9 A DESCOBERTA DO SEPULCRO by albertosolana. Tradução por Paulo Santos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "9 A DESCOBERTA DO SEPULCRO by albertosolana. Tradução por Paulo Santos"

Transcrição

1 9 A DESCOBERTA DO SEPULCRO by albertosolana Tradução por Paulo Santos O relato da descoberta também se faz em forma de lenda: No reinado de Afonso II, o Casto, um eremita chamado Pelayo, próximo à aldeia de Solovio, foi testemunha da existência de lamparinas no bosque de Libredón, onde vivia, recebendo em sonhos a profecia dos anjos de que se tratava dos restos do Apóstolo. Os fiéis que compartilhavam o conhecimento do fenómeno, informam o bispo Teodomiro, que perante o depoimento, deslocou-se ao lugar, e surpreendido pela descoberta, ordenou à comitiva fazer três dias de jejum, e depois mandou abrir uma brecha no bosque para observar o que continha. Encontra no meio da vegetação, um pequeno edifício com um altar, em cujo interior descobriu um túmulo maior e outros dois de menor dimensão, que flanqueavam o primeiro, o que identifica como o sepulcro do Apóstolo Santiago e seus discípulos, Atanásio e Teodoro. A reação de Teodomiro, longe de precipitada, pode valorizar-se de serena, considerando que o episódio o podia elevar quase à mesma categoria de Bispo de Roma, ao jazer na sua diocese, os restos de um Apóstolo eleito do Senhor. Poderia projetar uma viagem a Roma, do Papa Leão III, ou ao império Carolíngio, de Ludovico Pio. Um critério que nos indica que mais do que o resultado de uma descoberta magnífica, procurou dar a conhecer uma notícia oculta e que quer proteger. Evitou atitudes grandiosas e limitou-se a informar a seu rei, Afonso II, monarca do reino asturiano, que lutava mais pela subsistência que pelas grandezas históricas. A reação asturiana não foi tão rápida como é habitual ser referida, senão mesmo contida, pois em Oviedo já existia, fundada pelo rei Fruela I, no século VIII, uma veneração ao templo préromânico, cuja câmara santa guardava as valiosas relíquias e onde se realizava o culto ao Salvador. O descobrimento jacobeu veio despertar um sentimento de concorrência moral e uma dúvida legítima da autenticidade. Por isso, as crónicas oficiais asturianas foram discretas.

2 Posteriormente, a descoberta parece que acabou por convencer o monarca, que organizou uma viagem com a corte ao túmulo, e mandou construir no ano de 834, vários anos após a descoberta, uma igreja que acolhesse o mausóleo. Esta viagem do monarca desde Oviedo até Compostela é considerada como a primeira peregrinação oficial ao lugar santo, originando o que hoje é denominado por Caminho Primitivo. Ao que tudo indica, Teodomiro apresentou argumentos que creditaram ao monarca a certeza na descoberta, e este acaba por reconhecer e avalizar. Não o faz erguendo um Templo grande, mas sim uma modesta basílica de pedra composta por uma única nave, junto da qual se edificaram as igrejas de São Salvador e de São João, o mosteiro de Antealtares e o palácio episcopal, conjunto que se dimensiono u com uma muralha definindo um recinto que constituía o Locus Sanctus Iacobi.

3 Depois dos reinados de Ramiro I e Ordonho I, o rei Afonso III, durante o episcopado de Sisnando I, derrubou a primitiva igreja e mandou erigir outra maior e suntuosa, composta por três naves, em pedra talhada e com colunas e pisos de mármore, cujas obras se iniciaram no ano de 872 e foram consagradas em 899. Mais tarde, Sisnando II, perante os sucessivos ataques normandos, reforça com maior solidez a primitiva muralha do Locus. Este foi o conjunto arquitetónico que Almanzor destruiu no ano de 997. As duas basílicas asturianas, muito diferentes em dimensões e revestimento de materiais, têm um ponto em comum: conservar a Edícula (nicho) Sepulcral romano no topo. Ambas foram edificadas para guardar o sepulcro jacobeu. O facto é interpretado por muitos como uma iniciativa eclesiástica ao serviço da Reconquista da Península, e consideram a descoberta, resultado de oportunismo militar, ao serviço da reconquista e da igreja. refutável. O oportunismo militar, esgrimido com frequência, é tão aparente como inconsistente, pois Santiago já era motivo de culto no norte de Espanha, considerado padroeiro e protetor, cerca de 50 anos antes do descobrimento da sua sepultura, e dado que entre o início da Reconquista, em 722 e o momento da Inventio, em 829, decorre mais de um século, tornando o referido argumento A grande batalha de Clavijo, supostamente decorrida no ano de 844, durante o reinado de Ramiro I, implica tal manipulação de dados e interesses que a convertem numa falsidade histórica. Tem início na afronta ao tributo de cem donzelas, supostamente indicado pelo rei Mauregato dos muçulmanos com o intuito de evitar contendas guerreiras. A glória do triunfo, com a ajuda milagrosa do Apóstolo Santiago, desde esse momento com a alcunha de Mata-mouros, profetizou ao rei em sonhos, que a sua intervenção, seria favorecida num cavalo

4 branco e espada prateada, que o levaria à vitória, e em agradecimento o rei estabeleceu um tributo (promessa a Santiago). Sánchez Albornoz demonstra que esta batalha não existiu, e que a verdadeira contenda decorreu em Monte- Laturce, em Albelda, e vencida alguns anos mais tarde por Ordonho I, sem o mencionado tributo de donzelas, nem intervenção milagrosa, nem a promessa a Santiago. Foi Ramiro II, rei de Castela e León, em peregrinação a Compostela, que invocou a proteção do Apóstolo, outorgando a promessa a Santiago depois da batalha de Simancas, no ano de 939, sendo auxiliado pelos condes Fernán González e Assur Fernández, e alcançado uma sólida vitória sobre as tropas de Abderramán III. Santiago converte-se em símbolo para as tropas, de modo isolado e pouco decisivo num extenso processo de séculos, onde nem sequer é o único que ostenta a alcunha de mata-mouros. No reino de León, com o padroeiro Isidoro de Sevilha (sepultado em León), é invocado a mesma alcunha, e o mesmo acontece com os castelhanos, com o seu patrono São Millán da Cogolla. De acordo com tradição cluniacense, anterior à descoberta do sepulcro, cada exército tem seu patrono e rende tributo em forma de promessa. Santiago acaba por se impor no final do Século XIV, com a Reconquista já muito avançada e que resulta numa Espanha Imperial cujas guerras divinas encontram um estandarte adequado. Inclusive ainda no século XVII, San Millán volta a ser proclamado Patrono de Castela, e copatrono de Espanha, e inclusivamente, nesta época é proposto consentir o patronato de Espanha a Santa Teresa em detrimento de Santiago. Invocar o mito de Santiago, mata-mouros, como montagem pró-reconquista é um erro, que contribuiu muito para o legado património artístico, mas que não tem relação com a origem da Tradição Jacobeia.

5 Para Sánchez Albornoz, a Reconquista não teve nada de guerra santa, portanto não obedecia ao cumprimento de um conceito proposto pelo Islão, nem se entendia como forma de morte mártire. Também não pode ser entendido como uma cruzada, porque não foi levada a efeito com motivações religiosas nem a extensão de um credo. Ainda que a Reconquista tenha tido início em comunidades periféricas do reino visigodo de Toledo (astures, cántabros ), com a tradicional resistência a ser subjugada, nos territórios hispanos do norte, mistura-se com os interesses dos godos fugitivos da batalha de Guadalete, em 711, perante as tropas berberes do norte de África que atravessaram Gibraltar, ao comando de Tariq e Muza, por mediação do Conde dom Julián, no conflito dinástico pela coroa de Witiza. A ajuda converte-se em invasão, e sozinho durante quatro anos, sem resistência, por capitulações pacíficas, transações e pactos amistosos, e às vezes por força militar, apoderam-se de quase toda a Península Ibérica. Dom Pelayo, foi o obreiro da união da revolta dos povos do norte com a motivação patriótica dos visigodos fugitivos e congrega num único movimento que, talvez a partir de sentimentos diversos, se reúne numa frente comum. Assim, desde a fundação de Oviedo, no Século VIII, a Reconquista tem como objetivos mencionados em crónicas, a expulsão dos muçulmanos como usurpadores do visigodo, e a restauração do reino visigodo, que já tinha conseguido a desejada unidade territorial entre o ano de 476 e 711. A intacta identidade visigótica reiniciou cedo um processo de restauração, não por motivação doutrinal, mas patriótica. Assim, é infundado julgar, que mais de um século após seu início, se recorresse à farsa de um sepulcro grandioso para incentivar a Reconquista. O oportunismo eclesiástico tem menos fundamento ainda, porque a Tradição Jacobeia, contrariamente ao que se costuma deferir, não foi criada pela Igreja à sua medida, sendo inclusivamente a primeira em adotar uma atitude crítica, tendo Roma ignorado durante muito tempo Compostela. No final do século X, a igreja hispano-visigoda, considerada arruda e ignorante, possuía pouco prestígio em Roma, em contraste com a celebridade de Santiago, citada nas crónicas muçulmanas como o mais importante santuário cristão de Hispânia, aonde peregrinavam com origem em todas as partes da Europa, inclusive de Roma. Desta forma, é iniciado uma rivalidade latente entre Santiago e Roma, que

6 resultou na primeira iniciativa romana de abolir o rito visigótico e substituí-lo pelo romano. Em meados do Século XI, Roma observa com preocupação a crescente predominância que atinge toda a esfera cristã da igreja de Santiago, de que o bispo Iriense, Cresconio ( ), desperta uma onda de inquietude na sede do catolicismo, com a acusação de se preocupar mais com armas e milícias do que das questões pastorais, com domínio sobre outros bispados hispanos, com poder concedido pelos reis e prestígio bélico reconhecido em crónicas, e sobretudo por denominar-se episcopis lriensi apostolicae sedis. Marcado com todos estes incidentes, que são entendidos como gestos de insubmissão perante os representantes enviados pela Igreja Católica, em questões de protocolo de receção, bem como algumas declarações que soaram discordantes, a suspeita converteu-se em acusação de arrogância e soberba, e diante o risco de um problema eclesiástico, o Papa León IX, no Concilio de Reims, no ano de 1049, excomunga Cresconio, por conceder a si próprio o título de bispo da sede apostólica, que é entendido por Roma como uma exagerada ambição de superioridade da Igreja Hispana, num tratamento igualitário para com a sede do catolicismo. Simultaneamente, na excomunhão, ditam-se vários cânones que afetavam a velha igreja hispana, em particular à de Gallaecia. Mas se são infundadas as argumentações de oportunismo, o discurso deixa impressão e, em relação a Santiago, os críticos que tomam o partido anti jacobeu, questionando a historicidade de Teodomiro, chegando a ser encarado uma personagem fictícia para a ocasião, e negar a existência precedente de Compostela, que se considera uma cidade criada no século IX para albergar um sepulcro inventado, desencadeando o desnecessário dilema se Compostela é ou não uma montagem ao serviço de interesses militares e eclesiásticos. É certo e deve ser assinalado, que Santiago é dirigido com diversas intenções muito direcionadas, sugerindo ser uma montagem em que muitos obtêm resultados: os militares conseguem dedicação nas batalhas; os reis e políticos ganham terrenos conquistados; os monges conseguem promoção da peregrinação que eleva as doações e mordomias; os prelados atingem benefícios fiscais e favores económicos; a Igreja adquire a captação de devotos e designa uma alternativa à Terra Santa. Estes interesses, frequentemente utilizados pelas mais mesquinhas atitudes humanas, mancham a Tradição Jacobeia, de

7 igual forma que fizeram os mercadores no Templo de Jerusalém. Mas estes nunca foram os motivos geradores, senão atitudes que rentabilizam um fenómeno anterior que não é fruto de uma montagem oportunista ou de um simples erro. Caso tivesse sido, a História e a arqueologia teriam detetado, e não existe tal referência. Não se aceita que Compostela fosse o resultado de uma super-trama multidisciplinar, um complô supra-histórico, em que os dados documentários favoráveis carecem de rigor ou são falsificações, na necessidade e na oportunidade de que umas relíquias sejam motivo suficiente para que se alinhem num mesmo grupo monges, prelados, políticos, reis, militares, homens de ciência, peregrinos de toda a condição, e as atitudes e documentos de gentes de diferentes momentos históricos, sejam interesseiros, ou falsos, ou equivocados, ou manipulados. E ainda, que todos tenham sido capazes de coordenar uma mentira ao longo dos séculos, transmitida na perfeição, que encubram a montagem sem resquícios, indetetáveis à arqueologia, sem que hoje em dia seja possível desmentir. Apenas esta situação tem tanto peso argumental, que ainda sem ser demostrativa, guarda muita convicção em favor da Tradição Jacobeia. Seria bem pouco se isto fosse tudo, mas há bem mais.

A UTILIZAÇÃO POLÍTICA DO MITO DO APÓSTOLO SANTIAGO NO REINADO DE ALFONSO II, O CASTO (791-842).

A UTILIZAÇÃO POLÍTICA DO MITO DO APÓSTOLO SANTIAGO NO REINADO DE ALFONSO II, O CASTO (791-842). A UTILIZAÇÃO POLÍTICA DO MITO DO APÓSTOLO SANTIAGO NO REINADO DE ALFONSO II, O CASTO (791-842). CAMPOS, Andréa Rodrigues (UEM) REIS, Jaime Estevão dos (UEM) INTRODUÇÃO O reino das Astúrias situado no extremo

Leia mais

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O sistema feudal entra em crise com o advento das cidades e a expansão do comércio, somados a outros fatores. 1) Necessidade de moedas, crescimento das cidades

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 5 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início:15-21 de setembro 2015 *Fim:17 dezembro 2015 *Início:4

Leia mais

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História e Geografia de Portugal 6º Ano de Escolaridade Prova 05 / 2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 90 minutos.

Leia mais

7 VERACIDADE DO DESTINO HISPANO albertosolana

7 VERACIDADE DO DESTINO HISPANO albertosolana 7 VERACIDADE DO DESTINO HISPANO albertosolana Tradução por Paulo Santos Uma primeira objeção dos detratores jacobeus é a FALTA DE TEMPO para realizar tão grandiosa viagem, perante o eventual mandato de

Leia mais

Crise no Império Romano. Capítulo 6

Crise no Império Romano. Capítulo 6 Crise no Império Romano Capítulo 6 A falta de escravos leva ao aparecimento do sistema do colonato. Corte nas verbas do exército, gera revolta e briga entre os generais. Os generais passam a não obedecer

Leia mais

Forma de organização econômica e tutorial rural na qual o trabalhador arrenda uma porção de terreno sob condição de reservar parte de sua produção como pagamento ao proprietário. O colono é denominado

Leia mais

Prof. Alexandre Goicochea História

Prof. Alexandre Goicochea História FRANCO Merovíngia Carolíngio ISLÂMICO Maomé Xiitas (alcorão) e Sunitas (suna e alcorão) BIZÂNTINO Justiniano Igreja Santa Sofia Iconoclastia Monoticismo (Jesus Cristo só espírito) Corpus Juris Civilis

Leia mais

DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO 6ª 3 P2 REVISÃO

DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO 6ª 3 P2 REVISÃO DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO História CONTEÚDO: CAP 3 - Islã CAP 4 Francos e Carolíngios 6ª 3 P2 REVISÃO 1. Na Arábia pré-islâmica, uma cidade em especial se transformou num ponto de encontro,

Leia mais

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno.

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. História 8A - Aula 22 As Monarquias Feudais 843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. -Séculos IX e X sociedade francesa se feudalizou. -Poder real enfraqueceu. -Condes,

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 1 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. Leia o texto e responda. A formação da sociedade medieval foi um processo longo e complexo, que reuniu durante séculos características

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 6 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Observe a imagem e responda às questões 1 e 2. REPRODUÇÃO 1. Cite dois elementos presentes na imagem que representam a Igreja católica.

Leia mais

6 CRITÉRIOS DA VERDADE NAS ESCRITURAS albertosolana

6 CRITÉRIOS DA VERDADE NAS ESCRITURAS albertosolana 6 CRITÉRIOS DA VERDADE NAS ESCRITURAS albertosolana Tradução por Paulo Santos Um capítulo que me parece de grande valor é o que denomino A AUSÊNCIA DE SANTIAGO. Nos Atos dos Apóstolos, contrasta que dos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA código 171608 Escola Básica D. Domingos Jardo MANUAL ADOPTADO: HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - HGP AUTORES: ANA OLIVEIRA/ FRANCISCO CANTANHEDE/ MARÍLIA GAGO

Leia mais

Locais a Visitar na Vila de Almodôvar

Locais a Visitar na Vila de Almodôvar Locais a Visitar na Vila de Almodôvar Igreja Matriz de Almodôvar A matriz é o monumento mais visitado do Concelho de Almodôvar e é dedicada a Santo Ildefonso, sendo que D. Dinis doou-a à Ordem de Santiago,

Leia mais

Solenidade de Nossa Senhora Auxiliadora

Solenidade de Nossa Senhora Auxiliadora BELO HORIZONTE, 21 DE MAIO DE 2010 Nº 002 Prezados Salesianos, demais grupos da Família Salesiana e Leigos, No dia 24 de maio, celebramos a Solenidade de Nossa Senhora Auxiliadora, padroeira de toda a

Leia mais

As reformas religiosas do século XVI

As reformas religiosas do século XVI As reformas religiosas do século XVI Crise na Igreja: a contestação e a ruptura Prof. Nilson Urias Crises religiosas na Europa No início do século XVI, a Igreja vivia uma época de profunda crise. Século

Leia mais

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Conteúdos Ano Lectivo Período Lectivo Tema A-A península Ibérica: dos primeiros povos à formação

Leia mais

Conteúdos/conceitos Metas curriculares Atividades Calendarização

Conteúdos/conceitos Metas curriculares Atividades Calendarização (200) Programa de História e Geografia de Portugal - 2º ciclo Conteúdos/conceitos - Metas curriculares - Atividades a dinamizar na escola com os alunos Conteúdos/conceitos Metas curriculares Atividades

Leia mais

Reforma Religiosa. Contra-Reforma. Crise da Igreja no séc. XVI. Crise da Igreja no séc. XVI. O Movimento Reformista - Início 30/01/2015

Reforma Religiosa. Contra-Reforma. Crise da Igreja no séc. XVI. Crise da Igreja no séc. XVI. O Movimento Reformista - Início 30/01/2015 Crise da Igreja no séc. XVI Reforma Religiosa e Contra-Reforma Muitos Humanistas criticaram a Igreja de então devido ao comportamento dos seus membros: Os Papas estavam mais interessados no luxo e no seu

Leia mais

ALEXA X NDR D E, E O G RANDE D

ALEXA X NDR D E, E O G RANDE D ALEXANDRE, O GRANDE A Macedônia é um país nos Balcãs, leste da Europa, que faz fronteira com a Grécia, Sérvia,Albânia e Bulgária. Foi anexada à Iugoslávia e no século XX, tornou-se independente LOCALIZAÇÃO

Leia mais

Sociedade das Ciências Antigas. O que é um Iniciado? por Papus

Sociedade das Ciências Antigas. O que é um Iniciado? por Papus Sociedade das Ciências Antigas O que é um Iniciado? por Papus Publicação feita na revista L'Initiation nº 4, de 1973. Uma das causas mais reiteradas da obscuridade aparente dos estudos das Ciências Ocultas

Leia mais

Leitura. orientada. Rui Baptista

Leitura. orientada. Rui Baptista Fichas de Leitura orientada Rui Baptista INTENÇÕES CENTRAIS DO TRABALHO Encorajar o manuseamento do livro/ /objecto como forma de antecipar o conteúdo e de aprender a seleccionar o que se deseja ler. Promover

Leia mais

Prof. Cristiano Pissolato. Formação dos Estados nacionais. França

Prof. Cristiano Pissolato. Formação dos Estados nacionais. França Prof. Cristiano Pissolato Formação dos Estados nacionais França Ducado da Normandia sob controle Plantageneta (ING). Ducado da Bretanha administrada pela dinastia Plantageneta (ING) a partir de 1116 porque

Leia mais

1 substituição do teto de madeira por abóbadas. 2 grande espessura das paredes,

1 substituição do teto de madeira por abóbadas. 2 grande espessura das paredes, Arte românica é o nome dado ao estilo artístico vigente na Europa entre os séculos XI e XIII. O estilo é visto principalmente nas igrejas católicas construídas após a expansão do cristianismo pela Europa

Leia mais

UNIFICAÇÃO Ã DA D ITÁLIA

UNIFICAÇÃO Ã DA D ITÁLIA UNIFICAÇÃO DA ITÁLIA SUIÇA PENÍNSULA ITÁLICA ÁUSTRIA ESLOVENIA UNIFICAÇÃO DA ITÁLIA Localizada no centro-sul da Europa. Ao norte, faz fronteira com França, Suíça, Áustria e Eslovênia ao longo dos Alpes.

Leia mais

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO?

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? A palavra Concílio significa assembleia reunida por convocação e, na Igreja, um concílio sempre teve como objetivo discutir, definir e deliberar sobre questões de

Leia mais

CIDADES CONSTRUÍDAS SOBRE 7 COLINAS

CIDADES CONSTRUÍDAS SOBRE 7 COLINAS CIDADES CONSTRUÍDAS SOBRE 7 COLINAS Só uma cidade com mais de 2000 anos tem sido conhecida como a cidade dos sete montes. Essa cidade é Roma. A COTHOLIC ENCYCLOPEDIA declara: ''É dentro da cidade de Roma,

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de Disciplina: Shannon Botelho 7º ano. TURMA: NOME: nº ARTE PÁLEO-CRISTÃ OU DAS CATACUMBAS Surgiu com os primeiros

Leia mais

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Deus nos alerta pela profecia de Oséias de que o Povo dele se perde por falta de conhecimento. Cf. Os 4,6 1ª Tm 4,14 Porque meu povo se perde

Leia mais

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife.

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife. Invasões Holandesas A dependência holandesa do açúcar brasileiro era enorme; Entre 1625 e 1630 a Holanda dedicou-se aos ataques de corsários, no litoral brasileiro e região do Caribe, chegando a ocupar

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

Centenário da Imigração Japonesa:

Centenário da Imigração Japonesa: Centenário da Imigração Japonesa: 2008 PODE SER O ANO DA BEATIFICAÇÃO DE MONS. NAKAMURA Álvares Machado, uma cidade batizada com o nome de Brejão em 1916, recebeu seus primeiros habitantes. Eram autênticos

Leia mais

Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano

Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano A Bíblia, na parte denominada Antigo Testamento (Torá), é o principal documento da história dos hebreus. Foi escrita ao longo

Leia mais

DAS ARTES. 1º semestre / 2012 Aula 5 26/03/2012. Prof. a M. a Marcela Provinciatto Siscão. masiscao@hotmail.com

DAS ARTES. 1º semestre / 2012 Aula 5 26/03/2012. Prof. a M. a Marcela Provinciatto Siscão. masiscao@hotmail.com ESTÉTICA TICA E HISTÓRIA DAS S 1º semestre / 2012 Aula 5 26/03/2012 Prof. a M. a Marcela Provinciatto Siscão masiscao@hotmail.com IDADE MÉDIA Idade Antiga (Antiguidade) Idade Média (Era Medieval) c ESCRITA

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

PASCOM. A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos,

PASCOM. A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos, PASCOM A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos, t e x t o s e i d é i a s p a r a a s matérias! Nossa Senhora da Penha, que sabe o nome de cada

Leia mais

IGREJA EPISCOPAL ANGLICANA DO BRASIL

IGREJA EPISCOPAL ANGLICANA DO BRASIL SEGUE ABAIXO QUADRO COMPARATIVO ENTRE ESTATUTO ANTIGO E ESTATUTO NOVO DA PAULO ESTATUTO ANTIGO 2009 Conforme Assembleia Geral Extraordinária 16/05/2008 ARTIGO 1- NOME E NATUREZA DA IGREJA A Igreja Anglicana

Leia mais

A formação dos Estados Nacionais M3_Unid.1. Profª Viviane Jordão

A formação dos Estados Nacionais M3_Unid.1. Profª Viviane Jordão A formação dos Estados Nacionais M3_Unid.1 Profª Viviane Jordão O que é Nação? Nação é um contrato político. Os integrantes de uma nação compartilham os mesmos direitos e uma mesma história. Ser brasileiro

Leia mais

Antiguidade século IV. Arte Bizantina

Antiguidade século IV. Arte Bizantina Antiguidade século IV Arte Bizantina Na Antiguidade, além da arte Egípcia e Grega, também encontram-se a Romana, Paleocristã e Bizantina... Enquanto os romanos desenvolviam uma arte colossal e espalhavam

Leia mais

PORTUGAL. 1º. DIA -Lisboa. 2º. Dia - Sintra, Cascais e Estoril

PORTUGAL. 1º. DIA -Lisboa. 2º. Dia - Sintra, Cascais e Estoril PORTUGAL 1º. DIA -Lisboa Saída do Hotel para visita da cidade de Lisboa. Visitaremos o centro da cidade como Praça do Rossio, Avenida da Liberdade, Praça do Marquês de Pombal, Parque Eduardo VII. Colina

Leia mais

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa Celebrar os 50 anos da abertura do Concílio no Ano da Fé 1. Na Carta apostólica A Porta da Fé, assim se exprime

Leia mais

A formação da Europa medieval

A formação da Europa medieval A formação da Europa medieval Causas da crise do Império Romano: Crises e retomadas dos séculos III e IV; Anarquia militar; As complexas relações com os germânicos; Guerra civil (generais sem consenso);

Leia mais

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação)

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação) O batismo do Espírito Santo (continuação) #62 Estamos falando sobre alguns dons do Espírito Santo; falamos de suas obras, dos seus atributos, como opera o novo nascimento e, por último, estamos falando

Leia mais

O JULGAMENTO DE CRISTO

O JULGAMENTO DE CRISTO Por Constantino Ferreira O JULGAMENTO DE CRISTO O julgamento de Cristo teve dois aspectos processados em seis partes, três religiosas e três civis, entre a uma e as sete horas. 1. Jesus foi interrogado

Leia mais

Há que imaginar a Europa nos séculos XII e XIII como um imenso tabuleiro de

Há que imaginar a Europa nos séculos XII e XIII como um imenso tabuleiro de SEXTA CRUZADA (1228 1229) O Desencadeamento. Desde 1187 Jerusalém permanecia em mãos dos Muçulmanos. Nenhuma das Cruzadas anteriores havia conseguido avanço algum em terra Santa. Desta forma havia a necessidade

Leia mais

1 de 5 8/4/2010 14:51

1 de 5 8/4/2010 14:51 1 de 5 8/4/2010 14:51 Ato assinado por ocasião da Audiência Privada do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva com Sua Santidade o Papa Bento XVI - Vaticano, 13 de novembro de 2008 ACORDO ENTRE A REPÚBLICA

Leia mais

O ISLÃ E A FORMAÇÃO DA EUROPA DE 570 A 1215

O ISLÃ E A FORMAÇÃO DA EUROPA DE 570 A 1215 ORTA, D. A. A. O Islã e a formação da Europa de 570 a 1215 223 O ISLÃ E A FORMAÇÃO DA EUROPA DE 570 A 1215 God s crucible: Islam and the making of Europe, 570-1215 Daniel Augusto Arpelau Orta * LEWIS,

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais

TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM

TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM Página 1 TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM 01. Canto de Entrada 02. Saudação inicial do celebrante presidente 03. Leitura

Leia mais

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 17 Assíncrona TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdos: China: dominação

Leia mais

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre o Indivíduo 2/9

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre o Indivíduo 2/9 Os Legados da Reforma Protestante Sobre o Indivíduo 2/9 Criado por Pedro Siena Neto em 03/2015 O legado da reforma sobre o indivíduo o trabalho a comunidade a intervenção divina a educação a economia o

Leia mais

A Apostolicidade da Fé

A Apostolicidade da Fé EMBARGO ATÉ ÀS 18H30M DO DIA 10 DE MARÇO DE 2013 A Apostolicidade da Fé Catequese do 4º Domingo da Quaresma Sé Patriarcal, 10 de Março de 2013 1. A fé da Igreja recebemo-la dos Apóstolos de Jesus. A eles

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 524/VIII ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DE ANCEDE, NO CONCELHO DE BAIÃO, À CATEGORIA DE VILA. I Contributo histórico

PROJECTO DE LEI N.º 524/VIII ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DE ANCEDE, NO CONCELHO DE BAIÃO, À CATEGORIA DE VILA. I Contributo histórico PROJECTO DE LEI N.º 524/VIII ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DE ANCEDE, NO CONCELHO DE BAIÃO, À CATEGORIA DE VILA I Contributo histórico Ancede, população que sé estende ao longo do rio Douro, tem raízes históricas

Leia mais

Exorto, pois, antes de tudo que se façam súplicas, orações, intercessões, e ações de graças por todos os homens. (1 Timóteo 2:1)

Exorto, pois, antes de tudo que se façam súplicas, orações, intercessões, e ações de graças por todos os homens. (1 Timóteo 2:1) Ministério de Intercessão A Intercessão e a Batalha Espiritual Exorto, pois, antes de tudo que se façam súplicas, orações, intercessões, e ações de graças por todos os homens. (1 Timóteo 2:1) O que é Intercessão?

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A 10º Ano Ano Lectivo - 2012/2013 (sujeita a reajustamentos) Prof. ª Irene Lopes 1º PERÍODO MÓDULO 0 ESTUDAR E APRENDER HISTÓRIA MÓDULO 1 RAÍZES MEDITERRÂNICADA CIVILIZAÇÃO

Leia mais

O Exorcista-Mor do Vaticano afirma que ainda não se fez a Consagração da Rússia

O Exorcista-Mor do Vaticano afirma que ainda não se fez a Consagração da Rússia O Exorcista-Mor do Vaticano afirma que ainda não se fez a Consagração da Rússia pelo Padre Gabriele Amorth Portanto, com a Consagração de 1984 não se realizou uma adequada Consagração da Rússia. E eu estava

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

HISTÓRIA REVISÃO 1. Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 9 Revisão e avaliação da unidade II

HISTÓRIA REVISÃO 1. Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 9 Revisão e avaliação da unidade II HISTÓRIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 9 Revisão e avaliação da unidade II HISTÓRIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Expansionismo Romano - Etapas 1ª.

Leia mais

MENSAGEM À FAMÍLIA MARIANISTA

MENSAGEM À FAMÍLIA MARIANISTA JORNADA DE ORAÇÃO 2010 MENSAGEM À FAMÍLIA MARIANISTA Apresentação do santuário de NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO (Padroeira do Haiti) Porto Príncipe, República do Haiti Jornada Mundial de Oração 10

Leia mais

Visita ao Castelo de Silves

Visita ao Castelo de Silves Sábado, 5 outubro 2013 museu municipal de n.º 101 faro uma ponte para a comunidade m l a as fe s tó com rias Visita ao Castelo de Silves Olá amiguinhos! O Famílias com Estórias está de volta depois de

Leia mais

As Estratégias para termos vitória! Ezequias.

As Estratégias para termos vitória! Ezequias. As Estratégias para termos vitória! Ezequias. Precisamos ser fiéis para sermos abençoados e recebermos as vitórias de Deus. Ezequias significa Jeová fortalece. Hoje veremos que devido à fidelidade de Ezequias,

Leia mais

Sumário. À Guisa de Prefácio...VII Templos...IX Aconselhando o Mèdium...XV Das Reuniões e das Sociedades Espíritas... XXI

Sumário. À Guisa de Prefácio...VII Templos...IX Aconselhando o Mèdium...XV Das Reuniões e das Sociedades Espíritas... XXI Sumário À Guisa de Prefácio...VII Templos...IX Aconselhando o Mèdium...XV Das Reuniões e das Sociedades Espíritas... XXI 1. Infiltração programada...1 2. Avaliando a Ameaça...9 3. Orientando os Encarnados...

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

A TERMINOLOGIA 1ª COMPANHIA

A TERMINOLOGIA 1ª COMPANHIA A TERMINOLOGIA 1ª COMPANHIA 1. Companhia quem escreveu foi Santo Inácio de Loyola que inventou e atribuiu para os jesuítas, o rigor e a disciplina militar. A Companhia de Jesus. 2. Toda a Itália do século

Leia mais

A mudança na lei de Deus

A mudança na lei de Deus A mudança na lei de Deus Toda profecia que vem da parte de Deus deve ser cumprida, como está escrito em Deuteronômio 18: Quando o profeta falar em nome do Senhor, e essa palavra não se cumprir, nem suceder

Leia mais

Superioridade ibérica nos mares

Superioridade ibérica nos mares 2.ª metade do século XVI Superioridade ibérica nos mares PORTUGAL Entre 1580 e 1620 ESPANHA Império Português do oriente entra em crise devido a Escassez de gentes e capitais Grande extensão dos domínios

Leia mais

REQUERIMENTO. Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil

REQUERIMENTO. Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil REQUERIMENTO Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil Documento elaborado de próprio punho. Eu, inscrito no CPF sob o nº e no RG nº aluno da Escola Diaconal

Leia mais

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma Ano Lectivo 2010/2011 HISTÓRIA Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 8º Ano Apresentação nº 10 Renascimento e Reforma Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Leia mais

FO F RMA M ÇÃ Ç O DA D S S MO M NARQUIAS A NACI C ONAIS França e Inglaterra

FO F RMA M ÇÃ Ç O DA D S S MO M NARQUIAS A NACI C ONAIS França e Inglaterra FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS França e Inglaterra Contexto: Cruzadas O Poder Real Ganha Força Burguesia Renascimentos Comercial e Urbano Aliança Rei-Burguesia versus Senhores Feudais e Igreja Os senhores

Leia mais

O primeiro sermão que preguei na PIB em Penápolis depois de empossado foi baseado neste texto, mas a mensagem de hoje não é uma reedição.

O primeiro sermão que preguei na PIB em Penápolis depois de empossado foi baseado neste texto, mas a mensagem de hoje não é uma reedição. Lições essenciais para nos tornamos vitoriosos em 2011 Êxodo 17.8-16 Pr. Fernando Fernandes PIB em Penápolis, 09/01/2011 O primeiro sermão que preguei na PIB em Penápolis depois de empossado foi baseado

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 3

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 3 Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 3 5 Nome: Data: Unidade 3 1. Relacione as colunas a seguir, que apresentam algumas inovações tecnológicas utilizadas a partir do século X. (a) Moinho de

Leia mais

A BENDITA ESPERANÇA DA IGREJA

A BENDITA ESPERANÇA DA IGREJA A BENDITA ESPERANÇA DA IGREJA Ap 21.9-11 - E veio um dos sete anjos que tinham as sete taças cheias das sete últimas pragas, e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a noiva, a esposa do Cordeiro.10

Leia mais

Sobre a Cultura Ibérica

Sobre a Cultura Ibérica Sobre a Cultura Ibérica Joaquina Pires-O Brien O livre comércio universal sem dúvida seria economicamente benéfico à humanidade, se não fosse pela suspeita e animosidade que as nações sentem umas pelas

Leia mais

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna CENTRO CULTURAL DE BELÉM PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015 Segunda Parte Época Moderna Nuno Gonçalo Monteiro Instituto de Ciências Sociais Universidade de Lisboa Quarta Sessão

Leia mais

www.sede.umnovotempo.org.br/estudos JEJUM DO AVIVAMENTO

www.sede.umnovotempo.org.br/estudos JEJUM DO AVIVAMENTO JEJUM DO AVIVAMENTO 1 Dia do Jejum do Avivamento Leitura: Romanos 13:10 à 14 Introdução: Avivamento ou avivar é tornar mais vivo, mais desperto e renovado. O avivamento está ligado a disposição de reformar,

Leia mais

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Igreja Nova Apostólica Internacional Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Depois de, na última edição, termos abordado os aspetos inclusivos e exclusivos no Antigo e no Novo Testamento,

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

Consagração do Concelho à Imaculada Conceição (20 Junho 1945) Cota CMPV/0052 - Actas da Câmara

Consagração do Concelho à Imaculada Conceição (20 Junho 1945) Cota CMPV/0052 - Actas da Câmara Consagração do Concelho à Imaculada Conceição (20 Junho 1945) Cota CMPV/0052 - Actas da Câmara NEWSLETTER: Dando continuidade à nossa nova rubrica on-line: Páginas de História com Estórias, passamos a

Leia mais

ÍNDICE PRÓLOGO PARA A EDIÇÃO PORTUGUESA 13

ÍNDICE PRÓLOGO PARA A EDIÇÃO PORTUGUESA 13 ÍNDICE PRÓLOGO PARA A EDIÇÃO PORTUGUESA 13 I. UMA ESPANHA INACABADA 21 Não canto a história que boceja pelos livros 21 El mar alrededor de Espana 22... los brazos de sus ríos acumulan 26 Espana, Espana,

Leia mais

Lição 8 Trabalhar com Líderes

Lição 8 Trabalhar com Líderes Lição 8 Trabalhar com Líderes Já havia mais de um ano que o António se tornara membro da sua igreja. Ele tinha aprendido tanto! Começou a pensar nos líderes da igreja que o tinham ajudado. Pensava naqueles

Leia mais

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos No Antigo Testamento são citadas algumas cartas, como no 2ºMacabeus, capi.1º. Mas é no Novo Testamento que muitas cartas foram conservadas como parte integrante da revelação de Deus. No Novo Testamento

Leia mais

O ALICERCE DA ESPERANÇA

O ALICERCE DA ESPERANÇA O ALICERCE DA ESPERANÇA ADRIANO MOREIRA Presidente da Academia das Ciências de Lisboa Presidente do Conselho Geral da Universidade Técnica de Lisboa Não é numa data de alegria descuidada, nem sequer da

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

A Itália é um país com mais de trinta séculos de história. Foi, de facto, sede de grandes civilizações que influenciaram profundamente a evolução de

A Itália é um país com mais de trinta séculos de história. Foi, de facto, sede de grandes civilizações que influenciaram profundamente a evolução de HISTÓRIA DA ITÁLIA A Itália é um país com mais de trinta séculos de história. Foi, de facto, sede de grandes civilizações que influenciaram profundamente a evolução de toda a cultura ocidental. Berço da

Leia mais

Grandes Santos de Deus.

Grandes Santos de Deus. Grandes Santos de Deus. Grupo de da IBRVN 2010 2010 John Wyckliff (1320 31 /12/1384) A estrela Matutina da Reforma. Valoroso campeão da Verdade! Foi professor da Universidade de Oxford, teólogo e reformador

Leia mais

Texto Bíblico: Efésios 6.12-13

Texto Bíblico: Efésios 6.12-13 Lição 13 Uma batalha intensa e sem trégua Texto Bíblico: Efésios 6.12-13 No mesmo instante em que recebemos a Jesus como Senhor e Salvador de nossa vida, assumimos uma posição contrária ao império das

Leia mais

E DITORIAL TOMAR, P ORTUGAL

E DITORIAL TOMAR, P ORTUGAL E DITORIAL A brimos mais um Editorial agradecendo a enorme participação de nossos diletos leitores, apresentando suas sugestões, críticas e considerações sobre este Informativo, que, embora estando, apenas,

Leia mais

Rota dos 3 Castelos. 2.ºAbrantes. 3.º Belver. 1.ºAlmourol. Monte da Várzea Almourol. 38 km. Almourol Abrantes. 20 Km. Abrantes Belver.

Rota dos 3 Castelos. 2.ºAbrantes. 3.º Belver. 1.ºAlmourol. Monte da Várzea Almourol. 38 km. Almourol Abrantes. 20 Km. Abrantes Belver. 2.ºAbrantes 1.ºAlmourol 3.º Belver Monte da Várzea Almourol 38 km Rota dos 3 Castelos Almourol Abrantes 20 Km Abrantes Belver 30 Km Belver Monte da Várzea 11 Km Partida: Casa Branca, Monte da Várzea 2

Leia mais

Igreja!de! Nossa!Senhora!do!Carmo! Da!Antiga!Sé!

Igreja!de! Nossa!Senhora!do!Carmo! Da!Antiga!Sé! AtransferênciadaCorteeainstalaçãodaFamíliaRealno Rio de Janeiro, em 1808, marcam uma nova etapa na história do País. A capital do ViceMReino passa a ser a sededogovernoedaadministraçãodoimpériolusoe experimentará

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO. Ano letivo 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO. Ano letivo 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO Ano letivo 2013/2014 Manual de História e Geografia de Portugal do 5º Ano : «Saber

Leia mais

1. Portugal no século XIV tempo de crise

1. Portugal no século XIV tempo de crise 1. Portugal no século XIV tempo de crise A situação que se viveu em Portugal no século XIV foi de uma situação de crise, e foram vários os fatores que contribuíram para isso: Crise agrária os Invernos

Leia mais

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo Aprimoramento 3 parte 2 Prof. Osvaldo 03. (UFPR) Leia os seguintes excertos da Magna Carta inglesa de 1215. 12 Nenhum imposto ou pedido será estabelecido no nosso reino sem o consenso geral. [...] que

Leia mais

CÓD. DISCIPLINAS EMENTAS HIS001

CÓD. DISCIPLINAS EMENTAS HIS001 CÓD. DISCIPLINAS EMENTAS HIS001 Península Ibérica: História, Fontes e Historiografia da Antiguidade aos princípios da Idade Moderna. A elaboração e a escrita da história na Península Ibérica e as suas

Leia mais

Plano Curricular de História e Geografia de Portugal - 2º Ciclo - 5º ano - Ano lectivo 2014/2015

Plano Curricular de História e Geografia de Portugal - 2º Ciclo - 5º ano - Ano lectivo 2014/2015 Plano Curricular de História e Geografia de Portugal - 2º Ciclo - 5º ano - Ano lectivo 2014/2015 Domínios Subdomínios-Objectivos Gerais Descritores Nº Aulas I. A Península Ibérica: Localização e quadro

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos OS EPÍTETOS NOS CÂNTICOS MARIANOS Eliane da Silva (USP) eliane1silva@gmail.com 1. Os epítetos A pesquisa visa mostrar a completude histórica refletida nas cantigas marianas, além das cantigas que tiveram,

Leia mais