Automação do Teste de Sanidade para Dispositivos Móveis com o Auxílio da Ferramenta Robotium

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Automação do Teste de Sanidade para Dispositivos Móveis com o Auxílio da Ferramenta Robotium"

Transcrição

1 Automação do Teste de Sanidade para Dispositivos Móveis com o Auxílio da Ferramenta Robotium Lucas de B. Gomes 1, Erbett Hinton R. Oliveira 2, Kátia Cilene N. da Silva 1 1 Departamento de Computação Fundação Centro de Análise, Pesquisa e Inovação Tecnológica (Fucapi) CEP Manaus AM Brasil 2 Departamento de Computação Centro Universitário do Norte (Uninorte) Manaus, AM Brasil {lucas.gomes, Abstract. The agile processes for software development and the rapid growth of mobile applications require the testing phase follow this dynamism to ensure product quality. In Iterative and Incremental model, the realization of Sanity Test each new cycle allows an initial assessment before the software is released for further testing. With automation, in particular with the tool Robotium, the repetitive task of running tests becomes more effective, fast and reliable, releasing the test analyst for more detailed tasks. Resumo. Os processos ágeis de desenvolvimento de software e o rápido crescimento de aplicativos para dispositivos móveis exigem que a fase de testes acompanhe esse dinamismo a fim de garantir a qualidade do produto. No modelo Iterativo e Incremental, a realização do Teste de Sanidade a cada novo ciclo permite uma avaliação inicial antes do software ser liberado para testes mais aprofundados. Com a automação, em especial com a ferramenta Robotium, a tarefa repetitiva de execução de testes torna-se mais efetiva, rápida e confiável, liberando o analista de teste para tarefas mais minuciosas. 1. Introdução Um teste é dito automatizado quando se desenvolve um programa ou um script que executará os testes (Ramesh & Desikan, 2006). A automação tem como objetivo otimizar o tempo do analista de teste, diminuindo a necessidade de testes manuais, especialmente aqueles que são repetidos com frequência. Testes manuais repetitivos podem ser considerados maçantes e propensos a falhas humanas. Por outro lado, muitas empresas têm a ilusão que produzir scripts de testes automatizados possibilitará que o analista tenha um ganho imediato de tempo, uma eficácia melhor nos testes e uma cobertura mais completa do software. Partindo desse pressuposto, rapidamente adquirem ferramentas de automação de alto custo, sendo que o processo de teste destas não é bem definido e os testes manuais não são maduros (Caetano, 2008). Uma boa prática diz que antes de começar o processo de automatização dentro de uma empresa deve ser feito um projeto piloto para que seja retirada uma prova de Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

2 conceito (Hayes, 1996). A escolha da ferramenta de automação também é feita juntamente com a prova de conceito já a descartando se não atender as expectativas do analista de teste. Adaptando o comparativo descrito por Hayes (1996), existe uma diferença de pensamentos ao se fazer testes e automação de testes, conforme descrito na Tabela 1: Tabela 1. Comparativo entre os termos Testes e Automação de Testes Testes Conhecimento da aplicação O que realmente testar Criar casos de teste Pensar em cenários alternativos Automação de teste Saber desenvolver Como automatizar o teste Criar scripts de teste Programar de forma robusta e mais completa possível O que é possível automatizar Aplicar diferentes técnicas de teste Adicionar, reescrever ou modificar casos de teste O que realmente automatizar Criar um código manutenível Pode-se considerar, como uma das grandes vantagens da automação, a aproximação do analista de teste com o desenvolvedor do software, possibilitando a previsão e mitigação de erros para alcançar a melhoria da qualidade da aplicação. Uma metodologia que promove essa simbiose é denominada MCTA (Metodologia do Ciclo de vida do Teste Automatizado) na qual o analista de teste é incluído logo no início do ciclo de vida do sistema, durante a análise de negócios, em toda a fase de requisitos, construção e desenvolvimento do software. Essa aproximação gera cenários de testes automatizados mais robustos (Dustin; Rhaska; Paul,1999). A metodologia MCTA prima por alguns critérios de avaliação das funcionalidades que são revisadas pela equipe de automação de teste, dentre os quais: Completude. Avaliar se o requisito é bem definido. Consistência. Garantir que requisitos não se contradigam com outros. Viabilidade. Avaliar se o requisito pode realmente ser implementado com a tecnologia disponível, especificações de hardware, orçamento do projeto, cronograma e o nível dos recursos humanos. Testabilidade do software. Avaliar o grau em que um método de teste pode provar que um requisito foi implementado com sucesso. Em uma visão macro, a MCTA contempla seis processos primários (ou componentes) em seu ciclo de vida, conforme ilustrado na Figura 1: Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

3 Figura 1. Os seis processos da MCTA (Metodologia do Ciclo de vida do Teste Automatizado) Fonte: DUSTIN, E., RHASKA, J., PAUL, J. (1999). (Adaptado pelo autor). Segundo Caetano (2008), o analista que fará a automação dos testes é denominado um testador-desenvolvedor ou apenas um automatizador e tem que ter um interesse grande na área da programação, já que a atividade de automação é programação pura. O analista responsável pela automação deve ter interesse em conhecer as ferramentas ou frameworks que irão auxiliar na tarefa de implementar os scripts de teste e procurar aperfeiçoamento contínuo nesta técnica de teste. Vale ressaltar que nem sempre um bom analista de teste se tornará um bom testadordesenvolvedor. Certos testes, como o Teste de Sanidade, são repetidos a cada nova entrega, por isso, este tipo de teste é um forte candidato a sofrer automação. 2. Estado da Arte O campo de testes automatizados em dispositivos móveis incluem trabalhos como o Teste de Integração para Android (Jeon, 2012) e Testes de Regressão utilizando o Robotium (Knott, 2011). Segundo Talwar, Bhushan e Gupta (2012), um Teste de Sanidade é um teste básico para avaliar rapidamente a validade de uma afirmação ou cálculo. Com a efetiva repetição desse tipo de teste, Caetano (2008) estabelece papéis e ferramentas para tal tarefa. Contudo, a automação mobile exige frameworks distintos dos utilizados pelas aplicações web. Por isso, o trabalho de Reda (2012) no desenvolvimento do Robotium que automatiza aplicações Android tem sido de suma importância no desenvolvimento de novas possibilidades na área de teste de software. Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

4 3. Teste de Sanidade Teste de Sanidade (Sanity Test) é o teste realizado quando se deseja verificar o comportamento principal da funcionalidade e a aplicação é considerada sã, para que se possa prosseguir com outros testes mais completos (Limaye, 2009). As vantagens de se utilizar os Testes de Sanidade incluem sua abrangência, bem mais amplo que os demais, além de ser rápido para ser executado. Segundo Rabia (2011), o uso desse tipo de teste aumenta muito a qualidade do software e reduz os esforços requeridos no processo de validação. O desenvolvimento para dispositivos móveis, especialmente alavancados pelo sistema operacional Android, também pode usufruir das vantagens do Teste de Sanidade, pois o seu ciclo de desenvolvimento não foge à regra do utilizados em outras plataformas. 4. Android Segundo Pereira & Silva (2009), o Android é uma plataforma para tecnologia móvel completa, envolvendo um pacote de programas para diversos dispositivos, já com sistema operacional, middleware, aplicativos e interface do usuário. A plataforma tem a característica de ser desenvolvido com código-aberto e baseado no sistema operacional Linux. A Figura 2 mostra como está definida a arquitetura Android. Figura 2. Arquitetura Android Fonte: Pereira, L., Silva, M. Android para Desenvolvedores (2009). (Adaptado pelo autor). No intuito de obter uma participação no mercado de software para dispositivos móveis, a Google uniu-se a um grupo de empresas líderes do mercado de telefonia tais como LG, Motorola, Samsung, dentre outras. Esse grupo é denominado de Open Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

5 Handset Alliance (OHA) e tem por objetivo padronizar a plataforma, de modo esta atenda às expectativas do usuário frente às tendências do mercado. Com o uso de um SDK (Software Development Kit), criar aplicativos na plataforma tornou-se uma opção para empresas e desenvolvedores independentes. A qualidade do software, contudo, depende de testes na aplicação, como os testes unitários, isto é, testes aplicados nas menores unidades do código (métodos, classes etc), que podem ser realizados com o framework JUnit. 4.1 JUnit O JUnit é um framework de teste unitário capaz de testar e validar o funcionamento uma unidade do código isoladamente, ou seja, seu comportamento interno. Foi criado em 1997 por Kent Beck e Erich Gamma tendo em mente que um componente não pode ser provado que funcione até ser testado. O JUnit é open source, liberado sob a Common Public License Version 1.0 da IBM. É considerado uma ferramenta para o Java simples, mas poderosa e efetiva (Massol e Husted, 2004). Para testes que avaliem o comportamento externo da aplicação móvel, foi criado um framework denominado Robotium. Unindo-se ao JUnit, ambos fornecem recursos capazes de automatizar e validar as entradas e saídas. 4.2 Robotium O Robotium é um framework capaz de fazer testes de caixa-preta automatizados para Android. Suas funcionalidades incluem a simulação de eventos como toques, cliques, entrada/modificação de texto e demais ações reproduzidas pelo usuário (Knott, 2011). Os testes escritos no Robotium podem ser simulados no Android por meio da AVD (Android Virtual Machine) que é um emulador de um dispositivo ou em um equipamento real, dando ao analista um resultado instantâneo do processo de automação (Knott, 2011). O Robotium foi desenvolvido em Java e os scripts podem ser executados no framework de testes JUnit. Assim, tem-se toda a flexibilidade do Robotium com o poder de rastreabilidade que o JUnit oferece, apresentando resultados compreensíveis para o analista. Apesar da simplicidade do Robotium, o seu arcabouço de métodos permite que o analista escreva scripts robustos para cenários complexos. Para que o framework funcione é necessária a importação de apenas um arquivo JAR (Java Archive) no classpath do projeto de teste. Pode-se dizer que o Robotium é uma evolução dos testes de instrumentação antes feitos de uma forma bem complexa que requeriam que o analista soubesse a fundo o código implementado pelos desenvolvedores para que um teste pudesse ser feito e sendo que os testes de instrumentação eram lentos, não era adequado utilizá-los em TDD (Test-Driven Development ou Desenvolvimento Orientado a Testes) e aplicativos complexos eram difíceis de automatizar (Reda, 2010). Segundo Reda (2012) pode-se citar os benefícios do Robotium: Fácil escrita scripts de teste; Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

6 Delays automáticos nos testes; Automaticamente segue a Activity atual; Views achadas automaticamente; Nenhuma modificação feita na plataforma Android. 5. Estudo de Caso O objetivo deste estudo de caso é demonstrar, através da implementação e execução dos casos de teste (de forma manual e automatizada), as vantagens do processo de automação em um dispositivo móvel. Para obter os resultados, foram aplicados Testes de Sanidade manuais e automatizados no aplicativo Lista de Compra, conforme ilustrado na Figura 3. Nesse sistema, o usuário pode cadastrar uma lista de compras e itens nesta lista. Figura 3. Aplicativo Lista de Compra Foram usados quatro dispositivos, com diferentes versões do Android, conforme descrito na Tabela 2: Tabela 2. Dispositivos usados Dispositivos usados Fabricante Versão do Android Galaxy Mini Samsung Galaxy S2 Samsung Galaxy S3 Samsung Galaxy Tab 7 Samsung Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

7 Foram criados cinco casos de teste de forma objetiva o que caracteriza o Teste de Sanidade na ferramenta TestLink (uma ferramenta de gerenciamento de testes) para testar as funcionalidades principais do aplicativo. Foram especificados testes para incluir lista e seus itens, editar itens e, por final, excluir a lista. A Figura 4 demonstra como foi feita a especificação do caso de teste para incluir um item na lista. Figura 4. Demonstração do caso de teste Com o auxílio do framework Robotium foi criado um método para cada caso de teste especificado no TestLink correspondente com o seu objetivo, seus passos e resultado esperado como é demonstrado na Figura 5 o script utilizado para testar o caso de teste. Figura 5. Demonstração do script utilizado para testar a inclusão de um novo item na lista Para a validação e coleta de métrica dos testes executados de forma automatizada todos os scripts foram executados em conjunto pelo framework JUnit. A Figura 6 demonstra o framework validando o script. Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

8 Figura 6. Demonstração do framework JUnit validando o script 5.1 Resultados Obtidos e Análise dos Resultados Para obter a quantidade de tempo que um analista de teste gasta executando os testes de sanidade foi executado os cinco casos de teste e toda a atividade foi cronometrada para cada dispositivo e a Tabela 3 demonstra os resultados: Tabela 3. Tempo gasto de teste manual para cada dispositivo Execução dos testes manuais Dispositivos Tempo de execução Galaxy Mini 4 min. e 02 seg. Galaxy S2 3 min. e 54 seg. Galaxy S3 3 min. e 44 seg. Galaxy Tab 7 3 min. e 40 seg. Analisando a Tabela 3, o analista de teste gastaria, em média, a soma de quinze minutos para executar os cinco testes de sanidade especificados no TestLink nos quatro dispositivos distintos. Executando os mesmos testes de forma automatizada temos os resultados demonstrados na Tabela 4: Tabela 4. Tempo gasto de teste automatizado para cada dispositivo Execução dos testes automatizados Dispositivos Tempo de execução Galaxy Mini 43 seg. Galaxy S2 43 seg. Galaxy S3 43 seg. Galaxy Tab 7 44 seg. Ao comparar as duas tabelas, fica nítida a diferença de tempo na execução entre o teste manual e o automatizado. Apesar desse resultado ser previsível, há de se considerar que a curva de esforço para a implementação dos testes automatizados é muito superior a dos testes manuais, o que dá a esse último maior velocidade nas fases iniciais. Essa vantagem, entretanto, é transposta pelos testes automatizados, principalmente quando há a necessidade de nova execução dos testes, como no caso do Teste de Sanidade. A Figura 7 demonstra o ganho de tempo que o analista de teste terá ao executar de forma automatizada, notável a partir do ciclo 3. Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

9 Figura 7. Demonstração do ganho de tempo Analisando a Tabela 4, o analista de teste gastaria em média dois minutos para a execução dos cinco testes. O resultado do tempo relatado na Tabela 4 é a soma feita na métrica do framework JUnit apresentado na Figura 8: 6. Conclusão Figura 8. Demonstração da métrica obtida pelo framework JUnit Com o grande crescimento do mercado de dispositivos móveis a quantidade de testes manuais pode ser extensos devido à divergência de configuração e resolução dos dispositivos submetidos aos testes e a automação vem auxiliar o analista de teste lhe dando agilidade nos testes, resultados rápidos e garantir com mais precisão as funcionalidades do aplicativo. Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

10 Quando se é aplicado à automação de forma correta desde o início do projeto o analista de teste poderá ter um ganho significativo de tempo, no qual pode ser investido em testes adicionais ou testes exploratórios com o objetivo de achar a quantidade máxima de falhas e cobrir o máximo de cenários possíveis. Referências Gopalaswany, R. e Srinivasan, D. (2006) Software Testing - Principles and Practices, Dorling Kindersley (India) Pvt. Ltd.; 1a. edição. Caetano, C. (2008) Engenharia de Software Magazine, DevMedia Revista Digital; 5a. edição. Jeon, J. e Foster, J. (2012) "Troyd: Integration Testing for Android", Technical Report CS-TR-5013, ago Dustin, E., Rhaska, J. e Paul, J. (2008) Automated Software Testing Intruduction, Management and Performance, Addison Wesley Ltd.; 13a. edição. Hayes, L. (1996) The Automated Testing Handbook, Software Testing Institute; 2a edição. Limaye, M. (2009) Software Testing: Principles, Technics and Tools, Tata McGraw Hill Education Private Limited; 1a edição. Zain, J. M., Mohd, W. M. W., El-Qawasmeh Eyas, Software Engineering and Computer Systems: Second International Conference, 181., Kuantan, Pahang, Malaysia. Anais... Kuantan, Pahang, Malaysia, 2011, 829 p. Knott, D. (2011), The magazine for Agile Developers and Agile Testers, Agile Record Free Digital Version; 7a. edição. Talwar, R., Bhusnan, B., Gupta, R., International Journal of Research in IT & Management, v.2, n.2, p.6, fev Reda, R. e Josefson, H. (2010), Robotium Easy Black-box Testing for Android, mar. Reda, R. (2012), Methods & Tools Practical knowledge for the software developer, tester and project manager, mar. Pereira, L. e Silva, M. (2009) Android para Desenvolvedores, Brasport Livros e Multimídia Ltda.; 1a. edição. Massol, V. e Husted, T.(2004), JUnit In Action, Manning Publications Co.; 1a. edição. Manaus, 25 a 27 de abril de ISSN (CDR)

Pré-Projeto do Trabalho de Conclusão de Curso Tiago Garcia Pereira 1. INTRODUÇÃO

Pré-Projeto do Trabalho de Conclusão de Curso Tiago Garcia Pereira 1. INTRODUÇÃO UM PADRÃO ABERTO DE SOFTWARE PARA COMPUTAÇÃO MÓVEL: UM ESTUDO SOBRE GOOGLE ANDROID 1. INTRODUÇÃO O aumento do número usuários de dispositivos móveis atrai cada vez os desenvolvedores a produzir aplicações

Leia mais

ESCOLHA UM TESTE PARA EXECUTAR

ESCOLHA UM TESTE PARA EXECUTAR ESCOLHA UM TESTE PARA EXECUTAR Acompanhe o ritmo de aceleração dos ciclos de lançamento. Descubra a automatização com um toque humano EXECUTE UM TESTE 26032015 Com a Borland, tanto analistas de negócios

Leia mais

Especificação e Automação Colaborativas de Testes utilizando a técnica BDD

Especificação e Automação Colaborativas de Testes utilizando a técnica BDD Especificação e Automação Colaborativas de Testes utilizando a técnica BDD Rafael Chiavegatto¹, Vanilton Pinheiro¹, Andréia Freitas Vieira¹, João Clineu¹, Erbett Hinton Oliveira¹, Ellen Barroso¹, Alexandre

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO

UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO Robson L. Nascimento 1, Késsia R. C. Marchi¹ 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil robsonluisn@yahoo.com.br,

Leia mais

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Audrey B. Vasconcelos, Iuri Santos Souza, Ivonei F. da Silva, Keldjan Alves Centro de Informática Universidade

Leia mais

O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Renan Leme Nazário, Ricardo Rufino Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR - Brasil renazariorln@gmail.com, ricardo@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

TESTES AUTOMATIZADOS COM JUNITE MOCKITO

TESTES AUTOMATIZADOS COM JUNITE MOCKITO TESTES AUTOMATIZADOS COM JUNITE MOCKITO Jaime William Dias 12, Dener Barranco 1, Douglas Delapria 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) 2 Universidade Estadual de Maringá (UEM) Paranavaí PR Brasil dener_barranco@hotmail.com,

Leia mais

Acadêmico: Maicon Machado Orientador: José Carlos Toniazzo

Acadêmico: Maicon Machado Orientador: José Carlos Toniazzo Acadêmico: Maicon Machado Orientador: José Carlos Toniazzo Tema; Delimitação do Problema; Hipóteses ou questões de pesquisa; Objetivos; Justificativa; Revisão Bibliográfica; Cronograma; Referências. Desenvolver

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

OBJETIVO Criação e execução de um projeto Android dentro da IDE IntelliJ.

OBJETIVO Criação e execução de um projeto Android dentro da IDE IntelliJ. Técnico em Informática Turma 10 Programação para Dispositivos Móveis Roteiro Parcial de Projeto Guilherme Cruz OBJETIVO Criação e execução de um projeto Android dentro da IDE IntelliJ. FERRAMENTA IntelliJ

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS Leandro Guilherme Gouvea 1, João Paulo Rodrigues 1, Wyllian Fressatti 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leandrog.gouvea@gmail.com,

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 5 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 5-05/05/2006 1 Dúvidas da aula passada RUP (Rational Unified Process) é uma ferramenta ou um processo? Resposta: os dois. O

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID Maik Olher CHAVES 1 ; Daniela Costa Terra 2. 1 Graduado no curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Sobre a Prime Control

Sobre a Prime Control Sobre a Prime Control A Prime Control é um Centro de Excelência em Qualidade de Software. Nossa missão é desenvolver, aperfeiçoar e realizar serviços de testes de software inovadores que agregam valor

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson QUALIDADE Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software - SBQS Instituto Nokia de Tecnologia Unit Test Sucess Bug INdT Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

1/26/2009. Baseadas em http://www.voelter.de/services/mdsdtutorial.html. Experiência pessoal/profissional/acadêmica

1/26/2009. Baseadas em http://www.voelter.de/services/mdsdtutorial.html. Experiência pessoal/profissional/acadêmica Baseadas em http://www.voelter.de/services/mdsdtutorial.html Experiência pessoal/profissional/acadêmica 1 Metamodelo UML Meu Metamodelo Meu processo de negócios Meu processo de negócios Stereotypes Perfis

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

Uma Extensão da Disciplina de Requisitos do OpenUP/Basic para a Construção de Ontologias Aplicadas à Web Semântica

Uma Extensão da Disciplina de Requisitos do OpenUP/Basic para a Construção de Ontologias Aplicadas à Web Semântica SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL 11 e 12 de Agosto Universidade Federal Fluminense Departamento de Ciência da Informação Niterói Rio de Janeiro Brasil [X] Tema 2 Técnicas e Ferramentas em Ontologias

Leia mais

AutoTest Um Framework Reutilizável para a Automação de Teste Funcional de Software

AutoTest Um Framework Reutilizável para a Automação de Teste Funcional de Software AutoTest Um Framework Reutilizável para a Automação de Teste Funcional de Software Marcelo Fantinato CPqD Telecom & IT Solutions UNICAMP Instituto de Computação Campinas SP Agenda Motivação Objetivo Automação

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software

Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software Curso de Verão Centro de Competência em Software Livre Departamento de Ciência da Computação - IME / USP Realização: AgilCoop Verão Ágil 2010 Copyleft

Leia mais

Dispositivos móveis e o mercado Android Open Handset Alliance Informações sobre Android Arquitetura

Dispositivos móveis e o mercado Android Open Handset Alliance Informações sobre Android Arquitetura Dispositivos móveis e o mercado Android Open Handset Alliance Informações sobre Android Arquitetura Dispositivos móveis e o mercado Mercado cresce a cada ano Muitos recursos Múltiplas plataforma Symbian

Leia mais

Desenvolvimento de um aplicativo básico usando o Google Android

Desenvolvimento de um aplicativo básico usando o Google Android Desenvolvimento de um aplicativo básico usando o Google Android (Organização do Ambiente) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus

Leia mais

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso Uma única plataforma BPM que oferece total visibilidade e gerenciamento de seus processos de negócios 2 IBM Business Process Manager Simples

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio. Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas superior

O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio. Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas superior 1 Orientações iniciais Dê preferência ao uso de uma conexão de banda larga O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Desenvolvimento Orientado a Comportamento com Testes Automatizados utilizando JBehave e Selenium

Desenvolvimento Orientado a Comportamento com Testes Automatizados utilizando JBehave e Selenium Desenvolvimento Orientado a Comportamento com Testes Automatizados utilizando JBehave e Selenium Rafael B. Chiavegatto¹, Lidiane V. da Silva², Andréia Vieira², William R. Malvezzi¹ ¹Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

Gestão de Configurações II

Gestão de Configurações II Gestão de Configurações II Bibliografia Livro: Software Configuration Management Patterns: Effective Teamwork, Practical Integration Gestão de Projecto 14 Padrões de Gestão Os padrões de gestão de configurações

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicativos com ASR para Android

Desenvolvimento de Aplicativos com ASR para Android Desenvolvimento de Aplicativos com ASR para Android Jonathas Trindade e Thiago Sylas Universidade Federal do Pará Instituto de Tecnologia LaPS - Laboratório de Processamento de Sinais. 24/01/2012 1 / 16

Leia mais

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Engenharia de Software Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/08/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Agenda Introdução à Engenharia

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Experiência em Automação do Processo de Testes em Ambiente Ágil com SCRUM e ferramentas OpenSource

Experiência em Automação do Processo de Testes em Ambiente Ágil com SCRUM e ferramentas OpenSource Experiência em Automação do Processo de Testes em Ambiente Ágil com SCRUM e ferramentas OpenSource Eliane F. Collins 1, Luana M. de A. Lobão 1, 2 1 Instituto Nokia de Tecnologia (INdT) Caixa Postal 7200

Leia mais

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Fundamentos em Teste de Software Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Objetivos do treinamento 1. Expor os fundamentos de Teste de Software; 2. Conceituar os Níveis de Teste; 3. Detalhar sobre

Leia mais

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 01 INTRODUÇÃO A TESTES DE SOFTWARE Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático do Curso Introdução a Testes de Software Técnicas de Testes de Software

Leia mais

O que é o Android? O que é o Android

O que é o Android? O que é o Android O que é o Android? O Android é um sistema operacional para dispositivos móveis, baseado em uma plataforma de código aberta sob a licença apache, permitindo que os fabricantes possam modificar seu código

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

Professor: Curso: Disciplina:

Professor: Curso: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Aula 1 Turma: Esp. Marcos Morais de Sousa Sistemas de informação Engenharia de Software I Dinâmica da disciplina, plano de curso e avaliação 03º semestre Prof. Esp. Marcos

Leia mais

Linha Silk: a maneira leve para testar, desenvolver e gerenciar

Linha Silk: a maneira leve para testar, desenvolver e gerenciar Linha : a maneira leve para testar, desenvolver e gerenciar Leve Criado apenas com a funcionalidade que você precisa Barato Do uso gratuito ao licenciamento flexível Eficiente Software fácil de usar e

Leia mais

Sistemas Embarcados Android

Sistemas Embarcados Android Engenharia Elétrica UFPR 7 de março de 2013 Outline Desenvolvido para sistemas móveis pelo Google: Android Open Source Project (AOSP) Grande sucesso, devido a combinação de: open source licensing aggressive

Leia mais

Introdução a programação de dispositivos móveis. Prof. Me. Hélio Esperidião

Introdução a programação de dispositivos móveis. Prof. Me. Hélio Esperidião Introdução a programação de dispositivos móveis. Prof. Me. Hélio Esperidião Windows Mobile O Windows Mobile é um sistema operacional compacto, desenvolvido para rodar em dispositivos móveis como Pocket

Leia mais

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes

Leia mais

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Olá, seja bem-vindo à primeira aula do curso para desenvolvedor de Android, neste curso você irá aprender a criar aplicativos para dispositivos

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE COM XP. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

TESTE DE SOFTWARE COM XP. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com TESTE DE SOFTWARE COM XP Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Contexto Inúmeros processos de software Evolução das formas/metodologias de desenvolvimento de software Dificuldades encontradas

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva Equipe (Ciência da Computação): Airton Sobral (asds) Alan Gomes (aga) Glauco Roberto (grps)

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Desenvolvimento Rápido de Software 2 1 Para quê o Desenvolvimento Rápido de Software? Os negócios

Leia mais

Introdução a Computação Móvel

Introdução a Computação Móvel Introdução a Computação Móvel Computação Móvel Prof. Me. Adauto Mendes adauto.inatel@gmail.com Histórico Em 1947 alguns engenheiros resolveram mudar o rumo da história da telefonia. Pensando em uma maneira

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA PROJETO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ALUNO RICARDO CARDOSO TERZELLA

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

fornecendo valor com inovações de serviços de negócios

fornecendo valor com inovações de serviços de negócios fornecendo valor com inovações de serviços de negócios A TI é grande. Tantos bits no universo digital quanto estrelas em nosso universo físico. é arriscada. Dois terços dos projetos de TI estão em risco,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE IDE PARA PLATAFORMA OMAP. Larissa Lucena Vasconcelos¹, Raul Fernandes Herbster², Joseana Macêdo Fechine³

DESENVOLVIMENTO DE IDE PARA PLATAFORMA OMAP. Larissa Lucena Vasconcelos¹, Raul Fernandes Herbster², Joseana Macêdo Fechine³ DESENVOLVIMENTO DE IDE PARA PLATAFORMA OMAP Larissa Lucena Vasconcelos¹, Raul Fernandes Herbster², Joseana Macêdo Fechine³ 1 Aluna do Curso de Ciência da Computação, integrante do PET-Computação, Depto.

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Contextualização ENGENHARIA DE SOFTWARE ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Perspectiva Histórica Engenharia de Software 1940:

Leia mais

ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING

ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING Análise do Produto Dr. Charles Clarke ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING Tendências e requisitos do setor...3 Uma nova abordagem de programação de inspeção de CMM...4 O aplicativo na prática...5

Leia mais

Estratégias para o Desenvolvimento de Aplicações Móveis HP Enterprise Services CMT - Cloud, Mobility and Transformation Março, 2013

Estratégias para o Desenvolvimento de Aplicações Móveis HP Enterprise Services CMT - Cloud, Mobility and Transformation Março, 2013 Estratégias para o Desenvolvimento de Aplicações Móveis HP Enterprise Services CMT - Cloud, Mobility and Transformation Março, 2013 Copyright 2012 Hewlett-Packard Development Company, L.P. The information

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Teste de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Teste de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Teste de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Introdução Teste é um conjunto de atividades que pode ser planejado antecipadamente

Leia mais

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos Plano de Testes Versão DeltaInfo Soluções para web Soluções para o mundo DeltaInfo 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO CONFIGURAÇÃO IDE ECLIPSE

MANUAL DE INSTALAÇÃO CONFIGURAÇÃO IDE ECLIPSE MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO IDE ECLIPSE T1011 GUILHERME RODRIGUES Ano 2015 MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DA IDE ECLIPSE. Neste documento aborda como instalar e configurar a IDE eclipse para

Leia mais

Agile Practices for Mobile Testing

Agile Practices for Mobile Testing Agile Practices for Mobile Testing Eliane Collins Eliane Collins INdT eliane.collinso@indt.og.br 1 Apresentação Eliane Collins Bacharel em Engenharia de Computação (UEA - EST) Mestre em Engenharia Elétrica

Leia mais

Um Arcabouço open source em Python para DBC com

Um Arcabouço open source em Python para DBC com Um Arcabouço open source em Python para DBC com Suporte à Evolução Dinâmica não Antecipada Yguaratã C. Cavacanti 1, Hyggo Oliveira de Almeida 1, Evandro Costa 2 1 Instituto de Computação Universidade Federal

Leia mais

35% GARTNER. Despesas com tecnologia ocorrem fora da T.I. Fazem uso de tecnologias não aprovadas pela T.I.

35% GARTNER. Despesas com tecnologia ocorrem fora da T.I. Fazem uso de tecnologias não aprovadas pela T.I. DEVOPS E PAAS - ABORDAGENS E FERRAMENTAS PARA ATENDER AS NOVAS DEMANDAS DE MERCADO Rodrigo Ramalho da Silva - Solutions Architect rramalho@redhat.com INOVAR NÃO É UMA ESCOLHA Organizações de T.I. que não

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Documento técnico de negócios. Práticas recomendadas para implementar soluções automatizadas de teste funcional

Documento técnico de negócios. Práticas recomendadas para implementar soluções automatizadas de teste funcional Documento técnico de negócios Práticas recomendadas para implementar soluções automatizadas de teste funcional Índice Contents 3 Introdução 3 Testes funcionais e testes de unidades 4 Os prós e os contras

Leia mais

Sistema IBM PureApplication

Sistema IBM PureApplication Sistema IBM PureApplication Sistema IBM PureApplication Sistemas de plataforma de aplicativos com conhecimento integrado 2 Sistema IBM PureApplication A TI está vindo para o centro estratégico dos negócios

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil Automação de Processos Jones Madruga Promover melhorias e inovações que efetivamente criam valor não é simples... Apresentação Ø Organização PRIVADA

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software Aula 02. Prof.: Franklin M. Correia

Princípios da Engenharia de Software Aula 02. Prof.: Franklin M. Correia Princípios da Engenharia de Software Aula 02 Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Introdução a Engenharia de Software O que é software? O que é Engenharia de Software? Conceitos importantes Tipos

Leia mais

Sistemas Embarcados Android

Sistemas Embarcados Android Engenharia Elétrica UFPR 13 de novembro de 2014 Desenvolvido para sistemas móveis pelo Google: Android Open Source Project (AOSP) Grande sucesso, devido a combinação de: open source licensing aggressive

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT Disciplina: Modelagem a Programação Orientada a Objetos

Leia mais

GuiBi: Um aplicativo para plataforma Android com um guia comercial da cidade de Bambuí MG

GuiBi: Um aplicativo para plataforma Android com um guia comercial da cidade de Bambuí MG GuiBi: Um aplicativo para plataforma Android com um guia comercial da cidade de Bambuí MG Bruno Alberto Soares Oliveira 1,3 ; Lucas Vieira Murilo 1,3 ; Maik Olher Chaves 2,3 1 Estudante de Engenharia de

Leia mais

Leves ou pesadas Incrementais, cascata, lineares... etc. Pro ativas e reativas RAD, SDLC

Leves ou pesadas Incrementais, cascata, lineares... etc. Pro ativas e reativas RAD, SDLC Classificações: Leves ou pesadas Incrementais, cascata, lineares... etc. Pro ativas e reativas RAD, SDLC Vantagens das metodologias light Flexível para mudanças Adaptável a novos requisitos Orientada

Leia mais

Engenharia da WEB 16/08/2011. Vida moderna. Sistemas WEB

Engenharia da WEB 16/08/2011. Vida moderna. Sistemas WEB Engenharia da WEB Fernando Schütz Especialização 2010 UTFPR Vida moderna Sistemas WEB Início Arquivos hipertexto Hoje Bancos! Powell Sistemas WEB envolvem uma mistura de publicação impressa e desenvolvimento

Leia mais

Programação para Dispositivos Móveis

Programação para Dispositivos Móveis Programação para Dispositivos Móveis Fatec Ipiranga Análise e Desenvolvimento de Sistemas Aula 02 História do desenvolvimento de software para dispositivos móveis Dalton Martins dmartins@gmail.com São

Leia mais

A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC

A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC O AMBIENTE OPERACIONAL QUE AGREGA A CONFIABILIDADE E O SUPORTE DA ITAUTEC À SEGURANÇA E À PERFORMANCE DO LINUX O LIBRIX É UMA DISTRIBUIÇÃO PROFISSIONAL LINUX

Leia mais

Um Sistema Web para apoio ao Gerenciamento de atividades de Teste de Software em Pequenas Empresas

Um Sistema Web para apoio ao Gerenciamento de atividades de Teste de Software em Pequenas Empresas Um Sistema Web para apoio ao Gerenciamento de atividades de Teste de Software em Pequenas Empresas Luciano Gomes Helvinger, Rodrigo Prestes Machado Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdade

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PRODUTO. Mais que um software, o método mais eficaz para conciliar.

APRESENTAÇÃO DO PRODUTO. Mais que um software, o método mais eficaz para conciliar. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO Mais que um software, o método mais eficaz para conciliar. Com Conciliac é possível conciliar automaticamente qualquer tipo de transação; Bancos, Cartões de Crédito e Débito, Contas

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Fábrica de Software 29/04/2015

Fábrica de Software 29/04/2015 Fábrica de Software 29/04/2015 Crise do Software Fábrica de Software Analogias costumam ser usadas para tentar entender melhor algo ou alguma coisa. A idéia é simples: compara-se o conceito que não se

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais