Sistema de Alta Tensão para Tubos Fotomultiplicadores do Detector Angra Neutrino Mário Vaz da Silva Filho Gabriel Luis Azzi

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de Alta Tensão para Tubos Fotomultiplicadores do Detector Angra Neutrino Mário Vaz da Silva Filho Gabriel Luis Azzi"

Transcrição

1 Encontro Angra Neutrino Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas - CBPF Sistema de Alta Tensão para Tubos Fotomultiplicadores do Detector Angra Neutrino Mário Vaz da Silva Filho Gabriel Luis Azzi 1

2 Ponto de partida 1 Necessidade de fontes de alta tensão para alimentar tubos fotomultiplicadores PMT com tensões positivas e negativas, supostamente nas faixas de -700 a e a volts, As fontes de alta tensão serão conversores CC-CC com: ruído e consumo baixos, estabilidade e rendimento altos. 2

3 Tensão de Alimentação: 11,5V até 14V, +12V típico Corrente de saída máxima: 3mA Consumo máximo de potência: 6,9 W Tensão de ondulação na saída menor que 0.1% Tensão de saída ajustável dentro da faixa de 1700V até 2300V Corrente média prevista para o PMT: 2mA Alta eficiência : > 70% Ponto de partida 2 Protótipo de fonte de alta tensão para o Projeto Auger 3

4 Requisitos da Alimentação para PMTs O ganho do PMT é função da alta tensão aplicada no PMT: G = K. V N α K é uma constante N éo n de dinodos O ganho é extremamente sensível à variação da alta tensão, e dependente dos seguintes parâmetros: - regulação na entrada; - ripple da fonte de alta tensão; - temperatura; - regulação na carga. α depende do material do dinodo, entre 0.6 e 0.8 O ruído e ripple da fonte geram ruído no sinal do anodo. 4

5 Desenvolvimento Optou-se pelo desenvolvimento de uma fonte chaveada CC-CC, com circuito de controle utilizando a técnica PWM (Pulse Width Modulation). Como se deseja altas tensões com baixas correntes, optou-se por utilizar multiplicadores de tensão. 5

6 PWM - Modulação por Largura de Pulsos A técnica de controle dos dispositivos por chaveamento é denominada de Modulação por Largura de Pulso, ou PWM (Pulse Width Modulation) Principais Características: - O período de chaveamento T permanece constante - A largura do pulso t 1 (intervalo em que a chave conduz) varia, resultando em um ciclo de trabalho t 1 /T variável, de forma a compensar variações da tensão de entrada e da carga. Vantagens : a) Alta estabilidade da tensão de saída b) Uso da menor energia possível no chaveamento 6

7 Multiplicadores de Tensão Retificador de Onda Completa Duplicador de Tensão Características: a) Baixa queda da tensão de saída: b) Baixa ondulação da tensão: c) Baixa perdas e esforços de tensão e corrente nos semicondutores d) Redução de custos e volume: 7

8 Projeto da Fonte Chaveada 8

9 Etapas do Projeto -A Escolha da Topologia - A Seleção do C.I. PWM - A Seleção do Dispositivo de Chaveamento - Dimensionamento do Transformador - Dimensionamento do Multiplicador de Tensão - Simulações no Spice - Testes em bancada com as PMT 9

10 A topologia escolhida: Conversor Push-Pull Aplicações de baixas e médias potências Aplicações de baixas tensões de entrada As chaves Q1 e Q2 conduzem alternadamente em alta frequência Filtro de saída mais compacto: opera em retificação de onda completa Transformador possui dimensões reduzidas 10

11 A Seleção do C.I. PWM UC3525 Texas Instruments Principais Características: Atende a topologia Push-Pull; Fácil aquisição no mercado; Freqüências de trabalho: 100Hz até 500Khz; Limitação de corrente instantânea; Proteção em tensão: sobre e subtensão; Consumo na faixa de 15mA. 11

12 Seleção do Dispositivo de Chaveamento SEMICONDUTORES DE CHAVEAMENTO TRANSISTOR BIPOLAR MOSFET IGBT Optou-se por utilizar MOSFET, já que: Opera bem em alta frequência; Opera bem em baixa tensão e baixa corrente; Comportam-se como chaves ideais de fácil acionamento; Consomem pouca energia de acionamento; Custo reduzido; Grande diversidade de oferta no mercado; 12

13 A Escolha do MOSFET - 1 C DG = Capacitância entre dreno e porta C GS = Capacitância entre porta e fonte C OSS = Capacitância de saída C ISS = C DG +C GS C OSS =C DG +C DS Requisitos: - Menor capacitância de entrada (C iss ): Quanto menor essa capacitância, mais reduzidas são as perdas no chaveamento. - Carga de porta Q g pequena: Diretamente relacionado com a velocidade do chaveamento. Se Q g é pequeno resulta em um rápido chaveamento e conseqüentemente baixas perdas. - Resistência de condução Rds (on) : Esse parâmetro determina a máxima corrente e as perdas por condução. P C = Rds (on). I d 2 13

14 A Escolha do MOSFET - 2 IRFD110 Fabricante: International Rectifier 14

15 Dimensionamento do Transformador: 1) Escolha do material do núcleo 2) Escolha do formato do núcleo 3) Dimensionamento do núcleo 4) Dimensionamento do número de espiras 5) Escolha do Núcleo 15

16 Dimensionamento do Transformador: 1) A Escolha do material do núcleo Ferrite 2) A Escolha do Formato do Núcleo Potcore Baixo Custo; Variedade de tamanhos e modelos; Faixa de frequência > 10Khz; Alta resistividade; Alta permeabilidade magnética Devido a sua forma fechada, possuem baixa dispersão de fluxo magnético; Compactação; Auto-blindagem; Fraca dissipação térmica; Usados em transformadores para pequenas e médias potências 16

17 Dimensionamento do Transformador: 3) Dimensionamento do núcleo O produto W A. A C é um fator que determina o núcleo magnético a ser utilizado; W A = Área da janela do núcleo em cm 2 A C = Área da seção transversal do núcleo em cm 2 P sec = Potência de saída B = Densidade de fluxo magnético f SW = Freqüência de operação K'= 0,00528 (valor típico para núcleos Potcores) 4) Núcleo Escolhido Potcore 2616, da Thornton do Brasil 17

18 Dimensionamento do Transformador: 5) Dimensionamento do Número de Espiras N é o número de espiras no primário; V é a Tensão CC aplicada T é o período de condução de cada transistor B é a densidade de fluxo máximo A c é a área da seção transversal do núcleo utilizado Enrolamento do Transformador: Technotrafo Ind. Com. Ltda. 18

19 O Dimensionamento do Multiplicador de Tensão A Escolha dos Diodos a) Frequência; b) Tempo de recuperação reverso; c) Alta tensão reversa; d) Corrente de pico reversa. Z25UF Voltage Multiplier Inc. A Escolha dos Capacitores Os capacitores utilizados foram encontrados no mercado nacional, possuem o dielétrico de polipropileno, baixo R SE (20mΩ) e excelente capacidade de operar em alta 19 freqüência.

20 Projeto dos circuitos Baseado em simulações pelo PSPICE e medidas em bancada, ao mesmo tempo a) Estágio de Potência e Saída - Formas de onda da tensão e da corrente no regime transitório e permanente - Verificar a influência do filtro RC na ondulação da fonte b) PWM - Verificar a variação da largura do pulso para situações diferentes 20

21 a) Estágio de Potência e Saída Tensão no secundário do transformador VL sec e tensão de saída (V c1 + V c2 ) no regime transitório Circuito empregado na simulação. Secundário Primário Tensões nos enrolamentos primário e secundário do transformador 21

22 a) Estágio de Potência e Saída Formas de onda da tensão e corrente na carga 22

23 a) Estágio de Potência e Saída Ripple da Fonte Tensão de ondulação sem filtro R 1,C 3 para Vin = 13,5 V: 1.5Vpp Tensão de ondulação com filtro R 1,C 3 para Vin = 13,5 V: 11mVpp 23

24 a) Estágio de Potência e Saída Ripple da Fonte Tensão de ondulação na carga, sem filtro R 1,C 3 para Vin = 11Volts: 350 mv pp. Tensão de ondulação com filtro R 1,C 3 para Vin = 11 Volts: 1mVpp 24

25 RIPPLE DA FONTE - RESUMO Tensão de Entrada (Volts) Ondulação na Carga Sem Filtro (Vpp) Ondulação na Carga Com Filtro (Vpp) 13,5 1,

26 b) PWM Circuito empregado na simulação (a) (b) ( c) (d) 26 Formas de onda do oscilador e da tensão nas saídas do SG3525 para diferentes tensões de erro

27 Resultados Experimentais Realização de um Protótipo Caracterização do Desempenho Fonte Ensaios em bancada e no campo Estabilidade ao longo do tempo Aplicação de Caracterização da PMT Hamamatsu R5912 Aplicação de Caracterização da PMT Hamamatsu H

28 Circuito Final 28

29 PIC4550 na placa PICDEM FS USB 29

30 Protótipos Construídos 30

31 Medidas nos protótipos Diagrama de blocos da bancada de testes Esquema para medir o ripple e a tensão de saída. 31

32 A Bancada de Testes 32

33 Ensaios em Bancada Ensaios com carga resistiva simulada para 2mA Regulação de linha: 0.1% Regulação da carga: 0.2% Pior caso: V entrada =11volts η= 71% ( Valor teórico: η= 74% ) 33

34 Ensaios em Bancada Saídas do PWM para bateria com: de 11V (CH1); 12V (CH2); 13V (CH3) e 13,5V (CH4). Saídas do PWM (CH1 e CH3) e forma de onda entre os drenos dos MOSFETs (CH2) p/ Bateria com 13Volts. 34

35 Ensaios com a Base do PMT em Bancada Regulação de linha: 0.1% 35

36 Estabilidade ao Longo do Tempo: 1º Ensaio: Tanque Protótipo 2º Ensaio: Laboratório de Inst. e Medidas 3º Ensaio: Laboratório de Eletrônica Gráfico da estabilidade na primeira hora de funcionamento Condições: V entrada = 12Volts HV = 1900 Volts I saída = 2mA Estabilidade: ± 0.1% 36 Gráfico da estabilidade no período de 14 horas

37 Caracterização da Fonte Especificações Desempenho Tensão de Saída (V) Tensão de Alimentação (V) Corrente de Saída Máxima (ma) Potência (W) Tensão de Ondulação Estabilidade % Rendimento (%) < 0.1% ± 0.1 >70 < 0.1% ± (pior caso) 37

38 Ensaios com a Base e o PMT no Tanque Auger Regulação de linha: 0.1% 38

39 Ensaios de teste de PMT Hamamatsu 5912 AngraNote Test Setup to Measure Gains of the Angra Photomultipliers Using the Single Photoelectron Technique AngraNote Measurements of Signals from Muons Crossing the Hamamatsu R5912 PMT Enclosure Vertically and Horizontally W. Raposo, M. Vaz - CBPF, Rio de Janeiro, Brazil L. Villasenor - UMSNH, Morelia, Mexico 39

40 PMT Test Setup 40

41 Pulse Amplitude peak / valley (mv) = 2.7 (HV = 1600 Volts) 41

42 Relação pico-vale para carga de saída para fóton simples incidente na PMT R5912 polarizada a 1750V 42

43 Questões 1 Poderemos usar um sistema de no-break com banco de baterias seladas alimentadas por um carregador / retificador de 220 Vac? Teremos um canal de tensão alimentando uma ou mais PMT? ( agrupar PMT por ganho, uso de splitters com ajuste de tensão individual) Usaremos o cabo de alta tensão para conduzir sinal? ( redução do número de cabos com o uso de splitters ) Quais as PMT? Esperamos especificações de tensões máxima e mínima, consumo, ruído/estabilidade da tensão das PMT. Foram feitos dois protótipos, para caracterizar as PMT Hamamatsu R5912 e H7546A As medidas de caracterização destas PMT mostram as características principais do conversor: baixo ruído na carga, alta estabilidade, baixo consumo, excelente regulação e um rendimento de cerca de 84%, para carga nominal, e sua adequação à trabalhos em bancada ou campo. 43

44 Questões 2 Qual o alcance e a resolução da monitoração / controle das PMT? Limitação de tensão e corrente (trip)? Rampa de tensão de quanto? Programável? Faixas de Operação para temperatura e umidade? Estratégias para evitar laços de terra e interferências ( compatibilidade eletromagnética ) Comunicações proposta da Bahia, CAN (rede industrial por fio), ZigBee (rede industrial por RF), TCP/IP Ethernet? Controle de painel? Quais as especificações de confiabilidade para conectores elétricos?. 44

45 Last Circuit (by Chuck Lane/Suekane) Power supply filter Signal splitter Power supply filter We have more options there: higher cap values, two caps instead of one... Testing the splitter with the final power supply will help to get a better design of the filter. Few options on ultra stable C0G capacitors: SYFER: 4.7nF(3640) or 6.8nF/ 2500V (5550) KEMET: 3.9nF(4540) to 6.8nF /3000V (5550) AVX: 3.9nF/2500V (3640) 45

Fonte de Alta Tensão Positiva para PMTs do Detector Neutrino Angra

Fonte de Alta Tensão Positiva para PMTs do Detector Neutrino Angra Angra Neutrino Project AngraNote 011-2009 (Draft) Fonte de Alta Tensão Positiva para PMTs do Detector Neutrino Angra Gabriel Luis Azzi Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas gabriel@cbpf.br Mário Vaz Centro

Leia mais

Eletrônica Analógica e de Potência

Eletrônica Analógica e de Potência Eletrônica Analógica e de Potência Conversores CC-CC Prof.: Welbert Rodrigues Introdução Em certas aplicações é necessário transformar uma tensão contínua em outra com amplitude regulada; Em sistemas CA

Leia mais

10. CIRCUITOS INTEGRADOS DEDICADOS AO ACIONAMENTO E CONTROLE DE FONTES CHAVEADAS COM CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA

10. CIRCUITOS INTEGRADOS DEDICADOS AO ACIONAMENTO E CONTROLE DE FONTES CHAVEADAS COM CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA Prereguladores de Fator de Potência Cap 10 J A Pomilio 10 CIRCUITOS INTEGRADOS DEDICADOS AO ACIONAMENTO E CONTROLE DE FONTES CHAVEADAS COM CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA Nos últimos anos, uma variedade

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

Estudo comparativo de fontes de alta-tensão para o detector central do Projeto Neutrinos Angra

Estudo comparativo de fontes de alta-tensão para o detector central do Projeto Neutrinos Angra Angra Neutrino Project AngraNote 013-2010 (Draft) Estudo comparativo de fontes de alta-tensão para o detector central do Projeto Neutrinos Angra G. P. Guedes, P. C. M. A. Farias Universidade Estadual de

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00 Histórico N. Doc. Revisão Data Descrição Aprovado 601165 A 24/01/14 Inicial Faria Executado: Edson N. da cópia: 01 Página 1 de 7 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO 2- CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS E MECÂNICAS 2.1 - Entrada

Leia mais

Circuitos de Comando para MOSFETs e IGBTs de Potência

Circuitos de Comando para MOSFETs e IGBTs de Potência Universidade Federal do Ceará PET Engenharia Elétrica Fortaleza CE, Brasil, Abril, 2013 Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica PET Engenharia Elétrica UFC Circuitos de Comando

Leia mais

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a.

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. 1. A Figura abaixo apresenta o oscilograma da forma de onda de tensão em um determinado nó de um circuito

Leia mais

PROJETO DE FONTE CHAVEADA COM CONVERSOR FLYBACK

PROJETO DE FONTE CHAVEADA COM CONVERSOR FLYBACK INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento Acadêmico de Eletrônica Pós-Graduação em Desenvolvimento de Produtos Eletrônicos Conversores Estáticos e Fontes Chaveadas PROJETO DE FONTE CHAVEADA COM

Leia mais

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA)

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) 1. Introdução 1.1 Inversor de Frequência A necessidade de aumento de produção e diminuição de custos faz surgir uma grande infinidade de equipamentos desenvolvidos

Leia mais

Tese de Mestrado. Desenvolvimento de uma Fonte de Alta Tensão Chaveada para Tubos Fotomultiplicadores. Gabriel Luis Azzi

Tese de Mestrado. Desenvolvimento de uma Fonte de Alta Tensão Chaveada para Tubos Fotomultiplicadores. Gabriel Luis Azzi Tese de Mestrado Desenvolvimento de uma Fonte de Alta Tensão Chaveada para Tubos Fotomultiplicadores Gabriel Luis Azzi Mestrado em Instrumentação Científica Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Rio de

Leia mais

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Clóvis Antônio Petry,

Leia mais

Introdução à Eletrônica de Potência

Introdução à Eletrônica de Potência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Eletrônica de Potência Introdução à Eletrônica de Potência Florianópolis, setembro de 2012. Prof.

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Contínua Topologias Clássicas

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Contínua Topologias Clássicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Contínua Topologias

Leia mais

Aula 4 Corrente Alternada e Corrente Contínua

Aula 4 Corrente Alternada e Corrente Contínua FUNDMENTOS DE ENGENHI ELÉTIC PONTIFÍCI UNIVESIDDE CTÓLIC DO IO GNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHI ula 4 Corrente lternada e Corrente Contínua Introdução Corrente lternada e Corrente Contínua Transformadores

Leia mais

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS GSI Nº: ART061-09 - CD 382-09 SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS Carlos Alberto Murari Pinheiro João Roberto Cogo Artigo publicado na Revista Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico,

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: ED-2950

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: ED-2950 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação apresenta experimentos planejados para desenvolver comunicações eletrônicas fundamentais. O é

Leia mais

Implementação do Protótipo do. RHM operando com Corrente CA de. Alimentação de 12 Pulsos Imposta

Implementação do Protótipo do. RHM operando com Corrente CA de. Alimentação de 12 Pulsos Imposta Capítulo 7 Implementação do Protótipo do RHM operando com Corrente CA de Alimentação de 12 Pulsos Imposta 7.1 Introdução Durante os estudos realizados em laboratório, três protótipos do RHM proposto, operando

Leia mais

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 Curso Técnico em Eletrônica Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM Prof. Ariovaldo Ghirardello INTRODUÇÃO Os controles de potência,

Leia mais

II Encontro do Projeto Neutrinos Angra

II Encontro do Projeto Neutrinos Angra Eletrônica de front-end e teste de PMT s no CBPF II Encontro do Projeto Neutrinos Angra Laudo Barbosa, Rogério Machado (10 de Dezembro, 2007) 1 V(t) 30µs evento PMT cintilador sinal t 2 Sinal típico na

Leia mais

PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II

PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II ESCLARECIMENTO A QUESTIONAMENTOS Referente à tensão de entrada e saída: O documento ANEXO+I+-+15-0051-PG+-+Especificação+Técnica solicita fornecimento de nobreak

Leia mais

Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP

Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469

Leia mais

Uma Fonte de Alimentação para a Bancada de Eletronica

Uma Fonte de Alimentação para a Bancada de Eletronica 1 Uma Fonte de Alimentação para a Bancada de Eletronica João Alexandre da Silveira autor do livro Experimentos com o Arduino Apresentação Uma bancada de Eletronica é um pequeno laboratório de montagens

Leia mais

Inversores de freqüência. Introdução

Inversores de freqüência. Introdução Inversores de freqüência Introdução Desde que os primeiros motores surgiram, os projetistas perceberam uma necessidade básica, controlar sua velocidade, várias técnicas foram utilizadas ao longo dos anos

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico Guia de Aplicação de Partida Suave e Inversores CA Walter J Lukitsch PE Gary Woltersdorf John Streicher Allen-Bradley Company Milwaukee, WI Resumo: Normalmente, existem várias opções para partidas de motores.

Leia mais

Eletrônica de Potência II Capítulo 1. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Eletrônica de Potência II Capítulo 1. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Eletrônica de Potência II Capítulo 1 cassiano@ieee.org 1 Componentes semicondutores em Eletrônica de Potência Diodo MOSFET IGBT GTO 2 Introdução Eletrônica de Potência é uma ciência aplicada que aborda

Leia mais

Hardware de Computadores

Hardware de Computadores Fonte de Energia Hardware de Computadores Introdução As fontes de alimentação são as responsáveis por distribuir energia elétrica a todos os componentes do computador. Assim, uma fonte de qualidade é essencial

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE PROJETOS DE FONTE DE ALIMENTAÇÃO REGULADA Profa. Zélia Myriam Assis Peixoto

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE PROJETOS DE FONTE DE ALIMENTAÇÃO REGULADA Profa. Zélia Myriam Assis Peixoto OIENTAÇÕES GEAIS SOBE POJETOS DE ONTE DE ALIMENTAÇÃO EGULADA Profa. Zélia Myriam Assis Peixoto Objetivo: Informar o aluno sobre os principais fundamentos relativos às fontes de alimentação, tornando-o

Leia mais

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Diodo A natureza de uma junção p-n é que a corrente elétrica será conduzida em apenas uma direção (direção direta) no sentido da seta e não na direção contrária (reversa).

Leia mais

Fontes de Alimentação Lineares não reguladas

Fontes de Alimentação Lineares não reguladas Fontes Lineares não reguladas FAL 24Vcc / 5A FAL 24Vcc / 10A Referência FAL 24Vcc/5A C904385.2000 Referência FAL 24Vcc/10A C904404.2000 Dados nominais Tensão de Entrada (± 10%): Tensão de saída ± 5% (selecionável):

Leia mais

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Amplificador básico Amplificador básico É um circuito eletrônico, baseado em um componente ativo, como o transistor ou a válvula, que tem como função amplificar um sinal de

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS

RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS Autores: Felipe JUNG, Tiago DEQUIGIOVANI, Jessé de PELEGRIN, Marcos FIORIN Identificação autores:

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

Retificadores Monofásicos com Filtro Capacitivo

Retificadores Monofásicos com Filtro Capacitivo 9 Retificadores Monofásicos com Filtro Capacitivo Meta deste capítulo Capítulo Estudar os conversores ca-cc monofásicos operando com filtro capacitivo. objetivos Entender o funcionamento de circuitos retificadores;

Leia mais

PROJETO DE DIPLOMAÇÃO

PROJETO DE DIPLOMAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA JOÃO CARLOS KOLLING NETO PROJETO DE DIPLOMAÇÃO CONVERSOR DC-DC ISOLADO TIPO PUSH-PULL EM MODO DE CORRENTE

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Eletrônica Em um circuito ressonante LC paralelo (bobina em paralelo com capacitor fixo), quando se introduz na bobina um núcleo de ferrita, o que ocorre com a freqüência

Leia mais

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA.

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE ISOLAÇÃO COM BLINDAGEM APLICAÇÃO Os transformadores monofásicos de isolação com blindagens, magnética e eletrostática, foram desenvolvidos

Leia mais

Introdução. (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima

Introdução. (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima Introdução (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima O que são sistemas eletrônicos? Sistemas elétricos, como os circuitos da sua casa, usam corrente elétrica para alimentar coisas como

Leia mais

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 CAPACITOR O capacitor é um dispositivo utilizado nos circuitos elétricos que apresenta um comportamento em corrente

Leia mais

SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA.

SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA. SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA. Marco Antonio Souza 1, Milton Benedito Faria 2, Carlos Eduardo Cabral Vilela, Prof. MSc 3. Homero Santiago Maciel, Prof. DR 4. UNIVAP,

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 2 1. OBJETIVO

EXPERIÊNCIA Nº 2 1. OBJETIVO Universidade Federal do Pará - UFPA Faculdade de Engenharia da Computação Disciplina: Laboratório de Eletrônica Analógica TE - 05181 Turma 20 Professor: Bruno Lyra Alunos: Adam Dreyton Ferreira dos Santos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E DE COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E DE COMPUTAÇÃO FONTE DE ALIMENTAÇÃO ININTERRUPTA PARA MICROCOMPUTADOR Autor: Daniel Dominguez Gouvêa Orientador: Prof.

Leia mais

11. CIRCUITOS INTEGRADOS DEDICADOS AO ACIONAMENTO E CONTROLE DE FONTES CHAVEADAS

11. CIRCUITOS INTEGRADOS DEDICADOS AO ACIONAMENTO E CONTROLE DE FONTES CHAVEADAS Fontes Chaveadas Cap 11 Circuitos Integrados Dedicados J A Pomilio 11 CICUITO INTEGADO DEDICADO AO ACIONAMENTO E CONTOLE DE FONTE CHAVEADA Nos últimos 20 anos, uma variedade de circuitos integrados dedicados

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON APOSTILA MÓDULO 4 AULA 4 AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 2 Amplificação de sinais diferenciais bobina magnética e HALL O circuito Schmitt Trigger analisado detalhadamente Os pontos NSD e NID (Nível Superior

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 SEMICONDUCTOR III Semiconductor III Semicondutor III M-1105A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

Resumo. Abstract. Docente do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Estadual de Londrina-DEEL-UEL; treviso@uel.br.

Resumo. Abstract. Docente do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Estadual de Londrina-DEEL-UEL; treviso@uel.br. DOI: 10.5433/1679-0375.2013v34n1p31 Inversor de tensão com topologia push-pull para injeção de energia em sistemas elétricos com modulação SPWM Voltage inverter with push-pull topology to inject energy

Leia mais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.4 - Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br Medição de Tensão

Leia mais

Formas de onda em uma fonte de alimentação linear

Formas de onda em uma fonte de alimentação linear Tipos de fontes de alimentação As fontes de alimentação podem ser construídas com duas tecnologias: linear ou chaveada. As fontes de alimentação lineares pegam os 127 V ou 220 V da rede elétrica e, com

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Francisco Erberto de Sousa 11111971 Saulo Bezerra Alves - 11111958 Relatório: Capacitor, Resistor, Diodo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 6.101 Laboratório de Introdução a Eletrônica Analógica Laboratório No. 6

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

Aplicação do Modelo Linear de Vorpérian ao Conversor tipo Buck Ewaldo L. M. Mehl

Aplicação do Modelo Linear de Vorpérian ao Conversor tipo Buck Ewaldo L. M. Mehl Aplicação do Modelo Linear de Vorpérian ao Conversor tipo Buck Ewaldo L. M. Mehl 1. Apresentação Com o uso do conceito do Interruptor PWM apresentado por Vorpérian [1,2], torna-se extremamente simples

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais

Os Diferentes tipos de No-Breaks

Os Diferentes tipos de No-Breaks Os Diferentes tipos de No-Breaks White Paper # 1 Revisão 4 Resumo Executivo Existe muita confusão no mercado a respeito dos diferentes tipos de No-Breaks e suas características. Cada um desses tipos será

Leia mais

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Autores : Marina PADILHA, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação autores: Engenharia de Controle e Automação - Bolsista Interno; Orientador IFC - Campus

Leia mais

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica PONTIFÍCIA UNIERIDADE CATÓICA DE GOIÁ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍICA Professor: Renato Medeiros MAF 1292 Eletricidade e Eletrônica NOTA DE AUA II Goiânia 2014 Diodos Retificadores Aqui trataremos dos

Leia mais

Lista VI de Eletrônica Analógica I Retificadores e Filtro Capacitivo

Lista VI de Eletrônica Analógica I Retificadores e Filtro Capacitivo Lista VI de Eletrônica Analógica I Retificadores e Filtro Capacitivo Prof. Gabriel Vinicios Silva Maganha (http://www.gvensino.com.br) Lista de Exercícios 6 de Eletrônica Analógica Introdução Teórica Os

Leia mais

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica

Leia mais

Diodos são semicondutores que, basicamente, conduzem a corrente elétrica em um único sentido

Diodos são semicondutores que, basicamente, conduzem a corrente elétrica em um único sentido 42 Capítulo III Aplicação de UPS dupla conversão em missão crítica Funcionamento geral e detalhamento do inversor (PWM) Luis Tossi * Este capítulo discorrerá sobre o funcionamento geral de um UPS, a começar

Leia mais

I Retificador de meia onda

I Retificador de meia onda Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica é alternada ao passo que os dispositivos eletrônicos operam com tensão contínua. Então é necessário retificá-la

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Leia mais

Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva

Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva 6 Capítulo Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva Meta deste capítulo Estudar os conversores ca-cc monofásicos operando com carga resistiva-indutiva objetivos Entender o funcionamento

Leia mais

CONVERSOR DC-DC STEP-DOWN AUTO OSCILANTE

CONVERSOR DC-DC STEP-DOWN AUTO OSCILANTE AULA 16 Os primeiros conversores DC-DC que entraram no Brasil no fim da década de 70, eram conversores step-down e auto oscilantes Normalmente trabalhavam com a tensão retificada e filtrada da rede (alguns

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Automação Industrial Porto Alegre, Maio de 2014 Revisão: A Prof Vander Campos Conhecer os princípios básicos do inversor de frequência; Saber interpretar

Leia mais

ELETRÔNICA BÁSICA LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS COM FINALIDADES ESPECÍFICAS

ELETRÔNICA BÁSICA LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS COM FINALIDADES ESPECÍFICAS ELETRÔNICA BÁSICA LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS COM FINALIDADES ESPECÍFICAS 1) Um diodo zener tem 15V aplicados sobre ele com uma corrente de 20 ma. Qual a potência dissipada? 2) Se um diodo zener tiver uma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA SÉRIE PARALELO APRESENTADOR: MÁRCIO STEFANELLO,

Leia mais

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM O circuito de um PWM Pulse Width Modulator, gera um trem de pulsos, de amplitude constante, com largura proporcional a um sinal de entrada,

Leia mais

REVISÃO: DIAGRAMA EM BLOCOS Estrutura convencional de um sistema de retificação :

REVISÃO: DIAGRAMA EM BLOCOS Estrutura convencional de um sistema de retificação : UNIERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 ET74C Profª Elisabete N Moraes AULA 8 RETIFICADOR MONOFÁSICO DE ONDA COMPLETA Em 22 de outubro de 2014. REISÃO:

Leia mais

Controle de Conversores Estáticos Controle de um conversor boost CCM para correção do FP. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Controle de Conversores Estáticos Controle de um conversor boost CCM para correção do FP. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Controle de Conversores Estáticos Controle de um conversor boost CCM para correção do FP cassiano@ieee.org 1 Operação como PFP Como a freqüência de comutação do interruptor S é muito maior que a freqüência

Leia mais

Driver - DRM100D80A. Principais características. DRM100D80A - Driver Isolado Duplo. www.supplier.ind.br

Driver - DRM100D80A. Principais características. DRM100D80A - Driver Isolado Duplo. www.supplier.ind.br A SUPPLIER Indústria e Comércio de Eletroeletrônicos Ltda é uma empresa constituída com o objetivo de atuar no setor das Indústrias Eletroeletrônicas, principalmente na fabricação de fontes de alimentação

Leia mais

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP PUC ENGENHARIA Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP Prof. Dr. Marcello Bellodi 2 a versão - 2005 ÍNDICE 1 a Experiência: "Amplificador Push-Pull Classe B"...01 2 a Experiência: "Curvas

Leia mais

TRANSFORMADOR. A figura 1 mostra o esquema de um transformador básico.

TRANSFORMADOR. A figura 1 mostra o esquema de um transformador básico. TRAFORMADOR O transformador é constituído basicamente por dois enrolamentos que, utilizando um núcleo em comum, converte primeiramente e- nergia elétrica em magnética e a seguir energia magnética em elétrica.

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCÍCIOS #11 (1) O circuito a seguir é usado como pré-amplificador

Leia mais

LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Guia de Experimentos

LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Guia de Experimentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Experimento 5 Transistor MOSFET LABORATÓRIO

Leia mais

Analise de Circuitos Horizontais. Marcus Manhães manharider@yahoo.com.br

Analise de Circuitos Horizontais. Marcus Manhães manharider@yahoo.com.br Analise de Circuitos Horizontais Marcus Manhães manharider@yahoo.com.br Introdução Ao longo de nossa experiência em manutenção eletrônica, nos deparamos inúmeras vezes com dificuldades muito significativas

Leia mais

INSTITUTO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA PROJETO FÍSICO DE INDUTORES E TRANSFORMADORES

INSTITUTO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA PROJETO FÍSICO DE INDUTORES E TRANSFORMADORES INSTITUTO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA Departamento de Engenharia Elétrica Centro Tecnológico UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROJETO FÍSICO DE INDUTORES E TRANSFORMADORES Prof. Ivo Barbi, Dr. Ing.

Leia mais

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA Eletrônica Básica AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES

Leia mais

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS Descrição de componentes 2 1 INTRODUÇÃO O sistema de treinamento em microondas DH-0406A foi desenvolvido para permitir explorar experimentalmente alguns conceitos

Leia mais

IFBA MOSFET. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista - 2009

IFBA MOSFET. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista - 2009 IFBA MOSFET CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE Vitória da Conquista - 2009 MOSFET s - introdução Semicondutor FET de óxido metálico, ou Mosfet (Metal Oxide

Leia mais

Elétricos. Prof. Josemar dos Santos prof.josemar@gmail.com

Elétricos. Prof. Josemar dos Santos prof.josemar@gmail.com Controle de Motores Elétricos Prof. Josemar dos Santos prof.josemar@gmail.com Introdução Eletrônica de Potência Produtos de alta potência Controle de motores; Iluminação; Fontes de potência; Sistemas de

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 TIPO DE INSTALAÇÃO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 TIPO DE INSTALAÇÃO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO EXEMPLO MP LTDA. TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE Largura

Leia mais

Revisão de Fontes Lineares

Revisão de Fontes Lineares Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Projeto de Fontes Chaveadas Revisão de Fontes Lineares Projeto de Magnéticos Projeto Térmico PCBs

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA 26. Com relação aos materiais semicondutores, utilizados na fabricação de componentes eletrônicos, analise as afirmativas abaixo. I. Os materiais semicondutores

Leia mais

Circuitos Elétricos Capacitores e Indutores

Circuitos Elétricos Capacitores e Indutores Introdução Circuitos Elétricos e Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e indutores: elementos passivos, mas e indutores não dissipam energia

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. FONTE NoBreak 360W

MANUAL DO USUÁRIO. FONTE NoBreak 360W MANUAL DO USUÁRIO FONTE NoBreak 360W 2 1 Contém: 1 cabo tripolar; 1 manual do usuário; 1 fonte NoBreak Fonte NoBreak Online 24V/10A 360W: Procedimento de instalação: Ao receber a fonte, verificar a integridade

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e Computadores Electrónica 2 (Energia) Exame Laboratorial

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e Computadores Electrónica 2 (Energia) Exame Laboratorial Exame Prático: Conversor CC/CC elevador Objectivos Montagem e análise das formas de onda de um conversor CC/CC elevador. Conversor CC/CC elevador Circuito de potência O esquema de princípio do circuito

Leia mais

Pequeno livro sobre fontes de alimentação

Pequeno livro sobre fontes de alimentação 1 Pequeno livro sobre fontes de alimentação Antes de começarmos a falarmos de como funciona uma fonte de alimentação é preciso saber qual a sua função. Uma fonte de alimentação tem a função de transformar

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação digital apresenta fácil aprendizado em princípios e aplicações da moderna tecnologia de comunicação

Leia mais

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs.

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Laboratório de Engenharia Elétrica V TE067 Prof. James Alexandre Baraniuk Equipe: Data: / / EXPERIMENTO PRÁTICO COM TRIAC Objetivo A presente

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que:

11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que: TÉCNICO EM ELETRICIDADE 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que: C1 = 300µF C2 = C3 = 300µF C4 = C5 = C6

Leia mais

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico Amplificador Operacional Básico Eng.: Roberto Bairros dos Santos. Um empreendimento Bairros Projetos didáticos www.bairrospd.kit.net Este artigo descreve como identificar o amplificador operacional, mostra

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnico de Instalações Elétricas DISCIPLINA: Eletricidade / Eletrónica N.º TOTAL DE MÓDULOS: 8 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 N.º 1 30 Corrente Contínua Identificar

Leia mais

Sistema de fontes reguladas/isoladas/sincronizadas para aplicação em UPS

Sistema de fontes reguladas/isoladas/sincronizadas para aplicação em UPS Centro de Tecnologia e Urbanismo Departamento de Engenharia Elétrica Kleber dos Santos Lopes Sistema de fontes reguladas/isoladas/sincronizadas para aplicação em UPS Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais