EDUARDA CAVALCANTE SANTANA¹ MARCELO AUGUSTO VIEIRA JATOBÁ¹ ARNON CASTRO ALVES FILHO² LETICIA JANUZI DE ALMEIDA ROCHA³

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUARDA CAVALCANTE SANTANA¹ MARCELO AUGUSTO VIEIRA JATOBÁ¹ ARNON CASTRO ALVES FILHO² LETICIA JANUZI DE ALMEIDA ROCHA³"

Transcrição

1 EDUARDA CAVALCANTE SANTANA¹ MARCELO AUGUSTO VIEIRA JATOBÁ¹ ARNON CASTRO ALVES FILHO² LETICIA JANUZI DE ALMEIDA ROCHA³ ASPECTOS TOPOGRÁFICOS E CONSEQUÊNCIAS DO AVC COMO INFLUÊNCIA NA INCIDÊNCIA E GRAVIDADE DA DEPRESSÃO PÓS-AVC. 1. Graduandos em Medicina pela Universidade Tiradentes (UNIT) de Maceió - Alagoas. 2. Docente da disciplina de Neurologia da UNIT de Maceió, Alagoas; Neurocirurgião pelo Hospital Universitário Professor Alberto Antunes (UFAL). Mestrando pela Universidade Federal de São Paulo na área de Neurocirurgia. 3. Docente da disciplina de Neurologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Alagoas (FAMED-UFAL), Neurologista no HUPAA-UFAL e no Hospital do Coração de Alagoas; Fellowship em Neurovascular e Neurossonologia no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo (HFCMRP-USP); Mestre em neurovascular, com foco no estudo da aterosclerose intracraniana, pela FMRP-USP.

2 UNIVERSIDADE TIRADENTES AL CURSO DE MEDICINA EDUARDA CAVALCANTE SANTANA MARCELO AUGUSTO VIEIRA JATOBÁ ASPECTOS TOPOGRÁFICOS E CONSEQUÊNCIAS DO AVC COMO INFLUÊNCIA NA INCIDÊNCIA E GRAVIDADE DA DEPRESSÃO PÓS-AVC. MACEIÓ 2019

3 EDUARDA CAVALCANTE SANTANA MARCELO AUGUSTO VIEIRA JATOBÁ ASPECTOS TOPOGRÁFICOS E CONSEQUÊNCIAS DO AVC COMO INFLUÊNCIA NA INCIDÊNCIA E GRAVIDADE DA DEPRESSÃO PÓS-AVC. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Medicina, do Centro Universitário Tiradentes - UNIT, como requisito parcial para a Obtenção do grau de Bacharel em Medicina. Orientador: Arnon Castro Alves Filho. Maceió, 11 de Novembro de 2019 BANCA EXAMINADORA Professor Arnon Castro Alves Filho Neurocirurgião. Universidade Tiradentes Professor Jimycarlisson dos Santos Ramos Psiquiatra. Universidade Tiradentes Dra. Patricia Pereira Nunes Neurologista.

4 Agradecemos ao nosso orientador e nossa co-orientadora, por nos terem oferecido a oportunidade de concretizar essa aspiração: mergulhar no mundo da pesquisa, sobretudo com o tema que escolhemos r por todo o suporte acadêmico. Agradecemos também à equipe do HUPAA por nos ter concedido o espaço físico para a realização da pesquisa, bem como à todos os pacientes que contribuíram conosco. Ademais, agradecemos à todos os familiares e amigos que nos apoiaram durante essa jornada.

5 Resumo: Introdução: O acidente vascular cerebral (AVC) é a principal causa de incapacidade no Brasil e no mundo, e, a depressão pós-avc (DPAVC) é um fenômeno frequente em seus sobreviventes, que impacta fortemente os resultados físicos e cognitivos, sendo o seu diagnóstico e tratamento essenciais para o manejo de pacientes com AVC; entretanto, sua etiologia e patogênese não estão claras 24. O objetivo deste estudo foi analisar a incidência e a gravidade da depressão nos pacientes acometidos por AVC do ambulatório do Hospital Universitário Professor Alberto Antunes (HUPAA). Metodologia: Trata-se de um estudo observacional, analítico e transversal, mediante a coleta de dados de pacientes admitidos no ambulatório de neurovascular HUPAA, de Alagoas, por meio da realização de entrevistas, aplicação de escalas clínicas e sistematização de dados dos prontuários, no período de Outubro de 2019 à novembro de 2019; para comparar os grupos de pacientes com DPAVC e sem DPAVC, bem como os com depressão leve a moderada e com depressão grave. Resultados: A escala de Hamilton apresentou média de 11,11 (± 6,3), e mostrou que nove (33,33%) pacientes não apresentavam depressão, quinze (55,56%) mostravam depressão leve, um (3,7%) depressão moderada, e dois (7,41%) depressão grave. Não houve relação entre o território acometido, comorbidades ou déficit cognitivo com o quadro depressivo, entretanto, pacientes solteiros, divorciados e viúvos revelaram maior incidência, em relação aos casados, e os que apresentaram hipoestesia e déficit misto (sensitivo e motor), maior gravidade da DPAVC. Conclusão: Entre os fatores analisados neste estudo, apenas o estado civil e a presença de déficit sensitivo e déficit sensitivo-motor mostraram-se relevantes para a gênese da DPAVC, sendo necessários mais estudos, visto que se trata de uma amostra limitada, para elucidar essa conexão. Palavras-chave: Depressão, Acidente vascular cerebral, Desempenho sensório-motor, Qualidade de vida relacionada à saúde. Abstract: Introduction: Stroke is the leading cause of disability in Brazil and worldwide, and post-stroke depression (PSD) is a frequent phenomenon in its survivors, which strongly impacts physical and cognitive outcomes. diagnosis and treatment essential for the management of stroke patients; however, its etiology and pathogenesis are unclear 24. Aim: The aim of this study was to analyze the incidence and severity of depression in stroke patients at Professor Alberto Antunes University Hospital (HUPAA). Methodology: This is an observational, analytical and cross-sectional study by collecting data from patients admitted to the HUPAA neurovascular outpatient clinic in Alagoas, through interviews, application of clinical scales and systematization of data from medical records in the October 2019 to November 2019; to

6 compare the groups of patients with and without severe and moderate depression. Results: Hamilton scale averaged (± 6.3), and showed that nine (33.33%) patients had no depression, fifteen (55.56%) showed mild depression, one (3.7 %) moderate depression, and two (7.41%) severe depression. There was no relationship between the affected territory, comorbidities or cognitive deficit with the depressive condition, however, single, divorced and widowed patients revealed a higher incidence, compared to the married ones, and those with hypoesthesia and mixed deficit (sensory and motor), greater severity. from PSD. Conclusion: Among the factors analyzed in this study, only marital status and the presence of sensory deficit and sensory-motor deficit were relevant to the genesis of PSD, and further studies are needed, since it is a limited sample to elucidate this connection. Keywords: Depression, Stroke, Sensorimotor performance, Quality of life to health

7 SUMÁRIO Introdução... 8 Metodologia Resultados Discussão Conclusão Referências... 23

8 8 Introdução A depressão é o transtorno neuropsiquiátrico mais frequente associado ao acidente vascular cerebral (AVC) 1, sendo chamada depressão pós-avc (DPAVC). Ela pode ser definida como depressão persistente após um insulto vascular, sendo expressa como perda de interesse, diminuição da energia, diminuição do apetite, distúrbios do sono, baixa capacidade de auto-avaliação, auto-culpa,, auto-mutilação e pensamentos ou comportamentos suicidas 2. Está associada com aumento da mortalidade 3, maior prejuízo na funcionalidade física, na linguagem e na cognição. Também está relacionada àhospitalização mais prolongada e redução da qualidade de vida 4. A incidência da DPAVC é variável, graças aos fatores que influenciam nos seus resultados, tais como seleção de estudos, tempo decorrido entre a investigação e o AVC e os critérios diagnósticos utilizados. Desde os primeiros ensaios sobre a DPAVC, estima-se que a depressão maior e a distimia possuam incidência oscilante de acordo com o tempo decorrido do ictus, sendo, respectivamente: duas semanas após o AVC, 27% e 20%; após três meses, 22% e 27%; após seis meses, 34% e 26%, após 12 meses, 14% e 19% e após 24 meses, 21% e 21% 5. Segundo Towfighi et al 6 (2017), a frequência é maior no primeiro ano, com quase um caso a cada três sobreviventes, e declina posteriormente, afetando aproximadamente um terço dos seu sobreviventes, em qualquer momento após o ictus. Sua etiologia é complexa e tem sido vinculada a diversos fatores de risco, tais como: sexo feminino, idade jovem, rede social precária, transtornos depressivos prévios, história de AVCs e os fatores psicológicos decorrentes dos prejuízos provocados pelas sequelas neurológicas dos mesmos, condições hormonais e a localização do AVC 5. A presença de comorbidades, a localização do AVC, inabilidade para retornar ao trabalho, etnia latina, aumento da resposta ao estresse, tabagismo e o prejuízo neurológico grave também foram elencados como fatores importantes na gênese da doença 7. No entanto, a influência desses elementos na origem da DPAVC ainda é pouco elucidada, sendo necessárias mais pesquisas para uma melhor compreensão da sua fisiopatologia, e assim desenvolver intervenções direcionadas à prevenção e tratamento desta desordem 6. Robinson et al 8 (1975) sugeriu que o mecanismo que explicaria a DPAVC seria o esgotamento das catecolaminas do tronco encefálico após indução experimental de um infarto cerebral cortical em um roedor, encontrando relação entre o distúrbio comportamental e a

9 9 alteração desipramina. Por sua vez, Beblo, T. et al 9 (1999). revelou que o AVC localizado nos gânglios da base do HE e suas vizinhanças teve associação significativa com a ocorrência de depressão maior, enquanto infartos localizados na substância branca periventricular e parte posterior do pálido no HD foram associados à distimia. Já Vataja et al. 10 (2001), ao comparar pacientes com e sem depressão pós-avc, utilizando ressonância magnética de forma sistemática, verificou que os pacientes com depressão tinham, com mais frequência, infartos afetando o circuito pré-frontosubcortical ou algumas de suas estruturas, como núcleo caudado, globo pálido, joelho da cápsula interna e cápsula anterior, especialmente no HE. O AVC em região da amígdala foi raro em seu estudo (2% dos pacientes), porém foi considerado com maior representatividade, pois cinco dos únicos seis pacientes com infarto nesta região estavam deprimidos. Muitos autores buscam correlacionar as sequelas dos eventos cerebrovasculares, na forma de prejuízos cognitivos e motores com o surgimento e a gravidade da depressão. A maioria dos estudos, como os de Pustokhanova 12 (2013), Murata 11 (2000), e Ilut 7 (2017), concluiu que a depressão possui uma relação significativa com disfunção cognitiva. Contudo, a relação específica entre os dois ainda é controversa. Assim, identificaram os fatores mais relevantes para o DPAVC e comprometimento cognitivo: baixa escolaridade, comprometimento da fala, gravidade do AVC e história prévia de diabetes 12. Além disso, alterações no domínio afetivo podem ocorrer após o AVC, bem como em outras injúrias, como: esclerose lateral amiotrófica (ELA), distúrbios extrapiramidais e cerebelares (doença de Parkinson, atrofia de múltiplos sistemas, paralisia supranuclear progressiva), esclerose múltipla (EM), lesão cerebral traumática, doença de Alzheimer e outras demências e tumores cerebrais 13,14 interferindo na qualidade de vida desses pacientes. O afeto (humor) pseudobulbar (APB) é caracterizado por choro ou riso descontrolado que pode ser desproporcional ou inapropriada para o contexto social, ou seja, há uma disparidade entre a expressão emocional do paciente e sua experiência emocional. Seu impacto é substancial, resultando em constrangimento para o paciente, família e cuidadores, além de subsequente restrição das interações sociais e menor qualidade de vida 15. Esses pacientes podem ser facilmente reconhecidos quando se mostram deprimidos, com anedonia, história de AVC e alterações típicas, como fadiga e alterações comportamentais, contudo, muitos desenvolvem sintomas inespecíficos, dificultando o seu diagnóstico. A

10 10 depressão pós-avc afeta a função cognitiva e a qualidade de vida do paciente, aumenta a mortalidade e a taxa de suicídio e impõe um pesado fardo à sociedade e à família 2. O diagnóstico da DPAVC também pode ser realizado através de escalas que qualificam e quantificam o comprometimento emocional desses pacientes. A escala de Hamilton para depressão (HAM-D) foi desenvolvida na década de 50, e continua sendo, atualmente, uma das mais utilizadas, com grande importância na avaliação da gravidade da depressão em seus portadores. Além da avaliação da gravidade, pode-se extrair informações sobre disfunções cognitivas que se relacionem com o grau de comprometimento da depressão através do mini exame do estado mental (MEEM) e informações sobre déficits funcionais e o estado da qualidade de vida, medido pela escala funcional pós-avc (Rankin modificada) e pelo índice de Barthel (IB). A DPAVC impacta fortemente os resultados físicos e cognitivos dos indivíduos, sendo o seu diagnóstico e tratamento essenciais para o manejo de pacientes com AVC; entretanto, sua etiologia e patogênese não estão claras 24. A fenomenologia da DPAVC é diferente da depressão não associada à essa comorbidade, e, a maioria dos instrumentos usados para avaliar o DPAVC não foram originalmente desenvolvidos para populações de AVC portanto, eles nunca foram especificamente validados em pacientes com AVC 25 o que complica a homogeneidade dos critérios utilizados para o seu diagnóstico. Este estudo teve como objetivo analisar a incidência e gravidade da depressão nos pacientes acometidos com AVC assistidos pelo ambulatório de Neurovascular de um hospital terciário e correlacioná-la com a área encefálica acometida, a gravidade do AVC e as sequelas provenientes do mesmo. Métodos Foi realizado um estudo observacional, analítico e transversal, mediante a coleta de dados de pacientes admitidos no ambulatório de AVC do Hospital Universitário professor Alberto Antunes por meio da realização de entrevistas, aplicação de escalas clínicas e sistematização de dados dos prontuários, no período de Julho de 2019 à novembro de 2019; de acordo com protocolo de execução de estudo aprovado pelo comitê de ética do Centro Universitário Tiradentes UNIT (Parecer nº ) Após a avaliação detalhada dos critérios de inclusão e exclusão, 27 pacientes foram admitidos neste estudo. Todos os pacientes assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido antes da sua participação.

11 11 Como critério de inclusão foram utilizados: 1. Idade maior que 18 anos; 2. Diagnóstico clínico e imaginológico de AVC. Os critérios de exclusão usados foram: 1. Pacientes que apresentam história prévia de depressão ou em tratamento por outra desordem psiquiátrica; 2. Pacientes cujas sequelas impossibilitaram a realização dos testes (como afasia, amaurose, perda de audição, catatonia, delirium, síndrome de abstinência, entre outros.); 3. Portadores de comprometimento cognitivo grave; 4. Pacientes que se neguem a aplicação das escalas de avaliação de depressão e que se recusem a assinar o terno de consentimento livre esclarecido (TCLE). Avaliação detalhada e agrupamento dos pacientes. Foram registrados dados pessoais e fatores demográficos dos pacientes (idade, sexo, estado civil, escolaridade, naturalidade, religião e dominância), informações sobre a presença de comorbidades (hipertensão e diabetes), tabagismo, etilismo, uso de medicamentos para desordens de humor e sinais de humor pseudobulbar. Para a investigação das comorbidades, foram seguidos os guidelines mais atuais. Como definição de sedentarismo utilizou-se a ausência de atividade física moderada (tipicamente caminhar rápido) por 150 minutos/semana, distribuída em pelo menos três sessões 22 A avaliação do tipo de insulto vascular, lateralidade e localização das lesões cerebrais foram realizadas a partir dos laudos e filmes dos exames de tomografia computadorizada ou ressonância magnética apresentados pelos pacientes. A severidade do AVC, bem como a presença de sequelas motoras e sensitivas foram avaliadas pela National Institutes of Health Stroke Scale (NIHSS), o qual é um exame neurológico graduado que avalia a fala, linguagem, cognição, desatenção, anormalidades no campo visual, deficiências sensoriais, motores e ataxia 16, realizada no momento da avaliação. Para os pacientes com evento isquêmico, seu subtipo foi descrito utilizando a classificação etiológica TOAST (Trial of Org in Acute Stroke Treatment), que inclui cinco categorias:

12 12 aterosclerose de artéria grande, cardioembolismo, oclusão de pequena artéria (lacunar), acidente vascular cerebral de outra etiologia determinada e acidente vascular cerebral de etiologia indeterminada 17. O grau de comprometimento funcional dos pacientes para realização das atividades diárias e a capacidade de autocuidado foram avaliados pelo Índice de Barthel, que avalia o comprometimento funcional nas atividades de vida diária dos pacientes através de um interrogatório com 10 questões, aos quais é atribuída pontuação de zero a dez, de acordo com as dificuldades para desempenhar as determinadas tarefas 18 e a escala de Rankin que avalia o grau de incapacidade e dependência do paciente e permite uma melhor avaliação sobre a sua capacidade de autocuidado 19. A avaliação do estado mental foi realizada pelo Mini Exame do Estado Mental (MEEN), o qual concentra-se apenas nos aspectos cognitivos das funções mentais 20, para a verificação de desordens cognitivas, enquanto o estado de humor e sua gravidade foram avaliados pela Escala de Depressão de Hamilton (HAMD) - desenvolvida para estratificar a gravidade do transtorno de humor em pacientes com sintomas depressivos 21. Os pacientes foram posteriormente subdivididos em grupos para a análise estatística. Aqueles que obtiveram pontuação maior ou igual a 8 (n = 18) na escala HAMD foram incluídos no grupo com DPAVC, enquanto os pacientes com pontuação menor que 8 (n = 9) foram arrolados no grupo sem DPAVC. Para a avaliação da gravidade da depressão, os pacientes foram fracionados em: Com depressão leve 8 a 16 pontos na escala de HAMD (n=15), depressão moderada, que pontuaram entre 17 a 23 na escala de HAMD (n= 1) e Com depressão grave, que receberam mais de 23 pontos (n = 2) 21. Análise estatística O teste de Shapiro-Wilk foi utilizado para determinar se houve distribuição normal entre os dados metrológicos. As variáveis contínuas, as quais seguiram um arranjo normal, foram expressas como média acrescida de desvio padrão. Os pacientes dos grupos com DPAVC e sem DPAVC, bem como os dos grupos com depressão leve a moderada e com depressão grave, foram comparados usando o teste U de Mann-Whitney para duas amostras independentes. O teste exato de Fisher, útil em análises com amostras pequenas, foi utilizado para as variáveis categóricas. Toda avaliação estatística foi bicaudal e um valor p menor que 0,05 foi considerado

13 13 estatisticamente significante. As análises estatísticas foram performadas utilizando o software IBM SPSS 26.0 (SPSS Inc., IL, USA). Resultados Foram entrevistados 27 pacientes com diagnóstico confirmado de acidente vascular encefálico, dos quais 17 eram do sexo masculino (62,96%) e 11 do sexo feminino (37,04%), com idade média de 60,07 (25-103) anos. Destes, apenas sete (25,93%) possuem grau de escolaridade maior que oito anos. Entre os demais, três (11,11%) são analfabetos, três estudaram por até três anos e quatorze (51,85%) por 3-8 anos. Vinte e seis pacientes possuem dominância destra (96,3%). Quanto ao estado civil, dezessete (62,96%) são casados, cinco (18,52%) viúvos, quatro (14,81%) solteiros e um (3,7%) divorciado. Entre eles, vinte e quatro (88,89%) possuem filhos e moram com familiares. Apenas cinco dos pacientes (18,52%) permanecem em atividade profissional. Todos os entrevistados (100%) se declararam cristãos. Dezoito pessoas (66,67%) se declararam sedentárias, 15 (55,56%) são diabéticos e 21 (77,78%) hipertensos. Oito (29,63%) deles fazem uso de antidepressivos, sendo dois (7,41%) por transtorno de humor e seis (22,22%) por outras causas, como cefaleia e dor crônica. A influência dos fatores demográficos e comorbidades nos pacientes diagnosticados com DPAVC está exposta nas tabelas 1 e 2, abaixo. Tabela 1: Relação entre os fatores demográficos e a presença de DPAVC. Características Todos os pacientes Com DPAVC (n = 27) (n = 18) Sem DPAVC (n= 9) Valor-p 62,05 Idade, anos (desvio padrão) 60,07 (16,822) (19,443) 56,11 (9,479) 0,198 Sexo 0,406 Masculino 17 (62,96%) 10 (55,56%) 7 (77,78%) Feminino 10 (37,04%) 8 (44,44%) 2 (22,22%) Estado civil 0,032 Solteiro 4 (14,81%) 4 (22,22%) 0 (0%) Casado 17 (62,96%) 8 (44,44%) 9 (100%) Divorciado 1 (3,70%) 1 (5,56%) 0 (0%)

14 14 Viúvo 5 (18,52%) 5 (27,78%) 0 (0%) Escolaridade 0,406 Analfabeto 3 (11,11%) 3 (16,67%) 0 (0%) 0 a 3 anos 3 (11,11%) 1 (5,56%) 2 (22,22%) 4 a 8 anos 14 (51,85%) 11 (61,11%) 3 (33,33%) > 8 anos 7 (25,93%) 3 (16,67%) 4 (44,44%) Dominância 0,333 Destro 26 (96,30%) 18 (100%) 8 (88,89%) Sinistro 1 (3,70%) 0 (0%) 1 (11,11%) Presença de filhos 24 (88,89%) 15 (83,33%) 9 (100%) 0,529 Morar sozinho 3 (11,11%) 3 (16,67%) 0 (0%) 0,529 Em atividade Profissional 5 (18,52%) 4 (22,22%) 1 (11,11%) 0,636 Tabela 2: Associação entre as comorbidades e a presença de DPAVC. Comorbidades Todos os pacientes (n = 27) Com DPAVC (n = 18) Sem DPAVC (n= 9) Valor-p Sedentarismo 17 (62,96%) 11 (61,11%) 6 (66,67%) 0,406 Diabetes 15 (55,56%) 9 (50%) 6 (66,67%) 0,683 Hipertensão 21 (77,78%) 12 (66,67%) 9 (100%) 0,071 Tabagismo 1 (3,70%) 1 (5,56%) 0 (0%) 1,000 Etilismo 3 (11,11%) 2 (11,11%) 1 (11,11%) 1,000 Sintomas de humor pseudobulbar 5 (18,52%) 3 (16,67%) 2 (22,22%) 1,000 Uso de antidepressivo 0,665 Para Depressão 2 (7,41%) 1 (5,56%) 1 (11,11%) Para Outra comorbidade 6 (22,22%) 5 (27,78%) 1 (11,11%) Vinte e dois pacientes (87,48%) apresentaram insulto isquêmico, quatro (14,81%) hemorrágico e apenas 1 (3,7%) ambos os mecanismos. O hemisfério direito foi unicamente acometido em 10 dos pacientes (37,04%), o hemisfério esquerdo em 9 (33,33%), ambos em 7

15 Número de pacientes Hemisfério Direito Hemisfério Esquerdo Ambos os hemisférios Fossa posterior Frontal anterior direito Frontal anterior esquedo Frontal posterior direito Frontal posterior esquerdo Temporal direito Temporal esquerdo Ocipital direito Ocipital esquedo Parietal direito Parietal esquedo Tálamo direito Tálamo esquerdo N. Caudado direito N. Caudado esquerdo N. Caudado bilateral N. Putamen direito N. Putamen esquerdo N. Putamen bilateral Globo pálido direito Globo pálido esquerdo Capsula Interna direita Capsula Interna esquerda Mesencéfalo Ponte Bulbo Cerebelo a direita Cerebelo a esquerda 15 (25,93%) e um (3,7%) paciente apresentou acometimento da fossa posterior. A distribuição das lesões em cada área encefálica está descrita abaixo no Gráfico Localização das lesões Gráfico 1: Distribuição das lesões pelo encéfalo A relação entre a localização da injúria vascular e presença e gravidade de depressão estão descritas nas Tabelas 3 e 4, a seguir. Tabela 3: Associação entre a localização do AVC e a gravidade da depressão Tipo e Localização Todos os pacientes (n=27) Com DPAVC (n=18) Sem DPAVC (n = 9) P-value AVC isquêmico 22 (81,48%) 15 (83,33%) 7 (77,78%) 0,509 AVC hemorrágico 4 (14,81%) 3 (16,67%) 1 (11,11%) AVC Misto 1 (3,70%) 3 (16,67%) 1 (11,11%) Hemisfério Direito 10 (37,04%) 5 (27,78%) 5 (55,56%) 0,052 Hemisfério Esquerdo 9 (33,33%) 6 (33,33%) 3 (33,33%) Ambos os hemisférios 7 (25,93%) 7 (38,89%) 0 (0,00%) Fossa posterior 1 (3,70%) 0 (0,00%) 1 (11,11%) Frontal anterior direito 1 (3,70%) 0 (0,00%) 1 (11,11%) 0,634 Frontal anterior esquerdo 0 (0,00%) 0 (0,00%) 0 (0,00%) Frontal posterior direito 3 (11,11%) 2 (11,11%) 1 (11,11%)

16 16 Frontal posterior esquerdo 2 (7,41%) 2 (11,11%) 0 (0,00%) Temporal direito 3 (11,11%) 1 (5,56%) 2 (22,22%) 0,225 Temporal esquerdo 2 (7,41%) 1 (5,56%) 1 (11,11%) Occipital direito 1 (3,70%) 1 (5,56%) 0 (0,00%) 1,000 Occipital esquerdo 2 (7,41%) 1 (5,56%) 1 (11,11%) Parietal direito 5 (18,52%) 2 (11,11%) 3 (33,33%) 0,352 Parietal esquerdo 4 (14,81%) 4 (22,22%) 0 (0,00%) Tálamo direito 2 (7,41%) 1 (5,56%) 1 (11,11%) 0,250 Tálamo esquerdo 1 (3,70%) 0 (0,00%) 1 (11,11%) N. Caudado direito 2 (7,41%) 0 (0,00%) 2 (22,22%) 0,050 N. Caudado esquerdo 1 (3,70%) 0 (0,00%) 1 (11,11%) N. Caudado bilateral 1 (3,70%) 1 (5,56%) 0 (0,00%) N. Putamen direito 3 (11,11%) 1 (5,56%) 2 (22,22%) 0,225 N. Putamen esquerdo 1 (3,70%) 0 (0,00%) 1 (11,11%) N. Putamen bilateral 1 (3,70%) 1 (5,56%) 0 (0,00%) Globo pálido direito 4 (14,81%) 2 (11,11%) 2 (22,22%) 0,063 Globo pálido esquerdo 2 (7,41%) 0 (0,00%) 2 (22,22%) Capsula Interna direita 5 (18,52%) 4 (22,22%) 1 (11,11%) 0,604 Capsula Interna esquerda 5 (18,52%) 4 (22,22%) 1 (11,11%) Mesencéfalo 1 (3,70%) 0 (0,00%) 1 (11,11%) 0,333 Ponte 2 (7,41%) 1 (5,56%) 1 (11,11%) 1,000 Bulbo 2 (7,41%) 1 (5,56%) 1 (11,11%) 1,000 Cerebelo a direita 3 (11,11%) 2 (11,11%) 1 (11,11%) 1,000 Cerebelo a esquerda 2 (7,41%) 1 (5,56%) 1 (11,11%) Tabela 4 Associação entre o tipo e a localização da injúria vascular com a incidência de depressão. Localização Todos os pacientes com DPAVC ( n= 18) Depressão leve a moderada (n=16) Depressão grave (n =2) p-value Hemisfério Direito 5 (27,78%) 4 (25,00%) 1 (50,00%) 0,497 Hemisfério Esquerdo 6 (33,33%) 5 (31,25%) 1 (50,00%)

17 17 Ambos os hemisférios 7 (38,89%) 7 (43,75%) 0 (0,00%) Frontal posterior direito 2 (11,11%) 2 (12,50%) 0 (0,00%) 0,405 Frontal posterior esquerdo 2 (11,11%) 1 (6,25%) 1 (50,00%) Temporal direito 1 (5,56%) 1 (6,25%) 0 (0,00%) 1,000 Temporal esquerdo 1 (5,56%) 1 (6,25%) 0 (0,00%) Occipital direito 1 (5,56%) 1 (6,25%) 0 (0,00%) 1,000 Occipital esquerdo 1 (5,56%) 1 (6,25%) 0 (0,00%) Parietal direito 2 (11,11%) 1 (6,25%) 1 (50,00%) 0,353 Parietal esquerdo 4 (22,22%) 4 (25,00%) 0 (0,00%) Parietal Bilateral 1 (5,56%) 1 (6,25%) 0 (0,00%) Tálamo direito 1 (5,56%) 1 (6,25%) 0 (0,00%) 1,000 N. Caudado bilateral 1 (5,56%) 1 (6,25%) 0 (0,00%) 1,000 N. Putamen direito 1 (5,56%) 1 (6,25%) 0 (0,00%) 1,000 N. Putamen bilateral 1 (5,56%) 1 (6,25%) 0 (0,00%) 1,000 Globo pálido direito 2 (11,11%) 2 (12,50%) 0 (0,00%) 1,000 Ponte 1 (5,56%) 1 (6,25%) 0 (0,00%) 1,000 Bulbo 1 (5,56%) 1 (6,25%) 0 (0,00%) 1,000 Cerebelo a direita 2 (11,11%) 2 (12,50%) 0 (0,00%) 1,000 Cerebelo a esquerda 1 (5,56%) 1 (6,25%) 0 (0,00%) Quanto ao impacto do AVE nas atividades motoras diárias dos pacientes obteve-se os seguintes resultados: A escala BARTHEL teve a mediana 90 (IQR=40), onde 18 (66,65%) dos 27 apresentaram algum grau de dependência, sendo quatro (14,81%) gravemente e um (3,7%) totalmente dependente de terceiros para realizar atividades de vida diária. Já os resultados da escala de Rankin revelaram 15 pacientes (55,5%) com escore menor ou igual a 2 e 12 (44,4%) com escore maior ou igual a 3. Na avaliação cognitiva, o MEEM foi normal em 21 (77,78%) pacientes, e identificou distúrbio cognitivo em 6 integrantes (22,22%) da amostra. A NIHSS, por sua vez, na avaliação do comprometimento neurológico desses pacientes, encontrou que apenas seis (22,22%) apresentaram déficit neurológico moderado e um (3,7%) grave.

18 18 A escala HAM-D apresentou mediana de 10 (IQR = 9), com os seguintes desfechos: nove (33,33%) pacientes não apresentaram depressão, quinze (55,56%) mostraram depressão leve, um (3,7%) depressão moderada, e dois (7,41%) depressão grave. Em geral, quando comparado os grupos de pacientes com DPAVC e sem DPAVC, não encontramos relevância estatística nos escores: HAMD (Mediana 13 vs 5, p = 0,406), NIHSS (Mediana 2 vs 1, p = 0,683), MEEM (Mediana 24 vs 27, p = 0,071), Rankin Modificada (Mediana 2 vs 1, p = 1), Barthel (Mediana 90 vs 95, p = 1) e TOAST (Mediana 4 vs 4, p = 1). A relação entre os resultados das escalas e a DPAVC podem ser observadas na Tabela 5. Tabela 5: Correspondência entre os desfechos das escalas aplicadas com a presença da depressão. Scores neurológicos, Todos os pacientes mediana (IQR) (n = 27) Com DPAVC (n = 18) Sem DPAVC ( = 9 ) Valor-p HAMD 10 (9) 13 (4,75) 5(2) 0,406 NIHSS 2 (4) 2 (3,75) 1 (4) 0,683 MEEN 25 (6) 24 (5,5) 27 (4) 0,071 RANKIN 1 (2) 2 (2) 1 (2) 1,000 BARTHEL 90 (40) 90 (36,25) 95 (25) 1,000 TOAST 4 (3) 4(3) 4(3) 1,000 As sequelas encontradas estão descritas nos gráficos 2 e 3. Entre os déficits, a hemiparesia possuiu frequência com maior significância, presente em 5 pacientes (18,52%) à direita, e em 9 (33,33%) à esquerda. A hemiplegia ocorreu em seis pacientes (22,22%) e os déficits motores focais em quatro (14,82%). Déficits mistos foram vistos em quatro participantes (14,81%), os déficits sensitivos focais em seis (22,22%) e hipoestesia em oito integrantes (14,81%). Ademais, anormalidades da linguagem foram identificadas em cinco pacientes (18,52%), e visuais em 3 (11,1%), sendo hemianopsia à direita em um (3,7%) e à esquerda em dois dos entrevistados (7,41%).

19 19 Gráfico 2: Correlação entre as sequelas investigadas e a presença de DPAVC. Hemianopsia temporal esquerda Hemianopsia temporal direita Déficit de linguagem Hipoestesia esquerda Hipoestesia direita Hemiparesia esquerda Hemiparesia direita Hemiplergia Esquerda Hemiplergia Direita Défict Misto Déficit Sensitivo MMII Déficit Sensitivo MIE Déficit Sensitivo MID Déficit Sensitivo MSD Déficit Motor MIE Déficit Motor MSE Déficit Motor MSD 0% 20% 40% 60% 80% 100% Com DPAVC Sem DPAVC p= 1,000 p= 1,000 p= 1,000 p= 0,658 p= 0,411 p= 0,582 p= 0,278 p= 0,198 Legenda: MMII: Membros Inferiores; MIE: Membro inferior esquerdo; MID: Membro inferior direito; MSD: Membro superior direito; MSE: Membro superior esquerdo. Gráfico 3: Análise da gravidade da DPAVC de acordo com as sequelas apresentadas pelos pacientes. Hemianopsia temporal esquerda Hemianopsia temporal direita Déficit de linguagem Hipoestesia esquerda Hipoestesia direita Hemiparesia esquerda Hemiparesia direita Hemiplergia esquerda Hemiplergia direita Déficit misto Déficit sensitivo MMII Déficit sensitivo MID Déficit sensitivo MSD Déficit motor MID Déficit motor MSE Legenda: MMII: Membros Inferiores; MIE: Membro inferior esquerdo; MID: Membro inferior direito; MSD: Membro superior direito; MSE: Membro superior esquerdo 0% 20% 40% 60% 80% 100% Depressão leve a moderada Depressão grave p= 0,216 p= 1,000 p= 0,026 p= 0,706 p= 0,314 p= 0,007 p= 1,000 p= 1,000

20 20 Discussão Este estudo investigou os fatores de riscos associados a DPAVC, como fatores demográficos, comorbidades clínicas e características do AVC. As pontuações das escalas NIHSS, HAMD, MEEN, Barthel, Rankin e TOAST, não foram relacionadas com a incidência de depressão nos grupos avaliados. Em contrapartida, Meng, G. et al. (2017) encontrou diferenças significativas entre os escores de NIHSS, HAMD e do MEEN 26, indicando que os déficits neurológicos são mais severos nos pacientes depressivos. Outros autores, no entanto, encontraram resultados opostos aos elucidados neste estudo. 27,28. Sallinen, H., et al 29 (2019), também não encontrou relação significante entre a pontuação da escala Barthel e a presença de depressão, porém os pacientes com depressão comumente apresentaram pontuações maiores na escala Rankin, indicando alguma relação entre o grau de independência e o aparecimento de depressão; fato não encontrado em nosso estudo. Na comparação das variáveis demográficas, apenas o estado civil dos pacientes demonstrou relação significante com o surgimento da DPAVC. Todos os pacientes do grupo sem DPAVC eram casados, enquanto todos os pacientes solteiros, divorciados ou viúvos desenvolveram algum grau de depressão (p = 0,032). Dessa forma, os pacientes que não possuem um (a) companheiro(a), parecem estar mais propensos a desenvolverem DPAVC. Wang, Z. et al 2 (2018) sugere que essa condição pode estar associada à solidão do paciente, isolamento social e deficiência física a longo prazo. Em consonância, Jørgensen, T.S.H. et al 3 (2016), encontrou maior incidência de depressão em paciente que vivem sozinhos em relação aqueles que possuem parceiros. Ayasrah, S. et al 30 (2017), também evidenciou maiores níveis de depressão em pacientes solteiros, divorciados ou viúvos, sugerindo que a falta de suporte familiar aumenta o risco do seu desenvolvimento após o AVC. Em contrapartida, outros autores, não encontraram associação entre o status matrimonial e a presença de depressão 29,31,32. Não houve relevância estatística entre os demais dados demográficos analisados, tampouco entre as comorbidades avaliadas e a presença de DPAVC neste estudo. Não foi encontrada associação entre a presença de sintomas depressivos e da sua gravidade com a topografia do insulto vascular, porém, houve valor limítrofe na avaliação do acometimento do núcleo caudado (p = 0,05), sem diferença entre a lateralidade, e da fossa

21 21 posterior (p = 0,052), com maior incidência no acometimento do hemisfério direito na incidência da DPAVC. Sagnier, S. et al 33 (2019), que estudou essa relação através de mapeamento cerebral baseado em voxel, em uma avaliação de 265 pacientes, também não encontrou correlação entre a área afetada e a gravidade dos sintomas investigados. Outros estudos também chegaram a conclusões semelhantes 34,35. Por outro lado, diversos autores encontraram resultados divergentes deste estudo. Em uma metanálise, Ilut, S. et al 7 (2017) encontrou que os infartos localizados nos núcleos da base aumentaram a probabilidade de depressão severa. Observou ainda que lesões isquêmicas agudas localizadas no hemisfério esquerdo, no lobo frontal ou nos gânglios da base foram parâmetros independentes associados à depressão grave e que escores mais altos do NIHSS foram associados à depressão grave 7. Já, Shi, Y., et al 36 (2019), em uma avaliação de pacientes com infarto do lobo frontal direito encontram uma associação entre alterações no circuito emocional (Cortex Pré Frontal Ventromedial - Córtex Cingular Anterior - Amigdala - Tálamo) e seus reguladores na origem da DPAVC. Em uma revisão sistemática, Wei, N., et al 25 (2015) identificou que só houve relação estatisticamente significante entre o AVC no hemisfério direito e a DPAVC naqueles em que foram estudaram as fases aguda e subaguda (1-6 meses) do pós-avc (OR = 0,79, 95% IC 0,66-0,93); já no AVC crônico (1-2 anos pós-avc), a ocorrência de depressão entre os sobreviventes com lesões no hemisfério esquerdo ocorre principalmente graças a gravidade da sequela, enquanto os com lesão no hemisfério direito, está associado ao tamanho da lesão e proximidade do pólo occipital. Os resultados sobre o valor do local da lesão na previsão do surgimento de depressão ainda são controversos. Portanto, ensaios com séries maiores de pacientes com DPAVC são necessários para demonstrar a relação entre as duas variáveis. Na análise da presença de sequelas, este estudo observou que os pacientes que apresentaram hipoestesia como sequela do insulto vascular alcançaram maior gravidade no quadro depressivo (p=0,026), sobretudo quando acometidos à direita. De forma semelhante, pacientes com acometimento sensitivo e motor mostraram maior gravidade da DPAV (p=0,007). Em consonância, Wei, C., et al 37 (2016) encontrou em seu estudo que pacientes com déficit sensitivo e motor simultâneos possuem maior chance de desenvolver DPAVC, porém o mesmo não se aplica para pacientes com apenas déficit sensitivo ou motor isolados. Nestes

22 22 casos, não foi evidenciada relação entre essas sequelas e a DPAVC. A quantidade de dados disponíveis sobre a relação entre disfunção sensitiva e a presença e gravidade da DPAVC ainda é escassa na literatura e ainda necessita de novos estudos com maior número de pacientes para determinar a sua associação. Este estudo apresentou como limitações a dificuldade na obtenção das imagens tomográficas dos pacientes atendidos em ambulatório para delimitar a área acometida, pois a maioria só possuía o laudo da mesma. Além disso, destacam-se a pequena amostra de pacientes e o longo tempo decorrido entre o ictus e a realização da entrevista, não podendo ser possível delinear uma relação temporal fidedigna entre as desordens de humor e o insulto vascular. CONCLUSÃO Neste estudo, a relação entre DPAVC e a localização da injúria tecidual não foi encontrada. No entanto, pacientes solteiros, divorciados e viúvos revelaram maior incidência, em relação aos casados, e os que apresentaram hipoestesia e déficit misto (sensitivo e motor), maior gravidade da DPAVC. Não se constatou vínculo entre a localização do AVC e a incidência e gravidade da depressão entre os demais fatores demográficos, comorbidades e a pontuação das escalas aplicadas. Devido à pequena amostra, houveram poucos resultados estatisticamente relevantes, sendo necessários mais estudos para elucidar a conexão entre os fatores analisados.

23 23 Referências 1. Robinson, MD RG. Neuropsychiatric Consequences of Stroke. Annu Rev Med. 1997;48(1): Wang Z, Shi Y, Liu F, Jia N, Gao J, Pang X, et al. Diversiform Etiologies for Poststroke Depression. Front psychiatry. 2018;9: Jørgensen TSH, Wium-andersen IK, Wium-andersen MK, Jørgensen MB, Prescott E, Maartensson S. Incidence of Depression After Stroke, and Associated Risk Factors and Mortality Outcomes, in a Large Cohort of Danish Patients. JAMA Psychiatry. 2016;73(10): Kimura M, Robinson RG, Kosier JT. Treatment of Cognitive Impairment After Poststroke Depression. Stroke. 2000;31(7): Terroni LDMN, Mattos PF, Sobreiro M de FM, Guajardo VD, Fráguas R. Depressão pós-avc: aspectos psicológicos, neuropsicológicos, eixo HHA, correlato neuroanatômico e tratamento. Arch Clin Psychiatry. 2009;36(3): Towfighi A, Ovbiagele B, El Husseini N, Hackett ML, Jorge RE, Kissela BM, et al. Poststroke Depression: A Scientific Statement for Healthcare Professionals from the American Heart Association/American Stroke Association. Stroke. 2017;48(2):e Ilut S, Stan A, Blesneag A, Vacaras V, Vesa S, Fodoreanu L. Factors that influence the severity of post-stroke depression. J Med Life. 2017;10(3): Robinson RG, Shoemaker WJ, Schlumpf M, Valk T, Bloom Floyd E. Effect of experimental cerebral infarction in rat brain on catecholamines and behaviour. Nature. 1975;255(5506): Beblo T, Wallesch CW, Herrmann M. The crucial role of frontostriatal circuits for depressive disorders in the postacute stage after stroke. Neuropsychiatry Neuropsychol Behav Neurol. 1999;12(4): Vajata R, Pohjasvaara T, Leppävuori A, Mäntylä R, Aronen HJ, Salonen O, et al. Magnetic Resonance Imaging Correlates of Depression After Ischemic Stroke. Arch Gen Psychiatry. 2001;58(10):

24 Murata Y, Kimura M, Robinson RG. Does Cognitive Impairment Cause Poststroke Depression? Am J Geriatr Psychiatry [Internet]. 2000;8(4): Available from: Pustokhanova L, Morozova E. Cognitive impairment and hypothymia in post stroke patients. J Neurol Sci [Internet]. 2013;325(1 2):43 5. Available from: Parvizi J, Coburn KL, Shillcutt SD, Coffey CE, Lauterbach EC, Mendez MF. Neuroanatomy of pathological laughing and crying: A report of the american neuropsychiatric association committee on research. J Neuropsychiatry Clin Neurosci. 2009;21(1): Parvizi J, Arciniegas DB, Bernardini GL, Hoffmann MW, Mohr JP, Rapoport MJ, et al. Diagnosis and management of pathological laughter and crying. Mayo Clin Proc. 2006;81(11): Ahmed A, Simmons Z. Pseudobulbar affect: Prevalence and management. Ther Clin Risk Manag. 2013;9: Lyden P, Raman R, Liu L, Emr M, Warren M, Marler J. National institutes of health stroke scale certification is reliable across multiple venues. Stroke. 2009;40(7): Adams H., Bendixen B., Kappelle L., Biller J, Love B., Gordon D., et al. Classification of subtype of acute ischemic stroke. Definitions for use in a multicenter clinical trial. TOAST. Trial of Org in Acute Stroke Treatment. Stroke. 1993;24(1): Mahoney FI, Barthel DW. Functional evaluation: the Barthel Index: a simple index of independence useful in scoring improvement in the rehabilitation of the chronically ill. Md State Med J. 1965; 19. Van Swieten JC, Koudstaal PJ, Visser MC, Schouten H, Van Gijn J. Interobserver agreement for the assessment of handicap in stroke patients. Stroke. 1988;19(5): Folstein MF, Folstein SE, McHugh PR. Mini-mental state : a practical method for grading the cognitive state of patients for the clinician. J Psychiatr Res.

25 ;12(3): Zimmerman M, Martinez JH, Young D, Chelminski I, Dalrymple K. Severity classification on the Hamilton depression rating scale. J Affect Disord [Internet]. 2013;150(2): Available from: Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileirade Diabetes ( ) [Internet] [cited 2019 Oct 5]. Available from: World Health Organization (WHO). Health statistics and information systems: disease burden and mortality estimates. [Internet]. Geneva: WHO [cited 2019 Nov 3]. Available from: Zhao FY, Yue YY, Li L, Lang SY, Wang MW, Du XD, et al. Clinical practice guidelines for post-stroke depression in China. Rev Bras Psiquiatr. 2018;40(3): Wei N, Yong W, Li X, Zhou Y, Deng M, Zhu H, et al. Post-stroke depression and lesion location: A systematic review. J Neurol. 2015;262(1): Meng G, Ma X, Li L, Tan Y, Liu X, Liu X, et al. Predictors of early-onset postischemic stroke depression : a cross-sectional study. BMC Neurol. 2017;17(1): Yang S, Hua P, Shang X, Cui Z, Zhong S, Gong G, et al. A significant risk factor for poststroke depression : the depression-related subnetwork. J psychiatry Neurosci JPN. 2015;40(4): Zhang L, Sui R, Zhang L, Zhang Z. Morphological and metabolic alteration of cerebellum in patients with post-stroke depression. Cell Physiol Biochem. 2016;40(3 4): Sallinen H, Sairanen T, Strbian D. Quality of life and depression 3 months after intracerebral hemorrhage. Brain Behav. 2019;9(5):e Ayasrah SM, Ahmad MM, Basheti IA. Post-Stroke Depression in Jordan : Prevalence Correlates and Predictors. J Stroke Cerebrovasc Dis [Internet]. 2017;27(5):

26 26 Available from: Wang Z, Zhu M, Su Z, Guan B, Wang A, Wang Y, et al. Post-stroke depression: different characteristics based on follow-up stage and gender a cohort perspective study from Mainland China. Neurol Res [Internet]. 2017;39(11): Available from: Baccaro A, Wang Y, Russowsky A, Candido M, Bastos A, Leite C, et al. Does stroke laterality predict major depression and cognitive impairment after stroke? Two-year prospective evaluation in the EMMA study. Prog Neuropsychopharmacol Biol Psychiatry [Internet]. 2019;94: Available from: Sagnier S, Munsch F, Bigourdan A, Debruxelles S, Poli M, Renou P, et al. The Influence of Stroke Location on Cognitive and Mood Impairment. A Voxel-Based Lesion-Symptom Mapping Study. J Stroke Cerebrovasc Dis. 2019;28(5): Snaphaan L, Werf S van der, Kanselaar K, Leeuw F-E de. Post-Stroke Depressive Symptoms Are Associated with Post-Stroke Characteristics. Cerebrovasc Dis. 2009;28(6): Karakus K, Memis CO, Kunt DA, Dogan B, Ozdemiroglu F, Sevincok L. The factors related to early-onset depression after first stroke. Psychogeriatrics. 2017;17(6): Shi Y, Liu W, Liu R, Zeng Y, Wu L, Huang S, et al. Investigation of the emotional network in depression after stroke: A study of multivariate Granger causality analysis of fmri data. J Affect Disord. 2019;249: Wei C, Zhang F, Chen L, Zhang N, Gao M, Zhang W, et al. Factors associated with poststroke depression and emotional incontinence: lesion location and coping styles. Int J Neurosci. 2016;126(7):623 9.

17/08/2018. Disfagia Neurogênica: Acidente Vascular Encefálico

17/08/2018. Disfagia Neurogênica: Acidente Vascular Encefálico Disfagia Neurogênica: Acidente Vascular Encefálico M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista, Mestre em Fonoaudiologia, Doutoranda em Psicnálise, Saúde e Sociedade. O acidente vascular

Leia mais

SOBRECARGA DO CUIDADOR DE DEMÊNCIA FRONTOTEMPORAL E DOENÇA DE ALZHEIMER.

SOBRECARGA DO CUIDADOR DE DEMÊNCIA FRONTOTEMPORAL E DOENÇA DE ALZHEIMER. Introdução: A visão tradicional da demência é que as características mais importantes para acurácia do diagnóstico e conduta são o declínio cognitivo e o déficit funcional. Os sintomas comportamentais

Leia mais

PERFIL FUNCIONAL DOS PACIENTES COM AVE ATENDIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO E NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UFPB

PERFIL FUNCIONAL DOS PACIENTES COM AVE ATENDIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO E NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UFPB PERFIL FUNCIONAL DOS PACIENTES COM AVE ATENDIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO E NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UFPB Thyciane Mendonça de Andrade 1 ; Carlos André Gomes Silva 2 ; Eliza Juliana da Costa

Leia mais

INFLUÊNCIA DA GAMETERAPIA NA REABILITAÇÃO DE PACIENTE PÓS ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO

INFLUÊNCIA DA GAMETERAPIA NA REABILITAÇÃO DE PACIENTE PÓS ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO INFLUÊNCIA DA GAMETERAPIA NA REABILITAÇÃO DE PACIENTE PÓS ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO MORAIS, S. B., DUARTE, F. H. RESUMO Esta pesquisa teve como objetivo analisar a influência da Gameterapia na reabilitação

Leia mais

APLICAÇÃO DA ESCALA DE AVALIAÇÃO CLÍNICA DA DEMÊNCIA (CLINICAL DEMENTIA RATING - CDR) EM PACIENTES COM DOENÇA DE ALZHEIMER DA CIDADE DE GUARAPUAVA-PR

APLICAÇÃO DA ESCALA DE AVALIAÇÃO CLÍNICA DA DEMÊNCIA (CLINICAL DEMENTIA RATING - CDR) EM PACIENTES COM DOENÇA DE ALZHEIMER DA CIDADE DE GUARAPUAVA-PR APLICAÇÃO DA ESCALA DE AVALIAÇÃO CLÍNICA DA DEMÊNCIA (CLINICAL DEMENTIA RATING - CDR) EM PACIENTES COM DOENÇA DE ALZHEIMER DA CIDADE DE GUARAPUAVA-PR Jaqueline Hack (PIBIC/CNPq-UNICENTRO) Marcela Magro

Leia mais

DEMÊNCIA? O QUE é 45 MILHOES 70% O QUE É DEMÊNCIA? A DEMÊNCIA NAO É UMA DOENÇA EM 2013, DEMÊNCIA. Memória; Raciocínio; Planejamento; Aprendizagem;

DEMÊNCIA? O QUE é 45 MILHOES 70% O QUE É DEMÊNCIA? A DEMÊNCIA NAO É UMA DOENÇA EM 2013, DEMÊNCIA. Memória; Raciocínio; Planejamento; Aprendizagem; O QUE é APRESENTA DEMÊNCIA? O QUE É DEMÊNCIA? A demência é um distúrbio em um grupo de processos mentais que incluem: Memória; Raciocínio; Planejamento; Aprendizagem; Atenção; Linguagem; Percepção; Conduta.

Leia mais

FISIOTERAPIA NEUROFUNCIONAL EM UNIDADE DE AVC: APLICAÇÃO DE PROTOCOLO PADRONIZADO É POSSÍVEL

FISIOTERAPIA NEUROFUNCIONAL EM UNIDADE DE AVC: APLICAÇÃO DE PROTOCOLO PADRONIZADO É POSSÍVEL FISIOTERAPIA NEUROFUNCIONAL EM UNIDADE DE AVC: APLICAÇÃO DE PROTOCOLO PADRONIZADO É POSSÍVEL Ana Fátima Ximenes Meireles 1, Jannyelle Dionisio Santos 2, George Cesar Ximenes Meireles 2, Igor Guidetti 2,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO DE REFERÊNCIA EM DOENÇAS CEREBROVASCULARES HC-UFG

CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO DE REFERÊNCIA EM DOENÇAS CEREBROVASCULARES HC-UFG Introdução CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO DE De acordo com Organização da Mundial de Saúde as doenças cerebrovasculares (DCV) são a principal causa de óbitos no mundo. Assim, as doenças do aparelho circulatório

Leia mais

Acidente Vascular Cerebral. Prof. Gustavo Emídio dos Santos

Acidente Vascular Cerebral. Prof. Gustavo Emídio dos Santos Acidente Vascular Cerebral Prof. Gustavo Emídio dos Santos Qual a melhor nomenclatura? Acidente Vascular Cerebral ou Acidente Vascular Encefálico? AVC Grupo de doenças com início abrupto que provocam danos

Leia mais

ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO EM PACIENTES PÓS ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA

ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO EM PACIENTES PÓS ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO EM PACIENTES PÓS ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA OLIVEIRA, T. C.; DUARTE, H. F. RESUMO O objetivo desta pesquisa foi analisar as alterações de

Leia mais

O IMPACTO DA DOENÇA NEUROLÓGICA PÓS-ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO

O IMPACTO DA DOENÇA NEUROLÓGICA PÓS-ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO O IMPACTO DA DOENÇA NEUROLÓGICA PÓS-ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO KACIE LETICIA RIBAS MACHADO LEMES. 1 ; RUAS, EDUARDO AUGUSTO. 2 RESUMO O objetivo foi avaliar o impacto na qualidade de vida pós-ave. Foi

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Cristina Marques de Almeida Holanda¹, Michele Alexandre da Silva². Universidade Federal da Paraíba - UFPB cristinamahd@gmail.com¹, michelebr@live.com

Leia mais

Autores: Sousa RD ¹*, Almeida NDF ², da Silva HFF ³ Instituição: UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS.

Autores: Sousa RD ¹*, Almeida NDF ², da Silva HFF ³ Instituição: UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS. INTRODUÇÃO A epilepsia é um distúrbio crônico caracterizado pela presença de crises epilépticas recorrentes, resultantes de descargas excessivas de neurônios em determinadas topografias do encéfalo. É

Leia mais

Um Estudo das Funções Executivas em Indivíduos Afásicos

Um Estudo das Funções Executivas em Indivíduos Afásicos Um Estudo das Funções Executivas em Indivíduos Afásicos 1. Cognição. 2. Neuropsicologia. 3. Linguagem Introdução Cerca de um terço da população afetada por acidente vascular encefálico pode apresentar

Leia mais

ARTIGOS COMENTADOS março 2018

ARTIGOS COMENTADOS março 2018 ARTIGOS COMENTADOS março 2018 Haloperidol não previne o delirium ou melhora as taxas de sobrevida em pacientes internados em UTI O uso profilático da droga haloperidol não ajuda a prevenir o delirium em

Leia mais

ACIDENTE VASCULAR ISQUÊMICO. Conceitos Básicos. Gabriel Pereira Braga Neurologista Assistente UNESP

ACIDENTE VASCULAR ISQUÊMICO. Conceitos Básicos. Gabriel Pereira Braga Neurologista Assistente UNESP ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO ISQUÊMICO Conceitos Básicos Gabriel Pereira Braga Neurologista Assistente UNESP Acidente Vascular Cerebral AVC = IAM EMERGÊNCIA MÉDICA COMO RECONHECER UM AVC TIME LOST IS BRAIN

Leia mais

ENFERMAGEM DOENÇAS CRONICAS NÃO TRANMISSIVEIS AVE / AVC. Profª. Tatiane da Silva Campos

ENFERMAGEM DOENÇAS CRONICAS NÃO TRANMISSIVEIS AVE / AVC. Profª. Tatiane da Silva Campos ENFERMAGEM DOENÇAS CRONICAS NÃO TRANMISSIVEIS AVE / AVC Profª. Tatiane da Silva Campos - As doenças cerebrovasculares são a 2º maior causa de óbitos no mundo, perdendo a posição apenas para as doenças

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Doença de Alzheimer. Cognição. Qualidade de vida. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chave: Doença de Alzheimer. Cognição. Qualidade de vida. INTRODUÇÃO EFEITOS DA PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA MENTE ATIVA NO EQUILÍBRIO E COGNIÇÃO DE PARTICIPANTE COM DOENÇA DE ALZHEIMER EFFECTS OF PARTICIPATION IN THE PROGRAM "MENTE ATIVO" IN BALANCE AND COGNITIVE FUNCTION

Leia mais

Afasia na vida das PCA

Afasia na vida das PCA Viver com afasia Implicações na qualidade de vida Autores: Luís Jesus, University of Aveiro Madeline Cruice, City University London Palestrante: Terapeuta da Fala Docente na Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

Epidemiologia e Fisiopatologia

Epidemiologia e Fisiopatologia 2º curso de Verão para internos de MFR 29/10/2015 Epidemiologia e Fisiopatologia do Acidente Vascular Cerebral João Sargento Freitas Resumo Conceito AVC no mundo AVC em Portugal Previsão epidemiológica

Leia mais

Material e Métodos Relatamos o caso de uma paciente do sexo feminino, 14 anos, internada para investigação de doença reumatológica

Material e Métodos Relatamos o caso de uma paciente do sexo feminino, 14 anos, internada para investigação de doença reumatológica Introdução A síndrome da encefalopatia (PRES) caracteriza-se clinicamente por cefaleia, alterações sensoriais e convulsões. Os achados clássicos na tomografia computadorizada são de hipodensidades córtico-subcorticais

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ENTRE O DECLÍNIO COGNITIVO E A CAPACIDADE FUNCIONAL DE INDIVÍDUOS PORTADORES DE DOENÇA DE PARKINSON.

ASSOCIAÇÃO ENTRE O DECLÍNIO COGNITIVO E A CAPACIDADE FUNCIONAL DE INDIVÍDUOS PORTADORES DE DOENÇA DE PARKINSON. ASSOCIAÇÃO ENTRE O DECLÍNIO COGNITIVO E A CAPACIDADE FUNCIONAL DE INDIVÍDUOS PORTADORES DE DOENÇA DE PARKINSON. Regalado ICR, UEPB, isabellycristie@gmail.com; Silva YF, UEPB, yanna-08@hotmail.com Silva

Leia mais

Freqüência e fatores relacionados à disfagia orofaríngea após acidente vascular encefálico

Freqüência e fatores relacionados à disfagia orofaríngea após acidente vascular encefálico Érica Oliveira Almeida Freqüência e fatores relacionados à disfagia orofaríngea após acidente vascular encefálico Dissertação apresentada ao Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de

Leia mais

PERFIL FUNCIONAL E CLÍNICO DE INDIVÍDUOS ACOMETIDOS COM ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL

PERFIL FUNCIONAL E CLÍNICO DE INDIVÍDUOS ACOMETIDOS COM ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL PERFIL FUNCIONAL E CLÍNICO DE INDIVÍDUOS ACOMETIDOS COM ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL Introdução João Victor Pereira Barbosa (1); Emanoella Carneiro de Souza (2) 1. Universidade Estadual de Ciências da Saúde

Leia mais

ICS EDUCATIONAL COURSE

ICS EDUCATIONAL COURSE ICS EDUCATIONAL COURSE URINARY AND ANAL INCONTINENCE: CHALLENGES AND PERSPECTIVES Sexuality of People with Neurologic Problems CURSO EDUCACIONAL ICS INCONTINÊNCIA ANAL E URINÁRIA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS

Leia mais

Acidente Vascular Encefálico

Acidente Vascular Encefálico Acidente Vascular Encefálico Gabriela de Oliveira Vitor A04DBA0 Juliana Chaves 5921040 Laís Delfes A162062 Larissa Oliveira Markewicz A219455 Mayara Raquel Durães A255818 O que é o AVE? Comprometimento

Leia mais

O IMPACTO DE CONDIÇÕES CRÔNICAS NA QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE (SF-36) DE IDOSOS EM ESTUDO DE BASE POPULACIONAL ISA-SP.

O IMPACTO DE CONDIÇÕES CRÔNICAS NA QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE (SF-36) DE IDOSOS EM ESTUDO DE BASE POPULACIONAL ISA-SP. O IMPACTO DE CONDIÇÕES CRÔNICAS NA QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE (SF-36) DE IDOSOS EM ESTUDO DE BASE POPULACIONAL ISA-SP. Margareth Guimarães Lima (DMPS FCM-UNICAMP); Marilisa Berti de Azevedo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ENTRE A GRAVIDADE DA LESÃO E A CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSOS HOSPITALIZADOS COM ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL

ASSOCIAÇÃO ENTRE A GRAVIDADE DA LESÃO E A CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSOS HOSPITALIZADOS COM ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL ASSOCIAÇÃO ENTRE A GRAVIDADE DA LESÃO E A CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSOS HOSPITALIZADOS COM ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL Flávia Laís da Silva 1, Mayra Castro de Matos Sousa 2 1 Fisioterapeuta especialista

Leia mais

DIRETRIZES SOBRE COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS EM DEPENDÊNCIA AO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS

DIRETRIZES SOBRE COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS EM DEPENDÊNCIA AO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS DIRETRIZES SOBRE COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS EM DEPENDÊNCIA AO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS DEPENDÊNCIA AO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS E COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS UMA VISÃO GERAL Feinstein, 1970 DEFINIÇÃO Presença

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE CARVEL SUPRIEN CARACTERIZAÇÃO DAS MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS, E RESPOSTA AO TRATAMENTO EM CRIANÇAS

Leia mais

TÍTULO: EPISÓDIO DEPRESSIVO MAIOR PÓS ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO: UM ESTUDO PROSPECTIVO

TÍTULO: EPISÓDIO DEPRESSIVO MAIOR PÓS ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO: UM ESTUDO PROSPECTIVO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EPISÓDIO DEPRESSIVO MAIOR PÓS ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO: UM ESTUDO PROSPECTIVO CATEGORIA:

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ATIVIDADE FÍSICA PRÉVIA AO ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL SOBRE A CAPACIDADE FUNCIONAL

INFLUÊNCIA DA ATIVIDADE FÍSICA PRÉVIA AO ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL SOBRE A CAPACIDADE FUNCIONAL 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA CLAUDIA FERREIRA DE ARRUDA INFLUÊNCIA DA ATIVIDADE FÍSICA PRÉVIA AO ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL SOBRE A CAPACIDADE FUNCIONAL

Leia mais

Trombólise endovenosa com Alteplase em AVC Isquêmico - Experiência em 27 casos - Joinville SC

Trombólise endovenosa com Alteplase em AVC Isquêmico - Experiência em 27 casos - Joinville SC 134 Artigo Original Trombólise endovenosa com Alteplase em AVC Isquêmico - Experiência em 27 casos - Joinville SC LONGO,A.L.; MORO,C.H.C.; CABRAL,N.L. RESUMO:Objetivos: Demonstrar a experiência com o uso

Leia mais

Influência das Variantes Genéticas Funcionais do Sistema Renina-Angiotensina na Doença Arterial Coronária.

Influência das Variantes Genéticas Funcionais do Sistema Renina-Angiotensina na Doença Arterial Coronária. José Ramón Lanz Luces Influência das Variantes Genéticas Funcionais do Sistema Renina-Angiotensina na Doença Arterial Coronária. Tese apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo para

Leia mais

TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DAS QUEDAS EM CRIANÇAS INTERNADAS EM HOSPITAL PEDIÁTRICO

TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DAS QUEDAS EM CRIANÇAS INTERNADAS EM HOSPITAL PEDIÁTRICO TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DAS QUEDAS EM CRIANÇAS INTERNADAS EM HOSPITAL PEDIÁTRICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA

Leia mais

Título do Trabalho: Ansiedade e Depressão em Pacientes com Esclerose Múltipla em Brasília Autores: Tauil CB; Dias RM; Sousa ACJ; Valencia CEU; Campos

Título do Trabalho: Ansiedade e Depressão em Pacientes com Esclerose Múltipla em Brasília Autores: Tauil CB; Dias RM; Sousa ACJ; Valencia CEU; Campos Introdução Esclerose Múltipla (EM) é desordem crônica, autoimune e desmielinizante do sistema nervoso central 1. Áreas de desmielinização levam a incapacidade e espectro heterogêneo de evoluções. Prognóstico

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE DEPENDÊNCIA FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DE INDIVÍDUOS ACOMETIDOS POR ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO

CORRELAÇÃO ENTRE DEPENDÊNCIA FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DE INDIVÍDUOS ACOMETIDOS POR ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO CORRELAÇÃO ENTRE DEPENDÊNCIA FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DE INDIVÍDUOS ACOMETIDOS POR ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO Mayara Anjos Nunes 1 ; Rafaelly Soares Melo 2 ; Maria Nadiele Atanazio Gois 3 ; Adília

Leia mais

CESUMAR, Maringá PR. Bolsista do Programa de Bolsas de Iniciação Científica do PROBIC/CNPq- Cesumar (PROBIC-Cesumar).

CESUMAR, Maringá PR. Bolsista do Programa de Bolsas de Iniciação Científica do PROBIC/CNPq- Cesumar (PROBIC-Cesumar). Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO DO GRAU DE FUNCIONALIDADE EM VÍTIMAS DE ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO ATRAVÉS DO ÍNDICE DE BARTHEL EM DIFERENTES

Leia mais

INSUFICIÊNCIA DE VITAMINA D E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS

INSUFICIÊNCIA DE VITAMINA D E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS INSUFICIÊNCIA DE VITAMINA D E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS Jayanne Mayara Magalhães de Melo 1, Janaína da Silva Nascimento 2, Natália Mendes de Melo 3, Marcos Vicente Pinheiro Amorim 4, Luan Gonçalves

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Doença de Alzheimer. Cuidadores. Qualidade de vida. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chave: Doença de Alzheimer. Cuidadores. Qualidade de vida. INTRODUÇÃO RELAÇÕES ENTRE ESTRESSE EM CUIDADORES DE PESSOAS COM DOENÇA DE ALZHEIMER E DISTÚRBIOS COMPORTAMENTAIS DOS PACIENTES RELATIONSHIP BETWEEN STRESS ON CAREGIVERS OF PEOPLE WITH ALZHEIMER'S DISEASE AND BEHAVIORAL

Leia mais

Palavras-Chave: 1. ESUS; 2. Ressonância magnética cardíaca; 3. Doppler transcraniano; 4. Estenose intracraniana; 5. Microembolia.

Palavras-Chave: 1. ESUS; 2. Ressonância magnética cardíaca; 3. Doppler transcraniano; 4. Estenose intracraniana; 5. Microembolia. RESUMO INVESTIGAÇÃO DE PACIENTES COM ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL ISQUÊMICO EMBÓLICO DE ETIOLOGIA INDETERMINADA POR MEIO DE RESSONÂNCIA CARDÍACA E DOPPLER TRANSCRANIANO. MAGNÉTICA INTRODUÇÃO: Identificar

Leia mais

Graduada em Fisioterapia pela Faculdade de Ciências Médicas de Campina Grande- FCM,

Graduada em Fisioterapia pela Faculdade de Ciências Médicas de Campina Grande- FCM, EFICÁCIA DO TREINO COGNITIVO ASSOCIADO AO EXERCÍCIO FÍSICO SISTEMATIZADO SOBRE O DESEMPENHO COGNITIVO DE IDOSOS COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA COM METANÁLISE Ana Gonçalves Lima Neta

Leia mais

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL (ISQUÊMICO) Antônio Germano Viana Medicina S8

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL (ISQUÊMICO) Antônio Germano Viana Medicina S8 ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL (ISQUÊMICO) Antônio Germano Viana Medicina S8 Definição Episódio de disfunção neurológica, geralmente focal, de instalação súbita ou rápida evolução, causada por infarto em território

Leia mais

COMPARAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSAS USUÁRIAS DAS ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE E NÃO PRATICANTES DE EXERCÍCIO FÍSICO

COMPARAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSAS USUÁRIAS DAS ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE E NÃO PRATICANTES DE EXERCÍCIO FÍSICO COMPARAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSAS USUÁRIAS DAS ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE E NÃO PRATICANTES DE EXERCÍCIO FÍSICO Daniel Vicentini de Oliveira (1); Paolo Marcello da Cunha Fabro (2); José Roberto

Leia mais

III MÓDULO III. ESCALAS DE AVALIAÇÃO Dra. Carla Heloisa Cabral Moro Dr. Octávio Marques Pontes Neto

III MÓDULO III. ESCALAS DE AVALIAÇÃO Dra. Carla Heloisa Cabral Moro Dr. Octávio Marques Pontes Neto III MÓDULO III ESCALAS DE AVALIAÇÃO Dra. Carla Heloisa Cabral Moro Dr. Octávio Marques Pontes Neto One s knowledge of science begins when he can measures what he is speaking about and express it in numbers.

Leia mais

Secção Autónoma de Ciências da Saúde Universidade de Aveiro. Programa Doutoral em Ciências e Tecnologias da Saúde. Provas Públicas

Secção Autónoma de Ciências da Saúde Universidade de Aveiro. Programa Doutoral em Ciências e Tecnologias da Saúde. Provas Públicas Secção Autónoma de Ciências da Saúde Universidade de Aveiro Programa Doutoral em Ciências e Tecnologias da Saúde Provas Públicas Impacto das alterações da comunicação na qualidade de vida das pessoas com

Leia mais

J. Health Biol Sci. 2016; 4(2):82-87 doi: / jhbs.v4i2.659.p

J. Health Biol Sci. 2016; 4(2):82-87 doi: / jhbs.v4i2.659.p doi:10.12662/2317-3076jhbs.v4i2.659.p82-87.2016 ARTIGO ORIGINAL Análise de tendência da mortalidade por doenças do aparelho circulatório no Rio Grande do Sul, 1998 a 2012 Trend analysis of mortality from

Leia mais

Idosos Ativos, Idosos Saudáveis

Idosos Ativos, Idosos Saudáveis INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE DE LISBOA Idosos Ativos, Idosos Saudáveis nº693206/10 Orientador: Profª. Doutora Luísa Pedro Prof.ª Adjunta da Escola Superior de

Leia mais

Sobre a Esclerose Tuberosa e o Tumor Cerebral SEGA

Sobre a Esclerose Tuberosa e o Tumor Cerebral SEGA Sobre a Esclerose Tuberosa e o Tumor Cerebral SEGA A Esclerose Tuberosa, também conhecida como Complexo da Esclerose Tuberosa, é uma desordem genética que atinge entre 1 e 2 milhões de pessoas no mundo

Leia mais

ABORDAGEM AO AVC. Rui Kleber do Vale Martins Filho Neurologia Vascular

ABORDAGEM AO AVC. Rui Kleber do Vale Martins Filho Neurologia Vascular ABORDAGEM AO AVC Rui Kleber do Vale Martins Filho Neurologia Vascular Tópicos Epidemiologia Definições Identificação Tratamento do AVC agudo Prevenção Novas perspectivas Mortalidade por doenças cerebrovasculares

Leia mais

TÍTULO: COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO COGNITIVO E ESTADO EMOCIONAL CONFORME CLASSIFICAÇÃO DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM IDOSOS DA COMUNIDADE.

TÍTULO: COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO COGNITIVO E ESTADO EMOCIONAL CONFORME CLASSIFICAÇÃO DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM IDOSOS DA COMUNIDADE. TÍTULO: COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO COGNITIVO E ESTADO EMOCIONAL CONFORME CLASSIFICAÇÃO DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM IDOSOS DA COMUNIDADE. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

Declaração de possíveis conflitos de interesses

Declaração de possíveis conflitos de interesses Declaração de possíveis conflitos de interesses Consultoria Financiamento para pesquisa Palestras e conferências Ministério da Saúde DECIT- REBRATS CONITEC Avaliação de Tecnologias OPAS IATS Instituto

Leia mais

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Figura 1: RM do encéfalo em corte axial em T2 Figura 2: RM do encéfalo em corte coronal em T2 Enunciado Paciente do sexo masculino, 73 anos, administrador

Leia mais

O que ouço, esqueço; o que vejo, recordo; o que faço, compreendo. Confúcio

O que ouço, esqueço; o que vejo, recordo; o que faço, compreendo. Confúcio O que ouço, esqueço; o que vejo, recordo; o que faço, compreendo. Confúcio Aos meus pais e irmã pelos momentos que os privei da minha companhia. AGRADECIMENTOS Um trabalho desta natureza constitui um processo,

Leia mais

TÍTULO: RELAÇÃO ENTRE NÍVEIS DE COMPROMETIMENTO COGNITIVO E SINTOMAS DEPRESSIVOS EM IDOSSOS

TÍTULO: RELAÇÃO ENTRE NÍVEIS DE COMPROMETIMENTO COGNITIVO E SINTOMAS DEPRESSIVOS EM IDOSSOS TÍTULO: RELAÇÃO ENTRE NÍVEIS DE COMPROMETIMENTO COGNITIVO E SINTOMAS DEPRESSIVOS EM IDOSSOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: Fisioterapia INSTITUIÇÃO(ÕES): UNIVERSIDADE SANTA

Leia mais

X Encontro de Iniciação Científica do Centro Universitário Barão de Mauá

X Encontro de Iniciação Científica do Centro Universitário Barão de Mauá ESTUDOS DE CASOS DE A. V. C. REALIZADO EM UM HOSPITAL DO INTERIOR PAULISTA E SUA RELAÇÃO COM CERTOS PROBLEMAS RENAIS Lívia de Freitas Lacerda 1, José Luiz Ferrari de Souza 2 1,2 Centro Universitário Barão

Leia mais

Cuidados Paliativos no AVC em fase aguda

Cuidados Paliativos no AVC em fase aguda Universidade de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa Cuidados Paliativos no AVC em fase aguda Maria João da Silva Duarte Mestrado de Cuidados Paliativos (6ª Edição) Lisboa 2011 A impressão desta dissertação

Leia mais

CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO

CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO INTRODUÇÃO THAÍS ALANA PASTORELLO CRISTINA HAMERSKI ROMERO JOSÉ MOHAMUD VILAGRA Faculdade Assis Gurgacz - FAG- Cascavel

Leia mais

PERFIL CLÍNICO E NUTRICIONAL DOS INDIVÍDUOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO (HUPAA/UFAL)

PERFIL CLÍNICO E NUTRICIONAL DOS INDIVÍDUOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO (HUPAA/UFAL) PERFIL CLÍNICO E NUTRICIONAL DOS INDIVÍDUOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO (HUPAA/UFAL) Maria Bárbara Galdino Silva barbaragaldiino@gmail.com Karine Maria Moreira Almeida

Leia mais

ANÁLISE DO EQUILÍBRIO POSTURAL EM IDOSOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE CAPACIDADE COGNITIVA

ANÁLISE DO EQUILÍBRIO POSTURAL EM IDOSOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE CAPACIDADE COGNITIVA ANÁLISE DO EQUILÍBRIO POSTURAL EM IDOSOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE CAPACIDADE COGNITIVA Jéssica Bezerra Diniz (UFRN) jessiiicadiniz@yahoo.com.br Laize Gabriele de Castro Silva (UFRN) laizegondin@hotmail.com

Leia mais

IV Seminário do Grupo de Pesquisa Deficiências Físicas e Sensoriais Faculdade de Filosofia e Ciências 26 e 27 de fevereiro de 2018 ISSN

IV Seminário do Grupo de Pesquisa Deficiências Físicas e Sensoriais Faculdade de Filosofia e Ciências 26 e 27 de fevereiro de 2018 ISSN avaliação da qualidade de vida de indivíduos hipertensos em uma unidade de saúde da família Aneleide Pacheco Rocha 1 ; Aila Narene Dahwache Criado Rocha 2 aneleide.r@hotmail.com 1 Departamento de Educação

Leia mais

PARÉSIA MONOMÉLICA COMPLICAÇÃO RARA E GRAVE

PARÉSIA MONOMÉLICA COMPLICAÇÃO RARA E GRAVE Reunião do Núcleo de Acessos Vasculares SPACV - 2014 Mª TERESA VIEIRA Cirurgia Vascular CHLN Isquémia distal complicação conhecida da cirurgia dos acessos Incidência varia de 1 a 6% Sintomas variam desde

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE IDOSOS EM UMA CIDADE DO NORDESTE BRASILEIRO

CORRELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE IDOSOS EM UMA CIDADE DO NORDESTE BRASILEIRO CORRELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE IDOSOS EM UMA CIDADE DO NORDESTE BRASILEIRO Karoline de Lima Alves UFPB/ e-mail: krol_lima_17@hotmail.com 1 Anna Cláudia Freire

Leia mais

INTERFACE DOS DISTÚRBIOS PSIQUIÁTRICOS COM A NEUROLOGIA

INTERFACE DOS DISTÚRBIOS PSIQUIÁTRICOS COM A NEUROLOGIA INTERFACE DOS DISTÚRBIOS PSIQUIÁTRICOS COM A NEUROLOGIA MARINA DALLA BARBA LONDERO MÉDICA FORMADA PELA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO PSIQUIATRA PELO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE DOUTORANDA PELA UNIVERSIDADE

Leia mais

Escola Superior de Altos Estudos

Escola Superior de Altos Estudos Escola Superior de Altos Estudos Defeito cognitivo, sintomas de depressão e satisfação com a vida em idosos sob resposta social do concelho de Coimbra INÊS TORRES PENA Dissertação Apresentada ao ISMT para

Leia mais

BRANCA MARIA CEREZER GERZSON RELAÇÃO ENTRE SINTOMATOLOGIA DEPRESSIVA, NÍVEIS DE VITAMINA B12 E VCM EM IDOSOS LONGEVOS

BRANCA MARIA CEREZER GERZSON RELAÇÃO ENTRE SINTOMATOLOGIA DEPRESSIVA, NÍVEIS DE VITAMINA B12 E VCM EM IDOSOS LONGEVOS BRANCA MARIA CEREZER GERZSON RELAÇÃO ENTRE SINTOMATOLOGIA DEPRESSIVA, NÍVEIS DE VITAMINA B12 E VCM EM IDOSOS LONGEVOS Dissertação submetida ao corpo docente do Programa de Pós-Graduação em Gerontologia

Leia mais

TÍTULO: COMPORTAMENTO ALIMENTAR ENTRE HOMENS E MULHERES COM TRANSTORNOS ALIMENTARES AUTOR(ES): CAROLINA HADDAD CUNHA, ALESSANDRA ÚBIDA BRAGA FERNANDES

TÍTULO: COMPORTAMENTO ALIMENTAR ENTRE HOMENS E MULHERES COM TRANSTORNOS ALIMENTARES AUTOR(ES): CAROLINA HADDAD CUNHA, ALESSANDRA ÚBIDA BRAGA FERNANDES TÍTULO: COMPORTAMENTO ALIMENTAR ENTRE HOMENS E MULHERES COM TRANSTORNOS ALIMENTARES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE FRANCA AUTOR(ES):

Leia mais

A pilot study in the effects of Gigong and Tai Chi Chuan exercises in patients with Multiple Sclerosis

A pilot study in the effects of Gigong and Tai Chi Chuan exercises in patients with Multiple Sclerosis A pilot study in the effects of Gigong and Tai Chi Chuan exercises in patients with Multiple Sclerosis Estudo piloto sobre os efeitos do exercícios de Gigong e Tai Chi Chuan em pacientes com Esclerose

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL E SINTOMAS DE ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM PACIENTES ONCOLÓGICOS EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO

ESTADO NUTRICIONAL E SINTOMAS DE ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM PACIENTES ONCOLÓGICOS EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO ESTADO NUTRICIONAL E SINTOMAS DE ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM PACIENTES ONCOLÓGICOS EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO Dafiny Rodrigues Silva 1, Laís Gomes Lessa Vasconcelos 1, Maria Cecília Costa Moreira Cardoso

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESCORE HOSPITAL COMO PREDITOR DE MORTALIDADE E REINTERNAÇÃO EM PACIENTES ADMITIDOS EM ENFERMARIA CLÍNICA EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

AVALIAÇÃO DO ESCORE HOSPITAL COMO PREDITOR DE MORTALIDADE E REINTERNAÇÃO EM PACIENTES ADMITIDOS EM ENFERMARIA CLÍNICA EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO AVALIAÇÃO DO ESCORE HOSPITAL COMO PREDITOR DE MORTALIDADE E REINTERNAÇÃO EM PACIENTES ADMITIDOS EM ENFERMARIA CLÍNICA EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO William Damian Perdonsini Klein 1 ; Vander José Dall Aqua

Leia mais

EFEITOS DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS EM DUPLA-TAREFA SOBRE O EQUILÍBRIO E A COGNIÇÃO DE MULHERES IDOSAS

EFEITOS DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS EM DUPLA-TAREFA SOBRE O EQUILÍBRIO E A COGNIÇÃO DE MULHERES IDOSAS EFEITOS DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS EM DUPLA-TAREFA SOBRE O EQUILÍBRIO E A COGNIÇÃO DE MULHERES IDOSAS Wagner Vitória dos Santos (1); Kamila Ângela Dantas Dias (2); Giulliana Helen de Vasconcelos Gomes

Leia mais

Alves et al Analise das principais sequelas observadas em pacientes vítimas de acidente vascular cerebral - AVC

Alves et al Analise das principais sequelas observadas em pacientes vítimas de acidente vascular cerebral - AVC Artigo Original Analise das principais sequelas observadas em pacientes vítimas de acidente vascular cerebral - AVC. Analysis of the main sequelae observed in stroke victims - AVC Nágila Silva Alves 1,

Leia mais

Atraso na admissão hospitalar de pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico: quais fatores podem interferir?

Atraso na admissão hospitalar de pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico: quais fatores podem interferir? Atraso na admissão hospitalar de pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico: quais fatores podem interferir? Paula Souto Nogueira Renata Carolina Acri Miranda Monique Bueno Alves Introdução 15.000.0000

Leia mais

GRAVE. DEPRESSAo O QUE É A DEPRESSAO GRAVE? A depressão grave é uma condição médica comum e afeta 121 MILHÕES de pessoas em todo o mundo.

GRAVE. DEPRESSAo O QUE É A DEPRESSAO GRAVE? A depressão grave é uma condição médica comum e afeta 121 MILHÕES de pessoas em todo o mundo. APRESENTA GRAVE DEPRESSAo O QUE É A DEPRESSAO GRAVE? Indivíduos com depressão grave geralmente apresentam pelo menos 4 destes sintomas por pelo menos 2 semanas: Estado de ânimo depressivo; * Movimento,

Leia mais

diferenciação adotados foram as variáveis: gênero, faixa etária, caráter do atendimento e óbitos.

diferenciação adotados foram as variáveis: gênero, faixa etária, caráter do atendimento e óbitos. Introdução AVE- Acidente Vascular Encefálico, também conhecido como AVC e derrame cerebral, é classicamente caracterizado pelo entupimento ou rompimento de algum vaso sanguíneo no cérebro. A American Heart

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FUNCIONALIDADE DE ADULTOS E IDOSOS COM SÍNDROME DE DOWN: DADOS DE UM ESTUDO PILOTO.

AVALIAÇÃO DA FUNCIONALIDADE DE ADULTOS E IDOSOS COM SÍNDROME DE DOWN: DADOS DE UM ESTUDO PILOTO. AVALIAÇÃO DA FUNCIONALIDADE DE ADULTOS E IDOSOS COM SÍNDROME DE DOWN: DADOS DE UM ESTUDO PILOTO. 1 Cláudia Lopes Carvalho (Carvalho, C.L); 2 Leila Regina de Castro (Castro, L.R), 3 Ariella Fornachari Ribeiro

Leia mais

IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA

IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA Cristina Marques de Almeida Holanda 1, Michele Alexandre da Silva 2 cristinamahd@gmail.com 1, michelebr@live.com 2 Universidade Federal

Leia mais

DEPENDÊNCIA DIGITAL ATÉ QUE PONTO A TECNOLOGIA É BOA OU RUIM? Dr. Rodrigo Menezes Machado

DEPENDÊNCIA DIGITAL ATÉ QUE PONTO A TECNOLOGIA É BOA OU RUIM? Dr. Rodrigo Menezes Machado DEPENDÊNCIA DIGITAL ATÉ QUE PONTO A TECNOLOGIA É BOA OU RUIM? Dr. Rodrigo Menezes Machado INTRODUÇÃO População total estimada em 7 bilhões, sendo que 6,29 bilhões já possuem acesso à tecnologia móvel.

Leia mais

4 RESULTADOS. 4.1 Análise amostral Caracterização da amostra estudada. As características sociodemográficas da população estudada estão

4 RESULTADOS. 4.1 Análise amostral Caracterização da amostra estudada. As características sociodemográficas da população estudada estão 4 RESULTADOS 62 4 RESULTADOS 4.1 Análise amostral 4.1.1 Caracterização da amostra estudada As características sociodemográficas da população estudada estão sumarizadas na Tabela 4. As variáveis categóricas

Leia mais

PREVENÇÃO DE RECIDIVA DE ÚLCERA VENOSA: um estudo de coorte

PREVENÇÃO DE RECIDIVA DE ÚLCERA VENOSA: um estudo de coorte PREVENÇÃO DE RECIDIVA DE ÚLCERA VENOSA: um estudo de coorte Eline Lima Borges 1 Aidê Ferreira Ferraz 2 Daclé Vilma Caravalho 2 Vera Lúcia de Araújo Nogueira Lima 3 Selme Silqueira de Matos 4 1 Professor

Leia mais

XI Encontro de Iniciação Científica do Centro Universitário Barão de Mauá

XI Encontro de Iniciação Científica do Centro Universitário Barão de Mauá ESTUDOS DE CASOS DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL REALIZADO EM UM HOSPITAL FILANTRÓPICO DO INTERIOR PAULISTA E SUA RELAÇÃO COM A APNEIA DO SONO Juliana Berta 1, José Luiz Ferrari de Souza 2 1,2 Centro Universitário

Leia mais

Dissertação de mestrado

Dissertação de mestrado Dissertação de mestrado Salvador (Bahia), 2017 Tratamento da leishmaniose cutânea com tamoxifeno e antimônio pentavalente: estudo piloto e análise in situ Camila Sampaio Ribeiro Professor-orientador: Paulo

Leia mais

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL Dra. Keila Narimatsu Mirella Fazzito Neurologista Hospital Sírio Libanês e Hospital da Luz Vila Mariana Introdução Dças Cerebrovasculares: 3 o causa mortalidade Brasil e 2ª no

Leia mais

Estudos de casos de acidente vascular cerebral, realizado em uma Instituição de saúde do interior paulista.

Estudos de casos de acidente vascular cerebral, realizado em uma Instituição de saúde do interior paulista. Estudos de casos de acidente vascular cerebral, realizado em uma Instituição de saúde do interior paulista. Ana Carolina C. da Câmara Ramos 1, José Luiz Ferrari de Souza 2 Centro Universitário Barão de

Leia mais

Pseudo-demência / défice cognitivo ligeiro

Pseudo-demência / défice cognitivo ligeiro Pseudo-demência / défice cognitivo ligeiro Kiloh LG. Pseudo-dementia. Acta Psychiatrica Scandinavia 1961; 37; 336-51. Winblad et als. Miild Cognitive Impairment beyound controversies, towards a consensus:

Leia mais

A inserção da liga de neurociências no projeto nacional de prevenção do AVC

A inserção da liga de neurociências no projeto nacional de prevenção do AVC 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X)SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Depressão Pós Parto. (NEJM, Dez 2016)

Depressão Pós Parto. (NEJM, Dez 2016) Compartilhe conhecimento: Além de cuidar das crianças, precisamos estar atentos à saúde psicológica das mães. Entenda os sintomas e os tratamentos da depressão pós-parto. Depressão Pós Parto. (NEJM, Dez

Leia mais

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL: ANÁLISE DA MORTALIDADE NO PIAUÍ EM COMPARAÇÃO COM O PERFIL NORDESTINO E BRASILEIRO EM UM PERÍODO DE 5 ANOS

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL: ANÁLISE DA MORTALIDADE NO PIAUÍ EM COMPARAÇÃO COM O PERFIL NORDESTINO E BRASILEIRO EM UM PERÍODO DE 5 ANOS ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL: ANÁLISE DA MORTALIDADE NO PIAUÍ EM COMPARAÇÃO COM O PERFIL NORDESTINO E BRASILEIRO EM UM PERÍODO DE 5 ANOS MELO, B. M 1 ; VIANA, J. M. C. L²; NASCIMENTO, J.C.C.³; SOUSA, R.

Leia mais

Tomografia computadorizada (TC), Ressonância magnética (RM)

Tomografia computadorizada (TC), Ressonância magnética (RM) Tomografia computadorizada (TC), Ressonância magnética (RM) Análise da Imagem Imagem 1: TCC sem contraste evidenciando imagem hiperdensa e irregular em convexidade dos lobos parietal e frontal direitos

Leia mais

Prevalência do temperamento ansioso em usuários do Centro de Referência em Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus de Rio Verde, GO.

Prevalência do temperamento ansioso em usuários do Centro de Referência em Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus de Rio Verde, GO. Introdução A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é um grave problema de saúde pública, constituindo-se no principal fator de risco para a ocorrência de doenças cardiovasculares graves (EORY et al., 2014).

Leia mais

INDICADORES DE BEM-ESTAR SUBJETIVO E QUALIDADE DE VIDA EM ESTUDANTES DE PSICOLOGIA

INDICADORES DE BEM-ESTAR SUBJETIVO E QUALIDADE DE VIDA EM ESTUDANTES DE PSICOLOGIA 1 INDICADORES DE BEM-ESTAR SUBJETIVO E QUALIDADE DE VIDA EM ESTUDANTES DE PSICOLOGIA EMANUELA MARIA POSSIDÔNIO DE SOUSA BEATRIZ TEIXEIRA PARENTE LIMA GARLANA LEMOS DE SOUSA GRACY JÉSSICA MOURA DE OLIVEIRA

Leia mais

PREVALÊNCIA DE SÍNDROME METABÓLICA EM PACIENTES HOSPITALIZADOS

PREVALÊNCIA DE SÍNDROME METABÓLICA EM PACIENTES HOSPITALIZADOS PREVALÊNCIA DE SÍNDROME METABÓLICA EM PACIENTES HOSPITALIZADOS Resumo GORZONI, J. H.; BRANDÃO, N. Estudos têm demonstrado o crescimento da síndrome metabólica. No entanto, esta pesquisa tem por objetivo

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GERONTOLOGIA BIOMÉDICA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GERONTOLOGIA BIOMÉDICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GERONTOLOGIA BIOMÉDICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ASSOCIAÇÃO DA DEPRESSÃO NA QUALIDADE

Leia mais

Multimorbidade e medidas antropométricas em residentes de um condomínio exclusivo para idosos

Multimorbidade e medidas antropométricas em residentes de um condomínio exclusivo para idosos Multimorbidade e medidas antropométricas em residentes de um condomínio exclusivo para idosos Januse Nogueira de Carvalho 1* ; Samuel de Sousa Nantes 2# ; Paolla Jessica da Cunha 3# ;Larissa Guerra Oliveira

Leia mais

Transtornos de Aprendizagem. Carla Cristina Tessmann Neuropsicóloga

Transtornos de Aprendizagem. Carla Cristina Tessmann Neuropsicóloga Transtornos de Aprendizagem Carla Cristina Tessmann Neuropsicóloga Neuropsicologia Conforme definição de Luria (1981), Neuropsicologia é a ciência que estuda a relação entre o cérebro e o comportamento

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO DE REABILITAÇÃO CARDIORRESPIRATÓRIA

PROJETO DE EXTENSÃO DE REABILITAÇÃO CARDIORRESPIRATÓRIA PROJETO DE EXTENSÃO DE REABILITAÇÃO CARDIORRESPIRATÓRIA Diogo Iulli Merten 1 Laura Jurema dos Santos 2 RESUMO O projeto de reabilitação cardiorrespiratória é realizado com pacientes de ambos gêneros, diversas

Leia mais

Correlação dos anos de escolaridade com o estado cognitivo em idosas

Correlação dos anos de escolaridade com o estado cognitivo em idosas Correlação dos anos de escolaridade com o estado cognitivo em idosas Fabio Ricardo Hilgenberg Gomes; Valdomiro de Oliveira; Gislaine Cristina Vagetti. FACULDADE SANTANA-IESSA; UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ-

Leia mais

Marcia Morete Enfermeira, Mestre e Especialista em Dor e Cuidados Paliativos Doutoranda da Faculdade de Medicina da USP Assessora Técnica Sênior da

Marcia Morete Enfermeira, Mestre e Especialista em Dor e Cuidados Paliativos Doutoranda da Faculdade de Medicina da USP Assessora Técnica Sênior da Programa de Educação Continuada em Fisiopatologia e Tratamento da Dor AVALIAÇÃO DA DOR EM POPULAÇÃO ESPECIAL: idoso com demência Marcia Morete Enfermeira, Mestre e Especialista em Dor e Cuidados Paliativos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DOUTORADO EM PRÓTESE DENTÁRIA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DOUTORADO EM PRÓTESE DENTÁRIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DOUTORADO EM PRÓTESE DENTÁRIA DANIELA DISCONZI SEITENFUS REHM PREVALÊNCIA DE DIFERENTES

Leia mais

Fatores de risco de queda na pessoa idosa residente na comunidade: Revisão Integrativa da Literatura

Fatores de risco de queda na pessoa idosa residente na comunidade: Revisão Integrativa da Literatura Fatores de risco de queda na pessoa idosa residente na comunidade: Revisão Integrativa da Literatura Luís Sousa Nilza Nogueira de Caldevilla Cristina Dias Henriques Sandy Severino Isabel Ferreira Porto,

Leia mais