IMPACTO DOS FATORES MACROECONÔMICOS NA EMISSÃO DE AÇÕES NA BOLSA DE VALORES IMPACT OF MACROECONOMIC FACTORS IN THE ISSUE OF SHARES IN THE EXCHANGE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPACTO DOS FATORES MACROECONÔMICOS NA EMISSÃO DE AÇÕES NA BOLSA DE VALORES IMPACT OF MACROECONOMIC FACTORS IN THE ISSUE OF SHARES IN THE EXCHANGE"

Transcrição

1 30 IMPACTO DOS FATORES MACROECONÔMICOS NA EMISSÃO DE AÇÕES NA BOLSA DE VALORES IMPACT OF MACROECONOMIC FACTORS IN THE ISSUE OF SHARES IN THE EXCHANGE IMPACTO DE LOS FACTORES MACRO-ECONÓMICOS EN LA EMISIÓN DE ACCIONES EN LA BOLSA DE VALORES. Jailson da Conceição Teixeira de Oliveira Douorando em Economia (UFPB) Professor Auxiliar da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Endereço: Cidade Universiária Bloco CCSA João Pessoa/PB, Brasil Bruno Ferreira Frascaroli Douor em Economia (UFPE) Professor Adjuno da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Endereço: Cidade Universiária Bloco CCSA João Pessoa/PB, Brasil RESUMO Buscou-se com esse esudo analisar quais relações a emissão de ofera pública de ações guardam com as seguines variáveis: axa de juros, produção indusrial, axa da inflação, e o reorno dos aivos no mercado acionário brasileiro. As séries que compõe o escopo desse rabalho foram obidas juno ao IPEA e BM&FBovespa, com frequência mensal, de janeiro 998 à janeiro de 0. Dado o fao de que as variáveis foram odas esacionárias foi uilizado o modelo de Veores Auo Regressivo. Recorreu-se a écnicas de Decomposição da Variância e Funções de Impulso e Resposa para verificar a significância dos choques dessas variáveis na emissão de ofera pública de ações e foi consaado que a maior pare dos desvios causados na sua variância é explicada por variações sofrida nela mesma, com uma paricipação de mais de 90,0%, ao longo dos dez meses. Em seguida esão as variáveis Selic e IPCA. Em paralelo foi aplicado o ese de causalidade de Granger, que indicou que odas as variáveis afeam a emissão de oferas públicas, exceo a Ibovespa. Palavras-chave: Ofera pública de ações. Decomposição de variância. Veores auo regressivos. ABSTRACT This sudy inended o analyze which are he relaions beween he emission of public offers of shares and he following variables: ineres rae, indusrial producion, inflaion rae, and he reurn of asses of he brazilian capial marke. The series ha analyzed in his paper were obained from IPEA and BM&FBOVESPA, in a monhly frequency, from january 998 o january 0. Given he fac ha he all he variables were found saionary i was adoped he Vecor Auorregression model. I was recurred o he echniques of Variance Decomposiion and Impulse Response Funcions o verify he significance of shocks on hese variables on he emission of pubic offer of shares and i was found ha mos of he deviaions caused on he Recebido em Revisado por pares em ª Reformulação em ª Reformulação em Recomendado para publicação em Publicado em

2 3 variance are explained by variaions on his variable iself, wih a paricipaion higher hen 90%, along en monhs. Afer i, here are he variables Selic and IPCA. In Parallel i was applied he Granger Causaliy es, ha indicaed ha all variables affec he emission of public offers, excep Ibovespa. Keywords: Iniial public offering. Variance decomposiion. Vecor auo regressive. RESUMEN Con ese esudio se buscó analizar qué relaciones guarda la emisión de ofera pública de acciones con las siguienes variables: asa de inerés, producción indusrial, asa de inflación y el reorno de los acivos en el mercado accionario brasileño. Las series que componen el objeivo de ese rabajo fueron obenidas juno al IPEA e BM&FBovespa, con frecuencia mensual, de enero de 998 a enero de 0. Dado el hecho de que las variables fueron odas esacionárias fue uilizado el modelo ce vecores Auo regresivo. Se recurrió a écnicas de Descomposición de la Varianza y Funciones de Impulso y Respuesa a fin de verificar la significancia de los choques de esas variables en la emisión de ofera pública de acciones y fue consaado que la mayor pare de los desvíos causados en su varianza es explicada por variaciones sufridas en ella misma, con una paricipacion de más del 90,0% a lo largo de los diez meses. Seguido esán las variables Selic e IPCA. De forma paralela fue aplicado el es de causalidad de Granger, que indicó que odas las variables afecan a la emisión de oferas públicas, excepo a Ibovespa. Palabras clave: ofera pública de acciones. Descomposición de lavarianza. Vecores auo regresivos. INTRODUÇÃO Após a implemenação de uma empresa é naural que a mesma deseje crescer aé mesmo para garanir sua sobrevivência. Para isso, na fala de capial próprio, ela irá uilizar recursos de erceiros. Desa forma, quano mais desenvolvido o sisema financeiro, maior a axa de sucesso da empresa em capar recursos para financiar suas necessidades (MOTTA e al., 009). Exise um rade off na escolha enre essas fones de financiameno, no senido de que a uilização de recursos próprios pode, em algumas ocasiões, possuir um cuso de oporunidade maior em relação aos cusos de capação de capial de erceiros. O papel dos mercados moneário e de capiais em qualquer sisema econômico visa a ransferência de recursos financeiros enre os poupadores e os invesidores, formando os lados da ofera e demanda de poupança. A ofera de recursos financeiros de um país depende de faores como o seu eságio de desenvolvimeno aingido, axas de poupança em relação da renda nacional, siuação dos pagamenos inernacionais do país (impacando na divida exerna), axas de inflação e a própria eficiência dos inermediários financeiros (SANVICENTE, 987). As alas axas de inflação, por exemplo, por dificularem o horizone de planejameno, faz os inermediadores financeiros fugirem de invesimenos de longo prazo, o que dificula o desenvolvimeno do mercado de capiais. Já os deerminanes da demanda são represenados pelas exigências de fundos e condições legais das empresas e varia de acordo com as caracerísicas de cada seor. Ela depende de siuações em que a empresa pode ser de capial fechado ou abero, bem como do eságio do seu ciclo de vida. As empresas de capial fechado não podem capar recursos na bolsa de valores como a BM&FBovespa, por exemplo. Nese caso, ela reinvese seus lucros, ou se endivida juno a alguma insiuição financeira. Na oura mão, uma empresa de capial abero pode capar recursos na bolsa, pagando dividendos aos seus acionisas, comparilhando as decisões da sua gesão com os poradores das ações ordinárias.

3 3 De acordo com Moa e al. (009) a adminisração econômica e financeira de uma empresa pode ser enendida como uma espécie de economia aplicada. Pelo fao da firma operar denro de um ambiene macroeconômico, cabe ao gesor er conhecimenos da esruura insiucional do sisema financeiro, bem como esar aeno para as consequências derivadas da exisência de diferenes níveis de aividade e mudanças na políica econômica que podem afear seu ambiene de decisão, principalmene as relacionadas ao invesimeno de capial. Transações financeiras são inexoravelmene caracerizadas por assimerias de informação enre fornecedores e omadores de recursos. Os úlimos êm necessariamene conhecimeno mais amplo sobre sua própria capacidade de pagameno ano a respeio da disposição de recursos e prazo de pagameno do que aqueles que lhes fornecem recursos. Porano, do pono de visa dos fornecedores de recursos, a presença de al assimeria afeará os prêmios pelos riscos de crédio exigidos em qualquer operação de crédio e aquisição de íulos financeiros (CANUTO e SANTOS, 003). Nos esudos sobre deerminanes de crescimeno e desenvolvimeno econômico das nações é de suma imporância esudar-se o mercado financeiro desas. Nese senido, o presene rabalho em por finalidade observar quais as relações enre as principais variáveis macroeconômicas (produo inerno bruo, inflação, axa de juros e Ibovespa) e a emissão de ofera pública de ações na bolsa. Segundo Kim e Weisbach (005) os moivos que levam uma empresa a emiir ações na bolsa de valores são explicados majoriariamene pela necessidade de capial para invesimeno, e que a grande pare dos recursos capados vão para invesimenos em pesquisa e desenvolvimeno e despesas de capial e esoque. De acordo com Pinheiro (009) a jusificaiva para a realização de uma analise macroeconômica se deve ao fao da bolsa de valores refleir o desempenho da economia no qual esa inserida. Para Leal (000), o mercado de capiais no Brasil possui deerminadas limiações obrigando os gesores das empresas a conhecerem o iming de capar recursos, classificados como momenos de euforia, derivado quer por uma redução da axa de juros ou pelo reorno no mercado acionário. Percebe-se, que o ambiene e o nível de aividade econômica aliada ao cuso de capial são deerminanes no processo de capação de recursos de financiameno. Pare-se do pressuposo que aspecos conjunurais podem produzir impacos sobre a capação de recursos exernos, viso que momenos de euforia do mercado e de expansão econômica concenram boa pare das capações de recursos exernos (MATSUO E JUNIOR, 004, p. 8). No Brasil, uma das esraégias de financiameno dos invesimenos que ulimamene em se desacado é a emissão de ações no mercado de capiais. Segundo Pellicani (0) ainda a principal fone de financiameno das empresas é o capial próprio. No enano, não é desprezível a imporância da capaciação de recursos que ais empresas vêm realizando no mercado nacional e inernacional. As empresas adoam a aberura de capial visando realizar projeos de invesimeno e, em roca, oferecem direios de paricipação no conrole ou no capial social. O presene rabalho esá organizado da seguine forma. Além desa breve inrodução, na seção dois descreve-se o mercado acionário brasileiro. Na erceira seção, é abordado o modelo eórico uilizado. Logo após, na seção quaro é apresenada a meodologia do modelo Veores Auo Regressivo (VAR). Após esa seção, segue-se a apresenação dos resulados na seção cinco. Finalizando, em-se a seção seis conclusiva onde é discuida a ligação da problemáica econômica raada com os resulados empíricos fornecidos pelo modelo VAR.

4 33 O MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO Como já salienado, os mercados moneário e de capiais em como papel permiir a ransferência de recursos enre as unidades poupadores e os demandanes de crédios, formando o mercado de poupança. O desenvolvimeno desse mercado promove o desenvolvimeno socioeconômico. Se a poupança for direcionada para a aividade produiva será gerado invesimenos e consequenemene emprego e renda. Caso for direcionada ao consumo, aquece a demanda por bens e serviços. Esa seção busca relaar a evolução desse mercado com foco no mercado de ações no Brasil. Segundo a BM&FBovespa (0) enende-se por Ações os íulos de propriedade que conferem a seus deenores (invesidores) a sociedade na empresa. A sua emissão proporciona a capação de recursos para o financiameno de projeos de longo prazo, adequação da esruura de capial da empresa e/ou liquidez para os empreendedores. A Ofera Pública Inicial (IPO Iniial Public Offer) é o primeiro lançameno de ações no mercado. Após a aberura de capial e a ofera inicial, a empresa poderá realizar ouras oferas públicas, conhecidas como Followon. As oferas públicas de ações (IPO e Followon) podem ser primárias e/ou secundárias, sendo que as oferas primárias viabilizam a capação de novos recursos para invesimeno e reesruuração de passivos por pare da empresa, fao que leva, porano a um aumeno de capial da empresa. Já as oferas secundárias, permiem liquidez aos empreendedores, que vendem pare de suas ações, num processo em que o capial da empresa permanece o mesmo, porém ocorre um aumeno na base de sócios (BM&FBOVESPA, 0). Sousa e Azevedo (0) afirmam que durane a década de 980 e grande pare da década de 990 os maiores volumes de negociação no mercado acionário eram formados quase que exclusivamene por empresas esaais. A razão por derás disso eram as anomalias crediarias. Com a aberura econômica do país em 99 e a consequene enrada de capial esrangeiro no mercado nacional ampliou as bolsas de valores brasileiras a um rimo acelerado aé 997. Vários foram os faores que impacaram negaivamene nos resulados da bolsa de valores. Enre eles esão crise asiáica (997), a moraória russa (998), seguida da crise cambial brasileira e a crise argenina. A crise cambial brasileira ocorrida no final de 998 e início de 999, derivado da uilização excessivamene prolongada da âncora cambial que levou a uma sobrevalorização do Real, forçando o governo a abandonar o regime de meas cambiais, no caso o de âncora cambial, e lançar mão do regime de câmbio flexível (SILVA FILHO, SILVA e FRASCAROLI, 006). Tal fao gerou uma expecaiva de ala no processo inflacionário, provocando cera insabilidade no início de 999. Pinheiro (009) saliena que a crise cambial abalou a imagem do país no cenário inernacional. Três dias que seguiram a liberação cambial a Bovespa eve uma valorização superior a 40%, mas depois ocorreram quedas em função da fuga de capiais. Já nos anos 00 e 00 houve uma combinação de choques exernos com desaque para a crise argenina, aaque errorisa de de seembro e desaceleração da economia mundial, bem como os choques domésicos com aenção para a crise energéica e a crise de confiança acerca da políica econômica do novo governo, resularam num significaivo impaco sobre a axa de câmbio e, consequenemene, sobre a inflação (SILVA e MAIA, 005). Segundo Pinheiro (009) no ano de 00 a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) lidera o movimeno Ação Cívica pelo Desenvolvimeno do Mercado de Capiais com a paricipação de 45 enidades, o que gerou o Plano Direor do Mercado de Capiais, consiuindo para as empresas uma fone de liquidez e recursos, para os invesidores a melhor

5 34 alernaiva de invesimenos e para a regulação devia preservar a credibilidade e a promoção do desenvolvimeno insiuições, mercados e produos. Masuo e Junior (004) analisaram a influência de faores macroeconômicos nas emissões primárias de ações e debênures no Brasil, com dados rimesrais que compreendiam o período de ouubro de 994 e junho de 003. As variáveis macroeconômicas uilizadas refleiam o cuso de capial (Índice Bovespa, Juros reais e Liquidez da Bolsa), condicionanes da esruura de capial (Invesimeno Esrangeiro Direo e Invesimeno Esrangeiro em Careira), faores represenaivas do nível de aividade (PIB) e faores represenaivos do nível do ambiene econômico (Spread do C- Bond e Dívida Pública Toal). A esraégica empírica uilizada foi o uso do modelo de mínimos quadrados ordinários que apresenou as seguines evidências: a razão dívida pública oal/pib, ingresso de invesimeno esrangeiro direo (IED ingresso) e axa de juros real são esaisicamene significanes quer na deerminação de emissão de ações quano na emissão de debênures. O fao da razão dívida pública oal/pib se relaciona negaivamene com as emissões primárias, reforça a hipóese de que há um efeio de crowding ou no mercado de capiais brasileiro para o período analisado. De acordo com Lameira (005), o Brasil viveu anos em que a siuação macroeconômica penalizou o desenvolvimeno do mercado de capiais, ornando-a impoene do seu papel de ransferência da poupança quer inerna ou exerna, para o seor produivo gerando modernização e crescimeno dos negócios. O desconrole inflacionário, aliado a alas axas de juros e manuenção do défici fiscal do Esado, inibiam o crescimeno do mercado de capiais. Lameira (005) reconhece ambém que o Brasil em feio um grande esforço para modernizar e dinamizar o funcionameno da sua economia buscando a geração da poupança inerna e a promoção de reformas que auam sobre os problemas esruurais visando maior crescimeno econômico. Desaque vai para a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), agencia esaal que regula e fiscaliza o mercado de capiais, em procurado aualizar o ambiene regulaório aravés da inserção de novos produos, valorização dos ineresses dos invesidores, e a modernização de procedimenos operacionais flexibilizando o acesso ao mercado das empresas que demandam recursos. Tal fao pode ser consaado no rabalho de Pellicani (0), quando afirma que esse mercado obeve fraco desempenho na década de 90 e inicio da década de 000. Enre as causas esão a fala de qualidade das ações oferadas aos invesidores. Desse modo a Bovespa decidiu adoar medidas de governança corporaiva (esimulando o ineresse dos invesidores e ao mesmo empo valorizar as empresas), criando em 000, os Níveis Diferenciados de Governança Corporaiva (Nível e Nível ) e o Novo Mercado. Essa diferenciação em como objeivo desacar as empresas compromeidas com maior ransparência e melhores práicas de Governança Corporaiva (BACHMANN, AZEVEDO e CLEMENTE, 0). Para Nascimeno e al. (03) ais medidas projeam os ineresses de odos os acionisas e não apenas do dos conroladores das empresas. No período mais recene o mercado de capiais vola a conhecer uma nova dinâmica, principalmene no que ange aos IPO. Segundo Aldrighi (00) a reomada do lançameno de IPO no mercado brasileiro de ações a parir de 004 culminou em 007 com a aberura de capial de 64 empresas, que caparam cerca de R$ 55 bilhões, monane esse excepcional ano se comparado ao dos anos aneriores ou ao valor oal de desembolsos do BNDES (R$ 64,9 bilhões), sendo esse úlimo a principal fone de financiameno de longo prazo das grandes empresas no Brasil. Segundo Sonaglio, Campos e Braga (00) é quando o invesimeno do seor público compee por recursos físicos e financeiros com o seor privado, podendo gerar uma redução do invesimeno privado.

6 35 Aldrighi (00) desaca alguns faores como sendo os responsáveis por esse boom no mercado de IPO: sólidos fundamenos macroeconômicos da economia brasileira; os avanços nas reformas microeconômicas (reforma da lei das S.A. em 00 e da lei disciplinando as aribuições e responsabilidades da CVM em 00); a fara liquidez inernacional; e a criação em 000 dos níveis diferenciados de exigências de governança corporaiva pela Bovespa. Aldrighi (00) mosra ainda que as empresas maiores, com maiores lucraividades, gasos de invesimeno mais elevados, e que mais crescem possuem uma maior probabilidade de lançar uma IPO; a reesruuração financeira e diversificação da riqueza dos empresários não consiuem como moivações para as IPO; e por fim as condições favoráveis do mercado inernacional de capiais conribuíram para a onda de IPO no período. Com a crise financeira de 007, o ano de 008 foi marcado por uma redução 93,75% e 33,33% na emissão de IPO e Followon respecivamene, como mosra os dados da BMFBOVESPA (0). O volume capado em Oferas Públicas de ações sofreu uma variação negaiva de 5,07%. Ouros faos foram marcanes para esse ano. É o caso da criação da BM&FBovespa, resulane da fusão enre a Bolsa de Mercadorias e Fuuros (BM&F) e a BOVESPA, ornando-se uma das maiores bolsas do mundo em valor de mercado. É aualmene a erceira maior bolsa lisada do mundo. Aé fevereiro de 0 inha 466 empresas lisada. Nesse mesmo ano foi criado a Bovespa Mais, visando ornar mais acessível o mercado de capiais as empresas, principalmene aquelas que sejam araivas ao invesidor e que necessiam de financiameno de médio e longo prazo, como por exemplo, as empresas de pequeno e médio pore (PELLICANI, 0). 3 MODELOS DE FATORES Os modelos de faores são normalmene uilizados para idenificar as relações exisenes em finanças. Desses, desaque vai para as relações de risco e reorno de um porfólio, onde o modelo de faores decompõe o reorno dos aivos em faores comuns a odos os aivos, que compõem a careira, mais um faor específico para cada aivo (ZIVOT e WANG, 00). Busca-se isolar as sensibilidades de cada aivo aos faores comuns de risco, dado o fao de que de alguma forma impacam odos os aivos da careira. Ressalam os modelos mulifaores, onde esão: Modelos de Faores Fundamenais; Modelos de Faores Macroeconômicos; Modelos de Faores Esaísicos. A escolha dos faores pode ser de ordem econômica e finanças (axas de juros, inflação, PIB, índices de mercado, axas de câmbio, ec), fundamenalisa (razões preço/lucro, dividendos, ec) ou esaísica (análise dos principais componenes, análise faorial, ec). Um dos modelos mulifaoriais mais conhecidos na lieraura de finanças é a eoria de precificação por arbiragem (APT). Segundo Alexander (005), o sucesso dos modelos faoriais depende ano dos faores de escolha, bem como do méodo uilizado na esimação das sensibilidades desses faores. Dependendo do ipo do modelo faorial, as sensibilidades podem ser esimadas usando-se regressões cross-secion, écnicas de séries de empos ou méodo do auovalor. O que se em observado na lieraura de finanças que é a uilização da lógica dos modelos mulifaoriais para aplicações que não sejam da relação risco e reorno. É o caso da relação enre as oferas públicas de ações e as variáveis macroeconômicas. Por meio de modelo de regressão com mudanças de regime markoviana, AMEER (0) analisou a relação enre os faores macroeconômicos e oferas públicas iniciais (IPO) na Malásia durane o período de 990 a 008. Mas precisamene as variáveis explicaivas que foram usadas são as axas de juros e a produção indusrial.

7 36 Os resulados obidos aponam para exisência da relação de causalidade enre ais variáveis e os IPO e que ais impacos seriam maiores nos momenos em que a economia apresenava períodos de baixo crescimeno. Ademais em que quando o governo adoa apero na políica moneária, provocando aumeno nas axas de juros e consequenemene quedas nos dividendos das ações causaria efeio negaivo sobre os IPO. Tran e Jean (0) analisaram a dinâmica dos impacos das variáveis macroeconômicas sobre os IPO nos EUA, durane o período de janeiro de 970 a dezembro de 005, uilizando écnicas de economeria de series emporais. É feio ambém uma invesigação sobre a causalidade e mecanismos de impulso resposas enre as variáveis macroeconômicas e as aividades dos IPO. Após Tran e Jeon (0) idenificarem quais são as variáveis mais relevanes na lieraura sobre o assuno, incluíram no esudo as seguines: índice de produção indusrial como uma proxy para a aividade econômica real; índice S&P500 como uma medida para o desempenho da bolsa de valores; a volailidade do mercado como uma proxy para o risco do invesimeno; a liquidez do mercado como uma medida da vonade dos invesidores de compromeer recursos no mercado; a inflação; axa efeiva de fundos federais como um indicador da políica moneária do Federal Reserve Bank (FED); e o rendimeno de 0 anos do T-Bond como uma proxy para os cusos de financiameno de longo prazo da dívida no mercado. Os resulados obidos fornecem fores evidencias de que o desempenho do mercado acionário, políica moneária do FED, e os rendimenos de longo prazo dos íulos públicos, desempenham um papel imporane no fornecimeno de um ambiene favorável sobre os IPOs. Para o mercado brasileiro recenemene foram efeuados alguns esudos. Sousa e Azevedo (0) esudaram o impaco das variáveis macroeconômicas na emissão de ações na Bolsa de Valores de São Paulo, com dados mensais de 998 a 008. As variáveis macroeconômicas esabelecidas foram o PIB, Selic e IPCA. A meodologia empregada nessa analise a fim de aingir o objeivo proposo, foi o ese de correlação e o Méodo dos Mínimos Quadrados. Apesar de o modelo proposo er obido êxio apenas quano à significância do PIB o ese de correlação demonsrou que exisia relação enre as variáveis macroeconômicas e do número de emissão de ações. Os resulados mosram que a correlação mais fore é com o PIB e que variam no mesmo senido, já o IPCA e a Selic variam de forma conraria a emissão de ações. Percebe-se, porano a exisência de ineresse em idenificar como as variáveis macroeconômicas impacam na direção das empresas relaivamene a sua melhor esruura de capial. Com o que já foi aqui explanado, pode-se formular um modelo mulifaorial de variáveis macroeconômicas que buscam explicar a emissão de oferas públicas de ações. A Tabela que segue ilusra as variáveis que compõe o modelo: Um deles é o rabalho de Masuo e Junior (004) que já foi reraado na seção anerior.

8 37 Tabela Lisa das variáveis que compõem o modelo Grupo Variáveis Noação Emissão de Ações Oferas Públicas de Ações IPO Sinalizadores de cuso de capial Faor represenaivo do nível de aividade Índice Bovespa Taxa de juros - Over / Selic - (% a.m.) Produção indusrial - indúsria geral - quanum - índice dessaz. (média 00 = 00), IBOV SELIC PIG Ambiene Econômico IPCA - geral - índice (dez. 993 = 00) IPCA Fone: Elaboração própria a parir de dados Os sinalizadores de cuso de capial represenam os faores que esão direamene relacionados ao cuso de capial. Enquano que o faor do nível de aividade represena os ciclos de expansão e reração econômica. E por fim os faores de ambiene econômico visa medir a percepção de risco inflacionário. A jusificaiva reside no fao de que quando as empresas necessiam realizar invesimenos de longo prazo se deparam com a escolha enre o uso de capial próprio, ou de erceiros, ou enão uma combinação enre as duas fones. No enano al escolha não é fácil, por depender de inúmeros faores, enre eles o cenário macroeconômico, dado o fao que aspecos conjunurais podem produzir impacos sobre a capação de recursos exernos, como aponam Masuo e Junior (004). 4 METODOLOGIA Por meio da esimação de um modelo de Veores Auo-Regressivos (VAR), preendeuse analisar os principais efeios e relações das variáveis macroeconômicas e as oferas públicas de ações no Brasil, durane o período de janeiro de 998 a janeiro de 0. Na lieraura macroeconômica o modelo VAR em sido frequenemene uilizado para esudos empíricos. Silva e Maia (005) aponam dois faores que jusificam isso: apresena um caminho simples no esudo da dinâmica macroeconômica, por não necessiar de uma complea especificação da esruura da economia, que nos modelos de equações simulâneas é exigida; por ser basane apropriada para fazer previsões. Ademais, o modelo permie analisar as iner-relações esaísicas dinâmicas que exisem enre as variáveis macroeconômicas e suas inovações (choques). É imporane ressalar que no processo de modelagem alguns passos são imporanes, como a realização de eses de esacionariedade de sobre as variáveis, causalidade enre as variáveis, eses de coinegração, a idenificação do modelo VAR, bem como a esimação das funções de impulso resposa e a decomposição da variância dos erros de previsão. Esses passos serão descrios a seguir. 4. Esacionariedade Segundo Morein e Toloi (004) um processo esacionário ocorre numa série emporal quando ele se desenvolve no empo de modo que a escolha da amosra emporal, ou janela emporal não seja imporane. Diz-se que um processo esocásico é esacionário

9 38 quando sua média e sua variância são consanes ao longo do empo e quando o valor da covariância enre os dois períodos de empo depende apenas da disância, do inervalo ou da defasagem enre os dois períodos de empo. (i) E y E y, com s, média consane; s (ii) E y E y s, variância consane; y E y y s E ys y js, covariância consane. s (iii) Sendo assim recorre-se a eses como o Tese Dickey-Fuller (979) (DF), o chamado Tese Dickey-Fuller Ampliado (98) (ADF). Tem-se ainda o Tese Dickey-Fuller por Mínimos Quadrados Generalizados (996) (DF-GLS), que será o uilizado nesse rabalho, dada a sua eficiência em relação aos primeiros. Eles são uilizados para deecar se a série emporal é ou não esacionária, iso é, se y possui ou não raiz uniária. A meodologia para se desenvolver o ese consise em gerar ierações a parir de processos do ipo random walk, se deecarmos a presença de raiz uniária eremos, enão, um processo não esacionário. O ese DF pode ser mais bem enendido considerando um processo auoregressivo de primeira ordem, ou seja, y = ρy- + ε. Se ρ =, emos que a variável y possui uma raiz uniária. Podemos expressar, alernaivamene, ese processo auoregressivo da seguine forma: Δy = (ρ-)y- + ε () Δy = δy- + ε () Onde δ = (ρ ) e ε ~ i.i.d. (0, σ ε). A hipóese a ser esada é se δ = 0. Que significa esar se ρ = é. Ese ese pode ser esendido para incorporar endência e/ou consane, de maneira que: Δy =β + δy- + ε (3) Δy =β+ β + δy- + ε (4) Ao esimar (3) e (4) nos ineressa saber se os δ s são significaivamene diferenes de zero, ou ρ, iso é se a série não é esacionária. Para isso, calculamos a esaísica τ = δ/σδ cujos valores críicos foram abelados por Dickey-Fuller e Makinnon da seguine forma: para valores absoluos de τ esimados maiores que o τ, não rejeiamos a hipóese nula, iso é, a série possui raiz uniária e é não esacionária. Mais arde surge o ese Dickey-Fuller Aumenado (ADF) adicionando ao ese anerior ermos de diferenças defasadas. Isso porque os erros podem ser auocorrelacionados. O modelo de ese assume enão a seguine forma: Δy =β+ δy- + + δp-y-p+ + δpy-p + ε (5) Ainda no inuio de verificar a exisência de raiz uniária nas séries, Ellio e al (996), apresenaram o ese DF-GLS, como uma versão eficiene do ese ADF. Essa nova meodologia consise na aplicação do ese ADF à série previamene filrada de seus componenes deerminísicos. O ese apresena duas hipóeses alernaivas: a série é esacionária em orno de uma endência linear, ou a série é esacionária sem uma endência linear. Tem-se que em relação ao ese ADF, o ese DF-GLS é realizado inicialmene

10 39 esimando o inercepo e a endência por meio de Mínimos Quadrados Generalizados (MQG), inroduzindo novas variáveis ỹ, x e z, sendo: y ỹ = {, se = y αy, se > (6) x = {, se = α, se > (7) z = {, se = α( ), se > (8) α = ( 3,5 T ) (9) Poseriormene, realiza-se por Mínimos Quadrados Ordinários a seguine regressão: ỹ = δ 0x +δ z + ε (0) Os parâmeros δ0 e δ são uilizados para reirar a endência dos dados, gerando uma nova serie de dados y : y = y - (δ 0 + δ ) () E por fim para verificar a primeira hipóese alernaiva realiza-se o ese ADF na nova serie. Já para verificar a segunda hipóese alernaiva, esima-se a equação eliminando z e aplica-se o ese ADF. 4. Relação causal Anes de esimarmos efeios marginais, elasicidades e efeios de umas variáveis sobre as ouras, esamos se esaisicamene uma variável afea a oura. Desa forma, podemos idenificar se exise ineração denro de um deerminado conjuno de variáveis. Hamilon (994) inroduz o conceio de causalidade descrevendo uma écnica inroduzida por Granger (969) que permie que sejam escolhidas as variáveis dependenes e as variáveis independenes do modelo. Tome dois processos esocásicos IPO = {IPO, IPO,..., IPOn} represenando a variável IPO e M = {M, M,..., Mn}, represenando o veor de variáveis macroeconômicas, por exemplo. Numa siuação em que a variável IPO explica a previsão da variável M melhorando o ajuse da esimação, denomina-se M como causado-de- Granger por IPO 3. O procedimeno especificado a seguir consise em esimar ambas variáveis na posição de variável dependene: IPO M IPO () im i IPO i0 i0 i0 M iipo i (3) M i0 3 Pode ser no senido oposo ambém, iso é, em que a variável M explica a previsão de IPO.

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Elaine Aparecida Fernandes RESUMO: Diane da consaação de que os spreads bancários brasileiros (diferença enre as axas de juros de capação e aplicação dos bancos) se enconram em

Leia mais

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México A axa de câmbio consiui variável fundamenal em economias aberas, pois represena imporane componene do preço relaivo de bens, serviços e aivos, ou

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA.

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA. UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA Área: ECONOMIA COELHO JUNIOR, Juarez da Silva PONTILI, Rosangela Maria

Leia mais

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias **

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** Resumo O inuio é invesigar como e em que grau um choque de produividade ocorrido

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elérica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Resumo Ese rabalho propõe a aplicação do modelo ARX para projear o consumo residencial de energia elérica

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS

COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS Naal/RN COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS André Assis de Salles Escola Poliécnica - Universidade Federal do Rio de Janeiro Cenro de Tecnologia Bloco F sala

Leia mais

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica Taxa de Juros e Desempenho da Agriculura Uma Análise Macroeconômica Humbero Francisco Silva Spolador Geraldo San Ana de Camargo Barros Resumo: Ese rabalho em como obeivo mensurar os efeios das axas de

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS Caroline Poli Espanhol; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana Mackenzie

Leia mais

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012 Análise da Dinâmica da Volailidade dos Preços a visa do Café Arábica: Aplicação dos Modelos Heeroscedásicos Carlos Albero Gonçalves da Silva Luciano Moraes Cenro Federal de EducaçãoTecnológica 8//0 Objevos

Leia mais

Contratos Futuros e o Ibovespa: Um Estudo Empregando Procedimento de Auto- Regressão Vetorial Estutural. Autoria: Gustavo de Souza Grôppo

Contratos Futuros e o Ibovespa: Um Estudo Empregando Procedimento de Auto- Regressão Vetorial Estutural. Autoria: Gustavo de Souza Grôppo Conraos Fuuros e o Ibovespa: Um Esudo Empregando Procedimeno de Auo- Regressão Veorial Esuural. Auoria: Gusavo de Souza Grôppo Resumo: Ese esudo em como objeivo principal verificar a relação enre conraos

Leia mais

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo Uma avaliação da poupança em cona correne do governo Manoel Carlos de Casro Pires * Inrodução O insrumeno de políica fiscal em vários ojeivos e não é surpreendene que, ao se deerminar uma mea de superávi

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO 78 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL Pâmela Amado Trisão¹ Kelmara Mendes Vieira² Paulo Sergio Cerea³ Reisoli

Leia mais

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br Apresenação Oral-Ciência, Pesquisa e Transferência de Tecnologia HUMBERTO FRANCISCO SILVA

Leia mais

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO Susan Schommer Risco de Crédio 1 RISCO DE CRÉDITO Definição: Risco de crédio é o risco de defaul ou de reduções no valor de mercado causada por rocas na qualidade do crédio do emissor ou conrapare. Modelagem:

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste 1 Modelos Economéricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Elericidade: Seor Residencial no Nordese M. L. Siqueira, H.H. Cordeiro Jr, H.R. Souza e F.S. Ramos UFPE e P. G. Rocha CHESF Resumo Ese

Leia mais

RAIZ UNITÁRIA E COINTEGRAÇÃO: TR S

RAIZ UNITÁRIA E COINTEGRAÇÃO: TR S RAIZ UNITÁRIA E COINTEGRAÇÃO: TR S APLICA ES Marina Silva Cunha 1. INTRODUÇÃO Segundo Fava & Cai (1995) a origem da discussão sobre a exisência de raiz uniária nas séries econômicas esá no debae sobre

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito 1 Universidade Federal de Peloas Deparameno de Economia Conabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lisa de Exercícios I - Gabario 1. Idenifique na lisa abaixo quais variáveis são e fluxo e quais

Leia mais

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities 18 2 Relação enre câmbio real e preços de commodiies Na exensa lieraura sobre o cálculo da axa de câmbio de longo prazo, grande pare dos modelos economéricos esimados incluem os ermos de roca como um dos

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS VIEIRA, Douglas Tadeu. TCC, Ciências Econômicas, Fecilcam, vieira.douglas@gmail.com PONTILI,

Leia mais

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico.

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico. 2 Fluxos de capiais, inegração financeira e crescimeno econômico. O objeivo dese capíulo é apresenar em dealhes as variáveis fundamenais enconradas na lieraura que deerminam o crescimeno de longo prazo

Leia mais

1 Introdução. Onésio Assis Lobo 1 Waldemiro Alcântara da Silva Neto 2

1 Introdução. Onésio Assis Lobo 1 Waldemiro Alcântara da Silva Neto 2 Transmissão de preços enre o produor e varejo: evidências empíricas para o seor de carne bovina em Goiás Resumo: A economia goiana vem se desacado no conexo nacional. Seu PIB aingiu R$ 75 bilhões no ano

Leia mais

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA Resumo Mardilson Fernandes Queiroz UNB Ese rabalho evidencia padrão de comporameno

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001 O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 970-200 Ricardo Candéa Sá Barreo * Ahmad Saeed Khan ** SINOPSE Ese rabalho em como objeivo analisar o impaco dos invesimenos na economia cearense

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO RISCO PAÍS E DAS CRISES FINANCEIRAS INTERNACIONAIS NOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS NO BRASIL NO PERÍODO PÓS PLANO REAL

A INFLUÊNCIA DO RISCO PAÍS E DAS CRISES FINANCEIRAS INTERNACIONAIS NOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS NO BRASIL NO PERÍODO PÓS PLANO REAL A INFLUÊNCIA DO RISCO PAÍS E DAS CRISES FINANCEIRAS INTERNACIONAIS NOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS NO BRASIL NO PERÍODO PÓS PLANO REAL fcccassuce@yahoo.com.br Apresenação Oral-Comércio Inernacional ANA

Leia mais

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro Análise do preço e produção de peróleo sobre a lucraividade das empresas perolíferas Luciano Jorge de Carvalho Junior Rosemarie Bröker Bone Eduardo Ponual Ribeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

COINTEGRAÇÃO E CAUSALIDADE ENTRE AS TAXAS DE JURO E A INFLAÇÃO EM PORTUGAL

COINTEGRAÇÃO E CAUSALIDADE ENTRE AS TAXAS DE JURO E A INFLAÇÃO EM PORTUGAL COINTEGRAÇÃO E CAUSALIDADE ENTRE AS TAAS DE JURO E A INFLAÇÃO EM PORTUGAL JORGE CAIADO 1 Deparameno de Maemáica e Informáica Escola Superior de Gesão Insiuo Poliécnico de Caselo Branco Resumo No presene

Leia mais

METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR)

METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR) METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR) Edilean Kleber da Silva Douorando em Economia Aplicada pela UFRGS Rua Duque de Caxias, 1515, apo. 402.

Leia mais

ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO

ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO Área 5 - Crescimeno, Desenvolvimeno Econômico e Insiuições Classificação

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº.640, DE 4 DE MARÇO DE 20 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela dos aivos ponderados pelo risco (RWA), relaiva ao cálculo do capial requerido para o risco operacional mediane abordagem

Leia mais

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração.

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: OBJETIVOS Explicar a diferença enre regressão espúria e coinegração. Jusificar, por meio de ese de hipóeses, se um conjuno de séries emporais

Leia mais

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil*

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 15, N. 30, P. 303-345, DEZ. 2008 303 Esruura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* SAMER SHOUSHA** RESUMO Exise uma relação muio próxima enre

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Programa de Mestrado Profissional em Economia. Bruno Russi

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Programa de Mestrado Profissional em Economia. Bruno Russi Insper Insiuo de Ensino e Pesquisa Programa de Mesrado Profissional em Economia Bruno Russi ANÁLISE DA ALOCAÇÃO ESTRATÉGICA DE LONGO PRAZO EM ATIVOS BRASILEIROS São Paulo 200 Bruno Russi Análise da alocação

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul

Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul Federação das Indúsrias do Esado do Rio Grande do Sul PRÁTICAS DIFERENCIADAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA: DO PROBLEMA DA SELEÇÃO ADVERSA NO MERCADO ACIONÁRIO AOS IMPACTOS SOBRE A VOLATILIDADE DAS AÇÕES Igor

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA

PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA 3 PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA Felipe Lacerda Diniz Leroy 1 RESUMO Nese arigo,

Leia mais

FATORES CONDICIONANTES DO VOLUME DE CONTRATOS FUTUROS DE SOJA NEGOCIADOS NA BOLSA DE MERCADORIAS & FUTUROS (BM & FBOVESPA)

FATORES CONDICIONANTES DO VOLUME DE CONTRATOS FUTUROS DE SOJA NEGOCIADOS NA BOLSA DE MERCADORIAS & FUTUROS (BM & FBOVESPA) FATORES CONDICIONANTES DO VOLUME DE CONTRATOS FUTUROS DE SOJA NEGOCIADOS NA BOLSA DE MERCADORIAS & FUTUROS (BM & FBOVESPA) Faores condicionanes do volume de conraos fuuros de soja... 243 Facors for he

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada.

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada. TÍTULO : DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS 29 Página 1 de 7 CIRCULAR Nº.8 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela do Parimônio de Referência Exigido (PRE) referene ao risco operacional (P OPR ), de

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

PREVISÃO DE INFLAÇÃO EM CABO VERDE POR MEIO DE VETORES AUTOREGRESSIVOS

PREVISÃO DE INFLAÇÃO EM CABO VERDE POR MEIO DE VETORES AUTOREGRESSIVOS PREVISÃO DE INFLAÇÃO EM CABO VERDE POR MEIO DE VETORES AUTOREGRESSIVOS Resumo Anônio José Medina dos Sanos Bapisa Rubicleis Gomes da Silva O objeivo do rabalho foi esimar um modelo de correção de erro

Leia mais

Área de Interesse: Área 3 Macroeconomia, Economia Monetária e Finanças

Área de Interesse: Área 3 Macroeconomia, Economia Monetária e Finanças Área de Ineresse: Área 3 Macroeconomia, Economia Moneária e Finanças Tíulo: NOVO CONSENSO MACROECONÔMICO E REGRAS DE CONDUTA: O PAPEL DA ROTATIVIDADE DOS DIRETORES DO COMITÊ DE POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL

Leia mais

O impacto de requerimentos de capital na oferta de crédito bancário no Brasil

O impacto de requerimentos de capital na oferta de crédito bancário no Brasil O impaco de requerimenos de capial na ofera de crédio bancário no Brasil Denis Blum Rais e Silva Tendências Márcio I. Nakane Depep II Seminário Anual sobre Riscos, Esabilidade Financeira e Economia Bancária

Leia mais

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa?

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa? 3 O impaco de choques exernos sobre a inflação e o produo dos países em desenvolvimeno: o grau de aberura comercial impora? 3.1.Inrodução Todas as economias esão sujeias a choques exernos. Enreano, a presença

Leia mais

Análise da Interdependência Temporal dos Preços nos Mercados de Cria Recria e Engorda de Bovinos no Brasil

Análise da Interdependência Temporal dos Preços nos Mercados de Cria Recria e Engorda de Bovinos no Brasil "Conhecimenos para Agriculura do Fuuro" ANÁLISE DA INTERDEPENDÊNCIA TEMPORAL DOS PREÇOS NOS MERCADOS DE CRIA RECRIA E ENGORDA DE BOVINOS NO BRASIL HENRIQUE LIBOREIRO COTTA () ; WAGNER MOURA LAMOUNIER (2)..UNIVERSIDADE

Leia mais

Fatores de influência no preço do milho no Brasil

Fatores de influência no preço do milho no Brasil Faores de influência no preço do milho no Brasil Carlos Eduardo Caldarelli Professor adjuno da Universidade Esadual de Londrina UEL Mirian Rumenos Piedade Bacchi Professora associada do Deparameno de Economia,

Leia mais

Fluxo de Caixa, ADRs e Restrições de Crédito no Brasil

Fluxo de Caixa, ADRs e Restrições de Crédito no Brasil Vol. 5, No.2 Viória-ES, Mai Ago 2008 p. 144-151 ISSN 1807-734X Fluxo de Caixa, ADRs e Resrições de Crédio no Brasil Crisiano M. Cosa Deparmen of Economics, Universiy of Pennsylvania Lourenço Senne Paz

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

POLÍTICA MONETÁRIA E MUDANÇAS MACROECONÔMICAS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM MS-VAR

POLÍTICA MONETÁRIA E MUDANÇAS MACROECONÔMICAS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM MS-VAR POLÍTICA MONETÁRIA E MUDANÇAS MACROECONÔMICAS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM MS-VAR Osvaldo Cândido da Silva Filho Bacharel em Economia pela UFPB Mesre em Economia pela UFPB Douorando em Economia pelo PPGE UFRGS

Leia mais

TESTE DA HIPÓTESE DO CAMINHO ALEATÓRIO NO BRASIL E NOS ESTADOS UNIDOS. Ana Ester Farias

TESTE DA HIPÓTESE DO CAMINHO ALEATÓRIO NO BRASIL E NOS ESTADOS UNIDOS. Ana Ester Farias TESTE DA HIPÓTESE DO CAMINHO ALEATÓRIO NO BRASIL E NOS ESTADOS UNIDOS por Ana Eser Farias Disseração apresenada ao Curso de Mesrado do Programa de Pós-Graduação em Adminisração, Área de Concenração em

Leia mais

COMPORTAMENTO DO PREÇO NO COMPLEXO SOJA: UMA ANÁLISE DE COINTEGRAÇÃO E DE CAUSALIDADE

COMPORTAMENTO DO PREÇO NO COMPLEXO SOJA: UMA ANÁLISE DE COINTEGRAÇÃO E DE CAUSALIDADE COMPORTAMENTO DO PREÇO NO COMPLEXO SOJA: UMA ANÁLISE DE COINTEGRAÇÃO E DE CAUSALIDADE RESUMO Ese rabalho objeiva esudar o comporameno recene dos preços dos segmenos do complexo soja, em paricular, a ransmissão

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA, CUSTO DE CAPITAL E RETORNO DO INVESTIMENTO NO BRASIL

GOVERNANÇA CORPORATIVA, CUSTO DE CAPITAL E RETORNO DO INVESTIMENTO NO BRASIL GOVERNANÇA CORPORAIVA, CUSO DE CAPIAL E REORNO DO INVESIMENO NO BRASIL ARIGO FINANÇAS Pablo Rogers Mesre em Adminisração pela FAGEN-UFU. Douorando em Adminisração na FEA-USP. Professor de Finanças e Conabilidade

Leia mais

Eficácia das Intervenções do Banco Central do Brasil sobre a Volatilidade Condicional da Taxa de Câmbio Nominal

Eficácia das Intervenções do Banco Central do Brasil sobre a Volatilidade Condicional da Taxa de Câmbio Nominal Eficácia das Inervenções do Banco Cenral do Brasil sobre a Volailidade Condicional da Taxa de Câmbio Nominal Fernando Nascimeno de Oliveira, Alessandra Plaga Conens: Keywords: 1. Inrodução; 2. Dados; 3.

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO E EMPRESAS DE SÃO PAULO GVPESQUISA RICARDO RATNER ROCHMAN

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO E EMPRESAS DE SÃO PAULO GVPESQUISA RICARDO RATNER ROCHMAN FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO E EMPRESAS DE SÃO PAULO GVPESQUISA RICARDO RATNER ROCHMAN INSIDER TRADING E GOVERNANÇA CORPORATIVA: O PERFIL E PRÁTICA DOS INSIDERS DE EMPRESAS DE GOVERNANÇA

Leia mais

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico Uma análise de indicadores de susenabilidade fiscal para o rasil Tema: Ajuse Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico . INTRODUÇÃO Parece pouco discuível nos dias de hoje o fao de que o crescimeno econômico

Leia mais

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Os See Hábios das Pessoas Alamene Eficazes Sephen Covey baseou seus fundamenos para o sucesso na Éica do Caráer aribuos como inegridade, humildade, fidelidade, emperança, coragem, jusiça, paciência, diligência,

Leia mais

SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE

SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE RELAÇÕES MACROECONÔMICAS ENTRE DESEMPENHO DA BALANÇA COMERCIAL, TAXA REAL DE CÂMBIO, INVESTIMENTOS PRODUTIVOS,

Leia mais

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Composição Óima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Brasília 2011 MINISTRO DA FAZENDA Guido Manega SECRETÁRIO-EXECUTIVO Nelson Henrique Barbosa Filho SECRETÁRIO DO TESOURO

Leia mais

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL FRANCISCO CARLOS CUNHA CASSUCE; CARLOS ANDRÉ DA SILVA MÜLLER; ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil Ozawa Gioielli Sabrina P.; Gledson de Carvalho, Anônio; Oliveira Sampaio, Joelson Capial de risco

Leia mais

ANDRÉ FRANZEN DETERMINANTES DO FLUXO DE INVESTIMENTO DE PORTFÓLIO PARA O MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO

ANDRÉ FRANZEN DETERMINANTES DO FLUXO DE INVESTIMENTO DE PORTFÓLIO PARA O MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Cenro Sócio Econômico - CSE Programa de Pós-Graduação em Economia (Mesrado) ANDRÉ FRANZEN DETERMINANTES DO FLUXO DE INVESTIMENTO DE PORTFÓLIO PARA O MERCADO ACIONÁRIO

Leia mais

Influência da Taxa de Câmbio e do Dólar sobre os Preços da Borracha Natural Brasileira

Influência da Taxa de Câmbio e do Dólar sobre os Preços da Borracha Natural Brasileira INFLUÊNCIA DA TAXA DE CÂMBIO E DO DÓLAR SOBRE OS PREÇOS DA BORRACHA NATURAL BRASILEIRA naisysilva@yahoo.com.br APRESENTACAO ORAL-Comercialização, Mercados e Preços NAISY SILVA SOARES; MÁRCIO LOPES DA SILVA;

Leia mais

Variabilidade e pass-through da taxa de câmbio: o caso do Brasil

Variabilidade e pass-through da taxa de câmbio: o caso do Brasil Variabilidade e pass-hrough da axa de câmbio: o caso do Brasil André Minella Banco Cenral do Brasil VI Seminário de Meas para a Inflação Agoso 005 Disclaimer: Esa apresenação é de responsabilidade do auor,

Leia mais

APLICAÇÃO DO MODELO ARIMA À PREVISÃO DO PREÇO DAS COMMODITIES AGRÍCOLAS BRASILEIRAS

APLICAÇÃO DO MODELO ARIMA À PREVISÃO DO PREÇO DAS COMMODITIES AGRÍCOLAS BRASILEIRAS APLICAÇÃO DO MODELO ARIMA À PREVISÃO DO PREÇO DAS COMMODITIES AGRÍCOLAS BRASILEIRAS PABLO AURÉLIO LACERDA DE ALMEIDA PINTO; ELENILDES SANTANA PEREIRA; MARIANNE COSTA OLIVEIRA; JOSÉ MÁRCIO DOS SANTOS; SINÉZIO

Leia mais

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase EA93 - Pro. Von Zuben Sisemas não-lineares de ª ordem Plano de Fase Inrodução o esudo de sisemas dinâmicos não-lineares de a ordem baseia-se principalmene na deerminação de rajeórias no plano de esados,

Leia mais

A ELASTICIDADE-RENDA DO COMÉRCIO REGIONAL DE PRODUTOS MANUFATURADOS Marta R. Castilho 1 e Viviane Luporini 2

A ELASTICIDADE-RENDA DO COMÉRCIO REGIONAL DE PRODUTOS MANUFATURADOS Marta R. Castilho 1 e Viviane Luporini 2 A ELASTICIDADE-RENDA DO COMÉRCIO REGIONAL DE PRODUTOS MANUFATURADOS Mara R. Casilho 1 e Viviane Luporini 2 ANPEC 2009: ÁREA 6 RESUMO: O arigo apresena um esudo comparaivo das elaicidades-renda das exporações

Leia mais

INTERFERÊNCIA DOS MERCADOS EXTERNOS SOBRE O IBOVESPA: UMA ANÁLISE UTILIZANDO AUTOREGRESSÃO VETORIAL ESTRUTURAL

INTERFERÊNCIA DOS MERCADOS EXTERNOS SOBRE O IBOVESPA: UMA ANÁLISE UTILIZANDO AUTOREGRESSÃO VETORIAL ESTRUTURAL ÁREA TEMÁTICA: FINANÇAS INTERFERÊNCIA DOS MERCADOS EXTERNOS SOBRE O IBOVESPA: UMA ANÁLISE UTILIZANDO AUTOREGRESSÃO VETORIAL ESTRUTURAL AUTORES LUIZ EDUARDO GAIO Universidade Federal de Lavras lugaio@yahoo.com.br

Leia mais

Câmbio de Equilíbrio

Câmbio de Equilíbrio Câmbio de Equilíbrio Seção 1 Meodologia do cálculo do câmbio...4 Seção 2 - Passivo Exerno... 11 Seção 3 Susenabilidade do Passivo Exerno... 15 Seção 4 - Esimaivas... 17 Seção 5 - Conclusão... 20 2 Inrodução

Leia mais

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000)

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) José Ronaldo de Casro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) Belo Horizone, MG UFMG/CEDEPLAR 2002 José Ronaldo de Casro Souza Júnior

Leia mais

CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO RESUMO

CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO RESUMO CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO VIVIANE SEDA BITTENCOURT (IBRE/FGV) E ANDREI GOMES SIMONASSI (CAEN/UFC) RESUMO O rabalho avalia a dinâmica

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E LIMITES DE ENDIVIDAMENTO PÚBLICO: O CASO BRASILEIRO

SUSTENTABILIDADE E LIMITES DE ENDIVIDAMENTO PÚBLICO: O CASO BRASILEIRO SUSTENTABILIDADE E LIMITES DE ENDIVIDAMENTO PÚBLICO: O CASO BRASILEIRO 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 1 TESTES DE SUSTENTABILIDADE DA DÍVIDA PÚBLICA BASEADOS NA RESTRIÇÃO ORÇAMENTÁRIA INTERTEMPORAL DO GOVERNO...5

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO SÃO PAULO 2007 Livros Gráis hp://www.livrosgrais.com.br

Leia mais

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Fernando Siqueira dos Sanos Resumo: ese rabalho analisa a evolução do desemprego nos úlimos anos, com foco no período 1998 a 2012 devido à melhor disponibilidade

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 O argumento da inconsistência dinâmica apóia-se na idéia de que os agentes conhecem o incentivo

1 INTRODUÇÃO. 1 O argumento da inconsistência dinâmica apóia-se na idéia de que os agentes conhecem o incentivo 0 INTRODUÇÃO A queda do sisema de Breom Woods e, poseriormene, a ausência de uma relação esreia enre moeda e renda, dada pela insabilidade da velocidade de circulação da moeda, inciou o desenvolvimeno

Leia mais

A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO

A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO Thamirys Figueredo Evangelisa 1 Eliane Crisina de Araújo Sbardellai

Leia mais

Impacto dos Formadores de Mercado sobre a Liquidez das Ações Negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo. Resumo

Impacto dos Formadores de Mercado sobre a Liquidez das Ações Negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo. Resumo Impaco dos Formadores de Mercado sobre a Liquidez das Ações Negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo. Resumo Auoria: Marcelo Auguso Ambrozini, Luiz Eduardo Gaio, Carlos Albero Grespan Bonacim, Eduardo

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

EFEITOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL SOBRE A PRODUTIVIDADE: A EVIDENCIA EMPIRICA PARA O NORDESTE BRASILEIRO UTILIZANDO VETORES AUTOREGRESSIVOS (VAR).

EFEITOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL SOBRE A PRODUTIVIDADE: A EVIDENCIA EMPIRICA PARA O NORDESTE BRASILEIRO UTILIZANDO VETORES AUTOREGRESSIVOS (VAR). EFEITOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL SOBRE A PRODUTIVIDADE: A EVIDENCIA EMPIRICA PARA O NORDESTE BRASILEIRO UTILIZANDO VETORES AUTOREGRESSIVOS (VAR). Jocildo Fernandes Bezerra 1 Professor do Deparameno de

Leia mais

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB.

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB. Análise de Séries Temporais de Pacienes com HIV/AIDS Inernados no Hospial Universiário João de Barros Barreo (HUJBB), da Região Meropoliana de Belém, Esado do Pará Gilzibene Marques da Silva ¹ Adrilayne

Leia mais

O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO

O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO Newon C. A. da Cosa Jr., Milon Biage Deparameno de Economia, UFSC Waldemar Ferreira e Marco Goular Deparameno de Adminisração, UFAM Curso de Pós-Graduação

Leia mais