ESTRATÉGIA DE SUCESSO EM UM SISTEMA PRODUTO-SERVIÇO: ESTUDO DE CASO ÚNICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRATÉGIA DE SUCESSO EM UM SISTEMA PRODUTO-SERVIÇO: ESTUDO DE CASO ÚNICO"

Transcrição

1 ESTRATÉGIA DE SUCESSO EM UM SISTEMA PRODUTO-SERVIÇO: ESTUDO DE CASO ÚNICO Cristiano Roos (UFSC ) O objetivo deste trabalho é apresentar o histórico de um caso prático de PSS (Sistema Produto-Serviço). A motivação para o desenvolvimento deste trabalho é o fato das pesquisas empíricas envolvendo o PSS ainda serem em pequeno número na litteratura qualificada. Como procedimentos metodológicos tem-se uma pesquisa exploratória com abordagem qualitativa, tendo sido desenvolvida uma pesquisa do tipo estudo de caso único. No entanto, no trabalho é apresentada uma justificativa para o fato de apenas um caso ter sido selecionado nesta pesquisa. Como resultado principal tem-se a apresentação do histórico de um PSS em operação na Alemanha, em específico, aborda-se o setor de bebidas alcoólicas e não alcoólicas. Este histórico apresenta as principais práticas estratégicas utilizadas para superar a falta de apoio de leis e regulamentos que tangem ao PSS. Assim, cabe destacar que este trabalho pode ser útil para outros casos de PSS em que seja necessária a superação da barreira aqui abordada. De todo modo, esta pesquisa atingiu o objetivo inicialmente proposto. Palavras-chaves: Sistema Produto-Serviço, caso prático, segmento de bebidas

2 1. Introdução Este trabalho contribui com as pesquisas exploratórias em Sistemas Produto-Serviço (PSS), em especial, o objetivo é apresentar o histórico de um caso prático de PSS, já que as pesquisas empíricas envolvendo o PSS ainda são em pequeno número na literatura qualificada. O caso prático abordado é um PSS do segmento comercial de bebidas da Alemanha, país onde esta pesquisa foi desenvolvida. Cabe ressaltar que são apresentadas contribuições teóricas para os pesquisadores da área ao se relatar a estratégia utilizada para superar uma barreira comum ao desenvolvimento dos Sistemas Produto-Serviço. Adicionalmente, como contribuição prática para os profissionais envolvidos com o desenvolvimento de Sistemas Produto-Serviço no Brasil, este trabalho traz ideias inéditas relacionadas ao segmento comercial de bebidas. Na segunda seção deste texto são apresentados os procedimentos de pesquisa. A terceira seção traz a contextualização teórica apresentando a oportunidade de pesquisa ascendente deste trabalho. A quarta seção traz os resultados que subsidiam a conclusão do trabalho, apresentada na quinta seção. 2. Procedimentos de pesquisa Seguindo a tipologia apresentada em Gil (2002), esta pesquisa é classificada: (1) quanto à natureza: aplicada; (2) quanto aos objetivos: pesquisa exploratória; (3) quanto aos procedimentos técnicos: estudo de caso; (4) quanto à abordagem de pesquisa: qualitativa; (5) quanto ao método de pesquisa: indutivo. A pesquisa do tipo estudo de caso foi planejada e conduzida seguindo as orientações de Yin (2009). Na seleção do caso prático foi utilizada a amostragem de variação máxima, conforme definido em Gil (2009). Sabe-se que quanto menor o número de casos abordados em uma pesquisa do tipo estudo de caso, menor a possível extensão das conclusões (EISENHARDT e GRAEBNER, 2007). Por outro lado, como exposto por Voss, Tsikriktsis e Frohlich (2002), quanto menor o número de casos, maior a oportunidade de detalhamento do estudo. Esta 2

3 questão também foi estudada e discutida em um artigo recente e bastante interessante de Barratt, Choi e Li (2011), que expõem que o número de casos depende dos objetivos e dos temas em estudo. Assim, neste trabalho, pelo objetivo proposto e pela limitação em identificar outros casos, utilizou-se apenas um caso prático. Os agentes deste trabalho são um doutorando de um grupo de pesquisa brasileiro e um gerente de operações de uma organização alemã que disponibilizou dados relacionados ao caso prático. O objeto é um PSS relacionado ao segmento comercial de bebidas na Alemanha. Na sequencia do estudo de caso, a pesquisa foi formalizada na organização, que a partir do projeto de pesquisa disponibilizou dados relacionados ao PSS em questão. Foram identificados então, os meios para coleta e análise dos dados. Um protocolo de coleta de dados foi desenvolvido para facilitar o estudo da unidade de análise. No prosseguimento, as unidades de análise foram estudadas, tendo sido utilizadas três fontes de evidencias: as análises documentais, as observações e as entrevistas. As principais fontes de evidência primária utilizadas foram: respostas do gerente de operações; dados numéricos e documentos dos bancos de dados. As principais fontes secundárias referem-se: às observações in loco do funcionamento do PSS; aos relatos de pessoas que utilizam o PSS. A construção da base de dados foi realizada, com base nas evidências, em um armazenamento por unidade de análise. Para a análise das evidências foi utilizada a estratégia das descrições de casos (YIN, 2009). Uma informação relevante é de como se chegou à organização que forneceu dados sobre o PSS (caso prático) em questão neste trabalho: o agente (gerente de operações) citado no parágrafo anterior foi colega de pesquisa do outro agente (doutorando de um grupo de pesquisa brasileiro) também citado, facilitando a parceria de trabalho. Na fase final deste trabalho, elaborou-se um relatório de pesquisa com as conclusões pertinentes ao objetivo proposto. 3. Contextualização teórica Sistema Produto-Serviço, tradução de Product-Service System (PSS), é uma estratégia de negócio utilizada para integrar a oferta de produtos e serviços, agregando valor ao uso e 3

4 objetivando satisfazer as necessidades dos consumidores, bem como, buscando menores impactos ambientais relacionados ao consumo de produtos. O Sistema Produto-Serviço tem definições teóricas iniciais em Goedkoop et al. (1999). Outro trabalho que traz uma revisão teórica interessante sobre o tema foi publicado por Baines et al. (2007). O Sistema Produto-Serviço, de modo resumido, é um modelo de negócio que direciona a venda de produtos tangíveis para a venda de sistemas que integram produtos e serviços (SAKAO, SANDSTRÖM e MATZEN, 2009), visando oferecer soluções que satisfaçam as necessidades dos envolvidos no negócio. Trata-se de uma estratégia que busca a desmaterialização do consumo, contribuindo fundamentalmente com a redução dos impactos ambientais relacionados ao consumo de produtos tangíveis (CATULLI, 2012). Há uma percepção comum de que o PSS pode oferecer uma relação de ganho mútuo para o fornecedor e o consumidor do PSS, potencialmente com um benefício associado a variável ambiental (GOEDKOOP et al., 1999; MONT, 2002; TUKKER e TISCHNER, 2006). A estratégia competitiva de um PSS pode ser baseada no produto, ou no serviço, ou na combinação destes e, a propriedade de um PSS pode ou não ser transferida da empresa para os consumidores nas transações (GAO et al., 2011). Assim, um PSS pode ser genericamente categorizado seguindo uma escala simples conforme a Figura 1 e, a Tabela 1. Figura 1 - Tipos de Sistema Produto-Serviço. Produto + Serviço Produto e Serviço Serviço + Produto Produto Serviço Puro Produtização Servitização Puro Tipos de PSS: Integração / Produto Serviço Uso Fonte: Clayton, Backhouse e Dani (2012) Resultado Um tema que atualmente se destaca nos trabalhos científicos sobre PSS são as estratégias de negócio necessárias para o sucesso do PSS (LOCKETT et al., 2011). Um tema de fundamental importância para estas estratégias de negócio são as barreiras que dificultam a 4

5 utilização do PSS por parte de muitas empresas. Isto foi bem explorado no trabalho de Kuo et al. (2010) que apresentam uma análise detalhada de referenciais teóricos sobre as barreiras relacionadas à utilização do PSS: a compilação está na Tabela 2. Tabela 1 - Definições básicas de cada tipo de PSS Tipo de PSS 1. Orientado à integração 2. Orientado ao produto 3. Orientado ao serviço 4. Orientado ao uso 5. Orientado ao resultado Definição Tem-se adição de serviços através da integração vertical. A propriedade do produto tangível é transferida ao cliente, mas o fornecedor busca a integração vertical (por exemplo, pela adição de retalho, transporte, etc.) (Neely, 2008). A propriedade do produto tangível é transferida ao cliente, sendo que na venda são incluídos serviços adicionais (por exemplo, manutenção, reparação, reutilização, reciclagem, treinamento, consultoria, etc.) (Baines et al., 2007). Tem-se incorporação de serviços no próprio produto. A propriedade do produto tangível é transferida ao cliente, mas serviços de valor agregado são oferecidos como parte integrante da oferta (por exemplo, produtos com sistemas de monitoramento de saúde) (Neely, 2008). A propriedade do produto tangível é geralmente retida pelo fornecedor dos serviços. Funções do produto são vendidas através de sistemas modificados de distribuição e de pagamento (por exemplo, através de locação, compartilhamento, etc.) (Neely, 2008). Tem-se a venda do resultado ou do recurso em vez de um produto (como exemplo, informações via web substituindo diretórios). As empresas oferecem uma combinação de serviços personalizados, onde o fornecedor mantém a propriedade do produto e o cliente, paga apenas pela prestação de resultados acordados (Baines et al., 2007). Fonte: Clayton, Backhouse e Dani (2012) Tabela 2 - Aspectos relacionados às barreiras que limitam a utilização do PSS Aspecto 1. Externo 2. Interno 3. Manutenção Barreiras Falta de apoio de leis e regulamentos pertinentes Falta de aceitação do mercado Falta de planejamento estratégico Rejeição à mudança por pessoal interno Falta de um sistema ideal de gestão de informações Falta de treinamento e educação Falta de pessoal técnico e de apoio Falta de apoio da gerência sênior Falta de sensibilização relacionada ao PSS Aumento de carga no sistema de serviços de manutenção Dificuldade em gerenciar componentes para serviços de manutenção 5

6 4. Remanufatura Diferenças nos tempos de reciclagem bem como na quantidade e na qualidade de produtos Dificuldades para controlar e gerenciar materiais Falta de logística reversa Fonte: Kuo et al. (2010) Relacionadas à barreira externa (falta de apoio de leis e regulamentos que tangem ao PSS) que é foco neste trabalho, algumas discussões são apresentadas em uma série de publicações científicas, mas não trazem sugestões ou boas práticas para superar esta barreira. Um exemplo é Besch (2004), que identifica uma série de estudos de casos e cenários em sua revisão de literatura, identificando a barreira externa, mas não apresentando sugestões ou soluções para superá-la. O trabalho de Bartolomeo et al. (2003) também não apresenta ideias ao abordar sucintamente a barreira relacionada a leis e eco-eficiência no consumo integrado de produtos e serviços. A barreira também é apontada no trabalho de Hanafiah et al. (2003) ao abordar a relação entre leis e remanufatura em países em desenvolvimento, sendo que novamente não são apresentadas sugestões ou boas práticas para superar a barreira. Como exemplo adicional pode-se citar um trabalho bastante interessante nesta linha: Mont (2002), que apresenta uma série de barreiras que dificultam a utilização do PSS, entre elas a falta de regulamentações pertinentes. Este é mais um trabalho concluído sem sugestões ou boas práticas que pudessem auxiliar na superação das barreiras. O trabalho de Mont e Lindhqvist (2003) aborda especificamente o papel das políticas públicas no avanço do PSS, mas nenhum direcionamento específico quanto à superação da barreira é apresentado, apenas ideias ligadas à variável ambiental dos modelos de negócio relacionados ao PSS. De tal modo, como este trabalho busca contribuir nesta linha de pesquisa, na seção seguinte deste texto serão apresentados os resultados relacionados a um caso prático que mostra como foi abordada a barreira da falta de apoio de leis e regulamentos. 4. Resultados de pesquisa Os resultados desta pesquisa são, de modo geral, características técnicas de um caso prático que se refere à maioria das bebidas alcoólicas e não alcoólicas comercializadas na Alemanha, 6

7 tratando-se, portanto, de um caso bastante amplo, sendo na realidade, um segmento de mercado. Aqui são apresentadas as contribuições teóricas e práticas, mostrando principalmente a estratégia utilizada para superar uma barreira externa as organizações que operam com algum modelo PSS, sendo em especial, a barreira relacionada à falta de apoio de leis e regulamentos pertinentes Considerações sobre o caso prático de PSS O Sistema Produto Serviço abordado aqui, de modo resumido, funciona da seguinte maneira: o consumidor compra uma bebida em um estabelecimento comercial na Alemanha pagando também pela embalagem desta bebida. Após o consumo da bebida, a embalagem pode ser devolvida em qualquer outro estabelecimento comercial na Alemanha, que paga pela embalagem retornada, que deve ser destinada à reciclagem. Fica claro que existe um serviço adicional prestado no segmento de bebidas, isto é, a reciclagem da embalagem da bebida comercializada. Este serviço cria uma revolução em termos de redução do impacto ambiental gerado a partir das embalagens de bebidas. Considerando a categorização de PSS apresentada na Figura 1 e Tabela 1, este caso prático pode ser classificado como um PSS orientado ao produto, onde a propriedade do produto tangível é transferida ao cliente, sendo que na venda é incluído um serviço adicional: a reciclagem da embalagem da bebida Características históricas do caso prático de PSS Desde a década de 1980 se discute na Alemanha a importância da destinação correta das embalagens de produtos em geral. A principal interessada na correta destinação das embalagens sempre foi a população alemã, que influenciou a criação de leis que abordam estas questões. A primeira lei que abordava mais especificamente a destinação de embalagens foi criada em 1991 pelo governo federal, passando por alterações em Na prática as leis não funcionavam muito bem, tendo-se historicamente, índices médios de reciclagem de embalagens abaixo de 30%. No ano de 2003 teve-se uma alteração radical na lei que tratava do assunto, interferindo na maioria dos setores de bebidas que utilizavam embalagens reutilizáveis, em específico, cervejas (incluindo derivados de cerveja e bebidas mistas com 7

8 cerveja), águas minerais, espumantes e refrigerantes. A lei não contemplou embalagens de leite, vinho, champanhe e demais bebidas alcoólicas. A lei definiu que o consumidor destas bebidas deve pagar pela embalagem e que tem o direito de reembolso ao devolver esta embalagem a qualquer estabelecimento comercial que venda bebidas. A contribuição mais importante da lei que entrou em vigor em 2003 é a obrigação dos comerciantes em aceitar e pagar pela embalagem retornada. O comerciante contribui desta maneira com a logística reversa destas embalagens, tendo o papel mais importante na cadeia reversa das embalagens de bebidas, satisfazendo o consumidor que é o principal interessado no processo de reciclagem na Alemanha. Esta lei de 2003 teve muita resistência por parte dos comerciantes e fabricantes de bebidas, que tentaram vários recursos em diferentes instâncias judiciais, buscando justamente derrubar esta lei. No entanto, as tentativas falharam, tendo sido concedido apenas um período de transição de nove meses, obrigando os comerciantes a aceitarem somente as embalagens vendidas por eles. Foi a partir de 2004 que o sistema começou a funcionar melhor, mas não perfeitamente ao entendimento dos comerciantes e fabricantes, pois diferentes cadeias de logística reversa foram criadas, tornando o sistema pouco viável aos comerciantes, que tinham que operacionalizar praticamente uma cadeia logística reversa para cada marca presente no mercado. Surgiu aqui a necessidade por parte dos fabricantes de bebidas em criar um sistema mais viável para todo o segmento de mercado. Deste ponto em diante, os fabricantes mudaram de estratégia e passaram a utilizar o conceito de PSS. Intensificaram as estratégias de preservação ambiental, buscando criar no consumidor a percepção de que eram empresas ambientalmente corretas, prestando um serviço adicional ao produto, isto é, a reciclagem, que na realidade era imposta por lei. No entanto, o Sistema Produto-Serviço vendido ao consumidor ainda era pouco viável do ponto de vista operacional das cadeias de logística reversa. Estava explicita aqui uma barreira externa ao PSS: a falta de apoio de leis e regulamentos pertinentes, que pudessem facilitar a operacionalização do referido PSS. Foram desenvolvidas paralelamente ao desenrolar destas 8

9 leis, máquinas automáticas de recebimento de embalagens para serem disponibilizadas aos comerciantes. Foram os fabricantes das bebidas, os comerciantes e os fabricantes das máquinas automáticas que iniciaram uma campanha (com adesão de clientes) buscando alterações na lei que tinha entrado em vigor em No ano de 2006 uma portaria contemplou as alterações reivindicadas na campanha e deste modo, era superada a barreira externa ao PSS. Foi permitido o fim das várias cadeias de logística reversa, possibilitando alternativamente a criação de cadeias de logística para a reciclagem por meio de créditos de reciclagem. Em outras palavras, os comerciantes não eram mais obrigados a separarem as embalagens para cada fabricante, podendo repassar estas embalagens para organizações especializadas em reciclagem. Esta lei facilitou muito a operacionalização do PSS, pois os fabricantes não eram mais obrigados a recolherem cada embalagem, e sim, poderiam comprar créditos de embalagem dos comerciantes. Os comerciantes possuíam créditos de embalagens justamente porque vendiam as embalagens físicas a organizações especializadas em reciclagem. Formou-se deste modo, um mercado de créditos de embalagens semelhante à estratégia e ao funcionamento do mercado de créditos de carbono. Outras alterações na lei foram contempladas na portaria de 2006, e o retorno de embalagens foi estendido para alguns tipos de não refrigerantes (como sucos) e outras bebidas alcoólicas. De acordo com levantamentos estatísticos do Ministério Federal do Meio Ambiente da Alemanha, a proporção de retorno considerando todas as embalagens de bebidas começou a aumentar significativamente desde a portaria de Extrato de resultados relacionados ao caso prático de PSS Os principais resultados teóricos relacionados ao estudo de caso, em específico, fatos e ações que contribuíram para a melhoria do desempenho do PSS abordado, são apresentados aqui: a) Formação de parcerias com outras organizações interessadas na criação ou modificação de leis e regulamentos que favoreçam algum PSS em específico. No caso prático abordado neste trabalho os fabricantes das bebidas, os comerciantes e os fabricantes 9

10 das máquinas automáticas se uniram em prol de um objetivo comum, isto é, modificar a lei pertinente ao PSS, de modo que o modelo de negócio pudesse ser mais viável e atrativo a todos os interessados. b) Promoção de campanhas com a participação de clientes buscando sensibilizar autoridades que podem influenciar a criação ou modificação de leis e regulamentos. No caso prático os clientes também influenciaram a modificação da lei, pois participaram da campanha a favor da alteração da lei. c) Promoção, perante os clientes, do PSS e a imagem de uma organização ambientalmente correta. A estratégia utilizada pelas fabricantes das bebidas em relação à imagem positiva da marca quanto aos compromissos ambientais, ajudou no engajamento de clientes na campanha pela alteração da lei. d) Incentivo a criação ou modificação de leis e regulamentos que diminuam custos relacionados à operacionalização do PSS. No caso prático a modificação da lei na realidade favoreceria a todos os envolvidos, pois reduziria custos de operação do PSS, sendo isto de fato o que a lei contemplou por meio da regulamentação do mercado dos créditos de embalagens (semelhante aos créditos de carbono). De tal modo, cabe resumir que a falta de apoio de leis e regulamentos limitavam a utilização do PSS porque os consumidores tinham que pagar mais caro pelo produto com o serviço de reciclagem, justamente porque o sistema não era viável do ponto de vista da logística reversa. Este trabalho de pesquisa do histórico do caso prático possibilitou verificar que a barreira foi superada depois de uma série de práticas que influenciaram a alteração da lei relacionada ao PSS, viabilizando o sistema por meio da criação dos créditos de embalagens. Com estes aspectos em mente, na próxima seção serão expostas as considerações finais. 5. Considerações finais Neste trabalho, por meio de uma pesquisa do tipo estudo de caso, foi apresentado um histórico de um caso prático de PSS, buscando-se entender a estratégia adotada para superar uma barreira que dificulta a utilização do PSS por parte das empresas. A barreira, em específico, foi a falta de apoio de leis e regulamentos relacionados ao PSS. Importante ressaltar que a amostra da pesquisa do tipo estudo de caso apresentada aqui é restrita e não representativa. 10

11 Neste contexto, os resultados do estudo de caso apresentado aqui, não podem ser generalizados. Em linhas gerais, foram apresentadas ações estratégicas e operacionais relacionadas à formação de parcerias e ao desenvolvimento de campanhas, envolvendo as parcerias formadas, objetivando a criação ou modificação de leis e regulamentos perante as autoridades governamentais e regulamentadoras. Isto, de fato, vai ao encontro da proposta estratégica que alicerça o PSS, isto é, responsabilidade com o meio ambiente por meio da desmaterialização do consumo de bens tangíveis. Por último, é possível afirmar que este trabalho cumpriu seus objetivos propostos e que os procedimentos metodológicos adotados foram ideais para os objetivos do trabalho. REFERÊNCIAS BAINES, T. S. et al. State-of-the-art in product-service systems. In: Proceedings of the Institution of Mechanical Engineers, Part B. Journal of Engineering Manufacture, v.221, n.10, p , BARRATT, M.; CHOI, T. Y.; LI, M. Qualitative case studies in operations management: Trends, research outcomes, and future research implications. Journal of Operations Management, v.29, p , BARTOLOMEO, M. et al. Eco-efficient producer services what are they, how do they benefit customers and the environment and how likely are they to develop and be extensively utilised? Journal of Cleaner Production, v.11, n.8, p , BESCH, K. Product Service Systems for Office Furniture: Barriers and Opportunities on the European Market. Dissertação de Mestrado. Lund University, Lund, Suécia, CATULLI, M. G. What Uncertainty? Further insight into why consumers might be distrustful of product service systems. Journal of Manufacturing Technology Management, v.23, n.6, p.1-19, CLAYTON, R. J.; BACKHOUSE, C. J.; DANI S. Evaluating existing approaches to productservice system design: A comparison with industrial practice. Journal of Manufacturing Technology Management, v.23, n.3, p , EISENHARDT, K. M.; GRAEBNER, M. E. Theory building from cases: opportunities and challenges. Academy of Management Journal, v.50, n.1, p.25-32,

12 GAO, J. et al. Service-oriented manufacturing: a new product pattern and manufacturing paradigm. Journal of Intelligent Manufacturing, v.22, n.3, p , GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, GIL, A. C. Estudo de caso. São Paulo: Atlas, p. GOEDKOOP, M. J. et al. Product Service-Systems, ecological and economic basics. Report for Dutch Ministries of Environment (VROM) and Economic Affairs (EZ), HANAFIAH et al. Remanufacturing in developing countries concentrated at leasing or selling: a case study of Indonesia. In: ECODESIGN INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTALLY CONSCIOUS DESIGN AND INVERSE MANUFACTURING, 3., 2003, Tokyo. Anais Tokyo: IEEE, KUO, T. C. et al. Barrier analysis for product service system using interpretive structural model. The International Journal of Advanced Manufacturing Technology, v.49, n.1-4, p , LOCKETT, H. et al. Product Service Systems and supply network relationships: an exploratory case study. Journal of Manufacturing Technology Management, v.22, n.3, p , MONT, O. K. Clarifying the concept of product-service system. Journal of Cleaner Production, v.10, n.3, p , MONT, O. K.; LINDHQVIST, T. The role of public policy in advancement of product service systems. Journal of Cleaner Production, v.11, n.8, p , NEELY, A. Exploring the financial consequences of the servitization of manufacturing. Operations Management Research, v.1 n.2, p , SAKAO, T.; SANDSTRÖM, G. Ö.; MATZEN, D. Framing research for service orientation of manufacturers through PSS approaches. Journal of Manufacturing Technology Management, v.20, n.5, p , TUKKER, A.; TISCHNER, U. Product-services as a research field: past, present and future. Reflections from a decade of research. Journal of Cleaner Production, v.14, n.17, p , VOSS, C.; TSIKRIKTSIS, N.; FROHLICH, M. Case research in operations management. International Journal of Operations & Production Management, v.22, n.2, p , YIN, R. K. Case study research: design and methods. 3.ed. (Applied social research methods v.5). Thousand Oaks: Sage Publications,

10 o Congresso Brasileiro de Gestão da Inovação e Desenvolvimento de Produtos Itajubá - MG, 8 a 10 de setembro de 2015

10 o Congresso Brasileiro de Gestão da Inovação e Desenvolvimento de Produtos Itajubá - MG, 8 a 10 de setembro de 2015 MAPEAMENTO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE MÉTODOS E FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PRODUTO-SERVIÇO Caio Augusto Nunes Marques (caiomarques@usp.br) - Universidade de São Paulo Lucas Portilho

Leia mais

SERVITIZAÇÃO: AVALIAÇÃO DA FUNCIONALIDADE DA METODOLOGIA TRAPSS

SERVITIZAÇÃO: AVALIAÇÃO DA FUNCIONALIDADE DA METODOLOGIA TRAPSS SERVITIZAÇÃO: AVALIAÇÃO DA FUNCIONALIDADE DA METODOLOGIA TRAPSS Liliane Takemoto (USP) liliane@alunos.eel.usp.br Stephani Ribeiro Cunha Claro (USP) stephani_claro@hotmail.com Marco Antonio Carvalho Pereira

Leia mais

Análise da Aplicação do Estudo de Caso em Dissertação de Mestrado em Administração

Análise da Aplicação do Estudo de Caso em Dissertação de Mestrado em Administração Análise da Aplicação do Estudo de Caso em Dissertação de Mestrado em Administração Geanderson Lenz geanderson.lenz@restinga.ifrs.edu.br IFRS Resumo:O método científico diz respeito à forma como os resultados

Leia mais

Sistemas produto-serviço: um caminho para a sustentabilidade Product-service systems: a path to the sustainability

Sistemas produto-serviço: um caminho para a sustentabilidade Product-service systems: a path to the sustainability Sistemas produto-serviço: um caminho para a sustentabilidade Product-service systems: a path to the sustainability Maria Carolina Medeiros i Paula da Cruz Landim ii Sistemas produto-serviço, sustentabilidade,

Leia mais

PRODUCT-SERVICE SYSTEM E DESIGN FOR UPGRADE: CONTRIBUIÇÕES PARA A SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

PRODUCT-SERVICE SYSTEM E DESIGN FOR UPGRADE: CONTRIBUIÇÕES PARA A SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL PRODUCT-SERVICE SYSTEM E DESIGN FOR UPGRADE: CONTRIBUIÇÕES PARA A SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Cristiano Roos UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina Engenheiro de Produção, Especialista, Mestre e

Leia mais

Sistemas Produto-Serviço Fernanda Hänsch Beuren

Sistemas Produto-Serviço Fernanda Hänsch Beuren Desenvolvimento de produtos e serviços Tendências do desenvolvimento sustentável Desenvolvimento de produtos Desenvolvimento de produtos Oferta excessiva de produtos = consumismo Consumismo: gastos excessivos

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

2 ESTRUTURA DE PESQUISA

2 ESTRUTURA DE PESQUISA 2 ESTRUTURA DE PESQUISA A revisão sistemática da literatura tem por objetivo a sumarização do estado da arte de uma área de conhecimento especifica (Rowley e Slack, 2004). Para esta finalidade, de acordo

Leia mais

Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva

Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva Engenharia de Produção Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva Miriam Borchardt Leonel Augusto C. Poltosi Miguel A. Sellitto Giancarlo M. Pereira Introdução Ecodesign:

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS

SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS 181 SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS Valdecir Cahoni Rodrigues 1, Alvaro Costa Jardim Neto 2, Nilmaer Souza da Silva 1 1 Universidade do Oeste Paulista UNOESTE.

Leia mais

Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro

Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro A Portaria n.º 313/96, de 29 de Julho, regulamentou o Decreto-Lei n.º 322/95, de 28 de Novembro, que estabelecia os princípios e as normas aplicáveis à gestão de embalagens

Leia mais

Desafios para implementação de iniciativas de colaboração no processo de planejamento da demanda

Desafios para implementação de iniciativas de colaboração no processo de planejamento da demanda Desafios para implementação de iniciativas de colaboração no processo de planejamento da demanda Parte II Leonardo Julianeli Na primeira parte deste texto*, foram apresentados os principais motivadores

Leia mais

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso -

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Irina Saur-Amaral Aveiro, 28 de Abril de 2006 Estudos de caso 1. MKS (consultoria TIC Índia): importância da cultura de conhecimento 2. Siemens AG: implementação

Leia mais

Análise da gestão de portfólio de projetos de produtos com base nos conceitos da medição de desempenho: estudo de caso

Análise da gestão de portfólio de projetos de produtos com base nos conceitos da medição de desempenho: estudo de caso Análise da gestão de portfólio de projetos de produtos com base nos conceitos da medição de desempenho: estudo de caso Maicon G. Oliveira a (maicongdo@gmail.com); Henrique Rozenfeld b (roz@sc.usp.br) a,

Leia mais

SISTEMAS PRODUTO-SERVIÇO: REFERENCIAL TEÓRICO E DIREÇÕES PARA FUTURAS PESQUISAS

SISTEMAS PRODUTO-SERVIÇO: REFERENCIAL TEÓRICO E DIREÇÕES PARA FUTURAS PESQUISAS Revista Produção Online v.10, n.4, dez. 2010 ISSN: 1676-1901 www.producaoonline.org.br SISTEMAS PRODUTO-SERVIÇO: REFERENCIAL TEÓRICO E DIREÇÕES PARA FUTURAS PESQUISAS PRODUCT-SERVICE SYSTEM: THEORETICAL

Leia mais

PROJETO GUIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Oficina 5 de Fevereiro de 2013 ENAP Brasília - DF

PROJETO GUIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Oficina 5 de Fevereiro de 2013 ENAP Brasília - DF PROJETO GUIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Oficina 5 de Fevereiro de 2013 ENAP Brasília - DF 1 Agenda 9h Abertura da Oficina ( 15 min ) o Boas vindas e apresentação individual de todos os participantes e

Leia mais

Design for upgrade em um modelo proposto para o

Design for upgrade em um modelo proposto para o Design for upgrade em um modelo proposto para o desenvolvimento de projetos de automóveis Design for upgrade in a proposal model for develop automobiles projects Barbosa, Samuel Borges; Mestrando; Universidade

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Prof. Dr. Eduardo Braga 1 1 Introdução TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Iniciar a redação colocando alguns antecedentes do assunto/tema/problema escolhido. Expor as justificativas e razões para a escolha do tema

Leia mais

FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA

FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA Karen Vassoler Martins Marta Monteiro da Costa Cruz FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA Karen Vassoler Martins

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Teorias administrativas e o modelo de gestão empresarial: Um estudo de caso em uma empresa de engenharia

Teorias administrativas e o modelo de gestão empresarial: Um estudo de caso em uma empresa de engenharia Teorias administrativas e o modelo de gestão empresarial: Um estudo de caso em uma empresa de engenharia Ezequiel Alves Lobo 1 Roger Augusto Luna 2 Alexandre Ramos de Moura 3 RESUMO Analisar as teorias

Leia mais

Métodos qualitativos: Estudo de Caso

Métodos qualitativos: Estudo de Caso Métodos AULA 10 qualitativos: Estudo de Caso Por que o estudo de caso? Ele vem sendo considerado um dos mais importantes métodos de pesquisa na gestão de operações, particularmente no desenvolvimento de

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

O USO DA SUSTENTABILIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS E SERVIÇOS PARA SUPERAR AS LIMITAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

O USO DA SUSTENTABILIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS E SERVIÇOS PARA SUPERAR AS LIMITAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO O USO DA SUSTENTABILIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS E SERVIÇOS PARA SUPERAR AS LIMITAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Alexandre Homsi Pedott (UFRGS) alexandre.pedott@hotmail.com Este artigo apresenta

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

Framework para Rastreabilidade de Grãos com Tecnologia QR Code

Framework para Rastreabilidade de Grãos com Tecnologia QR Code Framework para Rastreabilidade de Grãos com Tecnologia QR Code Monica Cristine Scherer Vaz 1, Paulo Cézar Santana 2, Maria Salete Marcon Gomes Vaz 3 1, 2, 3 Departamento de Informática Universidade Estadual

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Daniela GIBERTONI 1 RESUMO A inovação tecnológica continua a ser um desafio para as empresas e para o desenvolvimento do país. Este

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ Marlete Beatriz Maçaneiro (Professora do Departamento de Secretariado

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Introdução : Conceitos, Definições e Áreas de atuação A Logística Reversa tem sido citada com freqüência e de forma crescente em livros modernos de

Leia mais

7 Referências bibliográficas

7 Referências bibliográficas 7 Referências bibliográficas ACS, Z. J.; AUDRETSCH, D. B. Innovation in large and small firms: an empirical analysis. The American Economic Review, v. 78, n. 4, p. 678-690, 1988. ANTONCIC, B.; HISRICH,

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

MODELO DE DESENVOLVIMENTO DE AUTOMÓVEIS: INCORPORAÇÃO DE UM CONCEITO PARA MAIOR SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

MODELO DE DESENVOLVIMENTO DE AUTOMÓVEIS: INCORPORAÇÃO DE UM CONCEITO PARA MAIOR SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

Análise da implantação do sistema ERP em empresas fornecedoras de energia elétrica: estudos de caso exploratórios

Análise da implantação do sistema ERP em empresas fornecedoras de energia elétrica: estudos de caso exploratórios Análise da implantação do sistema ERP em empresas fornecedoras de energia elétrica: estudos de caso exploratórios Marcia Habiro (Universidade Federal de São Carlos) marciahabiro@yahoo.com.br Moacir Godinho

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Maria Teresa Baggio Rossi. 20 de maio de 2009

LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Maria Teresa Baggio Rossi. 20 de maio de 2009 BARREIRAS À IMPLEMENTAÇÃO DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Maria Teresa Baggio Rossi 20 de maio de 2009 Agenda Ambiente Empresarial Fator Motivador Objetivo

Leia mais

Construa seu ambiente escalável de armazenamento sobre uma base dinâmica da família IBM Storwize

Construa seu ambiente escalável de armazenamento sobre uma base dinâmica da família IBM Storwize IBM Systems and Technology Junho de 2013 Construa seu ambiente escalável de armazenamento sobre uma base dinâmica da família IBM Storwize A família IBM Storwize auxilia na entrega do que você precisa de

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER

Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER Metodologia Científica Projeto de Pesquisa Orientações Gerais Projeto de pesquisa Questões a responder o que fazer? formulação do problema,

Leia mais

Desenvolvimento de Plataformas Modulares: Revisão Teórica Preliminar

Desenvolvimento de Plataformas Modulares: Revisão Teórica Preliminar Desenvolvimento de Plataformas Modulares: Revisão Teórica Preliminar César Coutinho Ramos Cesar.Ramos@volkswagen.com VW-MAN Antonio Wagner Forti awforti@feg.unesp.br UNESP Rodrigo de Oliveira Chaves VW-MAN

Leia mais

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura.

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. 1 PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. É do conhecimento de todos que o consumo é uma constante na contemporaneidade. Em decorrência, os gestores das organizações planejam e operacionalizam

Leia mais

Transferência de Tecnologia. Programa de Capacitação em Valorização de Tecnologias Universidade de Aveiro

Transferência de Tecnologia. Programa de Capacitação em Valorização de Tecnologias Universidade de Aveiro Transferência de Tecnologia Programa de Capacitação em Valorização de Tecnologias Universidade de Aveiro Eurico Neves Análise de Mercado Análise de Produto / Serviço Estratégias de licenciamento Distribuição

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

ANAIS ANÁLISE DE PROBLEMAS NO CONTROLE DE ESTOQUE DECORRENTES DE ERROS NOS REGISTROS DE SAÍDA

ANAIS ANÁLISE DE PROBLEMAS NO CONTROLE DE ESTOQUE DECORRENTES DE ERROS NOS REGISTROS DE SAÍDA ANÁLISE DE PROBLEMAS NO CONTROLE DE ESTOQUE DECORRENTES DE ERROS NOS REGISTROS DE SAÍDA FABIO FAVARETTO ( fabio.favaretto@unifei.edu.br ) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ EVERTON DROHOMERETSKI ( profeverton.d@hotmail.com

Leia mais

Repensando o Ensino de Engenharia

Repensando o Ensino de Engenharia Repensando o Ensino de Engenharia Renato Vairo Belhot - Professor Doutor Escola de Engenharia de São Carlos - USP Resumo Na prática, os engenheiros defrontam-se com muitos problemas para os quais não foram

Leia mais

Relato da experiência de remodelagem de um processo de controle de operações seguradas em um banco de fomento

Relato da experiência de remodelagem de um processo de controle de operações seguradas em um banco de fomento Gestão de Processos / BPM Relato da experiência de remodelagem de um processo de controle de operações seguradas em um banco de fomento Aline Vieira Malanovicz 06/abril/2009 Visão Estratégica / de Processo

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

Carreiras e a Nova Geração Produtiva: Quais as Expectativas de Carreira de Jovens Profissionais?

Carreiras e a Nova Geração Produtiva: Quais as Expectativas de Carreira de Jovens Profissionais? Patrícia Freitas de Sá Carreiras e a Nova Geração Produtiva: Quais as Expectativas de Carreira de Jovens Profissionais? Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

Indicadores de Desempenho associados a Mapeamento de Processos: Estudo de Caso em Instituição Pública Brasileira

Indicadores de Desempenho associados a Mapeamento de Processos: Estudo de Caso em Instituição Pública Brasileira Indicadores de Desempenho associados a Mapeamento de Processos: Estudo de Caso em Instituição Pública Brasileira Monica Rottmann de Biazzi (DEP/EPUSP) monica.rottmann@poli.usp.br Antonio Rafael Namur Muscat

Leia mais

Online Collaborative Learning Design

Online Collaborative Learning Design "Online Collaborative Learning Design" Course to be offered by Charlotte N. Lani Gunawardena, Ph.D. Regents Professor University of New Mexico, Albuquerque, New Mexico, USA July 7- August 14, 2014 Course

Leia mais

Emprego da Contabilidade de Custos Ecológicos em um Projeto de Produção Enxuta de uma Indústria Automobilística Brasileira

Emprego da Contabilidade de Custos Ecológicos em um Projeto de Produção Enxuta de uma Indústria Automobilística Brasileira Emprego da Contabilidade de Custos Ecológicos em um Projeto de Produção Enxuta de uma Indústria Automobilística Brasileira Fabiana Giusti Serra 2015 Indústria automobilística brasileira A indústria automobilística

Leia mais

Key-words: 1 Introdução

Key-words: 1 Introdução Uma abordagem para a promoção de habilidades empreendedoras por meio do ensino de sustentabilidade na educação básica utilizando o conceito de sistemas produto-serviço Cristiano Tolfo (UNIPAMPA) cristiano.tolfo@unipampa.edu.br

Leia mais

O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO

O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO Sandra Biégas 1, Patrícia Machado Mellero Cardoso 2 RESUMO: Com base em uma realidade onde indústrias

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT X SIGA: Seminário para Interação em Gestão Ambiental GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Linéia Jollembeck Lopes GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Leia mais

Serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution Installation and Startup

Serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution Installation and Startup Serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution Installation and Startup HP Technology Services O serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution fornece a

Leia mais

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO PLANEJAMENTO, SEGMENTAÇÃO E AÇÕES DE PROMOÇÃO CASO ABIHPEC EIXOS ESTRATÉGICOS DO PROJETO DE (Resultado do Workshop out 2008) Objetivos Relacionados: 11 - AUMENTAR A DECLARAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Faculdades IBMEC Simone Bacellar Leal Ferreira

Faculdades IBMEC Simone Bacellar Leal Ferreira Faculdades IBMEC Simone Bacellar Leal Ferreira 1. Considerações Iniciais Quando estiverem escrevendo suas dissertações, não deixem de procurar o orientador com freqüência para mostra o andamento do trabalho

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES MAXMES EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES White Paper Maxmes # 01 07/2009 MAXMES www.maxmes.com.br 1.0 Introdução A AMR Research conceituou o MES em 1990 como um sistema de informação que residia entre a automação

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS 2012 Relevância: Impacta diretamente na saúde do paciente, na qualidade do produto e na integridade dos dados que devem provar que o sistema

Leia mais

METODOLOGIA DE ESTUDO DE CASOS APLICADA À LOGÍSTICA

METODOLOGIA DE ESTUDO DE CASOS APLICADA À LOGÍSTICA METODOLOGIA DE ESTUDO DE CASOS APLICADA À LOGÍSTICA Regina Meyer Branski Raul Arellano Caldeira Franco Orlando Fontes Lima Jr. Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Faculdade de Engenharia Civil,

Leia mais

Terceirização da Operação Logística Estudo de caso sobre a terceirização da Logística de Distribuição de uma Indústria Farmacêutica

Terceirização da Operação Logística Estudo de caso sobre a terceirização da Logística de Distribuição de uma Indústria Farmacêutica Mariana Botelho Morais Terceirização da Operação Logística Estudo de caso sobre a terceirização da Logística de Distribuição de uma Indústria Farmacêutica Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração

Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO

PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO Alisson Oliveira da Silva (FAHOR) as000699@fahor.com.br Matheus Weizenman (FAHOR) mw000944@fahor.com.br

Leia mais

Análise de Mercado. Obtendo informações para testar a viabilidade de mercado de um produto ou serviço. fabio@cin.ufpe.br

Análise de Mercado. Obtendo informações para testar a viabilidade de mercado de um produto ou serviço. fabio@cin.ufpe.br Análise de Mercado Obtendo informações para testar a viabilidade de mercado de um produto ou serviço fabio@cin.ufpe.br Mercado Complementares Concorrentes Clientes O seu negócio Fornecedores Novas Formas

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Produtos para um mundo mais belo. Matérias-Primas e Embalagens

Produtos para um mundo mais belo. Matérias-Primas e Embalagens Matérias-Primas e Embalagens Produtos para um mundo mais belo Relatório de Sustentabilidade Grupo Boticário 2012 Fragrâncias, cremes, sabonetes e maquiagens certamente são os ícones que primeiro vêm à

Leia mais

Gestão de Marketing e Ética Empresarial

Gestão de Marketing e Ética Empresarial Escola de Economia e Gestão Gestão de Marketing e Ética Empresarial Reconhecer e explicar os conceitos pilares do marketing e seu ambiente; Reconhecer a estratégia de marketing e aplicar os principais

Leia mais

2 DESENVOLVIMENTO DO PLANO 2.1 MISSÃO:

2 DESENVOLVIMENTO DO PLANO 2.1 MISSÃO: RESUMO O presente trabalho constitui em uma elaboração de um Plano de Marketing para a empresa Ateliê Delivery da Cerveja com o objetivo de facilitar a compra de bebidas para os consumidores trazendo conforto

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DA P.N.R.S.? Engo. Eleusis Di Creddo Gerente de Meio Ambiente e Destinação Final SOLVI PARTICIPAÇÕES S.A. ecreddo@solvi.com Realização:

Leia mais

Modelagem da Logística Reversa dos Resíduos Eletroeletrônicos

Modelagem da Logística Reversa dos Resíduos Eletroeletrônicos DISCLAIMER: O conteúdo apresentado neste documento encontra-se em construção pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) em parceria com o Grupo de Trabalho Temático Resíduos de Equipamentos

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Analisando a cadeia de valor: estratégias para inovar em produtos e serviços

Analisando a cadeia de valor: estratégias para inovar em produtos e serviços Artigo em publicação na Revista DOM Fundação Dom Cabral edição de Julho/2009 Analisando a cadeia de valor: estratégias para inovar em produtos e serviços POR Lia Krucken Quais são as melhores estratégias

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA 9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA Autor(es) ELIACY CAVALCANTI LELIS Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON 1. Introdução Atualmente, a preocupação da gestão

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

ECOSSISTEMAS DE SOFTWARE

ECOSSISTEMAS DE SOFTWARE ECOSSISTEMAS DE SOFTWARE MODELOS E REUTILIZAÇÃO EM ECOSSISTEMAS DE SOFTWARE Alunos: Felyppe Rodrigues da Silva (Mestrado) Gabriella Castro Barbosa Costa (Doutorado) Professor: Toacy Cavalcante de Oliveira

Leia mais

A ISO 14001 NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS: UMA ANÁLISE SOBRE OS BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DA CERTIFICAÇÃO

A ISO 14001 NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS: UMA ANÁLISE SOBRE OS BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DA CERTIFICAÇÃO A ISO 14001 NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS: UMA ANÁLISE SOBRE OS BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DA CERTIFICAÇÃO José Augusto de Oliveira (1) Graduado em Administração pelo Centro Universitário Claretiano, especialista

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Introdução à pesquisa em Marketing. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Introdução à pesquisa em Marketing. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Introdução à pesquisa em Marketing Professor: Roberto César Pesquisa de marketing no Brasil e no mundo A pesquisa de marketing, apesar de ser um negócio crescente no Brasil,

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais