A importância do fluxo de caixa no mercado de capital

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A importância do fluxo de caixa no mercado de capital"

Transcrição

1 Karina de Oliveira Cota Bacharel em Ciências Contábeis pela FACSAL Faculdade da Cidade de Santa Luzia Sania Ferreira De Lima Bacharel em Ciências Contábeis pela FACSAL Faculdade da Cidade de Santa Luzia Recebido em 05/10/2012. Aprovado em 15/12/2012 Resumo Neste trabalho, cuja temática abordou especificamente uma das inúmeras ferramentas das Ciências Contábeis, o fluxo de caixa. Foram analisadas trinta e duas empresas de capital aberto, com ações negociadas em bolsas de valores. Os objetivos foram apurar a importância e efeitos dessa ferramenta, no resultado final das ações negociadas no mercado financeiro de determinadas empresas listadas na Bovespa. A metodologia empregada foi bibliográfica, explicativa e documental. Além de bibliografias de renomados autores da área contábil e mercado financeiro, sítios da rede mundial de computadores, a internet, foram também de grande valia. O resultado das pesquisas permitiu concluir que existe uma correlação entre as oscilações nas atividades do fluxo de caixa e a variação do preço da ação no mercado. Palavras-chave: Fluxo de caixa, mercado financeiro, ações Abstract In this work, whose thematic was specifically approached one of the countless tools of the Accounting Sciences, the cash flow. Thirty two companies of open capital, with actions negotiated in stocks exchange, were analyzed. The objectives went to investigate the importance and effects of that tool, in the final result of the actions negotiated in the finance market certain striped companies in Bovespa. The used methodology was bibliographical, documentary and explanatory. Besides of renowned authors' bibliographies in accounting area and finance market, sites of the world net of computers, the internet, were also valuable. The result of the researches allowed to conclude that a correlation exists among the oscillations in the activities of the cash flow and the variation of the price of the action in the stock market. Key Words: Cash flow, finance market, stock jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 1

2 Introdução A natureza deste trabalho foi o levantamento de práticas empresariais, no uso específico de uma das inúmeras ferramentas das Ciências Contábeis para o comportamento saudável de uma organização. De posse desta ferramenta, que é demonstração de fluxo de caixa, partiu-se para um modelo, na qual buscou-se verificar existência de uma relação entre a liquidez da organização e o valor de seus títulos emitidos no mercado de capitais, ou seja, suas ações. A pesquisa se deterá com base em dados contábeis e financeiros de 32 empresas pertencentes a diversos segmentos de mercado, as quais possuem ações negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo. Justifica-se a escolha do tema pela importância da demonstração de fluxo de caixa, que hoje é um dos principais instrumentos que possibilita uma visão singular e representativa da situação econômica da empresa e que permite decisões com a minimização do risco. Como objetivo geral, este estudo, buscou identificar a importância e impacto do fluxo de caixa na negociação das ações de empresas listadas na bolsa de valores. Especificamente, objetivou-se descrever a importância do fluxo de caixa para o mercado financeiro, analisar as movimentações contidas nesse demonstrativo a fim de identifica a existência de resultado positivo ou negativo do investimento no mercado de capitais e verificar, assim, a existência de uma relação entre o fluxo de caixa e o valor da ação. Referencial Teórico Os teóricos Iudícibus, Marion & Faria (2009) e Marion (2005) acreditam que o sucesso de uma empresa depende de todos os setores que a compõe. Cada qual desses setores com sua devida importância. Esse trabalho se deterá em um âmbito geral na Contabilidade e mais especificamente em um dos instrumentos por ela usada, o fluxo de caixa. Frequentemente os responsáveis por determinada empresa tomam decisões, todas importantes, vitais para o sucesso do empreendimento. Por isso, há a necessidade 1-30 jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 2

3 de informações corretas, de subsídios que contribuam para uma boa tomada dessas decisões. Como, por exemplo, comprar ou alugar maquinários, necessidade de terceirizar determinado serviço, formar o preço adequado do produto. O 1º Congresso Brasileiro de Contabilidade 1, realizado em setembro de 1924, aprovou a primeira definição oficial de contabilidade no Brasil, dispondo o seguinte: Contabilidade é a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, controle e registro relativo aos atos e fatos da administração econômica. A Contabilidade é o instrumento que auxilia a alta administração a tomar decisões, pois é através dela [da Contabilidade] que se coletam todos os dados econômicos, mensurando-os monetariamente, registrando-os e sumarizando-os em forma de relatórios, que contribuem sobremaneira para a tomada de decisão. (Iudicibus et al., 2009; Marion, 2005) Para Marion (2005) a Contabilidade representa a linguagem dos negócios, mensura os resultados das empresas, permite avaliar o desempenho e elaborar as diretrizes para se tomar decisões. Ainda, segundo o autor... a Contabilidade surgiu basicamente da necessidade de donos de patrimônio que desejavam mensurar, acompanhar a variação e controlar suas riquezas. Daí, poder-se afirmar que a Contabilidade surgiu em função de um usuário específico, o homem proprietário de patrimônio, que, de posse das informações contábeis, passa a conhecer melhor sua saúde econômico-financeira, tendo dados para propiciar tomada de decisões mais adequadas. (Marion, 2005, p. 26). Já Iudícibus et al.(2009) define o objetivo da Contabilidade como sendo o de fornecer informações estruturadas de natureza econômico-financeira. Demonstrações contábeis A Lei das Sociedades por Ações Lei de 28 de dezembro de 2007, que alterou e revogou alguns dispositivos da Lei e 6404/76 estabelecem que, ao fim de cada exercício social (ano), a diretoria fará elaborar, com base na escrituração contábil, as seguintes demonstrações contábeis, para as sociedades 1 Disponível em jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 3

4 anônimas (de capital aberto e fechado), e de outras naturezas jurídicas, principalmente as tributadas pelo Lucro Real. De acordo com as Normas Internacionais de Contabilidade (IFRS) os demonstrativos financeiros da empresa deverão ser publicadas em dois jornais: no Diário Oficial e num jornal de grande circulação. Outro aspecto importante é que as demonstrações financeiras de cada exercício devem ser publicadas com a indicação dos valores correspondentes das demonstrações do exercício anterior. As notas explicativas devem complementar, juntamente com outros quadros analíticos, as demonstrações financeiras. Balanço patrimonial O Balanço Patrimonial é a peça contábil que retrata a posição (saldo) de todas as contas de uma entidade após todos os lançamentos das operações de um período terem sido feitos, após todos os provisionamentos (depreciação, devedores duvidosos etc.) e ajustes, bem como após o encerramento das contas de receitas e despesas terem sido executados. Retrata a situação estática da entidade. Evidencia os ativos e passivos em ordem de liquidez, apresentando a situação liquida patrimonial e financeira da entidade. (Iudicibus et al., 2009). Demonstração do resultado do exercício Entende que a Demonstração de Resultado do Exercício é o reflexo dos efeitos das decisões operacionais dos administradores da empresa. É um suplemento ao Balanço Patrimonial pois explica o componente principal de variação na conta Patrimônio Líquido, bem como permite elaborar diversas análises de desempenho. (Helfert, 2000). Demonstração de lucros ou prejuízos acumulados A demonstração de lucros ou prejuízos acumulados poderá ser incluída na demonstração das mutações do patrimônio líquido, se elaborada e divulgada pela empresa, pois não inclui somente o movimento da conta de lucros ou prejuízos acumulados, mas também o de todas as demais contas do patrimônio líquido. (Jacinto, 1987) 1-30 jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 4

5 Demonstração das mutações do patrimônio líquido E a demonstração elaborada a fim de mostrar as mudanças ocorridas, indicando a origem e valor de cada acréscimo ou diminuição do patrimônio. A sua importância tornou-se mais acentuada após novos critérios da lei, pois a demonstração indica claramente a formação e utilização de todas as reservas, servindo também para melhor compreensão, inclusive quanto ao calculo dos dividendos obrigatórios. (FIPECAFI & Ernst & Young, 2010) Demonstração do valor adicionado A DVA tem por objetivo principal demonstrar o valor da riqueza gerada pela entidade, bem como sua distribuição aos colaboradores, financiadores, acionistas e o governo. Segundo o Pronunciamento Técnico CPC 09 Demonstração do Valor Adicionado, o valor adicionado representa a riqueza criada pela empresa, de forma geral, medida pela diferença entre o valor das vendas e os insumos adquiridos de terceiros. Demonstração de fluxo de caixa É o demonstrativo que espelha a situação atual de caixa da empresa. (Assaf Neto & Silva, 1997). A DFC apresenta as entradas e saídas das disponibilidades de caixa e é o principal instrumento de gestão financeira, permite planejar, controlar e analisar as receitas, investimentos, entradas e saídas de recursos monetários, permitindo executar programações e projetá-las para longo prazo. (Silva, 2010) O interesse pelo fluxo de caixa teve início a partir de 1961 com a publicação do Accounting Procedures Board (APB). Em 1987 foi publicado o Accounting Standards (SFAS 95) pelo Financial and Accounting. Foi o ponto de partida para, assim, estabelecer normas para elaboração do relatório. (Sá, 2009) No início da década de 1980, os órgãos internacionais de regulamentação contábil iniciaram estudos para introduzir a Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC), em substituição à Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos (DOAR), nos demonstrativos contábeis. O primeiro país a oficializar essa substituição foi o Canadá, em setembro de Em outros países, a DFC também foi oficializada 1-30 jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 5

6 como, por exemplo, nos Estados Unidos, em novembro de 1987 e no Reino Unido, em No entanto, na França e na Alemanha existe a recomendação de publicação dos dois demonstrativos. (Lustosa, 1997). No Brasil a DFC foi regulamentada em substituição a DOAR pela Lei nº /07, que altera dispositivos da Lei nº 6.404/76 sobre matéria contábil. Posteriormente o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), criou o Pronunciamento Técnico (CPC 03), que apresenta as normas contábeis a serem seguidas no Brasil, para elaboração do Fluxo de Caixa. O Demonstrativo dos Fluxos de Caixa é no mínimo uma indicação das alterações ocorridas no saldo de caixa do exercício e segregados em três fluxos: i) operacional; ii) financeiro e iii) investimentos. (Marion, 2005) Para Silva (2010) o fluxo de caixa deve ser considerado como fundamental e indispensável como meio para sinalizar os rumos financeiros do negócio. Esta fundamentalidade pode ser expressa, tendo-se em vista, que é possível uma empresa apresentar lucro líquido e um bom retorno sobre os investimentos e, ainda sim vá à falência. O fluxo de caixa não consistente pode acarretar a quebra ou fracasso da empresa (Goldratt & Cox, 1990; Smith, 1996). Hendriksen (1982) deixa claro que, com o aumento da complexidade das atividades operacionais, vem a necessidade de desenvolver as demonstrações do fluxo de caixa. Entretanto tal complexidade pode provocar disparidades entre quando são apresentadas as receitas e despesas lançadas e os períodos em que os correspondentes fluxos de caixa realmente ocorrem. Assim cria-se uma maior oscilação no fluxo de caixa das empresas, pois os fatores externos, tais como as inflações ou mudanças no cenário econômico podem afetar mais rapidamente os fluxos de caixa do que o próprio lucro contábil. De acordo com Drucker (1992) há muito tempo que uma empresa pode operar sem lucros por muitos anos, desde que possuam um fluxo de caixa adequado. De fato, um aperto na liquidez costuma ser mais prejudicial do que um aperto nos lucros jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 6

7 Principais finalidades do fluxo de caixa Para atingir as metas e ter um fluxo de caixa eficaz, determinadas ações e observações são necessárias. Iudicibus et al. (2009), deixa claro que este demonstrativo deve ser analisado conjuntamente com os demais e que sua finalidade é permitir honrar compromissos, identificar liquidez, solvência e flexibilidade financeira. Antecipadamente deve-se ter conhecimento do Caixa da empresa e, se necessário for, fazer eventuais ajustes. Silva (2010) considera que é importante a informação da forma de trabalho da empresa, se esta apresenta aperto ou folga financeira. Bancos, clientes, fornecedores, movimento de Caixa, tudo deve ser mantido sob controle no dia a dia, com valores atualizados e realistas. Desta forma, se conseguirá atingir as finalidades propostas através dessa ferramenta contábil, que é o Fluxo de Caixa. Fluxo de caixa e a sua importância Além da área financeira todos os demais departamentos da empresa devem se comprometer com os resultados de caixa, por isso os responsáveis pelo fluxo de caixa devem ficar atentos a alguns tópicos, como... os prazos de fabricação dos produtos [...], as decisões de compras [...], políticas de cobrança mais ágeis e eficientes, [...] controle mais próximo sobre os prazos concedidos, e [...] avaliar cuidadosamente o perfil de seu endividamento (Assaf Neto & Silva, 1997, p. 71). O objetivo primário da DFC é disponibilizar informações relevantes sobre a movimentação financeira de uma empresa, ocorridos durante um determinado período, facilitando o processo de administração dos recursos disponíveis na empresa (Iudicibus et al., 2009), ou seja, a DFC registra a origem de todas as entradas e saídas de dinheiro no caixa em determinado período (Marion, 2005). Já Kroetz (2000) esclarece que a DFC representa as modificações no saldo das disponibilidades da entidade durante determinado período. Ressalta que essa demonstração agrega valores constantes no caixa e nos bancos. Por isso, nota-se que é importante destacar que, na elaboração da DFC, o conceito de caixa é ampliado para também considerar os investimentos qualificados como equivalentes de caixa. Conforme Iudícibus et al. (2009), equivalentes caixa são os investimentos 1-30 jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 7

8 de altíssima liquidez, prontamente conversíveis em uma quantia conhecida de dinheiro e que apresentam risco insignificante de alteração de valor. Deve-se ressaltar que a definição citada é a adotada pelo IASB. O fluxo de caixa é um dos instrumentos gerenciais de maior eficiência pois permite o planejamento e controle financeiro da empresa, constituindo-se assim em elemento básico e indispensável para o administrador em sua visão de longo prazo (Assaf Neto & Silva, 1997; Zdanowicz, 2000). Já Frezatti (1997) inclui o curto prazo ao definir a funcionalidade do fluxo de caixa também em operações táticas. Silva (2010) sintetiza estes posicionamentos ao estabelecer que os objetivos do fluxo de caixa são muitos, mas o principal é a visão geral de todas as atividades (entradas e saídas) diárias. Pode-se colocar o fluxo de caixa como a principal ferramenta da gestão financeira, permitindo que as empresas possam projetar seus recursos financeiros e operacionais por certo período. Assim é possível com o fluxo de caixa verificar, planejar e controlar eventuais excedentes e escassez de caixa, para poder tomar decisões e medidas que venham sanar qualquer situação posterior que venha prejudicar a empresa (Silva, 2010). Para a utilização do fluxo de caixa não importa o tamanho ou a natureza operacional da empresa não é contraproducente administrá-la sem o acompanhamento do Fluxo de Caixa, especialmente quando se tem certa urgência nas tomadas de decisões de pagamentos, recebimentos, aplicações, investimentos e assim por diante (Perez Junior & Begalli, 1999) A DFC divide-se em três grupos: i) atividades operacionais; ii) atividades de financiamento; iii) atividades de investimento. São consideradas atividades operacionais: Entradas: recebimentos pela venda de produtos e serviços [...]; recebimento de juros [...] sobre aplicações financeiras em outras atividades; [...] qualquer outro recebimento [...] de investimento ou financiamento, [...]. Saídas: pagamentos a fornecedores [...], pagamentos aos governos federal, estadual e municipal, [...] financiamentos [...] (Iudicibus et al., 2009, p ) 1-30 jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 8

9 As atividades operacionais do fluxo de caixa indicam como a empresa tem gerado caixa para amortizar seus empréstimos, manter a capacidade operacional da entidade, pagar dividendos, dentre outros. Normalmente elas se relacionam com as transações que aparecem na DRE, e que envolvam atividades relacionadas com a produção da empresa (Iudicibus et al., 2009). Devem ser consideradas atividades de financiamento os fundos de caixa despendidos, pagamento de empréstimos, obrigações de leasing de capital, resgate de debêntures. fundos de caixa recebidos e empréstimos de curto e longos prazo (Olinquevitch & De Santi Filho, 1993). A importância das atividades de financiamento é decorrente para prever as exigências sobre futuros fluxos de caixa. Elas compreendem as alterações dos saldos das contas que compõem o passivo financeiro de curto e de longo prazo e patrimônio liquido. Acredita que o ciclo financeiro representa o tempo entre o pagamento a fornecedores e o recebimento de vendas (Sá, 2009). Com relação às atividades de investimento, a terceira das atividades operacionais, são elencadas certas operações:... de entrada: recebimento do principal dos empréstimos, [...] pela venda de títulos de investimento [...] pela venda de participações em outras empresas, [...] resgate de participações pelas entidades investidas, [...] venda de imobilizado e de outros ativos fixos utilizados na produção. Saídas: desembolso dos empréstimos, pagamento pela aquisição de títulos patrimoniais, pagamento, de terreno, edificações, equipamentos ou outros ativos fixos utilizados na produção (Iudicibus et al., 2009, p. 353). Pode-se afirmar que o fluxo das atividades de investimentos compreende as alterações dos saldos das contas que compõem o ativo não circulante. Por outro lado, quando sublinha que tais fluxos de caixa representam a extensão em que os dispêndios dos recursos são feitos pela entidade com a finalidade de gerar resultados e fluxos de caixa no futuro, a norma brasileira deixa claro que o fluxo das atividades de investimentos representa a porção estratégica do fluxo de caixa (Sá, 2009). Fatores que afetam o fluxo de caixa Para se evitar um desvio das previsões e objetivos do fluxo de caixa, faz-se necessário a preocupação com questões internas e externas em uma empresa jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 9

10 Dentre essas preocupações, no âmbito interno pode-se citar as ações para incrementar a competitividade no mercado. Compras extras, o período entre as receitas e pagamentos, prazos que por ventura tenha-se extrapolado diante daquele prazo agendados com os fornecedores, consequências de um endividamento, entre outras (Silva, 2010). Com relação às questões externas entende-se que poderão também afetar os resultados do fluxo de caixa. Dentre elas são os efeitos da inflação, uma possível retração do mercado e a consequente queda nas vendas, o surgimento de novos concorrentes, alteração nas Leis que regem o mercado e uma possível inadimplência por parte dos clientes (Silva, 2010). Funções do administrador financeiro O administrador financeiro tem como principais funções, i) a análise financeira dos registros e demonstrativos financeiros; ii) elaborar o fluxo de caixa da empresa, para se antecipar de eventuais problemas de liquidez, obtendo tempo hábil para resolvêlo; iii) elaborar uma análise econômica financeira das alternativas possíveis de investimento dos recursos gerados pela atividade operacional da empresa ou de novos investimentos dos sócios; iv) fornecimento de informação precisa sobre a situação financeira da empresa, servindo como base para tomadas de decisões nas atividades de compras, vendas, crédito, cobrança entre outras; v) elaborar um orçamento financeiro referente á obtenção e a captação, aplicação de recursos, no curto e no longo prazo; vi) acompanhamento da inadimplência dos clientes; vii) elaborar uma politica de crédito e cobrança que se encaixe a empresa; viii) adotar medidas que aperfeiçoe os custos (Silva, 2010). Formas de apresentação da demonstração do fluxo de caixa A demonstração do fluxo de caixa pode ser apresentada de duas formas: o método direto ou indireto e é necessário que a empresa escolha um modelo de fluxo de caixa que melhor atenda a suas necessidades, pois tais informações devem ser mais clara e transparente possível, para poder ter a facilidade de analisar as variações do que foi planejado com o que está realizado. (Silva, 2010) Conforme representação da FIGURA 1: 1-30 jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 10

11 FIGURA 1: Método de Elaboração do Fluxo de Caixa. Fonte: Sá (2009, p.36) Nestes dois métodos podem-se enfatizar que:... o método direto explicita as entradas e saídas brutas de dinheiro dos principais componentes das atividades operacionais como o recebimento pelas vendas de produtos e serviços e os pagamentos a fornecedores e empregados. O saldo final das operações expressa o volume liquido de caixa provido ou consumido pelas operações durante o período. O método indireto faz a conciliação entre o lucro liquido e o caixa gerado pelas operações, por isso é também chamado de método da conciliação (Iudicibus et al., 2009, p. 575). As empresas que utilizam o método direto devem classificar seus fluxos de operações: i) recebimento de clientes, incluindo os recebimentos de arrendatários, concessionários e similares; ii) recebimento dos juros e dividendos; iii) outros recebimentos de operações, se houver; iv) pagamentos a empregados e aos fornecedores de produtos e serviços, neste caso, inclui-se serviços de segurança, publicidade e similares; v) juros e impostos pagos; vi) outros pagamentos das 1-30 jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 11

12 operações, se houver. O FASB e o CPC 03 incentivam, mas não obrigam as empresas a adicionarem outras informações que considere úteis (Iudicibus et al., 2009). Deve-se observar que o fluxo de caixa obtido pelo método direto é importante para demonstrar o processo de formação de caixa de uma empresa. Isso permite uma projeção diária das entradas e saídas de caixa, pois trata-se de um elemento insubstituível, quando se há um planejamento financeiro (Sá, 2009). Já o método indireto do fluxo de caixa baseia-se em dados das demonstrações contábeis, no qual se utiliza as variações das contas contábeis no inicio e no fim dos períodos considerados (Sá, 2009). Na mesma linha de ideia, o autor define que o fluxo de caixa obtido pelo método indireto parte da observação de que apenas dois fatores têm a capacidade de liberar ou retirar recursos do fluxo de caixa: o lucro (ou prejuízo) e os fatos que provoquem variações nas contas do Ativo (menos o disponível) e do Passivo. Sistema financeiro nacional Os temas anteriores focaram-se numa das ferramentas disponibilizada pelas Ciências Contábeis e o uso adequado desta ferramenta permite ás empresas uma bem sucedida experiência na participação efetiva na economia do país. Já com os próximos tópicos pretende-se desenvolver um segundo tema, que diz respeito ao sistema econômico vigente. Um sistema produtivo forte precisa, antes de tudo, ser organizado e bem estruturado. Para tal, são necessários alguns fundamentos que servirão para nortear as instituições financeiras, seja privadas ou públicas, cuja finalidade é a de captar, distribuir ou transferir recursos (Assaf Neto, 2012) Fazem parte de organograma denominado Sistema Financeiro Nacional (SFN), o Banco Central do Brasil (Bacen), Conselho Monetário Nacional (CMN), e a Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Gerenciado pelo Ministério da Fazenda, esses três principais agentes financeiros são responsáveis pela normalização do mercado. Na outra ponta, atuam os agentes intermediários, ou seja, os bancos 1-30 jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 12

13 comerciais ou de investimentos, sociedades de arrendamento mercantil ou de crédito, financiamento e investimento e associações de poupança FIGURA 2. FIGURA 2- Organograma do Sistema Financeiro Nacional. Fonte: Banco Central do Brasil. O mercado financeiro é composto por tomadores ou agentes deficitários e emprestadores ou agentes superavitários. Os agentes superavitários são denominados poupadores, que possui um excesso de fundos e que desejam aplicar suas poupanças para maximizar seus lucros, investindo em títulos para receber ganho ao final de determinado período de tempo. Os agentes deficitários são denominados tomadores, pois não dispõem de excedentes de renda e buscam o mercado financeiro para obter créditos para complementar suas necessidades (Andrezo, 2006; Kerr, 2011). A remuneração destes empréstimos é classificada como juros, ou seja, é a remuneração dos poupadores. Desta forma, as instituições que fazem essa intermediação entre operações, captam dos investidores (superavitários) e repassam aos tomadores (deficitários), cobrando uma taxa de intermediação (Mellagi Filho & Ishikawa, 2003). No mercado financeiro são negociados títulos, denominados ativos financeiros, que podem ser prefixados ou pós-fixados. No primeiro caso, os juros são definidos no ato do investimento, enquanto na segunda forma, usa-se um índice oficial que 1-30 jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 13

14 servirá como indexador e esse índice poderá ser, por exemplo, o Índice Geral de Preços Médios (IGP-M) (Assaf Neto, 2012). É possível encontrar diferentes classificações para o mercado financeiro, porém segundo Gitman (2005) os dois mercados financeiros básicos são o mercado monetário e o mercado de capitais. A definição de mercado monetário é: Neles são realizados operações de curto e curtíssimo prazo, com o objetivo de controlar a liquidez dos meios de pagamento da economia, via operações de mercado aberto, de redesconto, depósitos compulsórios. Esse segmento também é utilizado para a aplicação de saldos de caixa de curto prazo das empresas. Ele abrange títulos públicos, certificados de depósitos interfinanceiros (CDI), conta garantida e hotmoney (Kerr, 2011, p. 5). Já o mercado de capitais pode ser definido como uma relação financeira criada por varias instituições e condições que permitem aos fornecedores e aos tomadores de fundos de longo prazo realizar transações (Gitman, 2005). Entretanto, Assaf Neto (2012) sustenta que além desses dois mercados, o mercado financeiro é subdividido em mais dois grandes segmentos de intermediação financeira, que são o mercado de crédito e o mercado cambial. No mercado de credito se concentram os bancos comerciais. É neste mercado que é realizada a maior parte das operações de curto e curtíssimo prazo. Já o mercado cambial é onde são realizadas as operações de compra e venda de moeda estrangeira (Kerr, 2011). Mercado de capitais No atual cenário econômico, notam-se, cada vez mais, empresas tornando pública a negociação de suas ações. O mercado de capitais assume um papel dos mais relevantes no processo de desenvolvimento econômico. É o grande elo que liga os poupadores, e os investidores, ou seja, os carentes que necessitam de recursos e apresentam deficit de investimento com os que provem de recursos abundantes (Assaf Neto, 2012) jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 14

15 A espinha dorsal desse mercado é formada pelas varias bolsas de valores que oferecem um local para a realização de negócios como debêntures (obrigações) e ações. (Gitman, 2005). As bolsas de valores são entidades físicas, constituídas sob a forma de associações, civis sem fins lucrativos, com responsabilidades e funções de interesse público. Operadores capacitados negociam títulos e valores mobiliários das empresas, que são as ações (Assaf Neto, 2012) Toda movimentação nas bolsas são regidas por leis próprias, por exemplo, a Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976, com sucessivas alterações e a recente Lei nº , de 27 de junho de A 1ª instituição do gênero no Brasil, a Bolsa de Valores do Rio de Janeiro, foi criada em Outras foram fundadas, como a Bolsa Livre, criada em 1890 e a razão social alterada em 1895 para Bolsa de Fundos Públicos de São Paulo. Em 1960 esta bolsa passa a ter a denominação de Bolsa de Valores de São Paulo BOVESPA. Com economia em ascensão, antes da virada do século existiam nove bolsas de valores em atividades no Brasil. Naturalmente sob o efeito da globalização implantada no sistema econômico mundial, de acordo com o Portal Investidores, sítio da Bovespa 3 celebrou-se no início da década de 2000, acordo para a integração das nove bolsas de valores existentes à época em atividade no Brasil, por meio do qual toda a negociação de renda variável em bolsa, no País passou a ser realizada na BOVESPA. Nos anos seguintes houve reavaliação, com encerramento operacional de algumas dessas bolsas, resultando em apenas quatro: a própria Bovespa, a Bolsa de Valores do Rio de Janeiro (BVRJ), onde operava também a BM&F, a Bolsa de Valores de Minas Gerais, Espírito Santo e Brasília (BOVMESB) e a Bolsa de Valores da Bahia, Sergipe e Alagoas (BOVESBA), porém sem qualquer atividade de negociação de valores mobiliários. Contudo, atualmente todas as operações são realizadas exclusivamente na Bolsa de Valores de São Paulo, o que a torna principal instituição do gênero no Brasil. 2 Disponível em 3 Disponível em aspx 1-30 jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 15

16 Em 2008, houve a união da BM&F e a Bolsa de valores de São Paulo, tornando-se assim umas das maiores bolsas do mundo em valor de mercado, que por sua vez, tornou-se BMF&Bovespa. Para introduzir os principais produtos negociados no mercado de ações, tomou-se como base o que é oferecido pela bolsa de valores. Na Bovespa são negociadas ações, opções sobre ações e compra diferida de ações (mercado a termo). As ações são títulos mobiliários que representam uma fração do capital de uma organização. Ressalta-se que o acionista não é um credor da companhia, mas um coproprietário com direito a participação em seus resultados (Assaf Neto, 2012; Mellagi Filho & Ishikawa, 2003) Estes títulos também devem ser considerados como valores representativos de uma parcela do capital social de uma empresa e negociadas no mercado. Eles refletem a participação dos proprietários da ação no capital da empresa. Essas ações podem ser classificadas em ordinárias e preferenciais. A primeira tem direito a voto, enquanto a segunda tem prioridade nos recebimentos de dividendos (Assaf Neto, 2012) O que rege os valores das ações são as condições do mercado econômico do país e do mundo, bem como os resultados apurados principalmente pelo fluxo de caixa da empresa. O investidor Um investidor aplica seu dinheiro numa Bolsa de Valores para obter maiores rendimentos que uma caderneta de poupança ou fundo de renda fixa, por exemplo, para proporcionar uma renda extra ou mesmo para uma aposentadoria tranquila (Piazza, 2010) Muitos cuidados são necessários, desde pesquisar e conhecer sobre o mercado, até a escolha de uma corretora confiável, que funcionará como o canal entre o investidor e a bolsa de valores. Existem dois tipos de investidor, o primeiro é o passivo, que é o precipitante, inexperiente não conhece os termos técnicos do mercado, não tem uma visão ampla do mercado. O segundo é o ativo, o qual conhece os termos técnicos e tem noções de como funciona o mercado de capitais (Piazza, 2010) 1-30 jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 16

17 Existem evidencias que o investidor se utiliza frequentemente e em medida cada vez maior, de dados contábeis. As informações contábeis são de fundamental importância para evitar as imperfeições de mercado, representada pela Seleção Adversa (Schadéwitz & Blevins, 1998) A abertura de informações (disclosure) é um fator crítico para o funcionamento de um mercado de capitais eficientes. As empresas fornecem informações através de seus relatórios financeiros, incluindo demonstrativos financeiros, notas de rodapé, análise e discussão por parte dos gestores, assim como outros tipos de documentos exigidos pelos órgãos reguladores. A disclosure é sem dúvida um instrumento importante para as empresas, servindo para apresentarem seu desempenho estratégico, visão de mercado e principalmente a preocupação em interagir com os acionistas. È um instrumento essencial para o investidor que avalia as oportunidades e a real situação da empresa Pode-se afirmar que os investidores racionais, percebendo os potenciais riscos, evitam assumir posição acionária em companhias cuja quantidade e qualidade de abertura de informações é consistentemente abaixo das expectativas (Schadéwitz & Blevins, 1998). A informação contábil financeira (tanto da própria empresa como de seus competidores) é essencial para a avaliação das oportunidades de investimentos em uma economia, tanto para os próprios gestores tomarem decisão sobre um projeto de investimento, como para os investidores alocarem seus recursos de forma mais eficiente entre as diferentes opções disponíveis no mercado. Pode-se destacar ainda o papel de governança da informação contábil, já que a mesma serve como um dos instrumentos de monitoramento dos gestores da empresa pelos investidores externos (Bushman & Smith, 2003). Pode-se reconhecer que existem cinco componentes que impactam o valor das empresas e consequentemente o preço de suas ações no mercado: i) a situação da economia, do mercado de ações, do quadro político e de outras questões macroeconômicas que afetam cada setor e cada empresa; ii) o crescimento das operações da própria empresa, refletido em de novos produtos e serviços, aumento da participação no mercado, eficiências internas e melhoria de produtividade; iii) 1-30 jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 17

18 boas práticas de governança corporativa, responsabilidade socioambiental e desenvolvimento sustentável; iv) melhores resultados financeiros, demonstrados pelo crescimento nas receitas, nas margens e nos lucros; e v) transparência no fornecimento da melhor informação possível, de forma que os investidores e analistas possam entender plenamente os três primeiros componentes (Mahoney, 2007). É através da análise das demonstrações financeiras que auditores, internos ou externos, avaliam o desempenho da empresa analisada, o que tornará essa empresa atrativa ou não para investimentos na Bolsa de Valores. As principais demonstrações financeiras são: Balanço Patrimonial, Mutações Patrimoniais (ou dos Lucros ou Prejuízos Acumulados), do Resultado do Exercício e das Origens e Aplicações de Recursos. Ressalta-se,... é necessário estar alerta quando se analisam certas demonstrações financeiras; por exemplo, as sociedades cooperativas genuínas não estarão obrigadas à estrutura que se vai analisar à frente. Assim, às vezes deixam simplesmente de aplicar o método da equivalência patrimonial, não adotam necessariamente o Regime de Competência, chegam até o ponto de, às vezes, não atualizarem suas dívidas em moeda estrangeira à cotação da data de fechamento etc (Assaf Neto, 2012, p. 77). Para Mahoney (2007) a relevância dos relatórios financeiros para os investidores está no balanço patrimonial, na demonstração do resultado e na demonstração do fluxo de caixa. Apesar dos esforços dos órgãos reguladores em criar padrões uniformes de divulgação, é a área da empresa conhecida como RI Relações com Investidor que define como descrever as situações e a quantidade de informações a serem fornecidas. O fluxo de caixa é considerado uma das ferramentas mais eficazes e utilizadas por analistas de investimentos. O seminário promovido pelo IBRI em 2008 comprovou que os analistas buy and sell side dão ênfase a modelos de avaliação que priorizam o fluxo de caixa descontado e utiliza este método como ferramenta de análise. Mahoney (2007) define o analista sell side como o profissional que atuam em bancos e corretoras de valores, fazendo a prospecção de investimentos e recomendando a compra ou a venda de ações, acompanhando de perto o desempenho e o comportamento das empresas e suas ações. Dessa forma, o 1-30 jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 18

19 trabalho desse profissional demanda informações pontuais e mais detalhadas, significando uma maior necessidade de contato muito próximo e constante com a área de RI. Metodologia Segundo Vergara (2006), existe diversos tipos de pesquisas. A classificação utilizada para este estudo será a da presente autora, que propõem dois critérios básicos, quanto aos fins e quanto aos meios de investigação. Na subdivisão quanto aos fins, foi utilizada a pesquisa explicativa, a qual segundo Vergara (2006) tem como objetivo o esclarecimento dos fatores para a ocorrência de um determinado fenômeno. Quanto aos meios de investigação foram utilizadas as pesquisas bibliográficas e documentais. A pesquisa bibliográfica segundo Rummel (1972) é quando utiliza materiais escritos. Para Vergara (2006) é considerada com um estudo sistematizado que tem seu desenvolvimento baseado em material publicado em livros, revistas, jornais, redes eletrônicas ou em qualquer material que seja de fácil acesso para o publico em geral e, neste estudo, foi empregada para a elaboração de todo o referencial teórico. Em relação à pesquisa documental, Gil (1999) relata que a diferença em relação à pesquisa bibliográfica é quanto à natureza da fonte, uma vez que, a primeira vale-se de materiais que não receberam nenhum tratamento analítico, ou que poderão sofrer algum tipo de adequação ou transformação de acordo com o objetivo do estudo. Vergara (2006) deixa claro que para a efetivação da pesquisa documental deve-se utilizar, independente da natureza, documentos internos de órgão públicos e privados, e de posse de pessoas. Gil (1999) ressalta que uma das vantagens desse tipo de pesquisa está em proporcionar uma visão mais clara do problema e por constituir uma fonte estável e rica de dados. Deste modo, esta pesquisa pode ser classificada como explicativa, tendo em vista, que a questão problema busca identificar uma relação entre o fluxo de caixa e o valor da ação e quanto aos meios, esta pesquisa pode ser classificada como documental por empregar documentos emitidos pelas próprias empresas, baseando jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 19

20 se na leitura e interpretação dos fluxos de caixa e cotação do valor das ações divulgados pelas empresas analisadas. Como amostra desta pesquisa foi utilizado um grupo de 32 empresas de capital aberto, com ações cotadas na BM&FBovespa: Ambev, Anhaguera, Braskem, Cedro, Cemig, Cielo, Copel, Coteminas, Duratex, Embratel, Estácio, Gerdau, Globex, Hypermarcas, Ibovespa, Itautec, Klabim, Kroton, Light, Magnesita, Marcopolo, Marfrig, MMX, Natura, OGX, Petrobrás, Positivo, TAM, Telemar, TIM, Usiminas, VALE, Valefert e VIVO. Como instrumentos de pesquisa foram utilizados os Demonstrativos de Fluxo de Caixa e a cotação histórica das ações das empresas definidas na amostra. A pesquisa foi desenvolvida por meio de informações online. Em primeiro momento, foi retirado diretamente do site da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) 4, as informações referentes ao FCO(Fluxo de Caixa Operacional, FCI(Fluxo de Caixa de Investimento e FCF(Fluxo de Caixa de Financiamentos), dados obtidos dos trimestres de março, junho de 2010 e março e junho de 2011 de cada empresa listada. Os dados para o período analisado do valor da ação foram retirados do site de relacionamento com investidores de suas respectivas empresas. Em seguida, foi aplicada uma estatística de associação, de modo a identificar uma relação entre os valores levantados pela questão problema. Apresentação dos dados e analise dos resultados Com base nos dados pesquisados, foi elaborada uma tabela com os respectivos valores de fluxo de caixa gerado pelas atividades e seu respectivo valor da ação em determinado período. Como ferramenta de analise, foi utilizado o método de correlações, que segundo Gitman (2005) é uma medida estatística que identifica relação, a qual pode ser negativa, quando duas series se movimentam em direções opostas ou positiva quando as séries analisadas se deslocam em sentidos iguais. Para Triola (2005) existe uma correlação entre duas variáveis quando uma delas está, de alguma forma, relacionada com a outra. 4 Disponível em jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 20

21 As tabelas apresentadas a seguir, demonstram a variação dos valores dos fluxos de caixa e o preço das ações. Para a sua elaboração foi criado uma variável dummy, a qual, apresenta os seguintes valores: 0 (zero) para empresa cuja variação foi negativa e 1 (um) cuja variação foi positiva, tanto dos fluxos de caixa, quanto do valor de fechamento da ação. Analisou-se inicialmente a movimentação semestral do fluxo de caixa em relação ao preço da ação. TABELA 1: Variação do fluxo de caixa operacional e do preço da ação. Janeiro Julho 2010 Janeiro Julho 2011 % Empresas FCO Preço Ação % Empresas FCO Preço Ação 28% % % % 1 1 6% 0 1 3% % % 1 0 Fonte: Próprias autoras. Com base nos dados obtidos pela Tabela 1, de janeiro a junho de 2010 e 2011, 34% e 41% respectivamente das empresas aumentaram seu fluxo de caixa e o preço da ação caiu. Esta relação pode levar a vários motivos, entretanto segundo Gitman (2002), aumento nas duplicatas a receber e em estoques, resultando em grandes saídas de caixa e pode indicar problemas de credito ou de estocagem, respectivamente. TABELA 2: Variação do fluxo de caixa de investimento e do preço da ação. Janeiro Julho 2010 Janeiro Julho 2011 % Empresas FCO Preço Ação % Empresas FCO Preço Ação 56% % 0 0 0% 1 1 0% % % 0 1 6% 1 0 6% 1 0 Fonte: Próprias autoras. Os valores informados pela Tabela 2 é referente ao Fluxo de Caixa de Investimento. De Janeiro á Junho houve redução do fluxo de caixa e o preço da ação. Observa-se que isso aconteceu para 56% das empresas em 2010 e 53% em Como as atividades de investimentos estão ligadas ao longo prazo, identifica-se uma preocupação do investidor com esta relação temporal da empresa, ou seja, com porção estratégica do fluxo de caixa jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 21

22 A Tabela 3 se refere ao Fluxo de Caixa de Financiamento e o preço da ação no mesmo período. Analisando os dados pode-se observar que em 2010 houve uma dualidade nos resultados, ou seja, 31% das empresas analisadas o FCF reduziu e o preço da ação também. Em outros 31% das empresas analisadas houve aumento do fluxo e redução no valor da ação. Já em 2011, 41% das empresas aumentaram o fluxo de caixa e o preço da ação caiu. As operações de elevação do fluxo de caixa de financiamento resultam de empréstimos e aumento do capital próprio. Segundo Sá (2009) o fluxo de caixa das atividades de financiamento representa a porção tática do fluxo de caixa. TABELA 3: Variação do fluxo de caixa de financiamento e do preço da ação. Janeiro Julho 2010 Janeiro Julho 2011 % Empresas FCO Preço Ação % Empresas FCO Preço Ação 31% % % % % % % % 1 0 Fonte: Próprias autoras. Conforme os Gráficos 1 e 2 foi possível verificar que existe uma correlação entre os valores dos fluxos de caixa e o valor da ação, com maior destaque para o fluxo de caixa gerado pela atividade operacional da empresa. 60% 40% 20% 0% FCO FCI FCF Positiva Negativa GRAFICO 1- Correlações entre a variação dos fluxos de caixa e a variação do preço das ações para o ano Fonte: Próprias autoras jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 22

23 60% 40% 20% 0% FCO FCI FCF Positiva Negativa GRAFICO 2- Correlação entre a variação dos fluxos de caixa e a variação do preço das ações para o ano de Fonte: Próprias autoras. De posse destas informações, pode-se observar que no ano de 2010, 59% das empresas pesquisadas apresentou uma correlação positiva no fluxo de caixa operacional, 56% no fluxo de caixa de investimento e 50% no fluxo de caixa de financiamento. Já em 2011 esta correlação mostrou-se menor em todos os fluxos da empresa. Portanto, conforme dados acima, existe uma correlação, ou seja, as duas variáveis estão de alguma forma relacionadas. Considerações finais Este trabalho estabelece como resultado a existência de uma correlação entre o fluxo de caixa e o valor da ação no mercado de capitais. Porém, essa correlação não pode ser caracterizado como causa e efeito, pois não existe relação de dependência entre as variáveis analisadas. Deve-se evitar a conclusão de que a correlação implique em uma causalidade, pois as duas variáveis estudadas podem ainda estar afetadas por condições externas, no caso uma terceira variável oculta. Observou-se ainda que os empresários estão arriscando mais, contudo a atividade operacional da empresa esta financiando seus investimentos. As empresas estão menos conservadoras, ou seja, sua capacidade de pagamento de dívidas em curto prazo está maior e assim investem o seu capital. Os empresários estão preferindo investir para aumentar a rentabilidade e continuidade do negócio. Visto que as empresas estão crescendo, os investidores buscam ações no mercado que deem maior retorno numa negociação e mais segurança de recebimentos jul./dez n. 1 v. 1 Santa Luzia REAC 23

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO Nádia Nascimento Cardoso 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda orientadora 2 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas Universidade do Vale Paraíba,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES RESUMO O presente estudo aborda a importância da DFC para a organização, pois além de ser uma

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

A Demonstração no Brasil A Demonstração do Fluxo de Caixa - DFC

A Demonstração no Brasil A Demonstração do Fluxo de Caixa - DFC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI CAMPUS MINISTRO REIS VELLOSO CMRV DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E JURÍDICAS DCCJ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CCC EMPRESA JUNIOR DE CONTABILDIADE CONAC JUNIOR CURSO

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL.

A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL. A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL. Eliseu Pereira Lara 1 RESUMO: As alterações ocorridas na legislação contábil, visando à adequação

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR 0 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR Gabriela de Castro Gaudêncio Cassimiro 1 Thiago Moura de Carvalho 2 Rosália Gonçalves Costa Santos

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários Mercado de capitais Mercado de capitais Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br www.marcoarbex.wordpress.com O mercado de capitais está estruturado para suprir as necessidades de investimento

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS 1. CONCEITOS A Demonstração do Fluxo de Caixa demonstra a origem e a aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo Caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo (Iudícibus e Marion, 1999).

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL

A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Gestão Empresarial Márlio Lúcio Ribeiro Gomes Coorientador: Prof. Evânio de Carvalho Cruz Universidade do Vale do Sapucaí RESUMO Este trabalho tem

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 4 Demonstrações Financeiras

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 4 Demonstrações Financeiras 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstrações Financeiras Tópicos do Estudo Demonstrações Financeiras ou Relatórios Contábeis Demonstrações Financeiras e a Lei das Sociedades Anônimas Objetivos

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Aplicação 1 - As instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

Demonstrações Contábeis Obrigatórias

Demonstrações Contábeis Obrigatórias Demonstrações Contábeis Obrigatórias 1.Introdução As demonstrações contábeis são os meios pelos quais as empresas e as demais entidades informam à sociedade as condições de seu patrimônio. A legislação

Leia mais

Método Direto ou Método Indireto?

Método Direto ou Método Indireto? Método Direto ou Método Indireto? Nova legislação brasileira muda perfil do profissional contábil e valoriza quem, conhece as normas internacionais. demonstrativos oficiais : Já a partir dos primeiros

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Alexandre Prólico Szpyra 1 alexandre.prolico@battistella.com.br Everton Luiz do Nascimento 2 everton@tha.com.br Fabiano Salles de Andrade 3

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010

DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010 PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC sobre

Leia mais

Mercado de Ações O que são ações? Ação é um pedacinho de uma empresa Com um ou mais pedacinhos da empresa, você se torna sócio dela Sendo mais formal, podemos definir ações como títulos nominativos negociáveis

Leia mais

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES Prof Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa. Professor: Eduardo José Zanoteli, M.Sc.

DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa. Professor: Eduardo José Zanoteli, M.Sc. DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Regime de Caixa Regime de Competência X DFC: Objetivo/finalidade Permitir que investidores, credores e outros usuários avaliem:

Leia mais

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 30 DE SETEMBRO

Leia mais

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil 1.0 - Introdução à Lei 11.638/07 Países com pouca tradição em mercados de capitais têm a tendência de sofrer, mais do que os demais, influências exógenas (externas) nos seus processos de desenvolvimento

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DLPA DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS A DLPA expõe as variações ocorridas, durante o exercício, na conta Lucros ou Prejuízos Acumulados. Ela pode ser incluída na DMPL Demonstração das Mutações

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Sistema Financeiro Nacional Professor: Roberto César SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido como o conjunto de instituições e orgãos que

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa. Objetivo

NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa. Objetivo NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa Objetivo A demonstração dos fluxos de caixa identifica (a) as fontes de geração dos fluxos de entrada de caixa, (b) os itens de utilização de caixa durante

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA Sócio da Deloitte e autor de livros da Editora Atlas 1 EVOLUÇÃO Instrução CVM n 457/07 Demonstrações financeiras consolidadas a partir

Leia mais

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Visando a redução de riscos nos investimentos internacionais, além de ter mais facilidade de comunicação internacional no mundo dos negócios, com o uso de

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Lucro que não gera caixa é ilusão "Se você tiver o suficiente, então o fluxo de caixa não é importante. Mas se você não tiver, nada é mais importante. É uma

Leia mais

Copyright 2003 - Todos os Direitos Reservados a Prof. Arievaldo Alves de Lima CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES SOBRE O FLUXO DE CAIXA

Copyright 2003 - Todos os Direitos Reservados a Prof. Arievaldo Alves de Lima CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES SOBRE O FLUXO DE CAIXA ANÁLISE DE BALANÇOS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES SOBRE O FLUXO DE CAIXA O fluxo de caixa constitui-se no instrumento prático, por excelência, do administrador financeiro, e pode ser comparado a outras denominações

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES Qual o objetivo da consolidação? O que precisa ser consolidado? Quais são as técnicas de consolidação? Como considerar a participação

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

segundo o processo de tomada de decisões:

segundo o processo de tomada de decisões: Curso de Especialização em Administração Judiciária Tópicos de Administração Financeira Turma II Prof: Carlos Vidal 1 - A FUNÇÃO FINANCEIRA DA EMPRESA segundo o processo de tomada de decisões: a) decisões

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) Investimento em Coligada, em Controlada e em Empreendimento Controlado em Conjunto Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes RESUMO: Dentro do plano de contas de uma empresa, o Balanço Patrimonial, deve ser produzido de maneira minuciosa e exata,

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52 CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA Evolução das Normas de Contabilidade aplicadas no EUA Critérios Contábeis brasileiros e americanos (USGAAP) Objetivos da conversão de demonstrações contábeis

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA EM SUBSTITUIÇÃO A DEMONSTRAÇÃO DE ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS.

A IMPORTÂNCIA DA DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA EM SUBSTITUIÇÃO A DEMONSTRAÇÃO DE ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS. A IMPORTÂNCIA DA DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA EM SUBSTITUIÇÃO A DEMONSTRAÇÃO DE ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS. RESUMO Com a lei nr. 11.638/07 muitas mudanças foram feitas na lei das sociedades por

Leia mais

FLUXO DE CAIXA -INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO E BASE DE APOIO AO PROCESSO DECISÓRIO Paulo Moreira da Rosa e Almir Teles da Silva

FLUXO DE CAIXA -INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO E BASE DE APOIO AO PROCESSO DECISÓRIO Paulo Moreira da Rosa e Almir Teles da Silva FLUXO DE CAIXA -INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO E BASE DE APOIO AO PROCESSO DECISÓRIO Paulo Moreira da Rosa e Almir Teles da Silva Introdução A crescente complexidade do processo administrativo

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2 1 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1 Moisés Araújo Guarda 2 Sara Alexssandra Gusmão França 3 RESUMO Este artigo versa

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONCEITO É uma técnica contábil que consiste na unificação das

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08 Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 partes

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE SÃO JOSÉ CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ - USJ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE SÃO JOSÉ CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ - USJ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE SÃO JOSÉ CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ - USJ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FABIANA ARRUDA PAES ANÁLISE FINANCEIRA POR INTERMÉDIO DA DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período,

A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período, A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período, por meio eo da exposição posção dos fluxos de recebimentos

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APURAÇÃO DO SPREAD DA INDÚSTRIA BANCÁRIA

ESTUDO SOBRE A APURAÇÃO DO SPREAD DA INDÚSTRIA BANCÁRIA FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESQUISAS CONTÁBEIS,ATUARIAIS E FINANCEIRAS Órgão de apoio institucional ao Departamento de Contabilidade e Atuária da FEA/USP RESUMO ESTUDO SOBRE A APURAÇÃO DO SPREAD DA INDÚSTRIA

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 5 Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 5 Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Introdução Representação gráfica. Ativo. Passivo. Patrimônio Líquido. Outros acréscimos ao Patrimônio Líquido (PL) As obrigações

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Administração de Empresas Turma: Disciplina: Administração Financeira Professor : Maxwell Lucena / Aluno(a): Maxwe R.A.: Assinatura: Data: / / 1ª. Questão

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

Contabilidade Geral ICMS-RJ/2010

Contabilidade Geral ICMS-RJ/2010 Elias Cruz Toque de Mestre www.editoraferreira.com.br Temos destacado a importância das atualizações normativas na Contabilidade (Geral e Pública), pois em Concurso, ter o estudo desatualizado é o mesmo

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

Resumindo, teríamos as seguintes companhias obrigadas à elaboração da DFC:

Resumindo, teríamos as seguintes companhias obrigadas à elaboração da DFC: Aula 4 Questões Comentadas e Resolvidas Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). Demonstração do Valor Adicionado. 1.(Analista de Gestão Corporativa-Contabilidade-Empresa de Pesquisa

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos 1 FLUXO DE CAIXA O fluxo de caixa é o instrumento que permite a pessoa de finanças planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar os recursos financeiros de sua empresa para determinado período. captação

Leia mais

Ciências Econômicas. 4.2 Mercado de Capitais. Marcado Financeiro e de Capitais (Aula-2015/10.16) 16/10/2015. Prof. Johnny 1

Ciências Econômicas. 4.2 Mercado de Capitais. Marcado Financeiro e de Capitais (Aula-2015/10.16) 16/10/2015. Prof. Johnny 1 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Econômicas Mercado de Capitais Tributações Relatórios Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br 4.2 Mercado de Capitais 4.3.1 Conceitos

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais