REFERENCIAL TEÓRICO METODOLÓGICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REFERENCIAL TEÓRICO METODOLÓGICO"

Transcrição

1 1379 NOVELA: UM ESPAÇO PARA DISCUSSÃO DA POLÍTICA CORONELISTA Elisabete Zimmer Ferreira, Aluna do Mestrado Profissional em Historia / FURG INTRODUÇÃO A televisão foi inventada em 1931, mas somente obteve sucesso após o fim da 2ª Guerra Mundial. Entre 1947 e 1952, a produção de aparelhos cresceu consideravelmente, possibilitando a seus investidores lucro excepcional, visto que as ações na bolsa referente ao aparelho elevaram-se em 134%. Com o crescimento da audiência televisiva, ela passou a ser utilizada como formadora de opinião (BURKE; BRIGGS, 2011). A televisão chegou ao Brasil em 1950 através de Assis Chateaubriand. Atualmente está presente em 95,7% dos domicílios (IBGE, 2010), sendo respaldada por lei como bem não penhorável, por ser entendida como instrumento de promoção de cultura(brasil, 1990). Dentre sua programação destacam-se as novelas, as quais se edificaram como um dos principais produtos da indústria midiática. A novela é extraordinariamente abrangente, pois não há distinção entre as classes sociais de seu público, a idade ou o gênero. Aborda temáticas presentes no cotidiano do telespectador promovendo a identificação destes com os personagens representados (TONON, 2006). Algumas novelas trazem uma história épica, portando-se como documentos que oportunizam uma reflexão do presente tendo por base a representação do passado. Deste modo, neste artigo objetivou-se analisar a política coronelista representada na telenovela Cabocla. REFERENCIAL TEÓRICO METODOLÓGICO Neste estudo foi adotado como referencial teórico a Teoria Social da Comunicação de Massa proposta por Thompson. Entende-se que a indústria midiática produz e distribui mensagens a indefinidos potenciais receptores. Estes receptores são envoltos por sua própria cultura decodificam a mensagem, reelaborando-a transmitindo a outros potenciais receptores. Nesse sentido a novela veicula mensagens que serão entendidas de forma particular por cada telespectador e discutidas a posteriore pela sociedade (THOMPSON, 2009). Como forma de compreender o conteúdo da mensagem veiculada na novela Cabocla foi utilizada a técnica da análise de conteúdo de Bardin. Esta técnica possui três etapas: 1)Pré-analise: preparação do arcabouço documental, momento em que foi

2 1380 selecionada a novela Cabocla como objeto de estudo; 2) Exploração do material, mediante a visualização das cenas da novela e do reconhecimento das unidades de análise e agrupamento das mesmas em categorias; 3) Tratamento dos resultados obtidos e interpretação: interpretação das cenas selecionadas considerando o contexto que representam e o de sua produção (BARDIN, 2011). RESULTADOS e DISCUSSÃO Foram encontradas cinco categorias para análise: O coronel e sua gente; Formas de controle; Artimanhas eleitorais; Relações clientelísticas e Ruptura e reorganização das parentelas, as quais são discutidas na sequência. O coronel e sua gente O coronelismo teve sua origem na posse de terras, sendo os grandes latifundiários os primeiros coronéis. Todavia, com o passar do tempo, também se afirmaram como coronéis homens que não tinham atividade vinculada a terra. Alguns eram negociantes bem sucedidos, religiosos e intelectuais, que tinham seu poder e mando garantido pelas mesmas formas de relacionamento social estabelecidas com sua gente. Na trama de Cabocla a pequena região de Vila da Mata estava dividida entre a influência de dois latifundiários: o coronel Boanerges e o coronel Justino, ambos inimigos políticos, logo a população local se colocava de um lado ou do outro. No círculo de relações do Coronel Boanerges estavam: Emerenciana (esposa); Belinha, (filha) e Luiz Jerônimo(primo), compondo as relações familiares. Além destes destacaram-se o Coronel Macário, Dr. Telles médico da região, Seu Zé e Dona Bina, comerciantes e compadres do coronel Boanerges. Haviam ainda pessoas mais humildes como dona Generosa e Seu Felício, também compadres do coronel Boanerges; Tobias, afilhado do coronel e Ritinha e Nastácio, empregados da fazenda, todos representando as relações de amizade. Semelhante a Boanerges, o coronel Justino também constituiu um grupo de simpatizantes a sua liderança. Entre eles estavam Neco (filho) e Mariquinha(filha) no grupo das relações familiares e o Sr. Xexéu, tabelião da cidade; Julieta, empregada da casa do coronel e finalmente Zaqueu, sócio do coronel na venda, situada na sua fazenda como figuras que compunham as relações de amizade. Na década de 1910 era comum os habitantes de determinadas localidades, sob a influência de uma pessoa de grande expressão nesta região, ao serem questionados sobre quem eram, responderem desta forma: sou gente do coronel Fulano, ou ainda, sou gente do coronel sicrano. No caso de Cabocla, percebemos que uma parte da

3 1381 população identifica-se como sendo gente do coronel Boanerges e outra como gente do coronel Justino. O coronel era o líder local e tinha sob sua influência os habitantes de determinada região. Sua liderança era conquistada por seu carisma, por sua habilidade de liderança e por sua possibilidade de garantir a proteção de seus seguidores. Esses últimos se organizavam de forma hierárquica, ou seja, no topo da pirâmide aloca-se o coronel, logo abaixo seus familiares de sangue, abaixo sua parentela e na base desta pirâmide os clientes (QUEIRÓZ, 1987). É relevante explicar que as relações da parentela eram dadas sob a forma de alianças e sob as relações de compadrio. Quanto mais alto o local que a pessoa fosse inserida na pirâmide hierárquica, maior seria sua proximidade afetiva com o coronel. Posto isso, se torna fácil identificarmos a representação, na novela, de duas parentelas na região. No topo liderando toda a sua gente está o coronel, nesse caso representado por Boanerges, logo a baixo estão os familiares de sangue, representados pelos personagens de Emerenciana, Belinha e o Dr. Luiz, já na outra camada da pirâmide temos os amigos, coronel Macário, Dr. Telles, Sr. Zé da estação e sua esposa, representam esse núcelo e na base da pirâmide têm-se os sitiantes Feliciano e Generosa, os empregados Nastacio e Ritinha, representado os agregados. Do mesmo modo temos na parentela de Justino esta configuração: no topo da pirâmide Justino, logo abaixo seus familiares de sangue, Neco e Mariquinha, a seguir os amigos: Sr. Xexéu; e, na base, os empregados Julieta e Zaqueu com quem mantém sociedade. Foi possível perceber que na região de Vila da Mata foram representadas duas parentelas distintas que disputavam a influência sobre a população local. Observamos que Boanerges exercia na trama maior influência, pois era o prefeito da pequena cidade. Justino, ao contrário estava com menor número de aliados e seu desejo era conquistar o lugar de Boanerges. Ao estudarmos o fenômeno político do coronelismo é preciso que analisemos como se organiza a população local em relação aos seus influenciadores, ou seja, é importante entendermos quem são os mandões da região e como os habitantes se colocam em relação a eles, oferecendo sua fidelidade. Assim, poderemos perceber quais famílias dominam a região, se uma, duas ou mais para então estabelecermos se teremos uma região de domínio absoluto, ou de conflitos, o que pode gerar lutas violentas (QUEIRÓZ, 1987). Deste modo, em Cabocla, identificamos, a existência de duas parentelas em oposição e o conflito representado pela disputa de poder entre dois coronéis. Formas de controle É preciso destacar o personagem de Neco. Ele tinha postura diferente da de seu

4 1382 pai e dos demais coronéis da região, percebeu imediatamente a penúria do povo e passou a criticar a atitude dos mandões locais. Na atitude diferenciada deste personagem percebe-se a crítica dos autores ao sistema político coronelístico estabelecido no Brasil na República Velha e com isso levanta-se a questão da questão atualidade do tema, pois a trama recebeu uma regravação em Existiria no Brasil ainda figuras que exerceriam o poder coronelístico? A crítica contundente de Neco a influência do pai e de Boanerges e a situação em que se encontravam as pessoas da região, nos levou a refletir que sim. Neco costumava freqüentar a venda de Zaqueu (sócio do coronel Justino), e lá comentou com os caboclos que eles tinham direito de receber seu pagamento em dinheiro e não mais em vales, fato que a princípio os peões não entenderam. Ele comentou que se os coronéis fossem justos com os trabalhadores, pagariam seus empregados em dinheiro e não em vales. Este comentário irritou o coronel Boanerges, que procurou tomar satisfações de Neco sobre suas acusações. Mesmo assim o jovem continuou a provocação e disse que Boanerges e estavam sendo desonestos com os empregados pagando-os em vales, porém os peões não entendiam a diferença de receber em dinheiro ou em vale. Diante disso, ele ofereceu seu relógio por uma pechincha a quem tivesse dinheiro para comprá-lo, mas avisou que somente aceitava dinheiro. Como os peões não tinham dinheiro não puderam aproveitar a oferta entenderam que receber em dinheiro era melhor, pois, poderiam barganhar preços porque disporiam de outros locais de compra além da venda do Zaqueu. Em outra cena da novela observamos que as orientações de Neco surtiram efeito na peonada, pois os empregados de Justino solicitaram ao patrão o pagamento em dinheiro e não mais em vales. O coronel negou, pois via nos vales a forma de manter os empregados ligados a fazenda impossibilitando-os de deixar o trabalho. De outro modo agiu Boanerges. Ele reviu sua postura e passou a pagar os funcionários em dinheiro, ficando muito contente em ver a felicidade de seus empregados. No entanto, os peões não estavam acostumados a sua nova realidade, e decidiram ir beber na cidade e entraram numa briga com o pai de Luiz que acabava de chegar a cidade. Boanerges que estava na cidade para receber o primo foi notificado, sendo obrigado a intervir na briga, pois este era um ato inadmissível para sua gente. A maneira como o coronel se referiu aos peões de sua fazenda enfatiza a questão de parentela constituída, Boanerges se colocou como tutor dos empregados e responsável por suas ações, bem com de aplicar-lhes reprimendas. Ainda com relação à questão dos vales, notamos que os peões acreditavam que vales e dinheiro tinham o mesmo significado, somente entenderam o simbolismo de um ou de outro quando não puderem aproveitar a pechincha de Neco, pois para o rapaz o

5 1383 valor simbólico atribuído aos vales não era o mesmo que eles tinham identificado. Na relação produto e produtor se configura um valor para a obra, o valor simbólico. No entanto, esse valor mudaria no momento que alguém com prestígio reconhecido avalizasse seu valor. Se tomarmos o exemplo as pinturas, veremos que elas têm um preço, no qual deve ser observado os gastos materiais para a produção e trabalho do produtor. Mas, na medida em que alguém com prestígio reconhecido, como o marchand, avaliza o produto, automaticamente a pintura passa ter outro valor, diferente do que o produtor lhe havia atribuído inicialmente. É o que chamamos de valor simbólico, o qual é compatível com um grupo que tem os mesmos interesses, no caso a arte (BOURDIEU, 2004). Ao pensar a questão dos vales de pagamento como pensou Bourdieu sobre a arte, veremos que os vales para os coronéis tem um valor, o simples pagamento dos empregados. Porém, para os peões eles tinham um valor inquestionável, visto que são avalizados pelos coronéis, os quais gozam de reconhecimento e prestígio mediante a população, logo os vales adquirem valor simbólico fora do alcance de qualquer questionamento. Pois, diante da vivência simples dos caboclos, os vales satisfaziam suas necessidades, na medida em que os trocavam por produtos na venda do Zaqueu, e, como o dono da venda aceitava os vales, acabava legitimando-os como moeda corrente. No entanto, quando Neco ofereceu o relógio por um valor irrisório, mas de antemão disse que só aceitava dinheiro como pagamento, os caboclos entenderam que nem todas as pessoas viam nos vales o mesmo valor simbólico que eles. Assim, acabaram por compreender o que Neco tentava explicar e passam a pedir para receber seu pagamento em dinheiro, pois este tem um valor simbólico reconhecido e legitimado igualmente por todos. Nessa passagem da novela que demonstrou o poder exercido pelos coronéis que chegava ao ponto de legitimar uma moeda paralela a nacional como corrente entre o comércio local, notamos que o próprio coronelismo se estabelecia apenas dentro de uma ótica de reconhecimento, ou seja, de trocas de bens simbólicos. O coronel tinha poder porque era reconhecido por sua gente como aquele que os protegia e lhes atenderia em momento de dificuldade. Assim, quanto maior fosse a capacidade de atendimento das necessidades do grupo ou da parentela, maior seria sua influência e reconhecimento de seu poder. É a própria troca de bens simbólicos, a gente do coronel lhe ofereceria sua fidelidade e reconhecimento e em troca o mesmo lhes conferiria proteção, porem seu poder se tornaria reconhecido localmente a partir da inserção do coronel na política. Artimanhas eleitorais Belinha retornou da capital formada professora e solicitou ao pai dar aulas as crianças da região. O coronel, orgulhoso da filha, tratou de comunicar aos habitantes que

6 1384 sua filha iria dar aulas. Porém, ao saber disso o rival político, entendeu a ação de Belinha como uma artimanha eleitoral. Então, Justino passou a dizer à população que as aulas de Belinha não passavam de um artifício para conquistar votos em favor de seu pai nas eleições vindouras. Como resultado disso, apenas quatro pessoas se escreveram para as aulas e Belinha teve que desistir de seu projeto educacional de candidatos ao letramento. Mas, a questão da implantação da escola na zona rural não teve fim neste instante. Pois, Justino tomou a idéia para si e colocou Mariquinha (sua filha) como professora na escola que construiu em sua fazenda. Ao saber da existência da escola na propriedade de Justino, Boanerges reagiu contra a idéia e proibindo seus empregados de assistirem as aulas de Mariquinha. Diante disso, Luiz interferiu com Boanerges na contenda da escola, fazendo com que o primo percebesse que ele só estaria lesando a população, e seria melhor ganhar a confiança que o seu temor. Justino ficou muito satisfeito ao ver que as crianças retornaram as aulas. Entretanto, um aluno, filho de um empregado de Boanerges, contou que as crianças somente retornaram as aulas devido as ordens deste coronel. Este fato evidencia, mais uma vez, a influência e o domínio que o coronel tinha em sobre sua parentela. É importante salientar que para vencer a eleição valia tudo, ou quase tudo. Neco sempre falou contra as atitudes dos coronéis, criticando o modo como eles usavam a população. Contudo ele próprio em sua campanha política, usou a escola para expor suas ideias de campanha, fato que foi completamente contrário a sua postura inicial, demonstrando que seus ideais haviam sido corrompidos pelo sistema. Após o acontecimento da República, extinguiu-se o voto censitário nos moldes do império. Contudo, na República somente poderiam votar aqueles que fossem alfabetizados, determinação que excluía a grande maioria da população, pois apenas 5% da população era alfabetizada e tinha direito ao voto ( FAORO, 2008). Na primeira Constituição Republicana, a qual coincide com o período representado na novela conferia o direito de voto aos cidadãos maiores de 21 anos que se alistassem na forma da lei, mas não permitia o alistamento de mendigos, analfabetos, os religiosos de ordens monásticas, companhias, congregações ou comunidades de qualquer denominação, sujeitas a voto de obediência (CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA, 1891). Pela determinação da Constituição de 1891, percebe-se o quanto era limitado o direito de voto, pois a maioria da população brasileira era analfabeta e concentrava-se na zona rural em função da economia agrária. A impossibilidade do voto do analfabeto foi o fator determinante para a criação das escolas rurais, pois, através delas poderia ser aumentado o número de alfabetizados e conseqüentemente aumentado o número de votantes. No sistema coronelístico, quem detivesse sob seu mando o maior numero de

7 1385 votantes detinha o poder político. É pertinente a associação da educação rural à intenção de garantir a eleição de determinado candidato, ou da manutenção deste no cargo. É o caso da escola na propriedade de Justino. Mesmo que a professora não tivesse a mesma intenção do pai, a alfabetização dos caboclos serviria aos propósitos eleitoreiros do coronel. Este mesmo fato nos permite uma analogia com a Emenda Constitucional número 25, de 15 de maio de 1985 que foi regulamentada pela Lei (BRASIL, 1985). Ela resgatou o direito de voto aos cidadãos brasileiros analfabetos. Em 1988 foi expandida a margem de idade dos votantes, fato que legalizou o voto para menores, estabelecendo como idade mínima para o alistamento eleitoral de 16 anos (CONSTITUIÇÃO DE BRASILEIRA, 1988). Note-se, atualmente, analfabetos e menores com 16 ou mais anos tem seu direito de voto garantido legalmente, porém são considerados inelegíveis. Deste modo, fica em aberto o questionamento: esta mudança na constituição não seria mais uma artimanha política para aumentar o número de eleitores nos pleitos? A novela Cabocla lançou sua crítica, afinal, não foi por mero acaso suas exibições terem ocorrido próximo aos peitos eleitorais. Relações clientelísticas No sistema coronelístico o poder era ampliado a partir de uma rede de trocas de favores. As boas relações entre os coronéis e sua gente eram também uma forma de garantir o seu apoio político. Eles mantinham com sua gente uma relação de protetorado, que lhes rendia noutras circunstâncias uma espécie de gratidão. Na novela Cabocla foram evidenciadas algumas formas de garantir o apoio da massa aos interesses políticos dos coronéis. Em situações de entraves judiciais os agregados (sitiantes e empregados) tinham uma profunda relação de dependência dos coronéis devido a sua falta de conhecimento dos tramites legais. Na novela foi representada uma contenda entre o coronel Justino e o sitiante Feliciano Rosa, pois o primeiro desejava expulsar o último de sua terra. Frente a isso Boanerges entrou na contenda com Justino em favor de seu compadre Feliciano, a fim de evitar que este último perdesse suas terras. Para tanto, ele pediu o apoio legal de seu primo Luiz Jerônimo na questão, pois este era advogado. O Dr. Luiz aconselhou ao humilde sitiante que pedisse um prazo maior

8 1386 a Justino, para que ele pudesse estudar a situação. O Dr. Luiz solicitou ao tabelião local revisão da escritura de Justino referente propriedade das terras que Feliciano morava, já demonstrando que ia propor uma ação legal para garantir ao sitiante a posse da terra. Deste modo teve início uma ação de usucapião que foi favorável ao Sr. Feliciano Rosa Podemos dizer que o sitiante manteve seu sítio por contar com a amizade do coronel Boanerges, e, o coronel pode auxiliá-lo nesta questão por dispor de um aliado detentor de conhecimento para tal. Aqui se encontra outra característica do sistema coronelístico. Era comum o coronel cercar-se de aliados, em geral seus próprios familiares de sangue, que possuíssem uma formação 1 que servisse ao coronel de alguma forma, quando a necessidade se impusesse. Também neste período foi comum os jovens partirem para capital em busca de um curso de formação profissional. Em geral os pais enviavam os filhos para cursarem a cátedra de direito e tornarem-se bacharéis. O bacharelismo ocorreu indiscriminadamente, não importando se estes seriam bons profissionais, pois se não fossem poderiam lançar-se politicamente como candidatos. Na própria novela é retratado o caso de Luiz como um rapaz de boa vida, beirando a irresponsabilidade em seus tempos na capital, o qual foi ter sua primeira atuação profissional no caso de Feliciano. Outros jovens cursavam medicina, vindo, posteriormente a conclusão do curso, trabalhar no interior, mediante aliança com os mandões locais e como favor a eles atendendo a população. Os protegidos do coronel gozavam de seu apoio, mas também lhes deviam fidelidade, e não poderiam contrariar sua vontade, isso seria uma afronta. Como foi dito previamente, as relações coronelísticas se sustentavam a partir das relações de solidariedade e fidelidade entre os membros das parentelas. este fato foi evidenciado por ocasião da disputa do pleito eleitoral entre Boanerges e Neco. O coronel tinha ficado com a reputação manchada frente à peonada, então sua esposa cobrou da população lealdade na hora da votação, ou seja, ela cobrou dos caboclos, em forma de votos, os favores prestados por Boanerges. A constituição de 1891concedeu aos cidadãos alfabetizados brasileiros, ou que fossem naturalizados como tal propôs um alargamento na camada eleitoral do país. Porém, este fato sugeriu que o modo antigo de praticar a política havia sido abandonado e aspectos antes tão relevantes como as condições econômicas do votante, ou do votado estivessem fora de questão. Contudo, o que se viu foi aumentar o número de eleitores, mas a manutenção do sistema, com algumas adequações do mesmo a nova realidade, ou seja, mantiveram-se os mandões e os novos eleitores votavam de acordo a determinação 1 Em geral os familiares do coronel ocupavam cargos estratégicos, alguns eram juízes de direito; padres, médicos.

9 1387 dos primeiros, sem questioná-los. Assim, no início do século ocorreu uma alienação por parte dos trabalhadores, tanto rurais quanto citadinos, de seu papel social. Esta consciência só viria com os movimentos operários, pois a grande maioria estava submetida a tradição da gratidão aos que lhe prestavam pequenos favores (LOPEZ, 1984). É preciso salientar que as relações clientelísticas representados em Cabocla foram desde o apoio judicial, passaram pela solidariedade, culminando em alianças políticas mediante os casamentos, todos culminando para a exacerbação do sentimento de gratidão, ou compromisso de uns para com os outros, ou seja, uma troca clientelística. Os casamentos entre as famílias influentes de determinada região serviam como instrumento de ampliação do poder do coronel e aos seus interesses clientelísticos, pois, alargava a parentela e conseqüentemente sua rede clientelística. Na novela, isto foi representado através dos personagens de Neco e Belinha. Os jovens se conheceram e se apaixonaram na viagem de retorno a Vila da Mata, mas após o retorno aos seus lares o casal começou a ter encontros clandestinos, pois suas famílias não podiam saber do romance, devido a inimizade política. Então numa determinada ocasião o pai do moço que ficou consternado por saber do romance, encontrou Boanerges em campanha política na venda de Zaqueu e contou ao seu rival que Neco andava se encontrando as escondidas com Belinha. Boanerges a princípio não acreditou, mas, pôs seus peões a vigiá-la. Diante da proibição do namoro pelo coronel, Neco decidiu falar com a mãe da moça, que achou o jovem bastante petulante, mas, gostou dele e aceitou auxiliá-lo no romance. Mas como a população era fiel a Boanerges, ele acabou descobrindo o namoro entre Belinha e Neco. O rapaz cheio de coragem resolveu pedir a mão da moça em casamento e recebeu uma resposta negativa de Boanerges. Sabendo não ter o respeito do coronel, Neco resolveu fazer-lhe frente na política. O fato foi visto com bons olhos por Justino que desistiu da própria candidatura em função da do filho, pois era sua única alternativa para retirar Boanerges do poder. Neste ponto o coronel Macário entrou em cena e pediu a mão de Belinha em casamento para seu filho Gustavinho que estava na capital. Boanerges decidiu então casar Belinha com o filho do coronel Macário, mesmo sem a moça conhecer o rapaz. Boanerges e Macário acharam que era hora de seus filhos casarem e o casamento de ambos convinha aos dois, pois reforçava sua aliança política. No entanto esse compromisso foi o desespero de Belinha, que numa conversa com a mãe falou que Neco se negou abandonar a política, fato que aumentava a rivalidade entre ele e o pai da moça, inviabilizando o seu relacionamento amoroso. A mãe, imediatamente contou a filha que no momento que casou com Boanerges nem sequer o conhecia, pois

10 1388 fora uma determinação do avô da jovem, este também envolvido na política. O casamento era utilizado internamente nas perentelas como forma de reforçar suas alianças, e, entre parentelas distantes como forma de expandir a área de influência de um determinado coronel, ou seja, o coronel que tivesse grande influência já sobre uma região, podia alastrar sua zona de mando se conquistasse uma aliança com outro coronel com menor influência (QUEIRÓZ, 1987). Esta aliança em muitos casos era feita mediante o matrimônio dos filhos, forma esta que se encaixa perfeitamente na descrição dada por Emerenciana a filha, a respeito de seu próprio casamento. O casamento era mais um instrumento de ampliação do poder do coronel, mas, toda a rede somente se sustentavam na fidelidade e na solidariedade estabelecida dentro da parentela. Destacamos como questão de lealdade para com o coronel o fato de sua parentela não se envolver em situações que contrariassem sua vontade. Passado algum tempo da chegada de Luiz a Vila da Mata, chegou também a cidade uma ex- namorada de Luiz, a espanhola Pepa. No entanto, Luiz estava envolvido com Zuca, Assim, Pepa ficou hospedada na pousada de Zé da Estação até que sua situação se resolvesse. Lá ela conheceu Justino, e com o tempo acabou gostando do coronel e viceversa. Depois de algumas desconfianças de Mariquinha e Neco, Justino pensou em abrir mão de seu amor pela espanhola, mas, os filhos acabaram entendendo que Pepa realmente gostava de Justino e apoiaram o casamento dos dois. Diante disso eles marcaram a data e escolheram os padrinhos do enlace Zé e Bina, fato que preocupou Zé pela reação do compadrio que tinha com Boanerges, pois isto seria um desagravo ao coronel, visto que ele e Justino são inimigos. Este fato demonstrou como era importante a aprovação do coronel para as ações praticadas por sua gente. Diante disso é importante, mais uma vez, evidenciar que a relação de fidelidade se processa entre todos os integrantes da parentela, indo do coronel aos clientes, pois da mesma forma que a população deve lealdade ao coronel, ele também deve proteção a sua gente. Mas, aqui deve-se fazer uma ressalva, a solidariedade se dá em maior, ou menor escala,conforme o grau de proximidade dos integrantes da parentela com o coronel. Dessa forma, quando as relações de clientela não fossem suficientes para o coronel alcançar seus objetivos a violência era outro instrumento que poderia ser utilizado. A violência foi outro meio utilizado pelos coronéis para alcançar seus desejos, quando não os atingiam por meio legal. Na novela tivemos duas cenas de violência que marcaram bem esta conduta coronelística. Em Cabocla foi discutida a posse da terra, momento em que a violência foi usada como forma de superar a lei. De um lado tinha-se Justino querendo comprar as

11 1389 terras e de outro Feliciano desejando mantê-las. Todavia, nenhum dos dois tinha o apoio legal da questão. Justino ao descobrir que o sitiante era um posseiro, logo falsificou a escritura das terras tomando-as para si e Feliciano não tinha as terras legalizadas como sua propriedade. Com isso, Justino mandou seus capangas derrubarem a cerca que fazia a divisória entre suas terras e as de Feliciano expulsando-o da propriedade. Mas, com o apoio Boanerges e do Dr. Luiz o sitiante conquistou o direito legal sobre seu sítio. Ocorre que algum tempo depois o Sr. Feliciano foi brutalmente atacado, ficando entre a vida e a morte, por ordem de Macário, pois este último estava revoltado com o sucesso de Feliciano. No entanto, o mandante do crime somente viria a ser descoberto no final da novela, pois Feliciano não revelava o nome do mandante, por temer mais violência. Noutro momento da novela, Neco e Tobias ao voltarem de suas andanças políticas sofreram uma tocaia, sendo atingidos por atirador de outra região. Tobias reagiu e matou o agressor, mas ambos ficaram muito feridos. Como Neco tinha grandes chances contra Boanerges nas eleições imediatamente a culpa da cilada recaiu sobre este último, pois com o agressor morto não se tinha a possibilidade de descobrir o mandante. Tanto na questão de Neco quanto na de Feliciano, a violência foi mostrada como forma de superar a lei. No caso de Feliciano Rosa, a força física obrigou-o a abandonar sua casa. E na questão de Neco a tentativa de assassinato quase o retirou da disputa eleitoral. Nos eventos representados, o poder exercido por Justino na questão da terra e pelo mandante da tocaia foi repressivo, pois o poder é o que reprime a natureza, os indivíduos, os instintos, uma classe (MICHEL FOCAULT, 1979:175) e ao reprimir uma classe este poder tem o caráter de relação de força, logo deve ser visto como condicionador de luta. No coronelismo não existia luta de classes, pois de acordo com Lopez (1994), a população ainda não tinha a consciência de classe, logo obedecia aos mandões e por eles era manipulada conforme o tipo de pressão que exerciam. O poder político dos coronéis também podia ser usado como forma de superar a lei visto que possuíam aliados em seções que viessem a beneficiá-los nas contendas em que poder jurídico contratual estivesse instituído. Por outro lado no caso da tocaia viu-se o uso da violência, como forma de vingança e até mesmo de eliminar um inimigo que vinha despertando a possibilidade de revolta da massa. No entanto, a violência, apesar de presente no sistema coronelístico, não era o motor do sistema, e sim a práticas clientelísticas, pois estas permitiam a cultura do favor e a instituição do sentimento de gratidão. Entretanto, esse sistema que parecia coeso e uníssono sofria rupturas, como também foi representado na novela.

12 1390 Ruptura e reorganização das parentelas Como foi visto antes, o que sustentava as parentelas é a relação de fidelidade e solidariedade que mantinham entre si. No entanto, em situações de conflito interno, por sobreposição da vontade de um membro sobre o desejo da parentela coletivamente, vamos ter uma condição de ruptura na mesma. Esta situação de conflito foi abordada na novela, através do rompimento entre Tobias e Boanerges. Tobias que era afilhado e empregado de Boanerges, adentrou a sala de seu padrinho e pediu suas contas 2. O fato foi interpretado pelo coronel como uma grande ofensa, mas a ofensa ficou maior no momento em que o peão, agora desempregado, solicitou emprego na fazenda de Justino inimigo de Boanerges. Além da questão da relação de fidelidade, há uma relação afetiva que tende a familiarização, pois o brasileiro desenvolveu o hábito de mostrar-se hospitaleiro, até mesmo íntimo, familiar, o que ainda seria efeito da origem em nossa sociedade patriarcal (HOLANDA, 1973). Outro fator gerador de conflito foi o casamento. Num primeiro momento houve o casamento reforçando alianças e noutro causando o rompimento da amizade ente os coronéis Macário e Boanerges, pois Dona Emerenciana passou a falar para o marido que a filha tinha o direito de ser feliz com quem amasse. Nisso o coronel Boanerges passou a questionar suas decisões, então rompeu o compromisso de casar sua filha Belinha com o filho do coronel Macário. O fato foi visto como uma profunda ofensa por Macário que rompeu laços de amizade com Boanerges. No momento em que se instalava o conflito interno na parentela, tinha-se grande chance de ruptura, pois os membros dividiam-se em dois grupos. Logo o grupo mais fraco se retirava indo buscar outra região para estabelecer o seu mando, ou ainda, permanecia na zona de origem aliando-se a parentelas rivais da que tinha deixado (QUEIRÓZ, 1987). Assim, tanto a figura de Tobias rompendo com o padrinho e indo pedir emprego em outra fazenda, quanto a posição de Macário frente ao noivado desfeito entre Belinha e Gustavinho evidenciam a ruptura da parentela. Por outro lado, os personagens de Macário e Tobias também representam a reorganização nas parentelas, pois eles abandonam a sua de origem que tem como líder Boanerges e buscam se integrar em outra, na de Justino. Porém é preciso salientar que Macário foi um personagem oscilante entre a aliança com Boanerges ou com Justino, não sendo fiel a nenhum dos dois coronéis, somente aos seus próprios interesses. Da mesma forma, procedeu Tobias em relação ao desagravo como padrinho e acabou, posteriormente se aliando a Neco, filho de Justino e rival político de 2 O peão está inconformado por descobrir que sua noiva Zuca, também afilhada do coronel, rompeu o noivado por estar apaixonada pelo Dr. Luiz, primo do coronel. Tobias não aceita o fato de Boanerges não ter intervido em seu favor, mas não manifesta o motivo de sua indignação ao coronel.

13 1391 Boanerges. Nos capítulos finais da novela desfecho das eleições em Vila da Mata foi favorável a Neco. Porém, o jovem prefeito enfrentou problemas que não imaginava. Neco procurou ao governador, pois queria implantar algumas melhorias na região, mas não obteve sucesso, visto que não foi recebido por ele. Deste modo, foi em busca de auxílio do ex-prefeito, mas ficou sabendo que o governador não atendera nenhum dos dois políticos. Diante dessa perspectiva, ambos perceberam que não podiam contar com o apoio do Estado. Logo, entenderam que seria mais proveitosa sua aliança política ao invés de sua rivalidade, pois esta seria a oportunidade de alcançar um número maior de votantes e lançar um candidato ao pleito estadual, o qual teria maiores chances de trazer benefícios a região. O culpado da tocaia contra Neco e Tobias foi descoberto, era o Coronel Macário; ele foi preso e mandado para uma prisão em Vitória, onde sua influência não interferiria no julgamento. Por fim, Boanerges concedeu a mão de Belinha em casamento a Neco e tempos depois o sogro recebeu o apoio político do genro a sua candidatura a Deputado Estadual, o que veio mais uma vez a mostrar como as parentelas se reorganizava. CONSIDERAÇÕES FINAIS A novela trouxe a representação de um contexto onde os eleitores eram guiados pelos fazendeiros, os mandantes locais, sendo que sua colaboração era obtida através de trocas de favores entre os coronéis e sua clientela. A população muito pobre, comumente convidava o coronel para padrinho dos filhos, fato que desenvolvia uma relação familiar entre muitos eleitores e os coronéis, em primeira instancia pelo compadrio, e numa segunda instância pelo afilhamento. Assim, se criava uma relação de fidelidade entre os habitantes locais e os mandões da região, que viria a intervir no Estado democrático. Observou uma constante relação de apoio mútuo entre as alianças políticas. As elites locais uniam-se em prol de um governante local que se adequasse aos seus interesses da região. Já, a eleição local era direcionada pelos mandantes através da condução do voto por meio de garantias oferecidas ao eleitorado. Dentre essas garantias figuravam o emprego, a possibilidade de ajuda financeira em momentos de dificuldade, ou até mesmo a garantia de investidas de uma parentela oponente. Contudo, o coronelismo realmente se firmou no momento em que os Estados adquiriram maior autonomia e seus governadores deixaram de ser indicados pelo presidente da república, passando a ser eleitos. Deste modo, os governadores passaram a apoiar os mandantes locais e eles em troca ofereciam o seu apoio nos pleitos eleitorais a fim de mantê-los no poder, mediante a fiança do voto

14 1392 do interior. Em troca, os governadores faziam vista grossa aos mandos e desmandos dos governantes locais. Também, ofereciam cargos públicos a pessoa indicada por confiança dos coronéis, que o caracterizava o alastramento das relações clientelísticas. Outra temática levantada na trama foi a negligência com as obrigações do Estado em relação as melhoria s necessárias nas regiões interioranas, fato que gerava o aumento em escala maior da miséria da população, enfatizando o círculo vicioso das relações de dependências dos clientes para com seus devidos coronéis e líderes políticos. Todavia, esta exacerbação da negligência para com o atendimento dos desejos dos coronéis vai lançá-los numa perspectiva maior. Ao invés de seu poderio de mando ficar restrito a zona rural, os coronéis procuraram alcançar uma escala maior, ou seja, os coronéis procuraram exercer poder em escala estadual e até mesmo nacional, mediante candidatura a cargos estaduais e federais. Assim, a encenação do passado, proporcionou-se a reflexão de fatos presentes na conjuntura política atual. Porém esta reflexão depende da apreensão da mensagem alocada em segundo plano na trama, a qual será entendida de forma particular por cada telespectador em função de seu próprio conhecimento e cultura. Espera-se que este estudo venha a contribuir para o ensino de história através da utilização de documentos contemporâneos e para a pesquisa histórica relacionada ao conteúdo das mensagens veiculadas pela mídia televisiva. FONTE: Cabocla. Telenovela. Produção Rede Globo de Televisão. Autoria: Benedito Ruy Barbosa. Adaptação: Edmara Barbosa e Edilene Barbosa, direção: José Luiz Villamarim e Rogério Gomes, Disponível em: REFERENCIAS: BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, BOURDIEU, P. A produção da Crença: contribuição para uma economia dos bens simbólicos. São Paulo: Zouk, BRASIL, Medida provisória 143, lei 8009/90. Disponível em: br/ccivil_03/leis/l8009.htm BRASIL. Decreto lei nº Disponível em leis/ /l7332.htm BURKE, P.; BRIGGS, A. Uma história social da mídia: de Gutenberg à internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2011

15 1393 CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA, Disponivel em br/ccivil_03/constituicao/constituiçao91.htm CONSTITUIÇÃO DE BRASILEIRA, 1988). Disponível em gov.br/ccivil_03/constituicao/constituiçao.htm FAORO, R. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. 4ª Ed. São Paulo: Globo, FÉLIX, L. O. Coronelismo, borgismo cooptação política. Porto Alegre, FOULCAULT, M. Microfísica do poder. 17ª edição. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979 HOLANDA, S.B.. Raizes do Brasil. 7ª edição. Rio de Janeiro: Livraria José Olímpio Editora, 1973 IBGE. Síntese de Indicadores Sociais: Uma Análise das Condições de Vida da População Brasileira Rio de Janeiro, 2010 (disponível em: estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresminimos/sinteseindicsociais2010/ SIS_2010.pdf LOPEZ, L.R. História do Brasil contemporâneo, 7ª edição. Porto Alegre: Mercado Aberto, THOMPSON, J.B. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. 11ª edição. Petrópolis, Rio de Janeiro, Vozes: 2009 TONON, J.B. Recepção de telenovelas: identidade e representação da homossexualidade. Um estudo de caso da novela mulheres apaixonadas. Comunicação e Informação, V.9, n.1, p.30-41, Disponível em:

Categorias Sociológicas

Categorias Sociológicas Categorias Sociológicas Fato Social DURKHEIM, E.; AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO.São Paulo, Abril, Os Pensadores, 1973 p. 389-90. O que é fato social O objeto de estudo da Sociologia é o fato social.

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

O tema da nossa edição deste mês é Ouvindo histórias.

O tema da nossa edição deste mês é Ouvindo histórias. 1 Olá! O tema da nossa edição deste mês é Ouvindo histórias. Este mês, conhecemos histórias muito interessantes que deixaram tantas recordações e aprendizados para nossos alunos! Padrinhos Argumento: EM

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

FINANCIAMENTO PÚBLICO OU PRIVADO PARA AS CAMPANHAS

FINANCIAMENTO PÚBLICO OU PRIVADO PARA AS CAMPANHAS FINANCIAMENTO PÚBLICO OU PRIVADO PARA AS CAMPANHAS ELEITORAIS? ADRIANA CUOCO PORTUGAL 1 (30/01/2012) A interferência do poder econômico nos rumos políticos de um país tem sido uma fonte de constante preocupação

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Rogério Marinho) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Rogério Marinho) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Rogério Marinho) Tipifica o crime de Assédio Ideológico e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei tipifica o crime de Assédio Ideológico

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação

Fundação Escola de Sociologia e Política Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação Fundação Escola de Sociologia e Política Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação Luiza Wainer UMA REFLEXÃO SOBRE A CONDIÇÃO DO HOMEM LIVRE NO ROMANCE FOGO MORTO, DE JOSÉ LINS DO REGO São Paulo/SP

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

AUniversidade terá um papel fundamental PARA MUDAR O BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA MUDAR A EDUCAÇÃO. Eleições 98

AUniversidade terá um papel fundamental PARA MUDAR O BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA MUDAR A EDUCAÇÃO. Eleições 98 Eleições 98 LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA MUDAR A EDUCAÇÃO PARA MUDAR O BRASIL Divulgação AUniversidade terá um papel fundamental na discussão, elaboração e implementação de um novo projeto nacional de desenvolvimento.

Leia mais

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff 31/10/2010 23h56 - Atualizado em 01/11/2010 11h24 Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff Em Brasília, ela fez primeiro discurso após anúncio do resultado da eleição. Ela afirmou

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA Andréa Nunes Ribeiro Marília Felix de Oliveira Lopes RESUMO: Este trabalho científico tem como objetivo analisar os contos de fadas e a conversão do in Magic para o

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Lançamento da Campanha Contra a Poliomielite

Leia mais

Lição 2 Por que Necessitamos de Perdão? Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador. A Bênção pelo Perdão. A Bênção pelo Perdão

Lição 2 Por que Necessitamos de Perdão? Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador. A Bênção pelo Perdão. A Bênção pelo Perdão Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador 1. Você já fugiu de casa? Para onde foi? O que aconteceu? 2. Qual foi a maior festa que sua família já celebrou? Explique. 3. Você é do tipo mais caseiro, ou gosta

Leia mais

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA.

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. NOGUEIRA, Ione da Silva Cunha - UNESP/Araraquara Uma educação conscientizadora e emancipadora, que garanta qualidade de ensino e acesso

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL

INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL 2011 Bruno Fernandes Carla Brasilino Juliano Fávero Mariabile Túlio Email: bruno.fergon@hotmail.com RESUMO O objetivo deste artigo é discutir a questão

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

A longa conquista do voto na história política brasileira

A longa conquista do voto na história política brasileira A longa conquista do voto na história política brasileira Vera Chaia 1 A extensão dos direitos políticos no Brasil nem sempre esteve ligada ao aumento da participação política no processo eleitoral. Esta

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1 29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS Jaqueline Gomes de Jesus* 1 Uma história única cria estereótipos, e o problema com os estereótipos não é que eles sejam mentirosos,

Leia mais

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha Existe um facto para o qual também devemos dar atenção: o agressor poderá estar numa posição de solidão. Poucos serão os agressores que terão a consciência do problema que têm, a agressividade que não

Leia mais

As 10 coisas que todas as campanhas vitoriosas fazem

As 10 coisas que todas as campanhas vitoriosas fazem Eleições 2012 As 10 coisas que todas as campanhas vitoriosas fazem Dicas práticas para prefeito e vereador Conquiste o diploma mais importante da sua vida Faça do blog Campanhas e Mandatos sua vantagem

Leia mais

2º CONCURSO DE REDAÇÃO CAMPANHA: ELEIÇÕES LIMPAS PELO VOTO LIVRE E CONSCIENTE. CATEGORIA I 5ª e 6ª Série do Ensino Fundamental

2º CONCURSO DE REDAÇÃO CAMPANHA: ELEIÇÕES LIMPAS PELO VOTO LIVRE E CONSCIENTE. CATEGORIA I 5ª e 6ª Série do Ensino Fundamental CATEGORIA I 5ª e 6ª Série do Ensino Fundamental Tema: Voto livre e consciente, escolha que liberta 1º LUGAR: IZABEL ALINE DE ARAÚJO MATOS 6ª Série Educandário Madre Paulina Título (facultativo): A importância

Leia mais

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS Perguntas e resposta feitas ao jornalisa Romário Schettino Perguntas dos participantes do 6 Seminário de Direito para Jornalistas

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência (Artigo publicado no livro Violência & Juventude, editora Hucitec, 2010) Este texto pretende apresentar

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU Resumo: Este artigo tem como objetivo apresentar a concepção de homem na obra Do contrato social de Rousseau. O contrato de doação é o reflexo da complacência

Leia mais

Capítulo 19 - RESUMO

Capítulo 19 - RESUMO Capítulo 19 - RESUMO Considerado como sendo um dos principais teóricos da área de marketing, Philip Kotler vem abordando assuntos referentes a esse fenômeno americano chamado marketing social, desde a

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»SOCIOLOGIA«21. Max Weber percebe a sociedade através do conceito de ação social, a qual se materializa através da interação entre os homens em prol de uma dominação social. Que

Leia mais

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História Brasil Império Sétima Série Professora Carina História Confederação do Equador Local: Províncias do Nordeste. Época: 1824. Líderes da revolta: Manuel Paes de Andrade, frei Caneca e Cipriano Barata. Causas:

Leia mais

Você pode contribuir para eleições mais justas

Você pode contribuir para eleições mais justas Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de SP Defesa da democracia, combate à impunidade. Você pode contribuir para eleições mais justas Os cidadãos e as cidadãs podem auxiliar muito na fiscalização

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DO CONTEÚDO NA EDUCAÇÃO FÍSICA: TEMATIZANDO OS ESPORTES RADICAIS NA ESCOLA PÚBLICA

AS TRÊS DIMENSÕES DO CONTEÚDO NA EDUCAÇÃO FÍSICA: TEMATIZANDO OS ESPORTES RADICAIS NA ESCOLA PÚBLICA AS TRÊS DIMENSÕES DO CONTEÚDO NA EDUCAÇÃO FÍSICA: TEMATIZANDO OS ESPORTES RADICAIS NA ESCOLA PÚBLICA Daniel Teixeira Maldonado Maurício Bráulio Daniel Bocchini Prefeitura de São Paulo EMEF 19 de Novembro

Leia mais

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa²

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² 1. 2. Bolsista UEMS, Acadêmica do Curso de Enfermagem da UEMS Professora do Curso de Ciências Biológicas

Leia mais

2 - Quem autoriza o acesso é o CGEN ou o povo detentor do conhecimento tradicional?

2 - Quem autoriza o acesso é o CGEN ou o povo detentor do conhecimento tradicional? Dúvidas e pontos polêmicos levantados na discussão sobre o Anteprojeto de Lei de Acesso ao Material Genético e seus Produtos, de Proteção aos Conhecimentos Tradicionais Associados e de Repartição de Benefícios

Leia mais

a cap te ia 62 Maio / Junho de 2013

a cap te ia 62 Maio / Junho de 2013 iate capa 62 Maio / Junho de 2013 Namorados para sempre Os segredos de casais que se mantêm apaixonados após décadas de relacionamento por joão rodrigues Fotos: FELIPE BARREIRA Junho é o mês para celebrar

Leia mais

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO MANUAL DO JOVEM DEPUTADO Edição 2014-2015 Este manual procura expor, de forma simplificada, as regras do programa Parlamento dos Jovens que estão detalhadas no Regimento. Se tiveres dúvidas ou quiseres

Leia mais

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996.

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. Doe, EOOCAC'~ 1-fJ~ Tõ~-5. - " ~ 9qr;, ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. EDUCAÇÃO PARA TODOS: ATINGINDO O OBJETIVO

Leia mais

Plano de Marketing de IV (Ivo Vieira) como independente para presidente da Junta de freguesia da Lapa

Plano de Marketing de IV (Ivo Vieira) como independente para presidente da Junta de freguesia da Lapa Escola Superior de Gestão de Santarém Marketing I Plano de Marketing de IV (Ivo Vieira) como independente para presidente da Junta de freguesia da Lapa Docente: Dr. Vitor Antunes Discente: Ivo Vieira nº

Leia mais

Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010

Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010 Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010 27 André Fernandes Arruda 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho pretende abordar o tema da aplicação da pena de inelegibilidade nas representações

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA

LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA 1 LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA Maria de Nazaré da Silva Correa Jediã F. Lima Maria do Carmo S. Pacheco Maria do P. Socorro R. de Lima Maria Rita Brasil Raiolanda

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

Como monitorar seus concorrentes e fazer pesquisa de mercado nas redes sociais. Por Gustavo Valvasori

Como monitorar seus concorrentes e fazer pesquisa de mercado nas redes sociais. Por Gustavo Valvasori Como monitorar seus concorrentes e fazer pesquisa de mercado nas redes sociais Por Gustavo Valvasori Índice 1. Introdução 2. Por que monitorar? 3. O que monitorar? 4. Como dialogar 5. Fluxo de comunicação

Leia mais

VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL

VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL ESTUDO VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL Márcio Nuno Rabat Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política, História, Relações Internacionais ESTUDO DEZEMBRO/2007

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

O PT e a lenda do Boto cor de rosa

O PT e a lenda do Boto cor de rosa O PT e a lenda do Boto cor de rosa De: Francisco Uribam Xavier de Holanda O PT e a lenda do Boto cor de rosa. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2013. Por: André Haguette Ph.D. Professor Titular em

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL

INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL FAÇA SUA CAMPANHA PARA PROJETO PODER P - Planejamento O - Organização D - Delegação E - Execução R - Realização Lance sua campanha para Vereador com o Projeto

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

101 PERGUNTAS QUE RESOLVEM QUALQUER PROBLEMA

101 PERGUNTAS QUE RESOLVEM QUALQUER PROBLEMA Tomada de Decisão 101 PERGUNTAS QUE RESOLVEM QUALQUER PROBLEMA Para vencer em seu trabalho pare de procurar respostas e passe a fazer as perguntas certas. Maurício Góis Você quer vencer mais rapidamente

Leia mais

Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você!

Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você! Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você! Este Livro Digital (Ebook) é fruto de uma observação que eu faço no mínimo há dez anos nas Redes Sociais, e até pessoalmente na convivência

Leia mais

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C CONTEÚDOS DO EXAME Líderes religiosos, Motivação e Liderança Convivência com o grupo; Amizade e sentido de grupo Os projetos Solidários; O que é um projeto? Olhares sobre

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL 1891

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL 1891 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL 1891 Nós, os Representantes do Povo Brazileiro, reunidos em Congresso Constituinte, para organizar um regimen livre e democratico, estabelecemos,

Leia mais

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL Lisandra Marisa Príncepe Faculdade Sumaré lisandra.marisa@sumare.edu.br Juliana Diamente Faculdade Sumaré juliana.diamente@sumare.edu.br RESUMO: Neste texto, discutem-se

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

ELEIÇÕES REGIONAIS ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

ELEIÇÕES REGIONAIS ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ELEIÇÕES REGIONAIS 2 0 1 5 ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA O que é uma eleição? Uma eleição é quando votamos para escolher quem nos vai representar e falar em nosso nome.

Leia mais

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE ART. 1, 1 da Constituição Federal de 88: Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição. Voto consciente:

Leia mais

Caros ouvintes vos peço. Atenção uma vez mais. Para fazer uma análise. Creio interessa demais. O tema é muito importante. Me escutem por um instante

Caros ouvintes vos peço. Atenção uma vez mais. Para fazer uma análise. Creio interessa demais. O tema é muito importante. Me escutem por um instante A POLÍTICA E A POLITICAGEM Literatura de cordel Autor: PAULO TARCISO Caros ouvintes vos peço Atenção uma vez mais Para fazer uma análise Creio interessa demais O tema é muito importante Me escutem por

Leia mais

coleção Conversas #11 - agosto 2014 - n a h u e s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #11 - agosto 2014 - n a h u e s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #11 - agosto 2014 - Não quero s o a negra a m e pr s s eu e n ta min Respostas r pais. So perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. h u a n ra a m cis o t r a a?

Leia mais

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão.

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão. Osdireitosdohomemedocidadãonocotidiano (OscarNiemeyer,1990) "Suor, sangue e pobreza marcaram a história desta América Latina tão desarticulada e oprimida. Agora urge reajustá-la num monobloco intocável,

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE SOBRE A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO NAVCV. Cultura Política em Perspectiva

CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE SOBRE A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO NAVCV. Cultura Política em Perspectiva CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE SOBRE A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO NAVCV Cultura Política em Perspectiva Maria Raquel Lino de Freitas Dezembro de 2006 UMA BREVE COLOCAÇÃO DO PROBLEMA Sociedade Civil Estado

Leia mais

Escrita Eficiente sem Plágio

Escrita Eficiente sem Plágio Escrita Eficiente sem Plágio Produza textos originais com qualidade e em tempo recorde Ana Lopes Revisão Rosana Rogeri Segunda Edição 2013 Direitos de cópia O conteúdo deste livro eletrônico tem direitos

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais

AMAJUM. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores.

AMAJUM. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. Produção: Ação conjunta: Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso Parceiro:

Leia mais

3º trimestre de 2014 Literatura

3º trimestre de 2014 Literatura LEITURAS INDICADAS 3º trimestre de 2014 Literatura 1ª Leitura: TOMÁS, Antônio Gonzaga. Cartas Chilenas. Sinopse: O livro Cartas Chilenas (1788-1789), de autoria do inconfidente Tomás Antônio Gonzaga, é

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL...

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL... Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 CAPÍTULO 1 DIREITO ELEITORAL... 21 1.1. Conceito...21 1.1.1. Competência legislativa em

Leia mais

PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA

PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA PROPOSTA DE AÇÃO Sensibilizar os professores sobre a importância de incentivar seus alunos a participarem do Concurso

Leia mais

Teatro O Santo e a Porca ( 1957)

Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Modernismo Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Biografia Ariano Suassuna (1927-2014) foi um escritor brasileiro. "O Auto da Compadecida", sua obra prima, foi adaptada para a televisão e para o cinema. Sua

Leia mais

Campo de guerra espiritual Parte 01

Campo de guerra espiritual Parte 01 Campo de guerra espiritual Parte 01 TEXTO BÁSICO: Efésios 6.10-18 INTRODUÇÃO Vida cristã não é colônia de férias, mas campo de batalha. Quem não é um guerreiro é uma vítima. Nesta luta ninguém pode ficar

Leia mais

O relacionamento amoroso em «ARRET»

O relacionamento amoroso em «ARRET» O relacionamento amoroso em «ARRET» ARRET - O Diário da Viagem (2009) de J. A. Dal Col J. A. Dal Col ganhou motivação e inspiração para escrever a sua visão utópica do mundo (ARRET nome do nosso planeta

Leia mais

PROJETOS CULTURAIS ELEIÇÕES. 5 0 a O - fu dame tal. Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa

PROJETOS CULTURAIS ELEIÇÕES. 5 0 a O - fu dame tal. Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa ELEIÇÕES ELEIÇÕES 5 0 a O - fu dame tal Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa PROJETOS CULTURAIS Estamos em época de eleições, em tempo de discutir ideias para fazer a melhor

Leia mais

Psicologia e Políticas Públicas Ana Mercês Bahia Bock BH/ CRP04 28/05/2011

Psicologia e Políticas Públicas Ana Mercês Bahia Bock BH/ CRP04 28/05/2011 Psicologia e Políticas Públicas Ana Mercês Bahia Bock BH/ CRP04 28/05/2011 Temos encontrado com freqüência a Psicologia relacionada ao termo das Políticas Públicas. Isto é bastante positivo. Mas estes

Leia mais

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher.

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Vamos juntos trabalhar em prol da vida! BRASIL É CAMPEÃO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NUM RANKING DE 54 PAÍSES fonte: Sociedade Mundial de Vitimologia,

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Três anos depois, lei Maria da Penha diversifica perfil de mulheres que procuram ajuda contra violência doméstica. Quais são os resultados trazidos pela lei Maria da Penha?

Leia mais

Lição 1 Como Amar os Inimigos

Lição 1 Como Amar os Inimigos Lição 1 Como Amar os Inimigos A. Como seus pais resolviam as brigas entres você e seus irmãos? B. Em sua opinião qual a diferença entre amar o inimigo e ser amigo do inimigo? PROPÓSITO: Aprender como e

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

Análise do Conteúdo e a Análise Documental

Análise do Conteúdo e a Análise Documental Análise do Conteúdo e a Análise Documental P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Conceito

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Competência pedagógica do professor universitário Copyright 2003, 2012 by Marcos Tarciso Masetto Direitos desta edição reservados

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE FINANCIAMENTO DE PARTIDOS E DE CAMPANHAS ELEITORAIS NO BRASIL, EM PERSPECTIVA HISTÓRICA

LEGISLAÇÃO SOBRE FINANCIAMENTO DE PARTIDOS E DE CAMPANHAS ELEITORAIS NO BRASIL, EM PERSPECTIVA HISTÓRICA LEGISLAÇÃO SOBRE FINANCIAMENTO DE PARTIDOS E DE CAMPANHAS ELEITORAIS NO BRASIL, EM PERSPECTIVA HISTÓRICA Ana Luiza Backes Consultora Legislativa da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política História,

Leia mais

TECNOLOGIAS, EDUCAÇÃO E A CRITICIDADE DIANTE DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS, EDUCAÇÃO E A CRITICIDADE DIANTE DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Tecnologia, Educação e Inclusão TECNOLOGIAS, EDUCAÇÃO E A CRITICIDADE DIANTE DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Ângela Maria Oliveira da Cruz Silva Antonilma S. de Almeida Castro (orientadora, Mestre em Educação

Leia mais

REPÚBLICA VELHA (1889 1930) Disciplina: História. Professora: Daianne. Série: 9º ano.

REPÚBLICA VELHA (1889 1930) Disciplina: História. Professora: Daianne. Série: 9º ano. REPÚBLICA VELHA (1889 1930) Disciplina: História. Professora: Daianne. Série: 9º ano. PROJETOS DE REPÚBLICA MILITARES Relutava em convocar eleições para a Assembleia Constituinte; Queria um governo forte,

Leia mais

Por que defender o Sistema Único de Saúde?

Por que defender o Sistema Único de Saúde? Por que defender o Sistema Único de Saúde? Diferenças entre Direito Universal e Cobertura Universal de Saúde Cebes 1 Direito universal à saúde diz respeito à possibilidade de todos os brasileiros homens

Leia mais

Discurso feito no Grande Expediente da Câmara dos Deputados no dia 28 de outubro

Discurso feito no Grande Expediente da Câmara dos Deputados no dia 28 de outubro Discurso feito no Grande Expediente da Câmara dos Deputados no dia 28 de outubro Venho a essa tribuna para discutir o tema da violência e a sua associação com o comercio ilegal das drogas, duas questões

Leia mais

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO Vanessa Petró* 1 Introdução O presente artigo tem o intuito de desenvolver algumas idéias acerca de comportamentos desviantes

Leia mais

ser difundida para a população: ainda há esperança. Somos capazes de alterar o destino das gerações futuras, dar-lhes um futuro melhor.

ser difundida para a população: ainda há esperança. Somos capazes de alterar o destino das gerações futuras, dar-lhes um futuro melhor. Um futuro melhor Várias vezes me questiono se algum dia serei capaz de me sentir completamente realizada, principalmente quando me encontro entregue somente aos meus pensamentos mais profundos. E posso

Leia mais