01 / 08 / / 08 / 2008 GEPEX

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "01 / 08 / 2005 01 / 08 / 2008 GEPEX"

Transcrição

1 Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT de 103 ÍNDICE 1 FINALIDADE CAMPO DE APLICAÇÃO REFERÊNCIAS DEFINIÇÕES Aterramento Cabine de Medição Cabine de Transformação Carga Instalada Cargas Elétricas Especiais Consumidor Cubículos Blindados Demanda Contratada Edificação de Uso Individual Entrada de Serviço Ligação Provisória Ligação Temporária Malha de Aterramento Ponto de Entrega Poste Auxiliar Potência Instalada Ramal de Entrada Ramal de Ligação Subestação Subestação Abrigada Subestação ao Tempo Tensão de Fornecimento Tensão Nominal Transformador de Corrente - TC Transformador de Potencial - TP Unidade Consumidora DISPOSIÇÕES GERAIS Generalidades Limites de Fornecimento Fator de Potência Determinação da Demanda Localização da Subestação Acesso às Instalações Consumidoras Conservação do Padrão de Entrada Pedido de Ligação Estudo de Viabilidade Técnica Aprovação do Projeto da Extensão da Rede Aprovação do Projeto da Subestação Pedido de Aumento de Carga Pedido de Ligação Provisório Ligações de Canteiros de Obras Ligações de Circos, Parques de Diversões e Similares Projeto Elaboração e Apresentação do Projeto Execução do Projeto... 15

2 Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT de Pedido de Ligação Prazos Entrada de Serviço Ramal de Ligação Ramal de Entrada Padrões Construtivos e Características Gerais das Entradas de Serviço Subestações ao Tempo: no Solo, em Poste ou Plataforma Subestações Abrigadas (Cabines) Cubículos Blindados Medição Generalidades Medição em Tensão Secundária Medição em Tensão Primária Proteção e Manobra Generalidades Proteção de Sobrecorrente Proteção de Sobretensão Proteção contra Subtensão e/ou Falta de Fase Manobras Aterramento Equipamentos e Acessórios Transformadores Equipamentos de Medição Caixas para Equipamentos de Medição e Proteção Barramentos Geradores Banco de capacitores Especificação Resumida dos Equipamentos Elétricos Transformador de Corrente e Transformador de Potencial Fornecimento de Energia ao Sistema de Prevenção e Combate a Incêndio ANEXO I REQUERIMENTO DO ESTUDO DE VIABILIDADE ANEXO II CARTA DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ANEXO III CARTA DE PEDIDO DE INSPEÇÃO E LIGAÇÃO ANEXO IV MODELO DE "PEDIDO DE AUMENTO DE CARGA" PAC ANEXO V CARTA DE PEDIDO DE DEMANDA E OPÇÃO TARIFÁRIA ANEXO VI CÁLCULO DE DEMANDA DA INSTALAÇÃO CONSUMIDORA APROVAÇÃO

3 Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT de 103 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1 Ramal de Entrada Aéreo em Tensão de 13.8 kv Tabela 2 Dimensionamento de Elos Fusíveis Primários Tabela 3 Dimensionamento dos Circuitos Secundários Tabela 4 Dimensionamento de Transformadores Particulares Tabela 5 Dimensionamento de Barramento em 13,8 kv de Subestações Abrigadas Tabela 6 Aparelho de Ar-Condicionado Tipo Janela Tabela 7 Motores Monofásicos Tabela 8 Motores Trifásicos Tabela 9 Fator de Demanda de Equipamentos de Utilização Específica Tabela 10 Fatores de Demanda Típicos por Atividade Tabela 11 Fatores de Demanda de Aparelhos de Aquecimento e Eletrodomésticos em Geral.. 54 Tabela 12 Fator de Demanda de Motores Tabela 13 Fator de Demanda de Equipamentos Especiais Tabela 14 Fatores de Demanda de Condicionadores de Ar Tipo Janela Tabela 15 Fatores de Demanda para Elevadores Tabela 16 Eletrodos de Terra Tabela 17 Métodos de Partida de Motores Trifásicos de 380 V Tabela 18 Carga Mínima e Fator de Demanda para Iluminação e Tomadas de Uso Geral Tabela 19 Potência de Aparelhos Eletrodomésticos Tabela 20 Carga Mínima e Demanda para Iluminação e Tomadas Tabela 21 Dispositivo de Partida de Motores Trifásicos Tabela 22 Dimensionamento de Fusíveis para Motores Trifásicos de 380V Tabela 23 Corrente a Plena Carga de Motores CA 60Hz Tabela 24 Aparelhos Condicionadores de Ar Tipo janela 220V Tabela 25 Métodos de Instalação Tabela 26 Capacidade de Condução de Corrente (A) para Cabos com Revestimento em PVC68 Tabela 27 Capacidade de Condução de Corrente (A) para Cabos com Revestimento em EPR/XLPE Tabela 28 Fatores de Correção para Temperaturas Ambiente Diferentes de 30º C para Linhas Não-Subterrâneas Aéreas e de 20º C para Linhas Subterrâneas Tabela 29 Fatores de Correção para Agrupamento de Circuitos ou Cabos Multipolares, Aplicáveis aos Valores de Capacidade de Condução de Corrente Tabela 30 Fatores de Agrupamento para mais de um Circuito - Cabos Unipolares ou Cabos Multipolares Diretamente Enterrados (Método de Referência D) Tabela 31 Fatores de Agrupamento para mais de um Circuito - Cabos em Eletrodutos Diretamente Enterrados Tabela 32 Fatores de Agrup. de Cabos Multipolares ao Ar Livre (Método de Referência D) Tabela 33 Fatores de Agrup. de Cabos Unipolares ao Ar Livre (Método de Referência E)... 75

4 Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT de 103 ÍNDICE DE DESENHO Desenho 1 Exemplo de Planta de Situação Desenho 2 Afastamento Mínimo entre Condutores e Edificações Desenho 3 Ponto de Entrega Desenho 4 Entrada Subterrânea com Muflas Monofásicas Cruzeta T ou L Desenho 5 Travessia Subterrânea / Caixa de Passagem Desenho 6 Subestações ao Tempo no Solo Desenho 7 Bacia de Contenção de Óleo Desenho 8 Subestação Tipo Poste Capacidade de Transformação até 225 kva Desenho 9 Subestação em Plataforma Capacidade de Transformação de kva Desenho 10 Cabine de Proteção e Medição com Entrada Subterrânea Desenho 11 Cabine de Medição Desenho 12 Cabine de Proteção com Entrada Aérea Desenho 13 Cabine com Capacidade de Transformação até 225 kva Desenho 14 Cabine com Capacidade de Transformação maior que 225 kva Desenho 15 Sugestão Porta do Cubículo e Placa de Advertência Desenho 16 Cavalete para Instalação de TC s e TP s Desenho 17 Caixa de Medição Medição Secundária e Primária Desenho 18 Ligação de Unidades Consumidoras Rurais Desenho 19 Diagrama de Proteção com Relés Secundários

5 Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT de FINALIDADE Esta Norma tem por objetivo estabelecer regras e recomendações aos Consumidores, quando da elaboração do projeto e execução de suas instalações, a fim de possibilitar o fornecimento de energia elétrica com tensão nominal de 13,8 kv pela CEMAR. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO Aplica-se a todas as Gerências das Diretorias de Engenharia e Distribuição. 3 REFERÊNCIAS [1] NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade; [2] NBR 5410 Instalações Elétricas de Baixa Tensão; [3] NBR 5433 Rede de Distribuição Aérea Rural de Energia Elétrica; [4] NBR 5434 Rede de Distribuição Aérea Urbana de Energia Elétrica; [5] NBR Instalações Elétricas para Locais de Afluência de Público; [6] NBR Instalações Elétricas em Estabelecimentos Assistenciais de Saúde Requisitos para Segurança; [7] NBR Instalações Elétricas de Alta-Tensão; [8] NBR 7414 Zincagem por Imersão a Quente; [9] Resolução 456/2000 Condições Gerais de Fornecimento de Energia Elétrica ANEEL; [10] Resolução 058/2004 Atualiza os arts. 3o e 11 da Resolução no 456, ANEEL; [11] Resolução 233/2003 Condições Gerais para Elaboração dos Planos de Universalização de Energia Elétrica ANEEL. 4 DEFINIÇÕES 4.1 Aterramento Ligação a terra, de todas as partes metálicas não energizadas de uma instalação. 4.2 Cabine de Medição É o local reservado à instalação dos equipamentos e acessórios utilizados na medição de um determinado Consumidor. 4.3 Cabine de Transformação É o local destinado à instalação dos equipamentos e acessórios destinados a transformar tensão, corrente ou freqüência. 4.4 Carga Instalada É a soma das potências nominais dos equipamentos elétricos instalados na unidade consumidora, em condições de entrar em funcionamento, expressa em quilowatts (kw).

6 Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT de Cargas Elétricas Especiais Aparelhos elétricos, cujo regime de funcionamento possa causar perturbações ao suprimento normal de energia dos demais Consumidores tais como: motores, máquinas de Solda, aparelhos de Raios-X; etc. 4.6 Consumidor Pessoa física ou jurídica, ou comunhão de fato ou de direito, legalmente representada, que solicitar a CEMAR o fornecimento de energia elétrica e assumir expressamente a responsabilidade pelo pagamento das contas e pelas demais obrigações legais, regulamentares e contratuais. 4.7 Cubículos Blindados São consideradas conjuntos blindados, as instalações em que os equipamentos são abrigados em cubículos metálicos, individualizados ou não. 4.8 Demanda Contratada É a demanda prevista em contrato, colocada continuamente à disposição do Consumidor e que será integralmente paga, independentemente de ser ou não utilizada durante o período de faturamento. 4.9 Edificação de Uso Individual Todo e qualquer imóvel, reconhecido pelos poderes públicos, constituindo uma Unidade Consumidora Entrada de Serviço É o conjunto de equipamentos, condutores e acessórios instalados a partir do ponto de conexão na rede da CEMAR até a medição. É constituída pelo ramal de ligação e ramal de entrada Ligação Provisória É aquela cujo fornecimento se destina à obra que venha posteriormente a dar origem a uma ou mais Unidades Consumidoras definitivas. Ex: Canteiro de obras Ligação Temporária É aquela cujo fornecimento é feito por tempo determinado e cessa com o encerramento das atividades desenvolvidas na Unidade Consumidora. Ex: circo, parque de diversões, obras em vias públicas, etc Malha de Aterramento É constituída de eletrodos de aterramento interligados por condutores nus, enterrados no solo Ponto de Entrega Ponto de conexão do sistema elétrico da CEMAR com as instalações elétricas da Unidade Consumidora, caracterizando-se como o limite de responsabilidade do fornecimento.

7 Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT de Poste Auxiliar Poste situado na Unidade Consumidora com a finalidade de fixar, elevar e/ou desviar o ramal de ligação e o ramal de entrada Potência Instalada Soma das potências nominais dos transformadores da Unidade Consumidora ligados diretamente à tensão de fornecimento Ramal de Entrada É o trecho da instalação após o ponto de entregar Ramal de Ligação É o trecho da instalação entre o ponto de derivação da rede de distribuição da CEMAR e o ponto de entrega Subestação Parte de uma instalação elétrica, concentrada numa área definida, constituída de equipamentos de manobras, controle, medição e proteção, inclusive transformadores, conversores e/ou outros equipamentos Subestação Abrigada Subestação cujos equipamentos são instalados inteiramente abrigados das intempéries, situados em edificações Subestação ao Tempo Subestação cujos equipamentos são instalados ao ar livre, sujeitos à ação das intempéries Tensão de Fornecimento Tensão fixada pela CEMAR para fornecimento de energia elétrica dentro dos limites definidos pelo poder concedente Tensão Nominal Valor eficaz da tensão de linha pela qual o sistema é designado Transformador de Corrente - TC É um transformador para instrumento cujo enrolamento primário é ligado em série em um circuito elétrico e cujo enrolamento secundário se destina a alimentar bobinas de corrente de instrumentos elétricos de medição, controle e proteção Transformador de Potencial - TP É um transformador para instrumento cujo enrolamento primário é ligado em paralelo (derivação) em um circuito elétrico e cujo enrolamento secundário se destina a alimentar bobinas de potencial de instrumentos elétricos de medição, controle e proteção.

8 Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT de Unidade Consumidora Para efeito de aplicação das taxas, das condições gerais de fornecimento, previstas na Resolução nº 456/ 2000, da ANEEL no item número 1 desta Norma, e das tarifas constantes de portarias específicas, a Unidade Consumidora se caracterizará pelo recebimento de energia em um só ponto, com medição individualizada às instalações de um único Consumidor. 5 DISPOSIÇÕES GERAIS 5.1 Generalidades a) Esta Norma aplica-se às instalações novas, bem como, às reformas e ampliações das subestações já existentes, ainda que provisórias, quer sejam públicas ou particulares, localizadas nas áreas de concessão da CEMAR; b) As Edificações de Uso Coletivo atendidas com fornecimento de energia elétrica em tensão primária ou cuja potência instalada seja inferior a 100 kw serão tratadas em norma especifica (NT Fornecimento de E.E. Edificações de Uso Coletivo); c) As prescrições desta Norma, não implicam no direito do Consumidor em imputar CEMAR quaisquer responsabilidades com relação a qualidade de materiais ou equipamentos por ele adquiridos, e desempenho dos mesmos, incluindo os riscos e danos de propriedade ou segurança de terceiros, decorrentes do uso de tais equipamentos ou materiais; d) Qualquer aumento ou redução da carga instalada em transformação deverá ser procedida da aprovação do projeto elétrico pela CEMAR, sem o qual a Unidade Consumidora estará sujeita às sanções legais, previstas pela lei, por operar irregularmente; e) Não será permitido: Medição única para mais de um Consumidor; Consumidor com mais de um ponto de fornecimento de energia elétrica salvo em casos especiais, para os quais a CEMAR procederá estudos; Cruzamento dos condutores do ramal de ligação ou ramal de entrada em imóveis de terceiros; Extensão da instalação elétrica de um Consumidor além de seus limites de propriedade ou a propriedade de terceiros, mesmo que o fornecimento seja gratuito; A utilização dos transformadores do conjunto de medição para acionamento de dispositivos de proteção ou para outra finalidade qualquer; Acesso às Redes de Distribuição de energia elétrica da CEMAR, em qualquer situação que se encontra. f) Exigências Técnicas e Legais: As instalações elétricas deverão obedecer as normas técnicas brasileiras e se enquadrarem nos padrões da CEMAR; A ligação de qualquer instalação nova deverá somente ser efetuada depois de cumpridas as exigências técnicas e legais estabelecidas pela CEMAR; Toda ligação de Unidade de Consumo abrangida por esta norma, somente será atendida após a apresentação do HABITE-SE fornecido pelo Corpo de Bombeiros, mediante solicitação de inspeção e ligação do interessado; Atendido o pedido de ligação, e durante o período em que a Unidade de Consumo permanecer ligada, somente os funcionários da CEMAR terão acesso aos

9 Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT de 103 equipamentos de medição, sendo vetado ao Consumidor, sob qualquer pretexto a violação dos lacres dos medidores, caixas e cubículos e modificações dos ajustes da proteção geral; Constatado o rompimento ou violação de selos e/ou lacres instalados pela CEMAR, com alterações nas características da instalação de entrada de energia originariamente aprovadas, mesmo não provocando redução no faturamento, poderá ser cobrado o custo administrativo adicional correspondente a 10 % (dez por cento) do valor líquido da primeira fatura emitida após a constatação da irregularidade; Os equipamentos de medição instalados na propriedade do Consumidor ficarão sob sua inteira responsabilidade, devendo o mesmo assegurar o livre acesso dos funcionários da CEMAR ao local de instalação. g) Orientação Técnica Os órgãos técnicos da CEMAR estão à disposição dos interessados para prestar quaisquer esclarecimentos de ordem técnica, julgados necessários para o fornecimento de energia elétrica. h) Casos Omissos Os casos omissos nesta Norma Técnica, ou aqueles que pelas características excepcionais exijam estudos especiais serão objeto de análise e decisão por parte da CEMAR, através da sua área de engenharia de distribuição. 5.2 Limites de Fornecimento O fornecimento de energia elétrica deve ser feito em tensão primária de distribuição (13,8 kv) quando: a) A carga instalada da Unidade Consumidora for superior a 75 kw e a demanda contratada (ou estimada pelo interessado), para fornecimento, for igual ou inferior a 2500 kw; b) A Unidade Consumidora possuir cargas ou equipamentos cujo funcionamento cause perturbações na rede secundária. 5.3 Fator de Potência O Consumidor deverá manter o fator de potência médio de suas instalações o mais próximo possível de 1 (um). Caso seja constatado fator de potência, indutivo ou capacitivo, inferior a 0,92 (noventa e dois centésimos), será efetuado o faturamento da energia e da demanda de potência reativa excedente conforme Resolução 465/2000 da ANEEL. 5.4 Determinação da Demanda A determinação da demanda deve ser feita para o dimensionamento dos condutores, transformadores e equipamentos da entrada de serviço da instalação Consumidora. Para o cálculo da demanda há a necessidade do conhecimento prévio da carga instalada, do regime de funcionamento, do fator de potência e do ramo de atividade a que se destina a instalação. O ramo de atividade pode ser enquadrado como sendo de prestação de serviços ou de transformação. O cálculo da demanda deve ser próprio para cada caso e de inteira responsabilidade do projetista. Na ausência de informações por parte do Consumidor, podem ser utilizados como orientação, os coeficientes adotados nesta Norma. Contudo, o projetista responsável deve verificar se estes se aplicam ao seu caso particular.

10 Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT de Localização da Subestação Deverá ser localizado junto ao alinhamento da propriedade particular com a via pública, salvo recuo estabelecido por posturas governamentais. Mediante acordo entre a CEMAR e o Consumidor, poderá ser aceita localização diferente, para o conjunto Proteção/Medição/Transformação até o limite de 100m. Caso seja ultrapassado este limite deverá ser construída subestação, posto ou cabine intermediária para instalação da proteção e medição, a no máximo 5m do limite de propriedade. 5.6 Acesso às Instalações Consumidoras O Consumidor deverá permitir, em qualquer tempo, o livre acesso dos representantes da CEMAR, devidamente credenciados, às instalações elétricas de sua propriedade e lhes fornecerá os dados e informações solicitadas, referentes ao funcionamento dos equipamentos e instalações ligados à rede elétrica. 5.7 Conservação do Padrão de Entrada a) Os Consumidores ficam obrigados a manter em bom estado de conservação os componentes de seu Padrão de Entrada; b) Caso contrário, a CEMAR pode vir a exigir os reparos necessários ou até mesmo a substituição dos materiais inadequados ou danificados; c) Os Consumidores são responsáveis pela conservação dos equipamentos de medição da CEMAR instalados no Padrão de Entrada da edificação e responderão pelos eventuais danos a eles causados por sua ação ou omissão; d) O local do Padrão de Entrada, bem como o acesso ao mesmo, devem ser mantidos limpos e desimpedidos pelos Consumidores, de modo a agilizar as leituras dos medidores e inspeção das instalações pela CEMAR. 5.8 Pedido de Ligação a) Os prazos para a aprovação do pedido de ligação da CEMAR são regidos pelos prazos regulamentados pela ANEEL (Vide Item Prazos). b) Só serão analisados os projetos em que as cópias estejam assinadas pelo proprietário, e pelo projetista responsável com o respectivo registro do CREA. c) A ligação de uma instalação ao sistema da CEMAR, quando viável, processar-se-á somente após terem sido tomadas pelo interessado, sucessivamente, todas as providências e apresentação dos documentos necessários. d) A CEMAR disponibilizará ao interessado as normas e os padrões técnicos respectivos, além de: Orientar quanto ao cumprimento de exigências obrigatórias; Fornecer as especificações técnicas de equipamentos; Informar os requisitos de segurança e proteção; Informar que será procedida a fiscalização antes do recebimento; Alertar que a não-conformidade com o definido deverá ser explicitada, implicando o não recebimento das instalações e a recusa de ligação da Unidade Consumidora até que sejam atendidos os requisitos estabelecidos no projeto aprovado. Para solicitação de nova ligação em Média Tensão o Consumidor, ou Representante Legal munido de procuração assinada e reconhecida em cartório, deve dirigir-se à Gerência de

11 Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT de 103 Relacionamento com o Cliente na SEDE da CEMAR ou em uma das Agencia de Negócios da mesma portando os seguintes documentos para o respectivo pedido: Estudo de Viabilidade Técnica Será praticado para todas as cargas maiores que 50 kw Trifásica ou maiores que 15 kw Monofásico, alimentado a partir do sistema MRT. 1. Apresentar anteprojeto conforme item Elaboração e Apresentação do Projeto - Estudo de Viabilidade Técnica; 2. Apresentar Carta de Apresentação de Projeto Aprovação do Projeto da Extensão da Rede 1. Apresentar Projeto Planialtimétrico; 2. Apresentar Anotação de Responsabilidade Técnica ART do CREA (Projeto); 3. Apresentar Termo de Autorização de Passagem documento assinado pelo proprietário de área, permitindo a passagem sobre a mesma do ramal para atendimento a um pretendente em área não urbana; 4. Apresentar Licença Ambiental Aprovação do Projeto da Subestação 1. Apresentar Projeto da Subestação conforme item Elaboração e Apresentação do Projeto - Projeto da Subestação; 2. Apresentar Anotação de Responsabilidade Técnica ART do CREA (Projeto); 3. Apresentar autorizações e licenças previstas; 3.1 Cópia da liberação pela prefeitura local para o projeto do loteamento; 3.2 Se na Unidade Consumidora houver irrigação, deve ser apresentado documento de outorga de água; 3.3 Se a atividade for considerada poluente, deve ser apresentado documento do Órgão de Recursos Ambientais. 3.4 Se a atividade implicar em desmatamento, deve ser apresentada autorização do IBAMA ou órgão estadual equivalente; 4. Apresentar carta que manifeste o pedido da demanda a ser contratada junto a CEMAR e opção tarifária (convencional, horo-sazonal verde ou horo-sazonal azul) conforme ANEXO V CARTA DE PEDIDO DE DEMANDA E OPÇÃO TARIFÁRIA; 5. Apresentar Termo de Utilização de Grupo Gerador Documento assinado pelo pretendente à ligação no qual o mesmo se responsabiliza por acidente causado pelo uso de sistema de geração própria Pedido de Aumento de Carga 1. Apresentar Pedido de Aumento de Carga conforme ANEXO IV MODELO DE "PEDIDO DE AUMENTO DE CARGA" PAC; 2. Apresentar Documentos conforme o caso: 2.1 Caso exista modificação na subestação: O Consumidor deve apresentar documentos conforme Estudo de Viabilidade Técnica e Aprovação do Projeto da Subestação;

12 Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT de Caso não exista modificação na subestação: O Consumidor deve apresentar documentos conforme Estudo de Viabilidade Técnica. 5.9 Pedido de Ligação Provisório A CEMAR poderá considerar como fornecimento provisório o que se destinar ao atendimento de eventos temporários, tais como: festividades, circos, parques de diversões, exposições, obras ou similares, estando o atendimento condicionado à disponibilidade de energia elétrica. a) Correrão por conta do consumidor as despesas com instalação e retirada de rede e ramais de caráter provisório, bem como as relativas aos respectivos serviços de ligação e desligamento, podendo a CEMAR exigir, a título de garantia, o pagamento antecipado desses serviços e do consumo de energia elétrica e/ou da demanda de potência prevista, em até 3 (três) ciclos completos de faturamento. b) Serão consideradas como despesas os custos dos materiais aplicados e não reaproveitáveis, bem assim os demais custos, tais como: mão-de-obra para instalação, retirada, ligação e transporte Ligações de Canteiros de Obras a) O projeto e documentos obrigatórios para a ligação são os mesmos do item Pedido de Ligação; b) Mesmo sendo uma ligação provisória, o Consumidor deve prever o inicio das construções e se ater aos prazos citados no item Prazos para a energização do canteiro; c) A participação financeira do consumidor em obras na rede da CEMAR necessárias para sua ligação, obedece a legislação em vigor e a prática de atendimento de mercado da Companhia Ligações de Circos, Parques de Diversões e Similares 5.10 Projeto a) A CEMAR pode fazer este tipo de ligação provisória em baixa tensão, até o limite estipulado no item Limites de Fornecimento. Neste caso deve ser obedecida a norma específica para fornecimento de energia elétrica em tensão secundária de distribuição e o pagamento dos serviços necessários na rede da CEMAR deve obedecer às normas e procedimentos comerciais em vigor para ligações provisórias em baixa tensão. b) Caso o interessado possua subestação móvel, deve ser apresentado para liberação da ligação, projeto assinado por engenheiro eletricista, havendo, ainda, uma inspeção antes da ligação. c) Os prazos para vistoria e ligação será conforme item Prazos (Vistoria e Ligação de Unidade Consumidora) Todo projeto elétrico deve atender as regulamentações técnicas oficiais estabelecidas e ser assinado por profissional legalmente habilitado. Deve atender também ao que dispõem a Norma Regulamentadora N 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade (NR-10), no que segue: a) Medidas de Controle;

13 Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT de 103 b) Segurança em Projetos; c) Segurança na Construção, Montagem, Operação e Manutenção; d) Segurança em Instalações Elétricas Desenergizadas; e) Segurança em Instalações Elétricas Energizadas; f) Trabalhos Envolvendo Alta Tensão (AT); g) Habilitação, Qualificação, Capacitação e Autorização dos Trabalhadores; h) Proteção Contra Incêndio e Explosão; i) Sinalização de Segurança; j) Procedimentos de Trabalho; k) Situação de Emergência Elaboração e Apresentação do Projeto 1) Estudo de Viabilidade Técnica (3 vias) O Consumidor deverá apresentar um anteprojeto à CEMAR para Estudo de Viabilidade Técnica e Orientações que se fizerem necessárias, contendo os seguintes elementos: a) Requerimento preenchido conforme ANEXO I REQUERIMENTO DO ESTUDO DE VIABILIDADE; b) Planta da situação conforme Desenho 1 Exemplo de Planta de Situação). Deverá ser desenhada na escala 1:2000, identificando a localização da obra e o ponto de entrega pretendido, incluindo: - Nome das ruas adjacentes; - Ponto de referência significativo; - Identificação do Poste (número pintado no mesmo). 2) Projeto da Extensão da Rede (2 vias) a) Memorial Descritivo: b) Planta da situação (Vide Desenho 1 Exemplo de Planta de Situação). Deverá ser desenhada na escala , identificando a localização da obra e o ponto de entrega pretendido, incluindo: - Nome das ruas adjacentes; - Ponto de referência significativo; - Identificação do Poste (número pintado no mesmo). c) Lista de Materiais. 3) Projeto da Subestação (2 vias) O Projeto da Subestação deverá ser apresentado contendo os seguintes itens: a) Memorial Descritivo: Finalidade; Referências; Calculo de Carga Instalada e Demanda Máxima; Descrição Geral:

14 Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT de 103 o Tipo de subestação (Poste, Plataforma, Subestação Abrigada, Cubículo Abrigado, etc); o Potência; o Tensão Primária (Valores Máximos, Intermediários e Mínimos / Tipo de Ligação); o Tensão Secundária (Valores Fase/Fase Neutro e Tipo de Ligação); o Entrada de serviço (Aéreo/Subterrâneo, Estruturas, Condutores, etc); o Alimentador do Quadro Geral (Tipo da Instalação, Condutores, etc); o Aterramento (Descrever arranjo, quantidades e tipos de hastes, tipos de conexões e condutores de terra); o Proteção (Descrever os tipos e características principais dos equipamentos de proteção da MT e BT bem como os estudos de proteção). Nota: 1. Antes da elaboração do projeto, o projetista precisará consultar a CEMAR para obtenção dos valores das potências de curto-circuito monofásico e trifásico e os ajustes da proteção de retaguarda do alimentador que suprirá o Consumidor para dimensionamento e cálculos dos ajustes de proteção. b) Anexos: 1. Diagrama Unifilar Deverá constar de todos o equipamento e dispositivo e materiais essenciais desde o ponto de ligação até a proteção geral de baixa tensão, contendo, ainda, os seus principais valores elétricos nominais, faixas de ajuste e ponto de regulação. Caso exista geração própria, indicar o ponto de reversão com a instalação ligada à rede de suprimento da CEMAR, detalhando o sistema de reversão adotado. 2. Diagramas Funcionais (Para instalação com disjuntor de média tensão) 3. Arranjo Físico das estruturas e equipamentos: a) Planta da Entrada de Serviço ou linhas: (tipo de estruturas e poste, condutor, tensão, proteção, etc); b) Planta de situação em escala mínima 1:100; c) Plantas da Subestação com cortes na escala 1:50 ou 1:25, contendo: Posto de medição, indicando a posição do quadro de medição; Posto de proteção e seccionamento; Posto de transformação; Barramento primário e secundário principal; Indicação da seção e do tipo de isolamento dos condutores; Detalhe das aberturas da ventilação; Planta detalhada da malha da terra. d) Relação de material: (especificação e quantificação de todos os materiais necessários à execução do projeto).

15 Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT de Execução do Projeto a) Recomenda-se que a aquisição de materiais e a execução da instalação elétrica somente sejam iniciadas após a aceitação do projeto elétrico pela concessionária; b) Caso a aquisição e a execução da instalação se antecipem à aceitação do projeto elétrico, serão de inteira responsabilidade do interessado os problemas decorrentes de eventual necessidade de modificações na obra ou substituição de equipamentos; c) Caso durante a execução da obra haja necessidade de modificações no projeto elétrico aceito, deverão ser previamente encaminhadas às concessionárias as pranchas modificadas, em duas vias para análise e aceitação Pedido de Ligação Deverá ser feito através de correspondência conforme ANEXO III CARTA DE PEDIDO DE INSPEÇÃO E LIGAÇÃO, acompanhado da Guia da ART - Anotação de Responsabilidade Técnica - referente a execução da obra, devidamente preenchida e autenticada mecanicamente, com o visto do CREA. E os seguintes dados: Razão Social da Unidade Consumidora ou nome completo do cliente; Nº CNPJ ou CPF; Endereço completo da Unidade Consumidora e do cliente; Atividade desenvolvida pela Unidade Consumidora; Local onde está o ponto de conexão entre o sistema elétrico da Distribuidora e a rede de responsabilidade do cliente; Contrato Social se pessoa jurídica; Última alteração cadastral; Se houver sócios, documento de identidade e CPF do(s) sócio(s); Cópia da Carta de liberação do Projeto; Carta informando demanda a contratar, modalidade tarifária, período de demandas escalonadas (se houver). Nota: 1. O fornecimento somente será efetuado após aprovação do pedido de ligação Prazos a) Estudos, Orçamentos e Projetos A concessionária terá o prazo de 30 (trinta) ou 45 (quarenta e cinco) dias, contados da data do pedido de fornecimento ou de alteração de carga, respectivamente, para elaborar os estudos, orçamentos e projetos e informar ao interessado, por escrito, o prazo para a conclusão das obras de distribuição destinadas ao seu atendimento, bem como a eventual necessidade de participação financeira (Art. 28 da Res. 456 da ANEEL). b) Prazo de Validade: Estudo de Viabilidade: 3 meses; Projeto da Rede: 3 meses; Projeto da Subestação: 12 meses.

16 Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT de 103 c) Opção do Consumidor em Executar a Obra Após a entrega do orçamento o interessado deverá optar, no prazo máximo de 30 dias, entre executar a obra ou financiar a execução pela concessionária. (Art o Res. 58 da ANEEL). d) Execução da obra CEMAR Satisfeitas, pelo interessado, as condições estabelecidas na legislação e normas aplicáveis, a CEMAR terá o prazo máximo de 45 (quarenta e cinco) dias para iniciar as obras (Art. 28, Parágrafo Único da Res. 456 da ANEEL). TERCEIRO A CEMAR deverá disponibilizar as informações de que trata o item Projeto desta norma no prazo máximo de 15 (quinze) dias, sempre que o interessado optar pela execução da obra por terceiro, contados da data do exercício da opção do Cliente (Art o Res. 58 da ANEEL). e) Vistoria A vistoria de Unidade Consumidora será efetuada no prazo de 3 (três) dias úteis, contados da data do pedido de fornecimento (Art. 26 Res. 58 da ANEEL). f) Ligação de Unidade Consumidora 3 dias úteis - Grupo B, Área Urbana; 5 dias úteis - Grupo B, Área Rural; 10 dias úteis - Grupo A, Área Urbana ou Rural Entrada de Serviço Ramal de Ligação a) O ramal de ligação aéreo é instalado e mantido pela CEMAR; b) Os condutores do ramal de ligação serão nus, de cobre ou de alumínio. Em área litorânea os condutores deverão ser de cobre; c) A bitola mínima deverá ser de 16 mm² para condutor de cobre e 2 CA/CAA em condutor de alumínio; d) Em condições normais, o vão livre do ramal de ligação não deverá exceder a 40 metros; e) Os condutores do ramal de ligação não deverão passar sobre áreas construídas nem sobre terrenos de terceiros; f) O ramal de ligação não deverá ser acessível de janelas, sacadas, telhados, escadas, áreas adjacentes, etc., devendo seus condutores distar, horizontalmente, no mínimo, dois metros de qualquer destes elementos (Vide Desenho 2 Afastamento Mínimo entre Condutores e Edificações); g) Os condutores do ramal de ligação deverão ser instalados de forma a permitir as seguintes distâncias mínimas em relação ao solo (a 50 graus Celsius), medidas na vertical, observadas as exigências dos poderes públicos, para travessias sobre:

17 Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT de 103 Natureza do logradouro Circuito de comunicação e cabos aterrados 600 V < Tensão nominal < V Rodovias Ruas e avenidas Entradas de prédios Ruas e vias exclusivas a pedestre Ferrovias Nota: 1. As dimensões estão em milímetros. h) Não serão admitidas emendas nos condutores do ramal de ligação, somente por ocasião de manutenção e quando absolutamente necessário, as emendas poderão ser feitas, desde que os condutores não estejam submetidos a esforços mecânicos Ramal de Entrada Será sempre dimensionado e instalado pelo interessado, com condutores e acessórios de sua propriedade. a) Ramal de Entrada Aéreo; Os condutores e acessórios para o ramal de entrada aéreo serão dimensionados de acordo com a Tabela 1 Ramal de Entrada Aéreo em Tensão de 13.8 kv e baseados nos cálculos de demanda. b) Ramal de Entrada Subterrâneo; Os condutores do ramal de entrada subterrâneo deverão ser de cobre ou alumínio, singelos, com tensão de isolamento de 12/20 kv para 13,8 kv, próprios para instalação em locais não abrigados e sujeitos a umidade. Deverão ter isolação de EPR ou XLPE. O ramal de entrada deverá ser instalado conforme as características construtivas indicada no Desenho 4 Entrada Subterrânea com Muflas Monofásicas Cruzeta T ou L. A bitola do condutor do ramal de entrada deverá ser dimensionada em função da corrente nominal, da corrente de curto circuito (10kA) e das características da proteção a ser utilizada. A bitola mínima do condutor aceitável será função do tipo de condutor empregado; Somente nos casos de manutenção, serão permitidas emendas nos condutores, as quais deverão localizar-se em caixas de passagem; Deverá ser previsto um condutor de reserva, para os casos de avaria em um dos condutores do ramal de entrada. Em todos os casos os condutores deverão estar energizados (sob tensão); No interior de subestações abrigadas, os condutores do ramal de entrada deverão ser fixados com suportes (Vide Desenho 10 Cabine de Proteção e Medição com Entrada Subterrânea); Deverá ser prevista para os condutores, uma reserva instalada mínima de 2 metros no interior das caixas de passagem situadas junto ao poste de derivação da rede e próxima à subestação abrigada; Os condutores deverão ser protegidos ao longo de paredes, postes, etc., por meio de eletrodutos rígidos metálicos com zincagem por imersão a quente. No poste da

18 Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT de 103 derivação a altura mínima deverá ser de 5 metros. Os eletrodutos deverão ter diâmetro interno mínimo de 100 mm; Notas: 1. Nas instalação em eletrodutos rígidos metálicos, todos os condutores deveram ser instalados em um único eletroduto por medidas de segurança; 2. Deverão ser atendidas as recomendações da ABNT de Taxa de Ocupação do Eletroduto (40% da área). Na aplicação dos cabos, deverá ser observado o raio de curvatura recomendado pelo fabricante. Curvas maiores do que 45 graus, somente deverão ser realizadas dentro de caixas de passagem com dimensões mínimas de 0,80 x 0,80 x 0,80 metros, com uma camada de brita de 0,10 metros no fundo da mesma (Vide Desenho 5 Travessia Subterrânea / Caixa de Passagem); Nos trechos subterrâneos, os condutores deverão ser: o Instalados a uma profundidade de 0,50 metros, em eletrodutos de PVC rígidos, PEAD corrugados ou diretamente enterrado no solo. Neste último caso, apenas com cabos especiais; o Identificados e protegidos para que não sejam danificados por ocasião de escavações e passagem de carga sobre a superfície do terreno. Nota: 1. Os dutos devem apresentar o fundo em desnível de modo a permitir o escoamento de água para as caixas de passagem contíguas. c) Ramal de Entrada Misto É aquele constituído de uma parte aérea e outra subterrânea. Seu projeto e construção deverão obedecer às prescrições pertinentes dos ramais de entrada aéreo e subterrâneo Padrões Construtivos e Características Gerais das Entradas de Serviço a) As subestações deverão ser construídas com base nos padrões apresentados nesta Norma; b) Deverão ser localizados de forma a permitir o fácil acesso por pessoas e veículos e, em condições normais, no alinhamento do terreno; c) Os circuitos de comando e de iluminação das subestações abrigadas poderão ser alimentados através dos secundários do transformador de potência instalado na subestação abrigada (ou até a 300 metros de distancia). Outra maneira seria a partir de TP específico para esta função; d) O padrão de cores adotado pela CEMAR para pintura do barramento é o mesmo determinado pela NBR-14039: Fase A: vermelha; Fase B: branca; Fase C: marrom Subestações ao Tempo: no Solo, em Poste ou Plataforma a) Subestação no Solo (Conforme Desenho 6 Subestações ao Tempo no Solo)

19 Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT de 103 Os portões de acesso das subestações deverão ser metálicos, com dobradiças e abrir para dentro; Nos portões de acesso e nas cercas de proteção, deverão ser afixadas placas com a indicação: PERIGO DE MORTE - ALTA TENSÃO. Em instalações com geração própria, os portões de acesso deverão ter, também, placas com os dizeres: CUIDADO - GERAÇÃO PRÓPRIA ; As subestações deverão possuir sistema de drenagem adequado a fim de evitar o acúmulo de águas pluviais; As instalações que contenham 100 L ou mais de líquido isolante devem ser providas de tanque de contenção conforme Desenho 7 Bacia de Contenção de Óleo. Poderão ser construídas caixas de captação de óleo individuais para cada transformador existente na instalação, com capacidade mínima igual ao volume de óleo do transformador a que se destina, ou ainda, uma única caixa para todos os transformadores. Neste caso, a capacidade da caixa de captação de óleo, deverá ser compatível com o volume de óleo do maior dos transformadores; Colocar uma camada mínima de 0,10 metros de pedra britada nº. 2, dentro da área demarcada pela cerca, caso o piso não seja inteiramente concretado; Deve ser delimitado um espaço ao redor dos transformadores, por meio de cerca com tela de arame zincado 12 BWG e malha de 50 mm ou muro de proteção. No caso de cubículo blindado, sempre que possível, deve ser instalada cerca ou muro. b) Subestação em Poste ou Plataforma A subestação obrigatoriamente deve ser provida, para efeito de medição e inspeção, de recuo de no mínimo 1 metro e porta externa para acesso a medição conforme Desenho 8 Subestação Tipo Poste Capacidade de Transformação até 225 kva, Desenho 9 Subestação em Plataforma Capacidade de Transformação de kva e Desenho 10 Cabine de Proteção e Medição com Entrada Subterrânea Subestações Abrigadas (Cabines) a) Os equipamentos devem ser instalados em compartimento ou edificação tipo cabine, para qualquer potência de transformação até o limite previsto por esta Norma; b) A cabine deve ser construída em alvenaria ou concreto armado, apresentar características definitivas de construção e ser de materiais não inflamáveis, oferecendo condições de bem estar e segurança aos operadores; c) A área ocupada pela subestação não deve ser inundável e deve conter dreno para escoamento de água e óleo nos casos exigíveis; d) Se a atividade da Unidade Consumidora for caracterizada por grande fluxo de pessoas, tais como lojas, cinemas, bancos, restaurantes, estádios, clubes, supermercados e outros, a subestação deverá ser construída observando-se os aspectos de segurança contra incêndio e explosão; e) As subestações deverão possuir abertura de ventilação conforme indicado nos desenhos construtivos. O compartimento de cada transformador deverá possuir janelas para ventilação com características conforme Desenho 10 Cabine de Proteção e Medição com Entrada Subterrânea, Desenho 11 Cabine de Medição e Desenho 12 Cabine de Proteção com Entrada Aérea;

20 Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT de 103 f) As subestações deverão possuir sistemas de iluminação natural e artificial. As janelas e vidraças utilizadas para esta finalidade deverão ser fixas e protegidas por telas metálicas, resistentes com malhas de, no máximo, 13 mm. As telas poderão ser dispensadas nos casos de utilização de vidro aramado; g) Sugere-se a instalação de iluminação de emergência no caso de falta de energia; h) As portas das subestações deverão ser metálicas ou inteiramente revestida de chapa metálica, com duas folhas abrindo para fora e com dimensões mínimas de 2,10 x 0,80 metros por folha, ou de acordo com a maior medida de equipamento. Deverá possuir cadeado ou fechadura, dotada de chave mestra, e ter afixadas placas com a indicação : PERIGO DE MORTE ALTA TENSÃO (veja Desenho 15 Sugestão Porta do Cubículo e Placa de Advertência), bem como nas grades de proteção do interior da subestação, não sendo permitido o uso de adesivo; i) Quando a subestação for parte integrante da edificação, as portas mesmo se voltadas para fora desta edificação devem ser construídas de acordo com a Norma NBR da ABNT. Em instalações com geração própria, as portas deverão ter, também, placas com os dizeres: CUIDADO - GERAÇÃO PRÓPRIA ; j) Para separar as áreas de circulação das áreas com pontos energizados em Média Tensão, devem-se colocar telas de proteção com malha máxima de 25 mm de arame de aço zincado 12 BWG. Tais telas devem ser instaladas a uma altura máxima de 0,10 metros em relação ao piso da cabine e ter a altura mínima de 2,00 metros. As grades de proteção das subestações deverão ser construídas conforme o Desenho 10 Cabine de Proteção e Medição com Entrada Subterrânea, Desenho 11 Cabine de Medição e Desenho 12 Cabine de Proteção com Entrada Aérea; k) No cubículo de medição esta tela deverá ir até o teto, com porta de acesso também telada nas dimensões de 2,10 x 0,80 metros. A porta de acesso ao cubículo de medição, deverá possuir cadeado ou fechadura tipo mestra e dispositiva para lacre localizado a 1,60 metros do piso da subestação e deverá abrir para fora do compartimento; l) As subestações deverão ser providas com bacia de contenção de óleo conforme Desenho 7 Bacia de Contenção de Óleo. Poderão ser construídas caixas de captação de óleo individuais para cada transformador e/ou gerador existente na instalação, com capacidade mínima igual ao volume de óleo do transformador a que se destina, ou ainda, uma única caixa para todos os transformadores. Neste caso, a capacidade da caixa de captação de óleo, deverá ser compatível com o volume de óleo do maior dos transformadores; m) Será obrigatória a instalação de proteção contra incêndio, constante de extintor de incêndio 12 kg, instalado do lado de fora da subestação, junto à porta e com proteção contra intempéries, e ser adequado para uso em eletricidade (CO 2 ou pó químico); n) As subestações abrigadas devem ter área livre interna mínima de 3,50 x 3,00 metros e pé direito mínimo de 3,0 metros quando a entrada for subterrânea. Quando a entrada for aérea, a altura do encabeçamento deve ser tal que permita uma distância mínima de 6,00 metros entre os condutores no seu ponto de flecha máxima e o solo. A altura do pé

21 Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT de 103 direito é mínima e o projetista deve verificar a facilidade para a operação da chave a ser instalada (Desenho 10 Cabine de Proteção e Medição com Entrada Subterrânea e Desenho 12 Cabine de Proteção com Entrada Aérea); o) As paredes, o teto e o piso das subestações deverão ser construídos com materiais incombustíveis; p) As paredes internas e externas deverão ter espessuras mínimas de 100 e 200 mm respectivamente; q) Deverá existir impermeabilidade total contra infiltração de água no prédio da subestação; r) A subestação não deverá estar situada em lugares sujeitos a inundação ou infiltração de água; s) Não poderão passar pela subestação tubulações expostas de água, esgotos, gás, vapor, etc; t) Os equipamentos de proteção a serem utilizados pelos trabalhadores são no mínimo os seguintes: capacetes, óculos de segurança, luvas, detector de tensão, botas e estrado ou tapete isolante (exigência da NR 10 e NBR 14039) Cubículos Blindados. a) Os materiais de blindagens, estruturas e bases, devem ser tratados contra corrosão; b) Ao redor dos cubículos blindados, deve ser mantido espaço livre suficiente para facilitar a operação, manutenção e remoção dos equipamentos; c) O local onde tiver instalado o conjunto blindado deve ter aberturas com dimensões suficientes para iluminação e ventilação natural adequada; d) Quando forem utilizados equipamentos com líquidos isolantes inflamáveis, em cubículos blindados, estes devem ser instalados em recinto isolado por paredes de alvenaria; e) A disposição dos equipamentos deve, obrigatoriamente, obedecer aos diagramas unifilares adotados por padrões da CEMAR (Vide Desenho 6 Subestações ao Tempo no Solo); f) As características técnicas exigidas para os equipamentos são as mesmas estabelecidas para subestações abrigadas; g) O cubículo blindado deve ser sempre instalado sobre base de concreto; h) Os cubículos, quando instalados em locais de manobra de veículos, devem ser protegidos mecanicamente contra eventuais colisões; i) A bitola mínima de chapa de aço utilizada deve ser 12 USG (2,6 mm); j) Todas as partes metálicas do cubículo blindado, bem como suportes e carcaças dos equipamentos, devem ser interligados e devidamente aterrados; k) A pintura dos barramento deve obedecer à codificação CEMAR (Vide d));

22 Título: FORNECIMENTO DE E. E. EM MÉDIA TENSÃO 15 KV NT de Medição l) Todos os cubículos blindados devem possuir paredes ou telas internas de proteção devidamente aterradas; m) É necessário, para aprovação do conjunto blindado, a apresentação de detalhes de montagem, cortes, especificações dos materiais e acabamento; n) A porta de acesso ao compartimento dos equipamentos, deve possuir cadeado ou fechadura tipo mestra e dispositivo tipo lacre para os TC s e TP s Generalidades a) A medição é única e individual para cada Unidade de Consumo e devem ser obedecidos os tipos de medição estabelecidos nesta Norma; b) A medição em mais de um ponto poderá ser viabilizada se as condições mínimas apresentadas no Desenho 18 Ligação de Unidades Consumidoras Rurais sejam cumpridas; c) O tipo de medição a ser empregado, será definido em função da tarifa aplicável e das características do atendimento; d) Os medidores e equipamentos para medição na baixa ou média tensão são fornecidos e instalados pela CEMAR; e) O quadro de medição deve ser adquirido e montado pelo Consumidor; f) Quando a medição for feita em tensão secundária, o quadro de medição deverá ser localizado conforme Desenho 8 Subestação Tipo Poste Capacidade de Transformação até 225 kva e Desenho 9 Subestação em Plataforma Capacidade de Transformação de kva; g) Quando a medição for feita em tensão primária, os TC s, TP s e quadro de medição devem ser instalados conforme Desenho 6, Desenho 10, Desenho 11, Desenho 12 e Desenho 14; h) Quando a medição for feita em tensão primária, os condutores do secundário dos TC s e TP s devem ter comprimento de no máximo, 15 metros; i) As medidas básicas das caixas de medição estão representadas no Desenho 17 Caixa de Medição Medição Secundária e Primária Medição em Tensão Secundária a) No caso de medição em tensão secundária, os condutores secundários deverão ficar inacessíveis, desde os terminais do transformador até a saída da caixa dos transformadores de corrente; b) No caso de instalação com um único transformador com potência de até 112,5 kva, e tensão secundária 380/220V, a medição deverá ser feita na tensão secundária. Nota: 1. Somente será permitida a medição em tensão primária para transformador com potência de até 112,5 kva caso aprovado pela CEMAR.

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-02 CAPÍTULO TÍTULO PÁGINA 1. GERAL ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1 1 1 Objetivo... 1 2 2 Terminologia... 1 2 2. CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Dados do cliente Proprietário: Roney Casagrande CPF: 765.425.990-53 Endereço: Estrada Pinhal da Serra, n 04452, Interior Cidade: Pinhal da Serra RS CEP: 95.390-000 Dados da

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição Norma 05/2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejamento e Operação

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição NORMA. Junho/2008 NORMA NC.02

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição NORMA. Junho/2008 NORMA NC.02 Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição NORMA NORMA NC.02 NC.02 Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição - CERVAM Cooperativa de Energização e de

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. ANEXOS 6. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO Página 2 de 1. OBJETIVO Esta norma estabelece as condições exigíveis

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.009 SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-02 CONTROLE DE VERSÕES NTD 02- FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA Nº.: DATA VERSÃO 01 09/2001 Revisão 4 02 05/2010

Leia mais

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 30 / 08 / 2012 1 de 19 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 3 4.2 Agência Nacional de Energia

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-002 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-002 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-002 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA APROVAÇÃO Júlio César Ragone Lopes Diretor Corporativo de Engenharia e Construção DCEC Grupo Energisa Gioreli

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 Página 1 de 13 COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 PADRÃO DE ENTRADA INDIVIDUAL ECONÔMICO COM POSTE DE AÇO E CAIXA DE POLICARBONATO TIPO PP Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea - Edificações Individuais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea - Edificações Individuais ND-5.1 Companhia Energética de Minas Gerais Norma de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea - Edificações Individuais Belo Horizonte - Minas Gerais

Leia mais

SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 4EN 2013/1 SOLIVAN ALTOÉ SISTEMA ELÉTRICO CONCEITOS BÁSICOS SISTEMA ELÉTRICO CONCEITOS BÁSICOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Transmissão de energia elétrica A tensão elétrica

Leia mais

ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA

ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. CAMPO DE APLICAÇÃO 3 4. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 4 5. CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO 8 5.1 Regulamentação 8 5.2 Tensão de Fornecimento 8 5.3

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA

MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA CLIENTE: EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS- DR/PE CNPJ 34.028.316/0021-57 LOCAL: AVENIDA GUARARAPES Nº250-SANTO ANTÕNIO RECIFE-PE.

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição. NTC-05 Revisão 2

NORMA TÉCNICA CELG D. Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição. NTC-05 Revisão 2 NORMA TÉCNICA CELG D Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição NTC-05 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. CAMPO DE APLICAÇÃO 3 4. TERMINOLOGIA

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço 1 Entrada de energia DEFINIÇÕES Instalação de responsabilidade do consumidor, compreendendo ramal de entrada, poste particular ou pontalete, caixas, dispositivos de proteção, eletrodo de aterramento e

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4 ª 05/12/2011 4.8.7.18 - Placa de identificação de subestação abrigada.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4 ª 05/12/2011 4.8.7.18 - Placa de identificação de subestação abrigada. Processo Realizar Novas Ligações Atividade Código Edição Data SM04.00-00.03 7ª Folha 1 DE 48 26/08/2014 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior 1ª 06/11/2007 Edição

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

NORMA DE FORNECIMENTO

NORMA DE FORNECIMENTO NORMA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA REVISÃO: JULHO/2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 CAMPO DE APLICAÇÃO 3 DEFINIÇÕES 3.1 - Aterramento 3.2 - Caixa de Barramentos 3.3 - Caixa de Medição 3.4 - Carga Instalada

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO.

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO. OBRA: COL. EST. RESIDENCIAL SÃO PEDRO - PROJETO PADRÃO SECULO XXI. LOCAL: - Rua Tucunaré com Rua Pacu e Avenida Astolpho Leão Borges APM-05, Residencial São Pedro Goianira - GO ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-002 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-002 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-002 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA NDU-002 CENF / CELB / CFLCL / ENERGIPE / SAELPA VERSÃO 1.0 MARÇO/2006 ÍNDICE Item Página 1. INTRODUÇÃO... 1 2.

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4 ª 05/12/2011 4.8.7.18 - Placa de identificação de subestação abrigada.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4 ª 05/12/2011 4.8.7.18 - Placa de identificação de subestação abrigada. Processo Realizar Novas Ligações Atividade Código Edição Data SM04.00-00.03 5ª Folha 1 DE 46 30/11/2012 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior 1ª 06/11/2007 Edição

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA /2010 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R substitui a R02 e visa estabelecer instruções técnicas para

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

RECON MT Até 34,5 kv

RECON MT Até 34,5 kv RECON MT Até 34,5 kv Regulamentação para Fornecimento de Energia Elétrica a Consumidores em Média Tensão Coordenação de Engenharia Gerência de Planejamento da Expansão e Engenharia da Distribuição Diretoria

Leia mais

CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO Critérios para Análise de Projetos Prediais ITD-14 Revisão 1 CEI.G DISTRIBUiÇÃO CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA ITD-14 Critérios

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 011

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 011 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD - 011 FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Departamento Responsável Superintendência de Engenharia Primeira Edição - Dezembro de 06 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...6

Leia mais

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição Professor Jorge Alexandre A. Fotius Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Em áreas urbanas com baixa densidade

Leia mais

PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE

PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE 750kVA DESTINADA AO PRÉDIO DA PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DE PERNAMBUCO, SITUADO NO MUNICÍPIO DE RECIFE NO ESTADO DE PERNAMBUCO. MEMORIAL DESCRITIVO 1. FINALIDADE:

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO 1. GENERALIDADES 1.1 O projeto refere-se às instalações elétricas do empreendimento comercial localizado

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA DO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS 1 INDICE 1 OBJETIVO 2 NORMAS APLICÁVEIS 3 GENERALIDADES 4 METODOLOGIA 5 MEDIÇÕES DE GRANDEZAS

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO S istema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA 01 18/11/2013 22/11/2013 ENGENHARIA E SISTEMAS TÉCNICOS (DTESES) MARCELO POLTRONIERI DTESES SUMÁRIO 1. RESUMO...

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO MOMENTÂNEO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO. Página 1 de 16

COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO. Página 1 de 16 Página 1 de 16 COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição Gerência

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/01/2013 29/01/2013 APROVADO POR SEBASTIÃO J. SANTOLIN - DTES- SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO PADRÃO DE MEDIÇÃO AGRUPADA DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO Diretoria Técnica Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras PADRÃO DE M EDIÇÃO AGRUPADA DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO No

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Cuiabá Mato Grosso - Brasil SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 1-OBJETIVO...4 2-AMPLITUDE...4 3-RESPONSABILIDADE

Leia mais

TÉCNICA NTE - 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

TÉCNICA NTE - 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO NORMA TÉCNICA NTE - 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Cuiabá Mato Grosso - Brasil APRESENTAÇÃO...3 1-OBJETIVO...4 2-AMPLITUDE...4 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...4

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01 29/07/2014 01/08/2014 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI DTESES SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

FORNECIMENTO DE ENERGIA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO 1 FORNECIMENTO DE ENERGIA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO 2 1. INTRODUÇÃO 1.1. Objetivo A presente Norma Técnica tem por objetivo estabelecer os padrões da entrada de serviço de energia elétrica das

Leia mais

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS:

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410 relativos à escolha

Leia mais

Norma Técnica de Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão (Edificações Individuais)

Norma Técnica de Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão (Edificações Individuais) Norma Técnica de Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão (Edificações Página: 2/158 RES nº 117/2014, ÍNDICE 1. OBJETIVO... 4 2. ABRANGÊNCIA... 4 3. REFERÊNCIAS... 4 4. CONCEITOS... 6 5. DIRETRIZES...

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição com Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.005 2ª Folha 1 DE 10 11/11/2010 HISTÓRICO

Leia mais

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR 6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR Basicamente o transformador da subestação é dimensionado pela demanda da empresa no qual será instalado, porém este

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO PERMANENTE SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO...

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

DIRETORIA DE DISTRIBUIÇÃO - DD GERÊNCIA DE ENGENHARIA E OBRAS DE ALTA TENSÃO - GERENG

DIRETORIA DE DISTRIBUIÇÃO - DD GERÊNCIA DE ENGENHARIA E OBRAS DE ALTA TENSÃO - GERENG DIRETORIA DE DISTRIBUIÇÃO - DD GERÊNCIA DE ENGENHARIA E OBRAS DE ALTA TENSÃO - GERENG FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO DEPARTAMENTO DE NORMAS E PROCEDIMENTOS - DNORM

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4ª 31/07/2007 Adequação ao novo modelo, revisão e inclusão de diversos itens.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4ª 31/07/2007 Adequação ao novo modelo, revisão e inclusão de diversos itens. Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição Processo Atendimento aos Clientes Atividade Código Edição Data SM01.00-00.004 11ª Folha 1 DE 117 25/08/2014 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE DOCUMENTO NORMATIVO CRITÉRIO DE PROJETO DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE Código Página Revisão Emissão CP 015 I 1 JAN/2004 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO DE DISTRIBUIÇÃO PRIMÁRIA 13,8 kv

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO DE DISTRIBUIÇÃO PRIMÁRIA 13,8 kv T Í T U L O NORMA DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO VERSÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA R1 I - GPC 11/04/2014 16/04/2014 CONTROLE DE REVISÃO Data Responsáveis Descrição 11/04/2014 Elaboração: Eng. Alberto J.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO MATERIAL CÂMARA TRANSFORMADORA Unid. Quant. V. unit.r$ V. TotalR$ Placa de

Leia mais

Manual de Aprovação de Projeto para Clientes de Média Tensão

Manual de Aprovação de Projeto para Clientes de Média Tensão Manual de Aprovação de Projeto para Clientes de Média Tensão 1 2 Clientes de Média Tensão São aqueles conectados ao sistema de distribuição de energia de 13.800 volts (Rede de MT) da Coelce. Definidos

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 Página 1 de 1 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1.OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Média Tensão Rede de Distribuição Aérea ou Subterrânea

Fornecimento de Energia Elétrica em Média Tensão Rede de Distribuição Aérea ou Subterrânea ND-5.3 Companhia Energética de Minas Gerais Manual de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica em Média Tensão Rede de Distribuição Aérea ou Subterrânea Belo Horizonte - Minas Gerais Brasil ND-5.3

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA Outubro 2008 Companhia Energética de Alagoas-CEAL Superintendência de Projetos e Obras-SPP Gerencia de Projetos e Obras

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão Edificações Individuais

Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão Edificações Individuais NDEE-2 Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Manual de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão Edificações Individuais [ Brasília Distrito Federal Brasil NDEE-2 Centrais Elétricas Brasileiras

Leia mais

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO PADRÃO DE MEDIÇÃO INDIVIDUAL DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO Diretoria Técnica Gerência de Planejamento e Egenharia Processo de Engenharia e Obras 3$'5 2'(0(',d 2,1',9,'8$/'(&/,(17(6 (0%$,;$7(16 2 No DATA

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 kv

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 kv Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 kv Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 KV NORTEC01 Capítulo Descrição Página 1 Finalidade 01 2 Âmbito

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE BRASÍLIA - CEB MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO MÓDULO I

COMPANHIA ENERGÉTICA DE BRASÍLIA - CEB MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO MÓDULO I COMPANHIA ENERGÉTICA DE BRASÍLIA - CEB MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO MÓDULO I DIRETORIA DE DISTRIBUIÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ENGENHARIA GERÊNCIA DE ENGENHARIA E NORMALIZAÇÃO NTD 6.05 FORNECIMENTO DE ENERGIA

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822 LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA N O 21/2015 1. Informações gerais sobre o local da vistoria: Imóvel sito a rua Jornalista Irineu Marinho nº 441 Icaraí Niterói RJ Nome do Condomínio: Edifício Luanda CNPJ/MP:

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM

REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM 1 ND 3.5 PROJETOS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS Roberto Carlos de Souza - CEMIG Erivaldo Costa Couto -

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO INSPEÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA E INFORMAÇÕES SOBRE AS DIMENSÕES DOS TRANSFORMADORES DE MEDIÇÃO

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO INSPEÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA E INFORMAÇÕES SOBRE AS DIMENSÕES DOS TRANSFORMADORES DE MEDIÇÃO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO INSTRUÇÃO DE CÓDIGO TÍTULO VERSÃO IT.DT.PDN.03.14.011 INFORMAÇÕES SOBRE AS DIMENSÕES DOS 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Compartilhamento de Postes da Rede de Energia Elétrical Processo Planejar, Ampliar e Melhorar o Sistema Elétrico Atividade Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.02-01.015 2ª Folha 1 DE 15 16/10/2008

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE ITA - 006 Rev. 0 Setembro / 2003 Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com

Leia mais

SUMÁRIO. N.Documento: Categoria: Versão: Aprovado por: Data Publicação: Página: 119 Procedimento 2.2 Paulo Ricardo Bombassaro 30/09/2008 1 de 147

SUMÁRIO. N.Documento: Categoria: Versão: Aprovado por: Data Publicação: Página: 119 Procedimento 2.2 Paulo Ricardo Bombassaro 30/09/2008 1 de 147 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. CAMPO DE APLICAÇÃO 4. DEFINIÇÕES 4.1- Cabine Mista 4.2- Caixa de Disjuntores das Unidades Consumidoras 4.3- Caixa de 4.4- Caixa de Proteção e Manobra 4.5- Carga Instalada

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS DE BAIXA TENSÃO

REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS DE BAIXA TENSÃO RIC NOVA PALMA ENERGIA REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS DE BAIXA TENSÃO Versão: 02 Revisão: 02 Data: 12/04/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 06 2. Normas e Documentos Complementares 07 2.1. Normas da ABNT

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MÉDIA TENSÃO

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MÉDIA TENSÃO Página: 1/111 RES nº 117/2014, NORMA TÉCNICA DE FORNECIMENTOS DE ENERGIA ELÉTRICA EM MÉDIA TENSÃO Página: 2/111 RES nº 117/2014, ÍNDICE 1. OBJETIVO... 4 2. ABRANGÊNCIA... 4 3. REFERÊNCIAS... 4 4. CONCEITOS...

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS Sistema Normativo Corporativo NORMA TÉCNICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00 064 11/07/2011 05/09/2011 ELABORAÇÃO Agostinho G. Barreira S U M Á R I O 1. RESUMO...

Leia mais

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. 1 2 ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. A energia é o núcleo dos acontecimentos,

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Previsão de Alimentação a Sistema de Combate a Incêndio

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Previsão de Alimentação a Sistema de Combate a Incêndio Fornecimento de Energia Elétrica em Média Tensão de Distribuição à Edificação Individual Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-01.003 7ª Folha 1 DE 50

Leia mais

Instalações de média tensão ABNT NBR 14039

Instalações de média tensão ABNT NBR 14039 52 Instalações de média tensão ABNT NBR 14039 Capítulo IV Seleção e instalação de componentes Parte 1 Por Marcus Possi* O foco deste artigo é o Capítulo 6 da norma ABNT NBR 14039 Instalações elétricas

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO CT - 59. CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw. Página 1 de 11. Diretoria de Engenharia

COMUNICADO TÉCNICO CT - 59. CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw. Página 1 de 11. Diretoria de Engenharia Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO CT - 59 CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw Diretoria de Engenharia Diretoria de Operações e Planejamento Diretoria Comercial Gerência

Leia mais

NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Companhia Paranaense de Energia COPEL NORMAS TÉCNICAS COPEL NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Órgão Emissor: Coordenação de Comercialização de Energia - CCD Coordenadoria de

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

005/2012 NORMA TÉCNICA NT-005/2012 R-01

005/2012 NORMA TÉCNICA NT-005/2012 R-01 005/2012 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 005/2012 NORMA TÉCNICA NT-005/2012 R-01 FOLHA DE CONTROLE NORMA TÉCNICA Código Página Revisão Emissão NT-005 I 01 AGO/2012 APRESENTAÇÃO Esta

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS PT.DT.PDN.03.14.

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS PT.DT.PDN.03.14. SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.005 SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS 01 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO-ES SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais