Avenida Brasil na boca do povo: A culinária e suas reinvenções no modo de fazer.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avenida Brasil na boca do povo: A culinária e suas reinvenções no modo de fazer."

Transcrição

1 Avenida Brasil na boca do povo: A culinária e suas reinvenções no modo de fazer. Maria Luisa Jimenez Jimenez 1 Juliana Abonizio 2 Resumo Esta comunicação tem dois objetivos: desvendar as representações de classe social ascendente no país relacionadas com o consumo alimentar na narrativa da novela Avenida Brasil e compreender a apropriação do gosto de classe pelo público através do apoderamento das receitas culinárias. Para tanto, analisamos algumas cenas que foram apresentadas as comidas e observamos como o público se manifestou através dos comentários sobre as receitas. A culinária que foi apresentada pela ficção, de alguma maneira, acaba se tornando a protagonista do enredo, recebendo um destaque que antes quase não se percebia nas dramaturgias brasileiras coincidindo com a tendência de valorização da gastronomia e seus artistas, como se pode ver pela quantidade grande e crescente de programas culinários que não mais se dirigem às solitárias donas de casa no meio da tarde. Apesar do caráter normativo cumprido pela telenovela no que se refere ao universo alimentar, verificamos uma adaptação e criação nos métodos e nas maneiras de fazer das comidas apresentadas pela rede televisiva pelas telespectadoras. O universo feminino tem um papel fundamental neste consumo, pois na maioria das vezes são elas que decidem o que vai para a mesa da família e que buscam receitas pela internet. O que nos foi revelado nessas análises é um potencial criativo do público ao qual o enredo foi dirigido e aprovado. Palavras Chaves: Consumo Alimentar, novela, criatividade, mulheres. RESUMEN Esta comunicación tiene dos objetivos: desvelar las representaciones de clase social ascendente en el país relacionadas con el consumo alimentar en la narrativa de la novela Avenida Brasil y comprender la apropiación del gusto de clase por el público a través del apoderamiento de las recetas culinarias. Para eso, analizáremos algunas escenas que fueron presentadas las comidas y observaremos como el público se ha manifestado a través de los comentarios sobre las recetas. La culinaria que fue presentada por la ficción, de alguna manera, acaba volviéndose la protagonista del enredo, recibiendo un destaque que antes casi no se percibía en las dramaturgias brasileñas y que se ha coincidido con la tendencia de valorización de la gastronomía y sus artistas, como se puede ver por la grande cantidad y por el crecimiento de programas culinarios que no mas se dirigen a las solitarias dueñas de casa por la tarde. A pesar del carácter normativo cumplido por la telenovela en lo que se refiere al universo alimentar, verificamos una adaptación y creación en los métodos y en las maneras de hacer de las comidas presentadas por la red televisiva por las telespectadoras. El universo femenino tiene un papel fundamental en este consumo, pues en la mayoría de las veces son ellas que deciden lo que va para la mesa de la familia y que buscan recetas por la internet. Lo que nos fue revelado en esos análisis es un potencial creativo del público al cual el enredo fue dirigido y aprobado. Palabras Claves: Consumo alimentar, novela, creatividad, mujeres. Introdução 1 Graduada em Filosofia pela UNESP, Mestranda do PPG em Estudos de Cultura Contemporânea- ECCO- Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT. 2 Pós-doutorada em Sociologia. Docente do PPG em Estudos de Cultura Contemporânea da Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT. Pesquisadora do Núcleo de Estudos de Cultura Popular, do Núcleo de Estudos do Contemporâneo e da Rede Centro-Oeste de Ensino e Pesquisa em Arte, Cultura e Tecnologias Contemporâneas, Rede CO3. 1

2 Visando compreender a recepção das telespectadoras da Novela Avenida Brasil na representação de seus produtos, a partir de um marketing televisivo no horário nobre da rede Globo no ano de 2011, principalmente ao que se refere às apresentações das comidas. Através da aquisição de determinados produtos, indivíduos se sentem incluídos ou não a um grupo social, podemos dizer, portanto que o consumo adquire um papel central na categorização de um grupo. (DOUGLAS, 2013; MILLER, 2002; BARBOSA, 2006; CANCLINI, 2010). A partir de estudos atuais sobre o consumo, adotamos a perspectiva que vê o consumidor, apesar de submetido às manipulações da mídia e da publicidade, como um ser criativo e reflexivo. Pelo contrário, para vincular o consumo com a cidadania, e vice-versa, é preciso desconstruir as concepções que julgam os comportamentos dos consumidores predominantemente irracionais e as que somente vêem os cidadãos atuando em função da racionalidade dos princípios ideológicos. (CANCLINI, 2010, p. 45). A televisão sempre nos foi apresentada como um grande mal, que nos faz comprar e dizer coisas que nem sabemos o que significa, claro são mediadores culturais, agora, até que ponto nos deixam alienados é que talvez seja a questão. Já que, cidadão não tem a ver apenas com os direitos reconhecidos pelos aparelhos estatais para os que nasceram em um território, mas também com as práticas sociais e culturais que dão sentido de pertencimento. (CANCLINI, 2010, p. 46). A análise sobre a novela no nosso país é importante, considerando sua grande audiência e tradição na teledramaturgia brasileira, a qual também se investe grande publicidade. Desiludidos com as burocracias estatais, partidárias e sindicais, o público recorre à rádio e à televisão para conseguir o que as instituições cidadãs não proporcionam: serviços, justiça, reparações ou simples atenção. Não é possível afirmar que os meios de comunicação de massa com ligação direta via telefone, ou que recebem os espectadores em seus estúdios, sejam mais eficazes que os órgãos públicos, mas fascinam porque escutam e as pessoas sentem que não é preciso se ater a adiamentos, prazos, procedimentos formais que adiam ou transferem as necessidades (...) A cena de televisão é rápida e parece transparente; a cena institucional é lenta e suas formas (precisamente as formas que tornam possível a existência de instituições) são complicadas até a opacidade que gera o desespero. (CANCLINI, 2010, p. 50). Muitas novelas tornam-se célebres, comentadas e lembradas até por quem não acompanhou ou não gosta de novela, e nossa trama como proposta de analise, Avenida Brasil, é uma dessas que o Brasil parou, lembra e reconhece. Não apenas por terem registrado recordes de audiência, mas por terem sido aguardados pela audiência, por terem se tornado o assunto preferido nos mais diversos círculos de conversação, por terem invadido o espaço coletivo para além das fronteiras do midiático e da ficção. Um evento televisivo ordinário consegue reunir em torno de si um número até então inimaginável de consumidores-cidadãos. (BRANDÃO, 2007, p. 100). 2

3 Já que é de grande importância entender o que os alimentos consumidos comunicam, propomos uma análise da novela e suas representações nas práticas alimentares, nosso objetivo passa, portanto, em desvendar através da alimentação, como vai sendo apresentado à busca por mudanças nas práticas alimentares familiares, caminhando paralelamente a ascensão da classe média, com um maior acesso ao consumo. Outro ponto importante em nossas análises foi perceber o que se foi feito com as comidas apresentadas na novela, e quais foram seus desdobramentos, até porque entendemos que as práticas e maneiras de fazer o cotidiano, não são tão passivas quanto parece. As pessoas são criativas, não são alienadas, nesse sentido, o saber popular é valorizado. (CERTEAU, 1998, p ). Nossa proposta é perceber o consumidor como criador, o que o indivíduo faz com o que consome, já que são poucos trabalhos que apresentam o uso do que o consumidor faz. (CERTEAU, 1998, P. 39). A novela além de representar conflito de classe, também pode ser analisada para entender as apresentações das comidas, como um posicionamento simbólico do que consumir, exatamente num momento, no qual a classe média em ascensão no país buscava conhecer para comprar para pertencer. A CHEF instruiu os telespectadores como se portar, mas principalmente, o que comer. Fica claro de um lado o marketing da rede televisiva para suprir as respostas de um grupo importante no consumo do país, mas também se pode notar o grupo, querendo ser representado e homenageado na televisão. A presença e a circulação de uma representação (ensinada com o código da promoção sócio-econômica por pregadores, por educadores ou por vulgarizadores) não indicam de modo algum o que ela é para seus usuários. É ainda necessário analisar a sua manipulação pelos praticantes que não a fabricam. Só então é que se pode apreciar a diferença ou a semelhança entre a produção da imagem e a produção secundária que se esconde nos processos de sua utilização. (CERTEAU, 1998, p. 40). No decorrer das análises das cenas da novela, fomos percebendo que além da comida que era apresentada para ser consumida, também se ensinava maneiras de se portar, leituras que se deveriam fazer, marcas de roupas, supermercados, e outras representações, como um modelo que deveriam conhecer para pertencer a essa nova classe, porém o que se viu como conseqüência na mídia, na rede e na busca pela compra, é que nem tudo aquilo que se apresentou como mercadoria/produto, teve uma repercussão de consumo imediata sem nenhuma interferência do sujeito, como foi o caso da alimentação. Vem ao encontro à proposta de nossos estudos, o que propõe Canclini (2010, p. 21), quando nos alerta que os estudos de consumo devem ser analisados não como simples cenário de gastos inúteis e impulsos irracionais, mas como espaço que serve para pensar, onde se organiza grande parte da racionalidade econômica, sociopolítica e psicológica nas sociedades. 3

4 O roteiro dessa análise passará por alguns pensamentos para contextualizar nossos estudos, como que classe social é essa que ascendeu e como, o que e porque a comida comunica, o que a Novela Avenida Brasil apresentou e representou para a população e para quem escreveu sobre ela, a culinária presente em suas cenas e suas repercussões no dia a dia das famílias brasileiras, e sobre a nova maneira de entender o consumo, e o consumidor como criador, para finalizar apresentaremos a reapropriação das receitas apresentadas pela novela. A nova classe média brasileira O termo classe social está muito distante a designação a um nível de renda e consumo, para nós vai muito mais além do que a posse e poder de consumo ou acesso ao crédito. Todavia, não se pode negar que o uso da terminologia nova classe social e a afirmação da existência dela, se afirmam e se reproduz a todo instante sem muitos questionamentos em nosso país, e também o que se mostra fora dele. Essa categoria aceita e reafirmada pela sociedade brasileira e internacionalmente por quem lê ou escuta falar dela, deixa claro que existe um grupo grande de pessoas no qual existe uma diferença percebida no modo de vida, já que após a política econômica adotada nos anos 1990, se percebeu famílias adquirindo bens que antes só eram acessíveis a grupos com maior poder aquisitivo. Pois então, pertencer a uma classe social esta muito além da posse de determinados bens de consumo, mas isso não quer dizer que, o que um grupo ou pessoa consome pode dizer muito sobre eles. (BARBOSA, 2006; CANCLINI, 2010). Seguindo este pensamento, caberia analisarmos, não as classificações de classe em termos de rendimentos ou posses, mas também seus valores imateriais. Na novela, independentemente do custo das comidas servidas, é a construção social do gosto que se manifesta. Segundo Yaccoub (2011, p.206) a classe é apresentada por trabalhadores que lutam para adquirirem mais dinheiro, bens e serviços, com o objetivo de se assentarem numa classe com mais privilégios econômicos que a que ele se encontrava anteriormente. Sendo assim, o consumo adquire um papel central na categorização deste grupo, ou seja, na busca pelo objetivo de subir de classe. O exame das relações entre os seres humanos e os objetos permite acessar inúmeras características e peculiaridades individuais e culturais, constituindo um retrato das pessoas e dos grupos sociais. (APPADURAI, 2008). Portanto, é por meio do consumo que conquistam status, valor simbólico, prestígio e aceitação tão desejados. Neste contexto, como já nos foi apontado por Assunção (2008) a mulher assume a função de buscar conforto e bem estar para sua família, comprar o 4

5 que possa trazer esta sensação de segurança, para proporcionar conforto, está relação esta intrinsecamente ligada à compra de alimentos, e tudo que possa trazer sensação de conforto e aconchego para sua família. Alguns estudos apontam que essa nova classe social começou a ser citada nas mídias, depois da pesquisa nova classe média, realizada pelo Centro de Políticas Sociais (CPS) da Fundação Getúlio Vargas (FGV) coordenada pelo economista Marcelo Neri (2008). Com esta publicação, aconteceu o surgimento e a atenção de muitos setores econômicos no que se refere à população mais pobre no país e suas relações com o consumo. (YACCOUB, 2011). A pesquisa focou a chamada classe C e através de uma pesquisa quantitativa demonstrou que aumentou o poder aquisitivo de certo grupo, elevando então sua posição na hierarquia socioeconômica. Assim que, este grupo deixou de ser denominado como pobre, classes D e, passou a pertencer nova classe media. (NERI, 2008). Nosso objetivo neste momento é entender que se existe um grupo sendo chamado por classe média ascendente, e qual é a relação existente desta, com o consumo de alimentos e comidas? Para tentar responder esta pergunta, faremos uma leitura, através de uma análise sobre a novela Avenida Brasil, que parece apresentar essa relação: o que a nova classe social deve comer e o que ela faz com tais ensinamentos. Na pesquisa da FGV, a nova classe média, está compreendida abaixo da A e B e acima da D e E. Também houve a preocupação de quantificar a rendadas classesper capita de cada domicílio. Assim que, a nova classe C foi apontada como uma renda entre R$1.064,00 e R$4.561,00, estando localizada acima dos 50% mais pobres e abaixo dos 10% mais ricos do país. Ou seja, estamos falando de 52,67% da população brasileira, chegando a 98 milhões de pessoas. (NERI, 2008, p.4-5). Por este motivo, a pesquisa conclui que a nova classe média C, é a imagem mais próxima da sociedade brasileira. (NERI, 2008, p.5). Para tanto, se faz necessário entender que existe uma grande importância no que se refere ao consumo alimentar de um grupo, para que se possa perceber cultura, e, então o que essa cultura comunica. (BARBOSA, 2007). Já que, estudar consumo significa, em certo sentido, privilegiar a cultura, o simbólico, experimentando a relatividade dos valores e a instabilidade nela implícita. (DOUGLAS, 2013, p.13). A importância da comida para perceber a cultura De um modo geral, para as ciências humanas, a cultura pode ser entendida como um sistema simbólico, um conjunto de mecanismos de receitas, regras, planos, controles que conduzem o comportamento humano. (GEERTZ, 1979). 5

6 Douglas (1976) nos alerta que a cultura define a vida por sistemas simbólicos, e que as regras que constituem este sistema são em sua formulação, arbitrárias e possuem uma nítida intenção de disciplinar o comportamento humano. A partir dessas delimitações, podemos analisar nossos hábitos alimentares como parte de um sistema simbólico cultural, no qual existem significados, classificações, associações, ou seja, o alimento, a comida não está fora dos sistemas simbólicos que a sociedade lhes atribui. Assim sendo, esses sistemas acabam por determinar aquilo que bebemos e comemos o que é comestível e o que não é. (BRAGA, 2004). Deste modo, os significados, associações, símbolos, comportamentos, que estão envolvidos junto à alimentação devem ser analisados como um sistema de comunicação, no que se refere a entender através de uma análise, o que os alimentos consumidos por tal sociedade nos comunicam. (DOUGLAS, 1976). Assim, é possível argumentar que a cultura alimentar é constituída por hábitos alimentares, levando em consideração que Certeau, Giardi e Mayol (1997) apontaram que os hábitos alimentares constituem um domínio em que a tradição e a inovação têm a mesma importância, em que o presente e o passado se entrelaçam satisfazendo as necessidades do momento. Ou seja, a cultura alimentar não diz respeito apenas àquilo que tem raízes históricas, mas, principalmente, aos nossos hábitos cotidianos, que são compostos pelo que é tradicional e pelo que se constitui com novos hábitos. (BRAGA, 2004, p. 5). Pois então, as práticas alimentares revelam a cultura em que cada um está inserido, já que comidas estão associadas a grupos em particular. (MINTZ, 2001, p. 36). Toda substância nutritiva é alimento, mas nem todo alimento é comida. (DA MATTA, 1986, p. 20). Esta afirmação nos é importante, porque aponta o aspecto cultural da alimentação, deixando claro que é aquilo que transforma o alimento em comida. Já que, através da diferença estabelecida pelo autor de alimento e comida, fica possível perceber nosso ponto de vista sobre a relação da cultura na alimentação. O que comemos, onde, com quem, por que, e toda relação que possa existir neste ato, acaba sendo determinado culturalmente, alterando o alimento em comida. Comida de casamento, comida de aniversário, comida de criança, de final de semana, (ASSUNÇÂO, 2008) e porque não, comida de novela. Sobre essa dimensão simbólica, Bourdieu (1989) apontou para que as pessoas e os estratos sociais se diferem pela maneira como usam os bens materiais e simbólicos de uma sociedade de acordo com o acesso a esses bens, dando sentido ao mundo social. Os bens são investidos de valores socialmente utilizados para expressar categorias e princípios, cultivar ideias, fixar e sustentar estilos de vida, enfrentar mudanças ou criar permanências. (DOUGLAS, 2013, p.8). 6

7 Da relação patroa e empregada como pano de fundo, iremos analisar como foi apresentado o que se come, como referência e ensinamento da moda, ou seja, aquilo que se deve comer quando se pertence a uma classe social com alto poder aquisitivo, e obviamente aceito pelas telespectadoras. Novela Avenida Brasil: Gastronomia como protagonista Numa pesquisa realizada na web sobre a novela encontramos inúmeros artigos, ensaios, propagandas e aportações de que a alta gastronomia está cada vez mais na mira da nova classe média, e que, portanto acaba levando chefes de cozinha para a ficção no horário nobre da rede globo de televisão. É o que afirma Kike Martins da Costa, na página de receitas para o IG São Paulo, ela explica que se nos anos 70 o tema comida em novelas era exclusividade das empregadas domésticas, e cita como exemplo o caso da retirante Gabriela, de Gabriela, Cravo e Canela, na década seguinte essa representação começa a mudar. A repórter aponta a novela Vale Tudo, e a personagem Raquel Acioly, vivida por Regina Duarte, mudando a relação antiga de comida e camada popular na sociedade, para com esta personagem, apresentar a abertura de um bufê Paladar e transformar uma atividade caseira em um negócio profissional e rentável. Parece, portanto que a partir daí a relação da comida, e de fazer comida começa a mudar sua representação nas novelas, com a forma de relacionar as pessoas com esta ação social. (COSTA, 2012). Já na atualidade, os chefes de cozinha aparecem nas tramas com formação superior e grande bagagem cultural, observando, por exemplo, a personagem Nina de Avenida Brasil, que aconselha a leitura de autores como Kafka e Flaubert para seu patrão, por exemplo. Gilberto Braga, o autor da novela, afirma que isso é um reflexo da realidade. (COSTA, 2012). Efetivamente, a gastronomia parece estar presente no dia a dia das pessoas, e como conseqüência, nunca se falou e se viu tanto a figura do chefe, basta ligar a televisão que veremos cozinheiros apresentando programas, fazendo comerciais e desfrutando de status de celebridade, nada mais natural que eles apareçam com muito mais freqüência nas novelas. (COSTA, 2012). Para Antonio Prata, o roteirista da novela, os autores criam os personagens tentando levar para o público os novos interesses da audiência, que a cada dia amplia seu poder aquisitivo e sofistica seu paladar. Nessa novela das nove, a idéia é que a classe média se veja retratada. E os gostos e hábitos da classe C emergente sejam mais parecidos com o da classe alta. (COSTA, 2012). Fernando Oliveira, colunista do IG, aponta que esse crescimento também pode ser atribuído ao fato de que é na cozinha que se especula a vida dos personagens centrais. Nesse ambiente, as protagonistas investigam e armam maneiras de desmascarar os vilões e conquistar seus amados. E a presença dos chefs nas tramas também tem caráter educativo. Com o aumento do interesse pela gastronomia, esses personagens são uma 7

8 excelente maneira de introduzir na cultura popular receitas finas como a sopa vichyssoise, o risoto de brie com pera, o steaktartar, o bacalhau com natas, os profiteroles. Esse tipo de prato, antes considerado de rico, está mais acessível. Hoje, todo mundo sabe do que se trata. (COSTA, 2012). Está ai portanto, os intermediários culturais, na formação dos hábitos e gostos alimentares dessa nova classe brasileira, que procura se identificar e assegurar seu pertencimento no grupo. Campeã de audiência e verdadeiro fenômeno nas ruas e nas redes sociais, a novela "Avenida Brasil" sai do ar nesta sexta-feira, mas com certeza deve entrar para a história do gênero como a primeira produção da teledramaturgia tupiniquim a centrar sua trama na chamada nova classe média brasileira. Barulhentos, sem modos, mas trabalhadores alegres e solidários: assim são as personagens de "Avenida Brasil", espelho dos milhões de brasileiros que saíram da pobreza e que claramente aprovaram sua caracterização nesta obra de ficção que leva diariamente 38 milhões de pessoas para a frente da tv. (PRESSE, 2012). Neste artigo, a classe média é representada como novo reflexo do país, Foi uma grande ideia centrar a novela na classe média emergente. É o reflexo do novo Brasil, das famílias que ascenderam, conseguiram dinheiro, mas que não necessariamente têm boa educação, explicou à AFP o sociólogo Geraldo Tadeu, do Instituto Universitário de Pesquisas do Rio (Iuperj). (PRESSE, 2012). Carneiro (2012) resume o enredo contando que a novela mostra um estilo de vida num bairro de subúrbio fictício, o Divino e seus moradores são personagens que representam um marco de ascensão da classe média. Para muitos especialistas, o sucesso da novela se deve ao fato de retratar a classe média brasileira e refletir mudanças na sociedade, não mais retratando os protagonistas em bairros ricos que geralmente estão no centro do enredo. A novela reflete uma classe C que quer se ver. É diferente do novo rico do passado, que queria parecer quem não era e tinha vergonha de falar de onde vinha, diz Renato Meirelles, sócio diretor do instituto de pesquisa Data Popular, especializado na nova classe média.agora não. O Tufão (personagem de Murilo Benício) tem orgulho de falar de sua história e de sua origem. Ele ficou rico, mas não saiu de seu bairro. A trama centrada no subúrbio destoa de uma tradição na teledramaturgia de protagonistas ricos e donos de um padrão de vida "inalcançável. (CARNEIRO, 2012). Ainda, Carneiro (2012) aponta que Meirelles conta que os hábitos da classe média foram pesquisados para compor os personagens, do jeito de falar e se vestir aos valores e aspirações. Assim que, podemos dizer que a novela é uma estratégia para entender e se aproximar mais da classe média, um segmento que abrange mais da metade da sociedade, já que, essa camada é a maior audiência desse horário nessa rede de TV, também é a maioria do mercado consumidor que é para quem os anunciantes querem vender seus produtos. De acordo com o Data Popular, a nova classe média tem hoje metade dos cartões de crédito brasileiros e movimentou, no ano passado, R$ 1 trilhão. (CARNEIRO, 2012). E a gastronomia acabou sendo considerada a protagonista da novela, devido aos desdobramentos na mídia, na internet sobre as receitas apresentadas na mansão do Tufão na novela. 8

9 Avenida Brasil, literalmente na Boca do povo Inúmeros são os blogs, páginas, programas que apresentam até hoje a gastronomia apresentada pela personagem Nina na novela Avenida Brasil. As cenas das refeições, que não são poucas, na maioria das vezes, aparecem com a cozinheira dialogando com a família, apresentando os pratos, e diferentemente do que se via anteriormente, estas cenas estão envoltas a conversas em volume alto, com interrupções contínuas entre os personagens e discussões acaloradas, mas sempre admirados com a nova culinária da CHEF em questão. Na verdade, a personagem Nina foi uma espécie de formadora dos bons modos para a família Tufão na novela e conseqüentemente para quem assistia. Ela ensinou como se comportar e ter boas maneiras, refinou o paladar de cada um, comentou trechos de livros, histórias de seus pratos, e conquistou a todos com suas receitas. Em quase todos os capítulos, aparece uma cena na mesa da família na mansão. Um exemplo da inclusão de receitas refinadas são os ovos Benedict, os preferidos do café da manhã de Carminha e de toda a família. Nina introduz esse prato com toda pompa necessária para uma família que agora tem poder aquisitivo, contando como surgiu como é feito e até mencionando que famílias com classe se alimentam desse prato pela manha; em vários capítulos eles aparecem, os ovos Benedict, a ideia que se faz é que, os ovos Benedict não pode deixar de existir num café da manha chique. Muitas das receitas são pratos com nomes requintados, como a entrada Vichyssoise, uma sopa tradicional francesa, que Nina apresenta para a família, contando que a receita foi inventada em New York por um chefe francês. Tem também uma cena em que o prato Fricasse de vitela, que é aplaudido pela família em sua apresentação, composto de carne com cogumelos, como algo surpreendente, chique e muito saboroso. Existem também na novela, cenas que receitas mais conhecidas pela população são apresentadas, porém com um toque de sofisticação dada pela CHEF, como as batatinhas no alecrim. (GSHOW, 2012). A CHEF de cozinha usa seus dotes culinários para se aproximar de todos e então ser aceita na família e cumprir sua vingança, deixando cada um da família encantados com seus pratos, dicas e modo ser, mesmo que depois ela se apegue a alguns personagens, a tática da comida dá certo e Carminha sua gran rival, vai ficando com ciúmes de tanta atenção recebida pela cozinheira. A protagonista apresenta seus dotes como pessoa estudada e requintada, e o ex jogador acaba se apaixonando por ela, em uma das 9

10 cenas do encantamento dele por ela, Tufão se aproxima, quando ela preparava um delicioso bolinho, as Madeleines. Sendo assim, a personagem usa de seus dotes culinários para executar sua vingança e acaba fazendo o papel de interlocutora para a família do subúrbio, porém rica, do que é bom, saboroso e chique. Ao contrário do que se pensa, acontece uma inversão dos papeis simbólicos nesta novela, entre as duas mulheres. Apesar de ser uma trabalhadora doméstica, é uma moça refinada, se comporta de modo elegante, é culta e como já dissemos, prepara pratos requintados. Com frequência os patrões se referem a estes pratos como comida de grã-fino, gororoba chique, e outro termos pejorativos, mostrando assim que, mesmo que tenham muito dinheiro, e se considerem ricos, seus comportamentos não correspondem ao esperado pela sociedade de pessoas que pertencem a uma classe social alta.(cruz, 2013). Já Nina pelo contrário, dá dicas de leitura para o patrão, indica lojas em que possam comprar roupas e as comparações com a esposa acabam que se tornando inevitáveis. Carminha é apresentada como cafona, não sabe se portar, nem se vestir. (GSHOW, 2012). Diferente, portanto da maioria das novelas apresentadas pela mesma emissora, aqui são os patrões os novos ricos que representam a classe média. O que então ocorre é uma inversão dos valores simbólicos esperados, percebidos já nos primeiros episódios. E é a partir dessa trama, conflito, de patroa e empregada que se apresenta a novela, e a gastronomia apresentada pela CHEF acaba tornando-se uma protagonista, no que se refere a repercussão na mídia e na internet, sendo assim, fomos buscar o que as consumidoras estavam fazendo com as receitas apresentadas principalmente na internet. Na verdade o que queremos apontar é como nos apresentou Certeau (1998) sobre a antidisciplina dos consumidores, já que as praticas e maneiras de fazer o cotidiano, não são tão passivas quanto se parece, as pessoas são criativas e não alienadas, nosso objetivo é entender o consumidor como criador. A culinária e suas reinvenções no modo de fazer A presença das telenovelas nos lares brasileiros, se tornou um produto mediático que tem uma participação ativa na construção da nossa realidade social. Sendo assim, neste caso, se pode perceber uma preocupação em deixar claro uma distinção hierárquica entre classes sociais, criando uma imagem de um país em que as diferenças sociais convivem harmonicamente. O reconhecimento da teledramaturgia como repertório compartilhado permite aos telespectadores se apropriarem das histórias e personagens como vitrines que exibem padrões diferentes de comportamento. (HAMBURGER, 2005, p. 144). 10

11 O poder aquisitivo é o que definirá o consumo alimentar e, portanto é um meio para defender um novo posicionamento de classe social. Para tanto, e exatamente num momento onde esta nova classe busca se adequar, pertencer, estar e fazer parte desta camada, é através do conflito entre a doméstica e a patroa, a cozinheira delineada como a boazinha instrui aos telespectadores como se devem portar, e principalmente, o que devem comer para pertencer nesse grupo. O que podemos concluir com esta análise é que existia naquele momento em que a novela Avenida Brasil foi ao ar nas casas dos brasileiros, uma necessidade de um grupo social emergente em saber, ou melhor responder a algumas perguntas que emergiam juntamente com a ascensão social existente na sociedade: Como se comportar? Como se apresentar? Como sentar a mesa? O que colocar na mesa? O que comer? O que ler? Como falar? Estas perguntas foram sendo respondidas aos poucos na novela em torno a um ambiente familiar, no qual a maioria das mulheres se sentiam identificadas, pertencentes a um território conhecido a muito tempo, como estar intimamente ligado ao universo feminino, a cozinha e a mesa de refeições. Sendo assim, fica claro de um lado o aproveitamento da rede televisiva para aproveitar a carência daquele momento de um grupo importante no consumo do país, mas também se pode notar esse mesmo grupo querendo ser representado e homenageado na televisão brasileira. Apontado nos estudos de Certeau (1998) e seguindo sua sugestão no focar o entendimento em o que é do indivíduo e o que é imposto, mas principalmente localizar os (...) consumidores um lugar onde possam marcar o que fazem com os produtos (...) pois não se faz notar com produtos próprios, mas nas maneiras de empregar os produtos impostos por uma ordem econômica dominante. (CERTEAU, 1998, p. 39). Perceber as respostas das receitas culinárias, apresentadas nessas mídias, as mulheres em seus comentários modificavam as receitas, ou seja, seus métodos, através dos conceitos estratégia e tática, desenvolvidos por Certeau (1998) é desconstruído o argumento sobre a passividade dos consumidores no contexto capitalista contemporâneo, que reconhece que o consumidor não tem controle sobre a produção de bens materiais e simbólicos, porém aponta, no entanto, que são usuários astutos, que protagonizam cotidianamente operações imprevistas nos manuais de instrução. Ou seja, essas reinvenções, nessas construções existe o despertar de um sentimento de criatividade e reapropriação do que ora já existiu, porém com astúcias de despertar o prazer e exaltar a autoria própria desembocando em uma invenção de memória, em que é percebido como subversão daquilo que já existiu, ou seja, foi tomado para si, reapropriando e, portanto inventando.(certeau, 1998, pg. 48). 11

12 O que se observou foi que em vários blogs, redes sociais e mesmo em programas de gastronomia na televisão, as mulheres interagiam com as receitas apresentadas pela novela, como por exemplo, outra maneira de servir que não foi a apresentada na novela, ou a mudança de ingredientes e as vezes a quantidade, enfim, não se seguia o método como foi apresentado, também se percebia discursos com sentimento de possessão, já que a receita geralmente já existia, e às vezes chega a ser até milenar, porém, no momento da preparação é reintroduzida pelo cozinheiro, através de inspirações, experiências, manipulações, interesses e prazeres, numa arte de manipular e comprazer-se a sua autoria no desfecho final. Ou seja, o prato é reinventado através de estratégias criativas, apropriando-se de algo que já existia, recriando e apoderando-se para si mesmo. (Certeau, 1998). Os modos de fazer aqui são vistos e entendidos como poéticas, como arte de elaborar composições, ou seja, reapropriações de modos de fazer. Foram muitos os casos, porém apresentaremos alguns exemplos aqui, no site da CHEF Fernanda Kzar, ela apresenta a sopa da novela: Vichyssoise: A sopa fria da Nina de Avenida Brasil. Além de não se saber se essa é a receita originária da própria Nina, já que ela não apresenta a receita na novela, também se percebe nos comentários a autonomia das seguidoras de servir morna ou trocar alguns ingredientes de preferência pela cozinheira. (KZAR, 2012). Outro caso que se apresenta com frequência, são as receitas adaptadas para os vegetarianos, ou que estão de regime, como por exemplo, no site mais light do que nunca, por Sammy Leilane que apresenta algumas receitas como o Quiche de cebola da Nina da Avenida Brasil, porém sem ingredientes de origem animal. Aqui é apresentado uma receita como já dito sem origem animal, com ingredientes mais light, porém alguns comentários dão sugestões de outros ingredientes que ficam melhor ou mais apropriados a receita, ou mais baratos. (LEILANE, 2012). Nossas análises, portanto vem de encontro aos estudos atuais sobre consumo, entendendo que teorias do consumo que supõem um consumidor marionete, presa das artimanhas do publicitário, ou consumidores que competem invejosamente sem motivo sensato, ou ainda consumidores lemingues que correm para o desastre, são frívolas, e até mesmo perigosas. (DOUGLAS, 2013, p. 10). Esqueçamos a ideia da irracionalidade do consumidor. Esqueçamos que as mercadorias são boas para comer, vestir e abrigar; esqueçamos sua utilidade e tentemos em seu lugar a ideia de que as mercadorias são boas para pensar: tratemo-las como um meio não verbal para a faculdade humana de criar. (DOUGLAS, 2013 apud BRANDÃO, 2007, p.96). Ao contrário de repetir desde os estudos de Frankfurt, percebendo o sujeito consumidor como um ser irracional, preferimos entende-lo como sujeito pensante, criativo e subversivo. Subversivo, no sentido de fazer o que quiser daquilo que lhe é apresentado. 12

13 O consumo é visto como prática social, e isso não significa que não se negue a existência do prazer da compra, mas que esse prazer é imposto por uma padronização social, cultural ditada por valores, aqui entendidos como representações simbólicas e nada tem haver com a alienação daquele que consome. (DOUGLAS 2013; CERTEAU, 1998; MILLER, 2002; APPADURAI, 2008; BARBOSA, 2006; CAMPBELL, 2006; BRANDÃO, 2007; CANCLINI, 2010). O que se pode dizer desse consumo aqui percebido, é que são maneiras de consumir e copiar aquilo que se quer ser e estar, independente de ser mal visto como cópia ou falta de imaginação, essas consumidoras não estão nem um pouco preocupadas com nosso julgamento sobre o que elas decidiram comprar naquele momento que estavam acompanhando Avenida Brasil, se identificando e se sentindo representadas pelo poder de consumo da família Tufão. E que talvez, esse discurso moralista que nos vem acompanhando sobre o que as pessoas consomem como alienante, exista porque a ação desses consumidores que não são a elite brasileira seja muito mais profundo e perturbador do que se possa imaginar. E se comportar sem se preocupar com o discurso vigente de alienação, nos parece subversivo e, portanto interessante na construção de novas identidades, grupos e sujeitos pensantes. Referências Bibliográficas APPADURAI, A. A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói: Universidade federal Fluminense, ASSUNÇÃO, V. K. Comida de mãe: notas sobre alimentação, família e gênero. Caderno espaço feminino, v. 19, n.01, jan./jul BARBOSA, L., CAMPBELL, C. (Orgs.) Cultura, Consumo e Sociedade. Rio de Janeiro: FVG, BARBOSA, L. Feijão com arroz e arroz com feijão: o Brasil no prato dos brasileiros. Porto Alegre: Horizontes Antropológicos, ano 13, n. 28, p , jul./dez., BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp, BRAGA, V. Cultura Alimentar: Contribuições da Antropologia da alimentação. Saúde em revista. Piracicaba, v. 6, n.13, p , BRANDÃO, L. Circuitos subalternos de consumo: sobre cópias baratas, falsificações e quinquilharias. Comunicação, Mídia e Consumo. São Paulo, v.4, n. 10, p , jul BRITES, J. Serviço doméstico: um outro olhar sobre a subordinação/ Cinderela domesticada gênero e reprodução da desigualdade na sociedade brasileira. Tempo e Presença Digital, v. 9, p.1-20, CANCLINI, N. G. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: UFRJ, CARNEIRO, J. D. Avenida Brasil reflete uma classe C que quer se ver. Disponível em: Acesso em: 25/06/2014. CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, CERTEAU, M de.; GIARD, L. & MAYOL, P. A Invenção do cotidiano. Morar, Cozinhar. (Vol.2), Petrópolis: Vozes, COSTA, K.M. Gastronomia é protagonista nas novelas do horário nobre. Disponível em: Acesso em: 24/06/2014. CRUZ, B. A. Oi, oi, oi... O fenômeno Avenida Brasil : Uma novela para a classe C. ENAGRAD,

14 DA MATTA, R. O que faz o Brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco; DOUGLAS M. Pureza e perigo. São Paulo: Editora Perspectiva; DOUGLAS, M. O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: UFRJ, GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, GSHOW, Receitas de Nina que fizeram sucesso em Avenida Brasil. Disponível em: Acesso em 25/06/2014. HAMBURGER, E. O Brasil antenado: a sociedade da novela. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, KZAR, F. Vichyssoise: A sopa fria da Nina de Avenida Brasil. Disponível em: Acesso em: 12/07/2014. KOFES, Suely. Mulher, mulheres identidade, diferença e igualdade na relação entre patroas e empregadas domésticas. Campinas: Unicamp, MILLER, D. Teoria das compras: o que orienta as escolhas dos consumidores. São Paulo: Nobel, MINTZ, S. Comida e antropologia: uma breve revisão. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 47, n.16, p.31-42, NERI, M. C. A nova classe média. Rio de Janeiro: FGV/ IBRE, CPS, Disponível em: ANovaClasseMedia_Port_2.pdf. Acesso em: 20 fev NEVES, F. & DALBERTO, L.C. Patroas VS. Empregadas: o conflito das classes retratado nas telenovelas. Realidade e Ficção, LOGOS 38, v. 20, n.01, PRESSE, F. O fenômeno Avenida Brasil aplaudido pela nova classe média brasileira. Disponível em: Acesso em: 24/06/2014. SOUZA, F. N.; DALBERTO, L. C. Patroas VS. Empregadas: o conflito das classes retratado nas telenovelas. LOGOS 38, Realidade Ficção, v. 20, n. 1, SLATER, D. Cultura, consumo e modernidade. São Paulo: Nobel SOUZA, J. Os batalhadores brasileiros: nova classe média ou nova classe trabalhadora? Belo Horizonte: Editora UFMG, VELHO, G. A utopia urbana: um estudo de antropologia social. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, YACCOUB, H. A chamada nova classe média. Cultura Material, inclusão e distinção social. Porto Alegre: Horizontes Antropológicos, v. 17, n. 36, p , jul./dez

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

O alimento enquanto tática e estratégia 1

O alimento enquanto tática e estratégia 1 O alimento enquanto tática e estratégia 1 Autora: Beatrice Corrêa de Oliveira Gonçalves Mestranda do Programa de Pósgraduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Resumo:

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

estão em evidência hoje?

estão em evidência hoje? estão em evidência hoje? delas. Muito antes de entender quem eram e como pensavam as mulheres, percebemos que era fundamental identificar as diferenças comportamentais entre homens e mulheres. Afinal,

Leia mais

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 Francisco José da Silva ROCHA Filho 2 Nathalia Aparecida Aires da SILVA 3 Sebastião Faustino PEREIRA Filho 4 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal,

Leia mais

Midia Kit Dados OUTUBRO 2015 (31/08/15 29/09/15)

Midia Kit Dados OUTUBRO 2015 (31/08/15 29/09/15) Midia Kit Dados OUTUBRO 2015 (31/08/15 29/09/15) A marca: A marca Bom Gosto por Gabriela Rossi engloba o site Blog do Bom Gosto (www.blogdobomgosto.com), que aborda os temas gastronomia/bem-estar/moda;

Leia mais

Midia Kit Dados setembro/2015 (08/08/15 06/09/15)

Midia Kit Dados setembro/2015 (08/08/15 06/09/15) Midia Kit Dados setembro/2015 (08/08/15 06/09/15) A marca: A marca Bom Gosto por Gabriela Rossi engloba o site Blog do Bom Gosto (www.blogdobomgosto.com), que aborda os temas gastronomia/bem-estar/moda;

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Fevereiro 2016 A MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O que mais incomoda no discurso/posição que a mulher

Leia mais

O Que Vem Mudando Nos Hábitos De Consumo Da Classe C

O Que Vem Mudando Nos Hábitos De Consumo Da Classe C VAREJO Agosto - 2012 O Que Vem Mudando Nos Hábitos De Consumo Da Classe C Desde a criação do Real e a estabilização da economia, o poder aquisitivo da população brasileira aumentou de forma significativa.

Leia mais

seu próprio marketing Vinícius Matos ensina como divulgar o trabalho de fotografia de casamento usando meios simples e baratos

seu próprio marketing Vinícius Matos ensina como divulgar o trabalho de fotografia de casamento usando meios simples e baratos Técnica&Prática Fotografia Social Saiba como fazer o seu próprio marketing Vinícius Matos ensina como divulgar o trabalho de fotografia de casamento usando meios simples e baratos Por Livia Capeli (texto)

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS.

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Introdução O propósito do marketing e satisfazer as necessidades e desejos dos clientes-alvo. Dessa forma, a análise do comportamento do consumidor visa identificar

Leia mais

Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil

Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil Me. Tony Aparecido Moreira FCT/UNESP Campus de Presidente Prudente SP tony.educ@gmail.com Comunicação Oral Pesquisa finalizada

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SOB UMA PERSPECTIVA DE GÊNERO.

AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SOB UMA PERSPECTIVA DE GÊNERO. AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SOB UMA PERSPECTIVA DE GÊNERO. Lina Penati Ferreira 1 - li.penati@hotmail.com Universidade Estadual de Londrina GT 8- As interface entre teoria democrática,

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5

B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5 B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5 O I N V E S T I M E N T O P E L A L Ó G I C A D A D E M A N D A R E N A T O M E I R E L L E S r e n a t o @ d a t a p

Leia mais

Ambos os métodos possuem vantagens e desvantagens, por isso deve se analisar cada caso para decidir qual o mais apropriado.

Ambos os métodos possuem vantagens e desvantagens, por isso deve se analisar cada caso para decidir qual o mais apropriado. Módulo 4 Como Organizar a Pesquisa O questionário e a observação são dois métodos básicos de coleta de dados. No questionário os dados são coletados através de perguntas, enquanto que no outro método apenas

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace.

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace. O Twitter Como Ferramenta de Divulgação Para As Empresas: Um Estudo De Caso do GREENPEACE 1 Jonathan Emerson SANTANA 2 Gustavo Guilherme da Matta Caetano LOPES 3 Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

5 Considerações finais retomando o problema

5 Considerações finais retomando o problema 5 Considerações finais retomando o problema A análise dos dados, dividida nos eixos critérios de avaliação, interpretação e juízo moral, tentou responder as perguntas formuladas no início da pesquisa como

Leia mais

Arquétipos na publicidade e propaganda

Arquétipos na publicidade e propaganda Arquétipos na publicidade e propaganda Mauricio BARTH 1 Moris Mozart MUSSKOPF 2 Resumo Diversos indicadores comprovam o processo de envelhecimento da população brasileira. Esta tendência, do ponto de vista

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

Renato Meirelles. renato@datapopular.com.br @DataPopularRM 55 11 3218-2222

Renato Meirelles. renato@datapopular.com.br @DataPopularRM 55 11 3218-2222 O CONSUMIDOR EMERGENTE E A DEMANDA POR INCLUSÃO FINANCEIRA Renato Meirelles renato@datapopular.com.br @DataPopularRM 55 11 3218-2222 Critério de Classificação Social Calculado a partir da renda domiciliar

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

Poder: Jornal Fortuna

Poder: Jornal Fortuna Aqui você enriquece sua leitura Jornal Fortuna Volume 1, edição 1 Data do boletim informativo Nesta edição: Poder: Há vários tipos de poder, poder militar, poder da natureza, poder político, o poder da

Leia mais

Teste. Gestão de Negócios Eletrônicos em Empresas Informativas. Como entender e realizar estratégias para o comportamento do consumidor

Teste. Gestão de Negócios Eletrônicos em Empresas Informativas. Como entender e realizar estratégias para o comportamento do consumidor Gestão de Negócios Eletrônicos em Empresas Informativas www.ricardoalmeida.adm.br ricardoalmeida@ricardoalmeida.adm.br Apoio: Como entender e realizar estratégias para o comportamento do consumidor Teste

Leia mais

Universidade: Universo desigual

Universidade: Universo desigual 1 POLÍTICAS AFIRMATIVAS EM MATO GROSSO: EM QUESTÃO O PROJETO POLÍTICAS DA COR NA UFMT SOUZA, Elaine Martins da Silva UFMT ses_martins@yahoo.com.br GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Agência Financiadora:

Leia mais

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas.

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas. COMERCIAIS MARCANTES Açucena Vieira de Morais, Daniella Zarro Teixeira Silva Pinto, James da Silva Costa, Ariane Fernanda da Silva Costa, Silene Fernandes Bicudo Univap Universidade do Vale do Paraíba/FCSAC

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR Izabele Silva Gomes Vívian Galvão Barbosa Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com viviangbarbosa@msn.com INTRODUÇÃO Termos como Era

Leia mais

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo SONHOS: uma questão de contingências Renata Cristina Rodrigues Alves 1 Resumo: O comportamento de sonhar, para a Análise do Comportamento, está associado a eventos privados cujo acesso se dá através do

Leia mais

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária.

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Histórico e Justificativa No ano de 2012, ao participar de uma quadrilha temática, em homenagem ao

Leia mais

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS REFERÊNCIA: LEFFA, Vilson J. ; LOPES, Rita de Cássia Campos. Determinação sócio-lingüística do conceito de leitura. 46 a Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Vitória, 17 a 22 de

Leia mais

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil O Projeto Pedagógico na Educação Infantil Renata Lopes de Almeida Rodrigues (UERJ) A cada ano letivo a história se repete: a busca por um tema norteador do trabalho em sala de aula durante o ano o tema

Leia mais

Funções de um objecto. na comunicação visual

Funções de um objecto. na comunicação visual Funções de um objecto na comunicação visual Na civilização em que vivemos estamos rodeados de objectos com as suas mensagens incorporadas. Se quiser-mos sistematizá-las, podemos referirmo-nos a elas consoante

Leia mais

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS.

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. GUIA DE BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO EM REDES SOCIAIS MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. APRESENTAÇÃO OBJETIVO A ABA - Associação Brasileira de Anunciantes, por meio de

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA AUTOR / AUTOR: Iara Cardoso INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) Unicamp,

Leia mais

Aspectos culturais e relações de gênero 1

Aspectos culturais e relações de gênero 1 Aspectos culturais e relações de gênero 1 Objetivo da Aula A questão de gênero realiza-se culturalmente por ideologias que tomam formas específicas em cada momento histórico e, tais formas, estão associadas

Leia mais

Prof. Dr. Flávio Caetano da Silva (DEd/UFSCar) Questão inicial Por onde se começa a pesquisa? As definições básicas do projeto: Temática Objetivo Justificativa (Relevâncias) Problemática Problema Objeto

Leia mais

A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família

A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família Adriane Vieira Ferrarini Docente e pesquisadora do Programa de Pós graduação em Ciências Sociais da Unisinos Estelamaris

Leia mais

Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O pão da avó

Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O pão da avó Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O pão da avó Sumário Sobre a série... 3 Material de apoio... 3 Roteiro para uso dos vídeos em grupos... 4 Orientações para o facilitador... 4 Conduzindo

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 Cultura, história e gastronomia: análise de enquadramento do jornalismo gastronômico 1 RESUMO Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 O texto parte de uma pesquisa que tem como proposta realizar

Leia mais

Nutrição e Gastronomia Tendências e Inovações para a Alimentação Saudável. Andréa Luiza Jorge

Nutrição e Gastronomia Tendências e Inovações para a Alimentação Saudável. Andréa Luiza Jorge Nutrição e Gastronomia Tendências e Inovações para a Alimentação Saudável Andréa Luiza Jorge Introdução Nenhum alimento que entra em nossas bocas é neutro. A historicidade da sensibilidade gastronômica

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA Carlos Silva 1 Objetivo: Favorecer o desenvolvimento de ações pedagógicas em saúde a partir da inserção das questões de saúde no Projeto Político

Leia mais

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo 1 O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU Suellen Celina Vitcov Ribeiro IE/UFMT shuribeiro@hotmail.com Juliana Assis da Cruz IE/UFMT- juliassis2010@yahoo.com.br Resumo Este

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE NO PENSAMENTO DE DURKHEIM 1

INDIVÍDUO E SOCIEDADE NO PENSAMENTO DE DURKHEIM 1 1 INDIVÍDUO E SOCIEDADE NO PENSAMENTO DE DURKHEIM 1 Rogério José de Almeida 2 No presente trabalho, tem-se por objetivo fazer uma breve análise da relação entre indivíduo e sociedade na obra durkheimiana.

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Matemática - 9º ano. II Unidade

ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Matemática - 9º ano. II Unidade ATIVIDADES COMPLEMENTARES II Unidade Matemática - 9º ano Olá! Você gosta de assistir às telenovelas? Pois bem! Mesmo que muitas pessoas "torçam o nariz" para esse tipo de entretenimento, não há como negar

Leia mais

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR Crack: o drama de uma escolha 1 Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR RESUMO Esse trabalho se propõe a explicar o processo de produção da reportagem Crack: o drama

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

AS CONTRIBUIÇÕES DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO AS CONTRIBUIÇÕES DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO EDILEUZA DE FREITAS MIRANDA DE MENDONÇA Universidade Estadual de Goiás (Brasil) Campus BR 153, Km 98, CEP: 75001-970

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS INTRODUÇÃO Ângela Mª Leite Aires (UEPB) (angelamaryleite@gmail.com) Luciana Fernandes Nery (UEPB)

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL NO MUNICÍPIO DO RJ: RELATOS DE PROFESSORES RAABE COSTA ALVES

O ENSINO DE ESPANHOL NO MUNICÍPIO DO RJ: RELATOS DE PROFESSORES RAABE COSTA ALVES O ENSINO DE ESPANHOL NO MUNICÍPIO DO RJ: RELATOS DE PROFESSORES RAABE COSTA ALVES Atualmente pode-se afirmar que a Língua Espanhola é a segunda língua mais importante do território nacional se considerarmos

Leia mais

Restaurante Top 5. 10 passos para deixar seus convidados mais felizes sem gastar um centavo a mais

Restaurante Top 5. 10 passos para deixar seus convidados mais felizes sem gastar um centavo a mais Restaurante Top 5 10 passos para deixar seus convidados mais felizes sem gastar um centavo a mais Mensagem do Restaurante Olá, Sabemos que é momento de comemorar. E se não fosse uma data ou momento especial,

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

Crie seu mecanismo de engajamento: parte 2. David Mogensen. Novembro 2013

Crie seu mecanismo de engajamento: parte 2. David Mogensen. Novembro 2013 Crie seu mecanismo de engajamento: ESCRITO POR David Mogensen PUBLICADO Novembro 2013 parte 2 O RESUMO A jornada de decisão do consumidor já foi uma linha reta, mas agora é um caminho circular e em desenvolvimento.

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Comunicação: Luiz Lara Agosto/2011

Comunicação: Luiz Lara Agosto/2011 Comunicação: segmentação e foco Luiz Lara Agosto/2011 A comunicação é o exercício da identidade de marca A marca é um jeito de ser e de fazer. Tudo é importante. Tudo comunica. Há a necessidade de gerenciar

Leia mais

Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil!

Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil! Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil! Implemente esses 3 passos para obter resultados fantásticos no Inglês! The Meridian, 4 Copthall House, Station Square, Coventry, Este material pode ser redistribuído,

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

PRONUNCIAMENTO SOBRE VIGÊNCIA DA PORTARIA 1.220/2007, DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA, QUE ATRASA A PROGRAMAÇÃO DA

PRONUNCIAMENTO SOBRE VIGÊNCIA DA PORTARIA 1.220/2007, DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA, QUE ATRASA A PROGRAMAÇÃO DA PRONUNCIAMENTO SOBRE VIGÊNCIA DA PORTARIA 1.220/2007, DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA, QUE ATRASA A PROGRAMAÇÃO DA TELEVISÃO ABERTA NOS ESTADOS DO AMAZONAS, MATO GROSSO DO SUL, PARÁ, RONDÔNIA, RORAIMA E ACRE

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

Atividade - Sequência Conrado Adolpho

Atividade - Sequência Conrado Adolpho Atividade - Sequência Conrado Adolpho Agora, eu quero lhe apresentar os 6 e-mails do conrado adolpho para vender o 8ps. Quero que você leia está sequência com muita atenção e, depois, responda às provocações

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

Família e dinheiro. Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? Todos juntos ganham mais

Família e dinheiro. Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? Todos juntos ganham mais 1016327-7 - set/2012 Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? No site www.itau.com.br/usoconsciente, você encontra vídeos, testes e informações para uma gestão financeira eficiente. Acesse

Leia mais

Meus Valores, Minha Vida O que realmente move você?

Meus Valores, Minha Vida O que realmente move você? Meus Valores, Minha Vida O que realmente move você? Talvez você já tenha pensado a esse respeito, ou não. Se souber definir bem quais são os seus valores, terá uma noção clara de quais são suas prioridades.

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

PCN em Ação Relatório 5ª a 8ª série

PCN em Ação Relatório 5ª a 8ª série 1 PCN em Ação Relatório 5ª a 8ª série Antonia Terra de Calazans Fernandes Mimoso do Sul - 02 a 05 de maio de 2000 Assistiu e ajudou na coordenação: Marísia Buitoni Caracterização do Grupo Estavam presentes

Leia mais

Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento

Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento Donald Hugh de Barros Kerr Júnior 1 Como pensar em ensino de arte e contemporaneidade, sem perceber as transformações que

Leia mais

Reestruturação Produtiva em Saúde

Reestruturação Produtiva em Saúde Trabalho em Saúde O trabalho Toda atividade humana é um ato produtivo, modifica alguma coisa e produz algo novo. Os homens e mulheres, durante toda a sua história, através dos tempos, estiveram ligados,

Leia mais

5 Passos para vender mais com o Instagram

5 Passos para vender mais com o Instagram 5 Passos para vender mais com o Instagram Guia para iniciantes melhorarem suas estratégias ÍNDICE 1. Introdução 2. O Comportamento das pessoas na internet 3. Passo 1: Tenha um objetivo 4. Passo 2: Defina

Leia mais

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA.

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. NOGUEIRA, Ione da Silva Cunha - UNESP/Araraquara Uma educação conscientizadora e emancipadora, que garanta qualidade de ensino e acesso

Leia mais

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I).

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman

Leia mais

A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA

A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA Ivania Skura 1, Julia Cristina Paixão 2, Joaquim

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Teatro-fórum e relações de gênero: análise de uma prática pedagógica na escola pública

Teatro-fórum e relações de gênero: análise de uma prática pedagógica na escola pública Teatro-fórum e relações de gênero: análise de uma prática pedagógica na escola pública Fabiane Tejada da Silveira Professora Assistente no Instituto de Artes e Design da UFPel Doutoranda em Educação no

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

A educação geográfica na escola: elementos para exercício desafiante da cidadania

A educação geográfica na escola: elementos para exercício desafiante da cidadania A educação geográfica na escola: elementos para exercício desafiante da cidadania Prof. Manoel Martins de Santana Filho[1] Nosso objetivo e desejo face às mediações do trabalho docente A proposta e necessidade

Leia mais

Problemas de incentivo: Depende da experiência de especialistas (artistas) É difícil fazer contratos que alinhem incentivos

Problemas de incentivo: Depende da experiência de especialistas (artistas) É difícil fazer contratos que alinhem incentivos Propaganda Desafios É difícil medir a resposta à propaganda A demanda é afetada pela concorrência e pelas decisões relativas ao composto de marketing A resposta pode não ocorrer imediatamente Problemas

Leia mais

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Com objetivo de auxiliar na elaboração dos trabalhos, apresentamos critérios relacionados a Economia Criativa e Inovação, conceitos

Leia mais

Brasília, a cidade mais conectada

Brasília, a cidade mais conectada Fundação Getulio Vargas Tópico: CPS 17/05/2012 Correio Braziliense Online - DF Editoria: Cidades Pg: 04:00:00 Brasília, a cidade mais conectada Diego Amorim (Diego Amorim) A capital é recordista de inclusão

Leia mais