MODELO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA AGRICULTURA FAMILIAR COLETIVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA AGRICULTURA FAMILIAR COLETIVA"

Transcrição

1 MODELO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA AGRICULTURA FAMILIAR COLETIVA Renato Luiz Sproesser 1 ; Dario de Oliveira Lima Filho 1 ; Reginaldo de Oliveira Vilanova 1 ; Patrícia Campeão 1 1 Departamento de Economia e Administração, Unidade 10, Av. Senador Filinto Müller, Vila Ipiranga. - Caixa Postal 549, CEP Campo Grande MS. RESUMO O modelo de reforma agrária brasileira tem sido amplamente discutido e, mesmo com os avanços obtidos nestes últimos anos, carece ainda de melhor reflexão conceitual e principalmente de ferramentas de gestão para sua consolidação. As dúvidas levantadas quanto à viabilização sócioeconômica da agricultura familiar podem ser minimizadas ao adotar-se um modelo de planejamento adequado às atividades desenvolvidas, as quais são baseadas, quase que em sua totalidade, na agricultura familiar. Assim, este trabalho apresenta um Modelo de Planejamento Estratégico para Agricultura Familiar Coletiva que objetiva viabilizar o empreendimento das famílias, por meio do atendimento de fatores condicionantes e do cumprimento de um conjunto de etapas integrantes do modelo. A importância do trabalho proposto é, então, compreendida como uma contribuição para a busca de soluções no que se refere ao desenvolvimento da agricultura familiar. Palavras-chave: Reforma agrária, desenvolvimento rural, desenvolvimento agrícola. 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Reforma Agrária no Brasil No Brasil, a luta pela reforma agrária é recente, quando comparada aos movimentos sociais que, no início do século XX, democratizaram e viabilizaram o acesso à propriedade da terra e mudaram a face da Europa, o que contribuiu para acelerar os avanços sociais daquele continente, moldado, em grande parte, pelo enfrentamento da questão agrária 1, havendo assim a promoção justa da distribuição de terra e o fomento de políticas de apoio à 1 PAULILLO (2001) enfatiza que é necessário diferenciar conceitualmente a questão agrária da questão agrícola. A primeira refere-se à problemática de como produzir e de que forma ocorrerá a produção agrícola. A segunda procura responder o que, quanto e onde produzir.

2 agricultura familiar 2 (TEÓFILO & MENDONÇA, 2001). O Brasil, historicamente, optou pelo não enfrentamento dessa questão. Verifica-se que, na Primeira República ou República Velha ( ), a economia brasileira era agroexportadora, tendo o café como principal gerador de divisas. Neste período, grandes áreas foram incorporadas ao processo produtivo, o número de propriedades e de proprietários aumentou em relação às décadas anteriores, o que já era um avanço para época; entretanto a estrutura fundiária manteve-se estática (PAULILLO, 2001). Esta evolução teve a participação dos imigrantes europeus e japoneses, que passaram a desempenhar papel relevante para a agricultura da época. Durante a década de 1930 até o fim da Segunda Guerra Mundial, em 1945, não houve avanços significativos na questão agrária, que começou a ser discutida enfaticamente a partir de 1945, pois passou a ser considerada como uma barreira ao desenvolvimento do país. No final dos anos 50 e início dos 60, os debates ampliaram-se com a participação popular. As chamadas reformas de base, dentre as quais a agrária, eram consideradas essenciais pelo governo para o desenvolvimento econômico e social do país. Durante o regime militar brasileiro ( ), a reforma agrária foi indicada como uma das prioridades. Entretanto, em vez de promover a reforma agrária, esse regime incentivou o desenvolvimento agrícola por meio da modernização do latifúndio 2 Quanto à conceituação e especificidades da agricultura familiar, diversos autores podem ser consultados, entre eles VEIGA (1991), ABRAMOWAY (1992), e WILKINSON (1996). e do crédito rural fortemente subsidiado e abundante para grandes produtores. Na década de 70, os governos militares implantaram uma política de desenvolvimento agrícola para a modernização do campo, por meio da qual o Brasil conheceu uma intensa transformação em sua agricultura até Com a industrialização da agricultura e da agroindustrialização nacional, o Brasil obteve ganhos consideráveis de produção e produtividade a partir desta década, principalmente nos setores que apresentavam vantagens comparativas no mercado agrícola mundial. Assim, a questão agrária não foi enfatizada, pois acreditava-se que o crescimento produtivo da agricultura nacional resolveria os principais problemas econômicos do país (PAULILLO, 2001). Entretanto esse crescimento beneficiou apenas grandes proprietários rurais praticantes da monocultura exportadora e empresas de comercialização agrícola. As prioridades adotadas pelo Governo Federal, principalmente até meados dos anos 80, não contemplaram a agricultura familiar, mas apenas grandes propriedades baseadas no modelo patronal de produção, corroborando para o agravamento das desigualdades sociais presenciado no Brasil até hoje. Dessa forma, foram poucos os avanços notados na questão agrária, e, somente, a partir de meados da década de 1990, esta questão é inserida, pelo governo federal, no contexto da busca de alternativas políticas que atenuassem a grande disparidade da realidade socioeconômica da agricultura brasileira (PAULILLO, 2001). Entre os anos de 1950 e 1980, a produção agrícola cresceu a uma taxa extraordinária de 4,5% ao ano, a área cultivada expandiu-se a 1,5% ao ano,

3 mas o emprego agrícola cresceu em apenas 0,7% ao ano (BINSWANGER et al; 2001). Nesse período, as grandes fazendas demitiram a maioria de seus colonos e trabalhadores, muitos dos quais migraram para favelas urbanas, ou terminaram como trabalhadores sazonais não-qualificados, em condições informais. Um caminho de crescimento alternativo, baseado em fazendas familiares menores poderia ter trazido oportunidades de emprego rural e autoemprego para muitas dessas pessoas e ter absorvido, de forma proveitosa, uma parcela substancial da população em rápido crescimento (BINSWANGER et al; 2001). TEÓFILO & MENDONÇA (2001) apontam que a vitória da posição conservadora liberal levou ao que se denomina a modernização conservadora do campo brasileiro, fonte de agravamento das desigualdades sociais e de elevados níveis de pobreza rural e urbana. A partir da década de 90, os trabalhadores rurais foram inseridos nas discussões sobre a questão agrária, uma vez que, até então, estes não tinham sido contemplados nas discussões travadas entre os diversos atores do cenário nacional. Os trabalhadores do campo, por meio de sua própria organização, obtiveram força política e articularam-se o suficiente para conquistar seu espaço nos poderes constituídos (COMPARATO, 2001). A partir de 1994, a reforma agrária tornou-se uma política compensatória, ou seja, a implantação de assentamentos rurais era realizada de acordo com a territorialização da luta pela terra e, também, com a regularização das terras de posseiros nas áreas de fronteira da Amazônia. Entretanto, mesmo com os avanços implementados, este modelo de reforma agrária não possibilita condições de desenvolvimento para a sociedade formada a partir dos assentamentos, uma vez que, isoladamente, grande parte das famílias não consegue tornar economicamente viável o seu empreendimento e cria uma dependência viciosa das políticas públicas assistencialistas destinadas a ampará-las Agricultura Familiar A agricultura familiar é uma forma de produção presente no mundo todo. No Brasil é o maior segmento em número de estabelecimentos agrícolas e tem significativa importância econômica em diversas cadeias produtivas. É mais do que necessário, então, reconhecer a importância econômica e social dos agricultores que se dedicam a esse tipo de produção para o processo de desenvolvimento regional e nacional (SILVESTRO, 2001). Entretanto, diversas regiões do país não incluíram este segmento incluído de forma definitiva em suas políticas de apoio ao desenvolvimento rural. Assim, o país deixou de colher os benefícios decorrentes de tal ação. Estes benefícios estariam relacionados ao sucesso econômico do país, de acordo com VEIGA (1991) apud SILVESTRO et. al. (2001). Segundo SILVESTRO et. al. (2001), ao reconhecer e estimular esta forma de produção agrícola, os países desenvolvidos, além de garantir a segurança alimentar, possibilitaram o nascimento entre os agricultores, de uma classe média forte que contribuiu decisivamente para criar um mercado interno dinâmico capaz de impulsionar o desenvolvimento destes países.

4 Deste modo, a agricultura familiar está diretamente relacionada ao desenvolvimento do país, já que acarreta o crescimento econômico, como verificou-se nos países desenvolvidos, e possui a capacidade de organizar socialmente determinadas regiões, por tratar-se de uma alternativa na construção de espaços para o homem do campo. Particularmente no caso do setor agropecuário, verifica-se a predominância de estabelecimentos de pequeno porte. Do total de 4,8 milhões de estabelecimentos agropecuários existentes no Brasil em 2002, 49,4% possuíam até 10 ha., 39,4% possuíam entre 10 e 100 ha. e apenas 1% possuíam acima de 1000 ha (CAMPEÃO, 2004). Os agricultores familiares 3 representavam em 2000, 85,2% do total de estabelecimentos rurais brasileiros, ocupando 30,5% da área total e sendo responsáveis por 23,6% do Valor Bruto da Produção total da pecuária de corte, 52,1% da pecuária de leite, 58,5% dos suínos e 39,9% das aves e ovos produzidos, totalizando 37,9% do Valor Bruto da Produção Agropecuária Nacional. No entanto, receberam apenas 25,3% do financiamento destinado ao setor agrícola (INCRA, 2000). Segundo BAIARDI (1999), a agricultura familiar no Brasil pode ser subdividida em cinco categorias: Tipo A tecnificado, mercantil, farmerizado, predominante no Cerrado; Tipo B integrado verticalmente em cadeias agro-industriais e mais recentemente em perímetros irrigados; Tipo C agricultura familiar tipicamente colonial ligada à produção de produtos in natura; Tipo D agricultura familiar semi-mercantil (sem relação com a imigração européia não ibérica), predominante no Nordeste (NE) e no Sudeste (SE); Tipo E agricultura familiar de gênese semelhante ao Tipo D, caracterizada pela marginalização do processo econômico e pela falta de horizontes. Os processos de modernização da agricultura acabaram contribuindo para a grande diversidade da agricultura familiar brasileira, o que exige uma classificação das formas possíveis desse tipo de produção, como a sugerida pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - PRONAF 4 (tabela 1.1). 3 A metodologia utilizada nesse estudo considerou como familiares os estabelecimentos que atendiam, simultaneamente, às seguintes condições: a direção dos trabalhos do estabelecimento era exercida pelo proprietário/produtor; e o trabalho familiar era superior ao trabalho contratado. 4 Criado em 1996, através do decreto nº 1.946, o PRONAF tem como objetivo promover o desenvolvimento sustentável dos agricultores familiares, aumentando sua capacidade produtiva, gerando empregos e melhorando sua renda.

5 TABELA 1.1 Classificação da agricultura familiar segundo o PRONAF. Assentados da reforma agrária Proprietários, posseiros, arrendatários, parceiros ou concessionários da reforma agrária. Residem na propriedade ou em aglomerado urbano ou rural. Área de até 04 módulos fiscais Grupo A Grupo B Grupo C Grupo D Trabalho familiar é a base da exploração do estabelecimento. Renda bruta anual de até R$1.500,00. Trabalho familiar predominante, com recurso eventual ao trabalho assalariado. Renda bruta anual familiar entre R$1.500,00 e R$10.000,00. Trabalho familiar predominante, com até 02 empregados permanentes e recurso eventual ao trabalho de terceiros. Renda bruta anual familiar entre R$10.000,00 e R$30.000,00. Fonte: MDA/SAF - Plano de Safra 2001/2002 apud ROCHA & CERQUEIRA (2004) Segundo ROCHA & CERQUEIRA (2004), tradicionalmente a política agrícola brasileira sempre teve como foco as grandes e médias propriedades capitalistas. O resultado foi uma crescente marginalização dos pequenos agricultores familiares, reproduzindo um padrão de desenvolvimento rural bastante excludente e desigual. O processo de modernização da agricultura brasileira gerou o agravamento da chamada questão agrária. Os problemas sociais no campo não só permaneceram, mas também aumentaram, refletindo-se no aprofundamento das desigualdades sociais e no aumento da pobreza nas áreas rurais, com reflexos nos grandes centros urbanos (CAMPEÃO, 2004). O acirramento das questões sociais no país, o aumento dos conflitos no campo, as reivindicações dos movimentos sociais são alguns fatores que colocaram no centro do debate rural a necessidade de repensar a política agrícola e reconhecer a importância dos produtores familiares, tanto em termos socioeconômicos quanto ambientais (CAMPEÃO, 2004.). Segundo ROCHA & CERQUEIRA (2004), a agricultura patronal é, reconhecidamente, um fator de expulsão da mão-de-obra no campo; em contrapartida, os estabelecimentos familiares são os principais responsáveis pela geração de postos de trabalho no meio rural brasileiro, respondendo por 76,9% do pessoal ocupado. Tradicionalmente policultora, a produção familiar está mais próxima da sustentabilidade ecológica, buscando a diversificação de culturas e o aproveitamento, ao máximo, dos recursos da propriedade. O fortalecimento das empresas agropecuárias de pequeno porte surge, também, como uma alternativa à inclusão social e à diminuição das disparidades sócio-econômicas entre territórios. De fato, regiões com maior número de estabelecimentos ligados à agricultura familiar, apresentam valores de produção inferiores ao de regiões com estabelecimentos de maior porte, além de usufruírem de menores índices de financiamento. A tabela 1.2 ilustra esses valores.

6 TABELA Participação das regiões no número de estabelecimentos, área, valor bruto da produção e financiamento total destinado aos agricultores familiares (em %). Região Estabelecimentos Área VBP Financiamento Nordeste 49,7 31,6 16,7 14,3 Centro-Oeste 3,9 12,7 6,2 10,0 Norte 9,2 20,3 7,5 5,4 Sudeste 15,3 17,4 22,3 15,3 Sul 21,9 18,0 47,3 55,0 Brasil 100,0 100,0 100,0 100,0 Fonte: ROCHA & CERQUEIRA (2004) O fortalecimento da agricultura familiar vem sendo alvo de ações institucionais em diversos âmbitos, como a iniciativa do Ministério da Ciência & Tecnologia (MCT)/Conselho Nacional de Pesquisa(CNPq) em contribuir na busca de alternativas tecnológicas adaptadas às escalas e às possibilidades da produção de pequeno porte. Essa ação envolve o desenvolvimento de conhecimento capaz de viabilizar processos de gestão, de organização da produção, de adequação do aparato normativo (ambiente institucional), de promoção da diferenciação de produtos, visando a criação de oportunidades de inserção competitiva dos produtores rurais de economia familiar (MCT/CNPq, 2001). De fato, pequenas e médias empresas agropecuárias e agroindustriais encontram diferentes obstáculos para competir num campo concorrencial cada vez mais acirrado e diante de um mercado consumidor mais exigente na aquisição de produtos com qualidade e com uma boa relação custobenefício. As dificuldades de acesso à informação, principalmente em relação ao conhecimento de mercado, a falta de infra-estrutura de armazenagem ou estocagem, de técnicas de acondicionamento e de conservação de matérias-primas, e a falta de sensibilização das empresas ao conceito de qualidade face às exigências dos consumidores, são alguns dos principais obstáculos encontrados pelas pequenas e médias empresas (MENDONÇA et al., 1997). Por conseguinte, formas alternativas de organização de sistemas produtivos têm sido buscadas com o objetivo de promover maior inserção social e um desenvolvimento econômico duradouro, reduzindo as dependências de fatores externos. Entretanto, os resultados obtidos na agricultura familiar brasileira demonstram, ainda, a necessidade de modelo de gestão que a torne sócio e economicamente viável e que garanta a competitividade da economia local. 2. JUSTIFICATIVA Tais aspectos levam a crer que o atual modelo de desenvolvimento e sua conseqüente base técnica devem sofrer modificações. Assim, a proposta de um modelo de planejamento para a agricultura familiar coletiva, surgiria como uma resposta ao modelo vigente, que ameaça a conservação e a reprodução dos recursos naturais e apresenta uma situação de insustentabilidade política e social, decorrente da desigualdade na

7 distribuição da riqueza e da qualidade de vida (HUEBRA, 2002). Para ser sustentável, o modelo para a agricultura familiar deve elevar as oportunidades sociais, a viabilidade e competitividade da economia local. CAMPEÃO & SPROESSER (2000), ao abordarem os conceitos e definições de desenvolvimento regional e competitividade, atentam que os estudos atuais sobre desenvolvimento regional têm suas ações direcionadas para a formação de áreas compostas por redes de empresas, as quais estão focalizadas em um determinado setor produtivo. Estas aglomerações são denominadas clusters, distritos industriais e agropolos, no caso de setores agroindustriais. O papel do governo é fundamental para a sustentabilidade do modelo, uma vez que o governo influencia os determinantes do sistema, ou seja, crédito agrícola, infra-estrutura, entre outros, e pode ser influenciado, no que se refere às políticas governamentais. Assim, e considerando-se a competitividade dinâmica da economia brasileira, o estabelecimento de políticas públicas e privadas passa a ser uma tarefa mais complexa e abrangente (CAMPEÃO & SPROESSER, 2000). A agricultura familiar coletiva representa uma maneira de organização social e de ocupação do espaço geográfico pelo homem do campo, mas ainda carece de um modelo de gestão adequado às atividades desenvolvidas. A questão colocada é a busca da competitividade nessas propriedades, que não têm os mesmos benefícios das grandes propriedades baseadas na agricultura patronal, normalmente associados à produção em escala e maior possibilidade de obtenção de crédito e meios de comercialização da produção. Acima de tudo, os assentamentos são resultados da reforma agrária, que normalmente está associada a interesses distintos entre grupos sociais diversos. MEDEIROS (1999) questiona quanto à possibilidade de viabilização sócio-econômica dessas unidades de produção agrícola, tendo em vista as dificuldades atuais vividas por pequenos e médios proprietários rurais, decorrentes do estágio atual e das tendências em curso no agronegócio em escala internacional, no qual aparecem na ordem do dia: especialização na produção, redução nas margens de lucro o que requer necessariamente aumento de escala, segmentação de mercados, qualidade, padrão sanitário, rastreabilidade, sistemas de integração com barreiras à entrada, tolerância tecnológica mínima, etc. A consolidação de um modelo de gestão para a agricultura familiar coletiva permitirá que os atores sociais inseridos nessa discussão possam potencializar os recursos naturais de que dispõem, e garantirá a melhoria de vida das comunidades formadas pelos assentados. Os primeiros projetos com o objetivo de ajudar na gestão deste tipo de empreendimento foram elaborados pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA). Inicialmente, esses projetos não contemplavam a participação ativa das famílias, que eram informados após a conclusão do mesmo. Atualmente, os projetos são elaborados com mais detalhes e realizados predominantemente in loco, por meio de técnicas em que a participação das famílias é mais efetiva, o que os torna mais envolvidos com o projeto (INCRA, 2002). O Plano de Desenvolvimento do Assentamento (PDA), discorre, basicamente, sobre a estrutura

8 organizacional do assentamento, serviços de apoio e beneficiamento da produção, créditos recebidos e a receber, sistemas produtivos, tipificação dos produtos, ocupação de mão-de-obra e relação de trabalho, renda, comercialização e abastecimento, políticas públicas, infra-estrutura, serviços sociais básicos (educação, saúde, saneamento e transporte). Não obstante, essas ferramentas são insuficientes para se elaborar um modelo de planificação para agricultura familiar coletiva, pois não abordam itens importantes tais como: estudo de mercado, avaliação técnico-econômica, sistema de gestão, gestão ambiental, entre outros. Desse modo, os trabalhos realizados anteriormente contribuíram para o aperfeiçoamento dos modelos atuais. A metodologia que será apresentada a seguir é importante porque reúne os elementos necessários para elaborar um modelo conceitual de desenvolvimento da agricultura familiar coletiva que pode ser aplicado, e para mostrar resultados em um período relativamente curto de tempo. O momento atual é o mais adequado para a implantação do modelo, principalmente pela postura do governo Federal em incentivar este tipo de atividade. Justifica-se, pois, a importância do estudo proposto, compreendida como uma contribuição para a busca de soluções no que se refere à gestão da agricultura familiar coletiva, bem como para a questão social vigente no campo. 3. OBJETIVOS 3.1 Objetivo Geral Apresentar e discutir um Modelo de Planejamento Estratégico para Agricultura Familiar Coletiva, enfocando a criação de um sistema mais competitivo de produção, organizado e estruturado com base nos valores tidos como essenciais para a agricultura familiar coletiva. 3.2 Objetivos Específicos identificar os fatores críticos de sucesso para a competitividade dos assentamentos analisados; criar referências técnicas, econômicas, sociais e agroecológicas que permitam elaborar um modelo de planejamento compatível com a realidade dos assentados; realizar uma compilação das variáveis apontados na teoria que impactam o desenvolvimento sustentável dos assentamentos. 4. MÉTODO O método utilizado foi a pesquisa bibliográfica de textos mais recentes sobre o assunto e a análise de dados secundários disponíveis nos órgãos públicos dos governos estaduais, do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), Universidades, entre outros. A amostragem adotada nesta pesquisa foi não probabilística e intencional. De acordo com SELLTIZ et al. (1974), a suposição básica da

9 amostra intencional é de que, com um bom julgamento e uma estratégia adequada, podem ser escolhidos os casos a serem incluídos e, assim, chegar a amostras que sejam satisfatórias para as necessidades da pesquisa. Dessa forma, foram, então, selecionados inicialmente quatro estudos realizados em assentamentos, apresentados a seguir. 5. ESTUDOS DE CASOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS Assentamentos rurais em áreas de cerrado o caso do projeto Penha Tocantins (TO) Este estudo foi desenvolvido por José Pereira da Silva durante o período de 1996 a 1997, quando esteve como pesquisador visitante no CNPq na Universidade do Tocantins UNITINS, período em que acompanhou os trabalhos de pesquisa e extensão no assentamento. O estudo procurou analisar o projeto do assentamento Penha, localizado no município de Peixe (TO), implantado em área desapropriada pelo INCRA em Cerca de 500 famílias, possuindo entre 60 e 600 hectares de terras, vivem da atividade agropecuária em solos com características de cerrado e adotam tecnologia tradicional. Constatou-se que após mais de uma década a situação sócio-econômica dos assentados não tinha melhorado significativamente, devido, basicamente, ao enfoque teórico apresentado no Projeto, distante da realidade dos assentados, bem como às condições do solo predominantemente pobre, lixiviados e arenosos que representam 90% da superfície e sujeitos a alagamento parcial em 40% do total e a malogradas tentativas de comercialização dos produtos por meio de associações, predominando a intermediação de compradores e caminhoneiros que ditam os preços e o prazo de pagamento dos produtos. Os assentamentos rurais e seu impacto nas economias locais: o caso do município de Abelardo Luz Santa Catarina (SC) O estudo desenvolvido por REYDON et. al (1998) é uma tentativa inicial de complementar os trabalhos existentes sobre a viabilidade econômica dos assentamentos, mostrando justamente a interface dinâmica que estes estabelecem com os agentes econômicos externos, configurando multiplicadores de emprego e renda. O autor adota como parâmetro em seu trabalho uma pesquisa elaborada pela comissão internacional para a paz e alimentação, coordenada por M.S. Swaminathan. Neste trabalho apresentase um mix de estratégias visando incrementar o emprego e a produção de alimentos na Índia, utilizando a agricultura como motor de crescimento por meio da aceleração da produção comercial para o mercado interno, da agroindústria e das exportações.

10 Os Impactos Regionais da Reforma Agrária: Um Estudo Sobre Áreas Selecionadas O estudo buscou captar os processos de mudança provocados pelos assentamentos de reforma agrária no ambiente no qual se inserem, uma vez que, um crescente número de pesquisas e estudos sobre assentamentos rurais no Brasil estavam voltados basicamente para o diagnóstico das suas condições internas, origens e trajetórias dos assentados e análise das políticas direcionadas ao setor (HEREDIA et al, 2001). Procurou-se, ao longo do estudo, desenvolver uma análise voltada à mensuração e qualificação desses efeitos e mudanças (internas aos assentamentos ou externas a eles), buscando construir indicadores e relações que refletissem o significado dessas experiências a partir, basicamente, da comparação entre as situações atual e anterior dos assentados (tanto em termos objetivos como subjetivos), bem como entre as condições sócio-econômicas existentes no assentamento e aquelas verificadas no seu entorno. A pesquisa foi realizada nas regiões do país com elevada concentração de projetos de assentamento e alta densidade de famílias assentadas por unidade territorial, pressupondo que este procedimento traria maior possibilidade de apreensão dos processos de mudança em curso. Estas regiões passaram a ser denominadas manchas; o critério para a definição dos seus limites foi a existência de um conjunto de municípios vizinhos com concentração relativamente elevada de assentamentos, tanto em número de projetos, quanto em número de famílias e em área ocupada, e com uma dinâmica histórica, econômica, social e organizativa comum. AGROPOLO: uma proposta de modelo conceitual baseada na caracterização de suas dimensões fundamentais. A pesquisa foi realizada pelos professores do Departamento de Economia e Administração da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) no Assentamento Itamarati maior assentamento da história da reforma agrária do Brasil. As dúvidas levantadas quanto à viabilização sócio-econômica desta unidade de produção poderiam, segundo os pesquisadores, ser eliminadas ao adotar-se um modelo de agropolo, por meio de políticas regionais de desenvolvimento baseadas no agronegócio. O estudo investigou as dimensões que permitem a proposição de um modelo de desenvolvimento de agropolos no Estado de Mato Grosso do Sul, enfocando a criação de um sistema mais competitivo de produção, organizado e estruturado com base nos valores tidos como essenciais para os assentados. Para tanto, foi utilizada a metodologia Rapid Rural Appraisal (RRA), que é particularmente útil na análise de problemas complexos, especialmente aqueles em que o fator pessoa é preponderante.

11 6. APRESENTAÇÃO DO MODELO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA AGRICULTURA FAMILIAR COLETIVA O Modelo de Planejamento Estratégico para Agricultura Familiar Coletiva engloba elementos de suma importância para o diagnóstico das necessidades do assentamento, tais como: estudo de mercado, caracterização da infra-estrutura sócioeconômica local e regional, ale da avaliação técnico-econômica, do sistema de gestão, da gestão ambiental, entre outros. Porém, antes da descrição do modelo, serão apresentados os condicionantes da aplicação do mesmo. 6.1 Condicionantes do Modelo Para a implantação do Modelo são necessários alguns pré-requisitos que condicionam sua implantação e constituem-se em fatores macroeconômicos, mercadológicos, sócioculturais, ambientais, tecnológicos e organizacionais Fatores Macroeconômicos O conjunto de políticas macroeconômicas (fiscal, cambial, monetária, salarial) e seus instrumentos de intervenção (taxa de juros, taxa de câmbio, volume de crédito, incentivo à exportação, tarifas e impostos) impactam o processo de desenvolvimento setorial - a atividade agrícola de um modo geral, e da agricultura familiar em especial (HADDAD, 1998). Os impactos afetam os custos operacionais, custos de estocagem, custo de transporte, acesso ao insumo, investimentos, escolha de tecnologia, oferta de energia, receitas operacionais, quotas de exportação, entre outras (HADDAD, 1998). Não obstante a agricultura familiar tem uma dependência de determinados instrumentos de intervenção maior que as grandes propriedades. Por exemplo, o crédito público subsidiado que, de acordo com uma meta de política fiscal que implique superávit primário elevado, pode eliminar ou reduzir o crédito subsidiado aos assentados. Portanto o governo utiliza-se desses instrumentos de intervenção para equilibrar o setor primário, ou seja, para conceder crédito suficiente à agricultura familiar, incentivar a exportação de grandes produtores, regular o abastecimento interno, enfim, criar condições de competitividade para a agricultura familiar e para o grande produtor rural, concomitantemente Fatores Mercadológicos O assentamento, enquanto organização, deve posicionar-se para, de um lado ouvir o mercado, e de outro, questionar a capacidade de atender a esse mercado. O esforço para tal atendimento está relacionado não com a área individual, mas com a área coletiva, a qual se supõe produzir excedentes destinados à comercialização. Para isso, é necessário conhecer o mercado, tornar esse produto competitivo em termos de qualidade e

12 custo, definir a área de comercialização cidade, micro-região ou estado. Assim sendo, não é suficiente saber produzir; é preciso saber o que produzir, quando produzir e para quem produzir. E isso somente será possível se houver um estudo que aponte as necessidades do mercado consumidor em relação ao produto que se julga poder produzir e comercializar. É por meio do estudo de mercado que se conhece a demanda e o processo de comercialização vigentes num determinado segmento. Esse estudo irá nortear o sucesso ou fracasso, identificar as oportunidades que o mercado oferece, quem são os competidores, qual o nível de competitividade, o que procuram e como são feitas as parcerias, e auxiliará fortemente na tomada de decisão Fatores Sócio-culturais Os fatores sócio-culturais estão relacionados ao nível de escolaridade dos assentados, suas origens do campo ou da cidade história de vida, a maneira de encarar o mundo e o papel que nele desempenha, bem como, valores, crenças coletivas, e expressões artísticas. Assim, é importante observar que a estrutura produtiva e as relações de produção no campo serão determinadas pela sociedade e geradas a partir do Modelo implantado. Portanto a implantação do Modelo exige a condução de um estudo junto aos assentados, o qual aborde as variáveis relevantes que permita um conhecimento profundo dos assentados e respectivas famílias, sob o ponto de vista sócio-cultural Fatores Ambientais A utilização intensiva da terra pelo homem, sem uma preocupação quanto à adubação correta, recuperação do solo e rotação do cultivo, acarretou o atual estágio de degradação, além da destruição da mata ciliar e do assoreamento dos rios. Tal utilização deve ser uma preocupação constante dos assentados, uma vez que dispõem de um pequeno pedaço de terra para sua produção. Outro recurso indispensável, e que por isso deve ser tratado com a mesma responsabilidade, é a água. A disponibilidade deste recurso na superfície ou no subsolo é essencial para o assentamento. Por conseguinte a utilização da água captação, tratamento, esgotamento além dos agrotóxicos usados na lavoura os quais, com a chuva, correm para os rios, deve ser motivo de um controle rigoroso pelos órgãos ambientais. Atualmente, o fator ambiental tem ganhado muita importância nas organizações, caracterizado por uma legislação ambiental cada vez mais rigorosa e pela adoção do conceito de responsabilidade social, o que não poderia ser diferente, posto que o homem está causando danos quase que irreparáveis ao meioambiente Fatores Tecnológicos A tecnologia envolve a soma de todos os conhecimentos acumulados a respeito de como fazer as coisas, tais como: inovações tecnológicas, novas

13 técnicas e aplicações, desenvolvimento e aperfeiçoamento de máquinas e equipamentos, biotecnologia, ferramentas gerenciais, entre outras. Sem dúvida, a tecnologia é o fator de maior relevância para as empresas agropecuárias que buscam altos índices de produtividade e utilizam-se desse fator para bater seus recordes de produção a cada ano. Os fatores tecnológicos determinam a competitividade no campo, uma vez que estão associadas à preservação, renovação, escala e melhoria das vantagens competitivas dinâmicas. Dessa forma, a capacidade tecnológica, ou seja, a vantagem competitiva obtida através do uso de tecnologia, está relacionada a vantagens de custos que são reflexos da produtividade dos fatores de produção, capital humano, dentre outras variáveis. Entretanto, essa tecnologia está mais presente nas empresas agropecuárias, ou seja, nas grandes propriedades rurais altamente tecnificadas. Segundo NEVES (2000), isto não significa, contudo, que a pequena produção não possa ser competitiva. Em primeiro lugar, podemse selecionar, para propriedades de menor porte, atividades mais compatíveis à pequena escala, tais como: frutas, olerícolas e atividades de turismo rural. Buscam-se a diversificação das fontes de renda e a produção de parte da subsistência. Em segundo lugar, há de se promover um processo de cooperação estratégica entre pequenas propriedades, de forma a se reduzirem custos ligados às atividades de marketing, finanças e controle da produção Fatores Organizacionais As organizações estão inseridas em um ambiente dinâmico, ou seja, elas mudam e evoluem com seus ambientes. Compõe o ambiente organizacional do assentamento, os clientes, fornecedores, concorrentes, instituições públicas e privadas, o próprio assentado, além de todos os outros fatores condicionantes acima apontados. Enquanto, o assentamento, deve ter ferramentas que permitam um planejamento, organização, como ato de organizar-se, controle e tomada de decisão. Entretanto a organização, por si só, não pode garantir o sucesso do assentamento; há a necessidade conjunta de todos os fatores. Cabe à organização a gestão desses fatores para permitir a sobrevivência do assentamento. Por exemplo, arranjos organizacionais que salientam o coletivo são mais indicados para pequenas propriedades e, portanto, para assentados. 6.2 Descrição do Modelo Diante da abrangência e diversificação dos estudos necessários, dividiu-se o Modelo em módulos para que se possa otimizar a distribuição dos recursos existentes (principalmente, os recursos humanos e financeiros), melhor gerir e controlar o andamento das tarefas realizadas e gerar resultados parciais e corrigir possíveis desvios e/ou erros no projeto. Assim, os módulos foram divididos em "Valores Fundamentais do Desenvolvimento Coletivo Sustentável", "Estudo de Mercado", "Caracterização da Infra-estrutura Sócio-econômica Local",

14 "Caracterização da Infra-estrutura Sócio-econômica Regional" e "Macroestratégias" que inclui os módulos Infra-estrutura Social, Plano de Produção Agrícola, Plano de Produção Não-Agrícola, Projetos Estruturais de Produção, Gestão Ambiental, Avaliação Técnicoeconômica - Simulação e Sistema de Gestão. A organização do Modelo é apresentada na figura 1. VALORES FUNDAMENTAIS DO DESENVOLVIMENTO COLETIVO SUSTENTÁVEL CARACTERIZAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA SÓCIO- ECONÔMICA REGIONAL ESTUDO DE MERCADO CARACTERIZAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA SÓCIO- ECONÔMICA LOCAL MACROESTRATÉGIAS INFRA- ESTRUTURA SOCIAL PLANO DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA PLANO DE PRODUÇÃO NÃO- AGRÍCOLA PROJETOS ESTRUTU- RANTES DE PRODUÇÃO GESTÃO AMBIEN- TAL AVALIAÇÃO TECNICO- ECONÔMICA SISTEMA DE GESTÃO Figura 1 - Estrutura do Modelo de Planejamento estratégico da Agricultura Familiar Coletiva. O módulo "Valores Fundamentais do Desenvolvimento Coletivo Sustentável" trabalha a questão de valores de grupo, visão de futuro/aspirações e objetivos dos assentados por meio das lideranças de cada movimento social. Esta etapa é fundamental para o desenvolvimento de um planejamento estratégico que, além de participativo, deve ser desenvolvido com as lideranças dos movimentos e respaldado pelos assentados. O módulo Estudos de Mercado propõe-se a identificar oportunidades mercadológicas para produtos agrícolas e agroindustriais, os quais devem ser previamente selecionados por especialistas que componham uma lista de produtos preferenciais para a pesquisa, mas não se limitando somente à lista. Deve ser obtido através de analise de dados secundários e primários, derivados dos principais centros de comercialização em nível local, regional e nacional. Já o módulo Caracterização da Infra-Estrutura Sócio-econômica Regional procura conhecer as características sociais, econômicas e de infra-estrutura dos municípios vizinhos do assentamento visando a melhor inseri-lo na região e verificar potencialidades, oportunidades e ameaças, baseadas nas condições existentes na micro-região ao redor do assentamento. Estas informações serão

15 levantadas a partir da análise de dados secundários (IBGE, Prefeituras, Governos Estaduais, e outros). O módulo Caracterização Sócioeconômica Local busca conhecer características sócio-econômicas de cada um dos movimentos sociais inseridos no assentamento. Este módulo revela a realidade dos assentados, na qual freqüentemente são identificados problemas financeiros devido a não existência de gestão no seu negócio, níveis de escolaridade e saúde precários, entre outros. As características sócioeconômicas devem ser obtidas nas entrevistas junto aos assentados. O módulo Infra-estrutura Social busca identificar os elementos mínimos para a sobrevivência de pessoas que vivem em sociedade, tais como, habitação, água e esgotamento sanitário, energia elétrica, educação, saúde, sistema viário, segurança publica, lazer, cultura e esporte. Resultará na elaboração de projetos desenvolvidos de forma participativa. O Plano de Produção é o módulo que tem como objetivo levantar as opções estratégicas de produção do assentamento, e auxiliar na definição dos produtos, qual a tecnologia de produção a ser utilizada, o manejo e correção do solo, a tecnologia de produção e mudas, os insumos necessários, a rotação de culturas, e o manejo dessas culturas. É elaborado a partir de pesquisas exploratórias qualitativa (entrevistas, workshops) e quantitativa (questionários). O Plano de Produção Não- Agrícola trabalha as potencialidades dos assentados em relação ao turismo, principalmente o eco-turismo, que é um recurso não aproveitado ou pouco explorado. Este tipo de produção tem ganhado espaço progressivo e positivo na receitas das propriedades rurais, segundo o INCRA. Não obstante, a sustentabilidade ambiental que será obtida por meio da educação ambiental o que é fundamental para a exploração do turismo. No módulo Projetos Estruturantes de Produção procede-se à análise e elaboração de projetos estratégicos de produção adequados para o desenvolvimento do Assentamento, tendo como resultado a criação de uma carteira de projetos estruturantes dos sistemas produtivos coletivos. Este módulo refere-se, basicamente, à elaboração de projetos de agregação de valor ao sistema produtivo, por exemplo, a irrigação coletiva e agroindustrialização. Devem ser elaborados com base nos estudos de mercado, valores e caracterização da infra-estrutura sócio-econômica regional, de forma participativa. O módulo Gestão Ambiental, coloca em evidência as questões que devem ser tratada para a melhoria da qualidade de vida dessas famílias. Deve ser elaborado a partir de reuniões dos assentados com o grupo de gestores ambientais de formação multidisciplinar, com base nos princípios da Biodiversidade, Educação Ambiental, Legislação e Licenciamento Ambiental, Recursos Florestais e Hídricos. O módulo Avaliação Técnicoeconômica objetiva mensurar a renda dos assentados para cada opção de produção indicada no projeto estruturante. Deve ser desenvolvido com o uso de simulações e diversos tipos de análises financeiras. Por fim, o módulo Sistema de Gestão deve definir a forma ou modelo pelo qual se dará a organização administrativa do Assentamento, a hierarquização, a forma jurídica, as formas de participação dos órgãos públicos, dentre outras questões relevantes. Deve contar com intensa

16 participação dos assentados para sua elaboração, estudos de casos e dados secundários, sobretudo, pesquisa bibliográfica. 7. CONCLUSÃO O modelo apresentado evidencia alguns elementos essenciais à sustentabilidade da agricultura familiar coletiva, sem negligenciar as questões sócio-culturais. O modelo é claramente orientado para o mercado, entendendose que a compreensão deste é fator fundamental para a viabilidade da agricultura familiar coletiva, bem como dos assentamentos no Brasil. Os fatores sócio-culturais, tanto da região de implantação do empreendimento, como dos agricultores familiares e assentados, contribuem também para a definição do plano de produção e da inserção deste no mercado. A infra-estrutura necessária, tanto ao sistema produtivo, como a uma condição de vida de melhor qualidade para as famílias, também é considerada. Além disso, a implantação da agricultura familiar coletiva e assentamentos depende do atendimento de outros condicionantes fatores macroeconômicos, ambientais, tecnológicos e organizacionais, os quais são devidamente considerados pelo modelo. 8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABRAMOVAY, R. Paradigmas do capitalismo agrário em questão. Unicamp/HUCITEC: Campinas, [Estudos Rurais, 12]. BAIARDI, A. Formas de Agricultura Familiar, à luz dos Imperativos de Desenvolvimento Sustentável e Inserção no Mercado Internacional. In: XXXVII Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural. Foz do Iguaçu, BINSWANGER, H. P.; DEININGER, K.; FEDER, G. Poder, distorções, revolta e reforma nas relações de terras agrícolas. In: TEÓFILO, E. (Org.) et all. A economia da reforma agrária: evidências internacionais. Brasília: Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural: Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável: Ministério do Desenvolvimento Agrário CAMPEÃO, P. Sistemas Locais de Produção Agroindustrial: um modelo para a competitividade (Doutorado em Engenharia de Produção). Universidade Federal de São Carlos. São Carlos. CAMPEÃO, P.; SPROESSER, R. L. Competitividade e desenvolvimento regional: Conceitos e definições. Desafio. Revista de Economia e Administração, Campo Grande, MS, n.2, p.62-70, jul./dez COMPARATO, Bruno Konder. A ação política do MST. São Paulo Perspec., out./dez. 2001, vol.15, no.4, p HADDAD, P. R. A competitividade do agronegócio: estudo de cluster. In: CALDAS, R. de A. (Ed.). Agronegócio brasileiro: Ciência, tecnologia e competitividade. Brasília, CNPq, 1998.

17 HEREDIA, Beatriz; MEDEIROS, Leonilde; PALMEIRA, Moacir; LEITE, Sérgio; CINTRÃO, Rosângela (Coords.) (2001). Os impactos regionais da reforma agrária: um estudo sobre áreas selecionadas. Rio de Janeiro: CPDA/UFRRJ- Nuap/PPGAS/UFRJ (mimeo), 479pp. HUEBRA, M. G. Desenvolvimento Local Sustentável. Campo Grande: UFMS, f. Apostila do minicurso Cadeia Produtiva: Instrumento de Desenvolvimento Local. INCRA/SEPROD/IDATERRA. Assentamento Itamarati: uma proposta de gestão participativa, ecológica, social e econômica. Campo Grande, (Plano indicativo). MATTAR. F. N. Pesquisa de Marketing. São Paulo: Atlas, v.1. MCT/CNPq. Iniciativa em C&T para o fortalecimento da inserção econômica da agricultura familiar. Novos conhecimentos e novas capacidades para inserção econômica da agricultura familiar. MCT/CNPq, 2001 MEDEIROS, J. X. Inserção de políticas públicas no processo de desenvolvimento regional e do agronegócio. In: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INSTITUIÇÕES DE PESQUISA TECNOLÓGICA (ABIPT). Agropolo: uma proposta metodológica. Brasília: ABIPTI, SEBRAE, CNPq, IEL, EMBRAPA, MENDONÇA, Lucia Enout et alli. Actions du SEBRAE auprés des petites entreprises agroalimentaires. In Lopez, Elisabeth; Muchnik, José. Petites entreprises et grands enjeux: le developpement agroalimentaire local. Paris: L Harmattan, 1997 NEVES, M. F. Alimentos: novos tempos e conceitos na gestão de negócios. São Paulo: Pioneira, PAULILLO, L. F. Sobre o desenvolvimento da agricultura brasileira: concepções clássicas e recentes. In: BATALHA, M. O. (Coord). Gestão agroindustrial. São Paulo: Atlas, v.1 REYDON, B. e PLATA, L. (1998) Políticas de Mercados de Tierras em Brasil In: perspectivas sobre mercados de tierras rurales em América Lativa. Informe técnico, Washongton: Banco Interamericano de Desarrollo. SELLTIZ, C. et al.. Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo:EPU, SILVESTRO, M. L.; NADAL, R. de; MELLO, M. A. de; DORIGON, C. Agricultura familiar e desenvolvimento sustentável: o caso do oeste catarinense. Disponível na internet em /publ/sober2000/sober2000.html [acesso em 22 dez. 2002, às 17h14min]. ROCHA, A.G.P., CERQUEIRA, P.S. Agricultura Familiar e Políticas Públicas: o Caso do Pronaf. 27 o. Encontro da ANPAD, Atibaia, Anais...São Paulo: ANPAD, CD.

18 TEÓFILO, E.; MENDONÇA, E. C. A economia da reforma agrária: Evidências internacionais (notas introdutórias). In: TEÓFILO, Edson (org.) et al. A economia da reforma agrária: evidências internacionais. Brasília: Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural: Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável: Ministério do Desenvolvimento Agrário VEIGA, J. E. da. O desenvolvimento agrícola: uma visão histórica. São Paulo: USP/HUCITEC, [Estudos Rurais, 11] WILKINSON, J. Agroindústria e perspectivas para a produção familiar no Brasil. Políticas Agrícolas, México, v. 2, n. 1, p , 1996.

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável por Cláudia Cristina 1 O NOVO CONTEXTO GLOBAL E O DESAFIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL As profundas transformações econômicas, sociais e políticas

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS Área: ADMINISTRAÇÃO José Lindomir Pezenti EMATER, Cascavel-PR, pezenti@yahoo.com.br Geysler Rogis Flor Bertolini UNIOESTE, Cascavel-PR,

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

O INCRA E O ASSENTAMENTO

O INCRA E O ASSENTAMENTO O INCRA E O ASSENTAMENTO É um conjunto de medidas que visa promover a melhor distribuição da terra, mediante modificação no regime de sua posse e uso, a fim de atender aos princípios da justiça social

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

Palavras-chave: Compra direta. Agricultura Familiar. Modelo de checagem

Palavras-chave: Compra direta. Agricultura Familiar. Modelo de checagem Avaliação de desempenho de processos de Compra Direta da Agricultura familiar: proposta metodológica baseada em modelo de checagem Magalhães A. M. Cruz, G. V. O mercado institucional pode ser um excelente

Leia mais

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Seminário A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável e Mário Augusto Ribas do Nascimento Presidente da EMATER/RS Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência

Leia mais

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil.

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. GIRÃO, Enio G. Eng. Agrônomo, Embrapa Agroindústria Tropical, Fortaleza CE, enio@cnpat.embrapa.br; OLIVEIRA, Francyálisson

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Ernesto Pereira Galindo* Sandro Pereira Silva**

1 INTRODUÇÃO. Ernesto Pereira Galindo* Sandro Pereira Silva** DISPERSÃO REGIONAL DE EMPREENDIMENTOS COLETIVOS DA AGRICULTURA FAMILIAR A PARTIR DE REGISTROS ADMINISTRATIVOS DO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR (PRONAF) Ernesto Pereira Galindo*

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Disciplina a profissão de Agroecólogo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º É requisito mínimo para o exercício da função profissional de Agroecólogo a comprovação

Leia mais

PRONAF SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA UNIDADE FAMILIAR

PRONAF SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA UNIDADE FAMILIAR PRONAF SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA UNIDADE FAMILIAR ANTECEDENTES DO PRONAF SUSTENTÁVEL RESGATANDO OS OBJETIVOS DO PRONAF... Estimular o incremento ordenado dos investimentos rurais,

Leia mais

EIXOS ESTRATÉGICOS E PROGRAMAS/PROJETOS MEIO AMBIENTE

EIXOS ESTRATÉGICOS E PROGRAMAS/PROJETOS MEIO AMBIENTE EIXOS ESTRATÉGICOS E PROGRAMAS/PROJETOS MEIO AMBIENTE 1. FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL Fortalecer os órgãos de controle ambiental; Articular os instrumentos de incentivos, fomento com os

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

LEASING. Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras).

LEASING. Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras). LEASING Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras). Leasing financeiro mais comum, funciona como um financiamento.

Leia mais

LEGISLAÇÃO DO CRÉDITO RURAL

LEGISLAÇÃO DO CRÉDITO RURAL *PRONAF* Legislação LEGISLAÇÃO DO CRÉDITO RURAL Art. 187. A política agrícola será planejada e executada na forma da lei, com a participação efetiva do setor de produção, envolvendo produtores e trabalhadores

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2013

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2013 ANEXO 3 TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2013 CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA PARA REALIZAR ESTUDO SOBRE ACESSO DAS MULHERES A POLÍTICAS DE CRÉDITO - PRONAF E PRONAF MULHER Projeto UTF/BRA/083/UTF

Leia mais

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS O Projeto BRA/06/032 comunica aos interessados que estará procedendo à contratação de consultoria individual, na modalidade produto, para prestar

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL O presente documento tem por objetivo

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais A Importância do Entendimento na elaboração das diretrizes Estratégicas do Negócio Autores Frederico Fonseca Lopes (fflopes@markestrat.org):

Leia mais

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente O QUE É O FCO? O Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) foi criado pela Lei n.º 7.827, de 27.09.1989, que regulamentou o art. 159, inciso I, alínea c, da Constituição Federal, com

Leia mais

I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO. Disciplina: Administração em Agronegócios

I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO. Disciplina: Administração em Agronegócios I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO Disciplina: Administração em Agronegócios A evolução do setor agrícola brasileiro. Os ciclos da agricultura brasileiro. A modernização da agricultura. O crescimento

Leia mais

La Experiencia del PRONAF Eco Dendê en Brasil

La Experiencia del PRONAF Eco Dendê en Brasil La Experiencia del PRONAF Eco Dendê en Brasil Taller sobre el Acceso a Créditos para la Agricultura Familiar en América Latina - Cadena Productiva de Palma Bogotá Colombia Junio 2015 O MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER

Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER Termo de Referência para Redes de Organizações de Ater da Sociedade

Leia mais

Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas

Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas Larissa Bueno Ambrosini Carlos Alberto Oliveira de Oliveira Pesquisadores Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária Porto Alegre, 21 de novembro de 2012. O debate

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO

PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PROMOVENDO A SUCESSÃO E O COMBATE A POBREZA NO CAMPO PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO 3 O QUE É CRÉDITO FUNDIÁRIO O Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF)

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1.

AGRICULTURA FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1. AGRICULTURA FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1. Paulo Alberto Vilas Boas Teodoro 2 Rosana Katia Nazzari Geysler Rogis Flor Bertolini Juliane Miyazaki Juliana Gaffuri Rosana

Leia mais

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP É o instrumento que identifica os agricultores familiares e/ou suas formas associativas organizadas em pessoas jurídicas, aptos a realizarem operações de crédito rural

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

Revista Perspectiva em em Educação, Gestão, Educação Gestão & & Tecnologia, v.3, v.1, n.5, n.1, janeiro-junho/2014

Revista Perspectiva em em Educação, Gestão, Educação Gestão & & Tecnologia, v.3, v.1, n.5, n.1, janeiro-junho/2014 Revista Perspectiva em em Educação, Gestão, Educação Gestão & & Tecnologia, v.3, v.1, n.5, n.1, janeiro-junho/2014 janeiro-junho/2012 GESTÃO RURAL: UMA ANÁLISE DA IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO E PLANEJAMENTO

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

Projeto. Das Roças e Florestas dos Povos e Comunidades Tradicionais e da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar

Projeto. Das Roças e Florestas dos Povos e Comunidades Tradicionais e da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar Projeto Das Roças e Florestas dos Povos e Comunidades Tradicionais e da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar Nutritivo para alimentação escolar Nutrição como Sustento e Sustentabilidade Nutrimento

Leia mais

PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO

PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO São Paulo, 12 de março de 2015. No consenso de nossas concepções, dos movimentos sociais do campo e das florestas, inclusive pactuadas no Encontro

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

O crédito rural do Pronaf e os recentes instrumentos de política agrícola para a agricultura familiar

O crédito rural do Pronaf e os recentes instrumentos de política agrícola para a agricultura familiar O crédito rural do Pronaf e os recentes instrumentos de política agrícola para a agricultura familiar Sidemar Presotto Nunes No início dos anos 90, que precedeu a criação do Pronaf, a agricultura brasileira

Leia mais

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014 Leite relatório de inteligência Abril 2014 A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades A rotina em uma propriedade leiteira exige acompanhamento e atenção em todos os

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM Programa de Educação Tutorial PET 2006 MEC/SESu/DEPEM ANEXO I Proposta

Leia mais

INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA INTRODUÇÃO 1. COMPLEXO AGROINDUSTRIAL CAI 2. AGROINDÚSTRIA

INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA INTRODUÇÃO 1. COMPLEXO AGROINDUSTRIAL CAI 2. AGROINDÚSTRIA INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA ÁREA INDUSTRIAL MAIO/2009 Nº 11 INTRODUÇÃO Neste informe são apresentados alguns dados sobre os desembolsos do BNDES para a agroindústria no ano de 2008. 1. COMPLEXO

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Setembro de 2012 A política agrícola anunciada para a agricultura empresarial se caracterizou por assegurar o necessário apoio ao produtor rural.

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão ISSN 1678-9644 Dezembro, 2004 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Arroz e Feijão Ministério

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO 015/2013. Declaração de trabalho, serviços e especificações

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO 015/2013. Declaração de trabalho, serviços e especificações 1 ANEXO 3 TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO 015/2013 Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Pepe Vargas Ministro de Estado do Desenvolvimento Agrário Fonte: IBGE Censo Agropecuário 2006 Os agricultores

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR: 02/2015 DATA: 01/02/2015 COMPONENTE: SUBCOMPONENTE:

Leia mais

Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar

Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar Sonia Maria Pessoa Pereira Bergamasco Feagri/UNICAMP Fórum: Combate à Pobreza e Segurança Alimentar

Leia mais

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG Marcelo Oliveira Santos; Laércio Antônio Gonçalves Jacovine;

Leia mais

PRONAF. Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf.

PRONAF. Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf. PRONAF Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf. A diversidade da Agricultura familiar B: 0.4 C: 0.7 D: 0.4 E: 0.1 Cobertura

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais

1.1 - Incluir a caracterização do inciso IX se e for oriunda da agricultura familiar deverá, visando corrigir distorções.

1.1 - Incluir a caracterização do inciso IX se e for oriunda da agricultura familiar deverá, visando corrigir distorções. Assunto: Sugestões da Petrobras Biocombustível para alteração da minuta da Portaria do Selo Combustível Social, fornecida pelo MDA em reunião com representantes das empresas produtoras de Biodiesel e disponibilizada

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO

PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO Discurso pronunciado pelo Deputado Gonzaga Patriota (PSB/PE), na Sessão de 23/05/2006. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO Acompanhando os grandes

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO Introdução O modelo de desenvolvimento rural nos últimos tempos, baseado na modernização agrícola conservou muitas das características históricas

Leia mais

Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015

Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015 Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015 Histórico de contratação de financiamentos, no âmbito do PRONAF, para apicultura. Ano Agrícola Contratos Valor 2002/2003 152 811.931 2003/2004 1.088 4.758.640

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Sustentável da Unidade Familiar. 9 de agosto de 2011

Plano de Desenvolvimento Sustentável da Unidade Familiar. 9 de agosto de 2011 Plano de Desenvolvimento Sustentável da Unidade Familiar 9 de agosto de 2011 Agricultura familiar é a forma de produção em que predominam: interação entre gestão, trabalho e direção do processo produtivo;

Leia mais

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa PMS-MT Cartilha Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes Fortalecimento da gestão ambiental municipal Contexto e benefícios Tarefas Regularização ambiental e fundiária

Leia mais

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO)

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) Curso de MBA Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) 1 2 SUMÁRIO 4. FORMATO. 5. CONCEPÇÃO. 7. OBJETIVO. 7. PÚBLICO ALVO. 8. DIFERENCIAIS INOVADORES

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

Abordagens metodológicas para o planejamento da melhoria da produção e renda de comunidades de agricultores familiares

Abordagens metodológicas para o planejamento da melhoria da produção e renda de comunidades de agricultores familiares Abordagens metodológicas para o planejamento da melhoria da produção e renda de comunidades de agricultores familiares Zeke Beze Júnior Aluno do Mestrado do Centro de Desenvolvimento Sustentável-CDS Universidade

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 Pilares do PSPA CRÉDITO PROMOÇÃO PROMOÇÃO DO DO CONSUMO PESQUEIRO PSPA INFRAESTRUTURA ASSISTÊNCIA TÉCNICA COMERCIALI

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente

Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente Letícia Rangel Tura 1 e Luciano Mattos 2 Na Amazônia, desde o final dos anos 90, vêm-se discutindo formas de introduzir, em programas

Leia mais

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2014/2015

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2014/2015 PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2014/2015 LINHA PÚBLICO MODALIDADE FINALIDADE CRÉDITO/TETO JUROS Pronaf Custeio MCR 10-4 familiares com renda bruta anual até R$ 360 mil. (exceto Grupo

Leia mais

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL.

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL. Material Didático Disciplina: Comercialização Agroindustrial # Vendas Prof. responsável: José Matheus Yalenti Perosa Vendas Objeto Produtos Necessidade dos consumidores Atividade humana ou processo social,

Leia mais

AVISO DE SELEÇÃO SIMPLIFICADA 2 /2010

AVISO DE SELEÇÃO SIMPLIFICADA 2 /2010 O Fórum Nacional das Atividades de Base Florestal divulga processo seletivo simplificado para contratação de 06 consultores pelo prazo de vigência do objeto, com permissibilidade de renovação dos contratos

Leia mais

Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS

Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS oportunidades de negócio para a Agricultura Familiar Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS CAMPO GRANDE - AGOSTO/2014 SEBRAE/MS Conselho Deliberativo Associação das Microempresas

Leia mais

Projeto Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para a Redução da Pobreza no Brasil

Projeto Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para a Redução da Pobreza no Brasil CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ELABORAÇÃO, E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA O PROJETO AGRICULTURA DE BAIXO CARBONO E DESMATAMENTO EVITADO PARA A REDUÇÃO DE POBREZA NO BRASIL. País - Brasil Projeto

Leia mais

Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável

Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável Sumário Agricultura familiar no Brasil Importância e aspectos positivos da palma de óleo Programa Palma de Óleo e sinergia com o

Leia mais

CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS.

CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS. CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS. A Experiência dos Agrupamentos Vitícolas de Petrolina (Brasil) e Tierra Amarilla (Chile). Estrutura do Trabalho: 1.

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL. Semana de Bioenergia Global Bioenergy Partnership - GBEP Brasília-DF Embrapa março de 2013

PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL. Semana de Bioenergia Global Bioenergy Partnership - GBEP Brasília-DF Embrapa março de 2013 PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL Semana de Bioenergia Global Bioenergy Partnership - GBEP Brasília-DF Embrapa março de 2013 INSTRUMENTOS LEGAIS INSTRUMENTOS LEGAIS 1) Lei nº 11.326/2006 Estabelece

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais