PROJETO BÁSICO DO SISTEMA ADUTOR LAGINHAS CAICÓ / RN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO BÁSICO DO SISTEMA ADUTOR LAGINHAS CAICÓ / RN"

Transcrição

1 Governo do Estado do Rio Grande do Norte PROJETO BÁSICO DO SISTEMA ADUTOR LAGINHAS CAICÓ / RN Volume 1 Tomo I Texto Fortaleza, Fevereiro/2010

2 APRESENTAÇÃO A JM Engenheiros Consultores Ltda, no âmbito do contrato firmado com a Secretaria de Estado do Meio do Rio Grande do Norte, apresenta o relatório de Concepção e Dimensionamento das Obras e Equipamentos do Projeto Básico do. Este relatório é composto de 02 (dois) Volumes, assim distribuídos: Volume 1 - Tomo I Texto; - Tomo II Orçamento Básico; - Tomo III Detalhamento dos Nós (Ponto a Ponto). Volume 2 - Tomo I Desenhos (LAGINHAS-PB-PP a LAGINHAS-PB-PP ); - Tomo II Desenhos (ETA E EB-1 (PROJETO)); - Tomo III Desenhos (ELEMENTOS ESTRUTURAIS). O Volume 1 Tomo I (Texto), além desta apresentação, é composto por 8 (oito) Capítulos denominados: 1. Objeto e Objetivo; 2. Parâmetros de Projeto; 3. Dados Básicos Utilizados nos Estudos; 4. Concepção do Projeto; 5. Característica do Sistema Adutor; 6. Transiente Hidráulico; 7. Suprimento Elétrico; 8. Ficha Técnica do Projeto. i

3 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... I LISTA DE TABELAS...III LISTA DE FIGURAS...III 1. OBJETO E OBJETIVO PARÂMETROS DE PROJETO DADOS BÁSICOS UTILIZADOS NOS ESTUDOS CONCEPÇÃO DO PROJETO CAPTAÇÃO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA ÁGUA TRATADA CARACTERÍSTICA DO SISTEMA ADUTOR DESCRIÇÃO DO SISTEMA ADUTOR DIMENSIONAMENTO ECONÔMICO DOS TRECHOS DO SISTEMA ADUTOR ESCOLHA DO DIÂMETRO ECONÔMICO DADOS BÁSICOS DOS QUANTITATIVOS DO SISTEMA LAGINHAS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO E OPERAÇÃO DA REDE OBRAS CIVIS TRANSIENTE HIDRÁULICO SEQÜÊNCIA DOS CÁLCULOS ANÁLISE INDIVIDUAL DAS ADUTORAS E DIMENSIONAMENTO DOS SISTEMAS DE PROTEÇÃO CONCLUSÕES SUPRIMENTO ELÉTRICO SISTEMA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA FICHA TÉCNICA DO PROJETO CAPTAÇÃO ESTAÇÃO ELEVATÓRIA DE ÁGUA BRUTA CAPTAÇÃO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO (ETA) ESTAÇÃO ELEVATÓRIA DE ÁGUA TRATADA (EB-1) ADUTORA ii

4 LISTA DE TABELAS Tabela 4.1 Sistema Adutor Umarí População (hab.)... 5 Tabela 4.1 Características Principais das Estações de Bombeamento Tabela 5.1 Segmentos do Tabela 5.3 Diâmetro das Ventosas Tabela 6.1 Cálculo das Sobrepressões e Subpressões Sem Proteção (Trecho: EB Flutuante a EB-1) Tabela 6.2 Cálculo das Sobrepressões e Subpressões Com Proteção (Trecho: EB-1 a Reservatório Laginhas) Tabela 10.1 Lista de Materiais Elétricos da EB LISTA DE FIGURAS Figura 1.1 Localização do Município de Caicó... 2 Figura 4.1 Arranjo geral do Caicó/RN Figura 4.2 Curva da Bomba Selecionada para EB Figura 5.1 Custo para as Estações de Bombeamento Figura 5.2 Diâmetros dos Vários Trechos de Recalque do Sistema Adutor Figura 5.3 Comparativo de Custos entre as Alternativas de Seleção do Diâmetro Econômico Figura 6.1 Sobrepressões e Subpressões Sem Proteção (Trecho: EB Flutuante a EB-1 Sistema Adutor Laginhas) Figura 6.2 Sobrepressões e Subpressões Com Proteção (Trecho: EB-1 a Reservatório Laginhas ) iii

5 1. OBJETO E OBJETIVO 1

6 1. OBJETO E OBJETIVO O objeto do presente relatório são os Estudos de Concepção e Dimensionamento das Obras e Equipamentos do ". Seu objetivo é apresentar os estudos técnico-econômicos do dimensionamento do, tendo em vista os seguintes aspectos: Sistema de captação e bombeamento; Sistema de tratamento de água; Sistema adutor; Estudo de transientes hidráulicos; Sistema elétrico; Quantitativos e Orçamentos; Memória de cálculo. O tem por finalidade o abastecimento da comunidade Laginhas pertencentes ao município de Caicó/RN. A Figura 1.1 ilustra a localização geográfica do empreendimento. Figura 1.1 Localização do Município de Caicó 2

7 2. PARÂMETROS DE PROJETO 3

8 2. PARÂMETROS DE PROJETO Para o dimensionamento do sistema adutor foram adotados os seguintes parâmetros: Taxa de crescimento:... 1%; Consumo per capta: l/hab./dia; Coeficiente de perdas:... 5%; Coeficiente do dia de maior consumo (Kl):... 1,2. A Tabela 2.1 apresenta a população, vazões e volume produzidos pela comunidade abastecida pelo ao longo dos 30 anos de operação do sistema. O sistema foi concebido, com operação de 16 horas por dia para Estação de Bombeamento flutuante e 11 horas por dia para Estação de Bombeamento EB-1. 4

9 3. DADOS BÁSICOS UTILIZADOS NOS ESTUDOS 6

10 3. DADOS BÁSICOS UTILIZADOS NOS ESTUDOS Para elaboração do Projeto Básico do foram utilizados os seguintes dados básicos: O levantamento topográfico constou de locação, nivelamento e cadastro do caminhamento da adutora e traçado de planta e perfil na escala 1:2000H e 1:200V; Nas plantas e perfis fornecidos foram localizadas deflexões, descargas, ventosas, travessias de talvegues etc.; O projeto da adutora se encontra nos Desenhos LAGINHAS-PB-PP a LAGINHAS-PB-PP O detalhamento ponto a ponto da adutora se encontra no Volume 1 - TOMO III. 7

11 4. CONCEPÇÃO DO PROJETO 8

12 4. CONCEPÇÃO DO PROJETO O capta água do Rio Piranhas através de uma estação de bombeamento flutuante até uma estação de tratamento situada a cerca de 240 m da captação e por intermédio de bombeamento recalca água para a comunidade de Laginhas no município de Caicó/RN. O sistema de implantação da Adutora Laginhas contempla a captação, estação de tratamento, estação de bombeamento EB-1 e a adutora para abastecimento da comunidade Laginhas. As principais obras que compõem o sistema adutor são: Captação no Rio Piranhas por intermédio de estruturas flutuantes dotadas de bombas de eixo vertical; Estação de tratamento de água (ETA), o reservatório de água tratada, e a estação elevatória de água tratada; Adutora principal, saindo da Estação de Tratamento de Água até a comunidade Laginhas; A Figura 4.1 apresenta o arranjo geral do com os principais elementos do projeto. 4.1 CAPTAÇÃO A captação para o foi prevista no leito do Rio Piranhas com funcionamento do sistema de 16 horas.. Captação flutuante, modelo Float Cap, pré-fabricada em plástico reforçado com fibra de vidro, segundo as normas ASTM-D2563 e NBS-PS1569, composta por: Flutuante construído num só bloco, com base de apoio para bomba centrífuga monobloco.fabricado em PRFV, recebendo pintura externa de gel coat e internamente preenchido por poliuretano expandido; Abrigo de proteção da motobomba fabricado em PRFV, com pintura externa em gel coat, fixação por parafusos; Sino de sucção fabricado em PRFV; Olhais de fixação dos cabos, fabricados em latão; Flutuador fabricado em PRFV, com pintura externa em gel coat, com berço para tubo PEAD, a ser instalado a cada 5m; Conjunto motobomba centrífugo, eixo horizontal, sistema monobloco, trifásico 380V, 60Hz, 1,5 cv. MODELO FLOAT CAP FC-50 CAPACIDADE DE PESO 50 Kg 9

13 Figura 4.1 Arranjo geral do Caicó/RN 10

14 4.2 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA Por insuficiência de dados sobre a qualidade da água, a configuração apresentada foi estabelecida supondo como características da água bruta: turbidez máxima 200 ut, onde 90% tempo 100 ut; cor verdadeira máxima 100 uh, onde 90% tempo 75 uh; ph 5 a 9; Ferro e manganês ausentes; NMP Coliformes Totais 5000/100ml; A utilização do equipamento para tratar águas com características diferentes da citada sem consulta e aprovação da CONTRATANTE será de inteira responsabilidade da CONTRATADA, não cabendo reclamações por uma eventual baixa eficiência no processo de tratamento Tecnologia de Tratamento Características da Estação de Tratamento Levando-se em consideração os resultados operacionais de várias ETAs que empregam a dupla filtração, apresentando o seu efluente dentro dos padrões de potabilidade, foi possível deferir a concepção da ETA, empregando-se a tecnologia citada. Há inúmeras vantagens deste tipo de tecnologia em relação àquela com tratamento em ciclo completo, não só em relação aos custos de implantação, como também os relativos à operação e manutenção. Não há necessidade de unidades de floculação e de decantação, além da coagulação ser realizada no mecanismo de neutralização de cargas, com redução considerável de coagulante e alcalinizante em comparação ao tratamento em ciclo completo, para o qual o mecanismo de coagulação é predominantemente realizado no mecanismo de varredura. Considerando as características variáveis das águas, especialmente em épocas de chuva, a filtração direta ascendente foi prevista para funcionar com quatro descargas de fundo intermediárias, durante a carreira de filtração, e com aplicação simultânea de água na interface pedregulho-areia para evitar ocorrência de subpressão quando da execução de uma descarga. Tal procedimento irá concorrer para extração de parte do material retido no início da camada de areia e de quase a totalidade das impurezas retidas na camada de pedregulho, aumentando com isso a duração das carreiras de filtração. A filtração descendente funcionará como um polimento do efluente do ascendente. As águas provenientes da adutora seguirão à câmara de carga, onde será aplicado o coagulante (sulfato de alumínio ou policloreto de alumínio). Após a aplicação, existe uma grade constituída de varões redondos de aço inoxidável, destinada à mistura do coagulante, a qual chamamos de misturador hidráulico. Na seqüência, a água coagulada será distribuída para os filtros de fluxo ascendente. O nível de água no interior da câmara de carga irá variar em função do grau de retenção de impurezas nos filtros. A câmara de carga dispõe de um medidor de nível, cuja variação indicará a necessidade da execução de descargas de fundo intermediárias. A princípio, a filtração direta ascendente deverá funcionar com programação de quatro descargas de fundo intermediárias, a partir da carga hidráulica disponível e da perda de carga na tubulação e nos meios granulares limpos. Como o efluente do filtro 11

15 ascendente não necessita apresentar turbidez inferior a 1uT, pode-se adotar granulometria e taxa de filtração maiores comparados à filtração rápida ascendente somente. O efluente dos filtros ascendentes é encaminhado então aos filtros de fluxo descendente, passando por um polimento que resulta numa turbidez final inferior a 1uT. Os filtros descendentes retêm as impurezas provenientes dos ascendentes, trabalhando com taxas de filtração maiores. O efluente de cada filtro descendente passa então pela caixa niveladora, descarregando em tubulação coletora de água filtrada em diâmetro adequado ao projeto com suas subseqüentes ampliações de coleta, destinando-se ao reservatório semi-enterrado ou apoiado (água filtrada). Na tubulação de água filtrada, será adicionado o cloro para desinfecção, e próximo à entrada do reservatório, a suspensão de cal para correção final do ph. A lavagem dos filtros ascendentes deverá ser realizada através de reservatório elevado ou motobombas com velocidade ascensional de lavagem entre 0,9 e 1,1 m/min e pressão de entrada na tubulação de 11 a 14 mca com um tempo de lavagem de 8 a 10 minutos. Para os descendentes, a velocidade deverá ser de 0,60 a 0,70m/min, com tempo de lavagem entre 6 e 8 min. O resultado final da dupla filtração é a produção econômica da água com características que, consistentemente, atendem ao Padrão Brasileiro de potabilidade EQUIPAMENTOS SISTEMA DE FILTRAÇÃO Cada filtro ascendente será composto de uma célula que terá forma cilíndrica vertical, com fundo formado por troncos cônicos e em cada tronco será instalado um difusor especial, que será interligado ao sistema tubular de distribuição de água de lavagem e coleta do lodo no momento da descarga de fundo. Internamente, cada filtro constará de tubulações em sistema de malha para introdução de água na interface areiapedregulho, calhas coletoras providas de orifícios, destinadas à coleta de água filtrada e/ou de lavagem, que conduz à caixa coletora externa onde será distribuída a água de lavagem para o sistema de drenagem e a filtrada para o reservatório. O meio filtrante será composto por três camadas de areia apoiadas em oito camadas de pedregulho, que funcionarão como leito de contato para floculação, dispostos sobre os troncos cônicos. Cada filtro descendente será composto de uma célula que terá forma cilíndrica vertical, com fundo plano. Internamente, cada filtro constará de sistema tubular de coleta de água filtrada (e distribuição de água de lavagem), calha coletora provida de orifícios, destinada à coleta de água filtrada(proveniente do filtro ascendente) e/ou de lavagem, que conduz à caixa coletora externa onde será distribuída a água de lavagem para o sistema de drenagem. Acompanhando o filtro descendente, temos a caixa niveladora. Procuramos adotar uma taxa de filtração ascendente em torno de 180 m³/m².dia e descendente de 240 m³/m².dia, seguindo as recomendações de resultados da 12

16 operação de várias ETA s com dupla filtração instaladas. Desta forma, o sistema de dupla filtração será constituído por 04 unidades, com uma célula cada, pré-fabricadas em plástico reforçado com fibra de vidro (PRFV), sendo 02 filtros ascendentes com diâmetro de 0,8 m e 02 filtros descendentes com diâmetro de 0,6 m. - Dados: Método de operação... Taxa declinante Entrada nos filtros... Tubulação / difusores Saída dos filtros... Calhas ou tubos coletores (soleiras e orifícios) Método de lavagem... Descargas contínuas e limpeza geral Número de filtros unidades Diâmetro de cada célula... 0,8 m Área filtrante por unidade... 0,5 m² Taxa de Filtração: T = Q x 24 4 (nº de filtros) x área T = taxa de filtração (m³/m².dia) Q = vazão total do afluente (m³/h) Área = área de um filtro (m²) - Com os filtros em operação normal teremos: TFOpe = 5,22 x 24 = 125,28 m³/m².dia onde: TFOpe= taxa de filtração na operação 2 x 0,5 - Com um filtro em lavagem ou descarga, e os demais em operação, teremos: TFLav = 5,22 x 24 = 250,56 m³/m².dia onde: TFLav= taxa de filtração na lavagem 1 x 0, FILTRAÇÃO DESCENDENTE - Dados: 13

17 Método de operação... Taxa declinante Entrada nos filtros... Tubulação / difusores Saída dos filtros... Calhas ou tubos coletores (soleiras e orifícios) Método de lavagem... Descargas contínuas e limpeza geral Número de filtros unidades Diâmetro de cada célula... 0,6 m Área filtrante por unidade... 0,28 m² TFOpe = 5,22 x 24 = 223,71 m³/m².dia onde: TFOpe= taxa de filtração na operação 2 x 0,28 - Com um filtro em lavagem ou descarga, e os demais em operação, teremos: TFLav = 5,22 x 24 = 447,43 m³/m².dia onde: TFLav= taxa de filtração na lavagem 1 x 0, SISTEMA DE LAVAGEM A lavagem de um filtro qualquer da bateria, será efetuada quando o nível máximo de água for atingido na câmara de carga ou no piezômetro, com água proveniente do reservatório semienterrado, por meio de conjuntos moto-bombas. - Dados: - Área do filtro = 0,5 m² - Velocidade ascensional de lavagem = 0,90 a 1,10 m/min (usamos 1 m/min) - Duração da lavagem = 8 a 10 min (usamos 10min) - Velocidade ascensional na interface = 0,5 a 0,6 m/min (usamos 0,5 m/min) - Duração de descarga de fundo = 1 min - Vazão de lavagem = 1 x 0,5 m2 = 0,5 m³/min = 30 m³/h - Volume gasto na lavagem de um filtro = 0,5 m³/min x 10 min = 5 m³ - Vazão de água na interface = 0,5 m/min x 0,5 m2 = 0,25 m³/min = 15 m³/h - Volume gasto na descarga de fundo = 0,25 m³/min x 1 min = 0,25 m³ Utilizaremos 03 (três) conjuntos moto-bombas centrífugas, 15 m³/h x 12 mca, 1,5 CV, 1750 rpm. 14

18 Para lavagem de interface, apenas uma bomba será utilizada para fornecer a vazão necessária, enquanto que para a lavagem geral, utilizaremos as duas bombas em paralelo. A terceira bomba atuará como reserva. b)filtros descendentes A lavagem de cada filtro deve ser efetuada quando a perda de carga atingir 1,5 m. As características operacionais da lavagem dos filtros descendentes são: - velocidade ascencional de lavagem: Va= 0,65 m/min - vazão de água para lavagem: 0,65m/minx x 0,28 m2 = 0,182 m³/min = 10,92 m³/h c) reservatório de água filtrada e elevatória de água para lavagem Os volumes máximos de água para lavagem são os seguintes: 1. Filtro ascendente: 1 m/min x 10 min x 0,5 m² = 5 m³ 2. Filtro descendente: 0,65 m/min x 7 min x 0,28 m² = 1,274 m³ 3. Aplicação da água na interface: 0,5 m/min x 1 min x 0,5 m² = 0,25 m³ Assumindo-se que possa ocorrer lavagem seqüencial de dois filtros, um ascendente e outro descendente, o volume de água para lavagem para ser armazenado será de aproximadamente = 6,524 m³ A elevatória de água para lavagem dos filtros será constituída por três conjuntos moto bombas (2+1de reserva), do tipo centrífuga de eixo horizontal, com capacidade de recalque de cerca de 15 m³/h para AMT = 12 mca. Para a lavagem dos filtros ascendentes deverão operar dois conjuntos em paralelo, formando cerca de 30 m³/h para garantir a velocidade ascensional necessária para a expansão do leito filtrante. Para a lavagem dos filtros descendentes e fornecimento da água durante as descargas intermediárias dos filtros ascendentes, deverá ser utilizada apenas uma bomba devido às menores vazões requeridas para essas operações SISTEMA DE DOSAGEM - Considerações Gerais O sistema de dosagem permite um funcionamento por turnos de operação da ETA, que poderá ser ajustado quando da operação prática. Para o equipamento calculado, considerou-se uma dosagem média dos produtos químicos. Quando existirem dois kits, seu funcionamento será o seguinte: 01 kit fazendo na dosagem, 01 kit preparando a solução ou suspensão. Cada kit de dosagem é composto por: Tanque em PRFV com volume suficiente para armazenamento da solução; Misturador da solução; 15

19 Bomba dosadora tipo diafragma ou centrífuga Produtos Químicos Sulfato de Alumínio (granular) Para uma dosagem a uma concentração de 5% da solução, adotamos 02 (dois) kits, modelo KPDS-70, com tanque com volume útil de 70 litros Barrilha Para uma dosagem a uma concentração de 5% da suspensão, adotamos 02 (dois) kits, modelo KPDS - 70, com tanque com volume útil de 70 litros ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MISTURADOR HIDRÁULICO Misturador hidráulico tubular, integrado ao tubo de coleta do aerador, por meio de placa de orifício em PVC dotado de dois pontos para aplicação de produto químico, sendo neste caso em diâmetro de CÂMARA DE CARGA A câmara de carga será fabricada em plástico reforçado com fibra de vidro (PRFV), acompanhada de misturador hidráulico, dotada de visor de nível de 2000 mm com cinco indicadores de nível, variação a cada 400 mm, para controle das descargas de fundo e lavagem do leito filtrante. A altura total da câmara dispõe de uma carga hidráulica suficiente para vencer a altura do(s) filtro(s), a perda de carga no material filtrante, as perdas localizadas nos filtros e barriletes de interligação e mais os dois metros para acúmulo da perda de carga no processo de filtração. A fabricação seguirá as especificações das normas ASTM-D3299, ASTM-D2996, ASTM-D2563 e NBS-PS15, orientando para que o seu processo de fabricação seja composto pelas etapas seguintes: Superfície interna constituída de uma camada de véu sintético, acompanhada de duas demãos de manta 450g/m², impregnadas com resina isoftálica pelo processo manual, formando uma barreira química inerte à hidrólise e ataques dos produtos químicos utilizados à montante. Camada estrutural formada por fios contínuos e picados pelo processo de enleamento contínuo (filament winding), com resina tereftálica. Na superfície externa será efetuado lixamento manual objetivando retirar algumas fibras expostas, para posterior pintura à base de gel-coat aditivado com agentes tixotrópicos, pigmento na cor desejada e inibidores de radiação ultra-violeta. 16

20 4.2.4 Características Principais Modelo... CCLA 400 Quantidade unid Diâmetro interno mm Altura total mm Dreno de fundo mm FILTRO ASCENDENTE E DESCENDENTE Cada filtro ascendente possui fundo interno formado por ramais de seção elíptica (com formato de viga Califórnia), os quais possibilitam maior eficiência na remoção das impurezas retidas na camada de pedregulho por ocasião da realização das descargas de fundo, além de uniformizar a distribuição da água coagulada e de lavagem. Dispõem ainda de tubulações para introdução de água na interface areia-pedregulho, evitando a formação de vácuo, formado pela diferença de gradiente de percolação da água na areia filtrante e nas camadas de pedregulhos; calha coletora e uma caixa distribuidora para águas filtrada e de lavagem. Cada filtro descendente possui fundo plano, tubulações de coleta de água filtrada (e distribuição de água de lavagem), calha coletora e uma caixa receptora do efluente do filtro ascendente, contando também com caixa niveladora. A fabricação seguirá as especificações das normas ASTM-D3299, ASTM-D2996, ASTM-D2563 e NBS-PS15, orientando para que o seu processo de fabricação seja composto pelas etapas seguintes: Superfície interna formada de uma camada de véu sintético e uma manta 450 g/m2, impregnadas com resina isoftálica, pelo processo manual, formando uma barreira química inerte à hidrólise e ataques de substâncias corrosivas utilizadas no processo auxiliar de filtração e abrasão. Camada estrutural formada por fios contínuos e picados pelo processo de enleamento contínuo (filament winding), com resina tereftálica. Na superfície externa será efetuado lixamento manual, objetivando retirar algumas fibras expostas, para posterior pintura à base de gel-coat aditivado com agentes tixotrópicos, pigmento na cor desejada e inibidores de radiação ultravioleta Características Principais 17

21 - MODELO Filtro CLA III 80 Quantidade Unid Diâmetro mm Altura mm Entrada de água coagulada... PVC Ø 75 mm Entrada de água para lavagem... PVC Ø 75 mm Saída de água filtrada... PVC Ø 50 mm Saída da água de lavagem... PVC Ø 75 mm Entrada de água na interface... PVC Ø 40 mm Descarga de fundo... PVC Ø 50 mm - MODELO Filtro FD 60 Quantidade Unid Diâmetro mm Altura mm Entrada de água filtrada... PVC Ø 60 mm Entrada de água para lavagem... PVC Ø 60 mm Saída de água filtrada... PVC Ø 32 mm Saída da água de lavagem... PVC Ø 50 mm Dispositivos Acessórios Escada: Cada filtro possui escada em tubo de ferro preto Ø1 1/4, com degraus em liga de alumínio e cobre. Barrilete: O barrilete de manobra e interligações a ser fornecido para cada unidade é projetado para atender à futura ampliação, bem como permitir a lavagem ou manutenção de uma unidade sem retirada de operação das demais, quando o sistema se compõe de mais de uma unidade filtrante. As válvulas utilizadas nas operações são do tipo borboleta modelo WAFER, para montagem entre flanges, segundo as normas ABNT NBR 7669, PN-10 ou DIN 2532, 18

22 PN-10 em ferro fundido, ASMTA- 351-CF8 e semi eixo AISI 316, pressão de serviço 15 psi. O barrilete é composto por: tubos e conexões em PVC soldável, classe 12(PN-6), com flanges em PRFV na entrada e saída do filtro; registros de esfera em PVC soldável (água coagulada, saída de água filtrada, entrada de água de interface e descarga de fundo) e registros de gaveta (entrada e saída de água de lavagem). As tubulações e válvulas são dimensionadas de acordo com as normas para elaboração dos projetos de ETAs. Material filtrante para cada unidade: Todo material filtrante se apresenta livre de impurezas tais como: lama, matéria orgânica, argila, ferro e manganês, acondicionados em sacos plásticos contendo aproximadamente 30 kg, resistentes ao transporte e armazenamento, devidamente etiquetados nas granulometrias. Todo material apresentar-se-á rigorosamente dentro das granulometrias e coeficientes de uniformidade abaixo discriminados: a) Estratificação CAMADA Nº GRANULOMETRIA (mm) Ascendente GRANULOMETRIA (mm) Ascendente 01 38,0 a 25,4 100 mm 38,0 a 25,4 150 mm 02 25,4 a 15,9 100 mm 25,4 a 15,9 100 mm 03 15,9 a 9,6 100 mm 15,9 a 9,6 100 mm 04 9,6 a 4,8 200 mm 9,6 a 4,8 75 mm 05 15,9 a 9,6 150 mm 4,8 a 2,4 75 mm 06 9,6 a 4,8 100 mm ,8 a 2,4 500 mm - - TOTAL PEDREGULHO 1250 mm mm Areia 1,2 a 2,8 110 mm 0,30 a 1, mm TOTAL AREIA 1600 mm mm ALTURA TOTAL 2350 mm mm b) Fornecimento As camadas 01 (um) até a 07 (sete) são pedregulhos formados por seixos rolados seguindo suas granulometrias apresentadas. Há uma repetição das camadas de número 3-5 e 4-6; são os mesmos materiais, entre si, mas com posição e espessura diferente. Leito Filtrante do Filtro Ascendente: - Tamanho do grão:... 1,20 a 2,80 mm; - Coeficiente de desuniformidade:... 1,5 a 1,7; - Coeficiente de esfericidade:... 0,70 a 0,80. 19

23 Leito Filtrante do Filtro Descendente: - Tamanho do grão:... 0,42 a 1,41 mm; - Coeficiente de desuniformidade:... 1,3 a 1,5; - Coeficiente de esfericidade:... 0,70 a 0, KIT DE PREPARAÇÃO E DOSAGEM DE SOLUÇÕES QUÍMICAS KPDS-70 TANQUE PRFV BOMBA DOSADORA AGITADOR Diâmetro Superior (mm) 420 Tipo Diâmetro Inferior (mm) 375 Capacidade Diafragma, 37W, Potência do motor monofásica 220V 5 l/h (máx) 70 mca (máx) Rotação nominal Altura Total (mm) 850 Rotâmetro - Haste 0,16 CV 1750rpm Inox Ø12,7mm Altura Útil (mm) 670 Válvula Globo - Comprimento da Haste 550 mm Volume Total (litros) 80 Volume Útil (litros) 70 Válvula de Retenção PVC Válvula de Pé com Crivo PVC - Hélice PRFV Ø100mm Alimentação Ø20mm Extravasor -- Dreno Ø25mm Tanque em PRFV Tanque para preparação e armazenamento de solução química, contendo tubo de alimentação, descarga, extravasor e dreno, tampa com agitador e bomba dosadora centrífuga ou diafragma. Fabricado em resina isoftálica com neo-pentil-glicol e isenta de carga, reforçado com fibra de vidro, laminado na espessura adequada com as condições operacionais, atendendo às especificações das normas ASTM-D2563, NBS-PS15 e CETESB/E- 7130: A superfície interna é constituída por uma camada com espessura mínima de 0,25 mm, reforçado com véu de fios de vidro, rica em resina isoftálica com neo-pentilglicol, não contendo mais que 10% em peso de material de reforço. As condições usadas nesta superfície são para formar uma barreira química; As camadas estruturais compõem-se de fio roving com resina poliéster de grau comercial isenta de cargas, cujo conteúdo de vidro é de 30% em peso, totalizando uma espessura compatível com as condições operacionais; A superfície externa constituída de gel-coat, será relativamente lisa, sem nenhuma fibra solta ou qualquer projeção aguda, com bastante resina isoftálica com neopentil-glicol para evitar que fibras fiquem expostas. Esta resina contém substâncias químicas que protegem o equipamento dos raios ultravioletas. 20

24 Bomba Dosadora Bomba dosadora tipo eletromagnética, com ajuste manual de vazão por meio de botão no painel, em dupla escala de regulagem (0 100% e 0 20%), com luzes indicadoras de força, pulso e escala selecionada, gabinete em plástico de alta resistência, montagem em parede ou base horizontal, 220 v, IP-65, acionamento no corpo da bomba Agitador Tipo vertical, motor elétrico, trifásico, IP54, 220/380V, 60 hz, rpm, equipado com haste e hélice para agitação. Acionado por chave magnética de partida direta com proteção térmica MOTOBOMBAS PARA LAVAGEM DOS FILTROS Conjuntos motobombas 03 (três) conjuntos motobombas (01 reserva), tipo centrífuga, eixo horizontal, trifásico 380V, 60Hz, com as seguintes características: FILTRO CLA II 80 Vazão m³/h AMT mca RPM Potência do Motor... 1,5 cv Incluindo barrilete padrão das bombas, composto por tubos e conexões flangeados, em PRFV, PN-4, válvulas borboletas wafer, válvulas de retenção, parafusos, porcas e arruelas galvanizadas para fixação Quadro de Comando e Proteção (Não faz parte do nosso fornecimento) Quadro metálico para comando e proteção dos 03 motores de 1,5 CV, contendo 03 (três) chaves de partida direta e demais acessórios: contator tripolar, relé de sobrecarga, relé de tempo, relé falta de fase, relé de nível, horímetro, chave para seleção manual/automático, sinaleiro, fusíveis de força e comando, amperímetro, voltímetro, chave para voltímetro, horímetro, barramento, fiação e terminais. 4.3 ÁGUA TRATADA Considerações Gerais No Sistema Adutor Umarí há uma estação de bombeamento de água tratada, a saber: Estação de bombeamento 1: localiza-se no sítio da ETA e recalca água para o abastecimento da comunidade Laginhas beneficiada pelo sistema. 21

25 O poço de sucção deverá dispor de sensores de nível que emitirão sinais (alarmes sonoros e luminosos) indicando os momentos que devem ser ligados ou desligados os motores. A elevatória disporá de uma monovia, equipada com talha manual, que permitirá a movimentação horizontal e vertical dos conjuntos elevatórios, bem como dos demais equipamentos. O arranjo proposto para a sala de bombas propicia a livre circulação de pessoas, como também dos equipamentos. A obra civil da estação constará de um poço de sucção, sala de bombas e dispositivo de drenagem localizado em nível inferior e, em nível superior, sala de comando, área para depósito de materiais e equipamentos e gabinete sanitário. A disposição das tubulações, além de proporcionar boa circulação pelo interior da sala, garante um bom equilíbrio dos esforços resultantes, sem a necessidade de grandes estruturas de ancoragem. A estação é equipada com bombas centrífugas de eixo horizontal, acopladas a motores elétricos trifásicos, ambos montados sobre base de ferro fundido. As bombas trabalharão sempre afogadas, de forma a manter o NPSH requerido sempre inferior ao disponível na instalação e, portanto de modo a protegê-la contra o fenômeno da cavitação. Igualmente, a formação de vórtice também será evitada mantendo-se a velocidade na tubulação de sucção abaixo de 1 m/s. As tubulações de descarga das bombas, bem como o barrilete de recalque foram dimensionados de forma a propiciar velocidades de escoamento não superiores a 3 m/s. As tubulações de sucção serão equipadas com registro de bloqueio e junta de montagem. As descargas das bombas disporão de válvula controladora de bomba que possuirão a função de retenção e que tem a vantagem de minimizar os efeitos do golpe de ariete pela sua rapidez de fechamento. Também é prevista a instalação de medidores de vazão ultrassônico e de manômetros para a aferição das pressões resultantes. Todas as conexões, válvulas e peças especiais previstas nas tubulações de sucção deverão ser PN10 enquanto as correspondentes às tubulações de descarga e barrilete de recalque deverão ser PN25. As bombas utilizadas são de baixa rotação que seguramente apresentam menor desgaste ao longo do tempo bem como menor necessidade de manutenção. Na captação flutuante optou-se por bombas submersas de eixo vertical também com baixa rotação. A captação flutuante e a estação de bombeamento EB-1, serão equipadas com dois (1) conjuntos elevatórios, sendo um de reserva. 22

26 O foi projetado para entrar em operação com a vazão final de plano, não havendo graduação em sua implantação. A Tabela 4.1 apresenta as principais características hidráulicas da EBF E EB-1. Tabela 4.1 Características Principais das Estações de Bombeamento Vazão Total Hman. Número de Unidades Potência EB (l/s) (m.c.a.) Operação Reserva Unitária (cv) FLUTUANTE 1,45 23, ,5 EB-1 1,96 132, , Seleção dos Conjuntos Motobombas Dimensionado o sistema adutor, foram traçadas as curvas do sistema para cada recalque. De posse da curva do sistema e dos dados básicos da adutora, determinouse o conjunto moto bomba adequado. A curva da bomba selecionada para Estação de Bombeamento EB-1 esta apresentada na Figura

27 Figura 4.2 Curva da Bomba Selecionada para EB-1 24

28 5. CARACTERÍSTICA DO SISTEMA ADUTOR 25

29 5. CARACTERÍSTICA DO SISTEMA ADUTOR 5.1 DESCRIÇÃO DO SISTEMA ADUTOR O pode ser dividido em dois trechos: Da captação flutuante à estação de tratamento de água (ETA) e à estação de bombeamento (EB); Da estação de bombeamento até o reservatório na comunidade de Laginhas, denominada adutora principal; A vazão total de captação do projeto do, é de 1,42 l/s, correspondente a uma vazão de tratamento de cerca de 1,35 l/s = 116,64 m³/dia (tempo de operação de 16 horas da EBF, no ano de alcance do projeto) e acrescida de 5% por perdas na ETA a ser projetada, ou seja, 0,07 l/s. E a vazão de adução 1,96 l/s correspondente ao tempo de operação do Conjunto motor bomba da EB DIMENSIONAMENTO ECONÔMICO DOS TRECHOS DO SISTEMA ADUTOR Critérios Utilizados Foi utilizada a seguinte formulação para a determinação da perda de carga na adutora: fórmula de Colebrook-White em conjunto com a fórmula universal de perda de carga de Darcy-Weisbach, conforme abaixo demonstrado: 1 Formula de Colebrook-White: 2log f 3,7 L Formula de Darcy-Weisbach: H f V 2 D 2g Onde: f - fator de atrito; k - Rugosidade do tubo (mm) = 0,2; R - Número de Reynolds; L - Comprimento (m); V - Velocidade de escoamento (m/s); D - Diâmetro (m); g - Aceleração da gravidade = 9,81 m/s² Metodologia k D 2,51 R f Utilizou-se o método do estudo econômico para a determinação do diâmetro correspondente ao menor custo total (energia + investimento). 26

30 Determinação dos Custos de Energia Os custos de energia foram determinados com base nas tarifas horo-sazonais obtidas na ANEEL, segundo resolução n 218 de 27/08/2004. Esses custos se referem aos preços de consumo de energia em R$ kw x h, no período de ponta seca e úmida, e fora da ponta seca e úmida, considerando também o custo da demanda fora da ponta em R$ kw/mês. Para a determinação do custo de consumo considera-se a evolução da demanda ao longo dos 30 anos de vida útil do projeto. Conforme exposto acima, os diâmetros dos vários trechos de recalque do Sistema Adutor foram definidos a partir da determinação do custo mínimo, conforme ilustrado na Figura 5.2. Figura 5.2 Diâmetros dos Vários Trechos de Recalque do Sistema Adutor Os diâmetros dos trechos gravitários foram determinados de modo a se atender a demanda em função da pressão disponível. Esta pressão é dada pela altura do reservatório, no caso de ramal gravitário, ou pressão dinâmica no ponto de derivação, em caso de ramal para localidades situadas ao longo da adutora. 5.3 ESCOLHA DO DIÂMETRO ECONÔMICO A Figura 5.3 mostra um comparativo de custo entre as alternativas de seleção do diâmetro econômico para o. Alternativa 1 A alternativa 1 parte do pressuposto que toda a adutora a partir da ETA/EB-1até o Reservatório Elevado da comunidade de Laginhas seja em tubulação em Ferro Fundido (FºFº) de 80 mm indicada para tubulações aéreas. Alternativa 2 (ESCOLHIDA) 28

31 Já a alternativa 2 sugere que a adutora saia da ETA/EB-1 com tubulação em Ferro Fundido (FºFº) de 80 mm aérea, até a Estaca E186, onde a Adutora passa a ser em tubulação PVC/PBA 75 mm cl 20 de forma enterrada. Sendo a alternativa 2 justificada, pelo o cálculo da transiente hidráulico, que apresenta pressão inferior a 100 m.c.a a partir da estaca supracitada, sendo escolhida a tubulação PVC/PBA de maior classe de pressão: PVC/PBA Cl 20. Figura 5.3 Comparativo de Custos entre as Alternativas de Seleção do Diâmetro Econômico 5.4 DADOS BÁSICOS DOS QUANTITATIVOS DO SISTEMA LAGINHAS A Tabela 5.1 apresenta os diâmetros e as extensões dos trechos da adutora do. Os Desenhos LAGINHAS-PB-PP a LAGINHAS-PB- PP , apresentam as características do sistema adutor. Os detalhes das travessias sob talvegue, rodovias, fixação da tubulação em pontes rodoviárias e blocos de ancoragem, são mostrados nos Desenhos ELEMENTOS ESTRUTURAIS (Volume 2 TOMO III). 29

32 Tabela 5.1 Segmentos do Trecho Extensão Tubulação Diâmetro (m) (mm) EB Flutuante a ETA / EB-1 240,00 Tubo PEAD 80 ETA / EB-1 a Redução 3.340,00 FOFO 80 Redução a Reservatório Elevado em Laginhas ,88 PVC/PBA 75 Total , EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO E OPERAÇÃO DA REDE Ventosas Ao longo da rede foram utilizadas ventosas para permitir a admissão e expulsão de ar durante a operação normal e durante os períodos de enchimento e esvaziamento da rede. Estes equipamentos impedem a formação de bolsões de ar na tubulação que causariam redução de seção de escoamento com conseqüente redução de vazão. Utilizou-se apenas ventosas de tríplice função pelo fato destes aparelhos minimizarem os efeitos de eventuais transientes ao longo da rede provocados pela abertura e fechamento de válvulas de bloqueio. O posicionamento das ventosas ao longo da rede baseou-se nos seguintes critérios: Pontos altos da rede; A jusante de válvula de bloqueio quando o terreno está em declive; Longos trechos horizontais (neste caso a cada 300 m). Conhecida a vazão da linha, e adotando-se um valor para o diferencial de pressão entre o interior da ventosa e a atmosfera no momento do enchimento ou esvaziamento da canalização (geralmente adota-se 3,5 m.c.a), obtêm um ponto que dará o tamanho da ventosa utilizada. Para simplificar o dimensionamento, foram feitas várias simulações de vazões em diversos diâmetros e chegou-se ao seguinte (Tabela 7.3). Tabela 5.3 Diâmetro das Ventosas DIÂMETRO DA LINHA (mm) DIÂMETRO DA VENTOSA (mm)

33 5.5.2 Descarga de Fundo Os locais mais baixos da rede foram previstos pontos de drenagem destinados a esgotar a água dos tubos por ocasião de reparos e limpeza. Foi prevista descarga de fundo ainda a jusante de válvula de bloqueio quando o terreno está em aclive Válvulas de Bloqueio As válvulas de bloqueio têm a finalidade de isolar determinados trechos da rede para eventual manutenção sem que seja necessário paralisar todo o sistema. Estão localizadas nas derivações mais importantes e ao longo de uma linha a jusante das cidades. Foram utilizadas válvulas borboleta com junta de montagem, para facilidade de manutenção. Para evitar transientes, as válvulas borboleta devem ter mecanismo de redução para fechamento lento Derivação para Comunidades Na derivação para cidades e distritos, foi previsto a instalação de uma válvula de controle com as seguintes funções: Reduzir a pressão de montante a valor pre-determinado a jusante; Manter a pressão de jusante constante independente da variação da pressão de montante; Ter mecanismo de fechamento automático quando a pressão a montante cair abaixo de um determinado valor, impedindo assim que seja retirada água da tubulação quando as bombas estiverem desligadas. A válvula será dotada de um by-pass para ser utilizado no caso de uma manutenção, e será acondicionada em abrigo de alvenaria. Nos reservatórios das cidades e nos chafarizes dos distritos, foi previsto a instalação de um hidrômetro e uma válvula de altitude que será regulada pelo nível do reservatório. 5.6 OBRAS CIVIS Assentamento de tubulação Assentamento Enterrado As tubulações serão enterradas a uma profundidade mínima de 0,9 m acima da geratriz superior do tubo. A esta profundidade, a maioria dos veículos pode trafegar sem afetar o tubo. 31

34 O material de reaterro da vala deverá estar isento de pedregulhos e deverá ser compactado a 90% do Proctor Normal. O assentamento da adutora em valas só será realizado em material de 1º ou 2º categorias Assentamento Aéreo Nos trechos em rocha, a adutora será assentada em pilaretes de concreto com abraçadeiras na razão de uma por tubo. O pilarete sempre se localizará nas bolsas dos tubos. Nas travessias de talvegues e na área de perímetro urbano, a adutora deverá ser enterrada, mesmo em trechos onde ocorre solo desfavorável Caixas de Proteção Os dispositivos que serão dotados de caixas de proteção serão: Ventosas; Descargas de fundo; Válvulas de bloqueio. As caixas serão em alvenaria de tijolo e terão função apenas de proteger os dispositivos. Para a drenagem das caixas foi previsto um colchão de brita de 20 cm no fundo da caixa que não será dotada de lage de fundo. A tampa será em malha de aço para garantir a ventilação e a inspeção visual dos equipamentos Blocos de Ancoragem São estruturas em concreto ciclópico ou armado com a função de absorver os impactos causados pelas variações de fluxo na rede. Se localizam na seguintes peças: Tês de derivação; Reduções; Curvas Travessia da Adutora em Pontes Rodoviárias Nos pontos onde a adutora cruza talvegues importantes, a travessia será feita na ponte rodoviária existente. Para isso, serão fixadas abraçadeiras na lage inferior do passeio com o intuito de sustentar a tubulação. 32

35 5.6.5 Travessia da Adutora em Talvegues Na travessia de talvegues, a adutora deverá ser ancorada e envelopada com concreto para evitar o arranque por flutuação causada pela empuxo da água quando a mesma está vazia. 33

36 6. TRANSIENTE HIDRÁULICO 34

37 6. TRANSIENTE HIDRÁULICO 6.1 SEQÜÊNCIA DOS CÁLCULOS O transiente hidráulico nas linhas de recalque é avaliado normalmente para o caso de parada do bombeamento nas estações de bombeamento, quer por operação normal do sistema em função das horas diárias de bombeamento, quer por interrupção do fornecimento de energia elétrica aos motores, considerando inicialmente que o sistema estaria funcionando sem qualquer equipamento de proteção contra o golpe de aríete. Esta condição de parada brusca dos motores, conforme indica a própria literatura especializada, constituí-se na condição mais crítica de funcionamento do sistema, quando são provocadas as maiores sobrepressões e subpressões nas adutoras. Foram consideradas os seguintes parâmetros de transientes: a) Celeridade Os valores da celeridade das ondas transientes foram obtidas da seguinte expressão: c 1 K p K E x D e 2 (1 v ) e Em que: c = celeridade das ondas transientes em m/s; K = 2,19GPA para escoamento de água módulo de elasticidade do fluido em escoamento; = kg/m³, para água massa específica; E = módulo de elasticidade do material que constitui o tubo; = coeficiente de Poisson 0,3 para FºFº dúctil. b) Momento de Inércia Para o cálculo do momento de inércia polar dos conjuntos moto-bombas, foi utilizada a fórmula de Koelle/Betânio, onde: Em que: I = 228 x (kw / rpm) 1,435 I = Momento de inércia polar em kg x m²; kw = Potência do motor em kw; 35

38 rpm = Rotação da bomba em rotação por minuto. Foram considerados os seguintes valores de celeridade: Trecho Flutuante no rio Piranhas a EB-1 Admitindo-se: - Extensão da tubulação flutuante (Pead): m; - Tubulação constituída de Pead... a = 250 m/s; - Tubulação de recalque da EB-1, aérea constituída de tubulação de PVC PBA CL20:... a = 500 m/s. 6.2 ANÁLISE INDIVIDUAL DAS ADUTORAS E DIMENSIONAMENTO DOS SISTEMAS DE PROTEÇÃO Considerações Gerais Os seguintes passos foram dados para análise do comportamento individual do transiente hidráulico em cada sistema hidráulico componente do, na parada brusca das bombas em operação: a) Admitindo-se a princípio um tipo de tubo e classe de pressão para cada adutora, espessura e material definidos, calculou-se os parâmetros hidráulicos de alimentação das planilhas empregadas na análise, constando de curva característica das bombas, momento de inércia dos conjuntos de bombeamento, celeridade das ondas de pressão, fator de resistência pela fórmula de Colebrook, e dados característicos das tubulações como diâmetro, espessura, módulo de elasticidade, etc.; b) Simulou-se o sistema individual da adutora de recalque em conformidade com os condicionantes do projeto tal como se não houvesse nenhum equipamento de proteção. Estas simulações compreendem a "Análise Preliminar", permitindo identificar os pontos críticos ao longo da adutora e a performance da classe de tubulação; Nos cálculos efetuados admitiu-se o composto de uma adutora de recalque flutuante, constituída de tubos PEAD de diâmetro 80mm com extensão total de 240m, e uma adutora de recalque, a partir da EB-1 com diâmetro de 80mm, aérea em ferro fundido dúctil de extensão de cerca de 3.340,00 m até a Estaca E186 onde há uma redução/adaptação para Tubo PVC/PBA de 75mm de extensão de cerca de ,88m Forma de Apresentação dos Resultados Um gráfico é apresentado para cada caso: O gráfico, mostra em termos de cotas, as envoltórias das linhas piezométricas máxima e mínima do transitório hidráulico juntamente com o perfil aproximado do terreno natural sem qualquer equipamento de proteção instalado, para os seguintes trechos: - EB Flutuante a EB-1 (Figura 6.1 e Tabela 6.1); - EB-1 ao Reservatório de Laginhas (Figura 2.2 e Tabela2.2) 36

39 Figura 6.1 Sobrepressões e Subpressões Sem Proteção (Trecho: EB Flutuante a EB-1 ) 37

40 Tabela 6.1 Cálculo das Sobrepressões e Subpressões Sem Proteção (Trecho: EB Flutuante a EB-1) Distância Cotas Acumulada (m) Subpressões Topográficas Sobrepressões Subpressões Sobrepressões 0,00 96,74 81,50 110,50 15,235 29,000 26,67 97,54 79,00 110,47 18,537 31,468 53,33 98,38 82,00 110,44 16,381 28,436 80,00 99,27 85,70 110,40 13,570 24, ,67 100,20 84,80 110,37 15,405 25, ,33 101,19 86,00 110,34 15,189 26, ,00 102,23 90,00 110,31 12,226 20, ,67 103,32 96,00 110,27 7,316 12, ,33 103,34 100,30 110,24 3,043 9, ,00 103,37 103,37 103,37 0,000 0,000 38

41 Figura 6.2 Sobrepressões e Subpressões Com Proteção (Trecho: EB-1 a Reservatório Laginhas ) 39

42 Tabela 6.2 Cálculo das Sobrepressões e Subpressões Com Proteção (Trecho: EB-1 a Reservatório Laginhas) Distância Cotas Acumulada (m) Subpressões Topográficas Sobrepressões Subpressões Sobrepressões 0,00 169,23 103,37 213,37 65, , ,54 171,50 120,00 213,37 51,498 93, ,08 173,85 134,70 213,37 39,147 78, ,62 176,28 153,00 213,37 23,277 60, ,16 178,79 133,50 213,37 45,291 79, ,70 181,39 132,70 213,37 48,692 80, ,24 184,08 141,00 213,37 43,082 72, ,78 186,87 144,80 213,37 42,066 68, ,32 189,06 160,00 213,37 29,063 53, ,86 191,26 191,26 191,26 0,000 0,000 40

43 6.3 CONCLUSÕES Dos estudos desenvolvidos concluí-se não haver necessidade de instalação de qualquer equipamento de proteção, uma vez que as linhas envoltórias de subpressões se situam acima do terreno, após a queda do fornecimento de energia aos motores das bombas, e as linhas envoltórias de sobrepressões geram pressões compatíveis com as classes de pressão utilizadas. 41

44 7. SUPRIMENTO ELÉTRICO 42

45 7. SUPRIMENTO ELÉTRICO 7.1 SISTEMA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA 1-O sistema de fornecimento de energia será feito a partir de um alimentador da concessionária na tensão de 13,8 kv. 2-existirá uma subestação equipada com um transformador de 13800/380 V-30 KVA e ligações triangulo - estrela. 3-esse transformador será conectado à uma barra através de um disjuntor de caixa moldada não motorizado. 4-O transformador foi dimensionado para atender a demanda de toda estação ou seja o transformador tem capacidade de alimentar as duas bombas e mais outros serviços. 5-Normalmente o transformador alimenta uma bomba e os demais serviços, a outra bomba só será utilizada em caso de perda da bomba principal. 6-O sistema será equipado com uma proteção de subtensão e falta de fase, a fim de proteger as bombas quando houver a perda de uma fase na linha de 13,8 kv. essa proteção abrirar os contatores das bombas automaticamente. 7-O sistema de medição de faturamento (transformadores de corrente, de tensão e o medidor de energia) será de fornecimento da concessionária. 8-As partidas dos motores (5 CV) serão feitas com partidas diretas. 9-está sendo previsto 04 circuitos de reserva. 10-para melhor entedimento do descrito acima, ver o diagrama unifilar de proteção e medição e diagrama típica das gavetas do qdca. Na Tabela 7.1, encontra-se o quantitativo de materiais da Estação de Bombeamento EB-1. 43

46 Tabela 10.1 Lista de Materiais Elétricos da EB-1 Item Descrição do Material Quantidade 1 TRANSFORMADOR DE FORÇA DE 30 KVA-13800/380 V E LIGAÇÃO TRIANGULO (LADO DE V)-ESTRELA (LADO DE 380 V) 1 2 PÁRA RAIOS DE 15 kv E TIPO CANELA 3 3 MUFLAS PARA CABOS DE 15 kv 3 4 HASTES DE ATERRAMENTO TIPO COPPERWELD DE 3 m DE COMPRIMENTO 4 5 CABO DE COBRE DE 35 mm2 PARA A MALHA DE TERRA (m) 40 6 TRANSFORMADOR DE POTENCIAL DE BAIXA, 600 V E RELAÇÃO 380/115 V 3 7 TRANSFORMADOR DE CORRENTE DE BAIXA TENSÃO, 600 V E RELAÇÃO 50/5 A 3 8 CHAVE DE TRANSFERÊNCIA VOTIMÉTRICA 1 9 VOLTÍMETRO DIGITAL COM ENTRADA DE 0 A 115 V E ESCALA 0 A 500V 1 10 RELÉ DE SUBTENSÃO E FALTA DE FASE, TRIFÁSICO, COM ENTRADA DE 115 V 1 11 DISJUNTOR DE CAIXA MOLDADA, 70 A, 600 V FRAME 600 A, COM CONTATOS AUXILIARES E CAPACIDADE CURTO CIRCUITO DE 10 ka 1 12 RELE TÉRMICO, TRIFÁSICO, TENSÃO NOMINAL 380 V E COM FAIXA DE AJUSTE DE 40 A 70A 1 13 AMPERÍMETRO DIGITAL COM ENTRADA DE 0 A 5 A E ESCALA 0 A 50 A DISJUNTOR DE CAIXA MOLDADA, 30 A, 600 V, FRAME 100 A E CAPACIDADE DE CURTO CIRCUITO DE 10 ka DISJUNTOR DE CAIXA MOLDADA, 20 A, 600 V, FRAME 100 A E CAPACIDADE DE CURTO CIRCUITO DE 10 ka CONTATOR TRIFÁSICO, TENSÃO NOMINAL 380, TRIFÁSICO, BOBINA DE 220 V, CORRENTE NOMINAL 20 A E COM CONTATOS AUXILIARES CONTATOR TRIFÁSICO, TENSÃO NOMINAL 380, TRIFÁSICO, BOBINA DE 220 V, CORRENTE NOMINAL 15 A E COM CONTATOS AUXILIARES RELE TÉRMICO, TRIFÁSICO, TENSÃO NOMINAL 380 V E COM FAIXA DE AJUSTE DE 7 A 9 A 2 19 RELE TÉRMICO, TRIFÁSICO, TENSÃO NOMINAL 380 V E COM FAIXA DE AJUSTE DE 10 A 20A 4 20 RELE TÉRMICO, TRIFÁSICO, TENSÃO NOMINAL 380 V E COM FAIXA DE AJUSTE DE 6 A 10A QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO DE CORRENTE ALTERNADA, COM GAVETAS, TIPO CCM (CENTRO DE CONTROLE DE MOTORES) PARA A INSTALAÇÃO DOS DISJUNTORES 52-1 A 52-8 E DEMAIS COMPONENTES CONFORME MOSTRA O DIAGRAMA UNIFILAR DE PROTEÇÃO E MEDIÇÃO ARMAÇÃO VERTICAL, EM FERRO GALVANIZADO, COM ISOLADOR ROLDANA E PARAFUSOA COM PORCA E ARRUELAS PARA FIXAÇÃO DO PONTO DE ENTREGA. CONJUNTO DE: CAIXA PARA MEDIDOR TRIFÁSICO E CAIXA PARA DISJUNTOR TRIFÁSICO TIPO PADRÃO DA CONCESSIONÁRIA CABO DE FORÇA, SINGELO, COMPOSTO POR CONDUTOR DE FIOS DE COBRE NU, TÊMPERA MOLE, ISOLAÇÃO E CAPA DE PVC PRETA PARA 0,6/1 kv COM SEÇÃO DE 10 mm 2 (m). 50 CABO DE FORÇA, SINGELO, COMPOSTO POR CONDUTOR DE FIOS DE COBRE NU, TÊMPERA MOLE, ISOLAÇÃO E CAPA DE PVC PRETA PARA 0,6/1 kv COM SEÇÃO DE 4 mm 2 (m)

47 APARELHO PARA ILUMINAÇÃO À PROVA DE TEMPO, GASES E VAPORES PARA LÂMPADA FLUORESCENTE TIPO COMPACTA DE 32 W, CORPO BASE E GRADE EM ALUMÍNIO FUNDIDO. GLOBO DE VIDRO ROSQUEADO AO CORPO E VEDADO COM GUARNIÇÃO DE NEOPRENE. SOQUETE E-27 DE PORCELANA REFORÇADA, FIXADA AO CORPO POR MEIO DE PARAFUSOS. UNIDADE COMBINADA DE PLUG E TOMADA BLINDADA, COM UM ELEMENTO 3P+T-380 V/16A, MONTADA EM CAIXA DE MATERIAL TERMO-PLÁSTICO. UNIDADE COMBINADA DE PLUG E TOMADA BLINDA, COM ELEMENTO 2P+T-380 V/16 A, MONTADA EM CAIXA DE MATERIAL TERMO-PLÁSTICO. POSTE DE CONCRETO DT 5/100 COM ENGASTAMENTO DIRETO NO SOLO DE 1,4 m PARA A ILUMINAÇÃO EXTERNA. FORNECIMENTO DE CONJUNTO COM LUMINÁRIA FECHADA PARA LÂMPADA DE 150 W COM DIFUSOR EM POLICARBONATA, SOQUETE E-40, SUPORTE EM ALUMÍNIO FUNDIDO. O CONJUNTO DE LUMINÁRIA DEVERÁ SER FORNECIDO COMPLETO COM LÂMPADA DE 150 W, REATOR, IGNITOR (ACOPLADO), BRAÇO RETO DE 3/4"-1,50 m COM PARAFUSO PARA FIXAÇÃO EM POSTE DE CONCRETO RELÉ FOTO-ELÉTRICO 220 V-60 Hz-1000 W ELETRADUTO RÍGIDO, PVC, COM UMA LUVA, EM BARRAS DE E m E DOTADO DE BUCHA INTERRUPTOR DE EMBUTIR DE 1 SEÇÃO, PARA CAIXA TIPO BLINDADA COM TAMPA, 10 A-220 V INTERRUPTOR DE EMBUTIR DE 2 SEÇÕES, PARA CAIXA TIPO BLINDADA COM TAMPA, 10 A-220 V. CABO DE COBRE NÚ, TÊMPERA MOLE, SEÇÃO NOMINAL 50 mm 2, ENCORDOAMENTO CLASSE E PARA O SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICA (m).. CONEXÃO EXOTÉRMICA, CABO A HASTE COM CABO PASSANTE E DERIVAÇÃO NO TOPO PARA CABO DE COBRE DE 50 mm2 E HASTE DE 5/8"

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL MS TAC 4000 REV.02 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE TRATAMENTO PARA REUSO....

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas:

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: 3.4 MURIAÉ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Os sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da cidade de Muriaé são operados e mantidos

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

LISTAS DE MATERIAIS 4

LISTAS DE MATERIAIS 4 C:\DOCUMENTS AND SETTINGS\MAISA.SENHA\DESKTOP\SAA\04 LISTA DE MATERIAIS.DOC 4 CONTROLE INTERNO Data JAN/08 Nº Folhas 51 Folhas Rev. Responsável Daniela Verificação Aprovação Histórico Revisão 0 1 2 3 4

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: A elevatória apresenta três conjuntos moto-bombas (Foto 3), dos quais dois operam em paralelo, ficando um de reserva, cada um associado a um motor elétrico de 150 cv de potência e recalcando uma vazão

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL 1 OBJETIVO: Padronizar os diversos tipos de sistemas de bomba de incêndio das edificações, seus requisitos técnicos, componentes, esquemas elétricos-hidráulicos e memória de cálculo, de acordo com os parâmetros

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS

MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS S CALHA PARSHALL REV 0-2012 MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS 1- INTRODUÇÃO O medidor Parshall desenvolvido pelo engenheiro Ralph L. Parshall, na década de 1920, nos Estados Unidos, é uma melhoria realizada

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 2

MEMORIAL DESCRITIVO 2 R:\Senador Canedo\Produtos 2007\Projeto SAA\PROJETO BÁSICO ÁGUA\HIDRÁULICO\RELATÓRIO\0.doc MEMORIAL DESCRITIVO 2 CONTROLE INTERNO Data JAN/08 Nº Folhas 18 Folhas Rev. Responsável Daniela Verificação Aprovação

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Reservatórios e Redes de Distribuição de Água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de

Leia mais

Saneamento I Adutoras

Saneamento I Adutoras Saneamento I Adutoras Prof Eduardo Cohim ecohim@uefs.br 1 INTRODUÇÃO Adutoras são canalizações que conduzem água para as unidades que precedem a rede de distribuição Ramificações: subadutoras CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água A adução é feita por gravidade, partindo da barragem que garante a submergência de duas tubulações que encaminham a água captada a duas estruturas de controle (Foto 2), ambas construídas em concreto armado,

Leia mais

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS DANCOR S.A INDÚSTRIA MECÂNICA Professor: José Luiz Fev/2012 CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR 1- BOMBAS D ÁGUA (MÁQUINAS DE FLUXO): 1.1 DEFINIÇÃO Máquinas de fluxo

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DA NOVA ETA

DIMENSIONAMENTO DA NOVA ETA DIMENSIONAMENTO DA NOVA ETA 1 - Estrutura de Chegada de Água Bruta Q dimensionamento = 50 L/s É proposta estrutura de chegada do tipo canal com calha Parshall. Dimensões padrão para garganta de largura

Leia mais

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind.

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind. CONTEÚDO: Capítulo 4 Válvulas Industriais Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: 1 VÁLVULAS DEFINIÇÃO: DISPOSITIVOS DESTINADOS A ESTABELECER, CONTROLAR E INTERROMPER O FLUXO

Leia mais

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS 1 INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas das linhas E e EP de nossa fabricação assim como seus acessórios e opcionais. Dele constam informações técnicas, desde a construção,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REDE DISTRIBUIÇÃO D ÁGUA

MEMORIAL DESCRITIVO REDE DISTRIBUIÇÃO D ÁGUA MEMORIAL DESCRITIVO REDE DISTRIBUIÇÃO D ÁGUA 1.OBJETIVO: O presente memorial visa descrever os serviços e materiais a serem empregados para a execução de abastecimento de água potável a ser implantado

Leia mais

Rio Catucá (Barragem de Botafogo), Cumbe, Pilão, Tabatinga, Conga, Arataca/Jardim e ainda os Rios Pitanga e Utinga.

Rio Catucá (Barragem de Botafogo), Cumbe, Pilão, Tabatinga, Conga, Arataca/Jardim e ainda os Rios Pitanga e Utinga. SISTEMA BOTAFOGO INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1986 (1ª etapa) UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 17% do volume distribuído na Região Metropolitana do Recife, abrangendo Igarassu (parcialmente),

Leia mais

O trecho do recalque, relativo à sa ída das bombas, terá diâmetro de 300 mm.

O trecho do recalque, relativo à sa ída das bombas, terá diâmetro de 300 mm. 1 CONCEPÇÃO DE PROJETO A nova elevatória de água bruta do Sistema Hermínio Ometto terá como concepção básica a interligação dos quatro conjuntos elevatórios em um barrilete comum para operação de um, dois

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO e ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBRA: SISTEMA SIMPLIFICADO DE ABASTECIMENTO D'ÁGUA (2ª ETAPA).

MEMORIAL DESCRITIVO e ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBRA: SISTEMA SIMPLIFICADO DE ABASTECIMENTO D'ÁGUA (2ª ETAPA). MEMORIAL DESCRITIVO e ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBRA: SISTEMA SIMPLIFICADO DE ABASTECIMENTO D'ÁGUA (2ª ETAPA). LOCAL: CENTRO NOVO LINHA JAQUES - DERRUBADAS-RS. DESCRIÇÃO DO MUNICÍPIO / LOCALIDADES - O Município

Leia mais

Tipo: joelho 45º PVC soldável, diâmetros 50, 32 e 25 mm. Fabricação: Tigre, Amanco ou equivalente. Aplicação: na mudança de direção das tubulações.

Tipo: joelho 45º PVC soldável, diâmetros 50, 32 e 25 mm. Fabricação: Tigre, Amanco ou equivalente. Aplicação: na mudança de direção das tubulações. ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 05.01.000 ÁGUA FRIA 05.01.200 Tubulações e Conexões de PVC Rígido 05.01.201 Tubo Tipo: tubo PVC rígido soldável, classe 15, diâmetros 85, 60, 50, 32 e 25 mm. Aplicação: nas

Leia mais

CONCORRÊNCIA PÚBLICA SESC-SENAC Nº

CONCORRÊNCIA PÚBLICA SESC-SENAC Nº CONCORRÊNCIA PÚBLICA SESC-SENAC Nº 12/2004-ANs FORNECIMENTO E MONTAGEM DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO E REUSO DE ÁGUA TIPO FÍSICO/QUÍMICA Construção do Centro Administrativo Sesc-Senac ESPECIFICAÇÕES Cliente:

Leia mais

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA:

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: 05/10/2015 1. Objetivo A expansão do sistema de abastecimento de

Leia mais

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água Padrões de potabilidade A água própria para o consumo deve obedecer certos requisitos: TRATAMENTO DA ÁGUA Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.

SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1. ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.4 - APRESENTAÇÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA OS SERVIÇOS DE MONTAGEM DE POÇOS TUBULARES E DA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS SIMPLIFICADOS DE ABASTECIMENTOS DE ÁGUA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA OS SERVIÇOS DE MONTAGEM DE POÇOS TUBULARES E DA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS SIMPLIFICADOS DE ABASTECIMENTOS DE ÁGUA. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA OS SERVIÇOS DE MONTAGEM DE POÇOS TUBULARES E DA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS SIMPLIFICADOS DE ABASTECIMENTOS DE ÁGUA. 1. OBJETIVO Estabelecer orientações e diretrizes para execução

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ÁGUA NEBULIZADA (MULSIFYRE)

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ÁGUA NEBULIZADA (MULSIFYRE) ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC)

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

Perda de Carga e Comprimento Equivalente

Perda de Carga e Comprimento Equivalente Perda de Carga e Comprimento Equivalente Objetivo Este resumo tem a finalidade de informar os conceitos básicos para mecânicos e técnicos refrigeristas sobre Perda de Carga e Comprimento Equivalente, para

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

Conjunto gerador de hipoclorito de sódio

Conjunto gerador de hipoclorito de sódio Conjunto gerador de hipoclorito de sódio Modelo Clorotec 150 Manual de Operação e Instalação ISO 9001:2008 FM 601984 (BSI) Caro Cliente, Obrigado por escolher à Difiltro! Neste Manual você encontrará todas

Leia mais

V 2. 1.7 Perda de carga localizada (h L. Borda-Belanger formulou que

V 2. 1.7 Perda de carga localizada (h L. Borda-Belanger formulou que 1.7 Perda de carga localizada (h L ) Borda-Belanger formulou que h L K l V 2 2g onde k L é um coeficiente de perda de carga localizada que é função do número de Reynolds e da geometria da peça. É obtido

Leia mais

Palestrante : Maj BM Polito

Palestrante : Maj BM Polito SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SERVIÇOS TÉCNICOS Palestrante : Maj BM Polito SUMÁRIO 1- PARÂMETROS PARA EXIGÊNCIAS DE SISTEMAS

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE MEMORIAL DESCRITIVO OBJETIVO: SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE RESERVATÓRIO ELEVADO Estrutura - Toda a estrutura do reservatório será em concreto armado utilizando

Leia mais

PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO

PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO PCH BARUÍTO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO CUIABÁ MT OUTUBRO DE 2003 1 PCH BARUITO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PROJETO Empreendedor : Global Energia Elétrica S/A Empreendimento:

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO DO TRATAMENTO. ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES REATOR ANAERÓBIO SEGUIDO DE FLOTAÇÃO VAZÃO 3,0 l/s

1. APRESENTAÇÃO DO TRATAMENTO. ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES REATOR ANAERÓBIO SEGUIDO DE FLOTAÇÃO VAZÃO 3,0 l/s 1. APRESENTAÇÃO DO TRATAMENTO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES REATOR ANAERÓBIO SEGUIDO DE FLOTAÇÃO VAZÃO 3,0 l/s A tecnologia anaeróbia, já consolidada na América Latina (em especial no Brasil), se

Leia mais

Máquinas Hidráulicas

Máquinas Hidráulicas Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Hidráulica Geral (ESA024) CAPÍTULO IV: Máquinas Hidráulicas Dezembro 2012 1 Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Objetivos do capítulo: Máquinas

Leia mais

SANEAMENTO DE MIRASSOL SANESSOL S.A

SANEAMENTO DE MIRASSOL SANESSOL S.A MANUAL DO LOTEADOR SANESSOL S.A Sumário 1. Diretrizes Gerais... 3 2. Diretrizes para apresentação dos Projetos... 5 3. Diretrizes técnicas para Abastecimento de Água... 6 3.1. Abastecimento de Água...

Leia mais

MASTER BSD 10-20/ BSD 10-25/ BSD 10-35

MASTER BSD 10-20/ BSD 10-25/ BSD 10-35 ANUAL DE INSTALAÇÃO DA BOBA ASTER BSD 10-20/ BSD 10-25/ BSD 10-35 SUÁRIO 1. AVISOS GERAIS DE SEGURANÇA 3 2. PERIGOS NO ABUSO DO EQUIPAENTO 3 3. LIITES DE TEPERATURAS 4 4. FUNCIONAENTO DA BOBA CO SELAGE

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO - EST 1

DESCRITIVO TÉCNICO - EST 1 DESCRITIVO TÉCNICO - EST 1 1 DESCRITIVO TÉCNICO 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Todos os cálculos e detalhamentos estão de acordo com o prescrito nas normas NBR 6118:2014 Projeto de Estruturas de Concreto -

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO Ambiental MS Projetos Equipamentos e Sistemas Ltda. MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA DE TRATAMENTO E REÚSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE VEÍCULOS MS ECO RA 800 REV.02 SUMÁRIO 2 1 INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE

Leia mais

Reassentamentos de IRAPÉ: apoio à manutenção e melhoria da gestão dos sitemas de abastecimento de água.

Reassentamentos de IRAPÉ: apoio à manutenção e melhoria da gestão dos sitemas de abastecimento de água. Reassentamentos de IRAPÉ: apoio à manutenção e melhoria da gestão dos sitemas de abastecimento de água. Apresentação Esta cartilha tem como objetivo auxiliar os moradores dos reassentamentos de Irapé

Leia mais

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1/7 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 01 ESGOTAMENTO COM BOMBAS... 3 02 REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO COM PONTEIRAS FILTRANTES... 3 03 REBAIXAMENTO DE LENÇOL

Leia mais

FUNCIONAMENTO FILTROS PRENSA - MS-CE

FUNCIONAMENTO FILTROS PRENSA - MS-CE MANUAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO FILTROS PRENSA - MS-CE 1 - INTRODUÇÃO 1.1 - FINALIDADE DESTE MANUAL Este manual proporciona informações teóricas e de instalação, operação e manutenção dos filtros

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO MS ETE RA 5.000 SISTEMA DE TRATAMENTO E REÚSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE VEÍCULOS PESADOS.

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO MS ETE RA 5.000 SISTEMA DE TRATAMENTO E REÚSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE VEÍCULOS PESADOS. Ambiental MS Projetos Equipamentos e Sistemas Ltda. MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO MS ETE RA 5.000 SISTEMA DE TRATAMENTO E REÚSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE VEÍCULOS PESADOS. REVISÃO: 01 FEVEREIRO

Leia mais

Após passar pela unidade de recepção a água bruta segue para a etapa de Coagulação/Floculação, na qual recebe a adição de um agente coagulante.

Após passar pela unidade de recepção a água bruta segue para a etapa de Coagulação/Floculação, na qual recebe a adição de um agente coagulante. 61 Após passar pela unidade de recepção a água bruta segue para a etapa de Coagulação/Floculação, na qual recebe a adição de um agente coagulante. Coagulação/Floculação: Logo na chegada da água bruta ocorre

Leia mais

IMPLANTAÇÃO ENGENHARIA IND. E COM. LTDA. Q -110-111. R.02 16-02-2005, folha 1 de 5.

IMPLANTAÇÃO ENGENHARIA IND. E COM. LTDA. Q -110-111. R.02 16-02-2005, folha 1 de 5. R.02 16-02-2005, folha 1 de 5. Sistema Simples de Queima de Biogás para Estações de Tratamento de Efluentes. Projetado e construído para operar com a vazão total unidade, porém necessitando de um sistema

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 020

Norma Técnica SABESP NTS 020 Norma Técnica SABESP NTS 020 ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Revisão 1 - Maio 2003 NTS 020 : 2003 - rev. 1 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE PROJETO...1

Leia mais

Filtros e Bombas. A Piscina dos seus Sonhos.

Filtros e Bombas. A Piscina dos seus Sonhos. Dúvidas Filtros e Bombas A Piscina dos seus Sonhos. - Filtros Água vazando para o esgoto. Nas opções filtrar e recircular, observo através do visor de retrolavagem que a água continua indo para o esgoto

Leia mais

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982.

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. SISTEMA TAPACURÁ INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 36% do volume distribuído na Região Metropolitana

Leia mais

-Torre de tomada d água com dispositivos de comportas e tubulações com diâmetro de 1.200mm;

-Torre de tomada d água com dispositivos de comportas e tubulações com diâmetro de 1.200mm; SISTEMA SUAPE INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1982 (Inicialmente atendia apenas ao Complexo Industrial de Suape, e, a partir de 1983, passou a ter a configuração atual). UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz,

Leia mais

INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Projeto. Instalação. Hidráulica. PR 009866/18/DE/2006

INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Projeto. Instalação. Hidráulica. PR 009866/18/DE/2006 TÍTULO INSTLÇÕES HIDRÁULICS ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Projeto. Instalação. Hidráulica. INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 PROVÇÃO PROCESSO PR 009866/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI OBSERVÇÕES

Leia mais

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO HIDRÁULICO E EXECUÇÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL Deverão ser obedecidas as normas

Leia mais

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp.

Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. www.viptec.com.br Eng. Moacir de Oliveira Junior, Esp. Contato: (47) 3349-7979 E-mails: moaciroj@gmail.com (Orkut) moaciroj@univali.br moaciroj@hotmail.com (Facebook) moacir@viptec.com.br @Eng_Moacir (Twitter)

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DO RESTAURANTE E VESTIÁRIOS Rev. 0: 09/01/13 1. INTRODUÇÃO Este memorial visa descrever os serviços e especificar os materiais do projeto

Leia mais

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 1 - Vazões e Cargas de Dimensionamento População = Vazão média = Q k1 = Q k1k2 = CO = So = 49974 hab 133.17 L/s 156.31

Leia mais

VENTOSAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD 0195 Prof.: Raimundo Nonato Távora Costa

VENTOSAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD 0195 Prof.: Raimundo Nonato Távora Costa NIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁLICA APLICADA AD 0195 Prof.: Raimundo Nonato Távora Costa VENTOSAS 01. INTRODÇÃO: As ventosas são aparelhos automáticos destinados

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762 Apresentação Apresentação Fundada em 2003, a Masterfer é, hoje, uma renomada fornecedora de produtos para saneamento. Prima por possuir um atendimento de forma única e objetiva, o que a credencia apresentar

Leia mais

REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO

REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO Índice 1 Rebaixamento por Poços Injetores e Bombas Submersas 2 Método construtivo 3 Rebaixamento à Vácuo 4 Norma 5 Método construtivo 6 Equipe de trabalho 1 Rebaixamento Por Poços Rebaixamento por poços

Leia mais

PL 280P PRESSURIZADOR MANUAL DO USUÁRIO, FUNCIONAMENTO E GARANTIA

PL 280P PRESSURIZADOR MANUAL DO USUÁRIO, FUNCIONAMENTO E GARANTIA PL 280P PRESSURIZADOR MANUAL DO USUÁRIO, FUNCIONAMENTO E GARANTIA Manual do usuário, funcionamento e garantia 03 IMPORTANTE -Antes de instalar o pressurizador leia atentamente todos os itens deste manual

Leia mais

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 O núcleo central de inércia é o lugar geométrico da seção transversal

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS - - Fig. 3. Fig. 2

INFORMAÇÕES TÉCNICAS - - Fig. 3. Fig. 2 Fig. 1 02 Fig. 3 Fig. 2 03 INFORMAÇÃO TÉCNICA SOBRE VÁLVULAS DE PULSO 1 8 9 10 A ASCO possui uma ampla linha de válvulas de pulso para o mercado de filtros de manga com acessórios que permitem monitorar

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1

SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1 SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1 Evolu ão modema dajécnica.de.. tratamento 'Aplicação das técnicas de tratamento, 1 Noções fundamentais sobre movimentos de fluidos, 4 Cisalhamento e gradientes de velocidade no

Leia mais

Utilização de Inversores de Freqüência para Diminuição de Consumo de Energia Elétrica em Sistemas de Bombeamento

Utilização de Inversores de Freqüência para Diminuição de Consumo de Energia Elétrica em Sistemas de Bombeamento VI SEREA Seminário Iberoamericano sobre Sistemas de Abastecimento Urbano de Água EFICIÊNCIA HIDRÁULICA E ENERGÉTICA EM SANEAMENTO Utilização de Inversores de Freqüência para Diminuição de Consumo de Energia

Leia mais

Forçados. Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes, DEC-UFPel E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/

Forçados. Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes, DEC-UFPel E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/ Escoamento em Condutos Forçados Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes, DEC-UFPel E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/ CONCEITO São aqueles nos quais o fluido escoa com uma

Leia mais

SISTEMA SIMPLIFICADO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PROJETO BÁSICO PREFEITURA MUNICIPAL DE ERVAL SECO LINHA TRES DE MAIO/ 15 DE NOVEMBRO

SISTEMA SIMPLIFICADO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PROJETO BÁSICO PREFEITURA MUNICIPAL DE ERVAL SECO LINHA TRES DE MAIO/ 15 DE NOVEMBRO SISTEMA SIMPLIFICADO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PROJETO BÁSICO Interessado: Município: Local: PREFEITURA MUNICIPAL DE ERVAL SECO ERVAL SECO / RS. LINHA TRES DE MAIO/ 15 DE NOVEMBRO Memorial Descritivo

Leia mais

SISTEMA SIMPLIFICADO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - POÇO TUBULAR PROFUNDO 74.000,00

SISTEMA SIMPLIFICADO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA - POÇO TUBULAR PROFUNDO 74.000,00 SERVIÇOS PRELIMINARES 13.263,60 INSTALAÇÕES PRELIMINARES/CANTEIRO DE OBRAS AUTORIZAÇÃO PARA PERFURAÇÃO JUNTO A SUPRAM UN 930,00 0% 930,00 1,00 930,00 PLACA DE IDENTIFICAÇÃO DE OBRA P-GOVERNO DO ESTADO,FORNECIMENTO

Leia mais

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA A PERDA DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO PÚBLICO O índice de perdas é um dos principais indicadores da eficiência da operação dos

Leia mais

Rebaixamento do Lençol Freático

Rebaixamento do Lençol Freático Rebaixamento do Lençol Freático Índice 1. Rebaixamento por Poços 2. Bombas Submersas 3. Rebaixamento à Vácuo 4. Norma 5. Método construtivo 6. Equipe de trabalho 1. Rebaixamento Por Poços Rebaixamento

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. PROCEDIMENTOS... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS...

Leia mais

EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES

EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES pág.1 EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES O presente trabalho vem apresentar metodologia básica a serem empregadas na instalação e operação de sistema de rebaixamento

Leia mais

Bombas Submersas. 1. Aplicação. 2. Dados de operação das bombas submersas. 3. Construção / projeto. Denominação UPD, BPD e BPH (exemplo)

Bombas Submersas. 1. Aplicação. 2. Dados de operação das bombas submersas. 3. Construção / projeto. Denominação UPD, BPD e BPH (exemplo) Manual Técnico A3405.0P Bombas Submersas 1. Aplicação É recomendada para o abastecimento de água limpa ou levemente contaminada, abastecimento de água em geral, irrigação e sistemas de aspersão pressurizados

Leia mais

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DATA: FEV/2011 1 de 10 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. NORMAS E ESPECIFICAÇÕES... 3 3. SISTEMAS

Leia mais

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços Introdução Apresentamos nosso catálogo técnico geral. Nele inserimos nossa linha de produtos que podem ser padronizados ou de projetos desenvolvidos para casos específicos. Pedimos a gentileza de nos contatar

Leia mais

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário SANEAMENTO Aula 23 - Sumário AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS Sifões invertidos, descarregadores e instalações elevatórias. Saneamento [A23.1] SIFÕES INVERTIDOS (Artº

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP (1975). Mestre em Engenharia

Leia mais

www.dancor.com.br CATÁLOGO DE PRODUTOS REV. - ABR/2010 Pág- 1

www.dancor.com.br CATÁLOGO DE PRODUTOS REV. - ABR/2010 Pág- 1 REV. - ABR/21 Pág- 1 Índice Vista Geral das Curvas de Desempenho...4-5 Série HBI(N) - Centrífugas Multi-estágios HBI(N) - 2...6-7 HBI(N) - 4...8-9 Série CB(I) - Centrífugas Multi-estágios CB(I) - 2...1-11

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA LABORATÓRIO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E HIDRÁULICA EM SANEAMENTO ATIVIDADES DESENVOLVIDAS João Pessoa, 26 de julho de 2007 Prof. Heber Pimentel Gomes

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE AÉREO DE ÁGUA E ESGOTO

SISTEMA DE TRANSPORTE AÉREO DE ÁGUA E ESGOTO SISTEMA DE TRANSPORTE AÉREO DE ÁGUA E ESGOTO Eng. Giuseppe Pellegrini Eng. Diego Scofano Histórico O sistema de transporte de água e esgoto por via aérea foi um conceito elaborado a partir da necessidade

Leia mais

VEMAQ 10-1 - CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS 1.1 - APRESENTAÇÃO

VEMAQ 10-1 - CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS 1.1 - APRESENTAÇÃO Equipamento: COLETOR COMPACTADOR DE LIXO 10 m³ Modelo : CCL-10 Aplicação: Coleta de resíduos domésticos e/ou industriais,selecionados ou não Fabricante: VEMAQ - Indústria Mecânica de Máquinas Ltda 1 -

Leia mais

AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO

AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO !" AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO 1- INTRODUÇÃO O transporte de água (ADUÇÃO) pode ser realizado das seguintes formas: a) Por GRAVIDADE Utilizando Conduto Livre (Canal) b) Por GRAVIDADE Utilizando

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

DESDE. Catálogo de Produtos

DESDE. Catálogo de Produtos DESDE Catálogo de Produtos 2004 FILTROS PARA APROVEITAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA Ciclo 250 Realiza a separação automática de até 99% dos resíduos sólidos; Filtra até 90% da água captada; Fácil manutenção,

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO CENTRALIZADA. Bomba Hidráulica Manual Bomba Hidráulica Automática Distribuidores

SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO CENTRALIZADA. Bomba Hidráulica Manual Bomba Hidráulica Automática Distribuidores SISTEMA DE UBRIFICAÇÃO CENTRAIZADA Bomba Hidráulica Manual Bomba Hidráulica Automática Distribuidores SISTEMA DE UBRIFICAÇÃO CENTRAIZADA 1 - OBJETIVO Este manual objetiva fornecer instruções técnicas para

Leia mais

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Formulário de Entrada de Dados - PARTE A - IDENTIFICAÇÃO DO SISTEMA OU SOLUÇÃO ALTERNATIVA

Leia mais