Teledramaturgia: uma discussão sobre as narrativas seriadas 1. Introdução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Teledramaturgia: uma discussão sobre as narrativas seriadas 1. Introdução"

Transcrição

1 Teledramaturgia: uma discussão sobre as narrativas seriadas 1 Resumo: Este artigo pretende travar uma discussão a respeito da teledramaturgia, tomando como base o contexto nacional. Ao invés de tentar obter respostas para as questões relacionadas ao tema, tem o objetivo de problematizar e fomentar discussões de como, quando e porque essa forma de expressão artística começou a ser considerada uma forma de arte menor e passou a ser execrada pelos intelectuais. Pretende ainda refletir a respeito da origem e das concepções estéticas das narrativas seriadas articulando possíveis contribuições deste campo a outras artes consideradas arte maior. Palavras-chave: Teledramaturgia, telenovela, seriado, minissérie, serialização e televisão. Autores: Marcello Chamusca 2 Márcia Carvalhal 3 Orientação: Prof. Mahomed Bamba Introdução A teledramaturgia é, geralmente, concebida em narrativas cuja apresentação é seriada. Ou seja, é realizada em capítulos ou episódios que podem ter, a depender do tipo de narrativa, características e formas de desenvolvimento bem diferenciados e específicos. 1 Artigo produzido para apresentação no I seminário da disciplina Estética da Comunicação e Cultura de Massa, ministrada pelo Professor Mahomed Bamba, como parte da avaliação do quarto semestre do curso de Comunicação Social/Habilitação em Relações Públicas da FTC Faculdade de Tecnologia e Ciências. 2 Acadêmico do curso de Relações Públicas da FTC Faculdade de Tecnologia e Ciências. 3 Idem.

2 Para entender melhor essa questão, tentaremos trazer, de forma bem abrangente, elementos estéticos da teledramaturgia, a sua origem, os tipos de narrativas seriada apresentadas na televisão, buscando, na medida do possível, a exemplificação a partir de produções nacionais. É importante dizer que com este artigo pretendemos muito mais levantar questões, do que esclarecê-las, pois, quando o assunto é teledramaturgia existem questões que não querem e não devem calar. Tipos de narrativas seriadas na televisão Existem três tipos de narrativas seriada na televisão. O primeiro é o tipo que temos uma única narrativa (ou várias narrativas entrelaçadas e paralelas) se sucede(m) mais ou menos linearmente ao longo de todos os capítulos (MACHADO, 2000, p.84). Nessa primeira modalidade estão inseridas as novelas e minisséries brasileiras. A sua estrutura envolve um enredo que vai desvelando aos poucos detalhes da vida dos personagens. Invariavelmente, os capítulos começam com um gancho deixado no capítulo anterior e é finalizado com um elemento de conflito, de tensão, deixando no ar algo muito importante para aquela narrativa, visando manter o interesse do telespectador até a próxima exibição. Esse tipo de construção é teleológico, pois ele se resume fundamentalmente num (ou mais) conflito(s) básico(s), que estabelece logo de início um desequilíbrio estrutural, e toda evolução posterior dos acontecimentos consiste num empenho em restabelecer o equilíbrio perdido, objetivo que, em geral, só se atinge nos capítulos finais (Ibidem, p. 84). O segundo tipo é aquele que tem episódios fechados, onde cada emissão é uma história completa e autônoma, com começo, meio e fim, e o que se repete no episódio seguinte são apenas os mesmos personagens principais e uma mesma situação narrativa (Ibidem, p. 84). Nessa segunda modalidade estão inseridos os seriados e programas humorísticos, como o célebre Malu mulher e não menos célebre e atual A grande família. É importante enfatizar que, nessa modalidade, um episódio, via de regra, não se recorda dos anteriores nem interfere nos posteriores (Ibidem, p. 85). O terceiro e último tipo de narrativas serializadas são aqueles em que se preserva apenas o tema de um episódio para o outro. Os personagens, a narrativa, os atores, os cenários, e, às 2

3 vezes, até os roteiristas e diretores são diferentes. Para dar um exemplo prático deste tipo de narrativa, podemos citar a série brasileira Comédia da vida privada, que são histórias completamente diferentes que têm em comum apenas o tema da vida doméstica e o conflito entre homem e mulher. Outro exemplo é a série A vida como ela é, baseada nas histórias de Nelson Rodrigues. O porque da serialização na teledramaturgia Para muitos autores, o motivo que levou a televisão a desenvolver os seus produtos em série foi a necessidade de manter uma programação ininterrupta para alimentar o mercado que ela mesma criou. Esse modelo industrial, que trabalha a produção em larga escala, foi duramente criticado pelos autores da Escola de Frankfurt, desde o seu surgimento. O principal deles, Adorno (1987), chegou até mesmo a desenvolver um conceito para essa prática. É o conceito de Industria cultural, onde insinua que os Meios de Comunicação de Massa (MCM), ao estandardizarem os seus produtos, submetem a audiência a completa idiotização, alienando-a e controlando-a a partir de mecanismos específicos de controle e dominação, como é o caso da criação dos gêneros televisivos. Verlaine Freitas, autora do livro Adorno e a arte contemporânea, ao questionar se ainda é possível a existência de um conceito de arte autônoma, levando em consideração a onipresença dos MCM, levanta as seguintes questões: Será que ainda é possível estabelecer, pelo menos em termos conceituais, uma diferença clara entre arte e cultura de massa? Haveria algum significado propriamente filosófico nessa distinção? Como pensar aquelas obras que parecem casos-limite desses dois tipos de produção cultural? (FREITAS, 2003, p.21). Para o frankfurtiano Adorno essa distinção é clara. Freitas, se referindo às suas idéias quanto o papel social da arte moderna, por exemplo, diz que a seriedade do prazer artístico faz com que ele seja qualitativamente diferente do que se experimenta nos meios de comunicação de massa (Ibidem, p.24). Neste sentido, para os autores da escola crítica, os MCM, sobretudo a televisão, por serem na contemporaneidade os maiores transmissores de informação, transformam-se no centro das atenções e das investidas da classe dominadora: as elites políticas e econômicas. Essas elites, 3

4 através da ideologia, buscam a alienação das massas, ou seja, o desconhecimento do seu verdadeiro poder enquanto maioria quantitativa e a sua capacidade de mobilização para transformações sociais, artísticas e culturais. Por essa ótica, percebemos que os MCM estão estrategicamente a serviço do capitalismo. E, com isso, pressupomos que estes meios não estarão disponíveis, por exemplo, para as manifestações artísticas e culturais genuínas de um povo. Gabriel Cohn traz a seguinte discussão: uma vez que os meios de comunicação são financiados pelos grandes interesses econômicos, gerados no sistema econômico-social vigente, eles contribuem para a manutenção desse sistema. (...) Na medida em que os meios de comunicação têm exercido uma influência sobre os seus públicos, este fato deve-se não apenas ao que é expresso, mas sobretudo ao que não é expresso nem dito de forma explícita (COHN, 1987, p.242). Em consonância com Gabriel Cohn, Mauro Wolf analisa que a mídia contribui para a alienação e o conformismo e cita para isso uma questão trazida por Lazarsfeld e Merton: Desde o momento em que são sustentados pelas grandes empresas inseridas no atual sistema econômico e social, os meios de comunicação de massa contribuem para a manutenção desse sistema (...); De fato, não só continuam a apoiar o status quo como também, e na mesma medida, deixam de levantar as questões essenciais quanto a estrutura social (...) Os meios de comunicação comercializados ignoram os objetivos sociais quando esses objetivos se chocam com o lucro econômico (...) Ao ignorar sistematicamente os aspectos controversos da sociedade, a pressão econômica incita ao conformismo (LAZARSFELD e MERTON, 1948, p.86 apud WOLF, 1987, p.68). Em contraponto a essas idéias, Lúcia Santaella (1992), tentando desmistificar a cultura negativa que se criou em torno dos MCM, sobretudo da televisão, traz um novo conceito para a cultura desenvolvida por esses meios. Ela propõe que, a partir de então, se substitua o termo cultura de massa, dada toda a carga pejorativa que existe em torno dele gerada pelos autores da escola crítica, pelo termo cultura das mídias, esse último, livre de qualquer preconceito. Essas novas perspectivas para com os MCM, muito menos apocalípticas e muito mais integradas 4, tem levado a mídia a abrir novas possibilidades, sobretudo nas questões voltadas a disseminação da idéia de solidariedade, através da sua programação, principalmente da teledramaturgia. As novelas, por exemplo, têm trazido, sistematicamente, temas de interesse público para dentro das suas narrativas. Essas positivas iniciativas tornam a teledramaturgia uma 4 Trocadilho com o termo Apocalípticos e Integrados, utilizado por Humberto Eco nos anos 80, para designar os autores mais críticos e os que acreditavam em possibilidades positivas a partir dos MCM, respectivamente. 4

5 espécie de canal para a criação de uma possível esfera pública, em que se possa fomentar discussões pertinentes, para e com a sociedade. Podemos analisar esta tendência ao crescimento de aberturas dos espaços midiáticos para as questões de cunho sociais, a partir da idéia de que a sociedade sempre busca a racionalização dos processos de comunicação para uma maior eficiência nas suas relações. Segundo Cohn (1987, p.113), uma das tarefas de uma sociedade racionalmente organizada consiste em descobrir e controlar quaisquer fatores que intervenham na eficiência da comunicação. É relevante trazer, para complementar essa discussão, o contraponto criado por Jesus Martins Barbero, que relativiza as questões referentes a ideologia dominante e a hegemonia, ao comentar sobre as lições do seu contemporâneo Garcia Canclini:...nem toda assimilação do hegemônico pelo subalterno é signo de submissão, assim como a mera recusa não é de resistência...nem tudo que vem de cima são valores da classe dominante, pois há coisas que vindo de lá respondem a outras lógicas que não são as de dominação (BARBERO, 1997, p.107). Na citação acima, Barbero não estava se referindo especificamente aos meios de comunicação, mas buscava uma discussão mais profunda sobre ideologia dominante e hegemonia cultural. Contudo, essas noções nos remetem a reflexões importantes, além de produzirem uma via dialética para a abordagem da discussão. Ao criar essa dicotomia nas linhas discursivas, há um despertamento para o fato de que a televisão tem a sua estética própria, desenvolve a sua programação de acordo com os padrões estéticos estabelecidos pelo próprio meio, que exige velocidade e racionalização da produção. Além disso, a serialização da teledramaturgia foi e é um dos principais elementos que caracterizam o conceito estético de fazer televisão. A partir dos mesmos cenários, elenco de atores e uma narrativa central, um produto televisivo permanece no ar, atraindo milhões de espectadores, em todo o país, por meses e até anos com a grande vantagem de estar sendo produzida ao mesmo tempo em que está sendo veiculada como um produto pronto. Esse modo de produção, apesar de não ter sido criado por ela, é próprio da televisão, e mesmo sendo criticada e colocada como uma forma de arte menor, subsiste e supera-se a cada dia trazendo a tona temas de interesse público que permeiam o dia-a-dia da população. E, neste 5

6 sentido, tem sido uma arma poderosa contra os enormes problemas sociais encontrados em nosso país. A origem das narrativas seriadas A narrativa seriada surgiu na Idade Média com as formas epistolares, através das cartas e sermões religiosos. Já na Idade Moderna teve um grande desenvolvimento com surgimento do folhetim, uma forma literária muito utilizada nos jornais do século XIX. No começo do século XX consagrou-se e tomou grande proporção com o surgimento das radionovelas. Neste mesmo período, teve a sua primeira versão audiovisual com os seriados de cinema (MACHADO, 2000). O formato da dramaturgia seriada usada hoje na televisão é baseada no modelo de serialização fornecido pelo cinema. Por volta de 1913, os filmes seriados de cinema surgem para dar conta de uma necessidade conjuntural latente. Nesta época as salas de cinema só passavam filmes de curta duração. O principal motivo era porque o público assistia o filme em pé ou em desconfortáveis bancos de madeira. Os longas-metragens, que começavam a surgir, por outro lado, só passavam em salões de cinema, estes muito caros e inacessíveis a maioria da população (Ibidem). Os filmes serializados surgem para atender esses dois públicos. Tanto os dos salões, quanto os das pequenas salas de cinema. Nos salões passavam numa só sessão, como longametragem, e nas salas menores, em partes, serializado. Quando surge, por volta dos anos 50 do século passado, a televisão no Brasil leva artistas representantes de todas as artes para sua tela. Fernanda Montenegro, considerada por muitos a Dama do Teatro Nacional, foi uma das primeiras atrizes contratadas por uma televisão no Brasil. Em depoimento para o portal UOL Universo On-Line, Montenegro fala sobre esse primeiro momento da TV no nosso país, do primor das primeiras produções seriadas da televisão, porque o brasileiro se apaixonou por essa forma de produção cultural e da felicidade de ter tido a oportunidade, na televisão, de ter trabalhado com muitas escolas de teatro, além das maravilhosas produções dos reclames, como eram conhecidos os intervalos comerciais na época. 6

7 A narrativa seriada e o intervalo comercial Esse é um elemento muito importante na concepção da narrativa seriada para a televisão. Como sabemos, a recepção televisiva se dá em locais, geralmente, iluminados, com muitos elementos de dispersão da sua audiência. Portanto, o intervalo comercial, que provavelmente surgiu por questões de ordem econômico-financeiras, passou a assumir, aos poucos, uma condição estratégica dentro da concepção estética da teledramaturgia. Os intervalos, hoje, são pensados estrategicamente, pois são um elemento crucial para atrair a atenção da audiência novamente para a narrativa, que pode ter sido dispersa em algum momento por questões diversas. As emissoras de TV, inclusive, percebendo o valor desse elemento, criou marcas específicas para chamar de volta a atenção do telespectador para a narrativa. O plim, plim da Rede Globo é o exemplo mais clássico deste conceito. Quando estamos assistindo uma novela, por exemplo, e por algum motivo desviamos a nossa atenção da televisão, ao ouvir o plim, plim logo imaginamos: recomeçou a novela. E, voltamos novamente a atenção para ela. Até porque, já sabemos que quando dá o intervalo tem sempre algo importante para acontecer naquela narrativa. A função comercial do intervalo, apesar de ainda ter relevância, foi relativizada pelo advento do merchandising, que representou a inserção de um novo paradigma para a prática estratégica da publicidade e a da propaganda no espaço antes fechado das narrativas seriadas na TV. O conceito de merchandising na teledramaturgia é mais um elemento importado do cinema para a televisão. Segundo Trindade (1999, p.155), essa técnica já era e ainda é muito utilizada pelo cinema americano como forma de garantir os custos das produções. Segundo Trindade (1999), a primeira experiência nacional foi na telenovela Beto Rockfeller (Bráulio Pedroso, 1969, TV Tupi), que tinha como protagonista o ator Luis Gustavo, que após grandes noites de farras tomava o efervescente Alka seltzer da Bayer. Contudo, ainda segundo Trindade, os primeiros grandes cases de merchandising no Brasil estão registrados na novela Dancing Days (Gilberto Braga, 1979, TV Globo) com a atriz Sonia Braga utilizando Jeans Staroup e na novela Água Viva (Gilberto Braga, 1980, TV Globo), em que a atriz Bete Faria vestia o Jeans USTop. 7

8 Essa prática publicitária, que de um lado é responsável pela maior parte dos custos de produção das narrativas seriadas na TV, de outro pode ser responsável pela queda da qualidade da obra áudio-visual desenvolvida, pois, segundo Trindade: Muitas vezes o autor é obrigado a escrever cenas que interrompem o fluxo narrativo da telenovela e, nesse momento, o merchandising perde o seu princípio de sutileza e tira o telespectador do mergulho na ficção e o traz de volta a realidade de maneira abusiva ou torna a realidade falsa (TRINDADE, 1999, p.162). Infelizmente, no Brasil, essa técnica ainda é usada de forma rudmentar e termina, de fato, comprometendo a obra, como no caso da novela Senhora do Destino (XXXXX, 2005, TV Globo), em que a atriz protagonista Suzana Vieira era dona de uma loja de materiais de construção e interrompia bruscamente a narrativa, jogando o telespectador para fora do enredo da história, para vender seus produtos. As primeiras problematizações sobre a teledramaturgia Considerando que a narrativa seriada, na sua forma audiovisual, tem origem no cinema, consagrada como a sétima arte, e que o modelo utilizado na televisão hoje é baseado no modelo de serialização do cinema, até que ponto afirmar que a teledramaturgia é uma arte menor pode ser legítimo e até que ponto é mero preconceito? Quando é que uma peça de teatro adaptada para a televisão deixa de ser uma obra de arte para ser apenas uma mera forma de expressão artística desarticulada e imbecilizada? Será que a adaptação de Hamlet ou Romeu e Julieta para televisão conseguiria esvaziar a qualidade da narrativa Shakespeariana? Dos enlatados a uma nova dramaturgia As produções da teledramaturgia comercial podem variar entre as mais banais possíveis, os chamados enlatados, esquemas narrativos baseados em estereótipos, protótipos elementares ou padrões simples e previsíveis (MACHADO, 2000, p.89), que não deixam margem para nenhum tipo de variação criativa ou improvisação, até aquelas realizadas em condições privilegiadas, onde é possível encontrar estruturas seriadas realmente interessantes, nas quais as 8

9 repetições tornam-se, como na música minimalista, a condição inaugural de uma nova dramaturgia (ibidem, p.89). Ao contrário do que imaginamos, nem sempre a repetição que dizer redundância. Muitos autores, enxergam na produção seriada da televisão, a repetição como um elemento original, uma forma artística legítima e até se permitem pensar na estética da repetição, que se baseia na dinâmica que brota da relação entre elementos invariantes e os variáveis (CALABRESE, 1987, p.44 apud MACHADO, 2000, p.84). A estética da repetição num paralelo com a teledramaturgia A estética da repetição, segundo Machado, acontece numa variedade quase infinita de possibilidades, mas tenta agrupar as tendências predominantes em três grandes categorias: As fundadas nas variações em torno de um eixo temático neste modelo de narrativa seriada, existe sempre um enredo comum em todos os episódios. Geralmente tem um personagem principal que é envolvido em um tipo de situação comum e consegue sempre uma forma de resolver o problema. O exemplo clássico é a série Magaiver: profissão perigo, que tem um personagem principal, que tem sempre um caso policial para resolver e com a sua genialidade consegue dar conta das situações aparentemente sem soluções; As baseadas na metamorfose dos elementos narrativos este modelo tem elementos básicos invariáveis, como um grupo de personagens fixos principais e uma situação narrativa bem definida. Mas, sempre surgem elementos variáveis mudando ou tentando mudar o rumo da história, acrescentando novas situações a narrativa inicial e ameaçando a estrutura e as características dos personagens principais; As estruturadas na forma de um entrelaçamento de situações diversas São os modelos que trazem narrativas variadas e entrelaçadas, um número muito grande de personagens e situações das mais diversificadas possíveis. Podemos inserir nesta tendência estética as novelas brasileiras, que têm exatamente as características deste modelo. São exibidas na medida em que estão sendo produzidas e, em geral, não têm final definido. Isso permite que de acordo com as nuances da recepção o autor vá direcionando a narrativa de modo a agradar ou surpreender os espectadores. 9

10 Para Machado, as três tendências estéticas elencadas acima nunca se apresentam de forma pura, sempre são contaminadas, uma pelas outras, em graus mais ou menos acentuados, de modo que o programa sempre se posiciona de forma singular e original. Para crítica de arte Cristina Brandão, há ainda uma característica muito própria da linguagem das narrativas na TV, o impacto sensorial de uma cena é produto de um conjunto de interações: direção, movimento e enquadramento da câmera, ação do ator, ritmo, iluminação, etc. O que resulta numa "canalização" do sentido que culmina com a montagem (edição). As imagens mostradas foram objetos de enquadramentos precisos, com a finalidade de se mostrarem facilmente assimiláveis em conjunto com uma adequada trilha sonora, pois é o som (incluindo-se o som musical), por sua qualidade e sua proximidade, um dos elementos que mais consistência dá aos "efeitos de realidade". As palavras proferidas, quando de cenas dialogadas, ganham decisivo relevo para autenticidade estética da teledramaturgia (BRANDÃO, 2004). Entusiasta da forma serial da teledramaturgia, Machado diz que: A riqueza da serialização televisual está, portanto, em fazer dos processo de fragmentação e embaralhamento da narrativa uma busca de modelos de organização que sejam não apenas mais complexos, mas também menos previsíveis e mais abertos ao papel ordenador do acaso. (MACHADO, 2000, p. 97). Após essa tentativa de concepção da estética da repetição, trazida por Arlindo Machado, a partir da obra de Calabrese, envolvendo os processos criativos da forma serial da teledramaturgia, é chegada a hora de buscarmos novos questionamentos pertinentes, para que se mantenha o curso dessa discussão. Outras questões relacionadas a teledramaturgia Até ponto é legítimo se menosprezar essa forma de expressão artística que vem se agigantando ao longo da sua história? Porque qualquer tentativa de se vincular um gênero televisivo, como a teledramaturgia por exemplo, à arte é incomensurável entre os intelectuais, já que não pode se negar a presença de elementos estéticos nesta forma de manifestação artística? 10

11 Será que por conta do caráter efêmero das produções televisivas, a teledramaturgia não possui, como as outras formas de arte dramática, obras antológicas que fazem parte da memória popular? A estética televisiva, prioriza elementos invariáveis ou repetitivos, buscando sempre uma padronização e, portanto, não permite a vanguarda. Isso representa dizer que um programa de televisão, só porque não é de vanguarda não pode ser artístico? E, isso impede de se encontrar na televisão algo de criativo? É possível fazer os críticos de arte superarem os preconceitos relacionados a teledramaturgia? Considerações finais Devemos, portanto, refletir sobre as possibilidades artísticas e culturais que as novas tecnologias da informação e as formas de expressão contemporâneas nos oferece. E não nos fechar num mundo em que só se reconhece a arte quando apresentada nas formas clássicas e objetivas das concepções estéticas tradicionais. O fato é que a teledramaturgia, no contexto brasileiro, representa a única forma de acesso as artes dramáticas a maioria da população. Por outro lado, é também fomentadora do consumo de outras formas artísticas por parte da população qualificada a consumi-las. A maioria dos artistas contemporâneos, militantes da arte dramática, vivendo num mundo de capital globalizado e cultura mundializada, precisam da força de propagação da teledramaturgia para divulgar o seu trabalho. Afinal, para que serve o dom artístico, se não para mostrar ao mundo e fazê-lo entender que toda forma de manifestação artística, traz no seu âmago, algo tão positivo que não pode ser considerada menor. Referências ADORNO, Theodor. A Industria Cultural. In: COHN, Gabriel (org.). Comunicação e Industria Cultural. São Paulo: T.A. Queiroz,

12 BARBERO, Jesus Martins. Redescobrindo o povo: a cultura como espaço de hegemonia. In: Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, BRANDÃO, Cristina. Teatro Eletrônico [online]. Disponível na internet via WWW URL: Capturado em :40 PM COHN, Gabriel (Org.). Comunicação e Industria Cultural. São Paulo: T.ª Queiroz, FREITAS, V. Adorno & a arte contemporânea. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., MACHADO, Arlindo. As narrativas seriadas. In:. A televisão levada a sério. São Paulo: Editora Senac São Paulo, WOLF, Mauro. Teorias da Comunicação. Lisboa: Ed. Presença, SANTAELLA, L. Cultura das Mídias. São Paulo: Razão Social, Para citar este trabalho copie as linhas abaixo trocando o X pela data correta: CHAMUSCA, Marcello; CARVALHAL, Márcia. Teledramaturgia: uma discussão sobre a narrativa seriada [online] - Disponível na internet via WWW URL: - Capturado em XX/XX/200X. 12

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

MERCHANDISING COMERCIAL NA TELENOVELA: DA PERSUASÃO AO INCOMODO

MERCHANDISING COMERCIAL NA TELENOVELA: DA PERSUASÃO AO INCOMODO MERCHANDISING COMERCIAL NA TELENOVELA: DA PERSUASÃO AO INCOMODO Elisa Peres Maranho 1 ; Gláucia Brida 2 RESUMO: Ao inserir-se no intervalo comercial da novela, a publicidade se beneficia da audiência e

Leia mais

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica Danilo L. Brito (UFRJ) A arte tem sido alvo de discussões de diferentes teóricos ao longo da história, desde os gregos, com sua concepção

Leia mais

PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS.

PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS. PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS. Jadiewerton Tavares da Silva (Autor); Marcelo Luiz Pelizzoli

Leia mais

Pronac Nº 1111032 Você em Cenna é um concurso cultural que irá eleger atores e atrizes amadores de todo o país, que enviarão vídeos de suas performances para votação popular e de júri especializado. Os

Leia mais

As incompletudes da televisão abrem espaço para a imaginação do telespectador

As incompletudes da televisão abrem espaço para a imaginação do telespectador Ilustração Alessandro Lima As incompletudes da televisão abrem espaço para a imaginação do telespectador Arlindo Machado por Mônica Ramos Arlindo Machado é professor de Comunicação e Semiótica da PUC-SP

Leia mais

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes,

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, 2009. Editora Práxis, 2010. Autêntica 2003. 11 Selma Tavares Rebello 1 O livro Cineclube, Cinema e Educação se apresenta

Leia mais

Prof. Ms. Julio Cesar Fernandes II CICLO ESPM - BRASIL MÚLTIPLAS IDENTIDADES agosto de 2014

Prof. Ms. Julio Cesar Fernandes II CICLO ESPM - BRASIL MÚLTIPLAS IDENTIDADES agosto de 2014 Prof. Ms. Julio Cesar Fernandes II CICLO ESPM - BRASIL MÚLTIPLAS IDENTIDADES agosto de 2014 Indústria Cultural Teoria Crítica; Estudos Culturais; Produção cultural: obras ou serviços. Criados; Elaborados;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios...

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... Sumário APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA... 13 PREFÁCIO... 19 PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... 29 Decisões

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

5 Considerações finais retomando o problema

5 Considerações finais retomando o problema 5 Considerações finais retomando o problema A análise dos dados, dividida nos eixos critérios de avaliação, interpretação e juízo moral, tentou responder as perguntas formuladas no início da pesquisa como

Leia mais

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula José Manuel Moran A seguir são apresentadas sugestões de utilização de vídeo, CD e DVD. Vídeo como produção Como documentação, registro de eventos, de aulas,

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Amarante Oliveira, Wellington Em busca

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante?

Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante? São Paulo, Ano II, n. 04, jan./abr. de 2015 Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante? Sobre a representação multicultural de personagens em obras audiovisuais educativas Autor:

Leia mais

Fig. 247 Storyboard 2

Fig. 247 Storyboard 2 173 Fig. 247 Storyboard 2 174 Fig. 248 Storyboard 2 Fig. 249 Storyboard 2 175 176 3.2.5 Edição visual e sonora Foram realizadas algumas etapas: análise, seleção e edição da imagem (correção de cor, luz,

Leia mais

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo?

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo? Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica Ela faz cinema Ela faz cinema Ela é demais (Chico Buarque) CINEMA Chegou o momento de escolher um curso. Diante de tantas carreiras e faculdades

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPANHA DE POSICIONAMENTO

Leia mais

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO Mestres 1 Tiago Fernandes 2 Marcelo de Miranda Noms 3 Mariane Freitas 4 Tatiane Moura 5 Felipe Valli 6 Bruno Moura 7 Roberto Salatino 8 Conrado Langer 9 Prof. Msc. Luciana Kraemer 10 Centro Universitário

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR PRÓREITORIA DE GRADUAÇÃO Curso: 50 CINEMA Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: criado pela Resolução n 008/CEG/2003, de 18 de dezembro de 2003 Resolução nº 020/CEG/2008, de 26/11/2008 Reconhecido

Leia mais

Universidade Federal da Bahia

Universidade Federal da Bahia + Universidade Federal da Bahia Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Prof. Milton Santos UFBA NOVA BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES 2010 ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM XXXXXXXX + IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA

Leia mais

Alzheimer: de Volta ao Começo 1

Alzheimer: de Volta ao Começo 1 Alzheimer: de Volta ao Começo 1 Marcelo de Paula LEMOS 2 Marcela Terra Cunha MATARIM 3 Mariana Alves MENDES 4 Celi CAMARGO 5 Universidade de Uberaba, Uberaba, MG RESUMO Alzheimer: de Volta ao Começo é

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 090.3630.1 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Redação e Expressão Oral VI ETAPA 6ª Período

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA"

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DIREITO E CINEMA Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA" Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Cornélio

Leia mais

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação fabiana.ebraille@gmail.com RESUMO No presente trabalho, tenciona-se

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

ABC Digital 1. PALAVRAS-CHAVE: TV Digital; Jornalismo Utilitário; Interatividade; Privacidade; Modelagem de conteúdo. INTRODUÇÃO

ABC Digital 1. PALAVRAS-CHAVE: TV Digital; Jornalismo Utilitário; Interatividade; Privacidade; Modelagem de conteúdo. INTRODUÇÃO ABC Digital 1 Fernanda Chocron MIRANDA 2 ; Diolene Borges Machado, Suzana Cunha Lopes, Dandara Silva de Almeida, Fabrício Natalino Bentes Queiroz, Graziella Câmara Mendonça, Killzy Kelly Lucena, Larissa

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Redação e Expressão Oral VI ETAPA 6 Período CH 2 ANO

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO 42951 CÓD. DISC. 090.3630.1 UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA REDAÇÃO E EXPRESSÃO ORAL VI ETAPA 6ª CH 02 ANO 2011 OBJETIVO

Leia mais

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 JUNIOR, Carlos de Faria 1 FERNANDES, Priscila Mendonça 2 Palavras-Chave: Indústria Cultural. Regime Militar. Telenovelas. Introdução O projeto consiste

Leia mais

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA 1 DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA Mariana Muniz 1 Sanchis Sinisterra é um ícone da dramaturgia espanhola contemporânea. Sua peça de maior repercusão foi Ay

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA Mestrado e Doutorado em Comunicação Matrícula e Calendário acadêmico 2014.2 DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA: 29, 30 e 31/07/2014 LOCAL: A pré-matrícula deverá ser efetivada na Secretaria do PPGCOM ou através do

Leia mais

Games são arte ou cultura? O eterno debate sobre a influência de uma. mídia.

Games são arte ou cultura? O eterno debate sobre a influência de uma. mídia. mídia. Games são arte ou cultura? O eterno debate sobre a influência de uma Alguns alunos do GameLab ESPM enviaram para mim uma notícia do Blog do Estadão que relata a inauguração, em março, de uma exposição

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Vídeo denúncia: o impacto da indústria cultural no cotidiano de uma família brasileira

Vídeo denúncia: o impacto da indústria cultural no cotidiano de uma família brasileira UNIIVERSIIDADE METODIISTA DE SÃO PAULO Professora orientadora: Maria Cristina Gobbi A TEORIA CRÍTICA Vídeo denúncia: o impacto da indústria cultural no cotidiano de uma família brasileira Autores: MÔNICA

Leia mais

Testemunha 4. Sinopse. Apresentação. Rio de Janeiro, Brasil 2011 documentário 70 min HD cor

Testemunha 4. Sinopse. Apresentação. Rio de Janeiro, Brasil 2011 documentário 70 min HD cor Testemunha 4 Rio de Janeiro, Brasil 2011 documentário 70 min HD cor Sinopse Uma personagem, uma atriz e o passar das horas em um interrogatório do Holocausto. Apresentação O documentário acompanha a trajetória

Leia mais

Aula 05. CINEMA: profissões

Aula 05. CINEMA: profissões Aula 05 CINEMA: profissões Profissões do Cinema O cinema pode ser dividido em diversos processos, onde se envolvem diferentes tipos de profissionais: Roteiro Produção Realização Decupagem Decupagem de

Leia mais

SIMULADO DE RÁDIO, TV e INTERNET - 2015/1 Devolutiva das questões

SIMULADO DE RÁDIO, TV e INTERNET - 2015/1 Devolutiva das questões SIMULADO DE RÁDIO, TV e INTERNET - 2015/1 Devolutiva das questões 1) Questões objetivas Questão nº 1 - Resposta E Justificativa: O rádio se reinventava para tentar não perder espaço para a televisão. Questão

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Pré-requisito: Conhecimentos básicos de língua inglesa.

Pré-requisito: Conhecimentos básicos de língua inglesa. Pare de assistir e comece a escrever, criar e produzir para a televisão! A arte de contar histórias é a força cultural dominante no mundo contemporâneo, e as séries televisivas são o meio mais atraente

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação - FACOM EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE JORNALISMO. Disciplinas Obrigatórias

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação - FACOM EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE JORNALISMO. Disciplinas Obrigatórias EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE JORNALISMO Disciplinas Obrigatórias Departamento de Comunicação e Artes 1) Teoria da Comunicação I: 1. Comunicação: conceito, objeto e objetivo. 2. Ciências da Informação.

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA As letrinhas mágicas. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Uma visita ao zoológico. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO As Vogais vão ao zoológico e têm contato com

Leia mais

Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios

Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios Disponível em http:// RAC, Curitiba, v. 15, n. 4, pp. 761-765, Jul./Ago. 2011 Documentos e Debates: Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração:

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

VÍDEO DA CAMPANHA DE DIVULGAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES 1

VÍDEO DA CAMPANHA DE DIVULGAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES 1 VÍDEO DA CAMPANHA DE DIVULGAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES 1 Gabriela Viero GARCIA 2 Jana GONÇALVES 3 Samira Tumelero VALDUGA 4 Luciano MATTANA 5 Universidade Federal

Leia mais

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos?

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? 1 TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? Willians Cerozzi Balan Setembro/2009 Autores, pesquisadores e profissionais da área de produção em televisão reconhecem que a imagem exerce

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011).

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Resenha Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Bruno Ribeiro NASCIMENTO 1 Dominique Wolton costuma nadar contra a corrente: quando os críticos da indústria cultural

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Dança x Mídia: A Arte e o Entretenimento. Iêgo José. Raija Almeida Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB

Dança x Mídia: A Arte e o Entretenimento. Iêgo José. Raija Almeida Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB 1 Dança x Mídia: A Arte e o Entretenimento 2 Iêgo José 3 Raija Almeida Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB RESUMO A arte da Dança sempre caminhou junto com o homem em sua evolução,

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

CINEARES: CINEMA, CULTURA E INTEGRAÇÃO SOCIAL

CINEARES: CINEMA, CULTURA E INTEGRAÇÃO SOCIAL CINEARES: CINEMA, CULTURA E INTEGRAÇÃO SOCIAL Área Temática: Cultura Vânia Lionço (Coordenadora da Ação de Extensão) Vânia Lionço 1 Lowrrane Paollo Pinheiro 2 Valquíria Gandolpho Maciel do Nascimento 3

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XVI Prêmio Expocom 2009 Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação

Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XVI Prêmio Expocom 2009 Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação Jornal Laboratório Páginas Abertas - Produzido pela Central de Produções Jornalísticas (CPJ), do Curso de Jornalismo do Centro Universitário Newton Paiva 1. Uma Parceria com o Pré-Vestibular Lima Barreto

Leia mais

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR Izabele Silva Gomes Vívian Galvão Barbosa Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com viviangbarbosa@msn.com INTRODUÇÃO Termos como Era

Leia mais

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI Resumo AREND, Catia Alire Rodrigues UTP catiarend@yahoo.com.br Eixo Temático: Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da

Leia mais

Verdade? 1. Geraldo Augusto Aquino Guimarães 2 Jefferson José Ribeiro de Moura 3 Faculdades Integradas Teresa D Ávila - Lorena, SP

Verdade? 1. Geraldo Augusto Aquino Guimarães 2 Jefferson José Ribeiro de Moura 3 Faculdades Integradas Teresa D Ávila - Lorena, SP Verdade? 1 Geraldo Augusto Aquino Guimarães 2 Jefferson José Ribeiro de Moura 3 Faculdades Integradas Teresa D Ávila - Lorena, SP RESUMO No trabalho apresentado aqui, tem-se um roteiro, um unitário com

Leia mais

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO Gabriela Gonçalves da Silva 1 Jonney Gomes de Freitas Abreu 2 Marielli Gomes Mendonça 3 Mônica Mitchell de Morais Braga 4 Murilo Raphael Dias

Leia mais

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão.

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão. Cadê? 1 Mirielle Katarine do Nascimento CAHUHY 2 Claudilma Marques Mendes da SILVA 3 Karen Alves de LIMA 4 Sara Raquel REIS 5 Anaelson Leandro de SOUSA 6 Universidade do Estado da Bahia, Juazeiro, BA RESUMO

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas

Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas Vanessa Curvello Índice 1 O Big Brother........... 1 2 O Big Brother Brasil....... 2 3 A estruturação do programa.... 2 4 As estratégias comunicativas da

Leia mais

O Desenho: desenhando com Kari Galvão 1

O Desenho: desenhando com Kari Galvão 1 O Desenho: desenhando com Kari Galvão 1 Paulo Souza dos SANTOS JUNIOR 2 Maria Carolina Maia MONTEIRO 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho apresenta uma produção multimídia

Leia mais

Apostila Artes Audiovisuais

Apostila Artes Audiovisuais INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CAMPUS SERTÃOZINHO Apostila Artes Audiovisuais ROTEIRO Cinema,Televisão e Vídeo 3a. Revisão 2010 Prof. MS. Ricardo Stefanelli 1 Projeto para Roteiro Audiovisual Vídeo Artes

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Experimental, Animação, Seriado, Criatividade. INTRODUÇÃO. Adeus, Johnny!¹

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Experimental, Animação, Seriado, Criatividade. INTRODUÇÃO. Adeus, Johnny!¹ Adeus, Johnny!¹ Débora Caroline de Oliveira AZEVEDO² Bruna Camara ALEXANDRINO³ Renata Boutin BECATE 4 Faculdade de Comunicação, Artes e Design do Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio, Salto,

Leia mais

Área: A Universidade na Sociedade do Conhecimento. Oficinas de cinema digital na formação de jovens

Área: A Universidade na Sociedade do Conhecimento. Oficinas de cinema digital na formação de jovens Área: A Universidade na Sociedade do Conhecimento Oficinas de cinema digital na formação de jovens Claudia Carvalhal de Castro Pimentel - claudia-pimentel@uol.com.br Taís Pilleggi Vinha - Adriana Dias

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

A produção ficcional da televisão brasileira e a busca por novos formatos. Ana Sílvia Médola Doutora UNESP:Bauru

A produção ficcional da televisão brasileira e a busca por novos formatos. Ana Sílvia Médola Doutora UNESP:Bauru A produção ficcional da televisão brasileira e a busca por novos formatos Ana Sílvia Médola Doutora UNESP:Bauru A comunicação de massa é um dos campos em que os processos de globalização revelam-se de

Leia mais

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL Calixto de Inhamuns A palavra dramaturgia, usando a pesquisa do mestre Alexandre Mate, nasce de drama (sentido conotativo de) ação e tourgia (sentido de trabalho, de tecimento),

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

Roteiro. Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto. Autor Professor Conteudista Rafael Moralez

Roteiro. Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto. Autor Professor Conteudista Rafael Moralez Roteiro 1 Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto Autor Professor Conteudista Rafael Moralez PACC Programa Anual de Capacitação Continuada Curso: Produção de Vídeo. de Massetto, F. I.,

Leia mais

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME CADERNO PEDAGÓGICO TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME 4 ISBN: 2015/1 ALUNO(A): APOIO PEDAGÓGICO: NUCLEO DE FORMAÇÃO GERAL ANNA PAULA SOARES LEMOS JOAQUIM HUMBERTO COELHO DE OLIVEIRA LUCIMAR LEVEGNHAGEN

Leia mais

Os Caminhos do Festival Música Nova

Os Caminhos do Festival Música Nova Os Caminhos do Festival Música Nova por Antônio Eduardo Santos RESUMO Um movimento por uma música revolucionária, nova, em oposição ao academismo dominante, teve nascimento em São Paulo, no começo dos

Leia mais

SE EU FOSSE VOCÊ 2. material de apoio FICHA TÉCNICA ELENCO

SE EU FOSSE VOCÊ 2. material de apoio FICHA TÉCNICA ELENCO material de apoio DIVULGAÇÃO SE EU FOSSE VOCÊ FICHA TÉCNICA ELENCO BRASIL, 009 GÊNERO: COMÉDIA DURAÇÃO: 00 MINUTOS CLASSIFICAÇÃO: 0 ANOS SITE OFICIAL: Glória Pires - Helena Tony Ramos - Cláudio Isabelle

Leia mais

A CAMPANHA CONTRA A BAIXARIA NA TV: DISCUSSÃO SOBRE A CULTURA DE MASSA

A CAMPANHA CONTRA A BAIXARIA NA TV: DISCUSSÃO SOBRE A CULTURA DE MASSA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 361 A CAMPANHA CONTRA A BAIXARIA NA TV: DISCUSSÃO SOBRE A CULTURA DE MASSA Carlos Henrique Demarchi Mestre em Comunicação/Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA AUTOR / AUTOR: Iara Cardoso INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) Unicamp,

Leia mais

A LITERATURA ESCOLARIZADA

A LITERATURA ESCOLARIZADA Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia N. 12, JAN/JUN 2012 A LITERATURA ESCOLARIZADA Raylla Portilho Gaspar 1 RESUMO Esse artigo

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais