Realismo Melodramático: O Rio de Janeiro nas telenovelas 1 Melodramatic Realism: Rio de Janeiro in Soap Opera

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Realismo Melodramático: O Rio de Janeiro nas telenovelas 1 Melodramatic Realism: Rio de Janeiro in Soap Opera"

Transcrição

1 Realismo Melodramático: O Rio de Janeiro nas telenovelas 1 Melodramatic Realism: Rio de Janeiro in Soap Opera Beatriz Jaguaribe 2 Resumo: Ao analisar as estéticas do realismo melodramático em duas telenovelas da Rede Globo, Avenida Brasil (2012) e Salve Jorge (2013), este artigo objetiva explorar como as imagens televisivas sobre a cidade do Rio de Janeiro engendram imaginários urbanos, influenciam formas de consumo, abalizam valores, fabricam tipologias sociais e moldam subjetividades. Ao comparar o realismo melodramático televisivo com a escrita literária, busco realçar distintos processos de autoria e formas diversas de imaginação. Finalmente, destaco a hegemonia da cultura audiovisual enquanto produtora de imagens da cidade. Palavras-chave: realismo melodramático, imagem, cidade, telenovela, Rio de Janeiro Abstract: Through an analysis of the aesthetics of melodramatic realism in two soap operas of the Globo network, Avenida Brasil (2012) and Salve Jorge (2013), this essay explores how televised images of the city of Rio de Janeiro engender urban imaginaries, influence forms of consumption, inform values, fabricate social typologies, and shape subjectivities. While comparing televised melodramatic realism to literary writing, I seek to distinguish different forms of authorship and diverse modes of imagination. Finally, I highlight the hegemony of audio-visual culture as a producer of images of the city. Keywords: melodramatic realism, image, city, soap opera, Rio de Janeiro 1.Imaginários Urbanos Ao redor das mesas dos cafés na Rua do Ouvidor, nas lojas finas de artigos femininos, nos salões burgueses de Botafogo e até nas padarias e nos locais de miúdo comércio popular do centro, os leitores de folhetins, no final do século XIX, aguardavam ansiosos o desenrolar de tramas arrebatadoras. Muitos desses enredos se realizavam em terras frias e longínquas 1 Trabalho apresentado ao Grupo de Trabalho, Imagens e Imaginários Midiáticos, do XXIII Encontro Anual da Compós, na Universidade Federal do Pará, Belém, de 27 a 30 de maio de Agradeço a Leda Costa pela formatação do texto e a Ana Maria Ramalho que realizou sob minha orientação a monografia de final de curso: Complexo do Alemão: Dos Telejornais à Novela (Eco/UFRJ), Beatriz Jaguaribe é professora associada da Escola de Comunicação da UFRJ. 1

2 com heróis de capa e espada travando batalhas sangrentas em castelos sombrios; outras aconteciam na cidade emblemática do século XIX, Paris. Nas tramas parisienses de Eugenie Sue, os caudalosos volumes que compõem os Mistérios de Paris, (1843), o leitor seguia arrebatado os périplos do herói, o nobre Rodolphe que, pese sua origem aristocrática, tinha simpatias pelo povo trabalhador parisiense e transitava pelas tavernas, prostíbulos e as ruas escusas da cidade sem chamuscar sua galhardia ou comprometer sua integridade. Os leitores cariocas desses folhetins no final do século XIX podiam, igualmente, desfrutar dos romances nacionais fatiados nos jornais. Raul Pompéia, José de Alencar, Machado de Assis são alguns dos grandes autores nacionais que publicaram seus romances inicialmente no jornal. Vale enfatizar, entretanto, que mesmo quando fatiados para serem publicados no jornal, os romances desses escritores não obedeciam ao receituário folhetinesco repleto de ganchos, lances dramáticos, vítimas chorosas, crápulas escabrosos e heróis sem mácula. Como o folhetim arrebatou tantos seguidores em uma cidade constituída por uma vasta gama de pobres e analfabetos? (MEYER, 1996). Na falta de pesquisas empíricas, podemos articular algumas hipóteses que outros pesquisadores já sugeriram. Quem sabia ler compartilhava as aventuras impressas com os analfabetos. As estórias se repetiam de boca em boca. As tramas eram facilmente compreendidas, mas havia, necessariamente, o esforço de imaginar as situações descritas com o olho da mente. Os leitores de Machado de Assis, por exemplo, reconheciam os locais de moradia e socialização da burguesia carioca descritos pelo Bruxo do Cosme Velho. Botafogo, Flamengo, São Cristóvão eram os bairros apreciados, assim como a Rua do Ouvidor era entrevista como o centro cultural do Brasil. Quando a personagem Natividade do romance Esaú e Jacó vai consultar uma cartomante, ela se aventura para os lados do Morro do Castelo considerado um local um tanto perigoso habitado por populares, malandros e gatunos, as chamadas classes perigosas. Mas se a cidade do Rio de Janeiro era parcialmente e seletivamente descrita nesses romances, a palavra literária e mesmo a escrita folhetinesca não tinham o alcance para forjar uma imaginário urbano vastamente compartilhado por diferentes setores e classes sociais. Foi somente com a radionovela dos anos 1930 durante a Era Vargas que amplas camadas do público puderam acompanhar as sagas e desventuras de heróis e heroínas sem precisar destrinchar os significados da escrita impressa no papel. Mas foram o cinema e principalmente a televisão que possibilitaram o forjamento de enredos, imagens e desejos coletivamente compartidos fortalecendo o que o muito citado Benedict Anderson cunhou 2

3 como sendo a comunidade imaginada (ANDERSON, 1982). Há uma considerável bibliografia que analisa como, no auge do regime militar, as telenovelas produzidas pela Rede Globo militar forjaram um abrangente imaginário nacional(hamburgher, 2005, 2011, ORTIZ, BORELLI, RAMOS, 1988, LOPES, 2003). Consolidando o imaginário nacional do Brasil grande, a Rede Globo também oferecia, por meio do entretenimento das telenovelas e das informações do Jornal Nacional, imagens da modernização nacional e dos novos estilos de vida pautados pelo consumo alavancado pelo famigerado milagre brasileiro. Se as relações entre as telenovelas e imaginário nacional e as conexões entre a Rede Globo de televisão e a ditadura militar foram já bastante debatidas, o mesmo não aconteceu em relação aos imaginários televisivos e a invenção dos imaginários urbanos. Tampouco existem variados estudos sobre o papel cultural exercido não somente pela Rede Globo, mas pelo conglomerado Globo. Afinal, além da Rede Globo de Televisão, há o jornal O Globo com seu caderno cultural e a Fundação Roberto Marinho que determina o circuito cultural de museus tais como o MAR e o Museu do Amanhã, só para citar os museus recentemente inaugurados. Com isso ressalto o impacto que este conglomerado midiático possui em determinar as agendas culturais da cidade. Agendas culturais que terminam influenciando a própria construção material da cidade juntamente com sua representação midiática. Neste breve artigo, enfoco, seletivamente, duas telenovelas emblemáticas, Avenida Brasil(2012) de João Emanuel Carneiro e Salve Jorge(2013) de Glória Perez destacando as retóricas estéticas do realismo melodramático. Argumento que ao engendrar personagens empáticos e enredos envolventes, o realismo melodramático, pese suas variações, fabrica imaginários urbanos que influenciam a própria percepção da cidade e abalizam novos ideários sociais em curso. Neste sentido, exploro a construção ficcional do Rio de Janeiro por meio do realismo melodramático abordando algumas questões pontuais. A primeira analisa a construção da autoria televisiva e o poder da imagem em relação à imaginação literária. A segunda remete propriamente a retratação da cidade nestas telenovelas específicas e como o realismo melodramático engendra códigos de identificação, consumo e subjetivação. Finalmente, a última questão remete a vigência do imaginário da telenovela face aos novos aportes da cultura digital e ao variado cardápio da televisão contemporânea. Embora relacionadas, estas três perguntas apontam para campos de indagação diversos. A primeira 3

4 enfatiza o contexto cultural de produção, a segunda enfoca os códigos estéticos e a construção de imaginários urbanos e a terceira indaga sobre o alcance da recepção midiática. 2.Cidade letrada e cidade midiática Ao buscar responder a primeira questão quero explorar a disputa simbólica entre a literatura escrita e a narrativa televisiva. Trata-se, portanto, de abalizar como a arena cultural carioca é constituída na justaposição entre a cidade letrada e a cidade midiática. Para tanto creio que seja instigante recuar para a década de 1970, no auge do regime militar que coincidiu, plenamente, como já foi dito, com o momento de expansão e consolidação da Rede Globo. Nesta empreitada, o Rio de Janeiro tornou-se o palco central das operações da TV Globo por razões históricas devido à área de atuação família Marinho. Em 1969, o Jornal Nacional é inaugurado. Consolida-se, segundo vários pesquisadores, a receita máxima da audiência global alicerçada pelo jornalismo e a produção de telenovelas. Transmitidos em cadeia nacional tanto o Jornal Nacional quanto a novela global irão pautar o que Maria Rita Kehl (1986) denomina com sendo o Padrão Globo de Qualidade. Legitimado pelo crivo da suposta objetividade jornalística, o Jornal Nacional torna-se porta-voz da construção da realidade nacional enquanto as telenovelas de temáticas urbanas e contemporâneas foram fabricando, no seu realismo melodramático, os enredos e personagens que ofereciam não somente fantasia, mas também uma pedagogia entretida que versava sobre a modernidade brasileira. Em conferência no Ministério do Exército em 1972, Walter Clark, o diretor todo poderoso da Rede Globo deu seu depoimento: Com certeza a rede de televisão que dirijo foi beneficiada com a coincidência de ter sido planejada e inaugurada no período 64, quando o País tomou novos rumos. Podemos nos incluir no chamado milagre brasileiro /.../, que hoje já está mudando para modelo brasileiro (apud KEHL, 1986:203). Em pauta estava não somente a produção de enredos, astros e temas que irradiavam suas mensagens pelo território nacional buscando a consolidação hegemônica do projeto Brasil moderno, mas também as telenovelas assinalam a transformação da audiência em massas desejantes dos novos produtos de consumo veiculados pela novela e pela propaganda. Nas palavras novamente de Walter Clark em palestra proferida na Convenção Nacional do Grupo Bandeirantes em Contagem, Minas Gerais, a : Esta é a importância maior da comunicação em um sistema produtivo: transformar a população em mercado ativo de consumo, gerando a disposição ao consumo, relacionando cada bem, produto ou serviço ao extrato social a que está 4

5 destinado atingindo simultaneamente a todos os extratos e imprimindo maior agilidade ao mecanismo produtivo (apudkehl, 1986: ). Já afetada pela mudança da capital para Brasília,a cultura intelectual pública carioca esmorece ainda mais mediante a ativa repressão do regime militar contra seus principais intelectuais e instituições de relevância. Neste panorama de censura e encurtamento de perspectivas, a Rede Globo entra com força na expansão da transmissão televisiva e obtém vantagens favoráveis à sua consolidação. Num país de imensos contrastes sociais e regionais, numa sociedade cujas camadas letradas eram rarefeitas e onde o ofício do escritor profissional era ainda fragilmente arquitetado, as telenovelas preenchiam não somente um aquecido campo simbólico como também propiciavam ganhos materiais concretos e tangíveis para escritores sem maiores rendimentos. Sobretudo, cabe enfatizar que escritores renomados da esquerda atrelados ao Partido Comunista Brasileiro acreditaram na possibilidade de encampar uma televisão nacional-popular(hamburger, 2011). Herdeira do folhetim e da radio novela, a telenovela teve que enfrentar o desafio de um meio técnico diverso. Nos anos 1970, a literatura abalizada pelos cânones letrados serviu de suporte ao inventário das telenovelas. Adaptações tais como o romance Helena de Machado de Assis roteirizado por Gilberto Braga em 1975 se coadunavam como o projeto de elevação do nível do público sem que isso acarretasse qualquer questionamento crítico do status quo. Ao contrário, embalada pelo invólucro do culto, o pequeno drama da esfera privada tornava-se um camafeu de camelô, ou seja, uma imitação de clássico acessível ao grande público. Em casos específicos, como foi o da telenovela, Escrava Isaura, 1976, roteirizada por Gilberto Braga, um romance abolicionista medíocre e conservador alcançou, na sua adaptação televisiva, recordes de audiência nacional e foi exportada para vários países, entre os quais a China onde a atriz protagonista Lucélia Santos tornou-se uma celebridade aclamada por milhões. Sobretudo, tal como enfatizado no início deste ensaio, a escrita literária mesmo de cunho folhetinesco requer o esforço imaginativo de conceber a face dos personagens e os cenários onde a ação se desenrola. Na televisão, a escrava Isaura se encarna em Lucélia Santos, as chibatas desferidas pelo feitor fazem as costas do escravo sangrar a olhos vistos e a casa grande com seus luxuosos aposentos é entrevista sem a necessidade de adjetivações descritivas. Já nas adaptações dos romances de Jorge Amado como tais como Gabriela(1975) e Tieta (1989), a Bahia mítica emerge como mais um componente do painel 5

6 brasileiro compartilhado por todos. Reservatório da sensualidade e também do mandonismo do Brasil arcaico, essa Bahia televisiva também demonstra seu costado modernizado. Como já foi assinalado por vários críticos, a telenovela herda cacoetes e enredos exóticos do rádio teatro. No reinado da exilada cubana Glória Magadan, as novelas da Globo eram inevitavelmente passadas em locais pitorescos, os galãs tinham nomes ressonantes e as tramas eram ingenuamente folhetinescas. Segundo João Freire Filho, Nelson Rodrigues aplaudia os enredos folhetinescos ao estilo Magadan por acreditar que: novela progressista era, na sua avaliação, um oximoro tratava-se de um gênero de índole conservadora, que funcionava como válvula de escape para a sensaboria cotidiana e para as tensões sociais. (FREIRE FILHO, 2003:118). Mas nos anos 1970 surgem figuras ímpares que alteraram a forma da ficção e as estéticas da telenovela. Trata-se do casal emblemático da telenovela brasileira dos anos 1970: Janete Clair e Dias Gomes. Provinda do rádio onde atuava como atriz e escritora de rádio novelas, Janete cria seus enredos e personagens para a grande audiência televisiva sem entrar na disputa pelo campo simbólico da literatura. Durante seu percurso, Janete jamais foi considerada pelas instituições acadêmicas e críticas como uma escritora no pleno sentido literário. Usineira de sonhos na expressão de Carlos Drummond de Andrade, Maga das Oito, no cunho da própria Rede Globo ou Sherazade televisiva, foi com Clair que a telenovela brasileira ganhou contornos urbanos, modernos e antenados aos dilemas sociais do momento. Já seu marido, Dias Gomes, membro do partido comunista durante décadas, alcançou renome internacional como escritor consagrado com a peça O pagador de promessas e sua subseqüente transformação em filme em 1962 lhe valeu a Palma de Ouro em Cannes. Mas Dias Gomes foi igualmente líder de audiências com novelas variadas que exploravam desde imaginários urbanos Verão Vermelho(1969) e Bandeira 2(1971) até novelas como o Bem Amado(1973) e Roque Santeiro(1985) que satirizavam emperradas práticas do mandonismo nordestino, crenças populares, e desigualdades sociais. A Rede Globo, portanto, não somente soube potencializar talentos de escritores consagrados no campo literário como também, por meio da autoria de Janete Clair e da direção de Daniel Filho, conseguiu capitalizar uma nova e ágil forma de escrever, atuar e filmar as telenovelas. A escrita televisiva das telenovelas encampou um imaginário urbano, moderno, consumista e conectado às estruturas de sentimento de cada período. O mercado televisivo criou formas de escrita específicas na consagração da telenovela que flertou com formas literárias 6

7 anteriores e também criou uma readaptação dos imaginários letrados, populares e eruditos para novos fins. 3. Realismo-melodramático A representação da cidade do Rio de Janeiro na telenovela possibilita a simbolização da cidade em planos complementares. Enfatizo a relevância de três retóricas e estéticas: a verossimilhança realista, o apelo melodramático e a contemporaneidade dos assuntos romanceados. A verossimilhança realista aguça as identificações entre os espectadores e a trama novelística. Estas identificações se processam por meio do reconhecimento e da legibilidade do âmbito urbano geralmente voltado para a retratação da Zona Sul. Em alguns casos, despontam enredos na Zona Norte, e muito excepcionalmente alguma favela emblemática é retratada. As casas da alta classe média na Zona Sul com seus apetrechos e decorações, as áreas proletárias da Zona Norte com suas casinhas de varanda e quintal e as favelas entrevistas como comunidades acossadas pela violência e depois redimidas, são alguns dos espaços simbólicos cenograficamente mapeados na telinha global. De forma semelhante, como num jogo de equivalências, os personagens que emergem destes espaços são facilmente decodificáveis. A dondoca fútil, a trabalhadora esforçada, mas com atitude, a suburbana orgulhosa de suas origens, entre outras caracterizações, obedecem a uma pauta codificada do que é abalizado como sendo verossímil na sua acepção cotidiana. Se estes personagens são legíveis e se seus locais de moradia são reconhecíveis, essa verossimilhança é não somente realista, mas ela também é mítica no sentido empregado por Roland Barthes (2007). No seu livro clássico, Mitologias, Barthes compreende o mito moderno como uma linguagem ideológica naturalizada pelo sentido comum. Na linguagem mítica cotidiana, a construção cultural seria obliterada em prol de uma aceitação que naturaliza o que foi historicamente construído e disputado. No caso das estéticas da telenovela, o realismo funciona como afirmação legitimadora assinalando que a ficção capta a vida tal como ela é. Finalmente, existe uma terceira pauta de identificações que influencia o enredo e os personagens, mas ela está mais diretamente comprometida como horizonte de questões éticas e os valores sociais que permeiam a trama. Trata-se das questões sócias que serão abordadas na telenovela por meio da vida privada dos personagens. É neste quesito que a novela global de realismo melodramático pode se arriscar ao apresentar amores gays, racismo, a violência urbana, entre outros temas. Mas mesmo quando o tema é controverso, a perspectiva crítica é 7

8 amenizada em prol de uma solução viável à manutenção do status quo. Afinal, como assinalam vários pesquisadores (HAMBURGUER, 2009, LOPES, 2003), a telenovela acentua o âmbito privado: o que é público e político se resolve mediante o acerto de contas no privado. Valores podem ser questionados e relativizados, mas há uma assertividade do normativo no sentido de garantir a legibilidade naturalizada do social. Mesmo quando apresenta aspectos inovadores e críticos, o realismo das telenovelasé energizado pelo dramatismo. Um dramatismo que encontra sua fórmula mais contundente na atualização do imaginário melodramático. Conforme nos esclarece Peter Brooks (1995), entre outros, a imaginação melodramática é catalisadora de excessos. Ela reforça a catarse e o aguçamento da emoção no mundo moderno eivado de contradições. Neste mundo moderno desencantado, os personagens já não obedecem a desígnios divinos e a certeza de uma justiça transcendental permanece difusa. Mediante estes valores movediços, o melodrama retoma as dicotomias do bom e do mau visando endossar, no âmbito do privado, visões do mundo que abarcam a concepção da sociedade como um todo. Celebrado no Brasil como sendo mais contemporâneo e humorístico do que os exagerados dramalhões televisivos mexicanos, o melodrama das telenovelas globais torna-se mais persuasivo justamente porque sua vertente mítica é camuflada. Entretanto, o tão decantado realismo das telenovelas globais é um realismo intensamente maquiado para gerar interesse, identificações idealizadas e até certo humor distanciado. Em Salve Jorge, a favela fictícia é habitada por beldades dançantes e populares bem humorados. Os soldados do exército do setor da cavalaria prestes a ocupar a favela exibem uma plástica admirável enquanto montam cavalos belos e briosos. A cavalgada do herói Theo ao topo do complexo do Alemão desafia qualquer veracidade topográfica. A delegada Heloísa não somente é de uma correção ímpar como também desfila modelitos e acessórios grife invejáveis. As relações entre brancos e negros, patrões e empregados é quase sempre cordial, embora a espevitada Morena, heroína de Salve Jorge não deixa de gritar por seus direitos e exigir a aplicação da Lei Maria da Penha em momentos pedagogicamente instrutivos. Em Avenida Brasil, os suburbanos do bairro do Divino localizado na Zona Norte transitam por ruas asfaltadas, tem todos os serviços municipais e a atmosfera da vizinhança é embalado pela simpatia dos locais e a ausência de qualquer carência. O lixão onde a desafortunada criança Rita é abandonada e entregue à própria sorte não parece exalar cheiros pútridos, não está infestado de roedores e nem tem crianças esquálidas catando restos repulsivos de comida. 8

9 4. Turismo televisivo O Rio de Janeiro é o cenário favorecido de um número considerável de telenovelas embora por questões de densidade demográfica e audiência, a cidade de São Paulo tenha sido o cenário de várias novelas recentes. Pese isso, segundo as pesquisas realizadas por Daniela Stocco: (..) a cidade está retomando sua hegemonia, praticamente tão forte quanto antes: das 13 novelas transmitidas de 2000 até 2008, o Rio está presente em nove delas, mesmo que não exclusivamente em duas (STOCCO, 2009: ). Entre os autores globais, o escritor Manuel Carlos notabilizou-se por ambientar a quase totalidade da sua dramaturgia não somente no Rio de Janeiro, mas em um local específico do Rio de Janeiro: o bairro do Leblon. Em entrevista ao blog Diário do Rio, o autor esclarece que escolheu o bairro porque mora nele. Mas ressalta que os moradores mostram-se ora envaidecidos com a escolha, ora contrariados não somente pelo distúrbio causado pelas filmagens, mas também pela alta de preços dos imóveis ocasionado pelo prestígio conferido ao bairro pela novela. 3 Na competição imagética entre as grandes metrópoles do mundo globalizado, o turismo midiático desponta como um fenômeno que movimenta milhões. Na Coréia, diferentes cidades disputam entre si para serem o cenário de telenovelas já que isso assegura o influxo de turistas em busca dos locais identificados com a trama novelística. (KIM e LONG, 2013). Embora o mesmo fenômeno não exista no Brasil, é inegável que, no Rio de Janeiro, o turismo se alimenta dos cartões postais da cidade e também dos imaginários midiáticos que geram um branding, uma imagem da cidade.como é de praxe até mesmo nos filmes urbanos recentes de Woody Allen feitos sob encomenda, nas telenovelas cariocas, as imagens do Rio de Janeiro tal como o Pão de Açúcar, as praias de Ipanema e Copacabana, o Jardim Botânico, entre outras locações, fazem parte de um cardápio visual aprazível que oferece uma pausa cênica na trama e um deleite estético para o telespectador. Já o branding negativo também gera dividendos como é o caso dos favelas tours na Rocinha. De 2004 até a entrada recente das UPPS, a visitação turística na Rocinha foi grandemente impulsionado pelo filme Cidade de Deus.Embora os turistas soubessem que não estavam de fato indo para Cidade de Deus, o imaginário simbólico e topográfico que atendia 3 (http://www.diariodorio.com/o-leblon-de-manoel-carlos/diário do Rio, entrevista concedida a Quintino Gomes, 03/02/2014) 9

10 as expectativas midiáticas do que deveria ser uma favela se realizavam na Rocinha incrustada no morro, com casinhas coloridas e cheia de ruelas e não no conjunto desluzido de edifícios habitacionais da verdadeira Cidade de Deus (JAGUARIBE e SALMON, 2011; FREIRE- MEDEIROS, 2013).No tocante às telenovelas globais há, sem dúvida, um turismo motivado pela novela e os telejornais como comprova a movimentação intensa do teleférico do Complexo do Alemão nos fins de semana. A celebridade midiática adquirida pela vendedora de empadas, Adriana de Souza, mais conhecida como Empadinha, que representa a si mesma na novela, assim como o reconhecimento do jovem Rene Silva que postou mensagens no twitter durante a ocupação do Alemão e posteriormente se transformou num personagem coadjuvante da novela revelam a extensão da ficcionalização do cotidiano. Em excursão recente ao Complexo do Alemão que realizei em 2013, o guia turístico apontava uma das casas da favela como cenário real da novela Salve Jorge. No tocante ao subúrbio idealizado de Avenida Brasil, matérias no jornal O Globo, no site da emissora e na revista Veja realçam as correspondências entre os locais cenográficos do fictício Divino e os locais de comércio reais em Madureira(ver figuras 1-6). Já no caso da novela Salve Jorge há a indistinção entre a favela real e a favela habilmente montada no Projac. Assim como há uma apagamento de diferenças entre o morador da favela real tal como Rene Silva e Adriana de Souza e os próprios Rene e Adriana enquanto atores que representam a si mesmos (ver figuras 7, 8, 9). 10

11 FIGURA 1- Salão da Monalisa no Projac FIGURA 2- Salão de Marilza em Madureira Fonte:http://veja.abril.com.br/multimidia/galeria-fotos/madureira-bairro-que-inspirou-o-divino-de-avenida-brasil 11

12 FIGURA 3- Loja do Diogenes no Projac Fonte: FIGURA 4 - Loja em Madureira vendendo roupas Suelen, Fonte: 12

13 FIGURA 5- Bar do Silas no Projac Fonte:http://gshow.globo.com/novelas/avenida-brasil/Fotos/fotos/2012/03/conheca-o-divino-bairro-ficticio-de-avenidabrasil.html#F83116 FIGURA 6 - Pensão do Paulinho em Madureira, Fonte:http://veja.abril.com.br/noticia/celebridades/avenida-brasil-em-madureira-a-novela-acaba-e-o-divino-continua 5. Realismo melodramático e Reality Show No cotejamento entre realidade e ficção, as telenovelas atuais cumprem uma função distinta da sua missão originária nos anos É certo,sempre houve uma penetração dos valores televisivos no cotidiano do consumo já que as telenovelas funcionavam não somente com retrato do nacional, mas também como mostruário de modalidades de consumo da classe média. Algo que ultrapassava, inclusive, as fronteiras do próprio Brasil. A magistral Vale Tudo (1988) de Gilberto Braga, modificou o vocabulário cubano já que a empresa 13

14 gastronômico da heroína Raquel chamada Paladar se transformou em palavra genérica para definir os restaurantes familiares que começaram a pipocar nos anos 1990 quando Cuba enfrentava seu pior declínio econômico após o término do patrocínio soviético. Assim como as telenovelas transformavam a audiência em massas desejantes, elas também influenciavam na construção de subjetividades por meio dos seus personagens. Mas uma novela como Vale Tudo buscou, por meio da trama carioca, traçar um painel abrangente da própria sociedade brasileira. O clip de apresentação da novela com a música Brasil de Cazuza cantado pela Gal Costa já dava a dimensão deste empreendimento ao mostrar imagens velozmente decupadas se estilhaçando em fragmentos de paisagens brasileiras. Como um Balzac televisivo, Gilberto Braga buscou retratar a comédia humana da sociedade brasileira ao enfocar a descrença e a crise de valores da Nova República achincalhada pela corrupção, pelo consumismo desenfreado, pela ganância e pela falta de civilidade. Os espaços urbanos cariocas funcionaram na trama como zonas simbólicas deste mapeamento ético. Quando chega ao Rio de Janeiro em busca de fama e fortuna, a interiorana Maria de Fátima se acomoda em modesta pensão no Catete. Mas logo inicia sua ascensão social ao se transferir para o Copacabana Palace e se apresentar como uma jovem endinheirada para o ator/modelo arrivista que será seu futuro amante e parceiro na escalada social. Já sua mãe, a honrada Raquel não se acanha em trafegar pelas areias escaldantes das praias da Zona Sul vendendo seus sanduíches. Embora a ética de trabalho de Raquel e sua solidariedade humana tenham sido premiadas pelo êxito financeiro e pela felicidade amorosa, outros personagens, como o vilão inescrupuloso Marco Aurélio consegue fugir impunemente com seus milhões dando uma famosa banana para o pais e a sociedade. No cenário multifacetado e complexo do Brasil contemporâneo, a telenovela global já não retém o mesmo poder de síntese e nem a mesma capacidade descritiva. Os acertos e mazelas atuais da democracia brasileira já não cabem num enredo totalizante. Além da dificuldade de criar narrativas abrangentes nacionais, a hegemonia da telenovela foi diretamente ferida pelo advento da televisão a cabo e o uso extenso do computador como ferramenta de comunicação, entretenimento e trabalho. Vale ressaltar que a estetização/ficcionalização do cotidiano é um fenômeno que se acelerou mediante a ampliação do uso das tecnologias digitais no cotidiano de milhares de pessoas. Ao se comunicarem em chats, ao postarem fotografias no Facebook, ao inventarem codinomes e avatares os internautas navegam por mundos virtuais onde a invenção de personagens e 14

15 enredos torna-se uma prática social compartilhada e corriqueira. Por meio do telefone celular, usuários estão constantemente conectados e postando fotos de si mesmos. Reality shows como os inúmeros Big Brother Brasil dispensam tramas novelísticas e a autoria abalizada ao encenarem espetáculos comezinhos onde os participantes inventam a si mesmos e representam, com engendrada autenticidade, suas próprias pessoas. FIGURA 7- Casa de favela fabricada no Projac, imagem fotografado nos estúdios do Projac 15

16 FIGURA 8 - Rua do Complexo do Alemão no Projac FIGURA 9- Adriana vendedora de empada no Complexo do Alemão fotografado na própria favela. 16

17 No caso da telenovela Salve Jorge, de Gloria Perez, a linguagem dramatúrgica do realismo-melodramático é rebuscada por mirabolante enredo que justapõe o dramalhão local encenado no Complexo do Alemão e na Zona Sul carioca às locações exteriores na Turquia. Salve Jorge não exemplifica somente o cotidiano local, mas se aventura em esquemáticas configurações da alteridade alheia. Mas é no primeiro capítulo danovela voltado para a ocupação do Complexo do Alemão que a narrativa do realismo melodramático apresenta seu maior efeito de espetacularização e potencializa ao máximo o efeito de realidade. Neste primeiro e paradigmático capítulo temos a consagração do mundo via Rede Globo na medida em que tanto a ficção quanto a documentação da realidade é articulada pelas câmeras da própria Rede Globo. Morena, protagonista da trama, é a jovem e bela moradora da favela. Mãe solteira está voltando para casa com o filho quando eclode o tiroteio da ocupação da favela pelas forças do exército. A ocupação da favela, assunto que recebera dramática cobertura com a invasão da Vila Cruzeiro e do Complexo do Alemão em novembro de 2010 é repaginada. A ocupação é vivenciada pela protagonista e também vista pelos telespectadores ficcionais da própria novela que assistem abismados ao RJTV original. 4 Ouve-se uma repórter dizer: O Conjunto de Favelas do Alemão, uma região extremamente oprimida durante décadas. A voz de Ana Paula Araújo entra: Para os moradores, hoje foi um dia inesquecível. (RAMALHO, 2013:63) E uma voz televisiva finaliza sentenciando: Vencemos. Trouxemos a liberdade para a população do Alemão. No primeiro capítulo também temos a presença de Rene Silva, o jovem que postou pelo twitter a ocupação do Alemão. Com a notoriedade ganha pela postagem, Rene aumentou a venda do seu jornal A Voz da Comunidade e teve seus 15 minutos de fama consagrados. 5 Na novela, Rene aparece representando a si mesmo, tal como a vendedora de empadas, Adriana de Souza. A mixagem entre cobertura telejornalística, personagens reais e trama ficcional novelística aguça ao máximo as táticas de verossimilhança realista. O código estético realista é acionado para prover legitimidade e intensidade dramática tanto ao enredo novelístico quanto a cobertura dos telejornais onde os recursos de dramatização são amplamente 4 Ver monografia de final de curso de Ana Maria Ramalho, Complexo do Alemão: Dos Telejornais à Novela (Eco/UFRJ), 2013, pp Um dia antes da verdadeira ocupação do complexo do Alemão, o jovem morador Rene Silva enviou mensagens via twitter sobre a ocupação. Como testemunho ao vivo e morador, as mensagens de Rene tiveram grande impacto. Foi devida a essa exposição midiática que Rene potencializou sua visibilidade para adquirir verbas para seu jornal, A voz da comunidade. 17

18 empregados. Cabe destacar aqui o papel relevante neste saga da invasão da favela do comentarista Rodrigo Pimentel, ex-comandante do Bope e que tornou-se autor best-seller, roteirista e comentador do RJTV sobre questões de segurança. Em Salve Jorge, a ocupação da favela pelas forças do exército aqui representado pela figura do herói Theo, devoto do Santo Guerreiro São Jorge, soluciona de imediato a questão explosiva da segurança urbana. Morena e sua mãe passeiam pelo Alemão e comemoram a chegada de turistas na favela pacificada. A violência e o desmanche social ocasionados pelo tráfico de drogas e pelos embates entre traficantes e policiais é sepultada pela presença do exército. Na novela, Theo repete o gesto de conquista do comandante do exército que ocupou o Alemão e também finca a bandeira brasileira no território reconquistado da favela. Se o tráfico de drogas é entrevisto como parte do passado pesaroso, a pulsação cultural funk, os bailes animados e as danças sensuais tão associados ao tráfico agora se desvinculam desta linhagem e passam a figurar como parte do pacote favela pop fashion. O local do popular é legitimado, mas é também o espaço de comicidade e do estereótipo. A favela de Salve Jorge faz parte do bojo de representações sobre as favelas cariocas que têm sido vastamente retratadas em filmes, documentários, reportagens, fotografias públicas, tours turísticos, livros, seriados e agora, finalmente, na telenovela. Antes de Salve Jorge, a favela ficcional Portelinha era cenário central da novela Duas Caras ( ) de Aguinaldo Silva. Mas Gloria Perez inovou ao trazer à tona não somente a ficcionalização de um complexo de favelas existente, mas também ao traçar o cotejamento entre fatos históricos e encenação ficcional. Como já comentei em vários ensaios, a retratação da favela em filmes, reportagens, narrativas literárias e fotografias obedece ao receituário dos códigos do realismo estético (JAGUARIBE, 2007).A despeito das diferenças consideráveis entre filmes tais como Cidade de Deus e Quase Dois Irmãos, os códigos do realismo estético possuem poder de persuasão porque eles camuflam seus próprios mecanismos de estetização e ficcionalização. Apresentam retratos de realidade como se fossem a realidade em si e para tanto pulverizam as demarcações entre ficção e fato; entre ficção e acontecimento histórico. Filmes como Cidade de Deus e Tropa de Elite 1 e 2 também apostam em estratégias de choque para mobilizar o espectador e tirá-lo de sua zona de conforto. Mas este choque do real não está a serviço da experimentação ou do estranhamento. É um recurso estético que visa incentivar a catarse e a intensidade. No caso da favela retratada em Salve Jorge, o elemento de choque e violência é amenizado em prol da comicidade e da resolução dos 18

19 impasses sociais gerados pela violência. O tráfico de drogas desaparece e em seu lugar vem à tona o tráfico de seres humanos escravizados, neste caso, pela prostituição forçada. As primeiras imagens da novela incidem sobre a figura de Morena sendo leiloada em um elegante salão de compra de escravas. A cena é pouco verossímil já que compradores internacionais num leilão em Istambul falam em português, mas o interessante da cena é o ingrediente alegórico. A bela Morena, a jovem da favela sendo exibida no palco relembra a saga de tantas escravas vendidas no Valongo carioca. Finalizando, diria que a favela ficcional de Salve Jorge confirma a hipervisibilidade e o protagonismo cultural das favelas cariocas. Evidentemente que existem discrepâncias gritantes entre as mais de 700 favelas espraiadas pelo Rio de Janeiro. Mas o que vale ressaltar é a ideia da favela enquanto arena cultural e enquanto trademark da própria cidade do Rio de Janeiro. O destaque dado à favela em novela da Globo exibido em horário nobre demonstra a aceitação midiática e cultural da favela como emblema da cidade. Se as favelas têm merecido grande destaque em produções culturais, os subúrbios cariocas não são banhados pela mesma visibilidade. Desde Pecado Capital ( ) de Janete Clair, o subúrbio carioca desponta periodicamente nas telenovelas. Mas de acordo com a pesquisa de Daniela Stocco entre , apenas seis novelas apresentavam um bairro popular afastado da Zona Sul (STOCCO, 2009:217) O sucesso retumbante de Avenida Brasil centrado no bairro fictício do Divino, inspirado em Madureira, trouxe à tona uma nova configuração do subúrbio. Além da camaradagem, dos valores comunitários e da solidariedade da vizinhança, o subúrbio do Divino inova porque é também o local de moradia de uma nova classe média abastada. No primeiro capítulo, a apresentação do Divino se dá pelo clip musicado Meu Lugar de Arlindo Cruz. As imagens do suposto Divino exibem o boteco, a vizinhança na calçada, a cerveja gelada, a ginga de moradores negros dançando, o calor e o trem. Os ingredientes costumeiros associados ao subúrbio. Mas a casa suntuosa do jogador de futebol Tufão, o clube de festas e o poder aquisitivo da família que tem uma chef gabaritada para cozinhar cotidianamente demonstram ascensão do subúrbio enquanto local de alto poder aquisitivo. Além do enredo da vingança e redenção, Avenida Brasil se destacou pelo ritmo acelerado, personagens divertidos, fotografia aprimorada e diálogos instigantes. Avenida Brasil também cativou pela sua qualidade televisiva. Neste novo retrato do Rio de Janeiro, celebra-se o otimismo da ascensão social. Mas na lógica do apreço populista, a ascensão social aos bens de consumo não significa uma mudança de valores ou ideários 19

20 culturais. O que se celebra é a autenticidade, a ginga, a comunidade solidária espelhada na sua cultura audiovisual. Sob os holofotes das câmeras globais a velha cidade letrada com seus valores de erudição e maestria torna-se quase obsoleta. Digo quase porque os autores globais também possuem a formação da cidade letrada. Entretanto, a cidade que antes fora narrada em múltiplas formas, mas também pelo meio letrado se transforma, cada vez mais, em uma metrópole audiovisual. Referências ANDERSON, Benedict. Imagined Communities. Londres: Verso, 1983 BARTHES, Roland. Mitologias. São Paulo:Difel, 2003 BROOKS, Peter. The Melodramatic Imagination. New Haven: Yale University Press, FREIRE FILHO, João. A TV, os literatos e as Massas no Brasil.Revista Contracampo, 2003, p HAMBURGER, Esther. O Brasil Antenado: A Sociedade da Novela. Rio de Janeiro, Zahar, Telenovelas e interpretação do Brasil.Lua Nova. São Paulo, 82:61-86, 2011 JAGUARIBE, Beatriz. O choque do real: mídia, estética, cultura. Rio de Janeiro, Rocco, 2007 KEHL, Maria Rita, Simões, Inimá, Costa, Alice Henrique.Um pais no ar: história da TV brasileira em três canais.são Paulo: Brasiliense, São três autores Maria Rita Kehl, Inimá Simões, Alice Henrique Costa KIM, Sangkyun, Long, Philip. Touring TV Soap Operas.Sage Journals. Dezembro 1, 2013, LOPES, Maria ImmacolataVassallo. Telenovela Brasileira:Uma Narrativa sobre a Nação. Comunicação & Educação, (26):17 a 34, jan/abr ORTIZ, Renato, BORELLI, S, RAMOS, J.M.Telenovela, história e produção. São Paulo: Brasiliense, STOCCO, Daniela. A presença da cidade do Rio de Janeiro nas Novelas das Oito, de Baleia na Rede.vol. 1, número 6, Ano VI, dezembro, 2009,

A VIDA ORNAMENTAL DE CARAS

A VIDA ORNAMENTAL DE CARAS 1 A VIDA ORNAMENTAL DE CARAS RESUMO Luciana de Oliveira 1 O objetivo deste artigo é fazer uma reflexão sobre o conteúdo da revista Caras, analisando através das observações de Roland Barthes em seu livro

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM JORNALISMO JO 01 Agência Jr. de Jornalismo (conjunto/ série) Modalidade voltada a agências de jornalismo experimentais, criadas, desenvolvidas

Leia mais

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos?

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? 1 TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? Willians Cerozzi Balan Setembro/2009 Autores, pesquisadores e profissionais da área de produção em televisão reconhecem que a imagem exerce

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS ROMANTISMO O Romantismo foi uma estética artística surgida no início do século XVIII, que provocou uma verdadeira revolução na produção literária da época. Retratando a força dos sentimentos, ela propôs

Leia mais

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula José Manuel Moran A seguir são apresentadas sugestões de utilização de vídeo, CD e DVD. Vídeo como produção Como documentação, registro de eventos, de aulas,

Leia mais

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 JUNIOR, Carlos de Faria 1 FERNANDES, Priscila Mendonça 2 Palavras-Chave: Indústria Cultural. Regime Militar. Telenovelas. Introdução O projeto consiste

Leia mais

TV brasileira hoje ESTER HAMBURGER. Folha de S. Paulo. ESTER HAMBURGER é professora da ECA-USP e crítica de TV do jornal

TV brasileira hoje ESTER HAMBURGER. Folha de S. Paulo. ESTER HAMBURGER é professora da ECA-USP e crítica de TV do jornal ESTER HAMBURGER TV brasileira hoje ESTER HAMBURGER é professora da ECA-USP e crítica de TV do jornal Folha de S. Paulo. 110 REVISTA USP, São Paulo, n.61, p. 110-115, março/maio 2004 Texto integral escrito

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes,

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, 2009. Editora Práxis, 2010. Autêntica 2003. 11 Selma Tavares Rebello 1 O livro Cineclube, Cinema e Educação se apresenta

Leia mais

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão.

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de Aulas de Língua Portuguesa Produção de uma Fotonovela 1. Nível de

Leia mais

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão.

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão. Cadê? 1 Mirielle Katarine do Nascimento CAHUHY 2 Claudilma Marques Mendes da SILVA 3 Karen Alves de LIMA 4 Sara Raquel REIS 5 Anaelson Leandro de SOUSA 6 Universidade do Estado da Bahia, Juazeiro, BA RESUMO

Leia mais

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária.

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Histórico e Justificativa No ano de 2012, ao participar de uma quadrilha temática, em homenagem ao

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

DIGITAL. Ed. outubro de 2010 Wagner Moura Fotografada por Daniel Klajmic Para Rolling Stone Brasil

DIGITAL. Ed. outubro de 2010 Wagner Moura Fotografada por Daniel Klajmic Para Rolling Stone Brasil DIGITAL 2014 Ed. outubro de 2010 Wagner Moura Fotografada por Daniel Klajmic Para Rolling Stone Brasil 1 rollingstone.com.br Com a média de 4 milhões de páginas acessadas mensalmente, o site apresenta,

Leia mais

Uma Campanha Cinematográfica O caso da campanha promocional do CINE PE 2011 1

Uma Campanha Cinematográfica O caso da campanha promocional do CINE PE 2011 1 Uma Campanha Cinematográfica O caso da campanha promocional do CINE PE 2011 1 Silvana Marpoara 2 Aloísio Beltrão 3 Analice Croccia 4 Faculdade Mauricio de Nassau, Recife, PE RESUMO As campanhas publicitárias

Leia mais

Sobre o site. mídia kit. www.nivelepico.com

Sobre o site. mídia kit. www.nivelepico.com 2013 Sobre o site O Nível Épico é um site de entretenimento que tem como objetivo manter o público informado sobre as últimas novidades da cultura pop. Fundado em 2010, traz conteúdos sobre cinema, literatura,

Leia mais

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS Aline Cavalcante e Silva (Bolsista PIBIC/CNPq/UFPB) aline.mbz@hotmail.com Orientador: Dr. Elio Chaves Flores (PPGH/UFPB) elioflores@terra.com.br

Leia mais

Pronac Nº 1111032 Você em Cenna é um concurso cultural que irá eleger atores e atrizes amadores de todo o país, que enviarão vídeos de suas performances para votação popular e de júri especializado. Os

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

Verdade? 1. Geraldo Augusto Aquino Guimarães 2 Jefferson José Ribeiro de Moura 3 Faculdades Integradas Teresa D Ávila - Lorena, SP

Verdade? 1. Geraldo Augusto Aquino Guimarães 2 Jefferson José Ribeiro de Moura 3 Faculdades Integradas Teresa D Ávila - Lorena, SP Verdade? 1 Geraldo Augusto Aquino Guimarães 2 Jefferson José Ribeiro de Moura 3 Faculdades Integradas Teresa D Ávila - Lorena, SP RESUMO No trabalho apresentado aqui, tem-se um roteiro, um unitário com

Leia mais

MAIS IMPORTANTE GUIA DO RIO DE JANEIRO VEJA RIO é plural como as atrações cariocas e traz em suas páginas o espírito típico dos moradores da cidade.

MAIS IMPORTANTE GUIA DO RIO DE JANEIRO VEJA RIO é plural como as atrações cariocas e traz em suas páginas o espírito típico dos moradores da cidade. MAIS IMPORTANTE GUIA DO RIO DE JANEIRO VEJA RIO é plural como as atrações cariocas e traz em suas páginas o espírito típico dos moradores da cidade. É o mais importante e confiável guia de lazer e cultura

Leia mais

O Formato Reality Show como Devassa da Intimidade de A Fazenda 1. Sara Espírito Santo de PAULA 2 Universidade Federal de Mato Grosso, Mato Grosso, MT

O Formato Reality Show como Devassa da Intimidade de A Fazenda 1. Sara Espírito Santo de PAULA 2 Universidade Federal de Mato Grosso, Mato Grosso, MT O Formato Reality Show como Devassa da Intimidade de A Fazenda 1 Sara Espírito Santo de PAULA 2 Universidade Federal de Mato Grosso, Mato Grosso, MT RESUMO A televisão e a internet estão unidas. Hoje,

Leia mais

Linguagem digital na vizinhança ideal: os limites narrativos de The Sims. Fabiano Andrade Curi

Linguagem digital na vizinhança ideal: os limites narrativos de The Sims. Fabiano Andrade Curi Linguagem digital na vizinhança ideal: os limites narrativos de The Sims Fabiano Andrade Curi A história de The Sims Lançado em fevereiro de 2000, rapidamente se tornou um dos jogos mais vendidos na história

Leia mais

Palestra - "GESTÃO DE PROGRAMAS E SISTEMAS DE EAD - ADOÇÃO DE FORMAS INSTITUCIONAIS E GERENCIAIS COMPATÍVEIS COM A EAD"

Palestra - GESTÃO DE PROGRAMAS E SISTEMAS DE EAD - ADOÇÃO DE FORMAS INSTITUCIONAIS E GERENCIAIS COMPATÍVEIS COM A EAD Palestra - "GESTÃO DE PROGRAMAS E SISTEMAS DE EAD - ADOÇÃO DE FORMAS INSTITUCIONAIS E GERENCIAIS COMPATÍVEIS COM A EAD" PALESTRANTE: Maria Luiza Angelim Coordenadora do Curso de Especialização em Educação

Leia mais

Homens eróticos em prova: representações masculinas na revista Veja (1992-1993)

Homens eróticos em prova: representações masculinas na revista Veja (1992-1993) Homens eróticos em prova: representações masculinas na revista Veja (1992-1993) Jessica Caroline Zanella* 1 Luciana Rosar Fornazari Klanovicz** 2 Resumo: As telenovelas tem um importante papel na cultura

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Joaozinho, o repórter 1 Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN. RESUMO O documentário Joãozinho,

Leia mais

As incompletudes da televisão abrem espaço para a imaginação do telespectador

As incompletudes da televisão abrem espaço para a imaginação do telespectador Ilustração Alessandro Lima As incompletudes da televisão abrem espaço para a imaginação do telespectador Arlindo Machado por Mônica Ramos Arlindo Machado é professor de Comunicação e Semiótica da PUC-SP

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

SINOPSE CURTA SINOPSE

SINOPSE CURTA SINOPSE SINOPSE CURTA No início dos anos 1940, os irmãos Orlando, Cláudio e Leonardo Villas-Boas desistem do conforto da vida na cidade e alistam-se na expedição Roncador Xingu para descobrir e explorar as terras

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

TEXTO LIVRE. Votacão do Marco Civil da Internet: cobertura monossilábica do telejornalismo e profusão de teorias nas redes sociais digitais

TEXTO LIVRE. Votacão do Marco Civil da Internet: cobertura monossilábica do telejornalismo e profusão de teorias nas redes sociais digitais TEXTO LIVRE Votacão do Marco Civil da Internet: cobertura monossilábica do telejornalismo e profusão de teorias nas redes sociais digitais Daniele Cristine Rodrigues 1 Assistir à televisão e, ao mesmo

Leia mais

6 Cultura e ideologia

6 Cultura e ideologia Unidade 6 Cultura e ideologia Escrever sobre cultura no Brasil significa trabalhar com muitas expressões como festas, danças, canções, esculturas, pinturas, gravuras, literatura, mitos, superstições e

Leia mais

MEDIA KIT. http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries

MEDIA KIT. http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries MEDIA KIT http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries 2 CONTEÚDO BREVE HISTÓRICO...03 MINICURRÍCULO DA EQUIPE...04 SOBRE O SITE...05 EDITORIAS...06 SOBRE O PODCAST...06 ESTATÍSTICAS

Leia mais

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica Danilo L. Brito (UFRJ) A arte tem sido alvo de discussões de diferentes teóricos ao longo da história, desde os gregos, com sua concepção

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

PRIMEIRA TEMPORADA: Meu Intelectual Favorito

PRIMEIRA TEMPORADA: Meu Intelectual Favorito PRIMEIRA TEMPORADA: Meu Intelectual Favorito Breve Resumo Cada programa trará uma personalidade midiática em um emocionante e revelador encontro com seu Favorito, um ídolo em algum campo de conhecimento,

Leia mais

11ÍIJIIIII Linga A/902799

11ÍIJIIIII Linga A/902799 Linga-Bibliothek 11ÍIJIIIII Linga A/902799 REDE GLOBO 40 ANOS DE PODER E HEGEMONIA Valério Cruz Brittos César Ricardo Siqueira Bolano (orgs.) PAULUS {locíl Sumário APRESENTAÇÃO 11 PARTE I PLANO GERAL 17

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Artes, Design e Moda

Universidade. Estácio de Sá. Artes, Design e Moda Universidade Estácio de Sá Artes, Design e Moda A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970,

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO INTRODUÇÃO: As mídias sociais estão cada vez mais presentes no dia-a-dia das pessoas, oferecendo soluções e transformando as relações pessoais e comerciais.

Leia mais

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES RELATÓRIO Oficina de fotografia e vídeo com celulares como ferramenta de inclusão visual através de tecnologias acessíveis, percepção do território, construção

Leia mais

MÍDIA EDUCAÇÃO: UM LONGO CAMINHO A PERCORRER

MÍDIA EDUCAÇÃO: UM LONGO CAMINHO A PERCORRER MÍDIA EDUCAÇÃO: UM LONGO CAMINHO A PERCORRER Maria Elisabeth Goidanich O presente seminário foi dividido em quatro partes para melhor entendermos o que é mídia educação e o que podemos fazer a respeito

Leia mais

O esporte enquanto elemento educacional

O esporte enquanto elemento educacional O esporte enquanto elemento educacional Professor do Departamento de Saúde da Universidade Estadual de Feira de Santana - Bahia - e da Faculdade Social da Bahia. Mestre em Engenharia de Produção/Mídia

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM Vinheta Sala de Cinema 1 Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM RESUMO Esse trabalho surgiu a partir das atividades de um projeto de extensão (Pibex)

Leia mais

Morro da Favella. Fatos e lendas da primeira favela do Brasil

Morro da Favella. Fatos e lendas da primeira favela do Brasil Fatos e lendas da primeira favela do Brasil Fatos e lendas da primeira favela do Brasil FORMATO: Documentário: 1X 52 HD FULL 16:9 GENERO: Documentário em técnica mista: SINOPSE: Morro da Favella é um documentário

Leia mais

TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO

TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO Fabiana Piccinin 1 Esse artigo faz uma crítica ao modelo de telejornalismo adotado pelas Tvs comerciais brasileiras, apresentando uma nova proposta de jornalismo

Leia mais

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca I M A G E M N O B R A S I L COM A PALAVRA, AS IMAGENS! representações do feminino nas capas dos romances da Biblioteca das Moças (1940-1960) Maria Teresa Santos Cunha Entre 1940 a 1960, uma coleção de

Leia mais

RÁDIO COMUNITÁRIA: UMA EXPERIÊNCIA NO PROGRAMA A VOZ DA COMUNIDADE NO BAIRRO DA LIBERDADE-CAMPINA GRANDE-PB

RÁDIO COMUNITÁRIA: UMA EXPERIÊNCIA NO PROGRAMA A VOZ DA COMUNIDADE NO BAIRRO DA LIBERDADE-CAMPINA GRANDE-PB RÁDIO COMUNITÁRIA: UMA EXPERIÊNCIA NO PROGRAMA A VOZ DA COMUNIDADE NO BAIRRO DA LIBERDADE-CAMPINA GRANDE-PB Ermaela Cícera Silva Freire 1, José Luis Sepúlveda Ferriz 2, Adriana Freire Pereira Ferriz n

Leia mais

Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas

Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas Vanessa Curvello Índice 1 O Big Brother........... 1 2 O Big Brother Brasil....... 2 3 A estruturação do programa.... 2 4 As estratégias comunicativas da

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Jornalismo 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Jornalismo 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Jornalismo 2011-2 O PAPEL DO YOUTUBE NA CONSTRUÇÃO DE CELEBRIDADES INSTANTÂNEAS Aluno: Antonio,

Leia mais

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva CR I S G U E R R A p u b l i c i tá r i a, e s c r i to r a e pa l e s t r a N t e PERFIL Começou sua trajetória na internet em 2007, escrevendo o blog Para Francisco, que virou livro em 2008 e irá para

Leia mais

MC, PROFISSÃO DE RISCO?

MC, PROFISSÃO DE RISCO? MC, PROFISSÃO DE RISCO? O assassinato de Daniel Pellegrini (Mc Daleste) deixou marcas profundas na família do cantor e no Funk Nacional. O caso repercutiu no mundo inteiro comovendo e, por mais bizarro

Leia mais

Cultura e Desenvolvimento Sustentável

Cultura e Desenvolvimento Sustentável Cultura e Desenvolvimento Sustentável A ascensão, nas últimas décadas, do termo sustentabilidade no discurso corrente, político e acadêmico assinala a emergência, na sociedade contemporânea, da percepção

Leia mais

COMANDO VERDE GUERRA CIVIL NO RIO DE JANEIRO

COMANDO VERDE GUERRA CIVIL NO RIO DE JANEIRO COMANDO VERDE OPERAÇÃO ARCANJO Comando Verde o surpreenderá pela forma que apresenta críticas sociais a problemas enraizados no dia a dia brasileiro, sem que você sinta que está sendo exposto às vísceras

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL NA MÍDIA CONTEMPORÂNEA: CRISE E TRANSFORMAÇÃO

JORNALISMO CULTURAL NA MÍDIA CONTEMPORÂNEA: CRISE E TRANSFORMAÇÃO Paulo Augusto Emery Sachse Pellegrini: PROJETO RUMOS JORNALISMO CULTURAL 2009-2010 JORNALISMO CULTURAL NA MÍDIA CONTEMPORÂNEA: CRISE E TRANSFORMAÇÃO Abordar o tema Jornalismo Cultural pode significar,

Leia mais

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA CAVALHEIRO, Kaline (UNIOESTE G/Pibic - CNPq) DIAS, Acir (UNIOESTE Orientador) RESUMO: O presente trabalho tem como objeto o estudo da cultura, mitos e imagens presentes

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Experimental, Animação, Seriado, Criatividade. INTRODUÇÃO. Adeus, Johnny!¹

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Experimental, Animação, Seriado, Criatividade. INTRODUÇÃO. Adeus, Johnny!¹ Adeus, Johnny!¹ Débora Caroline de Oliveira AZEVEDO² Bruna Camara ALEXANDRINO³ Renata Boutin BECATE 4 Faculdade de Comunicação, Artes e Design do Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio, Salto,

Leia mais

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Ponta de Pedras, ilha do Marajó, Pará, 10 de janeiro de 1909. Nasce ali e naquela data uma das maiores expressões

Leia mais

SÁBADO TOTAL PATROCÍNIO E MERCHANDISING O LEÃO ESTÁ DE VOLTA PARA ALEGRIA DA FAMÍLIA BRASILEIRA NOVEMBRO DE 2012 REDETV! www.redetv.com.

SÁBADO TOTAL PATROCÍNIO E MERCHANDISING O LEÃO ESTÁ DE VOLTA PARA ALEGRIA DA FAMÍLIA BRASILEIRA NOVEMBRO DE 2012 REDETV! www.redetv.com. SÁBADO TOTAL PATROCÍNIO E MERCHANDISING NOVEMBRO DE 2012 REDETV! www.redetv.com.br www.redetv.com.br/comercial DEPARTAMENTO DE MARKETING REDETV! DIVISÃO PLANEJAMENTO DE MARKETING PUBLICITÁRIO O LEÃO ESTÁ

Leia mais

Luau Bom D+ Bom D+ Verão. Desafio Ciclístico

Luau Bom D+ Bom D+ Verão. Desafio Ciclístico 4 Luau Bom D+ 10 Bom D+ Verão 16 Desafio Ciclístico 22 Triathlon Bahia de Todos os Santos 28 Revezamento a Nado Farol a Farol 34 Carnaval 2013 Record Bahia O que já era bom ficou ainda melhor. A primeira

Leia mais

SHOW DA QUÍMICA: A UTILIZAÇÃO DO TEATRO COMO UMA PROPOSTA INOVADORA RESUMO

SHOW DA QUÍMICA: A UTILIZAÇÃO DO TEATRO COMO UMA PROPOSTA INOVADORA RESUMO SHOW DA QUÍMICA: A UTILIZAÇÃO DO TEATRO COMO UMA PROPOSTA INOVADORA Paula Mantovani dos Santos 1 ; Ademir de Souza Pereira 2 UFGD/FACET Caixa Postal 533, 79.804-970 Dourados MS, E-mail: paulamantovani@live.com

Leia mais

O projeto prevê a montagem e a realização da temporada na cidade do Rio de Janeiro, por 3

O projeto prevê a montagem e a realização da temporada na cidade do Rio de Janeiro, por 3 de Fernando Ceylão Rio de janeiro, Janeiro de 2013 Prezados senhores, Nossa empresa vem durante anos levando ao público espetáculos excelente nível cultural, todos com boa aceitação por parte do público

Leia mais

Criança e Comunicação: Nosso Bairro em Pauta 10 Anos 1. Michael da SILVA 2 Tiago FIORAVANTE 3 Saraí SCHMIDT 4 Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS

Criança e Comunicação: Nosso Bairro em Pauta 10 Anos 1. Michael da SILVA 2 Tiago FIORAVANTE 3 Saraí SCHMIDT 4 Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS Criança e Comunicação: Nosso Bairro em Pauta 10 Anos 1 Michael da SILVA 2 Tiago FIORAVANTE 3 Saraí SCHMIDT 4 Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS RESUMO O Livro Criança Comunicação é uma publicação

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 Francisco José da Silva ROCHA Filho 2 Nathalia Aparecida Aires da SILVA 3 Sebastião Faustino PEREIRA Filho 4 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal,

Leia mais

Prof. Ms. Julio Cesar Fernandes II CICLO ESPM - BRASIL MÚLTIPLAS IDENTIDADES agosto de 2014

Prof. Ms. Julio Cesar Fernandes II CICLO ESPM - BRASIL MÚLTIPLAS IDENTIDADES agosto de 2014 Prof. Ms. Julio Cesar Fernandes II CICLO ESPM - BRASIL MÚLTIPLAS IDENTIDADES agosto de 2014 Indústria Cultural Teoria Crítica; Estudos Culturais; Produção cultural: obras ou serviços. Criados; Elaborados;

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

CARO PROFESSOR, Bem-vindo ao universo de Pequenas Histórias, filme de Helvécio Ratton que será lançado nos cinemas a partir de julho.

CARO PROFESSOR, Bem-vindo ao universo de Pequenas Histórias, filme de Helvécio Ratton que será lançado nos cinemas a partir de julho. CARO PROFESSOR, Bem-vindo ao universo de Pequenas Histórias, filme de Helvécio Ratton que será lançado nos cinemas a partir de julho. Um filme, como qualquer obra de arte, possibilita várias leituras,

Leia mais

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO Mestres 1 Tiago Fernandes 2 Marcelo de Miranda Noms 3 Mariane Freitas 4 Tatiane Moura 5 Felipe Valli 6 Bruno Moura 7 Roberto Salatino 8 Conrado Langer 9 Prof. Msc. Luciana Kraemer 10 Centro Universitário

Leia mais

Relatório de Pesquisa Qualitativa. Avaliação da Campanha de Fim de Ano 2010

Relatório de Pesquisa Qualitativa. Avaliação da Campanha de Fim de Ano 2010 Relatório de Pesquisa Qualitativa Avaliação da Campanha de Fim de Ano 2010 Dezembro de 2010 2 Sumário Introdução... 3 1. Avaliação do Filme Fim de Ano - 2010... 5 1.1. Percepção do Filme no Break... 5

Leia mais

Comunicação Comunitária a partir do informativo Atoque da Informação 1. Camilla Soares LOPES²

Comunicação Comunitária a partir do informativo Atoque da Informação 1. Camilla Soares LOPES² Comunicação Comunitária a partir do informativo Atoque da Informação 1 RESUMO: Camilla Soares LOPES² Bárbara Smidt WEISE* Camila Pereira GONÇALVES* Caroline da Fonseca CECHIN* Liliane Dutra Brignol³ Centro

Leia mais

NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda.

NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda. 2 NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda. Na sua 5ª edição no Brasil o NÖOS RESFEST tem duração de 3 dias e será

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

O PROJETO PORQUE PATROCINAR

O PROJETO PORQUE PATROCINAR PAIXÃO NACIONAL O gosto pelo futebol parece ser uma das poucas unanimidades nacionais do Brasil. As diferenças sociais, políticas e econômicas, tão marcantes no dia a dia do país diluem-se quando a equipe

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 3 Divulgação de fotos e vídeos

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 3 Divulgação de fotos e vídeos Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 3 Divulgação de fotos e vídeos Objetivos 1 Entender o que são as redes sociais. 2 Definir Marketing Viral. 3 Entender como divulgar fotos e vídeos nas redes

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Consumption of fashion, culture and city: a look at the Vila Madalena (SP)

Consumption of fashion, culture and city: a look at the Vila Madalena (SP) CONSUMO DE MODA, CULTURA E CIDADE: UM OLHAR PARA A VILA MADALENA (SP) Consumption of fashion, culture and city: a look at the Vila Madalena (SP) Resumo Nunes, Luisa da Conceição; Graduando; Universidade

Leia mais

PROJETO TE VEJO NA ESCOLA

PROJETO TE VEJO NA ESCOLA PROJETO TE VEJO NA ESCOLA Flávia Oliveira Machado 1 Isabela Mayara Cheida José Leonardo Gallep Maria do Carmo Palhaci (coordenadora) Maria Helena Gamas (coordenadora) RESUMO O projeto em questão visa a

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Área: A Universidade na Sociedade do Conhecimento. Oficinas de cinema digital na formação de jovens

Área: A Universidade na Sociedade do Conhecimento. Oficinas de cinema digital na formação de jovens Área: A Universidade na Sociedade do Conhecimento Oficinas de cinema digital na formação de jovens Claudia Carvalhal de Castro Pimentel - claudia-pimentel@uol.com.br Taís Pilleggi Vinha - Adriana Dias

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio Currículo Referência em Teatro Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas Investigar, analisar e contextualizar a história do Teatro compreendendo criticamente valores, significados

Leia mais