Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 13, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página 1 de 14

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 13, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página 1 de 14"

Transcrição

1 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página de 4 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS. Em muitos setores oligopolísticos, as mesmas empresas concorrem entre si durante muito tempo, determinando o preço e observando mutuamente seus comportamentos repetidas vezes. Dado que o número de repetições é grande, por que os resultados de conluio não ocorrem com maior freqüência? Se os jogos forem repetidos indefinidamente e os participantes conhecerem todos os possíveis payoffs, seu comportamento racional leva a resultados aparentemente de conluio, isto é, os mesmos resultados que seriam obtidos se as empresas estivessem ativamente praticando o conluio. Entretanto, é possível que nem todos os payoffs sejam conhecidos por todos os participantes. Algumas vezes, os payoffs das outras empresas podem ser conhecidos apenas mediante um amplo (e custoso) intercâmbio de informações ou por meio de um movimento e da observação, posterior, das reações da oponente. Além disso, o conluio bem-sucedido encoraja a entrada no mercado. Mas talvez a maior dificuldade para a manutenção de um resultado de conluio esteja relacionada ao fato de que as variações nas condições do mercado alteram o preço e a quantidade de conluio. As empresas devem, então, alterar seus acordos sobre preços e quantidades repetidamente, o que é custoso e, também, aumenta a capacidade de uma empresa burlar o acordo sem ser descoberta.. Muitos setores costumam sofrer de excesso de capacidade produtiva, pois suas empresas realizam, simultaneamente, significativos investimentos na expansão da capacidade de produção, de modo que tal capacidade acaba excedendo, em muito, a demanda. Isso não ocorre apenas em setores nos quais a demanda é altamente volátil e imprevisível, mas também em setores com demanda razoavelmente estável. Quais fatores conduzem ao excesso de capacidade instalada? Explique de forma sucinta. No capítulo, vimos que o excesso de capacidade produtiva pode surgir em setores que apresentam facilidade de entrada e produtos diferenciados. No modelo de concorrência monopolística, as curvas de demanda com inclinação descendente de cada uma das empresas conduzem a níveis de produção com custo médio acima do custo médio mínimo. A diferença entre o nível de produção resultante e o nível de produção com custo médio mínimo a longo prazo é definido como excesso de capacidade. Neste capítulo, vimos que o excesso de capacidade poderia ser usado para impedir novas entradas no setor; ou seja, investimentos na expansão da capacidade poderia convencer os concorrentes potenciais de que sua entrada não seria lucrativa. (Observe que, embora as ameaças de expansão da capacidade possam impedir a entrada, elas devem ser críveis.) 3. Duas empresas fabricantes de computadores, A e B, estão planejando comercializar sistemas de rede para o gerenciamento de informações corporativas. Cada empresa pode desenvolver tanto um sistema rápido de alta qualidade (A) como um sistema mais lento e de baixa qualidade (B). Uma pesquisa de mercado indicou que os lucros de cada empresa resultantes de cada estratégia alternativa são aqueles que se encontram na seguinte matriz de payoff:

2 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página de 4 H Empresa B L Empresa A H 30, 30 50, 35 L 40, 60 0, 0 a. Se ambas as empresas tomarem suas decisões simultaneamente e empregarem estratégias maximin (de baixo risco), qual deverá ser o resultado? Com uma estratégia maximin, uma empresa determina o pior resultado para cada escolha, depois escolhe a opção que maximiza o payoff dentre os piores resultados. Se a empresa A escolher H, o pior payoff ocorreria se a empresa B escolhesse H: O payoff de A seria 30. Se a empresa A escolhesse L, o pior payoff ocorreria se a empresa B escolhesse L: O payoff de A seria 0. Com uma estratégia maximin, A, então, escolhe H. Se a empresa B escolhesse L, o pior payoff ocorreria se a empresa A escolhesse L: o payoff seria 0. Se a empresa B escolhesse H, o pior payoff, 30, ocorreria se a empresa A escolhesse L. Com uma estratégia maximin, B, então, escolhe H. Logo, sob uma estratégia maximin, tanto A quanto B produzem um sistema de alta qualidade. b. Suponha que as duas companhias procurem maximizar os lucros, mas que a Empresa A esteja mais avançada nas atividades de planejamento e, portanto, seja capaz de se mover primeiro. Qual é, agora, o resultado mais provável? Qual seria o resulado se a Empresa B estivesse mais avançada nas atividades de planejamento e fosse capaz de se mover primeiro? Se a empresa A puder se mover primeiro, ela escolherá H, porque ela sabe que a empresa B, racionalmente, escolherá L, dado que L proporciona um payoff mais elevado relativamente a B (35 contra 30). Isso dá à empresa A um payoff de 50. Se a empresa B puder se mover primeiro, ela escolherá H, porque sabe que a empresa A escolherá, racionalmente, L, dado que L proporciona um payoff mais elevado relativamente a A (40 contra 30). Isso dá à empresa B um payoff de 60. c. A obtenção de uma vantagem nas atividades de planejamento custa dinheiro (pois é necessário organizar uma grande equipe de engenharia). Considere um jogo em duas etapas, no qual, em primeiro lugar, cada uma das empresas deve decidir o valor a ser investido para acelerar suas atividades de planejamento e, em segundo lugar, cada uma delas deve anunciar qual produto (A ou B) produzirá. Qual das duas empresas investirá mais para acelerar seu planejamento? Quanto ela investirá? A outra empresa deveria fazer algum investimento para acelerar seu planejamento? Explique. Neste jogo, há uma vantagem em ser o primeiro a se mover. Se A se mover primeiro, seu lucro será de 50. Se ela se mover depois da rival, seu lucro será de 40, uma diferença de 0. Assim sendo, a empresa A estaria disposta a gastar até 0 pela opção de anunciar primeiro. Por outro lado, se B se mover primeiro, seu lucro será de 60. Se ela se mover depois, seu lucro será de 35, uma diferença de 5 e, assim, estaria disposta a gastar até 5 pela opção de anunciar primeiro. Uma vez que a empresa A percebe que a B está disposta a gastar mais na opção de anunciar primeiro, então, o valor da opção diminui para a empresa A, pois se ambas as empresas investissem, ambas escolheriam produzir o sistema de alta qualidade. Portanto, a empresa A não

3 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página 3 de 4 deveria gastar nenhum dinheiro para acelerar o lançamento de seu produto se ela acreditasse que a empresa B estivesse gastando. Entretanto, se a empresa B perceber que A não pretende investir para acelerar seu planejamento, ela deveria apenas gastar a quantia suficiente para desencorajar a empresa A a se dedicar à pesquisa e ao desenvolvimento, o que seria uma quantia ligeiramente maior do que 0 (a quantia máxima que A estaria disposta a gastar). 4. Duas empresas operam no mercado de chocolate, podendo optar entre produzir um chocolate de alta qualidade (A) ou um chocolate de baixa qualidade (B). Os lucros resultantes de cada estratégia encontram-se apresentados na matriz de payoff a seguir: Empresa Baixa Alta Empresa Baixa -0, , 600 Alta 00, , 50 a. Quais resultados (se houver) são equilíbrios de Nash? Um equilíbrio de Nash existe quando nenhuma das partes possui incentivo para mudar sua estratégia, dada a estratégia da outra parte. Se a Empresa escolher produzir um chocolate de Baixa qualidade e a Empresa escolher produzir um chocolate de Alta qualidade, nenhuma terá incentivo para mudar (00 > -0 para a Empresa e 800 > 50 para a Empresa ). Se a Empresa escolher Alta qualidade e a Empresa escolher Baixa, nenhuma das duas terá incentivo para mudar (900 > 50 para a Empresa e 600 > -30 para a Empresa ). Ambos os resultados são equilíbrios de Nash. Se ambas as empresas escolherem produzir um chocolate de baixa qualidade, não haverá equilíbrio de Nash porque, por exemplo, se a Empresa escolher Baixa qualidade, então, a empresa estará em melhor situação mudando sua opção para Alta qualidade, dado que 600 é maior do que -30. b. Se os administradores de ambas as empresas forem pessoas conservadoras e empregarem estratégias maximin, qual será o resultado? Se a Empresa escolhesse produzir um chocolate de Baixa qualidade, seu pior payoff, -0, ocorreria se a Empresa escolhesse Baixa qualidade. Se a Empresa escolhesse Alta qualidade, seu pior payoff, 50, ocorreria se a Empresa escolhesse Alta. Portanto, com uma estratégia maximin conservadora, a Empresa escolherá Alta qualidade. Similarmente, se a Empresa escolhesse Baixa, seu pior payoff, -30, ocorreria se a Empresa escolhesse Baixa. Se a Empresa escolhesse Alta, seu pior payoff, 50, ocorreria se a Empresa escolhesse Alta. Portanto, com uma estratégia maximin, a Empresa escolherá Alta. Assim sendo, ambas as empresas escolherão Alta, gerando um payoff de 50 para ambas. c. Qual é o resultado cooperativo? O resultado cooperativo maximizaria os payoffs conjuntos. Isso ocorreria se a Empresa produzisse chocolates de baixa qualidade e Empresa ficasse com o segmento de alta qualidade. O payoff conjunto é.500 (A Empresa obtém 900 e a Empresa obtém 600). d. Qual das duas empresas seria mais beneficiada em decorrência de um resultado

4 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página 4 de 4 cooperativo? Quanto esta empresa estaria disposta a oferecer a outra para persuadi-la a entrar em conluio? A Empresa seria mais beneficiada em decorrência da cooperação. A diferença entre seu melhor payoff sob cooperação e o segundo melhor payoff é de = 800. Para persuadir a Empresa a escolher a melhor opção da Empresa, esta deve oferecer, ao menos, a diferença entre o payoff da Empresa sob cooperação, 600, e seu melhor payoff, 800, isto é, 00. Entretanto, a Empresa percebe que a Empresa se beneficia muito mais da cooperação e deve tentar extrair o máximo que puder da Empresa (até 800). 5. Duas importantes emissoras estão concorrendo entre si para obter índices de audiência no horário entre 0 e horas e entre e horas em uma determinada noite na semana. Cada uma delas, preparando-se para a disputa, conta com dois programas para preencher esse horário. Elas poderão veicular seu programa principal no primeiro horário (0-h) ou no segundo horário (-h). As possíveis combinações de decisões levam aos seguintes resultados em termos de pontos de audiência : Emissora Primeiro Horário Segundo Horário Emissora Primeiro Horário Segundo Horário 8, 8 3, 0 4, 3 6, 6 a. Encontre o equilíbrio de Nash desse jogo supondo que ambas as emissoras tomem suas decisões simultaneamente. Um equilíbrio de Nash existe quando nenhuma das partes possui incentivo para mudar sua estratégia, dada a estratégia da outra parte. Analisando cada uma das quatro combinações, vemos que (Primeiro Horário, Segundo Horário) é o único equilíbrio de Nash, gerando um payoff de (3, 0). Não há incentivo para nenhuma das partes mudar. Se escolhermos Segundo Horário para a Empresa e Primeiro Horário para a Empresa, a Empresa terá um incentivo para mudar para Primeiro Horário, de modo que a melhor estratégia para a Empresa será Segundo Horário. b. Se as duas empresas forem avessas a risco e decidirem empregar uma estratégia maximin, qual será o equilíbrio resultante? Essa estratégia conservadora de minimizar a perda máxima se concentra em limitar o prejuízo do pior resultado possível, ainda que isso signifique excluir possíveis bons resultados. Se a Emissora veicular no Primeiro Horário, o pior payoff será de 8. Se a Emissora veicular no Segundo Horário, o pior payoff será de 4. Sob a estratégia maximin, a Emissora veicula primeiro. (Aqui, veicular no Primeiro Horário é uma estratégia dominante.) Se a Emissora veicular no Primeiro Horário, o pior payoff será de 8. Se a Emissora veicular no Segundo Horário, o pior payoff será de 6. Sob uma estratégia maximin, a Emissora veicula no Primeiro Horário. O equilíbrio maximin é (Primeiro Horário, Primeiro Horário) com um payoff de (8,8). c. Qual será o resultado se a Emissora fizer sua escolha antes da concorrente? E se a Emissora fizer sua escolha antes?

5 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página 5 de 4 Se a Emissora veicular no Primeiro Horário, a Emissora veiculará no Segundo Horário, gerando 3 para a Emissora. Se a Emissora veicular no Segundo Horário, a Emissora veiculará no Primeiro Horário, gerando 4 para a Emissora. Portanto, se a Emissora se mover primeiro, ela veiculará no Primeiro Horário e o equilíbrio resultante será (Primeiro Horário, Segundo Horário). Se a Emissora veicular no Primeiro Horário, a Emissora veiculará no Primeiro Horário, gerando 8 para a Emissora. Se a Emissora veicular no Segundo Horário, a Emissora veiculará no Primeiro Horário, gerando 0 para a Emissora. Se esta se mover primeiro, a Emissora veiculará no Segundo Horário, e o equilíbrio será, novamente, (Primeiro Horário, Segundo Horário). d. Suponha que os administradores das duas empresas se reunam para coordenar suas programações e a Emissora prometa apresentar seu programa principal no primeiro horário. Essa promessa é crível? Qual é o resultado mais provável? A promessa feita por uma empresa é crível quando esta não possui incentivo para mudar de estratégia. A Emissora possui uma estratégia dominante: apresentar seu programa principal no Primeiro Horário. Neste caso, a promessa de apresentar seu programa principal no primeiro horário é crível. Sabendo disso, a Emissora apresentará o seu programa principal no Segundo Horário. O resultado coordenado tende a ser (Primeiro Horário, Segundo Horário). 6. Duas empresas concorrentes estão planejando introduzir um novo produto no mercado. Cada empresa deve decidir entre produzir o Produto A, o Produto B ou o Produto C. As empresas devem tomar sua decisão simultaneamente. A matriz de payoff resultante é apresentada a seguir. Empresa A B C A -0,-0 0,0 0,0 Empresa B 0,0-0,-0-5,5 C 0,0 5,-5-30,-30 a. Há algum equilíbrio de Nash em estratégias puras? Se houver, quais são eles? Há dois equilíbrios de Nash em estratégias puras. Em ambos os casos, uma empresa introduz o Produto A e a outra introduz o Produto C. Podemos representar essas combinações de estratégias como (A, C) e (C, A), onde a primeira estratégia refere-se ao jogador. O payoff dessas estratégias é, respectivamente, (0,0) e (0,0). b. Se ambas as empresas usarem estratégias maximin, qual será o resultado? Lembre que o objetivo das estratégias maximin é maximizar o payoff mínimo dos jogadores. Para ambos os jogadores, a estratégia que maximiza o payoff mínimo é A. Logo, (A,A) é o resultado de equilíbrio, com payoffs (-0,-0). Em ambos os casos, o bem-estar dos jogadores é muito inferior ao resultado obtido a partir de cada equilíbrio de Nash em estratégias puras.. c. Se a Empresa usa uma estratégia maximin e a Empresa sabe disso, o que a Empresa deverá fazer?

6 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página 6 de 4 Se a EMPRESA usar a sua estratégia maximin, A, e a EMPRESA souber disso, a melhor estratégia para a EMPRESA será C. Vale observar que, quando a EMPRESA se comporta de forma conservadora, o equilíbrio de Nash resultante confere à EMPRESA maior payoff do que no outro equilíbrio de Nash desse jogo. 7. Podemos pensar nas políticas comerciais dos EUA e do Japão como um dilema dos prisioneiros. Os dois países estão considerando a possibilidade de adotar medidas econômicas que abram ou fechem seus respectivos mercados à importação. Suponha que a matriz de payoff seja a seguinte: Japão Abrir Fechar Abrir 0, 0 5, 5 EUA Fechar -00, 5, a. Suponha que cada país conheça essa matriz de payoff e acredite que o outro atuará conforme seus próprios interesses. Algum dos dois países tem uma estratégia dominante? Quais serão as estratégias de equilíbrio se cada país agir racionalmente visando maximizar seu próprio bem-estar? A opção de Abrir (o mercado) é uma estratégia dominante para ambos os países. Quando o Japão escolhe Abrir, a melhor estratégia para os EUA é Abrir; e, quando o Japão escolhe Fechar, a melhor estratégia para os EUA também é Abrir. Logo, a melhor estratégia para os EUA é Abrir, independente do que o Japão faça. Analogamente, a melhor estratégia para o Japão é Abrir, independente da escolha dos EUA. Consequentemente, no equilíbrio ambos os países optarão por políticas que abram seus mercados. b. Suponha, agora, que o Japão não esteja seguro de que os EUA agirão racionalmente. Em particular, o Japão estaria preocupado com a possibilidade de que os políticos norteamericanos estejam dispostos a penalizá-lo, mesmo que tal atitude não maximize o bemestar dos EUA. De que maneira isso poderia alterar o equilíbrio? A irracionalidade dos políticos norte-americanos poderia mudar o equilíbrio para (Fechar, Abrir). Se os EUA desejarem penalizar o Japão, eles deverão optar por Fechar, enquanto que a estratégia do Japão não será afetada, pois Abrir continua sendo sua estratégia dominante. 8. Você é um produtor duopolista de uma mercadoria homogênea. Tanto você quanto seu concorrente possuem custo marginal igual a zero. A curva de demanda do mercado é obtida por meio de P = 30 - Q onde Q = Q + Q. Q é a sua produção e Q é a produção de seu concorrente. Seu concorrente também já leu este livro. a. Suponha que você fosse jogar essa partida apenas uma vez. Se você e seu concorrente tivessem de anunciar simultaneamente seus respectivos níveis de produção, quanto você optaria por produzir? Quanto você esperaria que fosse seu lucro? Explique. Abaixo estão apresentadas algumas das células da matriz de payoff:

7 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página 7 de 4 Produção da Empresa Produção da Empresa ,0 0,5 0,00 0,5 0,00 0,5 0,0 5 5,0 00,00 75,50 50,50 5,00 0,0 0,0 0 00,0 50,75 00,00 50,75 0,0 0,0 0,0 5 5,0 00,50 75,50 0,0 0,0 0,0 0,0 0 00,0 00,5 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 5 5,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 30 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Supondo que as empresas anunciem seus níveis de produção simultaneamente, que ambas acreditem que a outra é racional, e que cada empresa considere fixa a produção da rival, teremos um equilíbrio de Cournot. Para a Empresa, a receita total será RT = (30 - (Q + Q ))Q, ou RT = 30 Q - Q - Q Q.. A receita marginal da Empresa é a derivada da receita total com relação a Q, RT Q = 30 Q Q Dado que as empresas se deparam com curvas de demanda idênticas, a solução para a Empresa será simétrica à solução da Empresa : RT = 30 Q Q Q O nível de produção ótimo de cada empresa pode ser calculado igualando-se a receita marginal ao custo marginal, que é igual a zero: Q Q = 5 e Q Q = 5. A partir desse sistema de duas equações e duas incógnitas, podemos resolver para Q e Q : Por simetria, Q = 0. Q =5 0.5 ( ) 5 Q, ou Q = 0. Inserindo os valores de Q e Q na equação de demanda, podemos determinar o preço: P = 30 - (0 + 0), ou P = $0. Dado que os custos são zero, o lucro de cada empresa será igual à receita total: π = RT = (0)(0) = $00 e π = RT = (0)(0) = $00.

8 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página 8 de 4 Logo, no equilíbrio ambas as empresas produzem 0 unidades e auferem $00. Observe, na matriz de payoff acima, que o resultado (00, 00) é realmente um equilíbrio de Nash, pois nenhuma das empresas tem incentivo a desviar dessa estratégia, dada a escolha da rival. b. Suponha que você tenha sido informado de que terá que anunciar seu nível de produção antes do concorrente. Nesse caso, quanto optará por produzir e quanto pensa que seu concorrente produzirá? Qual lucro espera obter? Anunciar a produção em primeiro lugar seria uma vantagem ou uma desvantagem? Explique de forma sucinta. Quanto você estaria disposto a pagar para poder fazer seu anúncio em primeiro ou em segundo lugar? Se você deve anunciar seu nível de produção antes do concorrente, a melhor estratégia é escolher uma produção de 5 unidades, o que implicará uma produção de 7,5 unidades por parte do concorrente. (Observação: este é o equilíbrio de Stackelberg) RT = (30 ( Q + Q )) Q = 30Q Q Q 5 Logo, igualando RMg = CMg = 0: 5 - Q = 0, ou Q = 5 e Q = 7,5. Q = 5Q Q Observe que, dado que você está produzindo 5 unidades, a escolha ótima do concorrente é um nível de produção de 7,5. O preço resultante é ,5 = $7,5. Seu lucro é (5)(7,5) = $,5. E o lucro do concorrente é (7,5)(7,5) = $56,5. Neste jogo, é vantajoso mover-se antes do concorrente: ao anunciar seu nível de produção primeiro, você obtém um lucro $56,5 maior do que o concorrente. Logo, você estaria disposto a pagar tal quantia pela possibilidade de anunciar a produção antes da rival. c. Suponha, agora, que você fosse jogar a primeira de uma série de dez partidas (com o mesmo concorrente). Em cada partida, você e seu concorrente precisam anunciar simultaneamente seus respectivos níveis de produção. Você quer maximizar o total de seus lucros nessas dez partidas. Quanto produziria na primeira partida? Quanto esperaria produzir na décima partida? E na nona? Explique de modo sucinto. Dado que, provavelmente, seu concorrente também leu este livro, você pode supor que ele estará se comportando de forma racional. Você deveria escolher o nível de produção de Cournot em cada partida, inclusive nas últimas duas, pois qualquer desvio em relação a tal estratégia implicará uma redução no seu lucro total. d. Uma vez mais, você jogará uma série de dez partidas. Porém, agora, em cada partida, seu concorrente anunciará a produção dele antes da sua. De que forma suas respostas para o item (c) seriam modificadas nesse caso? Se o seu concorrente sempre anuncia a sua produção antes de você, é possível que um.

9 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página 9 de 4 comportamento "irracional" de sua parte em alguma partida lhe confira lucros mais elevados. Suponha, por exemplo, que na primeira partida o seu concorrente anuncie uma produção de 5 unidades, como no Exercício (7.b). A sua resposta racional seria escolher uma produção de 7,5. Se tais estratégias se perpetuassem ao longo de todas as partidas, seu lucro total seria de $56,50, enquanto que seu concorrente receberia $.5. Por outro lado, se você responder com uma produção de 5 unidades cada vez que seu concorrente anunciar uma produção de 5 unidades, os lucros de ambos serão iguais a zero nessas partidas. Se o seu concorrente sabe, ou teme, que você irá se comportar dessa maneira, ele deverá optar pela produção de Cournot de 0 unidades, de modo que você auferirá lucros de $75 por partida desse momento em diante. Logo, tal estratégia poderá revelar-se vantajosa, dependendo das expectativas de seu concorrente com relação a seu comportamento e do valor atribuído aos lucros futuros relativamente ao lucro corrente. (Observação: A estratégia de comportar-se irracionalmente em algum período com o objetivo de influenciar as expectativas de seu concorrente está sujeita ao seguinte problema: seu concorrente sabe que, no último período, você não terá nenhum incentivo a comportar-se (estrategicamente) de modo irracional, pois não haverá ganhos adicionais derivados dessa estratégia. Logo, seu concorrente deverá anunciar uma produção de 5 unidades, sabendo que você responderá com uma produção de 7,5 unidades. Além disso, o fato de você não ter nenhum incentivo a comportar-se estrategicamente no último período implica que, no penúltimo período, também não há incentivo para tal comportamento estratégico. Logo, no nono período seu concorrente também deverá anunciar uma produção de 5 unidades, e você deverá responder com uma produção de 7,5 unidades. Tal raciocínio pode ser estendido até o período inicial.) 9. Você participa do seguinte jogo de barganha. O jogador A executa o primeiro movimento, fazendo uma oferta ao Jogador B para a divisão de $00. (Por exemplo, o Jogador A poderia sugerir que ele ficasse com $60 e o Jogador B levasse $40). O Jogador B pode aceitar ou rejeitar a oferta. Se ele rejeitar, o montante de dinheiro disponível cairá para $90; ele, estão, fará uma oferta para a divisão do dinheiro. Se o Jogador A rejeitar essa oferta, o montante de dinheiro cairá para $80, seguindo-se uma nova oferta do Jogador A para a divisão. Se o Jogador B rejeitar, o montante de dinheiro cairá para 0. Ambos os jogadores são racionais, totalmente informados e querem maximizar seus payoffs. Qual jogador se sairá melhor nesse jogo? O jogo deve ser resolvido de trás para frente, a partir do último estágio. Se B rejeitar a oferta de A na terceira rodada, B obterá 0; logo, B deverá aceitar qualquer oferta feita por A na terceira rodada, mesmo que se trate de uma quantia mínima, como $. Consequentemente, A deverá ofertar $ nessa rodada, obtendo $79. Na segunda rodada, B sabe que A rejeitará qualquer oferta que lhe proporcione um valor inferior a $79, de modo que B deverá ofertar $80 a A, obtendo $0. Na primeira rodada, A sabe que B rejeitará qualquer oferta que lhe proporcione um valor inferior a $0, de modo que A deverá ofertar $ a B, obtendo $89. B aceitará a oferta, que lhe proporciona o melhor resultado possível. A tabela a seguir resume a situação. Rodada Quantia Ofertante Ganho de A Ganho de B disponível $00 A $89 $

10 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página 0 de 4 $ 90 B $80 $0 3 $ 80 A $79 $ Final $ 0 $ 0 $ 0 *0. A empresa Defendo decidiu lançar um videogame revolucionário; sendo a primeira empresa do mercado, terá uma posição de monopólio de tal jogo pelo menos por algum tempo. Ela poderá escolher entre duas tecnologias para a construção da fábrica. A Tecnologia A já é de domínio público e resulta em custos anuais de C A (q) = 0 + 8q. A Tecnologia B é de propriedade da empresa Defendo, tendo sido desenvolvida em seus próprios laboratórios de pesquisa. Ela envolve custo mais altos de produção, porém, possui um custo marginal mais baixo: C B (q) = 60 + q. A empresa Defendo deve decidir qual tecnologia será adotada. A demanda de mercado para o novo produto é P = 0 - Q, onde Q é a produção total do setor. a. Suponha que a Defendo estivesse segura de que conseguiria manter sua posição de monopólio no mercado durante o ciclo de vida do novo produto (aproximadamente cinco anos), sem ameaças de entrada por parte de concorrentes. Qual tecnologia você aconselharia a Defendo a adotar? Qual seria o lucro da Defendo para esta opção? A Defendo pode optar entre a Tecnologia A, com custo marginal igual a 8, e a Tecnologia B, com custo marginal igual a. Dada a curva de demanda inversa P = 0 - Q, a receita total, PQ, é igual a 0Q - Q para ambas as tecnologias. A receita marginal é 0 - Q. A quantidade ótima associada a cada opção pode ser calculada igualando-se a receita marginal e o custo marginal: 0 - Q A = 8, ou Q A = 6, e 0 - Q B =, ou Q B = 9. Em seguida, usa-se as quantidades acima na equação de demanda e resolve-se para P: P A = 0-6 = $4 e P B = 0-9 = $. O lucro de cada tecnologia é igual à diferença entre a receita total e o custo total: π A = (4)(6) - (0 + (8)(6)) = $6 e π B = ()(9) - (60 + ()(9)) = $. Logo, a tecnologia A propiciaria à Defendo o maior lucro. b. Suponha que a Defendo acredite que sua maior rival, a Offendo, esteja considerando a possibilidade de entrar no mercado logo depois que a Defendo tiver feito o lançamento de seu novo produto. A Offendo terá acesso apenas à Tecnologia A. Se a Offendo realmente entrar no mercado, as duas empresas participarão de um jogo de Cournot (em quantidades) e chegarão a um equilíbrio de Cournot-Nash. i. Se a Defendo adotar a Tecnologia A e a Offendo entrar no mercado, quais serão os lucros de cada uma das empresas? A Offendo optará por entrar no mercado dados esses lucros?

11 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página de 4 Caso ambas as empresas se comportem à la Cournot, cada uma delas deve escolher seu nível de produção supondo fixa a estratégia da rival. Sejam D = Defendo e O = Offendo; a função de demanda é P = 0 - Q D - Q O. O lucro da Defendo é π D = ( 0 Q D Q O )Q D 0 + 8Q ( D ) π, ou D = Q D Q D Q D Q O 0 A quantidade ótima pode ser obtida igualando-se a zero a primeira derivada do lucro com relação a Q D e resolvendo para Q D : π Q D D = Q D QO = 0, ou Q D = 6-0,5Q O. Esta é a função de reação da Defendo. Dado que ambas as empresas têm acesso à mesma tecnologia e, portanto, apresentam a mesma estrutura de custos, a função de reação da Offendo é análoga à anterior: Q O = 6-0,5Q D. Inserindo a função de reação da Offendo na função de reação da Defendo e resolvendo para Q D : Q D = 6 - (0,5)(6-0,5Q D ) = 4. Usando este resultado na função de reação da Defendo e resolvendo para Q O : Q O = 6 - (0,5)(4) = 4. A produção total da indústria é, portanto, igual a 8. O preço de equilíbrio pode ser calculado inserindo os valores de Q D e Q O na função de demanda: P = = $. O lucro de cada empresa é dado pela diferença entre receita total e custo total: π D = (4)() - (0 + (8)(4)) = $6 e π O = (4)() - (0 + (8)(4)) = $6. Logo, a Offendo decidiria entrar no mercado. ii. Se a Defendo adotar a Tecnologia B e a Offendo entrar no mercado, qual será o lucro de cada empresa? A Offendo optará por entrar no mercado dados esses lucros? O lucro da Defendo será π D = ( 0 Q D Q O )Q D ( 60 + Q D ) π, ou D = 8Q D Q D Q D Q O 60. A derivada do lucro com relação a Q D é πd = 8 Q D QO Q D. A quantidade ótima pode ser obtida igualando-se tal derivada a zero e resolvendo para

12 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página de 4 Q D : 8 - Q D - Q O = 0, ou Q D = 9-0,5Q O. Esta é a função de reação da Defendo. Inserindo a função de reação da Offendo (obtida no item i acima) na função de reação da Defendo e resolvendo para Q D : Q D = 9-0,5(6-0,5Q D ), ou Q D = 8. Inserindo o valor de Q D na função de reação da Offendo, obtemos Q O = 6 - (0,5)(8), ou Q O =. O preço de equilíbrio pode ser calculado inserindo os valores de Q D e Q O na função de demanda: P = = $0. O lucro de cada empresa é dado pela diferença entre receita total e custo total: π D = (0)(8) - (60 + ()(8)) = $4 e π O = (0)() - (0 + (8)()) = -$6. Dado que a Offendo teria prejuízo, ela não deveria entrar no mercado. iii. Qual tecnologia você recomendaria que Defendo adotasse, levando-se em consideração a ameaça da possível entrada? Qual seria o lucro da Defendo para tal opção? Qual seria o excedente do consumidor nesse caso? No primeiro caso, em que a Defendo adota a Tecnologia A e a Offendo entra no mercado, o lucro da Defendo é 6. No caso em que a Defendo adota a Tecnologia B e a Offendo não entra no mercado, o lucro da Defendo é 4. Logo, seria recomendável a adoção da Tecnologia A. Isso implicaria uma produção total igual a 8 e um preço igual a. O excedente do consumidor seria: (0,5)(0 -)(8) = $3. c. O que aconteceria com o bem-estar social (isto é, a soma do excedente do consumidor mais o lucro do produtor) em conseqüência da ameaça de entrada nesse mercado? O que ocorreria com o preço de equilíbrio? O que isso sugere acerca do papel desempenhado pela concorrência potencial na limitação do poder de mercado? De acordo com o item 0.a, sob monopólio teríamos Q = 6 e lucro igual a 6. O excedente do consumidor seria (0,5)(0-4)(6) = $8. O bem-estar social, dado pela soma do excedente do consumidor mais o lucro do produtor, seria = $44. Com a ameaça de entrada, o bem-estar social é dado pela soma do excedente do consumidor, $3, mais o lucro da indústria, $, ou seja, $44. Observa-se, assim, que o bem-estar social não muda, ocorrendo, entretanto, uma transferência de excedente dos produtores para os consumidores. O preço de equilíbrio diminui com a entrada, o que indica que a concorrência potencial é realmente capaz de limitar o poder de mercado.

13 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página 3 de 4 Cabe observar que a Defendo tem uma opção alternativa: produzir uma quantidade superior ao nível de monopólio (6) para desestimular a entrada da Offendo no mercado. Caso a Defendo aumente sua produção de 6 para 8 sob a Tecnologia A, a Offendo não será capaz de auferir lucros positivos. O lucro da Defendo, porém, também deve diminuir de $6 para (8)() - (0 + (8)(8)) = $. Uma produção igual a 8 gera, conforme visto anteriormente, um excedente do consumidor de $3, ao passo que o bem-estar social passa para $54. Nesse caso, o bem-estar social aumenta.. Três concorrentes, A, B, e C, possuem um balão e uma pistola cada um. A partir de posições fixas, eles atirarão nos balões de cada um dos outros. Quando um balão for atingido, seu dono é obrigado a se retirar e o jogo prossegue até ficar apenas um balão intacto. Seu dono será o vencedor e receberá um prêmio de $.000. No início, os jogadores decidirão, por meio de um sorteio, a ordem na qual atirarão, sendo que cada participante poderá escolher como alvo qualquer um dos balões ainda em jogo. Todos sabem que A é o melhor atirador e nunca erra o alvo; que B tem probabilidade 0,9 de acertar o alvo e que C tem probabilidade 0,8 de acertar o alvo. Qual jogador terá maior probabilidade de ganhar o prêmio de $.000? Explique o motivo. Intuitivamente, C tem a maior probabilidade de vencer, apesar de A ter a maior probabilidade de acertar um balão. Cada competidor deseja eliminar o concorrente com a melhor pontaria, pois dessa forma aumenta suas próprias chances de vencer. O competidor A visa o balão de B pois este tem melhor pontaria do que C; logo, se eliminar B do jogo, A estará aumentando suas chances de vitória. O competidor C visa o balão de A porque, se C atirar em B e acertá-lo, em seguida A atirará em C e vencerá o jogo. B deve seguir estratégia semelhante, pois se ele atirar em C e acertálo, em seguida A atirará em B e vencerá o jogo. Logo, ambos B e C têm incentivo para atirar em A primeiro. Pode-se construir uma árvore de probabilidades para mostrar que a probabilidade de A vencer o jogo é de apenas 8%, enquanto que as probabilidades de B e C vencerem são de 3% e 60%, respectivamente.. Um comerciante de antigüidades costuma comprar objetos em leilões locais dos quais participam apenas outros comerciantes. A maioria de seus lances nesses leilões se revela vantajosa, pois o comerciante consegue revender com lucro os objetos adquiridos. Ocasionalmente, o comerciante participa também de leilões abertos ao público em geral, realizados em uma cidade vizinha. Nesses casos, porém, nas raras ocasiões em que o comerciante consegue dar o lance vencedor, suas compras não se revelam vantajosas, pois ele acaba não conseguindo revender os objetos adquiridos por um valor superior ao preço pago no leilão. Como vocë explicaria isso? Nos leilões abertos apenas a comerciantes, todos os participantes têm como objetivo comprar objetos que depois serão revendidos e, portanto, limitam seus lances a valores que possivelmente lhes permitirão obter um lucro na revenda. Um comerciante racional nunca dará um lance cujo valor seja maior do que o preço pelo qual ele espera revender o objeto. Dado que todos os comerciantes são racionais, o lance vencedor tende a ser menor do que o preço de revenda esperado. Logo, quando o comerciante em questão apresenta um lance vencedor, tal lance tende a se revelar lucrativo. Nos leilões abertos ao público em geral, os participantes tendem a ser os mesmos indivíduos que freqüentam as lojas de antigüidades em busca de objetos para consumo

14 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página 4 de 4 pessoal. Quando o comerciante em questão apresenta um lance vencedor, pode-se concluir que os demais participantes do leilão consideram tal lance um valor muito alto pelo bem. Isso significa que tais participantes não estarão dispostos a adquirir, no antiquário, o objeto leiloado por um preço superior ao valor do lance - e, consequentemente, que o comerciante não conseguirá, em geral, lucrar com a transação. O comerciante só conseguirá auferir um lucro se revender o objeto a algum cliente de outra região ou a algum morador da região que não tenha participado do leilão e possua um preço de reserva suficientemente alto. De qualquer forma, o lance vencedor tende a ser mais elevado do que no leilão aberto apenas a comerciantes. 3. Você quer adquirir uma casa nova e decidiu participar de um leilão. Você acredita que o valor da casa esteja entre $5.000 e $50.000, mas não tem certeza do valor exato. Você sabe, entretanto, que o vendedor se reservou o direito de retirar a casa do mercado se o lance vencedor não for satisfatório. a. Você deveria participar desse leilão? Por quê? Você deveria participar do leilão se estivesse confiante na sua estimativa do valor da casa e/ou adaptasse seu lance de modo a precaver-se contra a possibilidade de erro de estimativa. Para precaver-se contra a possibilidade de erro de estimativa, você deveria reduzir seu lance num valor equivalente ao erro de estimativa esperado do lance vencedor. Se você tivesse experiência em leilões, seria capaz de prever a probabilidade de fazer um lance errado e poderia, assim, ajustar seu lance apropriadamente. b. Suponha que você represente uma construtora de imóveis. Você planeja reformar a casa e revendê-la, em seguida, para obter lucro. Como esta situação afeta sua resposta para o item (a)? Sua resposta depende de sua capacidade para reformar a casa em questão? Você deve levar em consideração a maldição do vencedor, segundo a qual é provável que o vencedor do leilão seja o indivíduo que mais superestimou o valor real da casa. Considerando que alguns lances devem se encontrar abaixo do valor real da casa e outros acima desse valor, o vencedor deve ser o indivíduo com a maior superestimativa do valor real. Uma vez mais, é importante que você esteja confiante na sua estimativa do valor da casa e/ou adapte seu lance de modo a precaver-se contra a possibilidade de erro de estimativa. Caso você tenha experiência nesse tipo de leilão, será capaz de prever a probabilidade de fazer um lance errado e, assim, ajustar seu lance apropriadamente.

RMg = 10-2Q. P = 10-4 = $6.

RMg = 10-2Q. P = 10-4 = $6. Capítulo : Concorrência Monopolística e Oligopólio Pindyck & Rubinfeld, Capítulo, Oligopólio :: EXERCÍCIOS. Suponha que, após uma fusão, todas as empresas de um setor monopolisticamente competitivo se

Leia mais

Pelotas, novembro 2014. SIMULADO DE ADM APLICADA À GESTÃO AMBIENTAL Disciplina: Economia. Professor Alejandro Martins. SERÃO 5 QUESTÕES NA AVALIAÇÃO;

Pelotas, novembro 2014. SIMULADO DE ADM APLICADA À GESTÃO AMBIENTAL Disciplina: Economia. Professor Alejandro Martins. SERÃO 5 QUESTÕES NA AVALIAÇÃO; Pelotas, novembro 2014. SIMULADO DE ADM APLICADA À GESTÃO AMBIENTAL Disciplina: Economia. Professor Alejandro Martins. SERÃO 5 QUESTÕES NA AVALIAÇÃO; 1 Teoria de Jogos Estratégias Dominantes... 1 2 Teoria

Leia mais

1º Lista de Exercícios. 1. Encontre os equilíbrios de Nash dos jogos abaixo e dê uma interpretação para o resultado.

1º Lista de Exercícios. 1. Encontre os equilíbrios de Nash dos jogos abaixo e dê uma interpretação para o resultado. Fundação Getulio Vargas (FGV-RJ) - Graduação Microeconomia II 1º semestre de 2007 Prof. Paulo C. Coimbra 1º Lista de Exercícios 1. Encontre os equilíbrios de Nash dos jogos abaixo e dê uma interpretação

Leia mais

Microeconomia Parte 9. Jogos e Assimetria Informacional. Prof. Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia Parte 9. Jogos e Assimetria Informacional. Prof. Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Parte 9 Jogos e Assimetria Informacional Prof. Antonio Carlos Assumpção Observações sobre jogos, assimetria Informacional Teoria dos Jogos Supondo que meus concorrentes sejam racionais e

Leia mais

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27.

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 5, Incerteza :: EXERCÍCIOS 1. Considere uma loteria com três possíveis resultados: uma probabilidade de 0,1 para o recebimento de $100, uma probabilidade de 0,2 para o recebimento

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de primeiro grau. Qual será o menor preço que ela cobrará,

Leia mais

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 8, Oferta :: EXERCÍCIOS 1. A partir dos dados da Tabela 8.2, mostre o que ocorreria com a escolha do nível de produção da empresa caso o preço do produto apresentasse uma

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

Teoria dos Jogos e Estratégia Empresarial

Teoria dos Jogos e Estratégia Empresarial Teoria dos Jogos e Estratégia Empresarial Docente: Prof. Humberto Ribeiro Trabalho elaborado por: Luís Gonçalves nº 7366 Alícia Prada nº 17580 Ana Gonçalves nº 15412 Mestrado em Gestão das Organizações

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

Capítulo 17: Mercados com Informação Assimétrica

Capítulo 17: Mercados com Informação Assimétrica Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 17, Informação Assimétrica::EXERCÍCIOS 1. Muitos consumidores consideram uma marca conhecida como um sinal de qualidade e, por isso, estarão dispostos a pagar um preço mais

Leia mais

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução CAPÍTULO 0 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA Introdução Entre as duas situações extremas da concorrência perfeita e do monopólio existe toda uma variedade de estruturas de mercado intermédias, as quais se enquadram

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes: Introdução a Teoria dos Jogos com Aplicações a Redes de Computadores

Tópicos Especiais em Redes: Introdução a Teoria dos Jogos com Aplicações a Redes de Computadores Tópicos Especiais em Redes: Introdução a Teoria dos Jogos com Aplicações a Redes de Computadores Aula passada: Discussão sobre situações de conflito Exemplos de jogos Jogo em aula Aula de hoje: Introdução

Leia mais

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV MICROECONOMIA Exercícios - CEAV Prof. Antonio Carlos Assumpção 1)BNDES Economista 2011-31 O valor monetário do custo total de produção (CT) de uma empresa, em determinado período, é dado pela expressão

Leia mais

Jogos. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

Jogos. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti Jogos Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti Teoria dos Jogos Neste curso, queremos olhar para redes a partir de duas perspectivas: 1) uma estrutura subjacente dos links de conexão 2) o comportamentos

Leia mais

Mercados de Publicidade

Mercados de Publicidade Mercados de Publicidade em Busca Web Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti O Princípio da VCG para um Mercado de Emparelhamento Geral Vamos generalizar o exemplo para obtermos um método genérico

Leia mais

Microeconomia. Estruturas de mercado. Tópicos para Discussão Mercados Perfeitamente Competitivos. Maximização de Lucros

Microeconomia. Estruturas de mercado. Tópicos para Discussão Mercados Perfeitamente Competitivos. Maximização de Lucros Microeconomia Estruturas de mercado Tópicos para Discussão Mercados Perfeitamente Competitivos Maximização de s Receita Marginal, Custo Marginal e Maximização de s PINDYCK, R. e RUINFELD, D. Microeconomia.

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

1) Tomada de Decisão Sem Experimentação, e 2) Tomada de Decisão Com Experimentação.

1) Tomada de Decisão Sem Experimentação, e 2) Tomada de Decisão Com Experimentação. Análise de Decisão 1. Introdução A Análise de Decisão envolve o uso de processos racionais para selecionar a melhor alternativa dentre um conjunto de alternativas possíveis. Os processos de tomada de decisão

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: EXERCÍCIOS 1. A discriminação de preço exige a capacidade de diferenciar os clientes e de

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: EXERCÍCIOS 1. A discriminação de preço exige a capacidade de diferenciar os clientes e de Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: EXERCÍCIOS 1. A discriminação de preço exige a capacidade de diferenciar os clientes e de evitar a ocorrência de arbitragem. Explique de que

Leia mais

Capítulo 15: Investimento, Tempo e Mercado de Capitais

Capítulo 15: Investimento, Tempo e Mercado de Capitais Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que a taxa de juro seja de 10%. Qual é o valor de um título com cupom que paga $80 por ano, durante cada um dos próximos 5

Leia mais

Capítulo 18: Externalidades e Bens Públicos

Capítulo 18: Externalidades e Bens Públicos Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 18, Externalidades::EXERCÍCIOS 1. Diversas empresas se instalaram na região oeste de uma cidade, depois que a parte leste se tornou predominantemente utilizada por residências

Leia mais

3 Concurso de Rentabilidade

3 Concurso de Rentabilidade 3 Concurso de Rentabilidade 3.1.Motivação O capítulo anterior mostra que a motivação dos fundos de investimento é a maximização da expectativa que a população tem a respeito da rentabilidade de suas carteiras.

Leia mais

Preço DMg 1 DMe 1 DMg 2 Q 2

Preço DMg 1 DMe 1 DMg 2 Q 2 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: EXERCÍCIOS 1. Aumentos na demanda de produtos monopolizados sempre resultarão em preços mais elevados? Explique. Um aumento na oferta com que se defronta

Leia mais

Fusões e aquisições que geram valor

Fusões e aquisições que geram valor Fusões e aquisições que geram valor HSM Management/ Ano 5 /Número 27/ julho - agosto 2001 No momento de avaliar a viabilidade de uma fusão ou aquisição ou o modo de efetuá-la, talvez seja útil ter uma

Leia mais

Jogos Equilíbrio de Nash

Jogos Equilíbrio de Nash Jogos Equilíbrio de Nash Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti Aula Passada Definição de Jogos Jogos do tipo Dilema do Prisioneiro Estratégias dominantes fácil entender o resultado do jogo Exemplos

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

Capítulo 3: Comportamento do consumidor

Capítulo 3: Comportamento do consumidor Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Consumidor :: EXERCÍCIOS 1. Neste capítulo, não foram consideradas mudanças nas preferências do consumidor por diversas mercadorias. Todavia, em determinadas situações,

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa. Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais. Tel.: 351217270250. Fax: 351217270252

Universidade Católica Portuguesa. Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais. Tel.: 351217270250. Fax: 351217270252 Comportamento estratégico Fernando ranco Ano lectivo 2003-2004 Trimestre de Inverno As questões estratégicas são relevantes em muitos casos para além do oligopólio. Interacção entre partidos; negociações

Leia mais

Lista 3 Somente os ímpares Entrega 03/05/2006 CAPÍTULO 11 DETERMINAÇÃO DE PREÇOS E PODER DE MERCADO

Lista 3 Somente os ímpares Entrega 03/05/2006 CAPÍTULO 11 DETERMINAÇÃO DE PREÇOS E PODER DE MERCADO Lista 3 Somente os ímpares Entrega 03/05/2006 CAPÍTULO 11 DETERMINAÇÃO DE PREÇOS E PODER DE MERCADO QUESTÕES PARA REVISÃO 1. Suponhamos que uma empresa possa praticar uma discriminação perfeita de preços

Leia mais

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO É expressamente proibido reproduzir, no todo ou em parte, sob qualquer forma ou meio, NOMEADAMENTE FOTOCÓPIA, esta obra. As transgressões serão passíveis das

Leia mais

QUESTÕES DE MICROECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS DA FGV PROFESSOR HEBER CARVALHO

QUESTÕES DE MICROECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS DA FGV PROFESSOR HEBER CARVALHO Olá caros(as) amigos(as), Hoje, venho comentar as questões de Microeconomia e Finanças Públicas do último concurso aplicado pela FGV, onde essas disciplinas foram cobradas. É o concurso para Assessor Técnico

Leia mais

1. Uma situação na qual um comprador e um vendedor possuem informações diferentes sobre uma transação é chamada de...

1. Uma situação na qual um comprador e um vendedor possuem informações diferentes sobre uma transação é chamada de... 1. Uma situação na qual um comprador e um vendedor possuem informações diferentes sobre uma transação é chamada de... Resposta: Informações assimétricas caracterizam uma situação na qual um comprador e

Leia mais

Em meu entendimento, ela foi abaixo das expectativas. Prova fácil, cobrando conceitos básicos de Microeconomia, sem muita sofisticação.

Em meu entendimento, ela foi abaixo das expectativas. Prova fácil, cobrando conceitos básicos de Microeconomia, sem muita sofisticação. Comentários Microeconomia (Área 3) Olá Pessoal. O que acharam das questões de micro (área 3)? Em meu entendimento, ela foi abaixo das expectativas. Prova fácil, cobrando conceitos básicos de Microeconomia,

Leia mais

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4.

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. Microeconomia I Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012 1 Mankiw, cap. 5. Bibliografia Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. 2 Elasticidade Será que as empresas conhecem as funções demanda por seus produtos?

Leia mais

Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %.

Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 4, Demanda :: EXERCÍCIOS 1. A empresa ACME fez uma estimativa segundo a qual, nos níveis atuais de preços, a demanda por seus chips para computadores tem uma elasticidade

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO 3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO Este capítulo discute a importância dos contratos de energia como mecanismos que asseguram a estabilidade do fluxo de caixa

Leia mais

Características do Monopólio:

Características do Monopólio: Introdução Características do Monopólio: Existe uma única empresa do lado da oferta; Existem muitos compradores de pequena dimensão; Não existem substitutos próximos; Existe informação perfeita (os consumidores

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

Como perder amigos e enganar pessoas

Como perder amigos e enganar pessoas Como perder amigos e enganar pessoas Nicolau C. Saldanha 9 de janeiro de 998 Neste artigo apresentaremos quatro situações simples em que probabilidades enganam. Em alguns casos a probabilidade de certos

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Microeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

TP043 Microeconomia 01/12/2009 AULA 24 Bibliografia: PINDYCK capítulo 18 Externalidades e Bens Públicos.

TP043 Microeconomia 01/12/2009 AULA 24 Bibliografia: PINDYCK capítulo 18 Externalidades e Bens Públicos. TP043 Microeconomia 01/12/2009 AULA 24 Bibliografia: PINDYCK capítulo 18 Externalidades e Bens Públicos. EXTERNALIDADE: São é conseqüência de algo que um agente realiza e afeta outro. Pode ser positiva

Leia mais

Interdependência Estratégica na Gestão Empresarial: Modelos e Aplicações

Interdependência Estratégica na Gestão Empresarial: Modelos e Aplicações Interdependência Estratégica na Gestão Empresarial: Modelos e Aplicações NELSON HEIN, DR. 1 1 FURB Universidade Regional de Blumenau / FACIPAL - Faculdades Católicas Integradas de Palmas DSC Departamento

Leia mais

Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica

Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica Para se aplicar a Teoria dos Jogos em situações reais, é preciso em primeiro lugar saber como modelar esses processos e como analisá-los,

Leia mais

DEBATES FUCAPE F U C A P E. Quebra de Monopólio e Aumento da Produtividade: Lições da Indústria de Petróleo no Brasil. Editorial.

DEBATES FUCAPE F U C A P E. Quebra de Monopólio e Aumento da Produtividade: Lições da Indústria de Petróleo no Brasil. Editorial. F U C A P E DEBATES Editorial Em 1995 o monopólio da Petrobras no setor de petróleo foi legalmente quebrado. Mais de 10 anos depois ela continua controlando quase 1 0 0 % d o m e r c a d o d e extração

Leia mais

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: A duração da prova é de duas horas e trinta minutos

Leia mais

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS III.1 - GENERALIDADES Após a classificação dos projetos tecnicamente corretos é imprescindível que a escolha considere aspectos econômicos. E é a engenharia

Leia mais

A demanda é Inelástica se a elasticidade preço está entre 1 e 0; Se a elasticidade da demanda é exatamente -1, a demanda tem Elasticidade Unitária.

A demanda é Inelástica se a elasticidade preço está entre 1 e 0; Se a elasticidade da demanda é exatamente -1, a demanda tem Elasticidade Unitária. A Sensibilidade da Demanda a Preços Um preço P mais baixo tende a aumentar a quantidade demandada Q0 A elasticidade Preço da demanda mede a sensibilidade da quantidade em relação ao preço, ou seja: Elasticidade

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Mercados de Publicidade

Mercados de Publicidade Mercados de Publicidade em Busca Web Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti Publicidade em Buscas Web Publicidade na web antigamente impressões análoga à jornais e revistas na era pré-web Yahoo!

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

INTRODUÇÃO. O trabalho terá a seguinte org2anização: Introdução: apresentação do tema, situação problema, hipótese, e a metodologia utilizada.

INTRODUÇÃO. O trabalho terá a seguinte org2anização: Introdução: apresentação do tema, situação problema, hipótese, e a metodologia utilizada. INTRODUÇÃO Todas as empresas, com ou sem fins lucrativos, estabelecem um preço para seus produtos. Mas como estabelecer este preço? Quais os fatores que influenciam no estabelecimento do preço?. De forma

Leia mais

CAPÍTULO 9 RISCO E INCERTEZA

CAPÍTULO 9 RISCO E INCERTEZA CAPÍTULO 9 9 RISCO E INCERTEZA 9.1 Conceito de Risco Um fator que pode complicar bastante a solução de um problema de pesquisa operacional é a incerteza. Grande parte das decisões são tomadas baseando-se

Leia mais

Glossário. atfmarketing. de termos do Google AdWords. Agência Especializada em Web e Marketing

Glossário. atfmarketing. de termos do Google AdWords. Agência Especializada em Web e Marketing atfmarketing Agência Especializada em Web e Marketing Glossário de termos do Google AdWords Sumário Baixo volume de pesquisa Campanha Clique Conversão Correspondência ampla Correspondência de frase Correspondência

Leia mais

Análise dos Concorrentes

Análise dos Concorrentes Quando o assunto é monitorar as atividades dos concorrentes no mercado, não há espaço para complacência. ex: Lexmark X Epson (Print Market) 5 forças que determinam a atratividade intrínseca de lucro a

Leia mais

INVESTIMENTOS CONSERVADORES

INVESTIMENTOS CONSERVADORES OS 4 INVESTIMENTOS CONSERVADORES QUE RENDEM MAIS QUE A POUPANÇA 2 Edição Olá, Investidor. Esse projeto foi criado por Bruno Lacerda e Rafael Cabral para te ajudar a alcançar mais rapidamente seus objetivos

Leia mais

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO.

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. MICROECONOMIA 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2007 2 TEORIA DA PRODUÇÃO Função de Produção: é a relação que indica

Leia mais

CURSO DE MICROECONOMIA 2

CURSO DE MICROECONOMIA 2 CURSO DE MICROECONOMIA 2 TEORIA DOS CONTRATOS - Seleção Adversa PROF Mônica Viegas e Flavia Chein Cedeplar/UFMG 2/2009 Cedeplar/UFMG (Institute) MICRO 2 2/2009 1 / 30 Seleção Adversa Seleção adversa: se

Leia mais

Doutorando de Ciências Ambientais, Sustentabilidade e Inovação da Universidade católica. Docente da UNOESTE e Fatec

Doutorando de Ciências Ambientais, Sustentabilidade e Inovação da Universidade católica. Docente da UNOESTE e Fatec Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 126 MODELAGEM PARA NEGÓCIOS SUSTENTAVEIS. Moisés da Silva Martins Doutorando de Ciências Ambientais, Sustentabilidade

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Coordenadoria de Pós-Graduação Prova de Conhecimentos Específicos do Processo Seletivo Stricto Sensu UFAL 2012.1 CADERNO DE PROVA

Leia mais

4 VÍDEOS ENSINAM MAIS SOBRE TRADER ESPORTIVO, CONFIRA EM: HTTP://WWW.VIVERDEFUTEBOL.COM/

4 VÍDEOS ENSINAM MAIS SOBRE TRADER ESPORTIVO, CONFIRA EM: HTTP://WWW.VIVERDEFUTEBOL.COM/ 1 2 ÍNDICE 1- NOTA LEGAL... 3 2- SOBRE AUTOR... 3 3- SEMELHANÇA COM O MERCADO FINANCEIRO... 4 4- EXEMPLO DO MERCADO DE AUTOMÓVEIS USADOS... 4 5- CONHECENDO O BÁSICO DAS APOSTAS... 7 6- O QUE É UMA ODD?...

Leia mais

PG ENG. ECONÔMICA - MICROECONOMIA Prof. Flávio Alencar do Rêgo Barros (Uerj, sala 5020E) Módulo 9 Por que os mercados falham?

PG ENG. ECONÔMICA - MICROECONOMIA Prof. Flávio Alencar do Rêgo Barros (Uerj, sala 5020E) Módulo 9 Por que os mercados falham? Módulo 9 Por que Mercados Falham? PG Eng.Econômica 2015/2016 Pg.1/24 PG ENG. ECONÔMICA - MICROECONOMIA Prof. Flávio Alencar do Rêgo Barros (Uerj, sala 5020E) Módulo 9 Por que os mercados falham? Notas

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 2.3 Oligopólio em Restrições de Capacidade (Edgeworth). Oligopólio de Stackelberg. Variações Conjecturais Isabel Mendes

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS Capítulo 2: O Básico sobre a Oferta e a Demanda Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS 1. Considere um mercado competitivo no qual as quantidades anuais demandadas e ofertadas

Leia mais

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS ICMS/RJ 2011 PROFESSOR HEBER CARVALHO

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS ICMS/RJ 2011 PROFESSOR HEBER CARVALHO Olá pessoal, No Ponto 27 (www.pontodosconcursos.com.br/artigos3.asp?prof=238), eu comentei as 10 (questões 41 a 50) primeiras questões de Economia e Finanças Públicas do ICMS/RJ 2011. Agora, comento as

Leia mais

Estruturas de Mercado. 17. Concorrência Monopolística. Competição Imperfeita. Competição Monopolísitica. Muitos Vendedores. Produtos Diferenciados

Estruturas de Mercado. 17. Concorrência Monopolística. Competição Imperfeita. Competição Monopolísitica. Muitos Vendedores. Produtos Diferenciados Estruturas de Mercado 17. Concorrência Monopolística Número de Firmas? Muitas firmas Tipo de Produto? Uma firma Poucas firmas Produtos diferenciados Produtos idênticos Monopólio Oligopólio Competição Monopolística

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Fagundes Consultoria Econômica jfag@unisys.com.br Escola Superior da Advocacia - ESA CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Noções de Microeconomia Índice Fundamentos de Microeconomia: princípios

Leia mais

CAPÍTULO 7 - ÁRVORES DE DECISÃO

CAPÍTULO 7 - ÁRVORES DE DECISÃO CAPÍTULO 7 - ÁRVORES DE DECISÃO 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS A árvore de decisão é uma maneira gráfica de visualizar as consequências de decisões atuais e futuras bem como os eventos aleatórios relacionados.

Leia mais

Introdução as Opções Reais

Introdução as Opções Reais Introdução as Opções Reais Capitulo 1 - Uma nova visão de investimento A economia define investimento como ato de incorrer em custo imediato na expectativa de recompensas futuras. Firmas que constroem

Leia mais

L S L D L. 30 40 50 Figura 9.1.a. L = 80-10 w.

L S L D L. 30 40 50 Figura 9.1.a. L = 80-10 w. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 9, Mercados Competitivos :: EXERCÍCIO 1. Em 1996, o Congresso dos EUA discutiu se o salário mínimo deveria subir de $4,25 para $5,15 por hora. Algumas pessoas sugeriram que

Leia mais

Preparando sua empresa para o forecasting:

Preparando sua empresa para o forecasting: Preparando sua empresa para o forecasting: Critérios para escolha de indicadores. Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores Embora o forecasting seja uma realidade, muitas

Leia mais

28 Dicas. Para Suas. do AdWords

28 Dicas. Para Suas. do AdWords 28 Dicas Para Suas Campanhas do AdWords 28 Dicas Para Suas Campanhas do AdWords Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender TODOS OS DIREITOS RESERVADOS Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

C Por que é preciso fazer rápido o produto web?

C Por que é preciso fazer rápido o produto web? C Por que é preciso fazer rápido o produto web? Já falamos sobre algumas denições e requisitos para se ter uma startup. Depois falamos sobre como ter ideias de produtos para a startup e que essas ideias

Leia mais

PREÇO. Administração Mercadológica I

PREÇO. Administração Mercadológica I PREÇO Administração Mercadológica I PREÇO DE RETORNO-ALVO Na determinação de preço de retorno-alvo, a empresa determina o preço que renderia sua taxa-alvo de ROI; Esse método é utilizado por empresas de

Leia mais

Resolução da Prova de Época Normal de Economia I 2º Semestre (PARTE A) Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Resolução da Prova de Época Normal de Economia I 2º Semestre (PARTE A) Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Resolução da Prova de Época Normal de Economia I 2º Semestre (PARTE A) Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção

Leia mais

TEORIA DOS JOGOS E A RELAÇÃO ENTRE O TEOREMA MINIMAX DE JOHN VON NEUMANN E O EQUILÍBRIO DE NASH DE JOHN NASH

TEORIA DOS JOGOS E A RELAÇÃO ENTRE O TEOREMA MINIMAX DE JOHN VON NEUMANN E O EQUILÍBRIO DE NASH DE JOHN NASH TEORIA DOS JOGOS E A RELAÇÃO ENTRE O TEOREMA MINIMAX DE JOHN VON NEUMANN E O EQUILÍBRIO DE NASH DE JOHN NASH RESUMO Cristiene dos Santos Costa 1 Orientador: Prof. Dr. Ailton Paulo de Oliveira Júnior Este

Leia mais

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Tech-Clarity, Inc. 2008 Sumário Introdução à questão... 3 Cálculo dos benefícios do Gerenciamento

Leia mais

Módulo 12. Estratégias para formação de preços

Módulo 12. Estratégias para formação de preços Módulo 12. Estratégias para formação de preços As decisões de preços estão sujeitas a um conjunto inacreditavelmente complexo de forças ambientais e competitivas. Não existe como uma empresa, simplesmente,

Leia mais

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E Mercados Derivativos Conceitos básicos Termos de mercado As opções de compra Autores: Francisco Cavalcante (f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

Introdução do módulo 7: Faça uma introdução sobre as vantagens e necessidade de se vender Valor e não Preço.

Introdução do módulo 7: Faça uma introdução sobre as vantagens e necessidade de se vender Valor e não Preço. Preparação do Instrutor Trazer para a reunião/encontro de vendas: DVD : Módulo 7 Aparelho de DVD e monitor de TV Flip chart e canetas ( pincel atômico) Canetas/lápis apontados Manuais dos participantes

Leia mais

ANÁLISE DE MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA UTILIZANDO TEORIA DOS JOGOS

ANÁLISE DE MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA UTILIZANDO TEORIA DOS JOGOS ANÁLISE DE MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA UTILIZANDO TEORIA DOS JOGOS Resumo Erick M. Azevedo 1 Tiago B. Correia 1 Fernando C. Munhoz 1 Paulo B. Correia 1 Este trabalho tem como objetivo demonstrar como o

Leia mais

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital 34 CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS 1. Custo de Capital Custo de capital é a taxa de retorno que a empresa precisa obter sobre os seus projetos de investimentos, para manter o valor de

Leia mais

1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO

1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO BEM VINDO AO GUIA DE 10 PASSOS DE COMO MELHORAR MUITO A SUA VIDA FINANCEIRA! APROVEITE! 1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO Quando se trata do nosso dinheiro, a emoção sempre tende a ser um problema.

Leia mais

CAP. 3 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÕES DE INCERTEZA

CAP. 3 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÕES DE INCERTEZA CAP. 3 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÕES DE INCERTEZA 1. INTRODUÇÃO No fluxo de caixa esquemático mostrado na Figura 1, como se sabe na data zero, normalmente se tem o investimento necessário para

Leia mais

Estratégia empresarial e gestão de custos

Estratégia empresarial e gestão de custos Estratégia empresarial e gestão de custos Marcello Lopes dos Santos* A empresa e seu ambiente Uma adequada formação de preço de venda é uma questão crucial para que uma empresa possa sobreviver e crescer,

Leia mais

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que Aula 21 12/05/2010 Mankiw (2007) - Cap 26. POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. investem. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ECONOMIA

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Centro de Ciências Sociais e Aplicadas - CCSA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Centro de Ciências Sociais e Aplicadas - CCSA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Ciências Sociais e Aplicadas - CCSA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROVA DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO - PDI 5ª Etapa Matutino E5M Segundo Semestre de 2011 Questão

Leia mais

O ABC do Programa de Fidelização

O ABC do Programa de Fidelização O ABC do Programa de Fidelização COMO E POR QUÊ RETER CLIENTES? Diagnóstico As empresas costumam fazer um grande esforço comercial para atrair novos clientes. Isso implica Investir um alto orçamento em

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

( ) Prova ( ) Prova Semestral

( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Prova ( ) Prova Semestral (x) Exercícios ( ) Segunda Chamada ( ) Prova Modular ( ) Prova de Recuperação ( ) Prática de Laboratório ( ) Exame Final/Exame de Certificação ( ) Aproveitamento Extraordinário

Leia mais

Capítulo 9 Aplicação: Comércio Internacional

Capítulo 9 Aplicação: Comércio Internacional Capítulo 9 Aplicação: Comércio Internacional Lista de Exercícios: 1. Se um país permite o comércio e, para um determinado bem, o preço doméstico sem o comércio é maior do que o preço internacional: a.

Leia mais

Veja na figura 1 o fluxo de caixa (em $1.000) que pode exprimir as entradas e saídas de caixa de um desenvolvimento de um novo produto:

Veja na figura 1 o fluxo de caixa (em $1.000) que pode exprimir as entradas e saídas de caixa de um desenvolvimento de um novo produto: CAPÍTULO 8 OPÇÕES REAIS 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Segundo Copeland, Koller e Murrin Os métodos de precificação de opções são superiores às abordagens DCF (Discounted Cash Flow) tradicionais porque captam

Leia mais

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 AO FINAL DESTE GUIA TEREMOS VISTO: GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo

Leia mais

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental ESAPL IPVC Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais Economia Ambiental Tema 2 O MERCADO O Mercado Os Economistas estudam e analisam o funcionamento de uma série de instituições, no

Leia mais

COMO GANHAR DINHEIRO COM AS APOSTAS?

COMO GANHAR DINHEIRO COM AS APOSTAS? COMO GANHAR DINHEIRO COM AS APOSTAS? Para ganhar dinheiro com as apostas temos de apostar com valor esperado Para compreender este conceito temos de entender o conceito de valor esperado nulo (ou justo).

Leia mais

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais