Mercados Estruturados em Moçambique

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mercados Estruturados em Moçambique"

Transcrição

1 : A importância da Bolsa de Valores de oçambique no acesso a financiamento F I N A N T I A F i n a n c i a l A d v i s o r y S e r v i c e s o-autoria de: Finantia onsulting (André Nogueira, Henrique Bettencourt) e Bolsa de Valores de oçambique ontexto do Investimento em África Nos anos mais recentes observam-se duas tendências de grande relevância para África em termos de acesso ao mercado global de fundos: - crescente interesse de investidores por projectos de investimento no continente; - crescente desenvolvimento de mercados estruturados (bolsas) que permitem canalizar os fundos disponibilizados por esses investidores para os projectos de investimento. Estas duas tendências deixam antever um futuro muito positivo na melhoria do acesso e das condições de acesso a financiamento por parte do sector privado (e também público) que ultimamente potencia o desenvolvimento económico e social do continente africano. Historicamente África tem-se revelado incapaz de atrair uma quota significativa do IDE (investimento directo externo). A nível global e no seu conjunto o continente representa pouco mais de 2% dos fluxos de IDE. Tendo em consideração que o capital acumulado e historicamente muito menor do que nas economias mais desenvolvidas, a continuação deste sub-investimento tem como principal consequência a limitação crónica do crescimento e desenvolvimento económico que se reflecte em infra-estruturas deficientes, fragilidade do sector privado e uma capacidade limitada de geração e distribuição de riqueza com um impacto directo nas condições de vida de centenas de milhões de pessoas. as, se por um lado África não tem beneficiado dos níveis de investimento compatíveis com a sua escala, por outro apresenta um enorme potencial de crescimento que, em termos financeiros, se pode traduzir em elevados níveis de retorno dos investimentos. Nesta perspectiva, o continente e crescentemente encarado como um destino privilegiado para investir. A recente crise económica sentida sobretudo nas economias mais desenvolvidas, para além de outros efeitos, veio diminuir o diferencial de risco percebido entre estas economias e outras emergentes ou mesmo incipientes. Um dos resultados mais interessantes é precisamente a melhoria da posição relativa de economias tradicionalmente mais arriscadas, que passam a oferecer uma relação risco retorno mais atractiva para os investidores. Esta conjuntura favorável traduz-se num crescente interesse pelos mercados ditos de fronteira tradicionalmente ignorados pelos investidores. No passado recente temos por isso assistido ao florescimento dos sistemas bancários, fundos de investimento e outros veículos vocacionados para estes mercados. O Papel dos ercados Estruturados. Tendência África (indicadores) Número de bolsas apitalização Retorno Liquidity Turnover Existindo o interesse em investir em África, um dos principais obstáculos a que esses investimentos se materializem é a escassez de mercados estruturados que permitam a fluidez na aplicação dos fundos entre investidores e projectos de investimento. Os mercados financeiros (bolsas) que nas economias mais 24

2 25.pdf 1 5/18/10 2:37 P vibrantes desempenham um papel essencial no direccionamento dos fundos, são ainda incipientes no continente, a excepção da África do Sul, onde a JSE (Joahnesburg Stock Exchange) é a 19ª bolsa mundial em termos de capitalização bolsista, responsável por cerca de 75% de todos os financiamentos em bolsa de todo o continente africano. Entendendo a necessidade de criar veículos que facilitem a fluidez nos investimentos, tem-se assistido a uma rápida expansão dos mercados bolsistas numa série de países. Gana, Nigéria, aurícias, Botswana, Namíbia, Quénia ou Zâmbia são alguns dos exemplos que melhor ilustram esta tendência. Outros países, como Angola, preparam-se para lançar novas bolsas. Nos últimos quinze anos o número de bolsas de valores em África aumentou de 10 para 23, um crescimento assinalável e que reflecte precisamente a relevância destes mecanismos. O crescimento mede-se também pelos níveis de capitalização bolsista que tem crescido de uma forma muito evidente. Evolução da apitalização Bolsista em África (USD ilhares de ilhões) Africa excluindo África do Sul 1,158 1,256 África Total Nestes países cada um com as suas particularidades tem sido notória a crescente importância das bolsas como canal de financiamento, tanto do sector privado como do sector público. De facto, a existência de bolsas tem permitido aumentos exponenciais dos níveis de investimento nas economias, que normalmente se reflectem em elevados índices de crescimento económico. Em grande medida o rápido desenvolvimento das bolsas em África tem sido incentivado pelos retornos elevados que se têm verificado para quem investe, superando consistentemente os que se verificam nas economias mais desenvolvidas, em particular na América do Norte, Europa e Ásia. África perde apenas para a América Latina em termos de retornos médios. Retornos Analisados ercados Bolsistas (Acções) (%) 40% 50% 14% 19% 23% América do Norte Ásia Europa África América Latina 25

3 26.pdf 1 5/17/10 1:53 P No conjunto das Bolsas africanas, a capitalização bolsista têm portanto aumentado exponencialmente suportada por retornos muito atractivos. Deste modo, o continente tem aumentado a sua base de investidores que encontram nas bolsas um veículo necessário as suas estratégias de investimento. Também a liquidez e os volumes de transacções face ao montante da capitalização tem aumentado, o que indicia mercados com uma dinâmica crescente e que gradualmente se vão aproximando dos das economias desenvolvidas. Embora tanto empresas locais como multinacionais recorram as bolsas locais para financiamento, são precisamente aqueles projectos de âmbito local que mais beneficiam da existência das bolsas (empresas locais) dado que são estes os que menor acesso tem aos mercados globais de financiamento. Do ponto de vista de quem se financia, a existência de mercados bolsistas alarga o espectro de opções de financiamento regra geral em condições muito competitivas. Uma empresa cotada (seja com acções ou títulos de divida) acede através de um único veículo a uma base muito alargada de investidores, incluindo a própria banca comercial mas paralelamente a comunidade de investidores globais, que demonstra um crescente interesse pelos projectos empresariais no continente africano. Assim, os ercados Bolsistas potenciam a emergência de empresas baseadas nos países onde se estruturam os mercados bolsistas, permitindo o fortalecimento da comunidade empresarial local. Vantagens das bolsas As bolsas tem vantagens muito claras, tanto para quem investe como para quem se financia: - Redução dos custos de transacção, aumento da liquidez e fluidez nos investimentos A redução dos custos de financiamento resulta do próprio mecanismo de financiamento: uma vez respeitados os pré-requisitos para o registo da operação e cotação em bolsa, o financiamento e proposto de uma forma expedita a uma base alargada de potenciais financiadores, reduzindo a necessidade de negociações individuais, que regra geral consomem tempo e recursos da empresa que procura financiamento. Acelerando o financiamento a empresa poderá executar os seus projectos de investimento com maior celeridade, tornando-se mais capaz de aproveitar novas oportunidades de negócio e de crescimento. A existência de bolsas e a expansão destas estão normalmente associadas a economias mais vibrantes e dinâmicas em que fundos são injectados a uma maior cadência e em volumes significativamente maiores do que na ausência de bolsas. - Alargamento da base de investidores e das opções de financiamento Uma vez registada a operação em bolsa, a empresa cotada acede a todo o sistema bancário mas também a uma diversidade de outros investidores, desde particulares a fundos de investimento. A cotação em bolsa expõe a empresa ao universo de investidores, que não se restringem a comunidade local mas entram no circuito global, aumentando por isso a probabilidade de financiamento e melhorando as condições em que este é obtido. Uma empresa cotada em bolsa está em permanente contacto com uma vasta base de investidores, que vão acompanhando a sua evolução. Esta relação de proximidade que se vai gerando potencia a sua entrada nos momentos em que haja necessidade de financiamento, com vantagens para a empresa. - Aumento do volume de financiamento (sectores privado e publico) A existência de bolsas permitem um aumento muitas vez exponencial dos recursos financeiros ao dispor 26

4 27.pdf 1 5/17/10 1:56 P de uma economia. Havendo um veículo que faz a ponte entre dinheiro e projectos de investimento, aumenta a fluidez na circulação dos fundos. - Aumento da transparência Dado que a cotação em bolsa pressupõe um compromisso de quem recebe os fundos em reportar periodicamente aos investidores a evolução da empresa de modo a que estes acompanhem a aplicação dos dinheiros disponibilizados, a existência de bolsas implica necessariamente uma maior transparência. A comunicação sistemática com os investidores é um preço a pagar pela confiança que estes depositam na empresa, aplicando nesta os seus recursos financeiros. Por seu lado, a empresa mais transparente é premiada pelo acesso a financiamento de forma preferencial, em condições mais vantajosas dado o menor risco que os investidores atribuem pelo facto de conhecerem o destino do dinheiro investido. - Desenvolvimento económico e social Em última instância, na medida em que o investimento em projectos empresariais é mais fluido e em maior escala, toda a economia que pode beneficiar da existência de mercados bolsistas. Existindo recursos financeiros que viabilizem os investimentos, propicia-se uma economia mais desenvolvida no seu todo. A Bolsa de Valores de oçambique Inaugurada em 1999, a Bolsa de Valores de oçambique (BV) é a entidade responsável pela gestão do mercado secundário centralizado de valores mobiliários e tem procurado ao longo da sua existência desenvolver, alargar, consolidar e dinamizar o mercado de capitais moçambicano. Algumas das Principais Etapas da Bolsa de Valores de oçambique omissão Instaladora Inauguração da Bolsa de oçambique 1ª operação de emissão de títulos de Tesouro Regime legal Primeira valores mobiliários desmaterialidos; Sistema de compensação e liquidação de operações oferta pública de venda de acções (D) Primeira emissão de Obrigações do Tesouro aior emissão obrigacionistas em oçambique, 1,667,318 milhões de eticais aior emissão obrigacionistas em oçambique, 1,667,318 milhões de eticais SIAE - Serviços Novo de informação ódigo de de Accionistas ercado de para Emitentes valores obiliários uito embora os valores de financiamento veiculados e cotados na Bolsa de oçambique não sejam ainda expressivos face ao seu potencial e quando comparados com outras Bolsas mais activas, a verdade e que estes têm vindo a aumentar progressivamente. as mais importante, a Bolsa de oçambique, na sua operacionalidade, nos seus enquadramentos legal e fiscal, tem evoluído significativamente para se constituir hoje numa alternativa muito favorável de financiamento ao sector privado quando comparada com veículos mais tradicionais. 27

5 28.pdf 1 5/18/10 2:37 P apitalização 13,289 11,608 Evolução da Actividade Bolsista em oçambique (Z ilhões) Negociação 7,533 8,840 7,245 5,746 7,295 2,652 1,109 2,814 2,533 2, Actualmente a BV oferece um conjunto de produtos de financiamento, de curto a longo prazo, gozando de importantes benefícios fiscais, para investidores nacionais e estrangeiros: Opções de Financiamento em Bolsa Longo Obrigações Emissão de novas acções Longo Títulos de Participação ercado Secundário (valorização) urto Papel omercial A flexibilidade oferecida pelos instrumentos de financiamento em bolsa referidas anteriormente, para quem investe e para quem se financia, acrescidas de condições fiscais muito favoráveis, resultam regra geral em: - ustos mais reduzidos para quem se financia; - Numa relação Risco/Retorno mais favorável para quem financia. Tanto as empresas de maior porte como as Pequenas e édias empresas encontram na BV soluções muito interessantes de financiamento a crédito, regra geral a taxas de juro menores do que as praticadas na banca comercial. Também ao nível de participações de capital, a BV oferece possibilidades de financiamento que mitigam muitos dos aspectos negativos normalmente associados com vendas directas de participações, encurtando o tempo de financiamento e dando garantias importantes de transparência para todas as partes. Perspectivas Futuras Embora ainda longe de atingir a maturidade, a BV apresenta semelhanças importantes com as restantes bolsas africanas, em particular no que diz respeito ao potencial de crescimento e de afirmação como um veículo preferencial para os investimentos. Pelo do que se tem observado na maioria das bolsas congéneres e pelas condições que a BV tem vindo a criar, perspectiva-se uma evolução muito positiva para a BV, saiba o sector privado aproveitar este importantíssimo instrumento a sua disposição para o seu próprio financiamento. Para mais informação sobre a Bolsa de Valores de ocambique ver 28

ESTRUTURA DE FINANCIAMENTO UMA PANORÂMICA GERAL DAS ALTERNATIVAS DE FINANCIAMENTO

ESTRUTURA DE FINANCIAMENTO UMA PANORÂMICA GERAL DAS ALTERNATIVAS DE FINANCIAMENTO AF- 1 ESTRUTURA DE FINANCIAMENTO UMA PANORÂMICA GERAL DAS ALTERNATIVAS DE FINANCIAMENTO 1. TIPOS DE FINANCIAMENTO AF- 2 Introdução: Capital alheio Capital Próprio Títulos Híbridos Diferenças CA/CP: Tipo

Leia mais

O Mercado de Capitais em Angola

O Mercado de Capitais em Angola O Mercado de Capitais em Angola Introdução e desenvolvimentos 16 de Julho de 2015 Objectivos Objectivos Gerais Transmitir aos colaboradores da TPA as ferramentas básicas para compreender e analisar os

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015 Guia dos Emitentes Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria Data: 17/12/2015 Agenda Objectivos do Guia dos Emitentes Admissão de Valores Mobiliários nos Mercados Regulamentados Alternativas

Leia mais

Bê-á-Bá da poupança. Depósitos a prazo. Fundos de Tesouraria em euros

Bê-á-Bá da poupança. Depósitos a prazo. Fundos de Tesouraria em euros Bê-á-Bá da poupança Há um vasto leque de escolhas para quem quer poupar, mas a análise da PROTESTE INVESTE mostra-lhe que nem todas são boas opções. No Dia Mundial da Poupança, saiba quais as alternativas.

Leia mais

Objectivos do Capítulo

Objectivos do Capítulo Objectivos do Capítulo Descrever a função de finanças da Multinacional e mostrar como se enquadra na estrutura organizacional das MNE s Mostrar como as empresas adquirem fundos externos para operações

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO A noção de Empreendedorismo, como uma competência transversal fundamental para o desenvolvimento humano, social e económico, tem vindo a ser reconhecida

Leia mais

Importância Económica e Social do Mercado de Valores Mobiliários (MVM)

Importância Económica e Social do Mercado de Valores Mobiliários (MVM) Intervenção do Secretário de Estado do Tesouro e das Finanças A Retoma do Mercado de Capitais (O Problema das Privatizações) em encontro organizado pela Associação Portuguesa de Economistas Porto, 10 de

Leia mais

As nossas acções Sonaecom

As nossas acções Sonaecom 3.0 As nossas acções Em 2009, as acções da Sonaecom registaram o segundo melhor desempenho do PSI-20, valorizando cerca de 92,2 %, o que constitui uma prova clara da nossa resiliência e um voto de confiança

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Um Fundo Petrolífero para Timor-Leste. Questões Frequentes

Um Fundo Petrolífero para Timor-Leste. Questões Frequentes Um Fundo Petrolífero para Timor-Leste Questões Frequentes 1. Porque não organizar o Fundo Petrolífero como um Fundo Fiduciário separado (em vez de o integrar no Orçamento de Estado)? 2. Por que razão deve

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Fundos de Investimento Mobiliário em Portugal

Fundos de Investimento Mobiliário em Portugal Fundos de Investimento Mobiliário em Portugal Fernando Teixeira dos Santos Presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários Presidente do Comité Executivo da IOSCO 9 de Abril de 2003 Sumário I

Leia mais

Alternativas de Financiamento às empresas: O Caso do BNI. Tomás Matola Administrador Executivo

Alternativas de Financiamento às empresas: O Caso do BNI. Tomás Matola Administrador Executivo Alternativas de Financiamento às empresas: O Caso do BNI Tomás Matola Administrador Executivo Perfil da Apresentação O BNI, Visão, Missão, Valores, Objectivos e Capital Fontes de Financiamento do BNI BNI

Leia mais

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA December 2011 Espírito Santo Investment Bank Somos: A unidade de Banca de Investimento do Grupo Banco Espírito Santo O Banco de Investimento de

Leia mais

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Alguns Tópicos Essenciais Dia da Formação Financeira 31 de Outubro de 2012 Abel Sequeira Ferreira, Director Executivo Outubro, 31, 2012 Crescimento Económico

Leia mais

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 4º PAINEL: AS NOVAS FORMAS DE FINANCIAMENTO DA ECONOMIA - CONCLUSÕES - A CIP reconhece que a nossa economia atingiu um nível de alavancagem excessivo que

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional Programa FINICIA 02.02.2006 retirado de www.iapmei.pt Caracterização dos eixos de intervenção Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

Como as empresas podem inovar num contexto de crise Económica?

Como as empresas podem inovar num contexto de crise Económica? Rui Ferreira Docente ISCTE-IUL rui.ferreira@iscte.pt Como as empresas podem inovar num contexto de crise Económica? Portalegre 28/2/2012 As noticias sucedem-se Para 2012, as expectativas são negras. A

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres.

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres. VALORES MOBILIÁRIOS O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos e deveres, podendo ser comprados

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

Competitividade, Emprego e Investimento. 17 de outubro de 2012

Competitividade, Emprego e Investimento. 17 de outubro de 2012 Competitividade, Emprego e Investimento 17 de outubro de 2012 Introdução O Programa do XIX Governo estabelece a consolidação orçamental como um dos objectivos centrais da presente legislatura; Contudo,

Leia mais

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Notas 1. Portugal tem uma estrutura legal e regulatória muito evoluída, apesar da reduzida dimensão do seu

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

Impossibilidade de reembolso antecipado, quer pelo emitente quer pelo investidor.

Impossibilidade de reembolso antecipado, quer pelo emitente quer pelo investidor. Documento Informativo Montepio Top Europa - Março 2011/2015 Produto Financeiro Complexo ao abrigo do Programa de Emissão de Obrigações de Caixa de 3 000 000 000 Advertências ao investidor: Impossibilidade

Leia mais

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015 Fundo Caixa Crescimento Junho de 2015 O que é o Capital de Risco Modalidades O Capital de Risco constitui uma forma de financiamento de longo prazo das empresas, realizado por investidores financeiros

Leia mais

Apoios à Internacionalização. Lisboa, 27 de Março de 2014

Apoios à Internacionalização. Lisboa, 27 de Março de 2014 Apoios à Internacionalização Lisboa, 27 de Março de 2014 Tópicos Sistemas de Incentivos às Empresas (QREN) Novo Quadro (2014-2020) Gestão do Risco Instrumentos de Financiamento Multilaterais Financeiras

Leia mais

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos.

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

visite o nosso site em:

visite o nosso site em: 1 O QUE É A BOLSA DE VALORES? As bolsas de valores são mercados secundários especialmente organizados onde são transaccionados valores mobiliários. Trata-se de mercados estruturados e dotados de instrumentos

Leia mais

. INFORMAÇÃO E EMITENTES MOBILIÁRIOS

. INFORMAÇÃO E EMITENTES MOBILIÁRIOS . INFORMAÇÃO 4.. I E EMITENTES DE VALORES MOBILIÁRIOS 4. Informação e Emitentes de Valores Mobiliários O QUE É PRECISO SABER PARA INVESTIR EM VALORES MOBILIÁRIOS? A informação desempenha um papel fundamental

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

O financiamento das empresas portuguesas

O financiamento das empresas portuguesas O financiamento das empresas portuguesas 1. Um dos efeitos colaterais da crise financeira ainda em curso foi o aumento da relevância do financiamento das empresas pelo mercado em detrimento do crédito

Leia mais

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS Banco de Cabo Verde O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades,

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS

Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS Porquê Portugal? Portugal é um país dinâmico, seguro, com uma taxa de criminalidade baixa, trabalhadores altamente

Leia mais

Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP

Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP 12 de Outubro 2005 Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP Neves de Carvalho EDP Energias de Portugal SA Existe globalmente uma crise de credibilidade nas instituições que

Leia mais

O presente documento é uma tradução do sumário do prospecto do Plano de Acções para os Empregados do Grupo DHV ("O Prospecto") da exclusiva

O presente documento é uma tradução do sumário do prospecto do Plano de Acções para os Empregados do Grupo DHV (O Prospecto) da exclusiva O presente documento é uma tradução do sumário do prospecto do Plano de Acções para os Empregados do Grupo DHV ("O Prospecto") da exclusiva responsabilidade da DHV Holding B.V. O Prospecto foi aprovado

Leia mais

Trabalho de pesquisa: Afectação do Crédito para Investimento, Estabilidade e Crescimento: Lições do Banco de Desenvolvimento Brasileiro

Trabalho de pesquisa: Afectação do Crédito para Investimento, Estabilidade e Crescimento: Lições do Banco de Desenvolvimento Brasileiro O que podem os países africanos aprender com o desenvolvimento e crescimento inclusivo no Brasil? Trabalho de pesquisa: Afectação do Crédito para Investimento, Estabilidade e Crescimento: Lições do Banco

Leia mais

Produto Financeiro Complexo Documento Informativo BPI CHINA 2012-2015 ISIN: PTBBUFOM0021

Produto Financeiro Complexo Documento Informativo BPI CHINA 2012-2015 ISIN: PTBBUFOM0021 Produto Financeiro Complexo Documento Informativo BPI CHINA 2012-2015 ISIN: PTBBUFOM0021 Emissão de Obrigações ao abrigo do Euro Medium Term Note Programme de 10,000,000,000 do Banco BPI para a emissão

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos www.facebook.com/santandertotta.pt http://twitter.com/santandertotta Onde deve investir? A escolha deve ter em conta diversos factores, tais como: quando é que pretende utilizar o montante que investiu?

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 8 de Janeiro de 2008 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas Sofia Pereira 2ª Frequência Responda a cada grupo em folha separada A Ibersol tem como

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Futuros

Conceitos básicos de negociação em Futuros Conceitos básicos de negociação em Futuros N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A.

INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. Versão: 1.0 Data inicial: 2010/08/20 Última alteração: 2010/09/10 Mod. 853P/2010 Banco Popular Portugal, S.A. 2/8

Leia mais

Emitente: Descrição do Emitente: Oferta: Vencimento:

Emitente: Descrição do Emitente: Oferta: Vencimento: RESUMO DA OFERTA Este resumo tem de ser visto como uma introdução a este Prospecto. Qualquer decisão de investimento em quaisquer Acções Preferenciais deve basear-se numa avaliação deste Prospecto como

Leia mais

Soluções de Financiamento para a Internacionalização

Soluções de Financiamento para a Internacionalização Soluções de Financiamento para a Internacionalização por João Real Pereira Internacionalização para Moçambique Oportunidades e Financiamento 15 de Março de 2012 Braga Sumário 1. O que é a SOFID? Estrutura

Leia mais

FESETE FEDERAÇÃO DOS SINDICATOS DOS TRABALHADORES TÊXTEIS, LANIFÍCIOS, VESTUÁRIO, CALÇADO E PELES DE PORTUGAL

FESETE FEDERAÇÃO DOS SINDICATOS DOS TRABALHADORES TÊXTEIS, LANIFÍCIOS, VESTUÁRIO, CALÇADO E PELES DE PORTUGAL Exposição e Propostas da FESETE à Reunião com o Senhor Ministro do Trabalho no dia 19 de Dezembro de 2008 1. Nota Introdutória: As ITVC, em resultado do seu enquadramento num mercado global, desregulado

Leia mais

12º VCIT 19/06/2012 DISCURSO DE BOAS VINDAS

12º VCIT 19/06/2012 DISCURSO DE BOAS VINDAS 12º VCIT 19/06/2012 DISCURSO DE BOAS VINDAS Senhor Presidente do IAPMEI, Senhor Presidente do Banco Popular, Senhor Presidente da SPGM, Senhor Presidente da CIP, Senhor Presidente da Comissão Directiva

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

Finanças Internacionais

Finanças Internacionais Universidade dos Açores Departamento de Economia e Gestão Mestrado em Ciências Empresariais Finanças Internacionais Ponta Delgada, Abril de 2009 Fernando José Rangel da Silva Melo Sumário 1 Gestão Financeira

Leia mais

* * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * *

* * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * * Escola Profissional de Agentes de Serviço e Apoio Social Curso de Animador Social/Assistente Familiar Área Científica - ECONOMIA * * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * * Módulo 4: MOEDA E MERCADO FINANCEIRO

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Contabilidade das sociedades e fundos de capital de risco A alteração do Decreto-Lei n.º 319/2002, de 28 de Dezembro, pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE. Parte 1 Valor Recuperável do Crédito

ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE. Parte 1 Valor Recuperável do Crédito ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE Parte 1 Valor Recuperável do Crédito O cálculo do valor recuperável do crédito deverá atender aos aspectos que caracterizam cada exposição creditícia e/ou

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Obrigações

Conceitos básicos de negociação em Obrigações Conceitos básicos de negociação em Obrigações N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Obrigação: título representativo de uma fração da dívida/passivo

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

Mercado de Capitais e o Investimento Imobiliário. 1 Fórum de Investimentos Imobiliários

Mercado de Capitais e o Investimento Imobiliário. 1 Fórum de Investimentos Imobiliários Mercado de Capitais e o Investimento Imobiliário 1 Fórum de Investimentos Imobiliários Abril, 2014 Mercado Imobiliário e Mercado de Capitais Relembrando o Passado Recente Maior renda da população Evolução

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Açores Investe Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores Proposta de decreto legislativo regional que altera

Leia mais

Informação Importante

Informação Importante Informação Importante Independentemente das condições de prestação de serviços bancários, de investimento, de recepção e transmissão de ordens por conta de outrem, cujos termos se encontram expressos nas

Leia mais

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação.

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação. EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA ENTIDADE EMITENTE: MODALIDADE: MOEDA: MONTANTE DA EMISSÃO: REPRESENTAÇÃO: VALOR NOMINAL: PREÇO DE SUBSCRIÇÃO: Galp Energia, SGPS, S.A. Emissão

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

A Lei n.º 18/2015 introduziu novos tipos de OICs em Portugal, que poderão ser geridos por SCRs e outras gestoras de OICs:

A Lei n.º 18/2015 introduziu novos tipos de OICs em Portugal, que poderão ser geridos por SCRs e outras gestoras de OICs: 1) Introdução A Lei n.º 18/2015 introduziu novos tipos de OICs em Portugal, que poderão ser geridos por SCRs e outras gestoras de OICs: Os OICs de investimento alternativo especializado, vocacionados para

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Instituto Português de Corporate Governance Auditório Victoria 27 de novembro 2013 Ana de Sá Leal economista Abordagem 1. Responsabilidade Social 2. Dimensão 3. Criar Valor 4. Outro

Leia mais

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. Apuramento dos Resultados da Oferta Pública de Subscrição das OBRIGAÇÕES TAXA FIXA MOTA-ENGIL 2013/2016

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. Apuramento dos Resultados da Oferta Pública de Subscrição das OBRIGAÇÕES TAXA FIXA MOTA-ENGIL 2013/2016 SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO Apuramento dos Resultados da Oferta Pública de Subscrição das OBRIGAÇÕES TAXA FIXA MOTA-ENGIL 2013/2016 14 de Março de 2013 ENTIDADE OFERENTE OFERTA PÚBLICA DE

Leia mais

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA! Os custos! As vantagens! Os obstáculos! Os procedimentos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 1/1 Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 No cenário da actual conjuntura económica o sistema de garantia mútua é visto quer pelos parceiros

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39 GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

O Financiamento Bancário no Contexto Atual

O Financiamento Bancário no Contexto Atual Seminário: Modelos de Financiamento de Operações Urbanísticas: desafios e oportunidades O Financiamento Bancário no Contexto Atual José Herculano Gonçalves IST Lisboa, 28 Janeiro 2014 Direção de Financiamento

Leia mais

Lucros do Grupo Santander Portugal crescem 27% em 2000

Lucros do Grupo Santander Portugal crescem 27% em 2000 BANCO TOTTA & AÇORES, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Áurea, 88 1100-060 LISBOA Capital Social: 105.000.000.000$00 Matriculado na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa sob o nº 1/881011 Contribuinte

Leia mais

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Carlos Firme 07 de Julho de 2010 Índice 1. A Biomassa no Contexto das Energias Renováveis 2. A Emergência de um novo tipo de investidor 3. Os Economics

Leia mais

A INDÚSTRIA DA GESTÃO DE ACTIVOS 2002

A INDÚSTRIA DA GESTÃO DE ACTIVOS 2002 A INDÚSTRIA DA GESTÃO DE ACTIVOS 2002 ÍNDICE 1. Caracterização da Indústria de Gestão de Activos...pág. 01 2. Evolução da Indústria de Gestão de Activos...pág. 04 2.1 A Gestão Colectiva de Activos...pág.

Leia mais

Mobile Banking Aboobacar Chutumia Abril de 2011

Mobile Banking Aboobacar Chutumia Abril de 2011 Mobile Banking Aboobacar Chutumia Abril de 2011 Pontos de Abordagem Serviços Financeiros Móveis Acesso - Serviços Financeiros Móveis Impacto da Rede Móvel nos SFM s mcel - pioneira na banca móvel mkesh

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

IESF Instituto de Estudos Superiores Financeiros e Fiscais. 1. Introdução..2. 2. Gestão Financeira...2 a 4

IESF Instituto de Estudos Superiores Financeiros e Fiscais. 1. Introdução..2. 2. Gestão Financeira...2 a 4 Índice 1. Introdução..2 2. Gestão Financeira......2 a 4 3. Planeamento Financeiro de Curto Prazo:.. 5 3.1. Conta Previsional de Exploração e de Resultados...6 a 7 3.2. Orçamento Anual de Tesouraria..7

Leia mais

Texto preparado. Previsões sobre o crescimento mundial

Texto preparado. Previsões sobre o crescimento mundial Novas Oportunidades e Novos Riscos: As Perspectivas para a África Subsariana e Moçambique David Lipton, Primeiro Subdirector-Geral do FMI Fundo Monetário Internacional Universidade Politécnica, Maputo

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Seminário. Investimento e Financiamento às Empresas. Uma Ideia para Mudar Portugal. 16 de Junho de 2015. Porto Business School

Seminário. Investimento e Financiamento às Empresas. Uma Ideia para Mudar Portugal. 16 de Junho de 2015. Porto Business School Seminário Investimento e Financiamento às Empresas Uma Ideia para Mudar Portugal 16 de Junho de 2015 Porto Business School Novas soluções para incentivar o IDE em Portugal A possibilidade de desenvolver

Leia mais

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Apresentação ao mercado do modelo de adopção plena das IAS/IFRS e outras matérias inerentes ao processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector bancário nacional DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem.

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Advertências ao Investidor Os riscos do, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Risco de perda total ou parcial do capital investido

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito.

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. INFORMAÇÕES GERAIS. O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. A rendibilidade é a taxa de rendimento gerado pelo investimento durante

Leia mais

Esclarecimento. De entre as acções dadas em garantia destacam-se as acções Cimpor, correspondentes a 9,58% do respectivo capital social.

Esclarecimento. De entre as acções dadas em garantia destacam-se as acções Cimpor, correspondentes a 9,58% do respectivo capital social. Esclarecimento 1. O Grupo INVESTIFINO contratou junto da CGD, no período de 2005 a 2007, diversos financiamentos que globalmente atingiram um valor elevado. 2. Os referidos financiamentos destinaram-se

Leia mais