CRITÉRIO DE PROJETO CP-003/2006 R-01

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRITÉRIO DE PROJETO CP-003/2006 R-01"

Transcrição

1 DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT CRITÉRIO DE PROJETO CP-003/2006 R-0 REDE DE DISTRIBUIÇÃO RURAL MONOFILAR DEPARTAMENTO DE NORMAS E PROCEDIMENTOS

2 CP-003/2006 R-0

3 DOCUMENTO NORMATIVO

4 I APRESENTAÇÃO O presente Critério de Projeto CP 03/ Redes de Distribuição Rural Monofilar, substitui o CP 03/86 - Redes de Distribuição Rural Monofilar e apresenta os critérios básicos necessários à execução de projetos, de forma a assegurar boas condições técnico-econômicas e de segurança das pessoas e instalações. O sistema monofilar com retorno por terra MRT consiste em uma rede monofásica na qual a terra substitui o condutor neutro. A vantagem do sistema é a utilização de um único condutor, permitindo, por esta razão, maiores vãos entre as estruturas de apoio, face a inexistência da limitação imposta pelo afastamento dos condutores e ao menor esforço lateral nos postes, produzido pelo vento, acarretando por via de conseqüência, uma redução sensível no custo da rede. Foi dada especial atenção a preservação ambiental, estética e segurança de modo que a rede seja segura, tenha um bom aspecto visual e seja integrada com o meio ambiente minimizando o impacto com os locais onde for instalado. Elaboração: José Deusimar Ferreira Keyla Sampaio Câmara Colaboradores: Adriano Santiago Bruno Antonio Ribamar Melo Filgueira Francisca Ildênia Castro Lopes José Edson Frota Manuel Edervaldo Souto Araújo Marcus Stenio Pinheiro Cristino Reginaldo Vasconcelos Ricardo Almeida Santos Dimas João Ferreira CAM Raimundo Nonato Silva Apoio: Pedro Paulo Menezes Neto Francisco Rodrigo Dias Ribeiro Sandra Lúcia Alenquer da Silva

5 II Í N D I C E OBJETIVO... 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 4 TERMINOLOGIA ALIMENTADOR DE DISTRIBUIÇÃO BAIXA TENSÃO - BT CABO MULTIPLEXADO OU PRÉ-REUNIDO CARGA INSTALADA CERCA ELETRIFICADA CONSUMIDOR NÍVEL A CONSUMIDOR NÍVEL B CONSUMIDOR NÍVEL C CONSUMIDOR NÍVEL D DEMANDA DIVERSIFICADA DEMANDA MÁXIMA DEMANDA MÉDIA DESMATAMENTO FAIXA DE SERVIDÃO FATOR DE CARGA FATOR DE CORREÇÃO SAZONAL FATOR DE DEMANDA FATOR DE DIVERSIDADE FATOR DE POTÊNCIA FATOR DE UTILIZAÇÃO FATOR DE SIMULTANEIDADE MAPA CHAVE MÉDIA TENSÃO - MT NÚCLEO POPULACIONAL RURAL PERFIL PLANI-ALTIMÉTRICO PLANTA CADASTRAL PLANTA DE SITUAÇÃO PONTO DE ENTREGA PONTO DE LIGAÇÃO RAMAL DE ALIMENTADOR RAMAL DE LIGAÇÃO REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA - RDU REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL RDR REDE DE MÉDIA TENSÃO REDE DE BAIXA TENSÃO... 4

6 III 4.36 SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SOBRECARGA TRONCO ALIMENTADOR ZONAS DE CORROSÃO SALINA CONSIDERAÇÕES GERAIS TIPOS DE PROJETOS REDES LOCALIZADAS EM DOMÍNIOS PARTICULARES CONDIÇÕES PARA ATENDIMENTO PADRÃO DE ESTRUTURAS CERCA ELETRIFICADA PLANEJAMENTO DA REDE LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO LEVANTAMENTO DE CARGA PREVISÃO DE TAXA DE CRESCIMENTO DE CARGA ELABORAÇÃO DO PROJETO DIMENSIONAMENTO ELÉTRICO ATERRAMENTO DIMENSIONAMENTO MECÂNICO TRAVESSIAS E APROXIMAÇÕES FAIXA DE SERVIDÃO NUMERAÇÃO DE POSTES FOLHA DE LOCAÇÃO DE ESTRUTURAS RELAÇÃO DE MATERIAL E ORÇAMENTO APRESENTAÇÃO DO PROJETO IDENTIFICAÇÃO DO ENGENHEIRO RESPONSÁVEL MEMORIAL DESCRITIVO DOCUMENTAÇÃO PLANTA DA REDE PERFIL PLANI-ALTIMÉTRICO DESENHOS DE DETALHES ANÁLISE E ACEITAÇÃO DO PROJETO EXECUÇÃO E COMISSIONAMENTO DA OBRA LIMPEZA DA FAIXA DE SERVIDÃO EXECUÇÃO DA OBRA ATUALIZAÇÃO DAS PLANTAS E CODIFICAÇÃO DE POSTES E ESTRUTURAS FISCALIZAÇÃO E COMISSIONAMENTO... 2 ANEXOS / DESENHOS... 22

7 /46 OBJETIVO Esta Norma visa estabelecer os requisitos mínimos necessários para elaboração de projetos de Redes de Distribuição Aérea Rural utilizando fio de aço zincado e sistema monofilar com retorno por terra MRT. São fixadas as diretrizes e a sistemática que os órgãos de projetos da COELCE e demais projetistas devem obedecer, visando unificar os métodos para implantação de novas redes, reformas e extensões das existentes e otimizar os investimentos a serem feitos no sistema elétrico, para fornecimento de energia com qualidade e segurança 2 CAMPO DE APLICAÇÃO Estes critérios aplicam-se aos projetos de extensão e reforma com comprimento e capacidade instalada em kva limitados para atendimento de unidades consumidoras monofásicas rurais na tensão primária de 7967V (3800 / 3 V) e tensão secundária de 220 V. 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS Para elaboração dos projetos e execução das obras, devem ser seguidas as seguintes normas técnicas da COELCE, em sua última versão. a) Critérios de Execução CE Levantamento Topográfico b) Padrões de Estruturas PE Rede Primária de Distribuição Aérea Rural Monofilar MRT PE Rede Secundária de Distribuição Aérea 380 / 220 V c) Padrões de Materiais PM - 0 Material de distribuição d) Especificações Técnicas Os equipamentos e materiais a serem aplicados nas obras devem obrigatoriamente estar de acordo com as Especificações Técnicas da COELCE. e) Normas Técnicas NT 007 Iluminação Pública f) Decisões Técnicas DT Construção de Ramais Particulares em Baixa Tensão DT Materiais para Rede de Distribuição DT Codificação de Transformadores DT - 09 Codificação de Postes DT - 2 Sistemática para Atendimento de Novas Unidades Consumidoras do Grupo B h) Procedimentos de Execução PEX 4 - Procedimentos para Construção de Redes de Média e Baixa Tensão Desenergizadas; PEX 5 - Construção de Redes de Baixa Tensão;

8 2/46 PEX 27 - Desmatamento e Redesmatamento de Redes de Média e Baixa Tensão; Devem ser observadas todas as recomendações dos demais Procedimentos de Execução aplicáveis à atividade que estiver sendo desenvolvida 4 TERMINOLOGIA Para os efeitos desta norma, aplicam-se as seguintes definições, complementadas pelas definições contidas nas Normas Brasileiras da ABNT. 4. Alimentador de Distribuição Componente de uma rede de Média Tensão que alimenta, diretamente ou por intermédio de seus ramais, transformadores de distribuição e/ou consumidores. 4.2 Baixa Tensão - BT Tensão nominal até o limite de.000 volts. 4.3 Cabo Multiplexado ou Pré-reunido É um cabo composto de vários condutores individualmente isolados e dispostos helicoidalmente formando um único conjunto, utilizando um condutor mensageiro que serve de neutro e de sustentação mecânica. 4.4 Carga Instalada É a soma das potências nominais de todos os aparelhos, equipamentos e dispositivos instalados nas dependências das unidades consumidoras, os quais, em qualquer tempo, podem consumir energia elétrica. 4.5 Cerca Eletrificada São cercas energizadas por meio de um equipamento denominado eletrificador, que emite pulsos elétricos pré-determinados, com intensidade inofensiva ao homem e aos animais. 4.6 Consumidor Nível A Consumidor de pequeno porte onde o consumo predominante seja o de iluminação interior, incluindo neste nível os consumidores de baixa renda. 4.7 Consumidor Nível B Consumidor de classe média, com utilização de aparelhos eletrodomésticos convencionais. 4.8 Consumidor Nível C Consumidor de classe média alta, com carga de iluminação significativa, aparelhos de ar condicionado, chuveiros elétricos etc. 4.9 Consumidor Nível D Consumidor de classe alta, onde haja abundância de iluminação interna e externa, utilização de pequenas centrais de refrigeração ambiental e outros serviços domésticos significativos. 4.0 Demanda Diversificada Demanda resultante da carga, tomada em conjunto, de um grupo de consumidores. 4. Demanda Máxima Maior demanda verificada durante um intervalo de tempo especificado.

9 3/ Demanda Média Razão da quantidade de energia elétrica consumida durante um intervalo de tempo especificado, para esse intervalo. 4.3 Desmatamento Compreende o corte e retirada da vegetação que se encontra na faixa de passagem da rede aérea a ser construída, com largura total de 6,0 metros para rede de Média Tensão e de 3,0 metros para rede de Baixa Tensão, observando o disposto no Desenho Faixa de Servidão Corresponde a faixa do terreno onde passa a rede aérea, em toda a sua extensão e cuja largura é determinada pela classe de tensão e estruturas utilizadas. A faixa de servidão das redes rurais da COELCE corresponde a 3,0 metros para redes de BT e 6,0 metros para redes de MT, sendo,5 metros e 3,0 metros para cada lado do eixo das redes de BT e de MT respectivamente. Em casos excepcionais esta faixa poderá ser alterada. Na área urbana, na maioria das situações, a faixa se confunde com o arruamento já definido devendo, no entanto serem atendidas as prescrições mínimas de distância dos condutores aos obstáculos. 4.5 Fator de Carga Razão entre a demanda média e a demanda máxima ocorrida no mesmo intervalo de tempo especificado. 4.6 Fator de Correção Sazonal Fator de correção da demanda diversificada dos consumidores residenciais e comerciais, com o objetivo de se excluir a possibilidade de que a demanda medida não corresponda à máxima anual. 4.7 Fator de Demanda Razão da demanda máxima num intervalo de tempo especificado, para a carga total instalada. 4.8 Fator de Diversidade Razão da soma das demandas máximas individuais de um conjunto de equipamentos elétricos ou instalações elétricas para a demanda máxima simultânea ocorrida no mesmo intervalo de tempo especifico. 4.9 Fator de Potência Razão entre a energia elétrica ativa e a raiz quadrada da soma dos quadrados das energias elétricas ativa e reativa, consumidas num mesmo período especificado Fator de Utilização Razão da máxima demanda verificada pela capacidade nominal de um sistema. 4.2 Fator de Simultaneidade Razão da demanda simultânea máxima de um conjunto de equipamentos ou instalações elétricas, para a soma das demandas máximas individuais ocorridas no mesmo intervalo de tempo especificado Mapa Chave É a planta planimétrica da área a ser atendida, reduzida para a escala :5000.

10 4/ Média Tensão - MT Limite de tensão nominal acima de.000 V e abaixo de 69 kv. No sistema COELCE a Média Tensão é de 3,8 kv Núcleo Populacional Rural São aglomerados populacionais, ocupando uma área contínua, formando ou não arruamentos regulares. Para atendimento por este CP 03 o aglomerado populacional deve possuir no máximo 0 unidades de construção Perfil plani-altimétrico Representação plani-altimétrica do terreno da área específica do projeto de uma Rede de Distribuição Aérea Rural Planta Cadastral É uma planta na escala :000 contendo todas os detalhes físicos e elétricos necessários ao cálculo do projeto da Rede de Distribuição Planta de Situação É um desenho em escala adequada, com indicação do norte magnético e de pontos de referência que permitam identificar o local onde será construída, ampliada ou reformada a Rede de Distribuição. Esta planta deve apresentar pelo menos um ponto da rede da COELCE Ponto de Entrega É o ponto de conexão do sistema elétrico da COELCE com as instalações elétricas da unidade consumidora, caracterizando-se como limite de responsabilidade de fornecimento Ponto de Ligação Ponto da Rede de Distribuição do qual deriva um ramal de ligação Ramal de Alimentador Componente de um Alimentador de Distribuição que deriva diretamente de um tronco de alimentador. 4.3 Ramal de Ligação É o trecho do circuito aéreo compreendido entre a Rede de Distribuição de MT ou de BT da COELCE e o ponto de entrega Rede de Distribuição Aérea Urbana - RDU É a parte integrante do Sistema de Distribuição implantado dentro do perímetro urbano das cidades, distritos, vilas e povoados Rede de Distribuição Aérea Rural RDR É uma conjunto de linhas elétricas, com os equipamentos e materiais diretamente associados, destinado à distribuição rural de energia elétrica Rede de Média Tensão Parte de uma Rede de Distribuição que alimenta transformadores de distribuição e/ou pontos de entrega sob a mesma tensão primária nominal Rede de Baixa Tensão Parte da Rede de Distribuição derivada do secundário dos transformadores de distribuição indo até os pontos de ligação dos diversos consumidores.

11 5/ Sistema de Distribuição É a parte do sistema de potência destinado ao transporte de energia elétrica, em média ou baixa tensão a partir do barramento secundário de uma subestação (onde termina a transmissão ou subtransmissão), até os pontos de consumo Sobrecarga Incremento de carga adicional sobre o valor nominal, que pode ser imposto a um determinado equipamento ou circuito Tronco Alimentador Componente de um Alimentador de Distribuição que transporta a parcela principal da carga total Zonas de Corrosão Salina As áreas de corrosão são classificadas de acordo com a proximidade da orla marítima em Zona Moderada, Zona Mediana, Zona Severa e Zona Muito Severa e suas localizações estão definidas na DT CONSIDERAÇÕES GERAIS As Redes Aéreas de Distribuição devem ser instaladas em domínio público. As redes que não possam ser localizadas em domínio público devem obedecer as recomendações do item Tipos de Projetos Os projetos de Redes Aéreas de Distribuição Rural Monofilar classificam-se em: 5.. Projeto de Extensão Obras decorrentes de projetos que dão origem a novas redes ou crescimento das redes existentes para atendimento a novas cargas elétricas. Ressalta-se que as obras de extensão caracterizam-se por terem fundamentalmente a finalidade de atender a novas cargas Projeto de Reforma de Rede São aqueles que visam introduzir alterações nas redes existentes para adequá-las às modificações físicas do local de sua instalação e permitir maior flexibilidade operativa. Incluem-se também, nesta categoria, os projetos para substituição parcial ou total de redes existentes em estado precário de operação, ficando limitados às prescrições contidas no item Redes Localizadas em Domínios Particulares Neste caso enquadram-se os Núcleos Populacionais rurais localizados em terrenos particulares: a) nos Núcleos Populacionais em terrenos particulares o ponto de entrega de energia deve ser localizado em cada unidade consumidora, devendo os transformadores ser instalados, sempre que possível, em domínio público, projetando-se dentro da propriedade particular somente a Rede de BT; b) projeto de iluminação pública, só deve ser elaborado mediante solicitação por escrito da prefeitura sob a qual fica a jurisdição da área de implantação da rede. Os custos decorrentes de implantação serão de responsabilidade da Prefeitura correspondente, com os encargos financeiros da COELCE conforme determinar a legislação em vigor. No projeto de iluminação pública seguir as orientações da NT 007; c) deve ser construído pelo responsável uma via de acesso e cancela ou portão com dimensões que possibilitem o tráfego de veículos para construção e manutenção da rede;

12 6/46 d) termo de permissão assinado pelo responsável do núcleo populacional ou proprietário, para livre acesso da COELCE. 5.3 Condições para atendimento Na implantação da Rede de Distribuição Rural Monofilar devem ser atendidos os seguintes requisitos: a) a carga máxima instalada na rede primária MRT não deve ser superior a 50 kva; b) o maior comprimento da rede primária MRT não deve ser superior a 9 km, observada a queda de tensão máxima de 5%; c) os núcleos populacionais rurais, com no máximo 0 unidades de construção, poderão ser atendidos desde que satisfaçam as condições previstas nas alíneas a e b ; d) a potência do maior motor utilizado no Sistema MRT deve ser de 5 cv; e) a alimentação de cargas trifásicas será de responsabilidade do consumidor; f) os estudos de redes rurais nos quais existem unidades consumidoras que justifiquem alimentação trifásica, devem resultar na elaboração de projetos de rede de distribuição rural, conforme CP-0; g) os estudos de redes rurais nos quais são previstas futuras cargas que impliquem numa potência instalada superior a referida na alínea a e/ou extensões superiores a referida na alínea b, devem resultar na elaboração de projetos de redes de distribuição rural, de acordo com o que prescreve o CP-0; h) não eletrificar regiões rurais que se destinem a projetos de irrigação de médio e grande porte; i) não será permitida a utilização de máquina de solda a transformador com potência superior a 2,0 kva; j) a localização dos transformadores deve ser o mais próximo possível do ponto de carga; k) as extensões secundárias devem obedecer ao limite máximo de 400 m, observando o que prescreve o subitem 7..2 deste critério; l) A utilização do sistema MRT só é permitida a partir de 20km da orla marítima; m) é vedada a utilização do Sistema MRT em redes cuja previsão de crescimento vegetativo da carga instalada nos consumidores supere o valor de 5% ao ano e que ao cabo de 0 anos sejam ou possam a vir a ser consideradas redes trifásicas. Neste caso o projeto deve obedecer aos requisitos do CP Padrão de Estruturas Devem ser utilizadas as estrutura padronizadas no Padrão de Estruturas PE Cerca Eletrificada 5.5. Finalidade da Cerca Eletrificada a) a finalidade da cerca eletrificada é manter animais confinados em uma determinada área ou proteger propriedades contra o acesso de animais domésticos e selvagens; b) em nenhuma hipótese deve ser usada para proteger a propriedade contra pessoas; c) a cerca eletrificada deve ser projetada por profissionais especializados e construída por empresa idônea, que possa dar garantia, assistência técnica e orientações quanto à operação do equipamento;

13 7/46 d) o proprietário é responsável por qualquer anormalidade ou acidente que venha ocorrer na cerca eletrificada e com as pessoas e animais que possam vir a se acidentar Recomendações de Segurança A cerca não poderá, em nenhuma hipótese, ser eletrificada com energia diretamente da rede elétrica sem que seja por meio de eletrificador Nas aproximações ou cruzamentos da rede elétrica sobre cercas eletrificadas devem ser adotados os seguintes procedimentos: a) cercas paralelas devem ficar a uma distância mínima de 30 metros do eixo da rede elétrica; b) nos casos onde for necessário cruzar a rede elétrica sobre a cerca eletrificada devem ser colocados dois condutores de proteção paralelos acima da cerca, para evitar que em caso de ruptura do condutor da rede este venha a cair sobre a cerca eletrificada; c) os dois condutores de proteção devem ter 60 metros de comprimento, sendo 30 metros para cada lado da rede, devendo ser aterrados nas duas extremidades. Detalhes complementares ver Desenho 0.09 do CP 0; Na utilização de cercas eletrificadas deve se observar: a) devem ser fixadas placas a cada 50 metros, com os dizeres cerca eletrificada ; b) independente da sinalização, deve ser informado as pessoas da localidade sobre a existência da cerca eletrificada; c) é necessário a manutenção periódica da cerca. 6 PLANEJAMENTO DA REDE A elaboração do projeto deve ser precedida de um planejamento inicial com base nos seguintes elementos: investigação preliminar, levantamento cadastral, reconhecimento e levantamento topográfico, elaboração de plantas e mapas, perfil plani-altimetrico, levantamento de carga, previsão da taxa de crescimento da carga, traçado e configuração básica da rede. 6. Levantamento Topográfico A topografia do MRT deve seguir as orientações do CE Levantamento de Carga A consideração de carga em projeto de rede de distribuição rural está associada geralmente a necessidade de atendimento a uma área com cargas aleatoriamente distribuídas ao longo do traçado principal, portanto é conveniente considerar o carregamento do alimentador principal Determinação da Carga Instalada Todos os dados necessários a definição de carga instalada devem ser baseados nas informações contidas no Anexo A. Pode-se resumir nas seguintes as situações possíveis de serem encontradas para consideração de carga: Cargas individualizadas e aglomerações de propriedades que não se caracterizem por núcleos populacionais, as cargas a considerar serão fundamentadas no cadastramento das propriedades, que deve ser realizado de modo a avaliar a real necessidade de carga a ser instalada conforme as informações dos proprietários, incluindo além dos dados desses proprietários, todos os equipamentos eletrodomésticos e eletromecânicos que serão instalados, identificando-se a potência de cada equipamento e a possibilidade de aumento de carga.

14 8/ Determinação da Demanda Projeto de Extensão de Rede Nos projetos de atendimento a novas propriedades, a determinação da demanda máxima é obtida pelo processo estimativo, conforme segue: a) a demanda máxima inicial de cada consumidor poderá ser obtida aplicando-se um fator de demanda sobre a carga a ser instalada do mesmo, dimensionada com base no subitem A aplicação deste fator deve ser feita conforme Tabela : Demanda do Consumidor Tabela : Fator de demanda por tipo de consumidor Fator de Demanda diversificado Um consumidor e uma única carga 00% Um consumidor e dois motores 85% Um consumidor e mais de dois motores ou diversos consumidores e diversas cargas b) a demanda do transformador será determinada pelo somatório das demandas diversificadas dos consumidores, dimensionadas segundo o item anterior; c) a demanda da rede primária será o produto da soma das demandas dos transformadores pelo fator de simultaneidade igual a 75% Projeto de Reforma de Rede Neste caso a determinação da demanda deve ser obtida pelo processo de medição. Neste processo deve ser obtido o perfil da carga do ramal monofilar, através de medição de corrente ou demanda instalada no início do ramal monofilar. Nota: As medições devem ser efetuadas com a rede, operando em sua configuração normal, em dia de carga típica, por um período mínimo de 24 horas. 6.3 Previsão de Taxa de Crescimento de Carga Observar as prescrições do item 5.3, alínea m. 7 ELABORAÇÃO DO PROJETO 7. Dimensionamento Elétrico 7.. Transformadores de Distribuição 7... Especificação Os transformadores a serem utilizados serão do tipo mono bucha especificados conforme E-MT 0009, nas potências de 5 e 0 kva Determinação da Potência Nominal a) nos projetos de redes novas, a extensão de redes, o dimensionamento do transformador será efetuado em função de sua demanda máxima, determinada conforme o subitem , alínea b ; b) nos projetos de reformas de rede, havendo necessidade de substituição do transformador, o de 5 kva deve ser substituído pelo de 0 kva. Caso o transformador de 0 kva esteja em sobrecarga, deve ser instalado um novo transformador obedecendo a potência máxima da rede de 50 kva 60%

15 9/ Localização De forma geral, os transformadores devem estar localizados tão próximos da carga quanto possível. Na eventualidade, entretanto, de vir a suprir mais de uma carga, sua locação deve ser orientada para o centro da carga, obedecendo sempre as prescrições seguintes: a) os transformadores devem ser locados de maneira que, em nenhum caso, o comprimento do circuito secundário exceda 400 metros, devendo se respeitar as quedas de tensão máximas estabelecidas no item ; b) deve ser evitada a colocação de transformadores em postes onde haja deflexão da rede; c) não locar transformadores em terreno de difícil acesso, quais sejam aqueles que se caracterizem por possíveis acidentes topográficos pronunciado ou condições geográficas especiais de solo, que não permitem o emprego de equipamentos usuais de serviço Rede de Baixa Tensão Condutores Padronizados Devem ser utilizados em todas as redes de Baixa Tensão Condutores Pré-reunidos de alumínio, conforme Tabela 2: Tabela 2: Condutor Multiplexado de Alumínio Isolado em XLPE 0,6/kV Seção do Condutor (mm 2 ) Diâmetro do condutor sem isolação (mm) Diâmetro Externo do Condutor Isolado (mm) Fase Neutro Fase Neutro Fase Neutro Corrente Admissível no Condutor Fase x25 x25 6,00 6,20 8,80 9,00 83 (A) Níveis de Tensão O limite de queda de tensão, permissível nos diversos pontos da rede de MRT é: a) ramal de ligação:,0%; b) rede secundária: 6,0%; c) transformador: 2,0%. O cálculo da queda de tensão deve ser efetuado com as cargas determinadas no item 6.2. O processo de cálculo está baseado no coeficiente de queda de tensão em % de kva x 00 m. A metodologia está apresentada na Folha de Cálculo de Queda de Tensão para Circuito Secundário do Anexo B. As colunas a serem preenchidas na planilha são: A designação do trecho; B comprimento do trecho em 00 m e seus múltiplos; C carga distribuída no trecho (carga levantada x taxa de crescimento + iluminação pública ) em kva; D carga acumulada no fim do trecho em kva; E produto kva (C/2 + D) x B;

16 0/46 F tipo de circuito e bitola dos condutores; G coeficiente da queda de tensão unitária ( kva / 00 m ), considerar 0,527 kva por 00 m, para cabo pré-reunido de alumínio x25+x25 mm²; H queda de tensão percentual no trecho, obtido pelo produto das colunas E e G; I queda de tensão percentual total, obtida para cada ponto extremo de um trecho pela soma da queda nesse trecho com a queda acumulada até o trecho anterior. Como aplicação do cálculo de queda de tensão para um circuito secundário observar o Anexo B Rede Primária Deve ser empregado fio de aço de 3,09 mm de diâmetro. O dimensionamento do alimentador principal será feito pelo método da máxima queda de tensão admissível, respeitando-se o limite térmico dos condutores Níveis de Tensão Os limites de variação de tensão primária de fornecimento (MT) no ponto de entrega de energia estão contidos na Resolução 505 da ANEEL, devendo estar entre 0,95 e,03 da tensão nominal. No ponto de entrega de BT a tensão deve estar no mínimo em 20V e no máximo em 23V Queda de Tensão O limite da queda de tensão para o projeto no ponto mais desfavorável da rede primária é 5%. O cálculo da queda de tensão deve ser efetuado com base no levantamento de carga do item 6.2, obedecendo os seguintes critérios: a) levantar o diagrama do tronco de alimentador concentrando em todos os pontos de derivações de ramais o somatório das cargas correspondentes aos transformadores instalados ao longo de cada ramal; b) deve ser considerada a previsão do crescimento da carga estabelecida segundo o subitem 6.2; c) a queda de tensão deve ser somada a correspondente, do trecho compreendido entre a subestação e o ponto de derivação do MRT, que poderá ser obtida mediante relatório de fluxo de carga, emitido para o estudo de regulação da rede existente; d) utilizar o coeficiente de queda de tensão unitário de 37,%/MVA x Km para o dimensionamento do ramal Proteção e Secionamento Transformador a) Proteção do lado de MT Todo transformador de distribuição deve ter proteção do lado de MT que deve ser feito através de uma chave fusível e um pára-raios. Usar elo fusível de H para transformadores de 5 kva e elo fusível de 2H para transformadores de 0kVA b) Proteção do lado de BT Deve ser instalada proteção secundária em todo transformador de distribuição que alimenta rede aérea de BT, conforme PE 038.

17 / Da Rede Primária Deve ser utilizada chave fusível e pára-raios na derivação da rede convencional com o sistema MRT, desde que o ramal monofilar seja superior a 500 m. 7.2 Aterramento Uma das condições para que o sistema monofilar retorno por terra opere corretamente mantendo a continuidade de serviço e a segurança do pessoal, é que todos os equipamentos, bem como o condutor neutro da rede secundária, estejam devidamente aterrados. Este aterramento deve ser feito individualmente em cada transformador, conforme ilustra a figura do Desenho ou utilizando o neutro parcial que consiste na interligação dos aterramentos dos transformadores do ramal MRT através de um condutor adicional de aço de 3,09 mm. Desta forma, comporta-se fisicamente como monofásico fase-neutro multi-aterrado, com a diferença de que o condutor neutro não está conectado a subestação de origem, conforme figura 2 do Desenho Condutores de Aterramento Devem ser utilizados somente cabos de aço cobreado, conforme PM-0, obedecendo aos seguintes critérios para a sua utilização: a) nas estruturas de transformação usar 0 (um) condutor de descida de bitola 7 x 0 AWG de aço cobreado, instalado externamente ao poste e fixado ao mesmo através dos furos localizados nos gomos. Para proteção de condutor de aterramento utilizar eletroduto de PVC entre os gomos. Nos transformadores onde não houver rede de Baixa Tensão devem ser feitos dois aterramentos na estrutura do transformador, conforme Desenho b) nas Redes Secundárias e cercas usar somente um condutor de descida de bitola 3 x 0 AWG Aterramento Padrão e Disposição das Hastes Devem ser utilizadas hastes de terra cobreada, conforme PM-0, de acordo com os seguintes procedimentos: a) nas Estruturas de Transformação e de Pára-raios, deve ser usado inicialmente o aterramento, padrão, que consiste de três hastes de terra disposta linearmente ao longo da rede de distribuição a uma distância entre hastes de 2 (dois) metros, ficando a haste mais próxima da base do poste a uma distância nunca inferior a (um) metro, e a mais próxima do aterramento da cerca nunca inferior a 3 m, conforme figura do Desenho Nas estruturas de transformadores que não possuam rede secundária, utilizar dois aterramentos, conforme Desenho b) Nas Estruturas da Rede Secundária, usar somente uma haste de terra afastada da base do poste a uma distância nunca inferior a (um) metro, obedecendo aos seguintes critérios: em todo ponto terminal da rede secundária o neutro deve ser aterrado; a partir do transformador de distribuição o neutro da rede secundária deve ser aterrado a cada 200 m, aproximadamente, ou nos pontos intermediários onde estiver prevista a instalação da entrada de serviço em poste da rede, de forma que a distância entre cada aterramento, considerando as derivações, permaneça em torno de 200 m, conforme ilustra a figura 2 do Desenho ; quando existir aterramento primário, este deve ser comum ao secundário; nas cercas deve ser utilizado para cada aterramento uma haste de terra afastada da base do moirão, a uma distância nunca inferior a (um) metro. Para o secionamento utilizar o secionador

18 2/46 pré-formado para cercas, conforme padronizado no PM-0, ou mourões, conforme Desenho ; todas as cercas que correm em paralelo com uma linha elétrica, a uma distância igual ou inferior a 30 m entre a cerca e o condutor mais próximo do arame da cerca, devem ser secionadas a cada 500 metros. Os aterramentos devem ser instalados com uma separação máxima de 250 metros, fazendo coincidir os aterramentos próximos ao secionamento, conforme Desenho ; todas as cercas transversais ao traçado da linha devem ser secionadas e aterradas, conforme Desenho ; quando existir estruturas de transformação próximo a cercas secionar e aterrar conforme Fig. do Desenho Resistência de Terra Limite para Projeto e Diretrizes para Definição do Aterramento Valores Limites Os valores máximos recomendados para resistência de aterramento dos transformadores estão na Tabela 3: Tabela 3: Valores máximos resistências por potência de transformadores Tensão (kv) 3,8 / 3 Transformadores Resistência de Aterramento (kva) ( Ω ) Notas: Os valores acima devem ser verificados sem a interferência dos aterramentos de baixa tensão. 2 As resistências de terra dos transformadores devem ser mantidas nos seus limites da tabela, em solos que não apresentem umidade no momento da medição Aterramento em Malha Deve ser mantido o aterramento padrão quando a ª medição não exceder a 00 Ω. Procura-se obter os valores de resistência de terra limite, ficando-se no máximo mais 3 (três) hastes. Não obtendo o valor de resistência de terra desejado, com 6 hastes deve se optar pelo neutro parcial. A Fig. 2 e 3 do desenho mostra a disposição das hastes em malha. Nota: Concluída a medição em todos os pontos de transformação, deve ser indicado nas folhas do projeto o número de hastes, sua disposição e o valor de resistência medido Aterramento com Neutro Parcial A figura 2 do Desenho mostra a disposição física do aterramento com neutro parcial, devendo ser obedecidas as prescrições seguintes: a) os valores máximos de resistência de terra indicados no subitem para cada transformador, considerando a contribuição de todos os aterramentos interligados (resistência equivalente); b) o condutor neutro utilizado com o retorno por terra, deve ser o mesmo da rede primária;

19 3/46 c) a interligação do neutro deve ser efetivada, preferencialmente, de transformador a transformador, até que se encontre os valores máximos estabelecidos na alínea a, na impossibilidade de existir transformador adjacente, o aterramento deve ser feito nos postes da rede primária adjacentes ao transformador, interligando-se os neutros da mesma forma que descrito anteriormente Profundidade da Haste de Terra A haste de terra deve ser fincada no solo de maneira que a sua extremidade superior fique a uma profundidade mínima de 50 cm da superfície Estruturas de Transformação Fincadas em Rochas Utilizar o neutro parcial para aterramento da estrutura Conexão Devem obedecer aos padrões de estruturas de redes vigentes. 7.3 Dimensionamento Mecânico 7.3. Locação de Posteação Uma vez definido o traçado da rede e realização o levantamento topográfico, devem ser locadas nos desenhos da planta e do perfil as estruturas necessárias ao suporte da rede e lançados os cabos, com o auxílio do gabarito. Para que na construção não surjam motivos que obriguem a modificação nas posições das estruturas, refletindo no custo final da obra, essa locação deve ser feita atendendo aos possíveis fatores restritivos que podem estar presentes na locação dos postes no terreno. Alguns desses fatores já identificados, como por exemplo: a locação de estações transformadoras, atendendo ao centro de carga, ponto de derivação de ramais, locais de difícil acesso, cruzamento de rodovias, ferrovias ou linhas de transmissão, etc Determinação dos Tipos e Esforços dos Postes, Estruturas e Condutores Postes a) os postes a serem utilizados nas Redes de Distribuição Rural Monofilar devem ser de Concreto Armado Duplo T, com as características apresentadas na Tabela 4: Tabela 4: Características dos postes de Concreto duplo T Comprimento Esforço Tipo Aplicação 9 Metros 50 kg D Rede Secundária 9 Metros 300 kg B Rede Secundária 0,5 Metros 50 kg D Rede Primária 0,5 Metros 300 kg B Rede Primária, Rede Secundária, Equipamento, Derivação No dimensionamento dos postes foi considerado que o esforço a 20 cm do topo, no lado do menor esforço, é 50% do esforço nominal do poste. Desta forma, no lado do menor esforço o vão deve ser reduzido. Nota: Em casos especiais em que a topografia exigir, podem ser usados outros tipos de postes.

20 4/46 b) a utilização de postes para instalação do transformador monobucha deve ser de 300/0,5 m; c) a profundidade do engastamento para qualquer tipo de poste: e = L 0 + 0,60 m onde: L = comportamento do poste em metros; e = engastamento ( no mínimo,5 m ) Em função da aplicação dos processos de cálculo para determinação do engastamento para poste de distribuição, são definidos três tipos básicos de engastamentos: simples, base reforçada, base com manilha, conforme definido no PE-03 e PE-05; d) na rede secundária deve ser utilizado o poste de 50 dan sem estaiamento em estruturas de alinhamento e de ângulos de até 35º. Para ângulos superiores a este e estruturas de fim de linha, utilizar o poste de 300 dan ; e) os ângulos máximos permitidos nas estruturas com circuitos primário e secundário estão descriminados no PE Estruturas e Condutores a) as estruturas de Redes de Distribuição Rural Monofilar estão padronizadas no PE-05; b) a determinação das estruturas será em função dos vãos dos ângulos máximos de deflexão, conforme mostrado no PE-05; c) nas estruturas de encabeçamento em alinhamento, o lado de maior esforço dos postes deve estar na direção da rede. No encabeçamento em ângulo, o lado de maior esforço será colocado na bissetriz; d) os encabeçamentos em rede primária devem ser feitos em intervalos aproximados de 2 km; e) na rede secundária devem existir estruturas de encabeçamentos quando as solicitações mecânicas o exigirem; f) o vão deve ser determinado em função do gabarito ou por processo computacional de lançamento para vãos contínuos; g) procurar homogenizar os comprimentos dos vãos contínuos, mantendo-os, sempre que possível, próximos ao vão básico. Quando esta variação for anterior a relação 3 :, deve-se utilizar estrutura de ancoragem (U4) do PE-05; h) fica estabelecido que o condutor primário será de aço zincado (CAZ) com diâmetro igual a 3,09 mm; i) as tabelas do Anexo C mostram as tensões e flechas de montagem próprias para vãos contínuos; j) não são permitidas emendas nos condutores.

21 5/ Estaiamento Quando as características do solo exigirem e/ou os esforços ultrapassarem a resistência mecânica dos postes, projetar estaiamento nas redes de MT utilizando o fio CAZ 3,09 mm, podendo ser: a) estais laterais: são necessários para contra balancear os esforços na estrutura em caso de ângulos e derivações; b) estais longitudinais: devem ser utilizados para garantir estabilidade da estrutura no caso de trações diferentes nos vãos adjacentes ou de rompimento do condutor. Para este último caso supõe-se que o conjunto se comporte como estrutura de final de rede Características e Utilização do Estai a) a resistência mecânica do condutor CAZ 3,09 mm, já considerando o coeficiente de segurança 2 é 540 dan; b) o estai deve ser fixado o mais próximo possível do ponto de fixação dos condutores, fazendo, com a estrutura, um ângulo de 45º; c) nas estruturas (U, U2) do PE-05, quando necessário, utilizar um estai oposto a bissetriz do ângulo formado pelos condutores; d) nas estruturas (U4, U3.3) do PE-05 deve ser utilizado 2 estais, cada um deles em sentido oposto a diretriz dos condutores, para assegurar a estabilidade da estrutura, ocorrendo o rompimento do condutor. 7.4 Travessias e Aproximações 7.4. Sobre Outras Linhas a) o ângulo mínimo entre os eixos das linhas será de 60 º; b) as distâncias verticais mínimas nas condições mais desfavoráveis dos condutores constam no PE-005; c) sempre colocar a linha de mais elevada tensão em nível superior; d) sempre que a linha projetada estiver em nível superior a linha existente, as estruturas de travessia da primeira devem ser de amarrações; e) quando a linha projetada for paralela a uma linha de mesma tensão, as distâncias dos condutores da linha projetada, na condição de máximo deslocamento aos condutores da linha existente, estando estes em repouso, será de 0,5 m Sobre Linha de Telecomunicações a) sempre colocar a linha projetada em nível mais alto das linhas de Telecomunicações. Manter as distâncias verticais mínimas, conforme estabelece o PE-005; b) o ângulo mínimo entre os eixos das linhas será de 60º; c) as estruturas de travessia da linha projetada serão de amarrações; d) nas travessias, guardar uma distância mínima de 5 m entre uma estrutura de linha projetada e o condutor das linhas de Telecomunicações mais próximo da referida estrutura;

22 6/46 e) quando a linha projetada for paralela a uma linha de Telecomunicações, esta deve ficar completamente fora da faixa de segurança de primeira Sobre Rodovias a) para execução de travessia deve ser previamente solicitada licença ao órgão responsável; b) o ângulo mínimo entre os eixos da linha e da rodovia será de 60º, conforme Desenho ; c) não serão permitida emendas no vão de travessia; d) as estruturas de travessia serão de amarrações; e) a distância mínima dos condutores à superfície do solo, na condição de flecha máxima será de 7 m, conforme Desenho ; f) a carga atuante no cabo condutor de uma travessia deve ser de 20%, podendo, nos casos mais desfavoráveis, atingir, no máximo, a 33% da sua carga de ruptura; g) as estruturas devem ser colocadas fora da faixa de domínio das rodovias e em posição tal que a distância medida sobre a superfície do terreno, da estrutura a borda exterior do acostamento, seja maior que a altura da estrutura; h) os estais das estruturas da alínea d não podem ser fixados dentro da faixa de domínio, a menos que haja autorização da entidade responsável pela rodovia; i) em casos excepcionais, mediante acordo com a entidade responsável pelo rodovia, as estruturas podem ser colocadas a distâncias inferiores as apresentadas na alínea g e até mesmo dentro das faixas de domínio das rodovias ou nos canteiros centrais de rodovias com pistas múltiplas. Nestes casos, quando a linha projetada for paralela a sinalização, viadutos, etc., observar a distância mínima de 2 metros, medida na horizontal, nas condições de máximo deslocamento Sobre Ferrovias a) para execução da travessia deve ser previamente solicitada licença ao órgão responsável; b) ângulo mínimo entre os eixos da linha e da ferrovia deve ser de 60º, conforme Desenho ; c) a carga atuante no condutor de uma travessia deve ser de 20%, podendo, nos casos mais desfavoráveis, atingir, no máximo 33% da sua carga de ruptura; d) as estruturas de travessia devem ser de amarrações; e) as estruturas devem ser colocadas fora da faixa de domínio das ferrovias e em posição tal que a menor distância medida sobre a superfície do terreno, do suporte ao trilho mais próximo, seja maior que a altura da estrutura; f) os estais das estrutura da alínea e não podem ser fixados dentro da faixa de domínio; g) não são permitidas travessias sobre áreas das estações ferroviárias. Só em casos excepcionais, mediante acordo com a entidade responsável pela ferrovia; h) no projeto a ser apresentado ao órgão responsável pela ferrovia para aprovação, deve constar obrigatoriamente: planta de situação com as principais dimensões cotadas e desenhadas nas escalas horizontal de :500 e vertical de :250;

23 7/46 tensão nominal, número de fases, número de circuitos, número de condutores por fase; localização das estruturas no vão de travessia; ângulo entre os eixos da ferrovia e da linha; posição dos condutores (cabo ou linha aéreas) pertencentes a ferrovias; posição quilométrica da travessia em relação ao trecho ferroviário considerado, com indicação das localidades adjacentes; denominação do trecho ferroviário; perfil da travessia com todas as dimensões cotadas e desenhado nas escalas horizontal de :500 e vertical de :250; vão da travessia e flecha máxima; diferença da cota entre os condutores mais baixos e elevados do vão da travessia; a altura do condutor mais baixo da travessia, em relação a face superior do boleto do trilho mais alto, conforme Desenho ; características mecânicas dos condutores a serem pregados na travessia; distância dos suportes de sustentação dos condutores a face interna do boleto do trilho mais próximo, conforme Desenho ; desenho de detalhes na escala mínima de :20 das estruturas do vão de travessias; demais requisitos, consultar instrução geral do órgão responsável Sobre Águas Navegáveis ou Não a) quando houver cruzamento de rios que exija vão superior a 00 m, deve ser efetuado um levantamento planimétrico na diretriz da linha de determinação a flecha do condutor e a altura dos postes de travessia; b) o ângulo mínimo entre o eixo da linha e o curso da água será de 60º; c) a distância vertical mínima do condutor à superfície de águas navegáveis, na condição de flecha máxima será de h + 2 m. Nesta fórmula o valor de h corresponde a altura do maior mastro e deve ser fixado pela autoridade responsável pela navegação na via considerada; d) no caso de águas não navegáveis, a distância mínima nas condições da alínea c deve ser de 6 m, conforme Desenho Outras Travessias As distâncias mínimas dos condutores à superfície do solo, nas condições de flecha máxima, devem ser: 5,5 em locais acessíveis a pedestres; 6,0 em locais acessíveis a máquinas agrícolas; 6,0 cruzando ruas e avenidas; 7,0 cruzando rodovias.

24 8/ Aproximação de Aeroportos Para a execução do projeto, ver Desenho e solicitar previamente licença ao órgão responsável. 7.5 Faixa de Servidão A largura mínima da faixa de servidão, no caso de uma única linha de distribuição, pode ser calculada pela expressão: L = 2 (b + d + Du 30 ) Sendo: L = Largura da faixa em metros; b = distância horizontal do eixo do suporte ao ponto de fixação do condutor mais afastado desse eixo em metros; d = soma das projeções horizontais da flecha do condutor e do comprimento da cadeia de isoladores, na condição de máximo deslocamento do condutor, em metros; Du = distância, em metros, numericamente igual a tensão nominal da linha em kv. Para abranger a maioria das situações, incluindo vãos maiores, pode-se admitir uma faixa de servidão mínima, conforme Desenho Numeração de Postes Deve ser feita de acordo com a numeração constante no perfil planialtimetrico da rede. Esta deve ser executada em ordem crescente, designando o número de poste, em cada quilômetro da rede. 7.7 Folha de Locação de Estruturas O projetista deve compilar, na Folha de Locação de Estrutura, os elementos básicos contidos no projeto, conforme apresentado no conforme Desenho Relação de Material e Orçamento Deve ser elaborado por processo computacional, de acordo com os Sistema de Orçamento de Obras, em vigor. 8 APRESENTAÇÃO DO PROJETO Os projetos devem ser apresentados em 4 vias, e em meio magnético contendo os seguintes requisitos. 8. Identificação do Engenheiro Responsável Quando elaborado por terceiros deve ser apresentada a identificação, número de credenciamento junto a COELCE, telefone e endereço do responsável técnico. 8.2 Memorial Descritivo O Memorial Descritivo deve ser composto de: a) identificação do Projetista, do Cliente e contendo os principais dados do projeto; b) estimativa da carga e dimensionamento dos transformadores; c) cálculo de Queda de Tensão

25 9/46 d) cálculo Mecânico efetuado, devendo os esforços a serem aplicados nos postes e condutores serem apresentados nas plantas; e) demonstrativo de Serviços de Terceiros; f) relação de Material; g) Medição da resistência de aterramento em todos os pontos de transformação, indicando nas folhas do projeto o número de hastes, sua disposição e o valor de resistência medido. 8.3 Documentação a) uma via da Anotação de Responsabilidade Técnica ART; b) licença junto aos órgãos responsáveis, nos casos de travessias de linhas férreas, rodovias ou aproximação de aeroportos; c) licença emitida pelo órgão responsável pela preservação do meio ambiente, quando a obra for instalada em áreas de preservação ambiental; d) termo de permissão de passagem para redes rurais que eventualmente cruzem terrenos de terceiros; e) cópia do Certificado de Credenciamento para elaboração de projeto e execução de obras, emitido pela COELCE. 8.4 Planta da Rede As plantas devem ter boa apresentação, ser perfeitamente legíveis, devendo conter: a) localização e numeração de toda a posteação; indicando o esforço nominal e a altura (por exemplo 300/2); b) indicação das estruturas e secionamentos; c) indicação do tipo, bitola e número de condutor;; d) tipo e capacidade de todos os transformadores de distribuição; e) tipo de secionadora com sua capacidade nominal e de ruptura; f) chaves fusíveis com sua capacidade de ruptura e a indicação do elo fusível; g) potência e tipo de lâmpada de iluminação pública e do relé de comando, quando houver; h) indicação e localização dos pára-raios não só nos transformadores, como na rede em geral. 8.5 Perfil Plani-altimétrico Deve ser apresentado o levantamento Topográfico, com o traçado da rede em perfil plani-altimétrico, efetuado com auxílio do gabarito, ou software adequado para projetos com extensão a partir de 000m ou situados em terrenos acidentados. O desenho deve ser apresentado na escala vertical :500 e horizontal de :5000, contendo os seguintes detalhes: a) locação das estruturas primárias e secundárias; a) linhas telegráficas; b) redes e linhas elétricas existentes; c) ferrovias e rodovias; d) locais de trânsito de veículos;

26 20/46 e) rios; f) açudes ou lagoas; g) obras de engenharia que possam interferir no projeto; h) cerca de arame. i) indicação do alimentador existente, do ângulo de derivação, poste (esforço e altura), estrutura correspondente e poste e estrutura anterior e posterior; 8.6 Desenhos de Detalhes Devem ser feitos em plantas individuais: a) cruzamento de linhas; b) travessias de rios, rodovias e ferrovias; c) estaiamento especial; d) desenho e montagem de estruturas especiais, com a justificativa da não utilização das estruturas padronizadas pelos PE-005 e PE-038, nestes casos o analista de projeto deve encaminhar ao órgão normativo para análise e parecer. 8.7 Análise e Aceitação do Projeto Os projetos elaborados por terceiros devem ser analisados pela COELCE, observando-se as seguintes observações: a) para aceitação pela COELCE o projeto deve obrigatoriamente estar de acordo com as suas normas e padrões, com as normas da ABNT e com as Normas e resoluções expedidas pelos órgãos oficiais competentes; b) uma vez aceito o projeto, a COELCE deve ser devolvida uma via ao interessado; c) toda e qualquer modificação no projeto já aceito, somente pode ser feita através do responsável pelo mesmo, mediante consulta à COELCE; d) a COELCE não recebe a obra caso haja discordância com o projeto aceito; e) o prazo máximo de validade do projeto é de 6 meses após a sua aceitação. Após esse prazo a aceitação do projeto fica sem efeito. 9 EXECUÇÃO E COMISSIONAMENTO DA OBRA 9. Limpeza da Faixa de Servidão a) antes da execução da obra deve ser feita uma adequada limpeza da faixa de servidão, observando o disposto no Desenho 003.; b) deve ser desmatado somente o necessário para construção ou manutenção da rede, sendo a largura de 6 metros para redes convencionais de MT e 3 metros para BT, devendo ser sempre preservada a vegetação rasteira, com o objetivo de evitar erosão; c) nas grandes depressões do terreno, onde a vegetação não ameaçar a rede, fazer somente uma faixa para acesso, com largura de metro. 9.2 Execução da Obra a) durante as etapas de levantamento de dados no campo, projeto e construção das redes, devem ser observados os Procedimentos de Execução PEX, relativos a cada atividade que esteja sendo executada; b) o projeto e demais documentação legal deve estar disponível, a qualquer hora, no local da obra; c) devem ser tomados todos os cuidados necessários ao correto manuseio, transporte e estocagem dos materiais;

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE DOCUMENTO NORMATIVO CRITÉRIO DE PROJETO DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE Código Página Revisão Emissão CP 015 I 1 JAN/2004 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. ANEXOS 6. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO Página 2 de 1. OBJETIVO Esta norma estabelece as condições exigíveis

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Normas CEMIG ND2.1 - Instalações Básicas de Redes de Distribuição Áreas Urbanas ND3.1 - Projetos de Redes de Distribuição Aéreas Urbanas RDU Rede de Distribuição

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE DT-144/2013 DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00 INSTALAÇÃO DE CAIXA DE PROTEÇÃO SECUNDÁRIA NA REDE DE BAIXA TENSÃO FOLHA DE CONTROLE DECISÃO TÉCNICA INSTALAÇÃO

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES 3$'5 2'((6758785$6 '(/,1+$6(5('(6 PARTE 1 ASPECTOS GERAIS INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras ASPECTOS GERAIS PARTE

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 5

Leia mais

CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS TRAVESSIA DE OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO

CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS TRAVESSIA DE OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO 1/16 1. Rodovias O uso da faixa de domínio das estradas de rodagem estaduais e federais delegadas, é regulamentada pela Decisão Normativa nº 35, de 18 de agosto de 2003, emitida pelo DAER/RS. 1.1. Locação

Leia mais

1.1. Locação da rede de distribuição

1.1. Locação da rede de distribuição 1. Rodovias O uso da faixa de domínio das estradas de rodagem estaduais e federais delegadas, é regulamentada pela Decisão Normativa nº 35, de 18 de agosto de 2003, emitida pelo DAER/RS. 1.1. Locação da

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE ITA - 006 Rev. 0 Setembro / 2003 Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 Página 1 de 1 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1.OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/01/2013 29/01/2013 APROVADO POR SEBASTIÃO J. SANTOLIN - DTES- SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações ID-4.044 Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos ELABORADO: Luiz Eduardo R. Magalhães Gerência

Leia mais

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica CEMAR NORMA DE PROCEDIMENTOS Função: Área: Processo: Código: Técnica Técnica Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica NP-12.306.02 Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Leia mais

DEPARTAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO

DEPARTAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO 1 OBJETIVOS Esta norma estabelece os requisitos, condições técnicas mínimas e os procedimentos a serem seguidos na elaboração e apresentação de projetos de compartilhamento de infraestrutura das redes

Leia mais

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição Professor Jorge Alexandre A. Fotius Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Em áreas urbanas com baixa densidade

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO RURAL EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: NOV./09 FOLHA : 1 / 91 A P R E S E N T A Ç Ã O Esta Norma Técnica estabelece

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 034/2008 PADRÃO DE ESTRUTURA PE-034/2008 R-02 ESTRUTURAS ESPECIAIS

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 034/2008 PADRÃO DE ESTRUTURA PE-034/2008 R-02 ESTRUTURAS ESPECIAIS DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 034/2008 PADRÃO DE ESTRUTURA PE-034/2008 R-02 ESTRUTURAS ESPECIAIS FOLHA DE CONTROLE PADRÃO DE ESTRUTURA ESTRUTURAS ESPECIAIS Código Página

Leia mais

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI 1 - NOME DO CURSO: Projetos de RDI / RDP: RDI: Redes de Distribuição Aéreas Isoladas; RDP: Redes de Distribuição Aéreas Protegidas (Compactas). 2 - ÁREA: Eletrotécnica Sub

Leia mais

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia.

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia. fls. 1/11 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO RURAL EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 1 / 91 A P R E S E N T A Ç Ã O Esta Norma Técnica estabelece

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-025/2013 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-025/2013 R-00 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE /2013 DECISÃO TÉCNICA /2013 R- PARA FORMAR UM BANCO TRIFÁSICO FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica apresenta critérios para instalação

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 NORMA TÉCNICA CELG Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TIPOS

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-090/2010 R-07

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-090/2010 R-07 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA /2010 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica aplica-se as unidades consumidoras rurais atendidas pelo Programa

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 14/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Dimensionamento dos Condutores FASE Ampacidade Queda de Tensão Seção Mínima Dimensionamento dos Condutores

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Condições Gerais 5. Requisitos Ambientais 6. Lançamento de Condutores 7. Fixação Definitiva do Condutor 8. Identificação de Fases

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2 NORMA TÉCNICA CELG Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição NTC-18 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.01.01 CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS. Sumário

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.01.01 CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS. Sumário 1. Objetivo... 6 2. Aplicação... 6 3. Documentos de referência... 6 4. Obtenção de dados preliminares... 6 4.1. Características do projeto... 6 4.1.1. Localização... 6 4.1.2. Tensão de operação... 6 4.1.3.

Leia mais

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS NORMA TÉCNICA NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS Cuiabá Mato Grosso - Brasil INDICE 1 OBJETIVO...03

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS 02.111-TD/AT-3013a Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS Gerência de Desenvolvimento e Engenharia de Ativos da Distribuição TD/AT Belo Horizonte Setembro/2013

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA NT - 05.006.00 1 de 140 ÍNDICE 1 FINALIDADE... 6 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 6 3 DEFINIÇÕES... 6 3.1 Alimentador de Distribuição... 6 3.2 Aterramento... 6 3.3 Carga Instalada... 6 3.4 Demanda (Média)... 6

Leia mais

PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL

PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL DOCUMENTO NORMATIVO Código PADRÃO DE ESTRUTURA PE - 031 Página I REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA Outubro 2008 Companhia Energética de Alagoas-CEAL Superintendência de Projetos e Obras-SPP Gerencia de Projetos e Obras

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP-001/2013 R-02

CRITÉRIO DE PROJETO CP-001/2013 R-02 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE /2013 CRITÉRIO DE PROJETO /2013 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Este Critério de Projeto tem por objetivo estabelecer os requisitos mínimos necessários

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Me. Hader Aguiar Dias Azzini hader_azzini@hotmail.com Campinas - ES 2014 Introdução Em geral, o projeto elétrico compreende quatro partes: Memória (justificativa

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM

REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM 1 ND 3.5 PROJETOS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS Roberto Carlos de Souza - CEMIG Erivaldo Costa Couto -

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário 1 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto Geométrico dos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES DO PROJETO

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA NTD-14 NTD 14 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA CONTROLE DE VERSÕES NTD-14 - MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Nº.: DATA VERSÃO 1 13/07/4 0 2 03/9 1 NTD 14 MONTAGEM

Leia mais

NTD-12 MONTAGEM DE REDES AÉREAS SECUNDÁRIAS ISOLADAS COM CABOS MULTIPLEXADOS

NTD-12 MONTAGEM DE REDES AÉREAS SECUNDÁRIAS ISOLADAS COM CABOS MULTIPLEXADOS NTD-1 APRESENTAÇÃO 4 1. OBJETIVO 5. AMPLITUDE 5 3. RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO 5 4. CONCEITUAÇÃO 5 4.1. REDE DE DISTRIBUIÇÃO 5 4.. REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA RDU 5 4.3. REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC

SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO 300KVA SEC. DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO CE. SEDUC 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO 4.1. MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Instalação de Geradores Particulares em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.007 2ª Folha 1 DE 6 18/08/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS 1- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Convencional Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 13 2- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Compacta Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 2 de

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

ID-2.024. Instrução Técnica. Procedimento Técnico para Projetos e Implantação de Postes na AES Eletropaulo. Diretoria de Engenharia e Serviços

ID-2.024. Instrução Técnica. Procedimento Técnico para Projetos e Implantação de Postes na AES Eletropaulo. Diretoria de Engenharia e Serviços ID-2.024 Procedimento Técnico para Projetos e Implantação de Postes na AES Eletropaulo Instrução Técnica Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição 2 Folha de Controle Elaborado

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-17/09/2012 22/10/2012 ENGENHARIA E SISTEMAS TÉCNICOS (DTES-ES) APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI (DTES-ES) SUMÁRIO

Leia mais

SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA

SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO 4.1. MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

projecto de postos de transformação

projecto de postos de transformação 123 Henrique Ribeiro da Silva Dep. de Engenharia Electrotécnica (DEE) do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) projecto de postos de transformação {2.ª Parte - Postos em Cabine} Os postos de

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL T Í T U L O ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA R3 DCMD 01/09/2014 01/10/2014 CONTROLE DE REVISÃO Data Responsáveis Descrição 01/09/2014 R3 Elaboração: Eng. Alberto J.

Leia mais

SISTEMA DE DOCUMENTOS NORMATIVOS SUBSISTEMA DE NORMAS TÉCNICAS

SISTEMA DE DOCUMENTOS NORMATIVOS SUBSISTEMA DE NORMAS TÉCNICAS APRESENTAÇÃO...4 1 OBJETIVO...3 2 AMPLITUDE...3 3 RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4 CONCEITUAÇÃO...3 4.1 REDE DE DISTRIBUIÇÃO...3 4.2 REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA RDU...3 4.3 REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares Check-List Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Diretoria de Serviços Operacionais 1. RESUMO Relação de documentos

Leia mais

NORMA TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO NTD - 04 MANUAL TÉCNICO DE COMPARTILHAMENTO DE POSTES

NORMA TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO NTD - 04 MANUAL TÉCNICO DE COMPARTILHAMENTO DE POSTES NORMA TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO NTD - 04 MANUAL TÉCNICO DE COMPARTILHAMENTO DE POSTES 29.09.2000 3/18 PÁG. 1. OBJETIVO... 3/18 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3/18 3. S COMPLEMENTARES... 3/18 4. TERMINOLOGIA...

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA DSEE 11/12/2014 DATA SUMÁRIO

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO AMPLA CPA-001/2014 R-00

CRITÉRIO DE PROJETO AMPLA CPA-001/2014 R-00 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE REDE CPA-1/2014 CRITÉRIO DE PROJETO AMPLA CPA-1/2014 R- FOLHA DE CONTROLE CPA-1 I APRESENTAÇÃO Este Critério de Projeto CPA-1 tem

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 07/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Quadro de Distribuição Circuitos Terminais Circuitos Terminais Quadro de Distribuição Quadro de Distribuição

Leia mais

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda Manual de Instruções MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Parabéns! Nossos produtos são desenvolvidos com a mais alta tecnologia Bombas Beto. Este manual traz

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CAPEADOS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-11/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros capeados,

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE REDE DE ENERGIA ELÉTRICA NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE REDE DE ENERGIA ELÉTRICA NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de rede de transmissão e/ou distribuição de energia elétrica nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Dados do cliente Proprietário: Roney Casagrande CPF: 765.425.990-53 Endereço: Estrada Pinhal da Serra, n 04452, Interior Cidade: Pinhal da Serra RS CEP: 95.390-000 Dados da

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA I-313.0002 PROCEDIMENTOS PARA

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas.

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas. fls. 1/6 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Linhas Físicas de Telecomunicações, com Cabos Metálicos e com Fibras Ópticas. PALAVRAS-CHAVE:

Leia mais

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva

Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva Aplicação de Sistema Telemedição em Unidades Consumidoras Alimentadas por Redes Subterrâneas Caso Praia do Paiva Autores Marcelo Artur Xavier de Lima CELPE; José Aderaldo Lopes CELPE. 1 AGENDA: A Celpe;

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Regras práticas para projeto elétrico Iluminação, TUG, TUE Recomendações práticas Alguns símbolos diferentes (outra concessionária) Página do Professor - Manuel Rendón UFJF Manual

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES MEMORIAL DESCRITIVO DE IMPLANTAÇÃO Unidade de Educação Infantil Próinfância Tipo C 1. OBJETIVO: A presente especificação tem por objetivo estabelecer os critérios para a implantação da Unidade de Educação

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça.

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. fls. 1/5 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA 1. DETERMINAÇÃO DA CARGA INSTALADA a) Para definição do tipo de fornecimento, o consumidor deve determinar a carga instalada, somando-se a potência

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CABOS COBERTOS FIXADOS EM ESPAÇADORES APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CABOS COBERTOS FIXADOS EM ESPAÇADORES APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Amarrações SEÇÃO 6 Cruzamentos SEÇÃO 7 Conexões e Emendas SEÇÃO

Leia mais

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços de Estudos Topográficos nos Projetos Básicos de Engenharia Ferroviária. Devem ser considerados

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO CT - 59. CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw. Página 1 de 11. Diretoria de Engenharia

COMUNICADO TÉCNICO CT - 59. CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw. Página 1 de 11. Diretoria de Engenharia Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO CT - 59 CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw Diretoria de Engenharia Diretoria de Operações e Planejamento Diretoria Comercial Gerência

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PEA - Eletrotécnica Geral 1 PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS OBJETIVOS Estudar: Constituição de uma instalação elétrica Tipos de instalações elétricas Funcionamento de circuitos típicos Representação de

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028 MONTAGEM DE S PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA, RURAL, COM CONDUTORES NUS - 13,8 E 34,5 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA INDICE 1- OBJETIVO...

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA /2010 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R substitui a R02 e visa estabelecer instruções técnicas para

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-136/2010 R-01

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-136/2010 R-01 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA /20 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica /20 R- define o padrão de uso de condutores concêntricos de alumínio

Leia mais