Universidade Católica Portuguesa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Católica Portuguesa"

Transcrição

1 Universidade Católica Portuguesa Faculdade de Ciências Humanas GADEP Gabinete de Avaliação e Desenvolvimento Profissional Relatório de Empregabilidade dos Alunos que Concluíram o Curso de Licenciatura no Ano de 2009 Maio de 2012

2 Ficha Técnica Coordenação: Cristina Tavares Salgado Recolha e Tratamento dos Dados: Samir Mussa Valimamade FCH-UCP 2

3 Índice INTRODUÇÃO Justificação do Estudo Metodologia e Caraterização da Amostra... 7 PARTE I : EMPREGABILIDADE: PERCURSOS, TAXAS E CONTORNOS DA ACTIVIDADE PROFISSIONAL Percurso para a obtenção de emprego Tempo para obtenção do primeiro emprego Formas de identificação do primeiro emprego Oportunidades de ingresso na profissão Taxas de empregabilidade Taxa global de empregabilidade Quadro II Taxa Global de Emprego Taxa de emprego por curso Taxa de emprego por sexo Contornos da empregabilidade Relação domínio de atividade profissional/área científica do curso Domínios do exercício da atividade profissional Funções desempenhadas pelos diplomados Escalões de Remuneração Vínculo Laboral Relação entre Média de Licenciatura e a Empregabilidade Relação entre Média de licenciatura e o Tempo para a Obtenção do Emprego PARTE II: A UCP, A IMAGEM E O INGRESSO NO MERCADO DE TRABALHO A Marca Universidade Católica e a sua influência no ingresso no mercado de trabalho Investimento em formação de Competências Reengenharia dos cursos perspectivada pelos alunos: Alterações/Sugestões 49 SÍNTESE CONSIDERAÇÕES FINAIS ANEXOS Anexo 1 Inquérito Empregabilidade Anexo 2 Listagem de empresas e instituições empregadoras FCH-UCP 3

4 Índice de Quadros Quadro I - Taxa de resposta... 8Error! Bookmark not defined. Quadro II - Taxa Global de Emprego... Error! Bookmark not defined. Quadro III - Emprego na Área de Formação Quadro IV - Domínios de Actividade CSC Quadro V - Domínios de Actividade SS Quadro VI - Domínios de Actividade LEA+TARD Quadro VII - Domínios de Actividade FIL Quadro VIII - Funções desempenhadas CSC Quadro IX - Funções desempenhadas SS Quadro X - Funções desempenhadas LEA+TRAD Quadro XI - Funções desempenhadas FIL Quadro XII - Média Vs. Empregabilidade CSC Quadro XIII - Média Vs. Empregabilidade SS Quadro XIV - Média Vs. Empregabilidade LEA+TRAD Quadro XV - Média Vs. Empregabilidade FIL Quadro XVI - Que alterações proporia se fosse chamado(a) a reformular o seu curso? (CSC) Quadro XVII - Que alterações proporia se fosse chamado(a) a reformular o seu curso? (SS) Quadro XVIII - Que alterações proporia se fosse chamado(a) a reformular o seu curso? (LEA+TRAD) FCH-UCP 4

5 Índice de Gráficos Gráfico 1 - Tempo para a Obtenção de Emprego CSC Gráfico 2 - Tempo para a Obtenção de Emprego SS Gráfico 3 - Tempo para a Obtenção de Emprego LEA+TRAD Gráfico 4 - Tempo para a Obtenção de Emprego FIL Gráfico 5 - Formas de conhecimento do primeiro emprego Gráfico 6 - Oportunidades de Ingresso na Profissão... Error! Bookmark not defined. Gráfico 7 - Taxa de Empregabilidade CSC (%)... Error! Bookmark not defined.5 Gráfico 8 - Taxa de Empregabilidade SS (%)... Error! Bookmark not defined.6 Gráfico 9 - Taxa de Empregabilidade LEA+TRAD (%).. Error! Bookmark not defined.6 Gráfico 10 - Taxa de Empregabilidade FIL (%)... Error! Bookmark not defined.7 Gráfico 11 - Taxa de Empregabilidade por Sexo... Error! Bookmark not defined.7 Gráfico 12 - Emprego na Área científica do Curso (CSC)... Error! Bookmark not defined.9 Gráfico 13 - Emprego na Área científica do Curso (SS) Error! Bookmark not defined.9 Gráfico 14 - Emprego na Área científica do Curso (LEA+TRAD) Gráfico 15 - Emprego na Área científica do Curso (FIL) Gráfico 16 - Remuneração Mensal por Curso Gráfico Vínculo Laboral por Curso Gráfico 18 - Relação entre Média e Tempo de Obtenção de emprego (CSC) Gráfico 19 - Relação entre Média e Tempo de Obtenção de emprego (SS) Gráfico 20 - Relação entre Média e Tempo de Obtenção de emprego (LEA+TARD) Gráfico 21 - Relação entre Média e Tempo de Obtenção de emprego (FIL) Gráfico 22 - A UCP e o ingresso no mercado de trabalho CSC Gráfico 23 - A UCP e o ingresso no mercado de trabalho SS Gráfico 24 - A UCP e o ingresso no mercado de trabalho LEA+TARD Gráfico 25 - A UCP e o ingresso no mercado de trabalho FIL Gráfico 26 - Competências cognitivas adquiridas CSC Gráfico 27 - Competências Metodológicas adquiridas CSC Gráfico 28 - Competências de Personalidade adquiridas CSC Gráfico 29 - Competências Sociais adquiridas CSC Gráfico 30 - Competências Cognitivas adquiridas SS Gráfico 31 - Competências Metodológicas adquiridas SS FCH-UCP 5

6 Gráfico 32 - Competências de Personalidade adquiridas SS Gráfico 33 - Competências Sociais adquiridas SS Gráfico 34 - Competências Cognitivas adquiridas LEA+TRAD Gráfico 35 - Competências Metodológicas adquiridas LEA+TRAD Gráfico 36 - Competências de Personalidade adquiridas LEA+TRAD Gráfico 37 - Competências Sociais adquiridas LEA+TRAD Gráfico 38 - Competências Cognitivas adquiridas FIL Gráfico 39 - Competências Metodológicas adquiridas FIL Gráfico 40 - Competências Pessoais adquiridas FIL Gráfico 41 - Competências Sociais adquiridas FIL FCH-UCP 6

7 INTRODUÇÃO 1. Justificação do Estudo O presente trabalho tem como principal objetivo a apresentação dos resultados de um inquérito dirigidos aos ex-alunos que terminaram a licenciatura na Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa no ano letivo de 2008/2009. Conhecer e compreender os contornos que caraterizam a inserção dos diplomados na vida ativa, assim como avaliar o seu grau de satisfação relativamente ao curso que frequentaram, constitui um dos objetivos da FCH, permitindo á Direção tomar decisões em conformidade, procurando auto- regular o sistema de formação, sempre em busca de níveis superiores de Qualidade. Ao GADEP Gabinete de Avaliação e Desenvolvimento Profissional, cumpre realizar este objetivo, recolhendo, tratando e interpretando os dados, resultantes da pesquisa de terreno. 2. Metodologia e Caraterização da Amostra A recolha de informação efetuada dos antigos alunos, apoiou-se no método de inquérito, recorrendo a entrevistas telefónicas ou envio de mail (via inquérito online). Para tal, foi elaborado um guião, integrando respostas fechadas e abertas (que se apresenta em anexo I), concebido de modo a permitir uma fácil utilização e comparabilidade de dados, nas duas modalidades. O universo do estudo foi constituído pelos alunos licenciados no ano de 2009, dos cursos de Comunicação Social e Cultural (CSC), de Serviço Social (SS), Línguas Estrangeiras Aplicadas (LEA), Tradução (TRAD) e de Filosofia (FIL), num total de 157 alunos. Os dados relativos aos cursos de LEA e de Tradução foram analisados como se de um só curso se tratasse, uma vez que, com o findar do curso de Tradução na FCH, os alunos que aí estavam inseridos, passaram a ser considerados como alunos de Línguas Estrangeiras Aplicadas. O inquérito teve início no final do mês de março e foi dado por terminado no final do mês de abril de FCH-UCP 7

8 A taxa de resposta a este inquérito não permitiu a cobertura do universo-157 alunos. A amostra disponível reflete a participação de 102 alunos, o que corresponde a uma taxa global de resposta de 64.9%. Foi sobre esta amostra que se apoiou o presente estudo, dando corpo ao documento que agora se apresenta. Como se pode verificar no Quadro I, o contributo de cada um dos cursos para esta amostra é a seguinte: 63.8% para o curso de Comunicação Social e Cultural (CSC), a 65% para o curso de Serviço Social (SS), o Curso de Línguas Estrangeiras Aplicadas (LEA), em conjunto com o Curso de Tradução (TRAD), obtiveram 70% e por fim 100% para o Curso de Filosofia (FIL). Curso Quadro I Taxa de resposta Número de Alunos Frequência/Número de % Finalistas inquéritos respondidos CSC ,81 SS LEA+TRAD FIL TOTAL ,97 A ausência de respostas por parte dos restantes alunos ficou a dever-se a diversos fatores, dos quais destacamos os seguintes: Inexistência de números de telefone e/ou de endereços eletrónicos válidos; Incorreção de números de telefone e/ou de endereços eletrónicos; Falta de disponibilidade e interesse em colaborar no estudo; Ausência do país. FCH-UCP 8

9 PARTE I Empregabilidade: Percursos, Taxas e Contornos da Atividade Profissional Os parâmetros selecionados para analisar a empregabilidade, reportam-se à situação dos ex-alunos, à data do inquérito, referindo a situação de emprego ou desemprego. São considerados em situação de emprego, os diplomados que se encontram com contratos de estágio profissional, tal como refere o normativo em vigor no Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP). 1. Percurso para a obtenção de emprego 1.1. Tempo para obtenção do primeiro emprego Aquilo que constitui objeto de análise nesta questão é identificar o tempo que os ex-alunos de cada curso, demoraram a conseguir o primeiro emprego, após a conclusão da licenciatura. Os dados obtidos encontram-se representados nos quadros que se seguem: a. Curso de Comunicação Social e Cultural (CSC) Como mostra o Gráfico 1 o tempo de espera para aceder ao 1º emprego, carateriza-se do seguinte modo: 31,3% dos ex-alunos conseguiram emprego em menos de 1 mês após a conclusão da sua licenciatura; Entre 1 e 2 meses de espera encontramos 21,5% dos ex-alunos; De 3 a 6 meses, identificamos 15,6%; 5,8% dos ex-alunos demoraram mais de 1 ano a conseguir os seus empregos; De referir que 7,8% se encontram a trabalhar antes de terminar o curso. FCH-UCP 9

10 Gráfico 1 - Tempo para a Obtenção de Emprego CSC 7,84 5,88 11,76 15,69 5,88 21,58 31,37 Antes de terminar o curso + 1 ano 6 meses a 1 ano 3 a 6 meses 2 a 3 meses 1 a 2 meses - de 1 mês b. Curso de Serviço Social (SS) Para os ex-alunos do curso de SS, a espera para a obtenção de emprego é a seguinte: 47,3% dos ex-alunos conseguem emprego menos de 1 mês, após terminarem o curso; 2 a 3 meses é o tempo de espera para 5,2% dos diplomados; Cerca de 15,7% dos alunos tem emprego entre 3 a 6 meses após o término do curso; 21% dos alunos consegue emprego entre 6 meses e 1 ano; Não é representativa a obtenção de emprego 1 ano após a conclusão das licenciaturas, muito pelo facto do Curso de SS proporcionar aos alunos estágios curriculares, o que na maior parte traduz-se na permanência do ex-aluno a Instituição que estagiou. Gráfico 2 - Tempo para a Obtenção de Emprego SS 10, ,05 15,78 5, ,39 Antes de terminar o curso + 1 ano 6 meses a 1 ano 3 a 6 meses 2 a 3 meses 1 a 2 meses - de 1 mês FCH-UCP 10

11 c. Curso de Línguas Estrangeiras Aplicadas + Tradução (LEA+TRAD) No curso de LEA (associado ao curso de Tradução), a situação é a que o quadro seguinte patenteia: 25% dos alunos obtêm emprego em menos de 1 mês após a conclusão do curso; Entre 3 a 6 meses de espera, a percentagem mantém-se (25%); Pode afirmar-se genericamente que 100% dos ex-alunos deste curso obtêm os seus empregos nos primeiros 6 meses após a conclusão da licenciatura. Gráfico 3 - Tempo para a Obtenção de Emprego LEA+TRAD Antes de terminar o curso + 1 ano 6 meses a 1 ano 3 a 6 meses 2 a 3 meses 1 a 2 meses - de 1 mês d. Curso de Filosofia 100% dos ex-alunos que integram a amostra consegue o emprego antes mesmo de terminar os seus cursos. Deverá salvaguardar-se o fato de não ser certo que se trate do primeiro emprego, uma vez que, uma grande parte dos alunos deste curso, já se encontra empregado antes mesmo de o iniciar. FCH-UCP 11

12 Gráfico 4 - Tempo para a Obtenção de Emprego FIL Antes de terminar o curso + 1 ano 6 meses a 1 ano 3 a 6 meses 2 a 3 meses 1 a 2 meses - de 1 mês Formas de identificação do primeiro emprego A inserção no mercado de trabalho pressupõe a identificação de vagas disponíveis, apoiando-se em diversos meios de informação. O gráfico seguinte ajuda a identificar os meios utilizados pelos alunos para o conhecimento do seu primeiro emprego. Gráfico 5 - Formas de conhecimento do primeiro emprego 54,90% 50% 50% 50% 50% 21,57% 15,79% 26,32% 26,32% 21,05% 15,69% 5,26% 1,96% 3,92% 5,26% 1,96% Comunicação Social Internet Contactos Pessoais Através da UCP Estágio Curricular Outros CSC SS LEA+TRAD FIL FCH-UCP 12

13 Nos quatro cursos em análise, foram os Contactos Pessoais que maior influência teve para o conhecimento do 1º emprego; No curso de Comunicação Social e Cultural (CSC) o fator Contactos Pessoais representou 54,9% dos casos, seguindo-se o recurso à Internet (21,5%) e Outras formas não especificadas (15,6%); No curso de Serviço Social, os meios de informação mais recorrentes são os Contactos Pessoais e o Estágio Curricular, ambos com 26,3%. O conhecimento por Outras formas também teve peso significativo no conhecimento do primeiro emprego (21,0%); No curso de Línguas Estrangeiras Aplicadas + Tradução constata-se que metade dos alunos conheceu o seu emprego atual através da Internet (50%), repartindo a outra metade através de Contactos Pessoais (50%); No curso de Filosofia, metade dos alunos teve o conhecimento do seu primeiro emprego através de Contactos Pessoais (50%) e de Outras formas a outra metade (50%); 1.3. Oportunidades de ingresso na profissão O objetivo desta questão é identificar genericamente os modelos de seleção a que foram sujeitos e resultam em recrutamento dos ex-alunos, como se pode verificar com o apoio do quadro e gráfico seguinte. Gráfico 6 - Oportunidades de Ingresso na Profissão 100% 13,72% 36,84% 25,49% 26,32% 25% 19,61% 10,53% 50% 25,49% 21,05% 25% 15,69% 5,26% Ficou na Instituição onde estagiou Seleccionado por concurso Recomendado por familiares/amigos Candidatura autoproposta Outros CSC SS LEA+TRAD FIL FCH-UCP 13

14 No curso de CSC o processo de recrutamento que apresentou maior incidência recai na candidatura autoproposta e a Selecção por Concurso, ambos com 25,4%. Seguese a recomendação por familiares/amigos (19,6%), sendo que o estágio aparece como última modalidade neste curso (13,72%); No caso dos alunos de SS, a maior parte ficou na Instituição onde Estagiou (36,84%); Metade dos alunos de LEA+TRAD regista maior percentagem de alunos Recomendados por Familiares ou Amigos (50%); Já em FIL os alunos obtiveram os seus empregos unicamente através da Candidatura Autoproposta (100%). 2. Taxas de empregabilidade 2.1. Taxa global de empregabilidade Consideram-se empregados todos os alunos que se encontram profissionalmente vinculados a uma empresa ou instituição. Como se poderá verificar no Quadro II, a taxa de empregabilidade média dos cursos da FCH para os alunos que concluíram a licenciatura no ano de 2008, é aproximadamente 76,58%. Quadro II Taxa Global de Emprego CSC SS LEA+TRAD FIL Média % % % % % 76,11 73,07 57, ,58 FCH-UCP 14

15 2.2. Taxa de emprego por curso No que diz respeito à taxa de emprego de cada curso, os gráficos abaixo representados traduzem visualmente os dados recolhidos, evidenciando a elevada taxa de empregabilidade dos cursos da FCH. a. Curso de Comunicação Social e Cultural (CSC) A taxa de emprego no CCS é de 78,1%, sendo que os desempregados representam 23,8%. Gráfico 7 - Taxa de Empregabilidade CSC (%) 23,88% Empregado Desempregado 76,11% FCH-UCP 15

16 b. Curso de Serviço Social (SS) No curso de SS os empregados representam 73% e os desempregados 26,9%. Gráfico 8 - Taxa de Empregabilidade SS (%) 26,92% Empregado Desempregado 73,07% c. Curso de Línguas Estrangeiras Aplicadas + Tradução (LEA+TRAD) O curso de LEA + Tradução apresenta 57,1% de empregabilidade, estando no desemprego 42,8%. Gráfico 9 - Taxa de Empregabilidade LEA+TRAD (%) 42,85% Empregado Desempregado 57,14% FCH-UCP 16

17 d. Curso de Filosofia (FIL) No curso de filosofia não foi detetada qualquer situação de desemprego. Gráfico 10 - Taxa de Empregabilidade FIL 0% Empregado Desempregado 100% 2.3. Taxa de emprego por sexo A população estudantil da FCH caracteriza-se por um número significativamente superior de mulheres, relativamente aos homens. O método de cálculo da taxa de emprego por sexo patenteia essa desproporção entre os dois grupos, masculino e feminino. O gráfico que se segue representa a taxa de empregabilidade, por sexo, e por curso. Gráfico 11 - Taxa de Empregabilidade por Sexo 94,74% 78,43% 75% 50% 50% 21,57% 25% 5,26% CSC SS LEA+TRAD FIL Masculino Feminino FCH-UCP 17

18 Da observação do Gráfico 11 podemos concluir que: O sexo masculino, apresenta uma taxa de emprego mais elevada nos cursos de CSC (21,5%) e de FIL (50%); No curso de SS, 94,74% das alunas estão empregadas, obtendo este Curso a maior taxa de empregabilidade pelo sexo feminino. Porém, é também neste curso que se regista a taxa mais baixa de empregabilidade no que diz respeito ao sexo masculino com 5,26%; Como referido na introdução deste gráfico, o sexo feminino lidera a empregabilidade em CSC, SS e LEA+TRAD, sendo exceção o curso de FIL que se encontra com a mesma percentagem do sexo masculino (50%). 3. Contornos da empregabilidade 3.1. Relação domínio de atividade profissional/área científica do curso Os Cursos de CSC e SS são aqueles que apresentam melhor taxa de alunos que estão atualmente empregados na sua área de formação, sendo que o Curso de Serviço Social destaca-se com 89% de alunos empregados e o de CCS com 69%. Nos cursos de FIL e de LEA+TRAD a proporção da empregabilidade com a área científica do curso é de 50% para ambos os cursos. Quadro III - Emprego na Área de Formação CSC SS LEA+TRAD FIL Média % % % % % ,5 Os gráficos que se seguem testemunham o que se acaba de afirmar. FCH-UCP 18

19 a. Curso de Comunicação Social e Cultural (CSC) Gráfico 12 - Emprego na Área científica do Curso (CSC) 31% Dentro da área de Formação 69% b. Curso de Serviço Social (SS) Gráfico 13 - Emprego na àrea Científica do Curso (SS) 11% Dentro da área de Formação 89% FCH-UCP 19

20 c. Curso de Línguas Estrangeiras Aplicadas + Tradução (LEA+TRAD) Gráfico 14 - Emprego na àrea Científica do Curso (LEA+TRAD) 50% 50% Dentro da área de Formação Fora da área da Formação d. Curso de Filosofia (FIL) Gráfico 15 - Emprego na Área Científica do Curso (FIL) 50% 50% Dentro da área de Formação Fora da área da Formação FCH-UCP 20

21 3.2. Domínios do exercício da atividade profissional Numa tentativa de procurar conhecer os setores onde os ex-alunos de cada curso se encontram a exercer a sua atividade profissional, passamos a apresentar os quadros que se seguem. a. Curso de Comunicação Social e Cultural (CSC) Quadro IV Domínios de Actividade Curso de CSC Sectores de Actividade Nº de Alunos % Consultoria de Comunicação e 9 17,65 Relações Públicas Comunicação Social 6 11,76 Marketing/Publicidade 4 7,84 Agência de 3 5,88 Comunicação/Assessoria de Imprensa Editorial 2 3,92 Produção Audiovisual/Produção 2 3,92 Televisiva Produção de Aplicações online 2 3,92 Recursos Humanos 2 3,92 Telecomunicações 2 3,92 Comercial 1 1,96 Gestão de Projectos 1 1,96 Hotelaria 1 1,96 Restauração 1 1,96 Saúde 1 1,96 Outros 7 13,73 Não Respostas 7 13,73 TOTAL Observando o Quadro IV, pode verificar-se que no Curso de CSC se encontram a exercer funções em diferentes áreas que, por ordem decrescente se identificam do modo que se segue: Na área da Consultadoria de Comunicação e Relações Públicas (17,6%); Na atividade que denominámos de Outros a taxa de ocupação é de 13,7%; Na área da Comunicação Social encontramos 11,7% dos diplomados; No domínio do Marketing/Publicidade exercem funções 7,8%; Em Assessoria de Imprensa e Agências de Comunicação, estão integrados 5,8% dos inquiridos; FCH-UCP 21

22 A Produção Audiovisual e Televisiva, a Produção Online, os Recursos Humanos e as Telecomunicações, Editorial empregam, cada uma delas e com igual valor percentual de 3,9% diplomados Outras áreas menos representativas em percentagem, mas que se mostram recetivas á inserção profissional dos diplomados da FCH, com igual valor percentual de 1,9% são os sectores da Saúde, Restauração, Hotelaria, Gestão de projetos e Comercial; Nos inquéritos realizados registou-se uma elevada taxa de não-respostas a esta questão pergunta (15,69%), não sendo assim possível enquadrar as respostas dadas nos inquéritos nos Sectores de Actividade aonde os ex-alunos estão empregados. b. Curso de Serviço Social (SS) No curso de Serviço Social, os ex-alunos encontram se em maioria, a trabalhar em departamentos de Serviço Social (42,1%), sendo também representativa a sua integração no domínio da Educação (10,53%). Os sectores da Administração Pública, Saúde Hospitalar e Outros não especificados, dão emprego, com iguais valores percentuais, aos diplomados deste curso. Uma taxa elevada taxa de não-respostas (31,5%) teve lugar nesta pergunta, ficando-se assim por saber exatamente a área de ocupação de muitos dos empregados. Quadro V Domínios de Actividade Curso de SS Sectores de Actividade Nº de Alunos % Serviço Social 8 42,11 Educação 2 10,53 Administração Pública 1 5,26 Saúde/Hospitalar 1 5,26 Outros 1 5,26 Não Respostas 6 31,58 TOTAL FCH-UCP 22

23 c. Curso de Línguas Estrangeiras Aplicadas + Tradução (LEA+TRAD) Tendo o curso de LEA+TRAD uma formação particularmente pluridisciplinar verifica-se uma grande diversidade nas saídas profissionais existentes, estando repartido de igual forma a mesma percentagem (25%) por quatro sectores de atividade: Comércio, Construção, Limpeza e Higiene, Telecomunicações - (Quadro VI). Quadro VI Domínios de Actividade Curso de LEA+TRAD Sectores de Actividade Nº de Alunos % Comércio 1 25 Construção 1 25 Limpeza/Higiene 1 25 Telecomunicações 1 25 Outros 0 0 Não Respostas 0 0 TOTAL d. Curso de Filosofia (FIL) Neste curso, 100% dos alunos encontram-se na área da Educação/Ensino, como mostra o Quadro VII. Quadro VII Sectores de Actividade Curso de FIL Sectores de Actividade Nº de Alunos % Educação/Ensino Outros 0 0 Não Respostas 0 0 TOTAL FCH-UCP 23

24 3.3. Funções desempenhadas pelos diplomados No que diz respeito às funções exercidas pelos ex-alunos da FCH em contexto laboral, estas apresentam uma considerável diversidade, conforme se pode observar através da leitura dos gráficos que se seguem, para cada um dos cursos em análise. Por nos parecer relevante identificar as empresas empregadoras dos alunos da FCH, elaborámos uma listagem constante em Anexo II, como registo do respetivo sector de atividade a que pertencem. a. Curso de Comunicação Social e Cultural (CSC) Quadro VIII - Funções desempenhadas Curso de CSC Actividades Desenvolvidas Nº de Alunos % Jornalista 6 11,77 Manager/Gestor de Projectos 4 7,84 Responsável pelo Dep.de 4 7,84 Comunicação/Merketing Assessoria de Comunicação 3 5,88 Assistente de Marketing 3 5,88 Editor Audiovisual 1 1,96 Técnico Superior de Adm. Pública 1 1,96 Técnico Superior Jurídico 1 1,96 Gestor de Clientes 1 1,96 Assistente de Produção 1 1,96 Director Comercial 1 1,96 Community Manager 1 1,96 Programme Manager 1 1,96 Formador 1 1,96 Outros 7 13,73 Não Respostas 15 29,41 TOTAL Relativamente às funções exercidas pelos diplomados do curso de CSC destaca-se do quadro V o seguinte: Jornalista (11,7%) surge no topo da lista como funções exercidas pelos diplomados do Curso de CSC; Manager/Gestor de Projetos (7,8%) e Responsável pelo Departamento de Comunicação/Marketing (7,8%) destacam-se igualmente como funções relevantes; FCH-UCP 24

25 Assessoria de Comunicação e Assistente de Marketing são duas funções desempenhadas com iguais percentagens (5,8%); Editor audiovisual, Técnico Superior da Administração Pública, Gestor de Clientes, Assistente de Produção, Community Manager, Programme Manager (com 1,9% de profissionais, em cada uma das funções) constituem áreas de possível actividade para os diplomados em referência; Na rúbrica Outros, 13,7% de funções desempenhadas não ficam identificadas, podendo indiciar domínios de atividade diferentes das assinaladas; b. Curso de Serviço Social (SS) Actividades Desenvolvidas Quadro IX - Funções desempenhadas Curso de SS Nº de Alunos % Assistente Social 7 36,84 Director/a Técnico/a 2 10,53 Chefe de Departamento de 2 10,53 Acção Social/Coordenado de Serviço Professor/Assistente de 2 5,26 Educação Técnico/a Superior 1 26,31 Outros 0 0,00 Não Respostas 5 10,53 TOTAL Como se pode verificar no quadro VII, 36,84% dos alunos de Serviço Social são Assistentes Sociais, seguindo-se 26,31% dos alunos que desempenham o cargo que identificam como Ténico Superior. Na área da Educação (5,9%), e nas demais áreas apresentadas, eventualmente poderão desempenhar funções ligadas á sua formação académica. Contudo, não aparece clara esta questão. FCH-UCP 25

26 c. Curso de Línguas Estrangeiras Aplicadas + Tradução (LEA+TRAD) Quadro X - Funções desempenhadas Curso de LEA+TRAD Actividades Desenvolvidas Nº de Alunos % Assessor de Cliente 1 25 Assistente de Direcção 1 25 Auditor Assistente 1 25 Tradutor 1 25 Outros 0 0,00 Não Respostas 0 0,00 TOTAL Como se pode verificar no Quadro X os alunos licenciados em LEA+TRAD centram o seu desempenho em áreas relacionadas com a vocação do curso que frequentaram. Cada uma das funções especificadas corresponde a 25% da amostra considerada: Assessor de Cliente, Assistente de Direção, Auditor Assistente, Tradutor. d. Curso de Filosofia (FIL) A função que predomina nos licenciados em Filosofia que integram a amostra do pressente estudo, é a de professor. Quadro XI - Funções desempenhadas Curso de FIL Actividades Desenvolvidas Nº de Alunos % Professor/a 1 50 Outros 0 0,00 Não Respostas 1 50 TOTAL FCH-UCP 26

27 3.4. Escalões de Remuneração O gráfico 16 permite identificar uma certa similaridade de incidência das médias remuneratórias mais frequentes nos quatro cursos em análise, embora com valores percentuais diferentes. No que diz respeito às médias de remuneração: Acima de 1251 deparamos com ex-alunos dos cursos de Filosofia (50%), de SS (10,5%) e de CCS (9,8%); No escalão de remuneração mensal situado no intervalo de 1001 a 1250 encontramos diplomados dos cursos de Filosofia (50%), de LEA (25%), CCS (17,6%) e SS (15,7%); No escalão situado entre os 750 a 1000, existem diplomados em Filosofia (50%), CCS (17,6%), e SS (15,7%); No escalão remuneratório mais baixo, menos de 500, apenas o curso de CSC aparece com representatividade, atingindo 23,53% dos empregados. Gráfico 16 - Remuneração Mensal por Curso 50% 50% 50% 42,10% 23,53% 25,49% 25% 25% 17,65% 17,65% 15,79% 15,79% 10,53% 9,80% 5,88% 15,79% Menos de 500 De 501 a 750 De 751 a 1000 De 1001 a 1250 Mais de 1251 Não responde CSC SS LEA+TRAD FIL FCH-UCP 27

28 3.5. Vínculo Laboral Os vínculos laborais mais representativos em todos os cursos da FCH são o Contrato a Termo e o Vínculo Efetivo, como mostra o gráfico 17. Uma análise mais fina desta questão permite-nos constatar o seguinte: Todos os ex-alunos de Filosofia empregados detêm um vínculo laboral a termo, encontrando-se nesta situação 57,8% dos Assistentes Sociais, 50% dos diplomados em LEA, 33,3% dos ex-alunos de CSC Gráfico 17 - Vínculo Laboral por Curso 100% 57,89% 50% 50% 42,11% 35,29% 33,33% 7,84% 15,96% 7,84% Efectivo Contrato a Termo Prestação de Serviços Recibo Verde Avença Bolsa/Estágio CSC SS LEA+TRAD FIL 3.6. Relação entre Média de Licenciatura e a Empregabilidade Estudar a relação entre a obtenção de emprego e a média de licenciatura, ou ainda entre esta e a qualidade das situações laborais é uma tarefa que exige o confronto de parâmetros e de variáveis de diversa ordem que não se encontram no âmbito do presente estudo. Neste relatório, cujos resultados agora se apresentam, focámos a atenção apenas na relação verificada entre a média obtida, no final de licenciatura e as variáveis emprego/desemprego. Constatamos, na generalidade dos cursos, que os alunos com médias mais elevadas são mais afetados pelo desemprego. FCH-UCP 28

29 Analisado assim o problema, apenas na vertente empregabilidade, leva-nos a pensar não constituir um mérito desejável conseguir ser o melhor aluno. Isto não será totalmente verdade, quando se sabe que são exatamente estes os ex-alunos que prosseguem os estudos (Mestrados e Doutoramentos) e, opcionalmente, não procuram situações de trabalho imediatas, naturalmente menos propícias a um estudo mais aturado. Face a esta conclusão, procuraremos, em futuros estudos similares, estudar o comportamento da relação entre as duas variáveis em referência, de forma mais desenvolvida e prolongada no tempo, de modo a permitir análises comparativas entre as situações ocorridas nos diferentes anos. Passamos á interpretação do cenário que respeita esta questão, para cada um dos cursos. a. Curso de Comunicação Social e Cultural (CSC) As taxas mais elevadas de empregabilidade encontram-se nos alunos que terminaram o curso de licenciatura com médias de 13, 14, e 15 valores, respectivamente com 78,25%, 84,2% e 83,3%. Os diplomados detentores de médias mais altas são aqueles que são mais afetadas pelo desemprego:100% com média de 16 e 17 valores. Curso Media Quadro XII Média Vs. Empregabilidade Nº de Alunos Empregados Taxa de emprego CSC Nº de Alunos Desempregados Taxa de desemprego % 0 0% ,66% 5 33,33% ,26% 5 15,78% ,21% 3 15,78% ,33% 1 16,67% % 1 100% % 1 100% TOTAL FCH-UCP 29

30 b. Curso de Serviço Social (SS) No curso de Serviço Social, os alunos que terminaram a licenciatura com média de 13 e 14 valores são os que apresentam uma taxa de empregabilidade mais elevada, respetivamente 70% e 100%. Curso Media Quadro XIII Média Vs. Empregabilidade Nº de Alunos Empregados Taxa de emprego SS Nº de Alunos Desempregados Taxa de desemprego % 0 0% % 4 50% % 3 30% % 0 0% TOTAL 19 7 c. Curso de Línguas Estrangeiras Aplicadas + Tradução (LEA+TRAD) No curso de LEA+TRAD também os alunos com médias mais baixas arranjaram mais facilmente emprego (100% empregados com médias de 13 e de 14 valores, comparativamente aos alunos com médias superiores a 16 valores (50% desempregados). Curso Media Quadro XIV - Média Vs. Empregabilidade Nº de Alunos Empregados Taxa de emprego LEA+TRAD Nº de Alunos Desempregados Taxa de desemprego % 0 0% % 0 0% % 1 50% TOTAL 4 1 FCH-UCP 30

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

Relatório. Turística

Relatório. Turística Relatório anual de avaliação de curso Gestão do Lazer e da Animação Turística 2008 2009 Estoril, Março 200 Francisco Silva Director de Curso de GLAT Conteúdo Introdução... 3 2 Dados do Curso... 3 3 Avaliação

Leia mais

Inquéritos de Empregabilidade aplicados aos Diplomados

Inquéritos de Empregabilidade aplicados aos Diplomados Escola Superior de Educação de Almada Inquéritos de Empregabilidade aplicados aos Diplomados Ciclos de Estudo de Mestrado Apresentação de Resultados Departamento para a Garantia da Qualidade Fevereiro,

Leia mais

Inquérito de Empregabilidade

Inquérito de Empregabilidade Inquérito de Empregabilidade / Qual a situação face ao emprego dos nossos diplomados do ano letivo 2012/2013? Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Índice I. O que é o Relatório de Empregabilidade...2

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

Perfil das Ideias e dos Empreendedores

Perfil das Ideias e dos Empreendedores Perfil das Ideias e dos Empreendedores I - Considerações gerais A análise que se segue tem como referência um painel 115 ideias de negócio, com proposta de desenvolvimento por 214 empreendedores, candidatos

Leia mais

Regulamento de Estágios

Regulamento de Estágios Programa de Inserção Profissional Regulamento de Estágios Faculdade de Ciências Humanas Nos últimos anos, o ensino universitário tem vindo a integrar nos percursos formativos a realização de estágios curriculares

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Barómetro das Profissões

Barómetro das Profissões Número 1T/2011 Período: 1 de Janeiro a 31 de Março Abril 2011 Realizado por Isabel Machado para IPAM Carreiras INTRODUÇÃO O presente Barómetro trimestral inserido na investigação do IPAM Carreiras pretende

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Número de Alunos Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Susana Justo, Diretora Geral da Qmetrics 1. Formação em ensino superior, graduada e pós graduada. Em Portugal continua

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Julho de 2013 www.mosteiroecavado.net eb23@mosteiroecavado.net Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Durante o ano letivo 2012/2013,

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

Gabinete de Apoio ao Estudante e Inserção na Vida Ativa (GAEIVA)

Gabinete de Apoio ao Estudante e Inserção na Vida Ativa (GAEIVA) e Inserção na Vida Ativa (GAEIVA) O e Inserção na Vida Ativa (GAEIVA) visa especialmente a integração dos estudantes, dá resposta às necessidades de aprendizagem no sentido de incrementar o sucesso escolar,

Leia mais

INQUÉRITO SOBRE EMPREGO, QUALIFICAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL RELATÓRIO SÍNTESE

INQUÉRITO SOBRE EMPREGO, QUALIFICAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL RELATÓRIO SÍNTESE INQUÉRITO SOBRE EMPREGO, QUALIFICAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL RELATÓRIO SÍNTESE MARÇO 2013 Índice 1. RESUMO EXECUTIVO... 3 2. INQUÉRITO AOS AGREGADOS FAMILIARES... 11 2.1. Descrição do trabalho realizado...

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA

INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA Igualdade de Género INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA Para um conhecimento mais aprofundado da situação de Igualdade de Género e considerando o objectivo

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA De acordo com os últimos dados disponíveis do Observatório para a inserção profissional da Universidade Nova de Lisboa, a taxa de emprego dos alunos

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

CET. Gestão Administrativa de Recursos Humanos Secretariado de Direção e Comunicação Empresarial Técnicas de Turismo Ambiental Gestão Comercial

CET. Gestão Administrativa de Recursos Humanos Secretariado de Direção e Comunicação Empresarial Técnicas de Turismo Ambiental Gestão Comercial CET Cursos de Especialização Tecnológica Gestão Administrativa de Recursos Humanos Secretariado de Direção e Comunicação Empresarial Técnicas de Turismo Ambiental Gestão Comercial GESTÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL ANEXO III RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL -- ÍNDICE ÍNDICE. OBJECTIVOS E ÂMBITO DO ESTUDO. METODOLOGIA. RESUMO. INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL. INOVAÇÃO NOS ÚLTIMOS 6 ANOS 6. APRENDIZAGEM

Leia mais

Data 17/05/2012 Revisão 00 Código R.EM.DE.10

Data 17/05/2012 Revisão 00 Código R.EM.DE.10 Artigo 1º Objectivo e âmbito O Regulamento do Curso de Pós-Graduação em Coordenação de Unidades de Saúde, adiante designado por curso, integra a organização, estrutura curricular e regras de funcionamento

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) Guião de apresentação do pedido

PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) Guião de apresentação do pedido PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação do pedido Versão 1.0 março de 2015 0. Âmbito do guião e síntese

Leia mais

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Direção de Gestão de Informação e Comunicação Centro de Informação e Conhecimento Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Lisboa, janeiro de 2015 Introdução

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO AOS NOVOS ALUNOS

RESULTADOS DO INQUÉRITO AOS NOVOS ALUNOS 1. Taxas de resposta RESULTADOS DO INQUÉRITO AOS NOVOS ALUNOS 21% 29% 79% 71% Responderam Não responderam Responderam Não responderam Gráfico nº 1 - Frequência percentual de respostas dos novos alunos

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

Síntese dos conteúdos mais relevantes

Síntese dos conteúdos mais relevantes Síntese dos conteúdos mais relevantes Nos últimos Censos de 2001, o Concelho da Lourinhã contabilizou 23 265 habitantes, reflectindo uma evolução de + 7,7% face a 1991. Em termos demográficos, no Concelho

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE CAPITAL HUMANO

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE CAPITAL HUMANO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE CAPITAL HUMANO ABERTURA A People & Skills foi criada para responder às necessidades de um mercado cada vez mais apostado em desenvolver e consolidar competências que garantem

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM. Sandra Maria Franco Carvalho

A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM. Sandra Maria Franco Carvalho CENTRO DE COMPETÊNCIAS DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM ESTUDO DE CASO NUMA UNIVERSIDADE

Leia mais

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO Joaquim Mourato (Presidente do CCISP e do IP de Portalegre) XX Congresso Nacional da Ordem dos Engenheiros Centro de Congressos da Alfândega do Porto 18.10.2014 SUMÁRIO

Leia mais

Responsabilidade Social em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos

Responsabilidade Social em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Responsabilidade Social em Portugal 2013 Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos ÍNDICE Sumário Executivo Introdução Caracterização Social Vínculo laboral dos

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Setembro 2013 Agradecimentos

Leia mais

BALANÇO SOCIAL 2014 Março de 2015

BALANÇO SOCIAL 2014 Março de 2015 BALANÇO SOCIAL 2014 Março de 2015 Índice Nota de apresentação... 3 Organograma da DREM... 4 1. Pessoal ao serviço por tipo de carreira e tipo de contratação, segundo o sexo... 5 2. Estrutura etária segundo

Leia mais

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 O Departamento de Informática (DI) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) procura criar e estreitar

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSO - INSPECÇÃO-GERAL DE FINANÇAS

ANÚNCIO DE CONCURSO - INSPECÇÃO-GERAL DE FINANÇAS ANÚNCIO DE CONCURSO - INSPECÇÃO-GERAL DE FINANÇAS A Direcção Geral da Administração Pública e a Inspecção-Geral de Finanças (IGF), através da Direcção Geral do Planeamento, Orçamento e Gestão do Ministério

Leia mais

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se:

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se: ÍNDICE 1. Introdução 3 2. Organograma 7 3. Caracterização Global do Efectivo 9 4. Emprego 10 5. Estrutura Etária do Efectivo 13 6. Antiguidade 14 7. Trabalhadores Estrangeiros 15 8. Trabalhadores Deficientes

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 (canal internet)

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 (canal internet) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 Março 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 Autoridade Tributária e Aduaneira Ministério das Finanças Classificação: 010.10.01 Rua da Prata nº

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA A Associação Portuguesa de Geógrafos (APG) promoveu um inquérito online entre 5 de Novembro e 21 de Dezembro de 2009 com o objectivo de auscultar a comunidade

Leia mais

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS MICROEMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO PARA 2010/2011

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS MICROEMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO PARA 2010/2011 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR OBSERVATÓRIO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos REGULAMENTO DO PROGRAMA COMUNICAÇÃO E GESTÃO DE CIÊNCIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito e objeto 1. O presente regulamento define as normas e os procedimentos de concurso para contratação

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE TIMOR LESTE

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE TIMOR LESTE REGULAMENTO DAS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE TIMOR LESTE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artº. 1º. 1. Com o fim principal

Leia mais

Sistema Interno de Garantia da Qualidade

Sistema Interno de Garantia da Qualidade ISEL Sistema Interno de Garantia da Qualidade RELATÓRIO Inquérito Novos Alunos Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Gabinete de Avaliação e Qualidade Janeiro 2014 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 4 1.1

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Utilização da Internet cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas

Utilização da Internet cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas Utilização da cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas Mais de metade das famílias portuguesas ainda não dispõe de computador mas o parque informático dos agregados familiares

Leia mais

III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL

III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL 1 Enquadramento O Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais (GESP) tem o objectivo de estabelecer uma plataforma de comunicação entre estagiários e recém-mestres

Leia mais

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens Análise Imagem das Agências de Viagens PREÇO VS. SERVIÇO Os portugueses que já recorreram aos serviços de uma Agência de Viagens fizeram-no por considerar que esta é a forma de reservar viagens mais fácil

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL Dezembro ÍNDICE 1. Introdução 4 2. População e Amostra 4 3. Questionário de Satisfação dos Alunos 5 3.1. Caracterização dos inquiridos 5 3.2. Apresentação

Leia mais

Cursos de Licenciatura

Cursos de Licenciatura DLLM Cursos de Licenciatura 2009-2010 1 Cursos de Licenciatura 2009/2010 1º Ciclo Bolonha DLLM Departamento de Línguas e Literaturas Modernas 2 Cursos de Licenciatura 2009-2010 DLLM DLLM Cursos de Licenciatura

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD UTAD 2011 OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD (2003-2007) O. Enquadramento As políticas públicas de ensino superior

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de Lousada. Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos

Escola E.B. 2,3 de Lousada. Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos Escola E.B. 2,3 de Lousada Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos Maria do Céu Belarmino ceubelarmino@sapo.pt Rui Mesquita rui.jv.mesquita@sapo.pt Dezembro

Leia mais

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA NOTA EXPLICATIVA DA AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO ÂMBITO DO 1º CICLO DE ESTUDOS DO CURSO DE LICENCIATURA/MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA, CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM CIÊNCIAS DA ARQUITECTURA.

Leia mais

Os Diplomados e o Emprego na UL

Os Diplomados e o Emprego na UL Os Diplomados e o Emprego na UL NOTA PRÉVIA A Universidade de Lisboa (UL) foi pioneira no estudo da empregabilidade dos diplomados saídos dos cursos que oferece. Em 2000 e em 2005 publicaram-se dois relatórios,

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional REGULAMENTO INTERNO Atribuição de Formação Profissional Elaborado em Junho de 2012 Introdução A Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (A.P.P.A.C.D.M.) de Coimbra é uma Instituição

Leia mais

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS Planificação Anual Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência Direcção Regional de Educação do Centro Equipa de Apoio às Escolas - Leiria ANO LECTIVO - 2010/ 2011 ÁREA DISCIPLINAR DE ECONOMIA E

Leia mais

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE Princípios do Bom Governo das Cumprir a missão e os objetivos que lhes tenham sido determinados, de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Duração e estrutura do ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre 1. O ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre, ministrado na ESTBarreiro/IPS,

Leia mais

Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes. Algumas considerações estratégicas

Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes. Algumas considerações estratégicas Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes Algumas considerações estratégicas António Jorge Monteiro Abril de 1992 2 I. A História II. O Mercado III. Os Cursos IV. Os Professores V. Os Alunos

Leia mais

Europass Curriculum Vitae

Europass Curriculum Vitae Europass Curriculum Vitae In pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada Institucional Rosa, Julieta Alves () Faculdade de Economia CIEO 8005 139 Faro Telefone(s) 289 800 900 (ext. 7161) 289 244 406

Leia mais

Curso Avançado em Gestão da Formação 2010

Curso Avançado em Gestão da Formação 2010 Curso Avançado em Gestão da Formação 2010 Capital Humano e Desenvolvimento Sustentável Potencial Humano Populações com saúde, educação e bem estar Desenvolvimento Capital Humano Capital Social Democracia

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS Versão 1.1 Setembro 2013 1. Critérios (mínimos) de referência quanto à qualificação do corpo docente para a acreditação

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTROLO DE GESTÃO E FISCALIDADE PARA PME S

PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTROLO DE GESTÃO E FISCALIDADE PARA PME S PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTROLO DE GESTÃO E FISCALIDADE PARA PME S CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO E INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Angra do Heroísmo 2010/2011 1 Objectivos Este curso de pós-graduação

Leia mais

Inquérito aos Alunos que frequentaram o AEGE

Inquérito aos Alunos que frequentaram o AEGE Inquérito aos Alunos que frequentaram o AEGE Inquérito em outubro de 2015 Índice I- INTRODUÇÃO... 3 II- OUTROS ESTUDOS EFETUADOS ANTERIORMENTE... 3 III- OBJETIVOS... 4 IV- METODOLOGIA... 4 V- ANÁLISE DOS

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

Estudos em Direito. 2º Ciclo Mestrado. Apresentação. Ano Lectivo 2010 2011

Estudos em Direito. 2º Ciclo Mestrado. Apresentação. Ano Lectivo 2010 2011 Estudos em Direito 2º Ciclo Mestrado Ano Lectivo 2010 2011 Apresentação O 2º Ciclo de Estudos em Direito tem a designação internacional corrente de Master. Com a oferta do seu Programa de Mestrados 2º

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

O CHCB emprega mais de 1400 colaboradores;

O CHCB emprega mais de 1400 colaboradores; Inaugurado em 17 Janeiro de 2000, o CHCB foi construído segundo padrões de alta qualidade, sujeito às mais rigorosas exigências tecnológicas. É a maior e mais sofisticada Unidade de Saúde de toda a Região

Leia mais

COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS

COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS RELATÓRIO DE ANÁLISE AOS INQUÉRITOS DE INGRESSO DOS NOVOS ALUNOS

Leia mais

Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013

Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013 Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013 RG PR12 04 Elaborado: Verificado: Aprovado: Conselho Técnico Científico do IPB GPGQ Conselho Técnico Científico do IPB Pág. 1 de 16 Instituto

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Abril de 2014 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Correio(s) electrónico(s) Miguel Pedro Mendes d Araújo Morada(s) Rua António Gustavo Moreira, n.º 35 Hab. 2.5 4400-660 Vila

Leia mais

Fundo Universitário AMI

Fundo Universitário AMI Fundo Universitário AMI Regulamento Geral Preâmbulo Desde 1994, ano em que se inaugurou o primeiro centro social da AMI (Olaias) e até 2014, os Serviços Sociais da AMI apoiaram 64.317 pessoas em situação

Leia mais

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O INQUÉRITO AOS DIPLOMADOS EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS 2011/2012 traçar o perfil

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANIMAÇÃO 2D E 3D WWW.ESSR.NET ESCOLA ARTÍSTICA DE SOARES DOS REIS / RUA MAJOR DAVID MAGNO, 139 / 4000-191 PORTO

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANIMAÇÃO 2D E 3D WWW.ESSR.NET ESCOLA ARTÍSTICA DE SOARES DOS REIS / RUA MAJOR DAVID MAGNO, 139 / 4000-191 PORTO MATRÍCULA A inscrição no curso é realizada em impresso próprio, recolhido no sítio da escola, em www.essr.net, ou noutros locais de divulgação e entregue nos serviços administrativos da Escola Artística

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 13.REV1/2011 SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT LIMITES À ELEGIBILIDADE DE DESPESAS, CONDIÇÕES ESPECÍFICAS DE APLICAÇÃO DAS DESPESAS ELEGÍVEIS E METODOLOGIA DE CÁLCULO DAS DESPESAS COM

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

PROGRAMA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2015

PROGRAMA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2015 PROGRAMA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2015 I DESTINATÁRIOS O Programa de Ocupação de Jovens, promovido pela Câmara Municipal de Cascais, através da Divisão de Promoção de Emprego (DPRE), destina-se a jovens

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL.

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL. INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL Edição 2015-2017 Nos termos do Decreto -Lei n.º 42/2005, de pelo 22 de Fevereiro,

Leia mais

O programa assenta em três eixos determinantes:

O programa assenta em três eixos determinantes: São vários os estudos europeus que apontam para um défice crescente de recursos especializados nas tecnologias de informação. Só em Portugal, estima-se que estejam atualmente em falta 3.900 profissionais

Leia mais

PREENCHIMENTO DO BOLETIM DE INSCRIÇÃO

PREENCHIMENTO DO BOLETIM DE INSCRIÇÃO PREENCHIMENTO DO BOLETIM DE INSCRIÇÃO O boletim de inscrição deve ser preenchido com esferográfica, azul ou preta, não conter rasuras e devem ser tidas em consideração as seguintes indicações: 1.1. Nome

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais