Ensino coletivo de violão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ensino coletivo de violão"

Transcrição

1 93 Ensino coletivo de violão Lílian Sobreira GONÇALVES 1 Geórgia Luize CHRISTENSEN 2 Roberto MATTAR 3 Resumo: A música tem o potencial de reinventar realidades de vida e, através do ensino coletivo, que vem sendo cada vez mais frequentemente aplicado em sala de aula, proporcionar o desenvolvimento de todos os envolvidos, tornando assim o ensino de música muito importante na vida das pessoas. O caráter estimulante e socializador da música norteia o ensino coletivo de instrumentos musicais, tendo como premissa o fato de que todos os que estão inseridos podem valerse dos maiores benefícios que a música traz, independentemente do seu nível técnico ou aptidão natural para o instrumento. Para atingir os objetivos propostos nesta pesquisa, a metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica realizada em artigos, periódicos e literatura específica da área. Foram preferencialmente procurados artigos que tratam de orientação à iniciação musical através do ensino coletivo. Conclui-se que o ensino coletivo deve ser uma realidade cada vez mais frequente na sala de aula e apontam-se caminhos para que novas pesquisas sejam realizadas nessa temática. Palavras-chave: Violão. Ensino Coletivo. Educação Musical. 1 Lílian Sobreira Gonçalves. Mestra em Música pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Especialista em Educação Musical pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap). Especialista em Educação a Distância: Planejamento, Implantação e Gestão pelo Claretiano Centro Universitário. Licenciada em Educação Artística Habilitação em Música pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Docente do Curso de Licenciatura em Música do Claretiano Centro Universitário. Integra o Banco de Avaliadores (BASis) do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes). 2 Geórgia Luize Christensen. Licencianda em Música pela Claretiano Centro Universitário. Engenheira Florestal pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Professora de piano, teclado e violão em escolas de Música. 3 Roberto Mattar. Licenciando em Música do Claretiano Centro Universitário. Formado em Música com aptidão em Violão Erudito pelo Curso Técnico da UEM de Maringá. Professor de Violão do Colégio Marista de Maringá.

2 94 Collective guitar teaching Lílian Sobreira GONÇALVES Geórgia Luize CHRISTENSEN Roberto MATTAR Abstract: Music has potential to reinvent life realities through collective teaching, which is increasingly being applied in the classroom, and provides the development of everyone involved thus making music teaching very important to people lives. The stimulating and socializing character of music guides the collective teaching of musical instruments based on the premise that every inserted person can get great benefits brought by music, regardless of their technical level or natural aptitude for the instrumentto meet the objectives proposed in this research, the methodology used was bibliographic research carried out through reading specific articles, journals and literature. The research was preferably based on articles dealing with musical initiation orientation through collective teaching. The research concluded that collective teaching should be an increasingly frequent reality in the classroom and points out new ways to carry out a research on this subject. Keywords: Guitar. Collective Teaching. Musical Education.

3 95 1. INTRODUÇÃO Estudos e pesquisas na área da educação mostram os benefícios no ensino de música com instrumentos musicais em grupo, destacando a necessidade de estudos sobre a temática que colaborem para tornar as aulas de música momentos de prazer e efetiva aprendizagem. Compilar e divulgar as práticas que vêm sendo adotadas por alguns professores e escolas resultam nas pretensões em estimular debates a respeito do tema, pois, apesar de já passados 10 (dez) anos desde a implantação da Lei nº (BRASIL, 2008), que tornou a música conteúdo obrigatório do componente curricular da educação básica, é reduzido o número de publicações que compartilham experiências musicais desenvolvidas em sala de aula no ensino regular, ficando a cargo dos Projetos Sociais em Igrejas e Centros Sociais a realização de oficinas de ensino coletivo de instrumentos, sendo estas atividades pouco ou nada documentadas. Frente ao exposto, nesta pesquisa nós objetivamos selecionar resultados de relatos bibliográficos de experiências com aulas de violão em grupo, destacando seus aspectos positivos, intencionando produzir um material que cumpra o papel de ser uma ferramenta útil para motivar e incentivar professores que estão trabalhando com o mesmo intuito, buscando alternativas e formas de tornar a aula coletiva cada vez mais produtiva e estimulante tanto para o aluno como para o professor. 2. METODOLOGIA Para atingir os objetivos propostos nesta pesquisa, a metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica realizada em artigos publicados no Brasil. Foram pesquisados, preferencialmente, artigos elaborados para orientar a iniciação musical através do ensino coletivo de violão como, por exemplo, Barbosa (2014), Mello (2017), Souza (2014), Tourinho (2002) e Weizmann (2003). Durante a pesquisa e a análise, procuramos identificar as características gerais descritas na literatura, listar os conteúdos

4 96 trabalhados em cada um dos artigos e identificar quais, entre eles, poderiam ser adequados para uma utilização como método de ensino coletivo de violão. 3. DISCUSSÃO E RESULTADOS Com a aprovação da Lei nº (BRASIL, 2008), que torna obrigatório o ensino de música na educação básica, as escolas têm maiores chances de promover o interesse dos alunos pela música, e não somente dentro do ensino regular, pois, despertando no aluno o interesse pela música dentro da escola, possivelmente será estimulada a procura por um aprendizado musical mais aprofundado em escolas de música específicas. Uma boa opção de instrumento para embasar o ensino da música é o violão, pois é um instrumento de baixo custo e que tem a vantagem de poder ser transportado facilmente. Outro aspecto muito peculiar e importante ligado ao violão é o fato de ser ele um instrumento popular, pela história e pelo repertório ampliado que o instrumento abrange. Com isso, o violão é bastante indicado para atender a essa demanda no ensino. Para suprir as necessidades pedagógicas específicas do ensino de violão, um modelo de aula que pode ser seguido é o ensino coletivo. Segundo Cruvinel (2003), o ensino coletivo do instrumento musical é uma importante ferramenta para o processo de democratização do ensino musical e vem obtendo resultados significativos nas escolas onde tem sido adotado. Assim, a metodologia coletiva surge em oposição à tradição, na qual predomina o ensino individual de música. Sobre as diferenças entre as terminologias ensino coletivo e ensino em grupo, Souza (2014, p. 1) afirma que: [...] ainda não foi possível encontrar definições mais específicas da diferença entre as duas abordagens de ensino, ficando a cargo de cada educador considerar a sua prática de acordo as suas convicções ou ao termo mais utilizado no seu instrumento.

5 97 Para esta pesquisa, adotaremos a perspectiva de Tourinho (2008) ao considerarmos a expressão ensino coletivo. O primeiro experimento relatado e documentado de um curso de ensino coletivo de violão no Brasil remete ao ano de 1989, quando foi criada a primeira turma com quase 30 alunos no curso de extensão da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Observase que essa modalidade de ensino através do violão é relativamente jovem e que carece se firmar tanto no emprego de conceitos teóricos como na sistematização e disponibilização de métodos e materiais didáticos que colaborem com essa nova prática de ensino (SÁ, 2015). Essa modalidade de ensino visa minimizar gastos e esforços desnecessários. Tourinho (2008, p. 1), comenta: Quando falo em ensino coletivo para violão, trato de ensino para iniciantes, com e sem leitura musical, que dura entre os seis meses e os dois anos iniciais. Após esse período, o aluno que deseja aprofundar-se no aprendizado do instrumento migra para uma modalidade individual, mais técnica e específica. Percebe-se que, em diversos contextos de ensino coletivo de violão, professores utilizam adequações de materiais, métodos e arranjos escritos para outros instrumentos. Essa situação, além de gerar dificuldade para os professores de violão, revela uma carência de materiais didáticos que considerem especificamente o ensino de violão dentro das diferentes fases de aprendizagem. Essa prática de adequações, comum no ensino coletivo de violão, não ocorre com frequência, por exemplo, na área do ensino do piano em grupo, que já possui vários métodos publicados no Brasil e principalmente nos Estados Unidos (SANTOS, 2013). Enquanto na cultura musical voltada ao ensino individual de instrumentos, enfatiza-se e preferem-se alunos mais talentosos ou mais aptos à prática musical, na aula em coletivo entende-se que todos têm a capacidade de tocar violão. Além disso, nesta modalidade de ensino a possibilidade de se tornarem experts no instrumento não é tida como uma prioridade e as práticas educacionais procuram afetar socialmente as pessoas através do

6 98 caráter cultural do ensino musical coletivo que é desenvolvido em sala de aula (MELLO, 2017). A música possui um caráter estimulante e socializador, e, com base nessas duas características principais, o ensino coletivo de instrumentos musicais se norteia tendo como premissa o fato de que todos os que estão inseridos podem aproveitar ao máximo os benefícios que a música nos traz, independentemente do seu nível técnico, expertise ou aptidão natural para o instrumento. Adolescentes consideram a música como uma das principais atividades de lazer e são fortemente influenciados por seus pais e pela mídia (PALHEIROS, 2006). Isso gera uma dificuldade em relação ao método ou repertório que será trabalhado em aula. Os métodos que ensinam um repertório de violão erudito são os mais comumente encontrados. O repertório erudito tem uma vantagem quanto à sistematização e à gradação de dificuldades em relação ao repertório popular que conhecemos hoje (MESQUITA, 2015). Esses métodos elaboram estudos em que se inicia com uma melodia a uma voz até progredir para músicas mais complexas. Nesse sentido, a prática docente ensina a não explorar conteúdos nem muito fáceis e fora da realidade musical das crianças, evitando que elas se cansem, nem conteúdos tão difíceis que possam desmotiválas. Por essa razão, métodos que trabalham em nível crescente de dificuldade representam um apoio importante na seleção de repertório adequado ao nível de cada aluno, mas existe uma grande escassez de materiais e métodos sistematizados dessa forma voltados à música popular. Geralmente os que querem aprender a tocar um instrumento gostariam de treinar músicas que gostam de ouvir e que, ao mesmo tempo, sejam compatíveis com seu nível de aprendizagem. No ensino de instrumento, esses dois aspectos são fundamentais para que os alunos possam se sentir motivados e capacitados, ou seja, para que além de aprender, eles possam vivenciar o sentimento de realização. O professor de instrumentos musicais para grupos deve refletir sobre seu papel de educador que vai intervir na realidade social de pessoas e deve estar atento aos trabalhos acadêmicos produzidos

7 99 com a metodologia do ensino coletivo. Este se consolidou em âmbito nacional e acadêmico através de encontros realizados em Goiânia GO, em 2004 e 2006, mas também a partir de sua prática em escolas públicas, faculdades públicas e em projetos financiados. Porém, mesmo com esse reconhecimento acadêmico, para professores de violão que buscam informações e experiências sobre essa metodologia, ainda é difícil encontrar materiais didáticos (TEIXEIRA, 2008). Contudo, em uma aula de ensino coletivo de violão, cada professor deve adotar a metodologia mais adequada para cada tipo de turma. A resiliência é importante, ou seja, os caminhos que o docente segue em uma turma podem não obter bons resultados em outra, havendo a necessidade de adaptação. Isso inclui o fato de como se dará a escrita musical nessa aula: por partitura, por tablatura ou por cifras. As notações devem ser acessórias, sendo a prática musical o grande objetivo que vai permitir o entendimento e a vivência de diversos assuntos dentro do universo da música. Segundo Salles (1998, p. 22), quaisquer formas de notação ou tentativas de traduzir sons em escrita [...] não são um substituto e nem uma tradução da música e dos sons, mas uma descrição, uma versão gráfica com funções práticas. Quando o centro de um estudo musical passa a ser o que está escrito, sem considerarmos o som produzido, temos um grande obstáculo para o aprendizado. Na opinião do autor, as linguagens escritas ajudam um aluno quando é necessário estudar em casa, sem a presença do professor. O aprendiz pode, nesse caso, conferir como é a música se por acaso vier a esquecer dela. A seleção das linguagens musicais utilizadas na aula de violão em grupo depende do repertório escolhido pelos diferentes subgrupos de uma classe e das músicas escolhidas pelo professor. Esse é um aspecto que deve ser observado atentamente pelo professor, pois a motivação dos alunos para aprender violão está diretamente ligada ao repertório a ser aprendido (TEIXEIRA, 2008). Um estudo com alunos do curso Oficina de Violão da UFBA comprovou que um grupo de alunos aprendeu mais que outro grupo

8 100 porque o primeiro teve acesso a um repertório familiar, do qual já gostavam anteriormente ao aprendizado (TOURINHO, 2002). Dentro de uma sala com 18 alunos, por exemplo, podemos ter um grupo de 8 alunos que sejam melhores com cifras, 6 com tablatura e 4 com partitura. Se o professor utiliza diversas linguagens musicais, os alunos terão como descobrir qual a melhor forma de comunicação para a música que querem aprender nos seus primeiros momentos de descoberta do violão. O professor deve formar grupos de violão de acordo com a característica de cada aluno, sempre deixando os grupos com números equilibrados de componentes (TEIXEIRA, 2008). Apesar de muitos professores esquecerem, uma forma de se ensinar algo é lembrar com exatidão o próprio processo de aprendizagem. Quando se aprende violão, a maior dificuldade é a realização dos acordes e a troca deles. Essa questão deve ser observada com atenção especial principalmente quando o tamanho das mãos, como no caso das crianças, atrapalha a execução dos acordes. Nesse momento, o que ajuda é a escolha de parte do repertório sobre o qual se tenha alguma vivência anterior e se conheça o nível de dificuldade para a execução de cada acorde. Um dos fatores que contribuem para a motivação do aluno é a relação dele com seu professor. Uma boa relação baseia-se na forma como o docente conduz a aula, usando, por exemplo, uma postura agradável e divertida e em que os interesses do aluno sejam levados em conta; assim, a aula torna-se motivadora. O intuito não é virar o professor ideal, mas aspirar à excelência como professor, sem a exigência de atingir um modelo não executável (MESQUITA, 2015). Alunos inicialmente tímidos que têm a oportunidade de fazer parte de uma aula em turma podem vencer essa barreira tocando em grupo, fazendo apresentações e socializando com os colegas de classe, sendo essa uma das principais vantagens desse modelo de aprendizado em relação ao ensino individual. Além disso, a aula em grupo pode criar uma interação saudável entre os alunos, fazendo com que eles estudem mais o instrumento, uns sendo estimulados ao ver o progresso de outros.

9 101 No ensino coletivo, o aluno desenvolve as capacidades de socialização e cooperação e a sensibilidade para com o colega, pois uma aula em grupo exige paciência dos alunos. As pessoas têm tempos de aprendizagem diferentes, e cabe ao professor incentivar os alunos que já superaram alguns obstáculos no aprendizado do instrumento a ajudar os outros em quaisquer dificuldades encontradas na aula. Outra ideia importante a ser levada em consideração é que o violão é um instrumento completo para se trabalhar em aula: é fácil de transportar, pode trabalhar melodia e harmonia, é um instrumento que acompanha bem o canto, o custo é relativamente acessível, é popular e apresenta inúmeras possibilidades para realização de boas atividades. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS A presente pesquisa revela a importância do ensino coletivo e o quanto esse tipo de modalidade, se for bem aplicada, pode desenvolver um aluno musicalmente e na técnica do instrumento, ou seja, na capacidade de ele tocar em conjunto, acompanhando na melodia ou na harmonia a música estudada. O professor deve manter, principalmente, uma postura inspiradora em sala e deve entender a dinâmica de cada turma antes de decidir qual o melhor método a ser utilizado naquele contexto específico. Vimos que os alunos aprendem mais com repertórios que eles realmente queiram tocar e que, de repente, possam ser intercalados com repertórios de contexto histórico-cultural que enriqueçam sua educação, sem deixar de lado as músicas que escutam no cotidiano e ocupam o primeiro lugar dentro de suas preferências musicais. É importante ressaltar que ainda falta literatura a respeito desse tema e aqui destacamos que novos estudos dentro da área se mostram muito valiosos, levando-se em conta que esse modelo de ensino pode viabilizar ainda mais o estudo da música, podendo atingir um número maior de alunos em uma aula, diferentemente do ensino individual de instrumento.

10 102 A música tem uma capacidade de transformar pessoas e realidades de vida. O ensino coletivo deve ser uma realidade cada vez mais frequente em sala, ajudando no desenvolvimento de todos e tornando o ensino de música mais presente na vida da população. REFERÊNCIAS BARBOSA, R. R. O. O Ensino coletivo de violão nas escolas públicas de Manaus: Programa de Iniciação Científica na Ufam f. Dissertação (Mestrado em Música) Universidade Federal do Amazonas, Manaus, CRUVINEL, F. M. Efeitos do ensino coletivo na iniciação instrumental de cordas: a educação musical como meio de transformação social f. Dissertação (Mestrado em Música) Escola de Música e Artes Cênicas, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, BRASIL. Lei nº , de 18 de agosto de Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, Lei de Diretrizes e Bases da Educação, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino da música na educação básica. Diário Oficial [da] União, Brasília, 18 ago Disponível em: ccivil_03/_ato /2008/lei/l11769.htm#:~:text=altera%20a%20lei%20 no,art. Acesso em: 29 out MELLO, D. C. O ensino coletivo de violão: Um relato de experiência sobre vivências, estratégias e propostas de ensino em uma turma com crianças. Educação Musical Latino-Americana: Tecendo Identidades e Fortalecendo Interações, Natal, n. 1, p. 1-12, 8 ago MESQUITA, T. L. Violão para criança: opinião de professores sobre métodos e materiais didáticos f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Música) Universidade de Brasília, Brasília, PALHEIROS, G. B. Funções e modos de ouvir música de crianças e adolescentes, em diferentes contextos. In: ILARI, B. S. (Org.). Em busca da mente musical. Curitiba: Editora da UFPR, p SÁ, F. A. S. Materiais didáticos para o ensino coletivo de violão: questionamentos sobre métodos f. Dissertação (Mestrado em Música) Universidade Federal de Goiás, Goiânia, SALLES, P. P. Ensaio sobre a gênese da notação musical na criança. Revista Plural Fundação de Artes do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, v. 7, n.1/2, p , 1998.

11 103 SANTOS, R. L. O ensino de piano em grupo: uma proposta para elaboração de método destinado ao curso de piano complementar nas universidades brasileiras f. Tese (Doutorado em Processos de Criação Musical) Escola de Comunicação e Artes. Universidade de São Paulo, São Paulo, SOUZA, L. S. Ensino coletivo de instrumentos musicais: algumas considerações. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO COLETIVO DE INSTRUMENTO MUSICAL, VI., Salvador, Anais... Salvador-BA: Universidade Federal da Bahia, TEIXEIRA, M. S. B. Ensino coletivo e violão: diferentes escritas no aprendizado de iniciantes f. Monografia (Licenciatura Plena em Educação Artística Habilitação em Música) Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, TOURINHO, A. C. G. S. O ensino coletivo violão na educação básica e em espaços alternativos: utopia ou possibilidade? In: ENCONTRO REGIONAL DA ABEM CENTRO-OESTE, VIII., Brasília, Anais Brasília: ABEM, TOURINHO, A. C. G. S. A motivação e o desempenho escolar na aula de Violão em grupo: influência do repertório de interesse do aluno f. Tese (Doutorado em Música) Universidade Federal da Bahia, Salvador, WEIZMANN, C. Violão orquestral volume 1: metodologia do ensino coletivo e 20 arranjos completos para orquestra de violões. São Paulo: Rettec, 2003.

Projeto Pedagógico do Curso. de Formação Inicial e Continuada (FIC) em. Iniciação ao Violão. Modalidade: presencial

Projeto Pedagógico do Curso. de Formação Inicial e Continuada (FIC) em. Iniciação ao Violão. Modalidade: presencial Projeto Pedagógico do Curso de Formação Inicial e Continuada (FIC) em Iniciação ao Violão Modalidade: presencial Projeto Pedagógico do Curso de Formação Inicial e Continuada (FIC) em Iniciação ao Violão

Leia mais

Coordenadora da Ação: Ana Lúcia Iara Gaborim Moreira 1 Autoras: Vanessa Araújo da Silva, Ana Lúcia Iara Gaborim Moreira 2

Coordenadora da Ação: Ana Lúcia Iara Gaborim Moreira 1 Autoras: Vanessa Araújo da Silva, Ana Lúcia Iara Gaborim Moreira 2 PCIU! - PROJETO CORAL INFANTOJUVENIL DA UFMS: CONQUISTAS E PERSPECTIVAS Área Temática: Cultura Coordenadora da Ação: Ana Lúcia Iara Gaborim Moreira 1 Autoras: Vanessa Araújo da Silva, Ana Lúcia Iara Gaborim

Leia mais

MUSICALIZAÇÃO ATRAVÉS DA FLAUTA-DOCE, UMA IDÉIA QUE SEMPRE DEU CERTO

MUSICALIZAÇÃO ATRAVÉS DA FLAUTA-DOCE, UMA IDÉIA QUE SEMPRE DEU CERTO MUSICALIZAÇÃO ATRAVÉS DA FLAUTA-DOCE, UMA IDÉIA QUE SEMPRE DEU CERTO Fátima Beatriz de Castro Santos Email: fsan1@uol.com.br Resumo: O presente trabalho relata uma prática musical desenvolvida nos anos

Leia mais

Ensino coletivo de violão: relatos de experiência no Projeto Música para Todos em São Luís-MA

Ensino coletivo de violão: relatos de experiência no Projeto Música para Todos em São Luís-MA Ensino coletivo de violão: relatos de experiência no Projeto Música para Todos em São Luís-MA João Fortunato Soares de Quadros Júnior joaofjr@gmail.com Israel Raséc Salazar Camelo israelrasec@gmail.com

Leia mais

FAZENDO MÚSICA NO ELZIRA MUSICALIZAÇÃO ATRAVÉS DA FLAUTA- DOCE, UMA IDÉIA QUE DEU CERTO. Pôster. Introdução. Metodologia

FAZENDO MÚSICA NO ELZIRA MUSICALIZAÇÃO ATRAVÉS DA FLAUTA- DOCE, UMA IDÉIA QUE DEU CERTO. Pôster. Introdução. Metodologia FAZENDO MÚSICA NO ELZIRA MUSICALIZAÇÃO ATRAVÉS DA FLAUTA- DOCE, UMA IDÉIA QUE DEU CERTO Fátima Beatriz de Castro Santos Colégio Estadual Profa Elzira Correa de Sá Ponta Grossa fsan1@uol.com.br Pôster Resumo:

Leia mais

Música e inclusão: O ensino da musicografia braile para alunos com deficiência visual

Música e inclusão: O ensino da musicografia braile para alunos com deficiência visual Música e inclusão: O ensino da musicografia braile para alunos com deficiência visual Pôster Chandra Mendes UFRN c_thais13@hotmail.com Jonas Oliveira UFRN Jonas_lovemoney@hotmail.com Resumo: Este trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS ANEXO 38 DO EDITAL 386/2009-PRH CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR NÃO-TITULAR DEPARTAMENTO DE MÚSICA Área de conhecimento: EDUCAÇÃO MUSICAL E MATÉRIAS TEÓRICAS PROGRAMA DE PROVAS I - PROVA ESCRITA A Prova

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA - PPC 2019

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA - PPC 2019 MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA - PPC 2019 Perfil de oferta Disciplina Requisito Depart. Ofertante Caráter: Obrigatório/ Optativo Carga horária total Distribuição da Carga Horária

Leia mais

Sérgio Camargo Setor de Educação/Departamento de Teoria e Prática de Ensino Universidade Federal do Paraná (UFPR) Resumo

Sérgio Camargo Setor de Educação/Departamento de Teoria e Prática de Ensino Universidade Federal do Paraná (UFPR) Resumo ESTUDANDO O DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA DE BOLSA DE INICIAÇÃO A DOCENCIA (PIBID) - SUBPROJETO FISICA DE UMA INSTITUIÇÃO FEDERAL DE ENSINO DO ESTADO DO PARANÁ Sérgio Camargo Setor de Educação/Departamento

Leia mais

Oficinas artísticas do CUCA Música

Oficinas artísticas do CUCA Música Oficinas artísticas do CUCA Música Contrabaixo I Desenvolvimento de noções básicas de contrabaixo, ritmos, melodias e harmonia, Teoria musical, Desenvolvimento Técnico, Digitação. Contrabaixo II Continuação

Leia mais

O Que Você vai Ver neste Ebook...

O Que Você vai Ver neste Ebook... 1 O Que Você vai Ver neste Ebook... # Introdução # Como acelerar seu aprendizado no violão em pelo menos 3X. # Elemento 01: Preparação para Tocar # Elemento 02: Plano e Método de Estudo Altamente Eficaz

Leia mais

O ensino coletivo de instrumento musical: o violão

O ensino coletivo de instrumento musical: o violão O ensino coletivo de instrumento musical: o violão Luziene Ferreira de Sousa luzienelu@yahoo.com.br Resumo: O presente trabalho apresenta a importância do Ensino Coletivo de Instrumento Musical na educação

Leia mais

Fanfarra um toque além da música. Pôster

Fanfarra um toque além da música. Pôster Fanfarra um toque além da música Pôster Robison Bologna Oliveira 1 Universidade Estadual de Londrina (UEL) contato@robisonbologna.com.br Helena E. M. N. Loureiro 2 Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Leia mais

TEMAS DAS AULAS TESTES Edital 014/2018

TEMAS DAS AULAS TESTES Edital 014/2018 TEMAS DAS AULAS TESTES Edital 014/2018 Atribuições TEMA DA AULA DIDÁTICA Atribuições PRÁTICA DE ORQUESTRA VIOLINO PERCUSSÃO a) Escolher uma peça de repertório tradicional sinfônico, reger um trecho (levar

Leia mais

Resolução n 279, de 09 de agosto de 2017.

Resolução n 279, de 09 de agosto de 2017. Resolução n 279, de 09 de agosto de 2017. O Conselho Universitário - CONSUNI, da Universidade do Planalto Catarinense UNIPLAC, no uso de suas atribuições, e em conformidade com decisão unânime registrada

Leia mais

Extension course in music - ecm: group guitar lessons

Extension course in music - ecm: group guitar lessons Revista Intercâmbio - vol. XI - 2018/ISNN - 2176-669x - Página 249 Curso de extensão em música cem: aulas de violão em grupo Extension course in music - ecm: group guitar lessons Isaías Pereira Silva 1

Leia mais

16º CONEX - Encontro Conversando sobre Extensão na UEPG Resumo Expandido Modalidade B Apresentação de resultados de ações e/ou atividades

16º CONEX - Encontro Conversando sobre Extensão na UEPG Resumo Expandido Modalidade B Apresentação de resultados de ações e/ou atividades 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TECNOLOGIA E PRODUÇÃO ( ) TRABALHO ANÁLISE DO TRABALHO

Leia mais

XXV Congresso da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música Vitória 2015

XXV Congresso da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música Vitória 2015 Ensino coletivo de violão: o perfil do professor, suas metodologias e estratégias organizacionais para o ensino no Programa Mais Educação nas escolas públicas municipais de Manaus MODALIDADE: COMUNICAÇÃO

Leia mais

COMO OS ALUNOS VEEM A MATEMÁTICA? Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (EMAIEFEM) GT 10

COMO OS ALUNOS VEEM A MATEMÁTICA? Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (EMAIEFEM) GT 10 COMO OS ALUNOS VEEM A MATEMÁTICA? Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (EMAIEFEM) GT 10 Gervazio Alves Gaia de MENDONÇA gervazioalves@gmail.com Eudes Miranda da SILVA

Leia mais

A inclusão no programa de educação musical da Associação Amigos do Projeto Guri. Comunicação

A inclusão no programa de educação musical da Associação Amigos do Projeto Guri. Comunicação A inclusão no programa de educação musical da Associação Amigos do Projeto Guri Comunicação Claudia Maradei Freixedas Associação Amigos do Projeto Guri A.A.P.G. agclaudiafreixedas@projetoguri.org.br Resumo:

Leia mais

Crenças de autoeficácia e motivação de alunos de graduação: um estudo sobre a disciplina de Prática Musical de Conjunto.

Crenças de autoeficácia e motivação de alunos de graduação: um estudo sobre a disciplina de Prática Musical de Conjunto. Crenças de autoeficácia e motivação de alunos de graduação: um estudo sobre a disciplina de Prática Musical de Conjunto Victor Lucas Bento Universidade Federal do Paraná victorlucasb@hotmail.com Rosane

Leia mais

Nossa Visão. Nossa Missão

Nossa Visão. Nossa Missão A Evoluir desenvolve programas educacionais que transformam a forma como aprendemos e ensinamos. Com 20 anos de experiência, trabalhamos em parceria e assessoramos escolas, empresas, governos e ongs para

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO LICENCIANDO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: ANSEIOS E DIFICULDADES

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO LICENCIANDO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: ANSEIOS E DIFICULDADES A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO LICENCIANDO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: ANSEIOS E DIFICULDADES Mauricio André Morales Garcia 1 Simone Medianeira Franzin 2 Resumo: O estágio em qualquer curso superior

Leia mais

Para citar esse documento:

Para citar esse documento: Para citar esse documento: OLIVEIRA, Lívia Camille Maciel de. Dançando através da educação: possibilidades de caminhos que encontram o meu ser professor. Anais do V Encontro Científico Nacional de Pesquisadores

Leia mais

BREVE REVISÃO DA LITERATURA SOBRE ENSINO COLETIVO DE CORDAS EM GOIÂNIA. QUEIROZ, Cíntia Carla de 1 ; RAY, Sonia 2

BREVE REVISÃO DA LITERATURA SOBRE ENSINO COLETIVO DE CORDAS EM GOIÂNIA. QUEIROZ, Cíntia Carla de 1 ; RAY, Sonia 2 BREVE REVISÃO DA LITERATURA SOBRE ENSINO COLETIVO DE CORDAS EM GOIÂNIA QUEIROZ, Cíntia Carla de 1 ; RAY, Sonia 2 Palavras-Chave: música, ensino coletivo, cordas, método 1. JUSTIFICATIVA / BASE TEÓRICA

Leia mais

As contribuições das práticas laboratoriais no processo de Ensino-Aprendizagem na área de Química

As contribuições das práticas laboratoriais no processo de Ensino-Aprendizagem na área de Química As contribuições das práticas laboratoriais no processo de Ensino-Aprendizagem na área de Química Monialine Santos de Sousa 1, Juliana da Conceição Souza Lima 1, Andressa Marques Leite 1, Raíla Vieira

Leia mais

TRABALHANDO O LIVRO DIDÁTICO: Com produção de maquetes no Ensino de História Medieval

TRABALHANDO O LIVRO DIDÁTICO: Com produção de maquetes no Ensino de História Medieval TRABALHANDO O LIVRO DIDÁTICO: Com produção de maquetes no Ensino de História Medieval Autora Rosangela Silva Barros dos Santos 1 rosangelasilvabarros@hotmail.com Dr. Hamilton Afonso de Oliveira 2 hamiltonafonso@uol.com.br

Leia mais

A Experiência do Pibid Música na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul: ação, reflexão e adaptação

A Experiência do Pibid Música na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul: ação, reflexão e adaptação A Experiência do Pibid Música na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul: ação, reflexão e adaptação Mariana de Araújo Stocchero (Pibid Música/UFMS) Resumo: O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação

Leia mais

A Prática Profissional terá carga horária mínima de 400 horas distribuídas como informado

A Prática Profissional terá carga horária mínima de 400 horas distribuídas como informado INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR UNIDADE ACADÊMICA DE LICENCIATURAS E FORMAÇÃO GERAL CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA CAMPUS JOÃO PESSOA Prática

Leia mais

Mostra de Projetos Os Pés do Pavão

Mostra de Projetos Os Pés do Pavão Mostra de Projetos 2011 Os Pés do Pavão Mostra Local de: Dois Vizinhos Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal de Educação,

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSOS DE LICENCIATURAS PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO 2017.2 5º. PERÍODO Diálogos com a Escola-Campo I / Prática Pedagógica V Observação do Campo de Estágio (com

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO ENSINO E APRENDIZADO DA CARTOGRAFIA NOS DIFERENTES NÍVEIS DE FORMAÇÃO

DIAGNÓSTICO DO ENSINO E APRENDIZADO DA CARTOGRAFIA NOS DIFERENTES NÍVEIS DE FORMAÇÃO DIAGNÓSTICO DO ENSINO E APRENDIZADO DA CARTOGRAFIA NOS DIFERENTES NÍVEIS DE FORMAÇÃO Adriana Aparecida Silva 1 Fabrícia Alves da Silva 2 Pôster GT - Geografia Resumo O ensino e aprendizado da cartografia

Leia mais

Relato de experiência: Importância da Música na Terceira Idade

Relato de experiência: Importância da Música na Terceira Idade Relato de experiência: Importância da Música na Terceira Idade Resumo Gisellen Maximiano Este trabalho tem por objetivo relatar o projeto de estágio com o foco do ensino da flauta e a percussão instrumental

Leia mais

ENSINO MÉDIO INTEGRADO/ TÉCNICO EM INSTRUMENTO MUSICAL. DO COLÉGIO Pedro II. Pôster

ENSINO MÉDIO INTEGRADO/ TÉCNICO EM INSTRUMENTO MUSICAL. DO COLÉGIO Pedro II. Pôster ENSINO MÉDIO INTEGRADO/ TÉCNICO EM INSTRUMENTO MUSICAL DO COLÉGIO Pedro II Pôster Ana Cristina Santos de Paula anacristpaula@uol.com.br Ana Paula Teixeira da Cruz anapaulacruz6@gmail.com Daniel Costa Fernandes

Leia mais

O PRIMEIRO ESTÁGIO: CONHECENDO O AMBIENTE ESCOLAR

O PRIMEIRO ESTÁGIO: CONHECENDO O AMBIENTE ESCOLAR XVIII Encontro Baiano de Educação Matemática A sala de aula de Matemática e suas vertentes UESC, Ilhéus, Bahia de 03 a 06 de julho de 2019 O PRIMEIRO ESTÁGIO: CONHECENDO O AMBIENTE ESCOLAR Marcella Ferreira

Leia mais

MÚSICA E MATEMÁTICA: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS EM OFICINAS INTERDISCIPLINARES

MÚSICA E MATEMÁTICA: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS EM OFICINAS INTERDISCIPLINARES MÚSICA E MATEMÁTICA: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS EM OFICINAS INTERDISCIPLINARES TAKIGUTI, P. MOYA, P.T Resumo O presente trabalho tem como proposta estabelecer relações entre a música e a matemática, mostrando

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso 08LEM11 - Licenciatura em Educação Musical. Ênfase

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso 08LEM11 - Licenciatura em Educação Musical. Ênfase Curso 08LEM11 - Licenciatura em Educação Musical Ênfase Identificação Disciplina LEM1275T1 - Educação Musical I Docente(s) Margarete Arroyo Unidade Instituto de Artes Departamento Departamento de Música

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MÚSICA ANO Elaboração

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MÚSICA ANO Elaboração UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MÚSICA PROGRAMA DA DISCIPLINA PRÁTICA DE ENSINO MUS 185 ANO 2006 Elaboração Leila Dias Marialice Regis Mara Menezes Marineide Costa Zuraida Bastião Cristina Tourinho

Leia mais

Ensino, pesquisa e extensão: Uma análise das atividades desenvolvidas no GPAM e suas contribuições para a formação acadêmica

Ensino, pesquisa e extensão: Uma análise das atividades desenvolvidas no GPAM e suas contribuições para a formação acadêmica Ensino, pesquisa e extensão: Uma análise das atividades desenvolvidas no GPAM e suas contribuições para a formação acadêmica Valéria Poliana Silva Unimontes Lelapolly@hotmail.com Resumo: O presente trabalho

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR NO CURSO DE LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO NA UFPB VIRTUAL

O PAPEL DO TUTOR NO CURSO DE LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO NA UFPB VIRTUAL O PAPEL DO TUTOR NO CURSO DE LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO NA UFPB VIRTUAL Ana Klyvia Ferreira Rodrigues (1); (2) Orientadora: Carolina Soares Ramos Universidade Estadual da Paraíba; anaklyviaferreirarodriguesk3@gmail.com,

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) 1 INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) Curso: Música, bacharelado Habilitação em Clarineta Campus: Cuiabá Docente da habilitação: Prof. Dr. Vinícius de Sousa Fraga Ato interno de criação e

Leia mais

A ARTE COMO AUXÍLIO PARA DISCIPLINAS, EM ESPECIAL A FILOSOFIA.

A ARTE COMO AUXÍLIO PARA DISCIPLINAS, EM ESPECIAL A FILOSOFIA. A ARTE COMO AUXÍLIO PARA DISCIPLINAS, EM ESPECIAL A FILOSOFIA. Simone G. Gonçalves Universidade Estadual da Paraíba Simonyggg@yahoo.com.br Palavra chave: Arte, filosofia, educação. Introdução O presente

Leia mais

MÉTODOS E PROCEDIMENTOS NO ENSINO DE QUÍMICA

MÉTODOS E PROCEDIMENTOS NO ENSINO DE QUÍMICA MÉTODOS E PROCEDIMENTOS NO ENSINO DE QUÍMICA Rafaela Luna NASCIMENTO 1, Maria Roberta de Oliveira PINTO 1 1 Departamento de Química, Universidade Estadual da Paraíba-UEPB, Campus I, Campina Grande-PB.

Leia mais

1ª Série. 2MUT041 CANTO CORAL I Montagem e Apresentação de Repertório coral de estilos e gêneros variados.

1ª Série. 2MUT041 CANTO CORAL I Montagem e Apresentação de Repertório coral de estilos e gêneros variados. 1ª Série 2MUT050 ATIVIDADES DE PRÁTICA DE ENSINO I Participação na elaboração de planos de ensino de música.observação e participação de situações reais de ensino de música. Elaboração e análise de material

Leia mais

SABERES DOCENTES E SUAS RELAÇÕES COM O LUDISMO EM SALA DE AULA

SABERES DOCENTES E SUAS RELAÇÕES COM O LUDISMO EM SALA DE AULA SABERES DOCENTES E SUAS RELAÇÕES COM O LUDISMO EM SALA DE AULA Edna Sheron da Costa GARCEZ, Instituto de Química, edna.sheron@hotmail.com Pedro Henrique Alves de ARAUJO, Instituto de Química, pedroh.quimica@gmail.com

Leia mais

A ATUAÇÃO DE PROFESSORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A ATUAÇÃO DE PROFESSORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A ATUAÇÃO DE PROFESSORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Cremilda da Silva Monteiro Centro Universitário Geraldo Di Biase cremonteiro@bol.com.br Resumo Com o objetivo de refletir sobre a atuação e os desafios

Leia mais

A DISCIPLINA DE DIDÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL

A DISCIPLINA DE DIDÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL A DISCIPLINA DE DIDÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL Kelen dos Santos Junges - UNESPAR/Campus de União da Vitória Mariane de Freitas - UNESPAR/Campus de União da Vitória

Leia mais

Professor ou Professor Pesquisador

Professor ou Professor Pesquisador Professor ou Professor Pesquisador Cláudio Luis Alves do Rego Cúneo 1 Resumo O perfil de professor pesquisador tem sido associado à oportunidade de prática reflexiva daquele professor que busca a pesquisa

Leia mais

DIDÁTICA DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE MATEMÁTICA

DIDÁTICA DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE MATEMÁTICA DIDÁTICA DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE MATEMÁTICA Luana Aparecida Nunes 1, Fabiana da Penha Rhodes 2. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Matemática da Faculdade de Ciências Gerenciais de Manhuaçu(

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO USO DE JOGOS DIDÁTICOS E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A IMPORTÂNCIA DO USO DE JOGOS DIDÁTICOS E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DE QUÍMICA A IMPORTÂNCIA DO USO DE JOGOS DIDÁTICOS E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DE QUÍMICA Lillyane Raissa Barbosa da Silva 1 ; Renata Joaquina de Oliveira Barboza 2 ; José Geovane Jorge de Matos 3 ; Magadã

Leia mais

Curso de extensão em Música (CEM): um relato de experiência como Professor/Estagiário de Teoria musical.

Curso de extensão em Música (CEM): um relato de experiência como Professor/Estagiário de Teoria musical. Curso de extensão em Música (CEM): um relato de experiência como Professor/Estagiário de Teoria musical. Renato Cardoso Araújo. Universidade Estadual de Montes Claros. Renato2204@yahoo.com.br Resumo: O

Leia mais

Elaboração de questionários em turmas de ensino coletivo de violão para crianças de 07 a 09 anos de vida

Elaboração de questionários em turmas de ensino coletivo de violão para crianças de 07 a 09 anos de vida Elaboração de questionários em turmas de ensino coletivo de violão para crianças de 07 a 09 anos de vida Mabel Macêdo 1 Universidade Federal da Bahia mabel.macedo@gmail.com Otávio Jorge Fidalgo 2 Universidade

Leia mais

COORDENADORIA DE EXTENSÃO

COORDENADORIA DE EXTENSÃO COORDENADORIA DE EXTENSÃO PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS DE EXTENSÃO TÍTULO DO CURSO: Piano e Teclado Nível Básico Título dado ao aluno ao concluir o curso: Pianista/tecladista iniciante Crateús Dezembro

Leia mais

UMA ANÁLISE DOS CONTEÚDOS DE PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA NOS LIVROS DO ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO DA CIDADE DE JATAÍ

UMA ANÁLISE DOS CONTEÚDOS DE PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA NOS LIVROS DO ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO DA CIDADE DE JATAÍ ISSN: 2176-3305 UMA ANÁLISE DOS CONTEÚDOS DE PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA NOS LIVROS DO ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO DA CIDADE DE JATAÍ Grace Kelly Souza Carmo Goulart 1 Fernanda Leão de Souza Meira

Leia mais

DANÇA, EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO INFANTIL

DANÇA, EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO INFANTIL DANÇA, EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO INFANTIL Silvia Renata Cabral do Nascimento (IC)* 1, Camila Teixeira de Almeida (IC) 2, Luan Eugênio Cirqueira Silva (IC) 3 Rosirene Campêlo dos Santos(PC) 4 silvia_renata68@hotmail.com

Leia mais

O cotidiano musical e a utilização da Música na Educação Infantil

O cotidiano musical e a utilização da Música na Educação Infantil O cotidiano musical e a utilização da Música na Educação Infantil Heloisa Helena de Souza Silva UFES heloisaufes@gmail.com Letícia Santos de Oliveira UFES leticiasoliveira1@gmail.com Mylena Cardoso Kobi

Leia mais

PORTFÓLIO - DO CONCEITO À PRÁTICA UNIVERSITÁRIA: UMA VIVÊNCIA CONSTRUTIVA

PORTFÓLIO - DO CONCEITO À PRÁTICA UNIVERSITÁRIA: UMA VIVÊNCIA CONSTRUTIVA 1 PORTFÓLIO - DO CONCEITO À PRÁTICA UNIVERSITÁRIA: UMA VIVÊNCIA CONSTRUTIVA Mariane de Freitas - UNESPAR/Campus de União da Vitória RESUMO Acreditando na importância e amplitude que tem, para o professor,

Leia mais

ARRANJOS VOCAIS POLIFÔNICOS E HOMOFÔNICOS: DESAFIOS NO REPERTÓRIO DO CORO EM CORES.

ARRANJOS VOCAIS POLIFÔNICOS E HOMOFÔNICOS: DESAFIOS NO REPERTÓRIO DO CORO EM CORES. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( X) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

UMA ENTREVISTA COM O PROFESSOR MESTRE IGOR HEMERSON COIMBRA ROCHA: COORDENADOR DO CURSO DE EXTENSÃO EM MÚSICA (CEM)

UMA ENTREVISTA COM O PROFESSOR MESTRE IGOR HEMERSON COIMBRA ROCHA: COORDENADOR DO CURSO DE EXTENSÃO EM MÚSICA (CEM) Revista Intercâmbio - vol. VIII - 2017 / ISSN - 2176-669X - Página 279 UMA ENTREVISTA COM O PROFESSOR MESTRE IGOR HEMERSON COIMBRA ROCHA: COORDENADOR DO CURSO DE EXTENSÃO EM MÚSICA (CEM) Daniela I. Pereira

Leia mais

Iniciação musical com introdução ao violão (IMIV) - Propostas de atividades para o ensino coletivo de violão para crianças de 07 a 11 anos de idade

Iniciação musical com introdução ao violão (IMIV) - Propostas de atividades para o ensino coletivo de violão para crianças de 07 a 11 anos de idade Iniciação musical com introdução ao violão (IMIV) - Propostas de atividades para o ensino coletivo de violão para crianças de 07 a 11 anos de idade MODALIDADE: COMUNICAÇÃO Autor: Mabel Macêdo e-mail: mabel.macedo@gmail.com

Leia mais

APRENDIZAGEM MUSICAL AO VIOLÃO EM PROJETO SOCIAL NA CIDADE DE FORTALEZA-CE. Comunicação

APRENDIZAGEM MUSICAL AO VIOLÃO EM PROJETO SOCIAL NA CIDADE DE FORTALEZA-CE. Comunicação APRENDIZAGEM MUSICAL AO VIOLÃO EM PROJETO SOCIAL NA CIDADE DE FORTALEZA-CE Comunicação Eddy Lincolln Freitas de Souza Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará lincolnviolonista@gmail.com

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES Junho de 2014 a junho de 2016

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES Junho de 2014 a junho de 2016 PLANEJAMENTO ESTRATEGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES Junho de 2014 a junho de 2016 Apresentação O Curso de Licenciatura em Artes da tem como meta principal formar o professor de artes através de

Leia mais

SOCIEDADE E INDIVÍDUO EM DISCUSSÃO

SOCIEDADE E INDIVÍDUO EM DISCUSSÃO 1 SOCIEDADE E INDIVÍDUO EM DISCUSSÃO Acadêmica: Raquel Luchese Orientadora: SilandraBadch Rosa Universidade Luterana do Brasil- ULBRA raquelluchese@hotmail.com RESUMO O presente trabalho refere-se ao Estágio

Leia mais

ENSINANDO UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA ALUNOS SURDOS: SABERES E PRÁTICAS

ENSINANDO UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA ALUNOS SURDOS: SABERES E PRÁTICAS 1 ENSINANDO UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA ALUNOS SURDOS: SABERES E PRÁTICAS Resumo Karina Ávila Pereira Universidade Federal de Pelotas Este artigo refere se a um recorte de uma tese de Doutorado em Educação

Leia mais

Atividades Extraclasse

Atividades Extraclasse Atividades Extraclasse No Marista Ipanema, o estudante também aprende e desenvolve habilidades além da sala de aula. As turmas das Atividades Extraclasse, para cada modalidade, são divididas de acordo

Leia mais

Aula 6 Livro físico.

Aula 6 Livro físico. Conteúdos da aula 1. Material didático 2. Formatos 3. 2 1. Material didático Nessa aula, teremos como foco a apresentação do material didático da etb Material didático pode ser definido amplamente como

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS PROJETOS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA: O PIBID E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA GEOGRAFIA NAS ESCOLAS PÚBLICAS

A IMPORTÂNCIA DOS PROJETOS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA: O PIBID E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA GEOGRAFIA NAS ESCOLAS PÚBLICAS A IMPORTÂNCIA DOS PROJETOS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA: O PIBID E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA GEOGRAFIA NAS ESCOLAS PÚBLICAS Edson Severino Campos da Silva (edsoncampos2010@hotmail.com) Clenilson dos

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA - IFB Campus Recanto das Emas PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC. Musicalização ao Violão

INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA - IFB Campus Recanto das Emas PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC. Musicalização ao Violão Não é possível exibir esta imagem. INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA - IFB Campus Recanto das Emas PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC Musicalização ao Violão Recanto das Emas DF 2018 Wilson Conciani

Leia mais

A BRINCADEIRA AMARELINHA COMO MÉTODO DE ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A BRINCADEIRA AMARELINHA COMO MÉTODO DE ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL A BRINCADEIRA AMARELINHA COMO MÉTODO DE ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Liliane A. LIMA 1 ; Miller M. SANCHES 2 ; Fabiana L. OLIVEIRA 3 RESUMO A educação não é apenas promover

Leia mais

O USO DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA POR PROFESSORES NO ENSINO FUNDAMENTAL

O USO DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA POR PROFESSORES NO ENSINO FUNDAMENTAL O USO DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA POR PROFESSORES NO ENSINO FUNDAMENTAL Matheus Marques de Araújo, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), marquesmatheusaraujo@gmail.com Gardênia Pereira Brito, Universidade

Leia mais

Plano de Formação 2018/2021

Plano de Formação 2018/2021 Plano de Formação 2018/2021 Curso n.º 041_PROForma_18/21 (DREAçores/AAFC/000/2019) Cronograma /Caracterização N.º de horas: 25 horas Unidades de Crédito: 1 unidade (de acordo com o artigo 231.º do EPDRAA)

Leia mais

Lueny Amorim de oliveira (1); Lainne Saraiva Garreta (1); Malena Correia Costa (2) Antônia Gomes do Nascimento (3)

Lueny Amorim de oliveira (1); Lainne Saraiva Garreta (1); Malena Correia Costa (2) Antônia Gomes do Nascimento (3) A HISTÓRIA DA QUÍMICA COMO INSTRUMENTO MOTIVADOR NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA DE QUÍMICA NAS TURMAS DE 1 ANO DO ENSINO MÉDIO: PERCEPÇÃO DOS EDUCANDOS. Lueny Amorim de oliveira (1);

Leia mais

A MÚSICA NA ESCOLA. 1.1 A música como cultura

A MÚSICA NA ESCOLA. 1.1 A música como cultura A MÚSICA NA ESCOLA 1.1 A música como cultura Ressalta-se que a música faz parte da arte, sendo também um elemento cultural. Enquanto educadores, devemos preservar a cultura musical em nossos alunos. Este

Leia mais

A participação no PIBID e a formação de professores da Pedagogia experiência na educação de jovens e adultos

A participação no PIBID e a formação de professores da Pedagogia experiência na educação de jovens e adultos A participação no PIBID e a formação de professores da Pedagogia experiência na educação de jovens e adultos Cássia Borges Dias, Maria das Graças Mota Mourão, Rita Tavares de Mello Resumo O estudo tem

Leia mais

CURSO: MÚSICA LICENCIATURA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: MÚSICA LICENCIATURA EMENTAS º PERÍODO CURSO: MÚSICA LICENCIATURA EMENTAS - 2016.2 2º PERÍODO DISCIPLINA: LINGUAGEM E ESTRUTURAÇÃO MUSICAL II Teoria e Percepção Musical II. Desenvolvimento da leitura musical em quatro claves de referência:

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E ANÁLISE DE ERROS: UMA RELAÇÃO INDISSOCIÁVEL

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E ANÁLISE DE ERROS: UMA RELAÇÃO INDISSOCIÁVEL FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E ANÁLISE DE ERROS: UMA RELAÇÃO INDISSOCIÁVEL Resumo Helena Noronha Cury 1 A formação inicial do professor de Matemática tem sido discutida em Fóruns de Licenciatura,

Leia mais

O PAPEL DO PROFESSOR DE ESCOLA PUBLICA NO ENSINO DA LÍNGUA ESPANHOLA

O PAPEL DO PROFESSOR DE ESCOLA PUBLICA NO ENSINO DA LÍNGUA ESPANHOLA O PAPEL DO PROFESSOR DE ESCOLA PUBLICA NO ENSINO DA LÍNGUA ESPANHOLA Magda Cristina COSTA magdacosta18@hotmail.com Andreza Araújo LIMA andreza.cfd@hotmail.com.br Susy Darley Gomes SILVA suzy_darleygomes@hotmail.com

Leia mais

11ª SEMANA DA MÚSICA DE OURO BRANCO

11ª SEMANA DA MÚSICA DE OURO BRANCO 11ª SEMANA DA MÚSICA DE OURO BRANCO Associação Cultural Casa de Música de Ouro Branco Av. Augusto Barbosa da Silva, 313, Pioneiros Ouro Branco-MG, 36420-000 000 (31) 3742-3553 3553 / (31) 9624-8059 O projeto

Leia mais

O USO DO CINEMA COMO RECURSO DIDÁTICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O USO DO CINEMA COMO RECURSO DIDÁTICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O USO DO CINEMA COMO RECURSO DIDÁTICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Emanuela Suassuna de Araújo (1); Vanessa da Silva Santos (1) Universidade Federal da Paraíba, suassuna.emanuela@gmail.com (1); Universidade Federal

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO PIBID/MÚSICA DA UFMA. Mayna Vanessa Ribeiro Serrão Mendes

RELATÓRIO ANUAL DO PIBID/MÚSICA DA UFMA. Mayna Vanessa Ribeiro Serrão Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO -UFMA PRÓ-REITORIA DE ENSINO- PROEN PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA- PIBID/CAPES SUBPROJETO LICENCIATURA EM MÚSICA RELATÓRIO ANUAL DO PIBID/MÚSICA

Leia mais

DISCIPLINA DE ARTE: PROCESSO AVALIATIVO NO ENSINO FUNDAMENTAL II

DISCIPLINA DE ARTE: PROCESSO AVALIATIVO NO ENSINO FUNDAMENTAL II DISCIPLINA DE ARTE: PROCESSO AVALIATIVO NO ENSINO FUNDAMENTAL II SILVA, L.O.; OLIVEIRA, J.G. RESUMO Este trabalho teve como objetivo diagnosticar se a semelhanças ou diferenças no processo avaliativo de

Leia mais

Seminário acadêmico. Introdução. O que é um seminário

Seminário acadêmico. Introdução. O que é um seminário Seminário acadêmico Introdução É muito comum ouvirmos falar em seminário como um trabalho escolar, que ocorre tanto no Ensino Básico como no Ensino Superior. Mas, você saberia definir seminário? Nessa

Leia mais

REFLEXÃO DOCENTE SOBRE A FORMAÇÃO OFERECIDA NO MUNICIPIO DE FORTALEZA

REFLEXÃO DOCENTE SOBRE A FORMAÇÃO OFERECIDA NO MUNICIPIO DE FORTALEZA REFLEXÃO DOCENTE SOBRE A FORMAÇÃO OFERECIDA NO MUNICIPIO DE FORTALEZA Petrônio Cavalcante (1); José Narcélio Barbosa da Silva Júnior (2); Andréa da Costa Silva (3) (Universidade Estadual do Ceará, petronionet1@hotmail.com;

Leia mais

ELEMENTOS ARTÍSTICOS COMO ESTRATÉGIA DE SALA DE AULA PARA A INOVAÇÃO DO USO DO LAPTOP EDUCACIONAL NO CONTEXTO ESCOLAR

ELEMENTOS ARTÍSTICOS COMO ESTRATÉGIA DE SALA DE AULA PARA A INOVAÇÃO DO USO DO LAPTOP EDUCACIONAL NO CONTEXTO ESCOLAR ELEMENTOS ARTÍSTICOS COMO ESTRATÉGIA DE SALA DE AULA PARA A INOVAÇÃO DO USO DO LAPTOP EDUCACIONAL NO CONTEXTO ESCOLAR 09/2011 Novas Tecnologias em Educação Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSOS DE LICENCIATURAS PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO 2017.2 5º. PERÍODO Diálogos com a Escola-Campo I / Prática Pedagógica V Observação do Campo de Estágio (com

Leia mais

Processos de composição colaborativa: um relato de experiência no grupo musical Confraria de La Yerba. Poster. Introdução

Processos de composição colaborativa: um relato de experiência no grupo musical Confraria de La Yerba. Poster. Introdução Processos de composição colaborativa: um relato de experiência no grupo musical Confraria de La Yerba. Rafael Gonçalves Oliveira da Silva Universidade Federal do Pampa Acordeon.rafael.oliveira@gmail.com

Leia mais

UMA VISÃO SOBRE JOGOS LÚDICOS COMO MÉTODO FACILITADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

UMA VISÃO SOBRE JOGOS LÚDICOS COMO MÉTODO FACILITADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA UMA VISÃO SOBRE JOGOS LÚDICOS COMO MÉTODO FACILITADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA Maiane Sousa Pereira (1); Mairis Sousa Pereira (1); Adriely de Castro Silva (2); PEREIRA, Maiane S., SOUSA PEREIRA, Mairis,

Leia mais

Teste de Habilidade Específica em música: inclusão das pessoas com deficiência visual no ensino superior

Teste de Habilidade Específica em música: inclusão das pessoas com deficiência visual no ensino superior Teste de Habilidade Específica em música: inclusão das pessoas com deficiência visual no ensino superior Edibergon Varela Bezerra UFRN edbergon@hotmail.com Resumo: Objetivando contribuir para o ingresso

Leia mais

o que fazemos? para quem?

o que fazemos? para quem? o que fazemos? O SonavoOZ encontrou na música e no canto ferramentas que inspiram, que aprimoram a expressão, a criatividade e a comunicação em grupos e ambientes de trabalho. As metas, os prazos e o convívio

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REPENSAR O CURRÍCULO. Andreia Cristina Santos Freitas 1 Roziane Aguiar dos Santos 2 Thalita Pacini 3 INTRODUÇÃO

ENSINAR CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REPENSAR O CURRÍCULO. Andreia Cristina Santos Freitas 1 Roziane Aguiar dos Santos 2 Thalita Pacini 3 INTRODUÇÃO ENSINAR CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REPENSAR O CURRÍCULO Andreia Cristina Santos Freitas 1 Roziane Aguiar dos Santos 2 Thalita Pacini 3 INTRODUÇÃO O ensino de ciências na Educação Infantil (EI) tem

Leia mais

Projeto de extensão Música Para Todos : Um relato de experiência sobre Musicalização Infantil em São Luís-MA

Projeto de extensão Música Para Todos : Um relato de experiência sobre Musicalização Infantil em São Luís-MA Projeto de extensão Música Para Todos : Um relato de experiência sobre Musicalização Infantil em São Luís-MA Adriana Rodrigues de Sousa Universidade Federal do Maranhão adriana_rsousa@hotmail.com João

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DO PIBID DE MATEMÁTICA EM ARRAIAS (TO)

EXPERIÊNCIAS DO PIBID DE MATEMÁTICA EM ARRAIAS (TO) EXPERIÊNCIAS DO PIBID DE MATEMÁTICA EM ARRAIAS (TO) Luciana Tavares Sousa luadail@uft.edu.br Regiane da Cruz Oliveira regiane353@uft.edu.br Aricléia Damasceno Rodrigues aricleia2009@uft.edu.br RESUMO Kaled

Leia mais

Aluno(a): / / Cidade Polo: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA PESQUISA E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (PED)

Aluno(a): / / Cidade Polo:   CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA PESQUISA E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (PED) Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA PESQUISA E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (PED) Preencha o GABARITO: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Observação: Nesta atividade há 10 (dez) questões de múltipla

Leia mais

BLOG SOBRE ROBÓTICA EDUCACIONAL

BLOG SOBRE ROBÓTICA EDUCACIONAL UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS, MATEMÁTICA E TECNOLOGIAS PRODUTO EDUCACIONAL BLOG SOBRE ROBÓTICA EDUCACIONAL

Leia mais

Eixo: 3 - Ciências Agrárias RESUMO

Eixo: 3 - Ciências Agrárias RESUMO O papel do monitor- educador nos cursos de Licenciatura da Esalq: um relato de experiência Francynês da Conceição Oliveira Macedo, Débora Gomes Ruiz e Vânia Galindo Massabni Universidade de São Paulo,

Leia mais

CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO, LEITURA E ESCRITA

CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO, LEITURA E ESCRITA CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO, LEITURA E ESCRITA VAZ, Patrícia Nogueira da Silva. Discente da Faculdade de Ciências Humanas/ACEG E-mail: nega_nogueira@hotmail.com MORAES, Mônica Rodrigues. Discente da Faculdade

Leia mais

ANEXO II EDITAL Nº 80/2013/PIBID/UFG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

ANEXO II EDITAL Nº 80/2013/PIBID/UFG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID ANEXO II EDITAL Nº 80/2013/PIBID/UFG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID FORMULÁRIO DE DETALHAMENTO DO SUBPROJETO POR ÁREA DE CONHECIMENTO 1. Nome da Instituição: 2. UF Universidade

Leia mais

PARTICIPAÇÃO E MOTIVAÇÃO NAS AULAS DE MÚSICA DA ESCOLA. Pôster

PARTICIPAÇÃO E MOTIVAÇÃO NAS AULAS DE MÚSICA DA ESCOLA. Pôster PARTICIPAÇÃO E MOTIVAÇÃO NAS AULAS DE MÚSICA DA ESCOLA Elcio Antonio de Almeida Junior Franciele Pereira Oliveira UNESPAR, Campus I, EMBAP el-cio@hotmail.com franpereoliveira@gmail.com Pôster Resumo: Este

Leia mais

A PRÁTICA DO FUTSAL LÚDICO

A PRÁTICA DO FUTSAL LÚDICO A PRÁTICA DO FUTSAL LÚDICO SILVA, Brenda Catherine Cardoso 1 PEREIRA, Eduí 2 1 Acadêmica do curso de Graduação em Educação Física da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva 2 Docente do curso

Leia mais

Sugestões para a melhoria da formação pedagógica nos cursos de licenciatura da UFSCar, extraidas dos respectivos relatórios de auto-avaliação

Sugestões para a melhoria da formação pedagógica nos cursos de licenciatura da UFSCar, extraidas dos respectivos relatórios de auto-avaliação Sugestões para a melhoria da nos cursos de licenciatura da UFSCar, extraidas dos respectivos relatórios de auto-avaliação Aspecto Valorização da licenciatura e melhor preparo do licenciado Atenção aos

Leia mais