ESTRATÉGIAS DE INVESTIMENTO EM BOLSA DE VALORES: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA DA VISÃO FUNDAMENTALISTA DE BENJAMIN GRAHAM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRATÉGIAS DE INVESTIMENTO EM BOLSA DE VALORES: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA DA VISÃO FUNDAMENTALISTA DE BENJAMIN GRAHAM"

Transcrição

1 ESTRATÉGIAS DE INVESTIMENTO EM BOLSA DE VALORES: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA DA VISÃO FUNDAMENTALISTA DE BENJAMIN GRAHAM MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO Vinicius de Castro Scottá dos Passos Pedro Leopoldo, 2006

2 ESTRATÉGIAS DE INVESTIMENTO EM BOLSA DE VALORES: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA DA VISÃO FUNDAMENTALISTA DE BENJAMIN GRAHAM Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado das Faculdades Integradas de Pedro Leopoldo, como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Administração. Área de Concentração: Finanças Orientador: Juliano Lima Pinheiro, Dr. Pedro Leopoldo Faculdades Integradas de Pedro Leopoldo Mestrado Profissional em Administração 2006

3 Se uma jóia cair no lago, muitas pessoas cairão na água a fim de recuperá-la, agitando-a até que se torne turva. O homem sábio espera que a água se acalme de modo que a jóia venha a brilhar naturalmente, por si própria. Buda

4 AGRADECIMENTOS Aos meus saudosos pais Hirmo e Rosali que em vida me deixaram inestimáveis ensinamentos, como o apreço pelos estudos. Aos meus irmãos Victor e Rafael, minha enorme família. Aos amigos capixabas e mineiros pelo apoio. A Luciana pelo carinho e paciência. Ao amigo Juliano pelas orientações e pelo incentivo ao longo do Mestrado.

5 RESUMO PASSOS, Vinicius de Castro Scottá dos. Estratégias de Investimento em Bolsa de Valores: Uma Pesquisa Exploratória da Visão Fundamentalista de Benjamin Graham f. Dissertação (Mestrado Profissional em Administração de Empresas) Faculdades Integradas de Pedro Leopoldo, Pedro Leopoldo, Investimentos em bolsa de valores têm sido associados a incertezas e grandes riscos, quando na verdade existem teorias que podem ser aprendidas e assimiladas por qualquer pessoa que deseje diversificar seus investimentos. Estudar as ferramentas de análise de mercado de ações e as estratégias utilizadas por célebres investidores podem nos oferecer preciosas orientações de como devemos nos preparar psicologicamente e tecnicamente para operar no mercado de ações. O cenário globalizado favorece o fluxo de informação aos quatro ventos, mas ainda assim existe a chamada assimetria informacional do mercado, ou seja, a diferença de conhecimento entre a realidade das empresas e o que o mercado sabe realmente sobre a situação. A análise fundamentalista tem sido forte aliada do mercado de capitais e tem em Benjamin Graham um de seus principais expoentes. Este projeto versará sobre as teorias de Graham buscando a aplicabilidade de tais premissas na realidade brasileira. A realização da pesquisa poderá dar mais um passo no aprendizado de variáveis que se correlacionam com o mercado bursátil, contribuindo para futuros investidores, sejam eles grandes corporações ou pessoas físicas querendo aumentar os benefícios de se aplicar inteligentemente a renda do cotidiano. Palavras-chave: Estratégia; Bolsa de Valores; Análise Fundamentalista; Investidores.

6 ABSTRACT PASSOS, Vinicius de Castro Scottá dos. Strategies of Investment in the Stock Exchange: An Exploratory Research of the Fundamentalist View off Benjamin Graham p. Dissertation (Master Degree in Administration) Faculdades Integradas de Pedro Leopoldo, Pedro Leopoldo, Investments in the stock market have been associated to uncertainties and great risks, whereas actually there are theories that can be learned and assimilated by any individual who wishes to broaden his investments. Studying the tools of stock market analysis and the strategies used by renowned investors may offer precious advice as to how we should prepare ourselves both technically and psychologically to operate in the stock market. The globalized scenario favours the widespread flow of information, but there is yet the socalled market information assymetry, or yet, the difference of knowledge between the corporate reality and what the market really knows about the situation. The fundamentalist analysis has been a strong ally to the market of shares and has Benjamin Graham as one of its main exponents. This project refers to the theories of Graham seeking the applicability of such premisses in the Brazilian reality. The performance of the research may take a further step into learning about variables which are correlated with the stock market, contributing thus to future investments, be they great corporations ou individuals who wish to increase the benefits of applying daily basis income intelligently. Key words: Strategy; Stock Market; Fundamentalist Analysis; Investors.

7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Fatos históricos relacionados ao modelo de caminho aleatório 18 Gráfico 1 Aplicação do Índice de Força na Bovespa 46 Gráfico 2 Aplicação do Índice de Força na Petrobrás 47 Gráfico 3 Desempenho do lucro da Home Depot 83 Gráfico 4 Desempenho do lucro da Gerdau 84 Gráfico 5 Desempenho do lucro do Bradesco 85 Gráfico 6 Desempenho do lucro da Gerdau nos últimos doze anos 85 Quadro 1 Previsibilidade das variações de preços em mercados latinos 19 Quadro 2 Estudo sobre a Eficiência no Mercado brasileiro 22 Quadro 3 Estudo sobre a Eficiência no Mercado brasileiro 23 Quadro 4 Estudo sobre a Eficiência no Mercado brasileiro 24 Quadro 5 Comparativo entre as estratégia de investimento na bolsa 75 Quadro 6 Performance de ações do setor químico/petróleo EUA Quadro 7 Empresas analisadas no modelo Graham - EUA Quadro 8 Oscilação no mercado acionário americano 83

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Avaliação dos Múltiplos da Metalúrgica Gerdau Tabela 2 Resultados do retorno do Ibovespa e da Selic Tabela 3 Carteira Proposta Série Histórica lucro 91 Tabela 4 Carteira Proposta Série Histórica múltiplos 91 Tabela 5 Carteira Proposta Série Histórica Retorno (%) 92 Tabela 6 Carteira Proposta Histórica Comparativo com Benchmarks 92 Tabela 7 Carteira Proposta Série Ajustada lucro 93 Tabela 8 Carteira Proposta Série Ajustada múltiplos 93 Tabela 9 Carteira Proposta Série Ajustada Retorno (%) 94 Tabela 10 Carteira Proposta Ajustada Comparativo com Benchmarks 94 Tabela 11 Carteira Proposta Série Ajustada lucro - parte 1 95 Tabela 12 Carteira Proposta Série Ajustada lucro - parte 2 95 Tabela 13 Carteira Proposta Série Ajustada múltiplos 95

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Objetivo Geral e Objetivos Secundários Delimitação do Estudo 8 2 METODOLOGIA Definição do Problema e Objetivos Classificação e Tipologia da Pesquisa Passos para a Realização da Pesquisa 12 3 REFERENCIAL TEÓRICO Alguns aspectos relevantes ao investimento em Bolsa de Valores Liquidez Comportamento Aleatório (Randon Walk) e Movimento Browniano Assimetria Informacional Formação e Balanceamento da Carteira X Perspectiva de Risco e Retorno Governança Corporativa 26

10 3.1.6 Precificação de Ativos Investimentos e Aspectos Comportamentais Estratégias de Alguns Célebres Investidores Os Axiomas de Zurique Robert Haugen Alexandre Elder Warren Buffett George Soros Benjamin Graham Tabela comparativa das estratégias dos investidores pesquisados 74 4 O MODELO GRAHAM 75 5 TRABALHO EMPÍRICO Carteiras de Graham sugeridas na Bovespa Aspectos Gerais Metodologia Carteiras Empíricas 90

11 6 COMENTÁRIOS FINAIS 96 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 97

12 1 1 INTRODUÇÃO O que torna arriscado um investimento no mercado de ações é a dispersão dos resultados possíveis. (Brealey & Mayers) Há quem dica que o ser humano deveria conceder a mesma importância dada à preservação de saúde para suas aplicações financeiras. Na visão de muitos pode parecer um excesso, principalmente para o brasileiro que ao longo de sua história tem-se mostrado um forte adepto aos investimentos em renda fixa. No Brasil, temos um número muito reduzido de pessoas que participam do mercado acionário. Nos EUA, onde 50% das famílias aplicam na Bolsa, e como acontece na Inglaterra, cujo percentual chega a 30%.(Magliano Filho,2002,p.1) Entretanto, conforme o Jornal Estado de Minas de , do total de R$ 48, bilhões girados pela Bovespa em fevereiro de 2006, cerca de 23,3% foram movimentados por pessoas físicas. Além disso, a indústria de fundos de investimento no Brasil gira anualmente cerca de R$ 750 bilhões. Desse total, cerca de 10% correspondem a fundo de ações. Os investimentos em bolsa de valores tem sido associados a incertezas e grandes riscos, quando na verdade existem teorias que podem ser aprendidas e assimiladas por qualquer pessoa que deseje diversificar seus investimentos, potencializando resultados. Dentre as ferramentas disponíveis podemos destacar as análises técnica e fundamentalista. Na visão de Allen (2003), os operadores que seguem a análise fundamentalista, e se opõe às tendências, exercem efeito estabilizador sobre o mercado, enquanto os operadores que seguem a análise técnica acentuam a volatilidade, por meio de negociações baseadas em programas de computador, que tendem a gerar compras e vendas automáticas, em típico

13 2 comportamento de manada. Segundo Póvoa (2005) A Escola Gráfica e Técnica aceita a teoria da eficiência dos mercados. Ou seja: assume que qualquer nova informação existente no mercado é automaticamente transmitida e interpretada de forma linear por todos os agentes, que tomam decisões ajustando, também em tempo real, os preços dos ativos que podem ser influenciados pela nova situação. A Escola Gráfica de análise admite indiretamente que os investidores possuem um grau de informação razoavelmente uniforme e tendem a repetir as atitudes do passado. Os gráficos simples, com definição de figuras, são os instrumentos principais para definir tendências e preços futuros. Já a escola fundamentalista trabalha com os fundamentos macroeconômicos, setoriais e relativos especificamente a determinada empresa, com o objetivo de determinar um valor justo para esta. Neste caso, a informação, ou pelo menos a forma de processála, possui valor inestimável, fazendo com que haja um distanciamento entre o passado a cada dado novo. Ainda na visão de Póvoa (2005), apesar da perda relativa diante da Escola Fundamentalista, é importante estar atento a todas as recomendações, já que há épocas de mercado em que os analistas técnicos ganham força, influenciando de certa forma a disposição dos investidores em vender ou comprar determinados ativos. Conforme Pinheiro (2005), pode-se conceituar a análise fundamentalista como o estudo de toda a informação disponível no mercado sobre determinada empresa, com a finalidade de se obter o seu verdadeiro valor, e assim formular uma recomendação de investimento. A justificativa para o uso desse tipo de análise é antecipar o comportamento futuro de uma empresa no mercado.

14 3 O cenário globalizado favorece o fluxo de informação aos quatro ventos, mas ainda assim existe a chamada assimetria informacional do mercado, ou seja, a diferença de conhecimento entre a realidade das empresas e o que o mercado sabe realmente sobre a situação. A Teoria do Mercado Eficiente afirma que os preços que regem os mercados descontam automaticamente toda nova informação. Para minimizar as distorções da assimetria informacional, o analista fundamentalista percorre algumas etapas como: A pesquisa de informações, que envolve entrevistas com executivos da empresa, leitura de relatórios, dados em tempo real como Broadcasting. Transformação da informação em idéia, de onde sairão as projeções financeiras e as recomendações de investimento. Para Copeland (2002), o aumento da importância dos acionistas na maioria dos países desenvolvidos levou um número crescente de administradores a concentrar-se na criação de valor como sendo a medida mais importante do desempenho corporativo. Segundo a perspectiva que se queira utilizar na hora de fazer a análise, existem dois métodos ou enfoques. Os partidários da Top Down pensam que o que move a bolsa em longo prazo são as principais variáveis macroeconômicas, dado que a bolsa deve refletir o comportamento da economia. Os partidários da Bottom Up pensam que o que tem de ser feito é a analisar o comportamento e as perspectivas de cada empresa para detectar quais oferecem melhor oportunidade de investimento. Povoa (2005) explica que o objetivo mais importante do avaliador é, através da aplicação de uma teoria específica ou algumas combinadas, atingir não necessariamente um só valor, mas uma região de preço para o ativo. Na visão de Damodaran (2003), em termos gerais, há três abordagens para avaliação, embora não sejam mutuamente excludentes:

15 4 A primeira, avaliação por fluxo de caixa descontado, relaciona o valor de um ativo ao valor presente dos fluxos de caixa futuros esperados relativos àquele ativo, que pode ser obtido avaliando apenas a participação acionária do negócio ou a empresa como um todo, que inclui, além da participação acionária, a participação dos demais detentores de direitos da empresa. A avaliação pelo fluxo de caixa descontado a valor presente é baseada em fluxos de caixa e taxas de desconto futuros. Quanto mais longe desse cenário ideal estivermos, mais difícil se tornará a avaliação. A segunda, a avaliação relativa, estima o valor de um ativo enfocando a precificação de ativos comparáveis relativamente a uma variável comum, como lucros, fluxos de caixa, valor contábil ou vendas. Um exemplo dessa abordagem é a utilização de um índice preço/lucro setorial médio, para avaliar uma empresa, pressupondo-se que outras empresas do setor são comparáveis à empresa objeto da avaliação. Outro indicador de largo uso é o índice preço/valor contábil, com empresas sendo vendidas com um desconto sobre o valor contábil relativo a empresas comparáveis consideradas subavaliadas. Existem ainda outros índices que também desempenham um papel na análise como: preço / fluxos de caixa, preço / dividendos, Q de Tobin (valor de mercado / valor de reposição), entre outros. A atratividade dos indicadores é que são simples e é fácil se relacionar a eles. Da mesma forma, também são facilmente manipulados e usados incorretamente, especialmente quando empresas comparáveis são utilizadas. Em contraste, a avaliação pelo fluxo de caixa descontado é baseada em taxas de crescimento e fluxos de caixa de uma empresa específica, e é menos provável que sofra influência de erros de mercado na avaliação.

16 5 A terceira, avaliação de direitos contingentes, utiliza modelos de precificação de opções para medir o valor de ativos que possuam características de opções. Conforme Brasil (2005), o valor de um investimento ou de uma empresa deve considerar a sua capacidade operacional de geração de caixa mais o valor das oportunidades gerenciais embutidas. Dentre as diversas escolas de avaliação de investimento, a análise fundamentalista tem colaborado no processo de verificação da real situação corporativa, observando atentamente o passado de resultados, a gestão empresarial e as perspectivas para o futuro. Estudar as estratégias e como se comportaram ao longo do último século alguns dos mais célebres investidores podem oferecer preciosas orientações de como devemos nos preparar psicologicamente e tecnicamente para operar no mercado de ações, onde poderemos cometer novos erros, mas não os mesmos cometidos pelos ilustres investidores. Nesse contexto, surge a figura de Benjamin Graham, considerado pela Money magazine, revista renomada nos EUA, por Haugen (2000) e Cunningham (2005), o pai da análise fundamentalista, que desenvolveu há meio século os pilares conceituais de como o investidor comum poderia se munir de informações disponíveis no mercado para minimizar as chances de perda e de paulatinamente agregar valor aos deu investimentos. Uma curiosidade então vem a tona. Os conceitos fundamentais de Graham teriam aplicabilidade na Bovespa? Existem no mercado brasileiro papéis que atendam ao rigoroso filtro proposto por Graham? Nas páginas a seguir iremos relatar o sucesso de algumas pessoas que obtiveram notoriedade e respeito do mundo acadêmico e profissional através de seus investimentos em bolsa de valores, dando um destaque a Graham. Além disso, destacamos a importância dos aspectos comportamentais como fator de sucesso no cotidiano de futuros investidores,

17 6 independentemente das estratégias utilizadas. Com a crescente credibilidade dos fundamentos da economia brasileira no mercado internacional, o fortalecimento e popularização do mercado de capitais e o fato da necessidade de financiamentos mais baratos por parte das empresas, torna-se cada vez mais pertinente o aprofundamento sobre o tema bolsa de valores. Conforme Pinheiro (2005), a existência de mercados financeiros organizados e eficientes possibilita o incremento do bem-estar global da sociedade, à medida que facilita a localização eficiente dos recursos financeiros e a própria competitividade do sistema produtivo ao fornecer seus serviços ao menor custo possível. A proposição de testes de hipóteses que produzam conhecimento que possam favorecer maior rentabilidade aos investidores é peça chave na atratividade do mercado bursátil local, diminuindo a dependência excessiva do capital estrangeiro para elevação dos principais índices da bolsa brasileira. Em suma, o tema ainda é pouco desenvolvido, principalmente no Brasil. Assim, a realização da pesquisa que se segue poderá dar mais um passo no aprendizado de variáveis ou mesmo agrupar numa mesma fonte o que pensam ou pensaram grandes expoentes da análise de investimento, contribuindo para futuros investidores, sejam eles grandes corporações ou pessoas físicas querendo ampliar a renda do cotidiano.

18 7 1.1 Objetivo Principal e Objetivos Secundários Investigação Análise de estratégias de Benjamin Graham aplicadas a bolsa de valores brasileira Problema da Pesquisa Qual a aplicabilidade da Teoria de Benjamin Graham na Bovespa? Objetivo Principal Apresentar as principais estratégias utilizadas por Benjamin Graham visando conhecer a sua aplicabilidade na realidade brasileira Objetivos Secundários Elencar aspectos relevantes para a comunidade acadêmica no que tange aos investimentos em bolsa de valores. Mostrar algumas das principais características dos investimentos em ações, como por exemplo o aspecto comportamental. Descrever as estratégias de célebres investidores contemporâneos. Testar o modelo de Benjamin Graham de referência para investimento em bolsa.

19 Justificativa Países desenvolvidos tem na sua Bolsa de Valores, importante ferramenta de estímulo ao desenvolvimento econômico. No Brasil ainda estamos iniciando a fase de amadurecimento em Mercado de Capitais. Estrategistas do Mercado de Capitais tem difundido suas idéias ao longo dos tempos com foco em rentabilidade superior à Renda Fixa, inclusive no Brasil. Desmistificar as formas de se investir em bolsa, relatando como explorar as principais ferramentas de apoio e esclarecendo estratégias de pessoas bem sucedidas na área é de suma importância para pessoas físicas, instituições financeiras e as corretoras de valores. Na pesquisa, o foco foi dado em Benjamin Graham, considerado pai da Análise Fundamentalista, reconhecido pela academia pelo seu trabalho em Colúmbia e pelo fato de ser o principal mestre de Warren Buffett. A aplicabilidade das idéias de Benjamin Graham no contexto brasileiro pode colaborar na eterna luta de superação da Renda Fixa pelos operadores de mercado. 1.2 Delimitação do Estudo A idéia central do trabalho foi explorar as estratégias de alguns célebres investidores, com ênfase central nas características mais marcantes das teorias de Benjamin Graham.

20 9 Por fim, aplicamos as idéias de Benjamin Graham no contexto brasileiro, onde buscamos criar uma carteira sugerida pelo estudo, caso haja aplicabilidade da teoria de Benjamin Graham no país. Embora o aprofundamento e atualização da pesquisa no futuro possa ser realizado, o material produzido poderá colaborar como ferramenta de suporte para investidores com foco em Value Investing, ou seja, empresas com fundamentos atrativos. Deve-se ressaltar utilização da fonte de dados disponível na ferramenta Economática 1 para o levantamento das séries históricas da Bovespa, com posterior migração desta base de dados para o Excel, utilizado em larga escala no mundo financeiro. Iremos utilizar ao longo da pesquisa somente o nome Graham para se referir ao professor de Columbia, Benjamin Graham. 2 METODOLOGIA Neste capítulo será apresentada a metodologia que foi utilizada neste estudo, assim como, a justificativa para o tipo de pesquisa selecionada e utilizada para a investigação do problema especificado. Para possibilitar a execução da pesquisa, a metodologia adotada para a realização do estudo proposto constou dos seguintes passos: a) Definição do problema a ser pesquisado e seus objetivos; b) Classificação e tipologia da pesquisa; 1. Empresa com atuação internacional que fornece através de um software informações consolidadas sobre mais de empresas no mundo, inclusive as brasileiras.

21 10 c) Especificação das técnicas de levantamento de dados a serem empregadas na consecução do estudo. 2.1 Definição do Problema e Objetivos Esta pesquisa teve como objetivo principal avaliar a aplicabilidade das teorias de Graham no mercado bursátil brasileiro. A pesquisa foi efetuada a partir do estudo das diversas estratégias de investimento de célebres investidores, análise de ferramentas de investimentos e buscando ao final propor um modelo que possa orientar, principalmente, o pequeno investidor, preocupação principal de Graham. Este trabalho teve como principal objetivo responder a seguinte pergunta: Qual a aplicabilidade da Teoria de Graham na Bovespa? Este objetivo torna-se relevante em função do mercado de capitais nos paises desenvolvidos e demais emergentes ter sido ao longo dos últimos anos, primordial ao crescimento e desenvolvimento nacionais. Além disso, a contribuição da pesquisa visa permitir que pessoas de variadas áreas do conhecimento, investidores, profissionais liberais possam ter um contato maior com o tema, conhecer as características do investimento em bolsa de valores, podendo ainda se basear em algumas ferramentas e estratégias para implementar seus investimentos. Além do objetivo principal, foram também atendidos por esta pesquisa os seguintes objetivos secundários, citados em

22 Classificação e Tipologia da Pesquisa Esta pesquisa, do ponto de vista de seus objetivos, foi caracterizada como exploratório-descritiva. Do ponto de vista da abordagem do problema foi classificada como qualitativa. Quanto ao tipo de pesquisa a ser utilizado caracteriza-se como pesquisa bibliográfica e análise documental, além dos dados da Economática para inferência. O tipo de pesquisa exploratório-descritiva vai de encontro aos objetivos desta pesquisa, pois procurará obter uma maior familiarização ou descrição da situação atual das principais estratégias de investimento, as principais ferramentas utilizadas para a tomada de decisões e ainda levantando as principais idéias de Graham com sua possibilidade de aplicação ou não na realidade brasileira. No que tange aos meios, utilizou-se uma pesquisa bibliográfica efetuada por meio de uma revisão de literatura acadêmica sobre temas como: 1. Estudo preliminar sobre os aspectos relevantes ao investimento em bolsa na visão da comunidade acadêmica, como: Liquidez Comportamento Aleatório (Randon Walk) e Movimento Browniano Assimetria Informacional Formação e Balanceamento da Carteira X Perspectiva de Risco e Retorno Governança Corporativa Precificação de Ativos

23 12 Aspectos Comportamentais 2. Análise das estratégias de célebres investidores, alguns reconhecidos pela academia, outros pelo mercado. Inúmeros investidores poderiam ser objeto da pesquisa, mas a amostra buscou a escolha de investidores com publicação em português(exceto Graham) e acessíveis ao pequeno investidor brasileiro. Buscou-se também representantes da análise técnica e da análise fundamentalista. Nesse contexto, os investidores analisados foram: Alexander Elder George Soros Warren Buffett Robert Haugen Benjamin Graham 3. Complementando o Referencial Teórico utilizamos Análise Documental, através de séries históricas fornecidas pela Bovespa e pelo software Economática. 2.3 Passos para a Realização da Pesquisa O primeiro passo para a consecução da pesquisa foi a realização de uma revisão de literatura sobre os principais assuntos que justificassem a relevância do estudo, conforme citado em 1.2 e 2.2. O segundo passo, a aplicação prática de pesquisa e a busca por novas informações, onde aplicamos o modelo proposto por Graham na análise de compra e venda de ações no

24 13 mercado brasileiro. Na busca pela aplicabilidade da teoria de Graham na realidade do mercado de capitais brasileiro, propomos empiricamente uma carteira base em 31/12/2000 e outra em 31/12/2005 com as possíveis ações que poderiam ser adquiridas pela análise de Graham. Por fim, apresentamos apresentadas as conclusões a respeito da viabilidade das Teorias de Graham no Mercado Brasileiro 3 REFERENCIAL TEÓRICO 3.1 Alguns aspectos relevantes ao investimento em Bolsa de Valores Liquidez Segundo Sharpe, Alexander e Bailey (1995, p.285), a liquidez refere-se ao custo para se vender ou comprar um ativo às pressas. Segundo Carvalho et. al (2000), é na sua obra The General Theory of Employment, Interest and Money, de 1936, que Keynes explicita sua teoria da preferência pela liquidez e posteriormente a generaliza para uma teoria de precificação de ativos. Keynes foi o primeiro a considerar a influência da liquidez no retorno dos ativos, ainda na primeira metade do século passado. A contribuição fundamental de Keynes para a teoria econômica consiste na rejeição dos axiomas ou princípios básicos sobre os quais se fundamentava a teoria neoclássica do emprego e da renda. Nesse contexto, a preferência pela liquidez dos tomadores de decisão,

25 14 ao estimular a demanda por ativos líquidos porém não reprodutíveis, pode resultar num volume insuficiente de investimento e, portanto, numa situação de insuficiência de demanda efetiva. Sendo assim, a preferência pela liquidez dos tomadores de decisão e não a rigidez de preços e/ou salários nominais é a causa fundamental do equilíbrio com desemprego.(davidson apud Sarmento, Costa e Alberti, 2002) As pessoas e empresas tomam constantemente decisões de investimento que requerem o conhecimento de quando e como investir. Tais decisões contemplam uma análise que se traduz num trade-off entre investir ou manter recursos em espécie moeda necessária para criar uma condição de liquidez. Segundo a Teoria da Preferência pela Liquidez de Tobin, os agentes trocarão a liquidez por investimentos em títulos do governo somente nos casos em que as expectativas futuras sobre o retorno e risco associados ao investimento forem boas, isto é, altos retornos e baixos riscos. (Nakamura & Júnior, 2004) No estudo de MASCARENHAS(2005), o conceito de liquidez apresenta-se em duas dimensões que, embora distintas, encontram-se inter-relacionadas. A primeira relaciona-se com a administração financeira da empresa, em suas atividades relacionadas à gestão da oferta e da demanda por capital de giro, com suas preocupações focadas na gestão de ativos e passivos de curto prazo e na otimização de caixa. Esta dimensão da liquidez recebeu contribuições desde a década de 50, como os modelos de predição e otimização de caixa desenvolvidos por William Baumol, Merton Miller e Daniel Orr. A outra dimensão da liquidez está relacionada à área de finanças denominada Microestrutura de Mercado, que trata do estudo da economia dos mercados financeiros, incluindo o papel da informação na precificação de ativos, a definição e mensuração da liquidez e dos custos de transação e suas implicações na eficiência dos mercados. Segundo Treynor apud Mascarenhas(2005) existem três figuras principais no

26 15 mercado: os negociadores que não possuem informação especial e realizam transações em função de suas necessidades de liquidez (outsiders); os negociadores que possuem informação privilegiada (insiders) e, os market makers. O market maker tem, portanto, sua existência apoiada em dois pilares: proporcionar liquidez ao investidor (liquidity provider) e estabelecer um preço de referência conhecido de todos os negociadores. Para o investidor, o efeito da liquidez assemelha-se ao do risco. Assim como, entre dois ativos de igual retorno esperado, o investidor preferirá o de menor risco, o mesmo se aplica à liquidez, ou seja, entre ativos de igual retorno, o investidor optará por aquele de maior liquidez. Segundo Sharpe, Alexander e Bailey (1995, p.285), mantidas constantes as demais variáveis, os investidores terão maior atração por ativos mais líquidos. Apesar disso, o tema liquidez ainda não recebeu um tratamento conclusivo em finanças, com diversas questões ainda não explicadas pela teoria, figurando entre os dez problemas não resolvidos sobre finanças, na lista de Brealey e Myers (1998, p.992) Comportamento Aleatório (Randon Walk) e Movimento Browniano O modelo de caminho aleatório para o mercado financeiro foi desenvolvido pelo matemático Louis Bachelier em 1900, quando elaborou sua tese de doutorado. O estudo investigou a correlação linear nos preços de títulos financeiros (opções), concluindo que a probabilidade de aumento dos preços dos títulos a qualquer momento seria idêntica à probabilidade de sua diminuição e acabou por antecipar por cinco anos um famoso trabalho

27 16 de Albert Einstein sobre o movimento aleatório originário da colisão de moléculas de gás, em 1905, que consistiu na descoberta da equação que descreve o fenômeno do movimento molecular aleatório, também conhecido como movimento browniano 2, que é exatamente a equação desenvolvida por Bachelier para descrever o comportamento dos preços dos ativos financeiros.(ceretta, 2001). O trabalho de divulgação do estudo de Bachelier coube ao economista Paul Samuelson que procurou sintetizar uma idéia sobre o comportamento das flutuações dos preços em seu artigo Proof that properly anteciped prices fluctuate randomly. Sua idéia é de que, num mercado informacionalmente eficiente, os preços mudam, mas são imprevisíveis, e isso só é válido desde que eles incorporem as expectativas e informações de todos os participantes do mercado. Em outras palavras, se não existirem barreiras à informação nem custos de transação, a variação de preços para o próximo período será reflexo da informação para esse período, e sendo essa informação imprevisível, as variações nos preços também seguirão o mesmo caminho. Para Samuelson, a aleatoriedade é alcançada através da participação ativa de muitos investidores que procuram maximizar suas riquezas. Quanto mais eficiente for o mercado, mais aleatória será a mudança nos preços, de maneira que sejam totalmente aleatórios.(samuelson apud Cereta,2001) Garcia (2002) menciona o estudo de Fama (1970) que despenderam esforços na distinção entre três formas de eficiência. Segundo os conceitos desses autores, a eficiência de mercado pode ser classificada como: 2. O movimento browniano1, foi descrito pela primeira vez pelo botânico Robert Brown, em 1827, ao observar que o pólen de diversas plantas dispersava-se na água sob a forma de um grande número de partículas em direções que estariam de acordo com as do caminho aleatório. (Osborne, 1959 e 1972)

ESTRATÉGIAS DE INVESTIMENTO EM BOLSA DE VALORES: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA DA VISÃO FUNDAMENTALISTA DE BENJAMIN GRAHAM

ESTRATÉGIAS DE INVESTIMENTO EM BOLSA DE VALORES: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA DA VISÃO FUNDAMENTALISTA DE BENJAMIN GRAHAM ESTRATÉGIAS DE INVESTIMENTO EM BOLSA DE VALORES: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA DA VISÃO FUNDAMENTALISTA DE BENJAMIN GRAHAM MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO Vinicius de Castro Scottá dos Passos Pedro

Leia mais

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Pro. Alexandre Assaf Neto Este trabalho tem por objetivo básico apresentar as bases conceituais do processo de avaliação econômica de empresas. Avaliação

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido 2. A Teoria Clássica 2. A Teoria Clássica 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido Os mercados financeiros desempenham o papel de permitir que indivíduos e corporações transfiram dinheiro intertemporalmente.

Leia mais

2. Otimização de Portfolio

2. Otimização de Portfolio 2. Otimização de Portfolio 2.1. Análise de Média-Variância Portfolio (carteira, em português) é uma combinação de ativos, tais como investimentos, ações, obrigações, commodities, imóveis, entre outros.

Leia mais

I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O

I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O Sumário Prefácio, xiii Parte I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O que são Finanças Corporativas?, 3 1 Introdução, 3 2 Objetivos empresariais, 4 3 Estratégias operacionais, 5 4 Estrutura

Leia mais

Introdução. 1.1 Histórico

Introdução. 1.1 Histórico 1 Introdução 1.1 Histórico O mercado brasileiro, assim como os mercados da maioria dos países emergentes, tem se caracterizado pela crescente volatilidade e dependência do capital estrangeiro. A integração

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Contabilidade financeira e orçamentária I

Contabilidade financeira e orçamentária I Contabilidade financeira e orçamentária I Curso de Ciências Contábeis - 6º Período Professora: Edenise Aparecida dos Anjos INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Finanças Corporativas: incorporaram em seu

Leia mais

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análise Fundamentalista Origem remonta do final do século XIX e princípio do século XX, quando as corretoras de bolsa tinham seus departamentos de análise

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO INTRODUÇÃO Todo problema de decisão envolve julgamento sobre um conjunto conhecido de alternativas; Informações Disponíveis (Dados) Conhecidos com certeza;

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1 O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A CONTABILIDADE AMBIENTAL: Uma Análise dos Indicadores Financeiros de Empresas participantes do Índice de Sustentabilidade Empresarial da BM&F BOVESPA. Rubiana Bezerra

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007 A VOLATILIDADE NAS BOLSAS DE VALORES GLOBAIS E OS IMPACTOS NAS EMPRESAS DE REAL ESTATE LISTADAS NA BOVESPA Prof. Dr. Claudio

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado

Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado O Gerenciamento de Risco de Mercado das Carteiras geridas pela Rio Verde Investimentos é efetuado pela Administradora dos Fundos, no caso BNY Mellon Serviços

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Perfil de investimentos

Perfil de investimentos Perfil de investimentos O Fundo de Pensão OABPrev-SP é uma entidade comprometida com a satisfação dos participantes, respeitando seus direitos e sempre buscando soluções que atendam aos seus interesses.

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

Aula 5 Ferramentas Estratégicas em RI. Geraldo Soares

Aula 5 Ferramentas Estratégicas em RI. Geraldo Soares Aula 5 Ferramentas Estratégicas em RI Gestão de Base Acionária Targeting Formador de Mercado Acompanhamento de Mercado com Analistas Estudos de Percepção Geraldo Soares Boas Vindas Geraldo Soares Ferramentas

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

Gestão Financeira de Organizações

Gestão Financeira de Organizações Gestão Financeira de Organizações Módulo 10 - Política de Dividendos e Relações com Investidores Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail: luiz.campagnac@gmail.com Livro Texto Administração Financeira: princípios,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Introdução as Finanças Corporativas Professor: Roberto César INTRODUÇÃO AS FINANÇAS CORPORATIVAS Administrar é um processo de tomada de decisões. A continuidade das organizações

Leia mais

Um Estudo dos Relatórios da Administração de Empresas com Níveis Diferenciados de Governança Corporativa

Um Estudo dos Relatórios da Administração de Empresas com Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Um Estudo dos Relatórios da Administração de Empresas com Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Elizabeth Krauter ekrauter@usp.br Universidade de São Paulo (USP), FEA São Paulo, SP, Brasil RESUMO

Leia mais

Princípios de Investimento

Princípios de Investimento Princípios de Investimento Rentabilidade Rentabilidade é o grau de rendimento proporcionado por um investimento pela valorização do capital ao longo do tempo. Liquidez Liquidez é a rapidez com que se consegue

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO Rafael Martins Noriller (UFGD) rafael_mn1985@hotmail.com

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 5: Os investidores

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 5: Os investidores SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 5: Os investidores o Quem são os investidores o Como o investidor decide o Métodos de Avaliação o Relações pós-abertura de capital

Leia mais

1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005

1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005 1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005 Agenda Introdução Demandas do mercado de capitais Governança corporativa Governança corporativa no

Leia mais

CUSTO DE CAPITAL AUDIÊNCIA PÚBLICA 123/2013

CUSTO DE CAPITAL AUDIÊNCIA PÚBLICA 123/2013 Sumário Modelo CAPM... 2 Risco Cambial... 3 Risco Regulatório... 4 Tamanho das Séries Históricas... 5 Modelo CAPM Embora exista certa diversidade de metodologias para o cálculo do risco de capital, o modelo

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

2010 Incapital Finance - 3

2010 Incapital Finance - 3 METODOLOGIAS PARA AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BELO HORIZONTE - MG Apresentação: Palestra Fusões e Aquisições Cenários e Perspectivas Valuation Metodologias e Aplicações Desenvolvimento: Índice: 1. Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA A GEOMETRIA DO VaR: (Value at risk) Aplicações computacionais AUTOR: RODOLFO VENDRASCO TACIN PROFESSOR

Leia mais

O Seguro como estratégia e forma de mitigar Riscos

O Seguro como estratégia e forma de mitigar Riscos O Seguro como estratégia e forma de mitigar Riscos Os seguros de D&O e RCP (Responsabilidade Civil Profissional) raramente são pensados como uma estratégia de captação de recursos, ainda que a maioria

Leia mais

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto *

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * O mercado de capitais brasileiro vai fechar o ano de 2007 consolidando a tendência estrutural

Leia mais

Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições

Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições Banco Mundial 24 maio 2012 O exército da Macedônia era brilhante enquanto liderado por Alexandre......mas o exército romano era

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Escolha de Portfólio considerando Risco e Retorno Aula de Fernando Nogueira da Costa Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Relação entre risco e

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor

CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor CSHG Unique FIC FIA Comentário do Gestor Novembro 2010 Sobre Insider Buying/Selling Uma das perguntas cuja resposta todo analista ou investidor de ações gostaria de ter se refere à opinião daquelas pessoas

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil Etapas de um Projeto de Pesquisa Robledo Lima Gil Etapas... Escolha do tema Formulação do problema 1) Introdução; 2) Revisão de literatura (Referenciais teóricos); 3) Justificativa; 4) Objetivos (geral

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais A dissertação traz, como foco central, as relações que destacam os diferentes efeitos de estratégias de marca no valor dos ativos intangíveis de empresa, examinando criticamente

Leia mais

Perfis de Investimento PrevMais

Perfis de Investimento PrevMais Cartilha Perfis de Investimento PrevMais [1] Objetivo Geral O regulamento do PREVMAIS prevê exclusivamente para o Benefício de Renda Programada a possibilidade de os participantes optarem por perfis de

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2012 A Percepção dos Investidores Sobre as Ações das Companhias Brasileiras de Incorporação e Construção Residencial David Lawant,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Introdução

1. Introdução. 1.1 Introdução 1. Introdução 1.1 Introdução O interesse crescente dos físicos na análise do comportamento do mercado financeiro, e em particular na análise das séries temporais econômicas deu origem a uma nova área de

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Finanças para Executivos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Finanças para Executivos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

OS FUNDOS DE PREVIDÊNCIA: UM ESTUDO DO MERCADO BRASILEIRO 1. Maicon Lambrecht Kuchak 2, Daniel Knebel Baggio 3.

OS FUNDOS DE PREVIDÊNCIA: UM ESTUDO DO MERCADO BRASILEIRO 1. Maicon Lambrecht Kuchak 2, Daniel Knebel Baggio 3. OS FUNDOS DE PREVIDÊNCIA: UM ESTUDO DO MERCADO BRASILEIRO 1 Maicon Lambrecht Kuchak 2, Daniel Knebel Baggio 3. 1 Resultados do Projeto de Pesquisa de Iniciação Científica - PIBIC/CNPq 2 Bolsista PIBIC/CNPq,

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos

Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos 2010 Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos Nota Técnica 02 Diretoria de Investimentos Previ-Rio 09/2010 NOTA TÉCNICA 02 1 - Introdução Esta nota técnica, desenvolvida pela Equipe da, tem por

Leia mais

O Modelo CAPM. por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes

O Modelo CAPM. por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes O Modelo CAPM por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes Em um mercado perfeito, caracterizado pela ausência de impostos e outros custos de transações, onde haja perfeita simetria de informações

Leia mais

CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI)

CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº xx, de XX de XXXXXXX de 2011.

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Material complementar à série de videoaulas de Opções.

Material complementar à série de videoaulas de Opções. Apostila de Opções Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE OPÇÕES Material complementar

Leia mais

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II O que é o Índice de Treynor? Índice de Treynor x Índice de Sharpe Restrições para as análises de Sharpe e Trynor A utilização do risco

Leia mais

The Warren Buffett Way

The Warren Buffett Way The Warren Buffett Way Investment Strategies of the World s Greatest Quando Buffett investe, ele vê uma empresa. A maioria dos investidores vê apenas um preço de ação. Eles gastam horas e esforço olhando,

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO JANEIRO 2008

RELATÓRIO DE GESTÃO JANEIRO 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO JANEIRO 2008 Este material tem o único propósito de divulgar informações e dar transparência à gestão executada pela Edge Investimentos, não deve ser considerado como oferta de venda

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

Apresentação. Apresentação. Adesão ao Nível 1 de Governança Corporativa. Requisitos para Adesão ao Nível 1

Apresentação. Apresentação. Adesão ao Nível 1 de Governança Corporativa. Requisitos para Adesão ao Nível 1 Apresentação Apresentação Implantados em dezembro de 2000 pela Bolsa de Valores de São Paulo BOVESPA, o Novo Mercado e os Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Nível 1 e Nível 2 são segmentos

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

Introdução 12. 1 Introdução

Introdução 12. 1 Introdução Introdução 12 1 Introdução O crescente avanço no acesso à informação, principalmente através da rede mundial de computadores, aumentou o ritmo de mudanças, impondo uma diminuição no tempo necessário para

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

Relatório Analítico 19 de abril de 2012

Relatório Analítico 19 de abril de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa AM BV4 Segmento de Atuação Principal Alimentos Categoria segundo a Liquidez 1 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 80,99 Valor Econômico por Ação (R$) 81,05 Potencial

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais