MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO NOR TDE 118

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO NOR TDE 118"

Transcrição

1 MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO NOR TDE 118 ATENDIMENTO A EDIFÍCIO DE USO COLETIVO ATRAVÉS DE CÂMARAS DE TRANSFORMAÇÃO DIRETORIA OPERACIONAL SUPERINTENDÊNCIA DE ENGENHARIA DA DISTRIBUIÇÃO GERÊNCIA DE PROJETOS DE REDES

2 NOR TDE 108 i SUMÁRIO 1 Finalidade Âmbito de aplicação Conceitos básicos Procedimentos Considerações gerais Anexos...17

3 1 1 FINALIDADE Esta Norma tem por finalidade estabelecer os critérios e procedimentos para atendimento a pedidos de ligações de fornecimento de energia elétrica, bem como as instalações consumidores localizadas em edifícios de uso coletivo residenciais, comerciais ou mistos, a serem ligadas com a instalação de câmara de transformação pela Enersul. 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO A presente Norma aplicase: a) Para edifícios de uso coletivo cuja demanda do conjunto seja superior a 150 KVA. b) Nas áreas de Comercialização, Distribuição e de Serviços Técnicos. 3 CONCEITOS BÁSICOS 3.1 Edifício de uso coletivo É toda e qualquer edificação que possua mais de uma unidade consumidora apresentando área comum de circulação, em condomínio de energia elétrica. 3.2 Consumidor É a pessoa física ou jurídica ou comunhão de fato ou de direito legalmente representada, que ajustar com a ENERSUL o fornecimento de energia elétrica e ficar responsável por todas as obrigações regulares e/ou contratuais. 3.3 Unidade consumidora É o local da entrega de energia em um só ponto, com medição individualizada para as instalações de um único consumidor. Em prédios ou conjuntos onde pessoas físicas ou jurídicas forem utilizar energia elétrica de forma independente, cada parcela caracterizada por uso individualizado constitui uma unidade consumidora. 3.4 Ponto de entrega de energia elétrica É o ponto de conexão do sistema elétrico da ENERSUL, com o quadro de barramentos do edifício de uso coletivo.

4 2 3.5 Limitador de fornecimento É o equipamento de proteção destinado a limitar a potência da unidade consumidora (disjuntor termomagnético). 3.6 Entrada de serviço É o conjunto de equipamentos, condutores, transformadores e acessórios existentes após a derivação da rede de distribuição da ENERSUL na via pública, até os equipamentos de medição. 3.7 Ramal de ligação É o conjunto de condutores e respectivos acessórios de conexão, entre a rede de distribuição da ENERSUL, e o ponto de entrega de energia elétrica. 3.8 Ramal de entrada É o conjunto de condutores e respectivos acessórios de conexão, instalados entre o ponto de entrega de energia elétrica até a caixa para instalação dos equipamentos de medição. 3.9 Câmara de transformação Compartimento construído com materiais resistentes a fogo, sob responsabilidade e ônus do interessado, destinado à instalação de equipamentos elétricos de propriedade da ENERSUL, tais como transformadores e acessórios Quadro de barramentos Caixa metálica com barramento destinada a receber o ramal de ligação vindo dos terminais secundários do transformador, conforme desenho PROCEDIMENTOS 4.1 TIPOS DE FORNECIMENTO O fornecimento de energia elétrica as unidades consumidoras será em Baixa Tensão, de acordo com as suas respectivas demandas para os edifícios residenciais ou comerciais Tipo I Fornecimento e medição a 02 fios 127 V Fase e Neutro Consumidores que possuam potência instalada até 10 kw e da qual não conste: Fogão ou forno elétrico da classe 120 V, com mais de 2000 W; Motor monofásico da classe 120 V, com mais de ½ CV; Aparelhos de solda e transformador ou raio X, com mais de 0,75 kva;

5 3 Aparelhos que necessitem de duas ou três fases Tipo II Fornecimento e medição a 03 fios 220/127 V 2 Fases e Neutro Consumidores que possuem potência instalada acima de 10 kw e até 15 kw e da qual não conste: Motor monofásico da classe de 120 V, com mais de 2 CV; Motor monofásico da classe de 220 V, com mais de 3 CV; Aparelhos de solda ou raio X, com mais de 3 KVA; Aparelhos que necessitem de três fases Tipo III Fornecimento e medição a 04 fios 220/127 V, 3 Fases e Neutro Consumidores que possuem potência instalada, acima de 15 kw e até 75 kw e consumidores que tenham aparelhos que requeiram 3 fases. É vedado o uso dos seguintes aparelhos nesta categoria: Motor monofásico da classe 120 V, com mais de 2 CV; Motor monofásico da classe 220 V, com mais de 6 CV; Motor trifásico com potência superior a 20 CV; Aparelhos de raio X, com potência superior a 20 kva; Máquina de solda com transformador, 220 V, 02 fases; Máquina de solda com transformador ou retificador, 220 V, 03 fases, com mais de 20 kva; Máquina de solda, grupo motorgerador, com mais de 20 CV. 4.2 FORNECIMENTO DE ENERGIA AO EDIFÍCIO Edifício com demanda até 150 kva Neste caso, o atendimento será feito através do ramal de ligação, derivado da rede secundária de distribuição 220/127 V. Caso haja necessidade, a ENERSUL instalará um transformador em sua rede para o atendimento da carga solicitada, conforme disposto na NORTDE Edifício com demanda superior a 150 kva Neste caso, o atendimento será feito através de uma câmara de transformação, com ramal de ligação derivado do secundário do transformador de distribuição com tensão secundária de 220/127 V. Para instalações cuja demanda seja de até 225 KVA, caso seja de interesse do condomínio, poderá ser providenciada a instalação do transformador em estrutura tipo H.

6 Ramal de entrada Condutores em A.T Os cabos serão isolados para 15 kv unipolares, próprios para uso subterrâneo. INSTALAÇÃO O ramal de entrada obedecerá as condições abaixo, além das estabelecidas pelos Poderes Públicos, tais como : Prefeituras Municipais, AGESUL, DNIT, etc. a) As extremidades dos cabos serão protegidas com muflas terminais, classe 15 kv, de formas e dimensões adequadas; b) As derivações subterrâneas de entrada em alta tensão obedecerão ao desenho 09; c) Não serão permitidas emendas nos condutores; d) A blindagem dos cabos subterrâneos e as muflas terminais serão ligados ao sistema de aterramento por meio de condutor de cobre nu de bitola não inferior a 16 mm²; e) Os cabos instalados ao longo de paredes, postes ou outras superfícies, serão protegidos por meio de eletrodutos galvanizados. Nas saídas verticais dos cabos, as alturas mínimas dos eletrodutos de proteção, serão: Em instalações interiores (cabine) = 0,60 m; Em instalações exteriores = 5,50 m. f) Os cabos subterrâneos serão instalados dentro de dutos, canaletas ou galerias, segundo o tipo de cabo empregado e situado a uma profundidade nunca inferior a 0,60 m; g) Os dutos serão assentados e as canaletas construídas de forma a resistirem aos esforços externos e os provenientes da instalação dos cabos, considerando as condições próprias do solo; h) Tanto as canaletas como os dutos serão instalados com as extremidades em desnível, de modo a permitir o escoamento das águas para as caixas contíguas; i) As canaletas serão fechadas com tampa de concreto ou chapa de ferro; j) O eletroduto não pode sofrer curvas superiores a 45 graus, devendo, nestas condições, ser previsto uma caixa de passagem; k) A caixa de passagem será construída em alvenaria ou concreto, com impermeabilização adequada, dispor de tampa de ferro ou concreto armado, de acordo como os esforços a que pode ser submetida e possuir as dimensões mínimas de 0,80 x 0,80 m; l) O fundo da caixa deve situarse a 0,20 m abaixo da parte inferior do duto de nível mais baixo e possuir sistema de drenagem adequado; m) O raio de curva do cabo não deve inferior a 20 (vinte) vezes o diâmetro externo do mesmo;

7 5 n) No ponto de derivação da entrada de serviço será instalado um pararaio por fase; o) O ramal de entrada não poderá passar por terrenos de terceiros; p) A derivação subterrânea será instalada na frente e no mesmo lado do edifício, mesmo que a rede aérea esteja localizada no lado oposto da via pública; q) Será previsto um cabo de reserva, provido de muflas terminais; Barramento de M.T Material fio de cobre nu; Seção dimensionamento conforme tabela Condutores em B.T Material cobre, próprio para instalação em eletroduto; Seção dimensionamento conforme tabela 04; Isolamento classe 750 V, 70 graus, no mínimo. INSTALAÇÃO a) Barramento em M.T. A instalação do barramento está detalhada nos desenhos 07 e 08; Nas câmaras de transformação, os barramentos terão seqüência de fases identificada pela ENERSUL, e serão marcados com tinta adequada, nas seguintes cores : Fase A = Azul Fase B = Vermelho Fase C = Branco b) Condutores em B.T. Os condutores de ligação entre os terminais secundários do transformador até o quadro de barramento deverão atender as seguintes orientações: Não devem ultrapassar a 4 metros, de comprimento. Devem ser dimensionados com base na demanda e no comprimento dos condutores, para uma queda de tensão máxima de 2%. Não devem fazer curva de raio inferior a 20 vezes o diâmetro do cabo, salvo indicação contraria do fabricante; Devem ser instalados dentro de dutos de fibracimento, PVC ou tubos galvanizados, a uma profundidade mínima de 0,5 m;

8 Escolha da câmara de transformação Tipos Em função da potência nominal do transformador a ser instalado, a câmara de transformação deve obedecer os desenhos, anexos, conforme detalhado abaixo : a) Posto de transformação, potência até 225 kva, conforme desenho 06. Neste caso deverá ser indicado no projeto o local a ser instalado a estrutura H, devendo este oferecer condição de segurança, e facilidade para manutenções e troca do transformador, obedecendo os afastamentos mínimos necessários conforme desenho 12. O quadro de barramento de baixa tensão onde se fará a conexão (ponto de entrega) deverá ficar no máximo a 5 metros; b) Câmara de transformação, potência de 150 KVA até 300 kva, inclusive, conforme desenho 07; c) Câmara de transformação, potência acima de 300 kva, conforme desenho Disposições a) A câmara de transformação pode ser situada dentro ou fora do edifício, quando localizada dentro, deve ter a preferência para o pavimento térreo a uma distância nunca superior a 15m da via pública; b) A disposição dos equipamentos, conforme detalhado nos desenhos, anexos, deve oferecer condições adequadas de operação, manutenção e segurança. As instalações deverão oferecer sempre condições de acesso, e facilidade para a eventual necessidade de substituição do transformador; c) Deve possuir características de construção definitiva e ser de material incombustível; d) O pé direito deve ter 3 metros no mínimo; e) O piso da câmara de transformação deve ser de concreto armado, com inclinação de 1% no sentido do sistema de drenagem, através de um ralo de 4 (120 mm) de diâmetro. Nos casos em que se fizer necessário, instalar bomba de recalque; f) Deve ser provida de porta de entrada, metálica, tipo veneziana, dimensões 1,20 x 2,10 m no mínimo, devendo abrir para fora. Deve ter fixada uma placa de advertência com anotação de PERIGO ALTA TENSÃO; g) Para câmaras de transformação subterrâneas, é necessário uma sondagem no terreno, a fim de identificar o nível que o lençol freático se encontra, e caso necessário adotar medidas de forma a eliminar a possibilidade do aparecimento de água em seu interior. h) A localização da câmara deve ser em área isenta da possibilidade de inundação por água pluvial.

9 Iluminação e ventilação a) Devem possuir iluminação artificial e natural sempre que possível, em todos os cubículos; As janelas destinadas a iluminação natural, conforme detalhado nos desenhos, devem ser fixas e protegidas, externamente, por meio de telas metálicas resistentes, com malha de 13 mm, no máximo. b) Devem ser providas de aberturas para ventilação natural, tipo venezianas, com as seguintes características básicas : Dispostas convenientemente, de modo a promover a perfeita circulação de ar por convecção; Ter 20 centímetros quadrados de área por KVA instalado, sendo que a área total mínima admissível deve ser 900 centímetros quadrados; Localizarse a uma altura mínima de 20 cm do piso da subestação; Os respiradouros de saída de ar devem ficar no máximo 20 cm abaixo do teto da câmara de transformação; Os demais detalhes constam nos desenhos, anexos a esta Norma. c) Quando não houver possibilidade de abertura para ventilação natural, deve ser previsto sistema para ventilação forçada com a utilização de equipamentos adequados Proteção e segurança a) A área de circulação não pode ser usada para deposito de qualquer material; b) Todos os cubículos que compõem o setor de alta tensão da câmara de transformação devem ser protegidos por anteparos, suficientemente rígidos e incombustíveis, com intuito de se evitar contatos acidentais. Esses anteparos ou grades de proteção estão detalhados nos desenhos, e devem: Ser constituídos de telas metálicas resistentes, com malhas de 25 mm, no máximo; Ter fixadas, nos mesmos, placas de advertência com anotação PERIGO ALTA TENSÃO. c) Deve ser instalado extintor de incêndio ( CO2= 6 Kg mínimo ) como medida de segurança, localizado na parte externa e próxima da porta de entrada da câmara de transformação; d) Existirá no lado da MT, chave seccionadora tripolar de acionamento simultâneo, nos seguintes casos: Antes do transformador, no caso da câmara de transformação até 300 KVA, e o seu acionamento deve ser externamente ao compartimento do transformador, conforme desenho 07;

10 8 Antes de cada transformador, quando a instalação tiver dois ou mais transformadores; Antes do disjuntor de proteção, no caso da câmara de transformação acima de 300 KVA; Deve ser fixado, junto as chaves seccionadoras, placas de advertência com os dizeres: ESTA CHAVE NÃO DEVE SER MANOBRADA COM CARGA. e) A localização da câmara de transformação deve ser em área, isenta da possibilidade de influência, em caso de vazamento de gases. f) Caso o condomínio disponha de equipamento de geração elétrica, este não poderá operar em paralelo com o sistema da ENERSUL, por qualquer que seja o tempo, devendo haver chave reversora para a transferência entre as fontes de energia, sem carga Isoladores Internamente, quando da passagem do sistema elétrica de um cubículo para outro, devem ser utilizados isoladores especiais de parede, uso interno, classe 15 KV Proteção Proteção em M.T Câmara de transformação até 300 KVA inclusive, a proteção em M.T. será efetuada através de chave fusível no ponto de derivação, com elos dimensionados, conforme tabela Câmara de transformação acima de 300 kva. a) Para potência acima de 300 KVA será instalado um disjuntor de acionamento automático para proteção contra curto circuitos, de corrente nominal mínima 350 A, capacidade de interrupção mínima 250 MVA em 13,8 KV; b) Os relés de sobrecorrentes do disjuntor serão primários e serão calibrados de acordo com a tabela 03, em função da potência instalada na unidade de consumo Proteção em B.T Será previsto um quadro com barramento e proteção geral, através de disjuntor termomagnético, dimensionado conforme demanda, para distribuição dos circuitos até as caixas de medição agrupada. A proteção de cada circuito pode ser feita nesta mesma caixa de barramentos, através de disjuntores termomagnéticos, ou ao lado da caixa de medição agrupada Aterramento Valor da resistência de terra O sistema de aterramento deve ter um valor de resistência máxima de 10(dez) ohms em qualquer época do ano.

11 9 Somente em casos especiais, mediante prévia autorização da ENERSUL, deve ser permitido tratamento do solo para enquadramento da resistência de terra, dentro dos limites fixados acima Eletrodos Os eletrodos de terra devem ter hastes de aço cobreado de comprimento mínimo de mm e diâmetro de 16 mm Condutores a) A interligação dos para raios e a descida a malha de terra (condutor de aterramento), devem ser feitas através de condutor de cobre nu, bitola de 25 milímetros quadrados; b) A interligação dos eletrodos deve ser feita através de condutor de cobre nu, bitola de 25 milímetros quadrados; nunca inferior a bitola do condutor de aterramento; c) A ligação de partes metálicas, normalmente sem tensão, ao sistema de aterramento, deve ser feita através de condutor de cobre nu, bitola de 16 milímetros quadrados. Enquadramse nesse caso: portas metálicas, suportes de isoladores, carcaça de disjuntores, caixas de medição, etc. INSTALAÇÃO a) Os para raios devem ter o condutor de aterramento próprio e independente para descida a malha de terra, o mais curto possível, evitandose curvas e ângulos pronunciados; b) Os eletrodos devem: Estar a uma distância mínima de mm entre eles; Ser protegidos com caixa de alvenaria ou concreto, nas dimensões de 400 mm x 400 mm x 400 mm, com tampa de concreto. Deverá existir, pelo menos uma caixa para cada setor, ou seja: Uma para o setor de proteção; Uma para o transformador, para ligação e medição de resistência. c) Os condutores de terra devem obedecer os seguintes requisitos, quanto a instalação: Firmemente ligados aos eletrodos, por meio de conectores de aperto sendo permitido o uso de solda do tipo exotérmica; Não devem ser submetidos nem colocados em eletrodutos de material magnético; d) Devem ser atendidas as demais exigências da NB79, da ABNT.

12 Equipamentos e acessórios Caixas para equipamentos de medição Os equipamentos de medição devem ser alojados em caixas próprias para esse fim, conforme padronização da ENERSUL. As caixas devem ser fabricadas por firmas cadastradas e com modelo previamente aprovados pela ENERSUL. Obs: Em prédios com mais de 4 pavimentos com elevador e com mais de 12 (doze) edições, será permitido a instalação de vários agrupamentos de medição, distribuídos em diferentes pavimentos, desde que em cada agrupamento, tenha um mínimo de 6 (seis) medições e a queda de tensão nos condutores de alimentação entre o quadro geral de barramento até o agrupamento de medição não ultrapasse a 2% Para raios Para proteção contra sobretensão, como descarga atmosférica e outras, serão instalados para raios em cruzetas, um em cada fase nas entradas de M.T., com a seguinte especificação: De resistores não lineares; Tensão nominal: 12 KV; Com desligador automático e próprio para uso em sistema de tensão nominal 12 a 15 kv, neutro aterrado; Corrente de descarga 5 ka Chave fusível Características Básicas: Tensão nominal: 15 kv; Nível básico de isolamento: 95 kv; Corrente nominal: do porta fusível 100 A, da base 300 A ; Capacidade de interrupção simétrica 10 k A, mínimo Chave seccionadora tripolar Características Básicas: Tripolar; Comando simultâneo; Tensão nominal: 15 KV; Nível básico de isolamento: 95 kv; Corrente nominal: 400 ou 200 A.

13 Disjuntor de M.T Características Básicas: Disjuntor a pequeno volume de óleo, trifásico; Classe de tensão: 15 kv; Freqüência: 60 Hz; Corrente nominal: 350 A em regime contínuo; Capacidade de interrupção simétrica: 250 MVA; Nível básico de isolamento: 110 kv; Operação: Abertura livre mecânica e elétrica; Provido de indicador visual de operação para as posições ABERTO e FECHADO; Equipados com relés de sobrecorrente primários Relés de sobrecorrente Serão primários ligados diretamente ao barramento de M.T Transformador de potência O transformador de potência, em todas as suas partes satisfará as condições fixadas pela ABNT em suas mais recentes publicações, e ainda: O nível de isolamento, no lado de tensão superior, será de 15 kv e no lado inferior 1,2 kv; O nível básico de impulso, no lado de tensão superior, será de 15 KV e no lado de tensão inferior será de 30 KV; Terá o enrolamento primário ligado em triângulo, e com taps para ligações de , e volts, e o enrolamento secundário ligado em estrela com neutro acessível para as tensões de 220/127 volts Dimensionamento de consumidores Edifícios comerciais e residenciais O tipo de atendimento as unidades consumidoras e condomínio, deve ser em função de carga instalada e aplicandose à tabela Cálculo da demanda provável para dimensionamento do agrupamento de medição e condomínio. Este cálculo é imprescindível com vistas a evitarse sub ou super dimensionamento de cada agrupamento de medição de edifício. A avaliação da demanda de potência deve ser feita pela seguinte expressão:

14 12 D = a + b + c + d + e onde: a = demanda em KW das potências para iluminação e tomadas, calculada segundo a tabela 09; b = demanda em KW de todos os aparelhos de aquecimento (chuveiro, aquecedor, fogão, etc.), calculado segundo a tabela 10; c = demanda em KW dos aparelhos de ar condicionado, calculada segundo a tabela 12; d = demanda em KW de motores (exclusive bombas d água e elevadores), calculados segundo a tabela 13; e = demanda em KW de motores das bombas d água e elevadores, observando os seguintes fatores de demanda: Bomba d água... maior bomba 100%... restantes 60% Elevador em prédio de apartamentos... um 100%... restantes 60% Elevador em prédio comercial... um 100%... restantes 60% Cálculo para dimensionamento do transformador O transformador será dimensionado multiplicandose os resultados das equações abaixo, somandose a esse, a carga demandada do condomínio. Equação para cálculo de demanda em KVA, por apartamento em função da área da unidade: Demanda por apartamento (KVA) = 0,018 x Área + 0,36 Onde: Área = Área do apartamento tipo em metros quadrado. Equação para cálculo do fator de coincidência em função do número de apartamentos: Fator de coincidência = 0,002 x (nº de aptos.)² + 0,8 x (nº de aptos.) Obs: O resultado desta equação já contempla a multiplicação pelo número de apartamentos tipo.

15 13 EXEMPLO DE UM CÁLCULO PARA DIMENSIONAMENTO DE TRANSFORMADOR Número de apartamentos = 40 Área por apartamento = 110 m² Demanda do codomínio já calculada conforme item = 33,5 KW. Caso as cargas não sejam somente resistivas deverá ser transformado para potência aparente (KVA) com base no fator de potência destas. Aplicandose as equações acima teremos: Demanda por apartamento = 0,018 x ,36 Demanda = 2,34 KVA Fator de coincidência = 0,002 x (40)² + 0,8 x 40 Então: Fator de coincidência = 28,8 Potência do transformador = Fator de coincidência x Demanda por apartamento + Demanda do condomínio Potência do transformador = 28,8 x 2, ,5 Potência do transformador = 100,89 KVA Transformador especificado = 112,5 KVA Este resultado servirá para a Enersul determinar a localização do transformador ( em câmara de transformação ou na rede de distribuição, se a potência nominal do transformador não ultrapassar a 150 KVA) Projeto elétrico Elaboração Será exigida a apresentação do projeto elétrico para todos os edifícios residenciais e comerciais atendidos por câmaras de transformação. O projeto elétrico deve ser encaminhado através de carta, a ENERSUL e apresentado em 4 (quatro) vias de igual teor e ser devidamente assinadas pelo: Profissional responsável pelo projeto da instalação elétrica, registrado no CREAMS e o proprietário; Deve fazer parte do projeto os itens abaixo relacionados: a) Memorial Descritivo: descrição geral dos critérios adotados na elaboração do projeto; b) ART (Anotação da Responsabilidade Técnica) de elaboração e execução do CREAMS;

16 14 c) Relação de carga de unidade de consumo, cálculos da demanda provável dos agrupamentos de medição e previsão da data de ligação; d) Planta de localização da câmara de transformação do prédio e do ramal da entrada, indicando seu percurso até a câmara de transformação; Projeto civil da câmara de transformação em escala mínima de 1:50, formato A1, contendo o esquema unifilar geral após o quadro de barramentos e a planta da situação em escala mínima de 1:1000, indicando a rede da ENERSUL, quando existir; e) Detalhes do projeto em formato A1, contendo: Detalhes do sistema de aterramento; Detalhes da chave reversora, se houver geração própria. f) Relação de materiais, contendo especificação detalhada dos materiais utilizados na construção civil da câmara de transformação; g) Planta de localização da medição do prédio Análise e aprovação Após o recebimento do projeto, a ENERSUL deve proceder as devidas apreciações dentro de um prazo de até 30 (trinta) dias Execução A execução da entrada de serviço, após a aprovação do projeto elétrico, deverá obedecer, rigorosamente, as condições impostas pela legislação atual ( Resolução 456 ANEEL ) Validade e aprovação O prazo de validade da aprovação do projeto elétrico é de dezoito meses. A não execução e conclusão dentro deste prazo, implica em novo encaminhamento para aprovação da ENERSUL Pedido de ligação A solicitação do fornecimento de energia elétrica a ENERSUL, deve ser formalizada através do Pedido de Ligação efetuado pelo interessado, nas Agências de Atendimento da Empresa. Para o Pedido de Ligação devem ser fornecidos os dados que permitam o seu correto preenchimento, ou seja: a) Nome do consumidor; b) Ramo de atividade e nome da Empresa, se for o caso; c) Documento de identificação.

17 Para consumidores residenciais, a identificação exigida deve ser através de um dos documentos abaixo: Cartão de Identificação do Contribuinte; Registro Geral de Identificação; Título de Eleitor; Certificado de Reservista; Carteira Profissional do Ministério do Trabalho Para não residenciais, são exigidos todos os seguintes documentos: Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica ; Contrato social; Estatuto; Inscrição Estadual; Alvará de Funcionamento Segurança A fim de resguardar a segurança do pessoal e dos equipamentos em câmaras de transformação, é recomendado: Execução de manobras elétricas a) Toda e qualquer manobra somente pode ser feita por pessoa capacitada e devidamente autorizada pela ENERSUL; b) Quando for autorizada a execução de uma manobra, a ordem deve ser transmitida com clareza e precisão. Devese certificar que a pessoa encarregada da manobra entenda corretamente a ordem dada; c) Antes de executar qualquer manobra, devese planejála e concentrarse com atenção sobre o que vai se fazer, agindo calmamente e com segurança. Deve certificarse de que não há perigo de acidente; d) Todas as manobras, mesmo as que são feitas por meio de volantes ou alavancas, devem ser efetuadas pisandose sobre estrado isolado e usando luvas de borracha com isolação adequada a tensão de serviço; e) Antes de usar os equipamentos de segurança (bastão, capacetes, cintos, luvas de borracha, estrados isolados, extintor de incêndio, etc) devese verificar o estado em que esses equipamentos se encontram e se são apropriados para o serviço a executar; f) Nunca se deve desligar as chaves faca ou chaves fusíveis, destinadas a abertura sem carga, quando houver carga ligada nos circuitos dessas chaves;

18 16 g) Devese colocar em lugar visível um quadro com diagrama unifilar da instalação (utilizando a simbologia padronizada pela ABNT), a fim de facilitar a manobra Serviços de manutenção e reparos a) Antes de se iniciar qualquer trabalho de manutenção ou reparo num circuito, devese desligar o disjuntor e a chave correspondente; b) Devese proteger contra os riscos de acidentes por corrente de retorno, aterrandose a instalação desligada, antes e depois do trecho em que se irá trabalhar; c) Para se efetuar manutenção ou substituição de qualquer item pertencente a câmara de transformação, deverá ser aberto a chave do ramal de entrada em alta tensão; d) Para se trabalhar em aparelhos ligados no circuito, devese desligálos sempre através de dois seccionadores e se os mesmos estiverem distanciados do ponto em que vai realizar a manutenção ou reparo, devese colocar cadeados, travandoos na posição ABERTO; e) Quando houver necessidade de substituir um fusível, devese antes desligar o disjuntor e a chave faca correspondente bem como usar equipamentos adequados; f) Nunca desligue os condutores de ligação a terra: devese ainda verificar, periodicamente, as resistências de aterramento; g) Mantenha todos os aparelhos e instalações em perfeito estado de funcionamento, fazendo periodicamente sua limpeza, conservandoos livres de poeira, que em contato com a umidade, podem tornála condutora de eletricidade. Para se fazer essa limpeza, deve ser observado o item c.; h) Os equipamentos de proteção e os materiais de operação tais como: escadas, alicates isolados, varas de manobra, estrados isolados, etc, devem ser conservados limpos e em condições de uso. As luvas de borracha devem ser mantidas em lugar seco, polvilhadas de talco e dentro de caixas apropriadas, devidamente testadas ( a ar comprimido); i) Anualmente será efetuado inspeção detalhada, para verificação do estado da câmara de transformação, disjuntor de alta tensão e transformador. Também será passado termovisor, nos equipamentos, barramento principal e ramal de entrada de serviço de alta tensão; j) A cada dois anos, será executado manutenção preventiva da câmara de transformação, disjuntor de alta tensão e transformador, onde será feito limpeza e reaperto das conexões, chaves e barramento principal, bem como, ensaio da proteção do disjuntor, verificação do carregamento do transformador e análise do óleo isolante Cuidados diversos referentes ao recinto das instalações a) Devese colocar na entrada, em lugar visível, uma placa com a inscrição PERIGO DE MORTE ALTA TENSÃO, com os símbolos indicativos do risco existente; b) Devese proibir a entrada de pessoas estranhas e não habilitadas;

19 17 c) Devese conservar a entrada de acesso livre e desimpedida; d) Não se deve guardar materiais ou ferramentas no recinto das instalações; e) Devese ter à mão, recursos para iluminação de emergência (faroletes, lanternas, etc.), com o objetivo de se locomover com segurança se caso houver falta de energia; f) Quando se sair do recinto devese fechar a porta e não deixar a chave ao alcance de pessoas estranhas. Cuidados especiais devem ser providenciados com vistas a não houver ações de criança nas áreas energizadas; g) Em caso de incêndio na câmara de transformação, devese desligar a energia e utilizar somente extintores adequados (gás carbônico ou pó químico) ou areia seca. NOTA: NUNCA SE DEVE UTILIZAR ÁGUA OU EXTINTOR DE ESPUMA. 5 CONSIDERAÇÕES GERAIS 5.1 Caberá aos interessados a elaboração de projeto e construção das obras civis para instalação da Câmara de Transformação e seus complementos, tais como: portas, janelas de iluminação e ventilação, dutos, sistema de aterramento, grades de proteção, placas de advertência, e quadro de barramentos para receber cabos de B.T. 5.2 Caberá à ENERSUL a instalação dos equipamentos elétricos, tais como: transformador, chaves, cabos de M.T., cabos de B.T., até o quadro de barramentos (este é de instalação do interessado) e a operação bem como a manutenção dos equipamentos. 6

20 18 ANEXO I MODELO DE CARTA DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO Local e Data A EMPRESA ENERGÉTICA DE MS S.A. ENERSUL Endereço da Agência Comercial Prezados Senhores: Pela presente, vimos encaminhar para apreciação de V.Sª e liberação para execução, o processo referente ao projeto das instalações elétricas do edifício denominado ; sito a no município de. Em anexo, estamos encaminhando: 1 Memorial Descritivo; 2 Planta da situação do Imóvel; 3 Planta de localização da entrada de serviço; 4 Vistas e cortes das instalações do Centro de Medição; 5 Vista frontal e lateral da entrada da instalação; 6 Relação das cargas previstas e cálculo da demanda; 7 Diagrama unifilar. Ainda em anexo, cópia do ART referente ao Projeto ( ou Projeto e Construção), cujo responsável técnico poderá ser contatado através deste signatário. Outrossim, informamos que a previsão para energização deste edifício é para o mês de de, e caso haja qualquer alteração no cronograma, comprometemonos a avisar essa Empresa, com antecedência mínima de 90 (noventa) dias, a contar da emissão desta ou da nova data, no caso de antecipação. Esclarecemos que estamos cientes de que a ENERSUL deve solicitar a reapresentação deste projeto para revalidação, caso decorridos 18 (dezoito) meses da validade e tenha sido solicitada à mesma o pedido de vistoria, para ligação. Estando faltando 90 (noventa) dias para o término da obra, ou mesmo antes, se convocado, um responsável técnico pelo projeto e/ou execução, deverá entrar em contato com V.Sª, para a confirmação do Pedido de Ligação na data indicada acima. Atenciosamente, Nome Legível do projetista Endereço para correspondência, telefone e CREAA De acordo do cliente Nome Legível, endereço e telefone Anexo: os documentos citados

21 19 TABELA 01 DIMENSIONAMENTO DE CABOS SUBTERRÂNEOS 15 KV POTÊNCIA (KVA) BITOLA MÍNIMA (mm²) ELETRODUTO DIÂMETRO MÍNIMO Até De 1001 a De 2001 a De 3001 a Esta tabela referese a seção mínima de condutores de cobre isolados. TABELA 02 DIMENSIONAMENTO DE BARRAMENTO 13,8 KV POTÊNCIA (kva) FIO (AWG) TUBO OCO OU BARRA RETANGULAR (Seção em mm²) VERGALHÃO ( NOMINAL) Até /4 De 801 a /16 De 1501 a /8 De 2001 a /8 De 2501 a /8

22 20 TABELA 03 CORRENTE DE AJUSTE DE RELÉS PRIMÁRIOS POTÊNCIA EM TRANSFORMADOR (KVA) CORRENTE DE AJUSTE (A) 226 a ,0 251 a ,5 301 a ,0 351 a ,5 401 a ,5 451 a ,0 501 a ,5 551 a ,0 601 a ,5 651 a ,0 701 a ,0 751 a ,5 801 a ,0 851 a ,5 901 a ,0 951 a ,0 1. Os transformadores de reserva não devem ser considerados na potência; 2. Os relés devem ser instantâneos; 3. A corrente nominal dos reles deve ser escolhida de maneira a permitir a corrente de ajuste indicada na tabela.

23 21 TABELA 04 DIMENSIONAMENTO DE ALIMENTAÇÃO GERAL OU CIRCUITOS ALIMENTADORES DE B.T DEMANDA PROVÁVEL CONDUTORES DE COBRE PROTEÇÃO ELETRODUTO DIÂMETRO NOMINAL (kw) (mm²) (A) (mm) (pol) D 20 1 circ. Trif. de 16 (16) /4'' 20 < D 30 1 circ. Trif. de 25 (16) /4'' 30 < D 40 1 circ. Trif. de 35 (25) '' 40 < D 50 1 circ. Trif. de 50 (35) '' 50 < D 60 1 circ. Trif. de 70 (50) '' 60 < D 75 1 circ. Trif. de 95 (50) '' 75 < D 95 1 circ. Trif. de 120 (70) /2'' 95 < D circ. Trif. de 150 (95) /2'' 115 < D circ. Trif. de 185 (120) '' 135 < D circ. Trif. de 95 (95) '' 150 < D circ. Trif. de 150 (150) '' 190 < D circ. Trif. de 185 (185) '' 225 < D circ. Trif. de 240 (150) X 85 2 X 3'' 270 < D circ. Trif. de 150 (95) X 75 3 X 2 1/2'' 285 < D circ. Trif. de 185 (120) X 85 3 X 3'' 345 < D circ. Trif. de 240 (150) X 85 3 X 3'' 405 < D circ. Trif. de 185 (120) X 85 4 X 3'' 455 < D circ. Trif. de 240 (150) X 85 4 X 3'' NOTAS : 1. As bitolas dos condutores são os mínimos recomendados. Deverão ser verificados no dimensionamento, os limites de queda de tensão. 2. A bitola indicada entre parênteses, referese ao condutor neutro. 3. Os condutores deverão ser próprios para a temperatura de 70 º C, no mínimo.

24 22 TABELA 05 DIMENSIONAMENTO DE BARRAMENTO DE COBRE ( Seção Retangular ) SEÇÃO TRANSVERSAL (mm x mm) (kva) CORRENTE MÁXIMA (A) 12,7 x 3,2 ( 1/2 x 1/8 ) ,4 x 3,2 (1 x 1/8 ) ,1 x 3,2 (1 1/2 x 1/8 ) ,1 x 4.8 (1 1/2 x 3/16 ) ,8 x 4,8 (1 1/2 x 3/16 ) ,8 x 6,4 (2 x 3/16 ) ,5 x 6,4 (2 x 1/4 ) ,2 x 6,4 (2 1/2 x 1/4 ) ,6 x 6,4 (4 x 1/4 ) A corrente máxima corresponde a barramentos instalados em recintos fechados, com uma elevação de temperatura de 30 graus com relação a temperatura ambiente. 2. A tabela referese aos barramentos de cobre a serem instalados nos quadros de barramento para distribuição dos circuitos dos centros de medição. TABELA 06 ESCOLHA OS ELOS FUSÍVEIS PARA PROTEÇÃO DE RAMAIS DE LIGAÇÃO POTÊNCIA (KVA) ELO FUSÍVEL CHAVE FUSÍVEL 15 1H 100 A 30 2H 100 A 45 3H 100 A 75 5H 100 A 112,5 6K 100 A 150 6K 100 A K 100 A K 100 A K 100 A K 100 A

25 Tipo de Fornecimento III II I Potência instalada kw Até 03 De 03 a 05 De 05 a 10 Até 10 De 10 a 15 Até 15 De 15 a 20 Disjuntor Termomagnético (A) kwh S S S S S S S kvarh Medidores N.º Elementos N.º Fios I. Nominal (A) Transf. de Corrente Isolamen. V Relação A/A Ramal de ligação entre disjuntor de proteção e quadro de dist. interno Condutor de Cobre Isol. Para 750 V Eletroduto Diâmetro Nominal Interno mm Poleg. 19 ¾ 19 ¾ ¼ DIMENSIONAMENTO DE CONSUMIDORES TABELA 07 NOR TDE 118 De 20 a S ¼ De 30 a S S 3 4 2, (25) 50 2 De 40 a S S 3 4 2, (35) 50 2 De 50 a S S 3 4 2, (70) /2 23

26 24 TABELA 08 POTÊNCIA APROXIMADA DE APARELHOS ELETRO DOMÉSTICOS APARELHOS ELÉTRICOS POTÊNCIA (WATTS) Aquecedor ambiente 1000 Aquecedor para banho 2000 Aspirador de pó 300 Barbeador 15 Batedeira 100 Bomba d água 300 Circulador de ar (peq./médio/grande) 150/250/540 Chuveiro 4500/5500 Condicionador de ar BTU 1400 Enceradeira (residencial/industrial) 300/750 Esterilizador 200 Exaustor 400 Ferro de passar 500 Ferro de passar (Automático) 1000 Fogão duas chapas 3600 Geladeira (simples/duplex) 350/500 Grelha 1000 Liqüidificador 200 Máquina de costura 100 Máquina de lavar roupas 500 Microcomputador 300 Ponto de luz ou tomada 100 Projetor de slide 250 Rádio 50 Rádiorelogio 50 Secador de cabelo (peq./médio/grande) 600/1000/1500 Televisor preto e branco 160 Televisor colorido 200 Torneira elétrica 2500 Torradeira 1000 Ventilador (peq./médio/grande) 80/150/230

27 25 TABELA 09 DEMANDA PARA INSTALAÇÕES DE ILUMINAÇÃO E TOMADA DESCRIÇÃO POTÊNCIA INSTALADA FATOR DEMANDA % Auditórios, salões para exposições e semelhante Total 100 Banco, lojas e semelhante Total 100 Barbearias, salões de beleza e semelhantes Total 100 Clubes e semelhantes Total 100 Escolas e semelhantes Para os primeiros 12 kw 100 Para o que exceder 12 kw 50 Edifícios de Escritório e Para os primeiros 20 kw 100 Escritórios Para o que exceder 20 kw 70 Garagens comerciais e semelhantes Total 100 Consultório médico e Para os primeiros 50 kw 50 semelhantes Para o que exceder 50 kw 20 Para os primeiros 03 kw 100 Prédios de apartamentos De 03 a 120 kw 35 e residências Acima de 120 kw 25 Restaurantes e semelhantes Total 100

28 26 TABELA 10 FATORES DE DEMANDA DE APARELHOS DE AQUECIMENTO NÚMERO DE APARELHOS Potência de até 3,5 kw FATOR DE DEMANDA ( % ) Potência Acima de 3,5 kw a a a a ou mais 30 16

29 27 TABELA 11 POTÊNCIA DOS CONDICIONADORES DE AR CAPACIDADE TÉRMICA (Btu / h) POTÊNCIA (kw) Até , a , a , a , a , a ,3 Para capacidade superior aos valores constantes na Tabela acima, o dimensionamento deve ser feito em função dos dados técnicos do fabricante. TABELA 12 FATORES DE DEMANDA DE CONDICIONADORES DE AR NÚMERO DE APARELHOS FATOR DE DEMANDA ( % ) 01 a a a a a a a Acima de Em unidade central de ar condicionado, o fator de demanda é de 100%.

30 28 TABELA 13 FATORES DE DEMANDA PARA MOTORES POTÊNCIA (CV) 1/6 1/4 1/3 1/2 3/4 1,0 1,5 2,0 3,0 4,0 5,0 7,5 10,0 12,0 15,0 18,0 20,0 FATOR DE DEMANDA (%) Nº. DE MOTORES a 5 Mais de

31 29 DESENHO 01 CAIXA PARA MEDIÇÃO INDIVIDUAL CAIXA PARA MEDIDORES DE DEMANDA E DE ENERGIA REATIVA CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE TC's

32 30 DESENHO 02 CAIXA PARA MEDIÇÃO AGRUPADA ATÉ 08 CONSUMIDORES ATENDIMENTO : 3 OU 4 CONSUMIDORES ATENDIMENTO : 5 OU 6 CONSUMIDORES ATENDIMENTO : 7 OU 8 CONSUMIDORES

33 31 DESENHO 03 CAIXA PARA MEDIÇÃO AGRUPADA 09 OU MAIS CONSUMIDORES ATENDIMENTO : 9 CONSUMIDORES ATENDIMENTO : 10 A 12 CONSUMIDORES ATENDIMENTO : 13 A 15 CONSUMIDORES ATENDIMENTO : 16 A 18 CONSUMIDORES

34 32 DESENHO 04 DETALHES DE INSTALAÇÃO DAS CAIXAS PARA MEDIÇÕES AGRUPADAS

35 33 DESENHO 05 DETALHES CONSTRUTIVOS DOS BARRAMENTOS PARA CENTROS DE MEDIÇÃO DE 9, 10 A 12, 13 A 15 E 16 A 18 MEDIDORES NOTAS

36 34 (Continuação) D) Limite de condução de corrente recomendado para barras de cobre de seção retangular para centros de medição de 9, 10 a 12, 13 a 15 e 16 a 18 medidores. TIPO SEÇÃO TRANSVERSAL DEMANDA ( mm ) (pol) ( A ) 1 25,4 x 2,381 ( 3/32 ) ,4 x 3,175 ( 1/8 ) ,4 x 4,763 ( 3/16 ) ,4 x 7,938 ( 5/16 ) ,4 x 9,525 ( 3/8 ) ,4 x 12,7 ( 1/2'' ) 685

37 35 DESENHO 06 POSTO DE TRANSFORMAÇÃO ATÉ 225 kva EXTERNO AO EDIFICÍO

38 36 RELAÇÃO DE MATERIAIS Item Unid. Quantidade C DT DISCRIMINAÇÃO 1 pç 2 2 Poste de concreto 600 kgf. 2 pç v v Parafuso. 3 pç 4 4 Cruzeta madeira de lei 90 x 110 x 2400 mm. 4 pç 6 6 Isolador de pino para 15 kv. 5 pç 6 6 Pino para isolador de 15 kv. 6 pç 3 3 Para raio tipo válvula p/ distribuição c/ ferragens. 7 pç Conector adequado. 8 pç 8 Sela para cruzeta de madeira 110 mm. 9 kg v v Fio de cobre nu 16 mm². 10 kg v v Fio de cobre nu 25 mm². 11 pç 3 3 Conector tipo parafuso fendido. 12 pç 3 3 Conector paralelo de alumínio bimetálico tam. adequado. 13 kg v v Grampo de cerca. 14 pç 2 2 Prensa fio com 3 parafusos. 15 m v v Cabo de aço de ¼ SM. 16 pç 1 1 Transformador de distribuição trifásico. 17 pç v v Pasta anti oxida. 18 pç v v Eletroduto de ferro galvanizado. 19 pç 1 1 Curva de 90 graus. 20 pç 1 1 Bucha e contra bucha. 21 pç 1 1 Luva de emenda. 22 m v v Condutor de cobre isolado para 750 V. 23 kg v v Condutor de cobre ( neutro ). 24 pç v v Haste p/ terra com conector adequado. 25 pç 1 1 Caixa de alvenaria p/ medição de terra. 26 pç 1 5 Parafuso passante 16 mm ( 5/8 ) com. Adequado. 27 pç 2 Parafuso máquina 16 mm ( 5/8 ) com. Adequado. 28 pç Porca quadrada p/ parafuso de 16 mm ( 5/8 ). 29 pç Arruela quadrada 57 mm, com furo de 18 mm. 30 pç 8 Parafuso francês de 16 mm x 150 mm.

39 37 DESENHO 07 CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO ATÉ 300 kva INCLUSIVE B C C B CORTE AA A A CORTE CC CORTE BB

40 38 RELAÇÃO DE MATERIAIS Item Unid. Quant. DISCRIMINAÇÃO 1 pç 1 Estrutura de alvenaria. 2 pç 1 Caixa de alvenaria p/ passagem de cabo subterrâneo. 3 m v Cabo isolado p/ 15 kv dimens. adquado. 4 m v Eletroduto de ferro galvanizado. 5 pç v Suporte para fixação do eletroduto. 6 pç v Mufla terminal para cabo isolado. 7 pç 1 Suporte para mufla em barra de ferro chato ou cantoneira, tam adeq. 8 m v Barramento de cobre nu. 9 pç 1 Selecionados tripolar classe 15 kv 10 pç 1 Suporte p/ seccionador barra de ferro chato ou cantoneira, tam adeq. 11 pç 1 Alavanca de manobra p/ seccionador tripolar. 12 pç 1 Transformador de distribuição trifásico. 13 pç 1 Caixa de blindagem para buchas secundárias do transformador, tamanho adequado, com dispositivo de lacre. 14 par v Bucha e contra bucha, tamanho adequado. 15 pç 1 Eletroduto ferro esmaltado para B.T., dimensionamento adeq. 16 pç 1 Porta chapa metálica de 1200x2100 mm. 17 pç v Veneziana para ventilação natural. 18 pç 1 Grade de proteção removível com armação de cantoneira e tela de arame galvanizado com malha de 20 mm no máximo. 19 pç v Arandela para iluminação artificial. 20 pç 1 Extintor de incêndios gás carbônico de 6 KG no mínimo. 21 Sistema de drenagem c/ caixa de coleta de óleo. 22 Placa de advertência ESTA CHAVE NÃO PODERÁ SER MANOBRADA COM CARGA. 23 Placa de advertência PERIGO ALTA TENSÃO.

41 39 DESENHO 08 CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO ACIMA DE 300 kva CORTE AA CORTE BB A B B C C A PLANTA BAIXA CORTE CC

42 40 RELAÇÃO DE MATERIAIS Item Unid. Quant. DISCRIMINAÇÃO 1 pç 01 Estrutura de alvenaria. 2 pç 01 Porta metálica ou revestida de chapa metálica 1200 x 2100mm, tipo veneziana. 3 pç v Janela de iluminação natural. 4 pç v Grade de proteção com armação de cantoneira e tela de arame galvanizado com malha de 13mm no máximo, para proteção de janela de iluminação natural. 5 pç v Veneziana para ventilação natural. 6 pç v Grade de proteção removível com armação de cantoneira e tela de arame galvanizado com malha de 20mm no máximo. 7 pç v Arandela para iluminação artificial. 8 pç 01 Extintor de incêndio gás carbônico de 6kg no mínimo. 9 pç 03 Páraraios tipo válvula classe 15kV 10 pç 03 Suporte fixação das muflas e pararaios. 11 pç v Isolador pedestal classe 15kV. 12 kg v Barramento de cobre nu. 13 pç 02 Seccionador tripolar classe 15kV. 14 pç 02 Suporte para seccionador tripolar em barra de ferro chato ou cantoneira 3/ pç 3 Alavanca de manobra para seccionador tripolar. 16 m v Eletroduto ferro esmaltado de 38 (1 1/2")mm. 17 par 01 Bucha e contra bucha, tamanho adequado. 18 pç 01 Disjuntor tripolar classe 15kV. 19 pç v Transformador de distribuição trifásico. 20 pç v Haste para terra com conector adequado. 21 pç v Caixa de alvenaria para aterramento. 22 pç 01 Caixa de blindagem das buchas secund com dispositivo de lacre. 23 pç 02 Placa de advertência ESTA CHAVE NÃO PODE SER MANOBRADA COM CARGA. 24 pç 03 Placa de advertência PERIGO ALTA TENSÃO.

43 41 DESENHO 09 RAMAL DE ENTRADA SUBTERRÂNEA EM MÉDIA TENSÃO (CABOS UNIPOLARES) NOTAS

44 42 RELAÇÃO DE MATERIAIS Item Unid. Quant. DISCRIMINAÇÃO 1 pç 01 Poste de concreto 400 kgf. 2 pç 02 Cruzeta de madeira lei 90 X 110 X 2400mm. 3 pç 03 Chave fusível com elo adeq. e com ferragens. 4 pç 04 Pararaio tipo válvula classe 15kV com ferragens. 5 pç 02 Sela para cruzeta de madeira 110mm. 6 pç 02 Cinta para poste de concreto com parafusos e porcas, tam adeq. 7 pç 04 Mão francesa normal de 710mm. 8 pç 05 Conector tipo parafuso fendido. 9 pç 03 Conector paralelo de alumínio bimetálico tamanho adequado. 10 pç v Grampo de cerca. 11 kg v Fio de cobre nu número 25mm². 12 kg v Fio de cobre nu, bitola adequada. 13 kg v Cabo de cobre nu 25mm quad. para interligação das hastes de terra e descida dos pararaios. 14 kg v Arame de ferro galvanizado número 12 BWG. 15 pç 04 Mufla externa para entrada de serviço subterrâneo 15kV. 16 m v Cabo isolado para 15kV tipo sintenax ou similar dimens. adequado. 17 m v Eletroduto de ferro galvanizado, dimens. adeq. 18 pç 01 Caixa de alvenaria para passagem de cabo subterrâneo. 19 pç v Haste para terra com conector adequado. 20 pç 01 Caixa de alvenaria para aterramento. 21 pç 02 Parafuso de rosca dupla (passante) 16mm (5/8). 22 pç 01 Parafuso francês de 9,5mm (3/8 ) x 115mm (4 1/2"). 23 pç 02 Parafuso francês de 16mm (5/8 ) x (1 3/4"). 24 pç 02 Parafuso francês de 16mm (5/8 ) x 150mm (6 ). 25 pç 12 Porca quadrada para parafuso de 16mm (5/8 ). 26 pç 04 Porca quadrada para parafuso de 9,5mm (3/8 ). 27 pç 04 Arruela quad. 57mm (2 1/4") c/ furo 18mm (11/16 ) 28 pç 04 Arruela redonda com furo 11mm (7/16 ).

45 43 DESENHO 10 CAIXA DE PASSAGEM DE B.T

46 44 DESENHO 11 CAIXA DE BARRAMENTOS A A

47 45 DESENHO 12 AFASTAMENTO MÍNIMO ENTRE CONDUTORES E EDIFÍCIOS B B B A A A FIG. 1 FIG. 2 FIG. 3 A B B A FIG. 4 FIG. 5

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO COLETIVO EM BAIXA TENSÃO 220/127 V VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA ITEM ASSUNTO Página 01 FINALIDADE... 01 02 ÂMBITO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO TÍ TU L O ATENDIMENTO A EDIFÍCIO DE USO COLETIVO EM BAIXA TENSÃO 220/127 V CÓDIGO VERSÃO Nº R2

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO TÍ TU L O ATENDIMENTO A EDIFÍCIO DE USO COLETIVO EM BAIXA TENSÃO 220/127 V CÓDIGO VERSÃO Nº R2 TÍ TU L O NORMA DE DISTRIBUIÇÃO VERSÃO Nº R2 DATA DATA DA VIGÊNCIA 25/11/2013 ITEM ASSUNTO Página 01 FINALIDADE... 01 02 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 01 03 CONCEITOS BÁSICOS... 02 04 PROCEDIMENTOS... 04 05 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA 1. DETERMINAÇÃO DA CARGA INSTALADA a) Para definição do tipo de fornecimento, o consumidor deve determinar a carga instalada, somando-se a potência

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Dados do cliente Proprietário: Roney Casagrande CPF: 765.425.990-53 Endereço: Estrada Pinhal da Serra, n 04452, Interior Cidade: Pinhal da Serra RS CEP: 95.390-000 Dados da

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

ATENDIMENTO A EDIFÍCIO DE USO COLETIVO ATRAVÉS DE SUBESTAÇÃO DE TRANSFORMAÇÃO

ATENDIMENTO A EDIFÍCIO DE USO COLETIVO ATRAVÉS DE SUBESTAÇÃO DE TRANSFORMAÇÃO Manutenção da T Í T U L O NORMA DE DISTRIBUIÇÃO ATRAVÉS DE SUBESTAÇÃO DE TRANSFORMAÇÃO CÓDIGO APROVAÇÃO DATA DA Nº DATA R2 DCMD 01/09/2014 01/10/2014 Manutenção da CONTROLE DE REVISÃO Data Responsáveis

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO MATERIAL CÂMARA TRANSFORMADORA Unid. Quant. V. unit.r$ V. TotalR$ Placa de

Leia mais

NORMA TÉCNICA Padrão para Entrada de Serviço Simplificada

NORMA TÉCNICA Padrão para Entrada de Serviço Simplificada NORMA TÉCNICA Padrão para Entrada de Serviço Simplificada DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO DONOR - NTE 008 2ª Edição DPE/PPE 19/06/07 2 de 21 APRESENTAÇÃO Esta

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO.

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO. OBRA: COL. EST. RESIDENCIAL SÃO PEDRO - PROJETO PADRÃO SECULO XXI. LOCAL: - Rua Tucunaré com Rua Pacu e Avenida Astolpho Leão Borges APM-05, Residencial São Pedro Goianira - GO ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.009 SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO NOR TDE 103 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO DE DISTRIBUIÇÃO PRIMÁRIA 34,5 KV

MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO NOR TDE 103 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO DE DISTRIBUIÇÃO PRIMÁRIA 34,5 KV MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO NOR TDE 103 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO DE DISTRIBUIÇÃO PRIMÁRIA 34,5 KV CONTROLE DE REVISÃO Rev. Data Responsáveis Descrição Elaboração: 00 / /2009 Revisão:

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA

MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA MEMORIAL DESCRITIVO DE SUBESTAÇÃO ABAIXADORA DE ENERGIA ELÉTRICA CLIENTE: EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS- DR/PE CNPJ 34.028.316/0021-57 LOCAL: AVENIDA GUARARAPES Nº250-SANTO ANTÕNIO RECIFE-PE.

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 Página 1 de 1 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1.OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO DE DISTRIBUIÇÃO PRIMÁRIA 13,8 kv

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO DE DISTRIBUIÇÃO PRIMÁRIA 13,8 kv T Í T U L O NORMA DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO VERSÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA R1 I - GPC 11/04/2014 16/04/2014 CONTROLE DE REVISÃO Data Responsáveis Descrição 11/04/2014 Elaboração: Eng. Alberto J.

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-02 CAPÍTULO TÍTULO PÁGINA 1. GERAL ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1 1 1 Objetivo... 1 2 2 Terminologia... 1 2 2. CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO Instalação Nobreak 60 KVA - 380 V PROPRIETÁRIO: Procuradoria Geral de Justiça. 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO DADOS DO PROPRIETÁRIO

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

NORMA DE FORNECIMENTO

NORMA DE FORNECIMENTO NORMA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA REVISÃO: JULHO/2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 CAMPO DE APLICAÇÃO 3 DEFINIÇÕES 3.1 - Aterramento 3.2 - Caixa de Barramentos 3.3 - Caixa de Medição 3.4 - Carga Instalada

Leia mais

PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE

PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE PROJETO DE SUBESTAÇÃO ABRIGADA DE 750kVA DESTINADA AO PRÉDIO DA PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DE PERNAMBUCO, SITUADO NO MUNICÍPIO DE RECIFE NO ESTADO DE PERNAMBUCO. MEMORIAL DESCRITIVO 1. FINALIDADE:

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA DO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS 1 INDICE 1 OBJETIVO 2 NORMAS APLICÁVEIS 3 GENERALIDADES 4 METODOLOGIA 5 MEDIÇÕES DE GRANDEZAS

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 kv

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 kv Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 kv Fornecimento de Energia Elétrica em Tensões Secundária e Primária 15 KV NORTEC01 Capítulo Descrição Página 1 Finalidade 01 2 Âmbito

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL T Í T U L O ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA R3 DCMD 01/09/2014 01/10/2014 CONTROLE DE REVISÃO Data Responsáveis Descrição 01/09/2014 R3 Elaboração: Eng. Alberto J.

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Normas CEMIG ND2.1 - Instalações Básicas de Redes de Distribuição Áreas Urbanas ND3.1 - Projetos de Redes de Distribuição Aéreas Urbanas RDU Rede de Distribuição

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822 LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA N O 21/2015 1. Informações gerais sobre o local da vistoria: Imóvel sito a rua Jornalista Irineu Marinho nº 441 Icaraí Niterói RJ Nome do Condomínio: Edifício Luanda CNPJ/MP:

Leia mais

SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC

SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO 4.1. MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO S istema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA 01 18/11/2013 22/11/2013 ENGENHARIA E SISTEMAS TÉCNICOS (DTESES) MARCELO POLTRONIERI DTESES SUMÁRIO 1. RESUMO...

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01 29/07/2014 01/08/2014 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI DTESES SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço 1 Entrada de energia DEFINIÇÕES Instalação de responsabilidade do consumidor, compreendendo ramal de entrada, poste particular ou pontalete, caixas, dispositivos de proteção, eletrodo de aterramento e

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4 ª 05/12/2011 4.8.7.18 - Placa de identificação de subestação abrigada.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4 ª 05/12/2011 4.8.7.18 - Placa de identificação de subestação abrigada. Processo Realizar Novas Ligações Atividade Código Edição Data SM04.00-00.03 7ª Folha 1 DE 48 26/08/2014 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior 1ª 06/11/2007 Edição

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 9 Divisão da Instalação em Circuitos Porto Alegre - 2012 Tópicos Quadros de distribuição Disjuntores Divisão da instalação elétrica

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL PROCEDIMENTO DA DISTRIBUIÇÃO VERSÃO Nº R0 DATA DATA DA VIGÊNCIA 15/07/2013 Histórico de Revisões Revisão Alterações Data R0 - Versão Inicial. 21/06/2013 Página 2 de 10 1. ENCAMINHAMENTO Para apresentação

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 Página 1 de 13 COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 PADRÃO DE ENTRADA INDIVIDUAL ECONÔMICO COM POSTE DE AÇO E CAIXA DE POLICARBONATO TIPO PP Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA Índice 1 Introdução 2 Local da Obra 3 Normas 4 Malha de Aterramento 5 Equipamento e Materiais 6 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas 7 Cálculo dos Elementos

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE DOCUMENTO NORMATIVO CRITÉRIO DE PROJETO DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE Código Página Revisão Emissão CP 015 I 1 JAN/2004 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA

SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO 4.1. MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

FORNECIMENTO DE ENERGIA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO 1 FORNECIMENTO DE ENERGIA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO 2 1. INTRODUÇÃO 1.1. Objetivo A presente Norma Técnica tem por objetivo estabelecer os padrões da entrada de serviço de energia elétrica das

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NDU-010 VERSÃO 3.1 JUNHO/2013 SUMÁRIO Item Descrição Classe Desenho 1. Haste de Aço-Cobre para Aterramento...

Leia mais

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES A descrição das atividades tem como propósito facilitar o relacionamento entre a CONTRATANTE e a CONTRATADA, na medida em que visa

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4 ª 05/12/2011 4.8.7.18 - Placa de identificação de subestação abrigada.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4 ª 05/12/2011 4.8.7.18 - Placa de identificação de subestação abrigada. Processo Realizar Novas Ligações Atividade Código Edição Data SM04.00-00.03 5ª Folha 1 DE 46 30/11/2012 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior 1ª 06/11/2007 Edição

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO 1. GENERALIDADES 1.1 O projeto refere-se às instalações elétricas do empreendimento comercial localizado

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO INSPEÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA E INFORMAÇÕES SOBRE AS DIMENSÕES DOS TRANSFORMADORES DE MEDIÇÃO

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO INSPEÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA E INFORMAÇÕES SOBRE AS DIMENSÕES DOS TRANSFORMADORES DE MEDIÇÃO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO INSTRUÇÃO DE CÓDIGO TÍTULO VERSÃO IT.DT.PDN.03.14.011 INFORMAÇÕES SOBRE AS DIMENSÕES DOS 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Cuiabá Mato Grosso - Brasil SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 1-OBJETIVO...4 2-AMPLITUDE...4 3-RESPONSABILIDADE

Leia mais

CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO Critérios para Análise de Projetos Prediais ITD-14 Revisão 1 CEI.G DISTRIBUiÇÃO CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA ITD-14 Critérios

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-002 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-002 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-002 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA APROVAÇÃO Júlio César Ragone Lopes Diretor Corporativo de Engenharia e Construção DCEC Grupo Energisa Gioreli

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-002 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-002 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-002 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA NDU-002 CENF / CELB / CFLCL / ENERGIPE / SAELPA VERSÃO 1.0 MARÇO/2006 ÍNDICE Item Página 1. INTRODUÇÃO... 1 2.

Leia mais

ADENDO 02. Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT.

ADENDO 02. Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT. DIRETORIA TÉCNICA DEPARTAMENTO COMERCIAL DIVISÃO DE MEDIÇÃO ADENDO 02 Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT. Florianópolis, agosto de 2005.

Leia mais

TÉCNICA NTE - 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

TÉCNICA NTE - 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO NORMA TÉCNICA NTE - 014 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Cuiabá Mato Grosso - Brasil APRESENTAÇÃO...3 1-OBJETIVO...4 2-AMPLITUDE...4 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...4

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado.

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. CAIXA DE MEDIÇÃO EM 34, kv 1 OBJETIVO Esta Norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas da caixa de medição a ser utilizada para alojar TCs e TPs empregados na medição de

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 4EN 2013/1 SOLIVAN ALTOÉ SISTEMA ELÉTRICO CONCEITOS BÁSICOS SISTEMA ELÉTRICO CONCEITOS BÁSICOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Transmissão de energia elétrica A tensão elétrica

Leia mais

TABELA 10 - POTÊNCIAS MÉDIAS DE APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS E DE AQUECIMENTO

TABELA 10 - POTÊNCIAS MÉDIAS DE APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS E DE AQUECIMENTO ND-5.1 7-8 TABELA 10 - POTÊNCIAS MÉDIAS DE APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS E DE AQUECIMENTO Aparelhos de Aquecimento e Eletrodomésticos Tipo Potência Tipo Potência ( W ) ( W ) Aquecedor de Água até 80 L 1.500

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com Projeto Elétrico Padrão de Medição, fornecimento de energia em tensão primária 13.8kV, a partir da rede aérea de distribuição para atender Defensoria Pública do Estado da Paraíba. Responsavel Técnico:

Leia mais

ENTRADA DE ENERGIA PARA PRÉDIOS DE MÚLTIPLAS UNIDADES AES SUL - CEEE

ENTRADA DE ENERGIA PARA PRÉDIOS DE MÚLTIPLAS UNIDADES AES SUL - CEEE ENTRADA DE ENERGIA PARA PRÉDIOS DE MÚLTIPLAS UNIDADES AES SUL - CEEE 1 LIMITES DE FORNECIMENTO Tensão secundária de distribuição Ligações individuais com carga instalada até 75kW. Edificações de múltiplas

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura Municipal de BOMBINHAS Secretaria de Educação CEIT BOMBINHAS PROJETO

Estado de Santa Catarina Prefeitura Municipal de BOMBINHAS Secretaria de Educação CEIT BOMBINHAS PROJETO Estado de Santa Catarina Prefeitura Municipal de BOMBINHAS Secretaria de Educação CEIT CENTRO EDUCAÇÃO INTEGRAL TECNOLÓGICA BOMBINHAS MEMORIAL DESCRITIVO SUBESTAÇÃO DE ENERGIA PROJETO CENTRO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica em Média Tensão à Edificações de Uso Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executa Ligação AT Código Edição Data SM04.08-01.002 8ª Folha 1 DE 67 22/08/2014 HISTÓRICO

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-003 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-003 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-003 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-003 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA A AGRUPAMENTOS OU EDIFICAÇÃO

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição NORMA. Junho/2008 NORMA NC.02

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição NORMA. Junho/2008 NORMA NC.02 Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição NORMA NORMA NC.02 NC.02 Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição - CERVAM Cooperativa de Energização e de

Leia mais

Eletrodutos de PVC Rígido Tipo Rosqueável

Eletrodutos de PVC Rígido Tipo Rosqueável Barramentos de Cobre Medida Peso Amperagem /8 x 1/16 0,15kg 5 1/2 x 1/16 0,180kg 45 /8 x 1/8 0,269kg 7 1/2 x 1/8 0,58kg 97 5/8 x 1/8 0,448kg 122 /4 x 1/8 0,57kg 146 1 x 1/8 0,717kg 195 1.1/4 x 1/8 0,896kg

Leia mais

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO PADRÃO DE MEDIÇÃO AGRUPADA DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO Diretoria Técnica Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras PADRÃO DE M EDIÇÃO AGRUPADA DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO No

Leia mais

Simbologia de instalações elétricas

Simbologia de instalações elétricas Simbologia de instalações elétricas Os símbolos gráficos usados nos diagramas unifilar são definidos pela norma NBR5444, para serem usados em planta baixa (arquitetônica) do imóvel. Neste tipo de planta

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Companhia Paranaense de Energia COPEL NORMAS TÉCNICAS COPEL NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Órgão Emissor: Coordenação de Comercialização de Energia - CCD Coordenadoria de

Leia mais

R & R Projetos e Instalações Ltda ( MASTER Engenharia em Eletricidade)

R & R Projetos e Instalações Ltda ( MASTER Engenharia em Eletricidade) PROJETO ELÉTRICO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA CEFET - BA MEMORIAL DESCRITIVO Este projeto visa a unificação de medição de média tensão, reforma da subestação II e instalação de alimentadores

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

Diretoria de Distribuição e Comercialização

Diretoria de Distribuição e Comercialização Classificação: Público CEMIG Distribuição SÃ Diretoria de Distribuição e Comercialização Manual de Distribuição PROJETOS DE REDES DE DISTRIBUIÇAO SUBTERRÂNEAS PARA ATENDIMENTO A CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS

Leia mais

Finalidade... : ILUMINAÇÃO PÚBLICA PRAÇA JOÃO PESSOA Nº08

Finalidade... : ILUMINAÇÃO PÚBLICA PRAÇA JOÃO PESSOA Nº08 MEMORIAL DESCRITIVO 1. INTRODUÇÃO: O presente memorial tem por objetivo possibilitar uma visão global do projeto elétrico e da implantação da rede de distribuição em Baixa Tensão e iluminação pública do

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA /2010 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R substitui a R02 e visa estabelecer instruções técnicas para

Leia mais

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES 3$'5 2'((6758785$6 '(/,1+$6(5('(6 PARTE 1 ASPECTOS GERAIS INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras ASPECTOS GERAIS PARTE

Leia mais

Padrão de Entrada COELBA. Padrão de Entrada Monofásico

Padrão de Entrada COELBA. Padrão de Entrada Monofásico Padrão de Entrada COELBA Informações do site www.coelba.com.br Padrão de Entrada é o conjunto de instalações composto de caixa de medição, sistema de aterramento, condutores e outros acessórios indispensáveis

Leia mais

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA EM SUBESTAÇÕES DE MÉDIA E ALTA TENSÃO 13,8kV

MANUTENÇÃO PREVENTIVA EM SUBESTAÇÕES DE MÉDIA E ALTA TENSÃO 13,8kV MANUTENÇÃO PREVENTIVA EM SUBESTAÇÕES DE MÉDIA E ALTA TENSÃO 13,8kV EQUIPAMENTOS CONSTANTES: 1.0 CABINE SEMI-ENTERRADA (MECANICA) 13,8 kv - GENÉRICA 1.1.1 Disjuntor de Alta Tensão (classe tensão 15 KV);

Leia mais

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição DICAS Instalações elétricas residenciais 8ª Edição DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim

Leia mais

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO

No DATA DISCRIMINAÇÃO DA REVISÃO REVISOR APROVAÇÃO PADRÃO DE MEDIÇÃO INDIVIDUAL DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO Diretoria Técnica Gerência de Planejamento e Egenharia Processo de Engenharia e Obras 3$'5 2'(0(',d 2,1',9,'8$/'(&/,(17(6 (0%$,;$7(16 2 No DATA

Leia mais

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz 1 Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz Prezado Usuário, A partir de agora você estará utilizando um sistema que integra Dados, Voz e Imagem em uma rede de alta confiabilidade, com equipamentos

Leia mais

Memorial Descritivo e Especificação Técnica dos Materiais

Memorial Descritivo e Especificação Técnica dos Materiais FL.: 1/16 REV.: 00 SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA INSTALAÇÃO ELÉTRICA DO AR CONDICIONADO CENTRO DE CULTURA, MEMÓRIA E ESTUDOS DA DIVERSIDADE SEXUAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. LOJAS 515 e 518 - METRÔ REPÚBLICA

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO MOMENTÂNEO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição Norma 05/2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejamento e Operação

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE ITA - 006 Rev. 0 Setembro / 2003 Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com

Leia mais

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea ITEM DESCRIÇÃO QUANT. 1.00 REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.1 Cabo de alumínio com alma de aço (CAA), seção 4/0, diâmetro externo

Leia mais