TRANSFORMADOR A SECO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRANSFORMADOR A SECO"

Transcrição

1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO TRANSFORMADOR A SECO WEG INDÚSTRIAS S.A. - Transformadores 1

2 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO INSTRUÇÕES BÁSICAS Instruções gerais Fornecimento Local de recebimento Descarregamento e manuseio Inspeção de recebimento Armazenagem INSTALAÇÃO DE TRANSFORMADORES A SECO Considerações gerais Condições especiais Requisitos básicos para a Instalação Altitudes Distâncias necessárias para operação Ligações Energização Proteção e equipamento de manobra MONTAGEM DO TRANSFORMADOR MANUTENÇÃO Inspeções periódicas Registros operacionais Inspeção termográfica Inspeções visuais Limpeza ACESSÓRIO INDICADOR DE TEMPERATURA (T 154) Potência de Alimentação Conexões de controles elétricos de alarmes e ventiladores Conexões dos sensores termométricos Transporte de sinais medidos Sensor diagnóstico termométrico Diagnóstico de temperatura Controle de resfriamento dos ventiladores Teste de ventiladores Modo de display Trabalho do programa de controle Teste da lâmpada Relé de teste alarme Exclusão do relé de alarme Programação: led program desligado: visualização do programa...13 led program ligado: entrada para o programa Programa de reabilitação no caso de bloqueio ( prg no )

3 1 - INTRODUÇÃO Este manual visa dar informações necessárias ao transporte, armazenagem, instalação e manutenção de transformadores a seco WEG. O atendimento a estas instruções proporcionará um melhor desempenho do transformador, além de prolongar a sua vida útil. Os transformadores WEG são projetados e construídos rigorosamente segundo normas ABNT em suas últimas edições, estando, por isso, os dados deste manual sujeitos a modificações sem prévio aviso. Recomendamos àqueles que desejarem aprofundar-se no assunto, a leitura das seguintes normas: NBR Transformadores de Potência Secos. NBR Aplicação de Cargas em Transformadores de Potência. É muito importante ainda ter em mãos as publicações sobre instalação de transformadores emitidas pelas concessionárias de energia da região, visto que muitas delas têm caráter normativo. Para maiores esclarecimentos, consulte nosso Departamento de Assistência Técnica. 3

4 2 - INSTRUÇÕES BÁSICAS 2.1. Instruções gerais Todos que trabalham em instalações elétricas, seja na montagem, operação ou manutenção, deverão ser permanentemente informados e atualizados sobre as normas e prescrições de segurança que regem o serviço, e aconselhados a segui-las. Cabe ao responsável certificar-se, antes do início do trabalho, de que tudo foi devidamente observado e alertar seu pessoal para os perigos inerentes à tarefa proposta. Recomenda-se que estes serviços sejam efetuados por pessoal qualificado. Equipamento para combate a incêndios e avisos sobre primeiros socorros não devem faltar no local de trabalho, sempre em lugares bem visíveis e acessíveis Fornecimento Os transformadores após testados e liberados, são embalados na fábrica de forma adequada ao seu transporte, garantindo, assim, o seu perfeito funcionamento. Além disso, devem estar protegidos durante o transporte evitando sua exposição a intempéries. Sua amarração e fixação para o transporte são de responsabilidade do transportador. No recebimento, recomendamos cuidadosa inspeção, verificando se o transformador está devidamente protegido e também a existência de eventuais danos provocados pelo transporte. Caso eles tenham ocorrido, notificar imediatamente o representante Weg mais próximo e a empresa transportadora para que não haja problemas com a empresa seguradora Local de recebimento Sempre que possível, o transformador deve ser descarregado diretamente sobre sua base definitiva, quando for necessário o descarregamento em local provisório, deve ser verificado se o terreno oferece plenas condições de segurança e distribuição de esforço, bem como se o local é o mais nivelado e limpo possível. E conveniente não retirar a proteção de plástico até que o transformador esteja em seu lugar definitivo Descarregamento e manuseio Todos os serviços de descarregamento e locomoção do transformador devem ser executados e supervisionados por pessoal especializado e atendendo os cuidados que uma carga de peso significativo requer, obedecendo-se as normas de segurança e utilizando-se os pontos de apoio apropriados. O levantamento ou tração deve ser feito pelos pontos indicados nos desenhos, não devendo utilizar-se outros pontos que, se usados, podem acarretar graves danos ao transformador. Em caso de deslocamento por arraste,o mesmo deverá ser feito sobre as rodas (bidirecionais), fornecidas com o transformador. A movimentação do transformador com empilhadeira não é recomendado, caso necessário, deverá ser feito com os devidos cuidados com relação ao seu posicionamento. Para direcionar o transformador, fazer esforços somente sobre as vigas de prensagem do núcleo ou da base. Importante: Transformadores providos de cubículos (caixas de proteção) não devem ser suspensos por eventuais olhais neles existentes. Içar o transformador sempre pelos olhais existentes nas vigas superiores do transformador (internamente ao cubículo). Todos os cuidados devem ser tomados para que não existam esforços em locais inadequados, como nos barramentos e nas bobinas, o que pode causar dano irreversível e comprometendo o funcionamento do transformador. 4

5 Inspeção de recebimento Antes do descarregamento, deve ser feita, por pessoal especializado, uma inspeção preliminar no transformador, na qual devem ser verificadas as suas condições externas, acessórios e componentes quanto a deformações e estado da pintura. A lista de materiais expedida deve ser conferida. Caso sejam evidentes quaisquer danos, falta de acessórios e componentes ou indicações de tratamento inadequado durante o transporte, o fabricante e o transportador devem ser comunicados Armazenagem Os transformadores, quando não instalados imediatamente, devem ser armazenados, preferencialmente com sua embalagem original de fábrica, em lugar abrigado, seco, isento de poeiras e gases corrosivos, colocando-os sempre em posição normal e afastados de área com muito movimento ou sujeito a colisões. Se necessário, recomenda-se a utilização de uma proteção de plástico para evitar deposição de sujeira, assim o mesmo poderá ser armazenado por um longo tempo sem sofrer alteração de suas características de isolação. Os componentes e acessórios, quando retirados do transformador para transporte ou para armazenamento, devem ser armazenados em locais adequados. Após o período de armazenagem, onde não é necessário prever nada a mais do que o descrito acima, o transformador a seco poderá ser energizado seguindo as respectivas instruções, não é necessária uma secagem prévia dos enrolamentos, visto que os mesmos não absorvem umidade. 3. INSTALAÇÃO DE TRANSFORMADORES A SECO 3.1. Considerações gerais Os transformadores a seco WEG são projetados de forma a operarem a temperatura ambiente máxima de 40 C e a altitude máxima de 1000m, exceto quando diferentemente solicitado.o ambiente de instalação deve ser em um local abrigado com ventilação necessária para a sua correta refrigeração. Embora resistentes, transformadores secos não podem ser diretamente expostos a intempéries. Antes de qualquer providência para montagem do transformador, deve ser verificada a disponibilidade de pessoal qualificado, assim como de equipamentos e ferramentas adequadas. A montagem deve ser executada em conformidade com as normas técnicas específicas para transformadores a seco. Não é recomendável a montagem dos transformadores em dia chuvoso. Antes da montagem do transformador, deve ser feita uma verificação constando de: a) inspeção visual principalmente quanto ao correto nivelamento da base; b) fixação correta do transformador; c) inspeção visual, a fim de constatar a não-ocorrência de danos durante o manuseio; d) confirmação de que os dados de placa estão compatíveis com a especificação técnica do equipamento; e) avaliação das conexões de aterramento do transformador. 3.2.Condições especiais Constituem condições especiais de funcionamento, transporte e instalação as que podem exigir construção especial, e a revisão de alguns valores nominais, cuidados especiais no transporte e instalação ou funcionamento do transformador. Constituem exemplos destas condições especiais: 1) Instalação em altitudes superiores a 1000m e temperaturas superiores a 40 C; 2) Instalação em que as temperaturas do meio de resfriamento sejam superiores às especificadas; 3) Exposição à umidade excessiva, atmosfera salina, gases ou fumaça prejudiciais ao equipamento; 4) Exposição a pós prejudiciais; 5) Exposição a materiais explosivos na forma de gases ou pó; 6) Exigência de isolamento diferente do especificado para o equipamento; 5

6 7) Limitação do espaço de instalação; 8) Transporte, instalação e armazenagem em condições precárias, além de sujeição a vibrações anormais e choques ocasionais. Estes fatores devem sempre ser verificados a fim de obtermos um melhor funcionamento do mesmo e como fator de prevenção para eventuais acidentes ou danificação do equipamento. (A eventual exposição a estes fatores causará perda de rendimento do transformador, conforme classe de temperatura do material, rigidez dielétrica a altitudes superiores a 1000m, entre outras). 3.3.Requisitos básicos para a instalação Os transformadores a seco deverão ser instalados sobre fundações adequadamente niveladas e resistentes para suportar o peso. Quando os transformadores forem dotados de rodas, confirmar que o equipamento esteja apoiado por igual nos pontos de base, a fim de garantir sua estabilidade e evitar deformações. Nas instalações dos transformadores, devem ser considerados cuidadosamente os seguintes fatores: a) Deve haver um espaçamento mínimo de 0,5m entre transformadores e entre estes e paredes ou muros, proporcionando facilidade de acesso para inspeção e ventilação, dependendo, entretanto, das dimensões de projeto e das tensões; b) O recinto no qual será colocado o transformador deve ser bem ventilado, de maneira a ser assegurada uma ventilação natural apropriada, vendo que este é um parâmetro fundamental ao correto funcionamento do transformador a seco. Neste sentido, é importante que as entradas do ar sejam localizadas na parte inferior do transformador e, as de saída, estejam localizadas na parte superior do transformador com aberturas suficientes para que possam circular aproximadamente 2,5 metros cúbicos de ar por minuto/kw de perda Altitudes Os transformadores são projetados conforme ABNT, para instalações até 1.000m acima do nível do mar. Em altitudes superiores a 1.000m o transformador terá sua capacidade reduzida ou necessitará de um sistema de refrigeração mais eficaz, assim teremos um fator de correção, tendo em vista o abaixamento da rigidez dielétrica do ar com a altitude, conforme a tabela a seguir: Altitude (m) Fator de Correção , , , , , , , , , , ,67 Tabela 1: Correções de rigidez dielétrica do ar para altitudes acima de 1000m Distâncias necessárias para operação Os transformadores devem ser instalados e seus cabos ligados, observando-se os afastamentos dielétricos necessários, previstos por norma para cada classe de tensão. Devem estar afastado de paredes, grades, eletrodutos, cabos e outros dispositivos conforme os valores especificados na tabela a seguir, estas distâncias também são importantes a fim de termos o atendimento da ventilação: 6

7 Classe de Tensão do Equipamento [kv](eficaz) Tensão de Impulso Atmosférico [kv] Espaçamento Mínimo FASE-TERRA [mm] Espaçamento Mínimo FASE-FASE [mm] 0, , , ,2 36, Tabela 2: Espaçamentos externos mínimos para transformadores secos Ligações As ligações do transformador devem ser realizadas de acordo com o diagrama de ligações de sua placa de identificação. É importante que se verifique se os dados da placa de identificação estão coerentes com o sistema ao qual o transformador vai ser instalado. As terminações devem ser suficientemente flexíveis, a fim de evitar esforços mecânicos causados pela expansão e contração, que poderão quebrar os isoladores, quando existentes. Estas terminações admitem consideráveis pesos de condutores, mas devem ser evitadas longas distâncias sem suportes. Os cabos ou barras devem estar corretamente dimensionados e as conexões devidamente apertadas a fim de evitar sobreaquecimento. Transformadores a seco WEG possuem marcação dos terminais conforme norma. O circuito de proteção térmica, quando existente, deve ser conectado conforme manual de ligação para o mesmo. A malha de terra deverá ser ligada a esses conectores por meio de cabo de cobre nú, com seção adequada. Os terminais de alta tensão do transformador a seco são em cobre estanhado. Os terminais de baixa tensão são em alumínio de liga especial para garantir qualidades mecânicas recomendáveis à boa conexão (excepcionalmente esses terminais são de cobre). A conexão de alumínio requer alguns cuidados, como segue: - (Preparação da Superfície) Antes de realizar qualquer ligação ou conexão, as superfícies de alumínio devem ser limpas, a fim de retirar a fina camada de óxido que se cria espontaneamente ao contato com o ar, e que é péssima condutora. A remoção desta camada de óxido pode ser feita com escova de aço, lixa fina, raspagem, etc.. É importante que esta operação seja feita com rapidez, e imediatamente após a mesma deverá ser untada com inibidor adequado. - (Conexão Alumínio-Alumínio) Os terminais do transformador já estando devidamente preparado e o barramento a ser conectado a ele sendo de alumínio, deve ser tratado de modo idêntico. - (Conexão Alumínio-Cobre) Superfície do condutor nu: limpar; Superfície do condutor de cobre: a) Cobre nu: limpar, Cobre com recobrimento de prata, estanho ou níquel: limpar ou limpar e colocar placa de cobre nu ou Cupal. Após limpeza, untar com inibidor. - (Material empregado para a conexão) Todas as peças,porcas, parafusos, arruelas lisas devem ser protegidas contra corrosão. Os parafusos devem, de preferência, ser apertados com uma chave com um dinamômetro ou chave limitadora de torque, para se obter uma distribuição uniforme de pressão contato. 7

8 Obs: É recomendado realizar um reaperto dos parafuso após algumas semanas de uso, a fim de equalizar eventuais acomodações, conforme valores sugeridos a seguir. Parafusos (classe 8.8) M8 M10 M1 M16 Momentos de aperto [Nm] Tabela 3: Momentos recomendados. 3.7.Energização A energização do transformador deverá ser feita após a verificação dos ítens relacionados a seguir: 1) Verificar se as tensões da placa estão de acordo com as previstas para o local; 2) Para a operação de transformadores em paralelo, verificar se estão ligados com a polaridade correta; 3) Verificar se as conexões dos cabos ou barras estão corretamente ligados, posicionados de forma adequada; 4) Verificar as ligações no painel de mudança de derivações, devem estar firmes e na mesma posição nas três fases; 5) Se o aterramento está corretamente conectado ao parafuso previsto para esta finalidade, além de verificar se o aterramento foi executado em local previsto no projeto e mostrado no desenho; 6) Para transformadores com dispositivo de proteção térmica, conferir a ligação do circuito, notando se a tensão está de acordo e se os contatos do alarme e do desligamento estão ligados aos respectivos circuitos; 7) Verificar se não existem materiais, equipamentos ou outras impurezas sobre o transformador, entre as bobinas ou impedindo a ventilação nos canais de resfriamento. A limpeza deverá ser feita conforme ítem 5.2; 8) Sempre é recomendável fazer uma verificação da resistência do isolamento, fazendo medições entre os enrolamentos AT e BT e dos enrolamentos contra a terra Proteção e equipamento de manobra Os transformadores devem ser protegidos contra sobrecargas, curto-circuito e surtos de tensão através de chaves fusíveis, disjuntores, seccionadores, pára-raios, etc., que deverão ser adequadamente dimensionados para serem coordenados com o transformador e testados antes de fazer as conexões. 4 - MONTAGEM DO TRANSFORMADOR A montagem do transformador deve ser efetuada conforme as instruções específicas do fabricante. Sendo este já recebido montado os maiores cuidados devem estar na correta fixação e ligação do mesmo, também é importante verificar a placa de identificação, circuito de proteção e a existência de avarias. 5. MANUTENÇÃO Sendo uma das grandes vantagens deste tipo de transformador, os transformadores a seco WEG necessitam de pouca manutenção. Contudo, é necessário fazer um acompanhamento constante a fim de se evitar problemas como acúmulo de sujeira, (o que pode causar perda na capacidade de refrigeração e conseqüente perda de potência), deformações de sua estrutura e verificação das ligações, entre outras. Itens de manutenção: 1) Inspeção visual do local; 2) Limpeza conforme especificado a seguir no item 5.2, verificação de entradas e saídas de ar; 3) Verificar se não houve sobreaquecimento nos terminais de ligação; 8

9 4) Verificar o funcionamento do conjunto de proteção térmica; 5) Verificação da pressão nos contatos dos terminais, painel de comutação Inspeções periódicas Registros operacionais Os registros operacionais devem ser obtidos através das leituras dos instrumentos indicadores, das ocorrências extraordinárias relacionadas com o transformador, bem como todo evento relacionado, ou não, com a operação do sistema elétrico, que possa afetar o desempenho e/ou características intrínsecas do equipamento. É recomendável a leitura diária dos indicadores de temperatura (anotar temperatura ambiente), carga e tensão do transformador Inspeção termográfica Estas inspeções devem ser realizadas periodicamente nas instalações, objetivando, principalmente, detectar aquecimento anormal nos conectores Inspeções visuais Devem ser feitas inspeções visuais periódicas, seguindo-se um roteiro previamente estabelecido, que deve abranger todos os pontos a serem observados. Alguns defeitos normalmente ocorridos podem ser relacionados com sua sugerida solução, como mostra a tabela abaixo. ITEM ANORMALIDADES CAUSA PROVÁVEL CORREÇÃO Sobreaquecimento nos terminais AT, BT e pontos de Limpeza de áreas de contatos. 1 Mal contato. conexão e painel de Apertar porcas/parafusos. comutação. Diminuir Carga. Sobrecarga acima do previsto. 2 3 Sobreaquecimento do transformador Atuação do relé de proteção (alarme e/ou desligamento). Circulação de ar de refrigeração insuficiente. Temperatura do ar de refrigeração acima da temperatura prevista. Sobreaquecimento do Transformador. Conforme item 2. Falta de tensão de alimentação do relé. Aumentar a refrigeração. Limpar canais de ar de refrigeração do transformador. Verificar dutos/aberturas para circulação de ar de refrigeração, quanto ao dimensionamento e a obstruções. Diminuir carga. Aumentar a circulação de ar da refrigeração. Verificar tensão de alimentação no relé. Verificar funcionamento correto do relé e fiação, 9

10 Descarga entre terminais AT Descarga entre AT e massa 4 Descarga entre AT/BT Descarga entre BT/massa 5 Ruído excessivo Redução da resistividade superficial do material isolante por existência de corpos estranhos. Destruição do material isolante devido a sobretensões, sobreaquecimento ou esforços mecânicos acima do previsto. Tensão mais elevada que a prevista. Assentamento não uniforme da base do transformador. Ressonância com superfícies ao redor do equipamento. Ressonâncias transmitidas pelas ligações. Tabela 4: Análise de anormalidades. Limpeza geral, com remoção dos corpos estranhos depositados na superfície. Substituição ou reparo da peça danificada. Verificar a tensão correta e ajustar ao Tap mais adequado. Verificar a existência de superfícies metálicas (painéis, armários, dutos, portas, etc.) soltas com possibilidade de vibrações. Instalação de elementos flexíveis entre os terminais do transformador e os condutores da instalação. 5.2.Limpeza Um importante fator para um melhor funcionamento deste tipo de transformador é a constante e eficiente limpeza do mesmo para que não ocorra prejuízo de importantes características do transformador. Por esse motivo, indicaremos procedimentos de limpeza para os tipos de impurezas relacionadas a seguir: Tipo de sujeira encontrada Procedimento utilizado Pó seco em geral 1 e 4 Pó úmido 3 e 4 Maresia (salinidade) 1 e 4 Pó metálico (pó industrial) 1 e 4 Óleos em geral 2, 3 e 4 Grafite ou similares 1 e 4 Tabela 5: Procedimentos de limpeza para transformadores secos. 1)Com auxílio de um aspirador de pó ou um espanador e pano seco, remover a poeira depositada no transformador. Em seguida, use ar comprimido para remover os resíduos de poeira e fazer a limpeza dos canais de ventilação das bobinas e entre a bobina e o núcleo. A injeção do ar nos canais de ventilação deve ser feita de baixo para cima. A pressão do ar deve estar limitada a aproximadamente 5 atm. Para finalizar, use um pano seco e limpo para remover resíduos que ainda permanecem nas bobinas, principalmente em volta dos terminais e nos isoladores. 2)Com auxílio de um pano umedecido com benzina, remova as impurezas do núcleo, ferragens e bobinas; repita com um pano seco e limpo. Observe se os canais foram obstruídos. Se as impurezas nos canais estiverem secas, adote o procedimento (1) nesta limpeza. Caso contrário, identifique a sujeira existente e faça contato com a fábrica para verificar o melhor procedimento. A utilização de benzina ou outro produto requer cuidados especiais em seu manuseio. 3)Com o auxílio de um pano umedecido em água, com pequena concentração de amoníaco ou álcool, remova impurezas do transformador. A limpeza pode ser complementada utilizando um dos procedimentos anteriores dependendo do tipo de sujeira a ser removida. 4)A finalização deverá sempre ser feita com um pano limpo e seco, devendo-se limpar toda a superfície, principalmente na região dos terminais de ligação. 10

11 6. ACESSÓRIO INDICADOR DE TEMPERATURA (T 154) 6.1. Potência de alimentação: O T-154 possui alimentação universal de potência: ela pode ser fornecida para 24 e 240 Vca-cc indiferente externamente a respeito das polaridades. Esta particularidade é obtida na aplicação experimentada de alimentação de potência para qualquer instalação livre de preocupação relativa a correta Vca ou Vcc de alimentação. O cabo de terra deve ser fixado com um parafuso 41. Quando a unidade é alimentada diretamente pelo secundário do transformador protegido, ele pode ser atingido por uma elevada e excessiva voltagem(>270 Vca-cc- limite máximo). Isto acontece quando a carga é conectada por meio de uma trava ao interruptor de comando. Isto é mais evidente quando temos 220 Vca que é obtida diretamente das barras do secundário do transformador e esta é fixada como fase de ajustamento concentrada no mesmo transformador Conexões de controles elétricos de alarmes e ventiladores: Conduzindo para a saída as conexões elétricas e extraindo as bordas do terminal após gerar a partida do instrumento. Relés de ALARM e TRIP energizam somente quando o prefixo da temperatura limite é alcançado. Relé de FAULT energiza quando o instrumento é alimentado e desenergiza quando o Pt100 sofre um dano ou quando neste ponto não tem nenhuma alimentação. Relé de FAN pode ser utilizado para o controle de resfriamento do ventilador ou senão ele pode ser inserido condicionalmente na caixa do circuito do transformador Conexões dos sensores termometricos Cada sensor Pt100 possui três condutores: 1 branco e 2 vermelhos(cei 75.8). A figura 1 apresenta a disposição das bordas do terminal para a conexão de cabos na unidade. O canal CH2 sempre deve ser colocado no núcleo do transformador ou senão no ambiente do sensor Pt 100, se você procura proteger o controle térmico na caixa do transformador pela unidade T Transporte de sinais medidos Todos os cabos de transporte do Pt 100 devem medir sinais absolutos: - Sendo dividido conforme a potência única. - Sendo realizado pela blindagem de cabos e pelo enrolamento de condutores. - Tem uma secção mínima de 0.5 mm ². - Sendo enrolado se você não tem qualquer blindagem. - Tem prateamento na ponta dos condutores. Todas as unidades da série T tem sensores lineares com um máximo de 0.5% v.f.s Sensor diagnóstico termométrico No caso de estrago de um sensor termométrico que são instalados na proteção de máquinas, o relé de falta energiza imediatamente, o led de alarm e trip no canal de dano (Chn) acende e o led de falta é acendido. Automaticamente no Display ele aparecerá a classe do sensor com dado o qual pode ser: - Fcc se o sensor é de curto-circuito; - Foc se o sensor é desconectado. Durante o trabalho normal da unidade, se você programar Fcd / yes o display pedirá o sinal Fcd aquele do sensor de dano e o led, o qual corresponde ao respectivo canal deseja acender (Chn). O relé de falta energiza mostrando um sinal para o operador. Após a substituição do sensor dano, você pode resetar o alarme apertando reset até que no display apareça RST. 11

12 6.6. Diagnóstico de temperatura. Quando um sensor termométrico vistoria uma temperatura a qual é superior a 1 o C do limite do alarme, após 4 segundos o relé de alarme irá energizar e o led do alarme no respectivo canal (Chn) irá ligar. Nós temos a mesma situação quando a temperatura limite do trip é vistoriada. Nós temos a energização do relé trip e o acendimento do led trip em seu respectivo canal (Chn). Quando a vistoria da temperatura de falta for 1 o C na comparação um pouco do limite prefixado do alarm e trip ligados, os relés desenergizarão e os respectivos leds apagarão Controle de resfriamento dos ventiladores A unidade T-154, se adequa ao programa, pode controlar o ON-OFF do transformador no terra e estabelecendo temperaturas. Os ventiladores da máquina podem ser controlados de dois difererentes modos: - Usando as temperaturas vistoriadas pelos sensores nas três colunas: CHF Alarm e trip led CH ligado (ex. ON até 80 o C - OFF até 70 o C ). - De um sensor adicional (ch4/yes) para temperatura ambiemte na caixa do trafor: CHF 4. Alarm e trip led CH 4 ligado (ex. ON até 40 o C OFF até 30 o C). Você pode selecioná-los apertando os botões UP e DOWN Teste de ventiladores Da programação (hxx) você pode estabelecer sendo os ventiladores marcados por 5 minutos sempre xx horas, independente de colunas e valores de temperaturas ambientes. A função tem o propósito de verificar periodicamente o trabalho dos ventiladores, quando eles não são utilizados. Estabelecemos h00 para função de exclusão Modo do display Pressionando o modo display você estabelece a visualização dos modos do display: - AUTO:A unidade visualiza autocaticamente o canal de teste mais quente. - MAN: Leitura manual do canal de temperatura do UP e DOWN apertando os botões. - T.MAX:A unidade visualiza a temperatura máxima atingida no sensor e o ligamento do alarme pelo último reset Trabalhando o programa de controle Na ordem do controle de valores programados de temperatura, você tem de acionar restritamente o prg. Acionando o prg. Repetindo os valores estabelecidos precedentes de aparecimento na seqüência dos display. Na ordem o fim da visualização você tem de acionar ENT Teste da lâmpada Ele é apropriado para levar a uma regularidade o led de teste na saída da unidade. Para esta operação você tem que acionar TEST. Se um dos leds não funciona, por favor torne a unidade em ordem para ser reparado Relé de teste alarme Esta função permite o teste de funcionamento do relé externamente a qualquer instrumento adicional. O carregamento da saída do teste você tem de acionar test por 5 segundos: todos os leds irão ligar e o display irá aparecer TST aceso: Liberando ele quando o relay test led deseja ser aceso. O primeiro relé de teste deseja ser indicado pelo display e o respectivo led deseja ser aceso. Os relés de teste devem ser indicados no display: - FAN : Relé de resfriamento; 12

13 - FLT : Relé de falta Pt 100; - ALR : Relé de alarme; - TRP : Relé de trip. Selecione o relé de teste pelo UP e DOWN acionando SET e desenergiza acionando RESET. Na ordem de parada deste procedimento, você tem de acionar novamente TEST e todos os relés serão restaurados no início da configuração. Após 5 minutos de inatividade do teclado, o TEST RELAY procede sendo automaticamente interrompido Exclusão do relé de alarme Se você excluir o sinal de alarme, você tem de acionar RESET: O relé desenergiza e o respectivo led, qualquer um sendo aceso, começando iluminado. Se a temperatura do transformador é ainda aumentada, o relé de alarme vai energizar novamente até que a temperatura tenha um valor de 5 o C menor que o limiar trip. No momento do uso pode excluir novamente o alarm, porém nesse caso, ele não aparecerá com qualquer outra indicação em consideração ao relé de alarme. A exclusão do sistema deseja ser automaticamente desconectada quando a temperatura de falha for menor que o limiar do alarme programação: led program desligado: visualização do programa led program ligado: entrada para o programa Nº Passos Pressionando os botões efeito 01 PRG/SET Começo da programação do grupo de ALARM Aparece no display Tº 02 UP ou DOWN Grupo que estabelece limites 03 PRG/SET Grupo TRIP aparecendo Tº 04 UP ou DOWN Grupo que estabelece limites 05 PRG/SET Aparece FAN 06 UP ou DOWN Grupo de FAN YES ou NO notas Impedir o aperto do botão de acionamento PRG/SET por 7 segundos para parada e acendimento da entrada do programa YES: ventiladores conectados NO: ventiladores desconectados 07 PRG/SET Dentro do display aparece off 08 PRG/SET Aparece no display off Tº 09 UP ou DOWN Grupo da Temperatura Somente se no passo 6 você estabelecer YES 10 PRG/SET No display aparece on 11 PRG/SET Aparece no display o on Tº 12 UP ou DOWN Grupo da Temperatura Somente se no passo 6 você estabelecer YES 13 PRG/SET No display aparece CH4 13

14 14 UP ou DOWN Grupo CH4 YES ou NO YES: CH4 conectado NO: CH4 desconectado 15 PRG/SET Modo de controle FAN ligado No display aparece CHF 16 UP ou DOWN Grupo CH1,2,3 ou CH4 Respectivo led acende 17 PRG/SET Modo de controle FAN teste Aparece no display h00 18 UP ou DOWN Grupo do número de horas 19 PRG/SET No display aparece Fcd 20 UP ou DOWN Grupo Fcd YES ou NO 21 PRG/SET No display aparece Prg 22 UP ou DOWN Grupo Prg YES ou NO 23 ENT PRG/SET Saída da programação Retornar passo 1 Somente se no passo 6 você estabelecer YES h00:função desconectada Fcd YES: controle de erro(dano) Pt100 conectado Prg NO:programação é bloqueada Lâmpada teste Programa de reabilitação no caso de bloqueio (prg no) Se a programação for bloqueada (passo 22), a ordem para entrada novamente no programa da unidade, é necessário o carregamento de saída do seguinte bloco de procedimentos: - entrar no programa visualizando o modo de acionar Prg. - Impedir o acionamento de TEST até que Prg pare e acenda.(led PROGRAM aceso). Durante o bloco, apertando Prg por 2 segundos, dentro do display aparecerá nop indicando a impossibilidade do programa de dados. 14

MANUAL TRANSFORMADORES SECO

MANUAL TRANSFORMADORES SECO MANUAL TRANSFORMADORES SECO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. INSTRUÇÕES BÁSICAS...4 2.1. Instruções Gerais...4 2.2. Fornecimento...4 2.2.1. Local de recebimento............5 2.2.2. Descarregamento e manuseio......5

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA MODELO TAM TRANSFORMADORES - TIPO TAM Os transformadores a seco moldados em resina epóxi são indicados para operar em locais que exigem segurança, os materiais utilizados em sua construção são de difícil

Leia mais

MANUAL TAM INSTRUÇÕES GERAIS. A - Introdução

MANUAL TAM INSTRUÇÕES GERAIS. A - Introdução MANUAL TAM INSTRUÇÕES GERAIS A - Introdução As instruções deste manual foram elaboradas para os usuários de nossos produtos, visando orientá-los quanto aos cuidados e procedimentos necessários para obtenção

Leia mais

Manual Técnico. Autotransformadores para Chave Compensadora. Revisão 3.0. Índice

Manual Técnico. Autotransformadores para Chave Compensadora. Revisão 3.0. Índice Página 1 de 6 Manual Técnico Autotransformadores para Chave Compensadora Revisão 3.0 Índice 1 Introdução...2 2 Recebimento...2 3 Instalação...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 4 Manutenção...5

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO M A N U A L B A T E R I A C H U M B O - Á C I D A S E L A D A MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BATERIAS CHUMBO-ÁCIDAS SELADAS COM RECOMBINAÇÃO DE GÁS POWERSAFE VF ÍNDICE 1.0 INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA

Leia mais

DD-27 GERADOR DE OZÔNIO

DD-27 GERADOR DE OZÔNIO DD-27 GERADOR DE OZÔNIO MANUAL DE INSTRUÇÕES & OPERAÇÃO DE MÁQUINA www.deox.com.br Página 1 de 6 SUMÁRIO 1 INSTRUÇÕES GERAIS... 2 2 ESPECIFICAÇÕES DO EQUIPAMENTO... 2 3 INSTALAÇÃO... 3 3.1 SOLICITAÇÕES

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO A EQUIPEL assegura ao proprietário deste aparelho garantia de 01 ano contra qualquer defeito de peça ou de fabricação desde que,

Leia mais

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda Manual de Instruções MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Parabéns! Nossos produtos são desenvolvidos com a mais alta tecnologia Bombas Beto. Este manual traz

Leia mais

Galtrans MANUAL DE INSTRUÇÕES PAINEL MOD.: CROMATEC EQUIPAMENTOS PARA GALVANOPLASTIA. www.galtrans.com.br

Galtrans MANUAL DE INSTRUÇÕES PAINEL MOD.: CROMATEC EQUIPAMENTOS PARA GALVANOPLASTIA. www.galtrans.com.br MANUAL DE INSTRUÇÕES PAINEL MOD.: CROMATEC A GALTRANS agradece pela compra deste equipamento.para assegurar o total entendimento do seu funcionamento e obter o melhor desempenho possível, leia atentamente

Leia mais

11/13 1094-09-05 783912 REV.1. www.philco.com.br SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções

11/13 1094-09-05 783912 REV.1. www.philco.com.br SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções 11/13 1094-09-05 783912 REV.1 www.philco.com.br 0800 645 8300 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO PCL1F Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto da linha Philco. Para garantir o

Leia mais

Manual do usuário. Central de alarme de incêndio Slim

Manual do usuário. Central de alarme de incêndio Slim Manual do usuário Central de alarme de incêndio Slim Central de alarme de incêndio Slim Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul. Este manual é válido apenas para

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de Potência. Versão: 5

Manual Técnico. Transformadores de Potência. Versão: 5 Manual Técnico Transformadores de Potência Versão: 5 Índice 2 8 Página 1 1 INTRODUÇÃO Este manual fornece instruções referentes ao recebimento, instalação e manutenção dos transformadores de potência a

Leia mais

AS NORMAS ABNT. ABNT NBR IEC 60335-2-76 Trata especificamente sobre equipamentos eletrificadores de cercas. Foi publicada em 03/12/2007

AS NORMAS ABNT. ABNT NBR IEC 60335-2-76 Trata especificamente sobre equipamentos eletrificadores de cercas. Foi publicada em 03/12/2007 AS NORMAS ABNT INTRODUÇÃO ABNT NBR IEC 60335-2-76 Trata especificamente sobre equipamentos eletrificadores de cercas. Foi publicada em 03/12/2007 NBR NM-IEC 335-1 Trata sobre a segurança de equipamentos

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA Transformadores são máquinas de operação estática que transferem energia elétrica de um circuito

Leia mais

LEV-30. Manual do produto. Laminador Elétrico

LEV-30. Manual do produto. Laminador Elétrico Manual do produto Antes de utilizar o seu produto Arke, leia atentamente este manual. Temos certeza que lhe será bastante útil. Laminador Elétrico LEV-30 PARABÉNS POR SUA ESCOLHA! Você adquiriu um produto

Leia mais

2.5. Placas eletrônicas da central

2.5. Placas eletrônicas da central 2.5. Placas eletrônicas da central Placa eletrônica de laço Piezo Placa de laço Na placa eletrônica de laço podem ser ligados quatro laços de detecção, compostos por detectores de fumaça, detectores termovelocimétricos

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 3383

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 3383 bambozzi A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

MESA DMX 512 MANUAL DE OPERAÇÃO

MESA DMX 512 MANUAL DE OPERAÇÃO MESA DMX 512 MANUAL DE OPERAÇÃO 1 - INSTRUÇÕES INICIAIS IMPORTANTE LEIA COM ATENÇÃO!. Certifique-se de que a voltagem no equipamento é compatível com a tensão da rede elétrica. Este equipamento foi desenvolvido

Leia mais

Instruções, precauções e sugestões para a manutenção de transformadores do tipo seco encapsulados, com vista a satisfazer as normas de segurança

Instruções, precauções e sugestões para a manutenção de transformadores do tipo seco encapsulados, com vista a satisfazer as normas de segurança MANUAL DE INSTALAÇÃO Instruções, precauções e sugestões para a manutenção de transformadores do tipo seco encapsulados, com vista a satisfazer as normas de segurança POR ÍNDICE 1. Generalidades 1.1 Normas

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Central de Iluminação de Emergência 12 V(cc), 20 A, com Capacidade de 240 W. Código AFB240 A central de iluminação de emergência é alimentada pela rede elétrica predial (110 ou 220 volts) e também possui

Leia mais

DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO. www.decibel.com.br

DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO. www.decibel.com.br DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO www.decibel.com.br ATENÇÃO É de fundamental importância a leitura completa deste manual antes de ser iniciada qualquer atividade

Leia mais

Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214

Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214 Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214 ADVERTÊNCIA: Leia atentamente este manual antes de usar o produto. ÍNDICE SEÇÃO PÁGINA Introdução 3 Normas gerais de segurança 3 Normas especificas de segurança

Leia mais

Cuidados e Precausões

Cuidados e Precausões 1 P/N: AK-PRONET04AMA SERVO DRIVER AKIYAMA ESTUN Servoacionamento Serie Cuidados e Precausões Recomendamos a completa leitura desde manual antes da colocação em funcionamento dos equipamentos. 2 SUMÁRIO

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções NM 250 TURBO +55 (16) 3383 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com.

bambozzi Manual de Instruções NM 250 TURBO +55 (16) 3383 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com. bambozzi A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO TECNOLOGIA, QUALIDADE E ENERGIA A SERVIÇO DA ECONOMIA. Engelétrica Indústria, Comércio e Serviços Elétricos Ltda. Rua Xavier da Rocha, 10 Vila Prudente

Leia mais

GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante com dois sensores Instruções de instalação e funcionamento

GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante com dois sensores Instruções de instalação e funcionamento Labkotec Oy Myllyhaantie 6 FI-33960 PIRKKALA FINLAND Tel: + 358 29 006 260 Fax: + 358 29 006 1260 19.1.2015 Internet: www.labkotec.fi 1/12 GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO Revisão 03 INSTALAÇÃO DO DISCO SOLAR Parabéns por adquirir um dos mais tecnológicos meios de aquecimento de água existentes no mercado. O Disco Solar é por sua natureza uma tecnologia

Leia mais

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERICIAS NAS DIVERSAS ÁREAS DA ENGENHARIA ELÉTRICA 1. PERICIAS EM TRANSFORMADORES Transformadores a óleo e transformadores a seco; Verificação de seus componentes; Ensaios

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONTROLADOR DE SIRENE TOK PROGRAMÁVEL CERTO DIPONTO

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONTROLADOR DE SIRENE TOK PROGRAMÁVEL CERTO DIPONTO MANUAL DE INSTRUÇÕES CONTROLADOR DE SIRENE TOK PROGRAMÁVEL CERTO DIPONTO CONTROLE DE DIPONTO E D Q A U A L I D Parabéns Você acaba de adquirir um produto de qualidade DIPONTO. Para sua maior segurança

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da realização dos serviços 03 5.2. Condições

Leia mais

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Instruções de Operação Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Conteúdo Instruções de segurança... pág. 03 Função e características... pág. 04 Montagem... pág. 04 Conexão elétrica... pág. 05

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. CONTROLADOR DE POTÊNCIA mod.: P301 Versão 1.01 / Revisão 3. SUPORTE TÉCNICO: 11 4223-5125 asstec@contemp.com.

MANUAL DE INSTRUÇÕES. CONTROLADOR DE POTÊNCIA mod.: P301 Versão 1.01 / Revisão 3. SUPORTE TÉCNICO: 11 4223-5125 asstec@contemp.com. MANUAL DE INSTRUÇÕES CONTROLADOR DE POTÊNCIA mod.: P301 Versão 1.01 / Revisão 3 CONTEMP IND. COM. E SERVIÇOS LTDA. Al. Araguaia, 204 - CEP 09560-580 São Caetano do Sul - SP - Brasil Fone: 11 4223-5100

Leia mais

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006 SOLUTION Painel Convencional de Alarme de Incêndio TABELA DE CONTEÚDO Capitulo 1: Descrição do Produto... 2 1.1: Características...2 1.2: Especificações...2 Capitulo 2: Lógica de Detecção e Alarme de Incêndios...

Leia mais

A iluminação além da imaginação

A iluminação além da imaginação A iluminação além da imaginação 2014 Índice Introdução... 4 Aplicações...5 Conhecendo o Iluminador... 6 Instalação e Uso... 7 Recomendações Elétricas... 8 Solucionando problemas... 13 Especificações técnicas...

Leia mais

Servoacionamento série CuiDADoS E PrECAuÇÕES

Servoacionamento série CuiDADoS E PrECAuÇÕES A U T O M A Ç Ã O Servoacionamento série CuiDADoS E PrECAuÇÕES Recomendamos a completa leitura deste manual antes da colocação em funcionamento dos equipamentos. 1 Sumário Garantia Estendida Akiyama 3

Leia mais

Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um

Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um Algumas noções sobre a umidade relativa do ar Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um ambiente. A capacidade do ar de reter vapor de água é tanto maior

Leia mais

2-Instalação da cuba. 1-Apresentação. Cuba de Ionização Abraçadeira s. Cano. Mangote

2-Instalação da cuba. 1-Apresentação. Cuba de Ionização Abraçadeira s. Cano. Mangote Manual de Instalação Índice 1- Apresentação 2- Instalação da cuba. 3- Instalação do painel de controle 4- Ligação elétrica 5- Dispositivo de segurança 6- Características do Purilaqua 7- Tempo de filtragem

Leia mais

Manual de Instruções. Estação de Solda HK-936B

Manual de Instruções. Estação de Solda HK-936B Manual de Instruções Estação de Solda HK-936B Para sua segurança, leia este Manual de Instruções atenciosamente antes da operação deste equipamento. Mantenha-o sempre ao seu alcance para consultas futuras.

Leia mais

Arfox MANUAL DO USUÁRIO. Calibrador Eletrônico de Pneus. Manual ArFox Rev.01 Manual ArFox Rev.01

Arfox MANUAL DO USUÁRIO. Calibrador Eletrônico de Pneus. Manual ArFox Rev.01 Manual ArFox Rev.01 MANUAL DO USUÁRIO RUA DO POMAR, 95/97 - VILA DAS MERCÊS 04162-080 SÃO PAULO - SP FONE/FAX: (011) 2165-1221 Site: www.control-liq.com.br - e-mail: atendimento@control-liq.com.br Calibrador Eletrônico de

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Novas Diretrizes de projeto e aplicação de painéis de baixa tensão Eng. Nunziante Graziano, M. Sc. AGENDA Normas de Referência Por que um

Leia mais

Central de Alarme de Incêndio AF-18 18 Setores - versão 12V-24V. Central. Fonte de Alimentação. 1. Apresentação 1/12

Central de Alarme de Incêndio AF-18 18 Setores - versão 12V-24V. Central. Fonte de Alimentação. 1. Apresentação 1/12 Central de Alarme de Incêndio AF-18 18 Setores - versão 12V-24V 1. Apresentação Parabéns, você acaba de adquirir mais um produto desenvolvido pela CS Comunicação e Segurança: Central de Alarme de Incêndio

Leia mais

ASPIRADOR TURBO RED 1850

ASPIRADOR TURBO RED 1850 06/08 350-04/00 072579 REV.0 Manual de Instruções SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO ASPIRADOR TURBO RED 1850 ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR 0800-6458300 RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS PROBLEMA CAUSA POSSÍVEL SOLUÇÃO POSSÍVEL

Leia mais

9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES:

9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES: 9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES: 9.1 OTIMIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA OPERAÇÃO DOS TRANSFORMADORES Os transformadores são máquinas estáticas que transferem energia elétrica de um circuito para outro, mantendo

Leia mais

MANUAL TAO INSTRUÇÕES GERAIS A - INTRODUÇÃO

MANUAL TAO INSTRUÇÕES GERAIS A - INTRODUÇÃO MANUAL TAO INSTRUÇÕES GERAIS A - INTRODUÇÃO As instruções deste manual foram elaboradas para os usuários de nossos produtos, visando orientá-los quanto aos cuidados e procedimentos necessários para obtenção

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300 MANUAL DE OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300 1. INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA Precauções MANUAL OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300 - O processador de alimentos deve ser manipulado

Leia mais

BOLETIM DE GARANTIA. (N o 05 / 2013) LED do TIMER pisca frequência de 1Hz / segundo. LED do TIMER pisca freqüência de 1Hz / segundo.

BOLETIM DE GARANTIA. (N o 05 / 2013) LED do TIMER pisca frequência de 1Hz / segundo. LED do TIMER pisca freqüência de 1Hz / segundo. BOLETIM DE GARANTIA (N o 05 / 2013) Código de erro do Cassete e Piso-Teto No. TIPO DESCRIÇÃO Flash Blink Código Nota 1 Falha 2 Falha 3 Falha 4 Falha 5 Falha 6 Falha Placa acusa erro no sensor de temperatura

Leia mais

Guia do Usuário. Modelo 380260 Testador de Isolamento / Megômetro

Guia do Usuário. Modelo 380260 Testador de Isolamento / Megômetro Guia do Usuário Modelo 380260 Testador de Isolamento / Megômetro Introdução Parabéns pela sua compra do Testador de Isolamento/Megômetro da Extech. O Modelo 380260 fornece três faixas de teste mais continuidade

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔHMETRO DIGITAL MODELO MG-3055 rev. 01

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔHMETRO DIGITAL MODELO MG-3055 rev. 01 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔHMETRO DIGITAL MODELO MG-3055 rev. 01 Leia cuidadosamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do megôhmetro ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

CONSELHOS E SUGESTÕES

CONSELHOS E SUGESTÕES CONSELHOS E SUGESTÕES Este manual de instruções de uso se aplica a várias versões do equipamento. É possível encontrar descrições de características que não se aplicam ao seu dispositivo. INSTALAÇÃO O

Leia mais

110,5 x 22,5 x 114 (term. mola)

110,5 x 22,5 x 114 (term. mola) Supervisão de parada de emergência e monitoramento de portas Supervisão de sensores de segurança magnéticos codificados Entrada para 1 ou 2 canais Categoria de Segurança até 4 conforme EN 954-1 Para aplicações

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Indicador Microprocessado - IT-IND-2S-LC INFORMAÇÕES DO PRODUTO. Versão: 1.xx / Rev. 03

MANUAL DE INSTRUÇÕES Indicador Microprocessado - IT-IND-2S-LC INFORMAÇÕES DO PRODUTO. Versão: 1.xx / Rev. 03 1 Introdução: Os indicadores possuem uma entrada analógica configurável por software, que permite a conexão de diverstos tipos de sensores de temperatura e outras grandezas elétricas sem a necessidade

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES REFRIGERADOR PARA ÔNIBUS MOD. CHANFRADO - RCMT

MANUAL DE INSTRUÇÕES REFRIGERADOR PARA ÔNIBUS MOD. CHANFRADO - RCMT MANUAL DE INSTRUÇÕES Compact Indústria de Produtos Termodinâmicos Ltda. Fábrica: Est. BR-116 KM 152,3, 21940 Pavilhão 1 Bairro Planalto Caxias do Sul - RS - CEP 95070-070 Fone (0XX) 54-2108-3838- Fax:

Leia mais

Mód. 32 SD Relé NA - "Check Before Operate"

Mód. 32 SD Relé NA - Check Before Operate 1. Descrição do Produto O módulo AL-3202 é uma interface de saída digital, de 32 pontos, a relé, microprocessada, cuja principal característica é implementar a operação com "check before operate", sendo

Leia mais

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz 1 Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz Prezado Usuário, A partir de agora você estará utilizando um sistema que integra Dados, Voz e Imagem em uma rede de alta confiabilidade, com equipamentos

Leia mais

Manual de Instruções FURADEIRA PARAFUSADEIRA ELÉTRICA PE 735

Manual de Instruções FURADEIRA PARAFUSADEIRA ELÉTRICA PE 735 Manual de Instruções FURADEIRA PARAFUSADEIRA ELÉTRICA PE 735 ADVERTÊNCIA: Leia atentamente este manual antes de usar o produto. ÍNDICE SEÇÃO PÁGINA Introdução 3 Normas gerais de segurança 3 Uso e cuidados

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔHMETRO DIGITAL MODELO MG-3100

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔHMETRO DIGITAL MODELO MG-3100 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔHMETRO DIGITAL MODELO MG-3100 Leia cuidadosamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do megôhmetro ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

Controlador de Segurança para chamas de Gás

Controlador de Segurança para chamas de Gás Controlador de Segurança para chamas de Gás Para queimadores de gás atmosféricos de 2 estágios: Detecção de chamas: - Sonda de Ionização - Detector de Infra-vermelho IRD 1020 - Sensor de chamas Ultravioleta

Leia mais

Limited Internal SISTEMA DE RETIFICADORES EM 48 VCC TIPO BZAB 348 06/0403 ÍNDICE 2 FUNCIONALIDADE... 3 3 CONEXÃO DOS CABOS DE ALARME...

Limited Internal SISTEMA DE RETIFICADORES EM 48 VCC TIPO BZAB 348 06/0403 ÍNDICE 2 FUNCIONALIDADE... 3 3 CONEXÃO DOS CABOS DE ALARME... DESCRIÇÃO 1 (18) SISTEMA DE RETIFICADORES EM 48 VCC TIPO BZAB 348 06/0403 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 2 FUNCIONALIDADE... 3 3 CONEXÃO DOS CABOS DE ALARME... 5 4 BACKBOARD... 8 5 SUBSTITUIÇÃO DE RETIFICADORES...

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA ESTAÇÃO DE RETRABALHO SMD - MODELO TS-870D rev.01

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA ESTAÇÃO DE RETRABALHO SMD - MODELO TS-870D rev.01 MANUAL DE INSTRUÇÕES DA ESTAÇÃO DE RETRABALHO SMD - MODELO TS-870D rev.01 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...1 2. ESPECIFICAÇÕES...1

Leia mais

Manual de instruções. Botões de comando Série 44

Manual de instruções. Botões de comando Série 44 Manual de instruções Botões de comando Série 44 1- Introdução A série 44 caracteriza-se pelo seu sistema modular de pelo seu sistema modular de elementos de contatos e, pela numerosa possibilidade de configuração

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PLATAFORMA VIBRATÓRIA KIKOS PK5001

MANUAL DO USUÁRIO PLATAFORMA VIBRATÓRIA KIKOS PK5001 MANUAL DO USUÁRIO PLATAFORMA VIBRATÓRIA KIKOS PK5001 ( ) 110v ( ) 220v A KIKOS agradece a aquisição da plataforma vibratória. Favor ler atentamente este manual antes de utilizar a plataforma, para a utilização

Leia mais

Área de Transmissão Divisão de Manutenção de Transmissão Departamento de Manutenção de Santa Maria

Área de Transmissão Divisão de Manutenção de Transmissão Departamento de Manutenção de Santa Maria PROJETO BÁSICO 1. OBJETO: Prestação de Serviços por empresa de engenharia especializada para elaboração de projetos e execução de serviços, com fornecimento parcial de materiais, para substituição de 04

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES TURBO ELÉTRICO PRP-5000 E PRP-2008 E PRP-2010EN PRP-2012EN. www.progas.com.br www.braesi.com.br

MANUAL DE INSTRUÇÕES TURBO ELÉTRICO PRP-5000 E PRP-2008 E PRP-2010EN PRP-2012EN. www.progas.com.br www.braesi.com.br MANUAL DE INSTRUÇÕES TURBO ELÉTRICO Progás Indústria Metalúrgica Ltda. Av. Eustáquio Mascarello, Desvio Rizzo Caxias do Sul RS Brasil Fone: 000.. www.progas.com.br e mail: progas@progas.com.br Data de

Leia mais

Terminador de barramento de campo

Terminador de barramento de campo Terminador de barramento de campo Manual de instruções Additional languages www.stahl-ex.com Índice 1 Informações Gerais...3 1.1 Fabricante...3 1.2 Informações relativas ao manual de instruções...3 1.3

Leia mais

Instruções para Instalação de Motores Elétricos

Instruções para Instalação de Motores Elétricos Instruções para Instalação de Motores Elétricos LEIA ATENTAMENTE ESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO DO MOTOR VERIFICAÇÃO NA RECEPÇÃO - Verifique se ocorreram danos durante o transporte. - Verifique

Leia mais

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL Manual Técnico de Instalação e Operação POWERBLOCK MASTER MONOFÁSICO

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL Manual Técnico de Instalação e Operação POWERBLOCK MASTER MONOFÁSICO POWERTRANS Eletrônica Industrial Ltda. Rua Ribeiro do Amaral, 83 Ipiranga SP - Fone/Fax: (11) 2063-9001 E-mail: powertrans@powertrans.com.br Site: www.powertrans.com.br Manual Técnico de Instalação e Operação

Leia mais

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Contador Digital Microprocessado K204. Versão 1.XX / Rev.

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Contador Digital Microprocessado K204. Versão 1.XX / Rev. Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais Manual de Instruções Contador Digital Microprocessado K204 Versão 1.XX / Rev. 1 Índice Item Página 1. Introdução...02 2. Características...02

Leia mais

TERMO DE GARANTIA. 4 Fica automaticamente cancelada a garantia se vier a ocorrer qualquer das condições abaixo:

TERMO DE GARANTIA. 4 Fica automaticamente cancelada a garantia se vier a ocorrer qualquer das condições abaixo: SUMÁRIO TERMO DE GARANTIA...03 PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA...05 INFORMAÇÕES GERAIS...06 CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO...07 Vista detalhada...07 Painel de Controle Digital...08 Operação do Painel de Controle...09

Leia mais

ANÁLISE DE DEFEITOS. Antes de chamar o serviço de manutenção, confira os seguintes pontos.

ANÁLISE DE DEFEITOS. Antes de chamar o serviço de manutenção, confira os seguintes pontos. 6 ANÁLISE DE DEFEITOS Antes de chamar o serviço de manutenção, confira os seguintes pontos. Inoperante O fusível de proteção está queimado ou o disjuntor desarmou. A pilha do controle remoto está fraca.

Leia mais

CONTROLADOR CONDAR MP3000.

CONTROLADOR CONDAR MP3000. CONTROLADOR CONDAR MP3000. O equipamento CONDAR MP3000 é um Controlador Eletrônico Microprocessado desenvolvido especificamente para automação de até três Condicionadores de Ar instalados em um mesmo ambiente

Leia mais

X20 30 36 AC GEARLESS

X20 30 36 AC GEARLESS 3141 pt - 02.1999 / a Este manual deve ser entregue ao usuário final X20 30 36 AC GEARLESS Manual de instalação e manutenção Com o objetivo de obter o máximo de desempenho de sua nova máquina GEARLESS,

Leia mais

Manual de Instruções e Montagem - Bicicleta Ergométrica Dobrável Rosa

Manual de Instruções e Montagem - Bicicleta Ergométrica Dobrável Rosa Manual de Instruções e Montagem - Bicicleta Ergométrica Dobrável Rosa Parabéns, você acabou de adquirir a Bicicleta Ergométrica Dobrável Rosa! Um produto ideal para você cuidar da sua saúde e do seu corpo

Leia mais

PLACA DE AQUECIMENTO SMD HOT-PLATE

PLACA DE AQUECIMENTO SMD HOT-PLATE PLACA DE AQUECIMENTO SMD HOT-PLATE Rua Guarda de Honra, 291 Ipiranga São Paulo SP 55 11 2068-9113 www.maxtroneletron.com.br 1 1. APRESENTAÇÃO Chave Liga-Desliga com indicador led verde. Indicador de anormalidade

Leia mais

Mini Aquecedor série SEC 016 8W, 10W, 13W

Mini Aquecedor série SEC 016 8W, 10W, 13W Mini Aquecedor série SEC 016 8W, 10W, 13W Limitador de temperatura Ampla faixa de alimentação Aquecimento dinâmico Economia de energia elétrica Compacto Aquecedor para aplicação em invólucros de pequeno

Leia mais

CAE 80. Manual de Instruções. Revisão 4

CAE 80. Manual de Instruções. Revisão 4 CAE 80 Manual de Instruções Revisão 4 1. INTRODUÇÃO. Parabéns pela aquisição da central endereçável da ILUMAC, modelo CAE80, este equipamento será uma excelente ferramenta na proteção e prevenção contra

Leia mais

CAD-300. Cabine de Aplicação MANUAL DE INSTRUÇÕES & OPERAÇÃO DE MÁQUINA. DEOX MÁQUINAS LTDA www.deox.com.br

CAD-300. Cabine de Aplicação MANUAL DE INSTRUÇÕES & OPERAÇÃO DE MÁQUINA. DEOX MÁQUINAS LTDA www.deox.com.br CAD-300 Cabine de Aplicação MANUAL DE INSTRUÇÕES & OPERAÇÃO DE MÁQUINA www.deox.com.br Página 1 de 7 SUMÁRIO 1 INSTRUÇÕES GERAIS... 2 2 ESPECIFICAÇÕES DO EQUIPAMENTO... 2 3 INSTALAÇÃO... 3 3.1 SOLICITAÇÕES

Leia mais

APRESENTAÇÃO APLICAÇÃO

APRESENTAÇÃO APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO Acompanhando a constante evolução tecnológica e correspondendo as exigências do mercado, a KL oferece um equipamento que reúne a mais avançada tecnologia, integrando um moderno sistema de

Leia mais

Retificador No Break duo

Retificador No Break duo Retificador No Break duo Manual do Usuário ccntelecom.com.br O Retificador No Break duo O Retificador No Break duo é um equipamento desenvolvido para facilitar a alimentação e organização de redes de dados

Leia mais

Placa Aquecida PA16 PA-14

Placa Aquecida PA16 PA-14 Placa Aquecida PA16 PA-14 w w w. o p a t o l o g i s t a. c o m. b r Revisão 1 - Agosto 2015 O Patologista Comercial Ltda. Rua Brigadeiro Lima e silva, 746 Jardim Vila Galvão Guarulhos SP CEP 07054-010

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE REDE /25 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA /25 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Esta Especificação Técnica define os requisitos gerais

Leia mais

Manual de instruções para carregadores de acumuladores. utilizados para carregar acumuladores de cadeiras de rodas e scooters

Manual de instruções para carregadores de acumuladores. utilizados para carregar acumuladores de cadeiras de rodas e scooters Manual de instruções para carregadores de acumuladores CCC 405 e CCC 410 24V/5A 24V/10A utilizados para carregar acumuladores de cadeiras de rodas e scooters Certified to EN60601-1 3 rd ed. Em conformidade

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Instructions Manual Manual de Instrucciones

MANUAL DE INSTRUÇÕES Instructions Manual Manual de Instrucciones º 18 0 MEDIDOR ANGULAR LASER Laser Liner Meter Medidor Angular Laser MLL-102 *Imagem meramente ilustrativa. Only illustrative image. Imagen meramente ilustrativa. MANUAL DE INSTRUÇÕES Instructions Manual

Leia mais

A empresa se reserva no direito de fazer alterações sem prévio aviso. Produto produzido por Eletroppar - CNPJ. 02.748.434/0001-08

A empresa se reserva no direito de fazer alterações sem prévio aviso. Produto produzido por Eletroppar - CNPJ. 02.748.434/0001-08 As imagens deste manual são meramente ilustrativas. A empresa se reserva no direito de fazer alterações sem prévio aviso. Produto produzido por Eletroppar - CNPJ. 02.748.434/0001-08 P27130 - Rev. 1 1 Índice

Leia mais

Manual do Usuário. Climatizador de Ar

Manual do Usuário. Climatizador de Ar Climatizador de Ar SUMÁRIO TERMO DE GARANTIA...03 PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA...04 INFORMAÇÕES IMPORTANTES...05 VISTA GERAL DO APARELHO...06 PAINEL DE CONTROLE KC05LFM...07 RETIRADA E LIMPEZA DO FILTRO...08

Leia mais

SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) É PROIBIDA a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização.

SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) É PROIBIDA a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização. SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) Desenvolvimento de projetos Instalação de sistema de proteção (SPDA) Manutenção do sistema de SPDA Laudo Técnico Medição da resistividade do solo

Leia mais

DISPOSITIVO DE PARTIDA E TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA PARA GERADORES DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DO USUÁRIO

DISPOSITIVO DE PARTIDA E TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA PARA GERADORES DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DO USUÁRIO DISPOSITIVO DE PARTIDA E TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA PARA GERADORES DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DO USUÁRIO Por favor, leia este manual com atenção para uso do equipamento. Instruções de Operação do QTA. I.

Leia mais

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva Com a linha Geafol, obteve-se um transformador com excelentes características elétricas, mecânicas e térmicas que, adicionalmente, ainda é ecológico. São produzidos sob certificação DQS, ISO 9001 e ISO

Leia mais

CONTROLE REMOTO VEICULAR

CONTROLE REMOTO VEICULAR Hamtronix MCR300EA Manual de Instalação e Operação Software A Hardware Revisão E ÍNDICE Índice... 02 Suporte Online... 02 Termo de Garantia... 02 COMO FUNCIONA Funcionamento das saídas... 03 Funcionamento

Leia mais

VÍDEO PORTEIRO COLORIDO VIP COLOR 4

VÍDEO PORTEIRO COLORIDO VIP COLOR 4 CERTIFICADO DE GARANTIA Este produto é garantido pela Amelco S.A. Indústria Eletrônica dentro das seguintes condições: 1- Fica garantida, por um período de 1 (hum) ano a contar da data de emissão da nota

Leia mais

Datalogger de Temperatura e Umidade Humidity and Temperature Datalogger Datalogger de Temperatura y Humedad eztemp-10

Datalogger de Temperatura e Umidade Humidity and Temperature Datalogger Datalogger de Temperatura y Humedad eztemp-10 Datalogger de Temperatura e Umidade Humidity and Temperature Datalogger Datalogger de Temperatura y Humedad eztemp-10 Humidity / Temperapure Datalogger eztemp-10 REC ALM * Imagem meramente ilustrativa./only

Leia mais

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Desumidificador Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Obrigado por escolher esse produto. Por favor, leia esse manual de instrução antes de usar o aparelho. Índice: Introdução do Produto... 1 Instrução de Uso...

Leia mais

Qualidade et ecnologia MANUAL DO USUÁRIO PRENSA DIGITAL A VAPOR ELETRÔNICA MODELO QPFB-16 WWW.SUNSPECIAL.COM.BR

Qualidade et ecnologia MANUAL DO USUÁRIO PRENSA DIGITAL A VAPOR ELETRÔNICA MODELO QPFB-16 WWW.SUNSPECIAL.COM.BR Qualidade et ecnologia MANUAL DO USUÁRIO PRENSA DIGITAL A VAPOR ELETRÔNICA MODELO QPFB-16 WWW.SUNSPECIAL.COM.BR Este produto foi projetado para dar ao seu vestuário um aspecto profissional, sem rugas e

Leia mais

ML-6622 CHURRASQUEIRA ELÉTRICA

ML-6622 CHURRASQUEIRA ELÉTRICA ML-6622 CHURRASQUEIRA ELÉTRICA INTRODUÇÃO A Churrasqueira Elétrica ML-6622 NKS Milano é um produto de alta tecnologia e qualidade. Para melhor entender todas as funções deste aparelho, e utilizá-lo com

Leia mais

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação ST 160 ST 160 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # Manual de Referência e Instalação Descrições 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # 3 2 Número Descrição 1 Indicador de modo 2 Antena 3 Matriz do Teclado 4 Parafuso Especificações

Leia mais