Iluminação: Ingrediente Básico nas Telenovelas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Iluminação: Ingrediente Básico nas Telenovelas"

Transcrição

1 Resumo Iluminação: Ingrediente Básico nas Telenovelas Marilúcia Moisés Matos - Pós-graduação em Iluminação e Design de Interiores Instituto de Pós Graduação e Graduação - IPOG Brasília, DF, 20 de Agosto de Este estudo objetiva demonstrar a importância da iluminação bem elaborada nas telenovelas brasileiras. Partiu-se da suposição de que o telespectador está cada vez mais exigente com as imagens projetadas no vídeo, e os recursos tecnológicos atuais exigem resultados diferenciados e surpreendentes. Por meio de pesquisas bibliográficas e análises de cenas de uma novela atual, "Avenida Brasil", reuniram-se dados para a apreensão e realização do trabalho. De inicio foi realizado um estudo do surgimento das telenovelas e a sua evolução, desde a transmissão de imagens em preto e branco, até os dias atuais, totalmente em cor. Analisou-se a importância da luz nessas produções, seus efeitos, a composição das imagens, a temperatura de cor ideal, os equipamentos necessários e sua melhor localização. Os resultados indicam um crescente aumento na audiência das novela. As conclusões a partir dos dados alisados é a de que as telenovelas não devem ser apenas inundadas de luz geral, mas podem ser executadas com criatividade, é isso que o público almeja. Palavras-chave: Iluminação. Telenovelas. Imagem. 1. Introdução O surgimento da telenovela no Brasil ocorreu na década de 50, em São Paulo, com pouco sucesso de audiência. Até então, o que se fazia era a radionovela, uma narrativa folhetinesca sonora, gerada e transmitida diariamente, em horários determinados, em aparelho de rádio. A novela de maior sucesso divulgada em rádio foi o "Direito de Nascer", de Félix Caignet, no ano de A telenovela obteve seu auge no ano de 1964, com a adaptação da novela "O Direito de Nascer", e atualmente continua sendo um fenômeno e um campeão de audiência na televisão brasileira. É considerada uma forma de lazer e cultura do povo, provoca mudança de hábitos e costumes das pessoas. A telenovela ajuda a eliminar as barreiras existentes entre o real e o imaginário. Faz as pessoas se desconectarem dos problemas do cotidiano, permitindo que elas sonhem. As histórias, os atores e tudo o que envolve a telenovela, incorpora nas pessoas que a assistem, como se a trama fizesse parte da realidade e da intimidade dos telespectadores. Os recursos técnicos para elaboração e produção de imagens projetadas no vídeo, estão cada vez mais evoluídos, o que torna o resultado mais sedutor e atraente, contribuindo para um aumento crescente e constante da audiência dos programas de TV. Em nosso cotidiano, quando assistimos a um filme no cinema ou a uma novela na televisão, passa despercebido um elemento fundamental utilizado para a elaboração desses produtos, a luz. As câmeras de cinema, televisão e até as fotográficas são meios de captar a luz. Na visão de Louis Hartmann, "Pela sutil utilização de luz, e sem alterar tanto como palavra do texto do dramaturgo, é possível, por vezes, mudar completamente a impressão de toda uma cena" (2010,p.

2 2. A Luz A luz é uma ferramenta capaz de definir culturas, revelar, preencher e criar espaços, gerar sombras e efeitos especiais, oferecer sensações de conforto ou desconforto, acalmar ou aquecer os ânimos, além de aperfeiçoar a visibilidade e identificação das coisas. Através da iluminação, o designer pode criar composições visuais suprimindo ou revelando objetos, pessoas e espaços. A iluminação é baseada na compreensão e aplicação da luz. Hoje, a luz é desenhada não só para assegurar um adequado desempenho visual confortável, mas também, possui um valor sobre as percepções, comportamento e saúde do indivíduo. A luz pode ser definida como, ondas eletromagnéticas que impressionam o sentido da visão e formam espectro visível do vermelho ao violeta. Ao incidir sobre um corpo a luz pode: ser refletida, ser absorvida ou atravessar um corpo. A luz refletida ou emitida por um corpo, chega até nossos olhos, atravessa uma série de partes do globo ocular (córnea, cristalino, meios líquidos) e chega até a retina. Nesta, a luz é transformada em impulso nervoso, que é transmitido pelo nervo óptico até uma região do cérebro. Somente quando os impulsos chegam a essa região é que temos a sensação de ver o objeto. A formação de sombras depende de uma propriedade da luz em meios homogêneos: a luz se propaga em linha reta. A sombra se forma nos locais onde não são atingidos diretamente por nenhum raio luminoso. Quando a luz passa de um meio para outro, como acontece quando ela sai do ar, entra no prisma e sai de novo, ela pode mudar de direção, é a refração da luz. A luz branca é formada por uma mistura de ondas de várias frequências diferentes. Quando a luz do Sol atravessa o prisma, cada onda sofre um desvio diferente em sua trajetória. O resultado é que as ondas se separam e aí as várias cores podem ser percebidas. Esse conjunto de cores é denominado espectro da luz branca e o fenômeno é chamado dispersão da luz. Podemos destacar quatro propriedades fundamentais da luz: Intensidade, cor, distribuição e movimento. A intensidade se refere a quantidade de estímulo que o olho pode identificar. O olho é capaz de distinguir uma grande escala de intensidade, devido a acomodação da íris e da retina. A cor é a qualidade do estímulo. O olho se adapta facilmente as mudanças contínuas da iluminação natural, sendo capaz de diferenciar brilhos, matizes e saturações. A distribuição está relacionada com o tamanho, a extensão e a forma do estímulo. O movimento é a mudança ou duração do estímulo. Deve-se ter cuidado no excesso de uso desta propriedade para não causar fadiga. 3. Composição da Imagem Para criar e elaborar imagens é preciso compreender como a luz se comporta. Na luz está a natureza da imagem. Massa, linha, luz, tom, contrante, cor, movimento e perspectiva são elementos básicos necessários para a composição da imagem. Esses elementos se originaram das artes plásticas, passaram pela fotografia, pelo cinema e hoje se encontram na televisão. A composição da imagem, objetiva alcançar efeitos emocionais, quebrar monotonias, criar climas. Deve-se enquadrar a imagem de maneira a despertar o espectador a ver o ponto de interesse da cena. A colocação adequada da câmara, o arranjo de pessoas e objetos e a seleção da distância focal auxiliam no controle desses elementos. Massa é um elemento visual que prende a atenção por ocupar áreas completas na tela. Possui um "peso visual", por isso deve ser composta de forma harmoniosa e equilibrada. Um exemplo é o cenário de um telejornal, onde a massa é a composição entre a logomarca da empresa e o apresentador. Observando uma cena de telejornal pode-se notar que seu enquadramento, normalmente segue o princípio do "ponto de ouro", uma regra da arte grega, onde o ponto de interesse é colocado aproximadamente a dois terços da margem, e não no centro, afim de tornar a cena mais atraente e equilibrada.

3 O "ponto de ouro" consiste na divisão de um quadro em oito linhas equidistantes, na horizontal e na vertical. O ponto de interesse deve ser localizado na interseção dessas linhas, afim de equilibrar e quebrar a monotonia visual da cena. Segundo os gregos, a melhor localização deste ponto está na interseção das linhas a 5/8 de qualquer margem. A massa pode ser pessoas, objetos, qualquer elemento que ocupe um espaço e chame a atenção. Objetos grandes e escuros pesam mais que os pequenos e claros. Devemos abusar da criativida para compor os objetos, que não precisam necessariamente estar dispostos de forma simétrica. A assimetria é um componente diferenciado que causa interesse aos espectadores. A linha por definição, é a extenção do ponto. Em uma cena, a linha encaminha a visão para dentro ou para fora do centro de interesse. Possui grande energia, é dinâmica e inquieta. Pode ser reta ou ondulada, nítida ou grosseira. É um elemento que apesar de flexivel, tem proposito e direção podendo ser técnica e rigorosa. Nas artes é importante para expressar a justaposição dos tons. As linhas horizontais são mais informais e trazem a sensação de relaxamento e repouso. As linhas verticais nos remete a formalidade e a elegância. A soma das linhas vertical e horizontal ao mesmo tempo, traz uma sensação rude e sem movimento. Lembra as grades de uma cela, está relacionada a algo preso. As linhas curvas trazem movimento ao ambiente. Inspiram tranquilidade e suavidade. É a linha mais dinâmica e livre, podendo sugerir movimento perfeitamente definido ou totalmente caótico. Pode ser suave ou complexa, côncovas ou convexas. Por muitos é caracterizada como feminina. A luz produz a diversidade dos tons, auxilia no movimento, no distanciamento e na profundidade da cena. A luz desperta a atenção e curiosidade do receptor, dependendo de sua intensidade e direção. O tom é estabelecido pela variação do escuro até chegar ao claro. Distinguimos estas variações devido a sobreposição dos tons. O contraste é um elemento com o qual podemos diferenciar as diversas cores, dando atenção especial a cor do fundo e a luminosidade. Normalmente é obtido pela diferença dos níveis de cinza entre o fundo da cena e seu centro de interesse. Esta mistura deve ser composta com cautela, para não se perder o centro de interesse. A cor é resultado da existência da luz. A escolha de cores para compor uma cena, devem ser analisadas através de suas tonalidades. Não é conveniente utilizar cores diferentes com tons iguais, a profundidade da cena fica pouco perceptível na composição visual. Para obter uma boa composição o uso de contrastes, tons e cores diferentes devem ser criteriosamente ponderados e empregados. O movimento é um elemento utilizado na composição visual afim de conduzir o olhar do espectador para o centro de interesse. Numa cena totalmente estática, o que se mover será o centro das atenções. A perspectiva é uma ilusão na TV e no cinema, pois na realidade vemos imagens bidimensionais. O que ajuda nessa ilusão de profundidade é o uso da cor, da densidade, dos tamanhos relativos, da convergência e da justaposição. Para uma perspectiva de massa os objetos devem ser compostos de maneira elaborada, afim de criar uma impressão de profundidade. A iluminação bem colocada oferece uma sensação do aumento de volume dos objetos. Pode-se aumentar a sensação de profundidade em uma cena, aplicando menos intensidade de luz no primeiro plano em relação ao segundo. Isso conduz o espectador a olhar com mais atenção para o segundo plano, o mais iluminado, aumentando a sensação de profundidade. Focos diferentes também podem ajudar a oferecer ilusão de profundidade. 4. Triangulação Básica de Iluminação A iluminação de cinema e TV possui uma dica básica de esquema de iluminação, muito utilizada pelos profissionais, a chamada iluminação de três pontos ou triangulação básica de iluminação, lembrando que não é a única.

4 As posições ideais para iluminar um assunto são: ataque, compensação e contraluz. Essas posições são estabelecidas de acordo com a localização da câmera e do assunto. O ataque é a luz principal, sendo a compensação e a contraluz as secundárias, que tem como objetivo principal modelar a imagem e criar o cenário e o clima desejado. Normalmente ajusta-se primeiro a luz de ataque, logo após o contraluz e por fim a compensação. O resultado final deve ser o mais natural possível, sem revelar a localização das fontes de luz. O ataque, também conhecido como key light, luz principal ou luz chave de uma cena, como o próprio nome diz, é a luz mais importante, responsável pelo foco principal da cena. Normalmente é situada à frente do ator a ser gravado, em relação ao local onde está a câmera. A luz do sol é um excelente exemplo de iluminação de ataque, é uma fonte única e principal. A luz concentrada e direta é a mais indicada para o ataque, também denominada luz dura, de sombras bem marcadas. Em casos especiais e diferenciados pode-se usar a luz difusa, chamada suave, onde a luz e as sombras se confundem. Obtemos a luz dura diretamente do equipamento, a luz suave necessita da aplicação de um difusor para dispersar e suavizar a luz. A escolha do tipo de luz depende do efeito que a cena exige. A luz dura é utilizada, normalmente, quando se quer oferecer mais dramaticidade e mistério a cena. Ela ajuda no envelhecimento da pessoa, pois acentua suas rugas e expressões através das sombras produzidas em excesso. Para uma cena calma, serena e que as linhas e expressões do rosto precisam ser amenizadas, utiliza-se a luz suave. O local mais comum para a instalação da luz principal é à direita ou à esquerda da câmera, dependendo do lado que se deseja iluminar, à 45º em relação ao ângulo constituído pela linha imaginária que une a pessoa à câmera, veja figura nº1. Para obter um efeito mais dramático basta aumentar este ângulo de abertura, e para um resultado mais suave este ângulo deve ser diminuído. A altura da câmera também deve ser levada em consideração. A luz principal precisa formar um ângulo de 45º em relação à câmera e a face da pessoa, isso ajuda a não causar ofuscamento nos olhos dessa pessoa. Ver figura nº2. Figura nº1: Iluminação de 3 Pontos - Luz Principal Figura nº 2: Iluminação de 3 Pontos - Luz Principal Fonte: Arquivo Pessoal da Autora Fonte: Arquivo Pessoal da Autora O contraluz ou back-light, em geral se situa atrás do apresentador ou ator, deve iluminar os seus cabelos e ombros. Como as imagens obtidas pela câmera são bidimensionais, esta luz entra em cena para produzir profundidade e assim dar o efeito de três dimensões almejado. Esta luz tem

5 como objetivo destacar e moldar o contorno do corpo da pessoa, que está sendo filmada, separandoa do fundo do cenário. A luz que ilumina a face oculta é o contraluz [...] Enquanto ilumina a face visível da lua, o sol está em posição de refletor de ataque. Mas quando a face oculta da lua é iluminada, ou seja, quando ela aparece no céu como minguante, está sendo iluminada por trás. O mesmo se dá com qualquer '"astro" de cinema. O refletor que faz a "luz da cara dela" é o refletor de ataque. O refletor que ilumina seus cabelos é o contraluz (MOURA, 2001, p. 39). A luz precisa ser focada, não necessita de difusores para suavizá-la, o foco deve ser somente na pessoa, afim de não produzir reflexos indesejados. A intensidade de luz dependerá da cor e características da pessoa que está sendo gravada. A posição do equipamento para este tipo de iluminação, não precisa ser muito alta, desde que atinja o local esperado. Habitualmente, este tipo de luz é posicionada após a luz principal, do seu lado oposto, ver figura nº 3. Deve-se ter um cuidado especial quando se ilumina pessoas calvas, nesse caso o uso da maquiagem correta é necessária. Figura nº 3: Iluminação de 3 Pontos - Contraluz Fonte: Arquivo Pessoal da Autora Uma outra situação em que o contraluz é muito utilizada, ocorre em filmagens noturnas, porém, não pode esquecer de juntamente com a luz acrescentar a fumaça, para que a luz apareça. A compensação, conhecida como fill light ou luz de preenchimento, serve de apoio ao ataque. A luz principal produz sombras, cabe a luz de compensação suavizar estas sombras. Frequentemente é utilizada luz difusa para este tipo de iluminação. A luz de preenchimento deve ser menos intensa que a luz de ataque. Exemplificando, quando a luz do sol é refletida no ar, nas nuvens ou mesmo em uma parede branca ocorre o que chamamos de luz de compensação. Ela deve ser locada em posição diferente em relação a luz de ataque, em geral fica ao lado do personagem, à 60º em relação ao ângulo obtido pela linha imaginária que une a pessoa à câmera.ver figura nº 4. A altura desta luz em relação a luz principal é menor, formando um ângulo de 30º em relação à câmera e a face da pessoa. Ver figura nº 5.

6 Iluminação de 3 Pontos - Figura nº 5 : Iluminação de 3 Pontos - Luz de Preenchimento Luz de Preenchimento Fonte: Arquivo Pessoal da Autora Fonte: Arquivo Pessoal da Autora Figura nº 4: O aumento de intensidade na luz de preenchimento, conhecido como high-key, junto com a luz principal, oferece um clima mais suave a cena, pois diminui as sombras, deixando o espaço com uma iluminação mais intensa e difusa. Porém, cuidado com o aumento demasiado desta fonte de luz para não criar duas luzes de ataque, o que não pode ocorrer. Ao contrário, se diminuir a luz de preenchimento, chamada low-key, as sombras serão mais perceptíveis, isso faz com que a cena fique mais dramática, mais triste. 5. Equipamentos Vimos que para iluminar precisamos de atacar, contra iluminar e compensar. Para isso necessitamos de equipamentos específicos para cada efeito de luz que desejamos produzir. Os refletores tem como função básica, direcionar os raios de luz e modificar sua natureza, quando necessário. Existem diversos tipos de refletores, escolhidos de acordo com a sua aplicação técnica, suas características de intensidade, facho, alcance e definição de borda. Uma das formas usadas para selecionar o tipo de refletor a ser instalado, é através do tipo de iluminação oferecida por ele. Com vimos, a iluminação pode ser dura ou suave. A Iluminação dura produz sombras muito marcadas, seu facho de luz segue uma única direção. Muito utilizado para iluminação geral dos estúdios internos. Os refletores usados para este tipo de luz são potentes. Como exemplo podemos citar os refletores : follow-spot, elipsoidal e fresnel. A iluminação suave possui sombras pouco marcadas. A luz é difusa e se propaga em várias direções. Normalmente a luz é rebatida ou refletida. Os refletores mais utilizados para este tipo de iluminação são: fill-light, scoopy, mini-light, soft-light e rebatedor. Follow-spot ou canhão (figura nº 6), são muito utilizados como seguidores dos atores, principalmente em shows. Seu sistema ótico é complexo, possui um foco de luz concentrado, de direção definida e longa. Sua luz é impactante, produz excelentes efeitos dramáticos e dinâmicos.

7 Figura nº 6 : Refletor Follow-spot (canhão) - vista lateral e frontal Fonte: Elipsoidal (figura nº 7), é um refletor com um sistema de lentes parecido com o Follow-spot, porém, o tipo de sombra produzida é menos definida. O feixe de luz também é concentrado e de longo alcance. Figura nº 7 : Refletor Elipsoidal - vista frontal e lateral Fonte: O fresnel (figura nº 8) é um dos refletores mais empregados num set, pois é de fácil manuseio. Fresnel é um tipo de lente criada pelo físico francês Augustin Jean Fresnell. No principio era empregado em faróis de embarcações. Seu desenho permite grandes aberturas e pequena distância focal. Estas lentes são finas, o que permite a passagem de mais luz. Possui peças de foco em seu interior, que permite afastar ou aproximar a lâmpada da lente, obtendo assim maior ou menor concentração de luz. Quando o foco se encontra aberto a luz produzida será semi difusa, com o foco fechado a luz será do tipo dura. O equipamento possui "bandôs", para evitar a dissipação da luz nas laterais, um tipo de bandeira fixada na frente e nas laterais do refletor, também conhecida como "baru door". Figura nº 8 : Refletor Fresnel - vista frontal e lateral Fonte: Fill-light (figura nº 9) é um refletor muito utilizado devido a sua leveza e praticidade, não possui lentes em seu interior. Produz um foco de luz direcional, porém pouco concentrado, formando sombras muito suaves.

8 Conhecidas como panelão ou scoops, esses refletores possuem um feixe de luz muito aberto e semi difuso. Utilizados, muitas vezes, para fazer iluminação de preenchimento. Sua luz atinge grandes áreas. Figura nº 9 : Refletor Soop - vista frontal e lateral Fonte: Ciclorama ou mini-light (figura nº 10), como o próprio nome diz, são refletores pequenos e leves. Seu feixe de luz é pouco concentrado, produz sombras suaves, seu foco é de pequeno alcance. Figura nº 10 : Refletor CYC para iluminação de Ciclorama - vista frontal e lateral Fonte: O refletor soft-light (figura nº 11), gera uma luz suave e bem espalhada. Seu feixe luminoso é de curto alcance, abrange uma área pequena. Utilizado, em geral, para preencher sombras. Figura nº 11 : Refletor Soft-light - vista lateral e frontal Fonte: Rebatedor tem como função rebater a luz proveniente de fontes duras de iluminação. É utiliza para difundir a luz que o toca, como o sol que ao incidir em uma parede branca tem seu feixe luminoso espalhado em todas as direções. A luz produzida por rebatedores é geral e atinge distâncias curtas, excelente para preenchimento, pois não produz sombra. O mini-brut (figura nº 12), é um tipo de refletor que não pertence a família das fontes de iluminação dura, nem das fontes suaves, é considerado intermediário. É um equipamento constituído por um grupo de lâmpadas, que gera uma luz pouco concentrada e de longo alcance. Muito utilizado para envolver grandes áreas e aglomerado de pessoas.

9 6. Iluminação na TV Figura nº 12 : Refletor Mini-brut - vista frontal e lateral Fonte: A televisão sofreu fortes influências vindas do cinema. Os processos técnicos utilizados são diferentes, mas a composição de imagens e os efeitos de iluminação são muito parecidos. A diferença mais acentuada entre o cinema e a TV, é o tempo de concepção de cada quadro. No cinema, desde o momento em que se tem a ideia, até a exposição da fita, passam-se muito tempo. Na televisão este tempo é bem reduzido, lembrando até que, existem vários programas que são exibidos ao vivo, como por exemplo, os telejornais. Ou seja, no cinema tudo é previsível e estudado milimetricamente, já em televisão tudo pode acontecer, o tempo é curto e o custo é alto. Por outro lado, um filme é assistido várias vezes, mesmo por uma só pessoa, já uma telenovela, normalmente é vista uma só vez, diariamente, capítulo por capítulo. Devido ao processo rápido de produção que a televisão exige, no inicio a iluminação era elaborada com uma única intenção, clarear geral. Atualmente, além da exigência do telespectador, a iluminação vem aperfeiçoando seus resultados, fazendo uso de efeitos cênicos mais reais e interessantes. As cenas precisam convencer os telespectadores, tem que estar relacionada com o cotidiano e com a memória visual das pessoas. Um programa de TV para ter sucesso tem que atrair o público e manter o seu interesse. A iluminação é um instrumento utilizado, juntamente com o figurino, o cenário, o som, o roteiro e a interpretação dos personagens, para sustentar esse sucesso. As telenovelas de hoje, reproduzem a realidade com muita perfeição, com isso ganham credibilidade e audiência. 7.Temperatura de Cor A televisão exibe uma qualidade de imagem cada vez mais perfeita e realista, porém, nem sempre foi desta forma. As primeiras imagens não eram muito nítidas, e a exibição era em preto e branco. No Brasil, a transmissão de imagens coloridas, só ocorreu na década de 70. "A Festa da Uva", no Rio Grande do Sul, foi o primeiro programa exibido em cores, ainda muito precário. A transição dos programas de televisão em preto e branco para o sistema em cores, foi realizada de forma gradual, demorou cerca de 10 anos para se realizar por completo. "O Bem Amado", de Dias Gomes, foi a primeira novela transmitida totalmente em cores pela televisão brasileira, no ano de Sabemos que a mistura das sete cores do espectro de luz resulta na cor branca. Podemos ter esta mesma sensação com a mistura de luzes na cor vermelha (red), verde (Greem) e azul (blue), os conhecidos RGB, no mundo da iluminação. Cada uma dessas cores é captada na retina, pelos chamados cones, no interior do olho humano. As três cores diferentes, são captadas por cones distintos. Os cones transmitem mensagens nervosas ao cérebro, através do nervo óptico. Há cones que são sensíveis a cor vermelha, outros a cor azul e outros a cor verde. O mal funcionamento

10 destes cones provoca uma doença conhecida como daltonismo, onde a pessoa passa a confundir uma ou mais cores. Se iluminamos uma parede branca, com três fontes de luzes diferentes: uma vermelha, outra verde e a última azul, a união destas três cores resulta no branco. Porém na mistura do vermelho com o azul, temos o magenta; juntando vermelho e verde obtemos o amarelo; na união das cores verde e a azul, adquirimos o ciano. Daí a classificação das cores primárias: vermelho, verde e azul, e das cores secundárias: magenta, amarelo e ciano. A televisão em cores é fundamentada nessa característica que o cérebro e os olhos possuem, de perceber as variadas combinações das três cores primárias, como uma extensa gama de cores. Todas as cores que os olhos conseguem perceber na televisão, são originadas dessas cores primárias. Vimos que a luz está contida em uma faixa de frequência eletromagnética. A luz visível dessas radiações é uma parte pequena de todo este espectro, composta por fótons. Essa luz visível se situa entre a radiação infravermelha e a ultravioleta. Os comprimentos de onda vão de 400 a 700 nanômetros. Temos uma cor diferente para cada frequência de luz visível. Figura nº 13 : Espectro Eletromagnético Fonte: A luz de alta temperatura de cor possui alta intensidade, muita energia, elevada potência calorífica e curto comprimento de onda. Podemos citar como exemplo a luz do sol e os flashes de fotografia. Já a luz de baixa temperatura de cor é o oposto, se apresenta com baixa intensidade, pouca energia, escassa potência calorífica e alto comprimento de onda. As lâmpadas artificiais, com filamento de tungstênio são um excelente exemplo deste tipo de luz. A temperatura de cor afeta o tom das cores, por esse motivo foi estabelecido um padrão de temperatura, 3200K (três mil e duzentos kelvin), para a televisão. Chegou-se a este valor através de várias experiências feitas em laboratório. As câmeras e todos os equipamentos necessários para a captação de imagens em um estúdio devem ser graduados segundo esta temperatura de cor, 3200K. Se a temperatura de cor for inferior a 3200K, a luz tenderá para a cor vermelha. Caso a temperatura de cor ultrapasse o valor padrão, a luz se encaminhará para uma tonalidade mais azulada. Com o objetivo de tornar a cena o mais próximo possível da realidade, utiliza-se o padrão de temperatura de cor de 3200K, porém, as vezes é preciso utilizar de alguns meios para obter este valor. Um destes meios são os filtros. O filtro é um anteparo instalado à frente do equipamento. Ele pode modificar a cor da luz ou até o facho emitido pelo aparelho. Existem filtros de tamanhos diversos, podendo ser fabricados em folhas ou em rolos. São produzidos em poliéster, os quais suportam temperaturas de até 180ºC, ou de policarbonato, onde a temperatura máxima chega a 280ºC. Há uma extensa gama de cores oferecida no mercado, mas se for necessário, pode ser solicitado a fabricação de determinada cor. Os filtro tem uma chamada taxa de transmissão de luz. Significa dizer que, se um determinado fabricante afirma que tal filtro tem uma transmissão de 32%, este filtro permite que

11 apenas 32% da luz emitida pela lâmpada, irá refletir sobre as superfícies da cena. Então, os filtros são acessórios que permitem passar a sua cor principal e absorvem a cor complementar. Em uma imagem, por exemplo, podemos reduzir o excesso de luz vermelha adicionando um filtro na cor ciano, que irá impedir a passagem do vermelho. O colorímetro de fontes luminosas, ou kelvinômetro, é um aparelho utilizado para medir a temperatura de cor, em kelvin, das luzes emitidas pelos refletores. Sabendo qual a cor dominante, define-se o filtro a ser empregado para corrigi-la. As câmeras de TV, atualmente, para minimizar o uso desse aparelho, possuem em seu interior lentes que fazem este balanceamento de cor. São dois filtros, um azul para elevar a temperatura de cor, e outro amarelo, para diminuir a temperatura de cor. 8. A Iluminação das Telenovelas Como já foi dito, as cenas das novelas são idealizadas de maneira a retratar o mais fielmente possível a realidade. A iluminação entra neste contexto para auxiliar, através da técnica e da arte, na melhor visualização e apreciação do resultado. Cada tipo de luz quer seja principal, de preenchimento ou contraluz, deve ser trabalhada e aplicada com o intuito de provocar emoções diversas nos telespectadores, de acordo com o que o roteiro pedir. A coisa vista sob determinada luz estará sensilvelmente a face não apenas em seu exterior, mas principalmente em nosso interior, na maneira como a percebemos. Chega-se, então, a conclusão de que não é apenas importante saber como determinada luz ou cor determinará o espaço, mas também como determinadas pessoas irão reagir sensilvelmente a essas intervenções. As imagens mudam de acordo com a maneira que as pessoas as sentem ou estão "sensibilizadas" a senti-las (PEREZ, 2012, p.95). A iluminação, o figurino, os objetos, tudo o que se relacionar com a cena, devem ser planejados a partir do roteiro. O roteiro é o elemento chave no processo de produção de uma novela ou de um filme. As novelas, por serem programas totalmente roteirizados, permitem um planejamento quase que completo de áudio e vídeo, diminuindo o surgimento de possíveis situações desagradáveis. Conhecidas as características e as necessidades que o roteiro solicita, diversos elementos do programa, podem ser providenciados e selecionados. O objetivo principal do iluminador, e de todos os envolvidos na produção é a manutenção do interesse do receptor, do seu envolvimento emocional e do crescente aumento da audiência. Por isso, a criatividade e variedade das imagens devem estar sempre presentes. 9. Estudo de caso - Novela "Avenida Brasil" "Avenida Brasil" é uma telenovela de João Emanuel Carneiro, exibida pela Rede Globo, no horário das 21 horas. Se iniciou no em março de 2012, irá terminar no mês de outubro do mesmo ano. A telenovela gira em torno da protagonista Nina/Rita ( Débora Falabella), que em busca de justiça, por ter sido roubada e deixada em um lixão, se transforma em uma mulher firme, que enfrenta todas as surpresas da vida.

12 Figura nº 14 : Abertura da novela "Avenida Brasil" Fonte: A abertura da novela (figura nº 14), reúne moradores de um bairro fictício, o Divino. Figurantes rebolam em uma passarela, ao som de "Vem dançar com tudo", em uma movimentada avenida. A iluminação simula faróis de carros e sinais de trânsito. A cena acontece em horário noturno. Os atores são iluminados em forma de silhueta e penumbra. Esta técnica consiste em encher o fundo de luz e o assunto, no caso os bailarinos, ficam completamente no escuro. Um outro ponto interessante a se destacar é o uso da fumaça, para imprimir a luz, como dizem os fotógrafos. Figura nº 15 : Protagonista em uma cena externa, na Argentina. Fonte: A figura nº 15, mostra Nina/Rita, a protagonista da novela, em uma gravação na Argentina. A cena se desenrola em ambiente externo durante o dia, e relata o ocorrido com a personagem após sair do lixão e ser adotada por uma nova família. Numa iluminação de exterior/dia, deve-se levar em consideração as porções iluminadas pela luz do sol, como o céu e a paisagem. O contraluz iluminado pelo sol é real, inigualável e belo. Também é intenso, o que diminui muito o aparecimento de sombras. O sol quando é rebatido pelo solo, ou mesmo pelas nuvens, cria uma luz bem difusa, porém suave. Essa luz ao tocar no rosto dos atores aumenta a sua vivacidade, o brilho dos olhos e dos cabelos. Os butterflies, são difusores muito utilizados em iluminação de exteriores para rebater e difundir a luz do sol. É um excelente equipamento para auxiliar no preenchimento de cenas, as sombras ficam imperceptíveis e a iluminação se torna mais geral. Podem ter sido utilizados nessa cena, afim de eliminar completamente as possíveis sombras existentes.

13 Figura nº 16 : Leleco espia Tessalia e Darkson Fonte: A cena representada na figura nº 16, mostra o personagem Leleco escondido, escutando a conversa de Tessália e Darkson, afim de pegar os dois no flagra, porém seu plano não dá certo, pois Tessália confessa que ama Leleco. Nesse quadro a personagem Tessália aparece desfocada, enquanto ao fundo, Leleco se mostra em foco. Esse efeito é utilizado para chamar a atenção a um determinado lugar, serve também para separar o ator do cenário. A iluminação é difusa e suave. As cores utilizadas no cenário e no figurino dos atores são em tom pastel. Apesar do uso de tons claros na cena, observa-se o cuidado de diferenciar estes tons.o ideal é utilizar o fundo do cenário com uma cor mais escura que a da pele dos atores, assim pode iluminá-los à vontade. Ao olhar as paredes das telenovelas, podemos verificar que dificilmente elas são pintadas na cor branca, grande parte delas usam tons bem diferenciados, que ajudam a separar o cenário do personagem. A cor do figurino, também é escolhida de maneira a destacar o foco principal. A luz entra em cena para finalizar e destacar todo esse trabalho. Figura nº 17 : Jorginho protege Nina da chuva

14 Fonte: brasil.htm#fotonav=46 No quadro acima, figura nº 17, Nina vai até o apartamento de Jorginho e os dois quase se beijam. Está chovendo, ela sai as pressas, com medo e se molha totalmente. Jorginho sai a sua procura e a protege da chuva. Esta cena feita no exterior, de dia e com chuva traz uma iluminação difusa. A chuva reflete a luz, vinda do sol e dos refletores. Esta cena foi realizada em local externo, durante o dia, com a ocorrência de chuva. A água é um elemento utilizado por muitos fotógrafos, com o objetivo de obter luzes refletidas vindas do chão, para tornar os ambientes mais fascinantes. Em cinema, há diretores que determinam que o piso seja molhado constantemente, para atingir o brilho desejado nas lentes das câmeras. Figura nº 18 : Jorginho pede Nina em casamento Fonte: brasil.htm#fotonav=56 O mais surpreendente da cena mostrada na figura nº 18, são as garrafas coloridas instaladas na parede do cenário, que desempenham o papel de janelas. Este ambiente se encontra em um lixão, por isso sua construção foi executada com materiais adquiridos no próprio local. O local da cena é simples, observando no canto superior direito, lá se localiza um lustre com lâmpadas incandescentes comuns. A sensação que esta imagem emite, é que a iluminação da cena ocorre apenas através dos pequenos feixes de luz, gerados pelas inúmeras garrafas vindas da parede. Um contraluz mais suave, não há luz direta no rosto dos atores. A luz vinda das janelas é delicada e suave. Os iluminadores sempre se valem dos objetos instalados no espaço, como lustres, abajures, arandelas, entre outros. Quando há alguma dessas peças locadas num cenário, normalmente elas são acesas, além de ajudarem na iluminação das sombras, torna o ambiente mais aconchegante e familiar.

15 Figura nº 19 : Roni é espancado por Ramón e seus capangas Fonte: A cena de Roni sendo espancado, para salvar Suellen, figura nº 19, que se encontra em um cativeiro, é violenta. Com o intuito de obter maior dramaticidade da cena, o iluminador lançou mão de fortes contrastes de luz e sombra. A fonte de luz é única, vinda de cima em diagonal e com níveis de iluminamento maiores sobre aquilo que é considerado o mais importante, os atores. O lado da sombra, o cenário, é quase negro, revelando o pouco uso, ou talvez nenhum, da compensação. Com esse efeito de luz, o receptor dirige seu olhar para o ponto de interesse, a região de maior tensão emocional. Nesta cena a luz é um elemento primordial, é forte, direta e cênica, parece vinda apenas da lâmpada refletora, que se encontra no alto da imagem. Figura nº 20 : Carminha vai até o lixão e ameaça Lucinda com uma faca Fonte: A iluminação principal da cena vem do contraluz, figura nº 20. As duas atrizes possuem os cabelos claros, o que provoca um efeito de aura quase branca, quando a luz toca em seus cabelos, pelo alto e por trás, efeito muito apreciado e utilizado nas cenas de TV e cinema.

16 A percepção que se tem nesta cena, é que a luz do sol invade o local através de uma janela. Luz intensa e amarelada. A pouca sombra é feita pela compensação. Como já foi visto, a principal característica do contraluz é separar o assunto do fundo. Figura nº 21 : Em clima de suspense, Carminha enterra Nina viva, apenas para assustá-la Fonte: Carminha, a vilão da novela, figura nº 21, enterra Nina viva para assusta-la e fazê-la desistir de sua vingança. Essa gravação aconteceu à noite, em um ambiente externo, no caso um cemitério. A fotografia se mostra de alto suspense e clima de terror. A luz de ataque vem de baixo, partindo do lado esquerdo. A compensação é utilizada com cautela, para não eliminar o clima de noite escura da cena. O quadro se apresenta com predomínio da cor vermelha, onde se conclui que o iluminador utilizou de filtros para produzir a cena. Figura nº 22 : Conversa entre família Fonte: O cenário apresenta uma luz chave sendo difusa e delicada. A pouca sombra revelada no rosto dos atores, confirma o uso de luz de compensação. A luz é intensa vinda do alto e se dilui ao

17 redor de toda a cena. Os diferentes tons das roupas e do cenário ajudam na perspectiva da fotografia. Nota-se que o abajur de coluna, que se encontra no lado direito do quadro está aceso, auxiliando no preenchimento da cena. Figura nº 23 : Imagem congelada Fonte: Algo muito criativo e que rendeu muitos pontos de audiência para esta telenovela, foram as imagens congeladas, utilizadas no final de cada capítulo, figura nº 23. O fundo da fotografia se apresenta numa cor escura, com luzes coloridas desfocadas. Estas são as mesmas luzes utilizadas na abertura da novela, luzes de faróis de carros e sinais de trânsito. O ator "congelado" está sempre em preto e branco. Observa-se a utilização de contraluz, pois os cabelos louros da atriz se apresentam com uma aura branca ao seu redor, e ela se encontra nitidamente afastada do fundo da imagem. A pouca sombra no rosto da atriz mostra a utilização da luz de preenchimento. 10. Conclusão A telenovela analisada, "Avenida Brasil", foi escolhida por ser atual; por conter cenas de drama, romance, suspense e comédia; por ser relatada em ambientes simples e sofisticados ao mesmo tempo; e devido a iluminação empregada, que me chamou a atenção, desde a abertura da novela com uso da silhueta, luzes coloridas e fumaça, até o final de cada capítulo, com o congelamento da imagem. A análise da trajetória da iluminação em telenovelas brasileiras, me fez observar a evolução rápida e dinâmica das imagens captadas e transmitidas pela televisão. Em um espaço curto de tempo, passamos de imagens precárias projetadas em preto e branco, para imagens coloridas com excelente reprodução. A iluminação também participa desse processo de evolução. A luz é um recurso de expressão visual, utilizada para revelar e enriquecer os espaços. As cenas de uma novela são compostas por vários elementos: o figurino, o cenário, o roteiro, os atores, todos esses objetos só podem ser apreciados e enriquecidos com o auxilio de uma iluminação corretamente aplicada. Com base na literatura que tive acesso, pude observar que a iluminação em telenovelas, que a principio não passavam de cenas sobrecarregadas de luz, hoje cumprem função estética, são repletas de efeitos de luz, sombra e cor. Revelam ao espectador momentos de drama e comédia; romantismo e sofrimento; dias atuais e antigos; ambientes simples e sofisticados. Cenas relacionadas e inspiradas no dia a dia das pessoas, suas relações, seus sentimentos e anseios.

18 Com esse estudo, verifico que a importância do uso correto dos equipamentos, sua perfeita localização e aplicação dos acessórios, como lentes e filtros, são primordiais para um projeto de iluminação perfeitamente concluído e bem recepcionado pelo público. A relevância no uso da composição das imagens, a serem gravadas e transmitidas ao público, também deve ser cuidadosamente interpretada e empregada. Esse público exigente, que almeja por momentos de emoção, prazer, relaxamento e entretenimento. Um ponto interessante que observei em várias cenas dessa novela, como ocorrem em vários filmes no cinema, é a percepção dos ângulos de incidência da luz, tanto natural, quanto artificial. Temos que ter em mente que a luz, não importa de onde venha, se dos filmes, das novelas, das fotografias, da arquitetura das cidades, ela deve ser bela e criativa, sempre. Referências BALAN, Willians Cerozzi. A Iluminação em Programas de TV: Arte e Técnica em Harmonia. 72 f. Dissertação de Mestrado, Curso de pós-graduação em Projeto Arte e Sociedade - Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, Campus de Bauru. BRANDSTON, Howard. Aprender a Ver: A Essência do Design da Iluminação. Tradução de Paulo Sérgio Scarazzato. São Paulo: De Maio Comunicação e Editora, CORREIA, Silvana A.A. Análise de Telenovelas Brasileiras e Suas Ações de Merchandising: Os Casos de "O Profeta" e "Paraíso Tropical". 129 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo, Fazendo Vídeo. Iluminação de 3 Pontos. Disponível em: < Acesso em: julho de Jeocaz Lee -Meddi. Quando as cores Chegaram a Televisão Brasileira. Disponível em: < >. Acesso em: julho de MELO, José Marque. Televisão Brasileira: 60 Anos de Ousadia, Astúcia e Reinvenção. São Paulo: Cátedra UNESCO/UMESP de Comunicação, Disponível em: <http://issuu.com/encipecom2/docs/livro. Acesso em: agosto MOURA, Edgar. 50 Anos Luz Câmera e Ação. São Paulo: Senac, PEREZ, Valmir. Luz e Arte. São Paulo: De Maio Comunicação e Editora, Slideshare. Composição da Imagem. Disponível em: < Acesso em: julho de TORMANN, Jamile. Caderno de Iluminação: Arte e Ciência. Rio de Janeiro: Música e Tecnologia, 200

19 Anexo Ficha Técnica Avenida Brasil Novela de Escrita por Colaboradores Direção Direção Geral Direção de Núcleo Ator/ Atriz Débora Falabella Murilo Benício Adriana Esteves Ailton Graça Alexandre Borges Ana Karolina Bianca Comparato Bruna Orphao Bruno Gissoni Camila Morgado Carol Abras Carolina Ferraz Cauã Reymond Claudia Missura Daniel Kuzniecka Daniel Rocha Débora Nascimento Deborah Bloch Eduardo Simões Eliane Giardini Emiliano D ávila Fabiula Nascimento Felipe Abib Heloisa Perissé Isis Valverde Jean Pierre Noher João Fernandes Nunes João Pedro José de Abreu José Loreto Juliano Cazarré Letícia Isnard Luana Martau Marcelo Novaes Marcos Caruso Mel Maia Nathalia Dill Otávio Augusto Ronny Kriwat Thiago Martins Tony Ramos Vera Holtz Vilma Melo Cenografia Cenógrafos Assistentes João Emanuel Carneiro João Emanuel Carneiro Antônio Prata, Luciana Pessanha, Alessandro Marson, Márcio Prates, Thereza Falcão Gustavo Fernandez Teitelroit, Paulo Silvestrini, Andre Camara, Joana Jabace José Luiz Villamarim, Amora Mautner Ricardo Waddington Elenco Personagem Nina/ Rita Tufão Carminha Silas Cadinho Ágata Betânia Paloma Iran Noêmia Begônia Alexia Jorginho Janaína Hector Roniquito Tessália Verônica Batata Muricy Lúcio Olenka Jimmy Bastos Monalisa Suéllen Martín Picolé Rei Nilo Darkson Adauto Ivana Brigitte Max Leleco Rita Débora Diógenes Tomás Leandro Genésio Lucinda Conceição Alexandre Gomes, Alexis Pabliano,Flávia Yared Adriana Borba, Andrea Brito, Caroline Ramidan,

20 Produtor de Cenografia Gerente de Projetos Supervisor de Produção de Cenografia Supervisor e Op. de Sistemas Equipe de Cenotécnica Figurino Figurinistas Assistentes Equipe de Apoio ao Figurino Direção de Fotografia Direção de Iluminação Equipe de Iluminação Produção de Arte Cleonice Megale, Cristina Crizel, Débora Costa, Elisa Araújo, Gabriela Malhães, Gustavo Postali, Ilka Moura, Luana Fagundes, Luciana Massena, Luisa Coelho, Roberta Paiva, Thábata Magalhães, Tisse Sá, Wilson Bob Regina Coelho Esperança Marco Tavares Jonas Lemos, Norberto Filho, Paulo Meirelles, André Lopes Santos, Lenilson Scarpini Marco Antonio Lourenço, Diogo Mathias, Carlos Eduardo Ferreira, Thiago Mendes, Roberto Lucas Adriana Conceição de Jesus, Alexsandro dos Santos, André de Vasconcelos Cabral, Antonio Souza, Carlos Eduardo Marcolino de Aquino, Carlos Roberto Ferreira, Carlos Ronald, Carolina Fragoso, Claudionor Roberto da Silva, Daniel Antonio De Souza Júnior, Diego Duarte Torres, Edson Patrício Leoncio, Eli Sandro Firmino Da Silva, Fabiano De Jesus Correa, Fabio Rodrigues Gonçalves, Fabio Senna Do Carmo, Fernando Silva Dos Santos, Gilberto Pereira Lima, Helio Silva Costa, Ivo Xavier, Janio Roberto Nascimento, João Carlos Pereira de Araújo, João Ferreira Pereira Júnior, Joilson Cazuza dos Santos, Jorge Joe Cabral, Jose de Ribamar Loiola Silva, Linaldo Albuquerque, Luciano Lucas dos Santos, Luciano Marinho de Paula Silva, Luis Claudio Perdigão, Luiz de Matos Gomes, Marco Aurélio de Moraes, Mario Durval de Almeida, Pedro Alberto da Conceição, Rafael de Souza Ricardo, Rafael Ribeiro Almeida, Reginaldo da Silva Lima Tell Catojo Pinto, Valter Souza, Washington Luiz Santiago da Silva, Wellington Carlos Cabral, William Francisco Minas Silva Marie Salles Diana Leste, Isabela Bertazzi, Marcos França, Mariana Sued, Rafaela Pires, Renata Vasconcelos, Sabrina Freddo, Vanessa Lopes Almir Rodrigues, Ana Gonçalves, Angelo Vieira, Benedita dos Santos, Cristina Santos, Fabiane Aglio, Fabio Andrade, Heliana Conceição, Jurema Garcia, Luis Carlos de Souza, Marcelo Henrique, Maria José, Neide Aparecida, Nilza Rodrigues, Patricia Amorim, Rosa Lima Vieira, Shirley da Motta Fred Rangel Anselmo Silva Marinho, Roberto Cristiano Tricarico, Rogério Rogers, Paulo Roberto Miranda Costa, Roberto Cristiano Tricarico, Rogério Rogers, Paulo Roberto Miranda Costa Adalberto Porto da Silva,Alexandre Coutinho da Silva, Feliciano Silva dos Santos,Gabriel Coelho de Oliveira,Geovane de Carvalho Araújo, Maicon Leandro Francisco Cunha,Paulo Cesar Santos das Dores, Rodrigo José Sampaio da Silva,Rodrigo Nascimento dos Santos, Rogério Silva Gomes, Sandro Pinto Brusdzenski,Sérgio de Oliveira Santos, Tiago Roberto de Oliveira,Wagner Mendes Ana Maria Magalhães, Cristina Demier Produção de Arte Assistente Bianca Romano, Daniel Gras, Fernanda Martins Costa,

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino Corrida da Saúde Classificação geral do corta-mato, realizado no dia 23 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2,3 de Valbom. Contou com a participação dos alunos do 4º ano e do 2º e 3º ciclos do Agrupamento

Leia mais

A Temperatura de cor - Texto extraído de:

A Temperatura de cor - Texto extraído de: 77 A Temperatura de cor - Texto extraído de: BALAN, W.C. A iluminação em programas de TV: arte e técnica em harmonia. Bauru, 1997. 137f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Poéticas Visuais) Faculdade

Leia mais

3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos

3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos Página 1 de 5 3 - estética e a técnica na ambientação 3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos iluminação de três pontos é composta por três refletores, cada qual com função

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 Mauricio Baggio ÍRIS / DIAFRAGMA Dispositivo que permite o controle da quantidade de luz que atinge o filme ou o sensor no interior da câmera. Este controle é realizado definindo-se

Leia mais

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016 13008 10 E Técnico de Instalações Elétricas Carlos Jorge Oliveira Rodrigues Escola Secundária de São Pedro do Sul 13791 10 E Técnico de Instalações Elétricas Daniel dos Santos Rodrigues Escola Secundária

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof.

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CORES EM COMPUTAÇÃO GRÁFICA O uso de cores permite melhorar

Leia mais

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016 13948 5 A 2.º Ciclo do Ensino Básico Ana Gabriela Pedro Fernandes Escola Básica n.º 2 de São Pedro do Sul 13933 5 A 2.º Ciclo do Ensino Básico Ana Júlia Capela Pinto Escola Básica n.º 2 de São Pedro do

Leia mais

Escola Secundária de S. Pedro do Sul (AESPS)

Escola Secundária de S. Pedro do Sul (AESPS) Sala B5 KFS ALEXANDRE DE ALMEIDA SILVA ALEXANDRE HENRIQUE DA ROCHA OLIVEIRA ALEXANDRE MIGUEL DE ALMEIDA PEREIRA ALEXANDRE SILVA FIGUEIREDO ANA CATARINA GOMES MOREIRA ANA CATARINA MARQUES GOMES ANA MARGARIDA

Leia mais

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas.

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas. ÓPTICA Conceito A óptica é um ramo da Física que estuda os fenomenos relacionados a luz ou, mais amplamente, a radiação eletromagnética, visível ou não. A óptica explica os fenômenos de reflexão, refração

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014 5º1 1 ANA CATARINA R FREITAS SIM 2 BEATRIZ SOARES RIBEIRO SIM 3 DIOGO ANTÓNIO A PEREIRA SIM 4 MÁRCIO RAFAEL R SANTOS SIM 5 MARCO ANTÓNIO B OLIVEIRA SIM 6 NÁDIA ARAÚJO GONÇALVES SIM 7 SUNNY KATHARINA G

Leia mais

161718 - Agrupamento Escolas Castro Daire 343717 - Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos de Castro Daire. Relação de Alunos

161718 - Agrupamento Escolas Castro Daire 343717 - Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos de Castro Daire. Relação de Alunos 343717 - Escola Básica dos 2.º e 3.º s de Castro Daire Turma : A 1498 1 Ana Catarina Costa Esteves 14920 2 Ana Francisca da Silva Fernandes 16292 3 Beatriz Monteiro Andrade 14409 4 Camila Almeida Oliveira

Leia mais

energia que vai longe

energia que vai longe Como melhorar seus Clicks energia que vai longe CLICK 2014 Introdução A fotografia é uma das principais ferramentas de comunicação da atualidade. Com o avanço tecnológico das câmeras fotográficas e celulares,

Leia mais

Diretor Subdiretores Secretária do Diretor Serviços Administrativos Serviços Financeiros Recursos Humanos Serviço de Alunos Gabinete de

Diretor Subdiretores Secretária do Diretor Serviços Administrativos Serviços Financeiros Recursos Humanos Serviço de Alunos Gabinete de Diretor Subdiretores Secretária do Diretor Serviços Administrativos Serviços Financeiros Recursos Humanos Serviço de Alunos Gabinete de Pós-Graduações e Mestrados Serviços de Gestão Académica Receção /

Leia mais

Agrupamento de Escolas Professor Agostinho da Silva Nº Escola: 171888 Nº Horário: 51

Agrupamento de Escolas Professor Agostinho da Silva Nº Escola: 171888 Nº Horário: 51 Nº Horário: 51 4625160693 Sofia Margarida Santos Ferreira Admitido 7197226139 Mónica Sofia Jesus Mateus Admitido 6392341730 Gonçalo Jorge Fernandes Rodrigues Fiúza Admitido 7816555741 Dora Maria Gonçalves

Leia mais

ALCATEIA ACAGRUP 2014 - SIERRA NORTE - MADRID - ESPANHA PARTICIPANTES: 26 60% INCIDÊNCIA NO GRUPO 20%

ALCATEIA ACAGRUP 2014 - SIERRA NORTE - MADRID - ESPANHA PARTICIPANTES: 26 60% INCIDÊNCIA NO GRUPO 20% ALCATEIA Sec NIN NOME NIN NOME Lob 1215050143005 Alice Neto Santos Nascimento 1215050143015 Afonso da Fonseca Machado Lob 1215050143010 Amélia Maria Mesquita Aleixo Alves 1115050143010 Afonso Jesus Dias

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA CLASSIFICAÇÕES DO SEGUNDO TESTE E DA AVALIAÇÃO CONTINUA Classificações Classificação Final Alex Santos Teixeira 13 13 Alexandre Prata da Cruz 10 11 Aleydita Barreto

Leia mais

ANÁLISE DE DOCUMENTOS - EDITAL 107/2015 - BELFORD ROXO

ANÁLISE DE DOCUMENTOS - EDITAL 107/2015 - BELFORD ROXO ANÁLISE DE DOCUMENTOS - EDITAL 107/2015 - BELFORD ROXO ORGANIZADOR DE EVENTOS JOANA CARLA MARQUES DOS SANTOS 9 LETRAS- PORTUGUES ALINE VERGINIA DOS SANTOS 19 CLARICE DA SILVA SANTOS 9 DANIELLE OLIVEIRA

Leia mais

FOTO = luz GRAFIA = escrever

FOTO = luz GRAFIA = escrever Iluminação FOTO = luz GRAFIA = escrever Joseph Nicéphore Niépce - 1826 Por definição, fotografia é, essencialmente, a técnica de criação de imagens por meio de exposição luminosa, fixando esta em uma superfície

Leia mais

Clube de Teatro Escola EB - 2,3 de Perafita

Clube de Teatro Escola EB - 2,3 de Perafita 1 Clube de Teatro Escola EB - 2,3 de Perafita Ana Moreira, Coordenadora O Clube de Teatro da Escola E.B. 2,3 de Perafita apresentou-se em cena nos dias 21 e 24 de Maio, com o seu mais recente trabalho

Leia mais

SEQUÊNCIA LISTA NOMINAL DOS CANDIDATOS APROVADOS 1 MAURO ROBERTO P. DUARTE 2 PAULO RENATO PEDRONI DE ALMEIDA 3 ALEX LOPES LYRIO 4 MARCOS ANDRE MURTA

SEQUÊNCIA LISTA NOMINAL DOS CANDIDATOS APROVADOS 1 MAURO ROBERTO P. DUARTE 2 PAULO RENATO PEDRONI DE ALMEIDA 3 ALEX LOPES LYRIO 4 MARCOS ANDRE MURTA LISTA NOMINAL DOS CANDIDATOS APROVADOS 1 MAURO ROBERTO P. DUARTE 2 PAULO RENATO PEDRONI DE ALMEIDA 3 ALEX LOPES LYRIO 4 MARCOS ANDRE MURTA RIBEIRO 5 ALEXANDRE FERREIRA DE MENEZES 6 ADALBERTO GOMES DA SILVA

Leia mais

Cores em Computação Gráfica

Cores em Computação Gráfica Cores em Computação Gráfica Uso de cores permite melhorar a legibilidade da informação, possibilita gerar imagens realistas, focar atenção do observador, passar emoções e muito mais. Colorimetria Conjunto

Leia mais

MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015. Página 1 de 8

MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015. Página 1 de 8 MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015 1ª FASE - ECVA SUPLENTE EXCLUÍDO LISTA DE CANDIDATOS SERIAÇÃO Nome completo Curso a que se candidata Classificação Ordenação Deliberação Observações LUIS ÂNGELO PEREIRA

Leia mais

CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL LISTA PROVISÓRIA DE ALUNOS SELECIONADOS

CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL LISTA PROVISÓRIA DE ALUNOS SELECIONADOS CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL Adriana da Conceição Palhares Lopes Alexandra Rodrigues Barbosa Ana Salomé Lopes Queirós Andreia Dias da Costa Bianca Patricia Gonçalves Ramos Carina Filipa Monteiro Rodrigues

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 206/2015

PROCESSO SELETIVO Nº 206/2015 PROCESSO SELETIVO Nº 206/2015 O Sesc em Minas comunica a relação nominal com as notas da prova ocorrida entre os dias 07/06/2015 à 14/06/2015 Considerando o que está previsto no subitem 5.1.3.1 do Descritivo

Leia mais

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre Jorge Costelha Seabra 2 18,2 110402182 Ana Catarina Linhares

Leia mais

Luz, Câmera e Paixão

Luz, Câmera e Paixão Luz, Câmera e Paixão Fotografia, linguagem e arte Registro da realidade através da luz. Luz é cor, forma, movimento, intensidade, brilho, etc linguagem e arte. Se a luz é linguagem nós sabemos interpretar

Leia mais

Belo Horizonte, 28 de setembro 2015.

Belo Horizonte, 28 de setembro 2015. Certifico que, Ademir dos Santos Ferreira, participou da palestra Logística Urbana, ministrada pelo Certifico que, Almir Junio Gomes Mendonça, participou da palestra Logística Urbana, ministrada pelo Engenheiro

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VOUZELA E CAMPIA ESCOLA BÁSICA DE CAMPIA MATEMÁTICA - 2013/2014 (3.º período) 2.º Ciclo - TABUADA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VOUZELA E CAMPIA ESCOLA BÁSICA DE CAMPIA MATEMÁTICA - 2013/2014 (3.º período) 2.º Ciclo - TABUADA 2.º Ciclo - TABUADA 1.ºs 6.º Ac 7 Fernando Miguel L. Fontes 100,0 6.º Ac 8 Francisca Vicente Silva 100,0 6.º Bc 2 Daniel Henriques Lourenço 99,6 3.ºs 5.º Bc 16 Simão Pedro Tojal Almeida 99,6 5.º Ac 10

Leia mais

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840721 ADRIANA XAVIER DA SILVA FERNANDES 38 Pré-A1 PT1840722 ALEXANDRA FILIPA AZEVEDO SANTOS 52 A1 PT1840723

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA TRIÂNGULO MINEIRO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA TRIÂNGULO MINEIRO ANEXO II INSCRIÇÕES HOMOLOGADAS CANDIDATOS AUTODECLARADOS NEGROS EDITAL 74 DE 03/12/2015 TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM ADUCAÇÃO INSCRICAO CAMPUS CARGO NOME 19941 CAMPUS PATROCÍNIO TÉCNICO EM ALEX DE SOUZA

Leia mais

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital.

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. Elementos de Diagramação Comunicação Visual A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. É construir, estruturar

Leia mais

LISTA DE GRADUAÇÃO DOS CANDIDATOS GRUPO DE RECRUTAMENTO 600. Horário 28

LISTA DE GRADUAÇÃO DOS CANDIDATOS GRUPO DE RECRUTAMENTO 600. Horário 28 LISTA DE GRADUAÇÃO DOS CANDIDATOS GRUPO DE RECRUTAMENTO 600 Horário 28 Graduação Profissional Nº Candidato Nome 24,508 4716699811 Vanda Isabel do Vale Silva Almeida 24,203 8219102942 Cristina Maria da

Leia mais

Análise Matemática I - Informática de Gestão Avaliação da 1ª frequência

Análise Matemática I - Informática de Gestão Avaliação da 1ª frequência Análise Matemática I - Informática de Gestão Avaliação da 1ª frequência Número Nome Nota Obs 10780 ALEXANDRE JOSÉ SIMÕES SILVA 15 11007 ALEXANDRE REIS MARTINS 7,7 11243 Álvaro Luis Cortez Fortunato 11,55

Leia mais

161342 - Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 340613 - Escola Básica nº 2 de Condeixa-a-Nova Relação de Alunos

161342 - Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 340613 - Escola Básica nº 2 de Condeixa-a-Nova Relação de Alunos : A 12 1 Adriana Beatriz Pinto Pereira Cortez S 13078 2 Ana Francisca Conceição Costa S 136 3 Ana Francisca Rodrigues Preces 1307 4 António José da Silva Loreto S 13084 Beatriz Moura Neves Beja Facas S

Leia mais

Nome Curso Golos Amarelos Vermelhos

Nome Curso Golos Amarelos Vermelhos Nome Curso s Amarelos Vermelhos Carlos Júnior Mestrado 4 Jogo 15 Rui Nascimento Mestrado Jerónimo Mestrado 1 Jogo 15 Pedro Francês Mestrado 1 Andre Figueiredo Mestrado 3 Jogo6 Artur Daniel Mestrado 2 João

Leia mais

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma.

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO ÓPTICA REFLEXÃO E REFRAÇÃO OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a

Leia mais

APROVADOS PROCESSO SELETIVO FACULDADE ASA INICIO DAS AULAS EM FEVEREIRO 2015. ÓRDEM ALFABÉTICA.

APROVADOS PROCESSO SELETIVO FACULDADE ASA INICIO DAS AULAS EM FEVEREIRO 2015. ÓRDEM ALFABÉTICA. APROVADOS PROCESSO SELETIVO FACULDADE ASA INICIO DAS AULAS EM FEVEREIRO 2015. ÓRDEM ALFABÉTICA. Adamastor Jose Feliciano Neto Adriano Mendes dos Santos Alex Rodrigues Carneiro Aline Pereira Marciel Aline

Leia mais

Processo seletivo - Programa Aprendiz CSN - Maio 2015 Selecionados - curso Mecânica Próxima etapa: Dinâmica de Grupo e Entrevista

Processo seletivo - Programa Aprendiz CSN - Maio 2015 Selecionados - curso Mecânica Próxima etapa: Dinâmica de Grupo e Entrevista ABRAHAO JUNIOR DE SOUZA PEREIRA ALAN SILVA DE ASSIS ALEXANDRE DE SOUZA PEREIRA FILHO ALYSSON DA COSTA ESTEVES ANA CLARA SILVA CABRAL ANDRE DA SILVA VIEIRA JUNIOR ANDRE LUIZ DE OLIVEIRA DOMINGOS ARTHUR

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia

A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia ILUMINAÇÃO A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia a luz vem de várias fontes; tem muitas qualidades; características que afetam todo o processo. A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia Medíocre X Fotografia Grandiosa Depende

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO ESCOLA DE CONTAS CONSELHEIRO OTACÍLIO SILVEIRA - ECOSIL D E C L A R A Ç Ã O

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO ESCOLA DE CONTAS CONSELHEIRO OTACÍLIO SILVEIRA - ECOSIL D E C L A R A Ç Ã O Declaramos, para os devidos fins, que ADEMARIO FÉLIX DE ARAÚJO FILHO, participou da palestra O FUTURO DO BRASIL, proferida por MAÍLSON FERREIRA DA NÓBREGA, por ocasião da Aula Magna de abertura do Mestrado

Leia mais

RESULTADO DA ANÁLISE CURRICULAR LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

RESULTADO DA ANÁLISE CURRICULAR LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA APRENDIZAGEM MOTORA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO RESULTADO DA ANÁLISE CURRICULAR LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA ANA PAULA ZANINI DA SILVA DESCLASSIFICADA ITEM 2.1.1 LUIZ FERNANDO MARIANO MONTEIRO 47 PONTOS

Leia mais

11º GRANDE PRÉMIO DE S.JOSÉ

11º GRANDE PRÉMIO DE S.JOSÉ 11º GRANDE PRÉMIO DE S.JOSÉ 1 FRANCISCO PEREIRA 36 SENIOR MASC. VITÓRIA S.C. 20.23 2 ANDRE SANTOS 48 SENIOR MASC. C.A.O.VIANENSE 20.27 3 JORGE CUNHA 3 SENIOR MASC. S.C.MARIA DA FONTE 21.14 4 DOMINGOS BARROS

Leia mais

Relatório de Resultado por Curso 3,00 54,00 56,00 60,00 70,00 58,00 9,00 10,00 11,00 12,00 21,00

Relatório de Resultado por Curso 3,00 54,00 56,00 60,00 70,00 58,00 9,00 10,00 11,00 12,00 21,00 Av. Professor Mário Werneck, 25 Buritis 3050 Belo Horizonte/MG 1º Vestibular e Exame de Seleção de 15 do IFMG Campus Santa Luzia Bacharelado em Arquitetura e Urbanismo 54 139 13 5423 3 57 191 117 2 2 172

Leia mais

Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática

Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática Gabinete/Cargo Nome Extensão E-mail Diretor Luiz Felipe Rocha de Faria 1450 lef@isep.ipp.pt Sub-diretor(es) António Constantino Lopes 1462 acm@isep.ipp.pt

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL

LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL 1 (Unirio) Durante a final da Copa do Mundo, um cinegrafista, desejando alguns efeitos especiais,

Leia mais

LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE

LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE Nome da Escola : Agrupamento de Escolas de Almancil, Loulé Horário n.º: 27-18 horas 2013-10-09 Grupo de Recrutamento: 420 - Geografia LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE Ordenação Graduação

Leia mais

Luz e fotografia considerações iniciais

Luz e fotografia considerações iniciais Introdução às técnicas de iluminação luz e óptica 67 Luz e fotografia considerações iniciais Tudo o que a câmera registra se deve à luz, natural ou artificial. A própria palavra "fotografia" significa

Leia mais

Como Vemos as Coisas? Uma proposta para o ensino de Óptica e Visão no Ensino Fundamental

Como Vemos as Coisas? Uma proposta para o ensino de Óptica e Visão no Ensino Fundamental Como Vemos as Coisas? Uma proposta para o ensino de Óptica e Visão no Ensino Fundamental Valéria Rangel Soares Uma pergunta antiga que desde a Antiguidade despertou a curiosidade do homem. Como Vemos as

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

PROCESSO SELETIVO RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 CLASSIFICAÇÃO GERAL POR CURSO

PROCESSO SELETIVO RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 CLASSIFICAÇÃO GERAL POR CURSO Inscrição GILBRAN COSTA GUIMARÃES 003020851100087 662,64 Cirurgia Geral 1 * MARCELA SILVA VIEIRA 003027851100098 655,49 Cirurgia Geral 2 * GUTENBERG DINIZ BORBOREMA 003021851100096 619,4 Cirurgia Geral

Leia mais

Técnicos Especializados

Técnicos Especializados Nome da Escola : Data final da candidatura : Disciplina Projeto: Agrupamento de Escolas Alexandre Herculano, Porto Nº Escola : 153000 2015-09-03 Nº Horário : 75 Escola de Referência para a Educação Bilingue

Leia mais

Hospital Sofia Feldman

Hospital Sofia Feldman Hospital Sofia ldman Relatório de Remuneração de Médicos Referente a Mês/Ano: 07/2015 NOME DO TRABALHADOR ROBERTO SALES MARTINS VERCOSA PAULO MAX GARCIA LEITE LUCAS BARBOSA DA SILVA JOAO BATISTA MARINHO

Leia mais

Resultado dos Processos Seletivos do Sescoop-RJ 2010

Resultado dos Processos Seletivos do Sescoop-RJ 2010 Resultado dos Processos Seletivos do Sescoop-RJ 2010 1ª Etapa: Análise Curricular INSTRUÇÕES GERAIS PARA TODOS OS CANDIDATOS a) O candidato deverá chegar ao local com uma hora de antecedência do i nício

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DISCIPLINA: FÍSICA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO

Leia mais

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão Teoria física sobre a luz, a cor e a visão No século XVII, Newton aproveitou um feixe de luz do Sol, que atravessava uma sala escura, fazendo-o incidir sobre um prisma de vidro. Verificou que o feixe se

Leia mais

31º Curso Normal de Magistrados para os Tribunais Judiciais

31º Curso Normal de Magistrados para os Tribunais Judiciais A 796 Neuza Soraia Rodrigues Carvalhas Direito e Processual 729 Maria Teresa Barros Ferreira Direito e Processual 938 Rute Isabel Bexiga Ramos Direito e Processual 440 Inês Lopes Raimundo Direito e Processual

Leia mais

AMIGOS DO PROJECTO. Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego

AMIGOS DO PROJECTO. Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego AMIGOS DO PROJECTO O projecto Ler Mais e Escrever Melhor nasceu a 17 de Julho de 2008. Encontra-se numa fase de vida a infância que

Leia mais

Obs.: poderá ocorrer mudanças na lista.

Obs.: poderá ocorrer mudanças na lista. ALUNOS APTOS PARA PARTICIPAREM DA COLAÇÃO DE GRAU 2015/2 Obs.: poderá ocorrer mudanças na lista. AGRIMENSURA Nº NOME PENDÊNCIAS 1 Ana Claudia Nardes Carvalho OK 2 Caio Cesar dos Anjos Carneiro OK 3 Carine

Leia mais

UESB - VESTIBULAR 2014.1 RELAÇÃO DE FISCAIS SUPLENTES COLÉGIO OFICINA

UESB - VESTIBULAR 2014.1 RELAÇÃO DE FISCAIS SUPLENTES COLÉGIO OFICINA COLÉGIO OFICINA 1. 12769 SHIRLEY DE QUEIROZ SANTOS FT 2. 10670 AMINNE ZAMILUTE PAIVA ALUNO 3. 12565 - ANDRÉIA PEREIRA GIOVANNI DA COSTA ALUNO 4. 7400 - KEILA SOARES SILVA ALUNO 5. 10782 CINTIA CRISTINA

Leia mais

CERTIFICADO DE ATIVIDADE DE EXTENSÃO

CERTIFICADO DE ATIVIDADE DE EXTENSÃO Certificamos para os devidos que ESTEVÃO JÚNIOR participou da atividade de extensão de Simulado da OAB, promovida pelas Faculdades Kennedy de Minas Gerais, no dia 07 de outubro de 2015, com carga horária

Leia mais

Projeto de Movimento dos Oficiais de Justiça de junho de 2015

Projeto de Movimento dos Oficiais de Justiça de junho de 2015 Projeto de Movimento dos Oficiais de Justiça de junho de 2015 Alexandre Luís Albuquerque E Quinhones Gaiolas, 3274/10, Bom com Distinção, Transição, Ana Maria Pires Matias Soares, 3149/10, Muito Bom, Transferência,

Leia mais

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos 3452 - Escola E.B.2,3 do Cávado : A 137 1 Adriana Manuela Gomes Pinheiro 14 S S 20 2 Alexandra Pereira Ferreira 28 3 Ângelo Rafael Araújo Gomes S 28 4 Beatriz da Costa Oliveira S 2 5 Domingos Gonçalo Ferreira

Leia mais

XI Torneio Inter Escolas de Pista Coberta. Escola Mestre Domingos Saraiva (Lisboa) Centro de Formação EB 2;3 S. Bartolomeu dos Mártires (Viana)

XI Torneio Inter Escolas de Pista Coberta. Escola Mestre Domingos Saraiva (Lisboa) Centro de Formação EB 2;3 S. Bartolomeu dos Mártires (Viana) XI Torneio Inter Escolas de Pista Coberta Escolas Inscritas EB 2;3 de EB 2;3 Sec. Sá de Miranda Colégio Teresiano EB 2;3 Prof. G. Sampaio EB 2;3 de Externato Delfim Ferreira Escola Mestre Domingos Saraiva

Leia mais

Técnicas de Exposição de Produtos CONCEITO DE EXPOSIÇÃO DE PRODUTOS A idéia básica: Mostrar ou destacar alguma coisa. Mostrar também significa: Comunicar O produto deve atrair, seduzir, mexer com os sentidos

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI

ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI ÓPTICA GEOMÉTRICA É a parte da Física que estuda os fenômenos relacionados com a luz e sua interação com meios materiais quando as dimensões destes meios é muito maior que o

Leia mais

RELAÇÃO FINAL DE APROVADOS NO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO 92 RULLIAM DE OLIVEIRA VIDIGAL 176,69 APROVADO

RELAÇÃO FINAL DE APROVADOS NO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO 92 RULLIAM DE OLIVEIRA VIDIGAL 176,69 APROVADO RELAÇÃO FINAL DE APROVADOS NO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO INSCRIÇÃO NOME DO CANDIDATO NOTA OBTIDA CLASSIFICAÇÃO 92 RULLIAM DE OLIVEIRA VIDIGAL 176,69 APROVADO 12 MARIANA

Leia mais

CONDOMÍNIO ROTONDA PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS SORTEADAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

CONDOMÍNIO ROTONDA PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS SORTEADAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SORTEADOS Titular 1 17ADILSON GOULART DE JESUS 819.***.***-15 Cangulo I Titular 2 1198 JANAINA COUTO SILVA DE OLIVEIRA 033.***.***-82 Cangulo I Titular 3 600 DARCILENE OLIVEIRA DA SILVA 058.***.***-65

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO - COPESE

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO - COPESE Câmpus: CÂMPUS PATROCÍNIO Curso: Análise e Desenvolvimento de Sistemas (Tecnologia) INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO - COPESE PROGRAMA DE INCLUSÃO SOCIAL Inscrição

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO MILITAR DO PLANALTO 11a REGIÃO MILITAR (Cmdo Mil de Bsb/1960) REGIÃO TENENTE-CORONEL LUIZ CRULS

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO MILITAR DO PLANALTO 11a REGIÃO MILITAR (Cmdo Mil de Bsb/1960) REGIÃO TENENTE-CORONEL LUIZ CRULS MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO MILITAR DO PLANALTO 11a REGIÃO MILITAR (Cmdo Mil de Bsb/1960) REGIÃO TENENTE-CORONEL LUIZ CRULS DIVULGAÇÃO DO RESULTADO DOS RECURSOS DOS CANDIDATOS AO ESTÁGIO

Leia mais

cü Çv Ñ Éá wt Ñà vt y á vt

cü Çv Ñ Éá wt Ñà vt y á vt óptica cü Çv Ñ Éá wt Ñà vt y á vt Luz é um agente físico que pode se propagar tanto no vácuo quanto em certos meios materiais, se propaga em linha reta. Óptica física e óptica Geométrica Óptica física

Leia mais

SELEÇÃO TUTORES A DISTÂNCIA 2015 2 NOTA FINAL CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA UNIRIO

SELEÇÃO TUTORES A DISTÂNCIA 2015 2 NOTA FINAL CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA UNIRIO / NÃO ADOLESCÊNCIA E JUVENTUDE ANA PAULA SANTOS DE SOUZA 7,50 9,00 9,50 8,67 ADOLESCÊNCIA E JUVENTUDE JOSÉ MAURO DE OLIVEIRA BRAZ 4,50 8,50 9,00 7,33 ADOLESCÊNCIA E JUVENTUDE JONAS SALES DOS SANTOS 6,50

Leia mais

MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015

MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015 MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015 2ª FASE - ECT SUPLENTE EXCLUÍDO LISTA DE CANDIDATOS SERIAÇÃO CARLA MARIA CARNEIRO ALVES Doutoramento em Didática de Ciências e Tecnologias 3,9 de 5 4 CARLOS EDUARDO DOS

Leia mais

Inscrição Nome Opção de Curso Status. 000000005133 RAQUEL REZENDE DANTAS EDUCACAO FISICA Aprovado

Inscrição Nome Opção de Curso Status. 000000005133 RAQUEL REZENDE DANTAS EDUCACAO FISICA Aprovado Processo Seletivo 2016/1 000000005133 RAQUEL REZENDE DANTAS EDUCACAO FISICA Aprovado 000000004960 VALERIA DIAS MIRANDA EDUCACAO FISICA Aprovado 000000005764 BRUNNO DE PAULA SILVA BARBOSA EDUCACAO FISICA

Leia mais

Lista de Autoridades Acadêmicas. Obs. A listagem poderá sofrer alteração até a data da cerimônia.

Lista de Autoridades Acadêmicas. Obs. A listagem poderá sofrer alteração até a data da cerimônia. Lista de Autoridades Acadêmicas 2015 Obs. A listagem poderá sofrer alteração até a data da cerimônia. INSTITUTO UNA DE TECNOLOGIA UNATEC CAMPUS BARRO PRETO Reitor Diretora do Instituto UNA de Tecnologia

Leia mais

Relatório de Diplomas Registrados pela Universidade Federal de Minas Gerais Diplomas Registrados - 38ª Remessa. Assunto: Farmácia

Relatório de Diplomas Registrados pela Universidade Federal de Minas Gerais Diplomas Registrados - 38ª Remessa. Assunto: Farmácia 2640 RD.2013/2 11/09/2013 ACÁCIA TROTA 2013/09.00879 Universidade Federal de Minas Gerais 2666 RD.2013/2 12/09/2013 AILTON BATISTA JUNIOR Ciências Contábeis 2013/09.00916 Universidade Federal de Minas

Leia mais

LISTA DE CLASSIFICADOS

LISTA DE CLASSIFICADOS LISTA DE CLASSIFICADOS Curso: Web Design Comparecer para a matrícula do dia (Segunda à Sexta) Horário:das 09h às 12h e 13h às 17h Ord Nome Candidato RG Pont Período Matrícula 1 Allana Araujo Baroni 235033068

Leia mais

GRUPOS QUE UTILIZARÃO OS ALOJAMENTOS

GRUPOS QUE UTILIZARÃO OS ALOJAMENTOS V CONGRESSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO VALE DO SÃO FRANCISCO - CEFIVASF Petrolina, PE Complexo Multieventos UNIVASF 30 de abril a 2 de maio de 2015 GRUPOS QUE UTILIZARÃO OS ALOJAMENTOS GRUPO ALOJAMENTO PROFESSORA

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO CENOGRÁFICA COM ÊNFASE EM ILUMINAÇÃO

EXPERIMENTAÇÃO CENOGRÁFICA COM ÊNFASE EM ILUMINAÇÃO PROCESSO SELETIVO DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL 2014 EXPERIMENTAÇÃO CENOGRÁFICA COM ÊNFASE EM ILUMINAÇÃO EDITAL N.º 1- UFPA de 13/01/2014 30 de março de 2014 Nome: N.º de Inscrição: BOLETIM DE QUESTÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC SECRETARIA GERAL DE CURSOS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC SECRETARIA GERAL DE CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC SECRETARIA GERAL DE CURSOS RESULTADO DAS SOLICITAÇÕES DE RETORNO AOS CURSOS DE GRADUAÇÃO PARA O 1º PERÍODO LETIVO DE 2016. BASE LEGAL: ARTIGO 103 DO REGIMENTO GERAL

Leia mais

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos 3452 - Escola E.B.2,3 do Cávado Turma : A 2002 1 Ana Catarina Loureiro Silva S 171 2 André Eduardo Dias Santos S 173 3 Ângelo Rafael Costa e Silva S S 2007 4 Bruno da Silva Gonçalves S 20 5 Catarina Daniela

Leia mais

TORNEIO ABERTO FMA. 60 Metros Rasos - SUB 14 - FEMININO - FINAL - v.: 0.8

TORNEIO ABERTO FMA. 60 Metros Rasos - SUB 14 - FEMININO - FINAL - v.: 0.8 60 Metros Rasos - SUB 14 - FEMININO - FINAL - v.: 0.8 1 120 Maria Luiza D Silva B 19/01/2003 PREF.MUN.ORATORIOS 8.58 2 130 Adrielli Ricardino Ferreira 16/06/2004 PREF.MUN.PONTE NOVA 9.16 3 119 Luana DE

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia PROGRAD Pró Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos

Universidade Federal de Uberlândia PROGRAD Pró Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Relação de Candidatos Aprovados em cursos de Segunda opção - Especialização a Distância 00 Araguari 7 8 9 0 7 8 9 8 9 88 9 98 700 87 70 707 8 88 78 79 700 89 7 7 90 90 Anair Aparecida de Souza Moretti

Leia mais

------- Maria Conceição Leite Cabral --------------------------------------------------------------------------------------- ------- Maria José

------- Maria Conceição Leite Cabral --------------------------------------------------------------------------------------- ------- Maria José ATA Nº 6 ------- Aos cinco dias do mês de novembro do ano de dois mil e treze, nesta cidade de Matosinhos e Edifício dos Paços do Concelho, encontram-se reunidos: Dr.ª Clarisse Castro, Diretora do Departamento

Leia mais

LOCAIS DE PROVA E INFORMAÇÕES GERAIS

LOCAIS DE PROVA E INFORMAÇÕES GERAIS Processo Seletivo do Programa de Pós-graduação em Engenharia Sanitária 2015 Mestrado em Engenharia Sanitária LOCAIS DE PROVA E INFORMAÇÕES GERAIS Comunicamos que a prova escrita do Processo Seletivo do

Leia mais

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ----

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ---- Valores eternos. TD Recuperação ALUNO(A) MATÉRIA Física II PROFESSOR(A) Fernando ANO SEMESTRE DATA 2º 1º Julho/2013 TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS ---- ---- 1. Considere a figura ao lado. Com base no

Leia mais

FORMANDOS 2014.1 CURSO MATRICULA NOME CIÊNCIAS CONTÁBEIS 30707811 ALESSANDRA AZEVEDO JORGE DIREITO 40821986 ALEXANDRE BRUNO GUEDES DE CARVALHO

FORMANDOS 2014.1 CURSO MATRICULA NOME CIÊNCIAS CONTÁBEIS 30707811 ALESSANDRA AZEVEDO JORGE DIREITO 40821986 ALEXANDRE BRUNO GUEDES DE CARVALHO CIÊNCIAS CONTÁBEIS 30707811 ALESSANDRA AZEVEDO JORGE DIREITO 40821986 ALEXANDRE BRUNO GUEDES DE CARVALHO CIÊNCIAS CONTÁBEIS 30903572 ALINE NEVES DO NASCIMENTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS 41001664 AMANDA RODRIGUES

Leia mais

Pont. Nome Ano Turma Nº Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Total

Pont. Nome Ano Turma Nº Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Total Lin Yu 7º G 11 9 10 10 10 6 45 Vanessa Almeida 7º G 25 9 9 10 10 6 44 Paulo Ferreira 9º F 16 8 9 10 4 5 36 Samuel Marques 8º B 18 10 7 3 10 5 35 Bruno Silva 9º F 7 10 6 9 5 1 31 Maria Fernandes 7º G 13

Leia mais

Resultados da Candidatura a Alojamento

Resultados da Candidatura a Alojamento Resultados da Candidatura a Alojamento Unidade Orgânica: Serviços de Acção Social RESIDÊNCIA: 02 - ESE ANO LECTIVO: 2015/2016 2ª Fase - Resultados Definitivos >>> EDUCAÇÃO BÁSICA 14711 Ana Catarina Mendes

Leia mais

Amanda Cardoso de Melo

Amanda Cardoso de Melo Aime Pinheiro Pires participou da palestra: Empreendedor De Sucesso, Amanda Cardoso de Melo Amanda Loschiavo Amoiré Santos Ribeiro Ana Carolina Pereira Pires Ana Carolina Pioto Magalhães Ana Cristina Angelo

Leia mais

CONCURSO PUBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE ACARÁ CPMA-001/2012

CONCURSO PUBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE ACARÁ CPMA-001/2012 I N F O R M E Esta lista consta 103 (CENTO E TRÊS ) nomes candidatos aprovados para o cargo TÉCNICO EM RADIOLOGIA MÉDICA no, realizado no dia 15/9/2013, listados por orm scresente rendimento obtido no

Leia mais

APURAÇÃO DE RESULTADO ENTREVISTA. 15 - ÁREA: DIRETORIA DE EXTENSÃO Secretaria e Coordenação de Estágio. Nível Superior

APURAÇÃO DE RESULTADO ENTREVISTA. 15 - ÁREA: DIRETORIA DE EXTENSÃO Secretaria e Coordenação de Estágio. Nível Superior 15 - ÁREA: DIRETORIA DE EXTENSÃO Secretaria e Coordenação de Estágio. Nível Superior 46 Samuel Souza Evangelista 130 104 Jussara Cândida Soares Desclassificada 45 Bruno José Rupino 130 61 Fabiana Grigógio

Leia mais

Iluminação Fotográfica

Iluminação Fotográfica 1 Iluminação Fotográfica Primeiramente, deveríamos lembrar da necessidade da luz para a realização de uma fotografia. Sem a luz, não há fotografia, expressão que significa gravar com a luz. Logo, a principal

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE SÃO MIGUEL

ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE SÃO MIGUEL ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE SÃO MIGUEL FOLHA DE RESULTADOS CORTA-MATO ESCOLAR 2013 PROVA: Corta-Mato Escolar - Fase de Ilha ORGANIZAÇÃO: S. Desporto de S. Miguel / A. Atletismo de S. Miguel DATA: 16 de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - SEMED

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - SEMED RELAÇÃO DE PROFESSORES PARA O CONTRATO 2014 - EDUCAÇÃO INFANTIL AO 5º ANO NOME 1. IRENE SILVA DOS SANTOS 2. ERONILDES ALVES PEREIRA 3. JOSILENE DE JESUS CHAVES 4. EDNA MARIA OLIVEIRA SAMPAIO 5. ISABEL

Leia mais

Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni

Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni Colégio Zaccaria TELEFAX: (0 XX 21) 3235-9400 www.zaccaria.g12.br Lista de exercícios Física II (Recuperação) 2º Período 2014 Aluno(a): N.º Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni QUESTÃO 1

Leia mais

FEDERAÇÃO MINEIRA DE JIU JITSU CAMPEONATO ESTADUAL 2015-3ª ETAPA 41ª TAÇA MINAS GERAIS

FEDERAÇÃO MINEIRA DE JIU JITSU CAMPEONATO ESTADUAL 2015-3ª ETAPA 41ª TAÇA MINAS GERAIS FEDERAÇÃO MINEIRA DE JIU JITSU CAMPEONATO ESTADUAL 2015-3ª ETAPA 41ª TAÇA MINAS GERAIS TORNEIO LUTADORES ESTREANTES - FAIXAS BRANCAS E AMARELAS MASTER 1 - / BRANCA / PENA IRMÃOS FELIX - DANIEL LEONARDO

Leia mais