TELENOVELAS. Identidade e. consumo. das meias lurex às estampas indianas. Mariana Gomes Caetano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TELENOVELAS. Identidade e. consumo. das meias lurex às estampas indianas. Mariana Gomes Caetano"

Transcrição

1 TELENOVELAS Identidade e consumo das meias lurex às estampas indianas Mariana Gomes Caetano

2 Cultura de Massa e Cultura popular Martín-Barbero em Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia, traça a transição histórica que irá constituir a massa em classe social e a partir daí o surgimento de uma outra cultura, que pretendia substituir a cultura popular já existente. A raiz dessa transformação sócio-cultural na Europa ocidental é a Revolução Industrial e as consequentes transformações que irão, por volta do final do século XIX, resultar no que hoje chamamos de Indústria Cultural. Para o sucesso dessa Indústria, é necessária a criação de uma demanda para os seus produtos. E é com base nesse princípio que surge a cultura de massa enquanto produto da Indústria Cultural e, por vezes, apropriando-se da cultura popular. A cultura popular, por apresentar características muito próprias, não constitui público consumidor amplo e interessante à essa nova forma de produção em série. Na década de 1860, com a transformação dos jornais em empresas, surge o que viria a ser o primeiro produto da cultura de massa, o gênero folhetinesco. Os folhetins trouxeram um público novo aos jornais. Muitas características dessa forma narrativa estão presentes até hoje nas telenovelas, que ao longo do tempo adquiriram adjetivos próprios, em contextos históricos específicos. Assim, temos os produtos da cultura de massa como mercadorias que necessitam de consumidores, mas que mantêm um modelo estético próprio, gerado a partir dos folhetins, passando pelas radionovelas até as telenovelas, objeto central deste trabalho. Com as transformações sociais ocorridas a partir das Revoluções Industrial e Francesa, houve a divisão entre o público e o privado. Há uma modificação nas bases da esfera pública desde então, o Estado passa a ser assunto geral e a esfera pública começa a atuar politicamente. Esse vazio aberto pela desintegração do público será ocupado pela integração que produz o massivo uma cultura que encobre as diferenças e concilia os gostos substituindo assim a cultura popular. Uma não se funde à outra, nem tampouco, deixam de existir. Telenovela e Melodrama O melodrama, cuja origem se deu no teatro, no século XIX, e perpetuou-se na ficção literária (principalmente através dos folhetins) chegou à cultura de massa através dos meios eletrônicos radionovela e telenovela. Falar em melodrama é percorrer temáticas associadas às emoções, ao suspense criado (entre uma cena e outra, entre um folhetim e outro, ou entre um episódio e outro), ou ainda aos sentimentos e à eterna disputa estabelecida entre o Bem o Mal. Temáticas que se fazem nitidamente presentes na teledramaturgia de forma geral. Conhecendo a característica do melodrama de utilização do máximo de exuberância cênica com o objetivo de atrair o público, encontramos no cinema e na televisão os ambientes perfeitos para isso. E por preocupar-se com a audiência, o melodrama ganha novos ares, incorporando inovações temáticas e composicionais, absorvendo as modificações sugeridas pelo contexto histórico-social. Mas a fórmula já é conhecida. Durante meses assistimos os personagens representantes do Mal oprimindo e dificultando a realização dos que representam o Bem. O suspense pretende manter o telespectador atento para que este siga a novela diariamente. Mas, para o agrado da audiência, no f i n a l, todo o mal será punido e seus destroços reparados.

3 O modelo brasileiro de telenovela história e conceitos A programação da TV aberta brasileira, como um típico produto massivo, é um verdadeiro ícone no que diz respeito à cultura de massa, uma vez que vivemos num país em que mais de 90% da população possui aparelho televisor (fonte IBGE - Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD 2004). Devemos notar que a telenovela representa um segmento da programação da TV que está direcionado a um público indiscutivelmente heterogêneo. Mesmo que nem sempre a novela esteja na liderança de audiência de uma emissora, ela não deixa de ser vista por todas as classes sociais, regiões, idades, e por gêneros diferentes. As telenovelas englobam hoje um público muito diversificado em gênero e poder aquisitivo o que é bastante intrigante por se tratar de um produto massivo. Uma certa elite cultural tem receio de se aproximar das telenovelas, pois assim também estaria se aproximando dos costumes e práticas culturais das classes populares. Esta elite pretende estar cada vez mais distante e diferenciada dos costumes da classe trabalhadora e, para isso, não abre mão de criar as mais diversas formas de distinção. Em geral, os produtos da cultura de massa, com toda notoriedade massiva que têm, estão de alguma forma mais ligados a um segmento específico. Por exemplo, o funk tornou-se um gênero musical disponível a todos e em praticamente todos os lugares, mas ele ainda está diretamente relacionado às camadas populares tal como a determinadas regiões do país e das cidades no caso, as favelas e periferias. Em 1989, um grupo de professores da Escola de Comunicação da USP, escreveu o primeiro livro sério que abordou a telenovela brasileira como fenômeno da cultura brasileira. Renato Ortiz, Sílvia Borelli e José Mário Ortiz Ramos, escreveram A telenovela história e produção. A partir daí, o meio acadêmico - até então indiferente a esse gênero da cultura de massa - passou a estudá-la com mais profundidade, originando uma série de teses de mestrado e doutorado sobre o tema. A telenovela passou a ser então conceituada e citada em diversos estudos da área de Comunicação e em diversos jornais e revistas, embora ainda carreguem preconceitos contra a novela e o melodrama enquanto objetos de estudo. A história da telenovela no Brasil está fortemente ligada à história do rádio da sua antecessora mais próxima, a radionovela. As novelas apresentadas nos primeiros anos da televisão brasileira eram produzidas a partir de roteiros comprados de novelas mexicanas e cubanas, e logo se tornariam um sucesso dentro da programação. A novela chega ao Brasil em 1950 junto com o primeiro aparelho de televisão, num cenário de um incipiente mercado urbano-industrial. Devido ao forte apelo do rádio como produto de maior abrangência na sociedade, e também pelo escoamento de maiores recursos para esse setor, por conta das grandes audiências populares, os autores tiveram dificuldades de adaptar o modelo de radionovela para a TV, sendo, no princípio, consideradas uma espécie de rádio com imagem. Isso se dá não somente pelo fato dos profissionais do rádio serem levados para a TV, mas pela cultura do rádio, que já estava enraizada no país. Surge, então, a TV Tupi, com a novela Sua vida me pertence, em 1951, de Walter Foster, que ia ao ar duas vezes por semana. Por volta de 1950, a indústria de bens de consumo duráveis é implementada no Brasil, sobretudo eletrodomésticos e veículos, favorecendo a difusão da televisão no país. Ou seja, somente após a popularização dos aparelhos a telenovela se estabeleceu como preferência dentre os programas culturais. Surge, assim, a primeira telenovela diária brasileira, Ocupado de Dulce Santucci, em 1963, exibida pela TV Excelsior de São Paulo. A partir daí, se estabeleceu todo um sistema

4 dominantemente noturnos abarcam temas mais adultos e elencos de melhor gabarito profissional. No caso brasileiro, especificamente, essas novelas levam o título de horário nobre. para manutenção desse novo produto cultural, gerando tanto estruturas físicas para realização, estúdios e aparato tecnológico, priorizado pela Rede Globo, que é líder em qualidade técnica do país, quanto estruturas ideológicas, com a criação de um star system nacional e da busca de elementos que proporcionassem a identificação de um público amplo e nacional, passando a criar novelas próprias, e não mais importar modelos e roteiros. Adaptando à lógica comercial da televisão, as novelas passaram a buscar, entre outras coisas, a audiência. Dessa forma, o modelo predominante de estrutura narrativa utilizado nas novelas brasileiras é o melodrama folhetinesco, pois foi o que teve maior assimilação do público. Por isso, funcionando como uma obra aberta, cujo desenvolvimento e desfecho podem ser alterados a qualquer momento, de acordo, principalmente, com os índices de audiência, ou seja, segundo o interesse imediato do público na história. Além disso, são dispostas em horários horizontalizados, de maneira que ocupam boa parte da programação diária da TV no período pós-horário comercial, atingindo maior audiência. aborda tal assunto quando pensa a recepção. Segundo ele, a ritualidade está relacionada à rotina, à repetição de certas práticas, que vão determinar a produção de sentido e a produção cultural que ocorre através dessa ritualização. Dessa forma, a telenovela está ritualizada no cotidiano do público a partir da prática televisiva nacional. (Martín-Barbero, 2001). Dentro desses horários, são estabelecidos modelos de roteiro para enquadramento na programação, na qual os horários mais próximos do início da tarde escolhidos para abordagem de temas mais infantis ou cômicos. As novelas exibidas em horários pre- Um tipo de crítica a todo esse modelo da telenovela brasileira afirma que as formas homogêneas da cultura de massa, que ela produz, destroem as características culturais de cada grupo étnico. Ao contrário dessa afirmação, as telenovelas criam, sim, modismos que logo se interrompem ao início de uma nova novela. Mas esses modismos não são essência de nenhuma cultura e nem modificam-na como um todo. O fato de os indivíduos consumirem os produtos de massa não os torna a-culturados. Aceitar tal afirmação é dar muito crédito a fórmulas prontas e subestimar as tradições e a capacidade de interpretação e apropriação do sujeito. Sem desconsiderar tal crítica, Rousiley Maia afirma que a diferença está na possibilidade de este bem simbólico, ao conquistar a identificação com o público, desencadear uma recepção crítica e reflexiva. O poder de sugestão subliminar atribuídos às produções midiáticas é bastante fatalistas e sem possibilidade de verificar de maneira simples e imediata como se dá o processo de mudança de comportamento, como afirma Maia. É claro que padrões consumistas ou de apropriação de gírias, frutos de modismos lançados por uma determinada telenovela ou programa de televisão são fáceis de serem detectados. Contudo, ressalta Maia: O papel mais relevante dessas produções está em proporcionar referências e bens simbólicos, com os quais, os sujeitos sociais lidam a partir de seus próprios quadros interpretativos e padrões valorativos diferidos. De tal modo, a mídia possui, também, um poderoso potencial para desencadear um processo reflexivo entre os sujeitos sociais, provocando o questionamento de imagens ou de concepções cristalizadas, pejorativas ou tidas como imutáveis. A mídia não é mera reprodutora de mensagens ou comportamentos, mas participa ativamente dos processos de debate e de comunicação intersubjetiva na sociedade. É através da mídia que muitas representações alcançam visibilidade e passam a compor um quadro de pré-entendimentos comparti-

5 lhados, os quais nos auxiliam a compreender e a tematizar problemas que nos afetam de modo direto ou indireto. Assim, a mídia tanto contribui para a composição de entendimentos comuns de certas situações quanto influi na desestabilização do senso comum. Outra crítca feita se refere ao circuito comercial a que ela pertence, logo está sujeita às leis de oferta e procura. Este é um fato que só reafirma a posição dos produtos da cultura de massa como mercadorias e é por isso que as telenovelas mantêm um formato que vem desde o folhetim, e que dá certo. Ou seja, proporciona lucro às emissoras de televisão. Assim, novelas que não agradam ao público passam por modificações ao longo do seu processo de produção e veiculação ou são rapidamente finalizadas, dando lugar a outras, enquanto aquelas que geram bons índices de audiência são estendidas, durando mais tempo que o previsto. Neste caso, percebemos o poder do público nas formas de recepção de qualquer produto cultural. Por maior influência que os produtos culturais massivos disponham, há sempre uma negociação entre os anseios e vontades de um público contextualizado. É a partir dessa afirmação que não podemos acreditar que haja manipulação plena, pois toda condição de hegemonia cultural detida por um grupo seleto, prevê uma contra-hegemonia a enfrentá-la. O diálogo entre as características sócio-culturais contextualmente localizadas do público com os lugares de fala e produção cultural dessa hegemonia são fundamentais para produzir a identificação do público com essa cultura massiva, engendrando o consenso e, conseqüentemente a manutenção dos posicionamentos sociais. Seguindo a idéia de Canclini de que a participação social atualmente é organizada mais através do consumo do que mediante o exercício da cidadania, entendemos a idéia de consumo para além da inserção em um mercado de trocas materiais. Enquanto troca de bens simbólicos, consumir é também comunicar-se, dentro de uma sociedade onde os sentidos desses bens são compartilhados. Portanto, o ato de consumir não se dá apenas como forma de distinção, pois se os códigos simbólicos atribuídos a algum bem não fossem compartilhados, não poderíamos nos diferenciar do outro, pois a ele não estaríamos comunicando nada. Mais que o conjunto de processos socioculturais em que se realizam a apropriação e os usos de um produto, o consumo serve para comunicarmos e pensarmos. Ao que Canclini conclui que o consumo constrói parte da racionalidade integrativa e comunicativa de uma sociedade (Canclini, 1995: 63). Pois quando consumimos, definimos o que consideramos publicamente valioso, assim como os modos de nos identificarmos/integrarmos e nos distinguirmos na sociedade, combinando o pragmático e o aprazível. E a concepção de cidadão não tem mais a ver apenas com os direitos reconhecidos pelos aparelhos estatais, mas também com as práticas sociais e culturais que dão sentido de pertencimento e diferenciação (Idem, p. 35). A descrença atual nos grandes movimentos sociais, nos aparelhos de Estado, e nas grandes narrativas que tentam agregar em torno de si toda a sociedade civil, foi acompanhado do deslocamento do eixo de legitimação para a mídia. Por isso é comum vermos empresas midiáticas insurgirem como porta-voz das vontades do povo, lutando por justiça, reparação, prestação de contas, ou apenas dando atenção e voz à pessoas comuns. De tal modo, procuraremos tratar também como consumo a audiência midiática. Nesse caso específico, a telenovela brasileira será o tema. A programação recebida pela grande maioria das pessoas é baseada num modelo de comunicação de massa, concentrado em grandes monopólios, que tendem a standardizarem sua programação, gerando produtos repetitivos, e entretenimento light (Canclini, 1995: 69). Homens e mulheres não tentam mais buscar respostas sobre ser cidadão pelas regras abstratas da democracia ou pela participação coletiva em espaços públicos, agora se definem muito mais através do consumo privado de bens e dos meios de comunicação (Canclini, 1995: 29). Como a relação entre consumo cidadania atualmente é indissociável, principalmente a partir dos produtos midiáticos, Canclini propõe mudanças que possam articular o consumo a um exercício refletido de cidadania. Uma dessas seria a democratização da oferta, vasta e diversificada, de bens representativos da variedade internacional dos mercados, de acesso fácil e eqüitativo. Porém, acompanhado de informações multidirecionais a respeito da qualidade dos produtos, instrumentalizando os consumidores a exercer efetivamente o controle dos bens produzidos; além da participação democrática dos principais setores da sociedade civil nas decisões sobre a organização de instâncias que se valem do consumo.

6 Consumo nas telenovelas: das meias lurex às Índias Não é de hoje que as telenovelas se configuram como incentivadoras de moda e consumo. Pode-se, inclusive, dizer que estas contribuem para a formação de consumidores em potencial, considerando não apenas o merchandising ou propagandas comerciais nos intervalos, mas também produtos criados a partir da ficção, desde gírias e modismo de personagens até penteados, roupas, decoração, entre outros diversos elementos, que acabam virando mercadoria pela demanda do público. O primeiro caso - ou talvez o primeiro a ganhar expressividade - de produtos que se tornaram sucesso de vendas por intermédio de uma novela foi o das famosas meias lurex. Estas ficaram conhecidas como meias Dancin Days devido à novela homônima, de A protagonista usava não só as meias lurex, como também sandálias de plástico e roupas com muito brilho e cores extravagantes, o que lançou moda na época. Daí por diante, várias outras novelas movimentaram o mercado da moda. Por exemplo: em Roque Santeiro (1985), as bijuterias extravagantes, os lenços e turbantes da viúva Porcina (Regina Duarte); Ti-ti-ti (1985) e os batons Boka Loka criados pelo estilista da novela que, atendendo aos pedidos do público, percebeu nisso um grande empreendimento e colocau o produto à venda no mercado; Laços de Família (2000) e os brincos da personagem Capitu (Giovanna Antonelli) e os lenços de cabelo da personagem Camila (Carolina Dieckmann) que raspou a cabeça devido a um câncer; a moda recente das estampas, cores e modelos de roupas indianos despertada pela novela Caminho das Índias, exibida no chamado horário nobre da rede Globo. As novelas não induzem somente o consumo de bens, mas de estilos de vida, práticas culturais, do discurso de responsabilidade social etc. Um exemplo disso é o aumento expressivo de doações de medula óssea no Brasil durante o período em que foi transmitida e, posteriormente, reprisada a novela Laços de Família, de Manuel Carlos, na qual uma das personagens se tratava de uma leucemia. Outro exemplo foram as campanhas de inclusão de crianças com síndrome de down durante a novela Páginas da Vida, também de Manuel Carlos. Poderíamos enumerar diversos casos. Mas um fato de relevante deve ser lembrado. Em 2000, depois de anos e anos de telespectadores ligando em busca de produtos que viam nas telenovelas, a Central Globo de Desenvolvimento Comercial decidiria criar a Globoshop. A marca passaria a comercializar itens relacionados aos seus programas televisivos na Globo.com e Shoptime. Algumas explicações podem ser dadas para a grande influência que a Globo possui. É fato:

7 ela possui muita credibilidade na classe média, por isso ao lançar um comportamento ou veicular formas e práticas culturais, essas passam a ser apropriadas por esse público. Mas uma justificativa para tal poder talvez esteja na sua origem. Mesmo há 30 anos, a Globo era já era uma rede nacional. Tal projeto se assemelhava ao do Governo Militar desse período, que buscava a integração nacional, não mais pelo rádio, como foram os planos da era Vargas, mas sim pela televisão. Por isso, mesmo que facilitassem o acesso aos aparelhos, barateando e financiando, o governo precisaria de uma rede nacional de televisão. Logo, não é difícil notar o envolvimento da Globo com os governos militares. A antropóloga Esther Hambúrguer afirma, em seu livro O Brasil Antenado, que a partir dessa busca pela integração e a conquista de uma rede nacional de televisão, associados ao poder de identificação alcançado pela globo ao longo desses anos, a novela teve papel fundamental. Para ela: As novelas se consolidaram como um espaço legítimo para mobilização de diversos modelos de interpretação e reinterpretação da nacionalidade, incluindo modelos de estrutura familiar e relações de gênero. [...] As novelas se oferecem como conexão entre o domínio público da política, forjando um peculiar senso de comunidade nacional. (HAMBURGUER, Esther. O Brasil antenado. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005) Ao conquistar o alcance nacional de sua transmissão, a Globo pode então estabelecer um padrão de produção que viabilizaria os planos dos governos militares de integração nacional. Com a descrença crescente nos poderes oficiais e abstratos como o governo, o judiciário, o legislativo, entre outras entidades burocráticas, e a crescente importância e influência dos meios de comunicação de massa na vida social das pessoas, o eixo de legitimação da representatividade e definição de cidadão se deslocou para as grandes empresas de comunicação. Os meios de comunicação de massa passaram a ser considerados, e se auto-considerarem, mediadores dos anseios e direitos da sociedade civil. E ao consumirem e se apropriarem de suas produções midiáticas os sujeitos se consideram cidadãos ativos, onde podemos perceber uma certa invisibilidade da

8 Bibliografia: - ADORNO, Theodor. Indústria Cultural: O Iluminismo como Mistificação das Massas. In: ADOR- NO, Theodor e HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, mídia, pois o público comumente ignora o papel de mediadora destas, e por isso, de (re)produção do acontecimento a partir do seu lugar de fala. A rede Record, única emissora a ter um planejamento de disputa direta com a rede Globo, há alguns anos vem tentando romper a hegemonia televisiva da emissora. Mas o lugar de legitimidade ocupado pela Globo é de difícil alcance, e a Record adotou a estratégia de reproduzir o padrão Globo de qualidade e produção. Transladam modelos, contratam autores, jornalistas e artistas da Globo, investem massiçamente na compra de direitos de exibição, antes exclusivos da Globo. Ao passo que, algumas telenovelas da Record já renderam alguns sustos para a rede Globo pelos altos índices de audiência alcançados. Sem mencionar a briga pela transmissão, exclusiva ou não, de jogos esportivos e campeonatos de futebol. Mas, sem dúvida, onde podemos perceber a maior aproximação com as produções da emissora rival é nas telenovelas, contratando diretores, autores e atores globais para trabalharem em suas produções. Dessa maneira, podemos perceber a importância que as novelas têm para a televisão brasileira, e como as grandes emissoras televisivas, conscientes disso, disputam a audiência e uma conseqüente identificação do público com a emissora, e a legitimação do seu lugar de fala enquanto representativo de seus telespectadores. Assim, podemos dizer que a novela tem papel importante no que diz respeito à produção e afirmação de valores identitários de determinados grupos ou da nação, além de se configurar como um relevante espaço de mediação. - GARCÍA CANCLINI, Néstor. Culturas híbridas. São Paulo: EDUSP, GARCÍA CANCLINI, Néstor. Diferentes, desiguais e desconectados. RJ: Editora UFRJ, CEVASCO, Maria Elisa. Dez lições sobre Estudos Culturais. São Paulo: Boitempo, ECO, Umberto. Apocalípticos e Integrados. São Paulo: Editora Perspectiva, MAIA, Rousiley Celi Moreira e MARQUES, Ângela Cristina Salgueiro. O apelo emocional e a mobilização para a deliberação. Contemporânea: Revista de Comunicação e Cultura, no 1, p MÁRTIN-BARBERO, Jesus. Dos Meios às Mediações: Comunicação, Cultura e Hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2001a. - MÁRTIN-BARBERO, Jesus e REY, German. Os exercícios do ver: Hegemonia Audiovisual e Ficção Televisiva. São Paulo: SENAC, 2001b. - SHUSTERMAN, Richard. Vivendo a Arte: O pensamento Pragmatista e a Estética Popular. São Paulo: Editora 34, IBGE ftp://ftp.ibge.gov.br/trabalho_e_rendimento/pesquisa_nacional_por_amostra_de_ Domicilios_anual/2004/Sintese_Indicadores_ Retabulado/2004/Domicilio/ - Tabela 04_61 - Ministério das Comunicações

A CAMPANHA CONTRA A BAIXARIA NA TV: DISCUSSÃO SOBRE A CULTURA DE MASSA

A CAMPANHA CONTRA A BAIXARIA NA TV: DISCUSSÃO SOBRE A CULTURA DE MASSA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 361 A CAMPANHA CONTRA A BAIXARIA NA TV: DISCUSSÃO SOBRE A CULTURA DE MASSA Carlos Henrique Demarchi Mestre em Comunicação/Universidade

Leia mais

MERCHANDISING COMERCIAL NA TELENOVELA: DA PERSUASÃO AO INCOMODO

MERCHANDISING COMERCIAL NA TELENOVELA: DA PERSUASÃO AO INCOMODO MERCHANDISING COMERCIAL NA TELENOVELA: DA PERSUASÃO AO INCOMODO Elisa Peres Maranho 1 ; Gláucia Brida 2 RESUMO: Ao inserir-se no intervalo comercial da novela, a publicidade se beneficia da audiência e

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 JUNIOR, Carlos de Faria 1 FERNANDES, Priscila Mendonça 2 Palavras-Chave: Indústria Cultural. Regime Militar. Telenovelas. Introdução O projeto consiste

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais TRATADO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS E RESPONSABILIDADE GLOBAL CIRCULO DE ESTUDOS IPOG - INSTITUTO DE PÓSGRADUAÇÃO MBA AUDITORIA, PERÍCIA E GA 2011 Princípios Desafios Sugestões 01

Leia mais

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010 Regional Julho de 2010 Pesquisa de Avaliação Campanha Brasil 2010 - Regional No período entre 28 de junho e 02 de julho de 2010 foram realizados os Grupos Focais

Leia mais

6 Cultura e ideologia

6 Cultura e ideologia Unidade 6 Cultura e ideologia Escrever sobre cultura no Brasil significa trabalhar com muitas expressões como festas, danças, canções, esculturas, pinturas, gravuras, literatura, mitos, superstições e

Leia mais

MERCHANDISING COMERCIAL E SOCIAL: PRODUTOS INTANGÍVEIS GERANDO PRODUTOS TANGÍVEIS E OUTROS INTANGÍVEIS

MERCHANDISING COMERCIAL E SOCIAL: PRODUTOS INTANGÍVEIS GERANDO PRODUTOS TANGÍVEIS E OUTROS INTANGÍVEIS MERCHANDISING COMERCIAL E SOCIAL: PRODUTOS INTANGÍVEIS GERANDO PRODUTOS TANGÍVEIS E OUTROS INTANGÍVEIS OSWALDO MARIANO MARTINS 1, ANA CAROLINA THEOPHILO 2, SIMONE APARECIDA PEDROSO 3 GISELE MARTINS VALERIO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

A HIBRIDIZAÇÃO E A CONVERGÊNCIA ENTRE O CAMPO MIDIÁTICO E O RELIGIOSO: SINTOMAS DE PÓS-MODERNIDADE

A HIBRIDIZAÇÃO E A CONVERGÊNCIA ENTRE O CAMPO MIDIÁTICO E O RELIGIOSO: SINTOMAS DE PÓS-MODERNIDADE A HIBRIDIZAÇÃO E A CONVERGÊNCIA ENTRE O CAMPO MIDIÁTICO E O RELIGIOSO: SINTOMAS DE PÓS-MODERNIDADE Robéria Nádia Araujo Nascimento Doutora em Educação. Professora do Departamento de Educação/UEPB Emilson

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

Prof. Ms. Julio Cesar Fernandes II CICLO ESPM - BRASIL MÚLTIPLAS IDENTIDADES agosto de 2014

Prof. Ms. Julio Cesar Fernandes II CICLO ESPM - BRASIL MÚLTIPLAS IDENTIDADES agosto de 2014 Prof. Ms. Julio Cesar Fernandes II CICLO ESPM - BRASIL MÚLTIPLAS IDENTIDADES agosto de 2014 Indústria Cultural Teoria Crítica; Estudos Culturais; Produção cultural: obras ou serviços. Criados; Elaborados;

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

TV a cabo: a dispersão da audiência

TV a cabo: a dispersão da audiência TV a cabo: a dispersão da audiência Valério Cruz Brittos Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) Índice 1 Introdução 1 2 A dissolução do modelo massivo 2 3 Conclusões 4 4 Bibliografia 5 1 Introdução

Leia mais

TV a cabo: a dispersão da audiência

TV a cabo: a dispersão da audiência TV a cabo: a dispersão da audiência Valério Brittos * A família toda reunida em torno da televisão, discutindo as tramas de alguma das várias telenovelas, dando gargalhadas de programas humorísticos ou

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

Meios de comunicação de massa e sua utilização nos processos de ensino e aprendizagem de música

Meios de comunicação de massa e sua utilização nos processos de ensino e aprendizagem de música Meios de comunicação de massa e sua utilização nos processos de ensino e aprendizagem de música João Fortunato Soares de Quadros Júnior Mestrando em Educação Musical UFBA e-mails: joaofortunatojunior@yahoo.com.br

Leia mais

A participação do rádio no cotidiano da sociedade brasileira (1923-1960)

A participação do rádio no cotidiano da sociedade brasileira (1923-1960) A participação do rádio no cotidiano da sociedade brasileira (1923-1960) Lia Calabre NO APAGAR DAS LUZES DO SÉCULO XX, podemos dizer que este foi o tempo da revolução das formas de comunicação à distância.

Leia mais

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO PROREXT/PROJETO DE EXTENSÃO 2008/1 - TERRITÓRIO AFROSUL DESENVOLVENDO O DIÁLOGO ACADEMIA / ONG AFROSUL ATRAVÉS DE TRABALHO COM JOVENS DE COMUNIDADE POPULAR RESUMO Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ²

Leia mais

PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS.

PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS. PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS. Jadiewerton Tavares da Silva (Autor); Marcelo Luiz Pelizzoli

Leia mais

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA Mestrado e Doutorado em Comunicação Matrícula e Calendário acadêmico 2014.2 DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA: 29, 30 e 31/07/2014 LOCAL: A pré-matrícula deverá ser efetivada na Secretaria do PPGCOM ou através do

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi)

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) XI Colóquio Internacional de Comunicação para o Desenvolvimento Regional (9,10,11

Leia mais

Jornalismo Alternativo e a Internet: Uma Possibilidade Cidadã para a Notícia

Jornalismo Alternativo e a Internet: Uma Possibilidade Cidadã para a Notícia Jornalismo Alternativo e a Internet: Uma Possibilidade Cidadã para a Notícia GARRIDO, Bibiana 1 MAGNONI, Antônio Francisco 2 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO Neste breve relato de experiência

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

5 Considerações finais retomando o problema

5 Considerações finais retomando o problema 5 Considerações finais retomando o problema A análise dos dados, dividida nos eixos critérios de avaliação, interpretação e juízo moral, tentou responder as perguntas formuladas no início da pesquisa como

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ 1 DES E PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ INTRODUÇÃO No Brasil, criou-se a ideologia da democracia racial para explicar que as oportunidades

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

Pronac Nº 1111032 Você em Cenna é um concurso cultural que irá eleger atores e atrizes amadores de todo o país, que enviarão vídeos de suas performances para votação popular e de júri especializado. Os

Leia mais

A intrínseca relação entre a música e a mídia Gilberto André Borges

A intrínseca relação entre a música e a mídia Gilberto André Borges A intrínseca relação entre a música e a mídia Gilberto André Borges Refletir sobre a questão da mídia é tarefa fundamental a todos que direta ou indiretamente sofrem a sua influência em seu campo de trabalho.

Leia mais

Os brindes promocionais no período de Páscoa

Os brindes promocionais no período de Páscoa Os brindes promocionais no período de Páscoa Pamela Ramos de Mello LOPES 1 Introdução A comunicação no ponto-de-venda tem se desenvolvido e criado meios e caminhos que hoje podem ser estudados e discutidos,

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Jornalismo 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Jornalismo 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Jornalismo 2011-2 O PAPEL DO YOUTUBE NA CONSTRUÇÃO DE CELEBRIDADES INSTANTÂNEAS Aluno: Antonio,

Leia mais

Alfabetização midiática na era da informação: Escola como espaço de reflexão sobre o campo dos media. RODRIGUES, Lylian

Alfabetização midiática na era da informação: Escola como espaço de reflexão sobre o campo dos media. RODRIGUES, Lylian Alfabetização midiática na era da informação: Escola como espaço de reflexão sobre o campo dos media. RODRIGUES, Lylian Mestranda em Comunicação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. ly_carol@yahoo.com.br

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Resenha do livro: Consumidores e Cidadãos. Autor: Nestor Garcia Canclini ISBN:857108159x

Resenha do livro: Consumidores e Cidadãos. Autor: Nestor Garcia Canclini ISBN:857108159x Resenha do livro: Consumidores e Cidadãos. Autor: Nestor Garcia Canclini ISBN:857108159x No prefácio do livro o autor já nos adianta um pouco sobre o tema da globalização como um processo de fracionamento

Leia mais

TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva.

TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva. TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva. Mariana Carneiro da Cunha CAMPELO 1 Resumo Ao longo dos anos, na publicidade televisiva brasileira, vem ocorrendo algumas mudanças na comunicação

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro

Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro Vítor Quartezani 1 Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro Trabalho de Conclusão de Curso em Forma de Projeto

Leia mais

VIOLÊNCIA NA ESCOLA: A VIOLÊNCIA DO TRABALHO QUE AFRONTA OS DIREITOS HUMANOS DOS TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO

VIOLÊNCIA NA ESCOLA: A VIOLÊNCIA DO TRABALHO QUE AFRONTA OS DIREITOS HUMANOS DOS TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO VIOLÊNCIA NA ESCOLA: A VIOLÊNCIA DO TRABALHO QUE AFRONTA OS DIREITOS HUMANOS DOS TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO Autora: Profª. Drª. Nilma Renildes da Silva UNESP - Bauru-SP-Brasil nilmarsi@fc.unesp.br Agências

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME CADERNO PEDAGÓGICO TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME 4 ISBN: 2015/1 ALUNO(A): APOIO PEDAGÓGICO: NUCLEO DE FORMAÇÃO GERAL ANNA PAULA SOARES LEMOS JOAQUIM HUMBERTO COELHO DE OLIVEIRA LUCIMAR LEVEGNHAGEN

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Games são arte ou cultura? O eterno debate sobre a influência de uma. mídia.

Games são arte ou cultura? O eterno debate sobre a influência de uma. mídia. mídia. Games são arte ou cultura? O eterno debate sobre a influência de uma Alguns alunos do GameLab ESPM enviaram para mim uma notícia do Blog do Estadão que relata a inauguração, em março, de uma exposição

Leia mais

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO O CEET - Centro Estadual de Educação Técnica Vasco Coutinho é uma Instituição de Ensino criada e mantida pelo Governo do Estado do Espírito Santo e transferido através da lei n 9.971/12, para Secretaria

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica Danilo L. Brito (UFRJ) A arte tem sido alvo de discussões de diferentes teóricos ao longo da história, desde os gregos, com sua concepção

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013

ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 Atividade: Mesa-Redonda (MR-02) Título: OS POVOS INDÍGENAS E AS DEMANDAS POLÍTICAS NO BRASIL ATUAL Instituição Proponente: ABA Coordenador: Vânia

Leia mais

PROJETO TE VEJO NA ESCOLA

PROJETO TE VEJO NA ESCOLA PROJETO TE VEJO NA ESCOLA Flávia Oliveira Machado 1 Isabela Mayara Cheida José Leonardo Gallep Maria do Carmo Palhaci (coordenadora) Maria Helena Gamas (coordenadora) RESUMO O projeto em questão visa a

Leia mais

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Piracicaba, 2000 Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Este trabalho se destina a avaliação da disciplina de Teoria da Comunicação Piracicaba,

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

Teledramaturgia: uma discussão sobre as narrativas seriadas 1. Introdução

Teledramaturgia: uma discussão sobre as narrativas seriadas 1. Introdução Teledramaturgia: uma discussão sobre as narrativas seriadas 1 Resumo: Este artigo pretende travar uma discussão a respeito da teledramaturgia, tomando como base o contexto nacional. Ao invés de tentar

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS

CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS 2012 Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS (Brasil) E-mail: vivianecastrofreire@yahoo.com.br RESUMO As necessidades humanas estão diretamente

Leia mais

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008;

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014 Dispõe sobre propostas para adequação do Plano de Trabalho 2015 da EBC. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; Considerando que o Plano de

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM

CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM Jornal Revista Televisão Rádio Internet - Relata o que já passou e o que vai acontecer; -Credibilidade; - Cobertura

Leia mais

Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas

Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas Vanessa Curvello Índice 1 O Big Brother........... 1 2 O Big Brother Brasil....... 2 3 A estruturação do programa.... 2 4 As estratégias comunicativas da

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

Malhação.com em mescla de Você Decide e Intercine. Porque o público receptor tinha

Malhação.com em mescla de Você Decide e Intercine. Porque o público receptor tinha Programa Malhação: em busca de um formato Jacira Souza MEDRONHA Profª. Publicidade e Propaganda UNOCHAPECÓ/SC RESUMO: Malhação, ao longo de dez anos na programação brasileira, conseguiu se firmar como

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social 1 Resumo por Carlos Lopes Nas próximas paginas, apresento uma fundamental estratégia para o estabelecimento de relacionamento

Leia mais

O JORNAL NA PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO

O JORNAL NA PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO O JORNAL NA PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO Alice Ferry de Moraes Chefe da Divisão de Microrreprodução Fundação Biblioteca Nacional Av. Rio Branco 219/39 - Rio de Janeiro, RJ O jornal é um discurso que tem grande

Leia mais

O PROJETO PORQUE PATROCINAR

O PROJETO PORQUE PATROCINAR PAIXÃO NACIONAL O gosto pelo futebol parece ser uma das poucas unanimidades nacionais do Brasil. As diferenças sociais, políticas e econômicas, tão marcantes no dia a dia do país diluem-se quando a equipe

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA TELEVISIVA NO COMPORTAMENTO INFANTIL

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA TELEVISIVA NO COMPORTAMENTO INFANTIL A INFLUÊNCIA DA MÍDIA TELEVISIVA NO COMPORTAMENTO INFANTIL RESUMO: Maria das Graças da Silva 1 Ana Jussara Silva do Nascimento 2 A partir do desenvolvimento tecnológico, das economias e da própria sociedade,

Leia mais

PRONUNCIAMENTO SOBRE VIGÊNCIA DA PORTARIA 1.220/2007, DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA, QUE ATRASA A PROGRAMAÇÃO DA

PRONUNCIAMENTO SOBRE VIGÊNCIA DA PORTARIA 1.220/2007, DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA, QUE ATRASA A PROGRAMAÇÃO DA PRONUNCIAMENTO SOBRE VIGÊNCIA DA PORTARIA 1.220/2007, DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA, QUE ATRASA A PROGRAMAÇÃO DA TELEVISÃO ABERTA NOS ESTADOS DO AMAZONAS, MATO GROSSO DO SUL, PARÁ, RONDÔNIA, RORAIMA E ACRE

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos?

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? 1 TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? Willians Cerozzi Balan Setembro/2009 Autores, pesquisadores e profissionais da área de produção em televisão reconhecem que a imagem exerce

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE PROCESSO DE INGRESSO NA UPE SOCIOLOGIA 2º dia 1 SOCIOLOGIA VESTIBULAR 11. A Sociologia surgiu das reflexões que alguns pensadores fizeram acerca das transformações ocorridas na sociedade do seu tempo.

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

Núcleo de educação a distância - NEAD/UNIFRAN UNIVERSIDADE DE FRANCA

Núcleo de educação a distância - NEAD/UNIFRAN UNIVERSIDADE DE FRANCA Educação conceito permeado por valores e finalidades Educação e Sociedade:algumas visões no século XX Universidade de Franca Pedagogia EAD Sociologia Geral e da Educação Profa. Lucimary Bernabé Pedrosa

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula José Manuel Moran A seguir são apresentadas sugestões de utilização de vídeo, CD e DVD. Vídeo como produção Como documentação, registro de eventos, de aulas,

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE MESTRADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE MESTRADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE MESTRADO E D I T A L - 2016 O Departamento de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro torna pública a abertura

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA AUTOR / AUTOR: Ruy Alkmim Rocha Filho INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

A RELAÇÃO CULTURA E MODA. Carmem Lúcia de Oliveira MARINHO, Faculdade Senac Pernambuco, Professora. carmemmarinho@yahoo.com.br.

A RELAÇÃO CULTURA E MODA. Carmem Lúcia de Oliveira MARINHO, Faculdade Senac Pernambuco, Professora. carmemmarinho@yahoo.com.br. A RELAÇÃO CULTURA E MODA Carmem Lúcia de Oliveira MARINHO, Faculdade Senac Pernambuco, Professora. carmemmarinho@yahoo.com.br. Introdução Vivemos em uma sociedade complexa, na qual grupos heterogêneos

Leia mais

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação)

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Resenha Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Renata Escarião PARENTE 1 Parte do resultado da tese de doutoramento

Leia mais

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Encontro 2 Coordenadores Pedagógicos CEFOR 05 de Junho 2013 Pauta Acolhimento Leitura deleite Apresentação / entrevista

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 3.771, DE 2004 Dispõe sobre a identificação obrigatória da localização de paisagens de interesse turístico nas condições que

Leia mais