uma marca Zelio Control Relés de medição e controle

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "uma marca Zelio Control Relés de medição e controle"

Transcrição

1 uma marca

2 Sumário Guia de escolha Páginas e Caracerísicas gerais Páginas e 5 elés de conrole de Apresenação Páginas 6 a 8 redes rifásicas M Ti Caracerísicas Página 9 eferências Página 0 Dimensões, esquemas Página elés de medição de ensão Apresenação Páginas e M A Caracerísicas Página eferências Página 5 Dimensões, esquemas Página 6 Colocação em operação Página 7 elés de conrole de Apresenação Página 8 redes monofásicas M B Caracerísicas Página 9 eferências Página 0 Dimensões, esquemas Página elés de medição de correne Apresenação Páginas e M JA Caracerísicas Página eferências Página 5 Dimensões, esquemas Página 6 Colocação em operação Página 7 elés de conrole de Apresenação Páginas 8 e 9 níveis de líquidos M L Caracerísicas, referências Página 0 Dimensões, esquemas, colocação em operação Página

3 Guia de escolha 0 Aplicações elés de conrole de redes Trifásicos elés de conrole de ensão Funções Saída Conrole: Conrole: - seqüência das fases, - sobreensão - fala de fase, - subensão, a 50 mv...5 V - sobreensão e a...00 V subensão, a V - assimeria ou conaos "NANF" conao "NANF" Conrole: - sobreensão ou subensão a 50 mv...5 V a...00 V a V a 0,...60 V a V a ou c V a ou c V conaos "NANF" Conrole: - sobreensão e subensão conaos "NANF" Largura,5 mm,5 mm,5 mm,5 mm Tipos de relés M Tppp M A0pp M Ap M Bp Páginas 6 8

4 Guia de escolha 0 elés de conrole de correne elés de conrole de níveis Conrole: sobrecorrene Conrole: sobrecorrene e subcorrene Conrole: - esvaziameno ou enchimeno ma... A ma... A ma 0,...0 A A com emporizador incorporado 0,...5 A ma 0,...0 A conao "NANF" conaos "NANF" conaos "NANF" ou conaos "NANF",5 mm,5 mm 5 mm,5 mm M JA0p M JApp M JApp M Lpppp 8

5 Caracerísicas gerais elés ipo M Generalidades Conformidade às normas IEC , EN Cerificações dos produos Marcação e CSA, GL, L, em curso Os relés de medição esão em conformidade com a regulamenação européia relaiva à marcação e Temperaura ambiene Para esocagem C nas proximidades do produo Para funcionameno C midade relaiva admissível Segundo IEC % Classe ambienal K Suporabilidade às vibrações Segundo IEC , 0 a 55 Hz a = 0,5 ms Suporabilidade aos choques Segundo IEC gn - ms Grau de proeção Invólucro IP 50 Terminais de ligação IP 0 Grau de poluição Segundo IEC Caegoria de sobreensão Segundo IEC III Tensão nominal de isolação Segundo IEC V 500 Segundo CSA V () Tensão de ensaio de isolação Ensaio dielérico kv,5 Onda de choque kv,8 Limies de ensão Do circuio de alimenação 0,85, c () Limies de freqüência Do circuio de alimenação 50/60 ± 5% Valor de desconexão Do circuio de alimenação > 0, c () Posição de monagem Em relação à posição verical Todas as posições sem desclassificação normal de monagem Ligação Fio flexível sem erminal mm x,5 Secção máxima Fio flexível com erminal mm x,5 Torque de apero N.m 0,6, Imunidade aos campos eleromagnéicos (CEM) (Classe segundo EN 68-) Descargas elerosáicas Segundo IEC Nível (6 kv conao, 8 kv ar) Campos eleromagnéicos Segundo IEC Nível (0 V/m) Transienes rápidos Segundo IEC Nível ( kv) Ondas de choque Segundo IEC Nível ( kv) Emissões irradiadas CISP Grupo classe A e conduzidas CISP Classe A () Valor não comunicado. () Exceo M-T, ver página 9. páginas 0, 5, 0, 5 e 0

6 Caracerísicas gerais (coninuação) elés ipo M Caracerísicas do circuio de saída Vida mecânica Em milhões de ciclos de manobras 0 Correne limie Ih A 8 Limies nominais de emprego a 70 C V 5 V 50 V Segundo IEC /99 e VDE 0660 AC-5 A DC- A 0, 0, Capacidade mínima de comuação V/0 ma Tensão de comuação Nominal V a 50 Máxima V a 0 Maerial de conao Praa Niquelada 90/0 Carga em correne alernada Carga em correne conínua Curva Curva Curva de limie de carga Vida elérica dos conaos com carga Faor de redução k para as cargas resisiva em milhões de ciclos de manobras induivas (a aplicar nos valores lidos na curva de vida ao lado) Milhões de ciclos de manobras 0 0, Faor de redução k 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 0, Tensão em V ,0 0, ,8 0,6 0,5 0, 0, 0, 0, 0, 0, Correne inerrompida em A Faor de poência na inerrupção (cos ϕ) Correne em A Exemplo: m conaor LC-F85 alimenado em 0 V/60 Hz em um consumo de 66 VA, iso é, uma correne consumida igual a 0,6 A e cos ϕ = 0, A curva indica para 0,6 A uma vida de aproximadamene, milhões de ciclos de manobras. Se a carga for induiva, é necessário aplicar nese número de ciclos de manobras um coeficiene de redução k, indicado pela curva. L/ = 0 ms L/ com diodo de proeção na carga Carga resisiva + M Para cos ϕ = 0, : k = 0,6 A vida elérica orna-se enão:, 0 6 ciclos de manobras x 0,6 = ciclos de manobras K páginas 0, 5, 0, 5 e 0 5

7 Apresenação elés de conrole de redes rifásicas, ipo M T Funções 560 Eses relés são desinados à supervisão das redes rifásicas e à proeção dos moores e ouros recepores conra os defeios lisados na abela abaixo. Possuem uma ampa ransparene ariculada na face fronal para eviar qualquer inervenção involunária na regulagem. É possível lacrar a ampa. Conrole da seqüência das fases Deecção de fala oal, de uma ou mais fases M TG M T M T M TA M T Conrole de subensão Conrole de sobreensão e subensão ( níveis) Deecção de assimeria das fases (desequilíbrio) Função realizada Função não realizada Aplicações p Conrole da conexão dos equipamenos móveis (equipamenos de campo, agrícolas, caminhões refrigerados). p Conrole para a proeção de pessoas e dos maeriais conra uma inversão da seqüência das fases (levanameno e movimenação de carga, elevadores, escadas rolanes, ec). p Conrole de redes rifásicas sensíveis. p Proeção conra o risco de carga racionane (fala de fase). p Comuação de fones normal/segurança. Apresenação M TG M T < LED amarelo: indicação do esado do relé. LED amarelo: indicação do esado do relé. < LED vermelho: defeio de subensão. Poenciômero de regulagem de subensão. M T, M T, M TA M TA0 M T M T > < P > A < P P Caracerísicas: página 9 página 0 Seleor de função de emporização: Poenciômero de regulagem de nível de assimeria Deecção de defeio reardado. de 5 a 5% Deecção de defeio prolongado. Poenciômero de regulagem de emporização 0, a 0s. Poenciômero de emporização em segundos. LED amarelo: indicação do esado do relé. Poenciômero de regulagem de sobreensão em LED verde: indicação de energização do M. valor direo. A LED vermelho: assimeria de fases. Poenciômero de regulagem de subensão em P LED vermelho: fala de fase ou defeio de seqüência valor direo. das fases. LED amarelo: indicação do esado do relé. LED verde: indicação de energização do M. > LED vermelho: defeio de sobreensão < LED vermelho: defeio de subensão P LED vermelho: fala de fase ou defeio de seqüência das fases. página 6

8 Apresenação (coninuação) elés de conrole de redes rifásicas, ipo M T Princípio de funcionameno A ensão da rede a ser supervisionada é conecada nos bornes L, L, L do produo. Não é necessário alimenar separadamene os M T, pois são auo-alimenados pelos bornes L, L, L. p Conrole da seqüência das fases e deecção de fala oal, de uma ou mais fases (M T, odos os ipos) Na energização dos bornes L, L, L, o relé será energizado e o LED amarelo acenderá, se a seqüência das fases esiver correa e se as fases esiverem presenes. Em caso de fala de uma ou mais fases ou seqüência das fases incorrea, o relé não será energizado. Em funcionameno normal (sem defeio), o relé fica energizado. O relé é desenergizado insananeamene no caso de falha de uma ou mais fases (a emporização evenual não será aiva neses defeios). Em circuios onde a fala de uma fase possa gerar uma ensão de reorno superior ao nível de deecção ( 0 V no M TG; nível de subensão regulado no M T e M T), a fala de fase não seria deecada. Para eses casos, recomendamos a uilização dos M TA que possuem o conrole de assimeria de fases. A fala de uma fase é sinalizada (nos relés M T e M TA) pelo acendimeno do LED P. p Conrole de sobreensão e subensão (M T): Em funcionameno normal, o relé fica energizado e os LEDs e ficam acesos. Se a média das ensões enre fases esiver fora da faixa a ser supervisionada, o relé será desenergizado: - sobreensão: o LED vermelho > acende, - subensão: o LED vermelho < acende. Quando a rede volar a seu valor nominal, o relé será reenergizado seguindo o valor da hiserese (5%) e o LED vermelho correspondene irá se apagar. m comuador permie escolher uma emporização regulável de 0, s a 0 s. A função permie não considerar as sobreensões ou subensões ransiórias. A função permie considerar odas as ulrapassagens e rearda a reenergização do relé. Em odos os casos, a duração da sobreensão ou subensão deve ser superior ao empo de ciclo de medição para ser deecada (80 ms). Diagrama de funções (M T, M T) M T M T egulagem > 0,95 x egulagem > <,05 x egulagem < egulagem < L L L < Vmin Função 5/8 5/8 5/6 5/6 Função 5/8 5/8 5/6 5/6 : emporização Diagrama de funções (M T, M T) M T M T T T V 0 V 0 V 8 V < 08 V 78 V 98 V 60 V L L L < Vmin Função 5/8 5/8 5/6 5/6 Função 5/8 5/8 5/6 5/6 : emporização Caracerísicas: página 9 página 0 página 7

9 Apresenação (coninuação) elés de conrole de redes rifásicas, ipo M T Princípio de funcionameno (coninuação) p Conrole de subensão somene (M T) Em funcionameno normal, o relé fica energizado e o LED amarelo fica aceso. Se a média das ensões enre fases for inferior ao nível regulado de subensão, o relé será desenergizado após 550 ms e o LED vermelho < acender-se-á. Diagrama de funções,05 x egulagem < egulagem < L L L 5/8 5/8 5/6 5/6 < Vmin : emporização fixa = 550 ms p Deecção de assimeria das fases (M TA) Em funcionameno normal, o relé fica energizado, os LEDs amarelo e verde ficam acesos. Num defeio de assimeria após uma emporização regulada enre 0, s e 0 s (somene no M TA), o relé é desenergizado, o LED amarelo apaga-se, o LED vermelho A acende-se (somene no M TAp). O relé será reenergizado quando o valor de assimeria medido for inferior à meade do valor de assimeria regulado (hiserese). Diagrama de funções L L L L L L L L L Assimeria > nível regulado Assimeria > nível regulado elé : emporização Exemplo: assimeria regulada 0%, rede 00 V -nível de desenergização do relé: 00 0% = 60 V, -nível de reenergização do relé: 00 V 0% = 80 V. Caracerísicas: página 9 8 página 0 página

10 Caracerísicas elés de conrole de redes rifásicas, ipo M T Tipos de relés M TG M T M T M TA Caracerísicas dos relés de saída e de funcionameno Número de conaos NANF M TAp: M TA0p: Esado dos relés de saída Energizado em funcionameno sem defeio. Desenergizado ou sem possibilidade de energização por defeio da seqüência das fases ou fala de fase(s). Energizado em funcionameno sem defeio. Desenergizado por defeio de subensão ou por defeio da seqüência das fases ou fala de fase(s). Energizado em funcionameno sem defeio. Desenergizado por defeio de sobreensão, subensão ou por defeio da seqüência das fases ou fala de fase(s). Energizado em funcionameno sem defeio. Desenergizado por defeio de assimeria ou por defeio da seqüência das fases, ou fala de fase(s). Precisão do ajuse do nível Em % do valor regulado ± % ± % ± % de comuação Desvio do nível de comuação Em função da emperaura ambiene admissível 0,06% por 0,06% por 0,06% por grau cenígrado grau cenígrado grau cenígrado Denro da 0,5% 0,5% 0,5% faixa de medição Precisão do ajuse da Em % do valor da ± 0% ± 0% ± 0% emporização escala plena Desvio da emporização Denro da 0,5% 0,5% 0,5% faixa de medição Em função da emperaura 0,07% por 0,07% por 0,07% por nominal de funcionameno grau cenígrado grau cenígrado grau cenígrado Hiserese Fixa Aproxim. 5% em relação ao nível de desenergização Aproxim. 5% em relação ao nível de desenergização Aproxim. 50% em relação à porcenagem de assimeria Ciclo de medição ms Caracerísicas da enrada de medição Tensão mínima L L V 98 M T0: 60 M T, M TA0, de funcionameno () ou M T: 60 M TA: 60 L L ou M T0: 90 M T, M TA0, L L M T: 90 M TA: 90 Tensão máxima admissível L L L V 8 M T0: 00 M T, M TA0, enre fases M T: 00 M TA: 00 M T0: 8 M T, M TA0, M T: 8 M TA: 8 () Tensão mínima que permie o funcionameno dos indicadores e da emporização. Apresenação: páginas 6 a 8 página 0 página 9

11 eferências elés de conrole de redes rifásicas, ipo M T elés de conrole: seqüência e fala de fases 560 Temporização Tensão Largura elés eferência Peso nominal de saída da rede () s V mm kg M TG0 Sem 0...0,5 NANF M TG0 0,0 50/60 Hz elés de conrole: seqüência e fala de fases + subensão Temporização Tensão Nível de Largura elés eferência Peso nominal conrole de saída da rede () s V V mm kg Sem 0 0 Subensão,5 NANF M T0 0,0 50/60 Hz Subensão,5 NANF M T0 0,0 50/60 Hz 00 0 elés de conrole: seqüência e fala de fases + sub e sobreensão elés com níveis de ensão fixos Temporização Tensão Nível de Largura elés eferência Peso regulável nominal conrole de saída da rede () s V V mm kg 0, Subensão,5 NANF M T 0,0 50/60 Hz 98 Sobreensão 00 Subensão,5 NANF M T 0,0 50/60 Hz 60 Sobreensão 0 M T elés com níveis de ensão reguláveis Temporização Tensão Nível de Largura elés eferência Peso regulável nominal conrole de saída da rede () s V V mm kg 0, Subensão,5 NANF M T 0,0 50/60 Hz 60 0 Sobreensão Subensão,5 NANF M T 0,0 50/60 Hz 00 0 Sobreensão 0 80 elés de conrole: seqüência e fala de fases + assimeria Temporização Tensão Nível de Largura elés eferência Peso na nominal conrole de saída desenergização da rede () s V % mm kg Fixa Assimeria,5 NANF M TA0 0,0 0,5 50/60 Hz Assimeria,5 NANF M TA0 0,0 50/60 Hz 5 5 M TA0 egulável Assimeria,5 NANF M TA 0,0 0, 0 50/60 Hz Assimeria,5 NANF M TA 0,0 50/60 Hz 5 5 () espeiar as ensões mínimas de funcionameno, ensão máxima enre fases (ver página 9) e compaibilidade com as faixas de níveis de conrole. Apresenação: páginas 6 a 8 0 Caracerísicas: página 9 página

12 Dimensões, esquemas elés de conrole de redes rifásicas, ipo M T Dimensões Monagem em perfil Fixação por parafuso M T 78 80,5 89, Esquemas, conexões Bornes M TG0, T0p M Tp, TAp M TA0p L L L L L L L L L L L L 6 () 8 5 () () 6 () 8 5 () () 8 () 5 () 6 () 8 () 5 () 6 () L L L /L /L 5/L Q 6 L L L M T KM /T /T L L L 6/T 5 Q 5 KM KM N V W L, L, L ede a ser supervisionada L, L, L ede a ser supervisionada L, L, L ede a ser supervisionada 5()-8() º conao NANF do 5-8 º conao NANF do 5-8 º conao NANF do 5()-6() relé de saída 5-6 relé de saída 5-6 relé de saída 5()-8() º conao NANF do 5-8 º conao NANF do 5()-6() relé de saída 5-6 relé de saída Esquema de aplicação Exemplo Parada Defeio Parida M Apresenação: páginas 6 a 8 Caracerísicas: página 9 página 0

13 Apresenação elés de medição de ensão, ipo M A Funções 5606 Eses relés são desinados a deecar uma aleração de nível de ensão pré-regulada (alernada ou conínua, sobreensão/subensão). Possuem uma ampa ransparene ariculada na face fronal para eviar qualquer inervenção involunária na regulagem. É possível lacrar a ampa. Tipos de Conrole de Conrole de sobreensão Faixa de relés ensão ou subensão () medição M A0p Sim Não 50 mv 500 V M A0 M Ap Sim Sim 50 mv 500 V Aplicações: - conrole de sobrevelocidade dos moores em correne conínua, - supervisão de baerias, - supervisão de redes em correne alernada ou conínua, - supervisão de velocidade (com acogerador). Apresenação M A0p Largura,5 mm M Ap Largura,5 mm egulagem do nível de ensão em % do máximo da faixa de regulagem. egulagem da hiserese 5 a 0% (). egulagem do fim da emporização em % do máximo da faixa de regulagem. Comuador combinando: - a seleção da faixa de emporização: s, s, 0s, 0s, sem emporização, - a seleção do conrole de sobreensão (>) ou subensão (<). Ver abela abaixo LED amarelo: indicação do esado do relé. LED verde: indicação da energização do M. Tabela dealhada do comuador Posição do Função Temporização comuador () < 0 Conrole de subensão Sem emporização < Conrole de subensão 0,05 a s < Conrole de subensão 0,5 a s < 0 Conrole de subensão 0,5 a 0 s < 0 Conrole de subensão,5 a 0 s > 0 Conrole de sobreensão Sem emporização > Conrole de sobreensão 0,05 a s > Conrole de sobreensão 0,5 a s > 0 Conrole de sobreensão 0,5 a 0 s > 0 Conrole de sobreensão,5 a 0 s () Seleção por comuador na face fronal. () Valor do desvio de ensão enre energização e desenergização do relé de saída (% do nível de ensão a ser medida). Caracerísicas: página página 5 página 6 Colocação em operação: página 7

14 Apresenação (coninuação) elés de medição de ensão, ipo M A Princípio de funcionameno A ensão de alimenação é aplicada nos bornes A-A. A ensão a ser supervisionada é conecada nos bornes B, B ou B e C. A hiserese é regulável enre 5 e 0%: em sobreensão h = (S - S) / S, em subensão h = (S - S) / S. m ciclo de medição dura somene 80 ms, o que permie deecar rapidamene as alerações de ensão no sisema. elé ajusado para deecção de sobreensão (M A0p ou seleor em > para o ipo M Ap): Se a ensão for > que o nível de regulagem S, o relé será energizado com ou sem emporização. Quando a ensão reornar a um valor S inferior a ese nível, em função da regulagem da hiserese, o relé será desenergizado insananeamene. elé ajusado para deecção de subensão (seleor em <, somene ipo M Ap): Se a ensão for < que o nível de regulagem S, o relé será energizado com ou sem emporização. Quando a ensão reornar a um valor S superior a ese nível, em função da regulagem da hiserese, o relé será desenergizado insananeamene. Diagramas de funções: Conrole de sobreensão alimenação A-A Função > Tensão medida S S Hiserese elé : emporização < Conrole de subensão alimenação A-A Tensão medida S S Função < Hiserese elé < Noa: As faixas de medição podem ser esendidas para além de 500V com a uilização de um resisor, ver página 7. Para uma exensão da faixa de medição em ensão a, é possível uilizar um ransformador de ensão, cujo secundário eseja conecado aos bornes de medição do M correspondene. Caracerísicas: página página 5 página 6 Colocação em operação: página 7

15 Caracerísicas elés de medição de ensão, ipo M A Caracerísicas do circuio de alimenação Tipos de relés M A0p M Ap Tensão nominal a 50/60 Hz V de alimenação (n) c V...0 Consumo a VA,9,,7,5,5,,9,,7,,7 médio a n c W, Caracerísicas do relé de saída e de funcionameno Tipos de relés M A0p M Ap Número de conaos NANF Esado do relé de saída Energizado se: ensão medida > nível ajusado Energizado se: ensão medida > nível ajusado (função > ) ensão medida < nível ajusado (função < ) Precisão do ajuse do nível Em % do valor da escala plena: ± 5% de comuação Desvio do nível de comuação % 0,06 por grau cenígrado, em função da emperaura ambiene admissível % 0,5, na faixa da ensão de alimenação (0,85, n) Hiserese (regulável) % 5 0 do nível de ensão regulado Precisão do ajuse Em % do valor da escala plena: ± 0 % da emporização Desvio da emporização % 0,5, na faixa da ensão de alimenação (0,85, n) 0,07 por grau cenígrado, em função da emperaura nominal de funcionameno Ciclo de medição ms 80 Caracerísicas da enrada de medição esisência inerna de enrada e sobrecarga admissível em função das faixas de medição de ensão Tipos de relés M Ap M Ap M Ap Faixa de medição V 0,05 0,5 0, 0, a Hz e c esisência inerna de enrada i kω 6, Sobrecarga permanene admissível V Sobrecarga admissível não repeiiva V durane s Apresenação: páginas e página 5 página 6 Colocação em operação: página 7

16 eferências elés de medição de ensão, ipo M A elés de medição de ensão: conrole de sobreensão Temporização Tensão a ser medida Largura elé eferência de base Peso segundo a conexão de a complear pelo a ou c saída código da ensão () V mm kg 5606 Sem 0,05...0,5,5 NANF M A0p 0,68 0, 0, ,5 NANF M A0p 0, M A ,5 NANF M A0p 0, elés de medição de ensão: conrole de sobreensão ou subensão Temporização Tensão a ser medida Largura elé eferência de base Peso regulável segundo a conexão de a complear pelo a ou c saída código da ensão () s V mm kg 0, ,05...0,5,5 NANF M App 0,68 0, 0, ,5 NANF M App 0, ,5 NANF M App 0, () Tensões de alimenação padrão M A0p Vols a 50/60 Hz B F M M Ap Vols a 50/60 Hz MW F M Q c MW Apresenação: páginas e Caracerísicas: página página 6 Colocação em operação: página 7 5

17 Dimensões, esquemas elés de medição de ensão, ipo M A Dimensões Dimensões Monagem em perfil Fixação por parafuso M A 78 80,5 89, Esquemas, conexões Bornes M A0, A0 M A0 M A, A M A A A C B B B A A C B B A A C B B B A A C B B B B B C B C B B B B C B C A A /L /L 5/L Q 6 5 Q Q Q A A M A B C v KM V 6 A A B A A A 8 5 A A-A Tensão de alimenação Conexão e valores de ensão a serem medidos em função do ipo de M A B, B, Tensões a serem medidas M Ap B-C 0,05 0,5 V M Ap B-C 0 V M Ap B-C 0 00 V B, C (ver abela ao lado) B-C 0, V B-C 5 50 V B-C V B-C 0,5 5 V B-C 0 00 V Esquema de aplicação Exemplo: conrole de sobrevelocidade (função subensão) Tacogerador Parada W Sobrevelocidade Parida KM M KM Apresenação: páginas e Caracerísicas: página página 5 Colocação em operação: página 7 6

18 Colocação em operação elés de medição de ensão, ipo M A Exemplo de subensão a ser medida Nível de subensão: V c. Temporização do relé: 0 s. Nível de ensão de rearme:, V. Tensão de alimenação: 0 V a 60 Hz. p Produo escolhido M AM Conexão da ensão a ser medida B-C (5 a 50 V) egulagens: p egulagem da função e da escala de emporização do comuador : - deerminar a escala de emporização, imediaamene superior ao empo desejado, no exemplo abaixo, 0 s, - deerminar o ipo de conrole de sobreensão ou subensão, nese exemplo, subensão, - escolher a posição do comuador em função dos criérios acima, nese exemplo, comuador em < 0. p egulagem da emporização: Em função do máximo da faixa de regulagem (no exemplo acima, 0 s), regular com o poenciômero o valor do empo desejado em % do valor. No exemplo acima, o empo enconrado = 0 s, onde: = = 66% egular o poenciômero de emporização em 66, 0 p egular o poenciômero de regulagem do nível de ensão em porcenagem do máximo da faixa de medição escolhida na ligação (B-C, B-C, B-C). No exemplo acima: ligação B-C, máximo da faixa de medição 50 V, onde: 00 egulagem = = % egular o poenciômero de regulagem do nível de ensão em, 50 p egular a hiserese em % do valor de nível, no nosso exemplo:, egulagem = = 0% egular a hiserese em 0. Exensão da faixa de medição M A C s Tensão c ou a Conecar uma resisência adicional (s) em série com a enrada de medição B ou C. Se o valor de s for próximo de: i B > 500 V s = i ( ) com: i esisência inerna da enrada B-C, m m Máximo da faixa de regulagem de nível, Nível de ensão a ser medida. O nível de energização do relé siua-se próximo da graduação máx. do poenciômero de regulagem de nível. Em geral, a poência consumida pela resisência não ulrapassa 0,5 W. Em correne alernada, ambém é possível uilizar um ransformador de ensão. Alimenação pela ensão medida Para a supervisão de redes e alimenações, é possível alimenar o M A pela ensão a ser conrolada, conano que: -o nível de medição eseja denro da faixa de funcionameno da alimenação do produo (0,85, c), A A B/B M A C - as variações de ensão a serem medidas sejam compaíveis com as faixas de ensão de alimenação e medição. Apresenação: páginas e Caracerísicas: página página 5 página 6 7

19 Apresenação elés de conrole de redes monofásicas, ipo M B Funções 5607 Eses relés são desinados à supervisão de redes e alimenações monofásicas. Possuem uma ampa ransparene ariculada na face fronal para eviar qualquer inervenção involunária na regulagem. É possível lacrar a ampa. Aplicações - Proeção dos disposiivos elerônicos ou eleromecânicos conra as sobreensões e as subensões, - Comuação de fones normal/segurança. M B Apresenação M B > < Poenciômero de regulagem de sobreensão. Poenciômero de regulagem de subensão. Seleor de função de emporização: Deecção de defeio reardado. Deecção de defeio prolongado. Poenciômero de emporização em segundos. LED amarelo: indicação do esado do relé. LED verde: indicação de energização do M. > LED vermelho: defeio de sobreensão < LED vermelho: defeio de subensão Princípio de funcionameno A ensão de rede a ser supervisionada é conecada aos bornes L, L do produo. Não é necessário alimenar separadamene os M B, pois são auo-alimenados pelos bornes L, L. Se a ensão sair da faixa a ser supervisionada, o relé é desenergizado: - sobreensão: o LED vermelho > acende-se, - subensão: o LED vermelho < acende-se. Quando a rede reornar a seu valor nominal, o relé é reenergizado segundo o valor da hiserese (5%) e o LED vermelho correspondene apaga-se. m comuador permie escolher uma emporização regulável de 0, s a 0 s. A função permie não considerar as subensões ou sobreensões ransiórias. A função permie considerar odas as ulrapassagens e rearda a reenergização do relé. Em odos os casos, a duração da sobreensão ou da subensão deve ser superior ao empo de ciclo de medição para ser deecada (80 ms). Diagrama de funções M B M B5 egulagem > 0,95 x egulagem > <,05 x egulagem < egulagem < L L < Vmin Função 5/8 5/8 5/6 5/6 Função 5/8 5/8 5/6 5/6 Caracerísicas: página 9 8 : emporização página 0 página

20 Caracerísicas elés de conrole de redes monofásicas, ipo M B Caracerísicas do relé de saída e de funcionameno Número de conaos NANF Esado do relé de saída Energizado em funcionameno sem defeio Desenergizado por defeio de sobreensão ou subensão Precisão do ajuse do nível Em % do valor de ajuse ± % de comuação Desvio do nível de comuação Em função da emperaura ambiene admissível 0,06% por grau cenígrado Denro da 0,5% faixa de medição Precisão do ajuse Em % do valor da ± 0% da emporização escala plena Desvio da emporização Denro da 0,5% faixa de medição Em função da emperaura nominal de funcionameno 0,07% por grau cenígrado Hiserese Fixa Em orno de 5% em relação ao nível de desenergização Ciclo de medição ms 80 Caracerísicas da enrada de medição Tensão mínima V M B: 60 de funcionameno M B5: 60 Valor de ensão máxima V M B: 00 admissível enre L e L M B5: 00 Apresenação: página 8 página 0 página 9

21 eferências elés de conrole de redes monofásicas, ipo M B elés com níveis de ensão reguláveis Temporização Tensão Nível de Largura elé de eferência Peso regulável nominal conrole saída da rede () s V V mm kg , Subensão,5 NANF M B 0,0 50/60 Hz 80 0 Sobreensão 60 0 M B Subensão,5 NANF M B5 0,0 50/60 Hz 60 0 Sobreensão 0 00 () espeiar as ensões mínimas de funcionameno, ensão máxima enre fases (ver página 9) e compaibilidade com os limies das faixas de conrole. Apresenação: página 8 0 Caracerísicas: página 9 página

22 Dimensões, esquemas elés de conrole de redes monofásicas, ipo M B Dimensões Monagem em perfil Fixação por parafuso M B 78 80,5 89, Esquema, conexão Bornes M B L L L L L, L ede a ser supervisionada 5-8 º conao NANF do 5-6 relé de saída 5-8 º conao NANF do 5-6 relé de saída Esquema de aplicação Exemplo Q /L /L 5/L 6 Q Q Q L L M B Para carga Apresenação: página 8 Caracerísicas: página 9 página 0

23 Apresenação elés de medição de correne, ipo M JA Funções 5606 Eses relés são desinados a deecar uma ulrapassagem de nível de correne pré-regulada (alernada ou conínua). Possuem uma ampa ransparene ariculada na face fronal para eviar qualquer inervenção involunária na regulagem. É possível lacrar a ampa. Tipos de Conrole de Conrole de sobrecorrene Faixa de relés sobrecorrene ou subcorrene () medição M JA0 Sim Não ma A M JA Sim Sim ma A M JA0 M JA Sim Sim 0, A 5 A 5606 Aplicações: - conrole de exciação de máquinas em correne conínua, - conrole do esado da carga dos moores e dos geradores, - conrole da correne absorvida por um moor rifásico, - supervisão de circuios de aquecimeno e iluminação, - conrole de desaivação de bomba (subcorrene), - conrole de sobreconjugado (riuradores), - supervisão de freios ou de embreagens eleromagnéicas. Descrição M JA0 M JA M JA Largura,5 mm Largura,5 mm Largura 5 mm M JA egulagem do nível de correne em % do máximo da faixa de regulagem. egulagem da hiserese 5 a 0% (). egulagem no final da emporização em % do máximo da faixa de regulagem. Comuador de 0 posições combinando: - a seleção da faixa de emporização: s, s, 0 s, 0 s, sem emporização, - a seleção do conrole de sobrecorrene (>) ou subcorrene (<). Ver abela abaixo LED amarelo: indicação do esado do relé. LED verde: indicação de energização do M. Tabela dealhada do comuador Posição do Função Temporização comuador () < 0 Conrole de subcorrene Sem emporização < Conrole de subcorrene 0,05 a s < Conrole de subcorrene 0,5 a s < 0 Conrole de subcorrene 0,5 a 0 s < 0 Conrole de subcorrene,5 a 0 s > 0 Conrole de sobrecorrene Sem emporização > Conrole de sobrecorrene 0,05 a s > Conrole de sobrecorrene 0,5 a s > 0 Conrole de sobrecorrene 0,5 a 0 s > 0 Conrole de sobrecorrene,5 a 0 s () Seleção por comuador na face fronal. () Valor do desvio de correne enre energização e desenergização do relé de saída (% do nível de correne a ser medida). Caracerísicas: página página 5 página 6 Colocação em operação: página 7

24 Apresenação (coninuação) elés de medição de correne, ipo M JA Princípio de funcionameno A ensão de alimenação é aplicada nos bornes A-A. A correne a ser supervisionada é conecada nos bornes B, B, B e C. Ver esquema abaixo. A hiserese é regulável enre 5 e 0%: para sobrecorrene h = (IS - IS) / IS, para subcorrene h = (IS - IS) / IS. m ciclo de medição dura somene 80 ms, o que permie deecar rapidamene as alerações de correne. elé ajusado para deecção de sobrecorrene (M JA0 ou seleor em > para o ipo M JAp). Se a correne for > que o nível de regulagem IS, o relé será energizado com ou sem emporização, dependendo do modelo e do ajuse. Quando a correne reornar a um valor IS inferior a ese nível, em função da regulagem da hiserese, o relé será desenergizado insananeamene. elé ajusado para deecção de subcorrene (seleor em <, somene ipo M JAp). Se a correne for < que o nível de regulagem IS, o relé será energizado com ou sem emporização, dependendo do modelo e do ajuse. Quando a correne reornar a um valor IS superior a ese nível, em função da regulagem da hiserese, o relé será desenergizado insananeamene. Diagramas de funções: Conrole de sobrecorrene alimenação A-A Função > Correne medida IS IS Hiserese elé : emporização < Conrole de subcorrene alimenação A-A IS Correne medida IS Função < Hiserese elé < Circuio de medição B, B, B M JA Queda < V C Carga Noa: As faixas de medição podem ser esendidas com ajuda de um ransformador de correne, cujo secundário eseja conecado aos bornes de medição do M correspondene ou com a ajuda de uma resisência em paralelo na enrada de medição (ver exemplo na página 7 Colocação em operação ). Caracerísicas: página página 5 página 6 Colocação em operação: página 7

SIMIREL Relés de supervisão 3UG

SIMIREL Relés de supervisão 3UG abela de escolha Aplicação Sisema rifásico Sisema rifásico fala de fase (com ou sem neuro) e assimeria enre fases inversão da seqüência de fases Conaos 1 comuador 2 comuadores 1 comuador ensões ensões

Leia mais

Eficiência em dimensões reduzidas!

Eficiência em dimensões reduzidas! Caálogo Janeiro 200 para moores assíncronos Eficiência em dimensões reduzidas! Ninguém faz ano com a elericidade. para moores assíncronos Sumário Apresenação Páginas 2 e Caracerísicas, aplicações especiais

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

Diodos. Símbolo. Função (ideal) Conduzir corrente elétrica somente em um sentido. Tópico : Revisão dos modelos Diodos e Transistores

Diodos. Símbolo. Função (ideal) Conduzir corrente elétrica somente em um sentido. Tópico : Revisão dos modelos Diodos e Transistores 1 Tópico : evisão dos modelos Diodos e Transisores Diodos Símbolo O mais simples dos disposiivos semiconduores. Função (ideal) Conduzir correne elérica somene em um senido. Circuio abero Polarização 2

Leia mais

Kcel Motores e Fios Ltda.

Kcel Motores e Fios Ltda. Í N D I C E 1. Fundamenos gerais... 5 1.1 Moores de correne conínua... 5 1.2 Moores de correne alernada... 5 Família de moores eléricos... 5 1.2.1 Moores de indução... 6 1.2.1.1 Moores de indução monofásicos...

Leia mais

67.301/1. RLP 10 & 20: Controlador pneumático de volume-caudal. Sauter Components

67.301/1. RLP 10 & 20: Controlador pneumático de volume-caudal. Sauter Components 7./ RL & : Conrolador pneumáico de volume-caudal Usado em conjuno com um prao orifício ou com um sensor de pressão dinâmica e um acuador pneumáico de regiso para conrolo do volume de ar em sisemas de ar

Leia mais

ANÁLISE DE DISPOSITIVOS DE MANOBRA E DE PROTEÇÃO DE BAIXA TENSÃO

ANÁLISE DE DISPOSITIVOS DE MANOBRA E DE PROTEÇÃO DE BAIXA TENSÃO ANÁLISE DE DISPOSITIVOS DE MANOBRA E DE PROTEÇÃO DE BAIXA TENSÃO Conceios, equipamenos e aplicações indusriais. OBJETIVOS. Denro das aplicações de poência da elericidade, a pare indusrial é sem dúvida

Leia mais

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro.

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro. CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1 CÉREBRO ELETRÔNICO O cérebro elerônico faz udo Faz quase udo Faz quase udo Mas ele é mudo. O cérebro elerônico comanda Manda e desmanda Ele é quem manda Mas ele

Leia mais

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear 2. ÍOOS E JUNÇÃO Fernando Gonçalves nsiuo Superior Técnico Teoria dos Circuios e Fundamenos de Elecrónica - 2004/2005 íodo de Junção isposiivo de dois erminais, passivo e não-linear Foografia ânodo Símbolo

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

Manual de Instruções. Máquina de Eletroerosão EX 60 MS

Manual de Instruções. Máquina de Eletroerosão EX 60 MS Manual de nsruções Máquina de Eleroerosão EX 60 MS FUNÇÕES DOS COMANDOS Liga / Desliga Acia os caores do ransformador e da bomba do aciameno. Não inerrompe a alimenação para as réguas digiais e para a

Leia mais

Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada MOSFET - Revisão

Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada MOSFET - Revisão Transisor de Efeio de Campo de Pora Isolada MOSFET - Revisão 1 NMOS: esruura física NMOS subsrao ipo P isposiivo simérico isposiivo de 4 erminais Pora, reno, Fone e Subsrao (gae, drain, source e Bulk)

Leia mais

Sistemas de Energia Ininterrupta: No-Breaks

Sistemas de Energia Ininterrupta: No-Breaks Sisemas de Energia Ininerrupa: No-Breaks Prof. Dr.. Pedro Francisco Donoso Garcia Prof. Dr. Porfírio Cabaleiro Corizo www.cpdee.ufmg.br/~el GEP-DELT-EEUFMG Porque a necessidade de equipamenos de energia

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

Ampliador com estágio de saída classe AB

Ampliador com estágio de saída classe AB Ampliador com eságio de saída classe AB - Inrodução Nese laboraório será esudado um ampliador com rês eságios empregando ransisores bipolares, com aplicação na faixa de áudio freqüência. O eságio de enrada

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC EXPERIÊNIA 7 ONSTANTE DE TEMPO EM IRUITOS R I - OBJETIVO: Medida da consane de empo em um circuio capaciivo. Medida da resisência inerna de um volímero e da capaciância de um circuio aravés da consane

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 1/23 2.2.1 Fones de aenuação e disorção de sinal 2.2.1 Fones de aenuação e disorção do sinal (coninuação) 2/23 Imperfeições do canal

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

TIRISTORES. SCR - Retificador Controlado de Silício

TIRISTORES. SCR - Retificador Controlado de Silício TIRISTORES Chamamos de irisores a uma família de disposiivos semiconduores que possuem, basicamene, quaro camadas (PNPN) e que êm caracerísicas biesáveis de funcionameno, ou seja, permanecem indefinidamene

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 1 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES 1.1 INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA FENG Desinase o primeiro capíulo

Leia mais

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES 3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES Os microconroladores selecionados para o presene rabalho foram os PICs 16F628-A da Microchip. Eses microconroladores êm as vanagens de serem facilmene enconrados no

Leia mais

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso:

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso: TEXTO COMPLEMENTAR MÉTODO MARSHALL ROTINA DE EXECUÇÃO (PROCEDIMENTOS) Suponhamos que se deseje dosar um concreo asfálico com os seguines maeriais: 1. Pedra 2. Areia 3. Cimeno Porland 4. CAP 85 100 amos

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

110,5 x 22,5 x 114 (term. mola)

110,5 x 22,5 x 114 (term. mola) Supervisão de parada de emergência e monitoramento de portas Supervisão de sensores de segurança magnéticos codificados Entrada para 1 ou 2 canais Categoria de Segurança até 4 conforme EN 954-1 Para aplicações

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Capiulo V SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA 5.1 - INTRODUÇÃO I - QUALIDADE DA ÁGUA A água em sua uilização obedece a padrões qualiaivos que são variáveis de acordo com o seu uso (domésico, indusrial,

Leia mais

2 contatos, 10 A Conexão a parafuso Montagem em trilho 35 mm (EN 60715) Montagem em trilho 35 mm (EN 60715)

2 contatos, 10 A Conexão a parafuso Montagem em trilho 35 mm (EN 60715) Montagem em trilho 35 mm (EN 60715) Série - 7-0 A SÉRIE Características.3.33.34 Relé Modular de interface, 3 e 4 contatos, largura 7 mm. Interface ideal para sistemas eletrônicos e para PLC..3 - contatos 0 A (conexão a parafuso).33-3 contatos

Leia mais

Catalogo Técnico. Disjuntor Motor BDM-NG

Catalogo Técnico. Disjuntor Motor BDM-NG Catalogo Técnico Disjuntor Motor BDM-NG Disjuntores-Motor BDM-NG Generalidade: O disjuntor-motor BDM-NG,Tripolar, são termomagnéticos compactos e limitadores de corrente. Ideal para o comando e a proteção

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Contatores para Aplicações de Segurança

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Contatores para Aplicações de Segurança Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação Contatores para Aplicações de Segurança Com a crescente conscientização da necessidade de avaliação dos riscos na operação de máquinas

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 8 Inrodução a Cinemáica dos Fluidos Tópicos Abordados Nesa Aula Cinemáica dos Fluidos. Definição de Vazão Volumérica. Vazão em Massa e Vazão em Peso. Definição A cinemáica dos fluidos é a ramificação

Leia mais

ANÁLISE DE TRANSIENTES COM ALTOS PERCENTUAIS DE TAMPONAMENTO DOS TUBOS DOS GERADORES DE VAPOR DE ANGRA 1

ANÁLISE DE TRANSIENTES COM ALTOS PERCENTUAIS DE TAMPONAMENTO DOS TUBOS DOS GERADORES DE VAPOR DE ANGRA 1 ANÁLISE DE TRANSIENTES COM ALTOS PERCENTUAIS DE TAMPONAMENTO DOS TUBOS DOS GERADORES DE VAPOR DE ANGRA 1 Márcio Poubel Lima *, Laercio Lucena Marins Jr *, Enio Anonio Vanni *, Márcio Dornellas Machado

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 OCEO EEIVO 006/ UNIF O DI GIO 1 13 FÍIC QUEÕE DE 31 45 31. Uma parícula é sola com elocidade inicial nula a uma alura de 500 cm em relação ao solo. No mesmo insane de empo uma oura parícula é lançada do

Leia mais

Disjuntores-Motor BDM-G. Dados Técnicos Características Gerais. Posições das teclas

Disjuntores-Motor BDM-G. Dados Técnicos Características Gerais. Posições das teclas Disjuntores-Motor BDM-G Generalidade: O disjuntor-motor BDM-G,Tripolar, são termomagnéticos compactos e limitadores de corrente. Ideal para o comando e a proteção dos motores. Possuem alta capacidade de

Leia mais

CAL. 6T63 ÍNDICE PORTUGUÊS. Português. n HORA/CALENDÁRIO Ponteiros de 24 horas, horas, minutos e pequeno dos segundos

CAL. 6T63 ÍNDICE PORTUGUÊS. Português. n HORA/CALENDÁRIO Ponteiros de 24 horas, horas, minutos e pequeno dos segundos PORTUGUÊS 78 ÍNDICE Página CORO TIPO BLOQUEIO ROSC... 80 CERTO D HOR... 81 CERTO DO DI DO MÊS... 82 CRONÓMETRO... 83 OPERÇÃO DO BOTÃO DE BLOQUEIO DE SEGURNÇ... 85 TQUÍMETRO... 86 TELÉMETRO... 88 SUBSTITUIÇÃO

Leia mais

UNIDADES DE ROLAMENTOS DE ESFERAS

UNIDADES DE ROLAMENTOS DE ESFERAS 280 UIDDE DE ROMETO DE EFER UIDDE DE ROMETO TIPO E DE FERRO FUDIDO COM PRFUO DE TRV UCP2 Diâmero do eixo 12-90... 286 1/2-3 1/2 polegada UIDDE DE ROMETO TIPO FGE DE FERRO FUDIDO COM PRFUO DE TRV UCF2 UCF2

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Contatores para Aplicações de Segurança

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Contatores para Aplicações de Segurança Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Contatores para Aplicações de Segurança Contatores para Aplicações de Segurança Com a crescente conscientização da necessidade de avaliação dos

Leia mais

Manual de uso. EVD evolution. driver para válvula de expansão eletrônica. Integrated Control Solutions & Energy Savings READ CAREFULLY IN THE TEXT!

Manual de uso. EVD evolution. driver para válvula de expansão eletrônica. Integrated Control Solutions & Energy Savings READ CAREFULLY IN THE TEXT! EVD evoluion driver para válvula de expansão elerônica Manual de uso NO POWER & SINAL CABLES TOETHER READ CAREFULLY IN THE TEXT! Inegraed Conrol Soluions & Energy Savings ADVERTÊNCIAS TRATAMENTO A CAREL

Leia mais

Medição de Potência. Jorge Guilherme 2008 #20 2 R. Elementos reactivos ou armazenadores de energia Elementos resistivos ou dissipadores de energia

Medição de Potência. Jorge Guilherme 2008 #20 2 R. Elementos reactivos ou armazenadores de energia Elementos resistivos ou dissipadores de energia Elecrónica de nsrumenação edição de oência Jorge Guilherme 008 #0 oência em.. U ce., ce. Elecrónica de nsrumenação U. [] oência em.a. p( u(. i( [] oência insanânea Num circuio resisivo puro i( u( / u (

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Relés de Sobrecarga Térmico RW Informações Gerais - Local para identificação - Tecla Reset + Multifunção

Leia mais

30.22. Baixo consumo Contatos dourados Montagem em circuito impresso 0.8. Vista lado cobre. 2 reversíveis 2/3 125/250 125 25

30.22. Baixo consumo Contatos dourados Montagem em circuito impresso 0.8. Vista lado cobre. 2 reversíveis 2/3 125/250 125 25 Série 30 - Relé miniatura Dual in Line A Características 30. Montagem em circuito impresso A para comutação de sinais contatos reversíveis para comutação de baixas cargas Relé miniatura para padrão industrial

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II E.N.I.D.H. Deparameno de Radioecnia APONTAMENTOS DE ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II (Capíulo 2) José Manuel Dores Cosa 2000 42 ÍNDICE Inrodução... 44 CAPÍTULO 2... 45 CONVERSORES COMUTADOS DE CORRENTE CONTÍNUA...

Leia mais

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores Características 22.32.0.xxx.1xx0 Série 22 - Contator modular 25 A 22.32.0.xxx.4xx0 Mini contator modular de 25A - 2 contatos Largura do módulo, 17.5 mm Contatos NA com abertura 3mm com dupla abertura Energização

Leia mais

Análise de Circuitos Dinâmicos no Domínio do Tempo

Análise de Circuitos Dinâmicos no Domínio do Tempo Teoria dos ircuios e Fundamenos de Elecrónica Análise de ircuios Dinâmicos no Domínio do Tempo Teresa Mendes de Almeida TeresaMAlmeida@is.ul.p DEE Área ienífica de Elecrónica T.M.Almeida IST-DEE- AElecrónica

Leia mais

EFG 213-320. Manual de utilização 09.09 - 03.13. EFG 213 EFG 215 EFG 216k EFG 216 EFG 218k EFG 218 EFG 220 EFG 316k EFG 316 EFG 318k EFG 318 EFG 320

EFG 213-320. Manual de utilização 09.09 - 03.13. EFG 213 EFG 215 EFG 216k EFG 216 EFG 218k EFG 218 EFG 220 EFG 316k EFG 316 EFG 318k EFG 318 EFG 320 EFG 213-320 09.09 - Manual de uilização 51151934 03.13 P EFG 213 EFG 215 EFG 216k EFG 216 EFG 218k EFG 218 EFG 220 EFG 316k EFG 316 EFG 318k EFG 318 EFG 320 Declaração de conformidade Jungheinrich AG,

Leia mais

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W Características 22.32.0.xxx.1xx0 Série 22 - Contator modular 25 A 22.32.0.xxx.4xx0 Contator modular de 25A - 2 contatos Largura do módulo, 17.5 mm Contatos NA com abertura 3mm com dupla abertura Energização

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS 2 ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS A Análise de esruuras provavelmene é a aplicação mais comum do méodo dos elemenos finios. O ermo esruura não só diz respeio as esruuras de engenharia civil como pones

Leia mais

SELECÇÃO DE MOTORES ELÉCTRICOS

SELECÇÃO DE MOTORES ELÉCTRICOS SELECÇÃO DE MOTORES ELÉCTRICOS FACTORES QUE INFLUEM NA SELECÇÃO DO MOTOR ELÉCTRICO CARGA ACCIONADA E CARACTERÍSTICAS DE SERVIÇO Diagramas de carga: oência e/ ou binário requeridos e sua variação. Classe

Leia mais

Lista de Parâmetros Edição 04/03. sinamics SINAMICS G110

Lista de Parâmetros Edição 04/03. sinamics SINAMICS G110 Lisa de Parâmeros Edição 04/0 sinamics SINAMICS G110 SINAMICS G110 Documenação Guia de Iniciação O Guia de Iniciação é feio para proporcionar ao usuário rápido acesso a odas as informações básicas necessárias

Leia mais

Sensibilidade ajustável (5...150)kΩ Tempo de retardo (0.5s ou 7s) selecionável Funções encher ou esvaziar selecionadas por seletor rotativo

Sensibilidade ajustável (5...150)kΩ Tempo de retardo (0.5s ou 7s) selecionável Funções encher ou esvaziar selecionadas por seletor rotativo Série 72 - Relé de controle SÉRI 72 Características 72.01 72.11 Relé de controle de nível por líquido condutivo 72.01 - Sensibilidade ajustável 72.11 - Sensibilidade fixa Funções enchimento ou esvaziamento

Leia mais

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA Era uma vez uma pequena cidade que não inha água encanada. Mas, um belo dia, o prefeio mandou consruir uma caia d água na serra e ligou-a a uma rede de disribuição.

Leia mais

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W Série - Contator modular 25-40 - 63 A SÉRIE Características.32.0.xxx.1xx0.32.0.xxx.4xx0 Contator modular de 25A - 2 contatos Largura do módulo, 17.5 mm Contatos NA com abertura 3mm com dupla abertura Energização

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Instruções de Operação Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Conteúdo Instruções de segurança... pág. 03 Função e características... pág. 04 Montagem... pág. 04 Conexão elétrica... pág. 05

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MEDIÇÃO DA UMIDADE RELATIVA DO AR PELO MÉTODO DO PONTO DE ORVALHO USANDO MATERIAIS ACESSÍVEIS E SISTEMA DE CONTROLE CONVENCIONAL

AVALIAÇÃO DE MEDIÇÃO DA UMIDADE RELATIVA DO AR PELO MÉTODO DO PONTO DE ORVALHO USANDO MATERIAIS ACESSÍVEIS E SISTEMA DE CONTROLE CONVENCIONAL GUSTAVO NEVES MARGARIDO AVALIAÇÃO DE MEDIÇÃO DA UMIDADE RELATIVA DO AR PELO MÉTODO DO PONTO DE ORVALHO USANDO MATERIAIS ACESSÍVEIS E SISTEMA DE CONTROLE CONVENCIONAL Disseração apresenada ao Insiuo Federal

Leia mais

46.52 46.61. 2 reversíveis, 8 A Plug-in/terminais a solda. 2 reversíveis 8/15 250/440 2000 350 0.37. AgNi

46.52 46.61. 2 reversíveis, 8 A Plug-in/terminais a solda. 2 reversíveis 8/15 250/440 2000 350 0.37. AgNi Série - Mini relé industrial 8-16 SÉRIE Características.52.61 1 ou 2 contatos.52-2 contatos reversíveis 8.61-1 contato reversível 16 Montado diretamente em base ou via conectores Faston Bobinas em C ou

Leia mais

Bombas com Variadores de Frequência Inteligentes Integrados

Bombas com Variadores de Frequência Inteligentes Integrados Bombas com Variadores de Frequência Ineligenes Inegrados soluion ouline file no: 100.11p dae: january 2013 supersedes: new dae: new máxima performance durane odo o empo 125 a Armsrong desenvolveu o Design

Leia mais

ALARME SandSET 101 (Dispositivo de alarme de níveis de lamas e de gorduras) ESQUEMA DE MONTAGEM

ALARME SandSET 101 (Dispositivo de alarme de níveis de lamas e de gorduras) ESQUEMA DE MONTAGEM Art. 701869 ALARME SANSET 101 ALARME SandSET 101 (Dispositivo de alarme de níveis de lamas e de gorduras) ESQUEMA DE MONTAGEM Versão 02_Set.08 1 Art. 701869 SandSET 101 Dispositivo de alarme ACO Passavant,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - F FRGS Redes de Compuadores uliplexação Aula 05 Transmissão é possível sempre que a banda passane do meio for maior ou igual que a banda passane do sinal Banda analógica

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA SEMICONDUTORES DE POTÊNCIA: 1. diodo A K 2. irisor - (SCR) silicon conrolled recifier. A K 3. irisor de core comandado (TO) - gae urn off hyrisor. A K E C 4. ransisor bipolar - (TJB). B B C E 5. ransisor

Leia mais

Experiências para o Ensino de Queda Livre

Experiências para o Ensino de Queda Livre Universidade Esadual de Campinas Insiuo de Física Gleb Waagin Relaório Final da disciplina F 69A - Tópicos de Ensino de Física I Campinas, de juno de 7. Experiências para o Ensino de Queda Livre Aluno:

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

Folha de dados - SRB 201ZHX3-24VDC

Folha de dados - SRB 201ZHX3-24VDC 11.09.2012-02:01:05h Folha de dados - SRB 201ZHX3-24VDC Comandos bimanual / Supervisão de comandos bimanuais de acordo com a norma EN 574 III A / SRB 201ZHX3 Supervisão de comandos bimanuais de acordo

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Contatores para Manobra de Capacitores

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Contatores para Manobra de Capacitores Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação Contatores para Manobra de Capacitores Manobras de Capacitores para Correção do Fator de Potência A linha de contatores especiais CWMC

Leia mais

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS Disseração apresenada à Escola Poliécnica da Universidade de São Paulo para obenção do íulo de Mesre

Leia mais

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir.

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir. PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 1ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A 01) O gráico a seguir represena a curva de aquecimeno de 10 g de uma subsância à pressão de 1 am. Analise as seguines airmações. I. O pono de ebulição

Leia mais

GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA

GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA Realizada em 8 de ouubro de 010 GABARITO DISCURSIVA DADOS: Massas aômicas (u) O C H N Na S Cu Zn 16 1 1 14 3 3 63,5 65,4 Tempo de meia - vida do U 38

Leia mais

22.32.0.xxx.1xx0 22.32.0.xxx.4xx0. Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores

22.32.0.xxx.1xx0 22.32.0.xxx.4xx0. Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores Série 22 - Contator modular 25-40 - 63 A SÉRIE 22 Características 22.32.0.xxx.1xx0 22.32.0.xxx.4xx0 Contator modular de 25A - 2 contatos argura do módulo, 17.5 mm Contatos NA com abertura 3mm com dupla

Leia mais

CWC + ACESSÓRIOS. 3 e 4. 3 e 4. 3 e 4

CWC + ACESSÓRIOS. 3 e 4. 3 e 4. 3 e 4 Minicontator CWC ü Manobra em regime AC-3 até 16A. ü Acoplamento direto ao relé de sobrecarga RW17D ü Linhas com bobina CA e CC com mesmo dimensional ü Bobina CC de baixo consumo ü Operação em regime AC-4

Leia mais

Telefonia Digital: Modulação por código de Pulso

Telefonia Digital: Modulação por código de Pulso MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Unidade de São José Telefonia Digial: Modulação por código de Pulso Curso écnico em Telecomunicações Marcos Moecke São José - SC, 2004 SUMÁRIO. MODULAÇÃO POR CÓDIGO DE PULSO....

Leia mais

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro Física Lisa de Física Prof. Alexsandro MU e MU 1 - (UnB DF) Qual é o empo gaso para que um merô de 2m a uma velocidade de 18km/h aravesse um únel de 1m? Dê sua resposa em segundos. 2 - (UERJ) Um rem é

Leia mais

Automação Relés Eletrônicos

Automação Relés Eletrônicos Automação Relés Eletrônicos g Temporizadores g Monitores de Tensão g Controle de Nível Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Relés Eletrônicos Projetados de acordo com as normas internacionais,

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO Pág.: 1/88 ÍNDICE Professor: Waldemir Loureiro Inrodução ao Conrole Auomáico de Processos... 4 Conrole Manual... 5 Conrole Auomáico... 5 Conrole Auo-operado... 6 Sisema

Leia mais

Prof. Josemar dos Santos

Prof. Josemar dos Santos Engenharia Mecânica - FAENG Sumário SISTEMAS DE CONTROLE Definições Básicas; Exemplos. Definição; ; Exemplo. Prof. Josemar dos Sanos Sisemas de Conrole Sisemas de Conrole Objeivo: Inroduzir ferramenal

Leia mais

Física B Extensivo V. 5

Física B Extensivo V. 5 Gabario Eensivo V 5 Resolva Aula 8 Aula 9 80) E 80) A 90) f = 50 MHz = 50 0 6 Hz v = 3 0 8 m/s v = f = v f = 3 0 8 50 0 = 6 m 90) B y = 0,5 cos [ (4 0)] y = 0,5 cos y = A cos A = 0,5 m 6 = 4 s = 0,5 s

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

www.comatreleco.com.br R:Benjamim Constant, 56 Tel:(11) 2311-5682 contato@comatreleco.com.br

www.comatreleco.com.br R:Benjamim Constant, 56 Tel:(11) 2311-5682 contato@comatreleco.com.br Monitoramento de motores monofásico/trifásico MRU, MRI, MRM 1 Características Tensão de Alimentação UC12-48V ou UC110-240V Contato Reversível Entradas de medição separadas galvanicamente da alimentação

Leia mais

Figura 1 Carga de um circuito RC série

Figura 1 Carga de um circuito RC série ASSOIAÇÃO EDUAIONAL DOM BOSO FAULDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA ELÉTIA ELETÔNIA Disciplina: Laboraório de ircuios Eléricos orrene onínua 1. Objeivo Sempre que um capacior é carregado ou descarregado

Leia mais

DMX Light Control. Daniel Ribeiro, Pedro Torres, Paula Pereira

DMX Light Control. Daniel Ribeiro, Pedro Torres, Paula Pereira DMX Ligh Conrol Daniel Ribeiro, Pedro Torres, Paula Pereira Resumo DMX-Ligh Conrol efecua o conrolo de sisemas de luzes que funcionam segundo o proocolo DMX, aravés de rádio frequência. Ese sisema foi

Leia mais

ESTUDO DO POTENCIAL ENERGÉTICO PARA A COMPLEMENTAÇÃO POR PCH DA GERAÇÃO DA USINA HIDRELÉTRICA AMADOR AGUIAR I

ESTUDO DO POTENCIAL ENERGÉTICO PARA A COMPLEMENTAÇÃO POR PCH DA GERAÇÃO DA USINA HIDRELÉTRICA AMADOR AGUIAR I ESTUDO DO POTENCIAL ENERÉTICO PARA A COMPLEMENTAÇÃO POR PCH DA ERAÇÃO DA USINA HIDRELÉTRICA AMADOR AUIAR I Silva, F. B.; uimarães Jr., S. C.; Vanço, W. E.; Borges, D. T. S.; Cunha, M. J.; Alves, T. B.

Leia mais

PUBLICAÇÃO CDTN-944/2005. FOTOELASTICIDADE Primeiros Passos. Geraldo de Paula Martins

PUBLICAÇÃO CDTN-944/2005. FOTOELASTICIDADE Primeiros Passos. Geraldo de Paula Martins PUBLICAÇÃO CDTN-944/005 FOTOELASTICIDADE Primeiros Passos Geraldo de Paula Marins Seembro/005 COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR Cenro de Desenvolvimeno da Tecnologia Nuclear Publicação CDTN-944/005

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

67.22-4300 67.23-4300. 2 NA Distância entre contatos abertos 3 mm Montagem em circuito impresso. Vista do lado do cobre

67.22-4300 67.23-4300. 2 NA Distância entre contatos abertos 3 mm Montagem em circuito impresso. Vista do lado do cobre Série 67 - Relé de potência para PCI 50 SÉRIE 67 Características 67.22-4300 67.23-4300 Montagem em circuito (abertura 3 mm) 50 Relé de potência para PCI Versões com 2 e 3 contatos N, com dupla abertura

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

W o r l d w i d e P a r t n e r

W o r l d w i d e P a r t n e r GE Consumer & Industrial Power Protection W o r l d w i d e P a r t n e r Série CB Contactores até 45kW NOVIDADE Série PB Unidades de Comando e Sinalização GE imagination at work Série CB Contactores Tipo

Leia mais

Fontes de Alimentação Lineares não reguladas

Fontes de Alimentação Lineares não reguladas Fontes Lineares não reguladas FAL 24Vcc / 5A FAL 24Vcc / 10A Referência FAL 24Vcc/5A C904385.2000 Referência FAL 24Vcc/10A C904404.2000 Dados nominais Tensão de Entrada (± 10%): Tensão de saída ± 5% (selecionável):

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

MONITOR DE MOVIMENTO (ZERO SPEED) RS-210

MONITOR DE MOVIMENTO (ZERO SPEED) RS-210 MONITOR DE MOVIMENTO (ZERO SPEED) RS-210 Manual do usuário Monitor de Movimento (Zero Speed) MAN-DE-RS210 Rev.: 1.00-10 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso Monitor de Movimento (Zero Speed) RS-210.

Leia mais

CAPACITÂNCIA E INDUTÂNCIA

CAPACITÂNCIA E INDUTÂNCIA INTRODUÇÃO APAITÂNIA E INDUTÂNIA Dois elemenos passivos que armazenam energia:apaciores e Induores APAITORES Armazenam energia aravés do campo elérico (energia elerosáica) Modelo de elemeno de circuio

Leia mais

MÁRCIO YOSHIKAZU EMATSU ANÁLISE ESPECTRAL DA CORRENTE DE PARTIDA DE MOTORES DE INDUÇÃO PARA DETECÇÃO DE FALHAS NAS BARRAS DO ROTOR

MÁRCIO YOSHIKAZU EMATSU ANÁLISE ESPECTRAL DA CORRENTE DE PARTIDA DE MOTORES DE INDUÇÃO PARA DETECÇÃO DE FALHAS NAS BARRAS DO ROTOR MÁRCIO YOSHIKAZU EMATSU ANÁLISE ESPECTRAL DA CORRENTE DE PARTIDA DE MOTORES DE INDUÇÃO PARA DETECÇÃO DE FALHAS NAS BARRAS DO ROTOR FLORIANÓPOLIS 8 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS INTELIGENTES A6. Dispositivos Eletrônicos Inteligentes IED s (Relés Microprocessados) A6.1 Introdução Esta especificação técnica tem como objetivo estabelecer

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM ANALISADOR PARA CABOS DE REDE DO TIPO PAR TRANÇADO (UTP) GUILHERME ELIDIO FERRI

DESENVOLVIMENTO DE UM ANALISADOR PARA CABOS DE REDE DO TIPO PAR TRANÇADO (UTP) GUILHERME ELIDIO FERRI DESENVOLVIMENTO DE UM ANALISADOR PARA CABOS DE REDE DO TIPO PAR TRANÇADO UTP GUILHERME ELIDIO FERRI CAMPO GRANDE MS 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA

Leia mais

Relé Auxiliar RCA 116

Relé Auxiliar RCA 116 Relé Auxiliar RCA 116 Aplicação, Estrutura e Funcionamento. Aplicação O Relé Auxiliar RCA 116 é especialmente apropriado para uso em instalações de comando manual, controles automáticos e supervisão. O

Leia mais