As contribuições do design instrucional na educação a distância online

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As contribuições do design instrucional na educação a distância online"

Transcrição

1 As contribuições do design instrucional na educação a distância online Greiziele Fernandes Oliveira Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais CEFETMG RESUMO: O uso crescente das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) modificou a relação das pessoas com a construção do conhecimento e constituiu-se um recurso importante no desenvolvimento de cursos e materiais voltados para a Educação a Distância. Neste contexto, o design instrucional destaca-se por conduzir o processo de desenvolvimento dos conteúdos de forma contextualizada e coerente com as tecnologias disponíveis e em consonância com os sujeitos envolvidos. Este estudo realizouuma análise bibliográfica dos conceitos vinculados à definição da EaDonline e do design instrucional a fim de verificar a relação que se estabelece entre ambos e as influências que esta relação exerce na aprendizagem do aluno. PALAVRAS-CHAVE: Educação a Distância; aprendizagem; design instrucional. 1. Introdução A sociedade atual tem pautado as suas relações no uso constante das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC), o que traz novos significados para as interações sociais, afetivas, econômicas e, inclusive, para o processo de construção do conhecimento. Neste cenário a Educação a Distância (EaD)online tem se difundido e a demanda por uma educação que não ofereça limitações espaço-temporais cresce gradualmente. Esta modalidade de ensino surgiu da necessidade de superar a barreira da distância e possibilitar a profissionalização daqueles que não podiam ou não possuíam condições de frequentar uma instituição de ensino em horário e local fixos. Desta forma, Moran (2002) define educação a distância como a forma educacional em que o processo de ensino e aprendizagem ocorreatravés do uso das TDIC e que majoritariamente, alunos e professores não compartilham das mesmas dimensões de tempo e espaço.

2 Assim sendo, os locais voltados para o aprendizado são ressignificados, expandindo esta concepção para todo e qualquer espaço onde o aluno possa ter contato com o conteúdo através de uma determinada tecnologia.seguindo este mesmo raciocínio, Moore e Kearsley (2007) apresentam o seguinte conceito: Educação a distância é o aprendizado planejado que ocorre normalmente em um lugar diferente do local de ensino, exigindo técnicas especiais de criação do curso e de instrução, comunicação por várias tecnologias e disposições organizacionais e administrativas especiais (MOORE e KEARLEY, 2007, p.2). Pretende-se, portanto, que através da incorporação de tais tecnologias ao programa de ensino, o aluno seja capaz de aprender e construir novos conhecimentos. No entanto, o uso das tecnologias necessita de uma sistematização que traga significado para a relação que esta irá estabelecer com o conteúdo. Neste cenário, o design instrucional destaca-se por conduzir o processo de desenvolvimento dos conteúdos de forma contextualizada e coerente com as tecnologias disponíveis. Comumente adotado nos processos de elaboração de conteúdos para a EaDonline, o design instrucional é definido como recurso pedagógico de suporte ao aprendizado que envolve o planejamento sistemático de uma ação com a intencionalidade de ensinar. Compreende uma análise contextualizada do objeto de estudo, do público ao qual se destina, do meio de veiculação, da abordagem pedagógica e das tecnologias disponíveis. Reforçando esta concepção, Filatro (2008) apresenta o design instrucional como: (...) a ação intencional e sistemática de ensino que envolve o planejamento, o desenvolvimento e a aplicação de métodos, técnicas, atividades, materiais, eventos e produtos educacionais em situações didáticas específicas, a fim de promover, a partir dos princípios de aprendizagem e instrução conhecidos, a aprendizagem humana. Em outras palavras, definimos design instrucional como o processo (conjunto de atividades) de identificar um problema (uma necessidade) de aprendizagem e desenhar, implementar e avaliar uma solução para esse problema (FILATRO, 2008, p.3) E, ao delinear o cenário atual da EaDno Brasil e as mudanças que se fazem necessárias, Moran (2013, online) aponta o design instrucional como cada vez mais decisivo para contar com roteiros cognitivos inteligentes, com equilíbrio entre aprender juntos e sozinhos. No entanto, ainda que reconhecido como um elemento estratégico na sistematização do ensino,

3 não são todas as instituições dedicadas à oferta da EaD que incorporam o design instrucional ao processo de elaboração do curso. Sobre este tema Moran (2013) ressalta que: Muitos cursos são previsíveis, com informação simplificada, conteúdo raso e poucas atividades estimulantes e em ambientes virtuais pobres, banais. Focam mais conteúdos mínimos do que metodologias ativas como desafios, jogos, projetos. Alguns materiais são inferiores aos que são exigidos em cursos presenciais (MORAN, 2013, online.) Nessa perspectiva, este estudo teve como objetivoverificar as contribuições do design instrucional na educação a distância online. A partirdestarelação, foifeitaumareflexãosobre as influências que esta exerce sobre a aprendizagem do aluno da modalidade a distância online. Esse estudo se justifica devido ao fato de que apesar EaD ser um tema já recorrente no meio acadêmico, os estudos sobre os processos de desenvolvimento e sistematização de conteúdos para esta modalidade ainda são modestos. De acordo com dados disponíveis no Banco de Teses da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), de 2010 até o ano corrente houve 29 pesquisas envolvendo a temática design instrucional nos programas de mestrado acadêmico, mestrado profissional e doutorado. Destes, apenas três são da área da educação. A consulta ao Portal de Periódicos da CAPES apontou a existência de 26 artigos produzidos na área entre os anos de 2009 e Tais números demonstram como ainda é restrita a pesquisa voltada para o estudo do design instrucional e aponta para a necessidade de se aprofundar nessa temática. 2. Referencial teórico 2.1 Educação adistância A EaD, ao contrário do que muitas vezes é apresentado, não está intrinsecamente ligada ao uso de tecnologias digitais e tampouco pode ser considerada como uma descoberta recente. Seu início remonta ao século XIX, através da troca de correspondências, estimulada pela expansão das redes ferroviárias, que tornaram os serviços postais mais baratos, rápidos e confiáveis (MOORE e KEARSLEY, 2007). A partir daí as tecnologias predominantes de cada época determinaram forte influência sobre os meios de veiculação da EaD, passando pelo rádio, televisão, teleconferências e computadores, até chegar ao formato mais utilizado atualmente, que ocorre através da internet.

4 A década de 60 representou o começo de um período de intensa evolução tecnológica que gerou transformações na economia e nas relações humanas e também na estrutura social. Este advento tecnológico faz surgir uma nova sociedade, denominada por Castells (1999) de sociedade em rede, que se expressa através deste novo cenário, mediado pelas TDIC e as novas estruturas sociais que se estabeleceram. Surge ainda um novo modelo de desenvolvimento, o informacionalismo, que segundo Castells está ligado à expansão e ao rejuvenescimento do capitalismo (CASTELLS, 1999, p.55). Ao se fazer presente em todos os seguimentos desta nova sociedade as TDIC se tornaram fundamentais no estabelecimento de uma nova economia que é pautada na manipulação da informação e na construção dos conhecimentos individuais. Deste modo, a geração, processamento e transmissão de informação torna-se a principal fonte de produtividade e poder (CASTELLS, 1999, p.21). Neste contexto, é relevante salientar alguns marcos determinantes para a popularização do uso da internet e o estabelecimento da educação a distância online, conforme apresentado no quadro 1: QUADRO 1 Marcos da evolução do uso da internet Ano Principais marcos Criação da AdvancedResearchProjectsAgency Network Rede de Agências de Pesquisas em Projetos Avançados (ARPANET). Considerada o primórdio da internet, se tratava de 1969 uma rede operacional cujo objetivo era interligar os departamentos de pesquisa americanos com as bases militares como forma de proteger as informações do país Invenção do primeiro microprocessador pela Intel Corporation Criação de uma linguagem única de comunicação entre as diversas redes operacionais, a 1974 TCP/IP, que permitiu conectar computadores de diferentes modelos e sistemas operacionais. Surgimento do primeiro microcomputador pessoal, o Mits Altair 8080, baseado na 1975 tecnologia da Intel. Popularização da internet através da comercialização das redes e surgimento das conexões 1988 dial-up Surgimento da worldwide web, que permitiu a navegação entre diferentes páginas. Fonte: Elaborado pela autora a partir de consultas a sites que abordam o histórico da evolução da internet. A partir dos dados apresentados no quadro 1 pode-se verificar que o processo de evolução da internet partiu de uma demanda voltada para a proteção e o compartilhamento de informações confidenciais entre departamentos de pesquisa americanos e foi aprimorada para possibilitar a ampliação da troca de informações em nível mundial. As particularidades sociais, políticas, geográficas e tecnológicas de cada época tem influenciado a educação ao longo dos anos e se constituído como fatores determinantes para a

5 sua evolução. Ao analisar a função da informação na constituição da cultura de uma sociedade LÈVY (2012) defende que a utilização de uma técnica é determinada pelas relações que esta mantém com o meio. Basta que alguns grupos sociais disseminem um novo dispositivo de comunicação, e todo o equilíbrio das representações e das imagens será transformado, como vimos no caso da escrita, do alfabeto, da impressão, ou dos meios de comunicação e transporte modernos (LÈVY, 2012, p.9). Assim sendo, as coisas mudam, as técnicas transformam-se insensivelmente, as narrativas se alteram ao sabor das circunstâncias, pois a transmissão também é sempre recriação(...) (LÈVY, 2012, p.51) 2.2 A relação entre as Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação e a sociedade Atualmente, vive-se em uma sociedade onde o acesso à informação e a comunicação é facilitado por uma grande diversidade de tecnologias e inovações que transformaram a relação entre as pessoas e a relação destas com a construção do conhecimento. Telefones celulares, computadores, notebooks e televisores são alguns exemplos de aparelhos que atualmente, em grande parte, possuem canais de acesso à internet e são capazes de interagir entre si. No Livro Verde da Sociedade da Informação no Brasil este advento tecnológico é explicado através de três fenômenos: a convergência da base tecnológica, que define a interação que se estabelece entre conteúdos, computação e informações através da digitalização dos processos; a dinâmica da indústria, que tem disponibilizado aparelhos tecnológicos a preços mais acessíveis; e por fim, o crescimento da internet, que é decorrente dos anteriores e conseguiu se disseminar por todo mundo em um período consideravelmente curto (BRASIL, 2000). Desta forma, a sociedade tem se constituído de modo a possibilitar que um número cada vez maior de pessoas esteja conectado às redes. Somando-se a isto, a evolução das formas de interação entre usuário e computador permite que estas pessoas produzam, modifiquem, troquem e reproduzam informações em grande escala e em tempo reduzido.

6 Vive-se hoje a era da web 2.0, termo que define a nova relação que se estabeleceu entre usuário e rede nos últimos anos. Tal configuração permite que os usuários participem mais ativamente da produção e manipulação das informações através da maior interatividade que oferece através desta nova relação. Desta forma, estabelece-se uma inteligência coletiva, que tem sido utilizada para aperfeiçoar softwares, aplicativos e a própria rede. Tim O Reilly, precursor o termo, define a web 2.0 como: a rede como plataforma, abarcando todos os dispositivos conectados. As aplicações Web 2.0 são aquelas que produzem a maioria das vantagens intrínsecas de tal plataforma: distribuem o software como um serviço de atualização contínuo que se torna melhor quanto mais pessoas o utilizam, consomem e transformam os dados de múltiplas fontes - inclusive de usuários individuais - enquanto fornecem seus próprios dados e serviços, de maneira a permitir modificações por outros usuários, criando efeitos de rede através de uma arquitetura participativa e superando a metáfora de página da Web 1.0 para proporcionar ricas experiências aos usuários (O REILLY, 2005). Segundo a páginainternet Live Stat, que mostra as estatísticas referentes ao uso da internet em tempo real, em torno de 40% da população mundial está conectada à internet, sendo que em 1993 esta porcentagem não ultrapassou 0,3%. O número de websites também apresentou um crescimento expressivo, chegando apenas a 130 páginas em 1993 e ultrapassando, neste ano, a marca de 1 bilhão de páginas ativas. Avaliando de forma geral, percebe-se que nem metade da população possui acesso à internet, no entanto, estes 40% conectados apresentam uma relação bastante estreita e geram um grande número de informações na rede. O uso da internet se amplia para além da simples visualização de conteúdos e passa a fazer parte do cotidiano destes usuários, sendo capaz de oferecer a possibilidade de encurtar distâncias, reduzir custos e usufruir experiências diversificadas. Esta nova relação das pessoas com a internet e as TDIC tem modificado as interações sociais, de trabalho e, principalmente, a forma como ocorre aconstrução do conhecimento. Ofertar um curso no formato online deixa de ser somente a disponibilização das informações na rede e passa a exigir um diálogo ampliado destas informações com o universo do aluno. Neste sentido, o Livro Verde da Sociedade da Informação no Brasil (2000) afirma que: Educar em uma sociedade da informação significa muito mais que treinar pessoas para o uso das tecnologias de informação e comunicação: trata-se de investir na criação de competências suficientemente amplas que lhes permitam ter uma atuação afetiva na produção de bens e serviços,tomar decisões fundamentadas no conhecimento, operar com fluência os novos meiose ferramentas em seu trabalho,

7 bem como aplicar criativamente as novas mídias, seja em usos simples e rotineiros, seja em aplicações mais sofisticadas. Trata-se também de formar os indivíduos para aprender a aprender, de modo a serem capazes de lidar positivamente com a contínua e acelerada transformação da base tecnológica (BRASIL, 2000, p.45). Estabelece-se assim, um cenário fecundo para a ampliação do uso das tecnologias digitais para a educação. Conforme histórico já apresentado, cada época determinou, tecnologicamente, uma grande influência no formato da EaD. Atualmente o uso das TDIC e da internetconstituem-se como as principais veiculadores dos cursos de EaDonline. 2.3 Profissionais envolvidos na elaboração de um curso na EaDonline O desenvolvimento de um curso ou conteúdo para a EaDonline requer uma organização específica do planejamento do ensino, que é fortemente determinado pelo distanciamento físico entre alunos, professores e instituição. Não raro, o conteúdo a ser trabalhado é o mesmo de um curso presencial, no entanto, a forma e as técnicas selecionadas para sua apresentação são pensadas para um contexto em que o aluno, na maioria das vezes, encontra-se sozinho diante do material a ser estudado. Considerando este aspecto, Moore e Kearsley (2007) colocam as seguintes questões a serem ponderadas ao se pensar um curso no formato EaD: Que conteúdo deve ser incluído ou excluído? De que forma ocorrerá a sequência e a estrutura da matéria? Que mídias serão usadas para apresentar as diferentes partes do material? Que estratégias de ensino serão utilizadas? Quanta interação existirá entre alunos e instrutor e entre alunos? Como o aprendizado será avaliado e que forma assumirá o feedback para os alunos? Quais métodos de produção serão usados para criar os materiais de ensino? (MOORE e KEARSLEY, 2007, p.107) Para tanto, demonstra-se necessária a participação de uma equipe dedicada ao desenvolvimento do curso, a fim de atender as questões anteriormente postas.

8 Neste sentido, Moore e Kearsley(2007) recomendam que a criação de um curso para a EaD deve ser realizada por uma equipe, cuja natureza e número de pessoas envolvidas dependerá dos objetivos da instituição provedora. Assim, o processo se constitui em etapas pré-determinadas, onde o trabalho de cada profissional é interligado e dependente do outro. A partir deste contexto o trabalho docente se modifica, agrega novas funções e novos sujeitos, ao mesmo tempo em que novos recursos são adotados para estabelecer as relações que normalmente aconteciam somente na sala de aula. SeguntoBellonni (1999, online), na EaD ocorre a transformação do professor de uma entidade individual em uma entidade coletiva. Assim, o papel do professor se amplia e ao mesmo tempo se dilui: se amplia uma vez que o estudo acontece em tempos e espaços diversos e que não foram previamente definidos; e se dilui, uma vez que entram no cenário os profissionais de conteúdo, tutoria e produção do conteúdo para veiculação online e suporte aos alunos. No quadro 2 é apresentada uma possível configuração das atividades que se estabelecem na EaD a partir do papel originalmente exclusivo do docente. QUADRO 2 - Ampliação e diluição do papel do professor na EaD Educaçãopresencial Professor e pedagogo: responsável pela elaboração do conteúdo, criação de estratégias para sua apresentação em sala de aula e acompanhamento direto dos alunos. Fonte: Elaborado pela autora EaDOnline Conteudista: responsável pela escrita dos conteúdos que serão ofertados. Professor: possui domínio do conteúdo, realiza o acompanhamento dos alunos, é mediador dos fóruns e realiza a orientação dos tutores. Tutor: acompanha os alunos juntamente com o professor, o tutor esclarece algumas dúvidas em relação ao conteúdo e demais assuntos referentes ao curso/ava. Equipe de produção do conteúdo online: responsáveis pela formatação do conteúdo escrito para a sua veiculação em um Ambiente Virtual de Aprendizagem. Geralmente envolve profissionais de design instrucional, designer gráfico, ilustração e programação. Ressalta-se que as funções referentes ao conteudista e ao professor em alguns casos são realizadas pelo mesmo profissional. Para um melhor entendimento foram apresentadas separadamente a fim de ilustrar todas as atividades envolvidas. A partir desta reconfiguração de papéis o design instrucional tem se consolidado como uma opção destinada à sistematização do processo de ensino e aprendizagem na EaDonline.

9 2.4 Design Instrucional Apesar de fortemente vinculado à ideia de educação online, o design instrucional pode ser percebido nas situações em que é feito uso de uma estratégia de ensino, podendo, assim, estar presente tanto nas modalidades presenciais como nas modalidades a distância ou semipresenciais (FILATRO, 2010). No contexto presencial são utilizados recursos físicos, como papel, quadro, projetor, impressões; no contexto da educação a distância, utiliza-se, em grande parte, os recursos tecnológicos, vídeos, hipertextos, animações gráficas e objetos de interação. No livro Trendsandissues in instructionaldesignandtechnology Tendências e questões em design instrucional e tecnologia Reiser e Dempsey (2012) trazem uma reflexão sobre o campo do design instrucional e das tecnologias, movendo o foco das habilidades em si para uma compreensão mais ampla da área, convidando para uma análise do histórico do design instrucional, as condições atuais, as questões envolvidas e as possibilidades futuras. Neste contexto, definem design instrucional como um processo sistemático empregado para desenvolver programas de educação e formação de uma forma consistente e confiável. O quadro3 apresenta alguns aspectos levantados por Filatro (2010) que referem-se ao design instrucional. QUADRO 3 Características do design instrucional Definição Propósito Origens Resultados desejados Estratégias de design Uso de estratégias de aprendizagem testadas para projetar atividades de aprendizagem que permitam a construção de habilidade e conhecimentos. Otimizar a construção de habilidades e conhecimentos conforme definida pelos objetivos de aprendizagem. Psicologia, ciência da computação, engenharia, educação e negócios. Habilidades demonstráveis e conhecimento construído pelo aluno. Estratégias de demonstração orientadas empiricamente, prática orientada, prática não orientada e avaliação. Escopo do conhecimento Orientado pelo conjunto de habilidades e resultados de aprendizagem desejados.

10 Sequenciamento Medidas de eficiência Medidas de efetividade Fonte: FILATRO, 2010 Varia do controle total pelo sistema até o controle total pelo aluno, dependendo dos resultados de aprendizagem desejados. O tempo necessário para que o aluno domine o conteúdo. O aluno demonstra domínio sobre o conteúdo e transfere a aprendizagem para outras situações. 2.5 Design instrucional e EaDonline:uma relação para o aprendizado A relação do professor com os alunos em sala de aula possui uma proximidade que em certos momentos se torna um facilitador da aula. A apresentação dos conteúdos é pensada para um momento distinto, em que todos compartilham o mesmo espaço e o professor é o interlocutor que mantém um diálogo direto com os alunos, faz uso da sua voz, expressão corporal, memória e outros recursos que complementam e contribuem para a garantia do entendimento das informações. É na sala de aula que o professor tem sua prática, seleciona conteúdos, passa posições políticas, ideológicas, transmite e recebe afetos e valores (VASCONCELOS, 2005, p. 10). O aprendizado é favorecido em boa parte pela sua presença física em sala de aula, que é sensível à reação dos alunos e a qual eles podem recorrer em caso de alguma dúvida no percurso. Na educação a distância também há a presença do professor, que conta ainda com a ajuda dos tutores na tarefa de ensinar. No entanto, as mesmas características que facilitam e fazem desta uma modalidade mais flexível, criam certas barreiras que necessitam ser supridas com técnicas alternativas. Esta modalidade exige alguns cuidados específicos com o planejamento do ensino, que é determinado pelo distanciamento físico entre alunos, professores e instituição (VERGARA, 2007). O formato de apresentaçãodos conteúdos passa a necessitar de um artifício diferenciado, que não se esgote na mera entrega de informações, mas que isso aconteça de forma que o aluno seja capaz de compreendê-las, em sua maior parte, sem grandes interferências do professor e/ou tutor. Nesse sentido, o design instrucional tem participado da educação a distância online como um recurso mediador no processo de ensino e aprendizagem. Segundo Branch e Merrill (2012), há certas características que devem estar presentes em quaisquer ações relacionadas aodesign instrucional: 1. Design instrucional é centrado no aluno.

11 2. Design Instrucional é orientado para metas. 3. Design Instrucional é voltado para o desempenho significativo. 4. Design Instrucional possibilita que os resultados podem ser medidos de forma confiável e válida. 5. Design Instrucional é empírico, interativo e autocorretivo. 6. Design Instrucional normalmente é um esforço de equipe. Um modelo de design instrucional que tem sido bastante utilizado é o ADDIE, nome que representa o acrônimo das ações que envolvem a base do planejamento: análise (analysis), roteiro (design), desenvolvimento (development), implementação (implementation) e avaliação (evaluation). A ideia do ADDIE é se manter um ciclo dinâmico e flexível, onde são realizadas melhorias a partir do feedback constante dos participantes. Apesar de intimamente ligado ao conteúdo em si, o designer instrucional deve estar presente desde a ideia inicial do curso, levantando os aspectos iniciais que serão determinantes para a sua elaboração: Identificação do público-alvo Análise do perfil do público-alvo Definição dos objetivos Levantamento dos conhecimentos prévios e/ou pré-requisitos Levantamento das tecnologias disponíveis Análise dos conteúdos Filatro (2004) define este primeiro levantamento como análise contextual, que consiste em examinar a dinamicidade entre os diferentes níveis contextuais a fim de identificar as necessidades ou os problemas de aprendizagem, caracterizar o público-alvo e levantar as restrições técnicas, administrativas e culturais (FILATRO, 2008, p.36). A autora ressalta ainda umoutro ponto importante ao se pensar a EaDonline, que são os estilos de aprendizagem dos alunos. Nesse sentido, Markova (2000) afirma que a grande questão relacionada ao aprendizado, que se impõe hoje, dentro de uma sociedade em que as informações mudam em grande velocidade, não é mais o que aprender, mas sim, como aprender. A partir do momento em que o indivíduo se torna capaz de compreender como ocorre o seu próprio aprendizado, ele terá condições de absorver melhor as informações e conduzir o seu próprio processo de construção do conhecimento.

12 Cada pessoa possui características neurológicas e experiências individuais que determinam a forma como interagem com as informações e constroem o conhecimento. A neurociência define a aprendizagem como um processo de mudança de comportamento obtido através da experiência construída por fatores emocionais, neurológicos, relacionais e ambientais. Aprender é o resultado da interação entre estruturas mentais e o meio ambiente. Sendo assim,o aprendizado pode ser potencializado através da geração de estímulos cerebrais (RELVAS, 2009). Ainda segundo Relvas (2009), o aprendizado pode ser impulsionado através da diversidade de estratégias, utilização de novas experiências, exploração dos sentidos e a inclusão de pequenos desafios às atividades. Tendo em vista tais questões, os Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA)despontam como o novo espaço do saber e oferecem recursos tecnológicos diversificados. Os AVAsconstituem-se como softwares educativos que permitem o gerenciamento e controle de cursos virtuais. Tais ambientes possuem uma estrutura pedagogicamente pensada para que seja possível recriar, em certo nível, o contexto de uma sala de aula, fornecendo conteúdo, atividades, acesso a materiais de apoio, espaço para interação com o professor e entre os alunos e ainda acesso à informações administrativas. Reúnem ainda recursos midiáticos voltados para a veiculação de informações, que propiciam a construção do conhecimento pelo aluno e dialogam com tipos de mídias e objetos de aprendizagem variados. Com o propósito de relacionar alguns dos recursos disponíveis em um AVA, tomou-se como referência o Modular Object-OrientedDynamic Learning Environment (Moodle). Tal plataforma se consagrou como um software livre, colaborativo, de fácil manuseio e seguro, estando presente em mais de 200 países e com mais de 60 milhões de usuários cadastrados. No quadro 4 são apresentados alguns dos recursos disponíveis nesta plataforma: Quadro 4 Recursos do Moodle Conteúdo instrucional: materiais e atividades Páginas simples de texto Páginas em HTML Acesso a arquivos em qualquer formato (PDF, DOC, PPT, Flash, áudio, vídeo, etc.) ou a links externos (URLs). Acesso a diretórios (pastas de arquivos no servidor) Rótulos Lições interativas Livros eletrônicos

13 Wikis (textos colaborativos) Glossários Perguntas frequentes Ferramentas de interação: Chat (bate-papo) Fórum de discussão Diários Fonte: Por meio dos dados apresentados percebe-se que o Moodle oferece opções diversificadas para o desenvolvimento de materiais voltados ao ensino e oferece também ferramentas que possibilitam a interação entre alunos e professores. O diálogo entre estas possibilidades tecnológicas e os objetivos do ensino, passa pelo design instrucional que possui potencial para funcionar como um elo entre estas duas pontas. Através da análise do conteúdo identificam-se os recursos adequados para a sua veiculação online e estabelecem-se as conexões que serão feitas entre as mídias disponíveis (FILATRO, 2010). Entendendo o aprendizado como resultante dos estímulos cerebrais e a diversidade de recursos como um fator impulsionador do aprendizado, as TDIC utilizadas para fins educativos podem ser consideradas como um recurso promissor na evolução da EaDonline. 3. Metodologia Para atingir o objetivo proposto neste estudo, realizou-se umaanálise bibliográfica dos conceitos vinculados à definição daeadonline edo design instrucional a fim de verificar a relação que se estabelece entre ambos. Neste sentido, delineou-se o caminho trilhado pelas transformações tecnológicas que favoreceram o estabelecimento da EaDonline bem como o desenvolvimento das tecnologias que determinaram, ao longo dos anos, o ato de ensinar. A partir deste contexto realizou-se uma análise sobre a diluição da função do professor e dos novos sujeitos que surgiram através dele para se desenvolver um curso no formato EaD. Nesta nova configuração de funções destaca-se o designer instrucional, responsável pela sistematização do desenvolvimento do conteúdo que será apresentado em formato online. Tendo em vista que a diversificação de estratégias e a promoção da autonomia são dois aspectos inerentes ao aprendizado, analisou-se as possibilidades paraa EaD a partir da adoção de um design instrucional em consonância comas tecnologias da educação. 4. Resultados e análises A partir da análise das temáticas apresentadas no referencial teórico, identifica-se uma relação estreita e recíproca entre as TDIC e as pessoas que a utilizam. Esta relação trouxe uma nova concepção em relação à manipulação de informações, que passa a ser mais democrática por possibilitar que através do acesso a internet informações possam ser divulgadas e trocadas

14 sem grandes limitações de tempo ou espaço.nesta perspectiva, a EaDonline ganha evidência por possibilitar a incorporação das TDIC aos processos de ensino através da sistematização proposta pelodesign instrucional e dos recursos presentes no AVA. O uso das tecnologias como recurso educativo representa um considerável avanço no campo educacional, no entanto, reforça um aspecto importante da EaD, que é a distância física entre professor e aluno. Desta forma, faz-se necessário um comprometimento maior por parte do aluno, que precisa organizar seus próprios espaço e tempo para conseguir realizar suas tarefas. Da mesma forma, é grande o compromisso de quem está posicionado na outra ponta, a equipe docente, que está envolvida com a criação de estratégias para que, apesar de fisicamente sozinho, o aluno sinta-se respaldado e receba os recursos necessários para desenvolver plenamente a sua autonomia na construção do conhecimento. Assim, o professor se torna um supervisor, um animador, um incentivador dos alunos na instigante aventura do conhecimento (MORAN, 2009, online) Neste cenário o design instrucional contribui para um planejamento em consonância com o aluno, considerando as implicações do distanciamento entre os sujeitos. Assim, é realizada a identificação e análise do contexto de desenvolvimento do objeto de estudo, do perfil dos alunos e da disponibilidade de recursos tecnológicos que mediarão a relação professor-aluno, bem como a interação do aluno com o AVA. Os AVAs, geralmente, apresentam uma variedade considerável de possibilidades midiáticas. No caso do Moodle, utilizado como referência neste estudo, é possível utilizar textos, vídeos, podcasts, livros eletrônicos, inserir conteúdos através de links externos, mantendo a interação entre todos. E, como se trata de um software livre, a plataforma permite que sejam feitas alterações no seu formato de acordo com os objetivos e demandas de cada curso. A constância das inovações e da variação da relação do indivíduo com o conhecimento fazem da EaD um processo permanentemente em desenvolvimento. Desta forma o design instrucional, na busca de uma educação em consonância com as tecnologias e as necessidades do aluno, se volta para uma reflexão contínua sobre o planejamento, voltado para o aluno e a promoção do aprendizado. 5. Considerações finais O design instrucional na EaD virtual pode ser comparado às intervenções realizadas pelo professor em sala de aula com o intuito de garantir o aprendizado dos alunos. Através do

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO Carlos Eduardo Rocha dos Santos Universidade Bandeirante Anhanguera carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

DESIGN INSTRUCIONAL: APLICABILIDADE DOS DESENHOS PEDAGÓGICOS NA EAD ON-LINE BRASILIA-DF, MAIO, 2009

DESIGN INSTRUCIONAL: APLICABILIDADE DOS DESENHOS PEDAGÓGICOS NA EAD ON-LINE BRASILIA-DF, MAIO, 2009 1 DESIGN INSTRUCIONAL: APLICABILIDADE DOS DESENHOS PEDAGÓGICOS NA EAD ON-LINE BRASILIA-DF, MAIO, 2009 Karine Xavier Freire Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal karine.xavier@gmail.com Categoria

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA Ronaldo Vieira Cabral Abdias de Brito Aguiar Júnior José Sidney Nunes de Araújo Resumo: A parte das

Leia mais

JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região

JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região Objetivo geral Elaborar um projeto básico de curso on-line Objetivos específicos 1.Aplicar conceitos e fundamentos do DI na concepção

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line 1 2 A HIPOCAMPUS é uma empresa de consultoria em comunicação e ensino digital com foco nos profissionais de saúde. Estamos prontos a auxiliar empresas dos diferentes segmentos da área de saúde a estabelecer

Leia mais

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006).

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006). 1 FORMAÇÃO E AÇÃO DO DOCENTE ONLINE RODRIGUES, Tatiana Claro dos Santos UNESA taticlaro@globo.com GT-16: Educação e Comunicação Agência Financiadora: CAPES Introdução As tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM: UM PANORAMA DA PRODUÇÃO NACIONAL

AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM: UM PANORAMA DA PRODUÇÃO NACIONAL 1 AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM: UM PANORAMA DA PRODUÇÃO NACIONAL Belo Horizonte, Maio/2010. Vanessa Belmonte - CEFET-MG - vabelmonte@yahoo.com.br - (31) 9225-1923 Márcia Gorett Ribeiro Grossi - CEFET-MG

Leia mais

WEBCONFERÊNCIA: ASSEGURANDO A QUALIDADE DA INFORMAÇÃO DO SPC BRASIL

WEBCONFERÊNCIA: ASSEGURANDO A QUALIDADE DA INFORMAÇÃO DO SPC BRASIL 1 WEBCONFERÊNCIA: ASSEGURANDO A QUALIDADE DA INFORMAÇÃO DO SPC BRASIL São Paulo - SP - 05/2015 Silvana Denise Guimarães - SPC Brasil - silvana.guimaraes@spcbrasil.org.br Experiência Inovadora: Estudo de

Leia mais

Introdução a EaD: Um guia de estudos

Introdução a EaD: Um guia de estudos MÓDULO BÁSICO PROFESSORES FERNANDO SPANHOL E MARCIO DE SOUZA Introdução a EaD: Um guia de estudos Realização: guia de estudo SUMÁRIO UNIDADE 1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1.1 Entendendo a EaD 5

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail. Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.com Perspectivas de análise: EAD e mudança Perspectivas de análise:

Leia mais

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO PRESENCIAL: estudos preliminares e proposta de uma metodologia de implantação no CEFET-Bambuí Christiane dos Santos

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: AS NOVAS TECNOLOGIAS E O PAPEL DO TUTOR NA PERSPECTIVA DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: AS NOVAS TECNOLOGIAS E O PAPEL DO TUTOR NA PERSPECTIVA DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: AS NOVAS TECNOLOGIAS E O PAPEL DO TUTOR NA PERSPECTIVA DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Campo Grande MS abril de 2011 Ari Gonçalves Silva Universidade Anhanguera Uniderp laquicho13@yahoo.com.br

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E OS AMBIENTES VIRTUAIS DE APREDIZAGEM

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E OS AMBIENTES VIRTUAIS DE APREDIZAGEM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E OS AMBIENTES VIRTUAIS DE APREDIZAGEM Edivan Claudino Soares da Silva RESUMO O presente trabalho é fruto de uma adaptação do seminário de uma disciplina do Mestrado em Educação Brasileira

Leia mais

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 70 A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O USO DE AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Rita de Cássia Viegas dos Santos

Leia mais

ESTUDO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA CIDADE DE PORTO VELHO

ESTUDO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA CIDADE DE PORTO VELHO ESTUDO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA CIDADE DE PORTO VELHO Porto Velho - RO - 03/2010 Sara Luize Oliveira Duarte, Universidade de Taubaté, saralod@msn.com Walace

Leia mais

CONHECENDO O SCRATCH E SUAS POTENCIALIDADES PEDAGÓGICAS

CONHECENDO O SCRATCH E SUAS POTENCIALIDADES PEDAGÓGICAS CONHECENDO O SCRATCH E SUAS POTENCIALIDADES PEDAGÓGICAS ANDREA DA SILVA MARQUES RIBEIRO andrea.marques@gmail.com INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA (CAP-UERJ) FERNANDO DE BARROS VASCONCELOS

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS São Luís MA maio de 2012 Categoria: C Setor Educacional: 3 Classificação das áreas de pesquisa em EAD Macro: C / Meso: J /

Leia mais

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD 1 Curso Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD Unidade I Material Instrucional - Texto 1. Introdução Qualquer que seja

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR 1 IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR Ribeirão Preto-SP - 05/2009 Edilson Carlos Caritá - Universidade de Ribeirão Preto UNAERP

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet 57 Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet Hoje em dia ter a Internet como aliada é um recurso indispensável para qualquer educador ou responsável por treinamento corporativo que atue em qualquer

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO A DISTÂNCIA SECADI/UFC AULA 02: EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TÓPICO 03: CARACTERÍSTICAS DO ENSINO A DISTÂNCIA VERSÃO TEXTUAL Antes de iniciar este curso, você deve ter refletido bastante sobre

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E SEU PLANEJAMENTO

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E SEU PLANEJAMENTO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E SEU PLANEJAMENTO Curso de Formação de Profissionais para Atuarem no Ensino a Distância Autor: Marilaine Oliveira Casonatti Porto Alegre, Fevereiro de 2012. Introdução Veremos que

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS)

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS) A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS) Isléia Rössler Streit Universidade de Passo Fundo istreit@upf.br Resumo: A evolução tecnológica das últimas duas

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Pedagógica Pós-graduação Epidemiologia Como surgiu a EAD O

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES 1 A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES São Paulo SP 04/2015. Juliana Moraes Marques Giordano USP julianagiordano@usp.br 2.1.1. Classe: Investigação Científica

Leia mais

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento FORMAÇÃO CONTINUADA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA EXPERIÊNCIA EM CURITIBA Maio/2007 Eloina de Fátima Gomes dos Santos Prefeitura Municipal de Curitiba eloinas@curitiba.org.br Cíntia Caldonazo

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: TRABALHANDO A USABILIDADE NO CHAMILO PARA FACILITAR A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: TRABALHANDO A USABILIDADE NO CHAMILO PARA FACILITAR A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: TRABALHANDO A USABILIDADE NO CHAMILO PARA FACILITAR A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CELINA FERREIRA RIBEIRO, FRANCISCO WILLIANS M. PLÁCIDO HIRANO CELINA.RIBEIRO@IFTO.EDU.BR Resumo O Ambiente

Leia mais

DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT

DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT 1 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2. CENÁRIO PROFISSIONAL 3. CONCEPÇÃO DA APRENDIZAGEM E METODOLOGIA 4. ESTRATÉGIAS

Leia mais

A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES

A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES Ulisses Dias ulissesdias@limc.ufrj.br Rodrigo de Alencar Hausen hausen@limc.ufrj.br Rodrigo G. Devolder rodrigodevolder@limc.ufrj.br Luiz Carlos

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Curso de Formação Continuada em Videoconferência. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Curso de Formação Continuada em Videoconferência. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis)

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) Moema Gomes Moraes Universidade Estadual de Goiás (UEG)/ CEPAE-UFG

Leia mais

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Carla de Araújo 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo: Tendo em vista as

Leia mais

CRITÉRIOS E INDICADORES PARA A ESCOLHA DE MATERIAIS DIDÁTICOS EM CURSOS ON-LINE

CRITÉRIOS E INDICADORES PARA A ESCOLHA DE MATERIAIS DIDÁTICOS EM CURSOS ON-LINE CRITÉRIOS E INDICADORES PARA A ESCOLHA DE MATERIAIS DIDÁTICOS EM CURSOS ON-LINE 05/2007 Fátima Cristina Nóbrega da Silva Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) fatimacristina.hope@petrobras.com.br

Leia mais

Formação de professores para docência online

Formação de professores para docência online Formação de professores para docência online uma pesquisa interinstitucional Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

Alfabetização Digital

Alfabetização Digital Ferramentas de interação e sua utilização pedagógica nos Ambientes Virtuais de Aprendizagem evidenciando o papel do professor e do estudante Prof. Ana Carolina de Oliveira Salgueiro de Moura Prof. Antônio

Leia mais

DOCÊNCIA ONLINE: UM ESTUDO NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DOCÊNCIA ONLINE: UM ESTUDO NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA 1 DOCÊNCIA ONLINE: UM ESTUDO NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Brasília - DF setembro 2014 Omitido para avaliação Instituição email Classe Investigação Científica Setor Educacional Educação Superior Classificação

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu Ambientação ao Moodle João Vicente Cegato Bertomeu AMBIENTAÇÃO A O MOODLE E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M SAUDE da FAMILIA Sumário Ambientação ao Moodle 21 1. Introdução 25 2. Histórico da EaD 25 3. Utilizando

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 02 PROCESSO DE INTERAÇÃO EM EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Interação em EAD A partir das novas mídias e tecnologias, tais como a televisão, o telefone

Leia mais

Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013)

Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013) Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013) Questionamentos que devem ser enfrentados 1. Como você descreveria esse ambiente

Leia mais

Escola Virtual ENAP: Relato de Experiência

Escola Virtual ENAP: Relato de Experiência 1 Escola Virtual ENAP: Relato de Experiência Maio/2005 190-TC-A5 Tarcilena Polisseni Cotta Nascimento Escola Nacional de Administração Pública ENAP Tarcilena.Nascimento@enap.gov.br Maria Fernanda Borges-Ferreira

Leia mais

José Moran Orientador de Projetos Educacionais Inovadores com metodologias ativas

José Moran Orientador de Projetos Educacionais Inovadores com metodologias ativas Desafios que as tecnologias digitais nos trazem José Moran Orientador de Projetos Educacionais Inovadores com metodologias ativas nas modalidades presencial e a distância Do livro Novas Tecnologias e Mediação

Leia mais

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO 1 A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² Bruna Barçante¹ Aylla Barbosa Ribeiro¹ Fernanda Teixeira Ferreira Leite¹

Leia mais

PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Curitiba PR Maio 2010 Roberto F. Bentes SISTEMA FIEP SENAI roberto.bentes@fiepr.org.br Silvana Martinski SISTEMA FIEP

Leia mais

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Temos literatura abundante sobre comunidades de aprendizagem, sobre a aprendizagem em rede, principalmente na aprendizagem informal. A sociedade conectada

Leia mais

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D Luzivone Lopes GOMES UEPB luzivone@gmail.com Filomena Mª Gonçalves da Silva Cordeiro Moita - UEPB filomena_moita@hotmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Aline Passos Amanda Antunes Ana Gabriela Gomes da Cruz Natália Neves Nathalie Resende Vanessa de Morais EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Trabalho apresentado à disciplina online Oficina

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Manual do Ambiente Virtual Moodle

Manual do Ambiente Virtual Moodle Manual do Ambiente Virtual Moodle versão 0.3 Prof. Cristiano Costa Argemon Vieira Prof. Hercules da Costa Sandim Outubro de 2010 Capítulo 1 Primeiros Passos 1.1 Acessando o Ambiente Acesse o Ambiente Virtual

Leia mais

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Maio/2010 AMARAL, Rita de Cássia Borges de Magalhães

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DE CURSOS A DISTÂNCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA ESAF

O DESENVOLVIMENTO DE CURSOS A DISTÂNCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA ESAF 1 O DESENVOLVIMENTO DE CURSOS A DISTÂNCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA ESAF Brasília DF Maio 2012 Kelly Ramos de Souza Bitencourt Escola de Administração

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NA BUSCA DE NOVOS DOMÍNIOS DA EAD

A IMPORTÂNCIA DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NA BUSCA DE NOVOS DOMÍNIOS DA EAD A IMPORTÂNCIA DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NA BUSCA DE NOVOS DOMÍNIOS DA EAD Data: 12/04/2007 Elvia Nunes Ribeiro - CEFET-GO elvianr@gmail.com Gilda Aquino de Araújo Mendonça CEFET-GO gaam@cefetgo.br

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

Proposta Didático-Pedagógica para Desenvolvimento de Disciplinas de Cursos de Graduação e Pós- Graduação na Modalidade a Distância

Proposta Didático-Pedagógica para Desenvolvimento de Disciplinas de Cursos de Graduação e Pós- Graduação na Modalidade a Distância Proposta Didático-Pedagógica para Desenvolvimento de Disciplinas de Cursos de Graduação e Pós- Graduação na Modalidade a Distância Maio 2007 na Lúcia Tinoco - UNICSUL ana.cabral@unicsul.br Carlos Fernando

Leia mais

Interatividade na docência e aprendizagem online

Interatividade na docência e aprendizagem online Interatividade na docência e aprendizagem online ou a pedagogia do parangolé Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

Referenciais de Qualidade adotados na Adaptação de um Curso a Distância

Referenciais de Qualidade adotados na Adaptação de um Curso a Distância 1 Referenciais de Qualidade adotados na Adaptação de um Curso a Distância Data de envio do trabalho: 06/11/2006 Ludmyla Rodrigues Gomes Escola Nacional de Administração Pública (ENAP) ludmyla.gomes@enap.gov.br

Leia mais

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade Rubens de Souza Designer gráfico O designer gráfico desenvolve projetos ou planejamentos a partir de elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade específica de atingir

Leia mais

O planejamento de Disciplinas na Modalidade de Ensino Semi-Presencial

O planejamento de Disciplinas na Modalidade de Ensino Semi-Presencial O planejamento de Disciplinas na Modalidade de Ensino Semi-Presencial Curitiba, 05/2010. Elton Ivan Schneider 1 Mestrando EGC UFSC eschneider@facinter.br Henrique Castelo Branco Prof. Msc hcastelo@onda.com.br

Leia mais

INOVANDO A PRÁTICA DOCENTE ATRAVÉS DO USO DE FERRAMENTAS WEB 2.0

INOVANDO A PRÁTICA DOCENTE ATRAVÉS DO USO DE FERRAMENTAS WEB 2.0 1 INOVANDO A PRÁTICA DOCENTE ATRAVÉS DO USO DE FERRAMENTAS WEB 2.0 RIO DE JANEIRO RJ Maio 2011 Cristina Pfeiffer - Centro de Ciências e Ensino Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro (CECIERJ)

Leia mais

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes FLORIANÓPOLIS 2014 2 RESUMO: O projeto apresentado é resultado

Leia mais

ANÁLISE DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

ANÁLISE DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA ANÁLISE DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Isabelle Maria Lima de Souza 1, Maria Lúcia Serafim 2 1 Departamento de Educação a Distância, Instituto Brasileiro de Desenho Instrucional,

Leia mais

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD 1 FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD Elisangela Lunas Soares UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar elisangela.soares@unicesumar.edu.br Alvaro Martins Fernandes Junior UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar

Leia mais

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES FACULDADE ZACARIAS DE GÓES DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Valença Bahia Dezembro 2011 DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Resenha a ser apresentada como avaliação da disciplina EAD em Ambiente

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE NA FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA (FGF): HISTÓRIA, PERCURSOS E LIÇÕES DE UMA EXPERIÊNCIA EM EAD

FORMAÇÃO DOCENTE NA FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA (FGF): HISTÓRIA, PERCURSOS E LIÇÕES DE UMA EXPERIÊNCIA EM EAD FORMAÇÃO DOCENTE NA FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA (FGF): HISTÓRIA, PERCURSOS E LIÇÕES DE UMA EXPERIÊNCIA EM EAD Fortaleza-CE - abril 2012 Categoria: C - Métodos e Tecnologias Setor Educacional:

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ.

3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ. 223 3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ. Andréia Bulaty 70 GT2: Mídia e Educação à Distância Modalidade: Pôster Resumo: O presente trabalho

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

A Inovação das Tecnologias da Informação e Comunicação no Ensino Online de Modelagem em Biscuit

A Inovação das Tecnologias da Informação e Comunicação no Ensino Online de Modelagem em Biscuit A Inovação das Tecnologias da Informação e Comunicação no Ensino Online de Modelagem em Biscuit Brasília/DF, maio/2012 Categoria: B- Conteúdos e Habilidades Setor Educacional: 5- Educação Continuada em

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

O desenvolvimento da EaD pode ser descrito basicamente em três gerações, conforme os avanços e recursos tecnológicos e de comunicação de cada época.

O desenvolvimento da EaD pode ser descrito basicamente em três gerações, conforme os avanços e recursos tecnológicos e de comunicação de cada época. Educação a distância (EaD, também chamada de teleducação), por vezes designada erradamente por ensino à distância, é a modalidade de ensino que permite que o aprendiz não esteja fisicamente presente em

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

Universidade de Santa Cruz do Sul Departamento de Informática

Universidade de Santa Cruz do Sul Departamento de Informática Universidade de Santa Cruz do Sul Departamento de Informática II Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa Sistemas Computacionais de Apoio à Educação Santa Cruz

Leia mais

Panorama da educação a distância na formação dos magistrados brasileiros

Panorama da educação a distância na formação dos magistrados brasileiros Panorama da educação a distância na formação dos magistrados brasileiros 7 e 8 de maio de 2015 Encontro de integração das Escolas da Magistratura 1 Tema: Sistema de Gestão da EaD Práticas e desafios do

Leia mais

O MOODLE COMO FERRAMENTA DIDÁTICA

O MOODLE COMO FERRAMENTA DIDÁTICA 1 O MOODLE COMO FERRAMENTA DIDÁTICA Andréia de Souza Alencar Fernanda Cristina de Paula Matias Fernanda Pereira Guimarães Rodrigo Sanches de Oliveira Resumo: Educação a distância (EaD) e Software Livre

Leia mais

A AQUISIÇÃO DO ESPANHOL INSTRUMENTAL NA PLATAFORMA MOODLE *

A AQUISIÇÃO DO ESPANHOL INSTRUMENTAL NA PLATAFORMA MOODLE * 1 A AQUISIÇÃO DO ESPANHOL INSTRUMENTAL NA PLATAFORMA MOODLE * Valéria Jane Siqueira Loureiro (Universidade Federal de Sergipe) RESUMO: Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária

Leia mais

PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI LAUREATE INTERNACIONAL EDUCATION Klaibert Miranda Jacqueline Cícera Florêncio dos Santos Valter Garoli Mariana Estima do Nascimento PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Maria Elisabette Brisola Brito Prado 1 Nos últimos anos, a educação a distância via telemática ganhou uma nova dimensão,

Leia mais

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC)

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Rosana Rodrigues da Silva 1 GD5 História da Matemática e Cultura

Leia mais

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Sumário Apresentação O papel do Aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Dúvidas 3 5 6 9 10 11 14

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

O PLANEJAMENTO E OS USOS DE AULAS ONLINE EM UM CURSO DE LICENCIATURA PRESENCIAL: REFLEXÕES EM ANDAMENTO

O PLANEJAMENTO E OS USOS DE AULAS ONLINE EM UM CURSO DE LICENCIATURA PRESENCIAL: REFLEXÕES EM ANDAMENTO O PLANEJAMENTO E OS USOS DE AULAS ONLINE EM UM CURSO DE LICENCIATURA PRESENCIAL: REFLEXÕES EM ANDAMENTO Resumo Ana Paula Gonzatto 1 - UNICENTRO Jamile Santinello 2 - UNICENTRO Grupo de Trabalho - Comunicação

Leia mais

Saberes da Docência Online

Saberes da Docência Online Saberes da Docência Online Edméa Santos Professora do PROPED-Faculdade de Educação da UERJ E-mail: mea2@uol.com.br Web-site: http://www.docenciaonline.pro.br/moodle http://www.proped..pro.br/moodle Fones

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia.

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia. 1 O PAPEL DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: Um Estudo de Caso no pólo UNOPAR, Machadinho do Oeste - RO Izaqueu Chaves de Oliveira 1 RESUMO O presente artigo tem por objetivo compreender a importância

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais