O Núcleo de Excelência em Geração Termelétrica e Distribuída - NEST

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Núcleo de Excelência em Geração Termelétrica e Distribuída - NEST"

Transcrição

1

2

3 O Núcleo de Excelência em Geração Termelétrica e Distribuída - NEST Foi criado em 7 de março de 1998, e pertence ao Instituto de Engenharia Mecânica da UNIFEI e é considerado um dos grupos de excelência apoiados pela CEMIG. Atualmente o NEST é composto de mais de 30 pesquisadores, dos quais 7 são Doutores, 7 Mestres e 5 Professores. As principais linhas de pesquisa do grupo são: Geração termelétrica e cogeração, Turbinas a gás e a vapor, Tecnologias para a geração distribuída (motores de combustão interna, microturbinas, motores Stirling e células a combustível), Uso energético da biomassa (combustão e gaseificação), Bio-metanização de resíduos (vinhaça e lixo), Refrigeração e ar condicionado, Modelagem e diagnóstico de processos térmicos, Análise do ciclo de vida e aspectos ambientais do uso da energia. O NEST possui 6 laboratórios: Turbinas a gás e Gaseificação de Biomassa, Sistemas Térmicos a Vapor e Diesel, Sistemas Avançados de Geração Distribuída, Refrigeração e Ar Condicionado, Simulação de Processos e Sistemas Térmicos e Laboratório de Treinamento de Operadores de Centrais Termelétricas em Simuladores. Em 8 anos de existência do NEST os professores integrantes do grupo orientaram 21 dissertações de mestrado, 4 teses de doutorado e 3 pós-doutorados. Atualmente estão em andamento 17 dissertações de mestrado e 10 teses de doutorado. Neste período foram publicados 15 artigos em revistas internacionais e 8 livros. Com relação a projetos de P&D, já foram concluídos 8 e 14 estão em execução, sendo os principais parceiros: CEMIG, FINEP, CNPq, CENPES, Bandeirante, Tractebel Energia, Petrobras e CPFL. Uma das atividades mais importantes do NEST são os cursos de extensão nas suas temáticas da atuação. Até o momento foram ministrados 79 cursos para um total de mais de 1500 alunos. Além disso o NEST tem colaboração de várias universidades estrangeiras, tais como: Universidade de Cranfield University, a Universidade de Delft, a Universidade Técnica da Dinamarca, a Universidade Nacional Politécnica de Odessa, a Universidade Politécnica de Havana, a Universidade do Porto e outras, visando o intercâmbio de conhecimentos científicos e tecnológicos.

4 Lista dos serviços técnicos oferecidos Caracterização de combustíveis (composição e poder calorífico) Modelagem e otimização de esquemas térmicos utilizando o Gate-Cycle e o Thermoflow Avaliação do desempenho térmico de caldeiras a vapor Projeto e avaliação de sistemas de refrigeração por absorção Projeto e avaliação de sistemas de refrigeração e condicionamento de ar Simulação numérica de processos termo-aerodinâmicos utilizando o software CFX Projetos de sistemas modulares para a geração de eletricidade a partir da biomassa Avaliação do desempenho, comissionamento e manutenção em microturbinas a gás Projeto e avaliação de gaseificadores de biomassa Auditoria energética de plantas de processo e sistemas de cogeração Projetos de plantas de cogeração para uso de gás natural e/ou biomassa Licenciamento e treinamento no uso do programa SBC - Steam Boilers Calculation para o cálculo termo-aerodinâmico de caldeiras Avaliação do ciclo de vida de biocombustíveis e resíduos Modelagem da dispersão de poluentes Amostragem isocinética em chaminés Seleção de equipamentos de prevenção e controle da poluição do ar Formulação e avaliação de projetos sobre o uso energético de biomassa e resíduos Treinamento especializado em geração termelétrica e distribuída Laudos técnicos em casos de processos avarias

5 Pesquisadores do nest Electo Eduardo Silva Lora Doutor pela Universidade Técnica de São Petersburgo, atualmente é professor da Universidade Federal de Itajubá e Coordenador do NEST Núcleo de Excelência em Geração Termelétrica e Distribuída da UNIFEI. Especialista em geração termelétrica, cogeração, combustão e controle da poluição, têm publicado mais de 100 artigos em periódicos e anais de eventos. Tem orientado 4 teses de Doutorado e 8 dissertações de Mestrado sobre temas de energia e ambiente. Tem apresentado trabalhos em dois congressos da ISSCT e vários artigos técnicos nas revistas Energy Policy, Energy Conversion and Management, International Sugar Industry e Zuckerindustrie/Sugar Industry. È autor de 7 livros. É membro da ASME, da Air Pollution Control Association e da International Society of Sugarcane Technologists ISSCT. Marco Antonio Rosa do Nascimento Graduado em Engenharia Mecânica, em 1982, pela Universidade Federal de Itajubá, MG. Professor da UNIFEI na área térmica: termodinâmica, cogeração e turbinas a gás. Mestre em Ciências, em 1988, pela mesma Instituição, na área de Máquinas de Fluxo. Em 1993, obteve o título de Ph.D. Thermal Power Gas Turbine Performance Cranfield University, Inglaterra. Publicou mais de 50 artigos em periódicos especializados e trabalhos em anais de eventos, 3 capítulos de livros, 1 livro publicado e orientou 8 dissertações de mestrado. Em seu currículo os termos mais freqüentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: Turbinas a gás, Geração Distribuída, Cogeração, Microturbinas a Gás, Câmara de combustão, Biomassa Gaseificada, Microturbinas, Centrais termelétrica, Convecção Natural e Turbina a gás. Membro do Cycle Innovations Committee do International Gas Turbine Institute of The American Society of Mechanical Engineers (ASME International), desde Osvaldo José Venturini Concluiu o doutorado em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Itajubá em Atualmente é Professor Adjunto da Universidade Federal de Itajubá. Atua na área de Engenharia Mecânica, com ênfase em Conversão de Energia (Geração Termelétrica, Conservação de Energia e Refrigeração e Ar Condicionado). Publicou diversos artigos em periódicos especializados e anais de eventos. É autor de 2 livros e co-autor de 7 capítulos de livro. Possui 1 produto tecnológico. Em suas atividades profissionais interagiu com 53 colaboradores em co-autorias de trabalhos científicos. Em seu currículo os termos mais freqüentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: ar condicionado, refrigeração, cogeração, termo acumulação, turbinas a gás, conservação de energia, simulação, geração distribuída, Holzwarth e motores alternativos.

6 Edgardo Olivares Gómez Doutor pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP e atualmente professor da Universidade Federal de Itajubá. Atua nas áreas de Combustão, Gaseificação e Pirólise da Biomassa, e obtenção de biocombustíveis sintéticos. Têm publicado mais de 12 artigos em periódicos nacionais e internacionais de reconhecida qualidade científica, tais como Energy Conversion and Management, International Sugar Journal e Fuel Processing Technology, assim como mais de 30 trabalhos em congressos nacionais e internacionais, dentre eles 2 em congressos da ISSCT. É autor de 3 capítulos do livro Tecnologias de Conversão Energética da Biomassa na sua 1ª e 2ª edições, editado pela Universidade Federal da Amazônia - UFAM e a Universidade Estadual de Campinas UNICAMP respectivamente (a 2ª edição está em processo final de edição). Vladimir R. M. Cobas Engenheiro elétrico pela Universidade de Oriente (Cuba), Mestre em Engenharia da Energia e Doutor em Engenharia Mecânica, pela Universidade Federal de Itajubá. Especialista em Sistemas Avançados de Geração de Eletricidade (Células a Combustível e Motores Stirling). Autor de 3 capítulos do livro Geração Termoelétrica, Planejamento, Projeto e Operação, da Editora Interciência. Tem ministrado vários cursos e treinamentos na área de controle automático e operação de usinas termoelétricas. Atualmente é pesquisador no Laboratório de Sistemas Avançados de Geração Distribuída da UNIFEI com projetos em Células a Combustível e Motores Stirling. Outros professores, pesquisadores e alunos de pós-graduação do NEST: Luis Fernando Valadão Flores, Professor, MSc. (Turbinas a vapor) Ricardo Dias Martins de Carvalho, Professor, Dr. (Transferência de calor) Rogério Fernandes Brito, Pesquisador, Dr. (Turbinas a vapor) Harley Souza Alencar, Pesquisador, Dr. (Modelagem de câmaras de combustão e do escoamento em grades de perfis em CFX). Lucilene de Oliveira Rodrigues, MSc. (CFX, modelagem de câmaras de combustão) Kristiane Ramos Primo, MSc. (Modelagem da dispersão, tecnologias de controle da poluição). José Joaquim Conceição Soares Santos, MSc. (Avaliação exergoeconômica de sistemas térmicos). Karina Ribeiro Salomon, MSc. (Biodigestão, avaliação e controle de emissões). Manuel Arturo Rendón Maldonado, MSc. (Sistema de controle automático em turbo-máquinas, instrumentação) Rubenildo Vieira Andrade, MSc. (Gaseificação e geração de eletricidade a partir da biomassa). José Carlos Escobar Palácios, MSc. (Geração de eletricidade a partir da biomassa). Luciana Márcia de Oliveira Neto, MSc (Regeneradores, cálculo e modelagem de MTG utilizando o CFX). Ainda fazem parte do NEST 12 alunos de mestrado e 2 estagiários.

7 CARACTERIZAÇÃO DE COMBUSTÍVEIS (Composição e Poder Calorífico) A determinação das propriedades que caracterizam um material combustível ou insumo qualquer é um processo de marcada importância no posterior desenvolvimento de projetos envolvendo os mais variados sistemas termodinâmicos de conversão energética. Neste sentido, o NEST, oferece serviços de análise físico-química, composicional, identificação e caracterização dos principais constituintes dos combustíveis líquidos e sólidos. Incluem-se os materiais lignocelulósicos (biomassa), a caracterização físico-geométrica da biomassa particulada usando modelos geométricos prédeterminados e métodos analíticos de baixo custo e elevada confiabilidade, análise granulométrica e obtenção gráfica e analítica da função de distribuição, a caracterização química e energética destes materiais, composição elementar, aproximada e determinação do poder calorífico superior com a bomba calorimétrica IKA WORKS C 2000, e a caracterização das cinzas. O NEST tem trabalhado no desenvolvimento teórico e prático de metodologias e protocolos para o estudo analítico destas propriedades, questão vital na realização dos seus projetos na área de conversão de energia. MODELAGEM E OTIMIZAÇÃO DE ESQUEMAS TÉRMICOS UTI- LIZANDO O GATE-CYCLE E O THERMOFLOW Serviço de simulação de esquemas térmicos de centrais termelétricas, de centrais de cogeração e de geração distribuída utilizando os softwares GATECYCLE e THERMOFLOW. Este serviço envolve a simulação do projeto e da operação das plantas térmicas em regime permanente, visando ajustes dos parâmetros de operação para atingir a máxima eficiência em diferentes cenários de operação. Especialistas do NEST realizaram a modelagem dos esquemas térmicos de duas usinas termelétricas reais: uma com ciclo a vapor e outra de ciclo combinado. Em ambos os casos foi realizada uma análise paramétrica e criada uma interface em MS- Excel para a coleta de dados visando a avaliação do desempenho e o diagnóstico do estado térmico dos diferentes equipamentos do ciclo. No caso do ciclo combinado foi realizada uma avaliação de diferentes estratégias de operação a carga parcial.

8 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE CALDEIRAS A VAPOR Realização de testes de balanço térmico em caldeiras, aplicando se as normas ASME PTC A determinação da eficiência podese realizar pelo balanço direto ou indireto, sendo que pelo balanço indireto determinam-se as principais perdas de calor no equipamento. Dispõe se também de um analisador de gases contínuo, Marca ECOLINE 6000 e de uma sonda isocinética. Esta última permite determinar as perdas por carbono não queimado nos gases de exaustão e fechar o balanço de cinzas no equipamento. A partir destes resultados é possível inferir as causas dos problemas técnicos que a caldeira apresenta, seja no processo de combustão na fornalha ou nas superfícies de troca de calor. Como resultado apresenta-se um plano de medidas para a melhoria do desempenho do equipamento. Utilizando o software SBC, elaborado no NEST, é possível modelar diversas variantes de modificação de equipamento. O pessoal técnico do NEST realizou a avaliação de três caldeiras para bagaço e a modificação de outra para passar da queima em leito fixo sob uma grelha para a queima em suspensão em vortex horizontal. PROJETO E AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÂO POR ABSORÇÃO O serviço inclui a avaliação do potencial da fonte de calor residual (temperatura e vazão), a definição do tipo de sistema de absorção (aquecimento direto ou indireto) e do tipo de fluido de refrigeração. Posteriormente realiza-se a definição dos parâmetros de operação do sistema e o cálculo e/ou seleção de trocadores de calor, torre de resfriamento e outros componentes do sistema. Realiza-se o comissionamento e teste do sistema. A equipe técnica do NEST concluiu recentemente a montagem, comissionamento e testes de um sistema de cogeração composto por uma microturbina a gás 330 de 30 kwe, um aquecedor de água e chiller de absorção água/ brometo de lítio de 35 kwt (10 TR). O NEST possui uma equipe técnica com potencial para a realização de projetos que incluem o cálculo e fabricação de chillers de absorção amônia/água acionados por diversas fontes de energia.

9 PROJETO E AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÂO E CONDICIONAMENTO DE AR O serviço começa pela determinação da carga térmica, do tipo de sistema a ser utilizado, bem como seus componentes e parâmetros. Realiza-se a seleção dos equipamentos comercias e o projeto das tubulações de água, fluidos refrigerantes ou soluções binárias, do acionamento, controle e comando, das redes de dutos, com os devidos pontos de insuflação de ar, etc. Além, do projeto destes sistemas, a equipe do NEST, está capacitada para a realização do diagnóstico energético destas instalações, fornecendo soluções que levam à sua operação otimizada. A equipe técnica do NEST tem realizado diversos projetos para supermercados, hotéis, auditórios, etc. Além disso, publicou um livro técnico, a partir de um projeto em conjunto com o PROCEL sobre Eficiência energética em sistemas de refrigeração. SIMULAÇÃO NUMÉRICA DE PROCESSOS TERMO-AERODINÂ- MICOS UTILIZANDO O SOFTWARE CFX Serviço de simulação numérica do escoamento de fluidos, processos de combustão e transferência de calor, que visa avaliar perdas, melhorar eficiências e desenvolver novas tecnologias em câmaras de combustão, fornalhas, compressores, válvulas, trocadores de calor, ventiladores, fornos, etc. As análises são feitas em três dimensões, permitindo uma melhor compreensão dos fenômenos térmicos e aerodinâmicos envolvidos. Este tipo de serviço é importante para empresas que queiram inovar e melhorar o seu produto, aumentando, assim, o seu potencial de competição. O pessoal técnico do NEST tem trabalhado na modelagem de câmaras de combustão de turbinas a gás, compressores, trocadores de calor e turbinas a vapor, e também na modelagem do escoamento em canais e grades de perfis aerodinâmicos. Os resultados destes trabalhos têm sido publicados em revistas internacionais.

10 PROJETO DE SISTEMAS MODULARES PARA A GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DA BIOMASSA Propõe-se os serviços de projeto de sistemas modulares de geração de eletricidade utilizando biomassa. As variantes oferecidas são: ciclo a vapor com potência na faixa kWe, conjunto gaseificador/motor alternativo de combustão interna e conjunto fornalha motor Stirling. O serviço inclui a identificação dos fabricantes dos equipamentos que conformam os módulos e a integração dos mesmos. Propõe-se também o assessoramento dos trabalhos de montagem e teste. O pessoal técnico do NEST, como resultado de vários projetos de P&D, tem acumulado experiência de projeto, de fabricação, de montagem e de testes de sistemas semelhantes aos propostos. Nos laboratórios do NEST foi testado um conjunto gaseificador /motor onde se utiliza um motogerador a gasolina e atualmente estão em testes conjuntos gaseificador/motor Stirling e fornalha/motor Stirling. AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO, COMISSIONAMENTO E MA- NUTENÇÃO EM MICROTURBINAS A GÁS O serviço compreende as seguintes atividades: revisão da montagem e dos sistemas auxiliares da instalação da turbina a gás, verificação e substituição de sistemas elétricos, eletrônicos e mecânicos, upgrades, troca do motor, cursos de treinamento para a operação e a manutenção básica e cálculo de desempenho. Estes serviços têm sido prestados a empresas de energia e instituições de ensino que adquiriram estas máquinas. O NEST dispõe nos seus laboratórios de três microturbinas a gás da Capstone e uma da Solar Turbines o que tem possibilitado a aquisição de experiência considerável no assunto. PROJETO E AVALIAÇÃO DE GASEIFICADORES DE BIOMASSA Os sistemas avançados de conversão termoquímica da biomassa se apresentam como sendo as principais rotas modernas de conversão para a obtenção de uma parcela importante dos combustíveis líquidos, sólidos e gasosos do futuro. Neste contexto, o NEST vem trabalhando há alguns anos no desenvolvimento de projetos e na avaliação do desempenho térmico e operacional de combustores e gaseificadores para biomassa, de leito fixo e fluidizado. A metodologia de projeto desenvolvida está baseada em critérios semi-empíricos de caráter termo-fluidodinâmico para realizar a modelagem e os cálculos de projeto do reator químico e dos sistemas periféricos

11 das unidades de conversão: sistemas de distribuição de gases, de alimentação de combustível, controle operacional, instrumentação, análise dos gases, etc. A avaliação de desempenho termodinâmico e de otimização é realizada usando-se ferramentas computacionais e modelos rigorosos. O serviço proposto é o projeto de gaseificadores com parâmetros de projeto e operacionais otimizados, assim como a avaliação do desempenho destes equipamentos. O NEST vem atuando em projetos e avaliações de desempenho de combustores e gaseificadores para biomassa, de leito fixo e fluidizado, junto a empresas do setor. Nos seus laboratórios são realizadas pesquisas avançadas nesta área. AUDITORIA ENERGÉTICA DE PLANTAS DE PROCESSO E SIS- TEMAS DE COGERAÇÃO Através deste serviço avalia-se detalhadamente o processo produtivo numa planta de processo com relação à eficiência no uso da energia, realizando medições dos consumos de combustíveis, da geração de vapor e de seu aproveitamento para a geração de energia elétrica. Isto permite avaliar as demandas reais de energia na planta e em cada um dos seus processos e visa estabelecer alternativas de integração energética que permitam o incremento da eficiência no uso e a geração da energia. O NEST tem ampla experiência na pesquisa e avaliação de projetos relacionados com o aproveitamento energético na indústria sucroalcooleira, incluindo a simulação de diferentes esquemas térmicos dos processos e a avaliação de novas considerações tecnológicas. PROJETOS DE PLANTAS DE COGERAÇÃO PARA USO DE GÁS NATURAL OU BIOMASSA Este serviço consiste na modelagem de diferentes opções do esquema térmico da central de cogeração utilizando os softwares Gate-Cycle e Thermoflow. Primeiramente é feito um levantamento in situ dos requerimentos de calor e eletricidade para a cogeração, assim como a avaliação da viabilidade de geração de excedentes de eletricidade e/ou vapor para a sua comercialização. Para cada uma das variantes esquemáticas e paramétricas realiza-se uma análise da viabilidade econômico-financeira, seguida de uma análise de sensibilidade para diferentes cenários. Na maioria dos casos propõe-se também a realização de uma análise exergoeconômica, considerando que esta ferramenta permite uma

12 10 alocação interna mais razoável dos custos entre os diferentes produtos do sistema. Finalmente faz-se uma análise de quais são os cenários mais atraentes, como subsídio a uma tomada de decisões pelo investidor. Especialistas do NEST têm realizado estudos deste tipo em varias usinas de açúcar, numa usina térmica de ciclo combinado que fornece vapor para uma refinaria de petróleo e em duas plantas de cogeração com motores de combustão interna, uma delas incluindo chillers de absorção acionados por vapor e por água quente. Foi realizado também um projeto de avaliação do potencial de cogeração na indústria de azeite de palma na Colômbia com três casos de estudo. LICENCIAMENTO E TREINAMENTO NO USO DO PROGRAMA SBC Steam Boilers Calculation para o cálculo termo-aerodinâmico de caldeiras No NEST foi desenvolvido o software SBC que permite realizar o cálculo térmico de caldeiras de circulação natural que queimam qualquer tipo de combustível. Pode ser utilizado tanto para o projeto de uma nova caldeira, como para cálculos de repotenciação e modificações construtivas ou de mudança de combustível. O software SBC possui uma interface amigável que permite a montagem do esquema térmico da caldeira a partir de elementos independentes, representados por ícones, que posteriormente são conectados entre sim por linhas de vapor, água, gases de combustão e ar. O serviço inclui o licenciamento do software, o treinamento do usuário e opcionalmente, o cálculo termo-aerodinâmico de uma caldeira do cliente. O pessoal técnico do NEST tem utilizado este software para a avaliação da temperatura ótima dos gases de exaustão nas caldeiras em sistemas modernos de cogeração com venda da eletricidade excedente. Foi utilizado também para o projeto conceitual de uma caldeira para a queima de biomassa residual em fábricas de azeite de palma. AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA DE BIOCOMBUSTÍVEIS E RESÍDUOS A avaliação do ciclo de vida é reconhecida como uma poderosa ferramenta para a avaliação do impacto ambiental de diferentes produtos e processos. Consiste numa análise holística de todas as etapas do ciclo de vida do produto desde o berço até o tumulo. É realizado de acordo com as recomendações da ISO e inclui as seguintes etapas: Definição de objetivo e fronteiras, inventário interpretação e avaliação de impactos. Este serviço inclui a definição das fronteiras e etapas do sistema e o levantamento de dados no campo. O

13 11 pessoal técnico do NEST é treinado no uso dos softwares Simapro e Umberto, utilizados para a elaboração do inventário do ciclo de vida e a quantificação dos impactos do produto ou processo em diferentes categorias. Atualmente no NEST estão em andamento trabalhos de avaliação do ciclo de vida do biodiesel obtido a partir da palma de azeite (dendê), de diferentes opções de tratamento do lixo urbano e da vinhaça. Estudos de avaliação do ciclo de vida do hidrogênio obtido a partir de fontes renováveis e dos biocombustíveis líquidos obtidos a partir do gás de síntese da gaseificação de biomassa estão em andamento. MODELAGEM DA DISPERSÃO DE POLUENTES Através deste serviço realiza-se a modelagem da dispersão de poluentes atmosféricos utilizando o Software ISC Aermod View desenvolvido pela empresa Lakes Environmental a partir do modelo ISCST3 da EPA (Environmental Protection Agency). Com o auxílio deste software é possível modelar a difusão e reações foto-químicas dos poluentes na atmosfera, baseado no método de Gauss. É recomendado para fontes industriais visando à determinação dos impactos ou contribuições na qualidade do ar e permite a visualização da dispersão de diversos gases poluentes a partir de linhas de isoconcentração, as quais são distribuídas sobre a planta topográfica. Com o uso do Software é possível simular a dispersão da pluma, para determinados poluentes, e comparar os resultados da concentração resultante no ar ambiente com os padrões de qualidade do ar da legislação vigente. Nos casos em que não se alcançam os valores permitidos pode-se avaliar a implementação de tecnologias de prevenção e controle das emissões levando em consideração o custo de investimento e as características da operação das tecnologias consideradas. Especialistas do NEST concluíram recentemente um trabalho de consultoria para uma usina de açúcar e álcool que consistiu na medição das emissões de NO X e a modelagem da sua dispersão numa área de 34x18 km. Neste caso foram consideradas também as emissões dos veículos automotores que circulam pela rodovia que atravessa a região da usina.

14 12 AMOSTRAGEM ISOCINÉTICA EM CHAMINÉS Este serviço consiste na amostragem isocinética de material particulado em fontes fixas de poluição (chaminés industriais) visando a determinação da concentração de particulados e a sua composição granulométrica. Os resultados obtidos são comparados com os padrões de emissão da legislação vigente a fim de avaliar possíveis opções de controle destas emissões. A metodologia para a amostragem isocinética está baseada no conjunto de métodos de avaliação propostos pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos EPA. Entre eles o método 5, característico de fluxos laminares onde a temperatura e a umidade são relativamente elevadas. O NEST/UNIFEI dispõe de um trem de amostragem isocinética e a equipe do NEST tem realizado medições num total de 8 chaminés em três usinas de açúcar do estado de São Paulo. SELEÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR O serviço consiste na seleção de equipamentos de prevenção e controle dos principais poluentes atmosféricos (óxidos de nitrogênio, enxofre e material particulado), assim como a avaliação econômico-financeira das diferentes alternativas propostas. A partir de dados referentes aos fatores de emissão realiza-se a seleção dos equipamentos para redução destas emissões atmosféricas visando o enquadramento das mesmas nos padrões de emissão vigentes na legislação local. A partir da combinação de diferentes tecnologias de prevenção e controle formam-se rotas tecnológicas. Avalia-se também a utilização de sistemas multicomponentes. Especialistas do NEST realizaram um serviço desta natureza aplicado às novas caldeiras de uma refinaria de petróleo. Para o caso de uma usina de açúcar foi realizada a avaliação do desempenho dos lavadores de gases e efetuadas recomendações para a melhoria da operação dos mesmos. FORMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS SOBRE O USO ENERGÉTICO DE BIOMASSA E RESÍDUOS Há um crescente e atrativo interesse, principalmente pelo setor empresarial nacional e internacional, no desenvolvimento de projetos que visam a formulação e aplicação de metodologias para a análise técnico-econômica de novos empreendimentos energéticos a biomassa, e também a reavaliação de projetos atualmente em

15 13 andamento. O NEST detém conhecimento e experiência na realização de projetos envolvendo a identificação de potenciais reais de biomassa para uso energético, sua caracterização geográfica, regional e sazonal, a identificação e o estabelecimento de possíveis produtos derivados da sua conversão energética, e o levantamento das mais promissoras tecnologias convencionais e maduras tecnologicamente e outras em fase de desenvolvimento tecnológico. Utilizam-se metodologias de análise baseadas em estudos técnico-econômicos, envolvendo variáveis relacionadas com a disponibilidade, o transporte, a logística de escoamento, o mercado e as tecnologias atualmente disponíveis, além dos principais indicadores utilizados em análises do ciclo de vida dos produtos finais considerados. O NEST tem desenvolvido vários projetos que geraram como resultado final estudos de potencialidade e mapas de insumos e de produtos que podem ser obtidos através do uso de diversas rotas de transformação energética. TREINAMENTO ESPECIALIZADO EM GERAÇÃO TERMELÉTRI- CA E DISTRIBUÍDA Nos oito anos de existência do NEST foi constituído um elenco de cursos sobre geração termelétrica, os quais abrangem desde cursos de caráter geral sobre centrais termelétricas a vapor e de ciclo combinado, e sistemas de geração distribuída, até cursos específicos sobre diferentes equipamentos, tais como turbinas a gás, turbinas a vapor, geradores de vapor, motogeradores, motores Stirling e células a combustível. O NEST possui ainda um simulador computacional que concebido nos mesmos conceitos dos simuladores de vôo, é utilizado para o treinamento da operação de centrais termelétricas. Para maiores informações solicitar os folders dos cursos que serão oferecidos pelo NEST em 2007.

16 14 LAUDOS TÉCNICOS EM CASOS DE PROCESSOS E AVARIAS A equipe técnica do NEST tem sido procurada em várias ocasiões para a elaboração de laudos sobre questões técnicas relacionadas com a geração termelétrica em caso de litígio, processos de licenciamento ambiental, perícias e outros. Após uma detalhada avaliação da documentação entregue pelo cliente e uma reunião técnica, verifica-se se o assunto está dentro da expertise da equipe técnica do NEST. Em caso positivo procede-se à execução do serviço dado, realizando-se estudos in situ, entrevistas e ensaios e finalmente elabora-se um parecer técnico. INFORMAÇÕES FUPAI Fundação de Pesquisa e Assessoramento à Indústria de Itajubá (35) NEST Núcleo de Excelência em Geração Termelétrica e Distribuída IEM/UNIFEI (35)

17

18

19

20

Os Projetos da UNIFEI em Parceria com a Petrobras

Os Projetos da UNIFEI em Parceria com a Petrobras Os Projetos da UNIFEI em Parceria com a Petrobras Apresentador Marcos Aurélio de Souza UNIFEI/IEM Av. BPS 103, Bairro Pinheirinho Itajubá MG - CEP 37500-903 Tel: (35) 3629 1388 Fax: (35) 3629 1265 E-mail:

Leia mais

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN Conhecimento e Capacitaçã ção Profissional na Cogeraçã ção EDUCOGEN José R. Simões-Moreira SISEA Laboratório de Sistemas Energéticos Alternativos Depto. Engenharia Mecânica Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br Apresentação Geral W2E Bioenergia Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente 1 www.w2ebioenergia.com.br 1 - A Empresa A W2E Bioenergia foi criada em 2010 tendo como base um desafio

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída Dep. Engeharia Mecânica Escola Politécnica Universidade de São Paulo Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída Experiências de Sucesso e Perspectivas: a Percepção da Academia Escola Politécnica

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 1º Seminário sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Dr. Osvaldo Stella Martins Centro Nacional de Referência em

Leia mais

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa Eng Rogério C. Perdoná 00 Apresentação Pessoal Rogério Carlos Perdoná Graduação Engenharia Elétrica Escola de Engenharia de Lins 1987 a 1992. Pós-graduação

Leia mais

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica DEMANDA GT Arranjos alternativos para geração eólica OBJETIVOS Desenvolver uma turbina eólica de eixo vertical de pás fixas, de pequeno porte e custo reduzido. Realizar ensaios de rendimento do equipamento

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE CONTROLE AUTOMÁTICO PARA UMA CENTRAL DE COGERAÇÃO COM MICROTURBINA A GÁS E CHILLER

Leia mais

Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd.

Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd. Seminário Internacional de Energia da AUGM Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd. Universidade Federal de Santa Maria Grupo de Pesquisa em Motores, Combustíveis e Emissões Necessidade de energia Iluminação

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração;

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração; GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DEFINIÇÃO A geração distribuída de eletricidade consiste na produção da eletricidade no local de seu consumo, ou próximo a ele; Eventuais excedentes desta geração podem ser vendidos

Leia mais

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS ELÉTRICOS - CESE - ÊNFASE GERAÇÃO 2013 - www.cese.unifei.edu.br CALENDÁRIO CESE GERAÇÃO 1 MÉTODOS COMPUTACIONAIS APLICADOS A SISTEMAS ELÉTRICOS 11/03/13 a 15/03/13 2

Leia mais

Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia. Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade SEE BRASIL

Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia. Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade SEE BRASIL Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade 1 Índice : 1. Matérias combustíveis utilizáveis 2. A secagem com CO₂ - SEE

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria

Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria PROGRAMA SENAI + COMPETITIVIDADE INSTITUTOS SENAI DE TECNOLOGIA (60) MA Construção Civil CE EletroMetalmecânica Energias Renováveis RN Petróleo

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Desafios para Projetos de Cogeração Industrial

Desafios para Projetos de Cogeração Industrial Desafios para Projetos de Cogeração Industrial Fórum Cogen / Canal Energia Geração Distribuída e Cogeração de Energia - Novo Ciclo de Desenvolvimento Marco Antonio Donatelli 1/8/2013 Cogeração - uma resposta

Leia mais

CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM GERADOR DE VAPOR

CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM GERADOR DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM 1 INTRODUÇÃO: A principal forma

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 96/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia de Energias

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 AGOSTO DE 2005 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 1 2 OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA 2 3 CONTEÚDO DO TRABALHO 2 3.1 ESTUDOS DE FUNDAMENTAÇÃO SOBRE ECONOMIA E ENERGIA

Leia mais

GRUPO SAGE Análise de projetos utilizando o software RETScreen

GRUPO SAGE Análise de projetos utilizando o software RETScreen Análise de projetos utilizando o software RETScreen Apresentação Grupo SAGE Serviço de Apoio à Gestão Empresarial Fundação: Maio de 1997 Sede: Rio de Janeiro Filiais: Brasília e Quito/Equador Mercado:

Leia mais

CASES DE SUCESSO ECOGEN

CASES DE SUCESSO ECOGEN CASES DE SUCESSO ECOGEN Fórum Cogen-SP/CanalEnergia Oportunidades para Cogeração a Gás e Biomassa Nelson S. Cardoso de Oliveira São Paulo, 22 julho 2008 Nascendo Forte Início da Operação: 09/07/2008 Aquisição

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas

Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas A1 XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas José Dilcio Rocha NIPE/UNICAMP BIOWARE

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ESTUDO E DETERMINAÇÃO DE UM SISTEMA DE AQUECIMENTO DE MISTURA ÁGUA/ÓLEO PARA AVALIAÇÃO AUTOMÁTICA DE MEDIDORES DE VAZÃO

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICA DE UMA BANCADA DE COGERAÇÃO BASEADA EM UMA MICRO-TURBINA À GÁS NATURAL

ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICA DE UMA BANCADA DE COGERAÇÃO BASEADA EM UMA MICRO-TURBINA À GÁS NATURAL Copyright 2005, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Belo Horizonte, 26 de Abril de 2011 Jim Michelsen SCS Engineers & Frederico

Leia mais

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br Principais atividades da Zetec Tecnologia Ambiental Engenharia de Combustão Diagnósticos energéticos.

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

Potencial das Fontes de Energias Renováveis e Eficiência Energética

Potencial das Fontes de Energias Renováveis e Eficiência Energética Potencial das Fontes de Energias Renováveis e Eficiência Energética Rodolfo Tasca A matriz de energia renovável no Brasil é imensa, estima-se que cerca de 45% da energia utilizada no Brasil vem de fontes

Leia mais

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-056 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: Apesar de existir um grande número de tipos

Leia mais

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos.

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. R O C H A DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. O petróleo e seus derivados têm a maior participação na

Leia mais

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE 1 Wanderlei David Pereira, 2 João Lages Neto 1 Gerente de Recuperação e Utilidades Fibria Unidade Aracruz. 2 Especialista de Meio

Leia mais

Parte III Classes de temperatura, documentação, exemplos em CAD 2D e CAD 3D

Parte III Classes de temperatura, documentação, exemplos em CAD 2D e CAD 3D 32 Capítulo VIII Requisitos para automação de projetos e para estudos de classificação de áreas (com atmosferas explosivas de gases inflamáveis e de poeiras combustíveis em maquetes eletrônicas utilizando

Leia mais

A tecnologia ORC mais lucro, usando calor residual.

A tecnologia ORC mais lucro, usando calor residual. A tecnologia ORC mais lucro, usando calor residual. O processo de ciclo orgânico de Rankine (OCR) é similar ao ciclo básico de Rankine mas em vez de água utiliza um azeite orgânico em uma caldera de baixa

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS O que é biomassa? - É toda matéria orgânica proveniente das plantas e animais. Como se forma a biomassa? - A biomassa é obtida através da fotossíntese realizada pelas plantas.

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 10 - Gás Natural. Sorocaba, Abril de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 10 - Gás Natural. Sorocaba, Abril de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 10 - Gás Natural Sorocaba, Abril de 2015. Terminologia Líquidos de Gás Natural LGN - Hidrocarbonetos

Leia mais

Proposta para Curso de Combustão Industrial

Proposta para Curso de Combustão Industrial Proposta para Curso de Clayton Fernandes clayton.fernandes@uol.com.br 11 8951 2100 Título do Curso e suas Emissões Atmosféricas Objetivo Transferir conceitos fundamentais da combustão industrial e formação

Leia mais

POSTO ECOTECNOLÓGICO

POSTO ECOTECNOLÓGICO POSTO ECOTECNOLÓGICO CONCEITO Posto de serviços para teste e demonstração de novas tecnologias em equipamentos para abastecimento de GNV, novos combustíveis e geração de energia As premissas de sustentabilidade

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMADOS (Energia Solar - EEK508)

CONTEÚDOS PROGRAMADOS (Energia Solar - EEK508) (Energia Solar - EEK508) (Equipamentos de Processos - EEK524) (Fontes Alternativas de Energia - EEK525) (INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE - EEK 509) 1 Introdução Introdução ao controle de processos 2 2 - Controladores

Leia mais

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída. Prof. Jamil Haddad UNIFEI-EXCEN

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída. Prof. Jamil Haddad UNIFEI-EXCEN Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída Prof. Jamil Haddad UNIFEI-EXCEN Brasília, 28 de maio de 2015 Quarto Painel Experiências de Sucesso e Perspectivas: a Percepção da Academia Experiências

Leia mais

GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes

GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes Proposta REFINARIAS Subgrupo : CETESB, PETROBRAS Visão do Setor 12 Refinarias PETROBRAS: REMAN AM RPCC - RN RLAM BA LUBNOR CE REGAP MG REDUC RJ

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTOS E GERAÇÃO DE ENERGIA

TRATAMENTO DE ESGOTOS E GERAÇÃO DE ENERGIA Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica, Depto. de Recursos Hídricos e Meio Ambiente TRATAMENTO DE ESGOTOS E GERAÇÃO DE ENERGIA Eduardo Pacheco Jordão, Dr. Eng. GMI, florianópolis 2014

Leia mais

Prof. Marcos Aurélio Vasconcelos de Freitas (mfreitas@ivig.coppe.ufrj.br) Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais IVIG/COPPE/UFRJ

Prof. Marcos Aurélio Vasconcelos de Freitas (mfreitas@ivig.coppe.ufrj.br) Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais IVIG/COPPE/UFRJ Formação e Capacitação de Recursos Humanos p/exploração de Recursos Energéticos e Geração de Energia Prof. Marcos Aurélio Vasconcelos de Freitas (mfreitas@ivig.coppe.ufrj.br) Instituto Virtual Internacional

Leia mais

CB Fernandes Engenharia e Consultoria Ltda.

CB Fernandes Engenharia e Consultoria Ltda. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA: ÁREAS DE ATUAÇÃO: A CB Fernandes Engenharia é uma empresa de prestação de serviços especializados de engenharia e consultoria, voltada para a indústria, atuando nas áreas de: EFICIÊNCIA

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO. Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil.

TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO. Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil. TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil. Eng ARNO ROTHBARTH INTRODUÇÃO Nos dias atuais, onde o meio ambiente,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1) Geração e Transferência de Tecnologia 1.1) Estudo de viabilidade técnico-econômica de projetos Princípios fundamentais de aplicação de capital. Mecanismos de aplicação. Investimentos.

Leia mais

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS Compreenda a regulamentação referente à cogeração de energia e discuta possíveis mudanças as no setor Gabriel Barja São Paulo, outubro de 2006 Viabilidade Viabilidade

Leia mais

Soluções da Elipse garantem um melhor desempenho ao Centro de Pesquisas da Petrobras

Soluções da Elipse garantem um melhor desempenho ao Centro de Pesquisas da Petrobras Soluções da Elipse garantem um melhor desempenho ao Centro de Pesquisas da Petrobras Tecnologias da Elipse Software permitem controlar os sistemas de refrigeração e distribuição de energia elétrica aos

Leia mais

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO 426 Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO Maria Teresa Cristina Coelho¹; Jailton Garcia Ramos; Joab Costa dos Santos;

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

Projecto de uma fornalha para a queima de Biomassa lenhosa para alimentar o ciclo de refrigeração por absorção

Projecto de uma fornalha para a queima de Biomassa lenhosa para alimentar o ciclo de refrigeração por absorção UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Mecânica Ramo: Termotecnia Disciplina: Projecto do Curso Projecto de uma fornalha para a queima de Biomassa lenhosa para

Leia mais

PESQUISA CEPEL FINEP MCT EM INSTITUIÇÕES COM TRABALHOS EM ENERGIA RENOVÁVEL XII CBE. www.cresesb.cepel.br. Rio de Janeiro - 18 de novembro de 2008

PESQUISA CEPEL FINEP MCT EM INSTITUIÇÕES COM TRABALHOS EM ENERGIA RENOVÁVEL XII CBE. www.cresesb.cepel.br. Rio de Janeiro - 18 de novembro de 2008 PESQUISA CEPEL FINEP MCT EM INSTITUIÇÕES COM TRABALHOS EM ENERGIA RENOVÁVEL XII CBE Rio de Janeiro - 18 de novembro de 2008 www.cresesb.cepel.br Hamilton Moss de Souza Célia Regina S. H. Lourenço Sérgio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Núcleo de Excelência em Geração Termelétrica e Distribuída Centro de Treinamento de Operadores de Centrais Termelétricas Prof. Dr. Osvaldo José Venturini (responsável pelo

Leia mais

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico.

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. Justificativa: A desmobilização de Carbono que demorou centenas

Leia mais

Tecnologias de Produção de Hidrogênio

Tecnologias de Produção de Hidrogênio Programa de Pós-Graduação em Bioenergia Tecnologias de Produção de Hidrogênio Prof. Helton José Alves Palotina, 19/05/14 O HIDROGÊNIO - Elemento mais abundante do universo (95% em número de átomos e 75%

Leia mais

O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO

O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica CREEM 2005 O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO MSc. Paulo F. P. Ferreira Lab. de Hidrogênio - Unicamp O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO Premissa

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

1.2. Estado da arte.

1.2. Estado da arte. 1. Introdução A história recente do Sistema Elétrico Brasileiro é interessante. Depois de um longo período de monopólio estatal, o setor passou por profundas mudanças legais para tentar aumentar a eficiência

Leia mais

Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group

Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group Todo dia é Dia da Terra. 04 05 Sem energia não há vida... mas, o crescente uso da energia atual representa a maior ameaça à vida. Na

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

Devido aos investimentos relativamente baixos, a co-geração tem sido cada vez mais empregada para:

Devido aos investimentos relativamente baixos, a co-geração tem sido cada vez mais empregada para: 2-64 F. Co-geração A co-geração é a produção simultânea de energia térmica útil (calor na forma de água quente e vapor, ou frio) e energia mecânica, geralmente convertida total ou parcialmente em energia

Leia mais

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Elyas Medeiros Assessor do CGEE Líder do Estudo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação

Leia mais

TÍTULO: GERADOR DE INDUÇÃO COMO ALTERNATIVA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

TÍTULO: GERADOR DE INDUÇÃO COMO ALTERNATIVA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA TÍTULO: GERADOR DE INDUÇÃO COMO ALTERNATIVA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA JARAGUÁ DO SUL

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída (GD) Estudo de caso: Porto de Santos AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída

Leia mais

Potencial de geração de energia elétrica na Bahia usando resíduos agrícolas

Potencial de geração de energia elétrica na Bahia usando resíduos agrícolas 1 Potencial de geração de energia elétrica na Bahia usando resíduos agrícolas A. O. Uchoa, P. R. F. M. Bastos Resumo- A Biomassa é uma das fontes com maior disponibilidade no mundo, especialmente os resíduos

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais

1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais 1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais A atmosfera da Terra é fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos. Evoluiu, a partir do gás carbônico (CO 2 ) e vapor d água (H 2 O),

Leia mais

AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA

AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA 1 SEMINÁRIO DE ENGENHARIA DE ENERGIA PUC-MINAS - 20 de Abril de 2007 AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA Marco Tulio Starling de Vasconcellos marcotulio@tuma.com.br - Tel: (31) 2111-0053 www.tuma.com.br

Leia mais

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Engenharia Mecânica - Niterói O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

Biodigestão da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol

Biodigestão da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol Congresso Internacional sobre Geração Distribuída e Energia no Meio Rural da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol Priscila Alves Carneiro Heleno Quevedo de Lima Universidade Federal

Leia mais

Autor(es) LIAN SOTO IZQUIERDO. Orientador(es) FERNANDO DE LIMA CAMARGO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução

Autor(es) LIAN SOTO IZQUIERDO. Orientador(es) FERNANDO DE LIMA CAMARGO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução 18º Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE DIMENSIONAL DE GASEIFICADORES DO TIPO DOWNDRAFT PARA A GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM COMUNIDADES ISOLADAS Autor(es) LIAN SOTO IZQUIERDO Orientador(es) FERNANDO

Leia mais

FILTRO DE MANGAS E DESSULFURIZADOR DE GASES NO TRATAMENTO DOS GASES DE COMBUSTÃO. Rodrigo Lopes Missel Rodrigo Silva de Campos

FILTRO DE MANGAS E DESSULFURIZADOR DE GASES NO TRATAMENTO DOS GASES DE COMBUSTÃO. Rodrigo Lopes Missel Rodrigo Silva de Campos FILTRO DE MANGAS E DESSULFURIZADOR DE GASES NO TRATAMENTO DOS GASES DE COMBUSTÃO Rodrigo Lopes Missel Rodrigo Silva de Campos Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 24 de Agosto 2013

Leia mais

Sistema de Partida a Frio Eletrônico Auto-Controlável para Veículos Flex

Sistema de Partida a Frio Eletrônico Auto-Controlável para Veículos Flex Prêmio AEA 2015 - Projetos de Meio Ambiente Sistema de Partida a Frio Eletrônico Auto-Controlável para Veículos Flex Tadeu Amaral, Fábio Moreira, Fernando Yoshino, Heitor Cavalhieri, Roberta Cruz Centro

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE CALOR. em processos industriais. Uso do calor residual Economia em energia primária Proteção do meio ambiente Redução de custos

RECUPERAÇÃO DE CALOR. em processos industriais. Uso do calor residual Economia em energia primária Proteção do meio ambiente Redução de custos RECUPERAÇÃO DE CALOR em processos industriais Uso do calor residual Economia em energia primária Proteção do meio ambiente Redução de custos A RECUPERAÇÃO DO CALOR ECONOMIZA ENERGIA PRIMÁRIA Em várias

Leia mais

14º SBA A USINA DA SUPERAÇÃO

14º SBA A USINA DA SUPERAÇÃO 14º SBA A USINA DA SUPERAÇÃO VISÃO ATUALIZADA SOBRE A PRODUÇÃO DE VAPOR EM USINAS E DESTILARIAS ERICSON MARINO 30/10/2013 TEMAS DA APRESENTAÇÃO TRANSIÇÃO, DAS PRESSÕES E TEMPERATURAS DE VAPOR PRODUZIDO

Leia mais

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

Combustão Industrial

Combustão Industrial Combustão Industrial JOSÉ EDUARDO MAUTONE BARROS Professor Adjunto da Universidade Federal de Minas Gerais Coordenador do Laboratório de Combustíveis e Combustão Doutor em Engenharia Mecânica - Térmica

Leia mais

JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS

JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS 1. Objetivo: Considerando os limites estabelecidos pela CONAMA 382 como referências para as fontes existentes, este documento

Leia mais

APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS

APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS Apresentado por: Engº Francisco J. P. Oliveira Setembro / 2010 Objetivo Demonstrar de forma sucinta projetos de MDL, que envolvam a obtenção de créditos de

Leia mais

ANEXOS. da Proposta DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ANEXOS. da Proposta DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 18.12.2013 COM(2013) 919 final ANNEXES 1 to 4 ANEXOS da Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa à limitação das emissões para a atmosfera de certos

Leia mais

Soluções em Troca Térmica Spirax Sarco. Garantia de eficiência do seu sistema

Soluções em Troca Térmica Spirax Sarco. Garantia de eficiência do seu sistema Soluções em Troca Térmica Spirax Sarco Garantia de eficiência do seu sistema O time que você quer ao seu lado Conheça a equipe A Spirax Sarco proporciona Conhecimento, Serviços e Produtos em todo o mundo

Leia mais

Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos

Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos Pirólise Convencional (400 C x 60 minutos x pressão atmosférica) Quantidade ano 2011 (1.000 t) Motivação (exemplo)

Leia mais

Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica).

Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica). Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica). 1 Biomassa é uma substância orgânica, produzida pelo processo de acumulação de energia solar. O seu maior potencial

Leia mais

AR CONDICIONADO SOLAR

AR CONDICIONADO SOLAR ISO 9001 : 2008 Engenharia do Ar Condicionado De 08/04/2013 a 12/04/2013 Capítulo Especial sobre AR CONDICIONADO SOLAR Local: Hotel Windsor Guanabara Av. Presidente Vargas, 392 Centro Rio de Janeiro RJ

Leia mais

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA Cristine Kayser cristine@trisolutions.com.br Simone Maria Marcon simone@trisolutions.com.br Augusto dos Santos

Leia mais

TÉRMICO DELTASTORE SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO DE ENERGIA TÉRMICA. ECO biopowe r ECO ARMAZENAMENTO PARA APLICAÇÃO PÚBLICA, INDUSTRIAL E AGRÍCOLA

TÉRMICO DELTASTORE SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO DE ENERGIA TÉRMICA. ECO biopowe r ECO ARMAZENAMENTO PARA APLICAÇÃO PÚBLICA, INDUSTRIAL E AGRÍCOLA ARMAZENAMENTO TÉRMICO DELTASTORE SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO DE ENERGIA TÉRMICA PARA APLICAÇÃO PÚBLICA, INDUSTRIAL E AGRÍCOLA INVENTIVE BY NATURE ECO biopowe r Precis ão alem ã, energia brasileira! www.ecobiopower.com.br

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

Uma empresa do Grupo BG

Uma empresa do Grupo BG Uma empresa do Grupo BG Gás Natural. Esse é o nosso negócio BG Group no mundo Argentina Bolivia Brasil Uruguai Trinidade E Tobago Egito Irlanda Tunísia Palestina Reino Unido Itália Israel Cazaquistão Quatar

Leia mais

Centrais Geradoras do Sul do Brasil GERASUL

Centrais Geradoras do Sul do Brasil GERASUL Centrais Geradoras do Sul do Brasil GERASUL Título do Projeto: Pesquisa Aplicada em Superaquecedores Visando a Redução de Gradientes Térmicos Resultantes da Troca Irregular de Calor com os Gases de Combustão.

Leia mais

Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano

Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano Kuttner do Brasil Patrick Pottie 10-08-2009 Produção de Energia Ecologicamente Limpa pela Biometanização Anaeróbica do Lixo Orgânico e Poda Verde... pela...

Leia mais

UEM FACULDADE DE ENGENHARA DEMA

UEM FACULDADE DE ENGENHARA DEMA UEM FACULDADE DE ENGENHARA DEMA PROJECTO DE CURSO TEMA: projecção de um gerador de vapor para aquecer água de uma piscina AUTOR: Kapella Maria SUPREVISOR: Prof. Dr eng Jorge Nhambiu Kapella,Maria 1 EXTRUTURA

Leia mais