UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS JOSIELE MARANGONI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS JOSIELE MARANGONI"

Transcrição

1 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS JOSIELE MARANGONI PROPOSTA DE UM SISTEMA ORÇAMENTÁRIO PARA A EXECUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO DA CIDADE DE CRICIÚMA - SC CRICIÚMA, DEZEMBRO DE 2010

2 1 JOSIELE MARANGONI PROPOSTA DE UM SISTEMA ORÇAMENTÁRIO PARA A EXECUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO DA CIDADE DE CRICIÚMA - SC Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado para obtenção do grau de Bacharel no curso de Ciências Contábeis da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC. Orientador: Profº Esp. Adair Mário Moro CRICIÚMA, DEZEMBRO DE 2010

3 2 JOSIELE MARANGONI PROPOSTA DE UM SISTEMA ORÇAMENTÁRIO PARA A EXECUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO DA CIDADE DE CRICIÚMA - SC Trabalho de Conclusão de Curso aprovado pela Banca Examinadora para obtenção do grau de bacharel no curso de Ciências Contábeis da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, com linha de pesquisa em Contabilidade Gerencial. Criciúma, 09 de dezembro de BANCA EXAMINADORA Professor Esp. Adair Mário Moro Orientador Professor Esp. Érica Preis Examinador 1 Professor Esp. Luiz Henrique Daufembach Examinador 2

4 3 Dedico este trabalho especialmente á minha família, que esteve do meu lado, me apoiando e incentivando em todos os momentos.

5 4 AGRADECIMENTOS Em especial, primeiramente agradecerei a Deus, pelos vários momentos de felicidade em minha vida, pela saúde, fé, coragem e pela minha família perfeita. Agradeço também pelos momentos difíceis, pois com eles me torno cada vez mais forte para enfrentar qualquer obstáculo sem medo. À minha mãe, que sempre se preocupou, incondicionalmente, com seus três filhos, presença constante com seu jeito solidário, compreensivo e incentivador. Ao meu pai, um exemplo de pessoa honesta, justa, ética, que se sacrificou para me proporcionar esta formação, educou-me e me passou todos os seus valores que os levarei para toda vida. Aos meus irmãos, sempre amorosos e dispostos a ajudar, a descontrair e levantar o astral em todos os momentos. A todos os meus amigos, que compreenderam minha ausência em várias ocasiões nesta etapa da minha vida. A todos os meus colegas de Faculdade, em especial a Camila, Ediane, Fabiana e Marinalda, pelos tantos momentos de estudo, companheirismo e felicidade que passamos juntas durante esta jornada. Aos meus companheiros de trabalho, que me proporcionaram inúmeros dias de ausência da empresa, para a elaboração deste trabalho e compreenderam tamanha a minha preocupação em realizá-lo. Ao meu orientador, Adair Moro, pela sua dedicação e paciência dispostas na realização deste estudo. À UNESC, pela excelente equipe do corpo docente de Ciências Contábeis, pelos ótimos laboratórios e educação proporcionados, a nós, acadêmicos.

6 5 "A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo." Peter Drucker

7 6 RESUMO MARANGONI, Josiele. Proposta de um Sistema Orçamentário para a execução do Planejamento Estratégico: um estudo de caso em uma indústria de confecção da cidade de Criciúma - SC p. Orientador Adair Mário Moro. Trabalho de Conclusão do Curso de Ciências Contábeis. Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC. Criciúma SC. Atualmente, a grande concorrência do mercado existente entre as empresas de vários setores, faz com que estas necessitem cada vez mais de diferenciais para se destacarem das demais e manter o sucesso da sua empresa. Para tanto, não sendo exatamente um diferencial, mas uma necessidade, a contabilidade gerencial dispõe de ferramentas capazes de ajudar a empresa na busca de seus objetivos. Dentre elas, destacam-se: o planejamento estratégico e o orçamento empresarial. O planejamento estratégico possibilita a identificação do ambiente no qual a empresa está inserida, o estabelecimento de objetivos e as estratégias e ações para alcançálos. Como uma ferramenta de auxílio para a execução do planejamento estratégico surge o orçamento, que traduz em termos quantitativos e monetários todo o processo estabelecido nas ações do planejamento. Logo, por sua vez, o contador por ter a possibilidade de obter uma gama de informações sobre o andamento da empresa pode ser uma das pessoas mais indicadas na elaboração dessas ferramentas, sendo considerada, de qualquer forma, importante a presença do superior da empresa para auxiliar e aprovar tais decisões acerca da montagem do planejamento. Diante do exposto, este trabalho visa destacar a importância do orçamento para com a construção do planejamento estratégico. Para a realização deste estudo foi utilizado fontes bibliográficas para aprofundar o conhecimento relacionado aos temas abordados. Foi realizado um estudo de caso em uma empresa do ramo de confecção de acessórios de Criciúma, sendo apresentado o seu planejamento estratégico e elaborado um orçamento para a mesma com intuito de demonstrar a sua importância para a efetivação do planejamento estratégico. A conclusão reforça a adoção de tal artifício para o cumprimento do planejamento estratégico na busca pelo crescimento organizacional. Palavras-chave: contabilidade gerencial; planejamento estratégico; orçamento.

8 7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Fluxograma do Planejamento Estratégico Figura 2: Fases do Controle do Planejamento Estratégico Figura 3: Esquema Geral do Plano Orçamentário Figura 4: Organograma... 68

9 8 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Método 5W2H Quadro 2: Funcionalidades dos Indicadores Associados à Rentabilidade Quadro 3: Modelo de Orçamento de Fluxo de Caixa Quadro 4: Estrutura do Demonstrativo de Resultado Quadro 5: Modelo de Relatório de Controle Orçamentário Quadro 6: Plano de Ação para o Objetivo 1 Estratégia Quadro 7: Plano de Ação para o Objetivo 1 Estratégia Quadro 8: Plano de Ação para o Objetivo 2 Estratégia Quadro 9: Plano de Ação para o Objetivo 2 Estratégia Quadro 10: Plano de Ação para o Objetivo 3 Estratégia Quadro 11: Plano de Ação para o Objetivo 4 Estratégia Quadro 12: Relatório de Acompanhamento (Orçado Versus Realizado)... 91

10 9 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Premissas Obtidas do Planejamento Estratégico Tabela 2: Plano de Vendas Tabela 3: Plano de Produção Tabela 4: Plano de Compras Tabela 5: Plano dos Serviços Terceirizados Tabela 6: Plano de Custos Tabela 7: Plano de Despesas Tabela 8: Demonstrativo do Resultado Projetado Tabela 9: Análise Vertical DRE Projetado Tabela 10: Demonstrativo do Fluxo de Caixa Projetado Tabela 11: Balanço Patrimonial Projetado Tabela 12: Índices Projetados... 90

11 10 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS ADM Administrativo BP Balanço Patrimonial COFINS Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social CPP Contribuição Previdenciária Patronal CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido DRE Demonstração do Resultado do Exercício FC Fluxo de Caixa ICMS Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços IRPJ Imposto de Renda Pessoa Jurídica MP Matéria-Prima PÇS - Peças PE Planejamento Estratégico PIS Programa de Integração Social PR Paraná RBV Receita Bruta de Vendas RS Rio Grande de Sul SC Santa Catarina SERV. Serviço UNID. Unidades

12 11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Tema e Problema Objetivos da Pesquisa Justificativa Procedimentos Metodológicos FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Planejamento Estratégico Planejamento Estratégia Planejamento Estratégico Razões do Planejamento Estratégico Peças do Planejamento Estratégico Cenários Missão Visão Análise dos Fatores Internos Análise dos Fatores Externos Análise dos Concorrentes Objetivos e Desafios Estratégias Plano de Ação Orçamento Empresarial Controle e Avaliação do Planejamento Estratégico Sistema Orçamentário Objetivos Características Principais Vantagens Principais Desvantagens Tipos de Orçamento Peças Orçamentárias Plano de Vendas Plano de Produção... 48

13 Plano de Compras Plano de Custos Plano de Despesas Plano de Investimentos Despesas e Receitas Financeiras Orçamento das Demonstrações Contábeis Orçamento de Fluxo de Caixa Projetado Demonstração do Resultado do Exercício Projetado Balanço Patrimonial Projetado Controle Orçamentário ESTUDO DE CASO Caracterização da Empresa JM Ind. e Com. de Confecções Ltda Definição do Negócio e Mercado de Atuação Capacidade Produtiva e Tecnologia Existente Estrutura Organizacional Planejamento Estratégico Missão Visão Análise Interna Pontos Fortes Pontos Fracos Análise Externa Oportunidades Ameaças Objetivos, Estratégias e Plano de Ação Orçamento Projetado Plano de Vendas Plano de Produção Plano de Compras e Terceirização Plano de Custos Plano de Despesas Demonstrativo do Resultado Projetado Demonstrativo do Fluxo de Caixa Projetado Balanço Patrimonial Projetado... 89

14 Acompanhamento mensal do Realizado versus Orçado CONSIDERAÇÕES FINAIS BIBLIOGRAFIA APÊNDICE ANEXO

15 14 1 INTRODUÇÃO Neste capítulo será definido o tema e o problema abordado nesta pesquisa, que tem como foco demonstrar a importância de duas ferramentas imprescindíveis para a construção do sucesso das empresas, o planejamento estratégico e o orçamento empresarial. Será apresentado o objetivo geral e os específicos, considerados direcionadores deste estudo. Após, apresenta-se a justificativa na qual se explica os motivos da escolha do tema. E por último, têm-se os procedimentos metodológicos norteadores deste trabalho. 1.1 Tema e Problema A constante busca das empresas por permanecerem no mercado faz com que os administradores necessitem cada vez mais de informações rápidas e confiáveis acerca de suas empresas. A tomada de decisão tornou-se a grande questão a ser enfrentada pelos empreendedores que passaram a buscar estratégias e mecanismos capazes de fornecer informações antecipadas de resultados futuros. Passou-se a buscar meios de se otimizar o uso dos recursos disponíveis e minimizar as suas deficiências, visando reduzir o custos dos produtos, aumentar a rentabilidade e levar a empresa ao patamar desejado. Salienta-se que, empresas, sejam elas de pequeno, médio ou grande portes, que não se submetem a modernidade da gestão imposta na atualidade, não provirão das informações necessárias para manter a sua empresa no mercado. Para orientar os empreendedores neste processo, a contabilidade dispõe de ferramentas que são utilizadas para assessorar os gestores no controle de suas empresas, dentre elas destacam-se o planejamento estratégico e o orçamento empresarial. Estas, que serão alvo deste estudo, são imprescindíveis na administração empresarial, de modo que auxiliam os administradores na busca pela realização dos anseios da empresa. O profissional responsável para coordenar a elaboração do planejamento estratégico e do orçamento empresarial deve ter pleno conhecimento das atividades e informações gerenciais da empresa. Por isso, o contador pode ser a pessoa mais indicada para coordenar a elaboração dessas ferramentas, por concentrar o maior

16 15 número de informações da entidade. Sua função, que há muito tempo deixou de ser representada como guarda-livros, hoje, atua como assessor nas empresas, com sua visão sistêmica e de caráter gerencial, pode assumir o papel de controller, estimulando a modernização da gestão nas empresas. O orçamento tem papel fundamental no processo de planejamento estratégico. Considerado um plano administrativo, no qual os representantes de todos os departamentos da organização planejam e aprovam, por meio de cálculos, as metas e objetivos dispostos no planejamento para determinado período, que todos terão que segui-los, resultando em demonstrativos financeiros e econômicos da empresa, facilitando no processo de tomada de decisão. Buscando solucionar a questão da inexistência de um orçamento empresarial no processo de execução do planejamento estratégico nas empresas, tem-se a seguinte problematização: Como identificar a contribuição da existência do sistema orçamentário na execução do planejamento estratégico em uma indústria de confecção da cidade de Criciúma SC? 1.2 Objetivos da Pesquisa De acordo com o problema apresentado, o objetivo geral deste trabalho, concentra-se em estruturar uma proposta de sistema orçamentário como ferramenta imprescindível no processo de execução do planejamento estratégico de uma indústria de confecção da cidade de Criciúma SC. Para se atingir o objetivo geral, têm-se os seguintes objetivos específicos: Descrever os aspectos teóricos relacionados ao processo de planejamento estratégico e orçamento empresarial; Apresentar por meio do estudo de caso, uma proposta orçamentária partindo das premissas contidas do planejamento estratégico; e Identificar por meio do estudo de caso os pontos em comum entre o planejamento estratégico e orçamento.

17 Justificativa Atualmente muitas empresas ainda não utilizam em sua gestão algumas ferramentas gerenciais muito importantes para o planejamento de curto e longo prazo. A falta do uso dessas ferramentas pode fazer com que a empresa não identifique possíveis falhas na organização, como talvez a inviabilidade de determinado investimento e até mesmo o alcance de seus objetivos. De forma teórica este estudo justifica-se pelo fato de o planejamento estratégico aparecer como ferramenta que possibilita o conhecimento do ambiente interno e externo da empresa, identificando seus pontos positivos e negativos de forma que possam ser aproveitados os positivos e diminuídos ou eliminados os negativos. Possibilita também a criação de objetivos e estratégias que além de proporcionar um rumo para a empresa, auxiliam a alinhar o pensamento de todos para que trabalhem na mesma direção e assim, chegar ao sucesso esperado. Justifica-se ainda, pela importância de saber como se comportarão os objetivos de longo prazo dispostos no planejamento estratégico, e por meio das projeções realizadas no orçamento, chega-se a estas informações. Ao final, geramse demonstrativos financeiros e econômicos que auxiliam na avaliação do planejamento estratégico, demonstrando resultados satisfatórios ou a necessidade de adaptações para torná-los viáveis. De forma prática, a relevância deste trabalho está em apresentar aos gestores, que desconhecem as vantagens do orçamento empresarial, a sua contribuição para a realização do planejamento estratégico, e até mesmo um exemplo de como estes são elaborados. Por meio dos conhecimentos adquiridos nesse estudo, qualquer empresa poderá utilizá-los de forma a contribuir com o enriquecimento gerencial de sua empresa. Cabe ressaltar ainda, a importância do fato que, as pessoas envolvidas direta ou indiretamente com empresas bem administradas, em constante crescimento e na busca pelo sucesso, terão oportunidades de crescimento pessoal e intelectual, uma vez que as empresas sentirão a necessidade de investir cada vez mais nas pessoas e no ambiente no qual estão inseridas, sendo constatada então, a relevância social da pesquisa.

18 Procedimentos Metodológicos A seguir, apresentaremos os procedimentos metodológicos utilizados para a elaboração do estudo, uma vez que se trata de uma pesquisa científica e por isso, necessita de métodos para o seu desenvolvimento. A separação das tipologias se dará quanto: aos objetivos, aos procedimentos e a abordagem do problema. Em se tratando do método utilizado para o desenvolvimento dos objetivos foi utilizada a pesquisa descritiva, pois segundo Cervo e Bervian (2002, p. 66) esse tipo de pesquisa: observa, registra, analisa e correlaciona fatos ou fenômenos (variáveis) sem manipulá-los. Procura descobrir com a precisão possível, a freqüência com que um fenômeno ocorre, sua relação e conexão com outros, sua natureza e características. Busca conhecer as diversas situações e relações que ocorrem na vida social, política, econômica e demais aspectos do comportamento humano, tanto no indivíduo tomado isoladamente, como de grupos e comunidades mais complexas. Ou seja, no presente estudo serão descritos aspectos teóricos que darão embasamento informacional ao assunto em questão, acrescentando conhecimento e valor ao trabalho. Partindo para os procedimentos utilizados temos os seguintes: pesquisa bibliográfica, estudo de caso e a pesquisa participante. A pesquisa bibliográfica é comprovada no momento em que se apresentam os conceitos acerca do tema referente a esse estudo, retirados de fontes já existentes, como livros e demais materiais bibliográficos. Cervo e Bervian (1983, p. 55), confirmam tal afirmação sobre a pesquisa bibliográfica que: explica um problema a partir de referenciais teóricos publicados em documentos. Pode ser realizada independentemente ou como parte da pesquisa descritiva ou experimental. Ambos os casos buscam conhecer e analisar as contribuições culturais ou científicas do passado existentes sobre um determinado assunto, tema ou problema. Já, sobre a elaboração do estudo de caso nesta pesquisa, Sampieri (2006, p. 276) destaca que: é útil para assessorar e desenvolver processos de intervenção em pessoas, famílias, organizações, países, etc., e desenvolve recomendações ou cursos de ação a serem seguidos. Requerem descrições detalhadas do próprio caso e seu contexto.

19 18 Nesse trabalho, utilizou-se o estudo de caso na elaboração do orçamento empresarial que foi embasado nas premissas do planejamento estratégico de uma empresa do ramo de confecção da cidade de Criciúma SC, com intuito de enriquecer o estudo. Este exemplo prático tratará de uma empresa real, porém com nome fictício para preservar seus direitos. E também, caracteriza-se como pesquisa participante, pois a autora do estudo participa do grupo funcional da empresa. A pesquisa participante, de acordo com Silva e Grigolo (2002) é realizada sobre a empresa de forma participativa, caracteriza-se pela integração dos pesquisadores com os membros das entidades investigadas. Partindo para a tipologia da pesquisa, quanto à abordagem do problema, será utilizada a pesquisa qualitativa, pois segundo Richardson (1996, p.80), os estudos que empregam essa metodologia podem descrever a complexidade de determinado problema, analisar a interação de certas variáveis, compreender e classificar processos dinâmicos vividos por grupos sociais. Dessa forma, o estudo é caracterizado como descritivo de abordagem qualitativa, desenvolvido por meio de pesquisa bibliográfica e estudo de caso, no qual serão coletados dados verídicos para utilizá-los como base para as futuras projeções.

20 19 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capítulo desenvolve-se a fundamentação teórica sobre planejamento estratégico e orçamento empresarial, apresentam-se seus conceitos, objetivos e características com o propósito de facilitar a elaboração do estudo de caso, adiante, no capítulo 3 deste trabalho. 2.1 Planejamento Estratégico Como ferramenta fundamental deste trabalho está o planejamento estratégico, instrumento que possibilita a análise do ambiente no qual a empresa está inserida, a criação de objetivos, estratégias, ações, enfim, premissas que servirão de base para a elaboração do orçamento empresarial. Desta forma pretende-se encontrar a base bibliográfica referente ao planejamento estratégico, para que este facilite no desenvolvimento do estudo de caso e assim atingir o objetivo geral deste trabalho Planejamento A grande concorrência existente hoje, entre as empresas, aliada as incertezas da economia, faz com que os gestores precisem cada vez mais estar preparados para lidar com situações inesperadas. Com isso o planejamento se apresenta como uma ferramenta que os auxilia no processo de tomada de decisão, tornando-se necessário a sua compreensão, explica Oliveira (2007b). Planejar, para Sanvicente e Santos (2009) é o ato de antecipar ações que podem ser executadas pela empresa, estimar recursos a serem empregados, definir atribuições de responsabilidades, para que, dessa forma a empresa consiga alcançar os objetivos estabelecidos em determinado período de tempo. Para Peleias (2002, p. 23): o planejamento é a etapa do processo de gestão em que se decide antecipadamente sobre as ações, e tem como escopo garantir o cumprimento da missão da empresa, assegurar sua continuidade, otimizar

21 20 os resultados de suas áreas componentes, aumentar a probabilidade de alcance dos objetivos estabelecidos e manter o controle sobre os vários aspectos de sua gestão econômica. Para Frezzati (2009, p. 8), planejar significa decidir antecipadamente, ou pensar e controlar o seu próprio futuro de maneira a optar por alternativas dentre tantas disponíveis, considerando preferências, disponibilidades, grau de risco, entre outros. Segundo Catelli (2001, p. 155), o planejamento é feito não apenas por causa da globalização, das incertezas, do aumento da competição, ou das novas tecnologias, que tornam o ambiente mais inseguro e cheio de riscos, mas sim porque a empresa tem várias atividades e tarefas a desempenhar, produtos a fabricar e serviços a prestar. Sendo assim, pretende-se realizar essas tarefas da maneira mais econômica possível, para que os objetivos da empresa possam ser atingidos, e ela possa ter continuidade, maximizando cada vez mais os benefícios dos acionistas, empregados, clientes e outros. Diante do exposto, o planejamento se mostra uma ferramenta necessária na gestão das empresas, auxiliando os administradores no processo de tomada de decisão. Logo, surge a estratégia, que tem uma ligação com o planejamento e por isso, torna-se necessário sua compreensão para posteriormente fazer a unificação entre os dois conceitos Estratégia De uma forma geral, a estratégia busca alternativas de ação para conquistar ou manter as vantagens competitivas das empresas no mercado. Dentre essas e outras formas de conceituar estratégias, Oliveira (2007a, p. 5) cita: - é a determinação de metas básicas a longo prazo e dos objetivos de uma empresa e a adoção das linhas de ação e aplicação dos recursos necessários para alcançar essas metas (Chandler, 1962, p.13); - é o conjunto de objetivos da empresa e a forma de alcançá-los (Tilles, 1963, p. 113); - é o conjunto de decisões que determinam o comportamento a ser exigido em determinado período de tempo (Simon, 1971, p.79); - é o conjunto de objetivos, finalidades, metas, diretrizes fundamentais e os planos para atingir esses objetivos, postulados de forma a definir em que atividades se encontram a empresa, que tipo de empresa ela é ou deseja ser. (Andrews, 1971, p.28); ou

22 21 - é um movimento ou uma série específica de movimentos feitos por uma empresa (Von Neumann; Morgenstern, 1974, p.79). O autor considera importante que as empresas entendam as necessidades de seus clientes e os pontos fortes e fracos dos concorrentes de maneira a se criar estratégias que leve a empresa a uma posição de liderança. Para Kluyver e Pearce (2007) formular estratégias empresariais, requer que sejam realizadas atividades ao mesmo tempo, racionais e criativas, pois, saber aonde se quer chegar e desenvolver maneiras criativas para alcançar, são as marcas de um desenvolvimento estratégico bem-sucedido Apresentadas as definições de planejamento e estratégia, parte-se para a próxima etapa que é a unificação desses conceitos, de forma a realizar o estudo de uma ferramenta muito importante da contabilidade gerencial, o planejamento estratégico Planejamento Estratégico Há muito existia um pré-conceito de que o planejamento estratégico só realiza-se em grandes empresas, mas Fischmann e Almeida (1991 apud Almeida, 2003), mostraram em seu livro Planejamento Estratégico na prática, que esta ferramenta pode sim ser utilizada em pequenas empresas. Os autores comentam que essa técnica, quando aplicada às pequenas empresas, exige um enorme grau de simplificação e esbarra com a dificuldade de conseguir com que o empresário saia da rotina, sendo imprescindível criar um comprometimento com sua equipe, para forçar a desenvolver o seu trabalho. Apesar de ser uma pequena empresa, o resultado com a utilização do planejamento estratégico é muito grande, muitas vezes a entidade não faz nenhum tipo de reflexão estratégica, e para surpresa do empresário, acaba descobrindo que pequenas mudanças no rumo podem alterar significativamente o resultado da empresa. Almeida (2003, p. 13) conceitua o planejamento estratégico da seguinte forma: planejamento estratégico é uma técnica administrativa que procura ordenar as idéias das pessoas, de forma que se possa criar uma visão do caminho que deve seguir (estratégia). Depois de ordenar as idéias, são ordenadas as

23 22 ações, que é a implementação do plano estratégico, para que, sem desperdício de esforços, caminhe na direção pretendida. Segundo Bethlem (2004) o planejamento estratégico inicia-se estabelecendo os objetivos de longo prazo que a empresa deseja seguir, juntamente com as ações e estratégias que ela irá desenvolver para alcançá-los. É nesse momento que se definirá o que a empresa quer ser, o que quer fazer, como e onde quer estar em determinado momento, num futuro por ela estabelecido. Lunkes (2007) complementa que o planejamento estratégico faz com que os gestores indiquem a direção, o curso que a empresa tomará nos próximos anos, só que para que isso aconteça, é necessário estar com o planejamento bem definido, afinal, é por meio dele que e empresa chegará ao futuro almejado. Conforme Almeida (2003) as técnicas do planejamento estratégico não vão indicar um milagre, nem administrar o seu dia-a-dia, mas mostrar como estruturar as ações, para que o profissional organize suas idéias e redirecione suas atividades para que sejam dirigidas ao bom resultado. As etapas para a elaboração do planejamento estratégico são apresentadas conforme fluxograma abaixo: Figura 1: Fluxograma do Planejamento Estratégico Fonte: Adaptado de Andrade e Amboni (2004, p. 82).

24 23 Dessa forma, pode-se observar que por meio do planejamento estratégico é possível analisar o ambiente no qual a empresa está inserida, projetar aonde se quer chegar a um período longo de tempo e com isso, estabelecer seus objetivos, estratégias e ações para alcançá-los. Definido isso, torna-se necessário apresentar as razões do planejamento estratégico, para compreendermos melhor a sua importância para as empresas Razões do Planejamento Estratégico Para Chiavenato e Sapiro (2003, p. 39) o planejamento deve maximizar os resultados e minimizar as deficiências utilizando princípios de maior eficiência 1, eficácia 2 e efetividade 3. Eles são os principais critérios de avaliação da gestão. Conforme Oliveira (2007b, p. 5), a finalidade do planejamento estratégico pode ser definida como: o desenvolvimento de processos, técnicas e atitudes administrativas, as quais proporcionam uma situação viável de avaliar as implicações futuras de decisões presentes em função dos objetivos empresariais que facilitarão a tomada de decisão no futuro, de modo mais rápido, coerente, eficiente e eficaz. Seguindo esse raciocínio, o autor propõe que o exercício do planejamento estratégico tende a diminuir a incerteza envolvida no processo decisório e, por consequência, gera o aumento da probabilidade de obtenção dos objetivos, desafios e metas estabelecidos para a empresa. Definidas as razões do planejamento estratégico, dá-se continuidade ao processo de gestão apresentando as peças que o compõem. 1 Eficiência fazer as coisas de maneira adequada, resolver problemas, salvaguardar os recursos aplicados, cumprir seu dever, reduzir custos. 2 Eficácia fazer as coisas certas, produzir alternativas criativas, maximizar a utilização de recursos e aumentar o lucro. 3 Efetividade manter no mercado e apresentar resultados globais positivos ao longo do tempo. (OLIVEIRA, 2007b)

25 Peças do Planejamento Estratégico O processo do planejamento estratégico é composto por várias etapas que serão estudadas a seguir. A elaboração dessas são estabelecidas principalmente pelos proprietários, presidentes, acionistas, gerentes, enfim, quem mais a empresa necessite que faça parte do processo estratégico Cenários O uso da técnica dos cenários vem se mostrando elevada ao longo dos anos no processo de planejamento estratégico da empresas. Cavalcanti (2007, p. 112) atribui este efeito principalmente porque eleva o nível de reflexão sobre o futuro de maneira coerente com a visão que se tem dele, internamente a organização. Chiavenato e Sapiro (2003, p. 143) explicam que: cenários não são adivinhações [...] os cenários são veículos para ajudar as pessoas a pensar, aprender, visualizar o futuro e explorar suas possibilidades. Diferente das previsões de negócios ou pesquisas de mercado convencionais, os cenários apresentam imagens alternativas, opções e variações que extrapolam as tendências do presente. Para Cavalcanti (2007, p. 146), os cenários são como histórias construídas através dos acontecimentos que podem ocorrer no futuro. A construção desses cenários ajuda a organização a optar pelo melhor futuro, e ter maiores possibilidades de desempenhar com êxito os seus eventos futuros. A construção do cenário é a etapa que tem como objetivo a fundamentação das premissas em relação às informações ligadas com o ambiente macroeconômico e suas implicações visíveis a empresa e seu setor, explica Padoveze (2003). A principal variável do cenário considerada por Padoveze e Taranto (2009, p. 10), é o crescimento da economia do país no qual a empresa realiza as suas vendas. Nesse caso a medida mais utilizada é o crescimento percentual do PIB (produto interno bruto), e isso se deve ao fato de que praticamente em todos os

26 25 casos há uma relação direta entre o crescimento das vendas da empresa e o crescimento do país. O autor considera importante também outras variáveis como taxa de juros, taxa de desemprego, o nível da inflação e também do crescimento esperado do setor. Para obter tais informações pode-se recorrer à leitura periódica de jornais e revistas especializadas, obter dados com uma instituição financeira ou contratar uma consultoria para sua elaboração. Enfim, a empresa tem que adotar um cenário para dar início ao plano estratégico e não ficar dentro de uma série de possibilidades. Contudo, Chiavenato e Sapiro (2003), concluem que da análise dos cenários, já se pode dar andamento no processo de tomada de decisão, sendo que o poder do cenário permite que nos preparemos e possamos entender as incertezas existentes e o que elas possam significar, de outra forma, eles nos ajudam a aprimorar as respostas para os futuros possíveis Missão Uma empresa deve iniciar a sua criatividade para formulação da missão, é esta a etapa mais simples de se realizar, afinal para saber qual é a missão de uma empresa, Fernandes e Berton (2005, p. 143) explicam que basta responder a pergunta mais básica que uma organização (e, talvez, uma pessoa) pode se propor, para que existimos?. As pessoas integrantes saberão o porquê a empresa existe, com isso entra o papel da missão, fornecer um sentido mais amplo das atividades do dia-a-dia, e despertar a importância de como a sua ação se encaixa no todo da empresa. A missão é a constituição da finalidade e do alcance da organização em termo de produto e de mercado, significa o porquê a organização existe e qual a sua contribuição para o ambiente externo, explica Chivenato e Sapiro (2003). Frezatti (2009, p. 29) complementa dizendo que a missão põe o foco sobre o que espera a organização, delimitando perspectivas de longo prazo e guiando as operações. Uma das maneiras de melhor direcionar a missão da empresa é respondendo as seguintes perguntas: Quais produtos/serviços estariam disponibilizando no mercado?

27 26 Que atividades a organização se propõe a desenvolver no ambiente? Quem é o seu cliente? Em que mercado atua? Qual o benefício auferido pelo acionista? Oliveira (2007b) é mais complexo, diz que além de determinar o negócio da empresa, saber o porquê ela existe, que tipos de atividades pretende desenvolver no futuro, deve-se saber aonde se quer chegar com a empresa e quais necessidades do mercado ela quer atender. Explica que a construção da missão tem como ponto inicial a interpretação e análise de outras questões como: Qual a razão de ser da empresa? Qual a natureza dos negócios da empresa? Quais são os tipos de atividades em que a empresa deve concentrar seus esforços no futuro? O que a empresa vende e pretende vender no mercado? É agilidade? É conhecimento? Quais os fatores de influência nestas vendas? Qual o diferencial de conhecimento necessário para estas vendas? Quais os mercados alvo, os clientes, os produtos e os serviços? Qual o diferencial competitivo do mercado? Qual a região de atuação da empresa? Qual a imagem que a empresa faz de si própria e pela qual quer ser reconhecida? Quais as necessidades sociais que pretende atender? Quais as principais crenças e valores da empresa? (OLIVEIRA, 2007b, p. 107) Conforme, Hitt, Ireland e Hoskisson (2008, p. 18), quando os funcionários têm um grande conhecimento de padrões éticos, a probabilidade de se criar uma missão eficaz aumenta, pois terão a consciência de que seu trabalho é indispensável para ajudar atingir a visão da empresa. De uma forma geral, a missão é a razão de ser da empresa, ela visa atender as necessidades de seus clientes, acionistas, funcionários, da sociedade, referentes aos produtos e ao mercado. Proporciona também que seus colaboradores concentrem seus esforços para uma direção comum dentro da organização. Juntas a missão e a visão têm grande importância no processo de planejamento estratégico da empresa, formam a base necessária para selecionar e implantar os devidos objetivos e estratégias da organização.

28 Visão A visão, segundo Costa (2003, p. 35), procura descrever a auto-imagem da empresa, de como ela gostaria de se ver no futuro, é elaborar um estado ou situação altamente desejável, de uma realidade futura possível. Essa visão deve ser determinada de maneira objetiva e compreensiva por todos da organização, tornando-se assim, útil e funcional. A característica fundamental da visão é que, funcionando como um alicerce para o propósito organizacional, ela deve ser compartilhada pelas pessoas que formam o corpo dirigente da empresa e explicada, justificada e disseminada por todos os que trabalham para a organização. Para Oliveira (2007b), a visão representa o que a empresa quer ser, são os limites que os proprietários ou executivos enxergam dentro de um período de tempo mais longo, proporcionando um grande delineamento do planejamento estratégico a ser desenvolvido e praticado pela empresa. Outras formas de conceituar a visão são apresentadas por outros autores conforme mostra Oliveira (2007b, p. 65): articulação das aspirações de uma empresa a respeito de seu futuro (Hart, 1994, p.8); clara e permanente demonstração, para a comunidade, da natureza e da essência da empresa em termos de seus propósitos, do escopo do negócio e da liderança competitiva, para prover a estrutura que regula as relações entre a empresa e os principais interessados e para os objetivos gerais de desempenho da empresa (Hax e Majluf, 1984, p. 17); algo que se vislumbre para o futuro desejado da empresa (Quigley, 1993, p.4); e idealização de um futuro desejado para a empresa (Collins e Porras, 1993, p.10) Segundo Costa (2003), é bem comum observar que as empresas que apresentam uma visão clara e explícita para o seu futuro possuem muito mais chances do sucesso do que aquelas que nem os gerentes, muito menos os colaboradores sabem para onde a empresa está seguindo e nem o caminho que pretende seguir. Percebe-se que a visão espelha os ideais da empresa, um conjunto de pretensões para um período longo de tempo, além de atuar como papel motivador para com os membros da organização. Elaboradas a missão e visão da empresa, parte-se para a próxima fase,

29 28 que é executar um diagnóstico estratégico 4 tanto do ambiente interno, quanto do ambiente externo, com o objetivo de identificar seus pontos positivos, negativos, suas ameaças e oportunidades, podendo com isso posicionar a empresa em relação ao ambiente na qual está inserida Análise dos Fatores Internos Após a definição de missão e visão, o próximo passo da elaboração do planejamento estratégico é efetuar uma análise interna da empresa. Busca-se com esta análise identificar os pontos fortes e fracos da empresa, de modo a demonstrar suas qualidades e deficiências, explica Lobato et al (2006, p. 59) que: a análise do ambiente interno compreende o diagnóstico da situação da organização no que diz respeito as suas forças e fraquezas, suas capacidades e competências para obter sucesso no negócio em que se propõe a atuar. Oliveira (2007b, p. 37), conceitua os pontos fortes e fracos como: Ponto forte: é a diferenciação conseguida pela empresa- variável controlável- que lhe proporciona uma vantagem operacional no ambiente empresarial (onde estão os assuntos não controláveis pela empresa). Ponto Fraco: é uma situação inadequada da empresa- variável controlávelque lhe proporciona uma desvantagem operacional no ambiente empresarial. Oliveira ainda comenta que por meio do planejamento estratégico a empresa pretende, depois de conhecê-los, utilizar da melhor maneira possível os seus pontos fortes e eliminar ou se adequar aos seus pontos fracos. Lobato et al (2006, p. 64), mostra que existem várias ferramentas que podem auxiliar na busca pelos diagnósticos internos, dentre eles, pode-se destacar: pesquisa de clima organizacional através de entrevistas pessoais, levantamento e benchmarking 5 com os concorrentes, brainstorming 6 de forças e fraquezas, caixas 4 Diagnóstico Estratégico - o diagnóstico estratégico deve responder a pergunta básica qual a real situação da empresa quanto aos seus aspectos internos e externos? (CHIAVENATO, 2003) 5 Benchmarking - é a busca das melhores práticas na indústria que conduzem ao desempenho superior. É visto como um processo positivo e pró-ativo por meio do qual uma empresa examina como outra realiza uma função específica a fim de melhorar, como realizar, a mesma ou uma função semelhante. (WIKIPEDIA, A enciclopédia livre)

30 29 de sugestões e reclamações, e avaliações de desempenho individual, de equipes ou de setores. Para Tavares (2005), a análise do ambiente interno é muito importante, pois ao confrontar as atividades atualmente desenvolvidas pela empresa com as que pretende desenvolver para cumprir sua missão e visão, juntamente com as análises das oportunidades e ameaças irão emergir as suas forças e fraquezas. Percebe-se que, por meio da análise interna da empresa, esta possuirá o conhecimento de suas qualificações no qual poderá usufruir, e das suas deficiências, que trabalhará de forma a superá-las ou minimizá-las para com o cumprimento da visão e objetivos organizacionais Análise dos Fatores Externos Para conhecer o ambiente em que a empresa está inserida é preciso entender o que o mesmo oferece de vantagens e desvantagens para alcançar o objetivo almejado. Desta maneira, segundo Oliveira (2007b), esta etapa do planejamento estratégico, consiste em identificar as oportunidades e ameaças do ambiente em que a empresa atua, ambiente este que se refere a tudo aquilo que influencia no desempenho da empresa sem que ela pouco ou nada possa fazer para mudar tais variáveis. De acordo com Chiavenato e Sapiro (2003, p. 80): essa análise externa é feita por meio da obtenção e colheita de informações a respeito do mundo dos negócios e verifica as possíveis ameaças e oportunidades que estão no ambiente da organização e a melhor maneira de evitar ou usufruir dessas situações. Os termos, oportunidades e ameaças, por sua vez, são determinados conforme Oliveira (2007b, p. 68) como: 6 Brainstorming - a técnica de brainstorming propõe que um grupo de pessoas - de duas até dez pessoas - se reúna e se utilizem dos diferentes pensamentos e ideias para que possam chegar a um denominador comum eficaz e com qualidade, gerando assim, ideias inovadoras que levem o projeto adiante. (WIKIPEDIA, A enciclopédia livre)

31 30 Oportunidades: são as variáveis externas e não controláveis pela empresa, que podem criar condições favoráveis para a empresa, desde que a mesma tenha condições e/ ou interesse de usufruí-las; Ameaças: são as variáveis externas e não controláveis pela empresa que podem criar condições desfavoráveis para a mesma. A empresa é afetada por tendências externas, que não possui controle, por isso os gestores devem manter-se informados das variáveis que poderão interferir na evolução da empresa e quando possível, torná-las mais favoráveis ou menos desfavoráveis à organização, dentre elas Bethlem (2004) aponta: Variáveis Políticas: o regime político de um país pode influenciar a forma que a empresa opera os fatores econômicos, trabalhistas ou o próprio funcionamento do negócio. Variáveis Econômicas: os preços dos insumos, os impostos, entre outros fatores são influenciados pelas condições econômicas que podem variar constantemente, tornando o exercício de estudar esta variável indispensável. Variáveis Sociais/Culturais: fatores como, costumes, crenças, estilo de vida, distribuição geográfica, modalidade de uma população, entre outros, são caracterizados como componentes cultural/social, e pode representar barreiras a implantação de certos negócios. Variáveis Tecnológicas: o avanço da tecnologia está em constante crescimento por isso torna-se importante que as empresas mantenham-se informadas dessas evoluções. Stakeholders: considerado qualquer pessoa, instituição, formal ou informal que possa afetar ou ser afetada pela organização, tem-se a necessidade de estudar os efeitos destes stakeholders em relação à empresa. Ele é composto por muitos grupos, dentre eles: clientes, fornecedores, governo, mídia, sindicato dos trabalhadores, instituições financeiras, competidores, etc. A análise dos stakeholders tornou-se uma ferramenta importante no desenvolvimento de estratégias, visto que:

32 31 ao determinar os objetivos e as estratégias da empresa, os executivos devem reconhecer os direitos legítimos dos stakeholders da organização. Cada uma dessas partes interessadas tem razões justificadas para esperar e muitas vezes requerer que a empresa satisfaça suas exigências. Em geral, os acionistas exigem retornos, consumidores querem uma relação custo - benefício; fornecedores estão atrás de compradores confiáveis, governos querem o cumprimento das leis, sindicatos procuram benefícios para seus associados, competidores querem uma concorrência justa, comunidades locais esperam que a empresa seja um membro responsável da sociedade e o público em geral espera que a existência da empresa melhore sua qualidade de vida. (KLUYVER E PEARCE, 2007, p. 88) Todas estas variáveis produzem mudanças constantemente, criando milhares de oportunidades e ameaças. Com isso Oliveira (2007b), explica que, quando surgir uma oportunidade para sua empresa, esta pode aproveitá-la, de forma inversa, ao se depararem com ameaças, devem procurar amortecer ou adaptar-se a elas. Entende-se que, conhecer o mercado no qual a empresa está inserida é extremamente importante para que se elabore uma boa análise dos fatores externos, considerando as ameaças e oportunidades oferecidas por ele. Porém deve-se obter um equilíbrio do conhecimento em relação aos fatores internos, para que a empresa evite situações desagradáveis mediante a falha em algum ponto do planejamento Análise dos Concorrentes Analisar os concorrentes da empresa é um fator fundamental para o processo de tomada de decisões, uma vez que, quando nos referimos à competição, tem-se a necessidade constante e eterna de oferecer a melhor qualidade e o menor custo de nossos produtos, ressalta Bethlem (2004). Sendo assim, analisando e avaliando a concorrência do mercado no qual a empresa está atuando, já se tem uma ideia das suas condições competitivas, porém o autor destaca que é conveniente que esta análise seja feita da forma mais detalhada possível, levando em consideração alguns aspectos de seus concorrentes, como:

33 32 1. Quantos são. 2. Quantos são em cada divisão que fizermos por tipo e por características, como tamanho (receita, vendas), crescimento, lucro, localização etc. 3. O orçamento global nos ramos de vendas, publicidade, pesquisa de mercado, promoção. 4. Quais as práticas de estabelecimento de preços. 5. Qual o número de vendedores no mercado como são selecionados, treinados, supervisionados e qual o índice de rotação. 6. Como são remunerados os vendedores salários, comissões, prêmios e qual sua performance 7, moral, reputação. 7. Qual a validade das vendas feitas no mercado. 8. Quais são as linhas de produtos com os quais os nossos tem que competir. Tipos, participação no mercado, preços, qualidade, tendências. (BETHLEM, 2004, p. 245). Ainda, para Bethlem (2004, p. 245), o objetivo principal das análises dos concorrentes é dimensionar o esforço que teremos que fazer para garantir ou aumentar nossa participação no mercado, e obter dados e informação para que possamos fazer nosso benchmarking. Conforme Oliveira (2007b), a prática tem comprovado que a elaboração do plano estratégico de cada um de seus principais concorrentes de forma detalhada pode colaborar com a elaboração de seu próprio planejamento, uma vez que quanto maior o nível de conhecimento das táticas do concorrente, menor o risco estratégico que corre a empresa. Contudo, percebe-se a importância de adquirir um conhecimento mais amplo dos concorrentes diretos da empresa, de analisar seus pontos positivos e negativos e tentar entender como eles se comportam. Essas são maneiras que ajudarão a empresa a tomar as atitudes necessárias para diferenciar-se deles e tentar direcionar as forças da empresa para pontos que as diferenciem no mercado Objetivos e Desafios Nota-se que o planejamento estratégico é uma ferramenta utilizada para auxiliar a empresa a atingir seus objetivos, desta forma, para que esta possa ser eficiente, eficaz e efetiva, os objetivos devem ser conhecidos, adequados, aceitos e consistentes. Para melhor entendermos o significado dos objetivos e desafios Oliveira (2007b, p. 141), conceitua-os como: 7 Performance desempenho (Dicionário Oxford)

34 33 Objetivo: é o alvo ou ponto que se pretende alcançar; Desafio: é a quantificação, com prazos definidos, do objetivo estabelecido. E, para serem alcançados, os desafios exigem esforço extra, ou seja, pressupõem a alteração do statuo quo 8. Este termo, objetivo, está relacionado a tudo que provoca a obtenção de um resultado final, e tem como finalidade: fornecer as pessoas um sentimento especifico e adequado de seu papel na empresa; dar consistência a tomada de decisão entre grande numero de diferentes executivos; estimular o empenho e a realização baseada em resultados esperados; e fornecer a base para as ações corretivas e o controle. (OLIVEIRA, 2007b p. 145) Já sobre os desafios, Oliveira (2007b) fala que se trata do esforço realizado para obtenção dos objetivos, com quantificação e prazo estabelecidos. Contudo, antes de serem determinados os desafios a serem realizados, os executivos devem verificar se os objetivos: estão claros e, perfeitamente, divulgados, entendidos e aceitos; são específicos, mensuráveis, realísticos e desafiadores (no caso de se trabalhar com objetivos quantificados e com prazos para realização); apresentam as suas inter-relações de forma esquematizada; estão, adequadamente, relacionados a fatores internos e externos da empresa; o sistema de controle e avaliação estabelecido está adequado; e as prioridades estão estabelecidas. (OLIVEIRA, 2007b, p. 142) Porém, Oliveira (2007b) ressalta que se pode fazer uma junção dos dois itens num só, definindo o objetivo como o alvo ou ponto que se pretende atingir, estabelecendo o prazo de realização e os responsáveis para alcançar os objetivos através de esforço extra. Para Tavares (2005), após a definição dos objetivos serão elaboradas às metas que serão conquistadas para converter a visão em realidade, através dos esforços e recursos realizados em determinados períodos. Metas as quais são definidas por Almeida (2003, p. 30) como: 8 Status Quo - é uma expressão latina que designa o estado atual das coisas, seja em que momento for. Emprega-se essa expressão, geralmente, para definir o estado de coisas ou situações. (WIKIPEDIA, A enciclopédia livre)

35 34 uma segmentação do objetivo, em que o aspecto quantitativo tem uma importância maior, ou seja, é mais preciso em valor e data, pois é mais próximo que o objetivo. Por exemplo, caso o objetivo seja chegar ao peso ideal em um ano (valor e prazo aproximados), uma das metas pode ser perder três quilos até o final do próximo mês (valor e prazo precisos, caminhando para o objetivo). Pode-se entender que, uma boa administração começa com a definição ou, pelo menos, a compreensão clara dos objetivos, desafios e metas a serem alcançados. Devem ter um significado concreto para que com a participação e comprometimento de todos de forma real, efetiva e contínua a empresa possa atingilos Estratégias A estratégia é tratada como a elaboração de uma ação, representada por seus objetivos, desafios e metas, desenvolvidas e adequadas para alcançar os resultados da empresa, explica Oliveira (2007b). Para Tavares (2005, p. 272), o objetivo das estratégias consiste em indicar as ações mais apropriadas para suprir as necessidades das empresas quanto a sua sobrevivência, crescimento, manutenção e desenvolvimento. Vale no entanto lembrar, que elas variam em tempo e lugar, logo, o que pode ser bom em determinado momento, pode perder toda a sua validade em pouco tempo. Da mesma forma, uma estratégia considerada boa para determinada empresa, pode não ser para outra. Para Oliveira (2007b, p. 177), a finalidade das estratégias é estabelecer quais serão os caminhos, os cursos, os programas de ação que devem ser seguidos para serem alcançados os objetivos, metas e desafios estabelecidos. Poder ser considerada também como uma ferramenta que procura utilizar da melhor forma os recursos físicos, financeiros e humanos, tendo como objetivo a minimização dos problemas e a maximização das oportunidades Para que uma empresa se mantenha no mercado, Almeida (2003) explica que é necessário que ela tenha boas estratégias, da mesma forma que se conheçam quais são as estratégias que a empresa vem seguindo para que a

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS CURSO PÓS-GRADUAP GRADUAÇÃO EM GESTÃO SOCIAL DE POLÍTICAS PÚBLICASP DISCIPLINA: Monitoramento, informação e avaliação de políticas sociais INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS Janice

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano Empresa como Sistema e seus Subsistemas Professora Cintia Caetano A empresa como um Sistema Aberto As organizações empresariais interagem com o ambiente e a sociedade de maneira completa. Uma empresa é

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL Prof. Roberto Almeida Esta estratégia compreende o comportamento global e integrado da empresa em relação ao ambiente que a circunda. Para Aquino:Os recursos humanos das

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima INDICADORES DE RH E METAS ORGANIZACIONAIS JÚLIO SÉRGIO DE LIMA Blumenau SC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO E PERSPECTIVAS DE NEGOCIO, ARQUITETURA DE MEDIÇÃO DO DESEMPENHO E NIVEIS DOS

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos White Paper TenStep 2007 Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos Não há nenhuma duvida

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Definição Instrumento que traz a definição quantitativa dos objetivos e o detalhamento dos fatores necessários para atingi -los, assim como o controle do desempenho. Permite acompanhar

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas:

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EAD MÓDULO IV A EMPRESA COMO SISTEMA Para o estudioso na área de marketing trabalhar melhor o planejamento nas organizações, ele precisa conhecer a empresa na sua totalidade e

Leia mais

Gestão Empresarial. Aula 5. A Estrutura Estratégica. Modelo de Gestão. Missão da Empresa. Prof. Elton Ivan Schneider.

Gestão Empresarial. Aula 5. A Estrutura Estratégica. Modelo de Gestão. Missão da Empresa. Prof. Elton Ivan Schneider. Gestão Empresarial Aula 5 Prof. Elton Ivan Schneider tutoriacomercioexterior@grupouninter.com.br A Estrutura Estratégica Comércio Exterior Fornecedores Macro Ambiente Organizacional Ambiente Organizacional

Leia mais

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM Fechando o ciclo de planejamento do produto Tech-Clarity, Inc. 2010 Sumário Introdução à questão... 3 As Primeiras Coisas

Leia mais

Como organizar um processo de planejamento estratégico

Como organizar um processo de planejamento estratégico Como organizar um processo de planejamento estratégico Introdução Planejamento estratégico é o processo que fixa as grandes orientações que permitem às empresas modificar, melhorar ou fortalecer a sua

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

Disciplina: Unidade I: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade I: Prof.: E-mail: Período: Encontro 05 Disciplina: Planejamento Estratégico de Marketing Unidade I: Introdução ao Planejamento Estratégico Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 4º. ADM 2. Visão, Valores, Políticas,

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

Análise do Ambiente Interno

Análise do Ambiente Interno Análise do Ambiente Interno Professor: Claudemir Duca Vasconcelos Disciplina: Estratégia e Planejamento Corporativo Alunas: Gleice Costa e Cintia Belo 16 Abril 2015 Ambiente Interno de uma Organização

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X ) TRABALHO

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS Patrícia de Oliveira 1 Angélica Patrícia de Souza 2 Roginéia de Araújo Paula 3 RESUMO Buscou-se apresentar neste artigo, os principais pontos das estratégias empresarias e quais

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente 4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente Saiba como melhorar a gestão financeira da sua empresa e manter o fluxo de caixa sob controle Ciclo Financeiro Introdução Uma boa gestão financeira é um dos

Leia mais

Capítulo PLANEJAMENTO MARIA DE FÁTIMA DA COSTA ALMEIDA

Capítulo PLANEJAMENTO MARIA DE FÁTIMA DA COSTA ALMEIDA Capítulo 1 PLANEJAMENTO MARIA DE FÁTIMA DA COSTA ALMEIDA Boas práticas de laboratório Maria de Fátima da Costa Almeida Doutora em Fisiologia pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e mestre em

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

As Organizações e a Teoria Organizacional

As Organizações e a Teoria Organizacional Página 1 de 6 As Organizações e a Teoria Organizacional Autora: Sara Fichman Raskin Este texto é totalmente baseado no primeiro capítulo do livro Organizational theory: text and cases, do autor Jones Gareth,

Leia mais