O negro na telenovela brasileira: a atualidade das representações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O negro na telenovela brasileira: a atualidade das representações"

Transcrição

1 O negro na telenovela braslera: a atualdade das representações Wesley Perera Grjó & Adam Henrque Frere Sousa Unversdade Federal do Ro Grande do Sul & Unversdade Federal de Goás, Brazl E-mal: Resumo O artgo aborda a representação do negro nas telenovelas da TV Globo na década de O corpus da pesqusa é composto de 53 telenovelas, exbdas nos três horáros: 18, 19 e 21 horas. Prmero, fo realzado um levantamento da presença de personagens negros nas telenovelas, em seguda, a partr dos dados obtdos. Faz-se uma análse de algumas telenovelas sobre a representação do negro. Apesar desse novo contexto, de forma hegemónca, os negros anda permanecem com papés de pouco destaque nas narratvas. Entretanto, observamse alguns avanços categorzados de três maneras: negros (as) como protagonstas, núcleos negros e negros como vlões. Palavras-chave: telenovela braslera, negro, representação, dentdade The Black n Brazlan telenovela: the actualty of representatons Abstract Ths artcle dscusses the representaton of black men n Brazlan telenovelas (TV Globo) n the 2000s. The research corpus s composed of 53 Brazlan telenovelas, presented n three showtmes: 18, 19 and 21 hours. Frst, a survey was made about the presence of black characters n Brazlan telenovelas. Then, from the results obtaned, the research conducted an analyss of the representaton of black characters n some of those products. Despte ths new context of representaton, so hegemonc, black characters stll reman mostly wth nonpromnent roles n the narratves. However, some "advances"were observed and categorzed n three ways: black as protagonst, nucle blacks and blacks as vllans. Estudos em Comuncação nº 11, Mao de 2012

2 186 Wesley Perera Grjó & Adam Henrque Frere Sousa Keywords: Brazlan telenovela, negro, representaton, dentty UM estudo sobre a representação que a televsão faz grupos socas subalternos é fundamental para o fortalecmento da produção de conhecmento sobre o campo da comuncação, uma vez que, conforme Kellner (2001), a chamada cultura da mída oferece a base sobre a qual as pessoas constroem seu senso de classe, de raça e etna, de naconaldade, de sexualdade; enfm, nos ajuda na construção de nossa dentdade e na determnação do que seja o outro, o dferente do que somos. Por essa lnha de racocíno que observamos, na década de 2000, a representação da negrtude braslera no produto televsvo naconal de maor dfusão tanto no Brasl quanto no exteror: a telenovela. Dessa forma, partmos de um estudo baseado na perspectva da produção para lançar reflexões sobre os avanços e a manutenção de estereótpos que a fcção serada televsva braslera realzou nos últmos anos em relação aos negros. Aqu, compreendemos representação como um processo cultural, sendo as telenovelas, em certos momentos, um produto de expressão da cultura braslera ao longo das décadas. Nessa perspectva, segundo Woodward (2000), as narratvas dos programas de televsão podem construr novas dentdades e fornecer magens com as quas os espectadores podem se dentfcar. Nesse sentdo, as narratvas das telenovelas ajudam a construr dentdades, quer sejam racas, de gênero etc., as quas podem ser apropradas (ou não) pelo públco. Essa representação não pode ser observada sem reservas, haja vsta ser também um jogo de nteresses recíprocos por parte de emssoras de televsão, mercado publctáro etc. Além do mas, se trata da maor parte da população braslera, apesar de ser concebda como mnora: os dados do Insttuto Braslero de Geografa e Estatístca (IBGE) revelam que, de 1999 a 2009, houve um crescmento da proporção das pessoas que se declaravam pretas (de 5,4% para 6,9%) ou pardas (de 40% para 44,2%), que agora em conjunto representam 51,1% da população. 1 No cenáro braslero de televsão aberta, a telenovela ganha destaque pela grande audênca que obtém daramente e por pautar a agenda socal. Nesse âmbto, este estudo parte do questonamento: como o negro fo representado 1. vsualza.php?d_notca=1717&d_pagna=1. Acessado em: 14/07/2011.

3 O negro na telenovela braslera: a atualdade das representações 187 nas telenovelas da TV Globo na década de 2000? Outras questões secundáras, mas não menos mportantes, também norteam nossa lnha de racocíno: Quem são os negros representados? Que papés eles representam? Como o preconceto racal permea as narratvas? Quas avanços ou manutenção de estereótpos essas telenovelas promoveram? Em relação ao estado da arte deste assunto, nosso trabalho parte prncpalmente da experênca de análse de Araújo (2004) sobre a representação dos negros nas telenovelas entre as décadas de 1960 e A partr daí, fazemos um levantamento de âmbto mas quanttatvo sobre essa representação na década de 2000 e depos, com os resultados obtdos nessa etapa, realzamos uma análse de forma mas qualtatva sobre essa representação a partr de exemplos sgnfcatvos para se entender a questão. Assm, nossa análse é baseada na contrbução teórco-metodológca de Kellner (2001), conhecda como crítca dagnóstca. Segundo essa perspectva, deve-se fazer uma nterpretação polítca dos textos da cultura da mída para analsar as lutas e posções polítcas opostas. Assm, a crítca dagnóstca se postula a partr de uma letura dualsta da cultura da mída para assm compreender as múltplas relações exstentes entre textos e contextos, entre cultura da mída e hstóra. Neste trabalho, tomamos como objeto de estudo as telenovelas da TV Globo, sso se deve por conta de sua lderança de audênca, por ser a mas bem estruturada e consoldada produtora de fcção serada no país, pela regulardade de exbção e pelo reconhecmento nternaconal, com um grande número de produções exportadas por todo mundo. Assm, temos um prncpal corpus de pesqusa de 53 telenovelas, exbdas nos três horáros: 18, 19 e 21 horas. O panorama do negro nas telenovelas Num país multcultural e mult-étnco como o Brasl, a telenovela ao longo de sua trajetóra, crou hegemoncamente a magem de um país onde todas as dferenças convvem harmoncamente sem qualquer choque ou mposções culturas, geralmente o conflto está mas atrelado a uma relação de classe. Pela mportânca e penetração nos lares, esse produto mdátco partcpa atvamente na construção da realdade braslera, num fluxo constante e ntera-

4 188 Wesley Perera Grjó & Adam Henrque Frere Sousa tvo entre fcção e realdade. Hstorcamente, o negro teve grande presença na formação da socedade braslera, mas na telefcção serada tal questão não é apresentada de forma natural, crando um hato entre a realdade e fcção. Por trás dsso, conforme ndca Sodré (1999), presencamos nos meos de comuncação do Brasl o chamado "racsmo mdátco". Ou seja, os meda atuam dentro da esfera cultural como propagadores de modelos, sendo que sso ocorre a partr do ponto de vsta dos grupos domnantes, o que coloca em cheque toda uma dversdade cultural presente no país. Em relação à representação dos negros nas telenovelas, essa questão é latente, pos essa produção audovsual apesar de ser consderada como expressão da cultura braslera, em alguns momentos reforça preconcetos dfunddos no senso comum, exclu expressões da cultura negra ou "os negros são representados de manera estereotpada como se sto fosse uma verdade dada a pror e aceta pela socedade como justfcatva para admtr que a nferordade dos negros parece ser ncontestável" (PEREIRA; GOMES, 2001, p. 49). A análse da representação do negro nas telenovelas nas décadas anterores já fo realzada por Araújo (2004) 2, na obra A negação do Brasl, em que autor faz a consderação de que na telenovela braslera persste num deal de branqueamento, numa espéce de polítca eugensta. Na década de 1960, o grande destaque da representação do negro numa telenovela fcou por conta da versão braslera de O Dreto de Nascer. Nessa narratva, a personagem negra mamãe Dolores (Isaura Garca), fo representada como uma grande mãe, servndo como uma porta-voz do dscurso autortáro da época. Apesar do sucesso da personagem, nos anos posterores, os negros não tveram grande destaque nas narratvas, prossegundo o padrão estétco euro-amercanzado, o que Araújo (2004) denomnou de estétca sueca. Em 1969, a novela A cabana do pa Tomás fo a prmera produção global a contar com um personagem prncpal negro, contudo por pressões dos patrocnadores, o papel fo nterpretado por um ator branco, Sérgo Cardoso, consderado galã na época, que passava por uma caracterzação para escurecer a pele em cena. Na década segunte, quando o país vva um contexto de crescmento econômco, as narratvas contnham representações dos confltos e dos dramas dos brasleros pela ascensão socal. Nessa conjuntura, há casos pontuas de 2. A pesqusa, tese de doutorado defendda na ECA-USP, está stuada entre 1963 e1997, portanto, grande parte do período envolve um contexto polítco específco no Brasl, no qual a dtadura tolha os dretos democrátcos dos cdadãos ( ).

5 O negro na telenovela braslera: a atualdade das representações 189 representação de negros como sujetos em busca de mobldade socal como, por exemplo, o psquatra Percval (Mlton Gonçalves), na novela Pecado Captal. No entanto, o personagem não teve qualquer nfluênca determnante no transcorrer da trama, sendo apenas um personagem-escada para outros atores brancos. Anda nesse mesmo período, as telenovelas tveram sua prmera protagonsta negra 3, na novela Escrava Isaura, entretanto a atrz escalada para vver a personagem homônma era fenotpcamente branca, Lucéla Santos. Essa telenovela tornou-se um dos maores sucessos da teledramaturga braslera, tendo sdo exportada para dversos países. Na década de 1980, Araújo (2004) aponta que apesar de uma pequena ascensão do negro nas telenovelas da TV Globo, em um terço delas não hava qualquer personagem negro. Nesse período, um dos destaques ocorreu em Corpo a Corpo (1984), quando se tratou explctamente a questão do preconceto racal numa trama contemporânea. A personagem Sôna (Zezé Motta) se apaxonou por um homem de cor branca o que causou polêmca tanto dentro da narratva quando entre a audênca. Nesta mesma década, o país vveu um contexto em que os movmentos em defesa dos negros crescam, exgndo uma maor partcpação do negro nas teledramaturgas, o que não se refletu tão ntensamente na produção televsva, pos fo nesse período que surgram telenovelas baseadas nas váras obras do autor baano Jorge Amado, entretanto, nessas adaptações, o unverso da Baha negra característca do autor quase desapareceu. Além de Gabrela, quase não hava negros em Terras do Sem Fm e Teta. Por fm, na década de 1990, os autores de telenovelas procuraram retratar outra magem do Brasl em suas fcções 4. Dentro desse aspecto, o negro passou a ter um pouco mas de notoredade, sando da total submssão ao homem branco para, em alguns casos pontuas, fazer parte uma classe méda, que naquele momento estava em ascensão no Brasl com a mplantação do Plano Real. Como exemplo dessa representação, temos a telenovela A Próxma Vítma (1995), de Slvo de Abreu, que retratou uma famíla de classe méda 3. A prmera protagonsta negra nterpretada por uma atrz também negra só ocorreu em 1996, na telenovela Xca da Slva, escrta por Walcyr Carrasco, cuja personagem que dava nome à obra fo nterpretada pela atrz Taís Araújo, na TV Manchete. 4. Fera Ferda (1993), de Agunaldo Slva, Ana Mara Moretzsohn e Rcardo Lnhares, a novela reunu um número expressvo de atores negros. No total, somavam 16. Ses fzeram parte do elenco prncpal e dez, do elenco de apoo.

6 190 Wesley Perera Grjó & Adam Henrque Frere Sousa encabeçada por Fátma (Zezé Motta), o mardo Cleber (Antono Ptanga) e os flhos Sdney (Norton Nascmento), Jefferson (Lu Mendes) e Patríca (Camla Ptanga). E, dferentemente de outros personagens negros presentes em outras telenovelas, eles tnha partcpação atva na narratva, sendo nclusve uma das polêmcas da hstóra devdo à homossexualdade de um dos flhos da famíla. Em 1997, o remake da telenovela Anjo Mau, abordou a questão negra a partr do núcleo formado por Dona Cda (Léa Garca), sua flha adotva Vvan (Tas Araújo) e sua a flha bológca, consderada socalmente branca Teresa (Luza Brunet), que esconda sua orgem por temer represála do mardo mlonáro. No mesmo ano, o negro fo representado na telenovela Por Amor, de Manoel Carlos, a partr do preconceto racal, sendo um das ações de merchandsng socal levantas pelo autor. Após engravdar do mardo, um homem branco que não admta a possbldade de ter uma flha negra, Márca (Mara Ceça) se separa de Wlson (Paulo César Grande). O nascmento de uma crança com fenótpo branco deu prossegumento à dscussão do tema, como nas cenas em que as pessoas pensavam que Márca era a babá de sua própra flha. Com esse breve panorama da representação do negro em quatro décadas, prncpalmente, a partr da contrbução de Araújo (2004), podemos ponderar que houve em mutos momentos alguns avanços no que tange à forma como os personagens negros partcparam das narratvas. Entretanto, pela grande presença dessa etna na formação da socedade braslera, a partcpação da negrtude nas telenovelas se apresentou módca, pos anda há resquícos de uma representação pautada em estereótpos. Anda sm, nas décadas de 1980 e 1990, houve uma ascensão do negro nas narratvas se comparado aos períodos anterores. Dante dsso, Araújo (2004) aponta que nas telenovelas predomnavam a consttução de uma dentdade braslera de branqutude, em que as magens domnantes eram alcerçadas na supervalorzação dos traços brancos como o deal de beleza da socedade. Essa questão anda é latente na trajetóra da produção das telenovelas brasleras, nclusve as contemporâneas onde o negro é retratado como ndvíduo que vve sem ser alvo de preconcetos, numa produção de sentdo que esconde as questões étncas, crando um consenso da democraca racal braslera.

7 O negro na telenovela braslera: a atualdade das representações 191 A presença do negro nas telenovelas na década de 2000 Como forma de melhor vsualzar a representação do negro nas telenovelas no período estudado, realzamos um levantamento da presença de personagens negro nas telenovelas da TV Globo na década de 2000 ( ). Esse levantamento fo realzado a partr de dados coletados no âmbto da produção como: stes das telenovelas 5 e o ste do projeto Memóra Globo (teledramaturga) 6. Dessa forma, categorzamos os dados das 53 telenovelas segundo crtéros como: ano de exbção; título; horáro de exbção; autor, dretor; quantdade de negros, protagonsta, personagem negro com mas destaque, profssão dessa personagem; dade; estado cvl; local onde resde; resumo da telenovela e fnal da personagem negra prncpal na telenovela. A partr dessas nformações obtdas pudemos fazer o segunte levantamento: Dentre as novelas com o maor número de negros estão: A Padroera (7); O Clone (8); Celebrdade (6); Da Cor do Pecado (6); Amérca (7); o remake de Snhá Moça (12), Paraíso Tropcal (5); Sete Pecados (5); Duas Caras (10); Desejo Probdo (6); Três Irmãs (5); Camnho das Índas (5); o remake de Paraíso (6); Caras e Bocas (7); Vver a Vda (8) e Cama de Gato (7). Neste questo, entre as produções com maor número de personagens negros estão aquelas referentes a períodos hstórcos dstantes, na maora das vezes, se passam no Brasl escravocrata, sendo o negro retratado como um catvo a espera do senhor que os lvrasse daquele stuação. O outro grupo de telenovelas com maor partcpação de personagens negros dz respeto às produções de caráter contemporâneo, com o cenáro no Ro de Janero, estado, nclusve, onde se concentra uma das maores populações negra do país. Entre as produções com o menor número de negros: Esplendor (2); Uga Uga (2); Laços de Famíla (2); O Cravo e a Rosa (1); Um Anjo cau do céu (1); Estrela Gua, sem nenhum; As Flhas da Mãe, sem nenhum; Desejos de Mulher (1); Coração de Estudante, sem nenhum; Kubanacan (1); Beleza Pura 5. A partr da segunda metade da década de 2000, todas as telenovelas da TV Globo passaram a ter stes, hospedados no Portal: 6. Memóra Globo é uma área da Central Globo de Comuncação que pesqusa a hstóra da TV Globo e de suas produções. Contando com uma equpe formada por hstoradores, antropólogos, socólogos e jornalstas, o departamento realza, desde março de 1999, quando fo crado, um trabalho de levantamento hstórco detalhado nos arquvos da empresa e em outros acervos públcos e prvados. Acesso em 25/05/2011.

8 192 Wesley Perera Grjó & Adam Henrque Frere Sousa (1); Eterna Maga (2); Pé na Jaca, sem nenhum, O Profeta (2); Bang Bang (2). Dentre as que apresentam pouco ou nenhum personagem negro em suas narratvas, devemos pontuar o modo como tas produções cram a magem de Brasl em suas tramas, pos mutas delas se passam em cdades com grande população de afrodescendentes, contudo nas fcções tas índces do Insttuto Braslero de Geografa Estatístca (IBGE) parecem que não são levados em consderação na realdade magnada pelos autores. Anda tem o agravante dessas telenovelas brasleras serem venddas para o exteror como mas realstas em relação às produzdas em países como Méxco e Venezuela. Outra questão a ponderar deve-se ao fato de que essas telenovelas enumeradas acma com poucos negros em suas narratvas são exbdas prncpalmente no horáro das 18h e 19h, quando as tramas têm por sua natureza um caráter mas romântco, leve, bem-humorado, sem muta preocupação com a exposção da realdade fdedgna do país, como ocorre com as telenovelas das 21h. Percebemos que as produções nos dos horáros menconados levam para o cotdano da audênca um Brasl mas fenotpcamente claro, negando a grande partcpação da negrtude como sujeto na socedade. Ressaltamos anda que essas telenovelas foram exbdas, prncpalmente, na prmera metade da década, quando o dscurso de nclusão das classes subalternas - assm como os negros - nas produções televsvas anda não era tão forte como fo mas evdente nos últmos anos. Das 53 telenovelas pesqusadas na década de 2000, três tveram como protagonsta uma personagem afrodescendente: Preta (Taís Araújo), em Da cor do pecado e Helena, em Vver a Vda e Rose (Camla Ptanga), em Cama de Gato. Tal ascensão dos personagens negros como protagonstas das narratvas ocorreu dentro o contexto de nclusão das camadas populares nas telenovelas, dexando de serem apenas personagens de segunda ordem, como predomnou em décadas anterores, mas passaram a ter um pouco mas de partcpação nas hstóras. Assm presencamos nos últmos anos a hegemônca TV Globo colocando negros como personagens prncpas de suas telenovelas nos três horáros de exbção desse produto, lançou nomes de novos autores como tentatva de renovar o gênero televsvo, ao mesmo tempo em que, nomes antgos adotaram esse dscurso numa tentatva de renovar suas tramas, colocando protagonsta negro em sua obra, como fo o exemplo de Manoel Carlos, conhecdo por fazer apenas a crônca da elte caroca, mas que na sua últma produção trouxe a prmera Helena negra e concomtante a prmera protagonsta

9 O negro na telenovela braslera: a atualdade das representações 193 negra em uma telenovela das 21 horas da TV Globo, mas cuja personagem não atngu a expectatva desejada pela produção, não assumndo esse mesmo caráter nas vendas desse produto para outros países. Assm como houve a presença de três personagens negras como protagonstas, outras telenovelas tveram personagens negros em papés de destaque: a vlã Esmeralda (Camla Ptanga), em Porto dos Mlagres; a mancure e dançarna que deu à luz a um clone, nterpretada por Adrana Lessa, e a dona do botequm, dona Jura (Solange Couto), em O Clone; a médca Lucana (Camla Ptanga), em Mulheres Apaxonadas; o pícaro que vrou mlonáro, Fogunho (Lázaro Ramos) e a vlã Ellen (Taís Araújo), em Cobras e Lagartos; A mãe sofrda da perfera, Rta de Cássa (Alessandra Lessa), em Senhora do Destno; o mulherego Fetosa (Alton Graça), em Amérca; as rmãs Latoya (Zezeh Barbosa) e Whtney (Mary Shela), em A lua me dsse; a empregada doméstca Mônca Santana (Camla Ptanga), em Belíssma; a escrava Bá (Zezé Motta), no remake de Snhá Moça; a prosttuta de caráter duvdoso Bebel (Camla Ptanga), em Paraíso Tropcal; o líder comuntáro Evláso (Lazáro Ramos), em Duas Caras; os personagens Alíca (Taís Araújo) e Romldo Rosa (Mlton Gonçalves), em A Favorta. Esse grupo de personagens fo o que mas concretzou a forma como os negros foram representados na últma década, pos a partr deles pudemos observar as alterações das formas de representação hegemônca que perdurou por mutos anos na produção braslera. Nesse sentdo, temos telenovelas com núcleos negros atuantes na trama, com perfs dversos: níves socoeconômcos varados (de subempregados à classe alta), buscam ascensão socal, possuem um dscurso poltcamente correto, ou que negam a condção de negros e, por fm, há aqueles com maor destaque dentro do melodrama fcconal, como fo o caso daqueles com função de vlão dentro da narratva, sem necessaramente serem sujetos cujas condções socas lhe conduzram à vda de maldades. Nesse grupo de personagens negros com grande destaque nas telenovelas encontramos os melhores exemplos para se pensar essas representações nas telenovelas, conforme a análse mas qualtatva que fazemos a segur. Entre as profssões exercdas pelos negros nas telenovelas na década de 2000, verfcamos que a maora está envolvda com atvdades como: empregada doméstca, escravo 7, capataz, vendedor ambulante, entre outros. Das 7. Em telenovelas que retratam o período escravagsta no Brasl.

10 194 Wesley Perera Grjó & Adam Henrque Frere Sousa três personagens negras protagonstas de telenovelas, duas se stuam neste contexto, como é caso da vendedora de ervas maranhense Preta (Taís Araújo), em Da cor do pecado, e da faxnera Rose (Camla Ptanga), em Cama de Gato. Nesse ponto, pratcamente nada fo alterado em relação às representações das décadas anterores, entretanto, há casos pontuas de personagens com profssões que fogem à regra como: a médca Lucana, em Mulheres Apaxonadas; o jornalsta Bruno (Sérgo Menezes), em Celebrdade; o advogado Abílo (Ronne Marruda), em Alma Gêmea; a médca Selma (Elsa Lucnda), em Págnas da Vda; o empresáro Barão (Alton Graça), em Sete Pecados; o deputado Romldo Rosa (Mlton Gonçalves), em A Favorta;atop model Helena (Taís Araújo), em Vver a Vda; a delegada Tta Bcalho (Crs Vana), em Tempos Modernos. Apesar deste questo não ter tdo grande dferencação em relação às décadas anterores, percebemos que nos últmos anos houve uma maor presença de personagens negros como pertencentes à classe méda, entretanto, na maora das vezes, sua presença na narratva permanece de forma plana, secundára ao encamnhamento desta, por vezes, até descartável, anda com o estgma de um personagem negro crculando no espaço dos brancos, como fo o caso do psquatra Percval, em Pecado Captal na década de 1970 e no remake na década de Em relação à faxa etára, o negro está com dade entre 25 e 35 anos, tendo poucos casos de cranças e apenas dos regstros de personagens com mas de 60 anos: Donísa (Chca Xaver), em A Lua me dsse e Romldo Rosa (Mlton Gonçalves), em A Favorta. Quanto ao estado cvl, majortaramente os negros das telenovelas foram apresentados como solteros, sendo que para mutos a trama fnalza com um happy end, quando encontraram um (a) parcero (a) com quem casam, algo comum nas narratvas ao expressarem em seus dscursos o conceto de bemestar burguês. Também há uma sgnfcatva presença de personagens casadas; essa constânca só fo alterada pelos personagens Aurora (Rosa Mara Coln), no remake de Cranda de Pedra e Romldo Rosa (Mlton Gonçalves), em A Favorta, ambos vúvos, e Rose (Camla Ptanga), em Cama de Gato, dvorcada. Anda nessa questão, devemos observar que mesmo consttundo famíla ou não, é freqüente os personagens negros serem dentfcados apenas pelo prmero nome, algo até certo ponto normal em se tratando de telenovelas realstas e contemporâneas cujos dálogos entre os personagens devem ser o mas próxmo com o real e por sso requerem certa nformaldade no

11 O negro na telenovela braslera: a atualdade das representações 195 tratamento, contudo dfclmente observamos sendo dentfcados também pelos seus sobrenomes de famíla, como é como entre os personagens brancos. Em mutos casos, a audênca nem é apresentada ao sobrenome dos personagens negros. Neste tem, temos como exceção o personagem Romldo Rosa e sua famíla, em A Favorta, cujo sobrenome era conhecdo do públco por ser constantemente ctado na trama, devdo anda ao status que apresentava naquela socedade fctíca. Por fm, no que dz respeto a uma geografa da representação dos negros nas telenovelas, o espaço a que eles pertencem segue a hegemona do exo Ro-São Paulo como cenáro nas produções de telenovelas. Como exceção, temos as cdades fctícas e outros espaços reas como: São Luís-MA, na novela Da cor do pecado; Floranópols-SC, em Como uma onda. Verfcamos anda que as telenovelas cuja trama se passa no Ro de Janero são as que apresentam maor número de personagens negros, prncpalmente as de autora de Glóra Perez (O Clone, Amérca), Agunaldo Slva (Duas Caras) e, por fm, em sua últma produção cuja protagonsta era uma atrz negra, Manoel Carlos (Vver a Vda). As representações na década de 2000: casos pontuas A partr do que observamos no levantamento exposto acma, pudemos perceber questões bastante sgnfcatvas da representação dos personagens negros nas telenovelas da TV Globo na década de 2000, no que dz respeto às dferenças em relação às décadas anterores. Dessa forma, agrupamos essas questões em três categoras que vamos melhor explorá-las aqu: o protagonsmo nas telenovelas, a maor presença dos núcleos negros nas narratvas e os negros como vlões nas tramas. Metodologcamente, buscamos subsídos na experênca da análse fílmca para estudar as telenovelas. Como forma de melhor dreconarmos nosso trabalho, fzemos a seleção de cenas - cuja temátca está centrada nas categoras apontadas anterormente -, a partr da técnca de análse fílmca de Vanoye e Golot-Lété (1994), ou seja, ncalmente com a desconstrução ou descrção da cena/seqüênca, para posteror reconstrução ou nterpretação da mesma cena/seqüênca.

12 196 Wesley Perera Grjó & Adam Henrque Frere Sousa Negros (as) como protagonstas Prmeramente, ctamos o protagonsmo que as personagens negras obtveram nos últmos anos, prncpalmente depos da segunda metade da década passada, em telenovelas dos três horáros de exbção. Em Vver a Vda, por exemplo, a TV Globo trouxe duas novdades para a questão da partcpação do negro nas produções televsvas: a prmera Helena negra escrta pelo autor Manoel Carlos e a prmera protagonsta negra de uma novela das 21 horas, carro-chefe da programação. A Helena negra (Taís Araújo) era uma modelo renomada no mercado de trabalho, com grande atuação e fraterndade com seus famlares e amgos, assm como era alvo de nveja no meo profssonal, nclusve da personagem Lucana (Alne Moraes) que se tornara tetraplégca e ganhara maor destaque ao longo da trama. Helena ncou a hstóra envolvda nos problemas da rmã mas nova que fcou grávda de um trafcante; a modelo se apaxonou e casou depos com um homem 20 anos mas velho, Marcos (José Mayer), cuja flha Lucana sera um dos problemas para que a relação enfrentara e se deterorara; com o fm do casamento, Helena casou e vveu felz com Bruno (Thago Lacerda), flho bastardo do seu ex-mardo. Mesmo tendo esse apelo de ser a prmera protagonsta negra de uma telenovela das 21h da TV Globo, a personagem não agradou ao grande públco, não sendo vsta como uma heroína dentro da hstóra. Uma explcação sera por que não hava em sua trajetóra algo que a colocasse nesse patamar como ocorre com as protagonstas dos melodramas televsvos: Helena era uma mulher jovem, bonta, bem sucedda e ndependente. Com essa hstóra de vda, ela se dferencou de outras protagonstas homônmas, cujas vdas foram marcadas pelo sofrmento e batalha de alguma natureza como: a vda de um flho, a nfelcdade no casamento, a dor de ter sdo enganada, entre outras cosas. Apesar de ser protagonsta da novela, a personagem não fugu à regra das representações fetas da negrtude ao longo da hstóra da teledramaturga no Brasl, ou seja, a submssão, como fo o caso da cena em que Helena fo agredda no rosto pela rval Teresa (Llan Cabral). A cena com mas 10 mnutos, longa para os padrões de uma telenovela de horáro nobre, teve um clma tenso para marcar o que acontecera. Helena que sempre apareceu bem arrumada e produzda nos capítulos anterores, neste momento mostrou-se pratcamente sem maquagem, cabelo amarrados e roupa em tom pastel. Aos pratos e em

13 O negro na telenovela braslera: a atualdade das representações 197 frente à Teresa, ela anda demonstrou arrependmento sobre as crcunstâncas do acdente que vtmou sua enteada Lucana. Ao pedr perdão mesmo sem culpa, ela se humlhou e fcou de joelhos a espera da clemênca da rval, que não hesta em dar uma bofetada no rosto da modelo e anda dsse se tratar de um revde ao que ela fzera a sua flha antes do acdente. Dante de tudo sso, Helena se portou calada ouvndo njuras da mãe da enteada, como a acusação de um aborto que fzera no passado. Apesar de não nos focarmos aqu na repercussão da cena dante dos receptores da telenovela, sabemos que tal stuação gerou reclamações orgnadas, prncpalmente, do movmento negro, que lamentou a exbção de uma cena que denegra a magem da negrtude na semana em que se comemorou o Da da Conscênca Negra e no período que o Brasl dscuta o Estatuto da Igualdade Racal 8. Como é comum nas telenovelas de época quando o personagem negro é apresentado com ser passvo e submsso dante das maldades da elte branca, na contemporânea Vver a Vda, a bem sucedda modelo também demonstrou ter um comportamento smlar aos catvos representados nas narratvas televsvas. Ou seja, apesar de protagonsta, resquícos das representações anterores persstem nesse novo momento. Os núcleos negros Neste ponto tomamos como exemplo a telenovela das 19h, Cobras e Lagartos, que se passava no Ro de Janeros, tnha entre seus prncpas personagens quatros atores loros (protagonstas e antagonstas) e contou com um núcleo de personagens negros que teve grande repercussão na hstóra. Esse núcleo tnha como personagem central o vendedor ambulante Fogunho (Lázaro Ramos), um sujeto marcado pela comcdade, esperteza e carsma, uma típca representação do braslero cordal. Dentro de sua famíla, ele era consderado um desclassfcado, não tendo nenhum afeto de outro personagem. Para sobrevver, Fogunho era obrgado a trabalhar como homemsanduíche na loja de penhores do seu pa, enquanto seus dos meo-rmãos (pardos) não passavam pelas mesmas humlhações. O par romântco do per- 8. A questão fo motvo de reportagens em dáros. Ver em: com.br/portal/ro/html/2009/11/protesto_contra_cena_de_tapa_ em_helena_47446.html

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

d o m i c i l i a r, d o m i c i l i o m i c i l i s o b r e s o b r e s o b r e a d

d o m i c i l i a r, d o m i c i l i o m i c i l i s o b r e s o b r e s o b r e a d s t a d o m c l a r, s o b r e c s t a d o m c l a r, s o b r e c s t a d o m c l a r, s o b r e c Marcos hstórcos: 1993 1996 2004 Objetvo da Pastoral da Pessoa Idosa A Pastoral da Pessoa Idosa tem por

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL Área 11 - Economa Socal e Demografa Econômca Classfcação JEL: I28, H52, C35. André Olvera Ferrera Lourero Insttuto de Pesqusa

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 Rcardo Kuresk 2 Glson Martns 3 Rossana Lott Rodrgues 4 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 4 O nteresse analítco pelo agronegóco exportador

Leia mais

Telenovela em plataformas multimidiáticas: análise de uma experiência brasileira

Telenovela em plataformas multimidiáticas: análise de uma experiência brasileira Telenovela em plataformas multmdátcas: análse de uma experênca braslera Nlda Jacks & Danela Schmtz & Erka Okawa & Lourdes Ana Perera Slva & Mônca Penz & Valqura Mchela John & Wesley Grjó & Elsa Renhardt

Leia mais

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro *

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro * Stuação Ocupaconal dos Jovens das Comundades de Baxa Renda da Cdade do Ro de Janero * Alessandra da Rocha Santos Cínta C. M. Damasceno Dense Brtz do Nascmento Slva ' Mara Beatrz A. M. da Cunha Palavras-chave:

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo -. -. - - - -- - -. ~- -- MERCADO -- -=-- - - -=-=-= - ---=- =-= - ~ Oportundades e desafos no mundo do aquecmento o setor tem crescdo a cada ano, é verdade, mas contnuar nesse rtmo requer a superação

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo CEPAL - SERIE Polítcas socales N 60 III. Consequêncas de um novo padrão de nserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na regão metropoltana de São Paulo A. Introdução Rcardo Paes de

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAISBRASILEIRAS CIRCULAR TÉCNICA ~ 161 AGOSTO 1988

IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAISBRASILEIRAS CIRCULAR TÉCNICA ~ 161 AGOSTO 1988 PEF: FLOSOFA DE TRABALHO DE UMA ELTE DE EMPRESAS FLORESTASBRASLERAS.1 SSN 0100-3453 CRCULAR TÉCNCA ~ 161 AGOSTO 1988 NTRODUÇJlO CENTRO DE CONSERVAÇAo GENÉTCA E MELHORAMENTO DE PNHEROS TROPCAS * P. EDUARDO

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA

ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA André Luz Souza Slva IFRJ Andrelsslva@globo.com Vlmar Gomes da Fonseca IFRJ vlmar.onseca@rj.edu.br Wallace Vallory Nunes IFRJ wallace.nunes@rj.edu.br

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 XIV ELAVIO El Fuerte Snaloa Méxco 9-14 de agosto de 2009 TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 Mayron César de O. Morera Lana Mara R. Santos Alysson M.

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes A amplação da jornada escolar melhora o desempenho acadêmco dos estudantes? Uma avalação do programa Escola de Tempo Integral da rede públca do Estado de São Paulo 1 INTRODUÇÃO O acesso à educação é uma

Leia mais

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção O Uso do Software Matlab Aplcado à Prevsão de Índces da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenhara de Produção VICENTE, S. A. S. Unversdade Presbterana Mackenze Rua da Consolação, 930 prédo

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil.

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil. 1 A INSERÇÃO E O RENDIMENTO DOS JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL Prscla Gomes de Castro 1 Felpe de Fgueredo Slva 2 João Eustáquo de Lma 3 Área temátca: 3 -Demografa

Leia mais

Programa manos e minas: praticas culturais criativas na ressignificação dos territórios periféricos

Programa manos e minas: praticas culturais criativas na ressignificação dos territórios periféricos Programa manos e mnas: pratcas culturas cratvas na ressgnfcação dos terrtóros perfércos Rosana Martns & Clauda Garrocn CIMJ - Centre for Meda and Journalsm Research, New Unversty of Lsbon UNESP - Unversdade

Leia mais

Desemprego de Jovens no Brasil *

Desemprego de Jovens no Brasil * Desemprego de Jovens no Brasl * Prsclla Matas Flor Palavras-chave: desemprego; jovens; prmero emprego; Brasl. Resumo Este trabalho tem como objetvo analsar a estrutura do desemprego dos jovens no Brasl,

Leia mais

DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1

DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1 DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1 ópco: Dspardades regonas - estudos comparados de desenvolvmento e gestão terrtoral Márco Antôno Salvato 2 Paola Fara Lucas de Souza 3 Resumo:

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

Das ideias ao sucesso

Das ideias ao sucesso www.pwc.pt Das deas ao sucesso PwC Startup Portugal 1 mllon fund project Busness Plan FY 2014/2015 Crou recentemente uma empresa com forte capacdade de crescmento? Tem espírto empreendedor com deas novadoras?

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

As memórias da Folha de S. Paulo durante o regime militar no Brasil: o processo de construção de uma. A partir de suas lembranças e esquecimentos,

As memórias da Folha de S. Paulo durante o regime militar no Brasil: o processo de construção de uma. A partir de suas lembranças e esquecimentos, As memóras da Folha de S. Paulo durante o regme mltar no Brasl: o processo de construção de uma dentdade a partr de suas lembranças e esquecmentos André Bonsanto Das Unversdade Federal do Paraná - UFPR,

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Internet e Cidadania nas periferias do Rio de Janeiro

Internet e Cidadania nas periferias do Rio de Janeiro Internet e Cdadana nas perferas do Ro de Janero Marco Schneder UFF, ESPM e Unsuam, Brazl E-mal: marco_schneder@g.com.br Resumo O objetvo do presente artgo é apresentar os resultados parcas de pesqusa referente

Leia mais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais 2013: Trabalho de Conclusão de Curso do Mestrado Profssonal em Matemátca - PROFMAT Unversdade Federal de São João del-re - UFSJ Socedade Braslera de Matemátca - SBM A Matemátca Fnancera nos Fnancamentos

Leia mais

CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA

CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA PROJETQ DE DECRETO LEGISLATIVO /2015. "Concede o título de cdadãl de Fortaleza ao artsta plástco Ramundo Pnhero Pedrosa, conhecdo como Bruno Pedrosa". A CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA DECRETA: Art. 1 -

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS PREVISÃO DE PRTIDS DE FUTEBOL USNDO MODELOS DINÂMICOS Oswaldo Gomes de Souza Junor Insttuto de Matemátca Unversdade Federal do Ro de Janero junor@dme.ufrj.br Dan Gamerman Insttuto de Matemátca Unversdade

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr Fara dos Santos, Wlson da Cruz Vera & Bríco dos ISSN Santos Res 1679-1614 EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO RESUMO

DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO RESUMO Revsta Economa e Desenvolvmento, n. 21, 2009 DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO Elane Pnhero de Sousa 1 João Eustáquo de Lma 2 RESUMO As mudanças

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Avenida Brasil: o popular como pós-modernismo televisivo

Avenida Brasil: o popular como pós-modernismo televisivo Avenda Brasl: o popular como pós-modernsmo televsvo Mara Beatrz Furtado Rahde, Roberto Tetzmann, Crstane Fnger Costa, Beatrz Dorfman Pontfíca Unversdade do Ro Grande do Sul, Brasl E-mal: mara.rahde@pucrs.br,

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20 1 3º Undade Capítulo XI Eletrcdade 3 Capítulo XII Campo Elétrco 8 Capítulo XIII Energa Potencal Elétrca 10 Capítulo XIV Elementos de Um Crcuto Elétrco 15 Capítulo XV Elementos de Um Crcuto Elétrco 20 Questões

Leia mais

Nº 20 Dezembro de 2011. A Evolução do PIB dos Estados e Regiões Brasileiras no Período 2002-2009 Valores definitivos

Nº 20 Dezembro de 2011. A Evolução do PIB dos Estados e Regiões Brasileiras no Período 2002-2009 Valores definitivos Nº 20 Dezembro de 2011 A Evolução do PIB dos Estados e Regões Brasleras no Período 2002-2009 Valores defntvos GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cd Ferrera Gomes Governador Domngos Gomes de Aguar Flho Vce Governador

Leia mais

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS ESPELHOS E LENTES 1 Embora para os povos prmtvos os espelhos tvessem propredades mágcas, orgem de lendas e crendces que estão presentes até hoje, para a físca são apenas superfíces poldas que produzem

Leia mais

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4)

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4) REGULAMENTO GERAL (Modaldades 1, 2, 3 e 4) 1. PARTICIPAÇÃO 1.1 Podem concorrer ao 11º Prêmo FIEB de Desempenho Socoambental da Indústra Baana empresas do setor ndustral nas categoras MICRO E PEQUENO, MÉDIO

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Palavras-chaves detector infravermelho, transmissão atmosférica, atenuação. I. INTRODUÇÃO

Palavras-chaves detector infravermelho, transmissão atmosférica, atenuação. I. INTRODUÇÃO Atenuação atmosférca da Radação Infravermelha: Influênca de elevados níves hgrométrcos no desempenho operaconal de mísses ar-ar. André Gustavo de Souza Curtyba, Rcardo A. Tavares Santos, Fabo Durante P.

Leia mais

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento.

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento. Testando um Mto de Investmento : Efcáca da Estratéga de Investmento em Ações de Crescmento. Autora: Perre Lucena Rabon, Odlon Saturnno Slva Neto, Valera Louse de Araújo Maranhão, Luz Fernando Correa de

Leia mais

NOTIFICAÇÃO JUDICIAL. ÁLVARO V1LLAÇA. \ZE\T.DO advogados associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA

NOTIFICAÇÃO JUDICIAL. ÁLVARO V1LLAÇA. \ZE\T.DO advogados associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA ÁLVARO V1LLAÇA. \ZE\T.DO advogados assocados EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA JUDICIAL DA COMARCA DE IBIUNA. TAYNÁ COMERCIAL LTDA.. com sede na Rua Padre José Garzott, n 296, CEP 04806-000,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COÉRCIO ETERNO Nota préva: O texto que se segue tem por únco obectvo servr de apoo às aulas das dscplnas de Economa Internaconal na Faculdade de Economa da Unversdade do Porto.

Leia mais

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL.

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. 1 APRESENTAÇÃO Nos anos 90, o país assstu a vultosas entradas de capal estrangero tanto de curto

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

Empreendimentos de economia solidária e discriminação de gênero: uma abordagem econométrica

Empreendimentos de economia solidária e discriminação de gênero: uma abordagem econométrica Empreendmentos de economa soldára e dscrmnação de gênero: uma abordagem econométrca Grazelle Isabele Crstna Slva Sucupra Marcelo José Braga RESUMO A realdade vvencada por mutas mulheres no mundo atual

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO Felpe Mendonca Gurgel Bandera (UFERSA) felpembandera@hotmal.com Breno Barros Telles

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Área Temátca: Economa e Relações Internaconas O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Paulo Rcardo Festel¹ Slva Zanoso Mssagga² Resumo:O objetvo deste

Leia mais

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL Clarssa Côrtes Pres Ernesto Cordero Marujo José Cechn Superntendente Executvo 1 Apresentação Este artgo examna se o rankng das Undades

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica.

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica. Análse do Retorno da Edcação na Regão Norte em 2007: Um Estdo à Lz da Regressão Qantílca. 1 Introdcão Almr Rogéro A. de Soza 1 Jâno Macel da Slva 2 Marnalva Cardoso Macel 3 O debate sobre o relaconamento

Leia mais

Modelo de distribuição de recursos para o transporte escolar rural a partir dos princípios da igualdade e da equidade

Modelo de distribuição de recursos para o transporte escolar rural a partir dos princípios da igualdade e da equidade Modelo de dstrbução de recursos para o transporte escolar rural a partr dos prncípos da gualdade e da equdade Alan Rcardo da Slva 1 ; Yaeko Yamashta 2 Resumo: O transporte escolar rural consttu um mportante

Leia mais

O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL

O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL Poema Iss Andrade de Souza * Joaqum José Martns Gulhoto ** Raul da Mota Slvera Neto *** RESUMO

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Vtóra Agosto de 2013 Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M.

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M. Lsta de Exercícos de Recuperação do Bmestre Instruções geras: Resolver os exercícos à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fcháro). Copar os enuncados das questões. Entregar a lsta

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

Boletim Informativo Eletrónico da EAPN Portugal abril 2011_2

Boletim Informativo Eletrónico da EAPN Portugal abril 2011_2 Boletm Informatvo Eletrónco da EAPN Portugal abrl 2011_2 E U R O P A A proposta de resolução aprovada pelo Parlamento Europeu, no da 09 de março, refere que a Unão Europea deve ntroduzr normas vnculatvas

Leia mais

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Insttuto de Cêncas Humanas Departamento de Economa ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS André Gustavo Lacerda Skendzel Orentador:

Leia mais

Análise da Situação Ocupacional de Crianças e Adolescentes nas Regiões Sudeste e Nordeste do Brasil Utilizando Informações da PNAD 1999 *

Análise da Situação Ocupacional de Crianças e Adolescentes nas Regiões Sudeste e Nordeste do Brasil Utilizando Informações da PNAD 1999 * Análse da Stuação Ocupaconal de Cranças e Adolescentes nas Regões Sudeste e Nordeste do Brasl Utlzando Informações da PNAD 1999 * Phllppe George Perera Gumarães Lete PUC Ro/Depto. De Economa IBGE/ENCE

Leia mais