Métodos de Isolamento de Gomas Naturais: Comparação Através da Goma do Cajueiro (Anacardium occidentale L)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Métodos de Isolamento de Gomas Naturais: Comparação Através da Goma do Cajueiro (Anacardium occidentale L)"

Transcrição

1 A R T G o Méodos de solameno de Gomas Narais: Comparação Aravés da Goma do Cajeiro (Anacardim occidenale L) Jdih Feiosa Rodriges*, Regina Célia M. de Pala, Sônia M. O. Cosa Resmo: Dois méodos de isolameno de gomas foram comparados, orinado-milas eoanderson. A goma do cajeiro do Nordese (Anacardim occidenale L.) foi ilizada como sbsância-ese. Oméodo Riando-Milas foi efeado aravés de riração, dissolção em H 2 0com ajse de ph eà emperara ambiene ambiene, filração e precipiação com EOH. Oméodo Anderson foi desenvolvido aravés de: riração, dissolção em H 2 0 fria, filrações, diálise e liofilização. As amosras isoladas foram analisadas em ses eores de midade, cinzas, proeína e açúcares presenes. Oeor de ácidos glicrônicos na forma ácida esalina ea viscosidade inrínseca ambém foram deerminados. Oméodo Rinado-Milas foi considerado omelhor devido a maior rapidez do processo, maior rendimeno, menor possibilidade de conaminação emaior homogeneidade do maerial isolado. Brancra do sólido, solbilidade em H 2 0 e ransparência da solção foram caracerísicas observadas nas gomas isoladas pelos dois méodos. Palavras-Chave: Méodo de isolameno, goma, polissacarídeo, cajeiro, Anacardim occidenale L. NTRODUÇÃO Gomas: Propriedades gerais Gomas podem ser definidas genericamene como sbsâncias poliméricas qe, em solvene o agene de inchameno apropriado e mesmo a baixas concenrações, são capazes de formar dispersões o solções alamene viscosas o aé mesmo géis. Com esa definição, o ermo aplica-se ama vasa variedade de sbsâncias, inclindo hidrocarboneos de alo peso moleclar, borrachas, proeínas, polissacarídeos eses derivados, além de algns polímeros sinéicos.[ J. ndsrialmene, no enano, o ermo goma, é mais especifico, eesá associado apolissacarídeos eses derivados. Osolvene o agene de inchameno é, nese caso, a ága. As gomas indsriais podem ser classificadas em narais emodificadas. As narais podem ser obidas de exsdaos de árvore, de semenes, de algas o por fermenação microbiológica. As modificações são as derivadas de polissacarrídeos insolúveis, como por exemplo, a cellose. A abela apresena exemplos de gomas indsriais classificadas pela fone. Gomas são sbsâncias incolores, inodoras, insípidas enão óxicas [ J. Elas são, essencialmene, não calóricas, exceo oamido e ses derivados. A maioria delas, apesar de sofrer hidrólise ácida e enzimáica, passa pelo rao gasro-inesinal com poca o nenhma modificação [2J. A hidrólise ácida necessia de ma acidez maior do qe a do sco gásrico e/o de m empo de permanência maior no esômago. Ahidrólise enzimáica, qando ocorre, éem peqena exensão, pois não exisem enzimas no rao gasro-inesinal capazes de hidrolisar amaioria dos pol isacarídeos [2J. ~ Jdih Feiosa Rodriges*, Regina Célia M. de Pala, Sônia M.O. Cosa. - DepO de Qímica e norgânica, Universidade Federal do Ceará, UFC, Camps do Piei, CP, 2.200, CfP Foraleza-Ceará (mandar correspondência para*). Polímeros: Ciência e Tecnologia - Jan/Mar-9

2 Gomas narais Exsdao de Planas Goma arábica Gomacaraia Goma ragacano Goma do cajeiro Exraídas de Algas Ágar Alginao Carragenana Exraídas de Semenes Gomagar Goma do marmeleiro Fermenação microbiológica Dexrama Xanana TABELA! CLASSFCAÇÃO DAS GOMAS NDUSTRAS QUANTO AFONTE [] Gomas modificadas Carboximeilcellose Hidroximeilcellose Hidroxieilcellose Carboximeilamido Aceao de amido Hidroxieilamido Hidroxipropilamido Carboximeilgar Alginao de propileno glicol Essas propriedades, aliadas a oras mais específicas, conferem às gomas inúmeras aplicações ecnológicas. As principais indúsrias consmidoras de gomas hidrossolúveis são: a de deergenes, a êxil, a de adesivos, a de papel, a de inas, além da alimenícia, farmacêica e de cosméicos []. Nesas indúsrias elas são sadas como agenes espessanes, gelificanes, emlsificanes, floclanes, clarificanes, encapsladores e conroladores de caloria. São empregadas, ambém, como adesivo, inibidor de crisalização, proeor coloidal, formador de filme, esabilizador de espma e de sspensão []. Méodos de isolameno oobjeivo do isolameno de ma sbsância qalqer é ober m maerial qimicamene pro e homogêneo ecom m rendimeno maior possível. Os polissacarídeos narais, gomas p. ex., freqenemene vêm misrados com sais inorgânicos e oros maeriais de baixo peso moleclar e, ambém, com espécies como proeínas, ligninas, ácidos ncleícos, qe deles precisam ser separados [4,5]. Na bsca de preza máxima do maerial, mias vezes são aplicados raamenos drásicos qe descaracerizam omaerial original, alerando asa esrra o asa massa moleclar média. Esas alerações do polissacarídeo, dias como degradação, ocorrem em presença de ácido, de enzimas e, menos freqenemene, de base, e devem ser eviadas.vários são os méodos de isolameno efracionameno de polissacarídeos. Eles envolvem eapas de separação cromaográfica, complexação com íons meálicos o sais de.amônio qarenário, precipiação com eanol o aceona, liofilização, enre oras. Dealhes deses méodos podem ser enconrados nos rabalhos de Aspinal [5] e Pie []. Oisolameno de goma apresena os mesmos problemas básicos do isolameno de polissacarídeo, mas com algmas pecliaridades. Anderson [7] e Rinado-Milas [8] isolam as gomas ilizadas em ses inúmeros rabalhos de pesqisa aravés de dois méodos disinos. A abela 2 apresena as principais disinções enre eses méodos. A goma do cajeiro é m heeropolissacarídeo ramificado conendo como consiines principais acose (%). arabinose (4%). ramnose (7%). glicose R--> > > --> R R' --> - ga.--r --> --> gl -.--R --> --> i.-- -->.-- R Fig.. Um possível fragmeno esrral da goma do cajeiro. R represena D-manose, D-xilose- L-ramnose, L-arabinose o cadeias de arabinose com ligação,2. R' represena D-glicose o ácido D-glicrônico [9. gl.a. 2 Polímeros: Ciência e Tecnologia - Jan/Mar-9

3 (8%). ácido glicrônico (5%). além de peqenas qanidades «2% de cada) de manose, xilose e ácido meilglicrônico (figra [9J. Esa goma (de origem Papana e ndiana) foi ma das isoladas por Anderson aravés do se méodo. Ela é de fácil obenção, já qe o Ceará é o maior prodor de cajeiro do Brasil [0L e o conhecimeno adqirido no se isolameno poderia razer benefícios para a região. Esas razões moivaram a escolha da goma do cajeiro como sbsância-ese para a comparação enre os méodos de Anderson [7J e Rinado-Milas [8J. TABELA 2 DSTNÇÃO ENTRE OS MÉTODOS DE SOLAMENTO DE GOMAS UTLZADAS POR ANDERSON [7] ERNAUDO-MLAS [8] Eapas Anderson[7] Rinado-Milas[8] Dissolção empo(h) emh20 emperara OºC 28ºC ph sem ajse ajsado pl7,o-7,s Filração papel vidro sinerizado e membrana Separação de composos de baixo peso moleclar diálise Recperação da goma em pó liofilização Precipiação com eanol Secagem liofilização ao ar PARTE EXPERMENTAL A goma bra foi colhida em seembro de 988 de exsdaos narais de cajeiros do ipo comm, com cerca de 20 anos, prodores de fro de cor laranja. Os cajeirossão orindos de planação experimenal da EMBRA PA. siada no mnicípio de Pacajs-CE. Os nódlos mais claros e isenos de casca foram selecionados, secos rirados anes de serem sbmeidos aos méodos de isolameno. Oméodo Rinado-Milas [8J foi ilizado como sgerido pelos aores com a diferença apenas na filração, qe foi efeada somene em fnil de vidro sinerizado, sem ilização de membrana (flxograma ). No méodo Anderson a modificação foi ambém efeada na filração, previsa para ser feia em pape. mas realizada em fnil de vidro sinerizado (flxograma 2). As amosras isoladas foram analisadas no qe se refere a seis eores de nidade, de cinza e de N (proeína). à presença de algns monossacarídeos e ao % de ácidos rônicoso Aviscosidade inrínseca ambém foi deerminada. Oeor de midade foi obido por diferença de peso após aqecimeno a 05ºC e oeor de cinza aqecimeno em mfla a 700ºC ambos efeados aé peso consane. Oeor de proeína foi calclado a parir do reslado de análise elemenar de N, fazendo-se so da relação %Nx,25[ J. Todas as análises foram feias em dplicaa. GOMA BRUTA TRTURAÇÃO DSSOLUÇÃO ,,-,. Temperara ambiene [ Solção 4% em H 20 Meio Nero - [Lã de vidro _F_L_T_RA_Ç_A_0---J Fnil de vidro sinerizado FLTRADO PRECPTAÇÃO FLTRAÇÃO [EOH PRECPTAÇÃO [Fnil de vidro sinerizado [ EOH/H'O )ESCARTADO LAVAGEM EHO- - Aceona l SECAGEM GOMA SOLADA [Rendimeno 78% GOMA BRUTA TRTURAÇÃO DSSOLUÇÃO FLTRAÇÃO [SOlUÇãO 0% em H20 Agiação por 48h T=OºC DÁLSE [ 24h em H 20 desilada 2x24h em H 2 0 bidesijada T=5ºC LOFLZAÇÃO [Lã de vidro Fnil de vidro sinerizado GOMA SOLADA [Rendimeno 50% Flxograma: Eapas do processo de isolameno da goma do cajeiro pelo méodo Rinado-Milas. Flxograma 2: Eapas do processo de isolameno da goma do cajeiro pelo méodo Anderson. ~ Polímeros: Ciência e Tecnologia - Jan/Mar-9

4 As ilações condoméricas com solções de HC o NaOH foram efeadas em m condivímero 8 Micronal com elerodo de plaina, de consane 0,cm- à ma emperara de 25,0 ±O,ºC. Para análise cromaográfica, as amosras foram hidrolisadas com ácido riflroacéico (TFA) 4N por 2,5h a 00ºC em ampola de vidro selada. Os açúcares hidrolisados, livres de excesso de TFA foram dissolvidos em MeOH/H 2 0 (80/20) e cromaografados em placas de sílica gel 0 F254 Merck. Osisema de solvene ilizado foi álcool isopropílico, aceao de eila eh 2 0 (7:2:) earevelação foi feia com orcinol em ácido feia orcinol em ácido slfúrico. Uilizo-se para comparação solções padrão de acose, arabinose, glicose, manose, ramnose exilose, proveniene de Merck. A viscosidade inrínseca foi deerminada em NaC M, ilizando-se m viscosímero Oswald com diâmero de capilar 0,8mm e com 50s. de empo de escoameno para H 2 0 a 25,0+0, C. RESULTADOS EDSCUSSÃO Análise das amosras de goma de cajeiro Aabela apresena algns dados caracerísicas das gomas isoladas pelos méodos Anderson e Rinado-Mi- TABELA COMPARAÇÃO ENTRE AS PROPREDADES DE GOMA DO CAJUERO DO NORDESTE SOLADA PELO MÉTODOS RNAUDO-MLAS EANDERSON Méodo Rinado-Milas Méodo Anderson Cor do sólido branca branca Aspeco do sólido pó flocos Aspeco da solção límpida límpida Rendimeno 7S% 50% Unidade (%), ±O,S 4,2 ±O,S Cinzas (%)* 0,7 ±0,02 0, ±0,07 Nirogênio (%)* O,S ±0,05 0,9 ±0,02 Proeína (%) (Nx,25) l,l ±0,2,02 ± 0, [l]nacm (ml/g) S,S 7,S Anális dos açúcares acose P P arabinose P P ramnose P P xilose N N mamose N N glicose P P Ácidos glicrônicos (%) forma salina, 5,4 forma ácida 0,0 O,S Toal,±0,,2±0, *corrigida midade P=presene N=não deecado las. Elas são similares em mios aspecos. Ambas são 4 brancas, solúveis em H 2 0, formam solções límpidas e apresenam eores de cinza semelhanes. Os percenais de nirogênio são próximose denro da faixa derminada por Marqes exavier[2]. Regisra-se ma diminição no eor de midade da goma liofilizada (Anderson). o qal é mio dependene do empo de exposição à pressão redzida. Anderson, por exemplo, obeve % da nidade de goma do cajeiro papano de 7,9%[7]. As viscosidades inrínsecas são, ambém, diferenes. Oprocesso de recperação da goma em pó baseado na precipiação com eanol (méodo Rinado-Milas) pode er ocasionado m fracionameno do maerial, endo sido recolhidas frações de peso moleclar maior. No enano, o isolameno, a ª prificação e a 2ª prificação da goma do angico[] (processos seqenciados, cada m deles envolvendo precipiação com eanol) não reslaram em m maerial de peso moleclar crescene, o qe evidencia a não ocorrência de fracionameno. Caso ele ivesse ocorrido a viscosidade inrínseca da goma 2ª prificada seria maior do qe a goma ª prificada qe por sa vez seria maior do qe a goma isolada. As viscosidades deerminadas foram eqivalenes. Qano as consiines do heeropolissacarídeos, verifica-se qe os mesmos açúcares esão presenes nas das amosras da goma. Oeor oal de ácidos glicrônicos, ambém, é o mesmo. A variação imporane esá na proporção enre aforma salina eaforma ácida, qe foi deerminada a parir das crvas apresenadas nas figras 2 e. No caso da goma obida pelo méodo Rinado-Milas odos os grpamenos RCOOH, exisenes originalmene na amosra, se apresenam neralizados. Nenhma inflexão é observada na crva de ilação condomérica desa goma com NaOH (figra ). O mesmo não ocorre com a crva correspondene à goma obida pelo méodo Anderson. Nesa goma, % dos ses resídos de ácido glicrônico permanecem ainda na forma ácida, o qe deve corresponder a ma diminição da densidade de carga da macromolécla. Menor a densidade de carga, menor a replsão enre os grpos RCOO-, maior a possibilidade das cadeias se enrolarem. E, porano, menor aviscosidade inrínseca. Comparação enre os méodos Além da comparação enre as caracerísicas das amosras isoladas pelos dois méodos é essencial qe se faça, ambém, ma análise sobre o desenvolvimeno dos méodos, levando-se em cona rendimeno, empo gaso, possíveis problemas, ec. O méodo Rinad-Milas foi aqele qe proporciono m maior rendimeno (78%) e qe foi execado em m menor empo. Apesar desas vanangens, ele pode apresenar algns problemas. Oprimeiro deles seria aperda de Polímeros: Ciência e Tecnologia - JanfMar-9

5 .~ GOO V :i... ~ 400 z. '~ 00 ::> o Õ Vl ~ 80 '" 70 Z.<: f :> o 0 z o ~ 500 :l.. ~ 400.~ 00 ::> o g VOLUME DE NoOH M em L VOLUME D~ Hei 0,0\0 M m L Fig 2: Crva de ilações condméricas de amosras de goma de Anacardim occidenale L. com HC :, goma isolada pelo méodo Rinado-Milas, 0,0884G L goma isolada pelo méodo Anderson, 0,090G. açúcares lábeis, ramnose, por exemplo, por ser a dissolção efeada à emperara ambiene (=28ºC). A análise qaliaiva dos açúcares, revela, no enano, a presença de ramnose nas das amosras de goma, oqe indica qe al perda não foi verificada. Osegndo problema seria o fracionameno do maerial devido ao processo de recperação de sólido efeado aravés de precipiação com eano!. Dados obidos com a goma do angico[] refam al possibilidade. Oméodo Anderson proporciono m rendimeno relaivamene baixo (50%), provavelmene casado pela dissolção parcial da goma bra o pela perda do maerial drane a diálise. Onão ajse de PH ea baixa emperara de dissolção devem er conribído, ambém, para ese baixo rendimeno. Um oro problema do méodo é a possibilidade de formação de fngos drane as eapas de dissolção e diálise. Qando esas eapas foram feias à emperara ambiene observo-se, realmene, a formação de fngos na solção. Um complicador adicional pode- Fig : Crva de ilações condméricas de amosras de goma de Anacardim occidenale L. com Na OH:., goma isolada pelo méodo Rinado-Milas, 0,085 G L goma isolada pelo méodo Anderson, 0,09 G. ria ocorrer caso a filração fosse feia em papel, como sgerida pelo aor. Nese caso haveria a possibilidade de conaminação com maerial cellósico, profndamene indesejável em se raando de isolameno de carboidrao. CONCLUSÃO Levando-se em cona odos os faores relaivos ao desenvolvimeno dos processos eàs caracerísicas dos maeriais isolados chego-se aconclsão qe o méodo Rinad Milas éomais adeqado para isolar gomas, principalmene, se desinadas a esdo acadêmico. A escolha do méodo mais adeqado para fins indsriais eria qe levar em cona oros faores, ais como viabilidade econômica, disponibilidade de eqipamenos, ec, não considerados aqi. Além das boas caracerísicas observadas ano na goma obida pelo méodo Anderson qano na Rinad-Milas (brancra do sólido, boa solbilidade em H 2 0, ransparência da solção) algmas vananges do méodo Rinad-Milas podem ser desacadas. São elas: a) maior rapidez do processo b) maior rendimeno c) menor possibilidade de conaminação, qer por fngos qe por maerial cellósico.. Polímeros: Ciência e Tecnologia - JanfMar-9 5

6 d) maior homogeneidade do maerial no qe se refere ao consiine ácido glicrônico, oalmene ransformado para aforma salina. Vale ressalar, no enano, qe o scesso no isolameno de gomas pelo méodo Rinad-Milas concenra-se na filração e secagem do maerial. A filração, assim como as primeiras lavagens, não deve ser efeada aé a reirada complea do líqido, pois provocaria peneração do ma~ erial no fnil e agregação enre as próprias paríclas do polissacarídeo. Somene na úlima lavagem (com aceona), afilração deve ser levada aé ofinal. Apesar do relaivo scesso do maerial isolado pelo méodo Rinado-Milas, ma goma mais pra eoalmene ransformada em sal de sódio, mias vezes necessária para esdos mais refinados, só será obida com a execção de rês eapas (ma de isolameno edas de prificação) como sgerido pelos aores [8]. AGRADECMENTOS À Profª Margerie Rinado (CNRS-França) pela demonsração do méodo. À EPACE, empresa de Pesqisa Agropecária do Ceará,' aalmene pérencene à EM BRAPA, pelo fornecimeno da gdmabra eao CNPq pelo apoio financeiro. :' ". REFERÊNCAS BBlOGRÁFCAS - J,N. BE MLLER, ndsrial Gms, Encyclopedia of Polymer Science and Engineering, John Wiley &Sons, 7, 589, R.L WHSTLER, "ndsrial Gms-Polysaccharides and heir Derivaives", Edior R.L Whisler, 2ª ed., Academic Press, Londres, capo,97. - J. WELLS, "Celllar Microbial Polysaccharides", "Exracell. microb. polysaccharides", ACS Symp. Series, 45, 299, J,F. KENNEDY e CA WHTE, "Bioacive Carbohydraes: n Chemisry, Biochemisry and Biology", Ellis Horvvood Lda, nglaerra, capo 4, G.O. ASPNALL, "The Polysaccharides" - vol., Edior G.O.Aspinall, Academic Press, New York, capo 2, A.O. PTET, "Mehods in Carbohydrae Chemisry", vol. V, General Polysaccharides", Edior R.L Whiser, Academic Press, seco, D.M.WANDERSON, P.C:BELL ej,r. MLLAR, Phyochemisry,289, a M. MLAS, "Polielerólios", ed. RAM.C. Grooe eaas. Crvelo, USP, São Carlos, 99; bl M. Rinado, Comnicação Pessoal. 9 - D.MW. ANDERSON e P.C. BELL, Anal. Chimica Aca, 79, 85, V.P.M.S. LMA, "Clra do Cajeiro no Nordese do Brasil", ª ed., Banco do Nordese do Brasil, Foraleza, MARKS, R.B. BAUM et. SWAN, Analyical Biochem., 47,, M.R. MARQUES e J. XAVER FLHO, Phyochemisry, 0, 4,99. - AG. da SLVA, "Goma do Angico (Anadenahera macrocarpa): isolameno, prificação e caracerização", disseração de Mesrado, UFC, Foraleza, 992. ~ Recebido em 4 de dezembro de 992 Aprovado em 0 de março de 99 Polímeros: Ciência e Tecnologia - Jan/Mar-9

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso:

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso: TEXTO COMPLEMENTAR MÉTODO MARSHALL ROTINA DE EXECUÇÃO (PROCEDIMENTOS) Suponhamos que se deseje dosar um concreo asfálico com os seguines maeriais: 1. Pedra 2. Areia 3. Cimeno Porland 4. CAP 85 100 amos

Leia mais

BIOLOGIA. Estrutura Procarionte Eucarionte. 1 Núcleo ( ) (+) 2 Ribossomos (+) (+) 3 Material genético (+) (+) 4 Mitocôndrias (+) (+)

BIOLOGIA. Estrutura Procarionte Eucarionte. 1 Núcleo ( ) (+) 2 Ribossomos (+) (+) 3 Material genético (+) (+) 4 Mitocôndrias (+) (+) BIOLOGIA 01 No programa de elevisão Fanásico de agoso de 2002, foram apresenados dois novos ecossisemas exisenes nas profundezas marinhas. O mais ineressane nesses ecossisemas é sua independência de energia

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 8 Inrodução a Cinemáica dos Fluidos Tópicos Abordados Nesa Aula Cinemáica dos Fluidos. Definição de Vazão Volumérica. Vazão em Massa e Vazão em Peso. Definição A cinemáica dos fluidos é a ramificação

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA

GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA Realizada em 8 de ouubro de 010 GABARITO DISCURSIVA DADOS: Massas aômicas (u) O C H N Na S Cu Zn 16 1 1 14 3 3 63,5 65,4 Tempo de meia - vida do U 38

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

ANÁLISE DE UMA EQUAÇÃO DIFERENCIAL LINEAR QUE CARACTERIZA A QUANTIDADE DE SAL EM UM RESERVATÓRIO USANDO DILUIÇÃO DE SOLUÇÃO

ANÁLISE DE UMA EQUAÇÃO DIFERENCIAL LINEAR QUE CARACTERIZA A QUANTIDADE DE SAL EM UM RESERVATÓRIO USANDO DILUIÇÃO DE SOLUÇÃO ANÁLSE DE UMA EQUAÇÃO DFERENCAL LNEAR QUE CARACTERZA A QUANTDADE DE SAL EM UM RESERATÓRO USANDO DLUÇÃO DE SOLUÇÃO Alessandro de Melo Omena Ricardo Ferreira Carlos de Amorim 2 RESUMO O presene arigo em

Leia mais

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase EA93 - Pro. Von Zuben Sisemas não-lineares de ª ordem Plano de Fase Inrodução o esudo de sisemas dinâmicos não-lineares de a ordem baseia-se principalmene na deerminação de rajeórias no plano de esados,

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir.

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir. PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 1ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A 01) O gráico a seguir represena a curva de aquecimeno de 10 g de uma subsância à pressão de 1 am. Analise as seguines airmações. I. O pono de ebulição

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA Era uma vez uma pequena cidade que não inha água encanada. Mas, um belo dia, o prefeio mandou consruir uma caia d água na serra e ligou-a a uma rede de disribuição.

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS 2 ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS A Análise de esruuras provavelmene é a aplicação mais comum do méodo dos elemenos finios. O ermo esruura não só diz respeio as esruuras de engenharia civil como pones

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 171 DESIGUALDADES SOCIAIS EM SAÚDE: EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS SOBRE O CASO BRASILEIRO

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 171 DESIGUALDADES SOCIAIS EM SAÚDE: EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS SOBRE O CASO BRASILEIRO TEXTO PARA DISCUSSÃO N 171 DESIGUALDADES SOCIAIS EM SAÚDE: EVIDÊNCIAS EMPÍRAS SOBRE O CASO BRASILEIRO Kenya Valeria Micaela de Souza Noronha Mônica Viegas Andrade Junho de 2002 1 Ficha caalográfica 33:614(81)

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Avaliação de Dois Critérios de Cálculo da Energia Assegurada de uma PCH

Avaliação de Dois Critérios de Cálculo da Energia Assegurada de uma PCH RBRH Revisa Brasileira de Recrsos Hídricos Volme n. Jan/Mar 006, 5-35 Avaliação de Dois Criérios de Cálclo da Energia Assegrada de ma PCH Heinz Dieer Oskar Ags Fill, Márcia Regina Chella, Miriam Ria Moro

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

ENSAIO SOBRE A FLUÊNCIA NA VIBRAÇÃO DE COLUNAS

ENSAIO SOBRE A FLUÊNCIA NA VIBRAÇÃO DE COLUNAS Congresso de Méodos Numéricos em Engenharia 215 Lisboa, 29 de Junho a 2 de Julho, 215 APMTAC, Porugal, 215 ENSAIO SOBRE A FLUÊNCIA NA VIBRAÇÃO DE COLUNAS Alexandre de Macêdo Wahrhafig 1 *, Reyolando M.

Leia mais

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS Disseração apresenada à Escola Poliécnica da Universidade de São Paulo para obenção do íulo de Mesre

Leia mais

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB Revisa Fafibe On Line n.3 ago. 007 ISSN 808-6993 www.fafibe.br/revisaonline Faculdades Inegradas Fafibe Bebedouro SP Influência de Variáveis Meeorológicas sobre a Incidência de Meningie em Campina Grande

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Análise de dados e probabilidade Guia do professor Experimeno O méodo de Mone Carlo Objeivos da unidade 1. Apresenar um méodo ineressane e simples que permie esimar a área de uma figura plana qualquer;.

Leia mais

Pobreza e Desigualdade de Renda no Brasil Rural: Uma Análise da Queda Recente 1

Pobreza e Desigualdade de Renda no Brasil Rural: Uma Análise da Queda Recente 1 POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL RURAL: UMA ANÁLISE DA QUEDA RECENTE seven.helfand@ucr.edu Apresenação Oral-Evolução e esruura da agropecuária no Brasil STEVEN M. HELFAND 1 ; RUDI ROCHA 2 ; HENRIQUE

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

PRICE PUZZLE E CANAL DE CUSTO DA POLÍTICA MONETÁRIA: EVIDÊNCIAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA

PRICE PUZZLE E CANAL DE CUSTO DA POLÍTICA MONETÁRIA: EVIDÊNCIAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA PRICE PUZZLE E CANAL DE CUSTO DA POLÍTICA MONETÁRIA: EVIDÊNCIAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA Fernando Gena dos Sanos 1 Fabio Kanczk 2 Resmo: Nese rabalho, esimo-se a imporância do canal de cso da políica

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC EXPERIÊNIA 7 ONSTANTE DE TEMPO EM IRUITOS R I - OBJETIVO: Medida da consane de empo em um circuio capaciivo. Medida da resisência inerna de um volímero e da capaciância de um circuio aravés da consane

Leia mais

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS APÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS A- TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS Vimos aé aqui que para calcularmos as ensões em

Leia mais

MATEMATICA Vestibular UFU 2ª Fase 17 de Janeiro de 2011

MATEMATICA Vestibular UFU 2ª Fase 17 de Janeiro de 2011 Vesibular UFU ª Fase 17 de Janeiro de 011 PRIMEIRA QUESTÃO A realidade mosra que as favelas já fazem pare do cenário urbano de muias cidades brasileiras. Suponha que se deseja realizar uma esimaiva quano

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Capiulo V SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA 5.1 - INTRODUÇÃO I - QUALIDADE DA ÁGUA A água em sua uilização obedece a padrões qualiaivos que são variáveis de acordo com o seu uso (domésico, indusrial,

Leia mais

SÉRIE: Estatística Básica Texto: Percentagens, Relativos e Índices SUMÁRIO 1. PERCENTAGENS...4 2. 2. RELATIVOS...9 3. 3. NÚMEROS ÍNDICES...

SÉRIE: Estatística Básica Texto: Percentagens, Relativos e Índices SUMÁRIO 1. PERCENTAGENS...4 2. 2. RELATIVOS...9 3. 3. NÚMEROS ÍNDICES... SUMÁRO 1. PERCENTAGENS...4 1.1. NTRODUÇÃO...4 1.2. 1.2.. EQUVALÊNCAS...5 1.3. 1.3. ASSMETRA...5 1.4. 1.4. AUMENTOS E BAXAS SUCESSVAS...7 2. 2. RELATVOS...9 2.1. 2.1. TPOS DE RELATVOS...9 2.1.1. 2.1.1.

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Monitorização do Processo de Purificação de Gomas Naturais: Goma do Cajueiro

Monitorização do Processo de Purificação de Gomas Naturais: Goma do Cajueiro Monitorização do Processo de Purificação de Gomas Naturais: Goma do Cajueiro Sônia M.O. Costa, Judith f. Rodrigues e Regina C.M. de Paula Resumo: Na tentativa de obtenção de uma goma de elevado grau de

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO Pág.: 1/88 ÍNDICE Professor: Waldemir Loureiro Inrodução ao Conrole Auomáico de Processos... 4 Conrole Manual... 5 Conrole Auomáico... 5 Conrole Auo-operado... 6 Sisema

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

ESTUDO DE CONCEPÇÃO E PROJETO BÁSICO DO SISTEMA PRODUTOR SÃO LOURENÇO. cia. de saneamento básico do estado de são paulo. sabesp

ESTUDO DE CONCEPÇÃO E PROJETO BÁSICO DO SISTEMA PRODUTOR SÃO LOURENÇO. cia. de saneamento básico do estado de são paulo. sabesp cia. de saneameno básico do esado de são palo sabesp ESTUDO DE CONCEPÇÃO E PROJETO BÁSICO DO SISTEMA PRODUTOR SÃO LOURENÇO SISTEMA PRODUTOR SÃO LOURENÇO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL - EIA PROGRAMA DE COMPENSAÇÃO

Leia mais

6. ESCOAMENTO SUPERFICIAL

6. ESCOAMENTO SUPERFICIAL 6. ESCOAMENTO SUPERFICIAL 6.1. GENERALIDADES O ecoameno perficial é o egmeno do ciclo hidrológico caracerizado pelo delocameno da ága na perfície da erra e no cro d ága narai. Tem origem fndamenalmene

Leia mais

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro Análise do preço e produção de peróleo sobre a lucraividade das empresas perolíferas Luciano Jorge de Carvalho Junior Rosemarie Bröker Bone Eduardo Ponual Ribeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

FUNÇÕES CONVEXAS EM TEORIA DE APREÇAMENTO DE OPÇÕES POR ARBITRAGEM UTILIZANDO O MODELO BINOMIAL

FUNÇÕES CONVEXAS EM TEORIA DE APREÇAMENTO DE OPÇÕES POR ARBITRAGEM UTILIZANDO O MODELO BINOMIAL FUNÇÕES CONVEAS EM EORIA DE APREÇAMENO DE OPÇÕES POR ARBIRAGEM UILIZANDO O MODELO BINOMIAL Devanil Jaques de SOUZA Lucas Moneiro CHAVES RESUMO: Nese rabalho uilizam-se écnicas maemáicas elemenares, baseadas

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

Figura 1 Carga de um circuito RC série

Figura 1 Carga de um circuito RC série ASSOIAÇÃO EDUAIONAL DOM BOSO FAULDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA ELÉTIA ELETÔNIA Disciplina: Laboraório de ircuios Eléricos orrene onínua 1. Objeivo Sempre que um capacior é carregado ou descarregado

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II E.N.I.D.H. Deparameno de Radioecnia APONTAMENTOS DE ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II (Capíulo 2) José Manuel Dores Cosa 2000 42 ÍNDICE Inrodução... 44 CAPÍTULO 2... 45 CONVERSORES COMUTADOS DE CORRENTE CONTÍNUA...

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

P R O P R I E D A D E S C O L I G A T I V A S

P R O P R I E D A D E S C O L I G A T I V A S P R O P R I E D A D E S C O L I G A T I V A S PROF. AGAMENON ROBERTO < 20 > Prof. Agamenon Robero PROPRIADES COLIGATIVAS www.agamenonquimica.com 2 PROPRIEDADES COLIGATIVAS PRESSÃO MÁXIMA DE VAPOR Vamos

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS Caroline Poli Espanhol; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana Mackenzie

Leia mais

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Fernando Siqueira dos Sanos Resumo: ese rabalho analisa a evolução do desemprego nos úlimos anos, com foco no período 1998 a 2012 devido à melhor disponibilidade

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006)

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006) PROVA MODELO GRUPO I Arisóeles inha examinado corpos em moimeno e inha concluído, pelo modo como os corpos caem denro de água, que a elocidade de um corpo em queda é uniforme, proporcional ao seu peso,

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS VIEIRA, Douglas Tadeu. TCC, Ciências Econômicas, Fecilcam, vieira.douglas@gmail.com PONTILI,

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 1/23 2.2.1 Fones de aenuação e disorção de sinal 2.2.1 Fones de aenuação e disorção do sinal (coninuação) 2/23 Imperfeições do canal

Leia mais

Sorção e condutividade hidráulica de alguns solos da Cidade de Salvador-BA a partir do ensaio de infiltrabilidade do método MCT.

Sorção e condutividade hidráulica de alguns solos da Cidade de Salvador-BA a partir do ensaio de infiltrabilidade do método MCT. Sorção e conduividade hidráulica de alguns solos da Cidade de Salvador-BA a parir do ensaio de infilrabilidade do méodo MCT. Burgos, P. C. UFBA, Escola Poliécnica, DCTM, Salvador-BA, Brasil, pburgos@ufba.br

Leia mais

A PERSISTÊNCIA INTERGERACIONAL DO TRABALHO INFANTIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O BRASIL RURAL E O BRASIL URBANO

A PERSISTÊNCIA INTERGERACIONAL DO TRABALHO INFANTIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O BRASIL RURAL E O BRASIL URBANO A PERSISTÊNCIA INTERGERACIONAL DO TRABALHO INFANTIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O BRASIL RURAL E O BRASIL URBANO MAURÍCIO MACHADO FERNANDES; JULIANA MARIA AQUINO; ELAINE TOLDO PAZELLO; LUIZ GUILHERME SCORZAFAVE.

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi Dinâmica de ineração da praga da cana-de-açúcar com seu parasióide Trichogramma galloi Elizabeh de Holanda Limeira 1, Mara Rafikov 2 1 Universidade Federal do ABC - UFABC, Sano André, Brasil, behmacampinas@yahoo.com.br

Leia mais

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 33 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA No iem 3.1, apresena-se uma visão geral dos rabalhos esudados sobre a programação de horários de rens. No iem 3.2, em-se uma análise dos rabalhos que serviram como base e conribuíram

Leia mais

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Os See Hábios das Pessoas Alamene Eficazes Sephen Covey baseou seus fundamenos para o sucesso na Éica do Caráer aribuos como inegridade, humildade, fidelidade, emperança, coragem, jusiça, paciência, diligência,

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

ANÁLISE DE DISPOSITIVOS DE MANOBRA E DE PROTEÇÃO DE BAIXA TENSÃO

ANÁLISE DE DISPOSITIVOS DE MANOBRA E DE PROTEÇÃO DE BAIXA TENSÃO ANÁLISE DE DISPOSITIVOS DE MANOBRA E DE PROTEÇÃO DE BAIXA TENSÃO Conceios, equipamenos e aplicações indusriais. OBJETIVOS. Denro das aplicações de poência da elericidade, a pare indusrial é sem dúvida

Leia mais

HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000

HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000 HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000 Geovana Lorena Berussi (UnB) Lízia de Figueiredo (UFMG) Julho 2010 RESUMO Nesse arigo, invesigamos qual

Leia mais

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE Página 1 1 TRNSMISSÃO EM BND BSE ransmissão de um sinal em banda base consise em enviar o sinal de forma digial aravés da linha, ou seja, enviar os bis conforme a necessidade, de acordo com um padrão digial,

Leia mais

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES 3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES Os microconroladores selecionados para o presene rabalho foram os PICs 16F628-A da Microchip. Eses microconroladores êm as vanagens de serem facilmene enconrados no

Leia mais

MARLON RODRIGO BRUNETTA

MARLON RODRIGO BRUNETTA MARLON RODRIGO BRUNETTA AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA TÉCNICA E DE PRODUTIVIDADE USANDO ANÁLISE POR ENVOLTÓRIA DE DADOS: UM ESTUDO DE CASO APLICADO A PRODUTORES DE LEITE CURITIBA 2004 MARLON RODRIGO BRUNETTA

Leia mais

ENSAIO BRASILEIRO: CARACTERIZAÇÃO ESTATÍSTICA DE DUAS SÉRIES EXPERIMENTAIS EM ARGAMASSAS. Ferreira, I. A., Doutorando, COPPE/UFRJ

ENSAIO BRASILEIRO: CARACTERIZAÇÃO ESTATÍSTICA DE DUAS SÉRIES EXPERIMENTAIS EM ARGAMASSAS. Ferreira, I. A., Doutorando, COPPE/UFRJ 7 a 2 de Mayo de 24 Faculad de Ingeniería. Universidad Nacional de Cuyo. Mendoza. Argenina. Jornadas Sud-Americanas de Ingeniería Esrucural ENSAIO BRASILEIRO: CARACTERIZAÇÃO ESTATÍSTICA DE DUAS SÉRIES

Leia mais

Experiências para o Ensino de Queda Livre

Experiências para o Ensino de Queda Livre Universidade Esadual de Campinas Insiuo de Física Gleb Waagin Relaório Final da disciplina F 69A - Tópicos de Ensino de Física I Campinas, de juno de 7. Experiências para o Ensino de Queda Livre Aluno:

Leia mais

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB.

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB. Análise de Séries Temporais de Pacienes com HIV/AIDS Inernados no Hospial Universiário João de Barros Barreo (HUJBB), da Região Meropoliana de Belém, Esado do Pará Gilzibene Marques da Silva ¹ Adrilayne

Leia mais

Manual de Instruções. Máquina de Eletroerosão EX 60 MS

Manual de Instruções. Máquina de Eletroerosão EX 60 MS Manual de nsruções Máquina de Eleroerosão EX 60 MS FUNÇÕES DOS COMANDOS Liga / Desliga Acia os caores do ransformador e da bomba do aciameno. Não inerrompe a alimenação para as réguas digiais e para a

Leia mais

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8 4. A procura do seor privado 4. A procura do seor privado 4.. Consumo 4.2. Invesimeno Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capíulo 8 4.2. Invesimeno - sock de capial óimo Conceios Inroduórios Capial - Bens de produção

Leia mais

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities 18 2 Relação enre câmbio real e preços de commodiies Na exensa lieraura sobre o cálculo da axa de câmbio de longo prazo, grande pare dos modelos economéricos esimados incluem os ermos de roca como um dos

Leia mais

A ELASTICIDADE-RENDA DO COMÉRCIO REGIONAL DE PRODUTOS MANUFATURADOS Marta R. Castilho 1 e Viviane Luporini 2

A ELASTICIDADE-RENDA DO COMÉRCIO REGIONAL DE PRODUTOS MANUFATURADOS Marta R. Castilho 1 e Viviane Luporini 2 A ELASTICIDADE-RENDA DO COMÉRCIO REGIONAL DE PRODUTOS MANUFATURADOS Mara R. Casilho 1 e Viviane Luporini 2 ANPEC 2009: ÁREA 6 RESUMO: O arigo apresena um esudo comparaivo das elaicidades-renda das exporações

Leia mais

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 1 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES 1.1 INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA FENG Desinase o primeiro capíulo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MEDIÇÃO DA UMIDADE RELATIVA DO AR PELO MÉTODO DO PONTO DE ORVALHO USANDO MATERIAIS ACESSÍVEIS E SISTEMA DE CONTROLE CONVENCIONAL

AVALIAÇÃO DE MEDIÇÃO DA UMIDADE RELATIVA DO AR PELO MÉTODO DO PONTO DE ORVALHO USANDO MATERIAIS ACESSÍVEIS E SISTEMA DE CONTROLE CONVENCIONAL GUSTAVO NEVES MARGARIDO AVALIAÇÃO DE MEDIÇÃO DA UMIDADE RELATIVA DO AR PELO MÉTODO DO PONTO DE ORVALHO USANDO MATERIAIS ACESSÍVEIS E SISTEMA DE CONTROLE CONVENCIONAL Disseração apresenada ao Insiuo Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO ANDRÉ MAURO SANTOS DE ESPÍNDOLA

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO ANDRÉ MAURO SANTOS DE ESPÍNDOLA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO ANDRÉ MAURO SANTOS DE ESPÍNDOLA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA PREVISÃO DE CONSUMO:

Leia mais

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear 2. ÍOOS E JUNÇÃO Fernando Gonçalves nsiuo Superior Técnico Teoria dos Circuios e Fundamenos de Elecrónica - 2004/2005 íodo de Junção isposiivo de dois erminais, passivo e não-linear Foografia ânodo Símbolo

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO E EMPRESAS DE SÃO PAULO GVPESQUISA RICARDO RATNER ROCHMAN

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO E EMPRESAS DE SÃO PAULO GVPESQUISA RICARDO RATNER ROCHMAN FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO E EMPRESAS DE SÃO PAULO GVPESQUISA RICARDO RATNER ROCHMAN INSIDER TRADING E GOVERNANÇA CORPORATIVA: O PERFIL E PRÁTICA DOS INSIDERS DE EMPRESAS DE GOVERNANÇA

Leia mais

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk Módulo 07 Capíulo 06 - Viscosímero de Cannon-Fensk Inrodução: o mundo cienífico, medições são necessárias, o que sempre é difícil, impreciso, principalmene quando esa é muio grande ou muio pequena. Exemplos;

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

CHUVAS INTENSAS NO ESTADO DE SÃO PAULO: ESTUDOS EXISTENTES E ANÁLISE COMPARATIVA. Abel Maia Genovez e Antonio Carlos Zuffo

CHUVAS INTENSAS NO ESTADO DE SÃO PAULO: ESTUDOS EXISTENTES E ANÁLISE COMPARATIVA. Abel Maia Genovez e Antonio Carlos Zuffo RBRH - Revisa Brasileira de Recursos Hídricos Volume 5 n.3 Jul/Se 2000, 45-58 CHUVAS INENSAS NO ESADO DE SÃO AULO: ESUDOS EXISENES E ANÁLISE COMARAIVA Abel Maia Genovez e Anonio Carlos Zuffo Faculdade

Leia mais

Capítulo. Origem e Evolução das Células

Capítulo. Origem e Evolução das Células Capíulo Moléculas, l Células e Tecidos 0 Origem e Evolução das Células 0 0 (UFSC) Sanley L. Miller, aravés da consrução de um aparelho conhecido por Aparelho de Miller, procurou reforçar os fundamenos

Leia mais

INTRODUÇÃO AS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PARCIAIS

INTRODUÇÃO AS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PARCIAIS INTROUÇÃO S QUÇÕS IFRNIIS PRIIS. INTROUÇÃO Porqe esdar as qações ferencas Parcas? Smplesmene porqe a maora dos fenômenos físcos qe ocorrem na nareza são descros por eqações dferencas parcas como por eemplo:

Leia mais

OTIMIZAÇÃO NOS PADRÕES DE CORTE DE CHAPAS DE FIBRA DE MADEIRA RECONSTITUÍDA: UM ESTUDO DE CASO

OTIMIZAÇÃO NOS PADRÕES DE CORTE DE CHAPAS DE FIBRA DE MADEIRA RECONSTITUÍDA: UM ESTUDO DE CASO versão impressa ISSN 0101-7438 / versão online ISSN 1678-5142 OTIMIZAÇÃO NOS PADRÕES DE CORTE DE CHAPAS DE FIBRA DE MADEIRA RECONSTITUÍDA: UM ESTUDO DE CASO Luciano Belluzzo Reinaldo Morabio * Deparameno

Leia mais

Volume 1 Nº 1 ISSN 1807-4855

Volume 1 Nº 1 ISSN 1807-4855 Revisa do Cenro de Ensino Superior Unificado de Brasília Volume 1 Nº 1 ISSN 1807-4855 Sociedade Objeivo de Ensino Superior Presidene Douor João Carlos Di Gênio Direor Adminisraivo Adminisrador Hildebrando

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

CONTRATO N.º 026/2.015

CONTRATO N.º 026/2.015 CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATO N.º 026/2.015 Insrumeno paricular de conrao que enre si fazem: de um lado, como conraane, a PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO QUENTE, e de ouro, como conraado, e a empresa

Leia mais

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA.

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA. UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA Área: ECONOMIA COELHO JUNIOR, Juarez da Silva PONTILI, Rosangela Maria

Leia mais