DIMENSIONAMENTO E ESPECIFICAÇÃO DE FILTRO SINTONIZADO PARA INSTALAÇÃO NA REDE SECUNDÁRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIMENSIONAMENTO E ESPECIFICAÇÃO DE FILTRO SINTONIZADO PARA INSTALAÇÃO NA REDE SECUNDÁRIA"

Transcrição

1 DIMENSIONAMENTO E ESPEIFIAÇÃO DE FITRO SINTONIZADO PARA INSTAAÇÃO NA REDE SEUNDÁRIA ANTÔNIO. B. AVES 1, EUER B. DOS SANTOS 1, FÁVIO R. GARIA, RAFAE NIESON Escola de Engenhaia Elética e de omputação, Univesidade Fedeal de Goiás Av. Univesitáia, 1488, Bloco A, 3º Piso, EP , GOIÂNIA-GO s: IESA, ARARAQUARA-SP EG Distibuição SA, GOIÂNIA-GO Abstact The nonlinea loads distot the wavefoms cuents in the distibution system of electicity and impose new challenges fo the powe utilities in custome sevice. The main cause of the hamonic distotion is the existence of powe electonics devices that pepocess the electicity fo final consumption, and is cuently found in pactically all appliances. The hamonic cuents that popagate though impedances of equipments distot the voltage that is intensified by capacito banks installed fo eactive powe compensation. An altenative to the use of capacito is the installation of passive filte in paallel with the distibution tansfome. To each the success in the use the filte, is need make an adequate sizing of components and to cay out the analysis of the suppotability of capacitos and eactos. The complete pocedue of the filte design tuned fo the 5 th hamonic is pesented in this aticle that culminates in its constuction. Keywods Hamonic filte design, eactive powe compensation, powe quality Resumo As cagas não lineaes causam distoções nas ondas de coentes no sistema de distibuição e impõem novos desafios às distibuidoas de eleticidade no atendimento aos clientes. A pincipal causa dos hamônicos é a existência de convesoes que pépocessam a enegia paa o consumo final, sendo atualmente encontados em paticamente todos os eletodomésticos. As coentes hamônicas distocidas ao fluíem nas impedâncias dos componentes da ede distocem a tensão e essas distoções são intensificadas com o empego de capacitoes instalados paa compensação. Uma solução altenativa ao empego de capacito é a instalação de filto passivo em paalelo com o tansfomado de distibuição. Paa te sucesso na utilização de filto, é necessáio o coeto dimensionamento e que seja ealizada a análise da supotabilidade dos capacitoes e indutoes. O pocedimento completo do pojeto de um filto paa o 5º hamônico é apesentado neste atigo que culmina na sua constução. Palavas-chave Pojeto de filto hamônico, compensação de potência eativa, qualidade da enegia elética 1 Intodução Qualidade da enegia elética (QEE) tata de questões elacionadas à ausência de poblema na tensão, coente ou fequência de um sistema elético, que esulte em falha ou opeação inadequada de um equipamento do consumido final. Paa ofeece aos consumidoes uma tensão adequada no que se efee à confomidade e à distoção hamônica, a concessionáia deve obseva o que estabelece o PRODIST, confome ANEE (007). Outo aspecto que se não fo obsevado pela concessionáia influenciaá o desempenho da empesa são as pedas eléticas na ede de distibuição. A magnitude da tensão, a distoção hamônica e a potência eativa podem se geenciadas pelo empego da compensação eativa com o uso de filtos hamônicos (Deckmann, 005). Uma solução mais eficiente do que o uso de capacitoes é a colocação de filtos no lado da tensão secundáia de distibuição, junto ao tansfomado de distibuição. Um filto passivo tifásico instalado em paalelo no secundáio de um tansfomado de distibuição, dimensionado de foma coeta paa supimi o conteúdo hamônico de uma especificada fequência, popicia um caminho de alta admitância paa a componente hamônica da coente e, a fequência fundamental, compota-se como um compensado de eativos (Macedo J., 004). O filto contibui, dessa foma, paa eduzi a distoção hamônica, além de não taze isco de essonância na fequência paa o qual foi pojetado. Uma metodologia de dimensionamento de filto hamônico sintonizado e de análise de supotabilidade de seus componentes é apesentada em detalhes neste tabalho. O método é aplicado paa pojeta um filto paa o 5º hamônico, com capacidade efetiva de compensação eativa de 15kVA, constuído paa se instalado no secundáio de um tansfomado de distibuição de 75kVA onde foam efetuadas medições. Este atigo está estutuado como segue: inicialmente são estabelecidos os pincípios do pojeto; é apesentada a teoia que espalda o dimensionamento dos componentes do filto; a análise de supotabilidade dos componentes tem sua fomulação apesentada; aspectos tecnológicos do capacito e do eato são discutidos; ao final, apesenta-se o filto de 5º hamônico constuído paa o fim especificado. Todos os desenvolvimentos estão embasados em publicações ecentes e nas ecomendações Std 1531 e 18, 1179

2 espectivamente, IEEE (003) e IEEE (00). As hipóteses paa estes estudos são: análise hamônica em condições balanceadas, ausência de hamônicos tiplos e epesentação das distoções hamônicas po meio de fonte de coente. visto do ponto de acoplamento comum (PA), confome mosta a figua. ˆ ( n) I f Pincípios do pojeto do filto Esta seção tata dos pincípios que devem notea o pojeto de um filto hamônico, que são: os citéios aplicáveis; o ponto de localização dos analisadoes de QEE e a localização poposta paa o filto shunt na ede; o cicuito equivalente; a coleta e a análise dos dados das medições dos conteúdos hamônicos das coentes e das tensões, os indicadoes de distoção e também a configuação do filto..1 itéios Ao instala um filto passivo em deivação busca-se o atendimento de ao menos um dos seguintes objetivos: (a) mitiga a distoção hamônica, com o popósito de adequa o THD de tensão ao limite estabelecido pelo PRODIST (THD 10%, e distoção hamônica individual de tensão elativa ao 5º hamônico infeio a 7,5% paa baixa tensão (ANEE, 007)); (b) pove uma pacela da potência eativa equeida pela distibuição, que consistiá em dimensiona o filto paa compensa a potência eativa. Paa avalia a conveniência de adota o segundo citéio de pojeto é necessáio analisa as medições do caegamento eativo do tansfomado.. ocalizações do Analisado e do Filto Um filto seá pojetado paa instalação no sistema de distibuição, no lado de baixa tensão de um tansfomado de distibuição de 75kVA pé-selecionado com o objetivo de atende a compensação eativa do cicuito secundáio e também mitiga a distoção hamônica da tensão, em paticula o 5º hamônico. A figua 1 mosta os elementos da análise. Fonte de coentes hamônicas PA X 13,8kV % X T Figua 1. Diagama unifila com os pincipais elementos da análise.3 icuito Equivalente Fonte-Filto-Sistema As análises do desempenho e da supotabilidade do filto são conduzidas a pati de um cicuito equivalente S Filto 380 V Analisado onsumidoes da ede secundáia I ˆ( n ) Figua. icuito equivalente mostando a fonte de hamônicos, o filto e o sistema A A caga não linea é modelada po uma fonte de coente independente, com magnitude constante paa a hamônica de odem n. A admitância do filto em função da odem hamônica n e da odem de sintonia do filto, h, é deteminada pela expessão (1), paa n h e paa n=h: 1 R n h n h 1+ jq( ) h n Y ( n) = (1) 1 R(1 jδ mq) n = h 1+ (δ mq) A expessão da admitância do filto na fequência de sintonia considea o efeito do desvio máximo equivalente de fequência da sintonia δ m, que depende da toleância dos valoes dos componentes e e da pópia vaiação da fequência da ede. Tal desvio situa-se ente 1,5% e 3% da fequência da ede (Nascimento, 008), podendo chega a 4%..4 Medições Y (n) (n) Y S Numa etapa que antecedeu ao dimensionamento do filto, medições foam efetuadas na ede secundáia do sistema de distibuição, utilizando analisadoes Danetz e ION, localizados como na figua 1. A efeência (Santos, 007) documenta as medições. Das medições ealizadas, sendo a maio pate ealizada na ede secundáia e em tansfomadoes de 45, 75 e 11,5kVA, constatou-se que, apesa das tensões teem apesentados conteúdos hamônicos, quanto a amplitudes tais hamônicos evelaam-se eduzidos, sendo a mais ponunciada a componente de 5º hamônico. A distoção hamônica individual de tensão nesta fequência situou-se em média em tono de,5% e, a THD, infeio a 4%. Ao contáio das tensões, nas coentes foam obsevadas elevadas amplitudes de 5º e 7º hamônicos, esultando em THDs de coente bastante expessivas, situadas ente 5% e 30%. As componentes de 5º hamônico das coentes medidas apesentaam distoções hamônicas individuais de até 16%. Esta caacteística é típica de alimentadoes e cicuitos secundáios ubanos, pincipalmente, devido a cagas eletônicas. Foam medidos também os caegamentos de potência ativa e de potência eativa paa alguns dos tansfomadoes de distibuição selecionados. Dado 1180

3 que, na pesença de hamônicos, o uso de capacitoes não é ecomendado, o dimensionamento do filto seá efetuado paa compensa o tansfomado de distibuição e também mitiga um dado hamônico..5 onfiguação do Filto Dente as configuações tifásicas do filto ecomendadas pelas efeências IEEE (003) e Dugan (003), optou-se pela ligação dos capacitoes em, confome ilusta a figua 3(a). O cicuito da figua 3(b) é a epesentação po fase, sendo =3. A B (a) (b) Figua 3. Modelos de cicuito do filto. (a) onfiguação tifásica. (b) icuito equivalente po fase com a esistência efetiva do filto A ligação foi escolhida po azões de custo, pois possui ⅓ da capacitância em Y, o que eduz a quantidade de mateial necessáio paa se obte a mesma potência eativa. Este fato é válido apenas paa tensões abaixo de 600V. 3 Fundamentos do Dimensionamento do Filto Nesta seção, as gandezas potência, tensão e eatância são efeidas a fequência fundamental. 3.1 Potência Reativa Requeida na ompensação O pimeio passo consiste em detemina a potência eativa equeida paa a compensação, que é a potência efetiva do filto, Q eff, atavés de (). 1 fp = γ S fp 0 tg( accos fp0) () fp Q eff Em que γ é o caegamento do tansfomado e S é a sua potência apaente nominal; fp 0 é o fato de potência antes da compensação eativa, e fp é o fato de potência desejado. O índice eff significa efetiva. A figua 4 mosta gáficos da potência eativa de compensação em função do fato de potência, paametizados com os caegamentos 70, 80, 90 e 100% paa um tansfomado de 75kVA, supondo-se que o fato de potência inicial é indutivo e igual a 0,85. Da figua, paa se alcança um fp de 0,95, paa um caegamento γ=0,8 do tansfomado, seá exigido que o filto tenha potência efetiva de 15kVA. R Figua 4. Potência eativa efetiva de pojeto vesus fato de potência paa um tansfomado de 75kVA Paa tês potências de tansfomadoes e quato caegamentos, a tabela 1 indica as potências eativas paa alcança fato de potência igual a 0,95. Tabela 1. Potências eativas a fequência fundamental paa difeentes tansfomadoes e caegamentos e fato de potência inicial de 0,85 Potência do tansfomado (kva) Potência eativa efetiva do filto (kva) vesus caegamento γ 70% 80% 90% 100% , Selecionada a potência que o filto deve te, Q eff, supondo-se que ele seá conectado ao PA opeando à tensão de linha nominal, V, calcula-se a eatância efetiva do filto po fase pela aplicação de (3). X eff 3. Fequência de Sintonia V = (3) Q Os paâmetos e do filto hamônico passivo sintonizado são calculados paa que o equipamento apesente uma alta admitância paa a componente hamônica da coente a se filtada. A decisão sobe qual fequência filta depende dos esultados das medições. Neste pojeto, deseja-se mitiga o hamônico cuja fequência é 300Hz. Os capacitoes e os indutoes apesentam toleâncias associadas aos valoes de suas capacitâncias e indutâncias. Do ponto de vista da fabicação, capacitoes de potência têm toleâncias de 0% a +10% em elação ao valo de placa (IEEE, 00), podendo chega a +15% (valoes a 5º, kva de placa em tensão e fequência nominais). As toleâncias das indutâncias de eatoes, peconizadas po fabicantes e consultoes, situam-se na faixa 3% a 7% do valo nominal. Em vista desses fatos, de acodo com a noma IEEE (003), o filto deve se pojetado admitindo-se que os valoes nominais de e de estaão sujeitos às vaiações descitas. Essas vaiações são consideadas no cálculo da fequência de sintonia do filto utilizando-se (4). f0 f = (4) (1 + t )(1 + t ) eff 1181

4 Em que f é a vedadeia fequência de sintonia (de odem h, sendo h = f /60) e f 0 é a fequência do hamônico que se que mitiga. t e t são toleâncias em pu das capacitâncias e indutâncias nominais. A seleção da fequência de sintonia do filto em um valo ligeiamente infeio a f 0 (neste pojeto é 300Hz) é essencial paa peveni a essonância ente o filto e a ede. A técnica funciona do seguinte modo: ao especifica a sintonia do filto em f tal que f < f 0, paa as fequências infeioes a f, o filto exibiá admitância capacitiva; paa as fequências acima deste valo, sua admitância seá indutiva. Paa f 0, o filto exibiá admitância indutiva, não apesentando então isco de essonância com a admitância indutiva do sistema. A IEEE (003) ecomenda que a fequência de sintonia f tenha h ente 4,33 e 4,76. Potanto, a fequência de sintonia do filto elaciona-se com e pela equação (5). f 1 = (5) π 3.3 apacitância e Indutância do Filto Ao defini a = h ( h 1), conhecida a eatância efetiva X eff, a eatância capacitiva X do filto paa fequência fundamental é obtida aplicando-se (6). X = ax eff (6) A eatância indutiva do filto paa fequência fundamental, X, é obtida da eatância capacitiva aplicando-se a expessão (7). X X = (7) h 3.4 Potência do apacito e do Induto No cicuito do filto, os capacitoes e os indutoes são ligados em séie, implicando que esses elementos individualmente estaão a tensões fundamentais difeentes da tensão do PA. Se V é a tensão de linha nominal do PA, a tensão no capacito na configuação tifásica em ligação é dada po (8). V = av (8) A potência eativa a fequência fundamental dos capacitoes da ligação é calculada po (9). Q 3 a V = ω (9) Na fequência fundamental, a admitância do filto é paticamente igual a admitância do capacito. Paa compova esta afimativa, basta supo n<<h e n=1 em (1) e a admitância se tonaá pedominantemente capacitiva. É po esta azão que, na fequência fundamental, o filto opea como se fosse um capacito e o conjunto capacito-induto fonece uma potência eativa fundamental igual a Q eff. 3.5 Seletividade do Filto A seletividade é medida pelo fato de qualidade, que, paa o cicuito da figua 3(a), é dado po (10). Q = R (10) Definidos os paâmetos e, a seletividade dependeá apenas do valo da esistência R, mas que somente seá conhecida após a constução do eato. Nem sempe o fato de qualidade maio coesponde ao pojeto de melho desempenho, po causa da dessintonização, que é quantificada po δ m, que é o desvio máximo equivalente de fequência. Na pática, isto faz com que a fequência de sintonia do filto seja coigida pelo fato (1±δ m ) e a admitância (vide expessão (1) paa n=h) tende a eduzi com a dessintonização podendo até mesmo pejudica o desempenho do filto. Em pojetos de filtos sintonizados paa sistemas eléticos, o fato Q é da odem de 50 (Ahn, 008). 4 álculo dos Paâmetos e O tansfomado tem potência nominal 75kVA e caegamento médio póximo de 80%. Deseja-se dimensiona um filto paa compensa 15kVA opeando em 380V. om a aplicação de (3), obtém-se X eff =9,667Ω. Especifica-se a fequência de sintonia do filto em 88Hz, potanto, h =4,8. om os valoes obtidos e com o uso das expessões (6) e (7), calculam-se a eatância capacitiva po fase, X =10,0634Ω, e a eatância indutiva po fase, X =0,4368Ω, isto é, X (1) e X (1), espectivamente. Destes valoes extaem-se a capacitância =63,59µF e a indutância = 1.158,65µH, confome o modelo da figua 3(b). Na ligação, a capacitância po fase é 87,86µF. Dos valoes calculados tem-se a potência eativa fundamental do banco de capacitoes igual a Q =15,68kVA. Paa opeação em tensão nominal de 380V, a potência eativa fundamental dos indutoes é Q =0,68kVA, confomidade () e (9). Apesa do igo dos cálculos, essalta-se que os valoes de e não seão exatamente iguais aos obtidos. As azões paa isto é que se teá que escolhe o capacito dente os disponíveis na indústia e o eato seá constuído sob medida paa o pojeto, impondo na pática que os valoes definitivos seão os mais póximos dos calculados. 5 Análise de Supotabilidade dos omponentes Nesta análise seão deteminados os valoes máximos de coente e tensão a que estaão submetidos os elementos e do filto quando em condições de egime pemanente e opeação contínua. Ao final, o pojetista estaá em condições de especifica as capacidades dos componentes em temos da tensão, coente e potência. 5.1 imites Os capacitoes são pojetados paa opea abaixo ou no máximo igual à sua tensão nominal. No entanto, esses equipamentos devem supota, em opeação contínua sob contingência do sistema e do banco, os limites de tensão, coente e potência, definidos po IEEE (00), confome a tabela. O limite de tensão eficaz leva em conta os efeitos combinados dos hamônicos e sobetensão de até 110% 118

5 da tensão nominal do capacito (ou seja, o valo eal da capacitância podeá se até 10% do valo nominal). Tabela. imites a seem obsevados paa capacitoes de potência Gandeza Tensão eficaz Tensão de pico oente eficaz Potência eativa imites 110% da tensão eficaz nominal 10% da tensão eficaz nominal 1,7 da tensão eficaz nominal 135% da coente eficaz nominal (baseada no kva e tensão eficaz nominal) 135% do kva nominal A limitação do eativo visa estingi o sobeaquecimento do dielético. Se os limites não foem obsevados, podeá ocoe a degadação dos dieléticos dos capacitoes em decoência de fenômenos témicos e químicos (Duate, 001). Há ainda a estição de que a coente total eficaz no capacito, incluindo os hamônicos, não deve ultapassa 180% da coente nominal. Além de possuíem caacteísticas constutivas adequadas à opeação hamônica, os capacitoes seão selecionados pela tensão e potência eativa nominal. A escolha dos capacitoes do filto é mostada a segui. 5. Estimativas das oentes no Filto omo o filto está na fase de pojeto é impossível detemina com pecisão as magnitudes das coentes hamônicas que ciculaão atavés de seus componentes. ontudo, estimativas podem se feitas a pati das medições ealizadas no ponto da ede onde é pevisto o filto ou atavés da análise de cicuitos. O pimeio passo deste pocedimento consiste em calcula a coente fundamental no cicuito do filto, confome IEEE (003), I V f ( 1) = (11) 3X eff O póximo passo considea a coente fundamental como base paa o cálculo das coentes hamônicas que fluião atavés do cicuito do filto. Na falta de infomação da admitância do sistema, pode-se admiti Y S (n) nula, o que implicaia que toda coente geada pela fonte hamônica penetaia o filto. Em paticula, a componente de 5º hamônico da coente pode se estimada consevativamente atavés de (1). = I( h) 1+ (δ m ) (1) I ( h) Q f A coente total no filto em valo eficaz é então obtida consideando-se os esultados de (11) e (1), além das coentes hamônicas medidas. 5.3 Tensão e Potência Reativa com Hamônicos onfome a IEEE (003), a tensão total máxima V no capacito é dada pela soma linea mostada em (13), V = X I (1) + X ( n) I ( n) (13) n Paa a configuação da figua 3(a) em que os capacitoes estão ligados em, ao aplica (13) deve-se considea X (n) = 3X /n, I (n) = I f (n)/ 3 e V = V. De posse de V obtém-se a tensão de linha no capacito V. om a tensão obtida e a coente eficaz no capacito, obtém-se a potência eativa total mínima que o capacito deve se capaz de supota, Q = 3V I (14) eficaz 5.4 Pevenindo o Supeaquecimento do Dielético A intensidade do aquecimento do dielético vaia com o poduto fequência vesus capacitância e vesus quadado da tensão, deivando dessa elação o fato 1,35 (isto é, 1,1 x1,15 1,35). Assim, a uma dada fequência hamônica, o aquecimento dependeá da potência eativa coespondente. Este passo consiste em veifica se o aquecimento do dielético do capacito é aceitável, e paa tal utiliza-se a desigualdade (15) (IEEE, 003). 3 V ( n) I ( n) 1, 35 Q n 1 (15) Finalmente, de posse da tensão e da potência eativa Q escolhe-se o capacito dente aqueles disponíveis na indústia e que, simultaneamente, satisfaça os equisitos da seção 4. A IEEE (00) taz valoes típicos de tensão e potência nominais paa oienta a escolha. 5.5 Supotabilidade do Reato No cálculo da supotabilidade do eato, as seguintes gandezas devem se especificadas: (a) a tensão total no eato; (b) a coente em valo eficaz; (c) a máxima coente de cuto-cicuito disponível no eato e o tempo que o eato supotaá tal coente; e (d) o mínimo nível básico impulsivo de isolação equeido pela bobina (BI) (IEEE, 003). A tensão total é calculada po uma expessão análoga a (13) substituindo-se X (n) po X (n) e I (n) po I f (n), que, neste caso que o eato está em séie com o capacito, é baixa. Paa se detemina a coente de cutocicuito no eato são necessáias a potência de cutocicuito no ponto de instalação do filto e a eatância do tansfomado de distibuição, que totalizam X S. A coente simética de cuto-cicuito é dada po (16). V I = (16) 3( X S + X ) O BI caacteiza a classe de isolação do equipamento e, dado que não há noma específica paa eatoes de potência, é usual utiliza infomações extaídas de nomas de tansfomadoes. 6 álculos da Supotabilidade om a expessão (11) obtém-se a coente fundamental no filto, I f (1) =,8A. A pati das medições ealizadas (vide subseção.4), as coentes hamônicas que fluião atavés do cicuito do filto são estimadas. Paa cada odem hamônica e a espectiva distoção individual, apesenta-se a coespondente coente estimada em valo eficaz, em ampèes: 7º 10%,3; 11º 4% 0,9; 13º % 0,5. Odens hamônicas supeioes ao 13º foam despezadas. Apesa do 5º hamônico te apesentado nas medições distoção individual de até 16%, uma melho estimativa paa a componente de 5º hamônico 1183

6 no filto é obtida utilizando-se (1), admitindo-se Q = 50 e δ m = 0,04. Assim, I f (5) esulta em 14,8A. A coente total no filto em valo eficaz é I eficaz = 7,3A. omo os capacitoes são ligados em, a coente nos mesmos é 1/ 3 meno, ou seja, 15,8A. Paa veificação dos limites de tensão obtém-se V = 456,8V utilizando-se as coentes estimadas e a expessão (13); consequentemente, a tensão de linha é V =456,8V. A pati de V e I eficaz, a aplicação de (14) esulta em Q = 1,6kVA. Paa peveni aquecimento excessivo do dielético, considea-se a desigualdade (15): o pimeio membo de (15) esulta 17,0kVA e o segundo membo, 9,kVA, (ou seja, 1,35x1,6kVA). Potanto, a condição é atendida, significando que o aquecimento do dielético do capacito é aceitável. De posse das tensões e da potência eativa Q, selecionam-se a tensão e a potência eativa do capacito. Dos cálculos da supotabilidade, especificou-se um banco de capacitoes com tensão nominal 590V e capacidade de potência eativa de 35kVA, e nível de isolamento 15kV. Paa opeação sob hamônicos o dielético deve se líquido e esistente a descagas paciais. A tensão em valo eficaz, V =456,8V, atende a condição V 1,1x590V com folga. O capacito sob 590V possui 35kVA e conduziá coente eficaz de 34A. Dado que a coente estimada incluindo os hamônicos é 7,3A, potanto, um valo infeio a 1,8 34, conclui-se que a escolha é satisfatóia. Dos cálculos mostados, o eato pecisa se pojetado paa conduzi em egime pemanente no mínimo a coente em valo eficaz de 7,3A. No pojeto dos eatoes são utilizados nos enolamentos condutoes de cobe esmaltado de seção igual a 5mm. Em condição de egime, o eato pode alcança tempeatuas póximas de 70º (Ahn, 008). Emboa a laminação EE com entefeo seja a indicada paa núcleos de eatoes de potência (Mcyman, 004), utilizou-se o caetel. A máxima coente de cuto-cicuito no eato é calculada a segui. A potência de cuto-cicuito no PA obtida da concessionáia é 67MVA e a eatância do tansfomado de 75kVA é X T = 4%. Estes dados esultam na impedância do sistema-tansfomado no secundáio: X S =79,mΩ. A coente de cuto-cicuito é 45A. 7 O Filto onstuído om base nas análises e nos cálculos, o pojeto e a constução do filto ficaam a cago da IESA S/A, de Aaaquaa-SP. O filto com as especificações apesentadas é mostado na figua 5. Figua 5. Filto tifásico sintonizado paa o 5º hamônico Os capacitoes que atendem as especificações da seção 6 apesentam, po fase, capacitância igual a 89µF na ligação, contém o dielético WEMO II, BI igual a 15kV, tendo sido fabicados pela INEPAR. oncluída a constução dos eatoes, cada unidade apesentou indutância igual a 1,145mH. Todos os equisitos do pojeto são espeitados. 8 onclusões O dimensionamento e a especificação de um filto paa instalação em cicuito secundáio de distibuição foam apesentados. Demonsta-se que o cálculo dos paâmetos do filto não é a etapa conclusiva do pojeto. A análise de supotabilidade a hamônicos, o pojeto e a constução do eato, a especificação e tipo do capacito escolhido é que são decisivos paa a definição dos vedadeios valoes dos componentes do filto. Dente todas as etapas do pojeto de um filto, a medição é talvez a mais impotante. É com base na medição das distoções hamônicas e na quantidade de potência eativa necessáia no cicuito é que se decide pelo empego ou não de filtos de hamônicos. A pati dos dados obtidos das medições é que se ealiza a análise da supotabilidade dos componentes do filto. O filto de hamônicos constuído (figua 5) está instalado e em opeação na ede de distibuição. O acompanhamento do seu desempenho está sendo feito atavés de medições peiódicas. Refeências Bibliogáficas Ahn, S.Un. et al. (008). Utilização de filtos hamônicos passivos em edes secundáias de distibuição: tecnologia e desempenho. BQEE, Santos. ANEE (007). PRODIST: Módulo 8. Deckmann, S et al. (005). ompensação capacitiva em edes de baixa tensão com consumidoes domésticos: impactos no nível de tensão e na distoção hamônica. VI SBQEE, Belém-PA. Duate,.H.S.; Alves, M.F. (001). Degadação dos capacitoes de potência sob influência dos componentes hamônicos, XVI SNPTEE, ampinas. Dugan, R.. et al. (003). Electic powe system quality, McGaw-Hill, nd ed. 51p. IEEE (003). Guide fo application and specification of hamonic filtes, Std IEEE (00). Standad fo shunt powe capacitos, 18. Macedo J., J.R.; Resende, J.W.; Samesima, M.I. (004). Shunt tuned filte on the V side of distibution systems: design and pefomance. Poceedings 11 th IHQP. USA. Mcyman,.W. (004). Tansfome and inducto design handbook. 3 d ed. evised. 53p. Nascimento, R.P.; Resende, J.W. (008). Pocedimentos paa deteminação de filtos hamônicos sintonizados, incluindo análises de desempenho e de supotabilidade. BQEE, Santos. Santos, E.B. dos; Alves, A..B. (007). Relatóio técnico de medições. EEE/UFG. 980p. 1184

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência Sistemas Eléticos de Potência. Elementos de Sistemas Eléticos de Potência..4 apacitância e Susceptância apacitiva de Linhas de Tansmissão Pofesso:. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:aphaelbenedito@utfp.edu.b

Leia mais

Transformador de Corrente com Núcleo Toroidal de Liga Nanocristalina

Transformador de Corrente com Núcleo Toroidal de Liga Nanocristalina 1 Tansfomado de Coente com Núcleo Tooidal de Liga Nanocistalina Benedito A. Luciano, Membe, EEE, Raimundo C. S. Feie, José Gutembegue A. Lia, Glauco Fontgalland, Membe, EEE, e Walman B. de Casto. Abstact-

Leia mais

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET ELETRÔNICA II Engenaia Elética Campus Pelotas Revisão Modelo CA dos tansistoes BJT e MOSFET Pof. Mácio Bende Macado, Adaptado do mateial desenvolvido pelos pofessoes Eduado Costa da Motta e Andeson da

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Escola Secundáia com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Medi - é compaa uma gandeza com outa da mesma espécie, que se toma paa unidade. Medição de uma gandeza

Leia mais

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F LIST 03 LTROSTÁTIC PROSSOR MÁRCIO 01 (URJ) Duas patículas eleticamente caegadas estão sepaadas po uma distância. O gáfico que melho expessa a vaiação do módulo da foça eletostática ente elas, em função

Leia mais

física eletrodinâmica GERADORES

física eletrodinâmica GERADORES eletodinâmica GDOS 01. (Santa Casa) O gáfico abaixo epesenta um geado. Qual o endimento desse geado quando a intensidade da coente que o pecoe é de 1? 40 U(V) i() 0 4 Do gáfico, temos que = 40V (pois quando

Leia mais

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da algeba geomética) 008 DEEC IST Pof. Calos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da álgeba geomética) 1 De Keple a Newton Vamos aqui mosta como, a pati das tês leis de Keple sobe

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE GERADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO CONECTADO ASSINCRONAMENTE À REDE MONOFÁSICA

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE GERADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO CONECTADO ASSINCRONAMENTE À REDE MONOFÁSICA DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE GERADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO CONECTADO ASSINCRONAMENTE À REDE MONOFÁSICA LIMA, Nélio Neves; CUNHA, Ygho Peteson Socoo Alves MARRA, Enes Gonçalves. Escola de Engenhaia Elética

Leia mais

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA ESTRATÉGA DE CONTROLE PARA ACONAMENTO A VELOCDADE VARÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSCOS COM OPERAÇÃO OTMZADA Ronilson Rocha * Pedo F Donoso Gacia * Selênio Rocha Silva * Mácio Fonte Boa Cotez x UFMG -CPDEE *

Leia mais

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário Unidade 13 Noções de atemática Financeia Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto acional ou eal Desconto comecial ou bancáio Intodução A atemática Financeia teve seu início exatamente

Leia mais

Variable Speed Wind Turbine Modeling Using ATPDraw

Variable Speed Wind Turbine Modeling Using ATPDraw Antonio S. Neto, Fancisco A. S. Neves, Pedo A. C. Rosas Univesidade Fedeal de Penambuco UFPE Recife - PE Email: asneto01@yahoo.com.b, fneves@ufpe.b, posas@ufpe.b Eduado L. R. Pinheio, Selênio R. Silva

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice:

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice: ANEXO 4 ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO DO CÁLCULO DO CUSTO DO CAPITAL Roteio de Veificação do Cálculo do Custo do Capital Índice: Índice: Conceitos Veificações 1 VISÃO GERAL... 3 1.1 O QUE É CUSTO DE CAPITAL...

Leia mais

Motores Elétricos. IX.1 Motores de Indução Trifásicos (MIT)

Motores Elétricos. IX.1 Motores de Indução Trifásicos (MIT) Eletotécnica Geal IX. Motoes Eléticos IX Motoes Eléticos Um moto elético é uma máquina capaz de tansfoma enegia elética em enegia mecânica, utilizando nomalmente o pincípio da eação ente dois campos magnéticos.

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA CONCURSO DE DMISSÃO O CURSO DE GRDUÇÃO FÍSIC CDERNO DE QUESTÕES 2008 1 a QUESTÃO Valo: 1,0 Uma bóia náutica é constituída de um copo cilíndico vazado, com seção tansvesal de áea e massa m, e de um tonco

Leia mais

Introdução ao Estudo da Interferência Eletromagnética (EMI) no Projeto de Placas de Circuito Impresso (PCBs) de Fontes Chaveadas.

Introdução ao Estudo da Interferência Eletromagnética (EMI) no Projeto de Placas de Circuito Impresso (PCBs) de Fontes Chaveadas. 1 Intodução ao Estudo da Intefeência Eletomagnética (EMI) no Pojeto de Placas de Cicuito Impesso (PCBs) de Fontes Chaveadas. Andé Baos de Mello Oliveia Resumo Este tabalho apesenta, inicialmente, o conceito

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA UM/AET Eng. Elética sem 0 - ab. icuitos Eléticos I Pof. Athemio A.P.Feaa/Wilson Yamaguti(edição) EPEIÊNIA 5 - ESPOSTA EM FEQUENIA EM UM IUITO - ESSONÂNIA INTODUÇÃO. icuito séie onsideando o cicuito da

Leia mais

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012 Física Geal I - F 18 Aula 8: Enegia Potencial e Consevação de Enegia o Semeste 1 Q1: Tabalho e foça Analise a seguinte afimação sobe um copo, que patindo do epouso, move-se de acodo com a foça mostada

Leia mais

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético Pof. Alexande A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Cuitiba EMENTA Caga Elética Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitância Coente e esistência Cicuitos Eléticos em

Leia mais

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO NÁLIE D IBILIDDE D REDE DE TRNPORTE E DITRIBUIÇÃO. Maciel Babosa Janeio 03 nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição. Maciel Babosa nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição ÍNDICE

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo.

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. GEOMETRIA ESPACIAL ) Uma metalúgica ecebeu uma encomenda paa fabica, em gande quantidade, uma peça com o fomato de um pisma eto com base tiangula, cujas dimensões da base são 6cm, 8cm e 0cm e cuja altua

Leia mais

PR I. Teoria das Linhas de Transmissão. Carlos Alberto Barreiro Mendes Henrique José da Silva

PR I. Teoria das Linhas de Transmissão. Carlos Alberto Barreiro Mendes Henrique José da Silva PR I II Teoia das Linhas de Tansmissão Calos Albeto Baeio Mendes Henique José da Silva 5 Linhas de Tansmissão 1 LINHAS DE TRANSMISSÃO 1.1 Paâmetos distibuídos Um cabo coaxial ou uma linha bifila (mostados

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

Exp. 10 - RESSONÂNCIA

Exp. 10 - RESSONÂNCIA apítulo Exp. 0 - RESSONÂNIA EÉTRIA. OBJETIVOS Estudo das oscilações eléticas foçadas em cicuitos essonantes em séie e em paalelo..2 PARTE TEÓRIA Muitos sistemas físicos estáticos e estáveis, quando momentaneamente

Leia mais

Dimensionamento de uma placa de orifício

Dimensionamento de uma placa de orifício Eata de atigo do engenheio Henique Bum da REBEQ 7-1 Po um eo de fechamento de mateial de ilustação, pate do atigo do Engenheio Químico Henique Bum, publicado na seção EQ na Palma da Mão, na edição 7-1

Leia mais

Método Alternativo de Controle Vetorial Usando Processador Digital de Sinais

Método Alternativo de Controle Vetorial Usando Processador Digital de Sinais U NIVERSIDADE F EDERAL DE G OIÁS E SCOLA DE E NGENHARIA E LÉTRICA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO Método Altenativo de Contole Vetoial Usando Pocessado Digital de Sinais

Leia mais

Análise de Correlação e medidas de associação

Análise de Correlação e medidas de associação Análise de Coelação e medidas de associação Pof. Paulo Ricado B. Guimaães 1. Intodução Muitas vezes pecisamos avalia o gau de elacionamento ente duas ou mais vaiáveis. É possível descobi com pecisão, o

Leia mais

EM423A Resistência dos Materiais

EM423A Resistência dos Materiais UNICAMP Univesidade Estadual de Campinas EM43A esistência dos Mateiais Pojeto Tação-Defomação via Medidas de esistência Pofesso: obeto de Toledo Assumpção Alunos: Daniel obson Pinto A: 070545 Gustavo de

Leia mais

e A Formação do Circuito Equivalente

e A Formação do Circuito Equivalente Cadeno de Estudos de MÁQUINAS ELÉCTRICAS nº 4 A Coe nte Eléctica de Magnetização e A Fomação do Cicuito Equivalente Manuel Vaz Guedes (Pof. Associado com Agegação) Núcleo de Estudos de Máquinas Elécticas

Leia mais

ANÁLISE DOS MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA FALTAS À TERRA NOS SISTEMAS DA DISTRIBUIÇÃO ATERRADOS, NÃO ATERRADOS E COMPENSADOS

ANÁLISE DOS MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA FALTAS À TERRA NOS SISTEMAS DA DISTRIBUIÇÃO ATERRADOS, NÃO ATERRADOS E COMPENSADOS ANÁLISE DOS MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA FALTAS À TERRA NOS SISTEMAS DA DISTRIBUIÇÃO ATERRADOS, NÃO ATERRADOS E COMPENSADOS Jeff Robets, D. Hecto J. Altuve e D. Daqing Hou Schweitze Engineeing Laboatoies,

Leia mais

3 - DESCRIÇÃO DO ELEVADOR. Abaixo apresentamos o diagrama esquemático de um elevador (obtido no site da Atlas Schindler).

3 - DESCRIÇÃO DO ELEVADOR. Abaixo apresentamos o diagrama esquemático de um elevador (obtido no site da Atlas Schindler). 3 - DESCRIÇÃO DO EEVADOR Abaixo apesentamos o diagama esquemático de um elevado (obtido no site da Atlas Schindle). Figua 1: Diagama esquemático de um elevado e suas pates. No elevado alvo do pojeto, a

Leia mais

Introdução. Base de Dados: Linha de Calibração Observatório Nacional Agulhas Negras

Introdução. Base de Dados: Linha de Calibração Observatório Nacional Agulhas Negras A impotância da eestutuação da Linha de Calibação Obsevatóio Nacional Agulhas Negas paa atende as caacteísticas dos gavímetos Scintex CG5. Fancisma Rimoli Bequó, IFF, Itapeuna, Basil*. Iis Peeia Escoba,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO Macelo Esposito, Calos A. Claumann, Ricado A. F. Machado, Claudia Saye, Pedo H. H. Aaújo* Univesidade Fedeal

Leia mais

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009 Temodinâmica - FMT 59 Notuno segundo semeste de 2009 Execícios em classe: máquinas témicas 30/0/2009 Há divesos tipos de motoes témicos que funcionam tanfeindo calo ente esevatóios témicos e ealizando

Leia mais

Conversor CC-CC Bidirecional Buck-Boost Atuando como Controlador de Carga de Baterias em um Sistema Fotovoltaico

Conversor CC-CC Bidirecional Buck-Boost Atuando como Controlador de Carga de Baterias em um Sistema Fotovoltaico UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Seto de Tecnologia Faculdade de Engenhaia Pogama de Pós-Gaduação em Engenhaia Elética onveso - Bidiecional Buck-Boost Atuando como ontolado de aga de Bateias em um

Leia mais

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ LISA de GRAVIAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ 1. (Ufgs 01) Em 6 de agosto de 01, o jipe Cuiosity" pousou em ate. Em um dos mais espetaculaes empeendimentos da ea espacial, o veículo foi colocado na supefície do planeta

Leia mais

MODELAGEM E ANÁLISE DE GERADORES SÍNCRONOS UTILIZANDO O MÉTODO DE RECONSTRUÇÃO DO CAMPO MARCIO LUIZ MAGRI KIMPARA

MODELAGEM E ANÁLISE DE GERADORES SÍNCRONOS UTILIZANDO O MÉTODO DE RECONSTRUÇÃO DO CAMPO MARCIO LUIZ MAGRI KIMPARA MODEAGEM E ANÁISE DE GERADORES SÍNCRONOS UTIIZANDO O MÉTODO DE RECONSTRUÇÃO DO CAMPO MARCIO UIZ MAGRI KIMPARA CAMPO GRANDE 212 UNIVERSIDADE FEDERA DE MATO GROSSO DO SU PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte II - Máquina de Indução. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletotécnica Módulo III Pate II - Máquina de Indução Pof. Máquina de Indução ou Máquina Aíncona Tipo de máquina elética otativa mai utilizado Tipo de máquina com contução mai obuta (oto em gaiola quiel

Leia mais

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTIO EPESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS José obeto Secuato ESUMO O atigo tata da possibilidade de obtemos um título sintético que seja uma mímica em temos de isco e etono de

Leia mais

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br F-38 - º Semeste de 013 Coodenado. José Antonio Rovesi IFGW-DEQ-Sala 16 ovesi@ifi.unicamp.b 1- Ementa: Caga Elética Lei de Coulomb Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitoes e Dieléticos Coente

Leia mais

Equações Básicas na Forma Integral - I. Prof. M. Sc. Lúcio P. Patrocínio

Equações Básicas na Forma Integral - I. Prof. M. Sc. Lúcio P. Patrocínio Fenômenos de Tanspote Equações Básicas na Foma Integal - I Pof. M. Sc. Lúcio P. Patocínio Objetivos Entende a utilidade do teoema de Tanspote de Reynolds. Aplica a equação de consevação da massa paa balancea

Leia mais

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação:

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação: Capítulo Gavitação ecusos com copyight incluídos nesta apesentação: Intodução A lei da gavitação univesal é um exemplo de que as mesmas leis natuais se aplicam em qualque ponto do univeso. Fim da dicotomia

Leia mais

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA ELETOMAGNETMO 75 9 CAMPO MAGNETOTÁTCO PODUZDO PO COENTE ELÉTCA Nos capítulos anteioes estudamos divesos fenômenos envolvendo cagas eléticas, (foças de oigem eletostática, campo elético, potencial escala

Leia mais

A Disposição a Pagar pelo Uso da Água na Bacia Hidrográfica do Rio Pardinho

A Disposição a Pagar pelo Uso da Água na Bacia Hidrográfica do Rio Pardinho A Disposição a Paga pelo Uso da Água na Bacia Hidogáfica do Rio Padinho Auto: Augusto Mussi Alvim (CPF: 564402430-04). Douto em Economia, Pofesso Adunto do Depatamento de Ciências Econômicas, PUCRS. Av.

Leia mais

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo Coente altenada é fonecida ao etato dietamente; Coente altenada cicula no cicuito de oto po indução, ou ação tanfomado; A coente de etato (que poui uma etutua n-fáica) poduzem um campo giante no entefeo;!"

Leia mais

2 Compressor Automotivo

2 Compressor Automotivo Compesso Automotivo Neste capítulo seá apesentado o desenvolvimento de um modelo de simulação de compessoes altenativos automotivos..1. Intodução O compesso é o componente mais impotante de um sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL OBJETIVOS DO CURSO UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL Fonece ao aluno as egas básicas do cálculo vetoial aplicadas a muitas gandezas na física e engenhaia (noção de

Leia mais

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng.

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng. UNIVERSIDDE FEDERL DO PRÁ MESTRDO EM ENGENHRI MECÂNIC GRUPO DE VIRÇÕES E CÚSTIC nálise Modal Expeimental Pofesso: Newton Sue Soeio, D. Eng. elém Paá Outubo/00 Gupo de Vibações e cústica UFP nálise Modal

Leia mais

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material.

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material. Campo magnético Um ímã, com seus pólos note e sul, também pode poduzi movimentos em patículas, devido ao seu magnetismo. Contudo, essas patículas, paa sofeem esses deslocamentos, têm que te popiedades

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Infotec Cusos Pofissionalizantes Ltda. Nome Fantasia: CEBRAC Cento Basileio de Cusos Data de fundação:

Leia mais

PARTE IV COORDENADAS POLARES

PARTE IV COORDENADAS POLARES PARTE IV CRDENADAS PLARES Existem váios sistemas de coodenadas planas e espaciais que, dependendo da áea de aplicação, podem ajuda a simplifica e esolve impotantes poblemas geométicos ou físicos. Nesta

Leia mais

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL SEUNDA LEI DE NEWON PARA FORÇA RAVIACIONAL, PESO E NORMAL Um copo de ssa m em queda live na ea está submetido a u aceleação de módulo g. Se despezamos os efeitos do a, a única foça que age sobe o copo

Leia mais

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang LABORATÓRIO DE ÓPTICA E MECÂNICA EXPERIMENTAL Relatóio Inteno Método de Calibação de Câmaas Poposto po Zhang Maia Cândida F. S. P. Coelho João Manuel R. S. Tavaes Setembo de 23 Resumo O pesente elatóio

Leia mais

Dinâmica Trabalho e Energia

Dinâmica Trabalho e Energia CELV Colégio Estadual Luiz Vianna Física 1 diano do Valle Pág. 1 Enegia Enegia está elacionada à capacidade de ealiza movimento. Um dos pincípios básicos da Física diz que a enegia pode se tansfomada ou

Leia mais

x p - O Valor do total das actividades consideradas, na região padrão p.

x p - O Valor do total das actividades consideradas, na região padrão p. Conceitos e Metodologias Medidas de Especialização Regional As medidas de análise egional, tadicionalmente utilizadas na análise dos tecidos podutivos egionais e em análises económicas sectoiais à escala

Leia mais

Gestão de Inventários: Introdução 1

Gestão de Inventários: Introdução 1 Gestão de Inventáios: Intodução 1 Gestão de Inventáios Intodução Definição de inventáio (ou stock) Acumulação de matéias-pimas, podutos semi-acabados e/ou podutos acabados, bem como de sobessalentes necessáios

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: MF 1000 FRANQUIA DE COSMÉTICOS LTDA Nome Fantasia: VITA DERM DAY CLINIC Data de fundação: 12/03/1984

Leia mais

MODELAGEM NUMÉRICA DE CABOS DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA

MODELAGEM NUMÉRICA DE CABOS DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 8 a de agosto de 00 Campina Gande Paaíba - Basil August 8, 00 Campina Gande Paaíba Bazil MODELAGEM NUMÉRICA DE

Leia mais

Danos à Camada Isolante de Cabos em Redes não Blindadas devido a Distorções do Campo Elétrico na Proximidade de Objetos Aterrados

Danos à Camada Isolante de Cabos em Redes não Blindadas devido a Distorções do Campo Elétrico na Proximidade de Objetos Aterrados Danos à Camada Isolante de Cabos em Redes não Blindadas devido a Distoções do Campo Elético na Poximidade de Objetos Ateados José icente P. Duate Resumo As edes de distibuição de enegia elética, do tipo

Leia mais

2. Projetos de Investimento como Opções Reais

2. Projetos de Investimento como Opções Reais 8. Pojetos de nvestimento como Opções Reais Uma fima que possui uma opotunidade de investimento adquiiu algo semelhante a uma opção de compa financeia: ela possui o dieito, mas não necessaiamente a obigação

Leia mais

2.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD. 2.6.1 Introdução

2.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD. 2.6.1 Introdução Capítulo Técnicas de Caacteização Estutual: RS.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD.6. Intodução De modo a complementa a análise estutual das váias amostas poduzidas paa este tabalho, foi utilizada a técnica

Leia mais

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2 3 75$%$/+(37(&,$/ (/(7567È7,& Ao final deste capítulo você deveá se capa de: ½ Obte a epessão paa o tabalho ealiado Calcula o tabalho que é ealiado ao se movimenta uma caga elética em um campo elético

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 5 Pof. D. Maco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo paa Aula 5 Poduto Vetoial - Intepetação do poduto vetoial Compaação com as funções

Leia mais

Capítulo III Lei de Gauss

Capítulo III Lei de Gauss ELECTROMAGNETISMO Cuso de Electotecnia e de Computadoes 1º Ano º Semeste 1-11 3.1 Fluxo eléctico e lei de Gauss Capítulo III Lei de Gauss A lei de Gauss aplicada ao campo eléctico, pemite-nos esolve de

Leia mais

Linhas de Transmissão de Energia Elétrica

Linhas de Transmissão de Energia Elétrica Capítulo 3 Linhas de Tansmissão de Enegia Elética 3.1 Intodução 3. Rede de Tansmissão no Basil 3..1 Sistema de Tansmissão no Ceaá Rede Básica 3.3 Componentes de uma LT 3.3.1 Condutoes 3.3. Isoladoes 3.3.3

Leia mais

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão Placas - Lajes Placas são estutuas planas onde duas de suas tês dimensões -lagua e compimento - são muito maioes do que a teceia, que é a espessua. As cagas nas placas estão foa do plano da placa. As placas

Leia mais

Ensaio não destrutivo. Cargas dinâmicas. Procedimento.

Ensaio não destrutivo. Cargas dinâmicas. Procedimento. 2006 ABNT Associação Basileia de Nomas Técnicas Ensaios não destutivos Povas de cagas dinâmicas em gandes estutuas - Pocedimento Sede: Rio de Janeio Av. Teze de Maio, 13 28º anda CEP 20003-900 Caixa Postal

Leia mais

Structural changes in employment in the economy: 1996 and 2002 compared

Structural changes in employment in the economy: 1996 and 2002 compared MPRA Munich Pesonal RePEc Achive Stuctual changes in employment in the economy: 1996 and 22 compaed Ichihaa, Silvio Massau; Guilhoto, Joaquim J.M. and Amoim, Mácio Guea 27 Online at http://mpa.ub.uni-muenchen.de/31514/

Leia mais

Renato Frade Eliane Scheid Gazire

Renato Frade Eliane Scheid Gazire APÊNDICE A CADENO DE ATIVIDADES PONTIFÍCIA UNIVESIDADE CATÓLICA DE MINAS GEAIS Mestado em Ensino de Ciências e Matemática COMPOSIÇÃO E/OU DECOMPOSIÇÃO DE FIGUAS PLANAS NO ENSINO MÉDIO: VAN HIELE, UMA OPÇÃO

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA O MONITORAMENTO E CONTROLE EM TEMPO REAL DE REDES DE ESCOAMENTO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA O MONITORAMENTO E CONTROLE EM TEMPO REAL DE REDES DE ESCOAMENTO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA O MONITORAMENTO E CONTROLE EM TEMPO REAL DE REDES DE ESCOAMENTO Calos de O. Galvão 11, Fancisco V. Basileio 1, Cledson Souto Santana 1, Éica Machado 1, Esthe V. Basileio 1, Buno

Leia mais

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST 58-2BR Comando linea modelos, -B e I Gaiola de esfeas Esfea Eixo Castanha Vedação Fig.1 Estutua do comando linea modelo Estutua e caacteísticas O modelo possui uma gaiola de esfeas e esfeas incopoadas

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE ROTAS PARA EMPRESAS DE ENTREGA EXPRESSA

DETERMINAÇÃO DE ROTAS PARA EMPRESAS DE ENTREGA EXPRESSA DETERMINAÇÃO DE ROTAS PARA EMPRESAS DE ENTREGA EXPRESSA Femin A. Tang Montané Pogama de Engenhaia de Sistemas, COPPE/UFRJ Vigílio José Matins Feeia Filho Depatamento de Engenhaia Industial/ UFRJ/ Escola

Leia mais

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6 73 )5d$0$*1e7,&$6%5( &1'875(6 Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a ação de um campo magnético sobe um conduto conduzindo coente. ½ Calcula foças sobe condutoes pecoidos po coentes,

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SECÇÃO DE ESTRUTURAS MECÂNICA DOS SÓLIDOS.

FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SECÇÃO DE ESTRUTURAS MECÂNICA DOS SÓLIDOS. FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SECÇÃO DE ESTRUTURAS MECÂNICA DOS SÓLIDOS Álvao Azevedo 996 PREFÁCIO A matéia leccionada na disciplina de Mecânica dos

Leia mais

CONTROLE DE POSIÇÃO SEM ENCODERS (ENCODERLESS) EM MOTORES ASSÍNCRONOS DE INDUÇÃO: UMA VISÃO GERAL

CONTROLE DE POSIÇÃO SEM ENCODERS (ENCODERLESS) EM MOTORES ASSÍNCRONOS DE INDUÇÃO: UMA VISÃO GERAL Resumo CONTROLE DE POIÇÃO EM ENCODER (ENCODERLE) EM MOTORE AÍNCRONO DE INDUÇÃO: UMA VIÃO GERAL Iineu Alfedo Ronconi Junio Pofesso da Fundação Escola Técnica Libeato Defesa Doutoado na Univesidade Técnica

Leia mais

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2 67 /(,'(%,76$9$57()/8; 0$*1e7,& Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a elação ente coente elética e campo magnético. ½ Equaciona a elação ente coente elética e campo magnético, atavés

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Pé Vemelho Ensino Pofissionalizante SS LTDA Nome Fantasia: BIT Company Data de fundação: 23/05/2009

Leia mais

GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FUNCEF/ DIATI / GETIF Enconto da Qualidade e Podutividade em Softwae EQPS Belo Hoizonte - 2008 Basília, 25 de Setembo de 2008 Agenda Sobe a FUNCEF Beve históico Objetivo

Leia mais

Apontamentos de Máquinas Eléctrica

Apontamentos de Máquinas Eléctrica ENIDH Apontamentos de Máquinas Eléctica 00 Nota aos leitoes Estes apontamentos destinam-se a apoia o estudo das disciplinas de Máquinas Elécticas e Accionamentos dos cusos de Engenhaia de Sistemas Electónicos

Leia mais

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites OK Necessito de ee esta página... Necessito de apoio paa compeende esta página... Moimentos de satélites geoestacionáios: caacteísticas e aplicações destes satélites Um dos tipos de moimento mais impotantes

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SUBSTRATO CERÂMICO BiNbO 4 PARA ANTENAS DE MICROFITA DE SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES SEM FIO

DESENVOLVIMENTO DE SUBSTRATO CERÂMICO BiNbO 4 PARA ANTENAS DE MICROFITA DE SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES SEM FIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE SUBSTRATO CERÂMICO BiNbO 4 PARA ANTENAS DE MICROFITA

Leia mais

Importância do setor florestal para a economia brasileira

Importância do setor florestal para a economia brasileira IMPORTÂNCIA DO SETOR FLORESTAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA NAISY SILVA SOARES; ELIANE PINHEIRO DE SOUSA; MÁRCIO LOPES DA SILVA; UFV VIÇOSA - MG - BRASIL pinheioeliane@hotmail.com APRESENTAÇÃO ORAL Evolução

Leia mais

Rolamentos rígidos de esferas

Rolamentos rígidos de esferas Rolamentos ígidos de esfeas Os olamentos ígidos de esfeas estão disponíveis em váios tamanhos e são os mais populaes ente todos os olamentos. Esse tipo de olamento supota cagas adiais e um deteminado gau

Leia mais

CAPÍTULO III- DESCRIÇÃO DE UM FLUIDO EM MOVIMENTO. 1. Leis Físicas Fundamentais. 3 leis escoamentos independentes da natureza do fluido

CAPÍTULO III- DESCRIÇÃO DE UM FLUIDO EM MOVIMENTO. 1. Leis Físicas Fundamentais. 3 leis escoamentos independentes da natureza do fluido CAPÍTULO III- DESCRIÇÃO DE UM FLUIDO EM MOVIMENTO 1. Leis Físicas Fundamentais 3 leis escoamentos independentes da natueza do fluido Leis Básicas Equações Fundamentais Lei da Consevação de Massa Equação

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Spoleto Fanchising LTDA. Nome Fantasia: Spoleto Data de fundação: 07 de feveeio de 1999 Númeo

Leia mais

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista.

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Cao cusista, Todas as dúvidas deste cuso podem se esclaecidas atavés do nosso plantão de atendimento ao cusista. Plantão de Atendimento Hoáio: quatas e quintas-feias das 14:00 às 15:30 MSN: lizado@if.uff.b

Leia mais

Análise do Perfil de Temperaturas no Gás de Exaustão de um Motor pelo Método das Diferenças Finitas

Análise do Perfil de Temperaturas no Gás de Exaustão de um Motor pelo Método das Diferenças Finitas Poceeding Seies of te Bazilian Society of Applied and Computational Matematics, Vol., N. 1, 14. Tabalo apesentado no CMAC-Sul, Cuitiba-PR, 14. Análise do Pefil de Tempeatuas no Gás de Exaustão de um Moto

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2013) No dia 5 de junho de 2012, pôde-se obseva, de deteminadas egiões da Tea, o fenômeno celeste chamado tânsito de Vênus, cuja póxima ocoência se daá em 2117. Tal fenômeno só é possível poque

Leia mais

FREIOS e EMBRAGENS POR ATRITO

FREIOS e EMBRAGENS POR ATRITO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE PROJETO MECÂNICO APOSTILA FREIOS e EMBRAGENS POR ATRITO Auto: Pof.D. Auteliano Antunes dos Santos Junio Esta apostila

Leia mais

1 - Nome do projeto ou do programa de responsabilidade social: Programa SOS na Escola

1 - Nome do projeto ou do programa de responsabilidade social: Programa SOS na Escola PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Montese Educação pofissional Ltda. Nome Fantasia: SOS Educação Pofissional Data de fundação: 10/03/2010

Leia mais

FORÇA ENTRE CARGAS ELÉTRICAS E O CAMPO ELETROSTÁTICO

FORÇA ENTRE CARGAS ELÉTRICAS E O CAMPO ELETROSTÁTICO LTOMAGNTISMO I FOÇA NT CAGAS LÉTICAS O CAMPO LTOSTÁTICO Os pimeios fenômenos de oigem eletostática foam obsevados pelos gegos, 5 séculos antes de Cisto. les obsevaam que pedaços de âmba (elekta), quando

Leia mais

ALEXANDRE POSTÓL SOBRINHO CRITÉRIOS DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DE ALTA ROTAÇÃO

ALEXANDRE POSTÓL SOBRINHO CRITÉRIOS DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DE ALTA ROTAÇÃO ALEXANDRE POSTÓL SOBRINHO CRITÉRIOS DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DE ALTA ROTAÇÃO FLORIANÓPOLIS 008 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA

Leia mais

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes.

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes. Univesidade edeal de lagoas Cento de Tecnologia Cuso de Engenhaia Civil Disciplina: Mecânica dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Pofesso: Eduado Nobe Lages Copos Rígidos: Sistemas Equivalentes de oças Maceió/L

Leia mais

Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep.

Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep. X SMPEP Bauu, SP, Basil, 7 a 9 de ovembo de 2005 Avaliação do índice de utilização de máquinas feamentas CC em uma empesa de usinagem, po meio da análise da técnica de pé ajustagem de feamentas. - van

Leia mais

2. A INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DE ESTRUTURAS. 2.1 Aplicação da Análise Experimental de Estruturas

2. A INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DE ESTRUTURAS. 2.1 Aplicação da Análise Experimental de Estruturas 3. A INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DE ESTRUTURAS.1 Aplicação da Análise Expeimental de Estutuas A qualidade de um sistema estutual é caacteizada po um deteminado conjunto de seus atibutos chamados de vaiáveis

Leia mais

Simulador de Transmissões Digitais

Simulador de Transmissões Digitais Simulado de Tansmissões Digitais Fancisco A. Taveia Banco. Monteio, Fancisco A. B. Cecas IST - Depatamento de Engenhaia Electotécnica e de Computadoes Instituto de Telecomunicações, IST - Toe ote -9, Av.

Leia mais

Introdução. O trabalho encontra-se resumidamente estruturado da seguinte forma:

Introdução. O trabalho encontra-se resumidamente estruturado da seguinte forma: Intodução. À medida que sistemas wieless se tonam mais ubíquos, um entendimento da popagação em ádio-feqüência (RF) paa popósitos de planejamento, tona-se significativamente impotante. Com a cescente utilização

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 18:20. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 18:20. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, LISTA 3 - Pof Jason Gallas, DF UFPB 1 de Junho de 13, às 18: Execícios Resolvidos de Física Básica Jason Alfedo Calson Gallas, pofesso titula de física teóica, Douto em Física pela Univesidade Ludwig Maximilian

Leia mais

ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO CFS B 2/2002 PROVA DE MATEMÁTICA FÍSICA QUÍMICA

ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO CFS B 2/2002 PROVA DE MATEMÁTICA FÍSICA QUÍMICA ESCOL DE ESPECILISTS DE ERONÁUTIC CONCURSO DE DMISSÃO O CS /00 PROV DE MTEMÁTIC ÍSIC QUÍMIC CÓDIGO D PROV 9 MRQUE NO CRTÃO DE RESPOSTS O CÓDIGO D PROV. s questões de 0 a 0 efeem se a Matemática 0 Se a

Leia mais

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica Antenas Antena tansição ente popagação guiada (cicuitos) e popagação não-guiada (espaço). Antena tansmissoa: Antena eceptoa: tansfoma elétons em fótons; tansfoma fótons em elétons. Antena sotópica Fonte

Leia mais