TRADUÇÕES POPULARES - OS NOVOS TARGUMIM?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRADUÇÕES POPULARES - OS NOVOS TARGUMIM?"

Transcrição

1 FACULDADE JESUÍTA DE FILOSOFIA E TEOLOGIA SÚSIE HELENA RIBEIRO TRADUÇÕES POPULARES - OS NOVOS TARGUMIM? BELO HORIZONTE 2009

2 SUSIE HELENA RIBEIRO TRADUÇÕES POPULARES - OS NOVOS TARGUMIM? Tese apresentada ao Departamento de Teologia da Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia, como requisição parcial à obtenção do título de Doutora em Teologia. Área de Concentração: Teologia Sistemática Linha de pesquisa: Fontes Bíblicas da Tradição Cristã Orientador: Prof. Dr. Johan Konings BELO HORIZONTE 2009

3 Aos tradutores e tradutoras da Bíblia no Brasil.

4 AGRADECIMENTOS Ao professor Dr. Johan Konings, pela coragem de apoiar as minhas intuições iniciais e o caminho do diálogo interdisciplinar realizado nesta pesquisa; pela paciência e competência na orientação desta tese, muito obrigada; pelo privilégio de ter me honrado com sua amizade e seu precioso tempo; por ter acolhido com bondade essa estrangeira com hospitalidade graciosa. Testemunho que foram tempos salvíficos e transformadores, verdadeiros kairoi. À PROLIC e à FAJE pelo investimento financeiro, apoio acadêmico, administrativo e pastoral, sem os quais este projeto não teria se concretizado. Ao Prof. Dr. Ulpiano Vazquez, ao Prof. Dr. Jaldemir Vitório, ao Prof. Dr. Geraldo De Mori, ao Prof. Dr. João Batista Libanio, Por tudo que ensinaram, pela persistência diária no Caminho da Vida, competência e responsabilidade. Obrigada porque na luz de seus rostos e suas vidas eu vi a face de Deus. Aos amigos e colegas, os que chegaram e os que se foram nesses muitos anos de estudos e descobertas teológicas. À minha família, pelo amor, compreensão e respeito. À Daniela e ao Ricardo, não tenho como lhes agradecer.

5 Quem sai andando e chorando, enquanto semeia, voltará com júbilo, trazendo os seus feixes. ARA Sl 126,6

6 RESUMO Por meio de reflexão biblicoteológica e dos referenciais da Teologia cristã contemporânea e dos Estudos da Tradução, esta investigação demonstra que a tradução da Bíblia é orientada ideológica, doutrinária e teologicamente, ligada à atividade litúrgica, à pregação e à ação pastoral, ao movimento laico e à piedade popular. Propõe-se que a tradução da Bíblia e, mais genericamente, a atividade tradutória, podem ser abordadas por meio das categorias teológicas de kenosis, kairos, typos, estrangeiro e hospitalidade. Sugere-se que o movimento da tradução da Bíblia para o vernáculo com acento popular é primordial para a autocompreensão do Cristianismo, sua origem e expansão e reforça a categoria teológica da hospitalidade. Testa-se a hipótese de que esse movimento de tradução pode ser visto na experiência judaica e na experiência cristã, por meio da comparação da atividade tradutória judaica como vista nos targumim (Targum Neofiti 1 do Livro de Gênesis) e da atividade tradutória cristã contemporânea por meio de uma tradução popular (Nova Tradução na Linguagem de Hoje do Livro de Gênesis), com base na metodologia da equivalência dinâmica. Propõe-se, ainda, que o tradutor da Bíblia necessita de preparação teológica sistêmica e profunda, além das demais habilidades e competências linguísticas, culturais e comunicativas. Palavras chave: Tradução da Bíblia; Targumismo; Equivalência dinâmica; Kenosis; Kairos; Typos; Estrangeiro; Hospitalidade.

7 ABSTRACT In this paper is carried a biblical and theological analyses under epistemological referents of Contemporary Christian Theology and Translation Studies to show that Bible Translation is ideological, theological and doctrinal and it is associated closely with liturgics activity, Christian preaching and pastoral care, markedly in laity movement and popular piety. It is proposed that Bible Translation and all translation activity could be understood by means of some theological categories as kenosis, kairos, typos, stranger and hospitality. It is also suggested that the movement into Vernacular language with strong popular accent proper to Bible Translation is central to selfcompreehension of Christianity and understanding of its origins and expansion through of the centuries and emphasizes hospitality as coherent criterium. It has demonstrated that such translation movement could be seen in a Jewish as well as Christian history by comparing the Jewish translational activity of the targumim (using Targum Neofiti 1 to Genesis) with a Christian bible translation activity of popular tendency based on dynamic equivalence strategy (using New Today Language Translation to Genesis). It is also suggested that Bible translator needs deep and systemic theological training in connection with linguistic, communicative and cultural abilities and competences. Key words: Bible translation; Targumism dynamic equivalence; Kenosis; Kairos; Typos; Stranger; Hospitality.

8 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS AG ARA ARC AT BJ BLH BMD BPV BV CC CFW CNBB CP DHL GnApoc GNB GNT KJV LA LC LP MIA NTLH NT NV - Ad Gentes - Almeida Revista e Atualizada - Almeida Revista e Corrigida - Antigo Testamento - Bíblia de Jerusalém - Bíblia na Linguagem de Hoje - Bíblia Mensagem de Deus - Bible Parole de Vie - Bíblia Viva - Cultura de Chegada - Confissão de Fé de Westminster - Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - Cultura de Partida - Dios Habla Hoy - Genesis Apócrifo - Good News Bible - Greek New Testament - King James Version - Liturgiam Autenticum - Língua de Chegada - Língua de Partida - O Mais Importante é o Amor - Nova Tradução na Linguagem de Hoje - Novo Testamento - Nova Vulgata Latina

9 NVI - Nova Versão Internacional OL - O Livro PAS - Bíblia Pastoral PD - Carta Encíclica Providentissimus Deus SBB - Sociedade Bíblica do Brasil SBTB - Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil SBU - Sociedades Bíblicas Unidas SIL - Summer Linguistic Institute TBS - Trinitarian Bible Society TC - Texto de Chegada TEB - Tradução Ecumênica da Bíblia TgFrag - Targum Fragmentário TgGenizá - Targumim da Genizá do Cairo TgN - Targum Neofiti 1 TgO - Targum Onqelos TgPsJn - Targum Pseudo Jonathan TgQ - Targum dos Fragmentos de Qumran TM - Texto Massorético TP - Texto de Partida

10 SUMÁRIO INTRODUÇÃO Justificativas Hipóteses Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos Metodologia Identificação do corpus Targum Neofiti 1 de Gênesis Nova tradução na linguagem de hoje - Gênesis Tratamento do corpus Marcos teóricos para a discussão interdisciplinar Conceitos-chave e premissas a respeito da tradução Conceitos-chave e premissas a respeito de hermenêutica bíblica e teológica Etapas do trabalho investigativo Limites da investigação CAPÍTULO 1: TEOLOGIA E TRADUÇÃO DA BÍBLIA Tradução sob enfoque teológico e antropológico: encarnação e kenosis Teologia da revelação e tradução A linguagem teológica e a linguagem da piedade A Bíblia como texto sagrado e revelado Teologia da revelação e tradução Hermenêutica teológica e tradução O paradigma teológico do estrangeiro e da hospitalidade como signos da tradução... 79

11 3.1 O estrangeiro e a hospitalidade como categorias para a tradução e a abordagem teológica da tradução A tradução como chamado à hospitalidade e à humanização - o relato de Babel A tradução como hospitalidade: pentecostes, edificação da igreja e apocalipse Considerações finais CAPÍTULO 2: OS TARGUMIM Classificação dos targumim Gênero e outros aspectos literários dos targumim Targumim do pentateuco Targumim dos profetas e hagiógrafos Outras traduções e tradições similares Gn 49, variações targúmicas sobre um mesmo tema Língua de chegada O meturgeman Função e ambiente Desenvolvimento e datação dos targumim Tradução targúmica Considerações finais CAPÍTULO 3: TRADUÇÕES POPULARES DA BÍBLIA Cristianismo e a tradução das escrituras sagradas Ler a bíblia em tradução Instituições e instâncias de controle da tradução da Bíblia nas tradições protestante e católica Critérios relacionados à fidelidade na tradução da Bíblia Intertextualidade, tradição e tradução do texto bíblico Orientações das instâncias eclesiásticas católicas sobre a tradução do texto bíblico Orientações das instâncias eclesiásticas protestantes sobre a tradução do texto bíblico Traduções populares Gn 49, variações das traduções populares sobre um mesmo tema Sinopse de Mt, Mc e Lc - hiperliteralidade e fidelidade Considerações finais

12 CAPÍTULO 4: ANÁLISE DE TARGUM NEOFITI 1 GÊNESIS Caracterização tradutória e teológica Características gerais de TgN Procedimentos tradutórios em TgN Relação com o TP e outras traduções contemporâneas Agenda ideológica e teológica do meturgeman de TgN Gn Personagens e modelos de comportamento Adão, o primeiro homem Caim, Abel e Lameque: retribuição e parênese Abraão, modelo de piedade Jacó: prodígios e pedagogia Outras personagens masculinas Personagens femininas Personagens anacrônicas: Aarão, Miriam, Moisés, Gideão e Sansão Cenários: toponímia e etnia Prática da piedade Interdições e censuras Orientações para a piedade Agenda teológica TgN Gn e teologia popular TgN Gn e liturgia Considerações finais CAPÍTULO 5: ANÁLISE DA NOVA TRADUÇÃO NA LINGUAGEM DE HOJE - GÊNESIS Caracterização tradutória e teológica da NTLH Características gerais da NTLH Histórico da produção da NTLH NTLH como tradução popular Agentes de patronagem Procedimentos tradutórios na NTLH Adequação ao contexto de recepção Tratamento de termos técnicos e teológicos Agenda ideológica e teológica do tradutor de NTLH Gn

13 2.1 Personagens e modelos de comportamento Nomes próprios e toponímia Prática da piedade Agenda ideológica e teológica Considerações finais CONCLUSÃO REFERÊNCIAS

14 13 INTRODUÇÃO A proposta de trabalhar teologicamente o tema da tradução da Bíblia tomou um primeiro impulso no desejo de responder à constatação de Lynne Long de que todos os contatos culturais requerem tradução 1, particularmente na área em que cada cultura reserva para o sacro ou sagrado. O sagrado resiste à tradução, uma vez que os espaços da língua de chegada estão sempre ocupados e os repertórios de hábitos sociais e lexicais disponíveis estão culturalmente preenchidos com referências autóctones autorreferentes 2. Apesar de a teologia cristã não tratar com o sagrado em sentido lato, mas com a Trindade nomeada aos seres humanos por meio da vida, ensinamentos, morte e Ressurreição de Jesus de Nazaré, o Cristo e Senhor, seguiu-se o questionamento se tal condição se aplicaria também à Bíblia, na tradução das Escrituras Sagradas e no labor teológico cristão. Buscando caminhos para pacificar as problemáticas levantadas, a declaração de Lawrence Venuti alimentou ainda mais a intriga: Os escândalos da tradução são culturais, econômicos e políticos. São revelados quando se pergunta por que a tradução permanece hoje às margens da pesquisa, dos comentários e dos debates [...] A tradução é estigmatizada como uma forma de 1 2 Há também questionamentos sobre o escopo do que efetivamente é ou não tradução, pois, levando a sério a generalização proposta por Lynne Long, toda produção textual é, por natureza, reescrita. Seria, assim, toda interpretação uma tradução? Essa é a discussão levantada por Erich Steiner a respeito da especificidade da noção de tradução (Cf. STEINER, Erich. Intralingual and interlingual versions of a text - how specific is the notion of translation? In: STEINER, Erich; YALLOP, Colin (Ed.). Beyond content: exploring translation and multilingual text production. Berlim/Nova Iorque: de Gruyter, p Nesta pesquisa para todos os fins, tradução é a transferência de um texto de uma língua de partida para uma língua de chegada, ou seja, tradução nesta pesquisa é sempre entre línguas (interlingual) ou a tradução propriamente dita (MUNDAY, Jeremy. Introducing translation studies: theories and applications. Londres/Nova Iorque: Routledge, p. 5). A referência é à classificação de Roman Jacobson de que as traduções podem ser de três tipos: interlingual (entre línguas diferentes); intralinguais (entre formas da mesma língua); intersemióticas (entre veículos e canais de comunicação na mesma língua, como entre o texto escrito e o oral, o texto e o cinema/teatro). Lynne Long é pesquisadora na área dos Estudos da Tradução. LONG, Lynne. Introduction: translation holy texts. In: LONG, Lynne (Ed.). Translation and religion: holy untranslatable? Toronto: Multilingual Matters, p. 1.

15 escrita, desencorajada pela lei dos direitos autorais, depreciada pela academia, explorada pelas editoras e empresas, organizações governamentais e religiosas. Quero sugerir que a tradução é tratada de forma tão desvantajosa em parte porque propicia revelações que questionam a autoridade de valores culturais e instituições dominantes. E como todo desafio às reputações estabelecidas, ela provoca seus esforços para controlar danos, suas diversas funções policiais, todas com o objetivo de escorar os valores e as instituições questionados, mistificando os usos que fazem da tradução Frente a tais provocações, verificou-se que o tema da tradução da Bíblia é tratado em abundância por várias áreas do conhecimento, especialmente a Linguística e os Estudos da Tradução. Não seria mesmo exagerado afirmar que a história da tradução coincide com a história da tradução da Bíblia 4. Porém, no âmbito da Teologia cristã, as discussões e iniciativas teológicas a respeito da tradução se mostraram, no mínimo, tímidas, ainda que missiólogos, missionários, pastores, teólogos e fiéis sejam diuturnamente levados a se envolverem com as questões da tradução bíblica, sejam essas questões interpretativas, linguísticas 5 ou litúrgicas, sejam por conta do acesso às Escrituras ser feito em sua maioria esmagadora pela via da tradução 6. 1 Justificativas O foco na tradução da Bíblia se justifica pelo fato de os textos sagrados do Judaísmo VENUTI, Lawrence. Escândalos da tradução: por uma ética da diferença. Bauru: EDUSC, p O que faz um texto sagrado é como as pessoas o usam, o estatuto que elas dão a ele e o significado que elas encontram. Textos diferentes são sagrados para culturas diferentes e centrais para diferentes polissistemas: a tradução move-os para outro ambiente de sistemas, expondo-os a outro ambiente de recepção. Compreender a função e o estatuto de um texto sagrado em sua cultura de partida e de chegada lança mais luz nos problemas de sua tradução. O processo não para sempre ali, no entanto, como o texto sagrado pode então ser retraduzido muitas vezes até que uma das traduções adquira o estatuto de original (LONG, Lynne. Introduction: translation holy texts. In: LONG, Lynne (Ed.). Translation and religion: holy untranslatable?, p. 14). Em poucas áreas dos Estudos da Tradução a questão da linguagem e a perspectiva linguística são tão importantes quanto na tradução de textos sagrados (Cf. LONG, Lynne. Introduction: translation holy texts. In: LONG, Lynne (Ed.). Translation and religion: holy untranslatable?, p. 12). Lynne Long demonstra essa ligação da tradução de textos sagrados e a história da tradução com alguns exemplos: No quarto século, Tao-na e seu sucessor Kumarajiva estavam desenvolvendo políticas para a tradução dos textos budistas do sânscrito para o chinês (Wright, 1990:40) e nas cartas para seus amigos Jerônimo confidenciava os problemas que estava tendo ao traduzir a Bíblia (Shaff & Wace, 1979:113). No décimo segundo século, Robert Retenensis traduziu o Corão para o latim para que pudesse ser estudado pelos teólogos cristãos, e sua versão foi impressa em 1543, sendo que Martinho Lutero e Philipp Melanchthon, entre outros, contribuíram comentários (Delisle & Woodsworth, 1995,79). As próprias estratégias tradutórias de Lutero para germanizar a Bíblia aparecem em seu Sendbrief vom Dolmetschen de 1530 (Lutero, 1530/1940) (LONG, Lynne. Introduction: translation holy texts. In: LONG, Lynne (Ed.). Translation and religion: holy untranslatable?, p. 10).

16 15 e do Cristianismo pertencerem às comunidades de fé em sua peregrinação no que se chama história. A Bíblia Judaica e a Bíblia Cristã 7 são utilizadas por pessoas dos mais variados perfis, em termos de idade, condição socioeconômica, nível acadêmico, etnia, gênero, e em escala e frequência muito maior do que qualquer outro texto, literário, histórico ou técnico. As complexidades da tradução do texto sagrado envolvem seu público receptor, o controle institucional dos agentes da patronagem, a diversidade de seu uso escrito e oral, público e privado, e sua profunda penetração na cultura e identidade do Ocidente. Grande parte dessas questões se reputa à natureza única de tais textos 8, que têm estatuto de revelação, e das condições também singulares de sua recepção, que acontece em ambiente religioso e teológico com rica e milenar herança interpretativa. Daí a necessidade de se refletir, discutir, elaborar e testar estratégias tradutórias próprias. O movimento do texto sagrado entre culturas levanta questões também relacionadas à dinâmica das comunidades na diáspora e torna necessária a discussão do tema do estrangeiro e da hospitalidade. Em meio às complexidades relativas à tradução e recepção da tradução do texto sagrado, deseja-se focar a tensão entre a domesticação e a estrangeirização 9 do texto traduzido, a qual se considera basilar e que foi identificada por Friedrich Schleiermacher no início do século XIX como a decisão do tradutor entre se mover em direção ao leitor ou se mover em direção ao escritor 10. Entre os entraves do fazer tradutório da Bíblia, podem ser identificados: 1) as diferenças e a distância temporal e cultural entre o texto bíblico e a comunidade que hoje os recepciona; 2) a linguagem adotada pelas traduções bíblicas em uso, que parecem oscilar A Bíblia Judaica se diferencia da Bíblia Cristã por nomear como sagrados apenas os 66 livros do que se denomina cânon curto do Antigo Testamento (AT), ou seja, o Pentateuco, os Profetas e os Escritos sem considerar os deuterocanônicos. A Bíblia Cristã é identificada por nomear como sagrados os livros do AT e do Novo Testamento. A Bíblia Cristã se diferencia quanto à quantidade de livros que considera sagrados no AT em Bíblia Católica, que considera sagrados os textos do cânon longo, que considera sagrados os textos deuterocanônicos de 1 e 2 Macabeus, Judite, Baruque, Tobias, Eclesiástico, Sabedoria e trechos de Daniel e Ester. A Bíblia Protestante considera sagrado o AT e o NT e assume o AT na forma do cânon curto. As Bíblias ortodoxas acompanham a configuração das Bíblias Católicas e assumem outros textos como a Oração de Manassés e as Odes de Salomão. A noção teológica e religiosa de revelação divina está indissociavelmente vinculada à natureza dos textos sagrados, especialmente a Bíblia. Esse conceito será discutido no Capítulo 3. Assume-se, para todos os fins desta pesquisa, que a referência a textos sagrados remete às Escrituras Sagradas cristãs e judaicas, nomeadamente o Antigo e o Novo Testamento, sem distinção entre os cânones judaico, católico romano, ortodoxo ou protestante. Lawrence Venuti, teórico da tradução, cunhou as expressões domesticação e estrangeirização (Cf. VENUTI, Lawrence. Escândalos da tradução: por uma ética da diferença, 2002). SCHLEIERMACHER, Friedrich. Sobre os diferentes modos de traduzir. Florianópolis: Rocca Brayde Edições, 2005.

17 16 entre duas posições irreconciliáveis: uma linguagem coloquial, corrente e, por isso, transitória, de um lado e uma linguagem tradicional, erudita, estanque e, por isso, hermética; 3) o conteúdo, pois a mensagem dos textos bíblicos é radicalmente diferente de tudo o que se está habituado a entender e exige mudança de mentalidade à qual o tradutor precisa atentar 11. Correção política, racismo, perspectivas reacionárias, antifeminismo e muitas outras formas de censura e pressão podem ser expressas pelas escolhas feitas durante o processo de tradução. Esse patrulhamento é realizado pelos agentes de patronagem 12. A questão da propriedade e autoria, a posição do texto traduzido ou texto de chegada (TC) no polissistema cultural da língua de partida (LP) e da língua de chegada (LC), o motivo para se traduzir, a ideologia do tradutor e a maneira como o texto é apresentado ao seu público alvo, são questões que também compõem o quadro de complexidade da tradução da Bíblia. Não há na tradição cristã uma abordagem teológica específica para acolher, compreender e tratar a tradução, apesar de a tradução se inserir na própria autocompreensão, origem e expansão do Cristianismo. Lamin Sanneh diz que o Cristianismo é uma religião traduzida e que o ambiente em que se reproduz e se expressa é também traduzido 13. Não há uma teologia da tradução, o que é compreensível, mas não se localizou também uma teologia sobre a tradução. A razão para se traduzir a Bíblia são muitas, desde motivações evangélicas, passando pela curiosidade acadêmica e até por exotismo. Há motivações subversivas, desejos de provocar mudança e impactar determinada tradição ou hábito. Traduz-se para se celebrar, anunciar, evocar, aproximar. A busca de uma nova espiritualidade, o desejo da explicitação ou simplesmente a insatisfação com a religião organizada impulsionam o retorno aos textos sagrados 14. E no século XXI é política e socialmente impossível ignorar os textos sagrados de outras culturas 15. É de conhecimento geral que as traduções de todos os tipos e em especial a dos BABUT, Jean-Marc. Lire la bible em traduction. Paris: Cerf, p LONG, Lynne. Introduction: translation holy texts. In: LONG, Lynne (Ed.). Translation and religion: holy untranslatable?, p. 6. SANNEH, Lamin. Gospel and culture. Ramifying effects of scriptural translation. In: STINE, Philip C. (Ed.) Bible translation and the spread of the church: the last 200 years. 2. ed. Leiden: Brill, p Lynne Long promoveu uma coletânea de textos debatendo a questão da relação entre Estudos da Tradução e Religião, discutindo especificamente a tradutibilidade do Sagrado. LONG, Lynne (Ed.). Translation and religion: holy untranslatable?, Topics in Translation 28. LONG, Lynne. Introduction: translation holy texts. In: LONG, Lynne (Ed.). Translation and religion: holy untranslatable?, p. 1.

18 17 textos sagrados do Cristianismo cooperaram ativamente para moldar as culturas na história humana. Em muitos lugares do globo, a noção de texto sagrado remete imediatamente às Escrituras Sagradas do Cristianismo, especialmente nas culturas europeias, latino e norteamericanas. No cenário norteamericano da tradição evangelical, assiste-se a um grande conflito entre teólogos evangelicais mais conservadores que defendem uma tradução que seja o mais essencialmente literal possível e os missiólogos, missionários e teólogos que defendem as traduções mais focadas na reação do leitor e na contextualização. Os primeiros insistem que é necessária a distinção entre a interpretação lexical ou linguística de outros tipos de interpretação e que a atividade do tradutor deve se restringir exclusivamente a encontrar a correta correspondência verbal e não se permite que adentre as atividades do exegeta, do editor ou do pregador 16. Nessa linha, os estudos sobre a tradução deveriam se limitar à formulação de teorias gerais e à descrição de características textuais e estratégias 17. Os segundos, missiólogos, missionários e teólogos enfrentam a ausência de uma teologia sobre a tradução que possa lhes oferecer uma referência mais segura para as escolhas e a avaliação da qualidade das traduções e de uma perspectiva mais crítica em termos da ação missionária no contexto pós-colonialista da América Latina, África e Ásia e pós-cristão na Europa e América do Norte. Ousa-se cogitar se a discussão norteamericana não está muito mais ligada à tensão entre o erudito e o popular. De um lado, a tradução a serviço da teologia acadêmica e da pureza e sustentação doutrinária daqueles cristãos brancos, bem educados e com alto poder aquisitivo, inseridos no mercado de consumo. De outro, uma grande massa de pessoas, cristã e não cristã, de pobres e empobrecidos, na Ásia, África e América Latina. Em tradução, a estética popular reforça a língua maior, a forma narrativa predominante e um estereótipo étnico predominante 18. Agostinho, ainda no século IV, já entendia que a diversidade de traduções era mais útil do que um impedimento à compreensão, se os leitores pudessem somente discernilas 19. Há que se considerar, também, que uma abordagem popular da tradução não significa, necessariamente, inclusão e abertura. Na falsa transparência do texto fluente e acessível RYKEN, Leland. Five myths about essentially literal bible translation. In: GRUDEM, Wayne et al. Translating truth. The case for essentially-literal bible translation. Wheaton: Crossway Books, p. 72, 76. VENUTI, Lawrence. Escândalos da tradução: por uma ética da diferença, p. 10. VENUTI, Lawrence. Escândalos da tradução: por uma ética da diferença, p. 43. AGOSTINHO. On christian instruction. In: THE FATHERS of the church. A new translation. Translated by John J. Gavigan. Villanova College, p. 74.

19 18 podem estar reforçadas ideologias e valores excludentes. Quando se mesclam indistintamente a autoridade da Palavra Revelada com uma interpretação plana e explícita de uma doutrina, veicula-se no texto traduzido um encontro insofismável com o divino e sua vontade 20. A discussão se faz na tensão, em eco à denúncia de Venuti: de um lado, está o objetivo de preservar, conservar e proteger e, de outro, o de acolher, permitir-se ser afetado e mudar: A tradução constrange as instituições que abrigam essas categorias e práticas [capitalismo, colonialismo, exclusões], visto que chama a atenção para as condições e efeitos questionáveis dessas instituições, para as contradições e exclusões que as tornam possíveis - e as desacreditam 21. A tradução da Bíblia é vista como uma forma de preservar a doutrina, a prova teológica, o argumento que organiza o pensamento teológico 22. A tradução perde seu caráter de mediação, de comunicação e representação. Wayne Grudem 23 ao criticar as opções das traduções populares para o texto de Rm 13,4 justifica que essas traduções atenuam o poder capital de punição que possuem as autoridades governamentais evocadas no texto paulino quando traduzem apenas por punição e não pela imagem de empunhar a espada, que indica o risco de morte. Pode-se inferir a dificuldade para o autor entender que um tempo na cadeia é quase uma sentença de morte em muitos lugares e como são poucas as comunidades que entenderiam que a punição do Governo seria algo leve. Ou mesmo que a ligação da autoridade e justiça divina com algumas formas de governo no mundo é no mínimo inadequada. Outras críticas enfocam o enfraquecimento de algumas doutrinas evangelicais que o teólogo esposa como a imposição de mãos para cura, a perspectiva fragmentada (tricotômica) do ser humano e a teologia carismática VENUTI, Lawrence. Escândalos da tradução: por uma ética da diferença, p. 29 VENUTI, Lawrence. Escândalos da tradução: por uma ética da diferença, p. 11. Leland Ryken denuncia justamente que algumas traduções contemporâneas reorganizam os textos e fazem escolhas lexicais que impedem-no, em suas aulas de usá-las para demonstrar seus argumentos biblicoteológicos (RYKEN, Leland. Five myths about essentially literal bible translation. In: GRUDEM, Wayne et al. Translating truth. The case for essentially-literal bible translation, 2005.). NTLH Rm 13,4 Porque as autoridades estão a serviço de Deus para o bem de vocês. Mas, se você faz o mal, então não tenha medo, pois as autoridades, de fato, têm poder para castigar. Elas estão a serviço de Deus e trazem o castigo dele sobre os que fazem o mal (GRUDEM, Wayne. Are only some words of scripture breathed out by god? In: GRUDEM, Wayne et al. Translating truth. The case for essentially-literal bible translation. Wheaton: Crossway Books, p ).

20 19 dos dons espirituais da glossolalia e da profecia 24. As Escrituras Sagradas com toda sua sacralidade, autoridade, riqueza, beleza, mistério e inúmeras outras dimensões têm como objetivo afetar o comportamento humano, orientando, alertando, instigando, ironizando, clamando para persuadir e comprometer o ser humano a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra (ARA 2 Tm 3,17) 25. A narrativa de ARA Gn 11,1-9, conhecida como a narrativa da Torre de Babel tem sido utilizada e analisada quando se aborda o tema da tradução por sua evocação como uma metáfora para tradução, a multiplicidade de línguas, de significados e interpretações 26. Essa narrativa é abordada neste trabalho como provocação e sinal para a categoria estrangeiro e uma teologia da hospitalidade que se torne acolhedora para a tarefa da tradução. A questão hermenêutica, no contexto da tradução da Bíblia, se coloca como um problema imediato e inarredável. A função doutrinal, didática e institucional dos textos sagrados resiste à ação hermenêutica livre e impõe limites e instâncias de censura operando no controle da interpretação. O processo tradutório expõe a impossibilidade da plena fidelidade e equivalência, assim como a condição de não coincidência ou de total alteridade entre as culturas e sistemas linguísticos. Não só o processo de transferência é complexo, mas a própria compreensão dos textos fontes. Conceitos teológicos e filosóficos permearam a construção do cânon bíblico e sua transmissão, assim como organizam e dão sentido à reconstrução tradutória. Apesar da resistência de teólogos e pastores, o tradutor não é apenas um técnico da linguagem, um especialista em filologia e semântica. O tradutor da Bíblia necessita de organização teológica sistemática ampla, perspectiva das fontes abrangente e multidisciplinar. Precisa, ainda, compreender a tradução como um processo de interpretação GRUDEM, Wayne. Are only some words of scripture breathed out by god? In: GRUDEM, Wayne et al. Translating truth. The case for essentially-literal bible translation, p , cita Rm 13,4 na questão da Ira de Deus e a doutrina da retribuição; Mc 6,2; At 5,12; 14,3 e 19,11, na questão da doutrina da imposição de mãos para a cura; Jo 12,27; Lc 1,46-47; Pv 13,24, na questão da divisão do ser humano em três partes distintas: corpo, alma e espírito; 1 Co 13,12; Ap 22,4, para a teologia carismática (glossolalia e profecia). Compara a KJAV e ESV com a GNB, NLT, LV, CEV. As referências bíblicas utilizadas serão sempre identificadas pela sigla da tradução utilizada, exceto quando se estiver fazendo referência aos textos gregos e hebraicos. Veja-se por exemplo Jacques Derrida, As torres de Babel e George Steiner, After Babel.

Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante

Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante Hugo Goes A Bíblia é formada por duas partes: o Antigo Testamento e o Novo Testamento. Em relação ao Novo Testamento, não há nenhuma diferença entre a

Leia mais

Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento

Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento A palavra Bíblia deriva do grego: ta biblía; plural de: ton biblíon. E significa "livros" Logo descobrimos que a Bíblia é uma coleção de livros! Nós, cristãos,

Leia mais

Ciclo de Seminários Não Técnicos 2010

Ciclo de Seminários Não Técnicos 2010 Ciclo de Seminários Não Técnicos 2010 Introdução à Bíblia Segundo a Igreja Católica Márcio Saraiva (marcio@dsc.ufcg.edu.br) 1 AVISO!!! Deixe o celular com o bluetooth ligado! 2 Agenda Motivação Introdução

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

O ANTIGO TESTAMENTO ENTRE PASSADO E ATUALIDADE

O ANTIGO TESTAMENTO ENTRE PASSADO E ATUALIDADE Jörg Garbres Ms. De Teologia O ANTIGO TESTAMENTO ENTRE PASSADO E ATUALIDADE Introdução ao AT e sua importância Introdução O AT faz parte do Cânon da cristandade! O AT abrange 4/5 da Bíblia! O AT é testemunho

Leia mais

Apesar de toda diversidade a Bíblia toda contém uma só idéia central: Jesus Cristo, o Senhor, que ama e salva o homem pecador. Gn 3.15; Ap 19.

Apesar de toda diversidade a Bíblia toda contém uma só idéia central: Jesus Cristo, o Senhor, que ama e salva o homem pecador. Gn 3.15; Ap 19. Apresentação do Curso Existem duas formas de se estudar teologia, uma é através da Teologia Bíblica que extrai as verdades que formularão as doutrinas diretamente do texto. A outra maneira é através da

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

artigos sérios sobre tradução

artigos sérios sobre tradução 1 Introdução A principal motivação para este trabalho foi a redescoberta da seção Versão Brasileira, publicada mensalmente na revista Língua Portuguesa, após ter entrado em contato, durante o meu mestrado,

Leia mais

TEOLOGIA EMENTAS DO CURSO 1º P METODOLOGIA CIENTÍFICA LÍNGUA PORTUGUESA BIBLIOLOGIA HISTÓRIA DE ISRAEL

TEOLOGIA EMENTAS DO CURSO 1º P METODOLOGIA CIENTÍFICA LÍNGUA PORTUGUESA BIBLIOLOGIA HISTÓRIA DE ISRAEL TEOLOGIA EMENTAS DO CURSO 1º P METODOLOGIA CIENTÍFICA Estudo de fundamentos, princípios, métodos e técnicas de pesquisa científica. Trabalhos acadêmicos: organização, normas, formas de redação e comunicação.

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO?

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? A palavra Concílio significa assembleia reunida por convocação e, na Igreja, um concílio sempre teve como objetivo discutir, definir e deliberar sobre questões de

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS 5. CURSO DE TEOLOGIA Área de atuação O egresso do Curso de Teologia

Leia mais

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Deus nos alerta pela profecia de Oséias de que o Povo dele se perde por falta de conhecimento. Cf. Os 4,6 1ª Tm 4,14 Porque meu povo se perde

Leia mais

Utilização do BibleWorks BHS

Utilização do BibleWorks BHS Utilização do BibleWorks BHS Edson de Faria Francisco. São Bernardo do Campo, março de 2014. 1. Introdução O software BibleWorks é um programa para todos aqueles que trabalham com textos bíblicos. O programa

Leia mais

escola de Ieologia em casa

escola de Ieologia em casa "#$%&'()*+)",-./.0123.456378 CURSO LIVRE DE TEOLOGIA Modalidade Bacharelato em Curso Livre 10 módulos básicos [12 unidades] Disciplinas do Curso Livre de Teologia da ETC e aulas planejadas: # Tema da disciplina

Leia mais

Ao aluno da UAB que pretende ingressar no SALT-IAENE pelo Processo Seletivo de Transferência.

Ao aluno da UAB que pretende ingressar no SALT-IAENE pelo Processo Seletivo de Transferência. Ao aluno da UAB que pretende ingressar no SALT-IAENE pelo Processo Seletivo de Transferência. Este estudo foi feito para lhe dar uma prévia de como funcionará seu ingresso no SALT- IAENE caso seja aprovado

Leia mais

O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai. Objetivos 12/4/2012. Identidade e relevância da cristologia. Cláudio Ribeiro

O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai. Objetivos 12/4/2012. Identidade e relevância da cristologia. Cláudio Ribeiro O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai Cláudio Ribeiro Objetivos Avaliar a doutrina de Trindade suas raízes, premissas fundamentais, ênfases e mudanças no contexto global da história da Igreja e as

Leia mais

Letras Tradução Inglês-Português Ementário

Letras Tradução Inglês-Português Ementário Letras Tradução Inglês-Português Ementário Componentes Curriculares CH Ementa Cultura Clássica 04 Estudo da cultura das civilizações clássica em suas diversas fases, tendo em vista reflexões sobre a contribuição

Leia mais

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO 1. CONTEÚDOS BÁSICOS PROFISSIONAIS LÍNGUA INGLESA I Ementa: Consolidação do estudo das estruturas simples da Língua Inglesa I em seus aspectos

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga SUMÁRIO Introdução... 11 A história da Igreja e sua problemática... 17 A. Alguns pressupostos e indicações básicos antes de começar o caminho... 17 Trata-se de um ramo da ciência histórica ou da ciência

Leia mais

Aula 7.1 Conteúdo: Textos Sagrados: orais e escritos O que são os textos sagrados? O texto sagrado nas tradições religiosas ENSINO RELIGIOSO

Aula 7.1 Conteúdo: Textos Sagrados: orais e escritos O que são os textos sagrados? O texto sagrado nas tradições religiosas ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 7.1 Conteúdo: Textos Sagrados: orais e escritos O que são os textos sagrados? O texto sagrado nas tradições religiosas 2 CONTEÚDO E HABILIDADES

Leia mais

Curso: Teologia Prof. Nicanor Lopes

Curso: Teologia Prof. Nicanor Lopes Curso: Teologia Prof. Nicanor Lopes Fundamentos, conceitos e paradigmas da missão OBJETIVOS DA AULA Compreender as teses fundantes da missiologia; Analisar a presença religiosa no mundo no terceiro milênio;

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Hermenêutica O termo hermenêutica provém do verbo grego hermeneuein e significa declarar, anunciar, interpretar, esclarecer e, por último, traduzir.

Hermenêutica O termo hermenêutica provém do verbo grego hermeneuein e significa declarar, anunciar, interpretar, esclarecer e, por último, traduzir. 2ª AULA MÓDULO 1 AULA 2 Hermenêutica O termo hermenêutica provém do verbo grego hermeneuein e significa declarar, anunciar, interpretar, esclarecer e, por último, traduzir. Significa que alguma coisa é

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

Solicitação de Propostas Inovação e Concorrência Religiosa: Seu Impacto na África Contemporânea

Solicitação de Propostas Inovação e Concorrência Religiosa: Seu Impacto na África Contemporânea Solicitação de Propostas Inovação e Concorrência Religiosa: Seu Impacto na África Contemporânea Anúncio da Concessão O Instituto Nagel para o Estudo do Cristianismo Mundial, com a generosa ajuda financeira

Leia mais

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20B Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem como

Leia mais

RESOLUÇÃO. Habilitação em Língua Espanhola extinta pela Res. CONSEPE 51/2003, de 29 de outubro de 2003.

RESOLUÇÃO. Habilitação em Língua Espanhola extinta pela Res. CONSEPE 51/2003, de 29 de outubro de 2003. RESOLUÇÃO CONSEPE 53/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE LETRAS, DO CÂMPUS DE ITATIBA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

Sal da TERRA e luz do MUNDO

Sal da TERRA e luz do MUNDO Sal da TERRA e luz do MUNDO Sal da terra e luz do mundo - jovens - 1 Apresentação pessoal e CMV Centro Missionário Providência Canto: vós sois o sal da terra e luz do mundo... MOTIVAÇÃO: Há pouco tempo

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

ESCRITOS & POESIA HEBRAICA

ESCRITOS & POESIA HEBRAICA Jörg Garbers ESCRITOS & POESIA HEBRAICA INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO Os escritos formam a última parte do cânon do AT. Na Bíblia evangélica pertencem aos escritos os seguintes livros: Jó Salmos Provérbios Eclesiastes

Leia mais

Programa: Master of Arts in Biblical Leadership (M.A. em Liderança Cristã). Noturno.

Programa: Master of Arts in Biblical Leadership (M.A. em Liderança Cristã). Noturno. Programa: Master of Arts in Biblical Leadership (M.A. em Liderança Cristã). Noturno. 1 SUMÁRIO 1) Servo de Cristo e a legislação vigente 03 2) Cursos e suas nomenclaturas (Mestre em Divindade- M.Div. e

Leia mais

Solicitação de Propostas

Solicitação de Propostas Solicitação de Propostas Teologia Cristã: Realidades Africanas e Esperança Africana Anúncio de Concessão O Instituto Nagel, com o generoso apoio da Fundação John Templeton, convida os pesquisadores interessados

Leia mais

(Contemporânea) 23 Teologia Moral I (Fundamentos) 04 60 - - 04 60 24 Teologia da Espiritualidade 04 60 - - 04 60

(Contemporânea) 23 Teologia Moral I (Fundamentos) 04 60 - - 04 60 24 Teologia da Espiritualidade 04 60 - - 04 60 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE TEOLOGIA Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 Fase Cód. Disciplina I II III IV Pré Req. Carga Horária

Leia mais

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE José Carlos Pezini Luis Alexandre Ribeiro Branco O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE Uma Espiritualidade Cristocêntrica 1 Revisão: Bruna Perrella Brito 2 Prefácio Introdução 1 Índice O Que é Espiritualidade

Leia mais

CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO

CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO ETERNIDADE DEUS PAI LOGUS ESPIRITO SANTO A TRINDADE 1Jo.5.7 LOGUS QUER DIZER PALAVRA OU VERBO SE REFERE AO FILHO NA ETERNIDADE I - SUA PRÉ-EXISTÊNCIA 1 - SUA EXISTÊNCIA

Leia mais

Como sugestão para o melhor aproveitamento do material, indica-se:

Como sugestão para o melhor aproveitamento do material, indica-se: INTRODUÇÃO O estudo do Antigo Testamento é essencial para a compreensão da revelação dos propósitos de Deus no decorrer da historia da humanidade, por isso, Síntese do Antigo Testamento é um material que

Leia mais

www.projeto-timoteo.org 2ª edição Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Apostila do Aluno

www.projeto-timoteo.org 2ª edição Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Apostila do Aluno Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo 1 Apostila do Aluno Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Dr. John Barry Dyer Equipe Pedagógica Marivete Zanoni Kunz Tereza

Leia mais

Ementas do Curso de Teologia. Código Disciplina Créditos

Ementas do Curso de Teologia. Código Disciplina Créditos Ementas do Curso de Teologia 601 ACONSELHAMENTO 5 75 Desenvolvimento das condições de prestação de ajuda às pessoas com necessidades diversas. Aplicação de conhecimentos psicológicos e espirituais no trabalho

Leia mais

Como a Bíblia foi composta? Escrito por Felipe de Aquino

Como a Bíblia foi composta? Escrito por Felipe de Aquino Os textos da Bíblia começaram a ser escritos desde os tempos anteriores a Moisés (1200 ac). Escrever era uma arte rara e cara, pois se escrevia em tábuas de madeira, papiro, pergaminho (couro de carneiro).

Leia mais

CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO. APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07

CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO. APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07 CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07 A trindade sempre existiu, mas se apresenta com maior clareza com vinda de Cristo e a redação do Novo Testamento. Por exemplo,

Leia mais

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC 1. ESPAC O QUE É? A ESPAC é uma Instituição da Arquidiocese de Fortaleza, criada em 1970, que oferece uma formação sistemática aos Agentes de Pastoral Catequética e

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho

Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Planificação do 7º Ano - Educação Moral e Religiosa Católica Unidades Temáticas Conteúdos Competências Específicas Instrumentos de Avaliação UL1- AS ORIGENS

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O Programa Institucional de Iniciação Científica convida a todos para participar do Seminário de Iniciação Científica da FAJE que acontecerá no dia 06 de Agosto de 2015,

Leia mais

Aula 02 1.8 Divisão da Bíblia e livros a) Como os livros foram reconhecidos e aceitos? padrão regra de fé II Pedro 3:15~16

Aula 02 1.8 Divisão da Bíblia e livros a) Como os livros foram reconhecidos e aceitos? padrão regra de fé II Pedro 3:15~16 1.8 Divisão da Bíblia e livros Velho Testamento 39 livros Novo Testamento 27 livros 40 escritores diferentes Período de 1600 anos para ser escrita a Bíblia, (aprox. entre 1500 a.c. e 100 d.c.) a) Como

Leia mais

Roteiro 8. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas

Roteiro 8. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Roteiro 8 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas 1 Objetivos Realizar estudo sobre Jesus, com base nos critérios históricos. Analisar

Leia mais

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas José Eduardo Borges de Pinho Ecumenismo: Situação e perspectivas U n i v e r s i d a d e C a t ó l i c a E d i t o r a L I S B O A 2 0 1 1 Índice Introdução 11 Capítulo Um O que é o ecumenismo? 15 Sentido

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

Gr.Bíblico. Evangelho de. Nossa Senhora Conceição. São Mateus Ano litúrgico A

Gr.Bíblico. Evangelho de. Nossa Senhora Conceição. São Mateus Ano litúrgico A Evangelho de São Mateus Ano litúrgico A O Segundo Envangelho O TEMPO DE JESUS E O TEMPO DA IGREJA Este Evangelho, transmitido em grego pela Igreja, deve ter sido escrito originariamente em aramaico, a

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

Liderança Cristã SEFO 2013

Liderança Cristã SEFO 2013 Liderança Cristã SEFO 2013 1ª Aula Fabio Codo Fábio Codo - http://teologiaaservicoevangelho.wordpress.com Igreja Evangélica Assembleia de Deus Ministério Madureira Campo de Mogi das Cruzes Conteúdo Programático

Leia mais

São Paulo, Ano I, n. 01, jan./abr. de 2014 ISSN 2358-0224. Podemos falar de ética nas práticas de consumo?

São Paulo, Ano I, n. 01, jan./abr. de 2014 ISSN 2358-0224. Podemos falar de ética nas práticas de consumo? São Paulo, Ano I, n. 01, jan./abr. de 2014 ISSN 2358-0224 9 772358 022003 Podemos falar de ética nas práticas de consumo? São Paulo, Ano I, n. 01, jan./abr. de 2014 164 A teologia católica e a ética no

Leia mais

Texto do dia. "Disse-lhes, então: Dai, pois, a César o que é de César e a Deus, o que é de Deus" (Lc 20.25).

Texto do dia. Disse-lhes, então: Dai, pois, a César o que é de César e a Deus, o que é de Deus (Lc 20.25). Lição 12 21/06/2015 Texto do dia "Disse-lhes, então: Dai, pois, a César o que é de César e a Deus, o que é de Deus" (Lc 20.25). Síntese O exercício da cidadania terrena e a participação política dos servos

Leia mais

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA Estudo 104 CNBB ASPECTOS GERAIS DO DOCUMENTO PERSPECTIVAS PASTORAIS TEXTOS BASES DESAFIOS FUNÇÕES DA PARÓQUIA PERSPECTIVA TEOLÓGICA MÍSTICA DO DOCUMENTO PERSPECTIVA

Leia mais

Semana Acadêmica na Faculdade Batista Pioneira 09 a 13 de março de 2015 Prof. Me Rui Osvaldo Teske rui@teske.com.br

Semana Acadêmica na Faculdade Batista Pioneira 09 a 13 de março de 2015 Prof. Me Rui Osvaldo Teske rui@teske.com.br Semana Acadêmica na Faculdade Batista Pioneira 09 a 13 de março de 2015 Prof. Me Rui Osvaldo Teske rui@teske.com.br O planejamento não diz respeito a decisões futuras, mas às implicações futuras de decisões

Leia mais

Programa semipresencial do Curso Bacharel em Teologia do SECATAB

Programa semipresencial do Curso Bacharel em Teologia do SECATAB Programa semipresencial do Curso Bacharel em Teologia do O pauta suas ações partindo de um princípio interconfessional preparando ministros para a pregação do evangelho. ESTRUTURA DO CURSO O curso conta

Leia mais

Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova. Prof. Humberto S. Herrera Contreras

Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova. Prof. Humberto S. Herrera Contreras Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova Prof. Humberto S. Herrera Contreras O que este documento nos diz? Algumas percepções iniciais... - O título já é uma mensagem espiritual! tem movimento, aponta

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

JESUS, DEUS FILHO, É A 2a PESSOA DA TRINDADE

JESUS, DEUS FILHO, É A 2a PESSOA DA TRINDADE JESUS, DEUS FILHO, É A 2a PESSOA DA TRINDADE JESUS CRISTO: DEUS EM FORMA DE HOMEM A DIVINDADE DE CRISTO O Filho de Deus: A Pessoa e a Obra de Jesus Cristo Jesus Cristo, que é eternamente a segunda pessoa

Leia mais

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO -

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - INTRODUÇÃO O Colégio Episcopal da Igreja Metodista, no uso de suas atribuições (Cânones, Art. 63, item XVII)

Leia mais

LIÇÃO 5 INTERPRETAÇÃO 2ª PARTE INTRODUÇÃO

LIÇÃO 5 INTERPRETAÇÃO 2ª PARTE INTRODUÇÃO 29 LIÇÃO 5 INTERPRETAÇÃO 2ª PARTE INTRODUÇÃO No capítulo anterior falamos sobre as regras de interpretação e a necessidade de conhecermos o contexto de uma passagem e também da importância das palavras.

Leia mais

André Sanchez Blog Esboçando Ideias

André Sanchez Blog Esboçando Ideias Página 1 E-BOOK GRÁTIS A melhor bíblia para computador que existe Uma realização: André Sanchez www.esbocandoideias.com Se quiser falar com o autor, entre em contato pelo e-mail: andre@esbocandoideias.com

Leia mais

IGREJA PRESBITERIANA DO JARDIM BRASIL ESTUDO BÍBLICO QUARTA-FEIRA REV. HELIO SALES RIOS

IGREJA PRESBITERIANA DO JARDIM BRASIL ESTUDO BÍBLICO QUARTA-FEIRA REV. HELIO SALES RIOS IGREJA PRESBITERIANA DO JARDIM BRASIL ESTUDO BÍBLICO QUARTA-FEIRA REV. HELIO SALES RIOS INTRODUÇÃO Culto é um serviço Espiritual oferecido a Deus. Expressão mais profunda do nossos sentimentos de adoração

Leia mais

Fundamentos, conceitos e paradigmas da evangelização

Fundamentos, conceitos e paradigmas da evangelização Curso: Teologia Prof. Nicanor Lopes Fundamentos, conceitos e paradigmas da evangelização OBJETIVOS DA AULA Oferecer aos estudantes a construção de um conhecimento consistente e crítico sobre Evangelização,

Leia mais

O Calendário Judaico. Cronologia. Cronologia HARMONIZAÇÃO CRONOLÓGICA O ANO DO NASCIMENTO DE JESUS. Mt 2:1-23 Época do Nascimento:

O Calendário Judaico. Cronologia. Cronologia HARMONIZAÇÃO CRONOLÓGICA O ANO DO NASCIMENTO DE JESUS. Mt 2:1-23 Época do Nascimento: Há Harmonia Entre os Evangelhos? Mar/Abr/2015 Vlademir Hernandes AULA 3 15/3/2015 Recapitulação A importância dos Evangelhos Por que 4 evangelhos Bibliografia A necessidade de harmonização Exercícios sobre

Leia mais

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Origem, confiabilidade e significado da Bíblia/ organizadores Wayne Grudem, C. John Collins, Thomas R. Schreiner;

Leia mais

SEMINÁRIO TEOLÓGICO ESBOÇO ESTRUTURAL DO CURSO

SEMINÁRIO TEOLÓGICO ESBOÇO ESTRUTURAL DO CURSO SEMINÁRIO TEOLÓGICO Prof. Herbert A. Pereira ESBOÇO ESTRUTURAL DO CURSO LOCAL Igreja Evangélica Deus Todo Poderoso Rua Schoroeder, 410 Jardim Santa Maria Guarulhos - SP. PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS PROLEGÔMENOS

Leia mais

MESTRADO EM TEOLOGIA

MESTRADO EM TEOLOGIA MESTRADO EM TEOLOGIA Edital 2016 Este edital se destina especificamente a candidatos ao Mestrado em Teologia, com início em março de 2016. 1. Objetivo O Programa de Mestrado em Teologia visa o desenvolvimento

Leia mais

EPÍSTOLA DE SÃO TIAGO Bruno Glaab

EPÍSTOLA DE SÃO TIAGO Bruno Glaab EPÍSTOLA DE SÃO TIAGO Bruno Glaab I - INTRODUÇÃO 1 - QUEM Quem é Tiago? No NT temos diversas referências a Tg: - Filho de Zebedeu (Mc 1,19; 3,17). - Filho de Alfeu (Mc 3,18). - Irmão de Jesus (Mc 6,3;

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM NO CARIRI DE 21 a 23 DE NOVEMBRO DE 2012 ISSN 2318-8391

I SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM NO CARIRI DE 21 a 23 DE NOVEMBRO DE 2012 ISSN 2318-8391 A TRADUÇÃO NO LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS INSTRUMENTAL Shalatiel Bernardo Martins (UFCG) Resumo: O presente trabalho objetiva apresentar um breve histórico do que são as categorias de tradução interlingual,

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

ESCOLA CATEQUÉTICA EIXOS TEMÁTICOS

ESCOLA CATEQUÉTICA EIXOS TEMÁTICOS ESCOLA CATEQUÉTICA EIXOS TEMÁTICOS Quando falamos de eixos temáticos temos que levar em consideração mais do que a divisão dos conteúdos teóricos a serem oferecidos aos catequistas, mas a vocação catequética

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Ano Letivo 2011/2012 2º Ciclo 5º Ano

Ano Letivo 2011/2012 2º Ciclo 5º Ano AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Anual EMRC Ano Letivo 2011/2012 2º Ciclo 5º Ano Tema Conteúdos Competências Específicas Avaliação Lectiva 1 Viver Juntos Mudança de ano

Leia mais

Redenção Acontecimento e linguagem

Redenção Acontecimento e linguagem Redenção Acontecimento e linguagem Pediram-me que fizesse uma introdução a este debate acerca da «Redenção Acontecimento e liguagem» do ponto de vista da teologia sistemática. Limitar-me-ei, portanto,

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

escola de Ieologia em casa CATÁLOGO DE DISCIPLINAS DA www.teologiaemcasa.com.br Atualizado em dezembro de 2014 Prof. Me. Álvaro César Pestana

escola de Ieologia em casa CATÁLOGO DE DISCIPLINAS DA www.teologiaemcasa.com.br Atualizado em dezembro de 2014 Prof. Me. Álvaro César Pestana CATÁLOGO DE DISCIPLINAS DA ESCOLA escola DE TEOLOGIA de Ieologia EM em CASA casa Atualizado em dezembro de 2014 "#$%&'()*+)",-./.0123.456378 Prof. Me. Álvaro César Pestana (C) 2014 Álvaro César Pestana

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) Curso 1/20C Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem

Leia mais

Características metodológicas e hermenêuticas da literatura joanina dominante no Brasil de 1960 a 2007.

Características metodológicas e hermenêuticas da literatura joanina dominante no Brasil de 1960 a 2007. 2017 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Características metodológicas e hermenêuticas da literatura joanina dominante no Brasil de 1960 a 2007. Rodrigo Schüler de Souza, Ramiro Mincato (orientador)

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula IV - Introdução ao Novo Testamento e o caráter Literário dos evangelhos A ORIGEM DO NOME A expressão traduzida

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

Plano Para a vida e a Missão da Igreja

Plano Para a vida e a Missão da Igreja Plano Para a vida e a Missão da Igreja O "Plano para a Vida e a Missão da Igreja" é continuação dos Planos Quadrienais de 1973 e 1978 e conseqüência direta da consulta nacional de 1981 sobre a Vida e a

Leia mais

A AÇÃO EDUCATIVA NA ÓTICA DAS SETE LEIS DO APRENDIZADO RESUMO

A AÇÃO EDUCATIVA NA ÓTICA DAS SETE LEIS DO APRENDIZADO RESUMO 1 A AÇÃO EDUCATIVA NA ÓTICA DAS SETE LEIS DO APRENDIZADO Julimar Fernandes da Silva 1. RESUMO A Educação nos dias atuais é um desafio constante, tanto para a sociedade como para Igreja cristã. Nesse sentido,

Leia mais

Conteúdo. Conteúdo PARTE 1 A DOUTRINA DA PALAVRA DE DEUS. CAPÍTULO 2: A Palavra de Deus 023 Quais as diferentes formas da Palavra de Deus?

Conteúdo. Conteúdo PARTE 1 A DOUTRINA DA PALAVRA DE DEUS. CAPÍTULO 2: A Palavra de Deus 023 Quais as diferentes formas da Palavra de Deus? Conteúdo ABREVIATURAS PREFÁCIO PREFÁCIO À EDIÇÃO BRASILEIRA XIII IXV 1XX CAPÍTULO 1: Introdução à Teologia Sistemática 001 Que é teologia sistemática? Por que os cristãos devem estudá-la? Como devemos

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

Hermenêutica Bíblica. 1 Glossário 2 EXEGESE

Hermenêutica Bíblica. 1 Glossário 2 EXEGESE Hermenêutica Bíblica 1 Glossário 1 1 Hermenêutica - É a ciência e a arte que estuda a interpretação da Bíblia. Ciência porque estabelece regras positivas e invariáveis Arte porque as suas regras são práticas.

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais