A JUVENTUDE ON-LINE REPRESENTADA NA NOVELA GERAÇÃO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A JUVENTUDE ON-LINE REPRESENTADA NA NOVELA GERAÇÃO BRASIL"

Transcrição

1 A JUVENTUDE ON-LINE REPRESENTADA NA NOVELA GERAÇÃO BRASIL Evelyn Santos Pereira Jacqueline Gomes de Aguiar Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Luterana do Brasil A PÓS-MODERNIDADE Vivemos um período de grandes mudanças sociais, econômicas, políticas e culturais que estão transformando as formas de viver dos sujeitos. Muitos autores, entre eles Baumam (2001), Sibilia (2008), Costa (2008), Kellner (2001) e Barbero (2002) têm se preocupado em pensar e escrever sobre este tempo e sobre estes sujeitos, cujas subjetividades estão sendo desenvolvidas a partir de uma lógica cultural pautada em princípios como individualidade, efemeridade, consumo, descartabilidade, visualidade e também comunicação tecnologicamente mediada. Essa nova ordem social contribui para o desenvolvimento de novas formas de perceber e agir no mundo e de se relacionar com o outro. Temos experimentado uma outra racionalidade: novos projetos sócio-culturais; outras relações com o trabalho e produção de renda; relações econômicas e de consumo divergentes das colocadas em circulação na era moderna; importantes avanços tecnológicos e midiáticos que acabam por definir novas formas de sociabilidade, comunicação, participação e também novas formas de produção cultural. E nesta conjuntura toma posição de destaque o fator definido pelo desenvolvimento tecnológico cada vez mais exacerbado e que apresenta mais e mais artefatos que colocam em evidência os novos processos e possibilidades de comunicação mediada pela tecnologia. Estamos vivendo novos tempos, tempos de uma dita convergência comunicativa tecnológica, oportunizada por múltiplos canais e meios de interação social tecno-midiáticos. Na contemporaneidade os sujeitos estão cada vez mais conectados. E essa possibilidade de interação e comunicação mediada pelos artefatos tecnológicos têm colaborado para a construção de identidades peculiares. Argumenta-se que especialmente

2 àquelas relacionadas à juventude, uma vez que podemos considerar estes sujeitos juvenis como predispostos natos a possuírem habilidades tecnológicas e fluências midiáticas. Marisa Vorraber Costa (2008), em suas pesquisas que buscam articular educação e pós-modernidade, destaca a importância das novas tecnologias e da cultura da mídia para a (re)configuração das diversas instâncias da vida. Para ela, todo o conjunto tecnológico e a mídia, estão constantemente ensinando coisas, pois colocam em circulação artefatos que tem como efeitos a proliferação de preferências, desejos, estilos, modos de ser, condutas (COSTA, 2008, p. 4). E é ancorado neste argumento que apresentamos o objeto de análise deste texto: o artefato cultural representado pela novela Geração Brasil, produzida e exibida de segunda a sábado pela Rede Globo, durante o período de maio a outubro de REPRESENTAÇÕES DA JUVENTUDE ON-LINE Eu sou linda, sou rica, sou divertida, sexy, mas paciência não é o meu forte (Megan Lily Parker-Marra, site gshow). Como recorte para fins analíticos, foram escolhidas duas personagens da trama: Megan Lily Parker-Marra, uma jovem milionária, autocentrada e com comportamentos tidos pelo senso comum como superficiais, e herdeira da empresa de tecnologia Marra International e Manuela Yanes uma jovem proveniente da classe média, extremamente habilidosa tecnologicamente e que obtém sucesso, reconhecimento profissional e social através de sua fluência digital ampliada. O objetivo deste texto será problematizar a representação de juventude, em especial, da juventude feminina, veiculada através das duas personagens, mostrando como essas jovens têm sido narradas ora como autossuficientes, sedutoras, irresponsáveis, consumistas, superficiais, ora como produtivas, protagonistas em seu tempo, dotadas de ampliada fluência digital e tecnológica, autoras em uma matriz comunicativa pós-moderna e convergente. Esta análise está situada no Campo dos Estudos Culturais, e sua relevância justifica-se pela centralidade que tal campo confere aos processos de representação. Entende-se que a representação não só descreve algo, mas lhe dá sentido. Portanto, argumenta-se que as

3 identidades postas em circulação são constituídas a partir de uma constante relação com as representações construídas e evidenciadas no artefato cultural focalizado. Bauman (2001) utiliza a metáfora dos líquidos para falar da atualidade que, segundo ele, é fluída, efêmera, escorregadia e nos escapa a todo momento. Problematiza as novas configurações sociais em torno das esferas do público e do privado, destacando o desmantelamento ou mudança das fronteiras que demarcavam esses limites, e destacando que há, de certa maneira, um embaralhamento desses lugares. As coisas da vida privada passam a ser de âmbito público, as políticas da vida cotidiana são o grande interesse das esferas públicas. Sobre isso, Costa (2008) diz que nessa nova ordem, os poderes passaram do sistema para a sociedade, da política para as políticas da vida, migraram do macro para o micro (COSTA, p. 5, 2008). Barbero (2002) fala sobre o surgimento de um ecossistema comunicativo, cuja importância social se compara a do ecossistema ambiental. Segundo ele, tal relevância se dá, não só pelo massivo uso das tecnologias comunicativas e informativas, mas pelas transformações nas sensibilidades dos sujeitos, na linguagem, na escrita e na forma de perceber o tempo e o espaço. Tais mudanças se encontram mais acentuadas entre os jovens, pois para essa geração, a gama de aparatos tecnológicos faz parte da experiência de desenvolvimento desde a mais tenra idade. Neste sentido, estariam os jovens, rompendo com uma cultura baseada nos princípios dos mais velhos, pais e avós, para inaugurarem uma nova cultura. Jenkins (2009), autor ícone dos estudos sobre a cultura da convergência, termo que tem sido utilizado para reportar os movimentos de comunicação mediados pela tecnologia e produzidos a partir de diferentes atores sociais e com diferentes impactos na produção/consumo, apresenta aspectos que congregam, justapõem e condensam elementos relacionados à evidência do meio material (computadores multifuncionais, celulares que agregam diversas funções: fotografam, filmam; videogames com conexão à rede, televisões que navegam na internet, etc) e da mensagem expressada através de diferentes aportes e produtos culturais contemporâneos, época em que vivemos e onde a novela estava situada. Para este autor o centro da questão, a maior mudança vivenciada por estes tempos líquidos, ou por essa denominada cultura da convergência e conexão talvez seja o consumo individualizado ou personalizado em rede, o que acaba por oportunizar novas formas de produção, colaboração, participação e consumos culturais.

4 Tomamos assim, a análise da personagem Megan Lily Parker-Marra, filha de um dos principais personagens da novela, Jonas Marra. Jonas é o fundador e dono da empresa Marra International que, de acordo com o enredo, revolucionou o mercado com aparelhos eletrônicos que visavam popularizar a tecnologia e ampliar a conectividade. A novela tem como plano de fundo a tecnologia, e os diferentes núcleos da trama se desenvolvem em torno da Empresa Marra Brasil e Parker TV, emissora de televisão de Pamela Parker, mãe de Megan e mulher de Jonas. Dois núcleos (e modelos) de juventude são apresentados na narrativa. Um deles é a juventude hiperconectada, empreendedora e com alta capacidade intelectual, e o outro, é constituído por jovens, também muito ligados à tecnologia, porém, com um cunho irresponsável, desleixado, que estão mais interessados em fazer sucesso na internet. A personagem Megan é vista como a riquinha e mimada filha do milionário rei da tecnologia. É irresponsável, impulsiva, consumista, volátil, sempre preocupada com sua imagem/beleza e conectada às redes sociais. Seu grande objetivo é aproveitar a vida a qualquer custo e sem preocupações. É inegável a importância que as tecnologias têm na vida dos jovens. Parece que o celular faz parte do figurino de todos eles. Muito além da utilidade inicialmente dada a esta ferramenta, fazer ligações e mandar mensagens de texto, o celular hoje representa estar conectado. E estar conectado, significa estar trocando informações em intensa velocidade, ter acesso a um infinito de estímulos, sons e imagens, através das redes sociais, de jogos, músicas, videoclipes, blogs, sites. É a operação da convivência individualizada em rede, na prática. A mídia e, em especial, a televisão é o principal veículo de informação e entretenimento de grande parte da população. Canclini (2007) refere a realidade de uma parcela de jovens, especialmente os latino-americanos, enfatizando papel de destaque às condições políticas, sociais e econômicas destes locais que acabam por configurar algumas tessituras sociais e culturais peculiares no que diz respeito a tecnologia. Por exemplo, quando a massiva maioria dos jovens possui acesso irrestrito apenas a televisão de sinal aberto em detrimento de mínimas parcelas com acesso à internet, é presumível que a informação veiculada e recebida por estes públicos seja diferente, e que isso provoque comportamentos também diferenciados. O autor nos lembra com esse argumento que devemos pensar a juventude como uma condição onde as diferenças são extremas, e onde o aspecto social e

5 político é determinante para a formação de comportamentos e modos de estar na conjuntura social, política e econômica dos indivíduos, tornando-se o pressuposto principal para a percepção e conformação também das identidades entendidas como juvenis. Ainda que pese este argumento, é possível admitir que as narrativas ficcionais da televisão carregam uma responsabilidade e papel ampliado na conformação das identidades juvenis que estão sendo postas em circulação e que a espetacularização e glorificação da vida de famosos, aciona nos jovens uma série de desejos em torno do ideal de realização e felicidade. O que se vê nas novelas acerca da busca pelo corpo ideal, adereços, objetos, comportamentos, modos e estilos de vida está constantemente sendo estimulado por uma série de representações veiculadas pela mídia, em maior escala pela televisão, mas não somente ela. Afirmar que a televisão ainda possui papel de destaque na conformação dos sujeitos é admitir que a conjuntura sócio-econômica e cutural de um tempo e de um lugar são responsáveis pelas formas de viver e interagir em uma sociedade. Neste sentido, entende-se que toda essa gama de informações, representações e estímulos acionados pelas mídias, sejam elas televisão, jornais, revistas, internet, etc, funcionam como pedagogias culturais, pois acabam apresentando uma série de estratégias didáticas que ensinam formas de ser e estar no mundo. Apesar de Canclini (2007) apontar as diferenças extremas no acesso aos meios de comunicação social, no Brasil a internet tem apresentado importantes índices de uso. Em pesquisa realizada pela Secretaria de comunicação social da presidência da república brasileira no ano de 2014 sobre o uso que os brasileiros declaram fazer atualmente sobre os meios de comunicação social, cabe destacar a importante e massiva presença da televisão. Nada menos que 97% dos lares apontam a presença deste eletrodoméstico e ainda informam que a televisão fica ligada nos sete dias da semana. No entanto, é relevante também destacar que a mesma pesquisa aponta uma tendência para os próximos anos entre os mais jovens, ou a faixa-etária compreendida na pesquisa entre 16 e 25 anos, revelando a citação de preferência pelo acesso à internet, que chega ao índice de 77% de usuários que acessam a rede neste intervalo etário. Ao mesmo tempo em que a preferência pela televisão cai neste intervalo para cerca de 70%. Assim, segundo este estudo estatístico recente, o crescimento do uso e acesso à internet nos lares nacionais, especialmente entre os sujeitos jovens, já apresenta patamares significativos e tende a continuar crescendo vertiginosamente em pouco tempo.

6 Outro dado que corrobora com os argumentos deste texto, estão aproximados também através dos índices apresentados na referida pesquisa sobre o uso que se faz da internet, quando em momentos de acesso. Quando perguntados sobre a principal atividade realizada na rede em momentos de acesso, receberam destaque nas respostas dadas, as redes sociais. Assim, é possível afirmar que o advento da internet e da massiva expansão das redes sociais tornou possível a cada sujeito, editar e reeditar sua vida quantas vezes achar necessário, na busca de transformar o cotidiano anônimo de cada um, como nomeou Sibilia (2008), em um show do eu. Na trama da novela Geração Brasil, Megan utiliza o celular para fazer selfies e postar em sua rede social. Sempre por dentro de tudo que acontece na vida das celebridades, antenada nas tendências da moda e nas melhores festas, ela utiliza a tecnologia para fazer da sua própria vida uma novela, onde cada episódio pode ser cuidadosamente planejado, produzido e posto no ar/na rede. A experiência da visualidade e visibilidade como uma forma de ler o mundo e de autoproduzir-se, para si e para o outro, em junção com a grande proliferação do uso de dispositivos eletrônicos móveis, como o celular, tem possibilitado que todos os momentos do cotidiano sejam fotografados, como que na criação de um diário pessoal visual. A partir desse diário, é possível selecionar a melhor forma de narrar-se. Essa relação com a imagem de si torna a experiência humana um jogo de performances, onde o sentido das ações está na imagem que pode ser produzida a partir dela. Costa (2008) fala que o recurso à performance, para além do prazer obtido com a visibilização do corpo, permite exercitar, sozinho ou com a cumplicidade dos olhares externos, um certo trabalho de modelagem do eu em direção ao modelo almejado (COSTA, p. 11, 2008). Chama de estranhos narcisos esses sujeitos que miram-se e apaixonam-se, não simplesmente por si mesmos, mas pela miragem desejada de sua própria imagem espetacularizada, que os conduz ao puro deleite estético (COSTA, p. 11, 2008). De acordo com Ribeiro (2007), atualmente, a juventude pode ser entendida como um ideal social. O corpo, a saúde, a liberdade pessoal e flexibilidade nos relacionamentos e na vida profissional, são valores associados a esta etapa (RIBEIRO, 2007). Neste sentido, a juventude é uma posição que pode ser assumida ao longo de toda a vida. Rompe com uma ideia linear de etapas da vida. Podendo o sujeito assumir um estado de juventude a qualquer momento, independendo de sua idade. Este fascínio por ser jovem, está associado a uma ideia de juventude que tem liberdade, que busca a felicidade, que pode saciar seus desejos instantaneamente, sem grandes responsabilidades. A epígrafe no início deste texto, trata de

7 uma fala da personagem Megan, que representa o ideal buscado por muitos jovens, amplamente divulgado pela mídia e recriado nas páginas das redes sociais. Megan representa um modelo de ser jovem, neste caso, jovem feminina, que personifica a beleza, o dinheiro, o comportamento divertido e descontraído, o jogo de sedução, a sexualidade e a autossuficiência como padrões ideais jovens. Portanto, faz sentido que a juventude tenha se tornado um ideal social, uma vez que a ideia de felicidade está estreitamente ligada ao desejo de ter um corpo e uma vida ativa, divertida e cheia de emoções. Também é possível destacar partir da observação analítica das representações da personagem Megan, que para além de ideários que perpassem a noção de juventude que independem do gênero, percebe-se por trás das representações das meninas, discursos muito ligados a estereótipos de feminilidade, associados a características e comportamentos como a irracionalidade, a busca pelo amor romântico, o embelezamento e cuidado com o corpo, o consumismo desenfreado, a superficialidade e a exposição do corpo e da sexualidade. Entende-se gênero e sexualidade como construções históricas e culturais que dão sentido as formas de viver as identidades em determinado tempo e espaço. Nesta perspectiva, as identidades femininas e masculinas são aprendidas ao longo de toda a vida através de múltiplas estratégias sociais. Felipe e Guizzo (2003) chamam de pedofilização o processo de transformação protagonizado, em especial, pelo acesso da criança aos meios de comunicação e pela centralidade que a infância ganhou para o mercado de consumo, em que a representação da criança como um ser puro e angelical passa a se mesclar com imagens de infantis extremamente erotizadas. Este conceito, serve para pensar sobre a forma como as meninas, desde muito cedo, são subjetivadas a cuidarem do corpo e se preocuparem com a beleza. Assim como, são reiteradamente ensinadas a cuidarem-se para o olhar do outro, a seduzirem, porém, sem serem vulgares. Neste sentido, há um investimento social que ensina e incita nas meninas uma preocupação exagerada em torno do corpo e da sexualidade, ao mesmo tempo em que mantém uma vigilância e controle constante em torno destes corpos femininos. A preocupação em moldarem-se para as câmeras, para a tela do computador e do celular, combinada com as pedagogias culturais que ensinam formas de ser feminina, estão colocando as jovens em grande situação de vulnerabilidade. Têm sido cada vez mais frequentes casos de meninas que tem suas vidas íntimas expostas, por elas próprias ou não, nas redes sociais. Esta exposição do corpo e da intimidade, em especial, entre as meninas,

8 muitas vezes acabam tendo desfechos traumáticos em que elas são culpabilizadas por causa da erotização que foram estimuladas a desenvolver. Continuando o exercício de reflexão a partir da análise cultural aqui proposta, e tomando por ponto de partida as representações de juventude colocadas em evidência na novela Geração Brasil, especialmente as femininas, fixaremos o olhar também na personagem Manuela Yanes, ou simplesmente Manu, como fora denominada na trama. Esta personagem, representante também de um modo de ser mulher, mulher em condição de juventude, carrega em si características que denotam particularidades importantes e compõem um modo de viver na contemporaneidade. Proveniente de uma história familiar bem menos glamourosa que a de Megan, Manu tem no pai a figura não de um milionário, mas de um presidiário. Traz consigo apelos denotativos bem menos dotados de valor social aparente do que os atribuídos a Megan. Ou seja, essa personagem desde os elementos mais concretos da representação, tais como a materialidade de sua aparência, vale-se de um estilo menos espetacular. Seu modo de vestir bastante distante do fashion ou chic glamouroso da outra personagem, faz dela a representação de uma jovem mulher cotidiana, simples, demonstrada através da escolha de estampas étnicas, tecidos artesanais e estilo despojado em oposição aos modelos brilhantes, sensuais e caros de Megan. Outro referente material que constrói o distanciamento entre as duas é o sotaque. Enquanto uma traz as marcas vocais de um idioma estrangeiro, com maior valor social na sociedade da visibilidade, aparência e espetáculo; a outra carrega traços sonoros marcantes da região nordeste de nosso país. O sotaque nordestino surge em oposição ao estrangeiro e é utilizado como marca de uma conjuntura social e econômica menos potente. São as marcas de materialidade sonora contribuindo para a construção de uma representação para a jovem mulher, advinda de classes mais populares, nacional em oposição ao estrangeiro. Sobretudo é preciso destacar que esta jovem mulher mais cotidiana e menos espetacular também domina e tem o poder da fluência tecnológica como força de identidade. Manu pertence ao primeiro modelo de juventude apresentado no início desta sessão, uma juventude hiperconectada, empreendedora e com alta capacidade intelectual, focada em construir produtiva e participativamente seu papel na sociedade.

9 Manu Vence pelo seu esforço e talento pessoal na gestão e possibilidades de articulação tecno-midiática. Revela um poder feminino posto em ação e acaba assim definindo caminhos da trama narrativa através de um uso responsável, atuante, participativo em uma sociedade cada vez mais calcada em valores tecnológicos. Nesta novela, em uma disputa sexista entre personagens centrais com similares conhecimentos sobre tecnologias, é a mulher que recebe destaque, pois é Manu a escolhida para dirigir a empresa em que trabalha em detrimento de adversários masculinos. Este artefato está assim colaborando para a construção de uma representação onde não é mais apenas o homem que domina a tecnologia, onde não é mais apenas o homem que deve comandar espaços corporativos. E, sob o status de pedagogia cultural, constrói, através desta personagem a figura de uma mulher inteligente, produtiva e atuante na sociedade, hoje dominada por formas de sociabilidades tecnológicas e comunicação convergente, materialmente e cognitivamente. A mulher, representada por Manu é mais que aparência, espetáculo e visibilidade. Através desta personagem a jovem mulher pode também ser inteligente, digitalmente capaz e com papéis detentores de poder corporativo, evidenciando assim outras forças de trabalho e posicionamento na sociedade. Macluan (1963), Levy (1996) e Jenkins (2009) são autores ícones dos estudos sobre a compreendida e cada vez mais potente sociedade tecnológica e virtualizada. Desde a ideia da aldeia global de Macluhan (SOUSA,2012) que se tenta observar com atenção os impactos e as rupturas que podem ser causados pelas novas formas de enxergar os meios de comunicação. A sociedade, o tecido social vigente, acaba por se reconfigurar de acordo com as possibilidades de interação comunicativa dos sujeitos. A relativização dos tempos e dos espaços ocasionada pelo avanço tecnológico oportuniza que os lugares e as pessoas se aproximem. E é na interação entre estes pares que a comunicação se dá e onde as escolhas, os gostos, as direções que as subjetividades e a racionalidade de um tempo se expressam. Para McLuhan (1963), o estudo dos meios de comunicação poderia evidenciar mais mudanças que apenas o estudo das mensagens veiculadas, para a sociedade. O autor, tido como um determinista tecnológico por essa crença focada no material, acreditava, portanto, na importância dos meios de comunicação, colocando a televisão no centro do processo, atitude alinhada com os recursos de sua época, e, estabelecendo uma relação unidirecional de veiculação e recepção de conteúdos. Nas palavras de SOUSA:

10 McLuhan testemunhou com olhos atentos a formação de uma tribo mundial que agregava novos aparatos tecnológicos às comunicações, reestruturando métodos, transformando mensagens e reformatando sociedades. Segundo o autor, a partir dessa nova ordem os processos cognitivos seriam alterados e a própria cultura impressa encontraria sua crítica mais pungente devido a seu compromisso quase absoluto com a linearidade.(sousa et alli, 2012, p.71) Na década de noventa, o fenômeno da popularização da rede mundial de computadores aparece como estopim para que o papel dos meios fossem, outra vez, colocados em posição central no processo comunicacional. As evidências das profundas transformações que esse novo canal poderia causar fizeram com que os pesquisadores da área da comunicação se voltassem outra vez para a centralidade dos meios. Mas, foi Pierre Levy (LEVY, 1996) que colocou em evidência a emergência de se considerar a ascensão da Internet como meio fundamental para pensar em novas formas de interação entre sujeitos. Novas formas de comunicação surgiram, agora transcendendo a barreira da verticalidade dos meios analógicos de Mcluhan (1963), e gerando uma outra maneira de construção e interação coletiva para criação e circulação de conteúdos na web. A emergente e fantástica repercussão que este meio atribui a contemporaneidade revoluciona modos de ser e estar no mundo. Há também na novela Geração Brasil papel de destaque a estas possibilidades de interações virtuais. Tanto a personagem Megan como Manu estão inscritas em uma sociedade da conexão. Usar as tecnologias, suas materialidades e fundamentalmente parecer, criar valor social nestes meios, representando modos de ser mulher em tempos de conexão é o principal constructo do artefato. Problematizar as representações e tipos juvenis femininos inscritos em um tempo tido por pós-moderno, desconstruindo valores anteriormente colocados no centro das questões de convivência social, especialmente nas questões de visibilidade, de relação masculino/feminino, nas relações de trabalho, de colocação social baseada em aparência, conhecimentos e possibilidades ampliadas de uso das tecnologias, entalhado em modelos de sociedades aceitas e representadas até então como essencialmente masculinas, toma corpo. A evidência da busca de valor social, seja através da construção de uma vida espetacular e espetacularizada ou sendo através da participação produtiva na sociedade tecnológica e conectada sãos os modos de viver acionados pela novela Geração Brasil.

11 AMPLIANDO AS DISCUSSÕES Abrimos esta sessão do texto com a frase acima, pois não entendemos ser possível encerrar ou finalizar as discussões acerca das representações de juventude que colaboram e funcionam como pedagogias culturais, que ensinam modos de ser jovem na contemporaneidade, acionados pelas mídias. A televisão, a internet, o cinema, as fotografias, os jornais, as revistas e toda a sorte de artefatos culturais deste tempo constroem representações que colaboram para a conformação das identidades juvenis compartilhadas. Embora pesem as diferenças econômicas que condicionam acessos diferenciados para os sujeitos deste tempo, conforme argumenta Canclini (2007), é inegável que novos aportes de produção, circulação e consumo de informações e de modos de ser, estar e se relacionar no mundo estão sendo postos em movimento. Concordando que estes sujeitos jovens fazem parte de uma geração sem precedentes, e que cabe também destacar a importância de estudos que sejam voltados a essas análises, que possibilitem a problematização e reflexão sobre essas identidades é que realizamos tal estudo. Urge a necessidade cada vez mais premente de que estas modalidades de estudos sejam capazes de conferir atenção para a forma como socialmente estão sendo representados e, portanto, a forma como estão sendo estabelecidas relações de representação com estes sujeitos, para que seja possível olhá-los com menos estranheza e mais compreensão. Não propomos esgotar ou finalizar as discussões, mas pelo contrário, propomos a continuidade dos estudos, a ampliação do foco e do olhar para essa parcela que se faz central, das mediações sociais atuais. REFERÊNCIAS BAUMAN, Zigmund. Modernidade líquida. Trad. Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Josge Zahar, BAUMAN, Zygmunt. Vida para Consumo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Comunicação Social. Pesquisa brasileira de mídia 2014 : hábitos de consumo de mídia pela população brasileira. Brasília : Secom, 2014 Disponível em: CANCLINI, Nestor Garcia. Consumidores e Cidadãos. Rio de Janeiro, Editora UFRJ, 2001.

12 CANCLINI, Nestor G. Ser diferente é desconectar-se? Sobre as culturas juvenis. In: CANCLINI, Nestor G. Diferentes, desiguais e desconectados. Rio de Janeiro: UFRJ, 2007, p COSTA, Marisa Vorraber. Cartografando a gurizada da fronteira: novas subjetividades na escola. In: ALBUQUERQUE Jr., Durval; VEIGA-NETO, Alfredo; SOUSA FILHO, Alípio (Orgs.). Cartografias de Foucault. Belo Horizonte: Autêntica, 2008, p FELIPE, J.; GUIZZO, B. S. Erotização dos corpos infantis na sociedade de consumo. Pro- Posições, v. 14, n.3 (42), set./dez Texto disponível em: JENKINS, Henry: Cultura da Convergência. São Paulo, Aleph, JENKINS, Henry; FORD, Sam; GREEN, Joshua: Cultura da Conexão: Criando valor e significado por meio da mídia propagável. São Paulo, Aleph, LEVY, Pierre. As tecnologias da Inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Rio de janeiro: Editora 34, LEVY, Pierre. O que é o virtual? Rio de janeiro: Editora 34, MACLUHAN, Marshal. A galáxia de Gutemberg. São Paulo, Câmara Nacional do Livro, MARTÍN-BARBERO, Jesús. Jóvenes, comunicación e identidad. Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciencia y la Cultura: Pensar Iberoamérica. Revista de Cultura (revista digital). N.0, Febrero, Texto disponível em: SIBILIA, Paula. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, SOUSA, Janara; CURVELLO, João; RUSSI, Pedro. Cem anos de Mcluhan. Brasília: Casa das Musas, 2012.

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1

A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1 A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1 Otavio OLIVEIRA 2 Cintia BARIQUELO 3 Jamile SANTINELLO 4 Universidade Estadual do Centro-Oeste Resumo

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE Cleide Aparecida Carvalho Rodrigues 1 Resumo A proposta para a realização do SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE surgiu durante uma das atividades do Grupo de Estudos de Novas Tecnologias

Leia mais

MANUAIS DE INSTRUÇÃO FEMININOS E A EDUCAÇÃO DAS MULHERES DÉCADAS DE 1950 E 1960

MANUAIS DE INSTRUÇÃO FEMININOS E A EDUCAÇÃO DAS MULHERES DÉCADAS DE 1950 E 1960 MANUAIS DE INSTRUÇÃO FEMININOS E A EDUCAÇÃO DAS MULHERES DÉCADAS DE 1950 E 1960 TOMÉ, Dyeinne Cristina (UEM) MACHADO, Maria Cristina Gomes (Orientadora/UEM) Este estudo é o resultado da dissertação de

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

Consumidor convergente

Consumidor convergente Conectividade Consumidor convergente O cenário está montado: Internet, novas tecnologias, convergência das mídias. A conectividade cada vez maior leva os usuários a um patamar de participação nunca antes

Leia mais

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA Geane Apolinário Oliveira UEPB Geane-cg@hotmail.com Introdução O presente artigo tem por objetivo enfatizar

Leia mais

Comunicação em Rede e a Experiência Digital Contemporânea

Comunicação em Rede e a Experiência Digital Contemporânea Comunicação em Rede e a Experiência Digital Contemporânea Carlos Alberto Messeder Pereira 1 A primeira ideia que deve ficar clara para que possamos entender a natureza da comunicação em rede e sua dinâmica

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

Moda e Internet: Uma reflexão sobre a ascensão dos blogs de moda no Ceará. Moema Mesquita da Silva Braga 1 Rafael Alves 2

Moda e Internet: Uma reflexão sobre a ascensão dos blogs de moda no Ceará. Moema Mesquita da Silva Braga 1 Rafael Alves 2 Moda e Internet: Uma reflexão sobre a ascensão dos blogs de moda no Ceará. Moema Mesquita da Silva Braga 1 Rafael Alves 2 Resumo: Com a ascensão das novas tecnologias muitos campos de saber estão aos poucos

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO E JUVENTUDE: O PAPEL DAS TECNOLOGIAS NA VIDA DOS JOVENS

EDUCAÇÃO DO CAMPO E JUVENTUDE: O PAPEL DAS TECNOLOGIAS NA VIDA DOS JOVENS EDUCAÇÃO DO CAMPO E JUVENTUDE: O PAPEL DAS TECNOLOGIAS NA VIDA DOS JOVENS Autor: José Milson dos Santos (UFPB) E-mail: jm777santos@hotmail.com Resumo O presente artigo tem o objetivo de traçar uma breve

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Aula2 ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO. Marlécio Maknamara. META Conhecer aportes dos Estudos Culturais em sua conexão com a Educação.

Aula2 ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO. Marlécio Maknamara. META Conhecer aportes dos Estudos Culturais em sua conexão com a Educação. Aula2 ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO META Conhecer aportes dos Estudos Culturais em sua conexão com a Educação. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Reconhecer os Estudos Culturais como campo

Leia mais

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA Wanda Patrícia de Sousa Gaudêncio (UFPB/PROFLETRAS) wandapatricia@evl.com.br Sandra Regina Pereira

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE LITERATURA

REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE LITERATURA REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE LITERATURA Elenice KOZIEL (UEM) [1] Márcio Roberto do PRADO (UEM) [2] Introdução É perceptível que os sujeitos da pós-modernidade estão conectados, dedicando

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Meios de Comunicação e Professores: Aproximações Práticas e Distanciamentos Conceituais 1

Meios de Comunicação e Professores: Aproximações Práticas e Distanciamentos Conceituais 1 Meios de Comunicação e Professores: Aproximações Práticas e Distanciamentos Conceituais 1 Charlotte Couto Melo 2 Gláucia da Silva Brito 3 Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR. Resumo As mudanças

Leia mais

Paradigmas e paradoxos da sociedade da informação

Paradigmas e paradoxos da sociedade da informação Paradigmas e paradoxos da sociedade da informação As mudanças DebatePapo Mídia Dalton Pastore - ABAP Caio Barsotti - SECOM José Alves - IVC Orlando Lopes - ABA Impacto da Tecnologia Individualização Acesso

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC, PIBITI E PIVIC 2015

PROPOSTA DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC, PIBITI E PIVIC 2015 PROPOSTA DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC, PIBITI E PIVIC 2015 DADOS GERAIS DO PROJETO Título: Publicidade de Controle Proponente: Prof. Ms. Izabela Domingues da Silva Currículo Lattes: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?metodo=apresentar&id=k471870

Leia mais

PASTORAL DIGITAL. na ótica do Diretório de Comunicação

PASTORAL DIGITAL. na ótica do Diretório de Comunicação PASTORAL DIGITAL na ótica do Diretório de Comunicação Para a Igreja, o novo mundo do espaço cibernético é uma exortação à grande aventura do uso do seu potencial para proclamar a mensagem evangélica. Mensagem

Leia mais

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Fevereiro 2016 A MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O que mais incomoda no discurso/posição que a mulher

Leia mais

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa.

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa. REPRESENTAÇÃO MASCULINA NA PUBLICIDADE BRASILEIRA: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ARGUMENTATIVO Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: A publicidade, assim como

Leia mais

APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA

APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA Tatiana da Silva Silveira - IFSUL Angela Dillmann Nunes Bicca - IFSUL Resumo: Neste texto, desenvolvido sob a perspectiva dos Estudos Culturais de inspiração

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS Lucas Germani Wendt; Leonardo Pestillo de Oliveira; Letícia Rossi RESUMO: O presente projeto terá por objetivo

Leia mais

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH Francielly Falcão da Silva¹, Samuel Carlos Romeiro Azevedo Souto², Mariel José Pimentel de Andrade³ e Alberto Einstein Pereira

Leia mais

Redes Sociais e TV Social nas TVs Públicas Universitárias

Redes Sociais e TV Social nas TVs Públicas Universitárias Redes Sociais e TV Social nas TVs Públicas Universitárias Karla Rossana Francelino Ribeiro Noronha 1 ; Olga Maria Tavares da Silva 2 Universidade de Federal da Paraíba, João Pessoa, PB. Resumo Este artigo

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

EMEI PROTÁSIO ALVES Linguagem - Tecnologias e Mídias na Educação. Porto Alegre 2012

EMEI PROTÁSIO ALVES Linguagem - Tecnologias e Mídias na Educação. Porto Alegre 2012 EMEI PROTÁSIO ALVES Linguagem - Tecnologias e Mídias na Educação Porto Alegre 2012 Jacqueline Gomes de Aguiar jacqueaguiar@smed.prefpoa.com.br Profª de Educação Infantil, alfabetizadora, de Língua e Literatura,

Leia mais

Dança x Mídia: A Arte e o Entretenimento. Iêgo José. Raija Almeida Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB

Dança x Mídia: A Arte e o Entretenimento. Iêgo José. Raija Almeida Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB 1 Dança x Mídia: A Arte e o Entretenimento 2 Iêgo José 3 Raija Almeida Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB RESUMO A arte da Dança sempre caminhou junto com o homem em sua evolução,

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda.

NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda. 2 NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda. Na sua 5ª edição no Brasil o NÖOS RESFEST tem duração de 3 dias e será

Leia mais

Prefácio. Eliane Schlemmer

Prefácio. Eliane Schlemmer Prefácio Eliane Schlemmer SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SCHLEMMER, E. Prefácio. In: PORTO, C., and SANTOS, E., orgs. Facebook e educação: publicar, curtir, compartilhar [online]. Campina

Leia mais

MEDIA KIT. http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries

MEDIA KIT. http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries MEDIA KIT http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries 2 CONTEÚDO BREVE HISTÓRICO...03 MINICURRÍCULO DA EQUIPE...04 SOBRE O SITE...05 EDITORIAS...06 SOBRE O PODCAST...06 ESTATÍSTICAS

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

AS IMAGENS MIDIÁTICAS EM SALA DE AULA: POR UM DESENVOLVIMENTO CRÍTICO DA LEITURA.

AS IMAGENS MIDIÁTICAS EM SALA DE AULA: POR UM DESENVOLVIMENTO CRÍTICO DA LEITURA. AS IMAGENS MIDIÁTICAS EM SALA DE AULA: POR UM DESENVOLVIMENTO CRÍTICO DA LEITURA. Considerações prévias Erika Fernandes de Souza, UEPB José Augusto Soares Lima, UEPB Vender...comprar...vedar os olhos jogar

Leia mais

CELULAR NO ESPAÇO HÍBRIDO: ARTICULAÇÃO ENTRE TECNOLOGIA E CURRÍCULO

CELULAR NO ESPAÇO HÍBRIDO: ARTICULAÇÃO ENTRE TECNOLOGIA E CURRÍCULO CELULAR NO ESPAÇO HÍBRIDO: ARTICULAÇÃO ENTRE TECNOLOGIA E CURRÍCULO Lhays Marinho da Conceição Ferreira Universidade do Estado do Rio de Janeiro, lhays.uerj@gmail.com Ana Paula Pereira Marques De Carvalho

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE MESTRADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE MESTRADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE MESTRADO E D I T A L - 2016 O Departamento de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro torna pública a abertura

Leia mais

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos EDUCAÇÃO CONTRA O TRABALHO INFANTOJUVENIL: CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODO E VULNERABILIDADES Felipe Pitaro * Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos de partida. O primeiro diz

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO.

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Programa do Curso. Cultura da mobilidade e Educação: desvendando possibilidades pedagógicas

Programa do Curso. Cultura da mobilidade e Educação: desvendando possibilidades pedagógicas UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS I MESTRADO EM EDUCAÇÃO E CONTEMPORANEIDADE LINHA DE PESQUISA: JOGOS ELETRÔNICOS E APRENDIZAGEM GRUPO DE PESQUISA: COMUNIDADES VIRTUAIS

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver A série Sagrado é composta por programas que, através de um recorte históricocultural, destacam diferentes pontos de vista das tradições religiosas. Dez representantes religiosos respondem aos questionamentos

Leia mais

Cultura Digital e Educação: desafios contemporâneos para a aprendizagem escolar em tempos de dispositivos móveis

Cultura Digital e Educação: desafios contemporâneos para a aprendizagem escolar em tempos de dispositivos móveis Fórum de Informática Educativa- CEPIC NTM Cultura Digital e Educação: desafios contemporâneos para a aprendizagem escolar em tempos de dispositivos móveis Profª Drª Cíntia Inês Boll / Faced/UFRGS Rafaela

Leia mais

Games são arte ou cultura? O eterno debate sobre a influência de uma. mídia.

Games são arte ou cultura? O eterno debate sobre a influência de uma. mídia. mídia. Games são arte ou cultura? O eterno debate sobre a influência de uma Alguns alunos do GameLab ESPM enviaram para mim uma notícia do Blog do Estadão que relata a inauguração, em março, de uma exposição

Leia mais

VOCÊ CONSOME O QUE? - CONSUMO, STATUS, RESÍDUOS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL GULLA, CLAUDIO EDUARDO 1 - UERJ. DUARTE, Luana 2 UERJ. SILVA, Tairis 3 UERJ

VOCÊ CONSOME O QUE? - CONSUMO, STATUS, RESÍDUOS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL GULLA, CLAUDIO EDUARDO 1 - UERJ. DUARTE, Luana 2 UERJ. SILVA, Tairis 3 UERJ VOCÊ CONSOME O QUE? - CONSUMO, STATUS, RESÍDUOS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL GULLA, CLAUDIO EDUARDO 1 - UERJ claudioeduardouerjped@gmail.com DUARTE, Luana 2 UERJ Luanycristine_87@hotmail.com SILVA, Tairis 3 UERJ

Leia mais

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento Nirave Reigota Caram Universidade Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: nirave.caram@usc.br Comunicação Oral Pesquisa em Andamento

Leia mais

O Desenho: desenhando com Kari Galvão 1

O Desenho: desenhando com Kari Galvão 1 O Desenho: desenhando com Kari Galvão 1 Paulo Souza dos SANTOS JUNIOR 2 Maria Carolina Maia MONTEIRO 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho apresenta uma produção multimídia

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES 1 A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES São Paulo SP 04/2015. Juliana Moraes Marques Giordano USP julianagiordano@usp.br 2.1.1. Classe: Investigação Científica

Leia mais

O CONSUMIDOR MOBILE. Uma visão global

O CONSUMIDOR MOBILE. Uma visão global O CONSUMIDOR MOBILE Uma visão global A PRÓXIMA POTÊNCIA EM MÍDIA Quando a primeira chamada foi realizada por um telefone móvel em 1973, o protótipo utilizado tinha bateria com duração de 30 minutos e levava

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

Navegando e aprendendo música no portal: uma experiência interdisciplinar no Colégio Pedro II

Navegando e aprendendo música no portal: uma experiência interdisciplinar no Colégio Pedro II Navegando e aprendendo música no portal: uma experiência interdisciplinar no Colégio Pedro II Mônica Neves Leme monicaleme@inpauta.com.br Monica Repsold mrepsold@gmail.com Vanessa Marinho Colégio Pedro

Leia mais

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet 57 Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet Hoje em dia ter a Internet como aliada é um recurso indispensável para qualquer educador ou responsável por treinamento corporativo que atue em qualquer

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO/RACIAIS: PERCEPÇÕES DOCENTES SOBRE SUA (NÃO)PRESENÇA NO CURRÍCULO ESCOLAR

RELAÇÕES ÉTNICO/RACIAIS: PERCEPÇÕES DOCENTES SOBRE SUA (NÃO)PRESENÇA NO CURRÍCULO ESCOLAR RELAÇÕES ÉTNICO/RACIAIS: PERCEPÇÕES DOCENTES SOBRE SUA (NÃO)PRESENÇA NO CURRÍCULO ESCOLAR Evelyn Santos Pereira Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Luterana do Brasil e Secretaria de Educação,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Programa Sonora Eletrônica 1. Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS

Programa Sonora Eletrônica 1. Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS Programa Sonora Eletrônica 1 Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS RESUMO O uso e a produção áudio-visual no jornalismo hoje, não depende mais exclusivamente

Leia mais

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis)

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) Moema Gomes Moraes Universidade Estadual de Goiás (UEG)/ CEPAE-UFG

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online?

AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online? AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online? Edgar Marcucci Reis 1 Jéssica Naiara dos Santos Batista 2 Resumo: O artigo apresenta uma visão sobre os ambientes online encontrados

Leia mais

Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas

Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas Vanessa Curvello Índice 1 O Big Brother........... 1 2 O Big Brother Brasil....... 2 3 A estruturação do programa.... 2 4 As estratégias comunicativas da

Leia mais

Projeto Blogs! Paraná. Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar).

Projeto Blogs! Paraná. Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar). Projeto Blogs! Paraná Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar). Introdução Enquanto a tecnologia avança vertiginosamente, o problema da exclusão digital persiste

Leia mais

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3 A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1 RESUMO Thais CASELLI 2 Iluska COUTINHO 3 Universidade Federal de Juiz De Fora, Juiz de Fora, MG Este trabalho verifica como é a

Leia mais

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. 1 RESENHA Mónica Santos Pereira Defreitas 1 SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. O livro de Lúcia Santaella, Por que as comunicações e as artes estão

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE UNIDADE DE ENSINO DESCENTRALIZADA DA ZONA NORTE DE NATAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE UNIDADE DE ENSINO DESCENTRALIZADA DA ZONA NORTE DE NATAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE UNIDADE DE ENSINO DESCENTRALIZADA DA ZONA NORTE DE NATAL EDVALDO BALDUINO BISPO JORNAL ELETRÔNICO: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA

LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA INTRODUÇÃO Silvane Santos Souza(UNEB/Lusófona) No contexto atual em que a educação encontra-se inserida, surgem muitas inquietações

Leia mais

Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente

Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente Espaços de fluxo das TICs Fluxo Tecnológico Sistema Produtivo Sociedade Inovação Realimentação Flexibilidade Equipes Extrema velocidade das mudanças

Leia mais

A INFLUÊNCIA MIDIÁTICA NO GOSTO MUSICAL DE UM GRUPO DE ADOLESCENTES

A INFLUÊNCIA MIDIÁTICA NO GOSTO MUSICAL DE UM GRUPO DE ADOLESCENTES A INFLUÊNCIA MIDIÁTICA NO GOSTO MUSICAL DE UM GRUPO DE ADOLESCENTES RESUMO Priscila Pereira Universidade Federal do Paraná Curitiba Paraná O trabalho tem por finalidade apresentar uma pesquisa sobre a

Leia mais

GEOMETRIA, LITERATURA E ARTE: CONEXÕES NO ENSINO- APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

GEOMETRIA, LITERATURA E ARTE: CONEXÕES NO ENSINO- APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA GEOMETRIA, LITERATURA E ARTE: CONEXÕES NO ENSINO- APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Kátia Stocco Smole Mathema katia@mathema.com.br Patrícia Cândido Mathema patrícia@mathema.com.br Resumo: Este minicurso, proposto

Leia mais

RELACAO DE PROJETOS VINCULADOS A LINHA ESTUDOS CULTURAIS E COMUNICACAO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS.

RELACAO DE PROJETOS VINCULADOS A LINHA ESTUDOS CULTURAIS E COMUNICACAO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS. RELACAO DE PROJETOS VINCULADOS A LINHA ESTUDOS CULTURAIS E COMUNICACAO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS. SERGIO LUIZ PEREIRA DA SILVA Memória, identidade e cultura visual: a construção da identidade

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO:

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: Hábitos de Navegação na Internet: será que nossos alunos e educadores navegam com segurança na Internet no Estado do Rio de Janeiro? REALIZAÇÃO:

Leia mais

Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1

Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1 Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1 Andreia Solange Bos 2 Rodrigo Moreira 3 Instituto Federal Farroupilha- Campus Alegrete Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS Ijuí,

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

A SATISFAÇÃO DA APARÊNCIA CORPORAL MASCULINA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

A SATISFAÇÃO DA APARÊNCIA CORPORAL MASCULINA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A SATISFAÇÃO DA APARÊNCIA CORPORAL MASCULINA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Emília Amélia Pinto Costa da Silva;Priscilla Pinto Costa da Silva; Petrucio Venceslau de Moura;Talita Grazielle Pires de Carvalho;

Leia mais

Jogo, imagem e tecnologia possibilidades de ludicidade 1

Jogo, imagem e tecnologia possibilidades de ludicidade 1 Jogo, imagem e tecnologia possibilidades de ludicidade 1 Lynn Alves 2 A presença dos jogos na história da humanidade tem início com a própria evolução do homem, antes até de serem estabelecidas normas

Leia mais

Novas tecnologias X Trabalhos velhos

Novas tecnologias X Trabalhos velhos Novas tecnologias X Trabalhos velhos "O laboratório de computador: uma má ideia, atualmente santificada" Gavriel Salomon Há 20.000 anos, quando nossos ancestrais habitavam as cavernas, as crianças... Certo

Leia mais

Blitz JPB Zona de contato e estratégia de aproximação com o público 1

Blitz JPB Zona de contato e estratégia de aproximação com o público 1 Blitz JPB Zona de contato e estratégia de aproximação com o público 1 Zuila Frutuoso David Duarte e Roberta Matias Simões Marques de Azevedo, mestrandas do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo Profissional

Leia mais

TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade?

TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade? Maria de Fátima da Cunha. UEL/Londrina. Docente TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade? Para Tomaz Tadeu da Silva, as narrativas dos currículos podem, explícita ou implicitamente,

Leia mais

HOMEM E NATUREZA: PRODUÇÃO DE VERDADES NO CINEMA DE ANIMAÇÃO

HOMEM E NATUREZA: PRODUÇÃO DE VERDADES NO CINEMA DE ANIMAÇÃO HOMEM E NATUREZA: PRODUÇÃO DE VERDADES NO CINEMA DE ANIMAÇÃO Gisele Ruiz Silva Prefeitura Municipal do Rio Grande gisaruizsilva@gmail.com Camila da Silva magalhães camilapedag@gmailcom Discussões sobre

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

Comércio Eletrônico AULA 18. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis

Comércio Eletrônico AULA 18. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis Comércio Eletrônico AULA 18 Professora Ms Karen Reis 2011 Sistemas para Internet 1 REFLEXÃO Faça uma busca na internet por certificados digitais. Escreva quatro ou cinco parágrafos sobre como usar os certificados

Leia mais