UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM PRODUÇÃO E GESTÃO AGROINDUSTRIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM PRODUÇÃO E GESTÃO AGROINDUSTRIAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM PRODUÇÃO E GESTÃO AGROINDUSTRIAL JIYAN YARI DESENVOLVIMENTO DE MINIPLATAFORMA DE COLETA DE DADOS METEOROLÓGICOS PARA PEQUENOS PRODUTORES RURAIS UTILIZANDO AS TECNOLOGIAS LIVRES ARDUINO E ANDROID CAMPO GRANDE - MS 2013

2 JIYAN YARI DESENVOLVIMENTO DE MINIPLATAFORMA DE COLETA DE DADOS METEOROLÓGICOS PARA PEQUENOS PRODUTORES UTILIZANDO AS TECNOLOGIAS LIVRES ARDUINO E ANDROID Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em nível de Mestrado Profissional em Produção e Gestão Agroindustrial da Universidade Anhanguera - Uniderp, como parte dos requisitos para a obtenção do título de Mestre em Produção e Gestão Agroindustrial. Comitê de Orientação: Prof. Dr. Celso Correia de Souza Prof. Dr. José Antônio Maior Bono CAMPO GRANDE MS 2013

3

4

5 DEDICO Dedico este trabalho com todo amor e respeito a Deus por ter proporcionado tudo que tenho em minha vida e muito especialmente aos meus pais por terem, a vida toda, me estimulado e motivado a estudar e a deixar um legado positivo à humanidade, por terem criado em mim a percepção de humanidade e de cidadania e ensinado que o trabalho, o sacrifício, a honestidade, a integridade e a bondade é que forjam um ser humano. ii

6 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus, meus queridos e amados pais, que sacrificaram suas vidas para tudo me darem e tudo me ensinarem, Ghassem Yari e Manijeh Astani, meus amados irmãos Zargham Yari e Sarvin Yari, meus avôs paternos (Setare Yari e Rahim Yari in memorian) e maternos (Rohanieh Say Oskui e Nematollá Astani - in memorian), minha sogra Maria José Pires (Dona Dedé), que por vezes cuidou de meus filhos com todo o seu amor e carinho, meu sogro Sr. Ademar do Prado, minha querida e amada esposa, minha fonte de inspiração e minha força, Alexandra, meus amados filhos pelos quais tenho verdadeira paixão e minha razão de viver, Jiyanzinho e Laryssa, os quais muitas vezes tive de sacrificar com a minha ausência neste período de mestrado (que recompensarei em dobro) e aos queridos amigos do curso de mestrado com os quais tive momentos de convivência inesquecíveis, com muitas noites de estudos, viagens e alegrias compartilhadas em sala de aula e finalmente a nossa secretária do mestrado Alinne Freitas Signorelli, que ajudou a todos neste período de nosso curso da melhor forma que pôde, aos professores do mestrado Denise Renata Pedrino, Francisco de Assis Rolim Pereira, Guilherme Cunha Malafaia, Juliane Ludwig, Marcos Barbosa Ferreira, Ivo Martins Souza (in memorian), Edison Rubens Arrabal Arias, Fernando Paim Costa, meu co-orientador José Antonio Maior Bono e meu orientador, Celso Correia Souza, os quais agradeço profundamente pela paciência, humanidade e profissionalismo com a qual me trataram; e às bandas Led Zepellin, AC/DC, Iron Maiden, Def Leppard, Pantera, Scorpions, Metallica, Gun s and Roses e outras bandas de rock que me ajudaram nas noites em claro que passei codando, testando sensores e módulos e escrevendo a dissertação. iii

7 SUMÁRIO LISTA DE SÍMBOLOS, ABREVIATURAS E NOMENCLATURAS... vi LISTA DE QUADROS... ix LISTA DE FIGURAS... x 1. INTRODUÇÃO GERAL REVISÃO GERAL DE LITERATURA Agricultura de precisão Dados agrometeorológicos Planejamento agropecuário e tomada de decisões Plataforma de Coleta de Dados (PCD) Tecnologia de prototipagem Arduino Hardware Arduino Ambiente de programação Processing Sensor de temperatura e umidade DHT Sensor de pressão e altitude BMP Registro de tempo Armazenamento de dados Baterias Placa solar Plataforma Android Ambiente de programação Eclipse REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARTIGO RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Material Métodos Implementação do projeto Testes no Arduino Sensores e módulo iv

8 Protótipo Aplicação Android RESULTADOS E DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS v

9 LISTA DE SÍMBOLOS, ABREVIATURAS E NOMENCLATURAS AC/DC: Alternate Current/Direct Current (Corrente Alternada/Corrente Contínua) ADT: Android Developer Tools (Ferramentas de Desenvolvimento Android) API: Application Programming Interface (Interface de Programação de Aplicativos) app: abreviatura de application (aplicativo para dispositivos móveis) Arduino Robot: placa Arduino utilizado para criar robôs AREF: Analog Reference (Referência Analógica) AREF: Analog Reference (Referência Analógica) ATmega: família de microprocessadores criado pela empresa americana Atmel Corporation AVD: Android Virtual Device (Dispostivo Virtual Android) AVR: Advanced Virtual RISC (RISC Virtual Avançado) CISC: Complex Instruction Set Computer (Computador com Conjunto Complexo de Instruções) clock: relógio, temporizador CPU: Central Processing Unit (Unidade Central de Processamento) DAS: DAta Serial (Dado Serial) DCS: Development Community Support (Suporte à Desenvolvimento Comunitário) ddp: diferença de potencial debugger: software utilizado para testar e depurar outros programas ED: Ecosystem Development (Ecossistema de Desenvolvimento) EEPROM: Electrically Earesable Programmable Read Only Memory (Memória Somente de Leitura Eletronicamente Apagável) EOC: End Of Convertion (Fim de Conversão) Saída Digital FTDI: Future Technology Devices International (Tecnologia Internacional para Dispositivos Futuros) GNU/Linux: sistema operacional livre criado em 1991 por Linus Torvalds GPS: Sistema de Posicionamento Global HIGH: alto/aceso hightech: alta-tecnologia I 2 C: Inter-Integrated Circuit (Integração Entre Circuitos) IBM: International Business Machines (Máquinas de Negócios Internacional) vi

10 IDE: Integrated Development Environment (Ambiente Integrado de Desenvolvimento) IPM: Intellectual Property Management (Gestão da Prorpiedade Intelectual) ISCP: In-Circuit Serial Programming (Programação de Circuito em Série) ITI: Information Technology Infraestructure (Infrestrutura de Tecnologia da Informação) LCD: Liquid Cristal Diod (Diodo Cristal Líquido) LED: Light Emiting Diod (Diodo Emissor de Luz) LilyPad: placa Arduino para uso em peças têxteis/roupas Li-ion: Lithium-ion Lítio-íon LOW: baixo/desligado MISO: Master In Slave Out (Entrada Mestre Saída Escravo) MOSI: Master Out Slave In (Saída Mestre Entrada Escravo) notebook: computador de mão OHA: Open Handset Aliance (Aliança de Telefonia Aberta) PCD: Plataforma de Coleta de Dados PIC: Programmable Interface Controller (Controlador de Interface Programável) PWM: Pulse-Width Modulation (Modulação por Largura de Pulso) RAM: Random Access Memory (Memória de Acesso Aleatório) RISC: Reduced Instruction Set Computer (Computador com Conjunto Reduzido de Instruções) RX: Receiver (Receptor) SCD: Sistema de Coleta de Dados SCK: Serial Clock (Relógio Serial) SCL: Serial Clock (Relógio Serial) SD Card: Secure Digital Card (Cartão Digital Seguro) SDA: Serial DAta (Dado Serial) SDCS: Shield Data Chip Select (Módulo de Dados de Seleção de Chip) SDK: Software Development Kit (Pacote de Desenvolvimento de Software) Smartphone: telefone celular com recursos computacionais SPI: Serial Periheral Interface (Periférico de Interface Serial) SWT: The Standard Widget Toolkit (Ferramenta Padrão de Dispositivo) Tablet: dispositivos computacional com tela sensível ao toque vii

11 Touch-screen: tela sensível ao toque TTL: Transistor-Transistor Logic (Lógica Transistor-Transistor) TX: Trasmiter (Transmissor) UCP: Unidade Central de Processamento upload: envio de dados USB: Universal Serial Bus (Interface Serial Universal) VANT: Veículos Aéreos Não Tripulados VIN: Voltage IN (Entrada de Voltagem) XCLR: Extra Clear (Limpador/Inicializador Extra) Entrada Digital viii

12 LISTA DE QUADROS QUADRO 1. Versões do Arduino e as suas principais características QUADRO 2. Dados do hardware do Arduino Uno QUADRO 3. Participação do android no mercado de smartphones em QUADRO 4. Custo dos componentes e softwares utilizados no protótipo QUADRO 5. Valor total calculado com redução ix

13 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Plataforma de Coleta de Dados (PCD) típica em Figura 2. Mapa de PCD instaladas no Brasil em Figura 3. PCD instalados em Mato Grosso do Sul em Figura 4. Visão anterior e posterior da Placa Arduino Uno Figura 5. Placa Arduino e seus principais componentes Figura 6. Tela principal de programação do Processing Figura 7. Sensor DHT22 e a especificação de seus pinos, em Figura 8. Sensor de barométrico BMP085 e especificação de pinos Figura 9. Módulo de Cartão SD Figura 10. Baterias usadas de telefone celular ligadas em série Figura 11. Placa solar e suas voltagens correspondentes Figura 12. Gráfico de participação do Android no mercado de Tablets Figura 13. SDK e AVD na barra de atalhos do Eclipse Figura 14. Esquema de ligação do DHT22 ao Arduino Figura 15. Protótipo ligando o sensor DHT22 ao Arduino Figura 16. Esquema de ligação do sensor BMP085 ao Arduino Figura 17. Protótipo ligando o sensor BMP085 diretamente ao Arduino Figura 18. Interligação das conexões do Módulo de Cartão SD Figura 19. Protótipo da miniplataforma com o módulo de cartão de memória.. 39 Figura 20. Protótipo de miniplataforma com todos os seus componentes Figura 21. Saída serial dos dados coletados pelo sensor DHT Figura 22. Saída serial dos dados coletados pelo sensor BMP Figura 23. Saída serial do código de temporização de hora e data Figura 24. Saída serial do código do Módulo Cartão SD Figura 25. Saída do código final da miniplataforma Figura 26. Baterias ligadas em série e sua voltagem correspondente Figura 27. Protótipo montando em funcionamento Figura 28. Protótipo com o Led indicador de energia aceso Figura 29. Miniplataforma acomodado na caixa hermética Figura 30. Tela do Eclipse, a aplicação no emulador AVD e o seu layout Figura 31. Smartphone fazendo leitura dos dados da miniplataforma x

14 Figura 32. Tablet fazendo leitura dos dados da miniplataforma Figura 33. Planilha comparativa entre dados do equipamento certificado e da miniplataforma Figura 34. Gráfico de linhas comparativo das temperaturas medidas Figura 35. Gráfico de linhas comparativo das pressões medidas Figura 36. Gráfico de linhas comparativo das umidades medidas Figura 37. Gráfico de erro quadrático médio das temperaturas coletadas Figura 38. Gráfico de erro quadrático médio das umidades coletadas Figura 39. Gráfico de erro quadrático médio das pressões coletadas xi

15 1. INTRODUÇÃO GERAL A importância da agricultura de precisão tem sido cada vez maior no aumento e na qualidade da produção, pois permite e possibilita que todos os passos dessa atividade sejam planejados, baseados em dados previamente coletados ou calculados com uma predição extremamente alta. Soluções tecnológicas têm sido desenvolvidas e incorporadas à produtividade em empresas rurais cada vez em ritmo mais acelerado, já que não basta apenas produzir, mas com a atual demanda mundial a eficiência produtiva tem justificado o uso mais crescente da tecnologia no campo. A agricultura de precisão está baseada na coleta de dados para análise prévia e tomada de decisão posterior, o que justifica o seu uso e, praticamente, torna-se obrigatório para a obtenção de resultados cada vez melhores, de forma que novas soluções devem ser mais acessíveis e inovadoras para poder atingir a todos, principalmente, àqueles que não dispõem de recursos para custear os altos preços no uso de tecnologias mais modernas. Dentro deste contexto está o conhecimento prévio dos ciclos naturais que interferem diretamente na produção como a temperatura, a pressão e a umidade, que possibilitam desde a escolha da forma como será preparado o plantio, o tipo de variedade a se escolher e a colheita, por exemplo. Assim, a observação empírica e imprecisa de dados meteorológicos cede lugar à coleta metódica e disciplinada que permite a formatação desses dados, para que a interpretação possa ser concluída de forma bastante rápida, fácil e eficaz. Miniplataformas meteorológicas podem ser construídas por alunos do Ensino Fundamental e Médio, com extrema simplicidade e baixíssimo custo, comparados às Plataformas de Coleta de Dados (PCD) profissionais, porém, têm

16 2 o inconveniente de não serem robustas, com leituras analógicas dos equipamentos e não conectadas entre si, por serem feitas artesanalmente e com baixo nível tecnológico. Em contrapartida, as grandes plataformas de coleta de dados conseguem coletar dados meteorológicos de regiões com extensão territorial mais vasta, no entanto, com o inconveniente de não disponibilizarem dados pontuais e de também não estarem acessíveis a toda a gama de produtores, como os de subsistência e familiares. A construção de miniplataformas meteorológicas sobre uma plataforma pequena e robusta, com os instrumentos interconectados, funcionando digitalmente, e disponibilizados a partir de uma saída que facilite a leitura online, individualmente, permitindo, ao mesmo tempo, que se possa armazenar em bancos de dados próprios, tem como intenção a obtenção e coleta de dados agrometeorológicos com muito mais precisão com relação às PCD, pois os realizam as coletas de forma localizada. Com isso, agricultores e pecuaristas de todas as categorias, com um custo acessível, teriam informações locais sobre o clima, facilitando o manejo de lavouras e animais com recursos tecnológicos satisfatórios. Pretende-se, neste trabalho, tanto na coleta quanto na disponibilização dos dados meteorológicos, agregar os recursos de tecnologias avançadas e livres para o desenvolvimento de um protótipo de uma miniplataforma de coleta de dados agrometeorológicos, que são o hardware para prototipagem Arduino e a plataforma para dispositivos móveis Android. Assim, o objetivo geral desta pesquisa foi construir uma miniplataforma de coleta de dados agrometeorológicos, de baixo custo, utilizando as tecnologias livres Arduino e Android. Desta forma os objetivos específicos compreenderam: - conhecer o contexto histórico que problematizou a necessidade da construção de alternativas para a agricultura de precisão; - compreender as tecnologias que foram adotadas, tanto com relação ao uso adequado do hardware e software; - estudar códigos envolvidos para o seu devido funcionamento, agregado ao conhecimento de técnicas de programação para a formatação dos dados de saída;

17 3 - realizar consultas aos Data Sheet (manuais técnicos), livros especializados e sites dos respectivos fabricantes (listados na bibliografia) do equipamento e dos sensores que foram utilizados no experimento e no seu desenvolvimento; - descrever a modelagem do protótipo da miniplataforma, a confecção e a programação; - realizar testes para observar o funcionamento do protótipo; - apresentar planilha de custos do protótipo da miniplataforma; - apresentar planilha sobre as limitações do protótipo como a autonomia de baterias, alcance, etc.

18 4 2. REVISÃO GERAL DE LITERATURA 2.1. Agricultura de precisão O conceito de Agricultura de Precisão surgiu com os experimentos de uniformidade (uniformity trials) a cidade de Rothamsted, na Grã-Bretanha, por volta de 1925, e também, com os estudos do nível de acidez do solo em 1929, na Universidade de Ilinois, nos Estados Unidos. No entanto, o desenvolvimento maior tem ocorrido nos últimos anos e vem ao encontro com o desenvolvimento tecnológico para o setor, principalmente, no que tange à produção de grãos, como uso de Sistema de Posicionamento Global - GPS (Global Positioning System), monitoramento na produtividade de grãos, uso de geoestatística e banco de dados georeferenciados, assim como, o monitoramento por Veículos Aéreos Não Tripulados (VANT) (MACHADO, 2004). Os recentes desenvolvimentos e adoção dos conceitos para prática de manejo na agricultura de precisão têm implicado em mudanças fundamentais no processo de tomada de decisão quanto ao uso das tecnologias agrícolas geoespaciais e de informação. Assim, exemplo como o uso racional de insumos preservação e rastreamento de produtos agrícolas tem demonstrado possibilidades reais de ganhos econômicos, como também, de benefícios ambientais, e também, a possibilidade de análise de venda da produção no período mais viável Dados agrometeorológicos Elementos como tempo e clima afetam diretamente o crescimento e o desenvolvimento das culturas sobre diferentes formas e nas diversas fases do

19 5 seu ciclo de crescimento podendo ocasionar prejuízos na sua produção, portanto, os dados de temperatura e umidade relativa do ar têm extremas importâncias no clima de determinada região, interferindo diretamente no rendimento das culturas, tornando o estudo dessas variáveis relevante no planejamento das atividades agrícolas (TERRA et al., 2011). Nas diferentes regiões do mundo, a cada ano que passa, as características do clima não se apresentam mais como as anteriores, assim, invernos quentes com fortes incidências de eventos extremos de frio e períodos de estiagem mais prolongados são alguns exemplos de alterações climáticas que tem causado grandes impactos (CAMARGO et al., 2006). Dessa forma o clima afeta não só o crescimento, o desenvolvimento e produtividade, mas também, a relação dos microrganismos, fungos, bactérias e insetos com as plantas, beneficiando ou não o surgimento de pragas e doenças que, consequentemente, demandam de medidas específicas no seu controle, sendo que, ainda, muitas práticas na propriedade rural, tais como, o preparo do solo, semeadura, adubação, irrigação, pulverização e colheita, entre outras práticas, dependem exclusivamente das condições climáticas para que possam surtir o efeito desejado e eficiente (MAVI e TUPPER, 2004). Mavi e Tupper (2004) comentam que as principais variáveis meteorológicas que afetam o crescimento, o desenvolvimento e a produtividade são a temperatura, a chuva e a radiação solar, sendo que, há ainda a influência do fotoperíodo (duração do dia), umidade relativa do ar e do solo, da velocidade e direção do vento. A agrometeorologia estuda a influência do tempo e do clima na produção e tem papel fundamental e estratégico na compreensão e na resolução dos problemas enfrentados na agropecuária Planejamento agropecuário e tomada de decisões O planejamento agrícola refere-se às ações relativas ao passo anterior ao cultivo, momento em que se inicia a programação do empreendimento agrícola. Dessa forma, tem-se que o planejamento baseia-se nas informações advindas do clima e de suas variabilidades no local em que se pretende realizar o cultivo. O zoneamento agroclimático trata das informações agrometeorológicas de

20 6 cada região, as quais determinam a aptidão climática da localização geográfica do cultivo, sendo estas diferentes de área para área (MONTEIRO, 2009). Dessa forma Monteiro (2009) descreve tomada de decisões como a formatação das informações coletadas, ou seja, são as ações tomadas com base na avaliação das informações disponíveis, portanto, a possibilidade de decidir entre as várias opções alternativas que levam a determinando resultado. Assim sendo, as condições meteorológicas em um sistema de produção agropecuário apresentam-se como fatores externos que influenciam no crescimento, no desenvolvimento e na produtividade das plantas e animais, sendo que durante o seu ciclo de vida respondem diretamente às condições meteorológicas, que são formados por uma soma de fatores que podem causar os efeitos dos mais favoráveis até os mais desfavoráveis à produtividade, portanto, a agrometeorologia tem por função colocar os conhecimentos da meteorologia à disposição da agricultura e da pecuária com a meta de se obter a maior e melhor produtividade da forma mais sustentável e com o menor risco econômico possível (MONTEIRO, 2009) Plataforma de Coleta de Dados (PCD) Segundo o INEMA (2012), PCD é um dispositivo que dispõe de sensores eletrônicos capazes de medir diversas variáveis climáticas como precipitação, pressão atmosférica, radiação solar, luminosidade, temperatura, umidade, direção e velocidade do vento. Normalmente, estes aparelhos são instalados de modo a cobrir grandes extensões do território monitorado para análise de dados macroclimáticos. São estações que coletam, armazenam e transmitem, com comunicação via satélite, dados meteorológicos. A criação das PCD foi motivada devido à necessidade de se obter regularmente dados ambientais, coletados, geralmente, de lugares remotos ou por uma região muito grande (Figura 1).

21 7 Figura 1. Plataforma de Coleta de Dados Meteorológicos Fonte: INPE (2013). Nesse contexto, pode-se entender que miniplataformas de coleta de dados meteorológicos são conjuntos de dispositivos eletrônicos com capacidade de cobertura territorial menor e com quantidade de sensores também menores, como por exemplo, temperatura, pressão e umidade, para coleta de dados microclimáticos de uma microregião, permitindo, assim, o registro de informações localizadas e individualizadas de uma determinada faixa do setor produtivo, configurando uma situação de agricultura de precisão. O Sistema de Coleta de Dados (SCD) é formado pelo conjunto de satélites SCD1, SCD2 e CBERS3 (coleta de imagens para monitoramento), pelas diversas redes de PCD espalhadas pelo território nacional, pelas Estações de Recepção de Cuiabá e de Alcântara e pelo Centro de Missão Coleta de Dados. Neste sistema os satélites funcionam como retransmissores de dados, em que a comunicação entre cada PCD e as estações de recepção é estabelecida. A Figura 2 ilustra o mapa dos PCD instaladas no Brasil em 2013 (INEMA, 2012).

22 8 Figura 2. Mapa das PCD instaladas no Brasil em 2013 Fonte: INPE (2013). Grosso do Sul em A Figura 3 apresenta o mapa das PCD instaladas no Estado de Mato Figura 3. PCD instaladas no Estado de Mato Grosso do Sul em 2013 Fonte: INPE (2013).

23 Tecnologia de prototipagem Arduino O primeiro Arduino foi criado em janeiro de 2005, baseado em circuito básico com um microcontrolador AVR Atmega8, criado pela empresa americana Atmel Corporation, no Instituto de Interatividade e Design da Escola de Artes Visuais, em Ivrea, na Itália. Surgiu a partir de uma ideia dos professores de Computação Física David Cuartielles e Massimo Banzi e que tinha como objetivo criar uma ferramenta de hardware que fosse facilmente utilizável e programável por pessoas não técnicas e especialistas em computação, e que não fosse cara, para o desenvolvimento de estruturas interativas no curso de Arte e Design (SILVEIRA, 2013). Banzi (2011) descreve Arduino como uma plataforma de computação física de fonte aberta, com base em uma interface simples de entrada/saída (input/output), agregada a um ambiente de desenvolvimento conhecido como Processing, podendo ser utilizado para desenvolver projetos interativos independentes ou conectado a softwares no computador (como o Flash, Processing, etc.), sendo que as suas placas podem ser montadas manualmente ou compradas já pré-montadas. O Arduino foi criado para o ensino de Design (desenho) de Interação, subárea do design que tem a prototipagem como centro de sua metodologia, que segundo o autor tem como definição: Design de Interação é o projeto de qualquer experiência interativa e que: No mundo atual, o Design de Interação preocupa-se com a criação de experiências significativas entre nós (humanos) e objetos (BANZI, 2011). McRoberts (2011) cita que o Arduino foi criado sob as licenças Open Source que possibilita que muitos projetistas de hardware criem versões e/ou clones próprios, entre os quais alguns são: Freeduino, Roboduino, entre outros, sendo que a única ressalva que os criadores fazem é que não se use o nome Arduino. Assim, o Arduino é um pequeno computador que se pode programar para processar entradas e saídas entre a placa e os componentes externos conectados a ele, ou seja, é uma plataforma de computação física ou embarcada, um sistema que interage com seu ambiente utilizando-se de hardware e software. A evolução da microeletrônica, devido à miniaturização constante dos circuitos integrados e o aumento do número de suas funcionalidades,

24 10 conforme afirmam Lima e Villaça (2012), foi a responsável pelo desenvolvimento de circuitos eletrônicos cada vez mais compactos e programáveis, portanto, um microprocessador pode ser conceituado como um circuito integrado composto por portas lógicas organizadas de forma que seja possível efetuar aritméticas lógicas e digitais. A seguir estão listadas as vantagens e desvantagem do Arduino com relação a outras tecnologias semelhantes. Vantagens: - se trata de um ambiente multiplataforma, podendo ser executado nos principais Sistemas Operacionais como: Windows, Macintosh e Linux; - tem por base o Processing: ambiente de desenvolvimento fácil de ser utilizado por qualquer pessoa não especialista em computação; - pode ser programado utilizando-se a conexão USB do computador, sem a necessidade de uma porta serial; - serem hardware e software de fontes abertas, permitindo-se criar o próprio Arduino, sem ter de pagar nada aos seus criadores; - ter custo baixo, cerca de R$ 40 (quarenta reais em dezembro de 2013); - possuir comunidades ativas com muitos programadores e projetistas pelo mundo que disponibilizam seus códigos e projetos de forma livre; - ter sido desenvolvido para ambiente educacional, sendo ideal para iniciantes para obtenção de resultados rápidos. Desvantagem: - alguns componentes acopláveis (shields) produzidos por fabricantes únicos podem ter custo maior, portanto, encarecendo os projetos que as usam Hardware Arduino Segundo Silveira (2013), o Arduino é constituído por uma CPU (Central Processing Unit Unidade Central de Processamento) que, por sua vez, é formada por uma ALU (Arithmetic Logic Unit - Unidade Lógica e Aritmética) e um conjunto de registradores de uso geral, sendo que o seu bloco de memórias agrega as memórias de programa e memória de dados, e em seu bloco de

25 11 Entrada/Saída (E/S) estão as ports (portas), que são circuitos de interfaces de entrada e saída. As características físicas do Arduino Uno são (ARDUINO UNO, 2012): - 14 pinos de entrada e saída digitais, dos quais 6 podem ser usados como saídas PWM (Pulse-Width Modulation - Modulação por Largura de Pulso), utilizadas para controlar o valor da alimentação entregue à carga; - 6 entradas analógicas; - 1 oscilador de cristal de 16 Mhz; - 1 conexão USB; - 1 conector para alimentação de energia; - 1 conector ISCP (In-Circuit Serial Programming Programação de Circuito em Série) para programação do dispositivo através de interface serial e; - 1 botão de reset (reinicialização). QUADRO 1. Versões do Arduino e as suas principais características Arduino Diecimila Duemilanove168 Duemilanove328 Mega Processador ATmega8 ATmega168 ATmega328 ATmega1280 Memória flash 8 K 16 K 32 K 128 K Memória RAM 1 K 1 K 2 K 8 K Memória 512 bytes 512 bytes 1 K 4 K EEPROM Pinos digitais Pinos analógicos Saídas PWM Fonte: SILVEIRA (2013, p.28). Este conjunto é suficiente para o funcionamento do microcontrolador, bastando ligá-lo a um computador através de um cabo USB ou conectá-lo a um adaptador AC/DC (Alternate Current/Direct Current - Corrente Alternada/Corrente Contínua) ou ainda a bateria ou pilhas. O Arduino Uno é diferente de todas as versões anteriores por não usar o FTDI (Future Technology

26 12 Devices International - Tecnologia Internacional para Dispositivos Futuros), cabo para conectar placas antigas em computadores novos com entrada USB (Universal Serial Bus Interface Serial Universal), mas sim a tecnologia Atmega8U2 programada, como um conversor USB para serial, que permite a ligação direta entra placa-computador via cabo USB. O Quadro 2 apresenta os dados do hardware do Arduino Uno (ARDUINO UNO, 2012). QUADRO 2. Dados do hardware do Arduino Uno Microcontrolador Atmega328 Voltagem de operação 5V Voltagem de entrada (recomendado) 7-12V Voltagem de entrada (limite) 6-20V Pinos E/S analógicos 14 (dos quais 6 fornecem saída PWM) Pinos de entrada analogical 6 Corrente DC por pino de E/S 40 ma Corrente DC para pino de 3.3V 50 ma 32 KB (Atmega328) dos quais 0.5 KB usados Memória do tipo Flash para o bootloader (gerenciador de inicialização) Memória do tipo SRAM 2 KB (Atmega328) Memória do tipo EEPROM 1 KB (Atmega328) Velocidade temporizador (clock) 16 MHz Fonte: ARDUINO (2013). As Figuras 4 e 5 apresentam a interface frontal e posterior do Arduino Uno e os seus principais componentes, que serão detalhados mais a frente.

27 13 Figura 4. Visão anterior e posterior da Placa Arduino Uno Fonte: Arduino Uno (2012). Figura 5. Placa Arduino e seus principais componentes Fonte: Vivaolinux (2012). A descrição dos pinos de alimentação da placa tem as seguites características (ARDUINO UNO, 2012): - VIN - Voltage IN (Entrada de Voltagem): entrada de tensão da placa Arduino que quando utilizada uma fonte externa de energia, caso não utilizando conexão USB ou fonte de alimentação regulada (que fornece 5 Volts). Utilizado para fornecer tensão através desse pino, ou, se o fornecimento de tensão for realizado através do conector de alimentação, que também pode ser através deste pino; - 5 V : a fonte de alimentação regulada usada para alimentar a placa e outros componentes ligadas a ela, que pode vir do pino VIN através de um regulador na placa ou ser fornecido pelo USB ou outra fonte regulada de 5V; V : fonte de 3,3 volts gerado pelo regulador da placa, tendo como corrente máxima 50 ma (mili Ampére);

28 14 - GND : pino terra (neutro). As funções específicas de cada pino estão descritas a seguir: - Série 0 (RX) e 1 (TX): utilizados para receber (RX) e transmitir (TX) dados seriais TTL (Transistor-Transistor Logic Lógica Transistor-Transistor) e são conectados aos pinos correspondentes do chip Atmega8U2 USB-para-TTL serial; - Interruptores externos 2 e 3: podem ser configurados para disparar uma interrupção por um valor baixo, uma margem crescente ou decrescente, ou uma alteração no valor, por exemplo utilizando-se a função attachinterrupt() no código de programação; - PWM 3, 5, 6, 9, 10 e 11: proporciona saída PWM (Pulse-With Modulation Modulação por Largura de Pulso) de 8 bits utilizando a função analogwrite(); - SPI (SS), 11 (MOSI), 12 (MISO), 13 (SCK) 10: pinos que suportam comunicação SPI (Serial Periheral Interface Periférico de Interface Serial), usando a biblioteca SPI5; - LED 13: LED embutido conectado ao pino digital 13, que indica quando pino está em HIGH (Led ligado) e quando o pino está em LOW (Led desligado); O Arduino Uno conta com 6 entradas analógicas, nominados de A0 a A5, possuindo cada um 10 bits de resolução, que por padrão medem o negativo e o terra até 5 volts, embora seja possível alterar o valor superior de sua faixa de uso com o pino AREF (Analog Reference Referência Analógica) e a função analogreference() (ARDUINO UNO, 2012). A seguir, descreve-se a função específica dos pinos especializados: - I 2 C - A4 (SDA Serial DAta Dado Serial): que transmite e recebe dados digitais e A5 (SCL Serial Clock Relógio Serial), que recebe o sinal de clock para sincronismo da placa: ambos são responsáveis por dar suporte a comunicação I 2 C (Inter-Integrated Circuit - Integração Entre Circuitos), usado para conectar periféricos de baixa velocidade a uma placa, utilizando-se a biblioteca Wire (ARDUINO, 2013); Existe outro par de pinos na placa: - AREF: voltagem referência para as entradas analógicas (somente de 0 a 5V), utilizada com a biblioteca de programação analogreference();

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações.

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. A partir de agora, iremos conhecer o hardware do Arduino e suas caracteristicas

Leia mais

ARDUINO UNO Guia do Usuário

ARDUINO UNO Guia do Usuário ARDUINO UNO Guia do Usuário Heco Mecatrônica Ltda. e-mail: vendas@hecomecatronica.com.br Visite nosso site: www.hecomecatronica.com.br Loja Virtual: shop.hecomecatronica.com.br Guia do Usuário - Página

Leia mais

Características técnicas Baseado no ATMega da empresa AVR, fabricante de micro-controladores em plena ascensão e concorrente do PIC Pode usar ATMega

Características técnicas Baseado no ATMega da empresa AVR, fabricante de micro-controladores em plena ascensão e concorrente do PIC Pode usar ATMega ARDUINO O que é Arduino Arduino foi criado na Itália por Máximo Banzi com o objetivo de fomentar a computação física, cujo conceito é aumentar as formas de interação física entre nós e os computadores.

Leia mais

TUTORIAL Arduino Nano

TUTORIAL Arduino Nano Conceito: O é uma plataforma de prototipagem eletrônica de hardware livre e de placa única, projetada com um microcontrolador Atmel AVR com circuitos de entrada/saída embutido que podem ser facilmente

Leia mais

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO Wilker Luiz Machado Barros¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil wilkermachado1@hotmail.com,

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

RECEPTOR GPS ME1513 ARM7 LPC2138. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda

RECEPTOR GPS ME1513 ARM7 LPC2138. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda RECEPTOR GPS ME1513 ARM7 LPC2138 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda Prefácio Obrigado por escolher o Receptor GPS ME-1513. Este manual mostra o esquema eletrônico, da conexão do microcontrolador

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB ACELERÔMETRO WIRELESS DE TRÊS EIXOS

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB ACELERÔMETRO WIRELESS DE TRÊS EIXOS ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB ACELERÔMETRO WIRELESS DE TRÊS EIXOS Pedro Luis Antonelli Pós-Graduando em Telecomunicações na Escola Superior Aberta do Brasil - ESAB Hudson Ramos- Mestre em Engenharia

Leia mais

Introdução a Robótica, do NXT ao Arduino

Introdução a Robótica, do NXT ao Arduino Introdução a Robótica, do NXT ao Arduino Com Alex Aquino III Workshop de Sistemas Embarcados do Semiárido do Nordeste & 3 Workshop Técnico Científico de Computação De 12 a 15 de Março de 2013 em Mossoró/RN

Leia mais

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves Conceitos Básicos de Informática Antônio Maurício Medeiros Alves Objetivo do Material Esse material tem como objetivo apresentar alguns conceitos básicos de informática, para que os alunos possam se familiarizar

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE Roland Yuri Schreiber 1 ; Tiago Andrade Camacho 2 ; Tiago Boechel 3 ; Vinicio Alexandre Bogo Nagel 4 INTRODUÇÃO Nos últimos anos, a área de Sistemas

Leia mais

Manual Técnico Arduino Programador Supervisório Gravador de Bootloader

Manual Técnico Arduino Programador Supervisório Gravador de Bootloader Manual Técnico Arduino Programador Supervisório Gravador de Bootloader Seriallink.com.br 2014 Todos os direitos reservados Página 1 de 19 Sumário Manual Técnico...1 Introdução...3 Características...3 Downloads...3

Leia mais

Arduino. Wanderson Souza wandersonsouza.info@gmail.com Professor de Robótica

Arduino. Wanderson Souza wandersonsouza.info@gmail.com Professor de Robótica Arduino Wanderson Souza wandersonsouza.info@gmail.com Professor de Robótica About me Tecnólogo em Computação - ETER Licenciado em Computação - UEPB Professor de Robótica Pedagógica desde 2008 Grupo de

Leia mais

Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação. Conceitos Introdutórios

Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação. Conceitos Introdutórios Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação Conceitos Introdutórios Informática Informática - Tratamento ou processamento da informação utilizando meios automáticos, nomeadamente o computador.

Leia mais

Controlador de Lâminas para Microscópio Óptico com Arduino Proposta de Projeto

Controlador de Lâminas para Microscópio Óptico com Arduino Proposta de Projeto UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA Óptico com Arduino Proposta de Projeto LABORATÓRIO DE PROJETOS SEMESTRE 2013.2 Equipe:

Leia mais

Uma Introdução ao ARDUINO e suas Aplicações na Robótica. André F. Núñez

Uma Introdução ao ARDUINO e suas Aplicações na Robótica. André F. Núñez Uma Introdução ao ARDUINO e suas Aplicações na Robótica André F. Núñez O que é Arduino? Arduino é uma plataforma open-source de protótipos eletrônicos baseados em hardware e software flexível e fácil de

Leia mais

Relatório técnico final

Relatório técnico final Estufa Relatório técnico final Integrantes: Cleiton J. Marcon Jefferson A. A. Parisotto Professor Orientador: Guilherme Nogueira 4º Bimestre Visto: Sumário Sumário... 2 Índice das Figuras... 3 Índice das

Leia mais

A idéia hardware sugerida é colocar a placa entre o PC e o microcontrolador, conforme mostrado no esquema abaixo.

A idéia hardware sugerida é colocar a placa entre o PC e o microcontrolador, conforme mostrado no esquema abaixo. Circuito de gravação (AVR programmer) Introdução Nossa proposta, nesta parte do trabalho, é apresentar um circuito para gravação ISP (In-System- Programming) para microcontroladores AVR. Este circuito,

Leia mais

Minicurso de Arduino

Minicurso de Arduino Minicurso de Arduino Gabriel Vasiljević Wanderson Ricardo August 28, 2015 Gabriel Vasiljević Wanderson Ricardo Minicurso de Arduino August 28, 2015 1 / 45 Roteiro do curso O que é o Arduino (especificações,

Leia mais

Arquitetura do Microcontrolador Atmega 328

Arquitetura do Microcontrolador Atmega 328 Governo do Estado de Pernambuco Secretaria de Educação Secretaria Executiva de Educação Profissional Escola Técnica Estadual Professor Agamemnon Magalhães ETEPAM Arquitetura do Microcontrolador Atmega

Leia mais

Parallel to Serial Shifting IN

Parallel to Serial Shifting IN Parallel to Serial Shifting IN Objectivo: Com o circuito integrado CD4021B Quando num projecto o número de sensores digitais é superior ao número de pinos de entradas digitais disponíveis no microcontrolador

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...9 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 Moto é um rastreador exclusivo para Motos desenvolvido com os mais rígidos

Leia mais

Introdução ao Arduino. Pessanha Santos ASPOF EN-AEL

Introdução ao Arduino. Pessanha Santos ASPOF EN-AEL Introdução ao Arduino Pessanha Santos ASPOF EN-AEL Programa 1. Introdução à plataforma de desenvolvimento Arduino 2. Análise à sua constituição 3. Software de desenvolvimento Arduino 4. Estrutura e Sintaxe

Leia mais

Conceitos Fundamentais de Eletrônica

Conceitos Fundamentais de Eletrônica Conceitos Fundamentais de Eletrônica A eletrônica está fundamentada sobre os conceitos de tensão, corrente e resistência. Podemos entender como tensão a energia potencial armazenada em uma pilha ou bateria

Leia mais

A ideia! Criar uma plataforma de prototipagem de componentes eletrônicos e sistemas de automação para leigos!

A ideia! Criar uma plataforma de prototipagem de componentes eletrônicos e sistemas de automação para leigos! Prof. Cláudio Oliveira Prof. Humberto Zanetti Prof. Júlio Vansan A ideia! Criar uma plataforma de prototipagem de componentes eletrônicos e sistemas de automação para leigos! 1 O que é Arduino? Uma plataforma

Leia mais

Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth

Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth João Paulo Santos¹, Wyllian Fressaty¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Jpsantos1511@gmail.com,

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino

Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino Maycon Cirilo dos Santos¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil mayconsi2012@gmail.com, wyllian@unipar.br

Leia mais

Prof. Cláudio Oliveira. Prof. Humberto Zanetti. Coordenador - Fatec Jundiaí. Professor - Fatec Jundiaí Coordenador - Etec de Itatiba

Prof. Cláudio Oliveira. Prof. Humberto Zanetti. Coordenador - Fatec Jundiaí. Professor - Fatec Jundiaí Coordenador - Etec de Itatiba Prof. Cláudio Oliveira Coordenador - Fatec Jundiaí Prof. Humberto Zanetti Professor - Fatec Jundiaí Coordenador - Etec de Itatiba A ideia! Criar uma plataforma de prototipagem de componentes eletrônicos

Leia mais

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Estrutura de um Computador Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Hardware e Software HARDWARE: Objetos Físicos que compões o computador Circuitos Integrados, placas, cabos, memórias, dispositivos

Leia mais

TÍTULO: BRAÇO MECÂNICO AUTOMATIZADO USANDO UM CONTROLADOR ARDUINO GUIADO POR UM SENSOR DE COR RGB

TÍTULO: BRAÇO MECÂNICO AUTOMATIZADO USANDO UM CONTROLADOR ARDUINO GUIADO POR UM SENSOR DE COR RGB TÍTULO: BRAÇO MECÂNICO AUTOMATIZADO USANDO UM CONTROLADOR ARDUINO GUIADO POR UM SENSOR DE COR RGB CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Olá, seja bem-vindo à primeira aula do curso para desenvolvedor de Android, neste curso você irá aprender a criar aplicativos para dispositivos

Leia mais

Acadêmico: Maicon Machado Orientador: José Carlos Toniazzo

Acadêmico: Maicon Machado Orientador: José Carlos Toniazzo Acadêmico: Maicon Machado Orientador: José Carlos Toniazzo Tema; Delimitação do Problema; Hipóteses ou questões de pesquisa; Objetivos; Justificativa; Revisão Bibliográfica; Cronograma; Referências. Desenvolver

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...8 2 APRESENTAÇÃO: O SS300 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

Minicurso Arduino JACEE 2012

Minicurso Arduino JACEE 2012 Minicurso Arduino JACEE 2012 1. Introdução O que é o Arduino? Arduino é uma plataforma de prototipagem eletrônica criado com o objetivo de permitir o desenvolvimento de controle de sistemas interativos,

Leia mais

VEÍCULO CONTROLADO POR ARDUINO ATRAVÉS DO SISTEMA OPERACIONAL ANDROID

VEÍCULO CONTROLADO POR ARDUINO ATRAVÉS DO SISTEMA OPERACIONAL ANDROID VEÍCULO CONTROLADO POR ARDUINO ATRAVÉS DO SISTEMA OPERACIONAL ANDROID André Luis Fadinho Portante¹, Wyllian Fressatti¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil andreportante@gmail.com, wyllian@unipar.br

Leia mais

Conceitos sobre Sistemas Operacionais. Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.

Conceitos sobre Sistemas Operacionais. Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu. Conceitos sobre Sistemas Operacionais Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.br Agenda Retrospectiva da aula anterior Processo de Boot do SO Diversidade

Leia mais

Kit de desenvolvimento ACEPIC 40N

Kit de desenvolvimento ACEPIC 40N Kit de desenvolvimento ACEPIC 40N O Kit de desenvolvimento ACEPIC 40N foi desenvolvido tendo em vista a integração de vários periféricos numa só placa, além de permitir a inserção de módulos externos para

Leia mais

Infra-Estrutura de Hardware

Infra-Estrutura de Hardware Infra-Estrutura de Hardware P r o f. W i l t o n O. F e r r e i r a U n i v e r s i d a d e F e d e r a l R u r a l d e P e r n a m b u c o U F R P E 1 º S e m e s t r e / 2 0 1 2 Conteúdo da aula Hardware

Leia mais

TÍTULO: JANELA AUTOMATIZADA QUE OPERA A PARTIR DE DADOS METEOROLÓGICOS OBTIDOS POR SENSORES

TÍTULO: JANELA AUTOMATIZADA QUE OPERA A PARTIR DE DADOS METEOROLÓGICOS OBTIDOS POR SENSORES TÍTULO: JANELA AUTOMATIZADA QUE OPERA A PARTIR DE DADOS METEOROLÓGICOS OBTIDOS POR SENSORES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA

Leia mais

Introdução a Computação Móvel

Introdução a Computação Móvel Introdução a Computação Móvel Computação Móvel Prof. Me. Adauto Mendes adauto.inatel@gmail.com Histórico Em 1947 alguns engenheiros resolveram mudar o rumo da história da telefonia. Pensando em uma maneira

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware Professor: Renato B. dos Santos 1 O computador é composto, basicamente, por duas partes:» Hardware» Parte física do computador» Elementos concretos» Ex.: memória, teclado,

Leia mais

Estrutura interna de um microcontrolador

Estrutura interna de um microcontrolador Estrutura interna de um microcontrolador Um microcontrolador é composto por um conjunto de periféricos interligados a uma unidade de processamento e todo este conjunto confere a este componente uma versatilidade

Leia mais

SCD 912. Dispositivo de comunicação e armazenamento. Apresentação. Dados Técnicos. Conexões

SCD 912. Dispositivo de comunicação e armazenamento. Apresentação. Dados Técnicos. Conexões Conv. USB-Serial Baudrate, stop bit e nro de dados programável. Baudrate de 1200 a 38400 bauds. Emula porta COM virtual. Led de indicação de operação como conversor USB-serial. Não possui linhas de controle

Leia mais

Material apresentado exclusivamente aos alunos da disciplina, com conteúdo referenciado da literatura e disponível na www NÃO CIRCULAR

Material apresentado exclusivamente aos alunos da disciplina, com conteúdo referenciado da literatura e disponível na www NÃO CIRCULAR Coletor automático de dados (datalogger) e sensores elétricos Disciplina ACA 221 Instrumentos Meteorológicos e Métodos de Observação Humberto Ribeiro da Rocha, Helber Freitas, Eduardo Gomes apoio à Aula

Leia mais

Simulação de Circuitos Microcontrolados com o Proteus

Simulação de Circuitos Microcontrolados com o Proteus Universidade Federal do Pará Laboratório de Processamento de Sinais (LaPS) Simulação de Circuitos Microcontrolados com o Proteus Flávio Hernan Figueiredo Nunes flaviohernanfnunes@gmail.com 25 de janeiro

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Introdução a Ciência da Computação Conceitos Básicos de Sistema PROFESSORA CINTIA CAETANO

Introdução a Ciência da Computação Conceitos Básicos de Sistema PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução a Ciência da Computação Conceitos Básicos de Sistema PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução A informática é uma área que atualmente vem evoluindo muito rapidamente. A cada dia se torna mais importante

Leia mais

Prof. Sandrina Correia

Prof. Sandrina Correia Tecnologias de I informação de C omunicação 9º ANO Prof. Sandrina Correia TIC Prof. Sandrina Correia 1 Objectivos Definir os conceitos de Hardware e Software Identificar os elementos que compõem um computador

Leia mais

Medidor da temperatura local

Medidor da temperatura local Objectivo: Medidor da temperatura local (Web Server) Disponibilizar numa página da internet a leitura da temperatura local, de forma automática e on-line. O sistema consiste num microprocessador devidamente

Leia mais

23/05/2013. Partes do Sistema Computacional. Hardware. Ciclo do Processamento de Dados HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS. Hardware Software Dados Usuários

23/05/2013. Partes do Sistema Computacional. Hardware. Ciclo do Processamento de Dados HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS. Hardware Software Dados Usuários 2 Partes do Sistema Computacional HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS Software Dados Usuários Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística

Leia mais

HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO. Wagner de Oliveira

HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO. Wagner de Oliveira HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO Wagner de Oliveira SUMÁRIO Hardware Definição de Computador Computador Digital Componentes Básicos CPU Processador Memória Barramento Unidades de Entrada e

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br

Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br ARMAZENAMENTO DE DADOS Introdução Vários periféricos podem ser usados para permitir o armazenamento e interface do computador.

Leia mais

Componentes de um Sistema de Computador

Componentes de um Sistema de Computador Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade responsável pelo processamento dos dados, ou seja, o equipamento (parte física) SOFTWARE: Instruções que dizem o que o computador deve fazer (parte

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO A ROBÓTICA

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO A ROBÓTICA AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO A ROBÓTICA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Microcontroladores - Hardware Microcontroladores - Software Visão Geral de um Robô Manipulador Constituição Básica de um Robô Industrial

Leia mais

TopPendrive Manual de Instruções TopPendrive - MP07301-01 Rev 06-03/05/2010 PG - 1 -

TopPendrive Manual de Instruções TopPendrive - MP07301-01 Rev 06-03/05/2010 PG - 1 - TopPendrive Manual de Instruções TopPendrive - MP07301-01 Rev 06-03/05/2010 PG - 1 - Índice Manual de Instruções TopPendrive - MP07301-01 Rev 06-03/05/2010 PG - 2 - ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO... 3 1.1 ACESSÓRIOS

Leia mais

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 O objetivo deste boletim é mostrar as características do driver MPC6006L. Tópicos abordados neste boletim: APRESENTAÇÃO

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Viabilizado pela Organização do ERI MS; Apoiado pelo grupo ArduinoMS; Agradecimentos especiais ao do SENAC e UCDB.

Viabilizado pela Organização do ERI MS; Apoiado pelo grupo ArduinoMS; Agradecimentos especiais ao do SENAC e UCDB. Sobre este Minicurso Viabilizado pela Organização do ERI MS; Apoiado pelo grupo ArduinoMS; Agradecimentos especiais ao do SENAC e UCDB. Sobre o Ministrante: Samuel Cavalcante Engenheiro de Computação (UNIDERP)-

Leia mais

Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores

Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores Universidade Federal do Pará Laboratório de Sensores e Sistemas Embarcados (LASSE) Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores Rodrigo Williams Rodrigues Ataíde rodrigowra@ufpa.br 26 de

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Automação residencial utilizando dispositivos móveis e microcontroladores.

PROJETO DE PESQUISA. Automação residencial utilizando dispositivos móveis e microcontroladores. PROJETO DE PESQUISA 1. Título do projeto Automação residencial utilizando dispositivos móveis e microcontroladores. 2. Questão ou problema identificado Controlar remotamente luminárias, tomadas e acesso

Leia mais

Desenvolvimento de uma interface para aquisição de dados experimentais utilizando o microcontrolador Arduino UNO

Desenvolvimento de uma interface para aquisição de dados experimentais utilizando o microcontrolador Arduino UNO Sistemas Produtivos e Desenvolvimento Profissional: Desafios e Perspectivas Desenvolvimento de uma interface para aquisição de dados experimentais utilizando o microcontrolador Arduino UNO CLAUDEMIR SANTOS

Leia mais

DISPOSITIVO PARA RASTREAMENTO DE VEÍCULOS, COLETA, TRANSMISSÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS EM TEMPO REAL APRESENTAÇÃO

DISPOSITIVO PARA RASTREAMENTO DE VEÍCULOS, COLETA, TRANSMISSÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS EM TEMPO REAL APRESENTAÇÃO DISPOSITIVO PARA RASTREAMENTO DE VEÍCULOS, COLETA, TRANSMISSÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS EM TEMPO REAL APRESENTAÇÃO Luiz Carlos Miller Araras, outubro de 2010 DA LOCALIZAÇÃO DO DISPOSITIVO: O GPTD captura

Leia mais

Tecnologia e Informática

Tecnologia e Informática Tecnologia e Informática Centro Para Juventude - 2014 Capitulo 1 O que define um computador? O computador será sempre definido pelo modelo de sua CPU, sendo que cada CPU terá um desempenho diferente. Para

Leia mais

DMI. Dispositivo de Monitoramento Inteligente DMI TCR 88ES

DMI. Dispositivo de Monitoramento Inteligente DMI TCR 88ES DMI Dispositivo de Monitoramento Inteligente 1 DMI TCR 88ES Prezado Consumidor, A ISSO atua em diversos projetos envolvendo novas tecnologias, na área de TI, equipamentos elétricos e eletrônicos, equipamentos

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

PIC18F4550. Curso Engenharia de Controle e Automação. Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com

PIC18F4550. Curso Engenharia de Controle e Automação. Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com PIC18F4550 Curso Engenharia de Controle e Automação Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com 1 Agenda Características do PIC18F4550 Pinagem do PIC18F4550 Pinagem do PIC18F4550 Datasheet

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE UM MICROCONTROLADOR NA PLATAFORMA ARDUINO NA LEITURA DE SENSORES ELÉTRICOS PARA CORRELAÇÃO COM ATRIBUTOS DO SOLO.

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE UM MICROCONTROLADOR NA PLATAFORMA ARDUINO NA LEITURA DE SENSORES ELÉTRICOS PARA CORRELAÇÃO COM ATRIBUTOS DO SOLO. AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE UM MICROCONTROLADOR NA PLATAFORMA ARDUINO NA LEITURA DE SENSORES ELÉTRICOS PARA CORRELAÇÃO COM ATRIBUTOS DO SOLO. Fábio Vinicius de Freitas Damiati (Universidade Estadual de

Leia mais

CONTROLE AUTOMÁTICO DO TEMPO DE UM BANHO EM FUNÇÃO DO FLUXO DA AGUA VISANDO A SUSTENTÁBILIDADE

CONTROLE AUTOMÁTICO DO TEMPO DE UM BANHO EM FUNÇÃO DO FLUXO DA AGUA VISANDO A SUSTENTÁBILIDADE CONTROLE AUTOMÁTICO DO TEMPO DE UM BANHO EM FUNÇÃO DO FLUXO DA AGUA VISANDO A SUSTENTÁBILIDADE Marcus Valério Rocha Garcia mvrgarcia70@gmail.com Luiz Flavio Parquet luizflavio0710@gmail.com Matheus Dantas

Leia mais

3.1.6 Entradas digitais Quantidade: 8. Tipo: NPN / PNP conforme configuração, dividida em 2 grupos de 4 entradas. Impedância de entrada: 8.8KΩ.

3.1.6 Entradas digitais Quantidade: 8. Tipo: NPN / PNP conforme configuração, dividida em 2 grupos de 4 entradas. Impedância de entrada: 8.8KΩ. 8 Tecla Cancelar. Utilizado para retorno de nível de programação. 9 Tecla Enter. Utilizado para acessar programação. Obs.: Todas as teclas podem ser utilizadas no diagrama Ladder. 3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS Antonio Carlos Lemos Júnior, Ednaldo Lopes Rosa e Leandro Aureliano

Leia mais

Wireless Solutions BROCHURE

Wireless Solutions BROCHURE Wireless Solutions BROCHURE JUNHO 203 info@novus.com.br www.novus.com.br REV0803 Produto beneficiado pela Legislação de Informática. Transmissor de Temperatura e Umidade RHT-Air ISO 900 EMPRESA CERTIFICADA

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Manual Técnico Arduino Supervisório MODBUS & Conversor RS485

Manual Técnico Arduino Supervisório MODBUS & Conversor RS485 Manual Técnico Arduino Supervisório MODBUS & Conversor RS485 2015 Todos os direitos reservados Página 1 de 27 Sumário Manual Técnico...1 Introdução...3 Arduino Supervisório MODBUS...3 Conversor RS485...3

Leia mais

O NOVO tablet Toughpad FZ-M1 Windows de 7 polegadas. Estamos projetando um mundo melhor, ao oferecer o poder de um PC na palma de sua mão.

O NOVO tablet Toughpad FZ-M1 Windows de 7 polegadas. Estamos projetando um mundo melhor, ao oferecer o poder de um PC na palma de sua mão. O NOVO tablet Toughpad FZ-M1 Windows de 7 polegadas. Estamos projetando um mundo melhor, ao oferecer o poder de um PC na palma de sua mão. APRESENTANDO O PRIMEIRO TABLET ROBUSTO DE 7 POLEGADAS, WINDOWS

Leia mais

1.1) PLANO DE APLICAÇÃO DE RECURSOS (EM ANEXO) 1.2) PROJETO DE CAPACITAÇÃO EM GEOTECNOLOGIA INTRODUÇÃO

1.1) PLANO DE APLICAÇÃO DE RECURSOS (EM ANEXO) 1.2) PROJETO DE CAPACITAÇÃO EM GEOTECNOLOGIA INTRODUÇÃO 1.1) PLANO DE APLICAÇÃO DE RECURSOS (EM ANEXO) 1.2) PROJETO DE CAPACITAÇÃO EM GEOTECNOLOGIA INTRODUÇÃO Com o crescimento e desenvolvimento tecnológico constante, o agronegócio brasileiro ostenta aumentos

Leia mais

3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 3.2 CARACTERÍSTICAS DE SOFTWARE 1. CARACTERÍSTICAS O CLG535R é um controlador programável que integra os principais recursos empregados em uma automação industrial. Dispõe integrado

Leia mais

Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet

Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet Oferecemos ao mercado nossa experiência e metodologia amplamente desenvolvidas ao longo de 15 anos de experiência

Leia mais

Introdução sobre à porta USB

Introdução sobre à porta USB Introdução sobre à porta USB O USB (Universal Serial Bus) surgiu em 1995 com uma parceria entre várias companhias de alta tecnologia (Compaq, Hewlett-Packard, Intel, Lucent, Microsoft, NEC e Philips).

Leia mais

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação Controle de Acesso Automático de Veículos Este trabalho tem como objetivo desenvolver uma solução tecnológica que permita o controle dos portões automáticos remotamente através da internet. Aplicando-se

Leia mais

1. Apresentação. Fig. 1 - Rastreador Portátil OnixMiniSpy. Led indicativo de Sinal GSM/GPRS e GPS. LED indicativo de recarga de bateria

1. Apresentação. Fig. 1 - Rastreador Portátil OnixMiniSpy. Led indicativo de Sinal GSM/GPRS e GPS. LED indicativo de recarga de bateria 1. Apresentação O OnixMiniSpy é um rastreador portátil que utiliza a tecnologia de comunicação de dados GPRS (mesma tecnologia de telefone celular) para conectar-se com a central de rastreamento e efetuar

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Seguidor de Linha Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19 Sensor Smart Seguidor de Linha 1. Introdução Os sensores seguidores de linha são sensores que detectam

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias:

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias: Aula 11 Arquitetura de Computadores - 20/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber MEMÓRIA Memória é um termo genérico usado para designar as partes do computador

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs)

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) A UU L AL A Uma empresa fabrica clipes em três tamanhos: grande, médio e pequeno. Seus clientes consomem os produtos dos três tamanhos, mas a empresa nunca conseguiu

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUIDO PARA CONSULTA DE TEMPERATURA E UMIDADE UTILIZANDO ARDUINO E ANDROID

BANCO DE DADOS DISTRIBUIDO PARA CONSULTA DE TEMPERATURA E UMIDADE UTILIZANDO ARDUINO E ANDROID BANCO DE DADOS DISTRIBUIDO PARA CONSULTA DE TEMPERATURA E UMIDADE UTILIZANDO ARDUINO E ANDROID Douglas Bento Scriptore¹, José de Moura Júnior² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil. douglasscriptore@gmail.com

Leia mais

Introdução ao Android. Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br)

Introdução ao Android. Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br) Introdução ao Android Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br) Conteúdo Introdução Mercado Versões Ambiente de Desenvolvimento Configuração das Máquinas Virtuais Referências Introdução Android

Leia mais

Aula 04 B. Interfaces. Prof. Ricardo Palma

Aula 04 B. Interfaces. Prof. Ricardo Palma Aula 04 B Interfaces Prof. Ricardo Palma Interface SCSI SCSI é a sigla de Small Computer System Interface. A tecnologia SCSI (pronuncia-se "scuzzy") permite que você conecte uma larga gama de periféricos,

Leia mais

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1 Easy Lab Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14 www.dma.ind.br DMA Electronics 1 A DMA ELECTRONICS projeta e fabrica sistemas para aquisição e registro de dados com conexão a um computador do tipo PC.

Leia mais

Microcontrolador Modelix 3.6

Microcontrolador Modelix 3.6 Curso de Robótica 1 Curso de Robótica Introdução à robótica O desenvolvimento da robótica surgiu da necessidade de se aperfeiçoar processos de fabricação, no sentido de melhorar a qualidade dos produtos.

Leia mais