MANUAL DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, CONTROLE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, CONTROLE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL"

Transcrição

1 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DA OPAS/OMS NO BRASIL 2010/2011 MANUAL DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, CONTROLE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL Gestão Corporativa Sistêmica da Representação da OPAS/OMS no Brasil Brasília, 2010

2 2010 Organização Pan-Americana da Saúde. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total dessa obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial. Tiragem: 100 exemplares Elaboração, distribuição e informações: Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde - OPAS/OMS Representação no Brasil Setor de Embaixadas Norte, Lote 19 CEP: Brasília/DF Brasil Representante Diego Victoria Coordenação técnica e editorial Diego Victoria Luciana Chagas Elaboração Luciana Chagas Revisão técnica e aportes Cleuber Fortes Paula Villas-Boas Carvalho Sabrina Baiocco Silva William Rodrigues Colaboração Enrique Gil Félix Rígoli José Moya Luis Codina Editoração All Type Assessoria Editorial Ltda Impresso no Brasil / Printed in Brazil Organização Pan-Americana da Saúde Ficha Catalográfica Manual de planejamento, programação, controle e avaliação de projetos da Representação da OPAS/OMS no Brasil / Organização Pan-Americana da Saúde. Brasília : Organização Pan-Americana da Saúde, p.: il. 7 volumes. ISBN: Avaliação de Programas e Projetos de Saúde. 2. Formulação de Projetos. I. Organização Pan- Americana da Saúde. II. Título. NLM: W 84.4 Unidade Técnica de Informação em Saúde, Gestão do Conhecimento e Comunicação da OPAS/OMS no Brasil

3 Sumário LISTA DE SIGLAS 5 PREFÁCIO 7 1. Introdução 9 Objetivos do Manual de Planejamento 9 Documentos Básicos 11 Metodologia para a elaboração do Manual O processo de planejamento Aspectos conceituais A metodologia do marco lógico O processo de planejamento da OPAS/OMS O processo de planejamento da Representação da OPAS/OMS no Brasil Instrumentos de Planejamento Instrumento orientador Instrumento de elaboração Instrumentos de programação Instrumentos de monitoramento e avaliação Fluxos de planejamento na Representação da OPAS/OMS no Brasil Ciclo de elaboração do projeto Elaboração do Plano de Trabalho Anual (PTA) Elaboração do Plano de Trabalho Semestral (PTS) Ajustes/atualizações mensais do PTS Etapas de controle Sistema de gestão dos projetos da PWR/BRA 55 ANEXOS 57 ANEXO 1: Matriz lógica para a elaboração de Projetos 57 ANEXO 2: Modelo de Plano de Trabalho Anual 58 ANEXO 3: Modelo de Plano de Trabalho Semestral 60 ANEXO 4: Modelo de Relatório de Gestão de Projetos 62

4

5 LISTA DE SIGLAS 1. Cooperação Técnica CT 2. Cooperação Técnica entre Países TCP 3. Coordenador de Unidade Técnica CUT 4. Gabinete da Representação GR 5. Gerente de Área de Coordenação Interprogramática GACI 6. Gestão Baseada em Resultados GBR 7. Grupo da Unidade de Administração GUA 8. Grupo de Administração Desconcentrada GAD 9. Grupo de Gerência de Área de Coordenação GGAC 10. Grupo de Planejamento e Administração GAP 11. Grupo de Tarefa Interprogramático GTI 12. Grupo Interprogramático GI 13. Grupo Interprogramático Ampliado GIA 14. Grupos Ótimos GO 15. Mecanismo de Coordenação e Comunicação MCC 16. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 17. Plano de Trabalho Anual PTA 18. Plano de Trabalho Bianual PTB 19. Plano de Trabalho Semestral PTS 20. Plenária Geral PG 21. Rede de Relacionamento Estratégico RRE 22. Representante PWR 23. Technical Cooperation Between Countries - TCC 24. Termo de Cooperação/Termo de Ajuste TC/TA 25. Unidade Técnica UT 5

6

7 PREFÁCIO O cenário em que a Representação da OPAS/OMS no Brasil atua é bastante complexo. Para o biênio , visou contribuir para o alcance dos 16 Objetivos Estratégicos da OPAS/OMS por meio dos 54 resultados esperados de país (OSER), dos 85 indicadores e de aproximadamente 193 produtos e serviços do Plano de Trabalho Bianual 10-11, sendo necessária uma organização sistêmica desconcentrada das áreas de planejamento e administração para a execução anual estimada para o biênio de USD 380 milhões por meio de 90 mil operações administrativas e financeiras, conforme normas e procedimentos da Organização, a fim de garantir a transparência e o controle interno da gestão. Isso requer a gestão interprogramática da cooperação técnica de forma articulada entre os 44 Projetos de cooperação, sendo 33 Termos de Cooperação (TC) assinados com o governo brasileiro e 13 Projetos Especiais de recursos extraorçamentários, regionais, globais e regulares sob a responsabilidade da Representação. Estima-se para o biênio trabalhar com 7 Projetos de Cooperação Técnica entre Países (CTP). Para lidar com essa complexidade, a Representação se estruturou de forma a realizar uma gestão interprogramática e desconcentrada desse grande número de projetos que conformam a abertura programática dos Planos de Trabalho Bianual , além de desconcentrar a administração dos recursos nas gerências e unidades técnicas devido ao alto número de operações administrativas e financeiras que sustentam a execução da cooperação técnica no Brasil. Dessa forma, a OPAS/OMS no Brasil tem liderado a elaboração e a avaliação dos Projetos sob gestão de suas Gerências de Área e coordenação de suas Unidades Técnicas. É incontestável que o esforço de todas as equipes tem contribuído para o avanço do processo de planejar, acompanhar e avaliar a execução de projetos e atividades. Além disso, a prática do planejamento tem facilitado a disseminação de informações, a socialização de experiências internas e, mais relevante, tem garantido a transparência da gestão e da prestação de contas da OPAS/OMS a seus parceiros. As ações de planejamento da OPAS/OMS no Brasil permitem apoiar o Governo Brasileiro e outros parceiros institucionais na racionalização do uso e da distribuição dos recursos orçamentários na execução das atividades de cooperação técnica. Além disso, 7

8 MANUAL DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, CONTROLE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL possibilita adotar a prática de antecipação para a ação e de avaliação das atividades e a identificação de possibilidades de disseminação de experiências, ações importantes para assegurar a melhoria da saúde das populações da Região. É importante destacar que a institucionalização do ato de planejar só é possível com o apoio dos assessores internacionais e dos consultores técnicos e administrativos da Representação no trabalho conjunto com os parceiros. Tornar disponível este Manual de Planejamento representa valorizar esse processo como um instrumento fundamental no alcance de resultados consistentes em saúde pública nos níveis global, regional e local. Espera-se que o presente documento facilite o trabalho dos funcionários e contrapartes na atuação em um novo ciclo de planejamento institucional. É importante lembrar que esse manual é um documento vivo, disponibilizado na intranet e nos arquivos eletrônicos/file cabinet da Representação para consultas e atualizações, e que deve ser complementado por contribuições de seus usuários a fim de possibilitar seu aperfeiçoamento constante. Diego Victoria Representante da OPAS/OMS no Brasil 8

9 1. Introdução O processo de planejamento adotado pela Representação da OPAS/OMS no Brasil baseia-se no diálogo participativo de seus funcionários e de suas contrapartes como uma oportunidade de expressar e alinhar suas perspectivas em um cenário comum. Assim, quanto maior for a clareza compartilhada sobre sua missão, propósito e valores, maior será o nível de confiança entre os atores envolvidos no processo. Isso porque, apesar das diferenças, todos terão o mesmo conhecimento sobre os compromissos e os propósitos da Organização em relação à cooperação técnica a ser realizada conjuntamente com seus parceiros. Dessa forma, o planejamento visa direcionar ações, definindo as relevantes e as de pouco impacto baseado nos seus passos fundamentais que consistem em conhecer a situação atual e a que se deseja alcançar. O diagnóstico torna-se, pois, uma importante ferramenta de orientação porque revela o cenário atual e ajuda a identificar resultados a serem perseguidos. Assim, a Representação da OPAS/OMS no Brasil identificou a necessidade de definir os critérios para desenvolver e fortalecer o processo de planejamento como um mecanismo articulador, orientador, descentralizador e sistematizador da gestão da cooperação técnica da OPAS/OMS no Brasil. Dessa forma, pretende corresponder com o desenvolvimento de uma gerência baseada em resultados, a qual possibilita o aprimoramento da gestão para que se torne mais efetiva e transparente, reforçando o papel da Organização junto aos Estados-Membros; para que possa apoiar a Região a preparar-se e adaptar-se aos desafios da agenda inconclusa e aos novos desafios da saúde pública; para que possa estabelecer alianças intersetoriais que potencializem ações e reduzam a duplicidade de esforços nos países. Objetivos do Manual de Planejamento 1. Possibilitar monitorar e avaliar o cumprimento das prioridades, modalidades e enfoques da Estratégia de Cooperação Técnica da OPAS/OMS com a República Federativa do Brasil e alinhar os recursos humanos, financeiros e tec- 9

10 MANUAL DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, CONTROLE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL nológicos da Repre sentação definidos no Plano de Desenvolvimento da Representação para o biênio Permitir programar, implementar, monitorar e avaliar o Plano de Trabalho Bianual de forma a poder cumprir com os Objetivos Estratégicos Específicos do País (OSER), os indicadores, os produtos e serviços e as tarefas com suas respectivas contribuições ao Plano Estratégico da OPAS. 3. Melhorar a gestão da OPAS/OMS, visando à eficiência e à eficácia para responder as agendas local, regional e global de saúde e avançar no aprimoramento de ferramentas de gestão baseada em resultados. 4. Fornecer uma direção aos gerentes de área, aos coordenadores de Unidade Técnica e demais profissionais envolvidos com os Termos de Cooperação (TC) (assessores internacionais e consultores nacionais técnicos e administrativos). 5. Apoiar os processos de descentralização e desconcentração de recursos na Representação, por meio da gestão baseada na eficiência e na transparência administrativa. 6. Estabelecer esforços coordenados de programação, execução e controle. 7. Apoiar os processos de descentralização e desconcentração de recursos na Representação, por meio da gestão baseada na eficiência e na transparência administrativa, no contexto da gestão corporativa sistêmica. 8. Antecipar as ações administrativas de apoio à cooperação técnica. 9. Reduzir incertezas e esclarecer consequências na execução das ações planejadas. 10. Reduzir atividades sobrepostas ou redundantes, evitando desperdício de tempo e recurso no desenvolvimento da cooperação técnica. 11. Estabelecer objetivos e/ou padrões que ajudem no controle dos projetos do sistema AMPES, TC/TA, CTP e Projetos Especiais. 12. Apoiar no treinamento dos funcionários técnicos e administrativos da Representação da OPAS/OMS no Brasil (PWR/BRA) no processo de planejamento, programação, controle e avaliação tendo como base o plano de capacitação baseado nessas competências. 13. Disponibilizar na intranet e no arquivo eletrônico/file cabinet a versão eletrônica do manual para consultas. 14. Fortalecer a cultura institucional de programação, monitoramento, avaliação e prestação de contas. 10

11 GESTÃO CORPORATIVA SISTÊMICA DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL Documentos Básicos Agenda de Saúde para as Américas. Plano Estratégico da OPAS Orçamento por programas Planejamento operativo (Planos de Trabalho Bianuais PTB). Documento Mais Saúde: direito de todos Estratégia de Cooperação Técnica da OPAS/OMS com a República Federativa do Brasil Plano de Trabalho Bianual Modelo de Gestão da Representação da OPAS/OMS no Brasil Plano de Desenvolvimento Institucional da OPAS/OMS no Brasil Diretrizes para a elaboração e gestão dos termos de cooperação. Enfoque lógico para la gestión de proyectos en la OPS, Metodologia para a elaboração do Manual Este manual se baseou na experiência e nas lições aprendidas durante a elaboração e execução do Plano de Trabalho Bianual , que exigiu a reorientação dos termos de cooperação, a utilização dos instrumentos de planejamento e uma nova forma de organização da Representação da OPAS/OMS no Brasil. Isso resultou na identificação e no detalhamento das etapas necessárias ao desenvolvimento do processo de planejamento, programação, controle e avaliação dos projetos da Representação para o cumprimento dos objetivos definidos para o biênio e na forma como os atores envolvidos nesse processo devem atuar. 11

12

13 2. O processo de planejamento 2.1 Aspectos conceituais 1 Planejamento O ato de planejar é inerente ao homem por se situar no presente, fazer referência ao passado e estabelecer projeções para o futuro. Por isso, faz parte de sua realidade e reforça o uso da racionalidade para melhorar suas atividades e condutas. Estratégia A palavra estratégia tem origem grega: stratos = exército + ego = líder. Significa conduzir, liderar para superar obstáculos e alcançar o objetivo esperado. Planejamento Estratégico Consiste em pensar sobre o que existe, o que se quer alcançar, com que meio agir, que resultado se pretende alcançar, com que recursos e critérios, como se pretende avaliar. Está relacionado com a tomada de decisão, com a análise de riscos, com o seguimento do processo, com a identificação de agentes sociais e econômicos envolvidos. Planejamento e gestão de projetos Os projetos são a base de planejamento das organizações e tornam-se ferramentas fundamentais para que sua missão possa ser alcançada. Permitem a aprendizagem mútua e o compartilhamento de conhecimento, o aprimoramento de ações, a crítica e subsidiam a tomada de decisão. 1 Baseado em: 1. Chiavenato, Idalberto. Planejamento Estratégico Fundamentos e Aplicações, Rio de Janeiro, Campus, P. Drucker, Introdução a Administração, São Paulo, Pioneira,

14 MANUAL DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, CONTROLE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL 2.2 A metodologia do marco lógico A OPAS/OMS utiliza a metodologia do marco lógico 2 para a elaboração de seus projetos. Caracteriza-se pela gestão baseada em resultados, com a definição de uma hierarquia de objetivos a serem alcançados, associados a indicadores, que dá transparência na gestão e na utilização de recursos. Possibilita o trabalho em equipe e a participação, convertendo-se em um processo contínuo de avaliação e aprendizagem sob uma perspectiva holística e sistêmica ao considerar as realidades políticas, sociais e organizacionais em sua elaboração. O ciclo de projetos O ciclo de projetos consiste de 3 etapas básicas 3, relacionadas ao seu desenho, execução e monitoramento e avaliação. Desenho Etapa composta da análise de situação e do planejamento. Na análise de situação são identificados os problemas prioritários, que devem ser considerados como algo a ser aprimorado no futuro para se alcançar uma situação desejada e, por isso, deve ser visualizado de forma positiva. Nessa fase são identificados objetivos a serem alcançados e a análise de interessados (atores externos que podem influenciar o andamento do projeto). Com a conclusão dessa fase, são definidos os subsídios para a fase de planejamento. Na fase de planejamento, é realizada a hierarquia de resultados esperados, a definição de indicadores que permitam acompanhar o andamento do projeto, as fontes de verificação e todos os elementos que influenciam o projeto. Execução 4 Etapa operacional que se desenvolve a partir das definições da etapa anterior. São fatores críticos para a execução de um projeto a direção, controle e comunicação. A direção deve considerar aspectos de liderança, ambiente de trabalho produtivo, orientação para resultados, conclusão de tarefas, delegação de 2 O marco lógico surgiu no pós-guerra para apoiar a reconstrução da Europa; foi sendo adaptado às necessidades de diferentes agências internacionais durante sua ação nesse período. 3 A descrição detalhada dessa metodologia adaptada à OPAS/OMS encontra-se no documento Enfoque lógico para la gestión de proyectos en la OPS, Gerência de projetos AMPES. OPAS/OMS, 2005 (apresentação Power point). 14

15 GESTÃO CORPORATIVA SISTÊMICA DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL autoridade e responsabilidades, organização, motivação. São fatores críticos do controle o avanço do trabalho, os custos, o entorno do projeto, calendários e datas de limites, fatores externos que influenciam o desenvolvimento do projeto, a produtividade, a informação para a tomada de decisão e as avaliações. Deve-se considerar como fatores críticos da comunicação a relação com as contrapartes nacionais, a gerência da equipe. São características da fase de execução de um projeto: Gerenciar a equipe do projeto Reunir-se com os integrantes da equipe do projeto. Comunicar-se com os envolvidos e interessados no projeto. Solucionar conflitos ou problemas que surgem durante a execução. Assegurar os recursos necessários dinheiro, pessoal e equipamentos para executar o projeto aprovado. Monitoramento e avaliação 5 Processo contínuo que deve ser realizado periodicamente a fim de apontar desvios, necessidade de atualizações e ajustes ao projeto, identificar experiências exitosas e lições aprendidas que permitam aprimorar o processo. São características das etapas de monitoramento e avaliação dos projetos: Monitorar os desvios do programado. Tomar ações corretivas para harmonizar o executado com o programado. Avaliar as solicitações de alteração do projeto que envolvam escopo, prazo e custo. Quando necessário, reprogramar o projeto. Quando necessário, ajustar o nível de recursos. Proceder os ajustes necessários e obter a aprovação dos patrocinadores do projeto. 5 Helio E. Marodin; Sérgio Mylius da Silva. Gestão de Projetos Instrumento de Gerenciamento da Inovação tecnológica (apresentação Power point). 15

16 MANUAL DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, CONTROLE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL Figura 1: Etapas de elaboração de um projeto. DESENHO Etapas do projeto ANÁLISE Análise da situação e identificação de problemas Identificação dos objetivos Primeira aproximação Análise de interessados PLANEJAMENTO Hierarquia de objetivos Indicadores Fontes de verificação Supostos EXECUÇÃO MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Resumos e conceitos do enfoque lógico Identificar e analisar problemas (interessados e alternativas). Identificar objetivos apropriados. Definir indicadores para medir o êxito. Estabelecer atividades para alcançar os resultados esperados. Definir os supostos que são críticos para o projeto. Estabelecer as fontes de verificação dos avanços. Definir os recursos necessários para a execução. Definir as responsabilidades do gerente. Estabelecer os procedimentos para determinar o que se alcançou concretamente com o projeto. 16

17 GESTÃO CORPORATIVA SISTÊMICA DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL 2.3 O processo de planejamento da OPAS/OMS Uma gestão eficiente da Organização potencializa o cumprimento de sua missão. Ou seja, a melhoria de sua liderança em saúde pública para aumentar o acesso a serviços de saúde equitativos e de qualidade e aumento das capacidades dos Estados-Membros em garantir os alcances positivos na saúde e enfrentar novos desafios. Assim, a OPAS/OMS propôs realizar uma gestão baseada em resultados (GBR) renovada, elaborar com uma ampla participação dos Estados-Membros e de seus funcionários para a definição dos resultados e indicadores a serem trabalhados. A partir da análise de situação em saúde nas Américas, foram definidas prioridades estratégicas, a alocação equitativa de recursos, os responsáveis pelo alcance dos resultados e pelo cumprimento dos indicadores definidos. Isso trouxe maior comprometimento com a realização das ações, seu monitoramento e avaliação. Foi a partir da GBR que a Organização elaborou seu planejamento, realizado em dois níveis: o estratégico e o operativo. O planejamento estratégico possibilitou realizar o planejamento global da Organização, definindo os objetivos estratégicos e políticas a serem seguidas por todas as áreas em resposta à política mundial Saúde para Todos no Século XXI, às prioridades do XI Programa Geral de Trabalho da OMS (que está vinculado aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e propõe uma Agenda Sanitária Mundial, a partir da qual é elaborada a Agenda de Saúde para as Américas ) e ao Plano Estratégico de Médio Prazo da OMS Compreende os níveis global e regional, sendo que, no nível regional, possui como instrumentos de planejamento o Plano Estratégico e o Orçamento por Programas O planejamento operativo refere-se aos planos de atividades e configura o planejamento das operações fundamentais da Organização, compreendendo o nível nacional de planejamento. Possui como instrumento de planejamento o Plano de Trabalho Bianual (PTB) ; ; Os planejamentos estratégico e operativo da OPAS/OMS e seus respectivos instrumentos se relacionam por meio de resultados que correspondem a cada nível de planejamento em forma de uma cadeia hierárquica. Todos os resultados, por 17

18 MANUAL DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, CONTROLE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL sua vez, estão ligados a instrumentos de medição que permitem acompanhar, monitorar e avaliar seu estágio de avanço. Portanto, o enfoque de gestão baseada em resultados possibilitou o alinhamento entre objetivos globais, regionais e nacionais por meio da composição de 13 Objetivos Estratégicos da OMS, 81 Resultados Esperados Globais (OWER), 16 Objetivos Estratégicos da OPAS (SO), 88 Resultados Esperados Regionais (RER) e um número considerável de Resultados Esperados Específicos por País (OSER). Assim, quando é definido o planejamento operativo nacional, que corresponde à elaboração do PTB, são definidos os OSER a serem trabalhados e sua relação com os RER com os quais contribuem, alinhando-se aos resultados regionais e, por consequência, aos globais. Da mesma forma, os indicadores para os OSER do PTB estarão relacionados aos indicadores dos RER selecionados. Eles permitem avaliar o alcance dos resultados e apontar para a necessidade de adotar medidas corretivas e manter o referencial de excelência que se espera desses resultados. Esses indicadores permitem realizar controle semestral e anual, por meio da identificação e análise de cumprimento de metas semestrais, e avaliar bianualmente os resultados. Nesse processo, está refletido o custo real dos programas por SO, alinhando os gastos nos diferentes níveis hierárquicos. Para apoiar o processo de planejamento e gestão baseada em resultados, a OPAS/ OMS utiliza a ferramenta AMPES American Region Planning and Evaluation System que possui como áreas conceituais a seção analítica, a articulação do plano de trabalho e o monitoramento e avaliação, tendo como base o enfoque lógico. Isso facilita a definição de objetivos a partir da análise de problemas e estabelece bases para uma programação orientada a resultados. Essa ferramenta compreende às etapas de planejamento e programação, execução e monitoramento e avaliação. Nota-se, portanto, que o processo de planejamento de programas e projetos da OPAS/OMS permite a integração entre os níveis estratégico, conformado pelos resultados esperados globais e regionais, e operativo, conformado por resultados esperados nacionais, contando com a participação de atores de todos os níveis hierárquicos na sua elaboração e execução. Por considerar a análise de situação, orienta a atuação da cooperação técnica em áreas de maior necessidade e seu alinhamento às prioridades globais, regionais e nacionais em saúde. Ainda, contem- 18

19 GESTÃO CORPORATIVA SISTÊMICA DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL pla a avaliação dos resultados, dando maior visibilidade à execução de produtos e serviços e à utilização de recursos. A Figura 2 ilustra a relação entre os níveis de planejamento estratégico e operativo da OPAS/OMS e como os instrumentos de planejamento nos seus diferentes níveis estão articulados. Figura 2: Relação entre os níveis de planejamento estratégico e operativo da OPAS/OMS Programa Geral de Trabalho Agenda de Saúde para as Américas (ASA) Plano Estratégico de Médio Prazo Plano Estratégico Estratégia de Cooperação com os Países Orçamento por Programas Orçamento por Programas (10-11, 12-13) Planejamento Estratégico Plano de Trabalho Bianual (PTB) (10-11, 12-13) Planejamento Operativo Fonte: PBR/OPAS/OMS De acordo com a Figura 2, pode-se perceber que, no centro da relação entre os planejamentos estratégico e operativo está o Plano Estratégico da OPAS (PE), que tem estabelecido 5 anos de vigência e foi aprovado pela Conferência Sanitária Pan-Americana. O PE é o instrumento de mais alto nível de planejamento da Organização e orienta e sincroniza os demais instrumentos globais, regionais e do país. Com o nível global, tem uma relação direta com o Plano Estratégico de Médio Prazo da OMS , relacionando os Objetivos Estratégicos da OPAS aos da OMS. Também se relaciona aos Programa Geral de Trabalho da OMS

20 MANUAL DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, CONTROLE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL por meio da Agenda de Saúde das Américas (ASA). Isso se dá ao se vincular às oito áreas de ação da ASA, definidas com base na Agenda Sanitária Mundial proposta pelo Programa Geral de Trabalho da OMS e com os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. O Orçamento por Programas da OMS e da OPAS vão definir metas e orçamento por biênio. O PE se relaciona, ainda, com a Estratégia de Cooperação com os Países, o que o aproxima das prioridades nacionais e do próprio planejamento operativo. Isso acontece pelo estabelecimento dos Planos de Trabalho Bianuais para onde convergem os esforços de todos os níveis global, regional e de país. Todos esses instrumentos se relacionam com GBR conforme mostrado na Figura 3. 20

21 GESTÃO CORPORATIVA SISTÊMICA DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL Figura 3: Relação entre instrumentos de planejamento da OPAS/OMS e GBR Instrumentos de Planejamento Cadeia de Resultados Medição PGT/OMS (08-15) & ASA (08-17) Áreas de Ação Objetivos Indicadores OE MTSP da OMS Estratégicos (08-13) CONTRIBUEM OWERs Indicadores OWER AGREGAM E CONTRIBUEM SP e PB da OPAS/OMS RERs Indicadores RER AGREGAM E CONTRIBUEM Planos de Trabalho Bianuais OSERs Produtos/ ServiçoS Indicadores OSER A M P E S Tarefas A relação entre esses instrumentos de planejamento e GBR ocorre por meio de uma cadeia de resultados. Ou seja, cada instrumento corresponde a resultados definidos para seu respectivo nível hierárquico. No nível de país, ao se definir o Plano de Trabalho Bianual (PTB), são identificados OSER e seus respectivos pro- 21

22 MANUAL DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, CONTROLE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL dutos/serviços e tarefas. A realização desses produtos/serviços e suas respectivas tarefas permite o alcance do OSER, o que desencadeia uma série de contribuições para o alcance dos resultados regionais e globais até chegar aos objetivos estratégicos globais. O monitoramento e a avaliação desses resultados acontece pela definição também hierarquizada de indicadores. Esse indicadores, da mesma forma, vão agregar e contribuir para o alcance dos Objetivos Estratégicos propostos. Como se percebe, trata-se de um processo bastante dinâmico e transparente que é acompanhado por meio de informes. Para isso, é utilizada uma ferramenta de planejamento e avaliação denominada AMPES: Sistema de Planejamento e Avaliação da Região das Américas. De uma forma esquemática, pode-se notar como o AMPES é um sistema útil para a execução do planejamento e da programação da Organização no marco de GBR (Figura 4). 22

23 GESTÃO CORPORATIVA SISTÊMICA DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL Figura 4: Sistema de planejamento da OPAS/OMS ENTIDADE do AMPES Análise de Situação Problemas e Intervenções (RERs) Estratégia de Implementação RER OSERs CUSTO $$ (Agregado de P/S) Indicador de RER Indicador de OSER Marcos dos Indicadores de OSER Semestre 1 Semestre 2 Semestre 3 Semestre 4 Vinculação a funções básicas e habilitadoras PROJETO do AMPES PRODUTOS & SERVIÇOS CUSTO $$ PPF (% tempo alocado) No-PPF, inclui % tempo alocado ao pessoal Vinculação a Prioridades Transversais Tarefas (PTS) CUSTO $$ Subtarefas (PTS) Fonte: PBR/WDC Na Figura 4, é observado como são definidos os elementos do PTB de uma entidade e seu vínculo com os RER e seus indicadores. Como a execução das ações acontecem no nível de planejamento operativo, o cumprimento dos resultados e indicadores 23

24 MANUAL DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, CONTROLE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL desse nível é fundamental para o alcance dos Objetivos Estratégicos propostos pelo Plano Estratégico da OPAS e sua contribuição aos objetivos globais. Entende-se como entidade do AMPES qualquer unidade que elabora PTB e que possua orçamento. Nesse esquema, consideremos como entidade um país X. Para elaborar seu PTB, esse país X deverá considerar as prioridades do país por meio de sua Estratégia de Cooperação entre Países (CCS) e, assim, realizar uma análise de situação, identificar problemas e intervenções e propor estratégias de implementação. Essa etapa analítica permite à entidade definir seus OSER. Cada um desses OSER corresponde a um RER com o qual contribuirá. Esse é o vínculo do país X com os níveis regional e global. Da mesma forma, os indicadores de país vão se relacionar com indicadores regionais. O acompanhamento desses indicadores ocorre por meio de marcos semestrais, registrados em Informes de Progresso Semestrais (IPS). Dessa forma, os OSER possuem recursos que lhes permite executar produtos/serviços e tarefas programadas no PTB a cada semestre, as quais estão relacionadas ao cumprimento das metas propostas nesse mesmo período. Os recursos podem ter três origens: regulares da OPAS pela cota dos Estados-Membros; regulares da OMS; contribuições voluntárias de agências doadoras ou outras fontes. Somente serão executados recursos que estejam relacionados a tarefas e produtos/serviços programadas no PTB. 2.4 O processo de planejamento da Representação da OPAS/OMS no Brasil O processo de planejamento da OPAS/OMS no Brasil é orientado a partir do que foi estabelecido pelo Escritório Central da OPAS/OMS, mas possui adaptações à realidade operacional da Representação da OPAS/OMS no Brasil, adquirindo uma identidade própria. Assim, o planejamento acontece nos seguintes níveis: institucional, intermediário e operacional. A Figura 5 mostra a relação entre cada um desses níveis. 24

25 GESTÃO CORPORATIVA SISTÊMICA DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL Figura 5: Relação entre os níveis de planejamento na OPAS/OMS Brasil Nível institucional = ORIENTAÇÃO CCS Modelo de Gestão PTB Plano de Desenvolvimento Institucional Nível intermediário = ACOMPANHAMENTO E CONTROLE Normas e procedimentos administrativos Planejamento, programação e orçamento Retroalimentação Nível operacional = EXECUÇÃO E AVALIAÇÃO Monitoramento e avaliação das atividades/tarefas executadas Planos de trabalho anuais e semestrais, relatórios de gestão Nível institucional Responsáveis: Grupo de Administração e Planejamento (GAP), composto pelo Representante, Oficial de Administração e de Programas, e Grupo de Gestão Gerencial (GGG), composto pelo GAP, pelos Gerentes de Área de Coordenação Interprogramática e pelo Coordenador da Unidade Técnica de Informação em Saúde, Gestão do Conhecimento e Comunicação. Atribuições: Definir o planejamento geral da OPAS/OMS no Brasil, os objetivos estratégicos e políticas a serem seguidas por toda a Organização. Abordar planos de longo prazo na relação da Organização com as contrapartes nacionais e com os níveis regional e global e definir como deverá ser seu comportamento diante das oportunidades e ameaças da cooperação técnica. Realizar o mapeamento do ambiente político e estratégico no qual a OPAS/OMS deverá atuar, avaliando forças e limitações da Organização. Abrangência: Toda a OPAS/OMS no Brasil. 25

26 MANUAL DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, CONTROLE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL Nível intermediário Responsáveis: Gerentes de Área de Coordenação Interprogramática e Administradores-Planejadores. Atribuições: Realizar o planejamento tático, que faz a relação entre os planos de cada unidade técnica como os objetivos traçados no nível institucional. Trabalhar com os objetivos e desafios definidos no planejamento geral. Abrangência: Administradores-Planejadores, coordenadores, técnicos e administradores de UT. Nível operacional Responsáveis: Coordenadores e Administradores de Unidade Técnica. Atribuições: Elaborar planos de atividades que configuram a programação das operações fundamentais da Organização, realizar sua execução e avaliar os resultados e como se inserem no planejamento geral. Abrangência: Técnicos e administradores da UT. Responsabilidades e critérios para planejar Cada categoria profissional da OPAS/OMS no Brasil tem responsabilidades específicas em cada um dos níveis de planejamento da organização. Representante 1. Conduzir o Plano de Desenvolvimento Integral da PWR : responsável pela Entidade (CCS )/PTB e condução do planejamento e a administração estratégica (Modelo de Gestão ). 2. Aprovar o processo de programação anual e a avaliação semestral dos TC/TA, Projetos Especiais, CTP, Fundos Regulares para gastos operativos. 3. Conduzir e incentivar a coordenação interprogramática e interagencial da PWR. 4. Conduzir a participação da CT da PWR nos processos de integração sub-regional, regional e global, incentivando e controlando politicamente o correto uso dos TC/TA e CTP. 5. Conduzir política e estrategicamente a execução do PTB Conduzir o processo de gestão do conhecimento, informação e comunicação de forma transversal à CT da OPAS/OMS. 7. Conduzir o processo de desconcentração administrativa da PWR. 26

27 GESTÃO CORPORATIVA SISTÊMICA DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL 8. Conduzir o processo de delegação de autoridade e assinatura da PWR. 9. Elaborar e monitorar a RRE do Gabinete da PWR. 10. Convocar com agendas predefinidas os seguintes espaços de participação que conformam o Mecanismo de Coordenação e Comunicação (MCC) da PWR: Gabinete da Representação (GR), Grupo de Planejamento e Administração (GAP), Grupo de Gestão Gerencial (GGG), Grupo Interprogramático Ampliado (GIA), Plenária Geral (PG). 11. Fomentar trabalho em equipe, incentivando a conformação de Grupos Ótimos (GO) e de Grupo de Tarefa Interprogramático (GTI). 12. Conduzir o processo de programação e avaliação dos 10 Programas do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI). 13. Conduzir o apoio de diferentes áreas de gerência e UT da PWR no apoio técnico às autoridades nacionais que participam nas diferentes instâncias dos Corpos Diretores da OPAS e OMS. 14. Participar ativamente do Equipe de país das Nações Unidas (UNCT). 15. Supervisionar em primeiro nível o Oficial de Programas, Oficial de Administração, Gerentes de Área de Coordenação Interprogramática, Coordenadores de Unidade Técnica, Assessores Internacionais, Regionais e Sub-regionais, secretárias e motorista do Gabinete. 16. Substituir interinamente o Gerente de Área de Coordenação Interprogramática. Oficial de Programas 1. Assessorar e apoiar o PWR, os Gerentes de Área, Administradores-Planejadores) ADP e Coordenadores de UT no processo integral de Gestão Baseada em Resultados. 2. Cuidar da implantação do Modelo de Gestão da Representação no processo integral de planejamento, programação, controle e avaliação da cooperação técnica. 3. Assessorar a elaboração do ciclo de projetos. 4. Assessorar e apoiar o PWR e o GAP no processo de programação anual e semestral dos TC/TA, Projetos Especiais, CTP, Fundos Regulares para gastos operativos. 5. Assessorar e apoiar o PWR na condução e coordenação dos processos de trabalho da CT de caráter interprogramático e interagencial. 6. Assessorar e apoiar o PWR na condução, programação e controle dos TC/TA e CTP para a integração regional e global em saúde. 7. Assessorar e apoiar o PWR e o GAP na condução da programação e avaliação do do PTB 10-11; preservar coerência técnica, administrativa e financeira do processo. 27

28 MANUAL DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, CONTROLE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL 8. Elaborar e monitorar sua Rede de Relacionamento Estratégico (RRE). 9. Assessorar e apoiar o PWR na convocatória com agendas predefinidas de GR, GAP, GI, GIA, PG. Elaborar ajuda de memória do GAP, GI e GIA, especificando compromissos adquiridos e informar sobre seu cumprimento ao PWR. 10. Assessorar e apoiar o PWR na convocatória, seguimento e avaliação do funcionamento dos GO e GTI. 11. Assessorar e apoiar o PWR no processo de programação e avaliação do PDI. 12. Assessorar e apoiar o PWR no processo de transversalização da gestão do conhecimento, informação e comunicação da CT da OPAS/OMS. 13. Assessorar e apoiar o PWR na condução e apoio técnico às autoridades nacionais que participam nas diferentes instâncias dos Corpos Diretores da OPAS e OMS. 14. Assessorar e apoiar o PWR na participação do UNCT. 15. Substituir interinamente o Oficial de Administração. Oficial de Administração 1. Supervisar e controlar o processo administrativo da Representação. 2. Cuidar da implementação do Modelo de Gestão da Representação no que corresponda ao processo integral de administração. 3. Controlar a coerência administrativa e financeira da execução das partidas orçamentárias. 4. Coordenar a execução do programa de desconcentração administrativa e de fortalecimento dos processos de controle, supervisão e auditoria interna da Unidade Administrativa. 5. Apoiar o PWR no processo de delegação de autoridade e assinatura na PWR. 6. Aprovar o pagamento de instrumentos administrativos. 7. Aprovar obrigações de para os diferentes tipos de contratos de funcionários, previamente autorizadas pelo PWR. 8. Aprovar reembolso de caixa pequeno, restituição de passagens e solicitações de importação e exportação (DSI/DSE). 9. Elaborar e monitorar a RRE da Unidade de Administração baseada na eficiência e na transparência da gestão. 10. Convocar com agendas predefinidas os seguintes espaços de participação do MCC: Grupo da Unidade de Administração (GUA) Participar ativamente no GAP, GI, GIA, PG. 11. Participar de GO e incentivar os funcionários da Unidade de Administração a que participem. 28

29 GESTÃO CORPORATIVA SISTÊMICA DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL 12. Programar, controlar e avaliar os Programas do PDI sob sua responsabilidade. 13. Supervisionar o desempenho dos funcionários da Unidade Administrativa, em primeiro nível, e os ADP e Administradores de UT, em segundo nível. 14. Substituir interinamente o Oficial de Programas. Gerente de Área de Coordenação Interprogramática 1. Gerenciar estratégica e tecnicamente o processo de cooperação técnica expresso no Projeto do PTB sob sua responsabilidade. 2. Gerenciar o processo de planejamento, programação, controle e administração dos TC/TA, CTP, Projetos Especiais de sua Área de Gerência. 3. Assumir ativamente no processo de delegação de autoridade em sua Área de Gerência para aprovar o Plano de Trabalho Semestral (PTS). 4. Mobilizar recursos e sua programação no PTB. 5. Gerenciar o processo de desconcentração administrativa em sua Gerência. 6. Supervisionar o desempenho do pessoal profissional internacional, nacional, administrativo e de secretaria em primeiro ou segundo nível de SPAD, quando corresponda. 7. Supervisionar tecnicamente o Coordenador de UT. 8. Elaborar e monitorar o RRE de sua gerência, responsabilizando-se por sua coordenação técnica e excelência da cooperação. 9. Convocar com agendas predefinidas o Grupo de Gerência de Área de Coordenação (GGAC). 10. Participar ativamente em GAP, GGAC, GI, GIA e PG. 11. Participar de GO e incentivar a conformação de GO em sua Área de Gerência. 12. Programar, controlar e avaliar os Programas do PDI sob sua responsabilidade. 13. Gerenciar os processos de participação interprogramática e interagencial de sua Área de Gerência. 14. Gerenciar a programação, controle e avaliação do Projeto do PTB 2010/ Gerenciar o processo de integração da gestão do conhecimento, comunicação e informação com o Projeto do PTB 2008/2009 sob sua responsabilidade. 16. Participar ativamente no apoio técnico às autoridades nacionais que participam nas diferentes instâncias dos Órgãos Diretores da OPAS e OMS. 17. Substituir interinamente o PWR, outro Gerente de Área ou Coordenador de UT, quando solicitado. 18. Desenvolver as competências para o desempenho do post description no que corresponda às funções técnicas. 29

30 MANUAL DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, CONTROLE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL Administrador-Planejador de Área 1. Sob a supervisão do Gerente de Área, controlar o processo de GBR/PTB, PTS e IPS do Projeto e processos administrativos descentralizados. 2. Controlar a coerência administrativa e financeira do processo de planejamento, programação e controle de TC/TA, CTP, Projetos Especiais. 3. Controlar a coerência administrativa e financeira do processo de planejamento, programação, controle e avaliação do PTB Responsabilizar-se pela eficácia e pela transparência do processo de desconcentração administrativa em sua Área. 5. Elaborar e monitorar sua RRE. 6. Apoiar o Gerente de Área na convocatória com agendas predefinidas do GGAC e elaborar as ajudas de memória das reuniões, especificando compromissos adquiridos e entregar relatório de seu cumprimento ao Gerente de Área. 7. Participar ativamente no GGAC, GI, GIA e PG. 8. Participar ativamente de GO. 9. Capacitar-se nas normas de planejamento e administração em sua Área. 10. Supervisionar o desempenho funcional dos Administradores de UT que façam parte de sua Área de Gerência para cumprimento dos procedimentos administrativos conforme normas da OPAS/OMS. 11. Substituir interinamente o ADP de outra Área de Gerência, quando solicitado. 12. Desempenhar as funções de Administrador de UT. Coordenador de UT 1. Definir o OSER e executar as respectivas atividades de cooperação técnica da Unidade Técnica. 2. Sob delegação, assinar os seguintes instrumentos administrativos: contratos por produto com pessoas físicas e jurídicas, cartas-acordo, apoio financeiro para cursos e seminários, ordens de compra nacionais e internacionais, autorizações de viagens coletivas, autorizações de viagens nacionais com recursos de contribuições voluntárias. 3. Coordenar o processo de planejamento, programação e controle dos TC/TA, CTP e Projetos Especiais de sua UT. 4. Coordenar o controle e avaliação dos OSER, indicadores e metas e a programação de produtos/serviços e tarefas do PTB 2010/2011 que correspondam à UT. 30

31 GESTÃO CORPORATIVA SISTÊMICA DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL 5. Coordenar e programar os TC/TA, CTP e Projetos Especiais que apóiem todas as iniciativas de sua UT e que contribuam para a integração regional e global em saúde. 6. Elaborar e monitorar o RRE da Unidade Técnica, responsabilizando-se por coordenar seus processos de cooperação técnica. 7. Convocar o Grupo da UT com agendas predefinidas. 8. Participar ativamente do GI, GIA, GGAC e PG. 9. Participar de GO e incentivar a conformação de GO em sua UT. 10. Implementar a gestão do conhecimento, comunicação e informação na UT. 11. Participar ativamente no apoio técnico às autoridades nacionais que participam nas diferentes instâncias dos Órgãos Diretivos da OPAS e da OMS. 12. Supervisionar, em primeiro nível, os técnicos, o administrador de UT e os secretários e, em segundo nível, os assistentes administrativos. 13. Substituir interinamente outro Coordenador de UT que faça parte de sua Área de Gerência, preferencialmente, quando solicitado. OBS.: Especificamente, o Coordenador da UT de Gestão do Conhecimento, Informação e Comunicação deverá ainda: Definir as políticas de implementação da gestão do conhecimento, informação e comunicação de forma transversal à CT da OPAS/OMS; coordenar, facilitar e acompanhar o processo de implementação. Assessor Internacional 1. Assegurar a coerência técnica entre as atividades nacionais para que responda aos mandatos sub-regionais, regionais e globais da cooperação técnica. 2. Identificar processos nacionais e internacionais que sirvam de exemplo à troca de experiências e lições aprendidas entre países. 3. Planejar, programar e controlar os TC/TA, CTP, Projetos Especiais que lhe correspondam. 4. Participar ativamente nos espaços de coordenação interprogramática e interagencial que lhe corresponda. 5. Participar ativamente no TC/TA e CTP para apoiar os processos de integração regional e global em saúde. 6. Elaborar, controlar e avaliar os indicadores e marcos e programação dos produtos/serviços das tarefas que lhe correspondam do PTB 2010/

32 MANUAL DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, CONTROLE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL 7. Participar ativamente nas atividades de gestão do conhecimento, informação e comunicação que lhe correspondam. 8. Participar ativamente no apoio técnico às autoridades nacionais que participam nas diferentes instâncias dos Órgãos Diretivos da OPAS e OMS. 9. Elaborar e monitorar seu RRE, responsabilizando-se por coordenar seus processos de cooperação técnica. 10. Participar ativamente do GIA, GUT, GGAC e PG. 11. Participar ativamente de GO. 12. Substituir interinamente outros assessores internacionais no que se refere à responsabilidade de assinatura de instrumentos administrativos, quando solicitado. 13. Monitorar a execução de cartas-acordo, cursos e seminários e contratos e aprovar relatórios técnico e financeiro e produtos que lhe correspondam. Profissional Nacional Técnico 1. Planejar, programar e controlar os TC/TA, CTP, Projetos Especiais que lhe correspondam. 2. Elaborar, programar e executar os TA, no nível de ação (Plano de trabalho anual, programação semestral e revisão mensal). 3. Participar ativamente nos espaços de coordenação interprogramática e interagencial que lhe corresponda. 4. Participar ativamente dos TC/TA e CTP que lhe corresponda para apoiar os processos de integração regional e global em saúde. 5. Realizar controle e avaliação dos indicadores e marcos e programação de atividades e tarefas do PTB 2010/ Elaborar e monitorar sau RRE responsabilizando-se por coordenar seus processos de cooperação técnica. 7. Participar ativamente do GIA, GUT, GGAC e PG. 8. Participar ativamente do GO. 9. Participar ativamente das atividades de gestão do conhecimento, informação e comunicação que lhe corresponda. 10. Participar ativamente no apoio técnico às autoridades nacionais que participam nas diferentes instâncias dos Órgãos Diretivos da OPAS e da OMS. 11. Substituir interinamente outro profissional técnico de sua UT ou Área de Coordenação, quando solicitado. 12. Apoiar o monitoramento da execução de cartas-acordo, contratos e cursos e seminários. 32

33 GESTÃO CORPORATIVA SISTÊMICA DA REPRESENTAÇÃO DA OPAS/OMS NO BRASIL Administrador de UT 1. Sob a supervisão direta do Coordenador de UT e supervisão funcional do ADP, executar e controlar os procedimentos administrativos das ações programadas no PTS. 2. Elaborar a informação administrativa e financeira do processo de planejamento, programação e controle da TC/TA, CTP, Projetos Especiais que lhe corresponda. 3. Implementar a desconcentração administrativa nas UT e supervisionar os assistentes administrativos conforme procedimentos e normas aprovados: Analisar e revisar a prestação de contas e relatórios financeiros (cartas-acordo, curso e seminário, contratos e grants), semanalmente. Monitorar o vencimento de instrumentos administrativos e pagamentos, mensalmente. Controlar o arquivo de produtos e relatórios técnicos e financeiros, semanalmente. Monitorar obrigações, mensalmente. Monitorar a execução orçamentária, mensalmente. Monitorar e controlar collective travels, semanalmente, e solicitações de restituição de passagens e diárias. Realizar o reclamo e cálculo de PAHO 110. Controlar a presença e horário do staff da UT. Monitorar o vencimento de partidas e TC. 4. Apoiar os Coordenadores de UT na coordenação dos processos de programação, controle e avaliação do PTB 2010/ Apoiar os técnicos nos processos de programação anual e semestral e revisão mensal. 6. Capacitar técnicos e assistentes administrativos nas normas e procedimentos administrativos. 7. Elaborar e monitorar seu RRE, responsabilizando-se por coordenar seus processos administrativos. 8. Participar ativamente do GUT, GIA, GAD, GGAC e PG. 9. Participar ativamente do GO. 10. Substituir interinamente outros administradores de sua Área de Coordenação, quando solicitado. 11. Supervisionar, em primeiro nível, os Assistentes Administrativos. 33

34 Assistente Administrativo 1. Participar ativamente do GUT e PG. 2. Participar ativamente de GO. 3. Executar os procedimentos administrativos desconcentrados nas UT de acordo com as normas e procedimentos. 4. Substituir interinamente outros assistentes administrativos de sua UT ou Área de Coordenação, quando solicitado.

35 3. Instrumentos de Planejamento O processo de planejamento da OPAS/OMS no Brasil conta com instrumentos relacionados à orientação do processo, à elaboração, à programação, ao monitoramento e à avaliação das atividades desenvolvidas. 3.1 Instrumento orientador a. Plano de Desenvolvimento Integral da cooperação técnica da OPAS/OMS no Brasil O Plano tem como finalidade orientar a cooperação técnica para o cumprimento das prioridades, modalidades e enfoques da Estratégia de Cooperação , a execução dos Objetivos Estratégicos da OPAS/OMS, dos resultados esperados de país (OSER) e o cumprimento dos indicadores, atividades e tarefas do Plano de Trabalho Bianual. Visa também o fortalecimento dos processos de planejamento e administração do Modelo de Gestão para o alinhamento dos recursos e à organização do trabalho de forma a permitir maior eficiência e eficácia na execução da cooperação técnica no país. 35

Manual de planejamento, execução e avaliação de projetos da Representação da OPAS/OMS no Brasil

Manual de planejamento, execução e avaliação de projetos da Representação da OPAS/OMS no Brasil Manual de planejamento, execução e avaliação de projetos da Representação da OPAS/OMS no Brasil Representação no Brasil Manual de planejamento, execução e avaliação de projetos da Representação da OPAS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1.Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e implementação das atividades dos Projetos de Fortalecimento da Assistência Farmacêutica (Termo de Cooperação

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DA OPAS/OMS NO BRASIL 2010/2011

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DA OPAS/OMS NO BRASIL 2010/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DA OPAS/OMS NO BRASIL 2010/2011 Brasília, 2010 2010 Organização Pan-Americana da Saúde. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total dessa

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e a implementação das atividades do TC 50 - Qualidade do Sistema Único de Saúde - QUALISUS,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e a implementação das atividades do Termo de Cooperação 78 - Expansão da Estratégia Stop

Leia mais

Organização do Trabalho da Representação da OPAS/OMS no Brasil 2011-2012

Organização do Trabalho da Representação da OPAS/OMS no Brasil 2011-2012 Representação no Brasil Estratégia de Cooperação Técnica da OPAS/OMS com a República Federativa do Brasil, 2008-2012 Organização do Trabalho da Representação da OPAS/OMS no Brasil 2011-2012 Organização

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO

CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO Organização Pan-Americana da Saúde Ministério da Saúde CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO 2006-2015 Rumo a uma Década de Recursos Humanos em Saúde nas américas Reunião Regional dos Observatórios de Recursos Humanos

Leia mais

Brazil. Improvement Plan. Thematic window: Children, Food Security & Nutrition

Brazil. Improvement Plan. Thematic window: Children, Food Security & Nutrition Brazil Improvement Plan Thematic window: Children, Food Security & Nutrition Programme Title: MDGs beyond averages: Promoting Food Security and Nutrition for Indigenous Children in Brazil Rascunho do Plano

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Projetos

Manual de Gerenciamento de Projetos TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ESCRITÓRIO DE PROJETOS ESTRATÉGICOS (EPE) Manual de Gerenciamento de Projetos SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Anexo da Portaria

Leia mais

Informe de Desempenho da Cooperação Técnica da OPAS/OMS Brasil - 2009

Informe de Desempenho da Cooperação Técnica da OPAS/OMS Brasil - 2009 Representação no Brasil Plano de Trabalho Bianual 2008-2009 Informe de Desempenho da Cooperação Técnica da OPAS/OMS Brasil - 2009 PLANO DE TRABALHO BIANUAL 2008/2009 INFORME DE DESEMPENHO DA COOPERAÇÃO

Leia mais

Informe de Desempenho da Cooperação Técnica da OPAS/OMS Brasil 2011

Informe de Desempenho da Cooperação Técnica da OPAS/OMS Brasil 2011 Representação no Brasil Plano de Trabalho Bianual 2010-2011 Informe de Desempenho da Cooperação Técnica da OPAS/OMS Brasil 2011 PLANO DE TRABALHO BIANUAL 2010/2011 INFORME DE DESEMPENHO DA COOPERAÇÃO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 18 22 de junho de 2012 Tema 4.10 da Agenda Provisória CE150/20, Rev. 1 (Port.) 23

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 PÚBLICO-ALVO DA GESTÃO ESTRATÉGICA... 4 4 INFORMAÇÕES SOBRE O MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DO TCE/RN... 5 4.1 DIRECIONADORES ESTRATÉGICOS... 5 4.2 OBJETIVOS

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO E GESTÃO CONJUNTA DOS TERMOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO E GESTÃO CONJUNTA DOS TERMOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Ministério da Saúde Organização Pan-Americana da Saúde DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO E GESTÃO CONJUNTA DOS TERMOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA 2ª edição Brasília DF 2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

138 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

138 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 138 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 19-23 de junho de 2006 Tema 6.2 da agenda provisória CE138/25 (Port.) 8 de junho

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Institui o Programa de Fortalecimento Institucional da ANAC. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das competências

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

Gestão de Redes na OPAS/OMS Brasil:

Gestão de Redes na OPAS/OMS Brasil: Gestão de Redes na OPAS/OMS Brasil: conceitos, práticas e lições aprendidas Elaboração e coordenação técnica e editorial OPAS/OMS - Representação Brasil Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial

Leia mais

50 a SESSÃO DO CONSELHO DIRETOR

50 a SESSÃO DO CONSELHO DIRETOR ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 50 a SESSÃO DO CONSELHO DIRETOR Washington, D.C., EUA, 27 de setembro a 1º de outubro de 2010 Tema 4.3 da agenda provisória CD50/7 (Port.)

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Revisão do Plano Estratégico 2013/2014 PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2014 Página 1 de 16 Sumário 1 Apresentação... 3 2 Objetivos... 4 3 Público-Alvo

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

140 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

140 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 140 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 25-29 de junho de 2007 Tema 6.3 da agenda provisória CE140/26, Rev. 1 (Port.) 31

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas. 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná

Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas. 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná Controle Interno na visão dos Auditores Externos Situação

Leia mais

Gestão de Processos Estratégicos

Gestão de Processos Estratégicos Gestão de Processos Estratégicos Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais e

Leia mais

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS TERMOS DE REFERÊNCIA Versão 17/07/2012 No âmbito de um processo

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Acordo de Empréstimo BIRD - Nº 7841-BR PROJETO

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL RETIFICADO

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL RETIFICADO PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL I. CONTEXTO RETIFICADO Nos anos 90 e início dos 2000, diversas cidades brasileiras e latino-americanas lançaram-se em ações internacionais, prática

Leia mais

OBJETO DA CONTRATAÇÃO

OBJETO DA CONTRATAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA Título do Projeto Designação funcional Tipo de contrato Duração do contrato Programa Interagencial de Promoção da Igualdade de Gênero, Raça e Etnia (F079) Consultora SSA 5 meses Data

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ MISSÃO: Garantir prestação jurisdicional rápida, acessível e efetiva no âmbito da sua competência. DESCRIÇÃO DA MISSÃO: A Justiça Federal no Paraná existe para garantir direitos

Leia mais

DIRETOR(A) DE SEDE ESCRITÓRIO TETO BRASIL BAHIA

DIRETOR(A) DE SEDE ESCRITÓRIO TETO BRASIL BAHIA DIRETOR(A) DE SEDE ESCRITÓRIO TETO BRASIL BAHIA Identificação do Cargo Departamento / Área Cargo a que reporta (Liderança direta) Cargos sob sua dependência (Liderança direta) Organograma Diretoria de

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais PROGRAMA Brasil, Gênero e Raça Orientações Gerais Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho Secretário-Executivo Marco Antonio de Oliveira Secretário

Leia mais

Consultor/a Local Pesquisa OPM Nordeste exceto Bahia e Maranhão

Consultor/a Local Pesquisa OPM Nordeste exceto Bahia e Maranhão PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES CCBB SCES, Trecho 2, Lote 22 Edifício Tancredo Neves, 1º andar Cep 70200-002 Brasília / DF Telefone (61) 3313-7101 Central de Atendimento

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

14/Mar/2013 :: Edição 31 ::

14/Mar/2013 :: Edição 31 :: 14/Mar/2013 :: Edição 31 :: Cadernos do Poder Executivo Poder Geraldo Julio de Mello Filho Executivo DECRETO Nº 26.993 DE 13 DE MARÇO DE 2013 EMENTA: Descreve as competências e atribuições dos cargos comissionados

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) CAPÍTULO I - DO NEPEC E SEUS OBJETIVOS Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina as atribuições,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho

Leia mais

RIPES Rede de Instituições Públicas de Educação Superior

RIPES Rede de Instituições Públicas de Educação Superior RIPES Rede de Instituições Públicas de Educação Superior De acordo com o Protocolo de Cooperação entre o governo da República Federativa do Brasil e a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

PROGRAMA PROREDES BIRD - RS

PROGRAMA PROREDES BIRD - RS PROGRAMA PROREDES BIRD - RS TERMO DE REFERÊNCIA Nº TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA COM VISTAS À DEFINIÇÃO, ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA O DEPARTAMENTO

Leia mais

XX Congresso Panamericano da Criança e do Adolescente

XX Congresso Panamericano da Criança e do Adolescente CD/doc. 18/08 Resolução CD/RES.07 (83-R/08) 5 de dezembro, 2008. PROJETO DE TEMÁRIO XX Congresso Panamericano da Criança e do Adolescente A realizar-se em Lima, Peru, setembro de 2009. Indice I. Introdução

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 16 a 20 de junho de 2014 Tema 5.8 da Agenda Provisória CE154/27 5 de maio de 2014 Original: inglês SITUAÇÃO DO PROJETO PARA A MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA

Leia mais

FUNDO FIDUCIÁRIO PARA 0 FORTALECIMIENTO DA COOPERAÇÃO TÉCNICA DE PANAFTOSA - OPAS/OMS PARA A CONSOLIDAÇÃO DO PHEFA FUNDO PHEFA

FUNDO FIDUCIÁRIO PARA 0 FORTALECIMIENTO DA COOPERAÇÃO TÉCNICA DE PANAFTOSA - OPAS/OMS PARA A CONSOLIDAÇÃO DO PHEFA FUNDO PHEFA FUNDO PHEFA FUNDO FIDUCIÁRIO para o fortalecimento da COOPERAÇÃO TÉCNICA DO PANAFTOSA para consolidação do PROGRAMA HEMISFÉRICO DE ERRADICAÇÃO DA FEBRE AFTOSA (PHEFA) 1 FUNDO FIDUCIÁRIO PARA O FORTALECIMENTO

Leia mais

Manual Administrativo. A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009

Manual Administrativo. A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009 Manual Administrativo A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009 Teresina 07/10/2009 SUMÁRIO Empresa Júnior ICF 03 Áreas de atuação da A.D.M Consultoria Jr. 04 Organograma 08 Competências 09 Das Atribuições do

Leia mais

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: Grupo Gestor. Organização Para Cópias

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: Grupo Gestor. Organização Para Cópias Referência: CPA-002-2006 Versão: 2.0 Status: Ativo Data: 24/maio/2006 Natureza: Aberto Número de páginas: 26 Origem: Revisado por: Aprovado por: GEOPI Grupo Gestor xxx Título: Orientações gerais aos Grupos

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

Analista de Programa

Analista de Programa I. Informação sobre o posto TERMO DE REFERÊNCIA Analista de Programa LOCAL: Brasília, DF, Brasil Prazo de candidatura: De 20.04 a 10.05.2015 Tipo de contrato: Service Contract (NOA - SB5-1) Nível do Posto

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Programa Interagencial de Promoção da Igualdade de

Programa Interagencial de Promoção da Igualdade de TERMO DE REFERÊNCIA Título do Projeto Gênero, Raça e Etnia Designação funcional Tipo de contrato Duração do contrato Programa Interagencial de Promoção da Igualdade de Consultoria por produto SSA 5 meses

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado.

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado. GLOSSÁRIO Accountability: obrigação de prestar contas. Responsabilização. Envolve não apenas a transparência dos processos como também a definição de responsabilidades e identificação dos responsáveis.

Leia mais

CE150/INF/6 (Port.) Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE. Introdução

CE150/INF/6 (Port.) Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE. Introdução Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE Introdução 1. A Assembleia Mundial da Saúde, mediante a Resolução WHA62.14 (2009), Reduzir as desigualdades de saúde mediante ações sobre os determinantes

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010 Nações Unidas A/RES/64/236 Assembleia Geral Sexagésima quarta sessão Agenda item 53 (a) Resolução adotada pela Assembleia Geral [sobre o relatório do Segundo Comitê (A/64/420/Add.1)] Distr.: Geral 31 de

Leia mais

CHAMADA DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA INCUBADORA DE PROJETOS DE EMPRESAS DA ESCOLA DE NEGÓCIOS DO SEBRAE SP

CHAMADA DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA INCUBADORA DE PROJETOS DE EMPRESAS DA ESCOLA DE NEGÓCIOS DO SEBRAE SP CHAMADA DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA INCUBADORA DE DE EMPRESAS DA ESCOLA DE NEGÓCIOS DO SEBRAE SP CHAMADA PERMANENTE Nº 01/2014 DE DE INCUBAÇÃO O Programa de Incubação de Projetos, através da coordenação da

Leia mais

RH Estratégico na Administração Pública Implementando um modelo de gestão de pessoas focado nas metas e objetivos do órgão

RH Estratégico na Administração Pública Implementando um modelo de gestão de pessoas focado nas metas e objetivos do órgão RH Estratégico na Administração Pública Implementando um modelo de gestão de pessoas focado nas metas e objetivos do órgão Brasília, 29 de agosto de 2006. HISTÓRICO DA DIGEP: SITUAÇÃO ANTERIOR Competências

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Satisfação do Cliente aluno em sala de aula. O diálogo como prática para a melhoria dos resultados Histórico da prática eficaz Uma das diretrizes institucionais do

Leia mais

PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO

PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO TOBIAS ALBUQUERQUE E LEONARDO AVELAR OUTUBRO DE 2015 I. INTRODUÇÃO O conceito de escritórios de projetos Project Management Office (PMO) vem evoluindo desde meados da década

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI

ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI O modelo implantado e as lições aprendidas PEDRO BURLANDY Maio/2011 SUMÁRIO 1. PREMISSAS E RESTRIÇÕES 2. DIAGNÓSTICO SUMÁRIO 3. O PROBLEMA E A META 4. O MODELO

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

ALINHAMENTO DE PROCESSOS COM A ESTRATÉGIA DA ANTT. Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe aonde ir. Sêneca

ALINHAMENTO DE PROCESSOS COM A ESTRATÉGIA DA ANTT. Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe aonde ir. Sêneca ALINHAMENTO DE PROCESSOS COM A ESTRATÉGIA DA ANTT Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe aonde ir. Sêneca novembro 2012 Agenda Apresentação do escopo do projeto Metodologia Gestão de Processos Análise

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

www.auip.org [ APRESENTAÇÃO] No Artigo 3 dos Estatutos vigentes foi estabelecido como finalidade da Associação a promoção e o desenvolvimento dos estudos de pós-graduação e doutorado contribuindo para

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 38 ARRANJOS INSTITUCIONAIS INTERNACIONAIS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 38 ARRANJOS INSTITUCIONAIS INTERNACIONAIS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Bases para a ação CAPÍTULO 38 ARRANJOS INSTITUCIONAIS INTERNACIONAIS 38.1. O mandato da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente

Leia mais

Programa: Programa Interagencial para a Promoção da Igualdade de Gênero e Raça

Programa: Programa Interagencial para a Promoção da Igualdade de Gênero e Raça TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA ACOMPANHAR O SEMINÁRIO - REFERÊNCIAS CURRICULARES PARA A LEI 10.639/03, REGISTRAR E SISTEMATIZAR AS CONTRIBUIÇÕES E PROPOSIÇÕES LEVANTADAS DURANTE

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011)

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011) REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011) CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E FINALIDADES Art.1º- Os Laboratórios

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente SISTEMA SEBRAE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2022 1 2 2012 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Artigo 1º A unidade acadêmico-gerencial modelo designado Escritório de Práticas de Gestão e com nome fantasia

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD)

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DIVISÃO DE TREINAMENTO E AVALIAÇÃO SERVIÇO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROGRAMA DE

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais Fl. 2 MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais PORTARIA CARF Nº 64, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2015. Dispõe sobre a Política de Gestão de Riscos do Conselho Administrativo de Recursos

Leia mais

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé Essa consultoria nacional enquadra-se no âmbito do Projecto de Cooperação Técnica CPLP/FAO TCP/INT/3201 para assessorar o Comité Nacional

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º A Unidade de Auditoria

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais