Dia do Médico Cremesc homenageia profissionais com entrega do Diploma do Mérito Médico Pág. 4

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dia do Médico Cremesc homenageia profissionais com entrega do Diploma do Mérito Médico Pág. 4"

Transcrição

1 CREMESC - AV. RIO BRANCO, ANDAR - CEP: FLORIANÓPOLIS - SC Dia do Médico Cremesc homenageia profissionais com entrega do Diploma do Mérito Médico Pág. 4 Cremesc O papel do CRM no contexto das entidades médicas: o CRM é contra ou a favor do médico? Pág. 2 Fórum de Ética Médica 2011 Ajude a escolher os temas que farão parte da programação Pág. 8

2 Expediente Conselho Regional de Medicina do Estado de Santa Catarina Av. Rio Branco, 533 Conj. 201/202 CEP Florianópolis SC Tel Diretoria Presidente: José Francisco Bernardes Vice-presidente: Ricardo Polli Primeiro Secretário: Vicente Pacheco Oliveira Segundo Secretário: Armando Jose D acampora Tesoureiro:Tanaro Pereira Bez Corregedor: Rachel Duarte Moritz Corregedor Adjunto: Wilmar de Athayde Gerent Corpo de Conselheiros Alzira Ungaretti Haberbeck, Anastácio Kotzias Neto, Antônio Silveria Sbissa, Armando José d Acampora, Áurea Gomes Nogueira, Diogo Nei Ribeiro, Dorival Antonio Vitorello, Élcio Luiz Bonamigo, Eliane Vieira de Araújo, Ernesto Reggio, Eulina T. Shinzato Rodrigues Cunha, Fábio Firmino Lopes, Itairan da Silva Terres, João Pedro Carreirão Neto, José Francisco Bernardes, José Eduardo Coutinho Góes, Juliano Pereima de Oliveira Pinto, Mário César Pereira da Silva, Marta Rinaldi Muller, Nelson Grisard, Newton José Martins Mota, Nivio Pascoal Teixeira, Odi José Oleiniscki, Osvaldo João Pereira Filho, Paulo César de Oliveira, Paulo Norberto Discher de Sá, Rachel Duarte Moritz, Ricardo Polli, Roberto Luiz d Ávila, RomiltonCrozetta da Cunha, Ronald Caputo Júnior, Rodrigo Jorge da Luz Bertoncini, Saint Clair Vieira de Oliveira, Sérgio Malburg Filho, Sheila Koettker Silveira, Tanaro Pereira Bez, Tiago Antonio Brehm Padilha, Vicente Pacheco Oliveira, Wilmar de Athayde Gerent, Ylmar Corrêa Neto, Zulmar Vieira Coutinho Delegados Regionais Araranguá: Sandra Aparecida Manenti Blumenau: Jacy Bruns Canoinhas: Vagner Marcolin Trautwein Chapecó: Raja Elias Concórdia: Vera Lucia Telles Correa Criciúma: Rômulo Cezar Pizzolatti Curitibanos: Albari Goetten de Moraes Itajaí: Delmo Dumke Joaçaba: Athos Flavio Santiago Neves Joinville: Elisabeth Grubba Richter Lages: Silvio Luis Frandoloso Mafra: Jacy Gomes Porto União: Ayrton Rodrigues Martins Rio do Sul: Ademir Claudino dos Santos São Miguel do Oeste: Celina Augusta Zanin Poletto Tubarão: Flávio Geraldo Vieira Xanxerê: Cristiane Ortiz Gerente Executiva Rosane Mara Laguna Boletim CREMESC Médico Editor: Rodrigo Jorge da Luz Bertoncini Projeto gráfico e Edição Dimensão Comunicação e Marketing Ltda Textos: Débora de Medeiros Linhares Editoração Eletrônica: André Dias Revisão: Andréia Scarpa Jornalista Responsável: Débora de Medeiros Linhares MTB SC 0645-JP Tiragem 12 mil exemplares Impressão Gráfica Coan Editorial O papel do CRM no contexto das entidades médicas: o CRM é contra ou a favor do médico? A resposta ao questionamento acima colocado demanda duas considerações. O CRM não é, não foi nem será contra o médico. Mas o CRM também não é especificamente uma entidade de defesa do médico, a exemplo de seus parceiros Sindicato Médico e Associação Médica. A necessidade de explanar o posicionamento do CRM no contexto das entidades médicas deve-se a equívocos que persistem acerca da nossa José Francisco Bernardes atuação, por parte de alguns colegas Presidente do CREMESC médicos, pessoas e entidades da nossa sociedade. Percebemos tal fato pelas demandas e correspondências que chegam ao Conselho. O Conselho tem sua atuação baseado em um tripé de atribuições, estabelecidas pela lei 3268/57, quais sejam: normatizar a atuação de médicos e pessoas jurídicas que se destinam a prestação do atendimento médico, fiscalizar o cumprimento das normas éticas contidas no código de ética médica e suas resoluções e finalmente apreciar e julgar as denúncias que ocorram contra os médicos e pessoas jurídicas, representadas por seu diretor técnico. Soma-se a estas atuações legais e obrigatórias o crescente trabalho de atuação política, junto às autoridades, gestores, políticos, entidades correlatas, etc..., sempre no sentido de garantir a melhor atenção médica possível a nossa população. O que nos diferencia das nossas entidades co-irmãs, com fins associativos ou sindicais, é a compulsoriedade da inscrição no Conselho e o conseqüente pagamento da anuidade. Diferentemente do Sindicato Médico e Associação Médica o médico se inscreve no Conselho para que possa legalmente exercer a profissão. Porém há que ser lembrado que a existência de um conselho profissional fiscalizador, composto por seus pares é a oportunidade que a sociedade dá ao médico de ser julgado por um tribunal com forte conhecimento técnico. Em vários países do mundo o poder judiciário, portanto leigo, é quem aprecia e julga as denúncias contra médicos. Geralmente são países em que o seguro por má prática é muito difundido pela freqüência com que os médicos são condenados a pagar vultosas quantias. A possibilidade de ser julgado com base técnica, além de ética, proporciona em muitos casos que o médico injustamente acusado tenha sua honradez confirmada e a confiança em seu trabalho restabelecida. Evidentemente, nos casos em que restar provada a culpa será aplicada a pena devida, visando mais a reeducação do que a punição. Nos casos mais graves há punições mais severas, podendo chegar à suspensão definitiva do registro profissional. Por se constituir em órgão oficial, do tipo autarquia federal especial, há por vezes uma percepção errônea de alguns colegas e parte da sociedade das competências na atuação dos CRM. Podemos citar alguns exemplos recentes. Um colega radicado em Santa Catarina solicitou uma ação pró-ativa do CRM contra as recentes declarações do presidente da república insinuando a participação fraudulenta de um médico de São Paulo em episódio de campanha eleitoral. Evidentemente um fato ocorrido em São Paulo envolvendo um médico com registro no CRM de São Paulo foge à competência do nosso regional. Solidário na indignação do colega, e por tratar-se de autoridade federal envolvida em sua queixa, este foi aconselhado a redirecioná-la ao Conselho Federal de Medicina.

3 Delegacias Regionais Outro médico queixou-se, de maneira justa, atendendo inclusive o que demanda do Código de Ética Médica, que teve seus pedidos de afastamento do emprego público para realizar congresso de atualização negado, sem declinar se o causador de tal obstrução ao seu objetivo em atualizar-se era um médico. Não sendo médico, nada poderá ser feito de concreto pelo CRM em favor do colega. O CRM possui ingerência apenas sobre a atuação de médicos. Colegas diretores médicos e chefes de serviço reclamam quanto à negativa de prefeitos, secretários de saúde ou outros gestores em remunerar a disponibilidade em sobreaviso, modalidade de plantão à distância regulamentada pela resolução CFM 1834/09. Evidentemente o CRM compartilha de tal preocupação, porém nosso papel neste caso foi o de regulamentar a não obrigatoriedade em participar do sobreaviso e estabelecer que deva ser remunerado. Mais o CRM não dispõe de ferramentas administrativas para obrigar a gestores a fazer tal pagamento. Portanto deve ficar claro que o CRM nunca se furta a prestar serviço ao médico, desde que o pedido ocorra dentro da esfera de competência legal do mesmo. Solicitações como as demonstradas acima não são atendidas, ainda que justas, por absoluta falta de competência do CRM em atendê-las. Constitui-se em trabalho constante e consistente das ultimas diretorias desmistificar a atuação do CRM como inimigo do médico. O fato do CRM agir por delegação da sociedade não exclui como já comentado a possibilidade de prestar reconhecimento e auxílio ao médico, que atua de forma correta. Fazemos isto através principalmente através do nosso programa de educação ético-profissional continuada com pelo menos cinco eventos no ano, em vários pontos do estado, emissão de 12 exemplares da Revista e Boletim do CREMESC, divulgação eletrônica de assuntos relevantes a todos os médicos do estado e disponibilizando um número 0800 para dúvidas imediatas. No último dia 22 de outubro realizamos a homenagem aos médicos da região de Florianópolis que completaram 40 anos de exercício da medicina de forma ética. Os colegas que receberam tal honraria fizeram questão de demonstrar seu orgulho em recebê-la. O CRM é favor do bom médico, prestigiando-o auxiliando-o, proporcionando informação contínua e atualizada, ajudando-o a se manter nos limites da atuação ética da profissão. Nossas atribuições estão fixadas em lei e qualquer afastamento da regra, ainda que para atender justa reivindicação, expõe a entidade à atuação do judiciário. Nossa missão principal de proteger a sociedade é justamente o que nos leva a atuar na defesa do bom médico. Cremesc realiza Jornadas das Delegacias da região do Vale A cidade de Rio do Sul recebeu nos dias 24 e 25 de setembro, representantes da comunidade médica catarinense para a Jornada das Delegacias do CREMESC da Região do Vale. O evento contou com a presença de membros da diretoria, conselheiros, delegados e autoridades; além de médicos da jurisdição das Delegacias do CREMESC na região, que inclui as cidades de Rio do Sul, Blumenau, Curitibanos e Lages. Na noite de abertura o cons. Cons. Vicente Pacheco Oliveira apresentou o painél Estética na Medicina, enfocando aspectos históricos, legais e éticos sobre o tema. O presidente do CREMESC, Dr. José Francisco Bernardes, lembrou o propósito da Jornada, destacando a necessidade de discutir temas de interesse da comunidade médica, de modo rápido e direto. Esse evento faz parte de nosso projeto de atualização e discussão dos principais problemas éticos que afligem o nosso dia a dia, onde juntos podemos trocar informações para um correto exercício profissional. Uma homenagem aos médicos da região foi o destaque da noite. O Diploma de Mérito Médico, foi concedido a oito médicos da região que completaram 40 anos de atividade médica ilibada em Santa Catarina. São eles: Dr. Ralfino Hafemann; Dr. Orlando Hugo Praun Junior; Dr. Ermilo José Soar; Dr. Luis Renato Garcez de Oliveira Mello; Dr. Antonio Carlos Ribas Appel; Dr. Antonio Claudio Schmitt; Dr. Telmo Nunes Bastos; e Dr. Wilson Holtrup Santhiago. Uma homenagem póstuma foi prestada ao Dr. Waldomiro Colautti. O filho, Waldomiro Colautti Júnior recebeu das mãos do Delegado do Cremesc em Rio do Sul, Ademir Claudino dos Santos, o Diploma de Mérito Médico, concedido ao pai pelos relevantes serviços médicos prestados à medicina catarinense. Na manhã de sábado foram realizados três painéis: Perícia Médica, apresentado pelo Dr. José Francisco Bernardes; Consentimento Informado, com a Dra. Rachel Duarte Moritz; e Judicialização da Saúde apresentado pelo Dr. Ricardo Polli. Ao final, uma mesa redonda formada por todos os expositores, além de delegados e conselheiros do Cremesc, debateu com o público presente os assuntos apresentados, aprofundando as discussões e esclarecedo as dúvidas.

4 Evento DIA DO MÉDICO Cremesc homenageia profissionais com entrega do Diploma do Mérito Médico. No dia 22 de outubro aconteceu em Florianópolis a solenidade de entrega do Diploma de Mérito Médico concedido pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de Santa Catarina aos médicos com mais de 40 anos de atividade profissional prestadas à medicina catarinense. A solenidade fez parte das comemorações de Dia do Médico (18 de outubro) e aconteceu durante um jantar no Centro de Eventos da Associação Catarinense de Medicina (ACM), que foi inaugurado nessa ocasião. Foram 18 médicos homenageados, todos da região de Florianópolis. São eles: Roberto Moriguti, Edivan Jaeger, Alfeu Mariano de Oliveira, Maria Helena Lopes Silva, Orlei de Luca, Jauro Collaço, Bruno Rodolfo Schlemper Júnior, Hélio Vasques de Moura, Felipe Felício, Eduardo Cordeiro dos Santos Neto, Edson José Cardoso, Paulo Arlindo Philippi, João Batista Bonassis Júnior, Antonio Sérgio da Silva Grangeiro, Luiz Carlos Espíndola, Jorge Danilo Magalhães Faria, Mariuccia Grace Scott Brusa, Helga Mathias Mayer. Ex-presidente recebe homenagem A sede do Cremesc em Florianópolis recebeu, na noite do dia 12 de agosto, o Corpo de Conselheiros, diretoria e convidados, para a solenidade em homenagem ao ex-presidente da instituição ( ) Cons. Rodrigo Jorge da Luz Bertoncini. Na oportunidade o presidente do Cremesc, José Francisco Bernardes, ressaltou as iniciativas e avanços da gestão de seu antecessor, destacando principalmente a atenção dispensada ao setor de fiscalização, além da promoção de eventos e iniciativas que difundiram ainda mais a atuação da instituição junto à comunidade médica catarinense. Essa é uma justa homenagem a quem muito contribuiu para a instituição, não apenas durante a sua gestão, mas ao longo de todos os anos que tem feito parte deste Conselho, destacou Bernardes. Na oportunidade, foi feito o descerramento do quadro do Cons. Rodrigo Jorge da Luz Bertoncini na galeria de fotos dos ex-presidentes do Cremesc. 04 Cons. Rodrigo Bertoncini faz descerramento de seu retrato, acompanhado da mulher, Analuize, e dos filhos Rodrigo e Eduardo.

5 Artigo Colocar ou não C.I.D. nos atestados médicos: uma questão para além da ética médica. A colocação ou não do código da Classificação Internacional de Doenças (C.I.D). nos atestados médicos é uma questão recorrente e se desdobra em outras situações pontuais, demandando tratamento uniforme, para que se possa adotar uma conduta racional e uniforme. Embute a inesgotável problemática do segredo médico, espécie de sigilo profissional, que conduz à reflexão sobre suas dimensões. A questão se desdobra em duas vertentes básicas, a partir de duas visões: uma de natureza ética e outra de natureza jurídica. A vertente ética se destaca pela necessidade de se desenvolver valores e pelo estabelecimento de um padrão mínimo de conduta. Já a vertente jurídica, que centra seu objeto, principalmente, no fenômeno normativo, se impõe como produtora de normas que possam estabelecer padrões legais de atuação profissional do médico. Em ambas as vertentes, ética e jurídica, vamos observar uma preocupação comum: o respeito à intimidade e à vida privada do paciente/cidadão. A vertente ética extrai seus fundamentos dos postulados hipocráticos, enquanto que a jurídica se sustenta a partir dos institutos dos grandes sistemas jurídicos. A partir dessa perspectiva histórica trazida à atualidade, passa a ser necessário adentrarmos pelos domínios do sigilo, condição primordial para o exercício da medicina. JOSÉ AFONSO DA SILVA, examinando a questão, sustenta que o segredo profissional obriga a quem exerce uma profissão regulamentada, em razão da qual há de tomar conhecimento do segredo de outra pessoa a guardá-lo com fidelidade. O titular do segredo é protegido, no caso, pelo direito à intimidade, pois o profissional, médico, advogado e também o padre-confessor (por outros fundamentos) não podem liberar o segredo, devassando a esfera íntima, de que teve conhecimento, sob pena de violar aquele direito e incidir em sanções civis e penais. Da Constituição Federal, em seu Artigo 5º, Inciso X, extrai-se a proteção pétrea à intimidade, à vida privada, à honra e à imagem das pes- soas. Centremos nossa análise nas espécies constitucionais intimidade e na vida privada. Intimidade tem o significado de oculto, interior, íntimo, traduzindo a idéia de segredo, de confiança, conduzindo intuitivamente a um sentido subjetivo de confidencialidade. Já a significação de privacidade é bem mais ampla. Possui o significado de privado, próprio, particular, e abrange tudo o que o indivíduo não quer que seja posto ao conhecimento público. Assim, o conceito de privacidade é bem mais abrangente que o de intimidade, podendo-se afirmar que o primeiro contém o segundo, em que pese não poderem ser confundidos. O exercício da medicina, a prática do ato médico, envolve necessariamente a convivência com a intimidade e a privacidade dos pacientes. Essa constatação faz com que, tanto sob o ponto de vista ético quanto jurídico, haja a necessidade da criação de soluções, de fórmulas normativas para a proteção desses direitos contra a sua violação. O Código Penal Brasileiro, em seu Art. 154, pune a divulgação do segredo profissional sem motivo justo que a autorize. O Código de Ética Médica de 2009, assim como os que o antecederam, dedica um capítulo inteiramente a tratar a questão Arts. 73 a 79, estabelecendo o dever supremo da guarda de todas as informações que em razão do exercício da medicina, o médico tiver obtido. É sempre oportuno destacar que o segredo médico não é absoluto, cedendo às três motivações básicas: dever legal, justa causa ou autorização expressa do paciente. O dever legal decorre de uma obrigação imposta por lei; já a justa causa, expressa um motivo legítimo, geralmente relacionado a uma coletividade de pessoas, que impõe a quebra do sigilo como forma de tutelar direitos de terceiros; a autorização expressa do paciente é a manifestação livre de sua vontade, que deve ser devidamente esclarecida. É nesse ponto que situamos a questão relacionada a colocação do C.I.D. em virtude da existência de informações que, por si mesmas, possuem o condão de estigmatizar pessoas e de criar um estado de animosidade que em muito as prejudicarão. Atualmente, com a maciça proliferação da informação e a amplitude e diversidade de meios, há um acesso amplo e ilimitado à Codificação Internacional de Doenças, de forma que a expressão do diagnóstico via colocação do C.I.D. passa a não ser mais fator de tutela à intimidade e a vida privada do paciente. Se é legítimo aceitar-se a autorização expressa do paciente, que por razões práticas e objetivas deve ser escrita, como motivo justo para a revelação do segredo médico, é necessário que essa autorização seja suficientemente esclarecida, a partir de informações completas e compreensíveis sobre as suas conseqüências, afinal, sendo o paciente leigo nos assuntos médicos, por evidente, é direito inalienável deste, ser informado sobre tudo que disser respeito e que decorrer de sua relação com seu médico. Qualquer normativa que contrarie os princípios e postulados éticos e jurídico constitucionais do segredo médico, perde sua eficácia e, portanto, é destituído de autoridade. Uma das condições essenciais do exercício da medicina é a confiança que o paciente deve ter em seu médico. O postulado, originalmente ético, da confidencialidade, além de universal, é um dos pilares fundamentais da medicina e condição indispensável para o seu exercício. Continuar cultuando esse postulado é um permanente chamamento à reflexão ética. Concluindo, o médico somente deve colocar o C.I.D., seja em atestados médicos, laudos, declarações ou documentos assemelhados, com a expressa e por escrito, autorização esclarecida do paciente, a partir do fundamento constitucional do Artigo 5º, Inciso X, da Constituição Federal, combinado como Art. 154 do Código Penal e Art. 73 do Código de Ética Médica. Irineu Ramos Filho Advogado Consultor Jurídico do CREMESC 05

6 Cosemesc Assembleia Geral Médicos aceitam proposta de reajuste dos planos UNIDAS Médicos catarinenses reunidos no dia 09 de novembro, em Florianópolis, em Assembleia Geral convocada pelo COSEMESC (Conselho Superior das Entidades Médicas) e pela Comissão Estadual de Defesa e Consolidação da CBHPM (Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos), decidiram pela aceitação da proposta de reajuste encaminhada pela União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde (UNIDAS). Entre outros pontos, a proposta assegura o pagamento de R$ 48 pela consulta médica a partir de 01/01/ exceção para as filiadas CASSI e GEAP, que pagarão R$ 46 a partir de dezembro. O entendimento foi de que a categoria deve solicitar anualmente a revisão dos valores pagos. Em maio do próximo ano, uma nova rodada de negociações será realizada. Há três anos, os planos UNIDAS não repassavam qualquer reajuste aos valores pagos para as consultas, SADT (Serviço Auxiliar de Diagnóstico e Terapia) e UCO (Unidade de Custo Operacional). A proposta aceita garante reajustes entre 10% e 20%. Veja, ponto-a-ponto, o que ganha o médico e a partir de quando, com a proposição do Grupo UNIDAS: - Consulta médica no valor de R$ 46 nos atendimentos realizados a partir de 01/12/2010 para as filiadas CASSI e GEAP. Representa reajuste de 15%. - Consulta médica no valor de R$ 48 nos atendimentos a partir de 01/01/2011 para as demais filiadas. Representa reajuste de 20%. - UCO de R$ 8,50 nos atendimentos realizados a partir de 01/01/2011. Exceção para as filiadas CASSI e GEAP que dependem da aprovação de suas respectivas diretorias nacionais. - Honorário médico com redutor de 10% a partir de 01/01/2011. Exceção também para CASSI e GEAP. - Adoção da Terminologia Unificada de Saúde Complementar (TUSS) conforme o rol de procedimentos estabelecidos na Resolução Normativa IN nº 44 de 09/09/2010 da Diretoria de Desenvolvimento Setorial (DIDES) da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Publicações Legais 06 O CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SANTA CATARINA Instituição fiscalizadora da profissão de Médico, no uso das atribuições que lhe confere o Art. 15, letra d, da Lei nº 3.268, de 30 de setembro de 1957, e tendo em vista a disposição na letra c, do Art. 22, do mesmo Diploma Legal, conforme decisão do Conselho Federal de Medicina, transitado em julgado que, por unanimidade de votos, conheceu e negou provimento ao recurso interposto pelo apelante, referente ao Processo Ético- -Profissional nº 039/07, mantendo decisão do Conselho de origem, aplica-lhe a pena de: CENSURA PÚBLICA EM PUBLICAÇÃO OFICIAL ao Médico EVERSON JUCAS DE ARAUJO CREMESC 5618, por infração ao disposto nos Artigos: 5º, 29 e 57 do Código de Ética Medica( Resolução CFM 1246/88), vez que não utilizou dos meios disponíveis de diagnóstico pré-operatorio, impossibilitando assim, indicação cirúrgica adequada, aumentando os riscos de mau resultado para o paciente. DR. JOSE FRANCISCO BER- NARDES-Presidente. O CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SANTA CATARINA, no uso das atribuições que lhe confere o Art. 15, letra d, da Lei nº 3.268, de 30 de setembro de 1957, regulamentada pelo Decreto /58, consoante ao ACÓRDÃO exarado pelo Conselho Regional de Medicina do Estado do Paraná referendado pelo Conselho Federal de Medicina, transitado em julgado, nos autos do Processo Ético Profissional nº 051/01, vem executar a pena de CENSURA PÚBLICA EM PUBLICAÇÃO OFICIAL, ao médico DIOGO MARTINEZ CREMESC 16571, por infração aos artigos 30 e 38 do Código de Ética Médica (Resolução CFM nº 1246/88) e que também estão previstos nos artigos 2 e 10 do Código de Ética Médica (Resolução CFM nº 1931/09). DR. JOSE FRANCISCO BERNARDES - Presidente. O CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SANTA CATARINA, no uso das atribuições que lhe confere o Art. 15, letra d, da Lei nº 3.268, de 30 de setembro de 1957, regulamentada pelo Decreto /58, consoante ao ACÓRDÃO exarado pelo Conselho Regional de Medicina do Estado do Paraná referendado pelo Conselho Federal de Medicina, transitado em julgado, nos autos do Processo Ético Profissional nº 051/01, vem executar a pena de SUSPENSÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL POR 30 (TRINTA) DIAS, ao médico HITLER DOS SANTOS - CREMESC 8081, por infração aos artigos 30, 38, 39 e 36 do Código de Ética Médica (Resolução CFM nº 1246/88) e que também estão previstos nos artigos 2, 10, 11 e 8 do Código de Ética Médica (Resolução CFM nº 1931/09), que estará impedido de exercer a Medicina no período compreendido entre 15 DE NOVEMBRO DE 2010 a 14 DE DEZEMBRO DE DR. JOSE FRANCISCO BERNARDES - Presidente. NOTA DE DESAGRAVO PÚBLICO O CONSELHO REGIONAL DE ME- DICINA DO ESTADO DE SANTA CATARINA, no uso da competência conferida pela Lei Nº 3.268/57, regulamentada pelo Decreto Nº /58, tendo em vista decisão do Corpo de Conselheiros do CRE- MESC, à UNANIMIDADE de votos dos presentes, em sessão Planária realizada em 06/10/10, com base nos Autos do Processo Administrativo de Desagravo Público Nº 001/2009, fundamentado no Art. 26 do Código de Ética Médica, Resolução CFM Nº 1.246/88, de 08/01/88, RESOLVE: DESAGRAVAR PUBLI- CAMENTE, o DR. JORGE RICAR- DO FLORES PAQUEIRA-CREMESC , por ter sido o mesmo ofendido em sua dignidade profissional ao lhe ser imputado de maneira sensacionalista e tendenciosa, por veículo de imprensa, responsabilidade profissional em face do atendimento médico prestado a paciente Sra. Maria Odete da Cruz Chocovis, no Hospital e Maternidade Sagrada Familia em São Bento do Sul-SC, dia 23/06/2009. Dr. Jose Francisco Bernardes-Presidente

7 07 Aviso Os médicos cujo número de inscrição encontra-se abaixo relacionado, devem entrar em contato com o CREMESC para tratar de assuntos de seu interesse: CRM

8 Expressas Definidos valores das anuidades e taxas para 2011 Para o exercício de 2011, o valor integral da anuidade de pessoa física será de R$ 486,00, com vencimento até o dia 31 de março de O pagamento integral da anuidade poderá ser efetuado com desconto nos seguintes prazos e valores: até 31 de janeiro de 2011, no valor de R$ 461,70 (quatrocentos e sessenta e um reais e setenta centavos); Até 28 de fevereiro de 2011, no valor de R$ 471,42 (quatrocentos e setenta e um reais e quarenta e dois centavos). O pagamento também poderá ser efetuado em até três parcelas, sem desconto, mediante opção do interessado, desde que a última parcela seja liquidada até 31/3/2011. A anuidade de pessoa jurídica para o exercício de 2011, também poderá ser paga até o dia 31 de março de 2011, e será cobrada de acordo com as seguintes classes de capital social: até R$ 4.450,00 - R$ 508,09; acima de R$ 4.450,00 até R$ ,00 - R$ 852,98; acima de R$ ,00 até R$ ,00 - R$ 1.220,23; acima de R$ ,00 até R$ ,00 - R$1.942,89; acima de R$ ,00 até R$ ,00 - R$ 3.372,41; acima de R$ ,00 até R$ ,00 - R$ 6.170,91; acima de R$ ,00 - R$ 9.251,10. O pagamento poderá ser efetuado com desconto nos seguintes percentuais: 5% (cinco por cento), para pagamento até 31 de janeiro de 2011; 3% (três por cento), para pagamento até 28 de fevereiro de Após 31 de março de 2011, as anuidades para pessoa física e jurídica sofrerão os seguintes acréscimos: multa de 2% (dois por cento); e juros de 1% (um por cento) ao mês. As informações constam da resolução CFM nº 1954/2010 que define além das regras gerais, os casos especiais para a cobranças das taxas e anuidades, tanto de pessoas físicas como pessoas jurídicas. A resolução está disponível no portal do CFM. Pessoa Física Valores de taxas e serviços para 2011 Anuidade R$ 486,00 Expedição de carteira - R$ 48,63 Inscrição no quadro de especialista - R$ 48,63 2ª via de certificado de registro de especialista R$ 48,63 2ª via de carteira - R$ 48,63 2ª via de cédula de identidade - R$ 48,63 Pessoa Jurídica Valores de taxas e serviços para 2011 taxa de inscrição - R$ 541,03 segunda via de certificado - R$ 54,64 alteração contratual - R$ 54,64 taxa de cancelamento - R$ 54,64 alteração de responsabilidade técnica - R$ 54,64 certidão - R$ 54,64 renovação de certidão - R$ 54,64 Delegacia do Cremesc em Lages terá sede própria Um ambiente com aproximadamente 180 m² de área interna, localizado no Shopping Gemini, no centro da cidade, é o local onde passará a funcionar a Delegacia Regional do Cremesc em Lages. A assinatura da escritura aconteceu em Florianópolis, no dia 23 de agosto; e em Lages, no dia 26. A propriedade passará por um período de reforma para que o ambiente seja adaptado às necessidades da Delegacia. Adquirida com recursos doados pelo Conselho Federal de Medicina, a aquisição faz parte de um projeto do Cremesc para 2010, que inclui ainda a aquisição de uma sede para a Delegacia Regional de Joaçaba, já em fase de avaliação de imóveis. Ajude a escolher os temas do IV Fórum de Ética Médica do Cremesc O Cremesc está organizando a quarta edição do Fórum de Ética Médica que acontecerá em março de E você pode participar desse processo enviando sugestões de temas para a comissão organizadora do evento. As sugestões podem ser enviadas até 31/12/2010 para o Os temas recebidos serão analisados pela comissão, para seleção daqueles que farão parte da programação de painéis do Fórum.

APROVADO. Novo Código de Ética Médica Págs. 4 e 5. Programe-se. Sociedade Brasileira de Bioética inaugura regional em Santa Catarina

APROVADO. Novo Código de Ética Médica Págs. 4 e 5. Programe-se. Sociedade Brasileira de Bioética inaugura regional em Santa Catarina CREMESC - AV. RIO BRANCO, 533-2 ANDAR - CEP: 88015-201 - FLORIANÓPOLIS - SC APROVADO Novo Código de Ética Médica Págs. 4 e 5 Sociedade Brasileira de Bioética inaugura regional em Santa Catarina Pág. 8

Leia mais

CREMESC tem nova Diretoria

CREMESC tem nova Diretoria CREMESC - AV. RIO BRANCO, 533-2 ANDAR - CEP: 88015-201 - FLORIANÓPOLIS - SC CREMESC tem nova Diretoria Pág. 4 III Fórum de Ética Médica do CREMESC é sucesso de público na Capital Pág. 8 Programe-se Conheça

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS Contrato que entre si fazem, na melhor forma de direito, de um lado( nome da operadora), com sede na rua..., n o...,bairro..., em(nome da cidade), (Estado), inscrita

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.000/2012 (Publicada no D.O.U. 12 nov. 2012, Seção 1, p. 188)

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.000/2012 (Publicada no D.O.U. 12 nov. 2012, Seção 1, p. 188) RESOLUÇÃO CFM Nº 2.000/2012 (Publicada no D.O.U. 12 nov. 2012, Seção 1, p. 188) Fixa os valores das anuidades e taxas para o exercício de 2013 e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA,

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS Contrato que entre si fazem, na melhor forma de direito, de um lado( nome da operadora), com sede na rua..., n o...,bairro..., em(nome da cidade), (Estado), inscrita

Leia mais

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009)

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) Consulta nº 159.756/08 Assuntos: - Filmagem em interior de UTI. - Legalidade de contratação de médicos plantonistas como pessoa jurídica.

Leia mais

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Ementa: Dispõe sobre as instruções para Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina. Fonte: CFM O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57 Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57 CONSULTA nº 157.177/11 Assunto: Sistema sem registro no Brasil, com servidor hospedado em outro país, para conter

Leia mais

Imprimir. Em 29 de março do mesmo ano, o dr. R.S.S. respondeu ao interessado nos seguintes termos:

Imprimir. Em 29 de março do mesmo ano, o dr. R.S.S. respondeu ao interessado nos seguintes termos: Imprimir PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 1.955/01 PC/CFM/Nº 10/2002 INTERESSADO: Sociedade Santamarense de Beneficência de Guarujá ASSUNTO: Reformulação da Resolução nº 1.076/81 RELATOR: Cons. Luiz Salvador de

Leia mais

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA Conjunto de normas que definem os aspectos da

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-PR N º 150/2007 (Publicado no Diário Oficial da União, Seção 1, de 24/04/2007 p. 86) (Revogada pela Resolução CRMPR 181/2011)

RESOLUÇÃO CRM-PR N º 150/2007 (Publicado no Diário Oficial da União, Seção 1, de 24/04/2007 p. 86) (Revogada pela Resolução CRMPR 181/2011) CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO PARANÁ RUA VICTÓRIO VIEZZER. 84 - CAIXA POSTAL 2.208 - CEP 80810-340 - CURITIBA - PR FONE: (41) 3240-4000 - FAX: (41) 3240-4001 - SITE: www.crmpr.org.br - E-MAIL: protocolo@crmpr.org.br

Leia mais

LEI Nº 6.686, DE 11 DE SETEMBRO DE 1979

LEI Nº 6.686, DE 11 DE SETEMBRO DE 1979 LEI Nº 6.686, DE 11 DE SETEMBRO DE 1979 Dispõe sobre o exercício da Análise Clínico- Laboratorial. Art. 1º Os atuais portadores de diploma de Ciências Biológicas, modalidade médica, bem como os diplomados

Leia mais

PROCESSO-CONSULTA CFM 55/12 PARECER CFM 39/12 INTERESSADOS:

PROCESSO-CONSULTA CFM 55/12 PARECER CFM 39/12 INTERESSADOS: PROCESSO-CONSULTA CFM nº 55/12 PARECER CFM nº 39/12 INTERESSADOS: ANS; S.A.R.G.; Cremesp; Cremepe; S.C.F.; Febrasgo ASSUNTO: Cobrança de honorários, por médicos obstetras, pelo acompanhamento presencial

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA imprimir Norma: RESOLUÇÃO Órgão: Conselho Federal de Medicina Número: 1980 Data Emissão: 07-12-2011 Ementa: Fixa regras para cadastro, registro, responsabilidade técnica e cancelamento para as pessoas

Leia mais

PARECER Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER

PARECER Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER PARECER Referênci a: Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão recorrido: Recorrent e: 1269.000181/201-1 Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação Não se aplica Pareceres Interesse

Leia mais

EMENTA: Remuneração profissional - cobrança de encaixes CONSULTA

EMENTA: Remuneração profissional - cobrança de encaixes CONSULTA PARECER Nº 2433/2014 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 38/2013 PROTOCOLO N.º 32065/2013 ASSUNTO: REMUNERAÇÃO PROFISSIONAL - COBRANÇA DE ENCAIXES PARECERISTA: CONS.º DONIZETTI DIMER GIAMBERARDINO FILHO EMENTA:

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013.

RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013. RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013. Dispõe sobre a obrigatoriedade dos Contratos firmados entre as Operadoras de Planos de Saúde e os Médicos seguirem as Normativas da ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar.

Leia mais

COBERTURA - TAXA DE DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA

COBERTURA - TAXA DE DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA COBERTURA - TAXA DE DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA Primeiramente, ressaltamos a relevância do tema e reafirmamos nossa atuação com o intuito de regular o mercado de planos privados de assistência à saúde.

Leia mais

Imposição, por parte das cooperativas de trabalho médico e planos de saúde, do local onde o médico assistente deverá tratar seu paciente RELATOR:

Imposição, por parte das cooperativas de trabalho médico e planos de saúde, do local onde o médico assistente deverá tratar seu paciente RELATOR: PROCESSO-CONSULTA CFM nº 15/14 PARECER CFM nº 8/14 INTERESSADO: Cooperativa dos Médicos Retinólogos de Minas Gerais Retcoop e Associação Zona da Mata de Oftalmologia Azmo ASSUNTO: Imposição, por parte

Leia mais

EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA SANTA CASA DE SÃO JOAQUIM DA BARRA Delegacia Regional de Ribeirão Preto

EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA SANTA CASA DE SÃO JOAQUIM DA BARRA Delegacia Regional de Ribeirão Preto 13 DE JUNHO 2013 EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA SANTA CASA DE SÃO JOAQUIM DA BARRA Delegacia Regional de Ribeirão Preto Lavinio Nilton Camarim Conselheiro do Cremesp Lei Federal 9.656/98 Lei dos Planos de

Leia mais

Normas de regulamentação para a certificação de. atualização profissional de títulos de especialista e certificados de área de atuação.

Normas de regulamentação para a certificação de. atualização profissional de títulos de especialista e certificados de área de atuação. Normas de regulamentação para a certificação de atualização profissional de título de especialista e certificado de área de atuação Em decorrência do convênio celebrado entre a Associação Médica Brasileira

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.662, DE 7 DE JUNHO DE 1993. (Mensagem de veto). Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências O

Leia mais

ASTRAU - ASSOCIAÇÃO DOS TRANSPORTADORES DE CARGAS DO NORDESTE PAULISTA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS -

ASTRAU - ASSOCIAÇÃO DOS TRANSPORTADORES DE CARGAS DO NORDESTE PAULISTA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - J MINISTÉRIO DA FAZENDA I'RIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO - CRSNSP 2O9 Sessão Recurso n 6085 Processo SUSEP n 15414.004044/2010-02 RECORRENTE: RECORRIDA: ASTRAU - ASSOCIAÇÃO DOS

Leia mais

Interessado: Dr. M.M.S. Assunto: Escala de plantão de sobreaviso. Medico Plantonista de sobreaviso. Desligamento com ou sem aviso prévio.

Interessado: Dr. M.M.S. Assunto: Escala de plantão de sobreaviso. Medico Plantonista de sobreaviso. Desligamento com ou sem aviso prévio. PARECER CRM/MS N 12/2014 PROCESSO CONSULTA CRMMS 0011/2014 Interessado: Dr. M.M.S. Assunto: Escala de plantão de sobreaviso. Medico Plantonista de sobreaviso. Desligamento com ou sem aviso prévio. PARECERISTA:

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.772/2005 (Publicada no D.O.U. de 12.08.2005, Seção I, p. 141-142) Revogada pela Resolução CFM nº 1984/2012 Institui o Certificado de Atualização Profissional

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais

Leia mais

Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio

Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio Política aprovada em 26 de agosto de 1999 Documentos de implementação aprovados em 24 de outubro de 1999 Versão em português da Organização

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2013. Florianópolis, 15de fevereiro de 2013.

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2013. Florianópolis, 15de fevereiro de 2013. EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2013 O CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE SANTA CATARINA - CRF/SC, Autarquia Federal, instituída pela Lei 3.820/60, torna público que se acha aberto, nesta unidade,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.143. INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 22.143. INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº 22.143 INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Caputo Bastos. Dispõe sobre pesquisas eleitorais. O Tribunal Superior Eleitoral, usando das atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005)

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004 (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) O Conselho Federal de Medicina, no uso das atribuições que lhe confere a

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ PARECER Nº 2488/2015 ASSUNTO: CONVÊNIO DETERMINA FIM DE INTERNAÇÃO DE PACIENTE PSIQUIÁTRICO SEM CONDIÇÕES DE ALTA PARECERISTA: CONS. DR. MARCO ANTONIO S. M. RIBEIRO BESSA EMENTA: Prazo de Internação de

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA Resolução CFFa nº 427, de 1º de março de 2013 "Dispõe sobre a regulamentação da Telessaúde em Fonoaudiologia e dá outras providências." O Conselho Federal de Fonoaudiologia no uso de suas atribuições legais

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM N º 1.834/2008

RESOLUÇÃO CFM N º 1.834/2008 RESOLUÇÃO CFM N º 1.834/2008 (Publicada no D.O.U. de 14 de março de 2008, Seção I, pg. 195) As disponibilidades de médicos em sobreaviso devem obedecer normas de controle que garantam a boa prática médica

Leia mais

PORTARIA Nº 2.113, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2010

PORTARIA Nº 2.113, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2010 PORTARIA Nº 2.113, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2010 O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições legais e, CONSIDERANDO o disposto no Decreto nº 7003,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO Art. 1º Esta Lei dispõe sobre a negociação coletiva e o Acordo Coletivo de Trabalho com Propósito Específico. Art. 2º Para os fins desta Lei considera-se:

Leia mais

Contribuição Sindical Patronal

Contribuição Sindical Patronal Contribuição Sindical Patronal Aspectos Legais O recolhimento da contribuição sindical é obrigatório conforme se verifica nos artigos 578, 579 e 580 da Consolidação das Leis do Trabalho: TÍTULO V - DA

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. Estabelece padrão obrigatório para a troca de informações entre operadoras de plano privado de assistência à saúde e prestadores de serviços de saúde

Leia mais

Lei nº 6.839 /80 Obrigatoriedade do registro das empresas de prestação de serviço médicohospitalares

Lei nº 6.839 /80 Obrigatoriedade do registro das empresas de prestação de serviço médicohospitalares CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS, DELEGADOS, MÉDICOS FISCAIS E SERVIDORES Salvador/2012 REGISTRO Lei nº 6.839 /80 Obrigatoriedade do registro das empresas de prestação de serviço médicohospitalares nos conselhos

Leia mais

Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO

Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO Janeiro de 2014 Versão 1.3 1. INTRODUÇÃO O presente Regulamento é fundamental para reger as operações-chave do programa de Certificação Profissional FEBRABAN.

Leia mais

DIREITOS HUMANOS SOB A ÓTICA DO ESTATUTO DO IDOSO E DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DIREITOS HUMANOS SOB A ÓTICA DO ESTATUTO DO IDOSO E DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS CREMEC I FORUM ESTADUAL DE EMERGÊNCIA MÉDICA DO CEARÁ DIREITOS HUMANOS SOB A ÓTICA DO E DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS CONSELHEIRO RENATO EVANDO MOREIRA FILHO MÉDICO E ADVOGADO PROFESSOR - UNIVERSIDADE

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO CONJUNTO Nº 3/TST.CSJT, DE 1º DE MARÇO DE 2013

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO CONJUNTO Nº 3/TST.CSJT, DE 1º DE MARÇO DE 2013 CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO CONJUNTO Nº 3/TST.CSJT, DE 1º DE MARÇO DE 2013 Uniformiza o Programa de Assistência Pré-Escolar no âmbito do Tribunal Superior do Trabalho e da Justiça do Trabalho

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000096/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/01/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064426/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.042751/2011-40 DATA DO

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013.

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. Dispõe sobre a criação e atribuições das delegacias regionais e dos delegados e dá outras providências. O Conselho Regional de Medicina do Estado

Leia mais

PREVIMAX PREVIDÊNCIA PRIVADA E SEGURADORA S.A. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP. PENALIDADE: Multa no valor de R$ 16.000,00.

PREVIMAX PREVIDÊNCIA PRIVADA E SEGURADORA S.A. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP. PENALIDADE: Multa no valor de R$ 16.000,00. Recurso nº 4481 Processo SUSEP nº 15414.004750/2006-60 PREVIMAX PREVIDÊNCIA PRIVADA E SEGURADORA S.A. EMENTA: RECURSO ADMINISTRATIVO. Representação. Realizar operação financeira com pessoa jurídica ligada

Leia mais

PROPOSTA DE PARCERIA PARA PUBLICIDADE

PROPOSTA DE PARCERIA PARA PUBLICIDADE CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DA BAHIA Rua do Salete, n.º 320 - Barris - Cep. 40.070.200 Tel.: (071) 2109-4000 Fax: (071) 2109-4009 www.crcba.org.br comunicacao@crc-ba.org.br Salvador -

Leia mais

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015.

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. Aprova a Instrução Normativa nº 06, de 31 de agosto de 2015, que regulamenta os trâmites administrativos dos Contratos no âmbito do Conselho de Arquitetura

Leia mais

São Paulo, 30 de abril de 2015. ABR.029/15 SIN.006/15

São Paulo, 30 de abril de 2015. ABR.029/15 SIN.006/15 São Paulo, 30 de abril de 2015. ABR.029/15 SIN.006/15 Ao Sr. Rafael Pedreira Vinhas Gerente-Geral de Estrutura e Operação dos Produtos GGEOP Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos DIPRO Agência

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Dr. Henrique Carlos Gonçalves Conselheiro CREMESP - Coordenador do Departamento Jurídico

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Dr. Henrique Carlos Gonçalves Conselheiro CREMESP - Coordenador do Departamento Jurídico CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO Dr. Henrique Carlos Gonçalves Conselheiro CREMESP - Coordenador do Departamento Jurídico INTRODUÇÃO A) Criação dos Conselhos Regionais e Federal de

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO RELATÓRIO

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO RELATÓRIO MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO Recurso n2 5.550 - CRSNSP Processo n2 15414.005009/2005-35- SUSEP Recorrente

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SESC/SC INSCRIÇÕES PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO 2014. EDITAL Nº 01/2013 de 16/09/2013.

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SESC/SC INSCRIÇÕES PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO 2014. EDITAL Nº 01/2013 de 16/09/2013. SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SESC/SC INSCRIÇÕES PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO 2014 EDITAL Nº 01/2013 de 16/09/2013. O SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SESC/SC torna público, para conhecimento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6/2013 (ELEIÇÕES-IBDFAM) ADITIVO

RESOLUÇÃO Nº 6/2013 (ELEIÇÕES-IBDFAM) ADITIVO RESOLUÇÃO Nº 6/2013 (ELEIÇÕES-IBDFAM) ADITIVO Dispõe sobre os procedimentos, critérios, condições de elegibilidade, normas de campanha eleitoral e pressupostos de proclamação dos eleitos nas eleições do

Leia mais

PARÁGRAFO ÚNICO PARÁGRAFO PRIMEIRO

PARÁGRAFO ÚNICO PARÁGRAFO PRIMEIRO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO FIRMADA PERANTE O EXMO. DR. DELEGADO REGIONAL DO TRABALHO QUE ENTRE SI FAZEM O SINDICATO DOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, LOCALIZADO À

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Referência: 23480.000934/-03 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Recurso contra decisão denegatória ao pedido

Leia mais

CONSIDERANDO que muitas destas Organizações Contábeis não têm condições de arcar com o pagamento da anuidade integralmente;

CONSIDERANDO que muitas destas Organizações Contábeis não têm condições de arcar com o pagamento da anuidade integralmente; RESOLUÇÃO CRC-BA Nº 406-A/2002 DISPÕE SOBRE A ANUIDADE DO EXERCÍCIO DE 2003, CONCESSÃO DE REDUÇÃO E DE PARCELAMENTO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS, AD REFERENDUM DO PLENÁRIO. O CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC Nº 6566/08 ASSUNTO: RESPONSABILIDADE MÉDICA PARECERISTA: CÂMARA TÉCNICA DE AUDITORIA DO CREMEC EMENTA O ato médico é responsabilidade

Leia mais

ATA DA REUNIÃO DE DIRETORIA EM 03.04.2014

ATA DA REUNIÃO DE DIRETORIA EM 03.04.2014 ATA DA REUNIÃO DE DIRETORIA EM 03.04.2014 Ao terceiro dia de abril do ano de dois mil e quatorze, às dez horas, reuniu-se, ordinariamente, a diretoria da AJUT Associação dos Servidores na Justiça do Trabalho

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI nº 4.804-B, de 2001 (Apensos Projetos de Lei nºs 7.277, de 2002; 1.156, de 2003; 1.784, de 2003; 4.347, de 2004; 3.632, de 2008; e 6.249, de 2009) Dispõe

Leia mais

IV - APELAÇÃO / REEXAME NECESSÁRIO 2012.50.01.001991-0

IV - APELAÇÃO / REEXAME NECESSÁRIO 2012.50.01.001991-0 Nº CNJ : 0001991-31.2012.4.02.5001 RELATORA : JUÍZA FEDERAL CONVOCADA CARMEN SILVIA LIMA DE ARRUDA APELANTE : ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL - ESPÍRITO SANTO ADVOGADOS : LUIS ROBERTO BARROSO E OUTROS APELADO

Leia mais

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95)

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95) - Partido Político: pessoa jurídica de direito privado, destinada a assegurar, no interesse democrático, a autenticidade do sistema representativo e a defender os direitos fundamentais definidos na CF.

Leia mais

ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DECONTAS RESOLUÇÃO T.C. Nº 04, 7 DE MARÇO DE 2012

ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DECONTAS RESOLUÇÃO T.C. Nº 04, 7 DE MARÇO DE 2012 RESOLUÇÃO T.C. Nº 04, 7 DE MARÇO DE 2012 Dispõe sobre o Sistema de Gerenciamento de Recursos da Sociedade SAGRES na esfera municipal. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE PERNAMBUCO, na sessão do Pleno realizada

Leia mais

LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966

LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 Regula o exercício das profissões de Engenharia, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

DA EMISSÃO DAS DEBÊNTURES. Artigo com redação dada pela Instrução CVM nº 307, de 7 de maio de 1999

DA EMISSÃO DAS DEBÊNTURES. Artigo com redação dada pela Instrução CVM nº 307, de 7 de maio de 1999 TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 281, DE 4 DE JUNHO DE 1998, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM N os 307/99 E 480/09. Dispõe sobre o registro de distribuição pública de debêntures por

Leia mais

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES.

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES. REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES Seção I Da Natureza e Finalidade das Inspetorias Art. 1º A Inspetoria

Leia mais

Agência de Propaganda

Agência de Propaganda Agência de Propaganda Um assinante do Consultor Municipal fez a seguinte consulta: As empresas de propaganda e marketing são consideradas agências? E qual seria a base de cálculo do ISS? Por ser um assunto

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PODER EXECUTIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE ROLIM DE MOURA SECRETARIA MUNICIPAL DE COMPRAS E LICITAÇÕES EDITAL

ESTADO DE RONDÔNIA PODER EXECUTIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE ROLIM DE MOURA SECRETARIA MUNICIPAL DE COMPRAS E LICITAÇÕES EDITAL EDITAL CHAMAMENTO PÚBLICO Nº001/2014 SEGUNDA CHAMADA O PRESENTE EDITAL DE CHAMAMENTO OBJETIVA INSCREVER E CADASTRAR PROFISSIONAIS FORMADOS EM COMUNICAÇÃO, PUBLICIDADE OU MARKETING PARA COMPOR A SUBCOMISSÃO

Leia mais

RESUMO DA CONVENÇÃO COLETIVA 2014 / 2015

RESUMO DA CONVENÇÃO COLETIVA 2014 / 2015 RESUMO DA CONVENÇÃO COLETIVA 2014 / 2015 Pelo presente instrumento particular, de um lado, o SINDICATO DOS PUBLICITÁRIOS, DOS AGENCIADORES DE PROPAGANDA E DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE PROPAGANDA DO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC)

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC) 1 A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR 2 CONCEITOS 3 SAÚDE SUPLEMENTAR: atividade que envolve a operação de planos privados de assistência à saúde sob regulação do Poder

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07)

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) RESOLUÇÃO Nº 311 DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) 758 Ementa: Dispõe sobre a Inscrição, Averbação e Âmbito Profissional do Auxiliar Técnico

Leia mais

Edital Nº 18/2015 Processo Seletivo Interno para Remoção de Servidores Técnicos Administrativos

Edital Nº 18/2015 Processo Seletivo Interno para Remoção de Servidores Técnicos Administrativos O Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, nomeado pelo Decreto de 06 de maio de 2014, publicado no Diário Oficial da União em 07 de maio de 2014, visando atender

Leia mais

Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014

Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014 Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014 Define e normatiza a Telerradiologia e revoga a Resolução CFM nº 1890/09, publicada no D.O.U. de 19 janeiro de 2009, Seção 1, p. 94-5p

Leia mais

Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra

Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra Décio Guimarães Júnior Acadêmico do 6ºperíodo do curso de graduação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009 Regulamenta os procedimentos relativos à certificação digital, para garantir a segurança das transações eletrônicas realizadas por meio dos sistemas, das aplicações e dos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 92.790, DE 17 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a Lei nº 7.394, de 29 de outubro de 1985, que regula o exercício da profissão

Leia mais

Edital de Assistência Estudantil Nº 004/2011

Edital de Assistência Estudantil Nº 004/2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO COORDENADORIA DE INCLUSÃO E ASSUNTOS ESTUDANTIS Edital de Assistência Estudantil Nº 004/2011 O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

PORTARIAN 4536/2013. gusto Viana Neto Presidente. José Is.

PORTARIAN 4536/2013. gusto Viana Neto Presidente. José Is. - 2" REGIAO Serviço Público Federal PORTARIAN 4536/2013 Altera o Regulamento Executivo das Delegacias Sub. regionais o Presidente do da 2 Região, no exercício regular de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP. PENALIDADE: Multa no valor de R$ 52.000,00. BASE LEGAL: Art. 88 do Decreto-Lei nº 73/66.

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP. PENALIDADE: Multa no valor de R$ 52.000,00. BASE LEGAL: Art. 88 do Decreto-Lei nº 73/66. Recurso nº 1643 Processo SUSEP nº 15414.002059/2002-18 ITAÚ SEGUROS S.A. EMENTA: RECURSO ADMINISTRATIVO. Representação. Não atender as solicitações feitas por meio da Carta SUSEP/DETEC/GEBER/DICEB Nº 578/2002.

Leia mais

BREVE ANÁLISE ACERCA DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS NA LEI N O 9.656, DE 03 DE JUNHO DE 1998, PELA LEI N O 13.003, DE 24 DE JUNHO DE 2014

BREVE ANÁLISE ACERCA DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS NA LEI N O 9.656, DE 03 DE JUNHO DE 1998, PELA LEI N O 13.003, DE 24 DE JUNHO DE 2014 BREVE ANÁLISE ACERCA DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS NA LEI N O 9.656, DE 03 DE JUNHO DE 1998, PELA LEI N O 13.003, DE 24 DE JUNHO DE 2014 Guilherme Portes Rio de Janeiro 08 de agosto de 2014 Advogado e Sócio

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM Dispõe sobre a normatização do funcionamento dos prontos-socorros hospitalares, assim como do dimensionamento da equipe médica e do sistema de trabalho. O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL

CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL Associação Brasileira de Quiropraxia Aprovado em Assembléia Geral Extraordinária da Associação Brasileira de Quiropraxia, Novo Hamburgo, 01 de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16/2015

RESOLUÇÃO Nº 16/2015 RESOLUÇÃO Nº 16/2015 Dispõe sobre o acesso público de informações da Câmara Municipal de Sapiranga, regulamentando o art. 9º da Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011, no âmbito do Poder Legislativo

Leia mais

PARECER CREMEC Nº 07/2011 26/02/2011

PARECER CREMEC Nº 07/2011 26/02/2011 PARECER CREMEC Nº 07/2011 26/02/2011 PROCESSO-CONSULTA - Protocolo CREMEC nº 9287/10 INTERESSADO Dr. Franklin Veríssimo Oliveira CREMEC 10920 ASSUNTO Responsabilidade de médico plantonista e do chefe de

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC

Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC Trav. Olindina Alves Pereira, 35 - Caixa Postal 472-88020-095 Fone/Fax (48) 222-4702 - Florianópolis - SC. url:

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE AULA 04 INTRODUÇÃO AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DOCENTE: ROSEMARI VIEIRA BRAGANÇA ARQUITETO E URBANISTA RESPONSABILIDADES E OBRIGAÇÕES ÉTICA RESPONSABILIDADE TÉCNICA RESPONSABILIDADE

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR, MEIO AMBIENTE E MINORIAS PROJETO DE LEI Nº 1.809, DE 1999

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR, MEIO AMBIENTE E MINORIAS PROJETO DE LEI Nº 1.809, DE 1999 COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR, MEIO AMBIENTE E MINORIAS PROJETO DE LEI Nº 1.809, DE 1999 (Apensado o Projeto de Lei nª 3.048, de 2000) Dispõe sobre a segurança nas transações bancárias efetuadas por

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO MEU SONHO MEU NEGÓCIO 1. APRESENTAÇÃO. alternativa de autoemprego e geração de renda para sobreviver.

REGULAMENTO CONCURSO MEU SONHO MEU NEGÓCIO 1. APRESENTAÇÃO. alternativa de autoemprego e geração de renda para sobreviver. CONCURSO MEU SONHO MEU NEGÓCIO PROJETO DE INCENTIVO AO PEQUENO NEGÓCIO 7ª EDIÇÃO, 2015 Realização: SEBRAE/SC e RICTV Record REGULAMENTO 1. APRESENTAÇÃO O concurso MEU SONHO MEU NEGÓCIO é um projeto realizado

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 057/2009

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 057/2009 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 057/2009 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROCESSO SELETIVO PARA MÉDICO RESIDENTE EDITAL N RM 01/2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROCESSO SELETIVO PARA MÉDICO RESIDENTE EDITAL N RM 01/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROCESSO SELETIVO PARA MÉDICO RESIDENTE EDITAL N RM 01/2015 A Prefeitura Municipal de Joinville torna pública a abertura de inscrições e

Leia mais

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos.

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos. SEGURADO: Diretor, Conselheiro, CEO, CFO ou cargo Equivalente (pessoa física) Limite: São 6 opções entre R$ 100.000 e R$ 500.000. O limite do seguro poderá ser utilizado para um ou uma série de sinistros

Leia mais

PARECER CREMEB N 21/09 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/06/2009)

PARECER CREMEB N 21/09 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/06/2009) PARECER CREMEB N 21/09 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/06/2009) EXPEDIENTE CONSULTA 91787/02 ASSUNTO: Fornecimento de resultados de exames complementares de trabalhadores ao Sistema Público de Saúde

Leia mais

LEI 13003 Manual Perguntas e Respostas

LEI 13003 Manual Perguntas e Respostas LEI 13003 Manual Perguntas e Respostas APRESENTAÇÃO A Federação Baiana de Hospitais e a Associação de Hospitais e Serviços de Saúde do Estado da Bahia, cumprindo com a função de orientar e assessorar hospitais,

Leia mais

EMENTA: RECURSO. PENALIDADE ORIGINAL: Multa no valor de R$ 8.000,00. BASE NORMATIVA: Arts. 36 e 88 do Decreto-Lei n 73/66.

EMENTA: RECURSO. PENALIDADE ORIGINAL: Multa no valor de R$ 8.000,00. BASE NORMATIVA: Arts. 36 e 88 do Decreto-Lei n 73/66. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS W>' PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO - CRSNSP 21P Sessão Recurso n 6719 Processo SIJSEP n 154 14.000299/2012-50

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2.004/2.005 (Empregados em Instituições Beneficentes, Religiosas e Filantrópicas)

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2.004/2.005 (Empregados em Instituições Beneficentes, Religiosas e Filantrópicas) CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2.004/2.005 (Empregados em Instituições Beneficentes, Religiosas e Filantrópicas) Pelo presente instrumento, de um lado o SINDICATO DOS TRABALHADORES EM TURISMO, HOSPITALIDADE

Leia mais

REGULAMENTO DA CERTIFICAÇÃO POR EXPERIÊNCIA

REGULAMENTO DA CERTIFICAÇÃO POR EXPERIÊNCIA REGULAMENTO DA CERTIFICAÇÃO POR EXPERIÊNCIA 2010 1 1. Este Regulamento traz as regras adotadas pelo ICSS para a Certificação por Experiência de Profissionais, através do reconhecimento da sua capacitação

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação

SUMÁRIO. Apresentação SUMÁRIO Apresentação I. Portarias da Presidência... 05 II. Portarias da Corregedoria... 12 III.Portarias das Coordenações Regionais... 16 IV. Atestados Administrativos...... 17 SEPARATA DO BOLETI M DE

Leia mais