SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2011 1"

Transcrição

1 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

2 A informação contida no relatório está organizada em função da nossa estratégia de sustentabilidade para os próximos três anos, tendo sido dado especial destaque aos aspetos que a integram. No capítulo Informação Complementar incluímos toda a restante informação. O relatório foi desenvolvido de acordo com a terceira geração de diretrizes (G3) da Global Reporting Initiative e o suplemento piloto do setor das telecomunicações, tendo alcançado os requisitos exigidos para a obtenção do nível de aplicação A+ das diretrizes GRI, validados externamente pela entidade verificadora PricewaterhouseCoopers & Associados, S.R.O.C., Lda. Qualquer dúvida ou comentário sobre o relatório, por favor contacte: Isabel Borgas Gabinete de Sustentabilidade Rua Henrique Pousão, 432, 3.º, Senhora da Hora Tel.: Site: 2 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2011 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

3 Mensagem do CEO O ano de 2011 foi um ano cheio de desafios para a Sonaecom e para a economia nacional e europeia. E estamos particularmente satisfeitos porque foi neste contexto de grande dificuldade que conseguimos atingir os melhores resultados da nossa história, quer no plano económico e financeiro, quer no plano social. Fruto do trabalho que temos vindo a desenvolver nos últimos anos, vimos os nossos esforços e contributos reconhecidos pela sociedade. De acordo com o Engagement Rating Portugal 2011, a Sonaecom foi considerada como a empresa mais transparente a nível ibérico, no que respeita ao envolvimento com os seus stakeholders em matéria de sustentabilidade, e como a empresa líder no setor das telecomunicações. Mais ainda, foi a empresa líder no seu setor no Ranking Global ACGE 2011, promovido pela Euronatura, no que à responsabilidade climática diz respeito e no estudo CDP Iberia 125 Report 2011 obteve o melhor desempenho entre as empresas portuguesas, onde viu realçado o mérito de ter atingido uma redução de 27% nas emissões de CO 2. O início de um novo ciclo O ano de 2011 significou para a Sonaecom o início de um novo ciclo, que permitiu consolidar a nossa estratégia e desenhar, em parceria com os principais stakeholders, os drivers para os próximos três anos, agora consubstanciados em três eixos de atuação: Responsible life, Green life e E-life. No primeiro eixo, a Sonaecom através dos seus colaboradores, clientes e parceiros, compromete-se a atuar de forma responsável, assegurando que os princípios éticos e deontológicos que subscreve estão presentes diariamente na nossa atividade. Já ao nível ambiental, a empresa continuará a investir na redução dos impactos do seu negócio e, simultaneamente procurará tornar mais eficientes os impactos das outras organizações e da sociedade em geral através do desenvolvimento de produtos e serviços tecnologicamente avançados. Nesta matéria, a Sonaecom tem evoluído de forma muito consistente na adoção das melhores práticas ambientais, de eficiência energética e minimização das emissões de C0 2. Em 2011, fomos capazes de lançar e concretizar com sucesso um variado número de iniciativas, com o objetivo de reduzir o impacto da nossa atividade no ambiente e no consumo de energia. Reduzimos 11% o consumo de eletricidade total tendo reduzido 18% o consumo de energia na rede. Também a solução adotada para minimizar o impacto do nosso parque informático no consumo de energia apresentou, logo no primeiro ano, excelentes resultados, com o respetivo consumo a reduzir 42%, representando uma poupança de 124 toneladas de CO 2 e. Neste mesmo período, reduzimos 25% o número de páginas impressas, o equivalente a 175 milhões de folhas, e em 50% a energia consumida com esta atividade. O nosso terceiro desafio passa por facilitar, a todos, o acesso às TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação), independentemente da idade, condição social, idioma ou cultura, colocando as TIC ao serviço das pessoas, através do desenvolvimento de produtos e serviços inovadores que contribuam para melhorar a qualidade de vida das nossas comunidades. Esta preocupação com as comunidades leva-nos a celebrar parcerias fortes que sejam facilitadoras da vida das pessoas, independentemente da sua idade ou localização. Foi com esse objetivo que lançámos, em estreita colaboração com a ISA Intellicare, o One Care, uma solução que permite uma monitorização contínua e à distância de doentes crónicos. Para além disso, desenvolvemos inúmeros projetos de envolvimento e apoio às comunidades onde estamos inseridos, com particular destaque para o reforço do programa de responsabilidade corporativa da Optimus, no qual investimos cerca de 32 mil euros em comunicações. O fator humano como alavanca do sucesso As pessoas ocupam um lugar central na estratégia da Sonaecom. Acreditamos que o compromisso dos nossos colaboradores é um fator crítico para a organização e para a criação de valor, pelo que a sua satisfação e envolvimento com a organização são essenciais para o atingimento dos objetivos a que nos propomos. Procurando contribuir para uma cultura ainda mais forte, onde a meritocracia assume um papel determinante, lançámos em 2011 um modelo de gestão de performance denominado Improving Our People - mais claro, mais robusto e totalmente alinhado com a missão e os valores da Sonaecom. O nosso cliente ocupa igualmente um lugar central na estratégia da Sonaecom. Além da aposta na realização de um marketing e comunicação responsáveis, com lealdade, verdade e profissionalismo, iniciámos em 2011 o programa Make it easier, assente numa cultura de serviço alicerçada num conhecimento profundo do nosso Cliente. Os nossos desafios O ano de 2012 não será menos desafiador para a Sonaecom, para Portugal e para a Europa e como tal constituirá redobrado estímulo para continuarmos o caminho que traçámos. Assim, em conjunto com os nossos colaboradores, clientes, fornecedores, parceiros e organizações do terceiro setor, iremos continuar a explorar novas oportunidades, que se traduzam em ganhos para a sociedade e todas as partes envolvidas. Ângelo Paupério CEO da Sonaecom 4 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2011 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

4 6 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2011 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

5 1 1.1 MISSÃO E VALORES Missão A Sonaecom é uma empresa orientada para o crescimento, cuja ambição é ser a melhor prestadora de serviços de comunicações independência em Portugal, criando um ambiente de eleição para o desenvolvimento do potencial dos melhores profissionais. A Sonaecom procura de uma forma determinada criar consistentemente produtos, serviços e soluções inovadores que satisfaçam integralmente as necessidades dos seus mercados e gerem valor económico superior. Ambição A ambição nasce do contínuo estabelecimento de metas que testam os limites e estimulam a vitalidade da organização. É ela que nos move e mantém construtivamente insatisfeitos, impedindo-nos de ficar presos aos sucessos do passado. Inovação A inovação está na essência dos nossos negócios. Sabemos que inovar comporta riscos, mas estamos conscientes da importância de os prever e acompanhar para os manter dentro de padrões razoáveis, por forma a conseguirmos crescer contínua e sustentadamente. Responsabilidade social Temos um sentido de responsabilidade social ativo e tentamos contribuir para a melhoria da sociedade em que nos inserimos. Pautamos a nossa conduta por preocupações ambientais e por políticas de desenvolvimento sustentável. Frugalidade e eficiência O nosso objetivo é otimizar a utilização de recursos e maximizar o seu retorno, mantendo um perfil de frugalidade. Fazemos incidir o foco da nossa ação na eficiência, na competição saudável e na concretização de projetos de grande alcance. Cooperação e independência Permanecemos predispostos e abertos para cooperar com os governos (sempre com o intuito de melhorar o quadro regulamentar, legislativo e social), adotando simultaneamente uma posição de em relação ao poder central ou local. Valores Ética e confiança Temos o compromisso de criar valor económico baseado em relações de ética e confiança num horizonte de médio e longo prazo. As pessoas no centro do nosso sucesso Os desafios constantes e a disponibilidade para a mudança são fundamentais para atrairmos pessoas ambiciosas. Os nossos colaboradores são fatores determinantes para o desempenho em todos os mercados onde operamos. Assim sendo, e de modo a enriquecer continuamente a nossa cultura, investimos no desenvolvimento das suas capacidades e competências. 8 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2011 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

6 1.3 RECONHECIMENTO 1.2 PRINCIPAIS INDICADORES Consumo de eletricidade GJ Resíduos 548,338 t Consumo de eletricidade em sites GJ Clientes móvel Emissões de tco 2 e Investimento na Sociedade de Informação M Euros Trabalho comunitário horas Pessoas envolvidas no Smile Ao longo de 2011, a Sonaecom foi distinguida com vários prémios que reconhecem a nossa abordagem e o nosso desempenho em matéria de sustentabilidade. De acordo com o estudo Engagement Rating Portugal 2011, a Sonaecom foi considerada a empresa mais transparente a nível ibérico, no que respeita ao seu envolvimento com os respetivos stakeholders, em matéria de sustentabilidade. O estudo posicionou a Sonaecom como líder do setor das telecomunicações a nível ibérico, em sexto de acordo com o ranking ibérico e em quinto de acordo com o ranking de Portugal. A Sonaecom obteve o melhor desempenho ambiental de entre as principais empresas portuguesas que integraram o estudo CDP Iberia 125 Report A nossa empresa registou o maior avanço entre as empresas analisadas neste estudo, atingindo uma redução de 27% das emissões de CO 2. Estes resultados foram sobretudo alcançados através da implementação de medidas para melhorar a eficiência energética através da redução do consumo de energia e da aquisição de energia a fornecedores com níveis de emissão mais baixos. A Sonaecom é a empresa mais bem posicionada no que à responsabilidade climática diz respeito, de acordo com o Ranking Global ACGE Este índice, promovido pela Euronatura, atribuiu à Sonaecom a primeira posição no setor das TIC e a sexta posição no ranking global. Também fomos reconhecidos pelas boas práticas de eficiência energética com a distinção de Empresa Mais Eficiente através do Barómetro da Eficiência Energética Portugal 2010, promovido pela PremiValor Consulting, em parceria com a Direção-Geral de Energia e Geologia, a Agência para a Energia e o BCDS Portugal. 1 Programa de intervenção na comunidade da Sonaecom. 10 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2011 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

7 1.4 COMPROMISSOS AS NOSSAS PESSOAS Objetivo Prazo Status Progresso Colaboradores Alargar a formação ao nível das competências funcionais de suporte ao desenvolvimento de carreira, transversal a todas as áreas, mas na vertente de desenvolvimento de competências de gestão de equipas/ liderança, alargando assim o Management Learning Centre com a inclusão dos Leadership Programmes. Concretizar quatro edições envolvendo cerca de 80 colaboradores. Repensar e definir um novo modelo de identificação de potencial no processo RH. Alargamento do Take Off - programa através do qual os colaboradores conhecem de perto o Cliente e a forma como nos relacionamos com ele, percebendo o que conduz à sua satisfação. Este programa contempla apenas a área de Serviço ao Cliente, mas pretendemos alargá-lo à área de Lojas Próprias (visita às lojas) e à área de Operações (Serviço de Pós- -venda). Propomo-nos realizar 18 sessões do Take Off. Sensibilização dos colaboradores para a política de segurança da informação da Sonaecom, com o intuito de divulgar as normas de uso aceitável dos equipamentos da empresa no local de trabalho, dando a conhecer as boas práticas e incentivando a sua aplicação prática no dia-a-dia dos colaboradores. Esta sensibilização passará pelo recurso a ações recorrentes realizadas ao longo do ano. ENERGIZAR A SOCIEDADE % 75% Desenvolvimento do Leadership Programme estruturado em três níveis: Learning to Lead, Leading For Results e The Leadership Transition, direcionados para diferentes etapas de gestão de equipas. Realizadas três sessões envolvendo 54 colaboradores % Modelo de Gestão da Performance Improving Our People. Ver detalhe no capítulo 3.1 Colaboradores % % Objetivo Prazo Status Progresso Programa Smile Aumentar para 15% a percentagem de colaboradores que anualmente participam em ações de voluntariado. Potenciar capacidades Desenvolver projeto na área das tecnologias de informação que promova a inovação social e o trabalho em rede entre organizações privadas e do terceiro setor. Em 2011, realizámos nove sessões Take-Off ao Serviço ao Cliente e desenhámos as sessões Take- -Off Lojas Próprias e Operações que prevemos iniciar em Campanha James Bond (ver detalhes no capítulo 3.3 Privacidade e segurança) % Em 2011, a percentagem de colaboradores que participaram no Smile foi de 19,8% % Em desenvolvimento. PRESERVAR O AMBIENTE Objetivo Prazo Status Progresso Alterações Climáticas Redução de 7,5% do consumo de energia na rede % Redução de 18%. Redução de 60% do consumo de energia do reclame exterior no edifício do Norteshopping. Aumentar rendimento das UPS em seis instalações técnicas para possibilitar obter uma redução de 300 MWh por ano. Reformulação do sistema de climatização do MSC Senhora da Hora para permitir uma poupança anual de cerca de 40 MWh. Substituição do chiller dos escritórios da Senhora da Hora para permitir alcançar ganhos de eficiência energética em cerca de 10% da energia consumida pelos equipamentos de ar condicionado. Substituição de unidade de tratamento de ar no Norte Shopping para permitir reduzir o consumo de energia térmica de aquecimento pelo aproveitamento de ar quente. Redução do consumo de energia elétrica nas lojas em reformulação para permitir obter redução de cerca de 20% por cada loja. Resíduos Desenvolver experiência piloto para reformular o processo de seleção de resíduos nos escritórios e, caso seja bem-sucedido, replicar o processo a todos os escritórios, tendo como objetivo aumentar a separação seletiva atual. Desmaterialização de processos e serviços Aumentar o número de novas faturas eletrónicas em repositório da Saphety para 6,5 milhões. Comunicar o programa Sonaecom Learning Centre apenas em formato digital eliminando a sua distribuição em papel % A medida apenas foi implementada em Maio, pelo que, a poupança foi menor do que a prevista % O potencial de poupança é de 300 MWh, caso os equipamentos funcionem na sua potência máxima. Considerando a potência consumida em 2011, a poupança verificada foi de 145 MWh. Adicionalmente, não se realizou a instalação de UPS numa das instalações técnicas encontrando- -se em estudo a sua instalação % Alteração que permitiu a eliminação de equipamento com consumo anual de 40 MWh. Redução global de 2,6% do consumo de energia face a % Redução de 18% do consumo de energia pelos equipamentos de ar condicionado correspondendo a uma redução global na instalação de 7% % Redução de 20% da fatura energética (cálculo baseado em consumos para amostragem de 4 dias) % Redução de 20% % Piloto realizado com sucesso. Em análise alargamento às restantes instalações % A desacelaração da redução face ao ano anterior deve-se à contração da atividade económica nacional % 12 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2011 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

8 14 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2011 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

9 2 ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE COMPOSIÇÃO O ano de 2011 representou para a Sonaecom o início de um novo ciclo estratégico, que nos permitiu começar a desenhar a estratégia para os próximos três anos ( ). O 2º ciclo estratégico foi precedido pelo 1º ciclo estratégico 2, para o triénio , que concluímos em AUSCULTAÇÃO DOS STAKEHOLDERS Este 2º ciclo iniciou-se com a consulta aos stakeholders. O primeiro passo deste processo consistiu na reanálise da identificação feita em 2006, com o intuito de determinar se a relevância dos stakeholders definidos relativamente às nossas atividades se mantinha. Desta análise resultaram duas alterações: a fusão dos Fornecedores e Parceiros, dada a natureza semelhante da interação com a Sonaecom; e a separação da Comunicação Social do grupo Comunidade, em função da especificidade da interação que com ela estabelecemos, bem como da sua relevância para a nossa atividade. DOS STAKEHOLDERS DA SONAECOM Entidades Financeiras Colaboradores Clientes Fornecedores e Parceiros de Negócio Entidades Governamentais e Reguladoras Comunidade Comunicação Social +Acionistas +Investidores +Efetivos +Estagiários +Outsourcing +Particulares +Pequenas e Médias Empresas +Grandes Empresas +Equipamento +Rede +TI +Conteúdos +France Télécom +União Europeia + Governo +ANACOM +Organizações Terceiro Sector +Comunidade Científica +Seniores +Imigrantes +Tradicionais +Web 2.0 +Bancos +Analistas +Contrato a termo +Trabalho temporário +Administração Pública +SOHO - Pequenas Empresas e Profissionais Liberais +Agências +Agentes +Gráficas +Outsourcing +Autoridade da Concorrência +Comissão do Mercado de Valores Imobiliários (CMVM) +Universidades +Infoexcluídos +População que vive perto de antenas +Líderes de opinião Indústria Social +Concorrência +Associações setoriais 2 Consulte os Relatórios de Sustentabilidade anteriores para obter informação mais detalhada sobre o 1º ciclo estratégico da Sonaecom. 16 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2011 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

10 A Sonaecom dispõe de diversos instrumentos 3 que lhe permitem fazer um levantamento sistemático das preocupações dos seus stakeholders, razão pela qual alguns deles não foram consultados. A comunicação regular estabelecida permite-nos conhecer as suas necessidades e expectativas. É esse o caso das Entidades Financeiras, das Entidades Governamentais e Regu- ladoras e da Indústria, com quem dialogamos e desenvolvemos projetos de forma recorrente. A partir da análise dos indicadores internos e setoriais, definimos os objetivos da consulta e quais os stakeholders a consultar. Stakeholder Objetivo Meios Colaboradores Fornecedores O3S (Organizações Terceiro Sector) Comunicação Social Universidades +Analisar as perceções sobre ética e conhecimento dos instrumentos existentes na Sonaecom como o Código de Conduta. +Analisar a perceção dos colaboradores das políticas e práticas de RH e Sustentabilidade da Sonaecom. +Fornecedores estratégicos Avaliar o nível de empenho e desempenho nas questões da sustentabilidade e potenciais parcerias. +Fornecedores de pequena e média dimensão A partir dos resultados da avaliação ambiental e social anual, aprofundar o desempenho ao nível de valores da empresa, políticas em matéria de local de trabalho, desempenho ambiental, envolvimento com a comunidade e relacionamento com a Sonaecom. +Analisar a importância das TIC nas O3S e projetos de inovação social e potenciais parcerias ao nível do negócio das telecomunicações. +Analisar de que forma os jornalistas estão sensibilizados para a temática da sustentabilidade e de que forma podemos trabalhar a este nível. +Aprofundar a visão das universidades no desenvolvimento de parcerias com empresas privadas. +Questionário aplicado aos colaboradores em Portugal. +Quatro focus group de colaboradores selecionados com base em critérios de género, idade e antiguidade. +Entrevistas exploratórias a cinco fornecedores de infraestrutura e equipamento de rede e agências de marketing. +Entrevistas exploratórias a nove fornecedores de pequena e média dimensão. +Entrevista exploratória a seis O3S. +Entrevista exploratória a agência de comunicação. +Entrevistas exploratórias a seis universidades. Clientes +Perceção e sensibilidade dos clientes às questões da sustentabilidade. +Projeto C - The Consumer Intelligence Lab. Para cada uma destas questões foram analisados os impactos ao nível ambiental, económico e social nos stakeholders e na Sonaecom. Com base nesta informação foi-nos possível desenhar a seguinte matriz de impacto: Relativamente aos clientes, dado o envolvimento da Optimus no Projecto C - The Consumer Intelligence Lab -, que consiste num laboratório de investigação aplicada, especializado no conhecimento e na análise de comportamentos e tendências de mudança do consumidor português, optámos por integrar os resultados desse projeto que, de alguma forma, respondem ao que seria, no caso dos clientes, o nosso objetivo para a consulta: saber de que forma estão sensíveis às questões da sustentabilidade. Desafios estratégicos da sustentabilidade Com base nestes contributos foi elaborada uma lista de questões, que cruzámos com os resultados do ciclo estratégico anterior e com as questões identificadas ao nível interno e setorial. O resultado final foram 35 questões que agrupamos nos seguintes sete temas: As conclusões desta análise permitiram ajustar a nossa estratégia para os próximos três anos, identificar áreas a melhorar e elencar as ações necessárias para atingir os objetivos propostos. Com base nos sete temas atrás identificados definimos os três desafios da sustentabilidade na Sonaecom: Responsible life: atuar com os nossos colaboradores, clientes, fornecedores e parceiros de negócio de forma responsável, assegurando que os princípios e as regras de natureza ética e deontológica, que devem orientar o seu comportamento, são aplicados e cumpridos; Green life: gerir os impactos ambientais do nosso negócio e contribuir positivamente, através das TIC, para a redução da pegada ambiental de outras organizações e da sociedade; E-life: assegurar o acesso às TIC, independentemente da idade, incapacidade, língua, cultura e literacia de TIC, transformando-as num fator de inovação e empreendedorismo, através do desenvolvimento de produtos e serviços com elevado valor social, económico e ambiental. 3 Informação complementar sobre os mecanismos de consulta dos stakeholders disponível na Informação Complementar (ponto 4. Governação, compromissos e envolvimento ). 18 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2011 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

11 20 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2011 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

12 22 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2011 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

13 3 3.1 COLABORADORES Na Sonaecom defendemos e praticamos uma estratégia orientada para as pessoas, acreditando firmemente que essa é a via que melhor favorece o desenvolvimento e a sustentabilidade dos nossos negócios. Neste sentido, temos a preocupação de assegurar que proporcionamos aos nossos colaboradores as melhores condições para o exercício das suas funções, que vão desde uma ajustada compensação salarial às boas condições físicas de trabalho e às oportunidades de formação e de desenvolvimento de carreira como formas de potenciar o desenvolvimento pessoal e profissional. Com o objetivo de conhecer as motivações das nossas pessoas e encontrar forma de lhes dar resposta, no âmbito da consulta realizada aos stakeholders, procuramos aprofundar a sua perceção relativa a aspetos como plano de carreira e instrumentos de desenvolvimento, oportunidades de desenvolvimento de carreira dentro do grupo, salário, benefícios e condições de trabalho e equilíbrio entre a vida profissional e pessoal. A análise da informação permitiu-nos concluir que as questões de gestão de recursos humanos 4 estão bastante consolidadas, nomeadamente as questões relacionadas com salários e benefícios, H&S e mobilidade. O desenvolvimento e o equilíbrio entre vida pessoal e profissional são temas que ainda consideramos terem oportunidades de melhoria. Relativamente ao desenvolvimento de carreira, os nossos colaboradores referem vontade e intenção de desenvolver a sua carreira profissional dentro da Companhia ou numa perspetiva de mobilidade, que gostariam de a ver reforçada, dentro da Sonae. Indo ao encontro desta ambição, a nossa abordagem à gestão de recursos humanos mantém a orientação para a gestão da carreira, focando-se atualmente no desenvolvimento profissional das nossas pessoas, promovendo as melhores condições para a mobilidade interna (ver Informação complementar LA11). A vida pessoal é também uma prioridade da Sonaecom: 64% dos colaboradores estão satisfeitos com a forma como conseguem conciliar a vida profissional com a vida pessoal, de acordo com os resultados do Estudo de Clima Social No entanto, reuniões com colaboradores, realizadas no âmbito da consulta aos stakeholders, revelaram oportunidades de melhoria nesta área. 4 Ver Matriz de impacto no capítulo 1. Estratégia de sustentabilidade. 24 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2011 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

14 IMPROVING OUR PEOPLE - MODELO DE GESTÃO DA PERFORMANCE A avaliação de desempenho e as ações para o desenvolvimento dades do negócio. Assim, a nossa Avaliação de Desempenho e da carreira dos colaboradores na Sonaecom constituem um dos Desenvolvimento de Carreira (ADDC) evoluiu para IOP Improving Our People. Alargámos o seu âmbito a uma avaliação processos mais importantes para a organização. A gestão deste processo é realizada através do RH Online, o portal do colaborador que agrega todas as plataformas online de apoio aos difetitativos e qualitativos, competências técnicas, diferentes de baseada em KPI s (Key Performance Indicator) individuais, quanrentes processos RH. função para função, e competências comportamentais, transversais a todos os Grupos Funcionais. No ano de 2011, revisitámos o nosso modelo de gestão de performance de modo a torná-lo mais eficaz e adaptado às necessi- Em 2011, reforçámos a formação interna, como forma de transmissão privilegiada dos processos fundamentais de gestão praticados no Grupo, o que permitiu diminuir os custos em 19,4%, para uma redução no volume global de horas de formação de apenas 6,9%. FORMAÇÃO O Sonaecom Learning Centre (SCLC), baseado no conceito de universidade corporativa, constitui uma solução educativa centralizada e agregadora de toda a formação, dirigida aos colaboradores das várias áreas de negócio da Sonaecom. Perseguindo com afinco e otimismo a aposta no desenvolvimento pessoal e profissional dos nossos colaboradores, no ano de 2011 investimos euros em formação. Gráfico 2: Volume de horas de formação por tipo de formação ( ) Este novo modelo assenta em três pilares: Pluralidade Valorização da heterogeneidade dos percursos e perfis dos colaboradores, de acordo com a pluralidade de negócios que temos e as geografias onde marcamos presença; Participação Compromisso das nossas equipas com o seu próprio desenvolvimento, numa interação contínua e responsabilização partilhada entre chefia colaborador; Meritocracia Rigor nos resultados e frontalidade no reconhecimento. Este modelo pretende também desenvolver o potencial de cada colaborador, em função da combinação da sua Aspiração, Compromisso e Skills, que potenciam a sua probabilidade atual de sucesso numa posição mais sénior ou de maiores responsabilidades. Neste sentido, para além da avaliação propriamente dita, realizada pelo próprio e pela sua chefia hierárquica, o avaliador, num exercício individual de reflexão, procede à avaliação de potencial de desenvolvimento de carreira, tendo em conta as áreas de interesse. Desta forma, criam-se condições para a identificação de uma eventual futura função e necessidades de desenvolvimento. Com o intuito de implementar este modelo, garantindo que se torna efetivo, desenvolvemos um conjunto de medidas de onde destacamos a formação e a certificação de todas as chefias com funções de avaliação. Nas sessões de formação, que incluíram treino na preparação de entrevistas de avaliação de desempenho e na realização de planos de desenvolvimento, estiveram presentes 395 chefias, num total de mais de horas de formação. Para os restantes colaboradores, foi criada uma formação em regime de e-learning para dar a conhecer o modelo. Gráfico 1: Investimento direto em formação ( ) De acordo com o compromisso assumido em 2010, no Management Learning Centre, parte integrante do SCLC, foi criado, em 2011, um programa de desenvolvimento de competências de liderança com o objetivo de apoiar as chefias, preparando-as para motivar e inspirar as suas equipas a alcançar os objetivos da empresa. Este programa, desenhado à medida da Sonaecom em parceria com a UCP Universidade Católica Portuguesa, contempla três níveis diferentes de acordo com a etapa de gestão de equipas em que o colaborador se encontra: Learning to Lead, Leading For Results e The Leadership Transition. Reforçámos também os programas de acolhimento das várias empresas. Redefinimos o programa direcionado para a Optimus, Ser Optimus, que contempla hoje a apresentação das principais direções que compõem a empresa e a vivência de experiências-chave do negócio. Enriquecemos ainda o programa de acolhimento da WeDo Technologies, How Do WeDo. Em 26 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2011 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

15 2011, envolvemos nas sessões de acolhimento 83 formadores internos, somando um total de horas de formação. Tal como acontece no volume de horas de formação por tipo de formação, as reduções verificadas neste gráfico são justificadas pelo menor número de horas de formação técnica extraplano, cuja necessidade é pontual. Para responder a estas necessidades, e como referido anteriormente, recorremos à transmissão de conhecimento já existente na empresa através de formação interna. Gráfico 3: Média anual de horas de formação por colaborador e estrutura organizacional ( ) O é um programa cujo principal objetivo é selecionar, reter e desenvolver as melhores pessoas para trabalharem na Optimus. Este programa, criado em 2011, pretende, por um lado, proporcionar o contacto com as diferentes áreas e interlocutores da organização e, por outro, promover a disseminação da cultura e valores da Optimus. Ao longo do ano, a Optimus realiza roadshows de apresentação da empresa em universidades portuguesas, de forma a estreitar relações com os alunos. O resultado é uma bolsa de potenciais candidatos. Em 2011, foram escolhidos 36 jovens de entre mais de candidatos através de um processo de 250 entrevistas. SEMANA SAÚDE E BEM-ESTAR Os colaboradores da Sonaecom, em Portugal, foram alvo de uma ação de sensibilização para a temática da saúde e bem estar. Esta ação teve como principal objetivo sensibilizar os colaboradores para a adoção das melhores práticas com vista à melhoria da qualidade de vida e a potenciar as práticas de gestão de recursos humanos existentes no âmbito da Saúde e Segurança. Foram cinco dias com cinco ações destinadas ao bem estar de cada colaborador, onde se destacam o exercício físico, os rastreios médicos, a promoção do bem estar no local de trabalho e a alimentação saudável. A Healthy Week 2011 foi identificada pelos colaboradores como um exemplo de como a Companhia pode trabalhar as questões relacionadas com o bem estar dos colaboradores. 3.2 ÉTICA A Sonaecom está empenhada em agir de acordo com as melhores práticas do mercado e de acordo com a sua missão e valores, procurando assegurar que os princípios e as regras de natureza ética e deontológica que devem orientar o comportamento dos colaboradores e parceiros de negócio são aplicadas e cumpridas. Neste sentido, desde 2006 existe na Sonaecom um Código de Conduta que agrega um conjunto de regras de natureza ética e deontológica a observar pelos respetivos membros dos órgãos sociais e por todos os colaboradores. O Código de Conduta abrange temas que vão desde a integridade, transparência, respeito, responsabilidade social, empenho ambiental, saúde e segurança, confidencialidade e utilização de informações privilegiadas, até à gestão de conflitos de interesse e à comunicação de irregularidades. Os colaboradores, parceiros e fornecedores da Sonaecom, incluindo os consultores externos, devem cumprir estas diretrizes e aplicá-las no desempenho das suas funções. De forma a garantir que as orientações emanadas do Código de Conduta são cumpridas, o Conselho de Administração da Sonaecom criou uma Comissão de Ética, cuja responsabilidade passa por assegurar o esclarecimento de dúvidas e gerir o reporte de alegadas irregularidades, bem como a eventual violação do Código. COMISSÃO DE ÉTICA De forma a garantir os níveis mais elevados de boas práticas empresariais, o Conselho de Administração da Sonaecom nomeou uma Comissão de Ética. A Comissão de Ética é responsável pela supervisão e manutenção do Código de Conduta da Sonaecom, por monitorizar a sua aplicação e por assegurar que todos os membros dos órgãos sociais e todos os colaboradores da empresa o cumprem. A Comissão reporta ao Conselho de Administração em termos do cumprimento do Código de Conduta no mínimo uma vez por ano e sempre que solicitado. Por delegação do Conselho Fiscal, compete à Comissão de Ética receber, discutir, investigar e avaliar alegadas irregularidades que sejam reportadas, em cumprimento da política de comunicação de irregularidades da Sonaecom. A Comissão decide em cada caso sobre as medidas a tomar. A Comissão de Ética é presidida por um membro independente e não-executivo do Conselho de Administração, eleito por este. Esta entidade apresenta ordinariamente um relatório anual ao Conselho de Administração e ao Conselho Fiscal, que aborda questões relevantes relacionadas com governo corporativo e a ética nos negócios. A Sonaecom continua a encarar as questões éticas e deontológicas como prioritárias e a desenvolver trabalho nesse domínio. Em 2011, a Comissão de Ética assumiu o compromisso de realização anual de uma análise de risco à corrupção 5 (ver metodologia), resultante de possíveis práticas de colaboradores ou parceiros de todos os negócios da Sonaecom, em função dos montantes, stakeholders e natureza de transações envolvidas. Com base nessa análise, são identificadas áreas onde este risco é mais patente de forma a serem submetidas a avaliações detalhadas. Em 2011, a percentagem de unidades de negócio alvo de análise de risco de corrupção face ao número total de áreas em que este risco é mais patente foi de 5%. 1. DEFINIR Identificação de processos e áreas críticas mais expostas ao risco de corrupção (em função dos montantes, partes interessadas e natureza das transações envolvidas). Definição de potenciais causas de risco relacionadas com corrupção para as áreas/processos identificados. Seleção de áreas a analisar. 2. AVERIGUAR Elaboração de questionário de avaliação de risco de corrupção com o objetivo de averiguar a existência e eficácias dos controlos para os principais processos das áreas selecionadas. 3. AVALIAR Avaliação dos controlos para os riscos anteriormente identificados ou identificação de novos riscos. Determinação do Risco Residual. Elaboração da matriz Área vs. Processos vs. Riscos vs. Controlos. 4. REPORTAR Exposição dos resultados às áreas envolvidas e definição conjunta do plano de ações. Reporte à Gestão dos resultados obtidos. 5 Na Informação adicional, no indicador SO2 incluímos detalhe sobre o âmbito da designação de Corrupção na Sonaecom. 28 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2011 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

16 Em 2011, os colaboradores foram consultados sobre a forma como percecionavam o Código de Conduta e viviam as questões da ética na Empresa. A consulta foi feita através de um inquérito à totalidade dos colaboradores em Portugal e incluiu questões relativas ao conhecimento do Código, à relevância que lhe é atribuída, à frequência com que os colaboradores se deparam com questões de ética e às fontes de orientação mais valorizadas para resolver essas mesmas questões. A maioria dos colaboradores conhece o código (69%), mas apenas 22% o conhecem bem e seriam capazes de citar um ou dois aspetos. Apesar disso, 96% considera importante ou muito importante a sua existência, reconhecendo que clarificou a visão do entendimento da Companhia relativamente às questões da ética. Era esse um dos objetivos da Sonaecom aquando da criação do próprio código: divulgar os princípios que orientam a atividade do Grupo e as regras de natureza ética e deontológica que devem orientar o comportamento de todos os seus colaboradores e parceiros. Na sequência dos resultados da consulta e da análise de risco, a Sonaecom definiu a ética como tema estratégico de sustentabilidade. Neste tema abrangemos quatro questões Código de Conduta, Conflitos de interesse, Corrupção e Fiabilidade da informação reportada, que consideramos essenciais para garantir que cumprimos e regemos o nosso comportamento e a forma como exercemos a nossa atividade por um elevado sentido de ética e responsabilidade. Valores como profissionalismo, integridade, transparência e independência são uma exigência do nosso dia-a-dia e constituem um elemento fulcral. Estes princípios sustentam-se em atitudes e comportamentos individuais que cada colaborador, fornecedor, parceiro de negócio ou qualquer entidade que colabore com a Sonaecom tem de, em cada momento, incorporar nas decisões que diariamente precisa de tomar. Neste sentido, e para promover e incentivar a adoção dos princípios de atuação e das regras comportamentais na Sonaecom, nos próximos três anos iremos efetuar uma análise profunda ao Código de Conduta, de forma a clarificar temas que possam ainda suscitar dúvidas, tornando-o mais claro, simples e percetível. Em simultâneo, desenvolveremos um programa de comunicação e formação que abrangerá todos os colaboradores, fornecedores e parceiros de negócio, sendo nosso objetivo que, no final deste ciclo, todos os colaboradores da Sonaecom conheçam e saibam aplicar o Código de Conduta. 3.3 PRIVACIDADE E SEGURANÇA Se é verdade que as TIC facilitam a nossa vida através de um novo leque de serviços que nos disponibilizam, não é menos verdade que esses mesmos serviços podem representar potenciais ameaças à privacidade, como, por exemplo, a transmissão de dados ou o acesso a conteúdos inapropriados aos mais novos (incluindo conteúdos para adultos, violência, etc.). Na Sonaecom estamos empenhados em criar as condições necessárias para uma utilização segura dos nossos serviços, pelo que revalidamos o compromisso que temos com os nossos clientes relativamente às cinco questões que consideramos prioritárias ao nível da privacidade e segurança: serviços de localização, proteção de dados, acesso a conteúdos, utilização segura e campos eletromagnéticos (CEM). Atendendo a que praticamente todas as empresas do universo Sonaecom operam no sector das TIC, onde a utilização da informação é intensiva, a propensão para os riscos de disponibilidade, integridade, confidencialidade e privacidade é necessariamente elevada. A gestão da segurança na Sonaecom é governada pelo Comité Governo, Risco e Conformidade (GRC), sendo as grandes linhas estratégicas de segurança concretizadas através de políticas mais detalhadas e adaptadas a cada negócio da Sonaecom. A Optimus, em particular, nomeou o Chief of Personal Data Protection Officer (CPDPO), cuja função consiste, essencialmente, em assumir a responsabilidade pela execução e cumprimento das normas legais e regulamentares aplicáveis em matéria de tratamento de dados, bem como a representação perante a Comissão Nacional da Protecção de Dados (CNPD). O CPDPO tem assento no GRC. As orientações para a gestão da segurança do ativo de informação estão reguladas no Código de Conduta e na Política de Segurança da Informação (PSI), que define os principais objetivos para garantir que todos os ativos de informação da Companhia se encontram protegidos de forma adequada e de acordo com as boas práticas da segurança da informação. Todos os colaboradores assumem obrigações de confidencialidade, de sigilo e de proteção de dados pessoais, não podendo transmitir a quaisquer terceiros os dados a que tenham acesso no decurso e em resultado das suas funções. Estas obrigações e deveres permanecem em vigor mesmo após a cessação da relação laboral existente entre a empresa e todos os colaboradores. Também os parceiros assumem as mesmas obrigações de confidencialidade que, por sua vez, devem ser assumidos pelos seus colaboradores. A PSI está disponível na intranet da empresa, num espaço exclusivamente dedicado às questões de confidencialidade, onde se explicita o entendimento dos dados pessoais de clientes e colaboradores no negócio de telecomunicações, comportamentos a adotar, legislação relevante e perguntas frequentes (FAQs). O programa de acolhimento dos novos colaboradores contempla, também, os temas da segurança de informação e dados pessoais. Dado este ser um tema especialmente relevante para a Companhia, existe um plano anual de comunicação de segurança, que consiste em campanhas baseadas nos temas considerados mais pertinentes em cada ano e estão assentes em ferramentas interativas e de multimédia. Estas práticas estão definidas com base em quatro pilares: Preservação da confidencialidade A informação é acedida apenas por pessoas autorizadas, on a need to know basis; Integridade - exatidão da informação e dos métodos de processamento; Disponibilidade Os utilizadores autorizados têm acesso à informação e aos ativos correspondentes sempre que necessário; Privacidade Cada indivíduo decide quem deve ter acesso aos seus dados pessoais. COMO DESPERTAR O SENTIDO DE RESPONSABILIDADE DOS COLABORADORES E TORNÁ-LOS AGENTES ATIVOS E EMPENHADOS NO PROCESSO DE SEGURANÇA DA IN- FORMAÇÃO DA EMPRESA? A ideia consistiu em transformar os colaboradores da empresa em agentes Sonaecom. Um James Bond do mundo das telecomunicações, a quem foi confiada uma missão muito importante: proteger a informação de ataques externos (como vírus informáticos, por exemplo) e garantir a total segurança e confidencialidade dos dados. Para que fossem bem sucedidos, tiveram de recorrer a algumas armas, que se traduziam no cumprimento integral das normas presentes na PSI da Sonaecom. Com esta ação, os colaboradores da Sonaecom puderam perceber que as suas ações individuais no dia-a-dia são fulcrais para o cumprimento de uma missão mais abrangente: garantir a segurança da informação da companhia. O GRC desenvolve, propõe e coordena um plano de ação anual para a gestão dos riscos associados à privacidade e segurança. Em 2011, a Sonaecom continuou a desenvolver diversas atividades internas, com o objetivo de consolidar os processos de gestão de segurança da informação. Adicionalmente, e em linha com a nossa preocupação com a segurança, aderimos às iniciativas nesta área promovidas pela GSMA, integrando o Fórum de Fraude (GSMA Fraud Forum), desde 1998, e o Grupo de Segurança (GSM Security Group) desde GUIA REDES SOCIAIS A Sonaecom acredita que a presença da empresa nas redes sociais é essencial e reconhece a importância de os seus colaboradores, parceiros e fornecedores serem intervenientes ativos de uma sociedade de informação global. Contudo, são inúmeros os riscos que uma má utilização e gestão destas plataformas poderão causar. Nesse sentido, criámos um Guia de Utilização Responsável das Redes Sociais. Este documento tem como objetivo estabelecer um conjunto de orientações de conduta, que refletem as melhores práticas nacionais e internacionais. 30 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2011 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

17 Utilização Segura Relativamente à proteção de menores, assinámos, em 2008, juntamente com a TMN e a Vodafone Portugal, o Código de Conduta para as atividades de prestação de serviços de conteúdos, que visa a proteção de menores, no que diz respeito a conteúdos ilegais, de pornografia e/ou os designados conteúdos para adultos. Este Código está enquadrado na iniciativa European Framework for Safer Mobile Use. A European Framework for Safer Mobile Use by Younger Teenagers and Children é uma iniciativa de autorregulação da indústria de telemóveis, que apresenta recomendações para garantir que os adolescentes e as crianças podem aceder com segurança a conteúdos nos seus telemóveis. As recomendações contempladas nesta iniciativa são as seguintes: classificação de conteúdos comerciais, mecanismos de controlo de acessos, educação e sensibilização e combate aos conteúdos ilegais. Campos Eletromagnéticos Magnéticos (CEM) Até à data, existe um consenso científico que reitera a não- -existência de provas que sugiram que as estações-base e os telemóveis, quando utilizados de acordo com as diretrizes de segurança internacionais, representam ameaça para a saúde dos utilizadores. No entanto, a Sonaecom mantém-se atualizada sobre as mais recentes pesquisas relativas ao impacto dos CEM e todos os equipamentos que comercializa contêm, na sua ficha técnica, a indicação do valor referente a estas radiações. Gráfico 4: Número de esclarecimentos relacionados com CEM ( ) MONITORIZAÇÃO DAS ANTENAS DE TELECOMU- NICAÇÕES A Optimus tem em vigor um acordo com outros operadores móveis portugueses e com o Instituto de Telecomunicações, designado monit, que tem como objetivo informar o público em geral sobre os campos electromagnéticos, os limites de exposição e as medições realizadas perto das antenas. Mais informações sobre esta iniciativa podem ser encontradas em Adicionalmente, desenvolve o Plano Anual de Monitorização do ICP-ANACOM, que estipula a obrigatoriedade, entre 2008 e 2011, de fazer medições em todas as estações de comunicações instaladas no topo ou na fachada de edifícios e de os apresentar, trimestralmente, não só ao ICP-ANACOM, mas também à Direção-Geral de Saúde e às Câmaras Municipais. A Optimus tem seguido escrupulosamente o processo estabelecido. Em 2011, a Optimus concluiu o plano tendo monitorizado 100% dos sites (1.087 incluídos no plano). Neste momento, encontra-se em execução o plano de 2012 já aprovado pelo ICP-ANACOM. 3.4 MARKETING RESPONSÁVEL Para a Optimus, Marketing Responsável significa ter a preocupação de criar e disponibilizar produtos e serviços com elevados padrões de qualidade e fiabilidade, que satisfaçam as necessidades, atuais e futuras, dos nossos clientes e que sejam divulgados e comercializados de forma clara e transparente. Desta forma, acreditamos que criamos as condições necessárias para que cada Cliente consiga fazer as escolhas mais adequadas ao seu perfil, com o conhecimento necessário a uma tomada de decisão esclarecida. Pretendemos igualmente que os nossos produtos e serviços estejam em harmonia com os valores da sustentabilidade e queremos desenvolver um mercado que valorize esses mesmos valores no momento da compra. Serviço ao Cliente Um dos objetivos estratégicos da Optimus passa por liderar na satisfação e confiança dos clientes e ser reconhecida como a melhor em cada área do seu serviço. Embora ainda não tenhamos atingido a plenitude no que a esse objetivo diz respeito, temos vindo a fazer um percurso notável, pois todos os anos temos melhorado consistentemente o nosso desempenho e os índices de satisfação dos nossos clientes. Gráfico 5: Evolução da satisfação dos clientes ( ) Em 2011, desenvolvemos uma estratégia para o serviço de apoio ao Cliente que designámos Make it easier simplificar e facilitar o contacto com os nossos clientes. Esta estratégia assenta em 4 pilares: Desde 2009 que, com o objetivo de melhorar e acelerar o serviço, recolhemos informação sobre as diferentes fases de relacionamento com os clientes. A nossa prioridade nesta área, em 2011, foi reunir toda a informação numa única plataforma acessível a quem faz o atendimento. Esta mudança possibilitou uma maior eficiência e flexibilidade. Desenvolvemos um programa de escuta dos clientes que nos permitiu obter feedback relativamente aos processos com impacto negativo na satisfação dos clientes e incorporar toda a informação. Desenvolvemos uma estratégia orientada para a resolução à primeira e para reduzir a repetição de chamadas. Adicionalmente, revimos todo o processo e implementámos uma equipa de atendimento de segunda linha, capaz de resolver 99% das questões técnicas. O envolvimento dos colaboradores, de todos os níveis, com esta área crucial para o nosso negócio é fundamental e, por isso, desde 2010 que procuramos aproximá-los da realidade das operações diárias com os clientes. Os colaboradores, seja qual for a sua área de atividade ou nível funcional, são convidados a passar um dia no serviço de apoio a clientes através de um programa que denominámos Take-off. Em 2011, foram envolvidos neste programa 385 colaboradores. 32 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2011 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

18 Esta estratégia já apresentou resultados. O nível de satisfação, assim como o número de reclamações e o tempo necessário para as resolver, registaram importantes melhorias. Contact Center World 2011 A Optimus conquistou o reconhecimento internacional de Melhor Serviço ao Cliente da Europa, Médio Oriente e África, ao vencer os prémios Contact Center World 2011, atribuídos pelo Contact Center World - The Global Association for Contact Center Best Practices & Networking. Este prémio coroou o reconhecimento da Optimus, depois de lhe terem sido atribuídos vários prémios nacionais. OPTIMUS MUNDO Para dar resposta às necessidades específicas da comunidade imigrante em Portugal, que representa 5% da população, a Optimus lançou o tarifário Mundo, que inclui chamadas nacionais e internacionais. Complementarmente, criámos o voucher Minutos Mundo, que permite aos clientes Mundo efetuar facilmente carregamentos, sem recorrer ao ATM. Cada voucher possui um PIN e tem o preço de 5, que são convertidos em saldo no momento em que o Cliente ativa o PIN. Qualidade e fiabilidade do serviço A Sonaecom privilegia a qualidade do serviço que presta aos seus clientes, procurando ir ao encontro das suas necessidades, garantindo-lhes a máxima fiabilidade e disponibilidade. O aumento da penetração no mercado dos smartphones representou um desafio que implicou a revisão das configurações de rede para otimizar recursos e introduzir funcionalidades, permitindo melhorar a experiência do Cliente, nomeadamente na transmissão de dados e de voz. Esse esforço, e a qualidade dele resultante, foram mais uma vez reconhecidos pelo ICP-ANACOM no relatório anual comparativo entre as diversas operadoras. Esse relatório reconheceu a Optimus como tendo a melhor oferta global em acessibilidade 3G, retenção e qualidade de voz particularmente nos centros urbanos. No último ano, a Optimus esteve particularmente empenhada na preparação do lançamento da tecnologia avançada LTE (Long Term Evolution). Esta preparação passou pelo aumento da capacidade de transmissão, pela evolução das redes e plataformas de serviços e pela introdução de um novo pacote para suportar as novas funcionalidades de rede, que garanta que a Optimus APCC Portugal Best Awards 2011 A Optimus venceu o prémio de Melhor Serviço ao Cliente de Portugal em todas as categorias avaliadas. À Optimus Clix foi atribuído o prémio de Melhor Serviço ao Cliente na categoria Telecomunicações. NET PRO (OPTIMUS NEGÓCIOS) Em 2011, lançámos um novo produto de Internet profissional, conjugando o acesso à Internet móvel com um vasto conjunto de serviços de Internet (fax virtual, caixa de correio, alojamento, antivírus, etc.). A inovação reside na forma de subscrição desses serviços: o Cliente é redirecionado para uma página online, onde indica quais os serviços a ativar e onde fornece os dados necessários para essa ativação. Conseguimos assim uma ativação quase imediata dos serviços, sem intervenção de pessoas nem troca de documentação, ou seja, maior facilidade e maior rapidez. tem tudo a postos para fornecer a próxima geração de serviços inovadores. Em matéria de disponibilidade, o ano de 2011 registou um aumento do grau de disponibilidade do serviço a todos os níveis (móvel: 2G, 3G; fixo: ULL, TV e FTTH). Relativamente à fiabilidade, a Sonaecom possui processos de gestão de continuidade de negócio que permitem diminuir o risco de interrupção da atividade, com origem em situações de catástrofe, falhas técnico-operacionais ou falhas massivas de recursos humanos. Estes processos, desenvolvidos no âmbito do programa BCM (Business Continuity Management), abrangem as instalações, as infraestruturas e as atividades mais críticas que suportam os serviços de comunicações. Com o objetivo de prevenir e detetar potenciais pontos de falha que possam afetar a fiabilidade do serviço, desenvolvemos estratégias de continuidade para plataformas e sistemas da rede de telecomunicações, numa análise custo-benefício e tirando partido da resiliência que a tecnologia permite. No mesmo sentido, são criados regularmente planos e ações de preparação, de contingência e de gestão de crise, direcionados para atividades críticas de negócio. Durante 2011, a Optimus prosseguiu esta abordagem, destacando-se as seguintes iniciativas em diversos domínios: - Eficiência nos processos Revisão do programa BCM, de forma a refletir a evolução do portfolio de serviços da Optimus e das atividades críticas da empresa; atualização periódica dos processos de gestão de crise, incluindo procedimentos adicionais para gestão da comunicação em crise com clientes; avanço na implementação de um sistema de suporte para a informação, procedimentos e planos BCM, com o objetivo de garantir uma manutenção mais eficaz e um ciclo BCM sustentável para a organização. - Optimização tecnológica Implementação de estratégias adicionais de resiliência em plataformas e nós críticos da rede de telecomunicações, incluindo, por exemplo, os que suportam serviços multimédia por IP; evolução da solução de disaster recovery de sistemas de informação, permitindo obter alta disponibilidade aplicacional e replicação geográfica de dados para um conjunto de aplicações críticas; melhoria na robustez dos sistemas e infraestruturas técnicas de acesso aos contact centers de apoio aos clientes. - Articulação com stakeholders externos Coordenação com entidades oficiais para cenários catastróficos, segurança de infraestruturas críticas e comunicação de crise, incluindo colaboração na atualização e simulação de Planos de Proteção Civil. Gráfico 6: Disponibilidade do serviço (2011) Comunicação Responsável Profissionalismo, respeito e lealdade são os princípios de atuação das equipas Sonaecom, incorporados em todas as formas de comunicação com os nossos clientes. A Optimus desenvolve, de forma permanente, todos os esforços para assegurar o respeito e o cumprimento das disposições legais aplicáveis em matéria de marketing e publicidade, sendo associada da APAN Associação Portuguesa de Anunciantes e do ICAP Instituto Civil da Autodisciplina da Comunicação Comercial e tendo aderido ao seu Código de Conduta. O nosso objetivo é proporcionar aos clientes as informações necessárias a uma tomada de decisão esclarecida e assegurando o cumprimento escrupuloso das condições acordadas e a privacidade da informação dos clientes. Para cada tarifário é fornecida informação detalhada sobre todas as condições aplicadas nomeadamente tarifas nacionais de voz, SMS, Internet, MMS e vídeo-chamada, tarifas internacionais e tarifas de roaming, bem como condições gerais dos contratos de prestação de serviço de comunicações móveis e todos os processos, como alteração de tarifário ou portabilidade, quer no que respeita à oferta atual, quer relativamente a tarifários descontinuados. Atendendo ao volume de informação, e de forma a transmitir todos os conteúdos que possam ser relevantes para o Cliente, optámos por disponibilizá-la, de forma integral, no site e na revista de loja para os quais remetem todos os outros meios. No caso do site, e para ajudar os clientes na escolha do tarifário mais adequado, existe uma área onde, através da resposta a algumas questões relativas ao tipo de consumo, é feita uma sugestão que pode ser comparada com as restantes ofertas da Optimus. A Optimus participa também no Observatório de Tarifários do Serviço Telefónico Móvel (STM) simulador de planos tarifários desenvolvidos pelo ICP-ANACOM em colaboração com os três operadores móveis, que está disponível desde 28 de julho de Este simulador permite aos consumidores verificar e comparar, livre e interativamente, os custos de chamadas e mensagens nacionais fornecidos pelos diferentes operadores móveis. OPTIMUS POP Lançado em 2011, o Optimus POP é um tarifário discount, sem obrigatoriedade de carregamento mensal, que oferece o melhor preço do mercado. O Cliente tem a possibilidade de falar a tarifas reduzidas a partir de 5 por carregamento, e para carregamentos iguais ou superiores a 15, fala a 8 cêntimos por minuto para todas as redes. O Optimus POP aposta no preço, reduzindo o investimento em campanhas de publicidade, pontos de venda e serviços. O serviço é prestado online (gratuito) e por telefone, sem recurso a lojas, pontos de venda ou embalagens. 34 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2011 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

19 3.5 CADEIA DE FORNECIMENTO Em 2011, a Sonaecom recorreu a um menor número de fornecedores, que se mantiveram, no entanto, maioritariamente empresas nacionais. O volume de negócios com fornecedores decresceu globalmente cerca de 18%, face a 2010, evidenciando o esforço de redução de custos e uma maior eficiência ao nível das compras. De referir, ainda, que durante o ano de 2011, alterámos as condições de pagamento a fornecedores, passando estas a ser de 90 dias. Gráfico 7: Volume de negócios com fornecedores por região ( ) Seleção e Avaliação de Fornecedores A qualidade dos serviços e produtos que adquirimos é essencial para manter e melhorar a posição da Sonaecom no mercado. Por isso, temos em vigor procedimentos certificados para a seleção e avaliação de fornecedores de acordo com o Sistema de Gestão da Qualidade e Ambiente. A avaliação de fornecedores da Sonaecom é realizada anualmente. O processo ocorre no início de cada ano e, relativamente a 2011, para os parâmetros ambientais e sociais, abrangeu as 150 empresas mais significativas. A componente ambiental do Inquérito de Avaliação aos Fornecedores incorpora um conjunto de questões adaptadas às atividades dos fornecedores. Nesse sentido, foram avaliadas as seguintes: - Baterias, produtos químicos, materiais e papel de jornal; - Serviços de manutenção, limpeza, segurança e vigilância; - Gestão de imobiliário, logística, sistemas de energia e distribuição de jornal; - Gráficas, operadores de resíduos, produtos alimentares. A componente social é constituída por questões gerais aplicáveis a todos os fornecedores, questionando-os em termos de: - Desempenho e report em sustentabilidade; - Políticas de recursos humanos; - Questões éticas; - Envolvimento com a comunidade. Fornecedor Classificação Expetativas e exigências pretendidas Classe A Excelente > 80% Classe B Boa Entre 50 e 80% Classe C Medíocre < 50 ou sem resposta Em 2011, da avaliação ambiental e social dos fornecedores realçamos a redução do número de fornecedores C, cuja esmagadora maioria, 37,3%, foi assim classificada por não ter respondido ao questionário e não por ter ficado aquém das expetativas e exigências pretendidas. Destacamos também o aumento, para 56%, dos fornecedores com classificação positiva. Um dos pressupostos da avaliação é que, mediante a classificação obtida, sejam tomadas medidas relativas à continuidade da prestação de serviço. Assim, como consequência dos resultados de avaliação de 2010, realizámos 13 visitas a fornecedores. Estas visitas serviram para complementar a avaliação do desempenho desses fornecedores na vertente ambiental e social e, ao mesmo tempo, envolvê-los e sensibilizá-los para a redução dos impactos negativos, em toda a cadeia de fornecimento. Gráfico 8: Avaliação do desempenho ambiental e social dos fornecedores significativos ( ) Gráfico 9: Percentagem de fornecedores significativos avaliados ( ) Sustentabilidade na cadeia de fornecimento De modo a assegurar uma gestão responsável dos negócios na cadeia de fornecimento, a Sonaecom definiu um conjunto de princípios e diretrizes, que gostaria de ver seguidos pelos seus parceiros de negócio (fornecedores estratégicos) e fornecedores em geral: Garantir o cumprimento dos direitos humanos, requisitos laborais e ambientais; Participar ativamente na melhoria do desempenho sustentável dos seus produtos/serviços; Desenvolver ações que beneficiem a comunidade onde estão inseridos; Assegurar o cumprimento destes requisitos por parte dos seus subcontratados. Esta preocupação com a sustentabilidade da nossa cadeia de fornecimento foi o motivo da consulta que fizemos em 2011 aos Fornecedores e Parceiros. Pretendíamos saber de que forma gerem a sustentabilidade e como podemos contribuir mutuamente para um melhor desempenho. Os nossos parceiros de negócio das áreas técnicas e de equipamentos estão sensibilizados para as questões da sustentabilidade, demonstrando especial atenção à eficiência energética, à certificação dos sistemas de gestão, ao ciclo de vida dos produtos e mesmo à inovação e ao seu potencial impacto positivo no desempenho da Sonaecom. Estas preocupações são menos interiorizadas nos parceiros das áreas de marketing e comunicação. SAVE ENERGY Autonomia energética para as instalações de antenas Com o objetivo de investigar e desenvolver soluções de otimização para a autonomia energética das estações de comunicação móvel, a Optimus, em consórcio com a EFACEC e a Fraunhofer Portugal, avançou com o Projeto Save Energy, em setembro de O Save Energy foi apresentado ao QREN para financiamento e a sua candidatura foi aprovada, com um investimento elegível de No âmbito deste projeto, pretende-se em todas as instalações de antenas: - Aumentar a eficiência em termos energéticos; - Utilizar equipamentos com menor consumo energético; - Potenciar a utilização de energias renováveis de forma sustentável. Quanto aos fornecedores, selecionámos para consulta aqueles que na avaliação ambiental e social de 2010 registaram resultados menos positivos. A consulta foi realizada com base no questionário para PME Empresas Responsáveis, elaborado pela Comissão Europeia, e concluímos que as questões mais sensíveis para estas empresas são, em primeiro lugar, económicas, mas também a necessidade de garantir o pagamento a horas aos seus próprios fornecedores, assim como as questões relacionadas com o ambiente e a comunidade. No que diz respeito ao Ambiente, as questões da eficiência energética e da separação de resíduos dominam as preocupações das empresas, sendo estas as áreas nas quais existem melhores práticas, incluindo campanhas de sensibilização junto dos seus colaboradores. Quanto ao apoio à Comunidade, este traduz-se maioritariamente na preferência pela compra na comunidade local, sempre que possível e, na maioria dos casos, em território nacional. Relativamente à relação com a Sonaecom, outro dos aspetos abordados na consulta, a generalidade dos fornecedores considera-a positiva, referindo alguns deles que o facto de terem a Sonaecom como Cliente potencia a captação de outros clientes. As conclusões da consulta a Fornecedores e Parceiros de Negócio resultaram em três questões consideradas de relevo para ambas as partes: Parcerias, Negociação e Prazos de Pagamento, Legislação, Normas e Standards. Nesse sentido, até 2015, a Sonaecom desenvolverá um conjunto de princípios e políticas que servirão de base à nossa atuação para com os fornecedores e parceiros de negócio, assim como destes para com a Sonaecom. Acompanharemos, em cooperação com os nossos fornecedores e parceiros de negócio, a implementação destas práticas tendo como objetivo que no final deste 2º ciclo estratégico, as práticas de negócios de ambos sejam ainda mais responsáveis. 36 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2011 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

20 38 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2011 SONAECOM RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado Business Case 2013 AGENDA ENQUADRAMENTO COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL CLARA, RIGOROSA E TRANSPARENTE COM O MERCADO ENQUADRAMENTO Na economia

Leia mais

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA ARTIGO 1.º COMPOSIÇÃO DO CONSELHO E COMISSÕES 1. O Conselho de

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

COMISSÃO DE VENCIMENTOS DA SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA

COMISSÃO DE VENCIMENTOS DA SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA COMISSÃO DE VENCIMENTOS DA SONAE INDÚSTRIA, SGPS, SA Exmo. Senhor Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Sonae Indústria, SGPS, S.A., Lugar do Espido, Via Norte 4470-177 Maia Ponto nº 6 PROPOSTA A Comissão

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

DOSSIER DE IMPRENSA 2015

DOSSIER DE IMPRENSA 2015 DOSSIER DE IMPRENSA 2015 A Empresa A Empresa A 2VG é uma empresa tecnológica portuguesa criada em 2009, que surgiu para colmatar uma necessidade detetada no mercado das tecnologias de informação e comunicação

Leia mais

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé Política Corporativa Setembro 2012 Política de Recursos Humanos da Nestlé Autoria/Departamento Emissor Recursos Humanos Público-Alvo Todos os Colaboradores Aprovação Concelho Executivo, Nestlé S.A. Repositório

Leia mais

Corinthia Hotel Lisbon - Hotel Energeticamente Eficiente

Corinthia Hotel Lisbon - Hotel Energeticamente Eficiente Corinthia Hotel Lisbon - Hotel Energeticamente Eficiente 1 Corinthia Hotel Lisbon - Hotel Energeticamente Eficiente O Corinthia Hotel Lisbon está implementado num edifício com mais de 30 anos em que a

Leia mais

Política de Segurança da Informação da Entidade

Política de Segurança da Informação da Entidade Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Política de Segurança da Informação da Entidade Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

-AUDITORIA- PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS. A sua protecção, com os melhores especialistas.

-AUDITORIA- PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS. A sua protecção, com os melhores especialistas. -AUDITORIA- PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS A sua protecção, com os melhores especialistas. Porquê a auditoria ao tratamento de dados pessoais? A regulamentação do tratamento de dados pessoais é uma área complexa

Leia mais

Operador global centrado na sustentabilidade

Operador global centrado na sustentabilidade Operador global centrado na sustentabilidade Francisco Nunes, Administrador PT Portugal Lisboa, 8 maio 2012 CONFIDENCIAL A utilização deste documento, para quaisquer fins, sem autorização expressa da Portugal

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

Qpoint Rumo à excelência empresarial

Qpoint Rumo à excelência empresarial Qpoint Rumo à excelência empresarial primavera bss A competitividade é cada vez mais decisiva para o sucesso empresarial. A aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance dos processos organizacionais

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 PALAVRA DA DIRETORIA Apresentamos, com muito prazer, o do Grupo Galvão, que foi elaborado de maneira participativa com representantes dos colaboradores

Leia mais

Ministério d. Decreto-lei n.º

Ministério d. Decreto-lei n.º A melhoria da qualidade do ensino constitui um dos desafios centrais da política do XIX Governo Constitucional. A valorização profissional dos docentes, através de um investimento na formação contínua,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA VISÃO, MISSÃO, VALORES E PRINCÍPIOS

CÓDIGO DE CONDUTA VISÃO, MISSÃO, VALORES E PRINCÍPIOS GOdesign VISÃO, MISSÃO, VALORES E PRINCÍPIOS CÓDIGO DE CONDUTA SONAE INDÚSTRIA, SGPS,SA Lugar do Espido Via Norte Apartado 1096 4470-177 Maia Portugal T. +351 220 100 400 F. +351 220 100 436 sonaeindustria@sonaeindustria.com

Leia mais

Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas

Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas 1 Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas O lançamento do portefólio Eco veio abrandar a tendência de redução de receitas e pelo terceiro

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

IT Governance. Alinhar as Tecnologias de Informação (TI s) com o negócio! www.pwc.pt/academy

IT Governance. Alinhar as Tecnologias de Informação (TI s) com o negócio! www.pwc.pt/academy www.pwc.pt/academy IT Governance Alinhar as Tecnologias de Informação (TI s) com o negócio! PwC s Academy Formação de profissionais para profissionais IT Governance Alinhar as TI s com o negócio Os projetos

Leia mais

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Girma Agune Chefe a.i. Serviço das Competências e da Empregabilidade

Leia mais

Recomendações. www.bportugal.pt

Recomendações. www.bportugal.pt Comunicado do Banco de Portugal: Recomendações do Grupo de Trabalho sobre os Modelos e as Práticas de Governo, de Controlo e de Auditoria das Instituições Financeiras Na sequência do processo que conduziu

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente O Serviço: Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente 1- Enquadramento Avaliar a Qualidade Percecionada dos produtos e serviços e a Satisfação dos Clientes da organização

Leia mais

Política Obrigatória Fevereiro 2013. A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política Obrigatória Fevereiro 2013. A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política Obrigatória Fevereiro 2013 A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política Obrigatória Fevereiro 2013 Autor/ Departamento Segurança, Saúde e Sustentabilidade Ambiental Público-alvo

Leia mais

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal 1 Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal As alterações verificadas no comportamento dos consumidores, consequência dos novos padrões

Leia mais

COMMUNICATION ON PROGRESS

COMMUNICATION ON PROGRESS COMMUNICATION ON PROGRESS (COP) 2014 1. Declaração de Compromisso Esta é a primeira comunicação de Progresso (COP) que fazemos abrangendo o período de Dezembro de 2013 a Dezembro de 2014. Quero reforçar

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Alimentamos Resultados

Alimentamos Resultados Alimentamos Resultados www..pt Somos uma equipa que defende que cada empresa é única, tem as suas características e necessidades e por isso cada projeto é elaborado especificamente para cada cliente. Feed

Leia mais

Sustentabilidade Workshops

Sustentabilidade Workshops www.pwc.pt/academy Workshops PwC s Academy Portefólio de soluções formativas de profissionais para profissionais Workshops As empresas do futuro devem ser capazes de garantir a gestão dos seus pilares

Leia mais

Auditoria interna Especialização PwC

Auditoria interna Especialização PwC www.pwc.pt/academy Especialização PwC PwC s Academy Formação de profissionais para profissionais Especialização PwC Este curso com uma forte componente prática, procura dotar os recursos afetos à função

Leia mais

NOTA ÀS PROPOSTAS CONJUNTAS APRESENTADAS PELO PSD E PELO CDS NO APOIO À FAMÍLIA, À CRIANÇA E À NATALIDADE

NOTA ÀS PROPOSTAS CONJUNTAS APRESENTADAS PELO PSD E PELO CDS NO APOIO À FAMÍLIA, À CRIANÇA E À NATALIDADE NOTA ÀS PROPOSTAS CONJUNTAS APRESENTADAS PELO PSD E PELO CDS NO APOIO À FAMÍLIA, À CRIANÇA E À NATALIDADE A APFN assinala como muito positivo o reconhecimento de que só um conjunto de políticas de família

Leia mais

7ª Edição da Semana da Responsabilidade Social

7ª Edição da Semana da Responsabilidade Social 7ª Edição da Semana da Responsabilidade Social Mudança e inovação para novos estilos de vida Exemplos da aplicação dos 10 princípios pelos membros do GCNP - O caso do Ritz Four Seasons Hotel Lisboa - Menú

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt PT: 00351 217 931 365 AO: 00244 94 112 60 90 MZ: 00258 821 099 522

www.highskills.pt geral@highskills.pt PT: 00351 217 931 365 AO: 00244 94 112 60 90 MZ: 00258 821 099 522 Apresentação... 3 Como Empresa... 3 A nossa Visão... 3 A nossa Missão - A SUA VALORIZAÇÃO, A NOSSA MISSÃO!... 3 Os nossos Valores... 3 Porquê fazer um Curso de Especialização?... 4 Formação Certificada...

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projetos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projetos em que estão envolvidos, interagindo na otimização dos

Leia mais

Ecorkhotel Évora, Suites & SPA

Ecorkhotel Évora, Suites & SPA 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa O Ecorkhotel Évora, Suítes & SPA (Ecorkhotel) surge como uma unidade hoteleira com um conceito inovador e uma arquitetura e construção únicas a

Leia mais

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA APRESENTAÇÃO Este é o Código de Conduta da Net Serviços de Comunicação S.A. e de suas controladas ( NET ). A NET instituiu este Código de Conduta norteado

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Política de Privacidade da Fieldglass

Política de Privacidade da Fieldglass Política de Privacidade da Fieldglass Histórico de revisão Histórico de revisão do documento Revisão Data Resumo de alterações Autor(es) 1 Fevereiro de 2014 Política de privacidade alinhada com padrões

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

RELATÓRIO DA AUDIÊNCIA PRÉVIA DOS INTERESSADOS. Sobre o Projeto de Decisão relativo à INFORMAÇÃO SOBRE COBERTURA, QUALIDADE DE SERVIÇO

RELATÓRIO DA AUDIÊNCIA PRÉVIA DOS INTERESSADOS. Sobre o Projeto de Decisão relativo à INFORMAÇÃO SOBRE COBERTURA, QUALIDADE DE SERVIÇO RELATÓRIO DA AUDIÊNCIA PRÉVIA DOS INTERESSADOS Sobre o Projeto de Decisão relativo à INFORMAÇÃO SOBRE COBERTURA, QUALIDADE DE SERVIÇO E POLÍTICA DE PARTILHA DE SITES, A REMETER AO ICP-ANACOM PELAS EMPRESAS

Leia mais

Projeto de reflexão, investigação e debate: O investimento das empresas na comunidade

Projeto de reflexão, investigação e debate: O investimento das empresas na comunidade Projeto de reflexão, investigação e debate: O investimento das empresas na comunidade Edição 2011 Uma iniciativa desenvolvida com o apoio da Caixa Geral de Depósitos, da Fidelidade Mundial e da Império

Leia mais

WORKSHOP EQUALITY PAYS OFF (A Igualdade Compensa)

WORKSHOP EQUALITY PAYS OFF (A Igualdade Compensa) WORKSHOP EQUALITY PAYS OFF (A Igualdade Compensa) Atrair e manter o talento feminino de topo Data: 24 de setembro 2013 Local: Representação da Comissão Europeia em Portugal Largo Jean-Monnet 1, 10ª 1269-068

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Assembleia Geral de Accionistas de 30 de Março de 2012

Assembleia Geral de Accionistas de 30 de Março de 2012 Assembleia Geral de Accionistas de 30 de Março de 2012 Assembleia Geral de Accionistas da Sonae Capital, SGPS, S.A., reuniu no dia 30 de Março de 2012, pelas 11:00, no Lugar do Espido, Via Norte, na Maia,

Leia mais

As cores utilizadas - Branco, Azul e Amarelo - pretendem passar uma imagem de doação, de dignidade humana e solidariedade.

As cores utilizadas - Branco, Azul e Amarelo - pretendem passar uma imagem de doação, de dignidade humana e solidariedade. Código de Conduta Código de Conduta O nosso Símbolo Um desafio permanente O símbolo da Fundação CEBI, criado em 1993 por altura do seu 25º Aniversário, procura transmitir a imagem da natureza da sua intervenção

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2015 Quem é a 2VG? A Empresa A 2VG Soluções Informáticas SA., é uma empresa tecnológica portuguesa, fundada em 2009, que surgiu para colmatar uma necessidade detetada no mercado

Leia mais

PUB. Interface. Banca &Seguros

PUB. Interface. Banca &Seguros Interface Banca &Seguros PUB DOSSIER Marketing Bancário: focos em tempo de crise RADAR Sistema financeiro no triângulo estratégico DOSSIER Tecnologias de informação e gestão de fraude Tendências Mobilidade

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA EDP somos o que fazemos

CÓDIGO DE ÉTICA EDP somos o que fazemos CÓDIGO DE ÉTICA EDP somos o que fazemos CÓDIGO DE ÉTICA EDP Mensagem do Presidente - 2 - CÓDIGO DE ÉTICA EDP É minha convicção que o sucesso da EDP se fundamenta nas relações de confiança que, ao longo

Leia mais

Introdução. O Júri seleccionará cinco organizações para cada uma das seguintes categorias:

Introdução. O Júri seleccionará cinco organizações para cada uma das seguintes categorias: REGULAMENTO Introdução O Prémio Healthy Workplaces - Locais de Trabalho Saudáveis pretende reconhecer e distinguir as organizações portuguesas com contributos notáveis e inovadores para a segurança, o

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta visa dar a conhecer de forma inequívoca aos colaboradores, clientes, entidades públicas, fornecedores e, de uma forma geral, a toda a comunidade os valores preconizados, vividos e exigidos pela empresa,

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT 1 Janeiro de 2014 a 31 de Dezembro de 2014 Construir um mundo melhor começa num Sonho. Quem sonha, partilha o sonho e envolve os outros para agirem. E como diz o poeta a obra nasce! 2 Índice 1. Introdução

Leia mais

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015. - 30 de dezembro de 2014 -

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015. - 30 de dezembro de 2014 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015-30 de dezembro de 2014 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015 Em cumprimento do disposto no n.º 3 do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo Construindo um RH estratégico para hoje e para o futuro ado o crescente foco executivo no capital humano, o RH tem uma oportunidade sem precedentes de se posicionar como um verdadeiro parceiro estratégico

Leia mais

O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público.

O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público. 7ª edição Prémio Boas Práticas no Sector Público O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público. Aconselhamos a sua leitura antes de iniciar o processo

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Instituto Português de Corporate Governance Auditório Victoria 27 de novembro 2013 Ana de Sá Leal economista Abordagem 1. Responsabilidade Social 2. Dimensão 3. Criar Valor 4. Outro

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objetivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social e Ação Social 6 Meta 2: Cooperação e Ação Humanitária 7 Meta 3: Educação para o

Leia mais

Comentários da Direção-Geral do Consumidor

Comentários da Direção-Geral do Consumidor Consulta Pública da ANACOM relativa às Opções no âmbito da revisão da deliberação relativa às linhas de orientação sobre o conteúdo mínimo a incluir nos contratos para a prestação dos serviços de comunicações

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

RESPONSABILIDADE CORPORATIVA DESEMPENHO POR PAÍS PORTUGAL

RESPONSABILIDADE CORPORATIVA DESEMPENHO POR PAÍS PORTUGAL 2008 RESPONSABILIDADE CORPORATIVA DESEMPENHO POR PAÍS PORTUGAL Sonae Sierra em Portugal A Sonae Sierra é a especialista internacional em centros comerciais, apaixonada por introduzir inovação e emoção

Leia mais

Portugal Brasil Moçambique Polónia

Portugal Brasil Moçambique Polónia www.promover.pt www.greatteam.pt Portugal Brasil Moçambique Polónia QUEM SOMOS - Prestamos serviços técnicos de consultoria de gestão e formação nos diversos setores da economia. - Presentes em Lisboa,

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

Conferência Privacidade, Inovação e Internet. 22 de maio de 2013 Sala 2 da Culturgest

Conferência Privacidade, Inovação e Internet. 22 de maio de 2013 Sala 2 da Culturgest Conferência Privacidade, Inovação e Internet 22 de maio de 2013 Sala 2 da Culturgest Com a Colaboração Patrocinadores Globais APDSI Privacidade, Inovação e Internet Enquadramento Nacional e Europeu sobre

Leia mais

Open Doors A SHL Portugal abre as portas às Organizações

Open Doors A SHL Portugal abre as portas às Organizações Open Doors A SHL Portugal abre as portas às Organizações Lisboa, 25 de maio de 2011 People Intelligence. Business Results. 1 2011 SHL Group Limited www.shl.com Gestão Integrada do Talento People Intelligence.

Leia mais

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet)

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet) S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES (canal internet) Março 2012 Índice 1 ENQUADRAMENTO...5 2 INTRODUÇÃO... 6 3 IDENTIFICAÇÃO E

Leia mais

Missão UP Unidos pelo Planeta

Missão UP Unidos pelo Planeta Missão UP Unidos pelo Planeta 1 Missão UP Unidos pelo Planeta A Galp Energia pretende contribuir para uma mudança dos comportamentos relacionados com a eficiência no consumo de energia, através de um projeto

Leia mais

CONHEÇA-NOS MELHOR. 2015 ASIDE - Consultoria e Formação. Todos os direitos reservados.

CONHEÇA-NOS MELHOR. 2015 ASIDE - Consultoria e Formação. Todos os direitos reservados. CONHEÇA-NOS MELHOR 2015 ASIDE - Consultoria e Formação. Todos os direitos reservados. Saber Ser Saber Fazer Saber Saber Saber Partilhar Saber Comunicar 02 www.aside.pt Saber Ser Saber Ser Sobre Nós Com

Leia mais

FICHA NEGÓCIOS Vendas OnLine

FICHA NEGÓCIOS Vendas OnLine Vendas OnLine Nesta Ficha Negócios pretende-se reunir um conjunto de informação útil e pertinente para apoio do desenvolvimento desta atividade. GDEE Setembro 2015 Área de Negócio: Vendas On-line Índice

Leia mais

DIÁLOGO COM OS STAKEHOLDERS

DIÁLOGO COM OS STAKEHOLDERS DIÁLOGO COM OS STAKEHOLDERS GESTÃO DA RELAÇÃO A incorporação formal da gestão da relação com os Stakeholders no modelo organizacional do Banco iniciou-se em 2005, assumindo uma abrangência transversal,

Leia mais

ROCK IN RIO LISBOA 2014. Princípios de desenvolvimento sustentável Declaração de propósitos e valores Política de Sustentabilidade do evento

ROCK IN RIO LISBOA 2014. Princípios de desenvolvimento sustentável Declaração de propósitos e valores Política de Sustentabilidade do evento ROCK IN RIO LISBOA 2014 Princípios de desenvolvimento sustentável Declaração de propósitos e valores Política de Sustentabilidade do evento PRINCÍPIOS O Sistema de Gestão da Sustentabilidade é baseado

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Regulamento de Funcionamento

Regulamento de Funcionamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. PEDRO DO SUL Avaliação de Desempenho Pessoal não Docente Regulamento de Funcionamento Regulamento da Avaliação de Desempenho do Pessoal não Docente do Agrupamento de Escolas

Leia mais

Case study. LX Sustentável BLOGUE SOBRE SUSTENTABILIDADE URBANA EMPRESA

Case study. LX Sustentável BLOGUE SOBRE SUSTENTABILIDADE URBANA EMPRESA Case study 2010 LX Sustentável BLOGUE SOBRE SUSTENTABILIDADE URBANA EMPRESA A Siemens está em Portugal há 105 anos, sendo líder nos seus sectores de Indústria, Energia e Saúde. Com cerca de 2 mil colaboradores,

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 42 2015 13 INVESTIMENTOS NA ÁREA DOS EQUIPAMENTOS SOCIAIS E DA SAÚDE

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 42 2015 13 INVESTIMENTOS NA ÁREA DOS EQUIPAMENTOS SOCIAIS E DA SAÚDE AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 42 2015 13 INVESTIMENTOS NA ÁREA DOS EQUIPAMENTOS SOCIAIS E DA SAÚDE INVESTIMENTOS NA ÁREA DA SAÚDE DOMÍNIO DA INCLUSÃO SOCIAL E EMPREGO

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DA CMVM N.º 4/2015. ALTERAÇÃO PONTUAL AO CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM 23 de julho de 2015

PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DA CMVM N.º 4/2015. ALTERAÇÃO PONTUAL AO CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM 23 de julho de 2015 PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DA CMVM N.º 4/2015 ALTERAÇÃO PONTUAL AO CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM 23 de julho de 2015 1. OBJETO DA CONSULTA A CMVM tem um compromisso com o mercado de revisão

Leia mais

O que é a Responsabilidade Social Empresarial?

O que é a Responsabilidade Social Empresarial? O que é a Responsabilidade Social Empresarial? 1.5. Campos de acção da RSE Resumo O mundo dos negócios é extremamente heterogéneo. Assim as diferentes abordagens e estratégias sobre responsabilidade compromisso

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

w w w. y e l l o w s c i r e. p t

w w w. y e l l o w s c i r e. p t consultoria e soluções informáticas w w w. y e l l o w s c i r e. p t A YellowScire iniciou a sua atividade em Janeiro de 2003, é uma empresa de consultoria de gestão e de desenvolvimento em tecnologias

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

2012 Relatório sobre As Práticas de Avaliação e Gestão do Desempenho em Portugal

2012 Relatório sobre As Práticas de Avaliação e Gestão do Desempenho em Portugal 2012 Relatório sobre As Práticas de Avaliação e Gestão do Desempenho em Portugal ÍNDICE Agradecimentos...2 Introdução...3 Parte 1 Síntese das principais conclusões e comparação com os resultados obtidos

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS

CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS MENSAGEM DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Caros Colaboradores, A missão de Jerónimo Martins é promover a eficiência em todas as suas áreas de negócio,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO da DISCIPLINA de TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES Desenvolvimento

Leia mais

ControlVet Segurança Alimentar, SA.

ControlVet Segurança Alimentar, SA. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A ControlVet Segurança Alimentar, S.A. é uma empresa de referência nacional na prestação de serviços de segurança alimentar, em franca expansão

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

INTERNACIONALIZAR PARA A COLÔMBIA ESTUDO DE MERCADO

INTERNACIONALIZAR PARA A COLÔMBIA ESTUDO DE MERCADO INTERNACIONALIZAR PARA A COLÔMBIA ESTUDO DE MERCADO SETEMBRO 2014 2 INTERNACIONALIZAR PARA A COLÔMBIA ESTUDO DE MERCADO BRANDSTORY, LDA SETEMBRO 2014 FICHA TÉCNICA Brandstory, Unipessoal Lda Coordenadora

Leia mais

Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013

Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013 Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013 AULAS PREVISTAS (50 minutos) 1.- Conhecimento e utilização adequada e segura de diferentes tipos de ferramentas de comunicação,

Leia mais

Código de Conduta para as Estatísticas Europeias

Código de Conduta para as Estatísticas Europeias Código de Conduta para as Estatísticas Europeias Adotado pelo Comité do Sistema Estatístico Europeu em 28 de setembro de 2011 Tradução realizada pelo INE, IP Preâmbulo Visão do Sistema Estatístico Europeu

Leia mais