Pequeno Alta PC de Bolsos QNX Modular Médio Média Carros, casa BeOS X86, X86, PowerPC, powerpc MIPS Camadas Grande Alta Set-Top Boxes Linux X86, PowerPC, MIPS, ARM Modular Pequeno - Grande Alta Set-Top Boxes Java Card Plataforma carregada pelo núcleo de um S.O. nativo não diretamente acessável pelas aplicações (não é um S.O. de cartões inteligentes) Pilha de software do Java Card Executivo do cartão gerencia o cartão e é o elo de comunicação entre uma applet e o código fora do cartão JVM executa o bytecode da applet e das funções de biblioteca que ela usa Estrutura Java Card funções de biblioteca (API JavaCard padrão) Applets instaladas no cartão tem tempo de vida infinito (a menos que explicitamente desinstaladas) Applets são selecionadas pela aplicação fora do cartão APDUs ByteCode Java Código de maquina Pilha de Software Java Card Executivo do cartão Applet3 Applet2 Applet1 JVM Métodos Nativos (Kernel do SO) Estrutura Java Card Windows para Smart Cards API bem definida (esconde detalhes do cartão e funcionalidade independente de cartão) Usa bytecode gerado pelo VisualBasic (a ser executado em um ambiente de execução no cartão) Sistema de arquivo utiliza FAT File Access Table Número e tamanho de partições estabelecidos durante configuração (uma apenas é suportada no momento) Segurança Autenticação Conceito de known principals (usuário, grupo de usuários, ou sistemas) Protocolo sofisticado de autenticação (usando protocolo padrão d e encriptação de dados - DES) Configurável => Um arquivo no cartão é criado para definir como é o processo de autenticação de um known principal Autorização Uso de ACLs (Lista de Controle de Acesso) estabelecimento de direitos de acesso através de mecanismos de autorização (regras lógicas que definem quem tem permissão para fazer o que com um arquivo em particular) ACLs armazenadas dentro de arquivos => permite proteger as ACLs através de ACLs associadas 6

7 Windows para Smart Cards Applets no W/SmartCard Implementadas em código nativo ou Visual Basic (compiladas em bytecode, interpretadas por um sistema de execução e executadas por MV genérica) Maior limitação: não suporta cadeias de caracteres Plug-ins podem ser usados (funcionalidades estendidas de criptografia) S.O. expõe as seguintes APIs: Interface de Arquivos Interface de Autenticação e autorização Interface de criptografia Interface de Utilitários Windows Card x SmartCard ISO7816 Modelo de direitos de acesso são completamente diferentes => torna a interoperabilidade difícil Você Faz... Como o sistema operacional pode influenciar na implementação de sua aplicação nos dispositivos que você escolheu? Envie resposta hoje para Assunto: Comp.Ubiqua-3 7

Programação Palm OS. Roteiro da Apresentação. Motivação

Programação Palm OS. Roteiro da Apresentação. Motivação Programação Palm OS Emmanuel Ferro Roteiro da Apresentação Motivação Visão Geral do SO Elementos de Uma Aplicação Palm Ambientes de Desenvolvimento Conclusão Programação Palm OS Emmanuel Ferro 2 Motivação

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão Prof. Kleber Rovai 1º TSI 22/03/2012 Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão 1. Como seria utilizar um computador sem um sistema operacional? Quais são suas duas principais funções? Não funcionaria.

Leia mais

Sistemas Operacionais. Patrícia Megumi Matsumoto Luciana Maria Gregolin Dias

Sistemas Operacionais. Patrícia Megumi Matsumoto Luciana Maria Gregolin Dias Sistemas Operacionais Microsoft Windows R Patrícia Megumi Matsumoto Luciana Maria Gregolin Dias Histórico Início da década de 80 MS-DOS (vai evoluindo, mas sem nunca deixar de ser um SO orientado à linha

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007 Roteiro Serviços Estrutura dos Sistemas Operacionais Funções do Sistema Operacional Chamadas do Sistema

Leia mais

Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais. Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br

Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais. Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br O que é? Pra que serve? Onde se usa? Como funciona? O que é? Uma coleção de programas Inicia e usa do HW

Leia mais

Sistemas Embarcados. Introdução. Características de sistemas embarcados. Software embarcado

Sistemas Embarcados. Introdução. Características de sistemas embarcados. Software embarcado Sistemas Embarcados Alexandre Carissimi João Cesar Netto Luigi Carro (asc@inf.ufrgs.br, netto@inf.ufrgs.br, carro@inf.ufrgs.br) Introdução Sistemas embarcados são parte integrante de muitos dispositivos

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Sistemas Operacionais 1- Introdução aos SOs Prof. Sílvio Fernandes Disciplina Sistemas

Leia mais

Windows NT 4.0. Centro de Computação

Windows NT 4.0. Centro de Computação Windows NT 4.0 Centro de Computação Tópicos Introdução Instalação Configuração Organização da rede Administração Usuários Servidores Domínios Segurança Tópicos È O sistema operacional Windows NT È Características:

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação

Introdução à Ciência da Computação Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Matemática e Computação Bacharelado em Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação Aula 05 Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br)

Leia mais

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc.

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc. 1 1.0 Kernel O kernel (núcleo) representa o coração do Sistema Operacional. Atribuições do kernel: - gerenciamento dos arquivos em disco; - inicializar programas e executá-los; - alocar e gerenciar memória

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Resumo. Prof. Alejandro - Introdução à Sistemas Operacionais Resumo Informativo, complemente o material assistindo as Aulas 19/08/2015 1

Resumo. Prof. Alejandro - Introdução à Sistemas Operacionais Resumo Informativo, complemente o material assistindo as Aulas 19/08/2015 1 Resumo 19/08/2015 1 1. Tipos de Software 2. Introdução aos Sistemas Operacionais 3. Os Arquivos 4. Funções do Sistema Operacional 5. Programas Utilitários do Sistema Operacional 6. Termos Básicos 7. Tipos

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Sistemas Operacionais Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional INTRODUÇÃO Sistema Operacional (S.O.) Aplicativos Formado por um conjunto de rotinas que oferecem serviços aos usuários, às aplicações

Leia mais

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc.

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc. Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software Prof. MSc. Hugo Souza Continuando nossas aulas relativas ao Módulo 1, veremos a seguir

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000

Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000 1 Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000 Gerenciador de E/S Objetivo é fornecer uma estrutura de modo eficiente para lidar com a grande variedade de dispositivos Bastante relacionado

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores Aula 04: Sistema Operacional Material Didático do Livro: Introdução à Informática Capron,, H. L. e Johnson, J. A Pearson Education Sistemas Operacionais: Software Oculto Serve

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1 Sistema Operacional Slide 1 Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos do computador (CPU, dispositivos periféricos). Estabelece

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Introdução aos Computadores

Introdução aos Computadores Os Computadores revolucionaram as formas de processamento de Informação pela sua capacidade de tratar grandes quantidades de dados em curto espaço de tempo. Nos anos 60-80 os computadores eram máquinas

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operacionais. Computador = hardware + software. Como é formado o meu computador? E como estes componentes se comunicam?

Introdução aos Sistemas Operacionais. Computador = hardware + software. Como é formado o meu computador? E como estes componentes se comunicam? Como é formado o meu computador? Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores e Software Básico Aula 1 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) Mouse Teclado Monitor Placa de vídeo

Leia mais

Nível 3 Sistema Operacional

Nível 3 Sistema Operacional Nível 3 Sistema Operacional Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1 Nível

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 06: Threads. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 06: Threads. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 06: Threads Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Objetivos Introduzir o conceito de thread Discutir as APIs das bibliotecas de threads Pthreads, Win32

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 VISÃO GERAL Sumário Conceito Máquina de Níveis Conceituação de SO Componentes do SO Visões do SO Conceito de Sistemas O que se espera de um sistema de computação? Execução de

Leia mais

Estudo de Caso 2: Windows Vista

Estudo de Caso 2: Windows Vista Faculdades Integradas de Mineiros Curso de Sistemas de Informação Sistemas Operacionais II Estudo de Caso 2: Windows Vista Grupo 4 Helder / Wagner / Frantyeis Junho/2010 O Windows usa uma estratégia Just-In-Time

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

Estrutura de S.O. Roteiro. BC1518 - Sistemas Operacionais. Prof. Marcelo Z. do Nascimento. Aula 02 2 Quadrimestre. de 2010

Estrutura de S.O. Roteiro. BC1518 - Sistemas Operacionais. Prof. Marcelo Z. do Nascimento. Aula 02 2 Quadrimestre. de 2010 BC1518 - Sistemas Operacionais Estrutura de S.O. Aula 02 2 Quadrimestre de 2010 Prof. Marcelo Z. do Nascimento Email: marcelo.nascimento@ufabc.edu.br Roteiro Serviço do sistema operacional Interface Chamadas

Leia mais

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA História Os sistemas operacionais da Microsoft para PCs desktop e portáteis e para servidores podem ser divididos em 3 famílias: MS-DOS Windows baseado em MS-DOS Windows baseado

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Questões Em uma rede de sobreposição (overlay), mensagens são roteadas de acordo com a topologia da sobreposição. Qual uma importante desvantagem

Leia mais

Escola Adalgisa de Barros

Escola Adalgisa de Barros Escola Adalgisa de Barros Sistemas Operacionais Ensino Médio Técnico 1º Ano 1 Software Hardware O Sistema Operacional (SO) é um software que gerencia os recursos do computador, controla o fluxo de informações

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Controle e descrição de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Representação e controle de processos pelo SO Estrutura

Leia mais

Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) Layout da MP em Sistemas de Lotes. Minimizar o tempo de resposta

Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) Layout da MP em Sistemas de Lotes. Minimizar o tempo de resposta 1 Mono e multiprogramação Introdução Classificação (Aula 2) Recap Sistemas Máquina Profa. Patrícia Gerenciador D. CostaLPRM/DI/UFES Provê Fornece Compartilhamento programador máquina justa recursos Operacionais

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Jó Ueyama Apresentação baseada nos slides da Profa. Dra. Kalinka Castelo Branco, do Prof. Dr. Antônio Carlos Sementille, da Profa. Dra. Luciana A. F. Martimiano e nas transparências

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL LINUX Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL Para que o computador funcione e possibilite a execução

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Ambiental Prof.: Maico Petry SISTEMAS OPERACIONAIS DISCIPLINA: Informática Aplicada DEFINIÇÃO É um programa de controle do computador. O

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Apresentação da disciplina. Sistemas Operacionais I N. A disciplina. O Professor. Áreas de atuação na pesquisa. Referências bibliográficas básicas

Apresentação da disciplina. Sistemas Operacionais I N. A disciplina. O Professor. Áreas de atuação na pesquisa. Referências bibliográficas básicas 1 Apresentação da disciplina Sistemas Operacionais I N Prof. Marcelo Johann 2009/2 O professor A disciplina Bibliografia Cronograma Avaliação Trabalhos Regras do jogo Introdução: Sistemas Operacionais

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1 Introdução

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1 Introdução Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1 Introdução Conceituação Um Sistema Operacional tem como função principal gerenciar os componentes de hardware (processadores, memória principal,

Leia mais

01/04/2012. Voltar. Voltar

01/04/2012. Voltar. Voltar Introdução à Informática Capítulo 3 Sistemas Operacionais: Software em Segundo Plano Objetivos Descrever as funções de um sistema operacional. Explicar os fundamentos do sistema operacional de um computador.

Leia mais

Introdução. O que vimos. Infraestrutura de Software. (cont.) História dos Sistemas Operacionais. O que vimos 12/03/2012. Primeira geração: 1945-1955

Introdução. O que vimos. Infraestrutura de Software. (cont.) História dos Sistemas Operacionais. O que vimos 12/03/2012. Primeira geração: 1945-1955 O que vimos Infraestrutura de Software Introdução (cont.) Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como uma

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I Introdução 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Introdução Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos de SO Fundamentos

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Hardware. Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Hardware. Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/25 Roteiro Estrutura de um sistema operacional Interrupções Proteção do núcleo Níveis de privilégio Chamadas de sistema 2/25 Mono-processadores atuais seguem um

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Evolução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Componentes de um sistema computacional Conceituação Características desejáveis Organização

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

Introdução a Computação Móvel

Introdução a Computação Móvel Introdução a Computação Móvel Computação Móvel Prof. Me. Adauto Mendes adauto.inatel@gmail.com Histórico Em 1947 alguns engenheiros resolveram mudar o rumo da história da telefonia. Pensando em uma maneira

Leia mais

AULA 5 Sistemas Operacionais

AULA 5 Sistemas Operacionais AULA 5 Sistemas Operacionais Disciplina: Introdução à Informática Professora: Gustavo Leitão Email: gustavo.leitao@ifrn.edu.br Sistemas Operacionais Conteúdo: Partições Formatação Fragmentação Gerenciamento

Leia mais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Computação e Sistemas - DECSI Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Vicente Amorim vicente.amorim.ufop@gmail.com Sumário

Leia mais

Sistemas Operacionais - Prof. Fabricio Alessi Steinmacher - email:fsteinmacher@gmail.com OBJETIVOS OPERACIONAIS. fsteinmacher@gmail.

Sistemas Operacionais - Prof. Fabricio Alessi Steinmacher - email:fsteinmacher@gmail.com OBJETIVOS OPERACIONAIS. fsteinmacher@gmail. SISTEMAS Introdução a Sistemas Operacionais Prof. Fabricio Alessi Steinmacher - email: OBJETIVOS Identificar as funções e os componentes de um Sistema Operacional; Diferenciar os tipos de Sistemas Operacionais

Leia mais

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia O Sistema Operacional que você usa é multitasking? Por multitasking, entende-se a capacidade do SO de ter mais de um processos em execução ao mesmo tempo. É claro que, num dado instante, o número de processos

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos:

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Estruturas de Sistemas Operacionais Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Os serviços que o sistema operacional oferece. A interface que o sistema operacional torna disponível

Leia mais

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I 18/9/2009 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé Prof. Aux. Simone Markenson Pech 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Sistemas Operacionais. Introdução

Sistemas Operacionais. Introdução Sistemas Operacionais Prof. Fernando Freitas Introdução O que é um sistema operacional História dos sistemas operacionais Tipos de sistemas operacionais Conceitos sobre sistemas operacionais Chamadas de

Leia mais

Sistema Operacional Ex: Complexo Computador multiusuário com vários terminais Tem que administrar todos os pedidos de usuários e assegurar que eles

Sistema Operacional Ex: Complexo Computador multiusuário com vários terminais Tem que administrar todos os pedidos de usuários e assegurar que eles Sistema Operacional Conjunto de programas que inicializam o hardware do computador; Fornece rotinas básicas para o controle de dispositivos; Fornece gerência, escalonamento e interação de tarefas; Mantém

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais O que se espera de um sistema de computação? Execução de programas de usuários Permitir a solução de problemas Sistema Operacional (SO) é um programa colocado entre o hardware do

Leia mais

Sistema Operacional LINUX

Sistema Operacional LINUX SISTEMA OPERACIONAL Sistema Operacional LINUX Para que o computador funcione e possibilite a execução de programas é necessária a existência de um sistema operacional. O sistema operacional é uma camada

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery Sistemas Operacionais Introdução Professora: Michelle Nery Área de Atuação do Sistema Operacional Composto de dois ou mais níveis: Tipo de Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Monotarefas Sistemas

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais

Apresentação. Ementa da Disciplina. Objetivo da Disciplina. DCA-108 Sistemas Operacionais

Apresentação. Ementa da Disciplina. Objetivo da Disciplina. DCA-108 Sistemas Operacionais DCA-108 Sistemas Operacionais Luiz Affonso Guedes www.dca.ufrn.br/~affonso affonso@dca.ufrn.br Apresentação Disciplina básica do curso de Engenharia de Computação Carga-horária: 60h teóricas Associadas

Leia mais

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Sistemas Operacionais Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Ementa Apresentação do curso Cap1 - Visão Geral Cap2 - Conceitos de Hardware e Software Cap3 - Concorrência Cap4 - Estrutura do Sistema Operacional

Leia mais

Seleção de Sistemas Operacionais de Tempo Real para Sistemas Embarcados

Seleção de Sistemas Operacionais de Tempo Real para Sistemas Embarcados Seleção de Sistemas Operacionais de Tempo Real para Sistemas Embarcados RESUMO O presente documento pretende apresentar as principais características dos Sistemas Operacionais de Tempo Real para aplicação

Leia mais

Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais. Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT

Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais. Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT O que é um Sistema Operacional? Um software que abstrai as complexidades do hardware de um usuário/programador

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Software Livre Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) - A liberdade de executar

Leia mais

Hardware e Software. Exemplos de software:

Hardware e Software. Exemplos de software: Hardware e Software O hardware é a parte física do computador, ou seja, é o conjunto de componentes eletrônicos, circuitos integrados e placas, que se comunicam através de barramentos. Em complemento ao

Leia mais

Fiery Network Controller para Xerox WorkCentre 7800 Series. Bem-vindo

Fiery Network Controller para Xerox WorkCentre 7800 Series. Bem-vindo Fiery Network Controller para Xerox WorkCentre 7800 Series Bem-vindo 2013 Electronics For Imaging. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto.

Leia mais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1º Estudo Dirigido Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1. Defina um sistema operacional de uma forma conceitual correta, através de suas palavras. R: Sistemas Operacionais são programas de

Leia mais

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola SO - Conceitos Básicos Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola Definição de SO É uma camada de software que opera entre o hardware e os programas aplicativos voltados ao usuário final. É uma estrutura

Leia mais

Sistemas Operacionais. INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR

Sistemas Operacionais. INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR Sistemas Operacionais INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR 1 Introdução O que se espera de um sistema de computação? Execução de programas de usuários Permitir a solução de problemas

Leia mais

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Este tutorial apresenta uma visão geral da arquitetura para implantação de aplicações móveis wireless. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME

Leia mais

Capítulo 2: Estruturas de Sistema Operacional

Capítulo 2: Estruturas de Sistema Operacional Capítulo 2: Estruturas de Sistema Operacional Sobre a apresentação (About( the slides) Os slides e figuras dessa apresentação foram criados por Silberschatz, Galvin e Gagne em 2005. Esse apresentação foi

Leia mais

2. Introdução aos Sistemas Operacionais

2. Introdução aos Sistemas Operacionais 2. Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? 1 Compilador 2 Editor de texto 3 Browser Aplicativos... Sistema Operacional (infraestrutura) Hardware n Quake No passado, a eficiência

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress. Sistemas Operacionais Aula 3 Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.com Nunca cone em um computador que você não pode jogar pela janela.

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 5 PROCESSOS 1. INTRODUÇÃO Em sistemas distribuídos é importante examinar os diferentes tipos de processos e como eles desempenham seu papel. O conceito de um processo é originário do campo de sistemas

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura de um Sistema Operacional Basicamente dividido em shell é a interface entre o usuário e o sistema operacional é um interpretador de comandos possui embutido

Leia mais